72 Revista da ESPM - Março/Abril de 2001

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "72 Revista da ESPM - Março/Abril de 2001"

Transcrição

1 72 Revista da ESPM - Março/Abril de 2001 *S *SÉRGIO LUIZ DO AMARAL MORETTI

2 Revista da ESPM - Março/Abril de PALAVRAS-CHAVE: INOVAÇÃO; CONSULTORIA EMPRESARIAL, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO, EDUCAÇÃO CORPORATIVA INTRODUÇÃO O cenário atual de rápidas mudanças nos negócios em geral tem provocado uma verdadeira revolução nas organizações no que tange ao preparo do seu pessoal para o acompanhamento de suas atividades atuais e a determinação das atividades futuras. Cremos que nessa questão reside a concentração do interesse, por diversos autores, em questões que tangenciam o mesmo ponto, porém com foco e abordagens diferentes, como as obras dedicadas aos temas de gestão da mudança e da inovação, treinamento e desenvolvimento, desenvolvimento organizacional, organizações de aprendizagem, gerenciamento do conhecimento, capital intelectual e educação, e ou universidade corporativa. Esses temas buscam aproximar questões básicas para as organizações, como: o preparo dos funcionários, em habilidades técnicas e gerenciais para melhor desempenho, e em suas necessidades do diaa-dia dos negócios, quanto ao pensamento e futuro planejamento estratégico da inovação, em qualquer das funções ou processos estabelecidos, ou por estabelecer para sua permanência no negócio. O grau de qualidade deste trabalho parece ser a questão fundamental, pois pode determinar o grau de competitividade de uma organização, em um cenário de intensa mudança e concorrência cada vez mais crescentes, na maioria dos setores. Este artigo buscará aproximar as vertentes mais importantes das questões apresentadas e apontar a relação entre elas. Consideraremos a necessidade de inovação permanente nas organizações como condição para melhorar sua...uma atitude que permite às empresas enxergar o presente pelo olhar do futuro... e, principalmente, instilar novidades. competitividade, buscando soluções mais atrativas para consumidores cada vez mais experientes e tendo à sua disposição um elenco cada vez maior de opções e, por outro lado, a capacitação dos funcionários dentro da óptica de que mesmo no que tange a processos e técnicas a presença humana é fundamental, como podemos observar (STEWART:98) que dinheiro e equipamentos não pensam ao contrário das pessoas. Essa abordagem, da linha do capital intelectual, também é comentada (EDVISSON & MALONE:98) no reforçar do aspecto do fator humano como gerador, ou iniciador do processo que leva aos caminhos da inovação nas organizações. Essa convergência é apontada em várias obras (SENGE:95)(VICO:93) (MARIOTTI:95) (STEWART:98) (DRUCKER:00), para citar algumas mais importantes. Seu foco, basicamente, constitui-se em uma constatação já observada (VICO:99:45), na linha das learning organiazation, de que o ambiente organizacional sofre mudanças, e de que o aprendizado na organização é algo corriqueiro, ocorrendo de forma contínua, tendo a organização a incumbência de gerar um novo conhecimento e colocá-lo em prática. Como por exemplo, dentro da linha de organizações de aprendizagem (MARIOTTI:95:50) afirma que a educação organizacional continuada faz parte de uma visão de negócios sistêmica, complexa e sustentada. Ou, ainda, na linha mais puramente gerencial (DRUCKER:00:73) sugerindo que, para uma organização ser uma líder de mudanças, precisa de inovação sistemática, sendo a principal razão a necessidade de produzir uma mentalidade para que se vejam mudanças como oportunidade. Como conseguir essa "mudança" sem que se prepare as pessoas para encarar o novo, visualizar um novo negócio, ou produto/serviço, ou ter uma visão mais sistêmica, sinérgica, diríamos, da organização onde trabalham? Veremos a seguir como podemos conciliar essas vertentes, tentando demonstrar a importância da consultoria empresarial no desenvolvimento da capacitação do pessoal, visando a inovação, em uma organização, para o melhor desempenho em seus negócios. Inovação e mudanca nas organizações Buscamos uma definição (ROGERS:95) que pudesse servir como ponto de partida para o desenvolvimento deste item um tanto mais polêmico do que parece. Foi mantida na língua original para preservar a idéia do autor "An innovation is an idea, practice, or object that is perceveid as new by an individual or other unit of adoption. It matters little, so far as human behavior is concerned, whether or not an idea is objectively new is mesasured by the lapse of time since its first use or discovery. The perceived newness of the idea for the individual determines his or her reaction to it. If the idea seems new to the individual,it is an innovation". Cremos que essa afirmação fundamenta melhor o foco desse conceito neste artigo (grifo do autor), e ganhamos tem-

3 74 Revista da ESPM - Março/Abril de 2001 Tabela 1 po para expandir um pouco mais a abordagem dentro do conceito proposto. A noção fundamental (VICO:93:37) que determina o termo inovação é a busca da condição fundamental de competitividade nos negócios, é a necessidade de ser competitivo, de manter-se vivo ou de atirar-se e manter-se à frente dos concorrentes. Encarar o desafio de manter o aprendizado (SENGE:99:26) é uma das principais questões hoje para as organizações "Hoje nas empresas e em todas as organizações, a palavra change (mudança) tem uma porção de conotações contraditórias. Às vezes ela se refere a mudanças externas em tecnologia, nos clientes, na concorrência, na estrutura de mercado ou no ambiente sociopolítico...change (mudança) também se refere a mudanças internas: como a organização se adapta ao meio ambiente." Essa proposição é reforçada dentro de uma outra perspectiva (KUCZMARSKI:98), onde o autor defende que inovar está condicionado a uma atitude que permite às empresas enxergar o presente pelo olhar do futuro... e, principalmente, instilar novidades. Segundo os dois autores citados, temos a indicação de que inovação trata do futuro, porém com a condição de que se tomem as medidas adequadas, através de ações que são decididas e iniciadas no presente. A Tabela 1 abaixo (VICO:00) mostra as respectivas áreas e suas características, deixa bem claro que todas as áreas envolvidas têm uma dependência da questão das pessoas, ou seja, dos funcionários de uma organização, em qualquer atividade nas quais estejam envolvidos. Essa questão (KANTER:98:20) também é abordada mostrando que toda estratégia de gestão empresarial deve englobar a organização como um todo, fornecendo condições para que a mesma se torne mais inovadora. "Uma característica universal das empresas inovadoras é uma cultura aberta. Uma cultura que abrange as relações em todas as direções: todas as funções e departamentos internamente com toda a ligação externa que seja potencialmente benéfica." O foco nas pessoas parece ser fundamental As pessoas dentro da organização, por mais ímpeto criativo que possam ter, esbarrarão em dificuldades originadas pelas resistências culturais que pouco a pouco irão minar sua capacidade de gerar propostas para estudo, debate e análise. Áreas-alvo de mudança e suas implicações nas Organizações Atividades sem as quais as ações de inovação podem não se tornar possíveis (KAO:98:31) "Se pessoas talentosas vêem suas idéias morrerem por causa de má administração, elas perdem a confiança no processo de inovação como um todo". É importante destacar o fato de que o foco também está ligado a um pensamento nãoconformista, revolucionário (HAMEL:98), sendo preciso democratizar o processo de criação da estratégia das empresas, buscando incentivar os revolucinários dentro de seus quadros, pois é neles que reside a esperança de renovação. O mesmo autor sugere uma classificação diferenciadora de empresas: "Revolucionárias", ou aptas à inovação, e "Conservadoras" ou resistentes às mudanças. Conforme a Tabela 2 abaixo. Tabela 2 Classificação de Hamel para tipos de empresas inovadoras Grupo "Conservador" Ritualista Reducionista Elitista Acha fácil criar uma estratégia Projeta o futuro a partir do presente Defende o posicionamento atual Grupo "Revolucionário" Inquisidora Expansionista Democrática Exigente Imagina como será o futuro Gosta de novas idéias Verificamos que é necessário que todos os níveis organizacionais estejam envolvidos, nas funções de incentivar, motivar, e acolher toda e qualquer sugestão que possa levar ao desenvolvimento das atividades dos negócios da empresa. A importância da inovação no cenário atual A argumentação que se segue foi baseada, na sua maior parte, em uma série de artigos (originalmente, publicados na revista The Economist) sobre a Inovação na Indústria, no jornal Gazeta Mercantil. Área Empreendimento Estrutura Tecnologia Comportamento Implicações Mudanças no produto, mercado, negócios Realocação de pessoal, hierarquias, redes Mudanças de processos, equipamentos, relação homem x máquina Mudanças de atitude e habilidades nas pessoas

4 Revista da ESPM - Março/Abril de As pessoas dentro da organização, por mais ímpeto criativo que possam ter, esbarrarão em dificuldades originadas pelas resistências culturais que pouco a pouco irão minar sua capacidade de gerar propostas para estudo, debate e análise. A Inovação tornou-se a religião do setor industrial no final do século XX, sendo uma unanimidade entre as empresas e os outros setores da sociedade como fator de progresso e adequação ao novo cenário digital e globalizado atual. O termo, bastante difundido, da forma como é utilizado, pode significar ao mesmo tempo a criação de um processo ou produto melhor, mas também a substituição de um material mais barato em um produto existente, por exemplo. Uma boa forma de se explicar a Inovação é mostrar o que ela não é. O fabricante de câmeras de vídeo, que lança um produto com recursos melhores, está tentando melhorar sua posição, mas não está inovando. O lançamento do gravador videocassete, inicialmente pela Sony, com o Betamax e depois pela JVC, com o sistema VHS, (adaptação do invento da americana Ampex, voltado para o setor industrial de TV), inovou ao criar uma nova indústria voltada para o varejo. Nesse processo, toda a tecnologia japonesa foi colocada a serviço de miniatuarizar os componentes, criar uma nova polegada para as fitas de gravação, sem dúvida, e saber como montar parcerias e vender o novo produto aos consumidores. Atualmente, mais da metade do crescimento Tabela 3 econômico dos EUA vem de indústrias que não existiam há uma década. O vale do Silício tornouse uma lenda na indústria e nos negócios concernentes à Nova Economia, o que parece ser comprovado também pelo índice Nasdaq, que já rivaliza com índice Dow Jones na bolsa de Wall Street, NY. Em termos estritamente econômicos, sua importância parece ser corroborada pelo papel que a Inovação desempenha no crescimento econômico, o que sem dúvida atrai a atenção dos financistas, que projetam ganhos futuros sobre novos mercados a serem criados pelas Inovações. Existe um desenho ideal de empresa inovadora? Um levantamento realizado nos EUA pela pesquisadora especialista em criatividade Karen Anne Zien, (STEVENS:98) mostra que as experiências de empresas como Motorola, Monsanto, Chrysler e Sony, reconhecidas como inovadoras, obedecem a cinco características básicas nesta questão, conforme a Tabela 3 abaixo: Características das empresas inovadoras Perfil da Inovação Generalizada Estimulada Sem limites Cultuada Interativa Defende o posicionamento atual ganizações trabalharão com essa questão sempre de acordo com o estágio de seu próprio desenvolvimento e do preparo de seus funcionários para lidar com este delicado aspecto. Lembramos que a inovação é um jogo de alto risco, que pode gerar um excelente negócio, com muitos lucros ou um tremendo prejuízo para a empresa. Depende dos cuidados tomados em sua geração. Ou seja, se por um lado é necessário mudar para inovar, mais necessário ainda se torna cuidar para que não se perca, neste processo, os fundamentos da própria organização. Para isso, é preciso foco e direção bem ajustados. E, também, uma boa noção de por onde começar. O prof. Vico propõe que os estágios de mudança obedeçam a um esquema natural, respeitando dinâmica da organização nos aspectos culturais. Sua argumentação é que, seguindo uma linha natural, a área de maior nível de resistência será mais refratária à mudança. Por outro lado, esta ocorrerá, desde que incentivada, nas áreas onde há maior disponilização e inclinação, e, também, necessidade de mudança. Seus três estágios, segundo o prof. Vico, são como segue: 1. A Inovação segue a linha de menor resistência; 2. A Inovação é utilizada para melhorar tecnologias anteriores. Este estágio Características Todos, em qualquer nível, estão comprometidos O clima de inovação é instaurado pelo dirigente da empresa Os experimentos estão dissiminados além da área Tecnológica A cultura da empresa é voltada para valorizar este aspecto Os canais, internos e externos, estão abertos, formando redes de mudanças Torna-se claro que não existe um só caminho para se chegar a uma, poderíamos dizer "Cultura da Mudança". As orpode depender de satisfação, ser muito longo, passando por um período muito demorado na sua maturação;

5 76 Revista da ESPM - Março/Abril de São descobertos os novos usos ou direções que crescem a partir da própria tecnologia. Com o exposto, procuramos demonstrar que o processo de mudança de uma empresa está ligado ao processo de inovação, estando por sua vez imbricado no processo estratégico. Este fato implica depender, não só das estratégias e processos, mas, pelo motivo acima, das pessoas. Porém, temos que dar atenção a todas as áreas, principalmente a da capacitação e muitas vezes da dependência externa de um agente que pode ser o iniciador de um processo de mudanças, não só nos aspectos estratégicos e operacionais, mas principalmente de capacitação do pessoal envolvido na operação da organização. A consultoria empresarial e a inovação Se pessoas talentosas vêem suas idéias morrerem por causa de má administração, elas perdem a confiança no processo de inovação como um todo. O objetivo desta parte do artigo consiste em demonstrar a adequação do instrumento de T&D na atuação do consultor empresarial, apontando a sinergia entre o trabalho específico em uma situação-problema dentro da empresa-cliente, exigindo, como já mencionamos, metodologias e técnicas para o seu exercício, mas também a necessidade de se treinar e desenvolver os seus executivos ou funcionários, para permitir a perenização, e permanência dos referidos conhecimentos e habilidades. Esta seria, em última análise, a função primeira do consultor empresarial, permitindo que a consultoria empresarial seja realizada, com e para o cliente, sem o qual o próprio sentido do trabalho não estaria adequado, pois a empresa não adquire somente uma solução provisória, mas também a incorporação, em sua cultura, destas metodologias e técnicas. (OLI- VEIRA:96) O contexto do qual tratamos é o da organização empresarial, conjunto de pessoas trabalhando juntas para alcançar um objetivo comum, dentro de um complexo ambiente externo e interno, interagindo permanentemente, e exigindo um conjunto de conhecimentos e habilidades necessárias para o melhor desempenho competitivo em seu negócio. (STONER; FREEMAN:99) Dentro desse contexto, muitas vezes, é necessário o trabalho de um agente externo, capaz de realizar mudanças que permitam o maior grau de adequação desta organização ao seu ambiente externo, e interno. Essas mudanças devem ser de ordem metodológica, em alguma habilidade específica, e, também, cultural. Essa mudança é proporcionada, em nosso caso, pelo consultor empresarial. A consultoria é um serviço independente (KUBR:86), implicando uma ligação provisória e pontual com a empresacliente, sendo também, essencialmente, um serviço de aconselhamento, indicando que os consultores não estão a cargo da gestão das empresas, mas que sua função é prover um conhecimento profissional e habilidades relevantes para a solução dos problemas para os quais o consultor empresarial foi contratado. O consultor empresarial é um agente externo de mudanças, com capacidade e competência para desenvolver novos comportamentos, atitudes, e processos, obtendo estes resultados, utilizando, entre outros, o recurso do Treinamento e Desenvolvimento T&D, deixando como fruto de seu trabalho habilidades e conhecimentos para a empresa, presente nos seus executivos, e ou funcionários. (OLIVEIRA:96) Incorporando essa função a seus afazeres, na busca de uma maior eficácia de atuação, o consultor empresarial torna-se, também, um agente a cargo de uma ação educacional, na medida em que T&D pode ser relacionado a educação profissional que visa ao desenvolvimento profissional, entre outros atributos. (CHIAVENATO:97) É importante destacar que o trabalho do consultor empresarial (OLIVEI- RA:96), deve se concentrar no como e não no que vai ser realizado. Entende-se neste ponto que o consultor empresarial é contratado pela empresa-cliente, por ser detentor de determinadas metodologias e técnicas que o tornam capaz de solucionar situações-problema, previamente detectadas pela empresa, de forma total ou parcial, sendo esta a principal razão de sua intervenção. Entre todos os recursos de T&D que o consultor dispõe para executar eficazmente suas tarefas, pode-se destacar o treinamento na tarefa, também conhecido como On The Job Training OJT, como sendo o ideal, pela facilidade com que os objetivos de desenvolver metodologias e técnicas pode ser exercido. Alguns autores, entre eles (CHIA- VENATO:97) (SVENSON; RINDE- RER:92) (BÍSCARO:94), discorrem sobre a metodologia mencionada, estando de acordo com sua efetividade. Pode-se reforçar sua utilização como especialmente eficaz para o nível gerencial (STONER; FREEMAN:99), segmento em que a atividade do consultor empresarial é mais comum. O papel do consultor empresarial e do T&D na mudança organizacional O consultor (OLIVEIRA:96:60) deve ser "...capaz de desenvolver comportamentos, atitudes e processos que possi-

6 Revista da ESPM - Março/Abril de bilitem a empresa transacionar proativamente e interativamente com os diversos aspectos do ambiente e do sistema no qual está trabalhando". O consultor não tem a obrigação de conhecer o negócio da empresa-cliente mais do que os executivos que estão a cargo da gestão. Por outro lado, o trabalho ideal de consultoria deverá buscar uma sinergia poderosa na parceria entre os executivos da empresa com seu conhecimento do negócio e do consultor empresarial com suas metodologias e técnicas. Conciliando e harmonizando essas duas competências, com o espírito de uma verdadeira parceria, possuindo o espírito de uma verdadeira transferência de tecnologia, pode-se obter o resultado mais eficaz para o trabalho de consultoria empresarial. Corroborando o exposto, o Código de Ética do Consultor de Organização (90), do IBCO Instituto Brasileiro de Consultores de Organização define o papel do consultor da seguinte forma: "O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir os clientes na melhora de seu desempenho, tanto nos aspectos de eficiência, quanto na introdução de tecnologia, ou seja, no aprimoramento das relações interpessoais. Em função de seu papel de inovador, adquire uma grande influência sobre a organização-cliente e sobre as pessoas com quem interage, tendo, portanto, uma correspondente responsabilidade profissional e social". Mostrando a origem (CARVA- LHO:94) do verbo treinar oriunda do latim trahëre, que significa trazer/levar a fazer algo. Dos pais que ensinam os filhos, aos mentores das modernas empresas, todos estão treinando alguém em algum momento. Isso quer dizer que alguém é capaz, em determinado momento, de ensinar outra pessoa a fazer algo que não fazia antes, e que poderá continuar fazendo sem a assistência inicial. O fabricante de câmeras de vídeo, que lança um produto com recursos melhores, está tentando melhorar sua posição, mas não está inovando. Ainda, segundo o mesmo autor, o conceito de desenvolvimento também sempre existiu, tendo sua origem do latim (des, para ênfase + en = para dentro + volvere = mudar de posição, lugar). Entre nós, o termo tomou o significado de fazer crescer, progredir. O que se pretende num processo de desenvolvimento é preparar uma pessoa para funções mais complexas, buscando uma abrangência maior e uma atuação mais diversificada. Reforçando esta particular diferença, STONER e FREEMAN(99) mostram que os programas de treinamento objetivam a melhora do desempenho atual dos membros da organização, enquanto os programas de desenvolvimento buscam novas habilidades para trabalhos futuros. Evidencia-se, dessa forma, a função estratégica do T&D, na medida em que, ao investir em seu pessoal, as organizações estão buscando uma melhora de desempenho atual ou futuro, adaptandose às mudanças do seu ambiente de negócios. Ao convergir os dois conceitos, de T&D e consultoria empresarial, procuramos mostrar sua sinergia natural, e, vinculando o trabalho de consultoria empresarial ao de treinamento, procuramos mostrar a necessidade da utilização desta ferramenta para o sucesso deste trabalho. Educação profissional e inovação A educação (CHIAVENATO:97) é toda e qualquer influência que recebemos do ambiente durante nossa existência. É o preparo para a vida. Da mesma forma, a educação profissional, nosso caso específico, visa ao preparo do homem para um determinado trabalho, compreendendo três etapas, a saber: a formação profissional, preparando para uma função específica; o desenvolvimento profissional, preparando para uma carreira; e o treinamento que prepara para uma função ou cargo. A educação profissional, ou seja, o T&D, não é uma atividade isolada dentro da organização, mas, ao contrário, obedece a um princípio estratégico de servir aos seus interesses em um determinado momento, e para um fim específico, seja ele ao nível de uma área específica ou da organização em si. A questão do treinamento e da educação pode ter muitas versões. São muitas as linhas teóricas que definem ambos os conceitos. Em nosso caso, estamos nos atendo a um tipo específico de educação, a profissional, como defendemos no início deste item, que tem sua expressão no T&D como forma de desenvolvimento das potencialidades das pessoas, em nosso caso, os funcionários de uma organização. Essa função não é realizada gratuitamente, mas como função de uma necessidade de mudanças na organização. Sua relação com o trabalho de consultoria empresarial se estabelece no momento em que, para provocar mudanças na organização, ou seja na empresa-cliente, o consultor empresarial lança mão do recurso de treinar e desenvolver as pessoas envolvidas em seu projeto, como objetivo de disseminar seus conhecimentos. Assim, podemos verificar que, ao utilizar o T&D como ferramenta para alcançar seus objetivos, o consultor empresarial torna-se também o agente de uma ação educacional, estando em meio

7 78 Revista da ESPM - Março/Abril de 2001 O consultor não tem a obrigação de conhecer o negócio da empresa-cliente mais do que os executivos que estão a cargo da gestão. a um processo educacional dentro da organização. A ação educacional se dá no momento em que se torna necessário ensinar os funcionários da organização, a empresa-cliente, as habilidades e conhecimentos específicos para a solução dos problemas, sendo que então a ferramenta do T&D é acionada, pois o treinamento vinculado a uma ação de consultoria empresarial não tem o foco em si mesmo, funcionando, como já dissemos, como uma ferramenta de suporte, onde é utilizado o conhecimento do consultor. Na medida em que falamos de ação educacional, buscando um enfoque mais estratégico, a Educação Corporativa surge como objeto de pesquisa, pois é necessário acelerar a transição dos funcionários para gestores de negócios (EBOLI:99), sendo importante que se mude o foco técnico e que as organizações privilegiem os programas de aspectos comportamentais. Situamos esta mesma linha de argumentação (MEISTER:99:1) "Para compreender a importância dessas universidades corporativas...é necessário compreender as forças que sustentam esse fenômeno. Em essência são cinco: a emergência da organização não hierárquica, enxuta e flexível; o advento e a consolidação da 'economia do conhecimento'; a redução do prazo de validade do conhecimento; o novo foco na capacidade e empregabilidade/ocupacionalidade para a vida toda em lugar do emprego para a vida toda; e uma mudança fundamental no mercado de educação global". A autora indica que a questão pode estar no centro de uma convergência de mudanças proporcionadas pelas necessidades de preservar o capital intelectual nas empresas, como fator fundamental de criação de vantagens competitivas, e por outro lado, nas mudanças das organizações em direção a sistemas não hierárquicos e flexíveis. O conceito de Universidade Corporativa parece estar mais focado na montagem de um sistema de desenvolvimento de competências, no que se refere às mudanças efetivas na capacitação do pessoal da organização, notadamente, ao nível gerencial. Trata-se de uma iniciativa das empresas (EBOLI:99) que tanto pode ser interna, no sentido mesmo de manter em seus quadros sistemas permanentes de educação ou em parcerias com universidades que customizam cursos, e ou seminários e workshop, para as necessidades da empresa. De qualquer forma (EBOLI:00:1), percebemos a aproximação da questão da educação ou universidades corporativas, na medida em que objetiva o mesmo resultado exposto na questão da consultoria empresarial e seu papel de difusor do conhecimento em T&D. A missão da universidade corporativa consiste em formar e desenvolver os talentos humanos na gestão dos negócios, promovendo a gestão do conhecimento organizacional (geração assimilada, difusão e aplicação), através de um processo de aprendizagem ativa e contínua. O objetivo principal de uma universidade corporativa é desenvolver e instalar as competências empresariais e humanas consideradas essenciais para a viabilização das estratégias de negociação. Em recente artigo, podemos perceber essa aproximação (MUNNO:00) entre a abordagem de T&D e da learning organization, buscando inclusive estender para toda a cadeia de valor da empresa a função da educação corporativa, integrando fornecedores, representantes e clientes na alçada desta iniciativa. Conclusões Como vimos, existe uma clara relação entre o trabalho de consultoria empresarial e a utilização da ferramenta de T&D para sua melhor eficácia, buscando a difusão de uma mentalidade voltada para inovação dentro das empresas. O consultor empresarial é um agente externo de mudanças que intervem na organização, com o acordo e a pedido desta, com o objetivo de solucionar os problemas para os quais foi contratado. Para atingir seus objetivos, o consultor empresarial possui certos conhecimentos, expressados por metodologias e técnicas, que permitem a realização deste trabalho. A questão da educação corporativa não é o escopo deste artigo. Só foi aqui mencionada como uma abordagem nova, sendo uma questão que necessita de um aprofundamento para se relacionar com os tradicionais papéis exercidos pela consultoria empresarial e o T&D. Como sugestão para novos estudos sugerimos estudar a hipótese de que podemos estar lidando com uma abordagem mais ampla de obtenção de capacitação das organizações que poderá incluir as abordagens tradicionais já discutidas neste artigo em um sistema mais abrangente.

8 Revista da ESPM - Março/Abril de Referências Bibliográficas BÍSCARO, Antonio W. Manual de Treinamento de Desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, CARVALHO, Luiz C. F. Manual de Treinamento de Desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos - edição compacta, 4ª edição. São Paulo: Atlas, DRUCKER, Peter. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, EBOLI, Marisa. org. Universidades Corporativas - Educação para as empresas do século XXI. São Paulo: Schmuckler, 1999, Internet, artigo em 03/07/00, no site da HSM. EDVINSSON L., MALONE S. Michael. Capital Intelectual. São Paulo: Makron, GAZETA MERCANTIL. Inovação na Indústria, artigos publicados entre de março de HAMEL, Gary. Dez princípios de revolução, artigo na HSM Management, nº 6, jan-fev IBCO - Instituto Brasileiro de Consultores de Organização - código de Ética do consultor de organização. São Paulo: KANTER, R.M., KAO, J.WIERSEMA, F. Inovação. São Paulo: Negócio Editora, KUBR, Milan. Consultoria, um guia para a profissão. Rio de Janeiro: Guanabara, KUCZMARSKI, Thomas D. Por uma consciência inovadora, artigo na HSM Management, nº 6, jan-fev MARIOTTI, Humberto. Organizações de aprendizagem. São Paulo: Atlas, MEISTER, Jeanne. Educação Corporativa. São Paulo: Makron, MUNNO, José Carlos De. Organizações de Aprendizagem e Educação Corporativa, artigo elaborado a partir de disssertação da mestrado em Administração para PUC, OLIVEIRA, Djalma P.R. Manual de Consultoria Empresarial. São Paulo: Atlas, ROGER, Evereth M. Diffusion of Innovation, cap.1 no site da amazon, 22/03/00. SENGE, Peter. A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller, A dança das mudanças. São Paulo: Campus, STEVENS, Tim. Gerenciamento das idéias, artigo na HSM Management, nº 6, jan-fev STEWART A. Thomas. Capital Intelectual. São Paulo: Makron, SVENSON, RAYNOL A., RINDERER Monica J., The Training and Development Strategic Plan Workbook. New Jersey: Prentice Hall, STONER, James., FREEMAN, R.Eduard. Administração, 5ª edição. Rio de Janeiro: LTC editora, VICO MAÑAS, Antonio. Gestão de tecnologia e Inovação. São Paulo: Érica, O gestor e a aprendizagem nas organizações. Revista FEA-PUC SP, vol.1, pp 39-55, nov Notas 1 Esta citação está na página 9/31 da cópia do capítulo 1 do livro "Diffusion of Innovations" no site 2 Esta tabela foi baseada em anotações de aula do prof. Dr. Vico no curso "Inovação e competitividade", no Programa de Pós-graduação da PUC, no primeiro semeste de idem. 4 idem. 5 Gazeta Mercantil - artigos publicados entre de março de Anotações de aula. 7 Artigo elaborado a partir da dissertação de mestrado do autor, vide Bibliografia. * SÉRGIO LUIZ DO AMARAL MORETTI é administrador pela PUC, pós-graduado em Comunicação e Educação pela Anhembi Morumbi, consultor de empresas, professor e gestor dos programas de Marketing do Pós-graduação da ESPM. É mestrando no Programa de estudos pós-graduados em Administração da PUC-SP

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br .:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br Cronograma das aulas e conteúdo Aula Data Tema Tópicos principais 1 17/09 Evoluçãoe conceitos

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR IES PRIVADAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR IES PRIVADAS 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR IES PRIVADAS Heron Conrado do Carmo Ferreira 1 1 Edson Makoto Ueno 2 1,2 diretor@fafitfacic.com. br cpa@fafitfacic.com.

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL O programa irá prepara-lo para especializar-se no desenvolvimento e planejamento da gestão de marcas; capacitando-o

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 EAD COMO MODALIDADE FACILITADORA PARA CAPACITAÇÃO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Lajeado RS 05/2015 Monica de Lourdes Gottardi - Faculdade da Serra Gaucha FSG

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa.

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Objetivos da aula: Conhecer uma nova área que está surgindo no mercado empresarial e que irá prover inúmeras melhorias no desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES

A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE RETER TALENTOS NAS ORGANIZAÇÕES Introdução Autor(a): Ana Carolina Marinho Ferreira Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: kcaroll25@yahoo.com.br Indubitavelmente,

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES RESUMO O objetivo geral deste artigo consiste em analisar a importância do treinamento dentro de uma empresa como estratégia para atingir os objetivos

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso W o r k s h o p Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso Gerando mais Receita e Lucratividade A Arte de combinar Marketing com Vendas e Estruturar

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP - 599 Pré-requisito: -----

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Graduação. Caderno. Marister de Oliveira 1 Adriana Mollica 2

Graduação. Caderno. Marister de Oliveira 1 Adriana Mollica 2 Caderno UNIVERSIDADE CORPORATIVA COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: estudo de caso com uma funcionária da agência do Banco de Brasil de Guarani Graduação ISSN: Consultar em revista.fagoc.br

Leia mais

NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE.

NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE. NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE. CONHEÇA TODOS OS CURSOS DE MBA E PÓS-GRADUAÇÃO DA ESPM. 540h MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL O MBA Executivo Internacional forma líderes com visão estratégica e atitudes adequadas

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

As Universidades Corporativas como elementos de diferenciação organizacional.

As Universidades Corporativas como elementos de diferenciação organizacional. As Universidades Corporativas como elementos de diferenciação organizacional. André Ricardo Magalhaes Resumo Na sociedade do Conhecimento, o uso da informação correta no momento certo passou a ser um grande

Leia mais

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Fausto de Bessa Braga, MBA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro fausto.bessa@amrj.mar.mil.br Nélio Domingues Pizzolato, Ph.D

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 08/2015 Campus Manhuaçu FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 08/2015 Campus Manhuaçu FOLHA DE PROVA Tema 01: ABORDAGENS DA ADMINISTRAÇÃO Discorra sobre as principais contribuições das teorias administrativas no desenvolvimento das atividades empresariais, com ênfase para aquelas preconizadas pelas escolas

Leia mais

Portfólio de Produtos

Portfólio de Produtos Portfólio de Produtos 2014 Quem somos: A Focus Educação Corporativa nasceu da necessidade identificada no interior do estado de Minas Gerais, que carece de Consultorias especializadas em pequenas e médias

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP 599 Prérequisito: Período

Leia mais

Descrição dos processos de treinamento e sua importância

Descrição dos processos de treinamento e sua importância Descrição dos processos de treinamento e sua importância Alisson Henrique Silva¹; Jaqueline Nascimento da Silva²; Lorena Coutinho Rodrigues³; Cleiton Magela Luz 4 ; Márcio Rezende Santos 5 (1) Estudante

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa.

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa. Projeto para um Estudo da Contribuição ao Estudo da Qualidade como Instrumento de Gestão Estratégica aplicado as empresas situadas na região de Tangará da Serra Estado de Mato Grosso Brasil. Ivon de Mello

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR Luis Antônio Tichs 1. RESUMO Neste trabalho aborda-se a importância do empreendedorismo e as características do empreendedor. Evidenciam-se ações estimuladoras do espírito

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com. HORTON INTERNATIONAL EXECUTIVE SEARCH MANAGEMENT CONSULTANTS Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.br

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais