A Morte e o seu Mistério

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Morte e o seu Mistério"

Transcrição

1 Camille Flammarion A Morte e o seu Mistério Traduzido do Francês La Mort et son mystère 1917 (obra em 3 volumes) VOLUME 3 Depois da Morte John Constable Nuvens

2 Conteúdo resumido Editada em três volumes, A Morte e o seu Mistério é um extenso e precioso repositório de narrações sobre fenômenos extrafísicos, expostos e comentados por Camille Flammarion com o rigor da metodologia científica. Conforme as próprias palavras do autor, a obra visa demonstrar por fatos de observação, fora de toda crença religiosa e em completa e imparcial liberdade de julgamento, a existência da alma, a sua independência do organismo corpóreo e a sua sobrevivência à desagregação deste último. Em síntese, são abordados neste trabalho os seguintes temas: o 1º volume, Antes da Morte, prova que a alma existe e independe do corpo carnal; o 2º volume, Durante a Morte, demonstra a veracidade do aparecimento de fantasmas dos vivos, as aparições e manifestações de moribundos e os fenômenos de premonição; o 3º volume, Depois da Morte, oferece-nos a certeza da sobrevivência da alma após a morte, sua existência num outro plano e a possibilidade de se comunicar com os Espíritos encarnados. Estas duas obras: A Morte e o seu Mistério, juntamente com O Desconhecido e os Problemas Psíquicos, escrita anteriormente pelo mesmo autor, formam a maior coleção de casos de fenômenos psíquicos já reunidos em obra literária, nos últimos séculos. Daí a sua grande importância como documentos históricos para as ciências psíquicas e, em decorrência, para as pesquisas sobre os fenômenos mediúnicos.

3 0 A morte é nosso destino comum. As riquezas materiais adquirem-se e perdem-se. Que a tua vida se inspire na mais pura justiça! Sê irrepreensível para o próximo como para contigo. Aproveita todas as oportunidades para te instruíres. Viverás, assim, vida sumamente agradável. Medita estes pensamentos. Quando deles estiveres compenetrado, poderás conceber a constituição de Deus, dos homens e das coisas e ajuizar da realidade da unidade de toda a natureza; Conhecerás então essa lei universal: em toda parte do mundo a matéria e o espírito, em princípio, são idênticos. Prossegue na obra da libertação da tua alma, fazendo escolha judiciosa e ponderada de todas as coisas, de modo a assegurar a vitória do que em ti existe de melhor: o Espírito. Assim, quando abandonares teu corpo material, elevar-te-ás no éter, e, deixando de seres mortal, revestirás tu mesmo a forma de um deus imortal. Pitágoras 0

4 Sumário I Pesquisa geral sobre a realidade das manifestações de mortos... 6 II Mortos que apareceram em seguida a juramentos recíprocos, a promessas, a ajustes, a declarações anteriores III Mortos que voltaram para negócios pessoais Revelações. Pagamentos de dívidas. Restituições. Promessas não cumpridas. Serviços a prestar. Testamentos. Confidências. Censuras. Protestos. Perseguições. Vinganças. Avisos. Manifestações diversas IV Manifestações e aparições de mortos imediatamente após o falecimento (alguns minutos até 1 hora depois) V Manifestações e aparições de mortos quase imediatamente depois da morte (algumas horas: de 1 a 24 horas) VI Manifestações e aparições de mortos pouco tempo depois do falecimento (intervalo de um dia a uma semana) VII Manifestações e aparições de mortos algum tempo depois da morte (de uma semana a um mês) VIII Manifestações e aparições de mortos bastante tempo depois da morte (de um mês a um ano) IX Manifestações e aparições de mortos muito tempo depois do falecimento (durante o segundo, terceiro e quarto ano depois da morte) X Manifestações e aparições de mortos muito tempo depois do falecimento (além do quarto ano)

5 XI As manifestações de mortos nas experiências de Espiritismo. As provas de identidade Conclusões dos três volumes desta obra

6 CAPÍTULO I Pesquisa geral sobre a realidade das manifestações de mortos As verdades matemáticas só podem ser julgadas por matemáticos. Eu desprezo o julgamento dos mateólogos ignorantes. Copérnico (Dedicatória do seu livro ao Papa, 1543) * * * Cada qual só deveria julgar do que entendesse. O bom senso Nosso volume Durante a Morte, segundo dessa trilogia metapsíquica, deu aos seus leitores a certeza dos fantasmas de vivos, das aparições e manifestações de moribundos, produzindo-se a qualquer distância, transmissões telepáticas irrecusáveis, e terminou com esta interrogação: Obteremos nós as mesmas provas de autenticidade, a mesma certeza quanto à existência real dos mortos? Eis um livro de boa fé, dizia Montaigne em seus inesquecíveis Ensaios: deve caber a mesma afirmação para esta obra. Chegamos à porta do templo fechado. Mas já esta porta pareceu entreabrir-se em nossas excursões à fronteira dos dois mundos. Este terceiro volume tem por fim estabelecer a sobrevivência por meio de fatos observados, e isto pelo mesmo método experimental, independentemente de qualquer crença religiosa. O raciocínio e a meditação podem auxiliar na pesquisa da verdade; mas não são suficientes, não o foram até hoje para descobri-la. A observação positiva é indispensável para nos

7 convencer. As teorias de nada valem quando não se esteiam em realidades. Ora, é de notar que a questão por excelência capital, qual a de sabermos se somos efêmeros ou duradouros, se sobrevivemos à morte, ficou até hoje fora do quadro das ciências clássicas. O habitante da Terra é um ente esquisito: vive num planeta sem saber onde está, sem ter a curiosidade de indagá-lo de si mesmo e sem procurar conhecer a sua própria natureza! É chegado o tempo de atacar a fortaleza da ignorância secular, e isso sem dissimular dificuldade alguma, objeção alguma. Antes de nos entregarmos a nossas pesquisas e para não nos expormos a perder nosso tempo pois não há coisa mais absurda do que o tempo perdido, parece-me que meu primeiro dever, como sinal de respeito para com os inúmeros leitores que me honram com a sua atenção, será de abranger, sob a mesma rubrica de recapitulação, as comunicações aos milhares que me foram dirigidas, aduzindo-lhes outras tantas feitas em outros países e em todas as épocas, e ver se algumas se apresentam com tal evidência que nos prometam a certeza desejada, libertem-nos do temor formulado aqui, autorizando-nos a tomar em consideração o assunto a examinar. Teremos ocasião de classificar mais tarde, em diversas categorias, os fenômenos observados. Façamos, pois, primeiro um ligeiro exame que ilumine espontaneamente nosso campo de estudos. Das cartas que recebi dos correspondentes com os quais estava ou estive depois em relações e cuja sinceridade e valor moral pude apreciar, dessas só destaquei algumas centenas de observações, dentre as que me pareceram inatacáveis. Agi exatamente como agimos para com as compilações científicas, quando publicamos uma observação astronômica, meteorológica, geológica e mesmo com maior severidade. Nada de romances, nada de fantasias. Estrita observação. Os leitores que acusariam esta obra, ou a precedente, O Desconhecido e os Problemas Psíquicos, de falta de método demonstrariam que tiveram a preguiça de examinar seriamente o assunto ou que realmente estão desprovidos do espírito de análise.

8 Não tenhamos nenhum preconceito, nem religioso, nem antireligioso. Nas crenças menos argumentadas descobre-se muitas vezes um fundo de verdade mal interpretada. Observemos com independência e formemos nosso juízo. Há espíritos obtusos. Não os imitemos. Eu dizia um dia certo negador impenitente a um livre pesquisador só acredito no que posso compreender. E todos sabem que o senhor em nada acredita! retorquiu o interlocutor. Os princípios do método científico nos ordenam receber as narrações de fenômenos, fora do natural, com a máxima circunspecção, considerando-os a priori como suspeitos, precisamente porque são extraordinários e inexplicáveis. E é difícil, à primeira vista, aquilatar qual o valor dos narradores, a respeito da sua própria sinceridade e do seu equilíbrio mental. Poderia citar mais de um pseudo-historiador fazendo pouco caso do respeito à verdade. O nome do signatário não é sempre uma garantia. A narração muito simples de uma observação feita por testemunha atenta e sóbria, sem pretensão literária, é muitas vezes de melhor qualidade do que a de um escritor profissional. Podemos até pensar que um romancista, habituado a inventar ficções, seja muito capaz de apresentar fatos falsos como realidades e isso sem o mínimo remorso. Todas as narrações devem ser, a priori, consideradas como suspeitas, porém declará-las todas inadmissíveis é simplesmente estupidez. Existem fatos reais. Apesar da incerteza das testemunhas históricas, peço licença para repetir a afirmação de que Luís XVI morreu na guilhotina, a 21 de janeiro de 1793, em Paris, e que o cadáver embalsamado de Napoleão jaz no sarcófago de mármore dos Inválidos. Procedamos assim: 1º- com prudência; 2º- com toda a liberdade de apreciação. O método que aqui adotamos para este estudo parece-nos o mais seguro, o mais inatacável. Verificamos, na segunda parte dessa obra, que a alma ao separar-se do corpo manifesta-se de maneiras diferentes, muitas vezes a grande distância do lugar do falecimento. Mas essas manifestações poderiam provir do ser humano ainda vivo, pois o

9 momento preciso da morte é extremamente difícil de se marcar, psicologicamente falando. Vimos passar diante de nossos olhos fenômenos diversos que se produziram num estado psíquico intermediário entre a vida e a morte e que não parecem ser manifestações de mortos. Não quisemos dissimular as objeções que se erguem diante do problema que deveremos resolver; enfrentamos as dificuldades, porque o estudo científico é, antes de tudo, franco e leal. É com a mesma lealdade, a mesma sinceridade, a mesma independência de espírito que devemos examinar os fatos de observações que agora se nos vão apresentar. Trata-se de estudar imparcialmente, de discutir, de interpretar grande número de fenômenos que se nos apresentam como manifestações de mortos; se os atos produzidos por certas faculdades da alma, desconhecidas ou pouco estudadas, tais como as transmissões psíquicas a distância, a vontade agindo sem intermediário, a telepatia, a vista sem os olhos, a audição sem os ouvidos, a previsão do futuro, revelam sob diferentes aspectos a existência pessoal da alma, que deve ser considerada, de ora em diante, não como efeito, mas como causa. Esse assunto nos dará testemunhos formais e categóricos da sobrevivência. Esses fatos, por serem inexplicáveis, nos obrigam a admitir que em nós existe um princípio espiritual, diferente dos atributos fisiológicos, físicos, mecânicos, químicos, do organismo animal, e que permanece intacto quando o corpo se desagrega. O valor, porém, das nossas conclusões está intimamente ligado à severidade do nosso método. Devemos evitar atribuir aos mortos todos os fatos inexplicáveis que nosso primeiro volume, Antes da Morte, levou-nos a suspeitar da existência de faculdades humanas ainda não determinadas. Vamos ter sob nossas vistas manifestações, aparições, observadas depois da morte, muitas vezes cumprindo intenções expressas em vida. Nosso dever é, sem a menor dúvida, tentar primeiro explicá-los como atos de viventes, como funções cerebrais; mas havemos de reconhecer que, apesar da melhor boa

10 vontade, não é isso fácil e que, sem idéia preconcebida, somos obrigados a admitir vontades de mortos. Uma comunicação entre um ente morto e um ente vivo é comunicação entre um espírito em certa fase da existência e um outro espírito em fase completamente diferente, efetuando-se por um meio diverso dos órgãos físicos, pois que do outro lado esses órgãos não existem mais. Examinemos tudo com cuidado, sem nos encerrarmos num quadro sistemático. Neste exame continuaremos a obedecer ao princípio que até agora nos guiou: nada de frases, nada de dissertações e de hipóteses: FATOS. Antes de tudo, declaremos que os fenômenos póstumos, que vamos examinar, não estão em desacordo com a lei biológica da continuidade. Demonstram, pelo contrário, que a vida continua além-túmulo, e isto muito simplesmente, muito naturalmente. As aparições no momento da morte lançaram para nós uma ponte entre os dois mundos; levam-nos diretamente, sem solução de continuidade, às aparições depois da morte. * * * A Ciência deve estudar os fenômenos psíquicos como estuda os físicos, sem se deter com as inverossimilhanças. Teríamos acaso podido admitir, antes da descoberta das ondas hertzianas, que seria possível transmitir uma onda elétrica, sem fio, a uma distância de milhares de quilômetros? Não teríamos rido se se tivesse pretendido poder fotografar um objeto de metal contido numa caixinha de madeira espessa? Não teríamos chamado louco àquele que nos tivesse dito que veríamos um dia fotografias dos nossos ossos obtidas através da nossa carne e nosso vestuário? Tudo não estava então e não está ainda por estudar? Descurar observações sob o pretexto de que são raras e excepcionais é erro e é anticientífico. A descoberta dos raios X foi devida a um acidente; a do árgon foi devida a uma anomalia no modo de agir do azoto; foi o desacordo entre as posições observadas e calculadas de Urano que revelou a existência de Netuno, etc.

11 Compreendemos nós as transmissões telepáticas no momento da morte? Não. São elas absolutamente certas? Sim. São ainda mais freqüentes do que o deixei entrever. Enquanto estava redigindo estas páginas (julho de 1921), recebi a seguinte carta de meu ilustre amigo Camilo Saint-Saëns, arrebatado alguns meses depois (16 de dezembro) à afeição dos seus admiradores: (CARTA 4.565) Tornando a ler pela nona vez teu último volume, uma recordação desperta em minha memória e não deixo para a- manhã escreve-te a esse respeito. Era em janeiro de 1871, no último dia da guerra. Estava eu nos postos avançados, em Arcueil-Cachan, acabávamos de jantar um excelente cavalo com que tínhamos feito um bom cozido e tínhamos apanhado taráxacos, cuja raiz, nesta estação do ano, está muito desenvolvida; em suma, um jantar que a todos nós satisfizera e estávamos todos tão alegres quanto era possível sê-lo, dadas as circunstâncias; subitamente ouvi cantar no meu cérebro o lamento musical de que fiz, mais tarde, o prelúdio do meu Requiem, e senti no meu íntimo que uma desgraça me acontecia. Angústia profunda me acabrunhou. Nesse momento mesmo morria Henri Regnault, ao qual me prendiam laços da mais viva amizade. A nova da sua morte me causou tal pesar, que adoeci e tive que ficar três dias de cama. Experimentei, pois, a realidade da telepatia, antes da invenção dessa palavra. Como tens razão de pensares que a ciência clássica não conhece o ente humano e que temos que aprender tudo! Teu, de todo o coração, C. Saint-Saëns. Eis mais uma observação psíquica a reunir a todas as que meus leitores apreciaram e à qual o nome daquele que a experimentou dá um valor especial.

12 A comunicação telepática de uma alma para outra, durante a vida, não é duvidosa; não o é tampouco depois da morte. Dados nossos conhecimentos atuais sobre as radiações, sobre as forças físicas e psíquicas, sobre a constituição atômica da matéria, creio que estamos agora nos casos de analisar nosso assunto com uma atenção mais proveitosa do que outrora, com a esperança fundada de obter resultados de alta importância. Examinemos, pois, este grave assunto sob todos os seus aspectos, mantendo-nos isentos das idéias preconcebidas que poderiam prejudicar a independência do nosso julgamento. Vou apresentar à atenção imparcial dos nossos leitores uma primeira série de observações que me parecem absolutamente demonstrativas. Assim deve ser a introdução lógica deste terceiro volume para merecer seu título: Depois da Morte. * * * Procurai e achareis. Jesus-Cristo Uma das mais demonstrativas manifestações de mortos que eu conheço é a que foi relatada por um positivista sinceramente materialista, o Dr. Caltagirone, de Palermo, que a observou em pessoa; vejamos a versão que dela narrou. O fato passou-se não há muito tempo, em dezembro de Escreve ele: Era eu amigo de Benjamim Sirchia e ainda seu médico. Sirchia, muito conhecido em Palermo, era um velho patriota, muito popular. Tinha qualidades morais e cívicas excelentes; era um incrédulo como eu, no sentido mais lato da palavra. Um dia, no mês de maio de 1910, começamos a discutir sobre os fenômenos psíquicos; respondi às suas perguntas assegurando-lhe que concluía por minha própria experiência que alguns desses fenômenos eram reais, porém a sua interpretação era contestável. Durante essa conversa, disse-me em tom de gracejo:

13 Escute, doutor, se eu morrer primeiro, o que é provável, pois sou velho e o senhor é ainda moço, forte e robusto, doulhe minha palavra que virei trazer-lhe a prova da minha sobrevivência, se eu ainda existir. Eu, rindo, e no mesmo tom de brincadeira, retorqui: Então virá manifestar-se quebrando alguma coisa neste quarto, por exemplo, este lustre, por cima da mesa... (estávamos então na sala de jantar). E para ser cortês acrescentei: Se eu morrer primeiro, também prometo ir a sua casa fazer alguma demonstração do mesmo gênero! Repito-o ainda, tudo isso foi falado antes como gracejo do que seriamente. Nós nos separamos e ele partiu alguns dias depois para Licata, província de Girgênti, onde se ia estabelecer. Desde esse dia nunca mais tive notícias dele, direta ou indiretamente. A conversa tivera lugar em maio de No mês de dezembro seguinte (no dia 1º ou no dia 2), pelas 6 horas da tarde, estava eu sentado à mesa com minha irmã, única pessoa que vive comigo, quando nos chamou a atenção o ruído de várias pancadinhas dadas no abajur do lustre suspenso ao teto da sala de jantar e na campainha móvel de porcelana do fumívoro, colocada por cima do vidro tubular de cristal. A princípio, atribuímos essas pancadinhas a estalidos produzidos pelo calor da chama, que tentei diminuir. Mas as pancadas se tornaram mais fortes e continuaram obedecendo a um certo ritmo. Trepei então numa cadeira para examinar com mais cuidado o que havia e verifiquei que o fenômeno não podia ser atribuído ao calor da chama, que funcionava com pressão normal. Ao demais, não se tratava aí de pequenos estalidos, como os que são produzidos por um calor extremo, porém eram pancadas curtas, de timbre especial, lembrando os estalidos feitos com as juntas dos dedos ou os que se produziria com uma varinha em objeto de porcelana. Tentei descobrir a causa dessas pancadas esquisitas. Nada. Enfim terminamos o jantar e o fenômeno cessou.

14 No dia seguinte, à noite, o mesmo tilintar foi ouvido e assim aconteceu durante quatro ou cindo dias seguintes, o que aguçou ainda mais a nossa curiosidade. Mas, na última noite, uma pancada forte e seca partiu em dois pedaços a campainha móvel, permanecendo ela nesse estado, pendurada no gancho do contrapeso metálico. Foi o que pude verificar quando fiquei em pé em cima da mesa, pois queria ver de perto o efeito da última pancada. Lembrome bem, e minha irmã igualmente, que embora tivéssemos apagado a luz central, em volta da qual se realizava o fenômeno, e tivéssemos acendido um dos ramos do lustre, as pancadas continuaram com a mesma intensidade. Devo igualmente declarar e afirmar, sob minha palavra de honra, que durante os cinco ou seis dias em que se repetiu esse fato estranho, que eu não podia explicar, nunca pensei no meu amigo Benjamim Sirchia e nem me recordei da conversa do mês de maio precedente, pois a havia esquecido totalmente. No dia que se seguiu à última noite, durante a qual a campainha arrebentara, estava eu no meu gabinete: eram mais ou menos 8 horas da manhã. Minha irmã estava à janela, vendo não sei quê, na rua; a criada tinha saído; súbito, ouviu-se um ruído estrondoso na sala de jantar, como se tivessem batido na mesa com uma clava. Minha irmã ouviu-o da janela e eu do meu gabinete; corremos ambos para ver o que tinha acontecido. É extraordinário, mas, por mais fantástico que seja esse fato, garanto-lhe a veracidade: em cima da mesa, e como se tivesse ali sido colocada por mão humana, achamos a metade da campainha móvel, tendo ficado a outra metade suspensa em seu lugar. Evidentemente o estrondo tão violento não estava em relação com o incidente. Foi o último fenômeno que pôs o remate a esses fatos esquisitos, repetindo-se eles durante cinco ou seis dias, sendo que este remate se deu em pleno dia e sem a ação do calor.

15 A queda da metade da campainha de porcelana não se podia realizar perpendicularmente à mesa, pois, tendo que passar pelo centro do abajur, teria esbarrado no tubo do aparelho e na camisa deste e ambos teriam quebrado com o choque, podendo assim passar a metade da campainha do fumívoro; ora, estes dois objetos estavam intactos. Se ela tivesse caído obliquamente sobre o abajur de porcelana, a metade da campainha ter-se-ia quebrado ou teria quebrado o dito abajur; se admitirmos que ela tenha escorregado sem nada quebrar, devia, neste caso, ter saltado para um ponto afastado do centro da mesa e não perpendicularmente ao eixo do aparelho. Conseqüências: o barulho foi um aviso do fenômeno, e o pedaço de campainha foi colocado de modo a demonstrar que o fato não era devido a um acidente, o qual, ao demais, estaria em oposição às leis da queda dos corpos. Devo ainda confessar que eu me tinha esquecido absolutamente de Sirchia e do pacto feito entre nós no mês de maio precedente. Dois dias depois, encontrando-me com o professor Rusci, este me disse: Sabia que o pobre Benjamim Sirchia morreu? Quando? perguntei com ansiedade. Nos últimos dias de novembro; foi a 27 ou 28. Que coisa estranha! Nos últimos dias de novembro, pensei eu então. Os fenômenos que se passaram em minha casa teriam alguma relação com sua morte? (lembrava-me da nossa última conversa, com todos os seus pormenores tão característicos). Começaram eles no dia 1º ou no dia 2 de dezembro e prosseguiram durante cinco ou seis dias. A tentativa de quebrar alguma coisa do lustre da sala de jantar fora coisa combinada entre nós, no mês de maio, e esta manifestação cessou com a execução final do que tinha sido marcado... Coisa também muito estranha, quando foi assim executado o pacto, uma pancada formidável o anunciou como para evidenciá-lo quase! O transporte da campainha para um lugar

16 onde era normalmente impossível que caísse por si, salvo o acaso, completa a estranha manifestação. Eis a minha observação pessoal. Eu e minha irmã conservamos como recordação desse fenômeno inexplicado os dois pedaços da campainha e os colocamos com as coisas que para nós são mais preciosas e mais queridas. Dr. Vicenzo Caltagirone. Tal é a narração da testemunha. Parece-me lógico tirar dessa observação a conclusão que dela ressalta, assim como procedemos numa experiência de química ou de física, e devemos afirmar que ela prova o seguinte: 1º- esse amigo ainda existia quatro, cinco, seis, sete, oito dias após a sua morte; 2º- ele tinha conservado sua consciência, sua individualidade; 3º- recordava-se da sua promessa; 4º- pôde realizá-la. É certo que ignoramos sob que forma se pode existir depois desta vida, quais as faculdades das nossas mônadas psíquicas e como podem elas agir materialmente, mecanicamente como neste exemplo tão característico. Mas o fato aí está. Não há possibilidade de evasivas. Explicá-lo é impossível, no estado em que estão os nossos conhecimentos, porém essa impossibilidade de explicar o fato não lhe diminui o valor. Para o estudo do mundo psíquico estamos no mesmo ponto em que estava Newton quando procurava explicar o sistema do mundo físico e aqui podemos aplicar seu modo de raciocinar... As coisas se realizam escrevia ele como se os corpos se atraíssem uns aos outros, em razão direta das massas e em razão inversa do quadrado das distâncias. Quanto ao saber como se faz, ignoro. Digamos do mesmo modo: As coisas se realizam como se o morto agisse. Criticar a lógica deste argumento parece-me inverossímil. A velha hipótese das coincidências acidentais não é mais aceitável. As combinações mais alambicadas nada concluem. É preciso negar a observação ou confessar que é inexplicável.

17 Repito dom Newton: As coisas se realizaram como se o a- migo do Dr. Caltagirone tivesse cumprido sua promessa. É este o verdadeiro método científico, não a negação cega, persistente e sistemática. Ainda uma vez, digamos que não sabemos como uma alma pode bater em um lustre, quebrar a campainha de um fumívoro de porcelana e dar forte pancada na mesa. 1 Há centenas de observações. As que lemos nos dois primeiros tomos desta obra nos induzem a pôr em jogo a força elétrica; mas esta hipótese nada nos ensina, pois que ninguém sabe o que é a eletricidade. Além de que há na Natureza forças desconhecidas; podem elas representar papel preponderante nesses fenômenos. Estas é que devemos descobrir e não nos inspirar no método de certos sábios contemporâneos, que pretendem que a Ciência só tem o direito de explicar os fatos observados por meio das forças conhecidas e não deve admitir o desconhecido. Recebi tão elevado número de narrações diferentes, de todos os países do mundo, em todas as línguas, de todas as classes sociais, assim como de todas as idades, desde a infância mais ingênua e mais ignorante até a idade de competência unida à experiência esclarecida e à severa análise psicológica, que fico absolutamente impossibilitado de descrer das manifestações de mortos em certos casos e do mesmo modo não posso duvidar da sua sobrevivência, pelo menos durante um certo tempo. Cumprir uma promessa para provar a um amigo que a existência perdura depois do último suspiro é, evidentemente, uma indicação bastante decisiva. Que mais podemos pedir? Essas pancadas, esses movimentos mecânicos, esses fenômenos físicos são manifestações de uma força procedente do espírito. Vimos um grande número de manifestações de força psíquica no tomo II. Este termo força psíquica, que eu tinha posto em moda em 1865, com a publicação do meu opúsculo primitivo As Forças Naturais Desconhecidas, foi discutido e mesmo algum tanto ridiculizado por certos escritores arqui-clássicos, bem intencionados e extra-prudentes. Um filósofo, aliás justamente estimado,

18 por certos trabalhos de história astronômica, o Sr. Th. Henri Martin, decano da Faculdade de Letras de Renes, membro do Instituto, escrevia entre outras coisas: Não me parece necessário discutir seriamente as forças naturais desconhecidas a que o Sr. Flammarion chama psíquicas e que seriam as promotoras dos movimentos inteligentes das mesas e dos outros prodígios atribuídos aos médiuns. 2 O célebre professor de Renes não admite a existência dessas forças desconhecidas. Após longa dissertação sobre as experiências de Agenor de Gasparin, de Thury, e outros observadores, das quais nada entendeu, e, à falta de melhor, colocando-se ao lado do R. P. Matignon e dos partidários da intervenção do demônio, escreve ele: Vejo fortes probabilidades para que esses prodígios sejam atribuídos em parte à ilusão e em parte à fraude. 3 Ou por outra: a coisa nenhuma. Eis o que disseram nossos predecessores clássicos nessa ordem de pesquisas. O fato que acabam de ler é característico. Atribuí-lo a faculdades humanas desconhecidas ou então ao acaso parece-me coisa ultra-temerária. Seguramente, preferiríamos ter visto a causa dessas pancadas propositais. Vemos os fantasmas? Sim, às vezes. Eis uma observação, precisa e positiva. A carta abaixo transcrita foi-me dirigida de Lião, a 25 de abril de (CARTA 4.462) Senhor e caro mestre: Permita-me declarar-lhe, antes de tudo, que na minha mocidade (que está longe) eu ria à vontade quando, por acaso, falavam em minha presença das manifestações do além ; tinha o cepticismo digamos a coisa como é da imbecilidade. Passou a mocidade, veio a idade madura, e se, entre as pessoas com quem estava, agitavam essas questões, já não ria mais, porém não era crente. Havia progresso. Ora, eis o que se deu comigo mesmo:

19 Uma noite de outono, a temperatura já estava fria, estava eu então sentado perto do fogão onde ardiam alguns tocos de lenha. Numa poltrona, diante de mim, minha mulher estava sentada de costas para a janela que dava para a varanda aberta, que servia de passagem aos quartos do primeiro andar da minha casa. Eu não estava sonhando, asseguro-lhe, pois acabava de percorrer um tratado Transformadores elétricos, obra que não se presta a devaneios. Estava, pois, longe de pensar em fenômenos extraterrestres, quando meu cão, um lulu da Pomerânia, deitado diante da lareira, ergueu-se e pôs-se a latir, olhando para a janela e vindo depois deitar-se, sempre rosnando, perto da minha poltrona. Olhei rapidamente para a janela e vi, por detrás do vidro, uma sombra de contornos vaporosos, indecisos, que parecia ter sido esbatida a esfuminho por Henner. Essa sombra dirigiu-se para a porta do meu quarto. Não pude conter uma exclamação. Fracamente atravessada de lado a lado pela luz de um bico de gás bastante afastado, ela caminhava lentamente, com andar que denunciava leve claudicação. Mau grado à minha vontade, exclamei: Oh! o pai! Era ao mesmo tempo o aspecto corpóreo, o andar do pai de minha mulher, falecido havia dois anos. Era ele mesmo. Levantei-me à pressa, arremessando-me à porta que abri bruscamente e... nada! Não podia ser uma alucinação; o livro que eu acabava de percorrer, e que ainda segurava, não dava propensão a isso e minha mulher que se virara, ouvindo meu grito, tinha percebido, como eu, essa sombra cuja recordação lhe era tão querida. Quando entrei no meu quarto meu cão já se tinha refugiado debaixo da cama e continuava a rosnar. Desde essa época nada mais vi. Aceite, senhor e caro mestre, a homenagem da minha admiração. Ballet-Gallifet 12, ladeira do Greillon, em Lião.

20 Todas as cartas que recebi não possuem o valor desta. O observador é um científico. Sua observação espontânea foi reforçada pela da sua senhora, e o que não se deve desprezar, pela sensação do cão. Tudo isso não é banal. Conforme meu hábito, deliberei fazer sobre o caso um inquérito independente. Entre as pessoas com quem estou relacionado em Lião, uma pareceu-me, pelos seus trabalhos e pela sua competência, indicada para me auxiliar no inquérito: a Sra. Rougier, minha digna colega da Sociedade Astronômica de França e do Instituto Metapsíquico. Escrevi-lhe sem lhe dar pormenores do assunto para que fosse, sob qualquer pretexto, visitar o autor da comunicação precedente, levar a conversa para esses assuntos e ouvir atentamente a narrativa pessoal que ele pudesse fazer a respeito da sua observação. Da sua amável resposta, copio o que segue: (CARTA 4.470) Recebi hoje de manhã, 2 de maio, a carta com que me honrou. Começo esta resposta às 6 horas menos 5 minutos, e tenho o prazer de lhe dizer que voltamos agora, eu e meu marido, da casa do Sr. Ballet-Gallifet. Esse senhor recebeunos cordialmente e não demorou em falar-nos da aparição tão surpreendente que ele e a Sra. Ballet-Gallifet viram, reconhecendo ambos o pai dessa senhora. Eis a sua narrativa: Estávamos em nossa casa, eu e minha mulher, às 9 horas da noite, quando, subitamente, nosso cão latiu, percebendo alguém que entrava. Era um homem que se adiantava vagarosamente. Fiquei tomado de espanto ao reconhecer meu sogro, pois não somente a personagem era ele mesmo, mas também coxeava como ele. Meu sogro era coxo. Se eu não tivesse notado logo esta particularidade que me fez reconhecê-lo de longe, teria ido buscar uma arma, tomando-o por um malfeitor. Minha mulher foi igualmente testemunha da aparição. Seus dois últimos livros é que levaram o Sr. B. G. a assinalar esse fato antigo, de quinze anos! Este leitor é uma inteligência que se interessa vivamente por tudo que constitui

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005)

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Lhundrup: Sou um monge budista. Estou muito contente em encontrar vocês. Vocês já encontraram um monge budista antes? Uma paciente:

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio I Da economia do tempo Sêneca saúda o amigo Lucílio Comporta-te assim, meu Lucílio, reivindica o teu direito sobre ti mesmo e o tempo que até hoje foi levado embora, foi roubado ou fugiu, recolhe e aproveita

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

1) O valor instituído por Deus para o testemunho

1) O valor instituído por Deus para o testemunho O magnífico efeito do testemunho Pr. Harry Tenório (Mateus 10.18) - E sereis até conduzidos à presença dos governadores, e dos reis, por causa de mim, para lhes servir de testemunho a eles, e aos gentios.

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais

Na Luz da Mediunidade

Na Luz da Mediunidade THEREZINHA OLIVEIRA Na Luz da Mediunidade (Os mortos vivem e se comunicam) Campinas-SP 2007 Sumário 1. Vida, Sempre Vida! A vida é um mistério...1 O temor da morte...2 Vida paralela à vida...3 Haverá vida

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET Marquês de Sade O corno de si mesmo & outras historietas Tradução e notas de Paulo Hecker Filho www.lpm.com.br L&PM POCKET 1 Sumário Abençoada simulação... 5 O rufião punido... 8 Vai assim mesmo... 12

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

A Terra do Inesquecimento

A Terra do Inesquecimento A Terra do Inesquecimento Olá! O meu nome é Otávio. Eu vivo numa terra muito pequenina, chamada Terrra do Inesquecimento. Chama-se assim, porque aqui ninguém se esquece de nada. Estou farto de viver nesta

Leia mais

SONHOS E DONS ESPIRITUAIS. AS LEMBRANÇAS DO PASSADO.

SONHOS E DONS ESPIRITUAIS. AS LEMBRANÇAS DO PASSADO. SONHOS E DONS ESPIRITUAIS. AS LEMBRANÇAS DO PASSADO. O Espírito encarnado não permanece espontaneamente no corpo. Vive como o prisioneiro que nunca se alegra com a prisão. O Espírito encarnado aspira sem

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO B IDADES: 09/10 1. TEMA: Sono e sonhos. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: As crianças deverão

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO?

ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? Fernando Pessoa ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? «ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? Um novo aspecto do caso da "Boca do Inferno". Deve estar ainda na memória de todos, porque foi largamente tratado no

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Fotografias de Raquel Porto

Fotografias de Raquel Porto Fotografias de Raquel Porto A RAPARIGA QUE SABIA ANTES Não se lembra da primeira vez que aconteceu. Foi talvez na infância, não se lembra ao certo. Para ela sempre foi assim. Vê as coisas acontecerem antes

Leia mais

EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA. www.tfca.com.br

EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA. www.tfca.com.br EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA Estamos na Web www.tfca.com.br AUTOCONSCIÊNCIA, A TÉCNICA DA CONQUISTA Segue abaixo descrição conforme divulgado no livro As Possibilidades

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO 1 SUMÁRIO A História... 2 Vários pensamentos... 2 Ódio... 2 Pena de MIM... 3 Sem controle sobre a minha mente... 4 Tristeza Profunda... 4 Falta de compreensão... 5 A cura... 6 Basta este dia... 8 Um novo

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

A Alegria do Evangelho Lectio Divina

A Alegria do Evangelho Lectio Divina A Alegria do Evangelho Lectio Divina #18 [03 ABR 2014] Em Cristo encontras a vida, ACREDITA Oração inicial: Invocação do Espírito Santo V. Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis. R.

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

AULA 26 MANIFESTAÇÕES ESPONTÂNEAS E EVOCAÇÕES

AULA 26 MANIFESTAÇÕES ESPONTÂNEAS E EVOCAÇÕES De repente, numa casa ou família, começam a acontecer fatos estranhos como raps (pancadas, batidas), barulhos insólitos, movimentação de objetos, combustão espontânea, etc., que não parecem haverem sido

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre O CASO DA CALÇADA DO JASMIM UM CRIME? Terça-feira, seis de Maio. São catorze horas. A D. Odete não é vista no seu bairro desde hoje de manhã. As janelas da sua casa estão abertas, mas o correio de hoje

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais