Centro de Endoscopia de São Carlos - Manual de Rotinas e Procedimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Endoscopia de São Carlos - Manual de Rotinas e Procedimentos"

Transcrição

1 MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS Fernandes, J L

2 TÓPICOS 1) INTRODUÇÃO 2) LOCALIZAÇÃO 3) FUNCIONAMENTO 4) TERMO DE CONSENTIMENTO 5) PROCEDIMENTOS. I) BRONCOSCOPIA II) COLANGIOGRAFIA TRANSENDOSCÓPICA RETRÓGRADA III) COLONOSCOPIA IV) ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA 6) LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE APARELHOS ENDOSCÓPICOS I) LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. II) (A) CONCEITOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE APARELHOS ENDOSCÓPICOS (A) DEFINIÇÃO DO PROTOCOLO (B) OBJETIVO (C) INDICAÇÃO (B) MATERIAL NECESSÁRIO (C) LIMPEZA (D) TESTE DE VEDAÇÃO (G) DESINFECÇÃO (E) CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM III) LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOS ACESSÓRIOS IV) TRANSPORTE DO APARELHO PARA OUTRAS ÁREAS V) CUIDADOS GERAIS PARA MANTER A INTEGRIDADE DO APARELHO VI) ANTES DO USO DO APARELHO: VII) SOLUÇÕES QUÍMICAS UTILIZADAS NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS (A) LIMPADORES ENZIMÁTICOS (B) DESINFETANTES 1. GLUTARALDEÍDO 2. ÁCIDO PERACÉTICO 3. PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO 7) BIOSSEGURANÇA I) USO DOS EPLS NAS DIFERENTES ETAPAS DO PROCESSO 8) ACIDENTES OCUPACIONAIS I) PROGRAMA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE ACIDENTES OCUPACIONAIS II) FLUXOGRAMA NOS ACIDENTES OCUPACIONAIS POR AGENTE BIOLÓGICO 9) PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DE PROCESSO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO ENDOSCÓPIO I) PLANILHA PARA ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE HIGIENE E LIMPEZA DOS ENDOSCÓPIOS II) OBSERVAÇÕES III) REPROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS IV) RISCO FUNCIONAL V) FICHA DE AVALIAÇÃO DE REUSO DE MATERIAIS PERMANENTES 2

3 MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO O Manual de Rotinas e Procedimentos do Centro de Endoscopia de São Carlos S/S visa padronizar condutas no Serviço de Endoscopia e informar aos usuários sobre o funcionamento do Serviço e sobre os procedimentos realizados (preparos, medicamentos, procedimentos propriamente ditos, procedimentos terapêuticos, riscos e recuperação após procedimentos). LOCALIZAÇÃO O Centro de Endoscopia de São Carlos S/S é o Serviço de Endoscopia da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos. Está localizado à Rua Paulino Botelho de Abreu Sampaio, 573, Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, no Pavilhão Conde do Pinhal, com entrada própria (foto abaixo). FUNCIONAMENTO O Centro de Endoscopia funciona de 2ª a 6ª feira das 0700h as 1700h e aos sábados das 0800h as 1200h, para atendimento ao público, além do funcionamento em esquema de Plantões para atendimento aos pacientes internados na Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, 24 horas por dia, ininterruptamente. 3

4 São realizados os seguintes procedimentos: broncoscopia, colangiografia transendoscópica retrógrada, colonoscopia e endoscopia digestiva alta. Os agendamentos são realizados, a partir de solicitações médicas, no local ou por telefone. O preparo para colonoscopia deve ser retirado no local. O atendimento é feito aos pacientes usuários da UNIMED, da CABESP, do DMS (Departamento Municipal de Saúde), aos pacientes sem convênios (particulares) e aos pacientes SUS internados. Na indicação do procedimento pelo médico o paciente recebe orientações, do mesmo, a respeito do procedimento a qual será submetido e dos seus riscos e complicações. No agendamento, ou antes, da realização do procedimento deverá assinar o Termo de Consentimento (abaixo). TERMO DE CONSENTIMENTO NOME DO SEDIR: CENTRO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA DE SÃO CARLOS S/S Consentimento para realização de Endoscopia Digestiva (Diagnóstica e Terapêutica) Eu,, documento:, No.,estou ciente dos riscos, que embora pouco comuns, são passíveis de ocorrer durante o procedimento de Endoscopia Diagnóstica ou Terapêutica, e que me foram explicados pelo corpo médico do SEDIR do CENTRO DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA DE SÃO CARLOS S/S, e que incluem, entre outras: 1. Riscos da sedação (apnéia) 2. Arritmias cardíacas 3. Reações anafiláticas 4. Aspiração 5. Pneumonia 6. Perfuração de esôfago, estomago, duodeno 7. perfuração de cólon 8. Infecção 9. Enfisema pleural 10. Derrame pleural 11. Abscesso à distância 12. Sangramento 13. Colangite 14. Pancreatite 15. Lesão de baço Tais complicações podem resultar em tratamento cirúrgico ou internação hospitalar Paciente Médico Testemunha ou Responsável pelo paciente: Data de Nascimento: / / Data: / / 4

5 PROCEDIMENTOS BRONCOSCOPIA 0 que é Broncoscopia? É um procedimento indicado para diagnosticar e tratar doenças da traquéia e dos brônquios através de um aparelho chamado BRONCOSCÓPIO. Este é um aparelho flexível que permite a visualização de todo o trajeto percorrido durante o procedimento, desde o nariz até os brônquios. Com esse procedimento é possível realizarmos: 1. Diagnóstico de câncer 2. Biópsias de lesões 3. Retirada de corpo estranho 4. Acompanhamento após cirurgia pulmonar 5. Passagem de cateter para BRAQUITERAPIA 6. Diagnóstico de causa de sangramento das vias aéreas e seu tratamento 7. Diagnóstico de infecções como: pneumonia, tuberculose pulmonar, etc. 8. Tratamento com LASER Qual a duração do procedimento? É variável, depende do paciente e principalmente do procedimento, mas em média tem duração de 30 MINUTOS. Preparo para o procedimento: O preparo é muito simples. Veja a seguir: PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS PELA MANHÃ: É necessário JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água), por 8 horas antes do procedimento. PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS A TARDE: JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água) por 8 horas antes do procedimento, podendo ingerir um leve café da manhã (por exemplo: leite e vitaminas) Você faz uso de medicações? ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Se você faz uso de MEDICAÇÕES para HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES, DOENÇAS DO CORAÇÃO, ANTICOAGULANTES, ANTIFLAMATÓRIOS, ANTIBIÓTICOS e DIURÉTICOS, siga a orientação abaixo descrita: CONTINUAR MEDICAÇÃO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL: deverá ser ingerido com o mínimo de água pela manhã. Aproximadamente às 06h00minh, mesmo com o procedimento marcado no período da manhã. ANTIBIÓTICO: deverá ser ingerido com pequena quantidade de água. SUSPENDER MEDICAÇÃO PARA DIABETES: hipoglicemiantes (Insulina, Daonil, Diabinese, etc): ANTICOAGULANTES: (Marevan, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIFLAMATÓRIOS: (Aspirina, AAS, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS II Se você faz uso de MARCAPASSO CARDÍACO deve comunicar ao seu médico, a enfermagem do Serviço de Endoscopia e ao médico que realizará o procedimento. No dia do PROCEDIMENTO Você deverá estar de estômago vazio (jejum de 08 horas) no momento do procedimento. Sua chegada no hospital no dia do PROCEDIMENTO Comparecer à recepção do Setor de Endoscopia, 15 MINUTOS antes do horário marcado. 5

6 Trazer TODOS os EXAMES RADIOLOGICOS DE TÓRAX que você possui (MESMO OS ANTIGOS), incluindo tomografias e radiografias simples, e não esqueça de apresentar os DOCUMENTOS citados abaixo: Cartão do Convênio Cartão do Hospital (se tiver) Cédula de Identidade (RG) IMPORTANTE: É OBRIGATÓRIO ESTAR COM ACOMPANHANTE PARA SER LIBERADO APÓS O PROCEDIMENTO. Em decorrência dos efeitos da medicação sedativa, você não poderá conduzir veículos, ou ser conduzido para a sua residência em motocicleta, nem exercer ATIVIDADES DE RISCO, que necessitem de atenção nas 12 horas seguintes, nem poderá fazer uso de bebidas alcoólicas no mesmo dia ou após 24 horas do término do procedimento. Solicitar junto ao seu médico ATESTADO para afastamento do trabalho ou escola, se necessário. No momento do PROCEDIMENTO Você realizará um procedimento seguro e confiável. Para tanto, serão administradas medicações sedativas através da veia e anestesia tópica (local) na orofaringe (garganta) e narinas antes do inicio do exame. O objetivo é diminuir a ansiedade e o desconforto, facilitando a realização do procedimento. Veja abaixo os passos a seguir na SALA DE PROCEDIMENTO: 1. Você será encaminhado à sala de procedimento. Fique à vontade. Tire as peças de roupa que o incomodam e no caso de acessórios (óculos, paletó ou prótese dentária - dentadura) você deverá retirá-los. 2. Você inicialmente ficará sentado na mesa de procedimento. 3. Em seguida, um spray anestésico será aplicado na garganta para facilitar a passagem do aparelho. 4. Após o spray, você deverá ficar deitado (a), em decúbito dorsal, na mesa de procedimento. 5. Serão administradas, a critério médico, medicações sedativas através da veia, com o objetivo de diminuir a ansiedade e desconforto, facilitando a realização do procedimento. 6. Será instalado em suas narinas, a critério médico, um pequeno cateter de oxigênio durante o procedimento. 7. Em seguida, o aparelho será introduzido cuidadosamente até a traquéia através do nariz ou boca. Você poderá se sentir ligeiramente incomodado (a) na passagem do aparelho pela garganta. 8. Não tente engolir, respire fundo, siga as instruções do médico e relaxe, pois desta forma o procedimento poderá ser realizado em poucos minutos. 9. O procedimento não é dolorido, mas pode provocar um pouco de tosse. IMPORTANTE Na introdução do aparelho BRONCOSCOPIO, você pode achar que não conseguirá respirar ou que está sufocando. Procure relaxar e colaborar, que logo esses sintomas desaparecerão. Em PACIENTES TRAQUEOSTOMIZADOS o aparelho é introduzido através da TRAQUEOSTOMIA. IMPORTANTE O aparelho é submetido à rigorosa desinfecção conforme as normas técnicas exigidas após cada exame, sendo esta uma preocupação constante para se evitar transmissão de doenças infecciosas. O que você poderá sentir após o PROCEDIMENTO? FALTA DE AR (dispnéia) No início do procedimento, o paciente pode ter a sensação de que o "ar não entra" por causa da anestesia na orofaringe (garganta), mas de modo algum há prejuízo da respiração. O paciente é liberado em boas condições e sem falta de ar. Caso sinta falta de ar horas após o exame, procure o Serviço de Emergência do hospital e informe que foi submetido (a) ao procedimento de Broncoscopia. TOSSE A tosse é natural durante e após o procedimento. Durante o procedimento, a medicação anestésica, que é sedativa da tosse, é utilizada para diminuir ao máximo a mesma. Em decorrência do procedimento, o organismo produzirá pouca secreção traqueal (catarro) que será eliminada naturalmente após o efeito da anestesia. CATARRO COM SANGUE (hemoptise) Quando é necessária a biópsia, o sangramento pode ocorrer no momento e logo após o procedimento. É natural e não há motivo para alarme. Caso haja grande quantidade de sangue, procure o serviço de emergência do hospital. DESCONFORTO NA GARGANTA Sua garganta permanecerá anestesiada por cerca de até 30 minutos após o término do procedimento. SONOLÊNCIA Ocorrerá em função dos efeitos da medicação sedativa. 6

7 ENCAMINHAR-SE OU COMUNICAR-SE COM O HOSPITAL EM CASO DE: Falta de ar (dispnéia) Dor torácica que começou após o procedimento Tosse com presença de sangue vivo ou coágulos em grande quantidade Após o PROCEDIMENTO O paciente permanecerá no setor de procedimentos cerca de 30 MINUTOS, para recuperação do efeito sedativo das medicações. Alimentação após o PROCEDIMENTO Após o procedimento, você ficará em JEJUM. Só poderá ingerir alimentos líquidos ou sólidos após haver passado o efeito da anestesia na garganta, cerca de 30 MINUTOS após o término do procedimento. Quando o paciente é liberado? É liberado quando se encontrar em condições de andar espontaneamente e se estiver respirando confortavelmente. COLANGIOPANCREATOGRAFIAENDOSCÓPICA RETRÓGRADA (CPRE) É um procedimento que permite o estudo dos canais (vias de drenagem) da vesícula biliar, ducto biliar, pâncreas e fígado. Um tubo fino e flexível é introduzido através de sua boca para examinar o seu estômago e duodeno. Será identificado o orifício de abertura desses canais (papila), sendo introduzido um cateter plástico possibilitando a injeção de contraste e permitindo a realização de uma radiografia que será analisada por seu médico. PREPARO Para permitir uma visão clara, você deverá ficar sem comer e beber (nem água) 8 horas antes do exame. Uma veia será puncionada e você receberá antibiótico uma hora antes do exame, caso ainda não esteja recebendo. É importante informar sobre qualquer possibilidade de gravidez, uma vez que serão realizadas radiografias. Preparo para o procedimento: O preparo é muito simples. Veja a seguir: PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS PELA MANHÃ: É necessário JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água), por 8 horas antes do procedimento. PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS A TARDE: JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água) por 8 horas antes do procedimento, podendo ingerir um leve café da manhã (por exemplo: leite e vitaminas) Você faz uso de medicações? ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Se você faz uso de MEDICAÇÕES para HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES, DOENÇAS DO CORAÇÃO, ANTICOAGULANTES, ANTIFLAMATÓRIOS, ANTIBIÓTICOS e DIURÉTICOS, siga a orientação abaixo descrita: CONTINUAR MEDICAÇÃO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL: deverá ser ingerido com o mínimo de água pela manhã. Aproximadamente às 06h00minh, mesmo com o procedimento marcado no período da manhã. ANTIBIÓTICO: deverá ser ingerido com pequena quantidade de água. SUSPENDER MEDICAÇÃO PARA DIABETES: hipoglicemiantes (Insulina, Daonil, Diabinese, etc): ANTICOAGULANTES: (Marevan, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIFLAMATÓRIOS: (Aspirina, AAS, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIÁCIDOS. Não usar nas 12 horas que antecedem o exame. ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS II 7

8 Se você faz uso de MARCAPASSO CARDÍACO deve comunicar ao seu médico, a enfermagem do Serviço de Endoscopia e ao médico que realizará o procedimento. No dia do PROCEDIMENTO Você deverá estar de estômago vazio (jejum de 08 horas) no momento do procedimento. Sua chegada no hospital no dia do PROCEDIMENTO Comparecer à recepção do Setor de Endoscopia, 15 MINUTOS antes do horário marcado. Trazer TODOS os EXAMES que você possui (MESMO OS ANTIGOS) e não esqueça de apresentar os DOCUMENTOS citados abaixo: Cartão do Convênio Cartão do Hospital (se tiver) Cédula de Identidade (RG) IMPORTANTE: É OBRIGATÓRIO ESTAR COM ACOMPANHANTE PARA SER LIBERADO APÓS O PROCEDIMENTO. EM ALGUNS CASOS O PACIENTE PODERÁ PERMANECER INTERNADO. Em decorrência dos efeitos da medicação sedativa, você não poderá conduzir veículos, ou ser conduzido para a sua residência em motocicleta, nem exercer ATIVIDADES DE RISCO, que necessitem de atenção nas 12 horas seguintes, nem poderá fazer uso de bebidas alcoólicas no mesmo dia ou após 24 horas do término do procedimento. Solicitar junto ao seu médico ATESTADO para afastamento do trabalho ou escola, se necessário. O QUE ACONTECERÁ O médico e/ou a enfermeira fará uma entrevista, investigando possíveis patologias, reações alérgicas, cirurgias prévias e se já realizou exames recentes de CPRE, Ultra-sonografia e colangiorressonância. Caso afirmativo, o laudo anterior se faz necessário, bem como resultado recente de TP (Tempo de Protrombina) e Plaquetas para avaliar o nível de coagulação em caso de terapêutica. Você precisará colocar uma vestimenta do hospital, remover seus óculos, lentes de contato e prótese dentária. O procedimento é realizado em uma mesa de radiografia e necessita de internação por 24 horas. COMO É REALIZADO? Na sala de procedimento será pedido que você deite sobre seu lado esquerdo com o braço esquerdo para trás. Será oferecida uma medicação orai "luftal" para eliminar bolhas de ar, possibilitando melhor visualização do duodeno. Um protetor plástico será colocado entre seus dentes para manter sua boca aberta durante o exame. Um anestésico tópico spray será "borrifado" na sua garganta para permitir a passagem do aparelho sem provocar dor ou náuseas. Você será acompanhado pelo médico que cuidará da sua tranqüilidade e segurança, realizando a sedação, através de uma medicação na veia para fazer você dormir ou relaxar. O médico passará um tubo flexível, longo, com uma lente, luzes e um canal lateral na extremidade, que será introduzido pela boca até o canal biliar Por meio desse canal será injetado o contraste no local e realizada uma radiografia Assim o médico poderá visualizar a presença de cálculos nos canais, na vesícula ou alguma outra anormalidade. Se necessário, ele poderá retirar os cálculos, colocar drenos ou realizar a abertura desse canal. TEMPO DO PROCEDIMENTO Pode variar de 20 a 60 minutos, conforme o caso. APÓS O PROCEDIMENTO Você pode sentir sua garganta adormecida e levemente irritada. Em razão da anestesia geral, você não deve tomar nada por pelo menos I hora Se o exame necessitar de tratamento, manter dieta zero por 24h, até avaliação do seu médico. Você pode sentir gases ou pequena distensão abdominal, pelo ar que foi introduzido através do duodenoscópio; contudo, isso passará rapidamente. RISCOS Pode resultar em complicações, tais como reações a medicações, perfuração do intestino (rasgos), sangramento, inflamação do pâncreas (pancreatite) e do dueto biliar (colangite). Essas complicações são raras, mas podem necessitar de um tratamento de urgência, e até mesmo cirurgia. IMPORTANTE O aparelho é submetido à rigorosa desinfecção conforme as normas técnicas exigidas após cada exame, sendo esta uma preocupação constante para se evitar transmissão de doenças infecciosas. 8

9 QUESTÕES/DÚVIDAS É muito importante que você informe ao seu médico se ocorrerem dor, febre, fezes pretas ou vômitos nas 24 horas pós-cpre. Caso ainda tenha dúvida sobre o exame, você poderá entrar em contato com a enfermeira da unidade de endoscopia. TRATAMENTOS POR CPRE Esfincterotomia-papilotomia: a radiografia mostra um cálculo ou outro bloqueio, o médico pode aumentar o tamanho da abertura do dueto biliar da papila. Isso se chama "esfincterotomia" e é feito com um fio aquecido eletricamente, o qual você não sentirá, Qualquer pedra será removida com um basket ou balão e passará através do intestino. Prótese: uma prótese é um pequeno tubo plástico que é empurrado através do endoscópio para dentro da área estreitada do dueto biliar. Isso alivia a obstrução (e qualquer icterícia), por permitir que a bile drene livremente para o intestino. Algumas vezes as próteses também são colocadas no dueto pancreático, quando este está bloqueado ou estreitado. COLONOSCOPIA É o procedimento que visualiza seu cólon (intestino grosso), utilizando um tubo flexível introduzido através do ânus, com a finalidade de estudar o interior de todo o intestino grosso e a porção terminal do intestino fino. Se houver necessidade, durante o procedimento, pode ser coletado material do intestino para exame (biópsia) e análise laboratorial detalhada. Não causa dor. Pequenos tumores (pólipos) podem ser removidos por um laço por onde passa corrente elétrica; sangramentos podem ser diagnosticados e, muitas vezes, tratados durante o próprio exame. PREPARO Para permitir uma visão clara, o cólon (intestino grosso) deve estar completamente limpo e sem resíduos. O paciente deverá fazer, na véspera, uma dieta líquida, sem resíduos, e tomar o laxante de acordo com as orientações da enfermeira. Após a ingestão do laxante é importante tomar bastante líquido, que pode ser água, chá, água-de-coco, gelatinas, Gatorade, refrigerantes e caldos de carne, frango e legumes coados. "Não pode ser liquidificado.e importante ingerir líquidos, no mínimo 2 litros/dia. Seu acompanhante o conduzirá até sua casa. No dia do procedimento você deverá se apresentar ao hospital no horário agendado, em jejum absoluto. Faz-se necessário puncionar acesso venoso para instalação e infusão rápida de cristalóides. Preparo para o procedimento: O preparo é muito simples. Veja a seguir: PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS PELA MANHÃ: É necessário JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água), por 8 horas antes do procedimento. PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS A TARDE: JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água) por 8 horas antes do procedimento, podendo ingerir um leve café da manhã (por exemplo: leite e vitaminas) Você faz uso de medicações? ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Se você faz uso de MEDICAÇÕES para HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES, DOENÇAS DO CORAÇÃO, ANTICOAGULANTES, ANTIFLAMATÓRIOS, ANTIBIÓTICOS e DIURÉTICOS, siga a orientação abaixo descrita: CONTINUAR MEDICAÇÃO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL: deverá ser ingerido com o mínimo de água pela manhã. Aproximadamente às 06h00minh, mesmo com o procedimento marcado no período da manhã. ANTIBIÓTICO: deverá ser ingerido com pequena quantidade de água. SUSPENDER MEDICAÇÃO PARA DIABETES: hipoglicemiantes (Insulina, Daonil, Diabinese, etc): ANTICOAGULANTES: (Marevan, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIFLAMATÓRIOS: (Aspirina, AAS, etc): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIÁCIDOS. Não usar nas 12 horas que antecedem o procedimento. ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS II 9

10 Se você faz uso de MARCAPASSO CARDÍACO deve comunicar ao seu médico, a enfermagem do Serviço de Endoscopia e ao médico que realizará o procedimento. No dia do PROCEDIMENTO Você deverá estar de estômago vazio (jejum de 08 horas) no momento do procedimento. Sua chegada no hospital no dia do PROCEDIMENTO Comparecer à recepção do Setor de Endoscopia, 15 MINUTOS antes do horário marcado. Trazer TODOS os EXAMES que você possui (MESMO OS ANTIGOS) e não esqueça de apresentar os DOCUMENTOS citados abaixo: Cartão do Convênio Cartão do Hospital (se tiver) Cédula de Identidade (RG) IMPORTANTE: É OBRIGATÓRIO ESTAR COM ACOMPANHANTE PARA SER LIBERADO APÓS O PROCEDIMENTO. Em decorrência dos efeitos da medicação sedativa, você não poderá conduzir veículos, ou ser conduzido para a sua residência em motocicleta, nem exercer ATIVIDADES DE RISCO, que necessitem de atenção nas 12 horas seguintes, nem poderá fazer uso de bebidas alcoólicas no mesmo dia ou após 24 horas do término do procedimento. Solicitar junto ao seu médico ATESTADO para afastamento do trabalho ou escola, se necessário. O QUE SERÁ FEITO O médico e a enfermeira explicarão o que é o procedimento, seu preparo, cuidados e cada passo do procedimento. Responda às perguntas que serão feitas, principalmente no que se refere às doenças anteriores, alergias e medicamentos que esteja tomando. Se já realizou exame de colonoscopia, o laudo anterior se faz necessário. Você será requisitado a assinar um consentimento informado, dando sua permissão para realizar o procedimento. Será oferecida uma vestimenta do hospital e solicitada a retirada de seus óculos, lentes de contato, relógios e prótese dentária. Você será colocado em uma posição confortável sobre seu lado esquerdo. Será dada uma medicação sedativa ou anestésica na veia para fazê-lo adormecer e relaxar O médico introduzirá o colonoscópio através de seu ânus para dentro do reto e o avançará através do cólon. Você poderá sentir algum desconforto, cólicas e pressão abdominal, em virtude do ar que é introduzido em seu cólon. Isso é normal e passará rapidamente, após a eliminação de gases. O ar é importante para que o médico examine minuciosamente o intestino. TEMPO DO PROCEDIMENTO O exame levará cerca de 20 a 40 minutos. APÓS O PROCEDIMENTO Você permanecerá em repouso numa sala de recuperação até ser liberado pelo médico ou pela enfermeira após neutralização completa do efeito sedativo ou anestésico. Portanto, você não deve dirigir após o procedimento, nem executar tarefas que exijam atenção, como operar máquinas ou tomar decisões importantes, pois a sedação diminui os reflexos e seu raciocínio. ALIMENTAÇÃO APÓS O PROCEDIMENTO Em razão do preparo a que o intestino foi submetido e a fim de facilitar a digestão, você deverá fazer uma refeição leve, voltando gradativamente à dieta normal no dia seguinte. RISCOS? A colonoscopia pode resultar em complicações, tais como: reações a medicações, perfuração (rasgos) do intestino e sangramento. São raros (menos de 1 para exames), entretanto, requerem tratamento urgente, e até mesmo cirurgia. Os riscos estão mais relacionados a algum tratamento, como remoção de pólipos. IMPORTANTE O aparelho é submetido à rigorosa desinfecção conforme as normas técnicas exigidas após cada exame, sendo esta uma preocupação constante para se evitar transmissão de doenças infecciosas. QUESTÕES/DÚVIDAS É importante que você informe ao seu médico se ocorrerem dor, fezes pretas, febre ou vômitos nas primeiras 24 horas após o exame. Caso ainda tenha dúvida sobre o exame, você poderá entrar em contato com a enfermeira da unidade de endoscopia. 10

11 ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA OU ESOFAGOGASTRODUODENOSCOPIA É um procedimento que permite visualizar o esôfago, estômago e duodeno até a 2ªporção, considerado a primeira parte do intestino. É realizada se introduzindo um tubo flexível, através da boca, sob sedação. Esse tubo contém uma lente, luzes e um canal onde o médico poderá trabalhar para coletar material ou realizar algum tratamento. PREPARO O estômago deverá estar vazio. Não coma nem beba nada 8 horas antes do exame. O preparo é muito simples. Veja a seguir: PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS PELA MANHÃ: É necessário JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água), por 8 horas antes do procedimento. PARA PROCEDIMENTOS MARCADOS A TARDE: JEJUM ABSOLUTO (não beber nem água) por 8 horas antes do procedimento, podendo ingerir um leve café da manhã (por exemplo: leite e vitaminas) Você faz uso de medicações? ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS I Se você faz uso de MEDICAÇÕES para HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES, DOENÇAS DO CORAÇÃO, ANTICOAGULANTES, ANTIFLAMATÓRIOS, ANTIBIÓTICOS e DIURÉTICOS, siga a orientação abaixo descrita: CONTINUAR MEDICAÇÃO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL: deverá ser ingerido com o mínimo de água pela manhã. Aproximadamente às 06h00minh, mesmo com o procedimento marcado no período da manhã. ANTIBIÓTICO: deverá ser ingerido com pequena quantidade de água. SUSPENDER MEDICAÇÃO PARA DIABETES: hipoglicemiantes (Insulina, Daonil, Diabinese, etc.): ANTICOAGULANTES: (Marevan, etc.): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIFLAMATÓRIOS: (Aspirina, AAS, etc.): Solicitar orientação ao seu médico. ANTIÁCIDOS. Não usar nas 12 horas que antecedem o procedimento. ORIENTAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS II Se você faz uso de MARCAPASSO CARDÍACO deve comunicar ao seu médico, a enfermagem do Serviço de Endoscopia e ao médico que realizará o procedimento. No dia do PROCEDIMENTO Você deverá estar de estômago vazio (jejum de 08 horas) no momento do procedimento. Sua chegada no hospital no dia do PROCEDIMENTO Comparecer à recepção do Setor de Endoscopia, 15 MINUTOS antes do horário marcado. Trazer TODOS os EXAMES que você possui (MESMO OS ANTIGOS) e não esqueça de apresentar os DOCUMENTOS citados abaixo: Cartão do Convênio Cartão do Hospital (se tiver) Cédula de Identidade (RG) IMPORTANTE: É OBRIGATÓRIO ESTAR COM ACOMPANHANTE PARA SER LIBERADO APÓS O PROCEDIMENTO. Em decorrência dos efeitos da medicação sedativa, você não poderá conduzir veículos, ou ser conduzido para a sua residência em motocicleta, nem exercer ATIVIDADES DE RISCO, que necessitem de atenção nas 12 horas seguintes, nem 11

12 poderá fazer uso de bebidas alcoólicas no mesmo dia ou após 24 horas do término do procedimento. Solicitar junto ao seu médico ATESTADO para afastamento do trabalho ou escola, se necessário. O QUE ACONTECERÁ O médico e/ou a enfermeira fará uma entrevista, investigando possíveis patologias, reações alérgicas, cirurgias anteriores e se já realizou procedimento de endoscopia anteriormente. Caso afirmativo, o laudo se faz necessário. Você precisará colocar uma vestimenta do hospital, remover seus óculos, lentes de contato e prótese dentária. COMO É REALIZADO Na sala de exame você será colocado numa posição adequada, ou seja, deitará sobre o lado esquerdo. Será oferecida uma medicação oral "dimeticona" para eliminar bolhas de ar, facilitando a visualização do estômago e do duodeno. Um protetor plástico será colocado entre seus dentes para manter sua boca aberta durante o procedimento. Um tubo flexível, fino e pequeno será passado através de sua boca Por meio dele, o médico será capaz de identificar qualquer anormalidade que possa estar presente, inclusive pesquisar amostras de tecido (biópsias) colhidas durante o exame para análise laboratorial detalhada. Não causa dor. Alguns tratamentos podem ser realizados pela endoscopia. Estes incluem dilatação de uma área estreitada do esôfago, estômago e duodeno, remoção de pólipos, objetos deglutidos e tratamento de vasos sangrantes e úlceras por injeção interna ou aplicação de calor (usando corrente elétrica diatermal, laser argônio ou heater probe). Um anestésico tópico (spray) será "borrifado" na sua garganta, permitindo a passagem do aparelho sem provocar dor ou náuseas. Uma medicação para relaxar ou mesmo um anestésico será aplicado na veia momentos antes de iniciar o procedimento, para fazer você adormecer. Essa medicação provoca sono e esquecimento por algum tempo. Por isso você não deve dirigir após o procedimento ou realizar tarefas que necessitem de atenção, como operar máquinas ou tomar decisões importantes, já que a sedação diminui seus reflexos e seu raciocínio. Deve vir acompanhado de uma pessoa que lhe conduza para casa. TEMPO DO PROCEDIMENTO É um procedimento rápido. Dura, em média, 15 minutos e é indolor. APÓS O PROCEDIMENTO Você irá permanecer na endoscopia em torno de 30 minutos, até a neutralização completa dos efeitos do sedativo e/ou anestésico. Sua garganta pode ficar adormecida ou levemente irritada. Você não deve comer ou beber até que seu reflexo de deglutição esteja normal. Depois disso, você pode retornar à sua dieta regular, a menos que seja aconselhado a fazer o contrário. Você pode sentir gases ou pequena distensão abdominal, pelo ar que foi introduzido através do endoscópio; contudo, isso passará rapidamente. RISCOS As complicações são raras, menos de 1 para procedimentos. Podem ocorrer complicações, tais como: reações a medicações, perfurações (rasgos) e sangramentos, necessitando de tratamento ou de cirurgia Essas complicações estão mais relacionadas ao procedimento terapêutico. IMPORTANTE O aparelho é submetido à rigorosa desinfecção conforme as normas técnicas exigidas após cada exame, sendo esta uma preocupação constante para se evitar transmissão de doenças infecciosas. QUESTÕES/DÚVIDAS Importante que você informe ao seu médico se ocorrerem dor; fezes pretas, febre ou vômitos nas primeiras 24 horas após o procedimento. Caso ainda tenha dúvida sobre o procedimento, você poderá entrar em contato com a enfermeira da unidade de endoscopia. 12

13 LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE APARELHOS ENDOSCÓPICOS A evolução permanente da tecnologia conduz a equipe de enfermagem a reavaliar constantemente suas práticas de cuidados de enfermagem. A recrudescência de certas doenças infecciosas, a necessidade de lutar contra infecções nosocomiais, põe em questão as regras de assepsia a serem respeitadas pela equipe de enfermagem. Os endoscópios digestivos e broncoscópios flexíveis são aparelhos caros e frágeis que necessitam de manutenção rigorosa e desinfecção específica. Estes aparelhos não podem ser esterilizados pelos métodos clássicos. Atualmente todos os aparelhos são imersíveis em água e permitem um tratamento adequado de desinfecção. Por sua complexidade, o processo de limpeza e desinfecção de endoscópios não é somente uma preocupação da enfermagem, ela se tornou multidisciplinar, pois exige discussão sobre riscos físicos, biológicos e químicos, tanto para o paciente quanto para a equipe, exige avaliação dos materiais disponíveis e custos para a empresa de assistência à saúde. LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. CONCEITOS De acordo com a classificação de Spaulding os endoscópios são classificados em materiais semi-críticos, pois entram em contato com mucosa não-estéril ou não-intacta. O processo indicado é a esterilização se possível. Caso não seja possível, a desinfecção de alto-nível é necessária. Os endoscópios são termosensíveis, não permitindo uso em autoclave. Podem ser esterilizados em óxido de etileno, mas seu processo é inviável, considerando o tempo de ausência do aparelho no serviço de endoscopia (processo de 72h). Conforme a Resolução/ANVISA-RE nº2. 606(11/08/2006), Limpeza: Consiste na remoção de sujidades visíveis e detritos dos artigos, realizada com água adicionada de sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada, por ação mecânica, com conseqüente redução de carga microbiana. Deve preceder os processos de desinfecção ou esterilização. Desinfecção: Processo físico ou químico que elimina a maioria dos microrganismos patogênicos de objetos inanimados e superfícies. Esterilização: Processo físico ou químico que elimina todas as formas de vida microbiana, incluindo os esporos microbianos. LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE APARELHOS ENDOSCÓPICOS DEFINIÇÃO DO PROTOCOLO Conjunto de etapas que permitem a destruição de microorganismos do material de endoscopia (endoscópios e acessórios). OBJETIVO Evitar a transmissão de cruzada de microorganismos aos pacientes por ocasião da endoscopia digestiva ou brônquica. INDICAÇÃO Antes e após cada exame. A prática de desinfecção antes do primeiro exame ainda é indicada, mas já vem sendo questionada em diferentes países. MATERIAL NECESSÁRIO 1. Para o profissional: 2. Luvas, máscara, óculos e avental. 3. Para teste de vedação: 4. Testador de vedação automático ou manual. 5. Para a limpeza: 6. Detergente enzimático, água corrente, cubas, escova para canal e válvulas, pano macio, seringas, válvulas de irrigação dos diferentes canais. 7. Para desinfecção: 8. Cuba com solução desinfetante, seringa, válvulas de irrigação dos diferentes canais. 9. Pra enxágüe: água corrente, cuba com água e válvulas de irrigação dos diferentes canais, seringa. 10. Para secagem: ar comprimido, pistola de sob pressão, pano de tecido macio. 13

14 LIMPEZA A presença de fezes, sangue ou secreção respiratória pode resultar em falha no processo de desinfecção. Isto devido ao material orgânico proteger o microorganismo da exposição ao desinfetante ou por inativar o desinfetante. Consequentemente, a limpeza rigorosa é necessária nos endoscópios flexíveis. Deve acontecer imediatamente após o término do exame na sala, para evitar ressecamento de secreções. As etapas estão descritas a seguir; 1. Ainda na sala do exame, imediatamente ao ser retirado do paciente, com o aparelho conectado na fonte de luz, aspirar água com detergente enzimático para limpeza do excesso de secreção no canal. Limpar com compressa o tubo de inserção retirando o excesso de secreção. 2. Acionar o canal de ar/água, alternadamente por 15 segundos, prevenindo a obstrução deste canal. Alguns aparelhos possuem uma válvula acionada. 3. Retirar o aparelho da fonte elétrica, conectando a seguir a tampa de proteção da parte elétrica. 4. Levar o aparelho para a sala de desinfecção, protegido para evitar manuseios indevidos. 5. Realizar o teste de vedação após cada procedimento, antes de imergir o aparelho na solução. TESTE DE VEDAÇÃO 1. Adapte o testador de vedação ao aparelho: 2. Coloque o aparelho na água imergindo a extremidade distal do aparelho, observando a formação de bolhas; 3. Imergir lentamente, aos poucos, o aparelho, até que todo ele fique imerso; 4. Realizar movimento up, down, "right, left, observando a formação de bolhas ou queda de pressão no manômetro. 5. Caso o aparelho apresente algum vazamento ou escape de ar, não prossiga p processo de limpeza, pois a imersão em água ou solução desinfetante pode infiltrar no aparelho, danificando-o. Proteja-o ao colocar na maleta e encaminhe-o para conserto autorizado, com aviso de que este não sofreu processo de desinfecção. 6. Se o aparelho estiver íntegro, continue o processo de limpeza a seguir: 7. Imergir totalmente o aparelho em detergente enzimático, obedecendo às instruções do fabricante para uso adequado da solução. 8. Remover as válvulas, imergir em solução enzimática e proceder à escovação das mesmas. 9. Lavar externamente o aparelho, comando e tubo com compressa macia ou esponja. 10. Introduzir a escova de limpeza no canal de biópsia até a saída na porção distal e escovar a escova de limpeza ao sair na outra extremidade antes de tracioná-la de volta. 11. Introduzir a escova de limpeza em ângulo de 45º através do canal de aspiração até a saída na porção distal do tubo. 12. Introduzir a escova de limpeza através do canal de aspiração em ângulo reto até a saída na parte lateral do tubo conector. 13. Realizar a limpeza da escova novamente antes de tracioná-la. 14. Escovar o local das válvulas com escova própria. 15. Enxaguar os canais, utilizando os acessórios do aparelho fornecidos pelo fabricante para proceder a lavagem e desinfecção, utilizando baixa pressão. 16. Enxaguar em água corrente abundante. Secar externamente e escorrer ao máximo antes de colocar o aparelho em solução desinfetante. DESINFECÇÃO 1. Imergir totalmente o aparelho na solução desinfetante e introduzir solução nos canais com auxílio de uma seringa. 2. Cronometrar o tempo para imersão na solução, de acordo com a especificação do fabricante do desinfetante. Devemse utilizar somente soluções com registro na Divisão de Saneantes do Ministério da Saúde. 3. Após retirar o aparelho do desinfetante, lavar em água corrente abundante. 4. Realizar enxágüe dos canais com água em abundancia (mínimo de 5 vezes com auxílio de seringa). 5. Secar o tubo com pano macio. 6. Secar os canais com ar comprimido sob baixa pressão. 7. Realizar rinsagem com álcool 70% (P/V) nos canais, seguida de nova secagem de lúmen com ar comprimido, ao final do período de trabalho. Este processo auxilia na secagem do canal, evitando a formação de biofilme. 8. Aplicar óleo silicone nos anéis de borracha das válvulas. 9. Armazenar os endoscópios em armários ventilados, de fácil limpeza, em temperatura ambiente, evitando umidade e calor excessivo, na posição vertical, com o cuidado de não tracionar o cabo do tubo conector. CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM Temperatura: 10 a 40º Umidade: Seca Pressão: 70 a 106 kpa (dentro da faixa de pressão atmosférica) Local: Limpo e não exposto à luz solar direta Estado do Endoscópio: Reto, ao invés de angulado. Local não afetado por forças externas. Pendurado com a seção de controle para acima Retirar as válvulas para permitir ventilação enquanto estocado. Não armazenar na maleta. Esta é somente para transporte do aparelho. 14

15 LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOS ACESSÓRIOS Escovar o recipiente de água com detergente enzimático, injetar detergente no canal de borracha. Enxaguar com água corrente e injetar água no canal. Imergir o recipiente de água na solução desinfetante no final do turno de trabalho, conforme tempo determinado pelo fabricante. TRANSPORTE DO APARELHO PARA OUTRAS ÁREAS É comum a realização de exames fora da unidade de endoscopia em UTI ou emergência. Cuidados especiais para transporte deste aparelho devem ser considerados, pois os pacientes não podem correr riscos de contaminação exógena. Ao levar o aparelho para áreas externas a unidade de endoscopia, este deve ser levado na maleta, protegendo contra riscos de queda. Para colocar na maleta este deve ser protegido com plástico limpo, pois a maleta é considerada contaminada. Este procedimento auxilia para o retorno do aparelho para a unidade de endoscopia onde será realizada a desinfecção deste. O aparelho após o uso poderá ser colocado sujo no plástico para então ser colocado na maleta, evitando contaminação desta. CUIDADOS GERAIS PARA MANTER A INTEGRIDADE DO APARELHO 1. Ao retirá-lo para uso e colocá-lo sobre uma superfície, evite deita-lo com o comando para baixo. 2. Não faça dobras no tubo. 3. Maneira correta de segurar o aparelho. 4. Inspecionar danos no tubo como amassos. 5. Não dobre a parte distal com a mão. Utilize os comandos. 6. Imergir o aparelho com acessórios ou sem proteção da parte elétrica pode perfurar a capa externa do aparelho e infiltrar. ANTES DO USO DO APARELHO: 1. Comprovar que os freios não se encontram bloqueados. 2. Utilizar os comandos de angulação para verificar se estão funcionando corretamente e que os graus de angulação são apropriados. 3. Acionar os freios para comprovar seu correto funcionamento. 4. Pressionar a válvula de ar/água para comprovar a irrigação. 5. Pressionar a válvula de sucção para verificar seu correto funcionamento. 6. Verificar imagem. SOLUÇÕES QUÍMICAS UTILIZADAS NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS LIMPADORES ENZIMÁTICOS A solução adequada do detergente está diretamente relacionada com o conhecimento de seus princípios ativos e sua ação, de acordo com as características do material a ser lavado. Com relação aos detergentes enzimáticos trata-se de substâncias químicas que têm propriedade de tornar solúveis em água substâncias que não são solúveis ou têm baixa solubilidade. Eles agem não somente sobre gorduras, como também sobre proteínas e açúcares, que são componentes abundantes na matéria orgânica, uma vez que as enzimas têm a propriedade de promover quebra das ligações das matérias orgânicas. Tais transformações ocorrem de forma semelhante ao processo de digestão de alimentos em nosso organismo, pela decomposição das estruturas moleculares complexas das substâncias biológicas, só que de forma mais rápida. As enzimas mais utilizadas são as proteases (degradação das proteínas), amilases carboidrases (digestão de matéria orgânica, sintetizada a partir de açúcares) e lípases (responsável pela degradação das gorduras). Elas são obtidas atualmente por engenharia genética, tendo como matéria prima bactérias, fungos e outros microorganismos. São biodegradáveis, neutros, concentrados, não oxidantes, com ação bacteriostática e, portanto, não promovem desinfecção. Para uso eficaz do produto é importante respeitar a orientação do fabricante, especialmente quanto à diluição e temperatura ótima da água. DESINFETANTES Um grande número de desinfetantes é usado em hospitais ou casa de saúde, incluindo álcool, compostos de cloro, formaldeído, glutaraldeído, peróxido de hidrogênio e compostos de amônia quaternária. A seleção apropriada deste deve ser cuidadosa e sua utilização deve ser segura e eficiente. Deve ser lembrado que os gastos excessivos podem ser atribuídos ao uso de concentrações incorretas e germicidas inapropriados. (RUTALA, 1996). GLUTARALDEÍDO 1. Apresentação líquida, ácida, não é corrosiva. 2. Modo de uso: Por submersão, deve ser ativado, tornando-o alcalino com ph de 7,5 a 8,5. Em temperatura 20ºC. Validade de 14 a 28 dias. 3. Tempo de processamento: Segue a portaria MS nº15/88,30 minutos. 4. Aplicação: desinfetante de alto nível, utilizado em materiais semicríticos. 5. O glutaraldeído é utilizado mais comumente como um desinfetante de alto nível em equipamentos médicos como endoscópios, equipamentos de terapia respiratória, dializadores, transdutores, equipamentos de anestesia, e hemodiálise. (ESGNA, 1999). 15

16 6. Espectro de ação: a 2% é efetivo contra as bactérias vegetativas, fungos e a maioria dos vírus. 7. Tempo: Destrói altos níveis de Mycobacterium tuberculosis e 20 minutos. O HBV é destruído em 2,5 a 5 minutos de exposição. A Mycobacterium avium Intracellulare é eliminada em minutos. H.Pilory é rapidamente eliminado. Não elimina os prions. (MODLETON, 1997) 8. Esterilizante químico se imerso por 8 a12 horas. As orientações de tempo de imersão devem ser seguidas de acordo com as especificações do fabricante. 9. Apresentação 1,5% a 2,4%. 10. Máquinas: Pode ser utilizadas em máquinas lavadoras de endoscópios. 11. Teste de validade: é recomendado uso de fita teste para confirmar a concentração efetiva dos ingredientes ativos presentes. 12. Biossegurança: produto tóxico pode causar irritação de pele e mucosa. Exige ventilação adequada da sala de desinfecção e proteção individual em seu manuseio. 13. A proteção de saúde do trabalhador deve ser lembrada. O trabalhador pode ficar exposto a altas concentrações de vapor de glutaraldeído enquanto o equipamento é processado em salas pouco ventiladas, quando derramamento ou vazamento ocorrem, ou quando os recipientes para os banhos de imersão são abertos. 14. Nestas situações o nível de glutaraldeído no ar poderia alcançar o limite máximo de 0.2 ppm. (RUTALA, 1998) 15. A exposição ao glutaraldeído acima de 0.2ppm é irritante para os olhos, garganta e nariz. Epistaxe, dermatite de contato, asma e renite têm sido documentados em trabalhadores de saúde expostos ao glutaraldeído. Máquinas de lavar e desinfetar endoscópios reduz o risco de exposição ocupacional ao produto. (RUTALLA 1998, ESGNA, 1999) 16. Algumas alternativas podem combater estes problemas como: 17. Melhorar a ventilação (7 a 15 mudanças de ar por hora); 18. Uso de coifas de exaustão ou filtros absorventes para o vapor do glutaraldeído; 19. Tampas ajustadas e firmes sobre as cubas de exaustão; 20. Equipamento de proteção individual como luvas (de borracha nitrílica, borracha butílica, polietileno), óculos de proteção, avental plástico e máscara de carvão ativado, a fim de diminuir as áreas de exposição ao produto. 21. Cuidados: Problemas como proctocolite causada pela solução de glutaraldeído residual nos canais de ar/água dos colonoscópios foi documentada e é prevenida pelo enxágüe adequado do aparelho antes do uso. (Dolcé, 1995) ÁCIDO PERACÉTICO 1. Apresentação: líquida. 2. Modo de uso: por submersão. 3. Tempo de processamento 30 minutos a 50 a 56ºC (em máquina apropriada) 4. Aplicação: desinfetante de alto nível. Sua aplicação mais conhecida no país, até o momento é em hemodiálise. Indicada fora do país para uso em endoscópios, instrumento de diagnóstico e outros materiais submersíveis. 5. Ação: agente oxidante. Desnaturação protéica, ruptura da permeabilidade da membrana celular. 6. Espectro em ação: tem amplo aspecto de ação conforme é requisito para ser desinfetante de alto nível, incluindo Mycobacterias e esporos bacterianos. Sua principal vantagem na decomposição são os resíduos em baixos níveis. 7. Tempo: a inativação de microorganismos é dependente de tempo, temperatura e concentração. Inativa microorganismos mais sensíveis em 5 minutos a uma concentração de 100ppm. Para eliminação de esporos, de 500 a 10000ppm em 15 segundos a 30 minutos. 8. Apresentações: 0,2% e 0,35%. 9. Máquinas: existem no mercado internacional para uso com soluções específicas (0,2%) para tratamento em endoscópios, enquanto outras são recomendadas com diversos tipos de soluções e testadas também com ácido paracético. Outras são referenciadas como esterilizadoras. 10. Indicação: no âmbito nacional tem sido utilizada em combinação com o peróxido de hidrogênio para tratamento de hemodializadores. Tem sido mais estudado para outros usos em substituição ao glutaraldeído para materiais termosensíveis. 11. Compatibilidade com materiais: pode corroer cobre latão, bronze, ferro galvanizado e aço. Estes efeitos, no entanto, podem ser reduzidos por aditivos e modificações de ph. 12. Existem no mercado ácido paracético compatível com matérias ferrossos, portanto, compatíveis com o reprocessamento dos endoscópios, pois seu ph é neutro (5,5 a 7). PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO 1. Apresentação: Utiliza um precursor químico-o peróxido de hidrogênio, em ampolas de 1,8ml, em solução aquosa com concentração de 58% e uma fonte física a radiofreqüência, produzem plasma. (CASSOLA, 1997) 2. Modo de uso: Através de equipamento automatizado, rápido, sem resíduos tóxicos. 3. Tempo de processamento: O ciclo é dividido em 5 etapas. Vácuo: de 5 a 20 minutos; injeção: 6 minutos; difusão: 44 minutos; plasma: 15 minutos e ventilação: 4 minutos. 4. Aplicação: esterilização de artigos sensíveis ao calor e a umidade. 5. Espectro de ação: Esterilização 6. Testes: A monitorização dos ciclos por indicador biológico é realizada 3 vezes por semana, no primeiro ciclo, com Bacillus subtillis. 7. A carga aguarda liberação de 24 a 48h para liberação dos resultados das leituras. (Muller e Silva, 2002) BIOSSEGURANÇA Biossegurança, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é o conjunto de ações voltada para prevenção, minimizando ou eliminação de riscos inerentes à atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, riscos que podem comprometer a saúde do homem, dos animais, do meio ambiente ou a qualidade dos serviços desenvolvidos. Basicamente, as normas de Biossegurança englobam todas as medidas para evitar os riscos, sejam eles biológicos, físicos, químicos, ergonômicos e psicológicos. 16

17 A Biossegurança não limita-se hoje mais apenas a controle de riscos biológicos ou químicos ao trabalhador, mas uma grande preocupação é quanto a liberação de produtos perigosos no meio-ambiente, como os resíduos de serviço de saúde. A RDC/ANVISA nº306/04, dispõe o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviço se saúde. As unidades de endoscopia digestiva realizam procedimentos de cunho semi-críticos e críticos, com potencial de contaminação, sendo necessário que os trabalhadores de saúde tenham como prioridade a segurança para realizar os procedimentos, práticas efetivas e constantes para prevenir, minimizar a disseminação das doenças e a proteção dos produtos químicos utilizados nos processos de desinfecção/esterilização. As Precauções Padrão, estabelecidas pelo CDC-Centro de Controle de Doenças de Atlanta, são as recomendações básicas para seguranças da equipe e paciente. Estas incluem o uso de barreiras (equipamentos de proteção individual) e lavagem de mãos, toda vez que houver possibilidade de contato com sangue, secreções, excreções e fluidos corporais (exceto suor), pele não íntegra e membranas mucosas de todos os pacientes. Além disso, são recomendadas precauções específicas, como as com aerossóis, ao lidar com pacientes suspeitos ou portadores de sarampo, varicela ou tuberculose pulmonar, sendo que a máscara recomendada é do tipo N 95, com filtro, conhecida no Brasil como PFF2. As precauções de contato, ao lidar com pacientes portadores de germes multiresistentes, e precauções com gotículas, com pacientes portadores de doença Meningocóccica, têm igualmente cuidados especiais. Os EPls (equipamentos de proteção individual) e EPCs (equipamentos de proteção coletiva) destina-se a proteger os profissionais durante o exercícios de suas atividades, minimizando o risco por contato com sangue e outros fluídos corpóreos, bem como o manuseio de germicidas químicos. A portaria nº485 de 11/11/2005 do ministério do Trabalho aprovou a Norma Regulamentadora (NR32) que trata da Segurança e Saúde no trabalho dos estabelecimentos de saúde. Esta NR atualmente é a que define quais as diretrizes básicas de segurança dos trabalhadores de saúde. São exemplos de EPLs os óculos de proteção, máscaras, luvas, aventais, e sapatos fechados. São exemplos de EPCS as caixas de perfurocortantes, o sistema de exaustão e ventilação. As medidas de segurança do trabalhador incluem as imunizações, especificamente de hepatite B e tétano para toda a equipe. O manejo adequado e destino dos resíduos sólidos devem ser controlados, de forma a preservar a segurança de equipe e paciente, bem como do ambiente. O uso de caixas ou recipientes específicos para perfurocortantes devem ser trocados sempre que ¾ de sua capacidade estiver ocupada, de forma a não ocorrer perfuração acidental. Agulhas e materiais pontiagudos não devem ser reencapados. O uso de radiações ionizantes em alguns procedimentos endoscópios como a CPER (Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada), por exemplo, demandam o uso de EPI adequado, como os aventais de chumbo e protetores de tiróide, além de óculos plumbados, bem como a monitorização periódica dos dosímetros de cada funcionário. Um protocolo na Instituição sobre controle de saúde periódico do trabalhador e controle da exposição é obrigatório. Os EPLs recomendados em procedimentos endoscópicos são: USO DOS EPLS NAS DIFERENTES ETAPAS DO PROCESSO Procedimento Limpeza Desinfecção Secagem Óculos X X X X Luvas de Procedimentos X Luvas de Látex X X X Máscara de procedimento X X X X Máscara de Carvão Ativado Avental Manga Longa X X X X Avental Plástico X X X Protetor auricular X Dosímetro X* Avental de chumbo X* Protetor de tireóide c/ chumbo X* *Quando em procedimento com uso de RX. Dentre os EPCs recomendados, estão a ventilação adequada da sala de limpeza e desinfecção, devido á formação de vapores e a inalação de produtos tóxicos. Além disso, pisos laváveis, equipamentos aterrados são também medidas de segurança coletivas, dentre outras. ACIDENTES OCUPACIONAIS O CENTRO DE ENDOSCOPIA DE SÃO CARLOS S/S na qualidade de Serviço de Endoscopia da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos segue as normas da CCIH. PROGRAMA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE ACIDENTES OCUPACIONAIS OBJETIVO Registrar, analisar e promover o acompanhamento dos acidentes ocupacionais perfuro-cortantes que poderão gerar riscos de aquisição de doenças transmissíveis por esta via. 17

18 METODOLOGIA 1. Através do registro imediato do acidente, recomenda-se, baseado em sua gravidade e tipo de exposição, o uso de profiláticos na forma de imunização passiva e ativa, bem como utilização de medicamentos específicos. 2. Doenças com acompanhamentos: - Hepatite viral tipo B; - Hepatite viral tipo C; - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA). RESPONSÁVEIS C.C.I.H. / S.C.I.H.; Chefias de Enfermagem; Médicos plantonistas da UTI Adulto; Funcionário acidentado; SESMT Departamento pessoal. Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos 18

19 FLUXOGRAMA NOS ACIDENTES OCUPACIONAIS POR AGENTE BIOLÓGICO C.C.I.H / S.C.I.H. INSTRUÇÃO DE TRABALHO Emissão:10/00 Responsável: Dr. Paulo Roberto Motta Revisão:01/07 Denominação: Monitoria aos Acidentes Ocupacionais Objetivo: Acompanhamento, avaliação e conduta no momento do acidente (ocup. material biológico) Início (A) O funcionário se acidenta Ocorrência do Acidente (A) (B) No momento do acidente o funcionário deverá comunicar à sua chefia imediata. Comunicação à chefia imediata (B) (C;D) O Registro de acidente será preenchido pela chefia do funcionário, em todos os campos assinalados. (A pasta com os registros está na Sala de Gerência de Enfermagem). O CAT (Comunicado de Acidente de Trabalho) deverá ser aberto no SESMT até 24 horas após o acidente. Abertura do Registro de Acidente Ocupacional e CAT (C;D) Conduta Médica (C.C.I.H./ UTI-A) (E;F) (E) A chefia responsável ira comunicar o acidente ao médico plantonista da UTI adulto, e este avaliará o caso, tomando a conduta necessária. Quimio profilaxia Não Aguardar resultados de exames Sim Pegar na Farmácia mediante pedido preenchido (F) Após a conduta médica o funcionário aguardará os resultados dos exames, seguindo as orientações médicas. (G) Após o preenchimento da ficha de notificação do acidente ocupacional, esta deverá ser encaminhada para a sala da CCIH para acompanhamento. Prosseguir acompanhamento (G) Sim Não 19

20 PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DE PROCESSO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO ENDOSCÓPIO Este processo auxilia como um check list para o profissional da enfermagem que realiza a desinfecção dos aparelhos na unidade de endoscopia. É uma proposta da SOBEEG para auditoria nos serviços de Endoscopia, em busca da garantia e segurança do usuário. Convencionado pela SOBEEG que deverá ser realizada uma observação no mínimo a cada seis meses, aproximadamente, por profissional que não realiza normalmente esse procedimento, através da planilha. A instituição deve planejar a observação de tal modo e evitar o máximo possível que o observado mude o comportamento frente ao observador. A SOBEEG desaconselha medidas punitivas frente à falhas nos procedimentos e recomenda treinamento sistemático, no mínimo anual e quando forem observadas inconformidades no processo. A mesma planilha utilizada pelo observador externo deve ser preenchida sistematicamente pelo profissional responsável pelo procedimento, assim como pelo enfermeiro. A mesma deve acompanhar o aparelho até seu uso. Deve ser registrado o nome do paciente e o procedimento realizado e então arquivada. PLANILHA PARA ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE HIGIENE E LIMPEZA DOS ENDOSCÓPIOS Procedimento observado 1. Na própria sala: imediatamente ao ser retirado do paciente, com o aparelho conectado na fonte de luz, a água é aspirada com detergente enzimático para limpeza do excesso de secreção no canal. 2. É retirado excesso de secreção com compressa. 3. É acionado canal de ar e de água, alternadamente. 4. É desconectado da energia e colocada a tampa de proteção da parte elétrica antes do início da desinfecção. 5. Testador de vedação é adaptado. 6. O aparelho é submergido na água, iniciando pela extremidade distal. 7. São realizados os movimentos acima, abaixo, a esquerda e a direita. 8. São observados sinais de vazamento ou escape de ar. 9. O aparelho é submergido em detergente enzimático. 10. As válvulas são removidas e submersas em solução enzimática. 11. As válvulas são escovadas. 12. O aparelho é lavado externamente (comando e tubo). 13. É introduzida a escova de limpeza no canal de biópsia até a saída na porção distal. A escova é escovada ao sair na outra extremidade antes de tracioná-la. 14. É introduzida a escova de limpeza em ângulo de 45º através do canal de aspiração até a saída na porção distal do tubo. 15. É introduzida a escova de limpeza através do canal de aspiração em ângulo reto até a saída na parte lateral do tubo conector. 16. É realizada a limpeza da escova novamente antes de tracioná-la. 17. Os acessórios utilizados são os fornecidos pelo fabricante do aparelho. 18. É enxaguado em água corrente abundante. 19. É secado externamente. 20. É deixado escorrer até não mais observar saída de água. 21. É imerso completamente o aparelho na solução desinfetante. 22. O desinfetante é introduzido nos canais com auxílio de uma seringa. 23. O tempo para imersão no desinfetante respeita o tempo exigido pelo fabricante. 24. O aparelho é retirado do desinfetante e lavado em água corrente abundante. 25. É realizado enxágüe dos canais com água em abundância com auxílio de seringa. 26. O tubo é seco externamente com pano macio. 27. Ar comprimido é aplicado para secagem dos canais. 28. É realizada rinsagem com álcool 70% nos canais, seguida de nova aeração com ar comprimido. 29. É aplicado óleo silicone nos anéis de borracha das válvulas. 30. Armazenado sem válvulas. Conformidades (OK) observações Responsável Recomendações adicionais: Manter planilhas de controle de temperatura e umidade no local de armazenamento dos aparelhos. Manter planilhas de controle de tratamento dos aparelhos e dos testes de validade do desinfetante. 20

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Centro Endoscópico: Assistencial Título Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

HIPECLOR Limpador de Uso Geral Cloro Ativo 1%

HIPECLOR Limpador de Uso Geral Cloro Ativo 1% Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPECLOR Limpador de Uso Geral Cloro Ativo 1% 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Limpador de Uso Geral Cloro Ativo 1%

Leia mais

"AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO "AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO Enf Ingrid Weber Neubauer Núcleo Municipal de Controle

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80%

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80% 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Cloreto de Níquel Solução 80% Código interno de identificação do produto: A022 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO %

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO % 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRELATÉX Tinta acrílica base d agua. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 6 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 224/14 Data: 01/09/14 Revisão: 0 Data Rev.: 01/09/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Inducola A Código interno: 5003 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br Endereço:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Promotor de aderência Selante para Indupiso Código interno: E172 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda.

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: VOTOMASSA CHAPISCO CONCRETO Empresa: VOTORANTIM CIMENTOS LTDA. Endereço: Rodovia PR092, 1303 Cidade: Curitiba Estado: PR Telefone: 0800 701 98 98 Telefone

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos 01 Identificação do produto e da Empresa Nome do Natureza Química: Produto Germicida e Bactericida Autorização de Funcionamento / MS Nº: 3.04500.8 Produto Notificado ANVISA/MS Nº: 0687370137 Data da Publicação

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ N 004/2006 Página 1de 6 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Massas Corrida PVA Nome Comercial: Massa Corrida PVA Empresa: Resicolor Tintas e Vernizes Ltda Endereço: Rodovia

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente.

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Dr Dirceu Carrara Enfermeiro Chefe CCIH InCor HCFMUSP Rutala, W. In: Mayhall, 1999 Desinfetante É um agente

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança do Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança do Produto Químico 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO... HTH Avaliar Elevador de Alcalinidade NOME DA EMPRESA... Arch Química Brasil Ltda. ENDEREÇO... Av. Brasília,nº 1500 Jd. Buru Salto-SP TELEFONE

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por:

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Solução química para pronto uso a base de ortoftalaldeído (OPA) apresentada em concentração de 0,55% e indicada para a desinfecção de alto nível de artigos odonto-médico-hospitalares.

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FORTEX Ficha de Segurança Nome do Produto: MASSA PVA FORTEX Data de Revisão: 15/08/2013 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto:

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Fosfato Dissódico Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Detergente Concentrado Oirad - Código interno de identificação do produto: LG 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ SEÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Produto: Empresa: TWISTER OFFICER INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA R.Senador Giovanni Agnelli, 927-galpão

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Tinta para demarcação Suprivia base d água Código interno: BA5215 e outros Empresa: Suprivias Indústria e Comercio de Materiais para Demarcação

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ( FISPQ) Nome do Produto DNC Página 01/06 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO Detergente Neutro Concentrado - HERMON Limpeza- Ltda Rua Vicente Melle,771-Bairro Ana Jacinta- Presidente Prudente-São Paulo - CEP: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL AC90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA,

Leia mais

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA Foram inseridas as definições pertinentes ao PROCESSAMENTO da RE 2606/2006 e da RDC 6/2013, mantendo a numeração presente nas respectivas

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Código do produto : 0007 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: ISOPLUS COMPONENTE B Nome da Empresa: CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP:

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: CARBONATO DE SÓDIO 1/6 1. IDENTIFICACÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Endereço: Telefone de emergência: e-mail: CARBONATO DE SÓDIO Sasil Comercial e Industrial de Petroquímicos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 8 Página 01/07 SEÇÃO 1.0 NOME DO PRODUTO NOME DO FABRICANTE ENDEREÇO Rua Dr. Fernão Pompeu de Camargo, 1704/52 Jardim do Trevo - Campinas/SP - CEP: 13040-010 SEÇÃO 2.0 TIPO DE PRODUTO PREPARADO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto :

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto : Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : LIMPA- PEDRAS Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. Telefone FAX: (11) 2632-7070

Leia mais

QUIDESOXIDADOR. Telefones de emergência: (41) 3376-2991 Curitiba 0800-7032991 Outras Regiões 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

QUIDESOXIDADOR. Telefones de emergência: (41) 3376-2991 Curitiba 0800-7032991 Outras Regiões 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES QUIDESOXIDADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - Nome do produto: QUIDESOXIDADOR - Código interno: 418 - Aplicação: Desoxidador de chapa off-set positiva. Fabricante: Quimagraf Ind. Com. De Material

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte - Vl. Olimpia São Paulo

Leia mais

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL N90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA, 765

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000113271 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 2 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 2 4. PRIMEIROS SOCORROS 2

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 2 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 2 4. PRIMEIROS SOCORROS 2 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 2 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 2 4. PRIMEIROS SOCORROS 2 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 3 6. MEDIDAS

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais