INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR DE LÍNGUAS E ADMINISTRAÇÃO Pós-Graduação de CONSULTORIA EMPRESARIAL «RECUPERAÇÃO DE UM ESPAÇO COMERCIAL» Projecto: +Inovação +Tradição «A gestão é a actividade ou arte em que aqueles que ainda não foram bem sucedidos e aqueles que já conheceram o fracasso são conduzidos por aqueles que ainda não fracassaram» - Anónimo Módulo: PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE CONSULTORIA Projecto Final (Paulo Farinha Pedro Jacinto) Agosto 2007 PF/PJ InovConsulting 1

2 Índice I Agradecimentos... 6 II SUMÁRIO EXECUTIVO APRESENTAÇÃO ENQUADRAMENTO... 9 I MISSÃO II INTRODUÇÃO RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS e o TURNAROUND COMO FAZER VINGAR UMA EMPRESA? O CONCEITO DE «EMPREENDEDORISMO» Resumo Introdutório I - Fases de Recuperação do Espaço Comercial ª Fase: Dar um pouco mais do que aquilo que o cliente espera! Enquadramento Enquadramento Contextual Estudo-Exemplo de um Enquadramento Contextual Variável económica Variável Demográfica Variável Tecnológica Variável Político-Legal Sócio-Cultural Enquadramento Transaccional Estudo-Exemplo de um Enquadramento Transaccional Mercado Concorrência Clientes Pesquisa de Mercado Tipos de Pesquisa Fornecedores Colaboradores Sócios e Accionistas Outras entidades Análise SOWT Conclusão do Enquadramento Situação Actual do Comércio Tradicional ª Fase: LANÇAR UMA INOVAÇÃO TRADICIONAL! Estudar o negócio da Empresa Análise e Segmentação de Mercado Targeting Posicionamento Visão Missão Objectivos Contar uma história ao Cliente Dar um Nome à Empresa Estudar e analisar a concorrência ª Fase: AS ESFERAS DE INFLUÊNCIA: Analisar, estudar e potenciar as esferas de influência da empresa Os concorrentes que podem ser aliados PF/PJ InovConsulting 2

3 Os fornecedores como aliados Os clientes como aliados Outros comerciantes como aliados Fornecedores de serviços como aliados ª Fase: O PODER DAS «TIC»: O Marketing Interactivo Base de dados dos clientes Base de dados dos fornecedores Base de dados dos concorrentes Base de dados dos colaboradores Promover a interacção ª Fase: O MOMENTO DA VERDADE: Preparar a empresa para o momento da verdade A CULTURA DA EMPRESA, O CLIMA ORGANIZACIONAL Analisar e Preparar os colaboradores A liderança e o gestor ª Fase: A vantagem competitiva para o crescimento sustentado: Política Empresarial Recursos Humanos Organização Descrição de funções Gestão de Remunerações Recrutamento Selecção Integração e acolhimento do novo colaborador Formação Avaliação de desempenho Comunicação Interna A Gestão de Intangíveis Marketing Métodos de experimentação Finanças Contabilidade Gestão de Custos Gestão de tesouraria Análise financeira Responsabilidade Social/Ética Empresarial O ambiente da ética e da responsabilidade social nas empresas (RSE) e a cultura da empresa Excelência do serviço Etapa 1 Decidir qual a actividade principal Etapa 2 Conheça os seus clientes e os seus concorrentes Etapa 3 Criar a visão Etapa 4 Defina os Momentos de Verdade Etapa 5 Prestar bom serviço uns aos outros Etapa 6 Criar a experiência do cliente Etapa 7 Tirar proveito das reclamações Etapa 8 Ficar perto do cliente Etapa 9 Conceber e implementar o programa de serviço Etapa 10 Estabelecer padrões de serviço PF/PJ InovConsulting 3

4 Etapa 11 Reconhecer e recompensar o serviço excelente Etapa 12 Desenvolver o programa de serviço ª Fase: O MINUTO «M»: Reabertura da loja ª Fase: MONITORIZAÇÃO CONSTANTE: Avaliação dos Resultados Alcançados Balanced Scorecard Enquadramento Proposta Análise ao Meio Envolvente Pesquisa de Mercado e de Satisfação do Cliente Proposta Estudar o negócio da Empresa Iremos ainda criar um enredo, para que se possa contar uma história ao cliente. Uma história verdadeira em que ele acredite e que absorva os seus sentimentos mais íntimos Estudar e analisar a concorrência Proposta Analisar, estudar e potenciar as esferas de influência da empresa Os concorrentes como aliados Os fornecedores como aliados Os clientes como aliados Outros comerciantes como aliados Fornecedores de serviços como aliados Proposta O Marketing Interactivo Base de dados dos clientes Base de dados dos fornecedores Base de dados dos concorrentes Base de dados dos colaboradores Promover a interacção Proposta Preparar a empresa para o momento da verdade A CULTURA DA EMPRESA, O CLIMA ORGANIZACIONAL Proposta Política Empresarial Recursos Humanos Marketing Finanças Responsabilidade Social/Ética Empresarial Excelência do serviço Etapa 1 Decidir qual a actividade principal Etapa 2 Conheça os seus clientes e os seus concorrentes Etapa 3 Criar a visão Etapa 4 Defina os Momentos de Verdade Etapa 5 Prestar bom serviço uns aos outros Etapa 6 Criar a experiência do cliente Etapa 7 Tirar proveito das reclamações Etapa 8 Ficar perto do cliente Etapa 9 Conceber e implementar o programa de serviço PF/PJ InovConsulting 4

5 Etapa 10 Estabelecer padrões de serviço Etapa 11 Reconhecer e recompensar o serviço excelente Etapa 12 Desenvolver o programa de serviço Proposta Reabertura da loja Proposta Avaliação dos Resultados Alcançados Balanced Scorecard Implementação da Proposta de Consultoria ª Fase: Dar um pouco mais do que aquilo que o cliente espera! ª Fase: LANÇAR UMA INOVAÇÃO TRADICIONAL! Criar um enredo, para que se possa contar uma história ao cliente. Uma história verdadeira em que ele acredite e que absorva os seus sentimentos mais íntimos;185 3ª Fase: AS ESFERAS DE INFLUÊNCIA! ª Fase: O PODER DAS «TIC»! ª Fase: O MOMENTO DA VERDADE! Realização do Projecto de Consultoria ª Fase: A vantagem competitiva para o crescimento sustentado! ª Fase: O MINUTO «M»! ª Fase: MONITORIZAÇÃO CONSTANTE! EQUIPA DE TRABALHO Referências bibliográficas Anexos PF/PJ InovConsulting 5

6 I Agradecimentos Ao culminar este trabalho de desenvolvimento de um Plano de Consultoria, impõe-se uma palavra de reconhecimento a todos os que, de alguma forma contribuíram para a sua concretização e ainda aqueles que durante estes 10 meses nos seguiram nesta jornada, aos nossos colegas, com quem nos foi possível partilhar inúmeras experiências. Particularizando, o Professor Luís Schwab, nosso orientador do presente Projecto Final. Em jeito de reflexão, foi-nos provocando e estimulando ideias que, passo a passo, deram corpo e iluminaram esta pesquisa. Ao Sr. João Mendes de Almeida da Associação Comercial de Lisboa, à Livraria Palavras de Culto e ao Sr. Padre José Carlos, da Editora e Livrarias Paulus, o nosso apreço pela disponibilidade e preciosa ajuda ao facultar-nos alguns meios que serviram de suporte à nossa análise e considerações para as opções recomendáveis no âmbito do objectivo deste trabalho. Ao ISLA Instituto Superior de Línguas e Administração, a todo o corpo docente da Pós-Graduação de Consultoria Empresarial e, em particular, ao seu coordenador, Mestre Sérgio Fonseca, a nossa expressão de gratidão pelo questionar permanente da evolução da investigação e o conhecimento, além de nos terem proporcionado as demais condição para a concretização deste Projecto. PF/PJ InovConsulting 6

7 II SUMÁRIO EXECUTIVO INOVAR, UMA CONSTANTE TRADIÇÃO! SATISFAZER O CLIENTE INTELIGENTE, COMO MISSÃO! Projecto: «+ INOVAÇÃO + TRADIÇÃO» 1. APRESENTAÇÃO Somos uma equipa especializada em consultoria de gestão e resgate de empresas. O nosso profissionalismo e ética, valores primordiais na construção da nossa empresa, são a nossa melhor garantia de futuro. Estaremos ao seu lado para ajudá-lo a alcançar o êxito que procura. A INOVConsulting, uma palavra que acentua a importância do futuro, sugere acção, movimento, avanço, inovação, criatividade, tudo características da nosso empenho profissional. E representa não só o reflexo da nossa estratégia especializada de ir mais além na Consultoria Especializada, antecipando-nos às suas necessidades, mas também combina a realidade do presente com a nossa aposta no futuro. O presente trabalho surge no âmbito do módulo de «Projecto de Desenvolvimento de Um Plano de Consultoria» da Pós-Graduação em Consultoria de Empresas do Instituto Superior de Línguas e Administração, tendo como objectivo a apresentação de um modelo/projecto Final de «Recuperação de Um Espaço Comercial», a partir da seguinte sequência: Diagnóstico da envolvente contextual e do sector do comércio, particularizando sempre em função de uma livraria. Iremos ainda analisar a actividade comercial de uma empresa do sector da área do comércio de livros; PF/PJ InovConsulting 7

8 Análise dos valores (Cultura, Ética e Responsabilidade Social e Ambiental) associados ao nome e imagem/marca de uma empresa e que devem traduzir-se em benefícios competitivos; Construção um «modelo de recuperação» do espaço comercial analisado; Nesse sentido, procedemos ao trabalho de campo, tendo em conta a realidade cultural de cada empresa e a sua inserção no mercado em geral, não descurando que um processo executado com precisão e adequado rigor e planeamento é fundamental para produzir o resultado desejado. Foram realizadas diligências junto da Associação Comercial de Lisboa, no intuito de obtermos dados concretos sobre o comércio tradicional. E visitámos ainda duas livrarias. Uma na Amadora, a livraria Palavras de Culto e outra na baixa de Lisboa, a livraria e editora Paulus. Ambas as livrarias são casos de sucesso dentro da actividade que exercem. A livraria e editora Paulus é especializada em livros de cariz religioso, de auto-ajuda e de comunicação, designadamente as áreas convergentes para a espiritualidade. O seu atendimento personalizado ao cliente, a especialização dos seus colaboradores e o seu profundo conhecimento dos produtos, são o trunfo na fidelização dos clintes. Com livrarias espalhadas em vários países, esta editora denota pró-actividade e, como o seu próprio Director Geral, Sr. Padre José Carlos, nos afirmou, nós estamos sempre atentos ao mercado e procuramos oferecer o que o mercado pretende. A livraria Palavras de Culto aposta a sua intervenção na proximidade com o cliente e num atendimento personalizado, através do profundo conhecimento dos produtos. Não possui uma especialização nem um posicionamento dirigido. Não iremos criticar, iremos fazer uma observação construtiva. Com efeito, longo deste trabalho serão indicadas formas de actuar que uma empresa actualmente não deve descurar. Para nós, o segredo do sucesso da livraria Palavras de Culto está, sem dúvida, no seu PF/PJ InovConsulting 8

9 esforço para oferecer um excelente serviço, para além de que constitui a única livraria propriamente dita do concelho da Amadora, pelo que, se prosseguisse um processo de expansão virada para um posicionamento claro dos seus produtos, poderia crescer bastante. 2. ENQUADRAMENTO Este documento está organizado da seguinte forma: Primeira Parte Missão e Introdução Segunda Parte As 8 Fases de Recuperação Terceira parte Proposta de Consultoria Quarta Parte Implementação da Proposta de Consultoria Quinta Parte Conclusão PF/PJ InovConsulting 9

10 PARTE I Missão e Introdução PF/PJ InovConsulting 10

11 MISSÃO PF/PJ InovConsulting 11

12 I MISSÃO + INOVAÇÃO + TRADIÇÃO INOVAR, UMA CONSTANTE TRADIÇÃO! SATISFAZER O CLIENTE INTELIGENTE, COM MISSÃO! Contribuir constantemente para aumentar o valor da empresa para os clientes, colaboradores e accionistas, produzindo para ser líder no seu segmento, através dos seguintes pressupostos: 1-COMPROMISSO COM CLIENTES: São a razão da nossa existência; Estar perto dos clientes e do mercado onde actuam; Fornecer os produtos e serviços de maior valor acrescentado; Relações comerciais duradouras e propícias para ambas as partes; Ganhar respeito e lealdade. 2-COMPROMISSOS COM OS COLABORADORES. Colaboradores motivados e alinhados com a estratégia da empresa. Enfoque no seu potencial e capacidade de iniciativa e criatividade. Focus nos objectivos da empresa. Fornecer Segurança e Estabilidade no Emprego. Politica Salarial justa e concertada. 3-COMPROMISSO COM A QUALIDADE Satisfazer necessidades dos clientes, através da qualidade dos Produtos e Serviços. PF/PJ InovConsulting 12

13 Qualidade é a chave para aumentar a penetração no Mercado. Qualidade é factor de diferenciação. Qualidade do Produto e do Serviço ao cliente. 4-COMPROMISSOS COM OS FORNECEDORES Qualidade dos produtos e serviços dos fornecedores. Estabelecer alianças estratégicas e acordos essenciais para o desenvolvimento dos produtos e novas soluções. 5-COMPROMISSO COM A DEFESA DO AMBIENTE Melhoria contínua da segurança, protecção da Saúde e do Ambiente, dentro e fora da empresa. Cumprimento da legislação aplicável Politica de lançamento de produtos Amigos do Ambiente 6-COMPROMISSO COM A RENTABILIDADE Rentabilidade assente numa boa solidez económica e financeira, fundamentais para o crescimento e modernização das infra-estruturas, para o reforço das capacidades de investigação, indispensáveis para a satisfação dos detentores do capital e colaboradores. Donde: + INOVAÇÃO + TRADIÇÃO PF/PJ InovConsulting 13

14 INTRODUÇÃO PF/PJ InovConsulting 14

15 II INTRODUÇÃO «Uma estratégia de sucesso resume-se a três aspectos essenciais: liderança de custos, diferenciação e enfoque.» Michael Porter, in Strategy Competitive, RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS e o TURNAROUND O cerne do projecto final que nos propusemos desenvolver é a «Recuperação de Empresas Recuperação de um Espaço Comercial». Com efeito, há estratégias para dar nova vida aos projectos empresariais, mas não há milagres. Num recente debate sobre a recuperação de empresas, promovido pela Associação Cristã de Empresários e Gestores (Acege), o responsável pelo turnaround das empresas Efacec e da Petrogal, Dr. António C. Pinto, afirmou que cerca de 20% das companhias cotadas precisam de utilizar uma estratégia deste género a cada dez anos e apenas um quarto são bem sucedidas, não valendo a pena desculpar-se com o mercado ou com a concorrência, sendo que, por outro lado, a posição competitiva da empresa explica 46% da sua rendibilidade, face a 7% fruto do ciclo de negócio e 8% das características da indústria. Para superar a crise, importa estabelecer objectivos e metas concretas e apostar em vantagens competitivas sustentáveis. Antes de tomar medidas para fazer frente à crise, as empresas passam, geralmente, pelas seguintes fases: num primeiro momento tendem a negar os sinais do problema. Depois, quando assumem a crise, desvalorizam as responsabilidades da organização e acreditam que o problema vai desaparecer por si. Estas duas fases contribuem para agravar a situação e a desintegração da empresa acentua-se. Medidas superficiais tendem a ser adoptadas, mas tal só vem acentuar o colapso evidente. E é precisamente este o momento considerado decisivo ou surge uma estratégia de recuperação ou há risco de falência. PF/PJ InovConsulting 15

16 Quando se opta pelo turnaround, a mudança da equipa de gestão é um dos primeiros passos para restabelecer a confiança dos colaboradores e dos principais stakeholders (públicos estratégicos). Para o bem e para o mal, o presidente é o rosto da organização. Perante uma crise, é sobre ele que recaem todas as responsabilidades. Seja para transmitir uma mensagem simbólica de mudança, ou porque são necessárias novas formas de gestão, mudar o CEO afigura-se uma questão táctica. Portanto, quando detectada a tempo, a crise pode ser estancada. Após analisar as causas é preciso tomar medidas rápidas que variam em função do ciclo de vida da empresa e das suas características. Controlo do Turnaround (fases) 1 Medidas a tomar nos primeiros 30 dias 2 Medidas a tomar em 3 meses (diagnóstico e decisão/sim ou não de reestruturação) em face das principais causas da crise: 3 Plano de negócios/medidas a implementar em 3 meses Estabelecer a direcção da mudança/novo rumo; Definir metas e compromssos; Ultrapassar hostilidades; Mudar a estrutura organizacioal: afastar os Má gestão; Política financeira; Alterações na procura; Controlo financeiro inadequado; Estrutura de custos elevada. Mudar a equipa de gestão; Controlo financeiro forte e centralizado; Reorientação dos produtos e do mercado; Aposta no marketing Redução dos PF/PJ InovConsulting 16

17 resistentes, motivar, mbilizar e recompensar os que ficam. custos; Reestrituração da dívida; Concentrar forças nos produtos, estratégias e mercados mais lucrativos e passar tudo o resto para outsorcing. 2. COMO FAZER VINGAR UMA EMPRESA? Do atrás referido se infere da necessidade de um bom posicionamento no mercado. A empresa tem que saber muito bem a quem é que se destina o seu produto. Um excelente posicionamento no mercado é fundamental. E um produto que o mercado compre. Tem que satisfazer uma necessidade de mercado. Isso é prioritário. Um segundo aspecto refere-se aos recursos humanos. A empresa vale o que valem os seus recursos humanos. É uma ilusão não pensar assim. A importância está nas pessoas, sem as pessoas não é possível desenvolver nada. Pode pôr-se ênfase na oportunidade de negócio, no nicho de mercado, mas se não estiverem agregadas ao projecto pessoas que acrescentem valor, o projecto está condenado ao fracasso. Efectivamente, neste aspecto, somos de parecer que só devem ficar na empresa as pessoas que estiverem alinhadas e disponíveis com a estratégia. Os resistentes deverão mesmo sair, isto, apesar de o seu desempenho se revelar satisfatório. A este propósito e a título justificativo, dados estatísticos publicados na revista Exame, de Agosto de 2007, apontam que em cenários desta natureza, 72% dos trabalhadores estão insatisfeitos e 19% admitem sabotar a empresa. PF/PJ InovConsulting 17

18 Um terceiro aspecto é dimensionar a estrutura de capitais às necessidades da empresa. Há muitas empresas que falham porque ficam muito dependentes dos capitais alheios. E ao ficarem muito dependentes de capitais alheios em períodos recessivos, como este em que a banca aperta um pouco o crédito, sofrem dificuldades. As sociedades de capital de risco são uma óptima alternativa ao crédito bancário, porque realmente participam no risco e no desenvolvimento da ideia, injectando know-how para a consolidação do projecto. Na maior parte dos casos, o capital de risco não tem passado da aplicação de dinheiro em projectos já com alguma dimensão, nos quais as entidades financeiras têm óbvios interesses em participar porque os projectos apresentam interesses indirectos para a banca com o intuito de eventualmente virem a controlar mais tarde as operações se o projecto tiver sucesso. 3. O CONCEITO DE «EMPREENDEDORISMO» «Boa parte do progresso norte-americano é produto do indivíduo que teve uma ideia, foi atrás dela, moldou-a, ateve-se a ela firmemente durante todas as adversidades e então produziu essa ideia, vendendo-a e lucrando com ela». Hubert Humphrey, Na óptica da apreciação desenvolvida, e devido à presença reduzida de «business angels» no mercado, torna-se necessário orientar uma importante fatia do capital de risco para a dinamização de projectos de capital semente (financiamento para o arranque dos projectos) e de «startups» (empresas nos primeiros 2/3 anos de vida). É preciso apostar no empreendedorismo, na cultura de empreendedorismo para tal é mister uma mudança de atitudes que materialize a concepção da ideia. Sendo o empreendedorismo um factor de modernidade de uma sociedade, os empreendedores são importantes agentes de mudança e crescimento em economias cada vez mais globalizadas e competitivas. PF/PJ InovConsulting 18

19 Um conceito de empreendedorismo que em nossa opinião traduz este factor, é o do Gestor do Instituto Nacional de Engenharia e Tecnolgia Industrial, Dr. Pedro A. Matias: «dinâmica de identificação e aproveitamento de oportunidades». Duas explicações para a existência de oportunidades empreendedoras foram adiantadas: Israel Kirzner, um economista da New York University justifica tal, como consequência do facto de as pessoas disporem de informações diferentes, enquanto J. Schumpeter, ex-professor da Harvard University, argumentou que as oportunidades empreendedoras provêm de uma mudança externa que torna possível algo que ainda não havia sido feito ou do realizar algo de uma forma mais valiosa. Por exemplo, a invenção do laser tornou possível o desenvolvimento de um novo produto, o scanner dos supermercados, que identifica electronicamente o código de barras dos produtos. Segundo um estudo da Entrepreneurship Flash Eurobarometer, publicado no Guia Expresso Emprego de , os valores percentuais associados aos receios que obstam ao perfil empreendedor apresentam-se como segue, e que se encontram associados especialmente à falta de competências comportamentais por parte dos potenciais empreendedores: 43% não avançam com medo de perder os bens; 47% temem o insucesso financeiro; 32% receiam a incerteza face ao rendimento; 23% têm medo do insucesso pessoal; 19% temem a incerteza face ao emprego; 7% acreditam que o negócio próprio carece de muito tempo e eneria. Segundo Michael E. Gerber, in «Empreender-Fazendo a Diferença» - «todo o negócio adolescente chega a uma fase que empurra o empreendedor para além da Zona de Conforto (o limite no qual o mesmo se sente seguro na sua habilidade em contornar o ambiente e fora do qual começa a perder o controlo); o limite do empreendedor é uma função de quantos gestores pode comprometer em seguir a sua visão». E como todos os negócios PF/PJ InovConsulting 19

20 crescem para além da Zona de Conforto, somente três direcções podem ser tomadas: retorno à infância, conduzir à falência ou agarrar o processo com todas as forças. Hoje em dia, em que tanto se fala em competitividade e produtividade, importa acentuar este conceito, pelo que distinguimos aquilo a que designámos de 4 mandamentos do empreendedor: ANÁLISE DO MERCADO - É importante traçar o perfil dos potenciais clientes e determinar a dimensão do mercado-alvo da empresa, analisar a concorrência e perceber o grau de diferenciação do produto ou serviço oferecido, o potencial de crescimento do negócio e as possibilidades de internacionalização. DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA - Nesta fase há que criar soluções para introduzir o produto ou serviço no mercado. Tudo deve ser ponderado: as necessidades de pessoal e a escolha do equipamento e das instalações. O empreendedor deve recorrer à consultoria e serviços de apoio, sempre que necessário. É também altura de analisar as demonstrações financeiras e de estabelecer os objectivos de gestão financeira. ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS - Este plano é uma reflexão sobre os custos, rentabilidade e exequibilidade do projecto, que irá orientá-lo a si e à sua equipa. Há que elaborar projecções financeiras para três ou quatro anos são instrumentos úteis para perceber o seu conceito de negócio. FINANCIAMENTO - O financiamento pode ser dinheiro do próprio, o obtido junto do estado, o crédito ou a entrada de investidores no capital da empresa. Finda esta etapa, é arregaçar as mangas e facturar! PF/PJ InovConsulting 20

21 4. Resumo Introdutório As empresas atravessam uma fase de mudança de paradigmas e as receitas que resultaram no passado, hoje não passam de meras operações de cosmética. Os empresários e os gestores, se quiserem que suas empresas cresçam e o façam de forma sustentada, deverão dominar um grande leque de matérias. Hoje sabe-se das limitações de áreas como o Marketing, as Finanças, os Recursos Humanos e a Produção. Para suplantar as limitações de cada uma destas áreas, os gestores devem agir com simbiose inequívoca entre as diversas áreas sempre em consonância com a missão da empresa. Chagados à missão da empresa, somos obrigados a referir que aqui está o âmago, o centro nevrálgico de tudo o que será operacionalizado e planeado pela empresa e seus gestores. A missão base de qualquer empresa, organismo, associação, etc. é o de satisfazer os seus clientes. Logo, tendo como missão a satisfação dos clientes, toda o planeamento e toda a operação realizada pelas diversas áreas da empresa, deverão unificar-se num sentido focalizado. Neste documento, aquilo que pretendemos é, em conformidade com o que foi referido, dar algumas sugestões e propostas de melhoria para as empresas. Não iremos utilizar soluções pré-fabricadas, nem receitas estabelecidas. Iremos debruçar-nos sobre a análise do mercado de uma loja de comércio tradicional e, depois de feito o tratamento dos dados recolhidos, iremos propor acções de melhoria e procedimentos de implementação. Mas algumas sugestões deste documento podem ser aplicadas a outras empresas de outros sectores de actividade. Sempre que tal acontecer, sairemos do âmbito deste documento e referiremos tal característica. PF/PJ InovConsulting 21

22 Demos assim o mote de congregação do que irá ser este documento e encerramos esta parte afirmando persuadidos que: a empresa, se tiver um bom nome, se cuidar de sua Marca, se tiver um bom produto ou serviço, se souber perfeitamente em que mercado está e que clientes serve, se contar uma boa história, se olhar pelos seus empregados para que estes olhem pelos clientes e se for constantemente inovadora e empreendedora, o seu empresário poderá aspirar ser o próximo Gates. Se esta é o seu propósito, pois que é a nossa vontade, embarquemos nesta aventura. Desejamos-lhe uma viagem repleta de surpresas e de histórias agradáveis. E como aqui também estamos a vender, o leitor será o nosso estimado cliente. Assim, aquilo que tentaremos será dar a si um pouco mais do que aquilo que espera. Boa Viagem! PF/PJ InovConsulting 22

23 PARTE II As 8 Fases de Recuperação PF/PJ InovConsulting 23

24 I - Fases de Recuperação do Espaço Comercial Chegados a este ponto, iremos a partir daqui, delinear as fases que entendemos ser de vital importância para a concretização da Recuperação de um Espaço Comercial e ainda para a manutenção de uma vantagem competitiva duradoura. Deste modo, as fases citadas, são as que a seguir se transcrevem: PF/PJ InovConsulting 24

25 1ª Fase: Dar um pouco mais do que aquilo que o cliente espera! Perguntem-se: que querem os nossos clientes? Depois dirijam, planeiem, organizem, treinem e trabalhem para dar ao cliente o que eles querem e ainda um pouco mais. Carlzon PF/PJ InovConsulting 25

26 1ª Fase: Dar um pouco mais do que aquilo que o cliente espera! 1. Enquadramento O Projecto: + Inovação + Tradição, como já foi referido, irá debruçarse sobre a recuperação de espaços comerciais. Assim, importa começar a mesma recuperação, incidindo em primeiro lugar, num estudo aprofundado de todo o meio envolvente. Um loja de comércio poderá ser considerada um sub-sistema de um sistema, que é o comércio em geral, sub-sistema este, por sua vez, da economia e assim por diante. Como um sistema que está inserido num meio ambiente, o espaço de comércio interage com esse meio, recebe inputs e fornece outputs. É impossível achar que o meio não influenciará uma empresa ou que uma empresa não influenciará o meio. Assim, é imprescindível que seja realizado um estudo aprofundado do meio onde o espaço comercial se insere, um estudo da sua realidade contextual e transaccional. Depois de realizado o estudo da envolvente externa contextual e transaccional realizar-se-á um estudo do seu meio interno. Isto é, um estudo sobre os diversos sub-sistemas que compõem o sistema, como um todo, do espaço comercial. Para cativarmos os clientes e garantirmos a sua lealdade, necessitamos de estar preparados para superar constantemente as suas expectativas. Assim, todo o estudo que será realizado nesta fase, tem exactamente este propósito: conhecer o mais possível o cliente, o meio que o rodeia, as suas necessidades e os seus desejos. Assim, comecemos com uma análise da envolvente contextual de uma Loja de Comércio. PF/PJ InovConsulting 26

27 2. Enquadramento Contextual Nesta fase, deverá ser realizada uma série de reuniões com os responsáveis do espaço comercial, onde serão determinados os factores externos que influenciam o negócio do espaço comercial. Para isso, serão feitos estudos do meio envolvente. Será realizada uma análise às variáveis que condicionam os mercados. Uma análise que incida sobre a variável económica, demográfica, tecnológica, político-legal e sóciocultural. Daremos um exemplo de como esse estudo será realizado e os resultados que se poderão obter com o mesmo. Estudo-Exemplo de um Enquadramento Contextual Variável económica O Nosso país atravessa uma fase de profundas transformações e está ainda numa crise que, sendo estrutural, pode condicionar o desenvolvimento das empresas. Isto, aliado a uma rápida mutação dos mercados e a um constante e veloz desenvolvimento do conhecimento. O mundo debate-se com mudanças profundas, a nível estrutural e a nível de paradigmas. Estratégias de desenvolvimento, formas e estruturas das empresas, novos conceitos de trabalho, economias globalizadas, moeda única, empresas globais que se formam sem necessidade de grande investimento. Há muito se fala em Sociedades do Conhecimento, mas só agora começamos a perceber o que esse chavão quer realmente dizer. O conhecimento e o trabalhador do conhecimento, passam a ser os activos mais importantes de uma empresa, a peça chave para o desenvolvimento económico das Sociedades. PF/PJ InovConsulting 27

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA --------------------------------------------------------------------------------------------- I Conceito de Empresa

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor:

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor: PRINCÍPIOS ESSILOR Cada um de nós, na nossa vida profissional, participa na responsabilidade e na reputação da Essilor. Por isso devemos conhecer e respeitar princípios que se aplicam a todos. O que significa

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Os 7 Mandamentos da Destroika

Os 7 Mandamentos da Destroika Os 7 Mandamentos da Destroika 1 Intitula-se DESTROIKA. Trata-se de um Programa de Gestão de Mudança inovador. Afirma-se positivo e centrado nas pessoas e tem como objetivo salvar empresas e empregos. Este

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica?

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Rui Ferreira Docente ISCTE-IUL rui.ferreira@iscte.pt Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Portalegre 28/2/2012 As noticias sucedem-se Para 2012, as expectativas são negras. A

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China 2ª Edição Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário, mas pode ser uma realidade para os que

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Outsourcing de serviços na gestão financeira

Outsourcing de serviços na gestão financeira 02 Dossier Outsourcing de serviços na gestão financeira 25 Entrevista Jeff York É necessário comunicar, integrar-nos e colaborarmos bem num contexto de equipa. Entrevista de José Branco As delegações da

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Brochura GrowUpServices

Brochura GrowUpServices Brochura GrowUpServices 1. O QUE FAZEMOS 1. Quem Somos 03-12-2015 3 1. Quem Somos A GROWUPSERVICES é uma marca da GROWUPIDEAS e que actua na área da consultoria de negócios. Entre os seus sócios acumulam-se

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE?

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE? Rafael Mahave Tradução e adaptação de Amândio da Fonseca Ninguém duvida da utilidade dos incentivos para se atingirem objectivos, quer no âmbito profissional quer empresarial. E quando falamos de objectivos

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Dar poder aos investidores através do conhecimento

Dar poder aos investidores através do conhecimento Dar poder aos investidores através do conhecimento Índice 3 4 6 8 10 incomeiq uma forma mais inteligente de pensar nas suas necessidades de rendimento A necessidade de rendimento nunca foi tão grande Qual

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS

12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS 12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS Senhor Presidente do IAPMEI, Senhor Presidente do Banco Popular, Senhor Presidente da SPGM, Senhor Presidente da CIP, Senhor Presidente da Comissão Directiva

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais