EKOAR EMPRESA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA LTDA. PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL PAE CHICO MENDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EKOAR EMPRESA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA LTDA. PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL PAE CHICO MENDES"

Transcrição

1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL PAE CHICO MENDES Associação de Pequenos Produtores Rurais Fé em Deus apuri Novembro 2008

2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 1 CONTETO GOVERNAMENTAL... 1 PMFS COMUNITÁRIO... 2 ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE INFORMAÇÕES GERAIS REQUERENTE/DETENTOR TITULARIDADE, AMBIENTE PREDOMINANTE E ESTADO NATURAL DA FLORESTA RESPONSÁVEIS PELO PMFS OBJETIVOS DO PMFS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRODUTORES ENVOLVIDOS NO PMFSC DESCRIÇÃO DA PROPRIEDADE DENOMINAÇÃO LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ACESSO DESCRIÇÃO DO AMBIENTE MEIO FÍSICO MEIO BIOLÓGICO MEIO SÓCIO-ECONÔMICO ZONEAMENTO DA PROPRIEDADE MACROZONEAMENTO DA PROPRIEDADE DESCRIÇÃO DOS RECURSOS FLORESTAIS INVENTÁRIO FLORESTAL AMOSTRAL PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS INVENTÁRIO FLORESTAL DIAGNÓSTICO INFORMAÇÕES SOBRE O MANEJO FLORESTAL SISTEMA SILVICULTURAL CRONOLOGIA DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO MANEJO FLORESTAL ESPÉCIES FLORESTAIS A MANEJAR E A PROTEGER ESPÉCIES FLORESTAIS PRIORITÁRIAS AO MANEJO FLORESTAL, CLASSIFICADAS POR USO LISTA DE ESPÉCIES A SEREM PROTEGIDAS DE CORTE MEDIDAS DE PROTEÇÃO DAS ÁRVORES LOCALIZADAS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE REGULAÇÃO DA PRODUÇÃO MÉTODO DE REGULAÇÃO DA PRODUÇÃO INTENSIDADE E CICLO DE CORTE i

3 ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO ANUAL DA FLORESTA NÚMERO E TAMANHO PLANEJADO DA UPA DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES PRÉ-EPLORATÓRIAS EM CADA UPA DEFINIÇÃO DAS UNIDADES DE PRODUÇÃO ANUAL (UPA S) E UNIDADES DE TRABALHO (UT S) Delimitação e demarcação da UPA Identificação das unidades de trabalho da UPA Picadas, faixas e linhas virtuais de orientação Subdivisão da UPA em unidade de trabalho Coordenadas geográficas dos principais vértices da UPA INVENTÁRIO FLORESTAL (100%) INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INVENTÁRIOS Definição das informações a serem coletadas MICROZONEAMENTO PROCESSAMENTO DOS DADOS CORTE DE CIPÓS DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE ÁRVORES PARA CORTE E MANUTENÇÃO Definição dos critérios de seleção de árvores para corte Definição dos critérios de seleção de árvores para manutenção PLANEJAMENTO DA REDE VIÁRIA Estrada primária Estradas secundárias Pátios de estocagem DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE EPLORAÇÃO INFORMAÇÕES DO PLANEJAMENTO DA EPLORAÇÃO MÉTODO DE CORTE E DERRUBADA Mapas de Exploração Equipamentos a serem utilizados Composição e função dos membros da equipe de corte TÉCNICAS PARA O CORTE DE ÁRVORES Seccionamento de toras MÉTODO DE ETRAÇÃO Planejamento para construção de ramais de arraste Máquinas e equipamentos utilizados no arraste de toras MÉTODO DE DEMARCAÇÃO DE RAMAIS DE ARRASTE Composição e função dos membros da equipe de arraste OPERAÇÃO DE PÁTIO Método para medição de toras no pátio Procedimentos para o controle da origem da madeira CADEIA DE CUSTÓDIA CARREGAMENTO E TRANSPORTE Veículos utilizados no transporte da madeira Máquinas e equipamentos utilizados no carregamento Medidas para a prevenção de acidentes durante o carregamento Procedimentos e equipamentos para a contenção de toras Documentos de transporte DESCARREGAMENTO Procedimentos e equipamentos utilizados Medidas de prevenção de acidentes durante o descarregamento PREVISÃO DE TREINAMENTO ii

4 4. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES RELAÇÕES DENDROMÉTRICAS UTILIZADAS DIMENSIONAMENTO DA EQUIPE TÉCNICA EM RELAÇÃO AO TAMANHO DA UPA EQUIPE DE INVENTÁRIO FLORESTAL 100% EQUIPE DA EPLORAÇÃO FLORESTAL DIRETRIZES DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRIMEIROS SOCORROS DIMENSIONAMENTO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS INVESTIMENTOS FINANCEIROS E CUSTOS PARA A EECUÇÃO DO MANEJO FLORESTAL AVALIAÇÃO E PROPOSTA DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DIRETRIZES PARA REDUÇÃO DOS IMPACTOS IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS Meio-físico Meio-biológico Meio-econômico Matriz de impactos ambientais MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO DA FLORESTA FISCALIZAÇÃO DO USO DO SOLO E DA FLORESTA PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIOS BIBLIOGRAFIA iii

5 ÍNDICE DE TABELAS TABELA 1: PROPRIETÁRIOS E COLOCAÇÕES ENVOLVIDAS NO MANEJO 5 TABELA 2: RESULTADOS OBTIDOS COM O MACROZONEAMENTO 12 TABELA 4: CRONOLOGIA DAS ATIVIDADES A SER DESENVOLVIDAS NO MANEJO FLORESTAL 14 TABELA 5: ESPÉCIES ENCONTRADAS CLASSIFICADAS PARA SERRARIA E LAMINAÇÃO 16 TABELA 6: LISTA DAS ESPÉCIES PROTEGIDAS DE CORTE 17 TABELA 7: PLANEJAMENTO DO MANEJO PARA AS UNIDADES DE PRODUÇÃO ANUAL. 19 TABELA 8: LISTA DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM CAMPO PELA EQUIPE DE CORTE 34 TABELA 9: MODELOS DE SKIDDERS UTILIZADOS NA EPLORAÇÃO FLORESTAL 42 TABELA 10: COMPONENTES DA EQUIPE DE ARRASTE E SUAS RESPECTIVAS FUNÇÕES 42 TABELA 11: MODELOS DE PÁS CARREGADEIRAS UTILIZADAS NA EPLORAÇÃO FLORESTAL 45 TABELA 12: PRODUTIVIDADE DA EQUIPE DE INVENTÁRIO FLORESTAL 100%, PARA UPA 2009 COM 582,280 HA 48 ÍNDICE DE ORGANOGRAMAS ORGANOGRAMA 1: ORDEM HIERÁRQUICA DA EQUIPE DE INVENTÁRIO 49 ORGANOGRAMA 2: ORDEM HIERÁRQUICA DA EQUIPE DE EPLORAÇÃO 51 ÍNDICE DE FÓRMULAS FÓRMULA 1: CÁLCULO DO VOLUME ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES ILUSTRAÇÃO 1: LOCALIZAÇÃO DO MANEJO DA ASSOCIAÇÃO FÉ EM DEUS... 7 ILUSTRAÇÃO 2: DEMARCAÇÃO DE PÁTIO NA FLORESTA ILUSTRAÇÃO 3: TÉCNICA PADRÃO DE CORTE ILUSTRAÇÃO 4: LARGURA DA DOBRADIÇA ILUSTRAÇÃO 5: CORTE DE ÁRVORES COM TENDÊNCIA À RACHADURAS ILUSTRAÇÃO 6: SEQÜÊNCIA DE CORTE PARA ÁRVORES OCAS ILUSTRAÇÃO 7: ETAPAS PARA O CORTE DE ÁRVORES COM O DIÂMETRO GRANDE ILUSTRAÇÃO 8: ETAPAS PARA O CORTE DE ÁRVORES COM INCLINAÇÃO ECESSIVA ILUSTRAÇÃO 9: TÉCNICA DE CORTE PARA ÁRVORES COM SAPOPEMAS ILUSTRAÇÃO 10: CORTE DE ÁRVORES COM INCLINAÇÃO E SAPOPEMAS ILUSTRAÇÃO 11: PRIMEIRA FASE DO PLANEJAMENTO DE ARRASTE - MAPEAMENTO DAS ÁRVORES DERRUBADAS ILUSTRAÇÃO 12: SEGUNDA FASE DO PLANEJAMENTO DE ARRASTE - ESTRADAS SECUNDÁRIAS ILUSTRAÇÃO 13: TERCEIRA FASE DO PLANEJAMENTO DE ARRASTE - RAMAIS DE ARRASTE ILUSTRAÇÃO 14: ESQUEMA DE NOMENCLATURA PARA SECCIONAMENTO DE TORAS ILUSTRAÇÃO 15: CARROCERIA PARA TRANSPORTE DE TORAS NO SENTIDO LONGITUDINAL iv

6 APRESENTAÇÃO O Manejo Florestal Sustentável de Uso Múltiplo na Amazônia Legal busca, através de instrumentos legais, valorizar a vocação eminentemente florestal da região amazônica. Um dos grandes desafios atuais do manejo de florestas tropicais é convencer os produtores e empresários que a aplicação das técnicas de manejo de impacto reduzido (EIR, senso Sabogal et al. 2000) não apenas favorecem ao meio ambiente, como também podem contribuir no aumento de rendimentos e diminuição dos custos das atividades de exploração florestal. Apesar dos incentivos à aplicação do bom manejo mediante mecanismos nacionais, regionais e internacionais (Putz et al. 1997), na prática ainda não é dada a prioridade necessária ao planejamento da exploração (Pinar et al. 1995). Normalmente as atividades de exploração nas empresas florestais são realizadas sem planejamento gerando elevado nível de dano, desperdício (ex. Uhl e Vieira, 1988) e perda de rendimento. Segundo UHL et al. (1.996), fazendo uma abordagem ao manejo florestal na Amazônia, comenta que uma exploração madeireira manejada apresenta um custo adicional, devido à aplicação de inventário e o censo florestal, planejamento técnico, corte de cipós, etc., porém, este custo é suplantado com a eficiência e a redução do desperdício de madeira. Os custos do manejo florestal podem ser abatidos com o aumento da eficiência da exploração e ainda, existe a possibilidade de utilização de outros produtos da floresta, como resinas, óleos, frutos entre outros produtos, incrementando os retornos do investimento. Um dos resultados logrados por empresas que adotaram técnicas adequadas de exploração florestal foi o aumento da produtividade através da racionalização e planejamento das atividades envolvidas, com diminuição considerável dos danos causados à floresta remanescente, de acordo com dados divulgados pela Embrapa-AC sobre avaliações do manejo florestal da empresa ST Manejo de Florestas, no município de Lábrea-AM (OLIVEIRA, BRAZ & THAINES, 2002). Os estudos sobre os custos das atividades e os impactos causados à floresta (parcelas permanentes) demonstram uma redução em relação à exploração florestal sem critérios de manejo florestal, visto que o planejamento das atividades proporcionou melhores rendimentos e menor desperdício de matéria-prima. CONTETO GOVERNAMENTAL Com base nas experiências já acumuladas no Estado do Acre, no tocante ao Manejo Florestal Comunitário, torna-se consenso entre as instituições que apóiam essas iniciativas produtivas florestais, que é preciso criar alternativas mais eficientes de manejo e adequação tecnológica ao ambiente de produção específico da floresta. Isto supõe novos processos e produtos, conforme a diversidade dos recursos ambientais e as vantagens comparativas e competitivas oferecidas nos mercados locais, nacionais e internacionais. Sob a SEF surge a responsabilidade de formular, promover e coordenar a execução de políticas públicas referentes à produção florestal e programas de desenvolvimento florestal sustentável. O acúmulo de experiências aliado ao fato de que mais de 90% do Estado mantém sua cobertura florestal original permite e exige do Governo e sociedade, sabedoria para gerenciar esta base de recursos naturais de forma sustentável e socialmente includente. O manejo florestal possui um imenso potencial de geração de riqueza e inclusão social, sendo também uma importante estratégia de conservação. Porém, esbarra em diversos fatores limitantes de ordem estruturais (educação, capacidade de gestão comunitária, questão fundiária, infra-estrutura e burocracia) e outros gerados por políticas setoriais que exercem influência negativa (política agrícola, política de crédito, controle ambiental, políticas de incentivo fiscal, política de ordenamento territorial entre outras) dificultando seu estabelecimento. 1

7 Vale ressaltar que as atividades de extração madeireira, por suas características de intervenção, exigem, para minimizar os impactos causados a níveis aceitáveis, de uma efetiva organização de ações, as quais obrigatoriamente devem ser identificadas tanto no planejamento como na fase operacional. PMFS COMUNITÁRIO A denominação de Projeto de Assentamento Agroextrativista surgiu em 1996, substituindo a original Projeto de Assentamento Extrativista feito pelo INCRA, o qual viabilizava a exploração dos recursos naturais pelos seringueiros. Essa nova modalidade de assentamento destina às populações tradicionais a exploração das riquezas extrativas por meio de atividades economicamente viáveis e ecologicamente sustentáveis. A concessão de uso é feita através de regime comunal, seja através de associações, condomínio ou cooperativa, a critério da população beneficiada. O Projeto de Assentamento Agroextrativista Chico Mendes, conhecido também como Cachoeira, foi criado pela Portaria/INCRA/P/Nº 158 de 08 de março de 1989 e possui área total de ,00ha. Sua gerência é feita pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA e está localizado BR 317, Ramal do Cachoeira, município de apuri e Epitaciolândia, no Acre. Os moradores do PAE Chico Mendes estão organizados em Associações, neste caso na Associação de Pequenos Produtores Fé em Deus que conta atualmente com um grupo de 28 manejadores e área total de manejo florestal de 2.638,115 ha com exploração de 582,280 ha da UPA1(2009). As atividades específicas do PMFS Comunitário serão executadas adotando a metodologia do inventário digital assim como de acordo com legislação vigente sobre manejo florestal, principalmente: Instruções Normativas nº. 04 e 05 de 11/12/2006 do Ministério do Meio Ambiente MMA, Resolução Conjunta CEMAT/CEF 003/08/2008, assim como as Normas de Execução 1 e 2/2007-IBAMA. ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE O envolvimento da comunidade no manejo florestal madeireiro tem como objetivo a sedimentação desta atividade econômica na cultura da população local, transformando-os em manejadores florestais. Estes não seriam simples extrativistas, e sim moradores de áreas florestais que tivessem uma atividade econômica organizada, atendendo aos princípios clássicos do economicamente sustentável, ecologicamente correto e socialmente viável, trabalhando com produtos madeireiros e não madeireiros oriundos da floresta em que residem. Nos trabalhos a serem realizados, um dos principais objetivos será identificar moradores com potencial e perfil de manejadores florestais, fazendo com que estes tenham entendimento e domínio do processo envolvido no manejo florestal, servindo posteriormente como multiplicadores. Esta identificação será feita através de reuniões na comunidade, com o apoio das associações envolvidas e até mesmo durante a execução dos serviços na floresta. Portanto, nessa fase será identificado o contingente de trabalhadores que já tenham trabalhado e que tenham capacitação nas atividades de manejo florestal, tais como: abertura de picadas, delimitação, inventário florestal, identificação botânica, microzoneamento. Com o advento do uso cada vez mais constante do GPS na atividade de inventário florestal, os trabalhadores receberão treinamento sobre o manuseio de GPS, pois, muitas dessas atividades serão realizadas com o uso desse equipamento, inclusive o rastreamento das árvores, localização da infraestrutura (estradas e pátios de estocagem), árvores para corte, arraste e monitoramento da exploração. 2

8 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Requerente/Detentor Quadro 1: Informações sobre o Requerente/Detentor NOME Associação de Pequenos Produtores Rurais Fé em Deus RG CNPJ / PRESIDENTE Reinaldo Ferreira da Silva CPF SSPAC ENDEREÇO BR Seringal Cachoeira Colocação Chora Menino II, Zona Rural Titularidade, Ambiente Predominante e Estado Natural da Floresta Quadro 2: Informações sobre o Manejo Florestal TITULARIDADE Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA DETENTOR Associação de Pequenos Produtores Rurais Fé em Deus AMBIENTE PREDOMINANTE Floresta de Terra Firme ESTADO NATURAL DA FLORESTA MANEJADA Floresta Primária MODALIDADE PRODUTO FORMA DE EPLORAÇÃO Comunitário Madeira Mecanizado N DE PROTOCOLO DO PMFS ÁREA DE MANEJO FLORESTAL 1.2. Responsáveis pelo PMFS Quadro 3: Informações sobre o Responsável Técnico Elaboração e Execução DENOMINAÇÃO Juliana Fortes e Silva Eng a Florestal 2.638,43 ha CPF CREA VISTO/AC PR /D 9171 ENDEREÇO R. Sebastião Dantas, 194 casa 04 Estação Experimental Telefone FA (68) (68)

9 1.3. Objetivos do PMFS Objetivos Gerais Este Plano de Manejo Florestal Comunitário tem como principais objetivos: Diminuir o desmatamento realizado pelas famílias agroextrativistas para a ampliação de roçados e pastos; Diversificar e ampliar a geração de renda dos produtores florestais comunitários e melhorar a infraestrutura local, aumentando assim a qualidade de vida no meio rural e valorizando a floresta em pé; Fortalecer a organização social e os trabalhos de educação ambiental; Diminuir o êxodo rural através da construção da florestania ; Produzir matéria-prima de origem certificada e desestimular a exploração ilegal de madeira que ocorre nas áreas adjacentes ainda não regulamentadas; entre outros. Além disso, este plano de manejo tem como objetivo também buscar cada vez mais o uso múltiplo da floresta. Assim, é consenso na comunidade que a madeira é apenas mais um produto agroextrativista a ser trabalhado pelas famílias do PAE Equador, ou seja, as atividades demandadas pelo mesmo devem respeitar o calendário das atividades já tradicionalmente realizadas, como o extrativismo da borracha e da castanha, a agricultura familiar, etc Objetivos Específicos Fornecer matéria-prima em toras destinadas à serraria e laminação. 4

10 1.4. Produtores envolvidos no PMFSC Abaixo se podem observar os participantes deste manejo, seguem a colocação e o nome do proprietário/participante do manejo. Tabela 1: Proprietários e colocações envolvidas no manejo PROPRIETÁRIOS José Ricardo de Oliveira Francisco Menezes da Silva João Nunes Moreira Milton Nunes Moreira Ilsiney Sena Castro José Ribeiro da Silva Manoel Ribeiro da Silva Reinaldo Ferreira da Silva Francisco Paes de Souza Ilson Medeiros de Castro Raimundo de souza Maciel José Maria Evangelista da Silva Raimundo Nonato Santiago Manoel das Graças Santiago Edival Alves da Silva Isaias Rodrigues de Menezes Marcus Sebastião Nobre Menezes Sebastião Paes de Souza Narciso Gonçalvez Bezerra Mario Aurélio Santiago Marilzo Alves de Moura Marciano, Marcelo e Osmar Alves Miranda Antônio e Emir Alves Miranda Sebastião Reis da Silva Gilson Soares de Oliveira COLOCAÇÕES Botafogo Brasil Caco da Cuia I Caco da Cuia II Centro dos Caboclos I Centro dos Caboclos II Chora Menino I Chora Menino II Limoeiro I Limoeiro II Nova Vida I Nova Vida II Nova Vida III Nova Vida IV Palmares I Paçoca I Paçoca II Salvador Santa Julia São Bento São Raimundo II São Salvador I São Salvador II Tabocal Vitória 5

11 2. DESCRIÇÃO DA PROPRIEDADE 2.1. Denominação Projeto Agroextrativista Chico Mendes Localização Geográfica O Projeto de Assentamento Agroextrativista Chico Mendes está localizado no município de apuri, e até julho de 2004 pertencia ao município de Epitaciolândia quando, com a aprovação, pela Assembléia Legislativa no final de 2003, da definição dos novos limites municipais do Estado, passou a fazer parte do Município de apuri (LEI 1568 de 19 de julho de 2004, publicada em 23 de julho de 2004 no Diário Oficial do Estado no. 8842). O PAE Chico Mendes foi criado em 1989 através da portaria 158 de 08 de março de 1989, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e conta com uma área de ,00 ha. A Associação Fé em Deus está localizada dentro do PAE Chico Mendes e é composta por 28 manejadores. O acesso se dá através da BR 317, ramal do cachoeira (passando pelo trevo de apuri, alguns quilômetros a frente), colocação Chora Menino II. Os confrontantes do PAE Chico Mendes estão listados abaixo: NORTE: PAE Equador e a BR 317; SUL: Rio ipamano e República Plurinacional da Bolívia LESTE: PAE Equador; OESTE: Município de Epitaciolândia e PAE Porto Rico Acesso O PAE encontra-se na região do Alto Acre fazendo divisa com o território boliviano (rio ipamano), PAE Equador e PAE Porto Rico. Está situado entre as coordenadas Longitude oeste, e latitude sul. O acesso se dá pelo ramal do Cachoeira no km 197 da BR 317, próximo à entrada para apuri, segue-se aproximadamente 17 km, passando pela Colocação Fazendinha, seguindo sempre em frente. 6

12 Ilustração 1: Localização do Manejo da Associação Fé em Deus 2.3. Descrição do Ambiente Para a descrição do ambiente, a principal fonte de informações foi o zoneamento ecológico econômico do Estado do Acre (ZEE - Acre, 2006), o restante das informações, foram adquiridas de publicações feitas pela EMBRAPA, Universidade Federal do Acre - UFAC e observações em campo Meio Físico Geologia O Estado do Acre, do ponto de vista geológico, caracteriza-se como uma resultante da ação de processos tectônicos e paleoclimáticos ocorridos em eras geológicas distintas, provocando erosão e posterior sedimentação destes detritos. Durante o processo de evolução geológica local, distinguiram-se três regiões geológicas, sendo a área da Associação Fé em Deus inserida nas áreas de relevo mais suave e áreas aluviais. Serras Rio Branco, Juruá-Mirim, Moa e Jaquirana: constituem o Complexo Fisiográfico da Serra do Divisor; formadas por sedimentos do Cretáceo (principalmente), Pré-Cambriano e Paleozóico. Áreas de relevo mais suave: distribuem-se na maior parte do estado, apresentando sedimentos das formações Ramon e Solimões. Áreas aluviais: compõem esta área os terraços fluviais e as áreas aluvionares. 7

13 Topografia e Solos Os solos acreanos, ao contrário do que se pensava, são de origem sedimentar, ou seja, a concentração de materiais decompostos (areia) é alta, além de existir certas restrições para o uso agropecuário. Na região as formas geomorfológicas originaram predominantemente as seguintes classes de solo: Latossolos apresentam avançado estágio de intemperização, pois são destituídos (virtualmente) de minerais primários e secundários; normalmente são muito profundos. Presentes: Latossolo Vermelho Amarelo Álico. Argissolos Caracterizam-se pela baixa atividade da argila; são considerados de forte a moderadamente ácidos. Presentes: Argissolos Vermelho Amarelos Distróficos. Em suma, a geologia e a geomorfologia caracterizam os solos mantendo uma estreita relação com a paisagem, neste caso, cobertura vegetal do tipo Floresta Densa, e subordinadamente Floresta Aberta Geomorfologia A geomorfologia, enquanto ciência estuda as formas de relevo, os processos endógenos e exógenos ocorridos e sua evolução. Aplicam-se a geomorfologia nas áreas rurais e urbanas, nos projetos de rodovias, ferrovias e na manutenção e conservação de estradas, entre outros. A estrutura geomorfológica do Estado do Acre está representada pelas seguintes unidades morfoestruturais: Depressão Amazônica Planalto Rebaixado (da Amazônia Ocidental) Planície Amazônica O PAE Chico Mendes encontra-se inserido no Planalto Rebaixado da Amazônia Ocidental, que é uma extensa unidade, cuja principal característica são os baixos platôs que margeiam a planície do rio Amazonas, e a existência de áreas aplainadas ainda conservadas e de relevos dissecados em interflúvios tabulares. Formado por litologias da Formação Solimões e cobertura vegetal de Floresta Densa e Campinarana. No Acre este conjunto de relevo ocupa a parte leste e constitui o segundo nível mais elevado da área, comportando altimetrias de cerca de 250 a 300 m. O nível mais alto da área localiza-se no extremo leste onde esta unidade morfoestrutural comporta relevos residuais. As formas geomorfológicas representativas são os interflúvio tabulares de médias e grandes dimensões e de entalhes incipientes com litologia constituída de material síltico-siltoso com intercalações de arenitos de idade plio-pleistocênica Clima O clima do Estado do Acre, como um todo, é úmido e a umidade relativa apresenta-se em níveis elevados durante todo o ano, com médias mensais em torno de 80-90%. É um clima quente e úmido com duas estações definidas: seca e chuvosa. A estação seca estende-se de maio a outubro, podendo se 8

14 estender até novembro, e os meses menos chuvosos são junho, julho e agosto. A estação chuvosa, o inverno, caracteriza-se por chuvas constantes, prolongando-se de novembro a abril (Mesquita 1996). Na estação seca, são freqüentes as friagens, fenômeno efêmero, porém muito comum na região, que resulta do avanço da Frente Polar que, impulsionada pela Massa de Ar Polar Atlântica, avança pela Planície do Chaco e chega até a Amazônia Ocidental, onde provoca brusca queda de temperatura, chegando a valores em torno de 10ºC (Ribeiro, 1971). A região do PAE Chico Mendes possui o clima segundo classificação de Köppen, do tipo Am (clima tropical úmido), que se caracteriza por apresentar temperatura média anual entre 26 e 27º C, apresentando uma estação seca de pequena duração. O período mais quente ocorre nos meses de setembro, outubro e novembro com médias máximas de 38 C, e o período mais frio em junho, julho e agosto com médias mínimas de 20 C. Trata-se da região que tem menor índice pluviométrico do Estado do Acre. A faixa anual está entre a mm. Os meses mais chuvosos duram de 6 a 5 meses e correspondem aos meses de novembro a março/abril e os meses com menor índice pluviométrico são junho a agosto. Analisando as máximas e mínimas, observa-se que há uma grande variação da quantidade de chuvas para o mesmo mês durante os anos, sendo que esta maior variabilidade ocorre no período de chuvas. Estes dados dão uma visão da disponibilidade de água no ano agrícola, podendo ser a base para um calendário agrícola no assentamento, principalmente, para as fases críticas de semeadura e colheita Hidrografia O estado do Acre é formado por duas bacias hidrográficas Vale do Alto Juruá e Vale do Acre/Purus, que formam as duas mesorregiões existentes: Alto Juruá e Vale do Acre. Estas duas mesorregiões, com um total de 22 municípios, estão subdivididas em cinco microrregiões duas no Vale do Juruá (Cruzeiro do Sul e Tarauacá) e três no Vale do Acre (Rio Branco, Sena Madureira e Brasiléia). O principal recurso hídrico na área é o rio ipamanu, que margeia o PAE no extremo sul. No interior do assentamento, vários igarapés ocorrem, inclusive com nascentes localizadas no seu interior Meio Biológico Vegetação A tipologia florestal dominante na área é o de Floresta Densa, com ocorrência de floresta aluvial nas margens do rio ipamano e principais Igarapés. Observa-se no mapa que o PAE está localizado em área de Floresta Densa + Floresta Aberta com Palmeiras. A ocorrência dessas tipologias está intimamente ligada ao relevo onde estão instaladas. O ZEE do Acre descreve esses tipologias com as seguintes características: Floresta Aberta com Palmeiras - Essa fisionomia se caracteriza como floresta de dossel aberto com presença de palmeiras, apresentando também cipós em algumas áreas. Ocorrem palmeiras como A. murumuru Mart (murmuru), Astrocaryum sp. (tucumã), A. excelsa. (uricuri), E. oleraceae (açaí), Bactris maior acq. (marajá), Guilielma macrocarpa Hub. (pupunha brava), A. wallissii Huber (jaci), Maximiliana regia Mart. (inajá) e P. macrocarpa R. e p. (jarina), sendo esta em maior concentração. Iriartea sp. (paxiubinha) nas áreas de baixio e margem de igarapés. Ocorre também bananeira brava (Phenakospermum guianensis) no subosque. Observou-se grande número de clareiras naturais, fato que permite levantar a, hipótese de que as manchas de floresta aberta com grande concentração de cipós sejam originadas de clareiras antigas. A espécie Hevea brasiliensis Muel. Arg (seringueira) apresentou, nessa fisionomia, a maior concentração de indivíduos, comparando-se com as outras fisionomias. 9

15 Floresta Densa - As comunidades dessa floresta são caracterizadas por apresentarem árvores emergentes com aproximadamente 50 metros de altura. Nos dissecados em cristas e colinas, o estrato superior ocorre em agrupamentos arbóreos menores e bastante uniformes, atingindo aproximadamente 30 metros de altura. Apresenta bastante regeneração arbórea nas diferentes situações topográficas, no entanto há maior número de espécies de porte arbustivo e palmeiras nos talvegues. As espécies mais encontradas são: Assacú (Hura creptans), Amarelão (Apuleia moralis), Castanha do Brasil (Bertholletia excelsa), Mata-matá (Eschweflera odora), Tauari (Couratari macrosperma) Fauna De acordo com informações obtidas do ZEE/AC, a lista de espécies existentes no Acre apresenta cerca de espécies confirmadas, além de 116 animais que só foram identificados até o nível de gênero (podendo significar uma nova espécie ou não). Da ocorrência de espécies da fauna de vertebrados 8% são anfíbios, 52% aves, 15% mamíferos, 18% peixes e 7% são répteis. O grupo das aves apresentou maior riqueza de espécies, ACRE (2000). A fauna na região foi descrita de acordo com as informações obtidas com as populações residentes ao entorno da área e por observações em campo entre outras coletas de dados. Dentre os mamíferos podemos citar alguns representantes como: morcegos, cutia, paca, onça, macacos (com várias espécies), porcos do mato, cateto, quatipurú, tatu, veado, dentre outros. A avifauna está representada por: araras, papagaios, sanhaço, gavião, urubu-rei, jacu, garça, corujas, tucano, dentre outras várias espécies. Dentre os répteis podemos destacar as diferentes espécies de cobras como: pico de jaca, boipeva, caninana, surradeira, coral, papagaio, papa-ova, jibóia, salamandra, etc. Além dos ofídios, podemos citar: jacaré, jabuti entre outros. Os peixes são representados por grandes bagres como: surubim, jaú, pirarara, bico de pato, etc; ainda, pode-se encontrar: jatuarana piabas, piau, piranha, entre muitos outros Meio Sócio-Econômico O Projeto de Assentamento Agroextrativista Chico Mendes foi criado pelo INCRA. Apesar de a comunidade ali residir a muitos anos, somente em abril de 1989 é que se deu o ato de criação do PAE. Atualmente todos já receberam os Créditos Habitação do INCRA. Em 2002 foi construído um ramal financiado pelo INCRA e administrado pela prefeitura de Epitaciolândia, que atende à maioria das famílias. Hoje, este ramal, distante a 19 km da saída da BR 317, possui 9 km até o final de uma das bifurcações e mais 5 km até o final da outra e sua manutenção anual é feita pela Prefeitura de apuri. A comunidade é organizada, sindicalizada e comercializa sua produção de borracha e castanha com a Cooperativa Agroextrativista de apuri, da qual os produtores são associados. Os seringueiros têm o suporte da fábrica de camisinhas Natex, com postos de recolhimento do látex. Há o posto de recolhimento principal e outros menores espalhados pelo seringal para que o material de armazenamento da borracha, como a amônia não contaminem as pessoas que vivem no local. Toda semana os encarregados da fábrica de camisinhas Natex buscam a produção da semana, a qual já teve devidamente medida, a porcentagem de água contida no látex. Na área do PAE-CM, vizinho ao Seringal Equador, existe um núcleo na colocação Fazendinha onde estão instalados galpões para a compra e armazenamento da castanha e da borracha. Neste núcleo existe também uma hospedagem com pousada, instalações sanitárias, cozinha, um chapéu de palha (uma barraca, coberta de palha e sem paredes) para reuniões e cursos. Além disso, neste local existe um sistema de iluminação, utilizando-se da rede elétrica estadual, e há também dois postos de saúde e quatro escolas. 10

16 2.4. Zoneamento da Propriedade O uso atual de terras é basicamente composto por roçados, pastagens para a criação de bovinos, eqüinos, caprinos e ovinos (acontece com menos freqüência) e floresta. Nos roçados observam-se as seguintes culturas: mandioca, arroz, feijão, banana e em algumas localidades mamão. A floresta contribui com parte da renda, como já foi descrito, através da castanha do Brasil e açaí, principais produtos extrativistas explorados Macrozoneamento da propriedade Com o objetivo principal de mapeamento dos diferentes usos das áreas das colocações para melhor planejar suas atividades, ressaltando que o zoneamento é a base para o planejamento do manejo florestal, os trabalhos foram realizados através da coleta de pontos dos limites e confrontantes das colocações participante do grupo de manejadores. Com uso de GPS portátil e com o auxílio dos moradores e de seus confrontantes (vizinhos), foram levantados os seguintes dados: Limite da colocação: os moradores juntamente com os seus vizinhos em comum acordo para evitar possíveis contestações sobre a definição dos limites indicaram os pontos extremos que formam os limites da colocação. Cada ponto foi registrado no GPS, enumerado e catalogado para posterior processamento; Área de atividade agrícola (roça): as áreas destinadas para cultivo agrícola foram mapeadas e catalogadas; Área de pastagem: assim como a roça, as áreas de pastagem foram levantadas. O macrozoneamento das áreas da propriedade foi realizado usando como base os seguintes passos: Legislação sobre meio ambiente (Código Florestal e /2002); Informações de imagem de satélite georreferenciada (CBERS II, , com passagem em 11/12/2006); Base Cartográfica DSG 1: ; Informações dos manejadores e informações coletadas em campo através de GPS portátil. Abaixo pode ser observada a tabela com os resultados do macrozoneamento da área das colocações envolvidas no manejo. 11

17 Tabela 2: Resultados obtidos com o macrozoneamento Proprietário Colocações Propriedade Área de Manejo Florestal % AMF Áreas Convertidas %AC José Ricardo de Oliveira Botafogo 318,84 ha 106,27 ha 33,33% 12,29 ha 3,85% Francisco Menezes da Silva Brasil 1052,71 ha 98,78 ha 9,38% 43,66 ha 4,15% João Nunes Moreira Caco da Cuia I 372,81 ha 98,17 ha 26,33% 10,47 ha 2,81% Milton Nunes Moreira Caco da Cuia II 298,39 ha 101,47 ha 34,01% 13,64 ha 4,57% Ilsiney Sena Castro Centro dos Caboclos I 296,47 ha 101,56 ha 34,26% 20,71 ha 6,98% José Ribeiro da Silva Centro dos Caboclos II 601,29 ha 103,66 ha 17,24% 22,57 ha 3,75% Manoel Ribeiro da Silva Chora Menino I 131,47 ha 80,43 ha 61,18% 24,61 ha 18,72% Reinaldo Ferreira da Silva Chora Menino II 383,34 ha 97,38 ha 25,40% 16,48 ha 4,30% Francisco Paes de Souza Limoeiro I 174,68 ha 100,33 ha 57,44% 26,94 ha 15,42% Ilson Medeiros de Castro Limoeiro II 454,00 ha 98,43 ha 21,68% 59,63 ha 13,13% Raimundo de Souza Maciel Nova Vida I 157,48 ha 100,82 ha 64,02% 1,24 ha 0,79% José Maria Evangelista da Silva Nova Vida II 278,18 ha 100,46 ha 36,11% 10,76 ha 3,87% Raimundo Nonato Santiago Nova Vida III 104,89 ha 85,70 ha 81,71% 0,00 ha 0,00% Manoel das Graças Santiago Nova Vida IV 202,87 ha 99,64 ha 49,12% 1,41 ha 0,69% Edival Alves da Silva Palmares I 183,14 ha 101,14 ha 55,23% 0,00 ha 0,00% Isaias Rodrigues de Menezes Paçoca I 81,97 ha 61,24 ha 74,71% 0,00 ha 0,00% Marcus Sebastião Nobre Menezes Paçoca II 229,50 ha 98,69 ha 43,00% 2,47 ha 1,08% Sebastião Paes de Souza Salvador 285,55 ha 101,49 ha 35,54% 17,72 ha 6,21% Narciso Gonçalves Bezerra Santa Julia 385,16 ha 101,76 ha 26,42% 17,35 ha 4,51% Mário Aurélio Santiago São Bento 211,46 ha 101,54 ha 48,02% 14,12 ha 6,68% Marilzo Alves de Moura São Raimundo II 245,02 ha 101,78 ha 41,54% 3,89 ha 1,59% Irmãos Alves Miranda São Salvador I e II 820,83 ha 412,49 ha 50,25% 19,91 ha 2,43% Sebastião Reis da Silva Tabocal 220,59 ha 100,31 ha 45,47% 6,14 ha 2,78% Gilson Soares de Oliveira Vitória 110,35 ha 84,87 ha 76,91% 10,29 ha 9,32% TOTAL 7.600,99 ha 2638,43 ha 34,71 % 356,260 ha 4,69%

18 2.5. Descrição dos Recursos Florestais Inventário Florestal Amostral Produtos Florestais Não Madeiráveis Produtos florestais não madeireiros (PFNM), embora utilizados há centenas de anos, apresentam baixo valor comercial agregado, principalmente devido à escassez de capital e tecnologia no processo de produção (Ticktin, 2004). Mesmo com o aumento do uso de Produtos Florestais Não Madeireiros PFNM - ainda pouco se sabe acerca dos padrões de produção e comercialização, talvez pela falta de investimentos financeiros, políticas públicas e pesquisa científica em prol de novas descobertas sobre a flora não madeireira Amazônica. Os produtores envolvidos nesta atividade, geralmente extrativistas, ficam à margem de conseguir um retorno econômico justo pelo seu trabalho. Falta agregar valor aos produtos extraídos o que possibilitaria aumento nos lucros dos extrativistas, já que a maior parte da renda fica concentrada nas mãos dos intermediários. A assistência técnica ajudaria também a aprimorar e colaboraria para a continuidade da atividade, cujos métodos tradicionais de extração normalmente geram um grande desperdício de matéria prima, qualidade e um baixo preço pago por estes produtos. A dificuldade de acesso às áreas onde os PFNM são mais abundantes, particularmente na Amazônia, é também um dos entraves que mantêm a retirada a granel destes produtos, colocados imediatamente à venda sem maior possibilidade de agregação de valor, devido ao alto custo de transporte até os pontos de comercialização dos centros consumidores Inventário florestal diagnóstico Utilizou-se como parâmetro para o inventário Florestal diagnóstico o Plano de Manejo Florestal de Uso Múltiplo com rendimento sustentado da reserva extrativista São Luis do Remanso Braz et AL 1997, localizada a aproximadamente 50km da área em questão, na mesma bacia hidrográfica. Este documento encontra-se em meio digital, em anexo. 13

19 INFORMAÇÕES SOBRE O MANEJO FLORESTAL O manejo florestal visa obter benefícios econômicos, sociais e ambientais de forma sustentável, colaborando na melhoria da qualidade de vida dos comunitários, na continuidade do estoque de matériaprima para indústrias madeireiras e promovendo a regeneração natural, através do monitoramento do desenvolvimento da floresta remanescente, para isso faz o uso dos recursos ambientais renováveis e dos processos ecológicos de forma sustentável, socialmente justa e economicamente viável Sistema Silvicultural O sistema de manejo adotado tem como princípio a exploração de apenas uma parte das árvores comerciais que atingiram o tamanho de corte. Árvores de tamanho intermediário e parte de árvores com diâmetro de corte constituem o estoque para o próximo ciclo. A floresta é submetida a uso de técnicas silviculturais que reduzem os danos à floresta residual, bem como os custos de exploração, visando aumentar a produção das espécies de valor comercial, com redução do ciclo de corte. Este sistema é denominado Sistema de Manejo CELOS SMC e foi desenvolvido nas florestas tropicais do Suriname, pela Universidade de Waginengen da Holanda e apela Universidade de Kom, do Suriname, tendo início em No presente Plano Operacional Anual (POA) o ciclo de corte previsto será de 25 anos e a intensidade de corte de no máximo 10 m³/ha. O princípio geral do sistema proposto preconiza que a regeneração natural de espécies desejáveis pode ser promovida pela distribuição dos impactos ao longo do tempo, reduzindo a competição com espécies pioneiras, com menos danos ao ecossistema como um todo e sem perda de produtividade (D'Oliveira, 2000). A repetição das intervenções feitas na floresta, em menor escala do que nos projetos de manejo florestal tradicional e em períodos curtos, junto com a aplicação de tratamentos silviculturais, cria um mosaico de clareiras, com diferentes idades, que permite o crescimento e regeneração da floresta conservando sua estrutura e biodiversidade (D'Oliveira et al., 1998). O presente Plano de Manejo contará com uam área de Manejo dividida em 24 colocações, onde, após exploração florestal, serão mantidas em pousio durante 25 anos. Os trabalhos de campo são realizados exclusivamente por profissionais da área e os agentes florestais comunitários já capacitados para tal fim, o que aumenta a experiência dos comunitários, bem como diminui a dependência pela assistência técnica, cujo maior papel é facilitar o processo de aprendizagem da comunidade. Procura-se também incentivar a geração de trabalho através da prestação de diversos serviços pelo pessoal da própria comunidade como: motosserristas, donos de bois para o arraste, entre outros Cronologia das Principais Atividades do Manejo Florestal As cronologias das atividades a serem desenvolvidas e respectivas descrições estão apresentadas na tabela a seguir: Tabela 3: Cronologia das atividades a ser desenvolvidas no Manejo Florestal FASES ATIVIDADES DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 1 a Fase Zoneamento das colocações Delimitação das colocações dos proprietários que desejam executar o manejo em sua área de floresta. O zoneamento é importante na organização dos dados que serão coletados no inventário, pois é ele que irá fornecer informações sobre a área de cada colocação e uso do solo. Depois de realizado, o zoneamento é apresentado aos manejadores para aprovação, caso todos concordem com os limites estabelecidos. 14

20 FASES ATIVIDADES DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 2 a Fase Inventário Florestal Diagnóstico 3ª Fase 4 a Fase 5 a Fase Abertura das picadas e delimitação das UT s Inventário Florestal a 100% Microzoneamento Processamento dos dados Elaboração de mapas Elaboração do PMFS Elaboração do POA Apresentação junto ao órgão ambiental - IMAC Acompanhamento da exploração Processamento de dados pós-exploratório Elaboração do Relatório pós-exploratório Inventário amostral realizado na área de manejo florestal, com objetivo de estudar as espécies com potencial florestal e seus estoques (regeneração florestal), os quais nortearam as atividades de exploração florestal. Essa atividade é a base para o manejo florestal, pois irá abrir picadas na floresta para que a equipe de inventário florestal possa realizar a coleta dos dados, bem como delimitar as unidades de trabalho O inventário florestal é o levantamento das árvores inseridas nas unidades de trabalho. É ele que fornece informações como: estado físico, localização na UT, DAP, altura estimada, qualidade de fuste e faz observações. O microzoneamento tem a função de acrescentar informações importantes ao inventário tais como declividade da área, áreas de preservação permanente, hidrografia, usos do solo e outras. O processamento consiste na fusão das informações obtidas com o inventário e com o microzoneamento. A partir dessas informações realiza-se desde a seleção das árvores até o planejamento da exploração. Os mapas indicam e nos fornecem informações importantes sobre a área, localização, usos do solo, etc. Documento que reúne as informações necessárias ao Manejo Sustentável, sobre a área em questão. São as informações coletadas e processadas, é composto basicamente por planilhas e mapas. Protocolo. Atividade suporte para que o planejamento realizado aconteça obedecendo todas as normas impostas. Informações coletadas durante a exploração são processadas e a partir delas é elaborado o relatório pós-exploratório. União das informações coletadas, e já processadas, durante o acompanhamento da exploração Espécies Florestais a Manejar e a Proteger Espécies Florestais prioritárias ao manejo florestal, classificadas por uso Foram consideradas no inventário todas as árvores acima de 120 cm de circunferência a altura do peito (CAP), equivalente a 40 cm de diâmetro (DAP), com exceção de árvores protegidas por lei, como castanheira, seringueira e mogno, bem como algumas outras espécies cujas propriedades da madeira são impróprias para utilização comercial, bem conhecidas pelos seringueiros das áreas e o mateiro. Também as árvores mortas naturalmente, em pé e caídas, são consideradas no inventário 100%, já que terão sua madeira aproveitada para fins comerciais. Abaixo segue a lista das espécies encontradas na área, com o uso classificado em Serraria, para espécies cuja madeira tem utilidade para construção civil, estacas, movelaria, e caixotaria. Laminação é a classificação dada às espécies que se destinam exclusivamente para a confecção de painéis de madeira laminada. 15

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Nome do empreendimento: Associação Seringueira Porto Dias CNPJ: 01.444.236/0001-80 Presidente: Raimundo Ferreira da Silva Código FSC:

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal JARBAS ALESSANDRO DA SILVA ANDRADE Manaus dezembro 2006 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFICIONAL E TECNOLOGIA ESCOLA AGROTECNICA

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

1. Manejo Florestal Sustentável

1. Manejo Florestal Sustentável Plano de Manejo Florestal Sustentável - PMFS - Serviços - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente 1. Manejo Florestal Sustentável 1.1. Introdução 1.2. Conceitos O inciso IX do Art. 2º da {phocadownload

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Belém, 13 de maio de 2014.

Belém, 13 de maio de 2014. Belém, 13 de maio de 2014. Ao Ministério Público Federal Procuradoria da República no Estado do Pará À Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 Índice 6 -... 1 6.1 - Delimitação das... 2 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 6.1.2 - Área de Influência Indireta (AII)... 2 Índice de Quadros Quadro 1 - Lista dos Municípios da Área de Influência

Leia mais

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Monitoramento dos Impactos à Comunidade Plano de monitoramento dos impactos sociais Os impactos

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais