A LÍRICA DE FRANCESCO PETRARCA: A LÍNGUA LATINA EM EVOLUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LÍRICA DE FRANCESCO PETRARCA: A LÍNGUA LATINA EM EVOLUÇÃO"

Transcrição

1 A LÍRICA DE FRANCESCO PETRARCA: A LÍNGUA LATINA EM EVOLUÇÃO CHAVES, Regina. G (UNIOESTE) SIBIN, Elizabete Arcalá. (UNIOESTE) RESUMO: Este artigo tem como objetivo discorrer sobre vida, obra e momento histórico do poeta italiano, Francesco Petrarca, respeitado como Pai do Humanismo italiano, e como expoente do Movimento Literário Doce Estilo Novo pela consolidação do soneto na Lírica Universal e por revitalizar o latim vulgar, transformando-o em língua principal por ser acessível às cidades-estados governadas por Roma e, por conseguinte, na língua italiana. Analisaremos a Lírica como primeira produção subjetiva, introspectiva e reflexiva social, além de romântica. Sob a Teoria Literária na orientação de Vitor Aguiar e Silva (1979), que perpassando pelas vertentes filosóficas de Hegel e histórica de Luigi Russo (1962), Francesco Sanctis (1993) traremos estudos sobre a melancolia de Petrarca. E com Maquiavel (2006) alguma luz sobre a história política da Itália. Assim como apontamentos sobre a influência de Petrarca no Humanismo Português sob a pena de Luiz Vaz de Camões, no Romantismo europeu na música e na pintura chegando até nossos dias com a homenagem pelos 700 anos da morte de Petrarca. Finalizando com uma análise comparativa entre os sonetos 134 de Francesco Petrarca e soneto V de Luiz Vaz Camões (1990), donde pesquisaremos analogias do amor cavalheiresco na arte do amor indefinível, no qual Petrarca foi mestre e Camões fiel discípulo. PALAVRAS-CHAVES: Cancioneiro, Vassalagem Amorosa, Petrarquismo, Latim Vulgar Para se entender a importância da Lírica de Petrarca, faz-se necessário um estudo, ainda que na superficialidade, do que representa este gênero literário através dos tempos. Embora a poesia Lírica tenha seus fundamentos desde a antiguidade, sua evolução se acentua, na medida em que o homem se revela diante do mundo. Refletindo sobre este mundo e sobre si mesmo, primeiramente, nasce da luta interior para então irromper-se em forma de poesia para além dos limites do eu. Aguiar e Silva sintetizam melhor essa proposição: A Lírica enraíza-se na revelação e no aprofundamento do próprio eu, na imposição do ritmo, da tonalidade das dimensões desse eu, na imposição da realidade. (AGUIAR e SILVA, 1979, p. 228) A emotividade faz com que a expressão poética apresente verossimilhança, não com a realidade objetiva, mas com a consciência de si mesmo. Distancia-se da narrativa

2 e do drama que tem como suporte o mundo exterior e objetivo, sem, contudo, perder-se do eixo da aceitabilidade. A estética de Hegel, para Aguiar e Silva, reflete sobre esse aspecto: Não é do desenvolvimento de uma ação objetiva alargando-se até os limites do mundo, em toda sua riqueza, mas o sujeito individual, e, por conseguinte, as situações e os objetos particulares, assim como a maneira, segundo o que a alma, com seus juízos subjetivos, as suas alegrias, as suas admirações, as suas dores e sensações, toma consciência de si próprio no seio deste conteúdo. (Idem, p. 227) Se os poetas gregos admiravam os atletas e a pátria, e concebiam estes como objetos de suas aspirações poéticas, Petrarca concebia seu estar no mundo em si mesmo e no amor metafísico concretizado em suas canções. Amor cuja existência, ao mesmo tempo em que se limitava à existência do poeta, transcendia em seu ardor e sofrimento extremo. A ambigüidade da poesia em se distanciar dos objetos para se aproximar do sentimento, suplantá-lo e alcançar prazer, não foge do empírico, mantém uma equivalência de verdade no contexto de leitura ou apreciação. Assim nos diz o crítico literário: O acontecimento exterior serve de pretexto (...) para atuar como elemento impulsionador e catalítico da emoção enquanto a essência do poema reside na emoção, nos sentimentos, nas vozes íntimas. (idem, p. 228) O poeta cria o abstrato ou intensifica as sensações, mas não ao ponto de fugir do real. Registra-a como objeto concreto nas formas e na estrutura da pintura e da escultura, embora na poesia lírica percebamos a fluidez, talvez por estar ligada à música, pois nasceu no sopro ou no toque cujas notas embebidas em sensações, são entoadas, apreciadas e entendidas. Aguiar diz que a sintaxe rigorosa dissolve-se e a poesia tende assimptoticamente para a música. (idem, p. 232) Grossmam contradiz a linearidade da poesia exposta por Aguiar. Para Grossmam, a poesia oferece uma linha ondulante que se assemelha ao ritmo ou a cadência das notas musicais quando favorecem evolução e revolução em si mesma:

3 A poesia gera estados que são ações que favorecem a evolução e revolução sem incompatibilizar-se são partes de um mesmo processo, Tem uma função em relação a ela mesma obliqua e sinuosa de modificar a ordem do mundo. (GROSSMAM, 1982, p. 15) E explica essa modificação quando o poeta, estimulado pela emoção, consegue coordenar idéias e transportar-se entre um e outro mundo através das palavras. O real indomável a ser domado pela linguagem. O real desconstruído (..), investigado e estruturado que desvela o poema. Comportar-se adequadamente para o poeta é atingir a percepção através de um ato de imaginação estabelecendo no poema uma contigüidade entre fatos não contíguos. O real preserva o absoluto enquanto a poesia como leitura de linguagem e de discurso se acentua na sua zona de opacidade e transparência (idem p 41-43) A crítica literária utiliza-se de todos os objetos possíveis para analisar uma produção literária. O poema existe por existe o autor, e por que o autor captou a energia que emanava de seu derredor. Para Aguiar e Silva (1979, p ) o poeta pode ser definido como alguém com possibilidades psicológicas para entender seu mundo e seu estar no mundo. Por isso analisam psicologicamente o poeta sob a teoria de Guy Michaud no estudo dos elementos psicossomáticos. Esta teoria dos quatro elementos é conhecida desde Hipócrates (357 a.c.) e Galeno (199 a.c.), divulgado por Kant e estudado pela psicologia. Ela apresenta um conjunto das disposições congênitas na formação do outro eu. De acordo com este estudo, Petrarca seria categorizado como, fleumático e melancólico. No qual melancólico, contem em si o elemento água e o fleumático, o elemento terra, compondo uma estrutura psicológica de intelectualidade e emotividade voltada para o social. As sensações com o objetivo de apalpar o mundo e administrar conflitos. Petrarca deu forma, métrica e imortalizou o sofrimento pelo amor indefinível através dos convulsionados sentimentos que extraia do social e do político. Modificou a ordem do mundo em relação à Lírica e a lingua italiana. Compôs os sonetos que em italiano, sonnetto, significa pequena canção ou pequeno som. O soneto, que nascera sob a forma de duas oitavas na corte de Frederico de Florença, sob a ordem de Jacobo Notaro ou Jacobo Lentini se transformara em dois quartetos e dois tercetos na

4 composição Petrarquiana. Como herança deste tempo temos duas variedades de sonetos, segundo Cunha e Cintra: O soneto italiano de quatorze versos, geralmente decassílabos ou alexandrinos, obedecendo a dois esquemas abba-abba ou abababab e o soneto inglês, que também consta de quatorze versos, mas distribuídos em três quadras e dois dísticos obedecendo aos esquemas de ababbcbccdcd-ee ou ababcdcdefef-gg (CUNHA, 2001, p ) Para entendermos o real do qual Petrarca extraiu sua lírica e explicar a faceta melancólica e fleumática que temperaram suas obras desde o Cancioneiro e o amor à Laura perpassando a religiosidade, a historicidade até á critica social, temos que rever o contexto social e político que o poeta tentava desconstruir. Petrarca ( ), denominado Pai do Humanismo, devotado em resgatar a Antiguidade clássica ao escrever cartas ao poeta Cícero, morto 1200 anos antes de seu nascimento, alem der traduzir Homero para o latim. Petrarca, Dante Alighieri, Boccaccio e intelectuais do seu tempo formaram a plataforma para o Ressorgimento italiano e o inicio da literatura Humanista europeu. Assim como é de Petrarca, o conceito de Medida Nova para a Lírica Itáliana, em oposição à Antigüidade Clássica. A principal característica deste movimento é o afastamento do teocentrismo perante a visão antropocêntrica do pensamento filosófico grego. Os intelectuais defendiam um olhar racional para o mundo, enquadrando o homem como possibilitador tanto para o construir positivo como para o negativo. Poetas do novo, da construção e de transformaçoes. Poeti Del dolce stil nuovo, assim foram nomeados os criadores do movimento estilístico que propôs nova forma para o soneto, para as cartas e artigos com o uso da introspecção. Uma expressão que caracteriza o estilo e a forma lírica proposta por um grupo de sete poetas italianos: Guido Guinizelli, Guido Cavalcanti, Lapo Gianni, Gianni Alfani, Dino Frescobaldi, Cino de Pistois, Dante Alighieri e Francesco Petrarca. Proposta que se transforma num dos mais importantes movimentos literários da Itália no século XIII alcançando, atemporalmente, outros poetas. O estilo de Petrarca ficou conhecido como Petrarquismo. Estilo designado desse modo no Séc. XV por Pietro Bembo 1, gramático, escritor, humanista, historiador, cardeal italiano e resgatador das 1 Informação obtida no site

5 obras e do estilo desses poetas. Bembo, através dos poemas latinizados em A Divina Comédia de Dante Alighieri, do Cancioneiro de Francesco Petrarca e Decameron de Giovanni Boccaccio, encontra material necessário para instituir a gramática e a linguística da lingua italiana. Rodolfo Ilari, embora não faça menção a Bembo, traz um ensaio interessante sobre a formação do italiano literário e as razões de se produzir em latim vulgar e não em latim clássico em toda România. Segundo Ilari, o latim clássico já não atendia às necessidades jurídicas e religiosas desde o século VIII quando foi traduzido o primeiro documento de que se tem conhecimento: Juramento de estrasburgo. Era necessário uma tradução para o latim vulgar para que o documento atendesse às duas partes, Segundo Rodolfo Ilari, a poesia provençal cumpriu sua função social em toda România, e, consequentemente, na itália: O italiano literário desenvolveu-se a partir do florentino entre os séculos XIII e XIV, nesse periodo a Itália estava dividida numa série de pequenos estados autonomos e frequentemente em luta entre si. Em Florença, a experiencia de escrever poesia lírica em latim vulgar coube ao grupo dos Poeti Del dolce stil nuovo (ILARI, 2004, p.123) Era um momento específico da itália, um momento em que as faccões lutavam para tornar seu domínio no contexto econômico e politico. Cada espaço, assim como a língua, era defendido por suas famílias. Nesta parafrase, confirma-nos Maquiavel: Antes de Carlos, rei da frança entrar na itália, este país era governado pelo papa, pelos venezianos, o rei de Napoles, o duque de Milão e pelos fiorentinos. Suas preocupações (...) evitar invasões e que impedir que que os outros governos estendessem seus domínios. O papa e os venezianos precisavam ser vigiados com cuidado. Conter Veneza exigia alianças e para tais alianças (...) servir-se dos dos barões romanos que se dividiam em duas facções: os Orsini e os Colonna(...) cuja disputa enfraquecia o papado. MAQUIAVEL(2006, p. 79) Fim da Idade Média e inicio da vida urbana com a intensificação do comércio promovido pela classe burguesa, que, até então, só poderia participar como expectadores da vida social e política de Roma, eis o contexto. Florença e Veneza como principais centros de comércio. A riqueza passou a ser associada ao capital obtido pelo comércio e não mais pela tradicional aristrocracia formada pelas famílias que detinham

6 a posse literal das cidades. Redescoberta de textos de autores da Antiguidade Clássica. As universidades criam o studia humanitatis: poética, retórica, ética e política grega. As famílias de Petrarca e de Dante, participaram do movimento político, social e religioso que se instaura na Itália depois que a França toma o poder. O conflito entre as principais famílias, o imperador e a igreja culminam com duas eleições de dois papas na história da igreja católica. Um em Roma eleito pelo imperador franco-germânico, e outro, hoje denominados anti-papas, decidido pelas famílias que não aceitaram a interferência do imperador na igreja e no governo das cidades-estados da Itália, enfraquecendo o papado e fortalecendo as famílias (MAQUIAVEL, 2006, p. 79). É nesse contexto que as disputas tornam-se ainda mais ferrenhas, guelfos de Florença contra gibelinos de Arezzo, (ALIGUERI, e-book, 2010) negros contra brancos, pró imperador contra própapa. Dante foi exilado, a família de Petrarca sai de Florença. Petrarca, mesmo contrariando sua ideologia, permanece. Se integra a vida monástica sob a proteção do Papa Clemente V, e depois aceita o mecenato dos Colonna, pois esse era o meio para continuar sua produção, suas leituras e suas viagens. Poetiza sobre a Itália de modo quase unificador. Petrarca, no soneto CLIV 154 (SANCTIS, 1993, p. 179) nomeia o Rio Ródano como imperador. Forma sútil de dizer que não participaria dos conflitos. Embora estivesse envolvido pelo partido dos guelfos brancos, tinha outro objetivo, conquistar a fama pelos seus escritos. Petrarca seguia o papa Clemente V, mas para escrever África, aceita a hospedagem de rei Ricardo, responsável pelas cidades ao Sul da Itália e adversário de Florença ao norte. Vive democraticamente em função da poesia, embora nela estabeleça seu critério de certo e errado no social. Na busca pela verdade, encontra os textos de Santo Agostinho. Usa Laura como subterfúgio. Se apaixona por Laura, assim como ama sua intelectualidade e a beleza em todos os aspectos. Escreve o dia em que a conheceu: Distinguia-se por suas virtudes e foi grandemente celebrada pelos meus versos, apareceu-me pela primeira vez aos olhos...no ano de Nosso Senhor Em 1327, no dia seis de Abril, à primeira hora, na igreja de Santa Clara, em Avignon. Nessa mesma cidade, no mesmo mês, no mesmo dia 6. Na mesma primeira hora, no ano de 1348, essa centelha se extinguiu. (DURANT, cap I, p. 5)

7 Definida como sendo Laura de Novaes, esposa de Hughes de Sade, ancestral do Marquês de Sade (idem), era a mulher virtuosa, casada, que se negou a um relacionamento amoroso com Petrarca. O nome Laura tem semelhança com láurea 2. Mais tarde, poetas renascentistas que buscaram a forma e o estilo de Petrarca deram o nome a essa coleção de O Cancioneiro. Em seus poemas, encontramos não apenas o nome Laura, mas também Lauro, Louro, sempre fazendo alusões a sua amada. Segundo Sanctis, Petrarca foi precursor de Foscolo, Alfieri, Manzoni, Leopardi, poetas italianos, e também do Romantismo europeu, pois apresentaram a característica do mal de amor: Atingidos de uma doença moral dos tempos modernos. Esse mal que consiste na desproporção entre o que desejamos e o que podemos. Mata lentamente a alma que mascara a impotência, consumindo-se e definhando-se em imaginações inconsistentes. (SANCTIS, 1993, p. 1-3), O Cancioneiro de Petrarca sofreu influência das canções apresentadas na corte do Rei Frederico II de Florença. Embora apresente contrastes no amor cortês de amigo, de escárnio e de maldizer, a poesia petrarquiana apresenta semelhanças, com o amor não-correspondido, a vassalagem, a idealização da mulher, o termo Senhora para se referir à amada e a cumplicidade com a natureza, retomando as bucólicas de Virgilio (SANCTIS, 1993, p. 174). Petrarca segue muito além do seu tempo, expondo subjetivamente a condição de apaixonado, refletindo sobre sua condição de esquivo das relações sociais ao descrever seu quartinho, como ambiente propício para se ausentar do mundo, ainda que a solidão o apavorasse. (Idem, p. 164). A Lírica de Francesco Petrarca atravessou séculos, percebemos sua influência no Humanismo tardio de Portugal sob a pena de Luiz Vaz de Camões. Na pintura de Pieter Bruegel, O Velho, que retratou Triunfo da Morte 3. Nas composições de Liszt Ferenc, famoso compositor e pianista do Romantismo, que compôs sonatas 4 versadas nos sonetos de Petrarca, Dante, Fausto e Goethe. Mais recentemente, em 2003, o Barítono Martin Bruns revendo todos os 11 músicos e 16 sonetos musicados, organiza um grande concerto comemorativo pelos 700 anos de nascimento de Francesco Petrarca. 2 Láurea e Laura são termos ligados ao mito de Dafne que para fugir de Apolo foi transformada num loureiro, tornando-se os ramos dessa árvore a coroa de glória para os vencedores gregos. 3 De 1562, tela a óleo de 117 X 162 cm exposta no Museu do Prado, Espanha. 4 Os sonetos de Petrarca trabalhados por ele são 49, 104 e 123

8 Luis Vaz de Camões, embora tenha apresentado as redondilhas dentre seus trabalhos, traduziu a Lírica de Petrarca para a língua portuguesa e se inspirou na estética e na Medida Nova ao compor sonetos de dois quartetos e dois tercetos. A análise dos poemas a seguir sugere a relação estreita entre mestre e discípulo ao ponto de não se conter o anseio de analisar ambos como se de um mesmo momento histórico, de um mesmo autor, tal a proximidade das produções. Logo abaixo, elencaremos o soneto 134 de Petrarca e o soneto V de Camões para uma análise mais apurada: Soneto 134 de Petrarca A paz não tenho, e sem ter motivo vou à guerra: e temo, e espero, e ardo em fogo, e sou de gelo, e quero subir ao céu e caio em terra, e nada abraço e o universo ando a contê-lo. Tal é minha prisão, que não se abre, e não se encerra: prende-me o coração, mas sem prendê-lo, não me dá vida ou morte, Amor, e erra minha alma sob o enorme pesadelo. Odeio-me a mim mesmo, alguém amando, grito sem boca ter, sem olhos vejo, quero morrer, e a morte me apavora. Nutrindo-me da dor, chorando eu rio: igualmente não me importam a morte e vida: eis o estado em que me encontro, Senhora, por vós. Soneto V de Luis Vaz de Camões Amor é um fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor?

9 Antepor os versos para que a possamos explicar a proximidade da construção poética e depois buscar diferenças explicitas nesta relação, será o propósito de nossa análise. Usamos apenas dois poemas já antevendo que as similaridades ocorrem em quase toda produção de Camões. Os dois poemas são construídos a partir dos duplos sentidos que os termos oferecem, das antíteses que ensejam a indefinição do humano diante do amor que se personifica ao ser expressado em letra maiúscula ou se metaforiza comparado ao calor e ardência do fogo, ao frio, ao gelo, á prisão, á luta, ao limite entre vida e morte. /ardo em fogo e sou de gelo/ não me dá vida ou morte, Amor, /Amor é um fogo que arde sem se ver/ se tão contrário a si é o mesmo Amor?/ O estado emocional descrito por extremos que hora são picos de alegria, hora estados depressivos no limite máximo de angústia e persistência de vida, deseja-se a morte, mas teme-se a morte, deseja-se a alegria, mas o sentimento toma proporções complexas, muito acima do entendimento humano./quero morrer e a morte me apavora/ Odeio-me a mim mesmo, alguém amando,/ Nutrindo-me da dor, chorando eu rio / Os poetas conduzem as palavras numa música perfeita, explicam, aludem e expõe seu mais íntimo estado de embriaguês amorosa que atinge o prazer na dor. Dor da não possessão, da submissão, da inferioridade. É o homem desconstruído do amor divino frente às novas tendências Humanistas, mas buscando, sob o olhar espiritual, aquela antiga sujeição ao sentimento religioso usando e abusando do gerúndio e o infinitivo dos verbos como forma de glorificar o estado de melancolia./e quero subir ao céu e caio em terra/ É querer estar preso por vontade/. Amando,/ Nutrindo/ chorando/ Embora a estética do romantismo fosse teorizada séculos mais tarde, podemos fazer a viagem inversa e perceber nuances do grotesco e do sublime quando os poetas separam a beleza e a deidade da amada diante da sua própria natureza terrena mesclada a sentimentos imundos e físicos. /é ter com quem nos mata, lealdade/ é servir a quem vence, o vencedor/. Tanto Petrarca quanto Camões buscaram no platonismo o egocentrismo a partir da subjetividade exagerada. Ambos glorificaram sua pátria e nela foram expoentes do Humanismo. Cantaram e poetizaram o amor numa linguagem acessível. Elegeram sua deusa, e muitas vezes com ela se confundiram. Petrarca é o inovador, aquele que primeiramente se expõe, ama até o mais profundo da alma. Petrarca amou Laura, a Itália e exerceu a Fé. Usou de lirismo para declarar seu amor, assim como para promover a critica social. Camões amava sua terra, amava-se mais do que amava sua Dona Caterina

10 de Ataíde ou Natércia, Dona Maria irmã do rei, e Dinamene, sua amada chinesa. Usou do lirismo para declarar-se apaixonado, e declara sua egocentria noutro poema: /Transforma se o amador na coisa amada/ (CAMÕES, 1990, p. 46). Ambos, Petrarca e Camões, embora Camões apresente em outros versos um tom mais erotizado, enquanto Petrarca prossegue na sua devoção sincera e espiritualizada, são divulgadores do amor transcendente, um sendo a ponte para o outro, enquanto a poesia toma o caminho que lhe é de direito. Portanto temos aqui a diferença do momento histórico e a enlevação de que foram acometidos dois principais poetas líricos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGUIAR e SILVA, Vitor Manoel, Teoria da Literatura. 3ª Ed. Livraria Almedina, Coimbra, Camões: Labirintos e fascínios. 2ª ed., Cotovia: Lisboa, ALIGUERI, Dante. A Divina Comédia. Tradução Ernani Donato. Ed Cultix. Disponibilizado como e-books, visualização 22/04/2010 ks?id=dwkjmfwlttwc&printsec=frontcover&dq=a+divina+com%c3%a9dia+dante+ alighieri&hl=pt-br&ei=bk8utjnknpcluafc5nznag&sa=x&oi=book_result&ct=res ult#v=onepage&q=a%20divina%20com%c3%a9dia%20dante%20alighieri&f=falsbr ASIL,escola. Apolo e Dafne CAMÕES, Luis Vaz de. Literatura Comentada/ seleção de textos, notas, estudos biográficos, histórico e crítico por Nádia Battella Gotlib. 2ª Ed. Nova Cultural: São Paulo, QUEIROZ, Mirna. Acessado em 22 de julho de 2010 às 14h28min CUNHA, Celso. Nova gramática do português contemporâneo Celso Cunha, Luis F. Lindley Cintra. 3. ed. Ed Nova Fronteira:Rio de Janeiro, 2001 DIEGUEZ, Gilda Korff. Sonetos de Petrarca. Rede de Letras. Acesso em 22 de julho de 2010 às 08h27min. petrarcasonetos.as DURANT, Will. A historia da civilização. A renascença de Petrarca à morte de Ticiano, 1304/1576, e-books visitado em 28/05/2010http://books.google.com.br/books?id=U- 74JkrlGdwC&pg=PA258&dq=petrarca+e+o+estilo+novo&hl=pt- BR&ei=GbguTOaqJs6wuAfPnunnAg&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=7&v ed=0ce0q6aewbg#v=onepage&q=petrarca%20e%20o%20estilo%20novo&f=false

11 GROSSMAM, Judith. Temas de teor literário. Ed Ática: São Paulo, ILARI, Rodolfo. Linguística Românica. 3ª ed. Editora Ática. São Paulo, MAQUIAVEL. O Principe.Trad. Pietro Nasseti. Ed Martin Claret: São Paulo, 2006 RODRIGUES, Marina Machado. O MARRARE - Revista da Pós-Graduação em Literatura Portuguesa da UERJ. Acessado em 22 de julho de RUSSO. Luigi. Compendio storic dellla letteratura italiana. Firenze/Messina: Editrice G. D'Anna,1962. Tradução em anexo. SANCTIS, Francesco de. Ensaios Críticos. Tradução de António Lázaro de Almeida Prado Ed. Nova Alexandrina: São Paulo, ANEXO Obras de Francesco Petrarca, tradução do livro de Luigi Russo. AS OBRAS LATINAS: O MEU SEGREDO (SECRETUM), composto em Valchiusa em É um diálogo imaginário entre o poeta e Santo Agostinho. Nos três volumes desta obra se desenvolve um drama intimo do escritor e de sua existência atormentada. Uma reflexão cristã sobre o significado da morte, as preocupações e os bens terrenos à luz dos valores espirituais. Petrarca reconhece e confessa defeitos, No primeiro volume Petrarca especifica a doença do seu espírito: à vontade: No segundo volume, Santo Agostinho encontra Petrarca culpado de todos os sete pecados capitais, menos o da inveja, o mais grave é a preguiça, especificada como a vontade. No terceiro volume o poeta confessa os dois sentimentos mais luminosos de sua vida: o amor de Laura e o desejo de glória. AS EPÍSTOLAS São 552 cartas em latim, divididas em: 24 livros de Lettere familiari (1325 a 1361), (Cartas familiares), 17 livros Seniles (1361 a 1374), (Senis), 57 cartas Variae, (Variadas) e 19 cartas Sine nomine (Sem destinatário). As primeiras publicadas pelo autor, as segundas escritas nos anos de sua velhice. As Variae recolhidas pelos amigos e admiradores, e as Sine Nomine ou (Sem destinatários), o poeta atira violentamente contra a corrupção da Corte Papal de Avignon. Algumas Epístolas são endereçadas a Cícero e Virgilio. AS OBRAS FILOSÓFICAS São três obras de Petrarca têm um caráter filosófico: De vita solitária (2 volumes, ), De cunho religioso (2 volumes, ), De remediis utriusque fortunae (253 diálogos, ), de conteúdo moral e religioso. Na primeira, o escritor exalta a vida solitária na paz serena do campo que permite recolhimento e o estudo, na segunda, a tranqüilidade ideal daqueles que se dedicam a vida monástica, isolando-se do mundo e fechando-se na contemplação religiosa. Na última, aconselha como se deve comportar na boa e na má sorte. ÁFRICA é um poema iniciado em 1338, em Valchiusa, quase acabado em 1341 em Selvapiana. Petrarca pensava obter a glória que, lhe veio do Cancioneiro. Trata-se de um poema épico sobre os heróicos acontecimentos da segunda guerra púnica, exalta Scipione, o africano e a grandeza de Roma. A parte mais bela do poema é historia de amor de Sofonisba e o lamento de

12 Magone que, na hora da morte, descobre a vaidade das coisas terrenas. As palavras de Magone moribundo (VI, ) são os únicos versos divulgados durante a vida do poeta. AS OBRAS HISTÓRICAS: São duas obras em prosa: De viris illustribus e Rerum memorandarum libri De viris, iniciado em , compreende 23 biografias de personagens romanos ou de alguma forma ligados a história de Roma. De Petrarca ampliou o projeto da obra incluindo homens ilustres de todos os tempos a partir de Adão, e compôs outras 12 biografias principalmente de personagens bíblicos. Sucessivamente Petrarca escreveu Vita di Scipione e Vita di Cesare. Rerum memorandarum ( ), Terminados quatro volumes, compreendem uma serie de anedotas históricas escolhidas para ilustrar as virtudes morais. A história é reduzida da biografia à anedota, gira em torno do homem e suas experiências. Dos restantes das obras latinas, recordamos os três volumes de Epistolae Metricae 66 epistolas de caráter biográfico, escrita entre , Bucolicum Carmem, 12 éclogas alegóricas de vários argumentos e duas obras polêmicas em prosa, De sui ipsius et multorum ignorantia (escrito em 1366 para combater a abstração da filosofia Aristotélica), e Invectiva contra medicum composta entre , em defesa da poesia e das ciências morais contra as ciências e as artes mecânicas. Cícero é o modelo das epístolas, Santo Agostinho do Meu Segredo, Virgilio de África, sentimos ainda a presença de Sêneca nos tratados filosóficos e de Lívio na narração da segunda guerra Púnica. O Latim de Petrarca, longe do Dantesco, é um latim exemplificado sobre Cícero, o léxico é rico e variado, sobre a latinidade. AS OBRAS VULGARES: O CANCIONEIRO: Petrarca é centro da obra, na qual demonstra uma profunda unidade poética. A essência do poeta é continuamente indagada na sua sensibilidade, nas paixões e nos sentimentos, na alegria e na frágil tristeza. A morte de Laura divide o Cancioneiro são 366 poemas divididos em duas partes: As rimas em vida e As rimas na morte. O livro termina com a Canção à Virgem e a reflexão sobre a recusa do tempo gasto em vão e a ânsia de anulação religiosa, enquanto a pacificação em Deus já era implícita na insatisfação das primeiras composições. Os temas poéticos são a beleza de Laura e o êxtase amoroso, o tormento do amor não correspondido, a necessidade de solidão, a contemplação na natureza, (...) No Cancioneiro Petrarca revela ainda, no plano poético magnífico, o seu mundo interior e exterior: no seu drama de homem apaixonado e os conflitos espirituais do período histórico em que vive. Entre as poesias não amorosas estão as invenctivas contra a Cúria Papal de Avignon e versos para a morte de personagens famosas como Cino da Pistoia e Sennuccio Del Bene. Recordemos duas canções civis, Espírito Gentil e A Atália: na primeira Roma é colocada como modelo de sociedade civil para os corruptos de sua época, na segunda os senhores da Itália são convidados a conclamar a reunião do povo, buscando as herança das virtudes de Roma contra os soldados mercenários germânico descendentes daqueles bárbaros. (RUSSO,1962),

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

História. Cultura Renascentista

História. Cultura Renascentista Cultura Renascentista Índice Clique sobre tema desejado: Origem e conceito Origem e conceito Origem Itália Crise feudal (séc. XIV-XVI) Florença Centro do renascimento Conceito Movimento de renovação cultural,

Leia mais

3º bimestre 2009_1ª série Era Moderna XV/XVIII Renascimento Cultural. Cap. 23. Roberson de Oliveira

3º bimestre 2009_1ª série Era Moderna XV/XVIII Renascimento Cultural. Cap. 23. Roberson de Oliveira 3º bimestre 2009_1ª série Era Moderna XV/XVIII Renascimento Cultural. Cap. 23 Condições propiciadoras séculos XIV, XV e XVI 1. A influência árabe: novas tecnologias, cálculo matemático, filosofia aristotélica.

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA EDfTORIAL LM I PRESENÇA ÍNDICE PREFACIO 11 I. PERSPECTIVAS GLOBAIS 13 1. O homem e a obra 13 2. Contextualização sociocultural

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Renascimento. Prof. Adriano Portela

Renascimento. Prof. Adriano Portela Renascimento Prof. Adriano Portela O que é o Renascimento? Dados Início: século 14 Local: Península Itálica Se estendeu até o século 17 por toda Europa. Artistas, escritores e pensadores exprimiam em suas

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira Definição: Movimento científico e científico ocorrido na Europa durante a transição entre as idades Média e Moderna. Fatores: A expansão marítima e o renascimento

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA Andréia Gaeta de Pontes Geraldo andreia17nov@hotmail.com Aline Sirlene de Souza alinesouza_guap@hotmail.com Josiane

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

A RENASCENÇA (sécs. XIII-XVI)

A RENASCENÇA (sécs. XIII-XVI) A RENASCENÇA (sécs. XIII-XVI) 1) Definição de Renascença 1.1. O que foi a Renascença? * Período entre o fim da Idade Média e as Reformas * Recuperação do Pensamento Clássico Greco-Romano * Transformação

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

TÁCIUS FERNANDES PROFESSOR. Itália berço do Renascimento

TÁCIUS FERNANDES PROFESSOR. Itália berço do Renascimento RENASCIMENTO CULTURAL XIV e XVI TÁCIUS FERNANDES PROFESSOR Itália berço do Renascimento Renascimento Antropocentrismo Racionalismo Humanismo e individualismo Em oposição à cultura feudal, o Renascimento

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Renascimento. Renascimento 05/09/2012 DEFINIÇÃO: uma nova visão de mundo FATORES GERADORES

Renascimento. Renascimento 05/09/2012 DEFINIÇÃO: uma nova visão de mundo FATORES GERADORES DEFINIÇÃO: uma nova visão de mundo movimento artístico-cultural, ocorrido na Europa Ocidental entre os séculos XV e XVI; manifestações artístico-intelectuaiscientíficas : transição da Idade Média para

Leia mais

Itália berço do Renascimento

Itália berço do Renascimento RENASCIMENTO CULTURAL XIV e XVI Itália berço do Renascimento How does Late Linha Gothic art create do the tempo bridge between Byzantine and Renaissance art? Bizantino Virgin and Child Gótico Virgin and

Leia mais

PARA UMA INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS DA LITERATURA ITALIANA

PARA UMA INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS DA LITERATURA ITALIANA PARA UMA INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS DA LITERATURA ITALIANA Cecilia Casini (DLM) Com o intuito de oferecer um auxílio para os alunos universitários brasileiros interessados a empreender o estudo da literatura

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES ÍNDICE 2 Afirmativa, Alegria, Beneficência, Candeia Viva, Caso Triste, Criação... 03 Desengano, Deserção, Despedida, Destaque, Disciplina, Divino

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

A atuação da força micaélica na biografia individual

A atuação da força micaélica na biografia individual A atuação da força micaélica na biografia individual Edna Andrade Na Biografia individual Micael pode ser considerado uma força arquetípica que impulsiona o nosso amadurecimento anímico: é a coragem de

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Aula 23- Renascimento cultural

Aula 23- Renascimento cultural FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 23- Renascimento cultural DeOlhoNoEnem H1 - Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura. H3 - Associar as manifestações

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

Propósito n. 1 VOCÊ FOI PLANEJADO PARA AGRADAR A DEUS. 8º. Dia 06 de Março Planejado para agradar a deus

Propósito n. 1 VOCÊ FOI PLANEJADO PARA AGRADAR A DEUS. 8º. Dia 06 de Março Planejado para agradar a deus Propósito n. 1 VOCÊ FOI PLANEJADO PARA AGRADAR A DEUS Porque o Senhor vai plantar esse povo; eles serão fortes e belos como carvalhos, e darão glória a Ele. Isaías 61.3b 8º. Dia 06 de Março Planejado para

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva

Entrevistada por Maria Augusta Silva ANA HATHERLY Entrevistada por Maria Augusta Silva Nesta cidade-mundo, num mundo terrível, quem pode criar o verso de júbilo? Todos os mundos têm sido terríveis, mas só falo daquele que diretamente conheço.

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

ÉTICA E SOCIEDADE: em busca de uma Ética Universal

ÉTICA E SOCIEDADE: em busca de uma Ética Universal Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Filosofia Educador: João Nascimento Borges Filho ÉTICA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso ao receber o Prémio Príncipe

Leia mais

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio.

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. NICOLAU MAQUIAVEL Vida e Obra 1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. 1498: é nomeado chanceler e, mais tarde, secretário das Relações Exteriores de Florença.Essas funções não detiam tanto poder,

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

História 7A Aula 20. A Cultura Medieval I

História 7A Aula 20. A Cultura Medieval I História 7A Aula 20 A Cultura Medieval I Cultura Medieval Síntese de elementos greco- romanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso Vou Louvar DE Luiz Carlos Cardoso EM LUTAS OU PROVAS, TRIBULAÇÕES EU SEMPRE ORO E LOUVO AO SENHOR AO LADO DE JESUS CERTA É A VITÓRIA ELE É O LIBERTADOR NÃO TEMEREI MAL ALGUM NO MEIO DO LOUVOR ESTÁ O SENHOR

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS 24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455 INTRODUÇÃO O comportamento, a mensagem, a pessoa de Jesus e toda a sua história, especialmente a o mistério pascal não podem ser explicados nem corretamente

Leia mais

A música surgiu com os sons

A música surgiu com os sons Dó A música surgiu com os sons da natureza, já que seus elementos formais - som e ritmo - fazem parte do Universo e, particularmente da estrutura humana O homem pré-histórico deve ter percebido os sons

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução TROVADORISMO Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução 1 Introdução Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira

Leia mais

Figuras de linguagem

Figuras de linguagem Figuras de linguagem Figuras de estilo / figuras de retórica (Portugal) ou figuras de linguagem (Brasil) são estratégias que o escritor pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação

Leia mais

RESENHA DA OBRA MONARQUIA DE DANTE ALIGHIERI

RESENHA DA OBRA MONARQUIA DE DANTE ALIGHIERI RESENHA DA OBRA MONARQUIA DE DANTE ALIGHIERI Rodrigo Gama Croches 1 O presente estudo tem como intuito destacar e sintetizar os principais argumentos formulados por Dante Alighieri na obra intitulada Monarquia

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências 2 > Ciência Política UNIDADE 2 Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências Objetivos Discutir o contexto histórico no qual Maquiavel escreveu a obra O Príncipe. Apresentar a obra de

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA Luiz Carlos Bresser-Pereira Valor, 2.6.2000. Apresentado originalmente como comentário ao filme (de Mazursky) e à peça (de Shakespeare) A Tempestade, em debate promovido

Leia mais

A causa fundamental na mudança da personalidade

A causa fundamental na mudança da personalidade Psicólogo : Chang Kin Man Há dias atrás, fui ao casamento de um velho amigo meu. Durante o jantar, para além de termos podido apreciar as iguarias, ainda pudemos compartilhar a felicidade dos noivos, de

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer.

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Hebreus 12:1b deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e

Leia mais

O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES

O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES 1 O PROJETO TRANSDISCIPLINAR ESTAMOS POESIA: A LUDOPOIESE NA AUTOFORMAÇÃO DE ALUNOS E PROFESSORES Maria das Dôres da Silva Timóteo da Câmara BACOR/PPGEd/UFRN Orientadora Profª Drª Katia Brandão Cavalcanti

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

Gabarito Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Grupos D, E, F e G. Texto I. Texto II

Gabarito Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Grupos D, E, F e G. Texto I. Texto II Mas já que se há de escrever que ao menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas. Clarice Lispector. Os melhores contos. Texto I Nós, os escritores nacionais, se quisermos ser entendidos de nosso

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira Descritor 15 Estabelecer relações lógicodiscursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais