Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME"

Transcrição

1 Resultados da consulta pública TOP10 relativa aos atos legislativos mais onerosos para as PME 1. Introdução A consulta pública relativa aos dez atos legislativos mais onerosos para as PME («Consulta pública TOP10») faz parte das ações políticas ambiciosas lançadas pela Comissão em 2011 com vista a minimizar a carga regulamentar que incide sobre as PME e a ajustar a regulamentação da UE às necessidades das microempresas 1. A consulta pública TOP10 consistiu num questionário em linha utilizando o software de elaboração interativa de políticas (IPM Interactive Policy Making) 2. Decorreu de 1 de outubro de 2012 a 21 de dezembro de 2012 e esteve disponível em 21 línguas da UE. A Comissão promoveu amplamente o lançamento da consulta, nomeadamente através da Enterprise Europe Network (Rede Europeia de Empresas) e de contactos regulares com as partes interessadas. Aos inquiridos foi dada a escolha de responder utilizando uma ou várias das seguintes opções: identificar os domínios em que a regulamentação da UE é mais onerosa; escolher, de uma lista de atos legislativos, aquele(s) que consideram mais oneroso(s) ou indicar outros requisitos regulamentares que consideram onerosos. Por fim, pedia-se aos inquiridos que dessem um exemplo de um ato legislativo que tivesse sido revisto e que agora fosse menos oneroso. A lista de atos legislativos (19 regulamentos, 36 diretivas e 2 decisões) foi compilada com base nas informações da base de dados «observação das PME» (mais de 6500 casos assinalados pelas PME através da Enterprise Europe Network ), nos resultados do painel das PME TOP 10 (uma consulta específica realizada através da Enterprise Europe Network para preparar esta consulta pública) e nos resultados de conferências com as partes interessadas das PME organizadas pela Comissão nos Estados-Membros. O presente relatório define o perfil dos inquiridos e resume os principais resultados da consulta. 2. Perfil dos inquiridos A consulta pública TOP10 atraiu grande atenção entre as PME e as organizações que as representam, com um total de 1000 respostas recebidas até ao prazo final. Participaram na consulta partes interessadas e PME de todos os Estados-Membros. Dos 1000 inquiridos, 779 são empresas, 154 são organizações representativas dos interesses das empresas e 67 são outras partes interessadas. 1 COM(2011)803 final. 2 Ver anexo 1 1

2 Distribuição das partes interessadas 7% 15% empresas organizações outros 78% Responderam à consulta 140 organizações representativas dos interesses das PME na UE, 15 das quais ativas a nível europeu e 14 ativas em países terceiros. Receberam-se 628 respostas de PME estabelecidas na UE e 118 de PME estabelecidas em países terceiros. Respostas das PME UE não UE PME Microe mpresa s Receberam-se respostas dos 27 Estados-Membros, com diferenças consideráveis entre Estados-Membros no que diz respeito ao número de inquiridos. As PME da Alemanha, da Bélgica, de Itália, do Reino Unido e do Luxemburgo tiveram uma participação particularmente ativa na consulta. 2

3 Distribuição das respostas na UE-27 (PME e organizações) Reino Unido Suécia Espanha Eslovénia Eslováquia Roménia Portugal Polónia Países Baixos Malta Luxemburgo Lituânia Letónia Itália Irlanda Hungria Grécia Alemanha França Finlândia Estónia Dinamarca República Checa Chipre Bulgária Bélgica Áustria Organizações PME Domínios políticos mais onerosos para as PME da UE Oitenta por cento das PME individuais da UE e quase 90 % das organizações da UE responderam à questão que pedia para identificar os domínios políticos mais onerosos para as PME da UE (questão B.1). Os dois quadros seguintes apresentam os resultados recebidos de PME individuais e de organizações. 3

4 A. Respostas das PME individuais (apenas da UE) CATEGORIA DOMÍNIO POLÍTICO PME 1 Fiscalidade IVA Fiscalidade Impostos diretos (rendimento, capital, dupla tributação) 134 Assuntos 3 aduaneiros Controlos e formalidades aduaneiras Ambiente Resíduos Obrigações de rotulagem Prova de conformidade na ausência de norma harmonizada Ambiente Produtos químicos Emprego e Assuntos Sociais Saúde e segurança no trabalho 109 Obrigações de informação (i.e. requisitos linguísticos, instruções 9 de utilização/segurança) Utilização das normas Emprego e Assuntos Sociais Regimes de segurança social Assuntos aduaneiros Classificação das mercadorias Ambiente empresarial Contratos públicos Defesa do consumidor Recurso jurídico e resolução de litígios Controlos / Inspeções Procedimentos de avaliação da conformidade Transporte Transporte de mercadorias 92 Emprego e 18 Assuntos Sociais Organização do tempo de trabalho Serviços Reconhecimento das qualificações profissionais Declaração de conformidade da UE Regras de marcação CE Avaliação da conformidade com um organismo de avaliação da conformidade Ambiente empresarial Propriedade intelectual e industrial Energia Energias renováveis Serviços Prestação de serviços transfronteiras Defesa do consumidor alimentos (higiene, rotulagem, etc.) Emprego e Assuntos Sociais Coordenação e transferibilidade de direitos sociais Ambiente Proteção dos dados 70 4

5 empresarial 29 Obrigações de rastreabilidade Fiscalidade s impostos indiretos Compras seguras (venda à distância, publicidade, práticas Defesa do comerciais desleais, direito de utilização de propriedades para consumidor férias a tempo parcial timeshare, etc.) Energia Eficiência energética 67 B. Respostas das organizações (apenas da UE) CATEGORIA DOMÍNIO POLÍTICO PME 1 Ambiente Resíduos 50 2 Fiscalidade IVA 48 3 Ambiente Produtos químicos 46 4 Defesa do consumidor alimentos (higiene, rotulagem, etc.) 46 5 Ambiente empresarial Contratos públicos 44 Emprego e 6 Assuntos Sociais Saúde e segurança no trabalho 43 7 Obrigações de rotulagem 35 8 Energia Eficiência energética 32 9 Assuntos aduaneiros Controlos e formalidades aduaneiras Ambiente Ar (qualidade do ar, poluentes atmosféricos, etc.) Serviços Reconhecimento das qualificações profissionais Emprego e Assuntos Sociais Defesa do consumidor Organização do tempo de trabalho 23 Compras seguras (venda à distância, publicidade, práticas comerciais desleais, direito de utilização de propriedades para férias a tempo parcial timeshare, etc.) 14 Prova de conformidade na ausência de norma harmonizada Ambiente empresarial Proteção dos dados Transporte Transporte de mercadorias Serviços Prestação de serviços transfronteiras Emprego e Assuntos Sociais Destacamento de trabalhadores Fiscalidade Impostos diretos (rendimento, capital, dupla tributação) Regras de marcação CE Obrigações de rastreabilidade Transporte Transporte rodoviário

6 Defesa do 23 consumidor Recurso jurídico e resolução de litígios 17 Emprego e 24 Assuntos Sociais Livre circulação de trabalhadores 17 Ambiente 25 empresarial Propriedade intelectual e industrial 16 Emprego e 26 Assuntos Sociais Regimes de segurança social Utilização das normas Assuntos aduaneiros Classificação das mercadorias Ambiente Água Controlos / Inspeções Ambiente Auditoria ambiental industrial Procedimentos de avaliação da conformidade 12 6

7 C. Lista conjunta dos domínios políticos mais onerosos para as PME Comparando as primeiras 20 entradas, os domínios políticos comuns às PME individuais e às organizações representativas dos interesses das PME são apresentados a seguir: LISTA CONJUNTA DOS DOMÍNIOS POLÍTICOS MAIS ONEROSOS PARA AS PME Produtos químicos Controlos e formalidades aduaneiras Impostos diretos (rendimento, capital, dupla tributação) Saúde e segurança no trabalho Organização do tempo de trabalho Regras de marcação CE Segurança dos Prova de conformidade na ausência de norma harmonizada Obrigações de rotulagem Contratos públicos Reconhecimento das qualificações profissionais Transporte de mercadorias IVA Resíduos 7

8 D. Respostas de países terceiros Quase todas as respostas de países terceiros são provenientes da Turquia. As PME individuais de países terceiros identificam a categoria «Assuntos aduaneiros» como o domínio político mais oneroso (controlos e formalidades aduaneiras, classificação das mercadorias, direitos aduaneiros). De resto, a lista é bastante convergente com as respostas das PME da UE e com as respostas das organizações representativas dos interesses das PME nos países terceiros. No anexo 2, é apresentada uma síntese das respostas das PME individuais de países terceiros à questão relativa aos domínios políticos mais onerosos para as PME. 4. Atos legislativos da UE mais onerosos para as PME da UE Aproximadamente 65 % das PME individuais da UE e mais de 75 % das organizações estabelecidas na UE responderam à questão que pedia para identificar os atos legislativos da UE mais onerosos para as PME (questão B.2). Os dois quadros seguintes apresentam os resultados recebidos de PME individuais e de organizações. 8

9 A. Respostas das PME individuais (apenas da UE) ATO LEGISLATIVO DA UE Tot 1 Registo, avaliação, autorização e restrição dos químicos (REACH) Regulamento (CE) n.º 1907/ Reembolso do imposto sobre o valor acrescentado a sujeitos passivos não estabelecidos no Estado-Membro de reembolso, mas estabelecidos noutro Estado-Membro Diretiva /9/CE do Conselho 3 Sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado Diretiva 2006/112/CE do Conselho 84 4 Segurança geral dos Diretiva 2001/95/CE 80 5 Diretiva sobre o tempo de trabalho Diretiva 2003/ Medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores no trabalho Diretiva 89/391/CEE do Conselho 66 7 Reconhecimento das qualificações profissionais Diretiva 2005/36/CE 63 8 Embalagens e resíduos de embalagens - Diretiva 94/62/CE 59 9 Processos de adjudicação dos contratos de empreitada de obras públicas, dos contratos públicos de fornecimento e dos contratos públicos de serviços Diretiva 2004/18/CE Código Aduaneiro Modernizado Regulamento (CE) N.º 450/ Estatísticas comunitárias sobre as trocas de bens entre Estados-Membros Regulamento (CE) n.º 638/ Aparelho de controlo no domínio dos transportes rodoviários Regulamento (CEE) n.º 3821/85 do Conselho brinquedos Diretiva 2009/48/CE Diretiva relativa aos resíduos Diretiva 2008/98 e Lista de resíduos Decisão 2000/532/CE Transferências de resíduos Regulamento (CE) n.º 1013/ Práticas comerciais desleais das empresas face aos consumidores Diretiva 2005/29/CE Trabalho temporário Diretiva 2008/104/CE Estatísticas das trocas de bens entre Estados-Membros Regulamento (CE) n.º 1901/ Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Diretiva 96/71/CE Proteção dos dados Diretiva 95/46/CE Publicidade enganosa e comparativa Diretiva 2006/114/CE Resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) Diretiva 2012/19/UE Máquinas Diretiva 2006/42/CE que altera a Diretiva 95/16/CE (reformulação) Procedimento europeu de injunção de pagamento Regulamento (CE) n.º 1896/ Produtos farmacêuticos Diretiva 2001/83/CE Disposições em matéria social no domínio dos transportes rodoviários Regulamento (CE) n.º 561/ Regime geral dos impostos especiais de consumo Diretiva 2008/118/CE do Conselho Aplicação do Acordo-Quadro revisto sobre licença parental celebrado entre a BUSINESSEUROPE, a UEAPME, o CEEP e a CES Diretiva 2010/18/UE do Conselho Restrição do uso de determinadas substâncias perigosas em equipamentos elétricos e eletrónicos Diretiva 2011/65/UE Materiais e objetos destinados a entrar em contacto com os alimentos Regulamento (CE) n.º 1935/ Prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes físicos (vibrações) Diretiva 2002/44/CE Serviços no mercado interno Diretiva 2006/123/CE Quadro de tributação dos energéticos e da eletricidade Diretiva 2003/96/CE 30 9

10 34 Higiene dos géneros alimentícios Regulamentos (CE) n.º 852/2004 e 853/ Certos aspetos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Diretiva 1999/44/CE 29 B. Respostas das organizações (apenas da UE) ATO LEGISLATIVO DA UE Tot UE 3 1 Registo, avaliação, autorização e restrição dos químicos (REACH) Regulamento (CE) n.º 1907/ Sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado Diretiva 2006/112/CE do Conselho Medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores no trabalho Diretiva 89/391/CEE do Conselho Processos de adjudicação dos contratos de empreitada de obras públicas, dos contratos públicos de fornecimento e dos contratos públicos de serviços Diretiva 2004/18/CE Diretiva relativa aos resíduos Diretiva 2008/98 e Lista de resíduos Decisão 2000/532/CE Transferências de resíduos Regulamento (CE) n.º 1013/ Diretiva tempo de trabalho Diretiva 2003/ Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Diretiva 96/71/CE Higiene dos géneros alimentícios Regulamentos (CE) n.º 852/2004 e 853/ Prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios Regulamento (UE) n.º 1169/ Serviços no mercado interno Diretiva 2006/123/CE Aparelho de controlo no domínio dos transportes rodoviários Regulamento (CEE) n.º 3821/85 do Conselho Disposições em matéria social no domínio dos transportes rodoviários Regulamento (CE) n.º 561/ Resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) Diretiva 2012/19/UE Reconhecimento das qualificações profissionais Diretiva 2005/36/CE Proteção dos dados Diretiva 95/46/CE 18 3 Reembolso do imposto sobre o valor acrescentado a sujeitos passivos não estabelecidos no 17 Estado-Membro de reembolso, mas estabelecidos noutro Estado-Membro Diretiva /9/CE do Conselho 18 Trabalho temporário - Diretiva 2008/104/CE Produtos de construção Regulamento (UE) n.º 305/ Segurança geral dos Diretiva 2001/95/CE Processos de adjudicação de contratos nos setores da água, da energia, dos transportes e dos serviços postais Diretiva 2004/17/CE Código Aduaneiro Modernizado - Regulamento (CE) N.º 450/ Embalagens e resíduos de embalagens - Diretiva 94/62/CE Estatísticas comunitárias sobre as trocas de bens entre Estados-Membros Regulamento (CE) n.º 638/ Disponibilização no mercado e utilização de biocidas Regulamento (UE) n.º 528/ Práticas comerciais desleais das empresas face aos consumidores Diretiva 2005/29/CE Prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes físicos (vibrações) Diretiva 2002/44/CE Materiais e objetos destinados a entrar em contacto com os alimentos Regulamento (CE) dos quais a nível europeu 10

11 n.º 1935/ Estatísticas das trocas de bens entre Estados-Membros Regulamento (CE) n.º 1901/ Aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes aos suplementos alimentares Diretiva 2002/46/CE Proteção dos trabalhadores contra riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho Diretiva 2004/37/CE Restrição do uso de determinadas substâncias perigosas em equipamentos elétricos e eletrónicos Diretiva 2011/65/UE

12 C. Lista conjunta dos atos legislativos da UE mais onerosos para as PME Comparando as primeiras 20 entradas, os atos legislativos comuns às PME individuais da UE e às organizações representativas dos interesses das PME são apresentados a seguir: LISTA CONJUNTA DOS ATOS LEGISLATIVOS DA UE MAIS ONEROSOS PARA AS PME Sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado Diretiva 2006/112/CE do Conselho Proteção dos dados Diretiva 95/46/CE Segurança geral dos Diretiva 2001/95/CE Medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores no trabalho Diretiva 89/391/CEE do Conselho Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Diretiva 96/71/CE Processos de adjudicação dos contratos de empreitada de obras públicas, dos contratos públicos de fornecimento e dos contratos públicos de serviços Diretiva 2004/18/CE Reconhecimento das qualificações profissionais Diretiva 2005/36/CE Aparelho de controlo no domínio dos transportes rodoviários Regulamento (CEE) n.º 3821/85 do Conselho Reembolso do imposto sobre o valor acrescentado a sujeitos passivos não estabelecidos no Estado-Membro de reembolso, mas estabelecidos noutro Estado-Membro Diretiva 2008/9/CE do Conselho Registo, avaliação, autorização e restrição dos químicos (REACH) Regulamento (CE) n.º 1907/2006 Transferências de resíduos Regulamento (CE) n.º 1013/2006 Trabalho temporário Diretiva 2008/104/CE Diretiva relativa aos resíduos e Lista de resíduos Diretiva 2008/98 e Decisão 2000/532/CE Diretiva sobre o tempo de trabalho Diretiva 2003/88 12

13 D. Respostas de países terceiros Apenas 26 % das PME de países terceiros responderam à questão relativa aos atos legislativos da UE mais onerosos para as PME, em comparação com as 86 % que identificaram os domínios políticos que consideravam mais onerosos. Devido ao baixo número de respostas, não é possível apresentar uma classificação significativa das respostas. 5. s requisitos regulamentares identificados pelos inquiridos como onerosos para as PME Quarenta e cinco por cento das PME da UE e mais de 50 % das organizações estabelecidas na UE responderam à questão que pedia para identificar outros requisitos regulamentares onerosos para as PME (questão B.3). Tanto as organizações como as PME da UE assinalaram o facto de atos legislativos «que não» os enumerados deverem ser acrescentados às categorias «Defesa do consumidor», «Ambiente», «Emprego e Assuntos Sociais» e «Assuntos aduaneiros». Com efeito, os comentários inseridos nos campos em aberto chamam a atenção da Comissão Europeia para um total de mais de 80 atos legislativos adicionais. As organizações e PME de países terceiros chamaram a atenção especificamente para os procedimentos onerosos de obtenção de um visto de negócios, que dissuadem as PME dos países terceiros de serem mais ativas no mercado único da UE. 6. Revisões da legislação da UE a favor das PME que deram bons resultados Oitenta e duas partes interessadas deram exemplos de revisões de atos legislativos da UE que beneficiaram as PME, ao passo que 528 declararam não conhecer quaisquer exemplos e 385 desconheciam o processo de revisão legislativa a nível europeu. Os exemplos mais citados de revisão da legislação da UE que se esperou ter efeitos positivos para as PME são a Diretiva Contabilística 4 e a Diretiva relativa aos atrasos de pagamento 5. s exemplos, evocados com menor frequência pelas partes interessadas, dizem respeito a atos revistos de legislação setorial que são considerados «favoráveis às PME», como a Diretiva relativa à definição de quantidades nominais dos pré-embalados no mercado único 6 e a Diretiva relativa aos relatórios e documentação necessários em caso de fusões ou de cisões de empresas 7. As partes interessadas apresentaram vários outros 4 Diretiva 2012/6/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de março de 2012, que altera a Diretiva 78/660/CEE do Conselho, relativa às contas anuais de certas formas de sociedades, no que diz respeito às microentidades 5 Diretiva 2011/7/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de fevereiro de 2011, que estabelece medidas de luta contra os atrasos de pagamento nas transações comerciais 6 Diretiva 2007/45/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de setembro de 2007, que estabelece as regras relativas às quantidades nominais dos pré-embalados, revoga as Diretivas 75/106/CEE e 80/232/CEE do Conselho e altera a Diretiva 76/211/CEE do Conselho 7 Diretiva 2009/109/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Setembro de 2009, que altera as Diretivas 77/91/CEE, 78/855/CEE e 82/891/CEE do Conselho e a Diretiva 2005/56/CE no que respeita aos requisitos em matéria de relatórios e documentação em caso de fusões ou de cisões 13

14 exemplos de partes de legislação setorial da UE que foram revistas com um impacto positivo para as PME, em particular para as microempresas. 7. Conclusões A consulta pública TOP10 criou um canal para as PME e as suas organizações representativas exprimirem os seus pontos de vista e as suas ideias sobre as fontes de encargos legislativos, com base numa lista não exaustiva identificada durante a fase preparatória. Além disso, pediu-se às partes interessadas que identificassem outros domínios políticos ou atos legislativos que considerassem particularmente onerosos. Esta abordagem foi, em geral, bem recebida pelos inquiridos. No entanto, vários dos inquiridos manifestaram dificuldade em identificar a origem da carga regulamentar (por exemplo, legislação da UE ou nacional). Os resultados destacam 11 domínios políticos e 14 atos legislativos da UE onerosos, com uma sobreposição considerável entre ambos. Estes resultados são, contudo, apenas indicativos e não implicam que não se devam considerar, em trabalhos futuros, outros itens como fontes possíveis de encargos desnecessários para as PME. Os resultados da consulta pública TOP10 contribuem para o trabalho já em curso que visa tornar mais favoráveis às PME alguns atos legislativos identificados como onerosos (por exemplo, o REACH). Além disso, a Comissão irá realizar uma revisão global dos resultados da consulta no âmbito da iniciativa da UE para a adequação da regulamentação (REFIT), em

15 ANEXO 1: Questionário da consulta pública Assunto Quais são os dez atos legislativos mais onerosos para as PME? A regulamentação, uma componente necessária da vida empresarial moderna, tem muitas vantagens, na medida em que protege os consumidores, os trabalhadores e o ambiente. Mas, também pode dar origem a muitos custos para as empresas, sobretudo para as Pequenas e Médias Empresas (PME), responsáveis por grande parte do crescimento e da criação de emprego na Europa. Nessa perspetiva, a Comissão Europeia introduziu o princípio de Dar Prioridade às Pequenas Empresas na definição das políticas, segundo o qual as normas e as orientações políticas devem ter em conta o facto de a esmagadora maioria das empresas europeias ser constituída por PME. Reduzir a burocracia é uma das principais prioridades da UE. Por iniciativa do Presidente Barroso, a Comissão Europeia decidiu tomar medidas para reduzir os encargos regulamentares para as PME, especialmente para as microempresas, e para assegurar a participação das PME na elaboração da legislação e na avaliação dos progressos realizados para reduzir os entraves administrativos[1]. No âmbito destas medidas, a Comissão está a analisar a legislação da UE em vigor com vista a identificar atos legislativos onde haja margem de manobra para reduzir ainda mais os encargos que incidem sobre as PME, em particular sobre as microempresas. Se fizer parte de uma PME ou de uma organização que representa os interesses das PME, pode ajudar-nos nessa tarefa. A Comissão já levou a cabo uma consulta em toda a UE através da European Enterprise Network (Rede Europeia de Empresas) e tem organizado conferências para consultar as PME dos Estados-Membros. Necessitamos dos seus conhecimentos e da sua experiência para identificar os dez atos legislativos da UE que considera mais onerosos, a fim de se tomarem medidas para reduzir os encargos excessivos. [1] COM final "«Minimização da carga regulamentar que incide sobre as PME - Ajustamento da Regulamentação da UE às necessidades das microempresas» A. O seu perfil A.1 Está a responder em nome de... (ID: ID ) uma empresa uma organização representativa dos interesses das empresas outro Indique qual a dimensão da empresa: (ID: ID ) 15

16 Trabalhador(a) por conta própria Microempresa (1-9 trabalhadores) Pequena empresa (10-49 trabalhadores) Média empresa ( trabalhadores) Outra A.2 Indique o seu endereço eletrónico: A.3 Indique o país em que está estabelecido: A.4 Se a sua empresa ou organização está inscrita no registo de representantes de interesses da Comissão Europeia, indique o seu número de identificação: B. Escolha como pretende responder, utilizando uma ou várias das seguintes opções B.1 Pretende indicar os domínios em que a regulamentação da UE é mais onerosa? Sim Não B.2 Pretende indicar os atos legislativos da UE que considera mais onerosos? Sim Não B.3 Pretende explicar quais são os requisitos regulamentares que considera mais onerosos? Sim Não B.1 Indique quais são os domínios em que a regulamentação da UE é mais onerosa (MÁX 10!) 16

17 Defesa do consumidor (ID: ID ) Compras seguras (venda à distância, publicidade, práticas comerciais desleais, direito de utilização de propriedades para férias a tempo parcial timeshare, etc.) Comércio eletrónico Recurso jurídico e resolução de litígios alimentos (higiene, rotulagem, etc.) Saúde animal e fitossanidade Assuntos aduaneiros Controlos e formalidades aduaneiras Classificação das mercadorias Direitos aduaneiros Emprego e Assuntos Sociais Coordenação e transferibilidade de direitos sociais Saúde e segurança no trabalho Organização do tempo de trabalho Regimes de segurança social Livre circulação de trabalhadores Destacamento de trabalhadores Energia Abastecimento energético Eficiência energética 17

18 Energias renováveis Ambiente Luta contra as alterações climáticas Atmosfera (qualidade do ar, poluentes atmosféricos, etc.) Biotecnologia (OGM) Natureza e biodiversidade Produtos químicos Auditoria ambiental industrial Rotulagem ecológica Ruído Resíduos Água Aplicação de normas Prova de conformidade na ausência de normas harmonizadas Procedimentos de avaliação da conformidade Avaliação da conformidade por um organismo de avaliação da conformidade Declaração UE de conformidade Regras de marcação CE Obrigações de informação (i.e. requisitos linguísticos, manual de instruções/segurança) Obrigações de rotulagem Obrigações de rastreabilidade 18

19 Controlos / Inspeções Serviços Prestação de serviços transfronteiras Reconhecimento das qualificações profissionais Ambiente empresarial Contratos públicos Direito das sociedades Propriedade intelectual e industrial Proteção dos dados Estatísticas Especifique: especifique Fiscalidade IVA Impostos especiais de consumo s impostos indiretos Impostos diretos (rendimento, capital, dupla tributação) Transporte 19

20 Transporte de mercadorias Transporte de passageiros Transporte rodoviário Transporte marítimo/por via navegável Transporte combinado s modos de transporte Acrescente, se necessário, «outros» domínios específicos da legislação da UE B.2 Indique os atos legislativos específicos que são mais onerosos (MÁX 10!!) Defesa do consumidor Segurança geral dos Diretiva 2001/95/CE Higiene dos géneros alimentícios Regulamentos (CE) n.º 852/2004 e 853/2004 Materiais e objetos destinados a entrar em contacto com os alimentos Regulamento (CE) n.º 1935/2004 Prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios Regulamento (UE) n.º 1169/2011 Aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes aos suplementos alimentares Diretiva 2002/46/CE Proteção das galinhas poedeiras e proteção de suínos - Diretivas 1999/74/CE e 2008/120/CE Normas de comercialização dos ovos Regulamento (CE) n.º 589/2008 Certos aspetos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Diretiva 1999/44/CE Práticas comerciais desleais das empresas face aos consumidores Diretiva 2005/29/CE Publicidade enganosa e comparativa Diretiva 2006/114/CE 20

21 Medicamentos para uso humano Diretiva 2001/83/CE Produtos tradicionais à base de plantas - Diretiva 2001/83/CE Assuntos aduaneiros Código Aduaneiro Modernizado - Regulamento (CE) N.º 450/2008 Emprego e Assuntos Sociais Medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores no trabalho - Diretiva 89/391/CEE do Conselho Prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes físicos (vibrações) Diretiva 2002/44/CE Proteção dos trabalhadores contra riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho Diretiva 2004/37/CE Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Diretiva 96/71/CE Diretiva sobre o tempo de trabalho Diretiva 2003/88 Trabalho temporário - Diretiva 2008/104/CE Aplicação do Acordo-Quadro revisto sobre licença parental celebrado entre a BUSINESSEUROPE, a UEAPME, o CEEP e a CES Diretiva 2010/18/UE do Conselho Ambiente Registo, avaliação, autorização e restrição dos químicos (REACH) Regulamento (CE) n.º 1907/2006 Transferências de resíduos Regulamento (CE) n.º 1013/2006 Diretiva relativa aos resíduos Diretiva 2008/98 e Lista de resíduos Decisão 2000/532/CE Embalagens e resíduos de embalagens - Diretiva 94/62/CE Restrição do uso de determinadas substâncias perigosas em equipamentos elétricos e eletrónicos Diretiva 2011/65/UE 21

22 Resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) Diretiva 2012/19/UE Regras relativas à harmonizada de licenças de emissão a título gratuito - Decisão 2011/278 Gases fluorados com efeito de estufa - Regulamento (CE) N.º 842/2006 Diretiva relativa aos habitats - Diretiva 92/43/CEE Disponibilização no mercado e utilização de biocidas Regulamento (UE) n.º 528/2012 Madeira ilegal - Regulamento (UE) n.º 995/2010 Legislação setorial sobre segurança dos Dispositivos médicos - Diretiva 93/42/CEE Máquinas Diretiva 2006/42/CE que altera a Diretiva 95/16/CE (reformulação) Material elétrico destinado a ser utilizado dentro de certos limites de tensão - Diretiva 2006/95/CE (Ajuda: (proposta de revisão no Com/2011/0763 final)) brinquedos Diretiva 2009/48/CE Aparelhos a gás - Diretiva 2009/142/CE Produtos cosméticos - Regulamento (CE) n.º 1223/2009 Produtos de construção Regulamento (UE) n.º 305/2011 Serviços Serviços no mercado interno Diretiva 2006/123/CE Reconhecimento das qualificações profissionais Diretiva 2005/36/CE (Ajuda: proposta de revisão no Com(2011)0883)) Ambiente empresarial Processos de adjudicação de contratos nos setores da água, da energia, dos transportes e dos serviços postais Diretiva 2004/17/CE (proposta de revisão no Com(2011)0895 final)) Processos de adjudicação dos contratos de empreitada de obras públicas, dos contratos 22

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 5.5.2012 Jornal ficial da União Europeia L 120/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTS REGULAMENT (UE) N. o 383/2012 DA CMISSÃ de 4 de maio de 2012 que estabelece os requisitos técnicos relativos às cartas

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu!

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! F É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! 1 QUEM PODE VOTAR A 25 DE MAIO DE 2014? Para poder participar nesta eleição na qualidade

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015 EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

O DIREITO DAS SOCIEDADES

O DIREITO DAS SOCIEDADES O DIREITO DAS SOCIEDADES Apesar de não existir um Direito das sociedades elaborado como tal, normas mínimas impostas pela legislação europeia são aplicáveis às empresas em toda a União Europeia. Dois importantes

Leia mais

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 MANUAL OPERACIONAL Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 Julho 2010 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência na iniciativa empresarial... 3 1.2.

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

MEMO. Dia Europeu de Direitos dos Doentes: 10 benefícios que a União Europeia confere aos doentes

MEMO. Dia Europeu de Direitos dos Doentes: 10 benefícios que a União Europeia confere aos doentes COMISSÃO EUROPEIA MEMO Bruxelas, 15 Maio 2013 Dia Europeu de Direitos dos Doentes: 10 benefícios que a União Europeia confere aos doentes Um alto nível de proteção da saúde; o direito de beneficiar de

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia que não requerem PVP na embalagem dos medicamentos Alemanha Informação sobre preços é fornecida às farmácias e seguradoras pelo IFA (Information Centre for Pharmaceutical Specialities). Identificação do

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom) 271 der Beilagen XXV. GP - Beschluss NR - 17 Beschluss Portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 7 L 168/105 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM Na sequência da adoção de vários atos legislativos europeus, tanto os transportes rodoviários internacionais como a cabotagem de mercadorias e de pessoas

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

MEDIDAS DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR MEDIDAS DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR As medidas europeias de proteção do consumidor visam proteger a saúde, a segurança e os interesses económicos e jurídicos dos consumidores europeus, independentemente

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL Portugal já está a atribuir os Golden Residence Permit a cidadãos não- Europeus no caso de realização de determinados

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

http://www.dgs.pt/wwwbase/raiz/mlkimprimir.aspx?codigoms=0

http://www.dgs.pt/wwwbase/raiz/mlkimprimir.aspx?codigoms=0 Página Web 1 de 5 Mobilidade de Doentes imprimir adicionar aos favoritos Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Aconselhamos vivamente que leve consigo o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas!

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! COMISSÃO EUROPEIA MEMORANDO Bruxelas, 14 de fevereiro de 2014 Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! Há cerca de um ano, o escândalo da carne de cavalo foi notícia de primeira

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Portugees - Portugais Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Como podemos ajudar-te? À tua chegada à Bélgica Tens menos de 18 anos e chegaste à Bélgica sem o teu pai ou a tua mãe? Estás a procurar

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia DIREITOS DOS CONSUMIDORES de energia europeus O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia Energia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 176. Legislação. Atos não legislativos. 58. o ano. Edição em língua portuguesa. 7 de julho de 2015.

Jornal Oficial da União Europeia L 176. Legislação. Atos não legislativos. 58. o ano. Edição em língua portuguesa. 7 de julho de 2015. Jornal Oficial da União Europeia L 176 Edição em língua portuguesa Legislação 58. o ano 7 de julho de 2015 Índice II Atos não legislativos REGULAMENTOS Regulamento de Execução (UE) 2015/1086 da Comissão,

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Comissão Europeia Secretariado-Geral 1049 Bruxelles BÉLGICA Texto original concluído

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais