unesp APLICAÇÃO DA CLT NO ÂMBITO DA UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA REITORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "unesp APLICAÇÃO DA CLT NO ÂMBITO DA UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA REITORIA"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DA CLT NO ÂMBITO DA UNESP

2 SUMÁRIO Contratação de Pessoal...05 Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS...05 Documentos de Identificação Pessoal...10 Registro de Empregados...11 PIS / PASEP...13 Exame Médico Ocupacional...14 Caracterização do Vínculo Empregatício...15 Acumulação de Empregos / Cargos...16 Adicional por Tempo de Serviço e Sexta Parte...17 Adicional de Insalubridade...19 Gratificação de Representação...20 Falta Abonada...20 Falta Justificada pelo Empregado...21 Falta Injustificada...21 Nojo...21 Gala...22 Licença-Maternidade e Licença Adoção...23 Licença-Paternidade...24 Licença-Saúde...24 Auxílio-Doença...25 Jornada de Trabalho...26 Duração Normal do Trabalho...26 Marcação do Ponto

3 Jornadas Diferenciadas...28 Hora Extraordinária...28 Compensação de Jornada de Trabalho...30 Intervalo Interjornadas...30 Intervalo Intrajornada...31 Turnos Ininterruptos de Revezamento...32 Descanso Semanal Remunerado...32 Trabalho em Feriados...33 Trabalho Noturno...34 Horário de Estudante...34 Férias Anuais...35 O Direito a Férias e da sua Duração...35 Período Aquisitivo...35 Período Concessivo...36 Conversão em Abono Pecuniário...36 Período de Fruição de Férias...36 Interrupção...37 Perda do Direito...37 Da Remuneração do Período...37 Imposto de Renda sobre Férias Indenizadas e Abono Pecuniário...38 Férias (Docente)...38 Férias e Aviso-prévio...38 Indenização...39 Contrato de Trabalho...40 Modalidades de Contrato de Trabalho...40 Contrato de Experiência

4 Contrato por Tempo Determinado...42 Cláusula Assecuratória...43 Prorrogação do Contrato de Trabalho...44 Extinção do Contrato de Trabalho...45 Contrato por Tempo Indeterminado...45 Aditamento e Alteração do Contrato de Trabalho...46 Suspensão do Contrato de Trabalho...46 Interrupção do Contrato de Trabalho...49 Rescisão do Contrato de Trabalho...49 Modalidades de Rescisão...50 Cessação do Contrato de Trabalho por Decisão do Empregador...50 Cessação do Contrato de Trabalho por Decisão do Empregado...51 Aviso-prévio...52 Remuneração

5 CONTRATAÇÃO DE PESSOAL CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL CTPS Trata-se de documento obrigatório para efetivar a contratação de pessoal, cujo preenchimento precede a prestação de serviço. Reproduz com tempestividade toda sua vida funcional, garantindo o acesso a direitos trabalhistas, como seguro-desemprego, benefícios previdenciários e FGTS. A CTPS deve ser apresentada: No ato da contratação do servidor Para as anotações de atualização nos períodos de reajuste salarial A qualquer tempo pelo servidor ou por solicitação da área de RH No caso de rescisão contratual Por necessidade de comprovação perante a Previdência Social A área de RH da Unidade ao receber a CTPS do servidor deverá: Preencher e fornecer o Recibo de Entrega da CTPS Realizar o levantamento de dados funcionais e providenciar as alterações devidas Preencher o comprovante de devolução da CTPS Quando da contratação, o prazo para preenchimento e devolução da CTPS é de 48 (quarenta e oito) horas (Art. 5º da Portaria MTE n.º 41/2007), mediante assinatura comprovando recebimento e devolução. A Unidade deverá adotar procedimentos para o recebimento e devolução da CTPS, ficando a critério da Administração a forma de controle. Anotações a serem realizadas na CTPS, que poderão ser adequadas de acordo com os campos existentes: Data de admissão Anotação do PASEP, se o cadastramento ocorrer no momento da contratação (Portaria MTE n.º 41/2007) Remuneração Condições especiais do contrato de trabalho, caso existentes Férias Suspensão Contratual 5

6 Alterações salariais Mobilidade Funcional/Transferência Alterações na vigência do contrato de trabalho Anotações sobre o emprego público Alterações de função Concessão de adicional de insalubridade, adicional por tempo de serviço, sexta-parte dos salários, gratificação de representação incorporada Designação Promoção por desenvolvimento profissional e por grau de escolaridade formal No campo "Anotações Gerais", de acordo com a ocorrência das situações abaixo, para fins de padronização, o registro deverá ser efetuado conforme segue: Reintegração: - fica sem efeito a data de saída do servidor registrada anteriormente na pág. Adicional por Tempo de Serviço e Sexta-parte: - 1º ATS (5%), / / - 2º ATS (10%), / / - Sexta Parte, / / Adicional de Insalubridade: - Adicional de Insalubridade, / /, Grau Gratificação de Representação Incorporada: GRI (nº de décimos), / / Designação: - designado para exercer a função de, / / - cessada a designação, / / Mobilidade Funcional Anotação da Unidade de origem - Mobilidade Funcional para (Campus), na função de, a partir de / / Anotação quando na mesma Unidade 6

7 - Mobilidade Funcional, na função de, a partir de / / Transferência (anotação da Unidade de origem) - transferido para, a partir de / / Transferência (anotação da Unidade de destino) - registrado sob nº Aviso-prévio indenizado: - data do último dia efetivamente trabalhado / /, referente ao aviso prévio indenizado projetado até / / (vide pág. ) Quando não houver espaço nas páginas destinadas para "Férias" e/ou "Alterações de Salário" as anotações poderão ser efetuadas nas "Anotações Gerais", e não havendo espaço para anotação nos campos Contrato de Trabalho e/ou Anotações Gerais, solicitar ao servidor a emissão de nova CTPS, com mesmo nº e série. Quando emitida 2ª via da CTPS, a área de RH deverá transcrever na página "Contrato de Trabalho", da nova carteira, exatamente os mesmos dados inseridos na CTPS quando da contratação, e nas "Anotações Gerais", anotar que o contrato da página, foi transcrito da CTPS anterior de mesmo nº e série. OBSERVAÇÃO: - No novo modelo de CTPS, tendo em vista que as empresas ficaram desobrigadas das anotações de nome e endereço da agência do banco depositário, não há necessidade de anotar em "Anotações Gerais" as informações relativas ao FGTS No campo "Alterações de Salário" o preenchimento deverá ser efetuado quando de alterações salariais decorrentes de reajustes salariais por lei, bem como decorrentes de "Promoção" e/ou "Mobilidade Funcional", ou seja, sempre que o padrão de vencimentos (nível e/ou grau) for alterado. Quando de Mobilidade Funcional, constar a respectiva página das "Anotações Gerais". Exemplo: ALTERAÇÕES DE SALÁRIO AUMENTADO EM...PARA R$... MOTIVO - Mobilidade Funcional (vide pág. ) ASSINATURA DO EMPREGADOR 7

8 No campo "Anotações de Férias" deverão ser inseridas as datas correspondentes ao período aquisitivo, o período de fruição, e se for o caso, citar o abono pecuniário. Exemplo: período aquisitivo, período de fruição + 10 dias de abono pecuniário. ANOTAÇÕES DE FÉRIAS DE.../.../... A.../.../... (referente ao período de fruição) + 10 dias de abono pecuniário PERÍODO... A... (refere-se ao período aquisitivo)... ASSINATURA DO EMPREGADOR Assim, consta da Carteira de Trabalho: CONTRATO DE TRABALHO EMPREGADOR... CNPJ/CPF/CEI... ENDEREÇO... MUNICÍPIO...UF... ESP.DO ESTABELECIMENTO... CARGO...CBO N... DATA DE ADMISSÃO...DE...DE... REGISTRO N...FLS./FICHA... REMUNERAÇÃO ESPECIFICADA ASS. DO EMPREGADOR OU A ROGO C/ TESTEMUNHA 1ª...2ª... DATA DA SAÍDA... DE... DE... COM. DISPENSA CD Nº... FGTS Nº DA CONTA... Portanto, assim como se procede a anotação em campo próprio no momento da contratação, a dispensa também necessita ser anotada. No caso de aviso-prévio indenizado deverá constar na data da saída, a data projetada para o término do aviso. 8

9 ALTERAÇÕES DE SALÁRIO AUMENTADO EM...PARA R$... MOTIVO ASSINATURA DO EMPREGADOR AUMENTADO EM...PARA R$... MOTIVO... ASSINATURA DO EMPREGADOR ANOTAÇÕES DE FÉRIAS DE.../.../... A.../.../... PERÍODO... / ASSINATURA DO EMPREGADOR ANOTAÇÕES GERAIS (Anotações autorizadas por lei) Tais anotações poderão ser realizadas mediante a utilização de carimbos ou etiqueta gomada, bem como, o uso de qualquer meio mecânico ou eletrônico de impressão, desde que o procedimento seja padronizado e autorizado pelo empregador ou seu representante legal. OBSERVAÇÕES: 1 - Na UNESP a competência para efetuar o registro na carteira profissional e livro/ficha de registro de empregado, conforme Portaria UNESP nº 469/2012, art. 3º, inciso II, alínea a, item 9, foi delegada ao Supervisor da Seção Técnica de Desenvolvimento e Administração de Recursos Humanos 2 - São vedadas anotações de desabono sobre o empregado 3 - Anotações relativas a adicional por tempo de serviço, sexta-parte dos salários, adicional de insalubridade, gratificação de representação incorporada não devem ser efetuadas na página do "Contrato de Trabalho", mas somente na página das "Anotações Gerais" da CTPS 4 - Anotações relativas à promoção por desenvolvimento profissional e por grau de escolaridade formal devem ocorrer somente nas "Alterações de Salário" 5 - No campo Anotações Gerais, apor: carimbo de isenção sindical, em conformidade com o estabelecido pelo artigo 566 da CLT Modelo 1 as anotações necessárias do FGTS Fundo de Garantida por Tempo de Serviço 9

10 Opção/Retratação o carimbo com as observações relativas ao Contrato de Experiência Modelo Na anotação e/ou alteração efetuada na CTPS, deverá constar "Identificação e Assinatura" MODELO 1 (Unidade) da UNESP, isenta de recolhimento sindical conforme Artigo 566 da CLT. MODELO 2 O contrato de trabalho vigorará em caráter de experiência, jornada de ( ) horas semanais, pelo prazo máximo de 90 (noventa) dias, a partir de / /, nos termos do estabelecido na alínea c do 2º do artigo 443, combinado com o parágrafo único do artigo 445, todos da CLT e legislação complementar, podendo ser rescindido por ambas as partes, a qualquer tempo. Em caso de não comunicação formal por qualquer uma das partes, passa a vigorar por prazo indeterminado a partir da data subsequente ao término do período experimental. As anotações em Carteira Profissional admitem prova em contrário e figuram como presunção de direito, conforme se verifica no artigo 30 da CLT, ao estabelecer que acidente do trabalho será, obrigatoriamente, anotado pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS na carteira do acidentado. A anotação em carteira é mera formalidade a título de registro de fatos sobre o empregado, em nada efetivando vínculo previdenciário para custeio de auxílio doença. Essencialmente, a Carteira de Trabalho regularmente emitida e anotada tem finalidade probatória nos seguintes casos: Como documento de identificação civil Nos casos de dissídio na Justiça do Trabalho entre a empresa e o empregado por motivos salariais, férias ou tempo de serviço Perante a Previdência Social, para efeito de declaração de dependentes Para cálculo de indenização por acidente de trabalho ou moléstia profissional DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Documentos de identificação pessoal são usualmente solicitados pelo empregador: Fotografia do empregado 10

11 Título de Eleitor e comprovante da última votação Certificado de Reservista ou prova de alistamento militar Carteira de Identidade CPF Carteira de Habilitação Profissional expedida pelos órgãos de classe caso o emprego assim o exija, por exemplo: OAB, CREA Certidão de Casamento Certidão de Nascimento dos Filhos Menores de 14 anos Cartão da Criança (Cartão de Vacinação) ou comprovante de frequência escolar para fins de Salário-Família Comprovante de cadastramento no PIS/PASEP Carteira de Habilitação, caso o emprego exija que dirija veículo OBSERVAÇÕES: 1 - No caso de candidato com idade acima de 45 anos, não contando com o Certificado de Reservista ou prova de alistamento militar, poderá ficar isento de apresentação, conforme Decreto nº / Não há necessidade da apresentação de Declaração de Residência no município onde o servidor exercerá a função PRAZO PARA RETENÇÃO DE DOCUMENTOS: 5 (cinco) dias, seja na forma de originais ou fotocópias autenticadas A retenção por prazo superior é punível pela Lei Federal nº /1968. IMPORTANTE No ato da contratação, se o empregado fizer jus ao salário-família será necessário o preenchimento: Da ficha de salário-família Do termo de responsabilidade Para fins de imposto de renda retido na fonte, deverá ser firmada declaração de dependentes, para se proceder às deduções cabíveis, no processamento da folha de pagamento. REGISTRO DE EMPREGADOS Ao empregador caberá, obrigatoriamente, o registro dos empregados, podendo ser adotados livros, fichas ou sistema eletrônico, observando: 11

12 Os dados registrados na CTPS deverão também constar na ficha ou folha do livro de registro de empregados O registro deve permanecer no local da prestação de serviços dos empregados, à disposição da fiscalização Quando de transferência do empregado: Na Unidade de origem: 1 - na ficha ou folha do livro de registro, anotar na parte destinada a "Observações": - transferido para, a partir de / / 2 - para envio a nova Unidade, extrair cópia constando o termo "confere com o original" Na nova Unidade: - na nova ficha de registro ou, se for o caso, folha do livro: transcrever os dados da anterior e lançar a mesma anotação em "Observações": - transferido de, a partir de, onde estava registrado sob nº O registro de empregado deverá estar atualizado e obedecer à numeração seqüencial da nova Unidade A área de RH da Unidade deverá: Quando a ficha de registro estiver totalmente preenchida, anotar: Na ficha esgotada: - Ficha em continuação Na parte destinada a Observações da nova ficha: - Ficha em continuidade à esgotada Quando a folha do livro de registro estiver totalmente preenchida: Extrair cópia comum do verso de uma folha em branco (sem anotações) do próprio livro, e anexá-la à folha esgotada Anotar: - na folha esgotada, campo Observações : - Folha esgotada. Continua em nova folha anexa a esta, de mesma numeração - na folha em continuidade, campo "Observações": - Folha em continuidade à de nº... (mesmo número da esgotada) 12

13 DISPOSITIVOS LEGAIS CLT - artigos 29, 30 e 41 Código Civil Brasileiro - artigos 1169 e 1171 Portaria nº 41/2007 do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Lei Federal nº 5.553/1968 Decreto nº /1966 Portaria UNESP nº 469/ art. 4º, inciso II, alínea a PIS/PASEP PIS Programa de Integração Social PASEP Programa de Formação do Patrimônio do Servidor CADASTRAMENTO Se o servidor não estiver cadastrado no PIS/PASEP, quando de sua contratação, mediante declaração de que não a possui, a Área de Recursos Humanos deverá preencher o Formulário PASEP e encaminhar à CRH Coordenadoria de Recursos Humanos para providências quanto ao cadastramento junto ao Banco do Brasil. ATUALIZAÇÃO E/OU ALTERAÇÃO DE DADOS O Documento de Alteração de Dados do Trabalhador DAT deverá ser preenchido pelo servidor: Para atualização e/ou correção dos dados no Cadastro de Participantes Quando de transferência do domicílio bancário de sua conta Inscrição Neste caso caberá ao servidor a regularização junto ao Banco do Brasil, se PASEP, ou Caixa Econômica Federal, se PIS, ressaltando da importância da atualização dos dados, para fins de saque do FGTS. ABONO ANUAL - RETIRADA Cabível ao trabalhador que esteja inscrito no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos e tenha recebido, a título de salário, até dois salários mínimos e que tenha exercido atividade remunerada durante, pelo menos, trinta dias no ano-base a que se referir o abono. SAQUE O saque das quotas do PIS/PASEP pode ocorrer nas seguintes hipóteses: 13

14 Aposentadoria Invalidez Permanente ou Reforma Militar Idade igual ou superior a 70 anos Transferência de militar para a reserva remunerada Titular ou dependente(s) portador(es) do vírus HIV(SIDA/AIDS) Titular ou dependente(s) portador(es) de Neoplasia Maligna (câncer) Morte do participante Benefício Assistencial à pessoa portadora de deficiência e ao idoso DISPOSITIVOS LEGAIS Portaria nº 1 da Secretaria de Políticas de Emprego e Salário, publicada em 30 de janeiro de 1997 Lei Complementar nº 26/1975 Lei Federal nº 7.859/1989, art. 1º EXAME MÉDICO OCUPACIONAL Todo trabalhador regido pela CLT deve submeter-se aos exames médicos ocupacionais, sendo estes obrigatórios e os custos dos exames de responsabilidade do empregador: Na contratação Periodicamente durante a vigência do vínculo empregatício Na demissão Quando da realização do exame, o médico deverá emitir o Atestado de Saúde Ocupacional - ASO, em 2 (duas) vias: A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalhador A segunda via do ASO será obrigatoriamente entregue ao trabalhador, mediante recibo na primeira via MODALIDADES: - Exame Médico Admissional Realizado, antecedente à contratação, para avaliar as condições físicas e mentais do trabalhador 14

15 - Exame Médico Períodico Realizado durante a trajetória profissional do trabalhador, de modo a verificar periodicamente suas condições físicas e mentais em relação ao desempenho de suas atividades - Exame Médico Demissional Realizado por ocasião da dispensa do empregado, independentemente do motivo de saída, e visa assegurar as condições do trabalhador A avaliação médica admissional, assim como a demissional, pode ser realizada somente por médico do trabalho, dada à especificidade da avaliação em relação ao emprego pretendido. Quando da avaliação, o médico observará o conteúdo descritivo das atividades específicas a serem desempenhadas pelo empregado, daí a importância da adequada descrição. A aptidão ou inaptidão do candidato diz respeito àquele emprego específico, não sendo parâmetro para aprovação em outro emprego. DISPOSITIVOS LEGAIS Manual de Procedimentos de Perícia em Saúde Médica - COSTSA - PÁG. 173 CARACTERIZAÇÃO DO VÍNCULO EMPREGATÍCIO Para a caracterização do vínculo empregatício (relação de emprego) são necessários requisitos mínimos que configurem tal relação, a mera existência de um contrato de trabalho não é instrumento suficiente para tanto. Na UNESP, a relação encontra-se inicialmente delimitada no capítulo do serviço público da Constituição Federal, no qual está estabelecida a condição contratual inicial: concurso público para ingresso em emprego público O artigo 3º da CLT dispõe: Art. 3º - Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. No artigo 4º, a CLT traz à luz a correspondência de serviço efetivo, vejamos: Art. 4º - Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado esteja à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens, salvo disposição especial expressamente consignada. 15

16 Parágrafo único - Computar-se-ão, na contagem de tempo de serviço, para efeito de indenização e estabilidade, os períodos em que o empregado estiver afastado do trabalho, prestando serviço militar e por motivo de acidente de trabalho. Contratações por tempo determinado, no qual, havendo relação de continuidade da prestação de serviço, ainda que o empregado tenha seu contrato de trabalho expirado, converte-se a rescisão como se indeterminado fosse, mesmo que não perpetue o vínculo empregatício no serviço público, diversamente do que ocorre na iniciativa privada. ACUMULAÇÃO DE EMPREGOS/CARGOS O acúmulo de empregos implica na existência concomitante de mais de um vínculo empregatício, com o mesmo empregador ou empregadores diversos. A atuação do empregado sob mais de um vínculo, ainda que regido pela CLT, quando subordinado ao serviço público, segue parâmetros específicos os quais são dados pela Constituição Federal ao tratar do serviço público. Especificamente a norma maior estabelece condições de ingresso, permanência e dispensa, condições essas que necessitam ser compatibilizadas com as disposições da CLT. Assim, em relação a acumulação encontra-se previsto no inciso XVI do artigo 37 da citada Constituição, as situações possíveis de acumulação, quais sejam: dois cargos de professor um cargo de professor com outro técnico ou científico dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas (alterado pela Emenda Constitucional nº 34, de 13 de dezembro de 2.001) A Emenda Constitucional nº 34, de 13/12/2001, atualizou estas possibilidades introduzindo a autorização expressa de acumulação remunerada em todos os cargos ou empregos da área de saúde, desde que sejam profissões regulamentadas. Com isto, além dos médicos, também adquiriram o direito de exercer função remunerada e cumulativamente, os profissionais de saúde biólogo, biomédico, bioquímico, dentista, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, técnico em enfermagem, técnico em radiologia, entre outros. Em todas as situações acumuláveis é imprescindível observar: Horários não coincidentes Intervalo de deslocamento Inexistência de condição contratual de dedicação exclusiva Jornada de trabalho limitada a 64 horas semanais 16

17 IMPORTANTE Considera-se cargo, emprego e função técnica ou científica aquela que exige, para o seu exercício, conhecimentos específicos de nível superior ou profissionalizante correspondente ao ensino médio A simples denominação de técnico ou científico não caracterizará como tal o cargo, emprego ou função pública que não satisfizer a exigência mencionada acima A acumulação não será permitida quando se tratar de cargos, empregos e funções administrativas não técnicas A acumulação é vedada nos casos de afastamento com prejuízo dos vencimentos (suspensão contratual), para o servidor que manter vínculo empregatício, durante o afastamento, a outro órgão público no âmbito do Estado. A proibição de acumular, estabelecida no inciso XVII do mesmo artigo da Constituição Federal, estendese a empregos e funções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público. A vedação à acumulação é extensiva à condição de servidor inativo. Entenda-se servidor aquele contratado na qualidade de cargo ou emprego público. Assim, ficou expressamente proibida a percepção concomitante de proventos de aposentadoria, com a remuneração de cargo ou emprego público (artigo 37, 10, da Constituição Federal), ressalvados: Cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração Cargos acumuláveis, previstos no inciso XVI do Art. 37 da Constituição Federal Cargos eletivos OBSERVAÇÃO Nos empregos acumuláveis, por ocasião da contratação, no caso de o servidor declarar ser aposentado, estar afastado de cargo, exercer emprego ou função pública, não será permitido à Unidade dar o exercício, enquanto a situação de acumulação não for autorizada com a respectiva publicação de ato decisório favorável. DISPOSITIVOS LEGAIS Constituição Federal Art. 37, incisos XVI e XVII Emenda Constitucional nº 34, de 13/12/2001 Lei Complementar nº 836/97-2º, art. 12 ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO E SEXTA PARTE Para efeito de adicional por tempo de serviço e sexta parte poderá ser computado: 17

18 Tempo de serviço público estadual, prestado em órgão da Administração do Estado de São Paulo, qualquer que seja o período Tempo de serviço público prestado até 20/12/84, à União, outros Estados, Municípios e suas Autarquias, conforme assegurado na Lei Complementar nº 437, de 23/12/85 ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO Concedido a cada período de 05 (cinco) anos, ou seja, 1825 dias, de efetivo exercício, contínuos ou não, independentemente de requerimento, e corresponde a 5% (cinco por cento) do valor do salário base acrescido das vantagens incorporadas e outras previstas em lei. SEXTA PARTE Concedido ao se completar 20 (vinte) anos, ou seja, dias, de efetivo exercício no serviço público, contínuos ou não, independentemente de requerimento, e corresponde a 1/6 do valor do salário base acrescido das vantagens incorporadas e outras previstas em lei. OBSERVAÇÃO Se decorrente de tempo de serviço de outros órgãos públicos, o adicional por tempo de serviço e sexta parte serão concedidos a partir da data do requerimento, desde que deferido o pedido da contagem de tempo (Ofício Circular nº 28/1991 CRH). OCORRÊNCIAS QUE INTERFEREM NA CONTAGEM Todos os tipos de afastamento com prejuízo de salário, salvo se houver prestado serviço em órgão público comprovado por meio de certidão, e a contagem será de conformidade com as normas vigentes Falta justificada Falta injustificada Licença saúde Licença para cumprir obrigações do serviço militar Licença a funcionária casada com militar Prisão Suspensão disciplinar Suspensão contratual 18

19 DISPOSITIVOS LEGAIS Constituição Estadual - art. 129 ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Adicional concedido em razão do exercício de trabalho em condições insalubres. (CLT - art. 192) Atividade insalubre é aquela prestada em condições que expõem o trabalhador aos agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da sua natureza, intensidade ou concentração do agente e tempo de exposição aos seus efeitos sem as devidas medidas de controle de ordem individual, coletiva ou administrativa (CLT, Art. 189 e NR 15). OBSERVAÇÕES 1 - Servidora gestante ou em período de amamentação será afastada das atividades insalubres, sem direito ao adicional de insalubridade, enquanto perdurar o afastamento; 2 - Em caso de alteração de função, mudança de local de trabalho e/ou regime jurídico e recurso, deve ser formalizado o processo para regularização do laudo e encaminhado ao Departamento de Perícias Médicas do Estado - DPME; 3 - Quando houver somente alteração de denominação da função, em decorrência da aplicação do plano de carreira, efetuar elaboração de apostila, e providenciar publicação, entretanto, não deverá ser encaminhado ao DPME, para emissão de novo laudo. Referido benefício é concedido, mediante homologação do laudo de insalubridade pelo Grupo Técnico de Insalubridade do DPME. Nos termos do artigo 194 da CLT, o direito do empregado ao adicional de insalubridade cessará com a eliminação do risco à sua saúde ou integridade física. De acordo com o art. 195 da CLT alterado pela Lei nº 6.514/77, o laudo de insalubridade só terá validade se for realizado e assinado por engenheiro de segurança ou médico do trabalho registrado nos respectivos conselhos. BASE DE CÁLCULO: O adicional de insalubridade será pago ao servidor de acordo com a classificação nos graus máximo, médio e mínimo, em percentuais de, respectivamente, 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento), que incidirão sobre o valor de 1 (um) salário mínimo. 1 X (salário mínimo) X (40%) ou (20%) ou (10%) = valor do adicional de insalubridade 19

20 AFASTAMENTO DAS CONDIÇÕES INSALUBRES Considerando que o adicional de insalubridade é de direito pelo exercício de trabalho em condições insalubres, ocorrendo afastamento sem prejuízo dos salários, por analogia ao estabelecido incisos XII a XIV do art. 4º da Lei Complementar nº 432/85, o servidor fará jus ao benefício até o 30º dia. DISPOSITIVOS LEGAIS Constituição Federal - art. 7º, inciso XXIII CLT - art. 192 Norma Regulamentadora 15 (Atividade e Operações Insalubres) Lei Complementar nº 432/1985 GRATIFICAÇÃO DE REPRESENTAÇÃO Faz jus a esta gratificação o servidor: Designado para o exercício de função de confiança Em comissão Esta vantagem é calculada de acordo com a função exercida, mediante aplicação de um percentual sobre a gratificação de representação do Reitor. A gratificação de representação incorpora-se aos salários do servidor, na proporção de 1 (um) décimo da vantagem por ano de percepção, até o limite de 10 décimos. A incorporação dar-se-á mediante requerimento, quando o servidor contar com 5 (cinco) anos, contínuos ou não, de efetivo exercício na UNESP. DISPOSITIVO LEGAL Portaria UNESP nº 401/2007 FALTA ABONADA O servidor que faltar ao serviço até o máximo de 6 (seis) vezes por ano, não excedendo a uma por mês e por motivo relevante, e devidamente justificado, poderá ser abonada pelo superior imediato. Para tanto, comunicar previamente, salvo quando, em razão do motivo causador, não for possível este procedimento. O servidor deverá requerer o abono no primeiro dia útil subseqüente ao da falta. A falta abonada será considerada de efetivo exercício, para todos os efeitos legais. 20

21 DISPOSITIVO LEGAL Portaria UNESP nº 152, de 8 de dezembro de 1989 FALTA JUSTIFICADA PELO EMPREGADO Falta do servidor ao trabalho, mediante requerimento e devidamente justificada, que resulta em desconto do correspondente salário e redução dos dias de férias. FALTA INJUSTIFICADA Falta do servidor ao trabalho, sem justificativa, que resulta em desconto do salário e redução dos dias de férias. DISPOSITIVO LEGAL CLT - arts. 130 e 131 NOJO Direito de afastamento do servidor, sem prejuízo do salário, concedido em caso de falecimento de familiares. Os dias de afastamentos deverão ser considerados de acordo com o número de dias previstos na legislação vigente. DOCENTE 9 (nove) dias por motivo de falecimento do cônjuge, do pai/mãe ou de filho até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento de irmão, ascendente (exceto pais), descendente (exceto filho), ou pessoa que, declarada em sua carteira de trabalho e previdência social, viva sob sua dependência econômica SERVIDOR TÉCNICO E ADMINISTRATIVO até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que, declarada em sua carteira de trabalho e previdência social, viva sob sua dependência econômica - O afastamento será concedido a contar da data do fato: Quando o servidor não tiver comparecido ao trabalho no correspondente dia 21

22 Quando ocorrer no sábado, domingo, ponto facultativo e feriado. Se o servidor estiver escalado para o trabalho nestes dias e não houver o comparecimento, aplica-se a regra prevista no item anterior - O afastamento será concedido a contar da data seguinte ao fato se ocorrer o exercício no dia, independentemente do número de horas trabalhadas pelo servidor. Sobre relações de parentesco, no Código Civil, são considerados parentes: Em linha reta ascendentes: Os pais, avós, bisavós e trisavós Em linha reta descendentes: Os filhos, netos, bisnetos e trinetos DISPOSITIVOS LEGAIS CLT - Inciso I do art. 473 e 3º do artigo 320 Ofício Circular nº 110/2003-PRAd Comunicado nº 01/ CRH/PRAd GALA Os dias de afastamentos deverão ser considerados de acordo com o número de dias previstos no inciso II do art. 473 da CLT e 3º do artigo 320 da CLT. DOCENTE 9 (nove) dias por motivo de seu casamento SERVIDOR TÉCNICO E ADMINISTRATIVO até 3 (três) dias consecutivos, em virtude de seu casamento - O afastamento será concedido a contar da data do fato: Quando o servidor não tiver comparecido ao trabalho no correspondente dia Quando ocorrer no sábado, domingo, ponto facultativo e feriado. Se o servidor estiver escalado para o trabalho nestes dias e não houver o comparecimento, aplica-se a regra prevista no item anterior - O afastamento será concedido a contar da data seguinte ao fato se ocorrer o exercício no dia, independentemente do número de horas trabalhadas pelo servidor. DISPOSITIVOS LEGAIS CLT - Inciso II do art. 473 e 3º do artigo

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Invalidez 2.1 - Concessão

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Informações sobre Aposentadoria

Informações sobre Aposentadoria MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Departamento do Serviço Exterior Informações sobre Aposentadoria Departamento do Serviço Exterior Divisão de Pagamentos Esplanada

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

O seu futuro em boas mãos

O seu futuro em boas mãos O seu futuro em boas mãos Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Março 1994 Aposentadoria por Tempo de Contribuição Os Servidores Públicos

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº 02/2011 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013?

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013? TRABALHADOR DOMÉSTICO 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? Resposta: É considerado trabalhador doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exceção ao princípio da continuidade, ao trato

Leia mais

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Matheus Florencio Rodrigues Assessor Jurídico do INAMARE www.inamare.org.br Fone: (44) 3026-4233 Juliana Patricia Sato Assessora Jurídico do

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL);

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL); PROTOCOLO GERAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÕES: 1. APOSENTADORIA REQUERIMENTO ASSINADO PELO SERVIDOR E COM VISTO DO CHEFE IMEDIATO (ORIGINAL); OBS.: APOSENTADORIA COMPULSÓRIA - NÃO É NECESSÁRIO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br Interrupção e Suspensão do Contrato de Trabalho A interrupção e a suspensão do contrato de

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41)

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41) SERVIÇO DE PESSOAL Lista dos benefícios / direitos / deveres dos servidores Legislação trabalhista: ESU http://www.usp.br/drh/novo/esu/esuorig1.html CLT http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm

Leia mais

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT).

EMPREGADO. É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADO É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste, mediante salário. (artigo 3o CLT). EMPREGADOR A empresa, individual ou coletiva, que assumindo

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos relativos à concessão do Seguro-Desemprego. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos É devido auxilio pelo INSS quando o empregador estiver de férias

Parecer Consultoria Tributária Segmentos É devido auxilio pelo INSS quando o empregador estiver de férias É devido auxilio pelo INSS quando o empregador 02/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Licença Maternidade... 7

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 420. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI COMPLEMENTAR Nº 420. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI COMPLEMENTAR Nº 420 Dispõe sobre a modalidade de remuneração por subsídio para os militares do Estado do Espírito Santo e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha:

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr LEI Nº. 1054/2013 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 Data-base - Maio/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento do Estado de Santa Catarina S.A - CEASA/SC,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

2 - DOENÇA ATESTADA - ORDEM DE PREFERÊNCIA

2 - DOENÇA ATESTADA - ORDEM DE PREFERÊNCIA 1 - FINALIDADE 2 - DOENÇA ATESTADA - ORDEM DE PREFERÊNCIA 2.1 - ORDEM DE PREFERÊNCIA - NÃO OBSERVÂNCIA EFEITO 2.2 - ORDEM DE PREFERÊNCIA - NÃO OBSERVÂNCIA - POSSIBILIDADE 3 - ATESTADO MÉDICO - FORNECIMENTO

Leia mais

Empregado Doméstico. Hilário Corrêa Assessoria Empresarial www.hilariocorrea.com.br. Lei 150/2015 Novas determinações Legais. Contratação.

Empregado Doméstico. Hilário Corrêa Assessoria Empresarial www.hilariocorrea.com.br. Lei 150/2015 Novas determinações Legais. Contratação. 2015 Contratação Empregado Doméstico Lei 150/2015 Novas determinações Legais Jornada de Trabalho Hora Extra Adicional Noturno Férias Décimo terceiro INSS FGTS Aviso Prévio Rescisão Seguro Desemprego Hilário

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal RESIDÊNCIA PROFISSIONAL EM SAÚDE:

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal RESIDÊNCIA PROFISSIONAL EM SAÚDE: RESIDÊNCIA PROFISSIONAL EM SAÚDE: RESIDENTE MULTIPROFISSIONAL OU EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE Cód.: PSR Nº: - Versão: 2 Data: 30/12/2014 DEFINIÇÃO A Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência

Leia mais

PASEP. Conceito. São participantes do PASEP todos os servidores em atividade, civis e militares, cadastrados no Programa.

PASEP. Conceito. São participantes do PASEP todos os servidores em atividade, civis e militares, cadastrados no Programa. PASEP Conceito O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público PASEP é um programa criado pelo Governo Federal em 1970 para propiciar aos servidores públicos civis e militares a participação na

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO CONTRATADOS PELOS CAIXAS ESCOLARES 2014/2015 A presente Pauta de Reivindicações, elaborada pela categoria profissional

Leia mais