Anexos da Seção 5.2.2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexos da Seção 5.2.2"

Transcrição

1 Anexos da Seção 5.2.2

2 Anexo 4 Relação de Fórmulas Utilizadas na Análise do Levantamento Fitossociológico

3 Anexo 5 Registro Fotográfico do Levantamento Fitossociológico

4 Anexo 6 Registro Fotográfico do Levantamento Florístico

5 Anexo 7 Espécies Registradas no Levantamento Florístico

6 Anexo 9 Identificação, Área de Supressão e Área Remanescente dos Fragmentos a serem Impactados pelo Empreendimento

7 Anexos da Seção 5.2.3

8 Anexo 1 Mapas das Localizações dos Módulos Amostrais M1 a M6

9 Anexo 2 Autorizações dos Proprietários para a Implantação dos Módulos Amostrais

10 Anexo 3 Registro Fotográfico Fauna Terrestre

11 Anexo 4 Mapa de Localização dos Pontos de Coleta de Macroinvertebrados Bentônicos e Peixes

12 Anexo 5 Registro Fotográfico Organismos Aquáticos Macroinvertebrados Bentônicos e Peixes

13 Anexo 6 Diagrama Unifilar

14 Anexo 7 Dados Brutos das Campanhas de Fauna Terrestre e da Campanha de Organismos Aquáticos

15 Anexo 8 Lista Secundária de Vertebrados Terrestres e Organismos Aquáticos

16 Anexo 9 Cartas de Recebimento dos Espécimes de Vertebrados do Museu de Zoologia de São Paulo (MZUSP)

17 Anexo 10 Tabelas de Espécimes Coletados e Enviados ao MZUSP

18 Anexo 11 Memória de Cálculo - Organismos Aquáticos

19 Anexo 12 Carta de Recebimento dos Espécimes de Macroinvertebrados Bentônicos e Peixes

20 Anexo 13 Carta Imagem - Hotspots Atropelamento de Fauna

21 Anexo 14 Equipe Técnica Estudos da Fauna

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS ATIVIDADES AMBIENTAIS TRIMESTRE OUTUBRO DEZEMBRO DE 2014 Eletrosul Centrais Elétricas S/A DEZEMBRO de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 MONITORAMENTO

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais:

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais: ANEXO VII (Anexo à Lei n o 6.938, de 31 de agosto de 1981) TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS E PRODUTOS COBRADOS PELO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DESCRIÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO = ZCM + ZPF Objetivo: Garantir a conservação dos atributos ambientais, bem como do patrimônio histórico cultural, que ainda apresentam características relevantes para esta unidade

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Anexo 12.3.3-6: Resultados obtidos pela utilização do software SIRIEMA v.1.1 com os dados da fauna atropelada de fev/11 a nov/12

Anexo 12.3.3-6: Resultados obtidos pela utilização do software SIRIEMA v.1.1 com os dados da fauna atropelada de fev/11 a nov/12 Anexo 12.3.3-6: Resultados obtidos pela utilização do software SIRIEMA v.1.1 com os dados da fauna atropelada de fev/11 a nov/12 Nas figuras apresentadas abaixo, intensidades de agregação significativas,

Leia mais

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia.

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Bolsista de Iniciação Científica História, Universidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 118-N DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor PALEONTOLOGIA CONCEITOS MÉTODOS. 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA

ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor PALEONTOLOGIA CONCEITOS MÉTODOS. 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA ISMAR DE SOUZA CARVALHO Editor CONCEITOS MÉTODOS PALEONTOLOGIA 3a edição VOLUME 1 EDITORA INTERCIÊNCIA Sumário Apresentação... Prefácio... Prefácio da 2 a Edição... Prefácio da 1 a Edição... VII IX XI

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU FUNDAÇÃO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU FUNDAÇÃO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO V RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ADVOGADO cópia do anexo V-B da lei nº 661/2007 (plano de carreira) Defender direitos e interesses do Município, representando-o em juízo ou fora dele,

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) DO CANTEIRO NÁUTICO E NAVAL DE ARATU (CNNA)

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) DO CANTEIRO NÁUTICO E NAVAL DE ARATU (CNNA) 1/11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1.0. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR E... 3 1.1. IDENTIFICAÇÃO DA CONTRATANTE... 3 1.1.1. RESPONSÁVEL LEGAL DA CONTRATANTE... 3 1.2. IDENTIFICAÇÃO DA... 4 1.2.1. REPRESENTANTES

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR ANEXO 7 - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial para a elaboração do Relatório de Controle

Leia mais

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES 1. Identificação do empreendedor e Empresa Consultora 1 1 1 1 1.1 Identificação do empreendedor 1 1 1 1 CPEA 746 Brasil Intermodal Terminal Santos Terminal Brites Check List 5 1.2 Identificação da empresa

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Análise Ambiental

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Análise Ambiental PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Análise Ambiental Belo Horizonte, Novembro/2008 1 SUMÁRIO Nível do Curso... 3 Titulação... 3 Direção e Coordenação... 3 Apresentação... 4 Foco do Curso... 4 Objetivos do Curso...

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS Os dados mostram uma estrutura agrária ainda concentrada no país: os estabelecimentos não familiares, apesar de representarem 15,6% do total dos estabelecimentos, ocupavam 75,7% da área ocupada. A área

Leia mais

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA Apresentação do Museu O Museu Nacional de História Natural é um organismo da Universidade de Lisboa, vocacionado para a investigação científica e atividades

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias

Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias Capítulo 5 Mapas, Cartas Náuticas, Plantas, Desenhos, Fotografias CAP. 5 MAPAS, CARTAS NÁUTICAS, PLANTAS, DESENHOS E FOTOGRAFIAS 5.1 EXTRATO DA CARTA NÁUTICA- DHN 1503 Figura 5-1 Extrato da Carta DHN 1503.

Leia mais

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Francisco Soares Santos Filho Professor / Biólogo Conceitos fundamentais em Ecologia Espécie População Comunidade Biológica ou Biocenose Biótopo

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS CENTRO DE CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS RAN GUIA DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 Teresina, 16 de Setembro de 2010. PARECER TÉCNICO N 12 / 2010 OBJETO: Vistoria e Análise do Relatório de Controle Ambiental (RCA) do Loteamento

Leia mais

Grupo de Trabalho 5. Prevenção, análise de risco e detecção precoce

Grupo de Trabalho 5. Prevenção, análise de risco e detecção precoce Grupo de Trabalho 5 Prevenção, análise de risco e detecção precoce Diagnóstico da estrutura existente Diferentes níveis de estruturação para setores Sistemas produtivos (agricultura, pecuária, silvicultura)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Página 1 PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Regulamenta a criação de animais da fauna silvestre brasileira com fins econômicos e industriais INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

PRÁTICAS DIDÁTICAS DE COLETA DE CAMPO NA ESTAÇÃO AMBIENTAL SÃO CAMILO (EASC), ITANHAÉM, SP. Luciana Pinto Sartori 1 &Tatiana Pavão 2

PRÁTICAS DIDÁTICAS DE COLETA DE CAMPO NA ESTAÇÃO AMBIENTAL SÃO CAMILO (EASC), ITANHAÉM, SP. Luciana Pinto Sartori 1 &Tatiana Pavão 2 PRÁTICAS DIDÁTICAS DE COLETA DE CAMPO NA ESTAÇÃO AMBIENTAL SÃO CAMILO (EASC), ITANHAÉM, SP. Luciana Pinto Sartori 1 &Tatiana Pavão 2 1 Profa. Dra. Centro Universitário São Camilo 2 MSc.doutorandaProcam/IEE-USP

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 25 Programa de Auditoria Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 25.1 INTRODUÇÃO O presente programa consolida-se como instrumento para aferição

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 15 DE ABRIL DE 1999 (Renomeada para IN 003/99) O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Núcleo Regional Amapá

Núcleo Regional Amapá Núcleo Regional Amapá I Simpósio CENBAM/PPBio Amazônia Ocidental Coordenação: Dr. Alan C. Cunha Gestão: Msc. Graciliano Galdino A. dos Santos Banco de Dados: Helimara Baia Histórico do Núcleo Amapá Antes

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, nos Decretos no 6.101,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 7 - Conclusão... 1/3 Índice 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS 7 - CONCLUSÃO A implantação da LT 500 kv Estreito Fernão

Leia mais

4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL

4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 12.3.3 7 Resultados obtidos pela utilização do software SIRIEMA v.1.1

Leia mais

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas.

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas. NOT. TEC. 02001.000088/2016-51 CGAUF/IBAMA Brasília, 21 de janeiro de 2016 Assunto: Análise do Plano apresentado pela empresa SAMARCO em atendimento à notificação 8261/E. Origem: INTRODUÇÃO Ementa: Análise

Leia mais

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste PROBACIAS Sistema de Proteção da Amazônia Sipam Centro Técnico e Operacional

Leia mais

Inscrições Gratuitas!

Inscrições Gratuitas! I ESCOLA DE INVERNO NA AMAZÔNIA DO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS DA EPA Inscrições Gratuitas! Data da Escola de Inverno: 26 a 30 de Janeiro de 2015 Local da Escola de Inverno: niversidade

Leia mais

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 CRIANÇAS Actividades de Verão 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 QUÍMICOS SABICHÕES Durante esta actividade os participantes contactam com experiências que lhes permitirão compreender

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.23 - Programa de Monitoramento de Mamíferos Terrestres Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Adriana Akemi Kuniy

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 117 DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE DO

Leia mais

Dra. Carla N. M. Polaz et al Analista Ambiental - CEPTA/ICMBio

Dra. Carla N. M. Polaz et al Analista Ambiental - CEPTA/ICMBio Dra. Carla N. M. Polaz et al Analista Ambiental - CEPTA/ICMBio Uberlândia, 04 de dezembro de 2015 Roteiro da Palestra 1) O ICMBio e a Conservação de Espécies e Ambientes 2) Unidades de Conservação 3) Lista

Leia mais

Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA

Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA Impactos Significativos Licenciamento Ambiental - EIA Principais etapas do planejamento de um EIA PLANEJAMENTO caracterização das alternativas caracterização preliminar ao empreendimento do ambiente identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE

COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE COLUMBELLIDAE (GASTROPODA) ASSOCIADOS À Phragmatopoma sp. (POLYCHAETA) EM BOA VIAGEM - PE Figueiroa,G.A. (1) ;Luz,B.R.A. (1) ;Silva,P.P.F. (1) ;Chalegre-Sandes,K.Q.T. (1) gabi_1407@hotmail.com (1) Laboratório

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

4.3. Programa de Limpeza e Desmatamento da Área a Ser Inundada pelo Reservatório. Revisão 00 NOV/2013

4.3. Programa de Limpeza e Desmatamento da Área a Ser Inundada pelo Reservatório. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.3 Programa de Limpeza e Desmatamento da Área a Ser NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 2 3. Objetivo Geral... 2 3.1.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

Dados da obra Trecho: Guaíba Pelotas 211 km 9 lotes de obra 12 municípios 10.000 usuários/dia Benefícios da Obra -Redução de acidentes; - Aumento da capacidade de tráfego; - Facilidade de escoamento da

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL COMPONENTE INDÍGENA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL COMPONENTE INDÍGENA CONSÓRCIO ENERGÉTICO CRUZEIRO DO SUL USINA HIDRELÉTRICA MAUÁ RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL COMPONENTE INDÍGENA ABRIL DE 2015 RELATÓRIO EMITIDO 15 DE MAIO DE 2015 ATUALIZADO ATÉ 30

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

Mapeamento digital na ilha Grande: desafios em áreas estratégicas

Mapeamento digital na ilha Grande: desafios em áreas estratégicas Mapeamento digital na ilha Grande: desafios em áreas estratégicas 1 G I L B E R T O P E S S A N H A R I B E I R O G I L B E R T O. P E S S A N H A @ G M A I L. C O M C R I S T I A N O D O S S A N T O S

Leia mais

JCL Tecnologia. Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website. 10 de setembro

JCL Tecnologia. Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website. 10 de setembro 10 de setembro JCL Tecnologia 2009 Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website 1 Hamilton Junior Multimídia Designer APRESENTAÇÃO Meu trabalho consiste em criar conceitos e a partir

Leia mais

Projeto: Consequências ecológicas de mega-hidrelétricas sobre a comunidade de vertebrados na Amazônia Central brasileira

Projeto: Consequências ecológicas de mega-hidrelétricas sobre a comunidade de vertebrados na Amazônia Central brasileira EDITAL DE SELEÇÃO 2012/001 EDITAL N.º 01 REBIO DO UATUMÃ - AM, DE 09 DE MAIO DE 2012. PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ-AM, PROJETO GRANDES MAMÍFEROS. O Programa Voluntariado

Leia mais

Até 20 vagas (de acordo com a disponibilidade dos orientadores) Apresentação. Objetivos. Bolsas. Número de Vagas

Até 20 vagas (de acordo com a disponibilidade dos orientadores) Apresentação. Objetivos. Bolsas. Número de Vagas Exame de Seleção para o Programa de Pós-graduação em Zoologia de Vertebrados PUC Minas Área de Concentração: Zoologia de Vertebrados de Ambientes Impactados Nível: Mestrado strictu sensu Apresentação Início

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R1 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 R1 - Acrescentado Medição Agrupada, Cabinas e Postos

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.16. PROGRAMA DE CONTROLE DE VETORES. 3.16.1. Introdução

MA160.MA.77/RT.001 3.16. PROGRAMA DE CONTROLE DE VETORES. 3.16.1. Introdução 3.16. PROGRAMA DE CONTROLE DE VETORES 3.16.1. Introdução Nas áreas de saúde pública e de entomologia, a virada do Século XX caracterizou-se, sobretudo, pelo destaque dado aos insetos como transmissores

Leia mais

PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE

PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE PESQUISA MINERAL E O MEIO AMBIENTE A mineração não brota simplesmente do subsolo acima do qual o Estado impõe a sua jurisdição. É preciso que a geologia desse subsolo tenha características peculiares (que

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Núcleo de Licenciamento Ambiental -To

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Núcleo de Licenciamento Ambiental -To PAR. 000627/2013 Assunto: Análise do componente espeleológico do PBA e proposta de compensação espeleológica - Projeto Ferro Carajás S11D. Origem: 1. INTRODUÇÃO Ementa: Análise do componente espeleológico

Leia mais

Escola E. B. 2,3/S de Melgaço - Avenida Salgueiro Maia, 385-4960-570 Melgaço

Escola E. B. 2,3/S de Melgaço - Avenida Salgueiro Maia, 385-4960-570 Melgaço ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS ALUNOS DA ESCOLA E. B. 2,3/S DE MELGAÇO, NO ÂMBITO DA XIII EXPEDIÇÃO CIENTÍFICA DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA FLORES E CORVO 2007 ROSA M.L. MARTINS, ANDREIA S.D.B. LIMA, BAPTISTE

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos QUALIDADE DA ÁGUA: USO DO ÍNDICE BMWP PARA AVALIAÇÃO DE RIACHOS UTILIZADOS PARA ABASTECIMENTO URBANO

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos QUALIDADE DA ÁGUA: USO DO ÍNDICE BMWP PARA AVALIAÇÃO DE RIACHOS UTILIZADOS PARA ABASTECIMENTO URBANO 351 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos QUALIDADE DA ÁGUA: USO DO ÍNDICE PARA AVALIAÇÃO DE RIACHOS UTILIZADOS PARA ABASTECIMENTO URBANO Camila Fatima Rutkoski 1 ; Gregori Betiato Bieniek 1 ; Jéssica

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA ABLA - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQUARIOFILIA www.ablaquariofilia.com.br abla@ablaquariofilia.com.br Rua Brigadeiro Galvão,893 São Paulo -SP telefones:

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.17 - Programa de Monitoramento de Entomofauna Bioindicadora Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Adriana Akemi

Leia mais

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e ÍNDICE 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e Paisagístico... 1/11 6.5.15.1 - Justificativas... 1/11 6.5.15.2 - Objetivos... 3/11 6.5.15.2.1 - Objetivo Geral... 3/11 6.5.15.2.2

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES PROFESSOR DISCIPLINA TURMA DEISE MENEZES CIÊNCIAS 201 ALUNO SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br Questão 1 Numere: ( 1 )

Leia mais

Índice. Grupo 6.3 - Módulo 13

Índice. Grupo 6.3 - Módulo 13 GRUPO 6.3 MÓDULO 13 Índice 1. Definição dos Instrumentos de Pesquisa...3 2. Critérios para Elaboração e Realização da Entrevista...3 3. A Internet como Ferramenta de Pesquisa...4 4. Coleta e Seleção de

Leia mais

LICENCIATURAS AOS SÁBADOS INFORMAÇÕES

LICENCIATURAS AOS SÁBADOS INFORMAÇÕES LICENCIATURAS AOS SÁBADOS INFORMAÇÕES N 0 de vagas: 50, por curso. Origem das vagas: as vagas autorizadas para o turno da tarde, que não estão sendo oferecida no vestibular normal. Estrutura do curso:

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

DRAGAGEM E DERROCAMENTO DA VIA NAVEGÁVEL DO RIO TOCANTINS

DRAGAGEM E DERROCAMENTO DA VIA NAVEGÁVEL DO RIO TOCANTINS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO

Leia mais

REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015

REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO DA FEIRA DE CIÊNCIAS & INOVAÇÃO DO MCT-PUCRS EDIÇÃO 2015 Poderão participar da Feira de Ciências & Inovação do MCT-PUCRS, estudantes e professores(as) do Ensino Fundamental (5ª a 8ª Séries

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA NOTA METODOLÓGICA

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA NOTA METODOLÓGICA PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA NOTA METODOLÓGICA Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.2 Detalhar todos os programas de prevenção,

Leia mais

SITAMAR Sistema de Informação Sobre Tartarugas Marinhas

SITAMAR Sistema de Informação Sobre Tartarugas Marinhas SITAMAR Sistema de Informação Sobre Tartarugas Marinhas TAMAR - 22 bases de proteção - 1.100 km monitorados - 1.300 colaboradores (moradores locais) - 160 técnicos - 200 estagiários e trainees O PROJETO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade

A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade Texto Base: Aula 20 A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade Alessandra Bizerra Nas últimas aulas, analisamos a enorme biodiversidade do planeta, em especial,

Leia mais

CURSOS Agronomia, Ciências Habilitação em Biologia, Educação Física, Farmácia, Fisioterapia e Zootecnia

CURSOS Agronomia, Ciências Habilitação em Biologia, Educação Física, Farmácia, Fisioterapia e Zootecnia PROCESSO SELETIVO 2004/1 BIOLOGIA CURSOS Agronomia, Ciências Habilitação em Biologia, Educação Física, Farmácia, Fisioterapia e Zootecnia Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente

Leia mais