UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ FABÍOLA GALEAZZO MARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ FABÍOLA GALEAZZO MARE"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ FABÍOLA GALEAZZO MARE ELABORAÇÃO DE PLANO DE TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE ALIMENTOS E BEBIDAS DA POUSADA CAPITÃO THOMAZ CE Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Centro de Ciências Sociais Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Campus Balneário Camboriú Balneário Camboriú 2007

2 1 FABÍOLA GALEAZZO MARE ELABORAÇÃO DE PLANO DE TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE ALIMENTOS E BEBIDAS DA POUSADA CAPITÃO THOMAZ CE Produção Técnica-Científica apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Turismo e Hotelaria, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Sócias Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Campus Balneário Camboriú. Orientadora: Prof.ª Janaina Domingues. Balneário Camboriú 2007

3 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Curso de Turismo e Hotelaria José Roberto Provesi Reitor Mário César dos Santos Vice-Reitor Valdir Cechinel Filho Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Amândia Maria de Borba Pró-Reitoria de Ensino Nilson Scheidt Secretário Executivo Carlos Alberto Tomelin Diretor do Centro de Ciências Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Silvia Regina Cabral Coordenadora do Curso de Turismo e Hotelaria Arno Minella Responsável de Estágio Curso de Turismo e Hotelaria Balneário Camboriú 2007

4 3 FABÍOLA GALEAZZO MARE ELABORAÇÃO DE PLANO DE TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE ALIMENTOS E BEBIDAS DA POUSADA CAPITÃO THOMAZ CE Esta Produção Técnica-Científica foi julgada adequada para obtenção do título de Bacharel em Turismo e Hotelaria e aprovada pelo Curso de Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Sociais Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer, Campus Balneário Camboriú. Área de Concentração: Ciências Sociais Aplicadas Sub-Área: Turismo e Hotelaria Balneário Camboriú, 12 de dezembro de Prof a. Janaina Domingues UNIVALI CE de Balneário Camboriú Orientador Prof a. MSc Maurício Cesar UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro Prof a. MSc Antônio Assef UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro

5 4 DEDICATÓRIA Dedico este projeto aos meus pais e minhas irmãs, os quais sempre me incentivaram a ir em busca dos meus sonhos, dando-me suporte e sendo um porto seguro para os momentos difíceis. Sem este auxílio, tantos anos de faculdade teriam sido impossíveis.

6 5 AGRADECIMENTOS Meus votos de agradecimento vão para aqueles que de alguma forma colaboraram para execução do presente projeto. Agradeço primeiramente à Deus, pelo meu caminho de luz e paz e por todas as possibilidades apresentadas. Agradeço também aos meus pais que me deram suporte moral e financeiro nos quatro anos de curso sempre me apoiando e incentivando para ir mais além, em busca de minha realização pessoal. Á minha irmã Erica, que mesmo estando longe contribuiu para mais uma de minhas realizações. Á todas amizades feitas em Jeri: Karina, Rodrigo, Natalia, Alessandra, Juliana, Tatiana, e a todos os colaboradores da Pousada Capitão Thomaz e comunidade local, pelo acolhimento e mensagem de vida. Agradecimento em especial á Rosinha esteja em paz! Aos professores: Janaina Domingues, Arno Minella e Maurício César, que me orientaram e instruíram para o melhor desenvolvimento deste trabalho. Á todos os amigos sempre presentes, transformando-se em família nestes quatro anos distantes de casa. *Enfim, agradeço pela vida, pelas oportunidades, pela força de vontade e garra que Deus me deu*. Não há nada... Não há nada mais acolhedor do que o sorriso de uma criança... Não há nada que brilhe mais do que os raios do sol... Nada há nada mais questionável do que as origens do universo... Não há nada mais belo do que ver o amanhecer... Não há nada mais absoluto do que nosso DEUS; Não há nada mais prazeroso que respeitar a si próprio, em ser quem realmente és.

7 6 LISTA DETABELAS Tabela 01: Orçamento Ação Tabela 02: Orçamento Ação

8 7 LISTA DE QUADROS Quadro 01: Caracterização dos termos educação, desenvolvimento e treinamento Quadro 02: Atividades 1º dia - Área de Produção Quadro 03: Atividades 2º dia Área de Produção Quadro 04: Atividades 3º dia Área de Produção Quadro 05: Atividades 4º dia Área de Produção Quadro 06: Treinamento Atividades Habilidades Básicas 1º dia Quadro 07: Treinamento Atividades Habilidades Básicas 2º dia Quadro 08: Treinamento Atividades Habilidades Básicas 3º dia Quadro 09: Treinamento Atividades Habilidades Básicas 4º dia Quadro 10: Treinamento Boas Vindas Atividades 1º dia Quadro 11: Treinamento Atendimento Atividades 2º dia Quadro 12: Treinamento Atendimento Atividades 3º dia Quadro 13: Treinamento Atendimento Atividades 4º dia Quadro 14: Treinamento Língua Inglesa Quadro 15: Questionário de Avaliação Quadro 16: Questionário de Avaliação Quadro 17: Cronograma de Atividades... 68

9 8 RESUMO A Hotelaria é uma área que desenvolve-se juntamente com o ritmo da atividade turística, fortalecendo sua imagem no mercado turístico por meio de novas adaptações ás exigências da demanda. O setor de Alimentos e Bebidas nesta questão torna-se quase indispensável para um empreendimento hoteleiro alcançar maior reconhecimento e saciar as necessidades dos hóspedes. Este setor é responsável por gerar diversos empregos e contribuir para a renda da comunidade onde se instala. No entanto, a abertura de um empreendimento na área de restauração necessita de constante treinamento e capacitação da mão-de-obra que irá desempenhar as funções, tanto na área de produção quanto a de atendimento. A Pousada Capitão Thomaz enquadra-se neste cenário, onde a ampliação do setor de Alimentos e Bebidas dependerá do investimento em seus colaboradores, a fim de instruí-los, capacitá-los e motivá-los a desenvolver um trabalho eficaz e qualificado, saciando as exigências do público e impulsionando o crescimento e sucesso da pousada, uma das pioneiras na região. Palavras-chave: Alimentos e Bebidas. Treinamento. Qualidade

10 9 SUMÁRIO PARTE I PRODUÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA DE ESTÁGIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DESCRIÇÃO E ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL PROPOSTA DE AÇÃO Definição da Proposta Operacionalização Ações/etapas Ação 01: Definição de cargos Ação: 02: Elaboração de Manual do Colaborador Ação 03: Elaboração de Cartilha de Higiene e Segurança Ação 04: Elaboração de caderno de Inglês contendo diferentes palavras e frases específicas ao atendimento de clientes Ação 05: Elaboração de manual de habilidades Básicas Ação 06: Elaboração de sistema de Reconhecimento e Benefícios Desenvolvimento do Treinamento Plano de treinamento para área de Produção Plano de Treinamento Área de Atendimento Treinamento para o uso de Línguas Estrangeiras Avaliação de Resultados Cronograma Cronograma de atividades desenvolvidas para treinamento dos colaboradores da área de produção

11 Orçamento Viabilidade REFERÊNCIAS APENDICES PARTE II RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO ALUNO Dados da Empresa Dados do Aluno JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DESCRIÇÃO DA EMPRESA Evolução histórica da Empresa Infra-estrutura física atual Área de Hospedagem Área de Alimentos e Bebidas Área de Lazer Serviços Terceirizados Infra-estrutura administrativa Quadro de recursos humanos Serviços prestados aos clientes DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS POR SETOR... 88

12 Setor Recepção e Reservas Funções do Setor Infra-estrutura do Setor Atividades Desenvolvidas Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas Setor Supervisão de Hospedagem Funções do Setor Infra-estrutura do Setor Atividades Desenvolvidas Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas Setor Alimentos e Bebidas Funções do Setor Infra-estrutura do Setor Atividades Desenvolvidas Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas... 6 ANÁLISE DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS... 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERENCIAS ASSESSORIAS TÉCNICAS E EDUCACIONAIS ANEXOS

13 12 PARTE I PRODUÇÃO TÉCNICO-CINETÍFICA DE ESTÁGIO

14 13 1 INTRODUÇÃO O turismo é uma atividade crescente que engloba diferentes setores, como hospedagem, lazer, transportes e alimentação. O setor da Hotelaria concentra atividades que se desenvolvem na mesma perspectiva da atividade turística, se aperfeiçoando a cada momento para melhor servir a seu público. As opções de hospedagem, dependendo do local onde estão inseridas, precisam passar por reestruturações para oferecer aos clientes além do hábito de hospedar, boas opções de alimentação e entretenimento. Atualmente a área de Alimentos e Bebidas, além de empregar milhares de pessoas em todos as regiões do país, apresenta uma parcela significativa em relação ao aumento da produtividade do setor turístico do Brasil, contribuindo assim para o crescimento do setor e constante aperfeiçoamento da atividade. Com isso, cresce também o grau de responsabilidade para com os consumidores, estes que encontram-se cada vez mais exigentes com o produto final e a espera de serviços que unam a qualidade e segurança. A Pousada Capitão Thomaz localizada em Jericoacoara CE, é um empreendimento que passa por reformas na área de Alimentos e Bebidas, objetivando melhor servir aos hóspedes e a seus possivelmente novos clientes, aumentando assim seus lucros com a hospedagem e alimentação. Analisando a mão de obra local da região, percebe-se a falta de capacitação da comunidade para trabalhar com a atividade turística. Sendo a área de Alimentos e Bebidas um setor que necessita de profissionais treinados e conscientizados para realizarem um trabalho qualificado, é necessário trabalhar com o desenvolvimento desta capacitação. Elaborar um plano de treinamento para os colaboradores da área de Alimentos e Bebidas da Pousada iria sanar algumas dificuldades existentes atualmente no setor e proporcionar uma

15 14 opção de alimentação diferenciada e de qualidade aos hóspedes da pousada e ao público de Jericoacoara. O plano de Treinamento possibilitaria desenvolver diversas atividades com os colaboradores, a fim de explicá-los a importância da higiene e segurança na produção de alimentos, além de técnicas de atendimento aos clientes, utilizando também o ensino de língua inglesa instrumental para aperfeiçoar a atividade. Este Plano de Treinamento possibilita tanto o sucesso para o próprio empreendimento quanto á questão da oferta aos turistas de um restaurante com serviços diferenciados, mas principalmente beneficiaria á comunidade, a qual terá uma nova opção de emprego em um empreendimento responsável com a questão social, que acredita no potencial do colaborador e faz deste um parceiro de equipe de trabalho. 1.1 Justificativa O turismo vem se desenvolvendo cada vez mais com o passar dos anos, tornando-se um setor estratégico para a economia do país, gerando empregos e renda e melhorando a qualidade de vida das comunidades envolvidas. Neste contexto turístico destaca-se a Hotelaria, atividade que teve início por volta do século VII a.c., e desde então passou a modificar-se, oferecendo melhores condições para os turistas e segmentando o mercado. Desse modo, pode-se perceber que com a crescente exigência da sociedade em busca de empreendimentos que pudessem saciar seus desejos, os serviços á serem prestados deveriam estar suficientemente desenvolvidos para apresentarem-se aptos as cobranças dos clientes. Com isso, para que os meios de hospedagem conseguissem fortalecer a sua imagem e participação no mercado, necessitaram promover maior motivação dos seus funcionários e aliar a procura por bons serviços com a certeza da qualidade. A qualidade dos serviços dos empreendimentos hoteleiros, no setor de Alimentos e Bebidas principalmente, é avaliada em relação ao grau de hospitalidade que é apresentada, á qualidade dos serviços oferecidos e ao elemento humano capacitado para atender de forma profissional.

16 15 A partir daí, justifica-se a necessidade de treinar os colaboradores do setor de Alimentos e Bebidas da Pousada Capitão Thomaz, visto que o público-alvo do empreendimento são turistas na maior parte do tempo estrangeiros, oriundos de países europeus e outros, os quais estão habituados á consumirem serviços personalizados. Jericoacoara é um destino que já esteve na lista das melhores praias do mundo a serem conhecidas, e essa publicidade faz com que o número de turistas estrangeiros cresça a cada ano. A pousada em questão apresenta localização privilegiada e uma boa taxa de ocupação durante o período de temporada. O empreendimento em questão passa por reformas na área de Alimentos e Bebidas, modernizando seus serviços para melhor servir sua clientela. Esse fato certamente contribuirá para o desenvolvimento da imagem da pousada, sendo assim, é imprescindível investir no treinamento dos novos colaboradores, esses que são elemento fundamental para o desenvolvimento do empreendimento e são em grande parte, moradores da região. È reconhecido o descaso em relação á educação da comunidade local, sendo esta a receptora dos turistas que chegam á Jeri (como é carinhosamente chamada). Sendo assim, um treinamento eficaz deve abranger a capacitação e a motivação dos funcionários, além do desenvolvimento diário da educação. Agindo desta forma, o empreendimento estará promovendo um turismo responsável, ou seja, capacitando a comunidade local de onde está instalada e melhorando a qualidade de vida da população, além de garantir lucros ao empreendimento. 1.2Objetivos Objetivo Geral Elaborar um Plano de Treinamento para os colaboradores da área de Alimentos e Bebidas da Pousada Capitão Thomaz CE Objetivos específicos

17 16 Buscar subsídios teóricos em bibliografias sobre o tema; Identificar e analisar a situação geradora do projeto de ação; Definir e descrever os procedimentos que envolvem a ação projetada; Apresentar indicadores que demonstram a viabilidade econômica, financeira e técnica para a implantação do projeto; Desenvolver a capacitação dos funcionários para um atendimento qualificado no setor de Alimentos e Bebidas; Ambientar os colaboradores na empresa através do Manual do Colaborador; Capacitar a mão-de-obra com o uso de Manual de Habilidades Básicas e fichas técnicas para a produção dos pratos do cardápio; Capacitar os colaboradores da área de atendimento com o uso da língua inglesa instrumental; Desenvolver e acompanhar as correções nos procedimentos de higiene e segurança alimentar; Avaliar os resultados após a aplicação do plano de treinamento.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O turismo vem se desenvolvendo cada vez mais com o passar dos anos, tornando-se um setor estratégico para a economia do país, gerando empregos e renda e melhorando a qualidade de vida das comunidades envolvidas. Segundo a OMT (2005), o turismo está entre os setores de maior crescimento no mundo, tendo triplicado seu tamanho e impacto econômico nos últimos 50 anos. É de relevância ressaltar que a atividade turística contribui para a preservação dos patrimônios históricoculturais e ambientais do mundo, além de ser uma atividade capaz de promover o desenvolvimento intersetorial, em função do efeito multiplicador dos investimentos. (Gorini e Mendes, p.113, 2005). O turismo está estritamente ligado ao desejo de ir e vir das pessoas. Nesse contexto, a hotelaria sendo uma atividade subseqüente do turismo, mostra-se fundamental para a base da atividade. Assim, o mercado hoteleiro consiste na produção de serviços intangíveis, ou seja, no fornecimento de hospedagem, segurança, alimentação e demais serviços essenciais à atividade de receber. O início da história da hotelaria encontra-se aproximadamente pelo século VII a.c., sendo os Jogos Olímpicos o evento estimulante para as viagens dos participantes e espectadores aos locais sede, onde estes destinos adaptavam-se para oferecer hospedagem, alimentação e transporte ao público. No entanto, muitos outros fatores levaram ao desenvolvimento da hotelaria, como as atividades comerciais e agrícolas, o intercâmbio de estudos, a Revolução Industrial facilitando o acesso através dos trilhos, além do desenvolvimento da comunicação e outras inovações tecnológicas; até chegar á prática do lazer, como é muito desenvolvida atualmente. No Brasil, segundo Neto (2001), a hotelaria deu iniciou no século XVII no Rio de Janeiro, por meio das casas de pasto e tabernas que ofereciam alimentação e eventualmente, alojamento em instalações simplificadas e precárias.

19 18 De acordo com o mesmo autor, o hotel pioneiro no Brasil foi inaugurado em meados do século XIX, no Rio de Janeiro. O Hotel Pharoux, localizado próximo ao cais do porto mantinha boa estrutura física e de serviço. Foi também após a Segunda Guerra Mundial que a hotelaria brasileira passou a se aperfeiçoar e criar conceitos próprios, criando as diversas categorias de estabelecimentos e diferenciandose pelas atividades oferecidas por cada empreendimento. A partir de então, através da procura por inúmeros fatores por um meio de se hospedar, que aumentaram as opções de hospedagem e o mercado passou por grandes transformações para chegar ao nível encontrado atualmente, disponibilizando de diversas opções de instalações espalhadas pelo mundo. Para suprir a demanda de públicos distintos que se deslocam para diferentes destinos com motivações e expectativas particulares, segmentou-se os empreendimentos hoteleiros afim de que cada consumidor pudesse suprir seus objetivos e anseios em um empreendimento específico. Para o projeto em questão é relevante ressaltar que por volta dos século XI e XIII, quando o mundo cristão organizou as expedições militares-religiosas conhecidas como Cruzadas, deu início as atividades das pousadas. As cruzadas colocaram nos caminhos europeus diversos viajantes, compreendendo desde os soldados e mercadores até os peregrinos, o que levou a transformação das pousadas em lucrativa atividade, tendo sido abertas um valioso número num período de cem anos. As atividades crescentes dos proprietários de pousadas influenciaram o sistema de hospedagem italiano, culminando em um decreto que instituía uma série de regras para padronização e classificação das pousadas. Nessa época deu-se início o intercâmbio entre professores e alunos entre as universidades européias, expandindo, dessa forma, a atividade de hospedagem por todo o continente. BALDARÒ (2005). Seguindo o mesmo tempo cronológico, a Confederação de Comércio (2005), diz que: As pousadas que até então funcionavam principalmente para os viajantes religiosos, em nome da caridade samaritana, assumiram características de negócio lucrativo diante do movimento intenso de soldados, peregrinos e mercadores nos caminhos europeus, e um grande número de novos

20 19 estabelecimentos foi aberto nesse período. Essa mudança do perfil da hotelaria, firmando-se agora como atividade profissional, tem como marco significativo a criação do primeiro grêmio dos proprietários de pousadas, em Florença, na Itália, no ano de Segundo a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), juntamente com a ABIH (Associação Brasileira de Indústria de Hotéis), pousada é um estabelecimento situado em locais turísticos, fora de centros urbanos, que recebe pessoas em viagens de recreação e lazer. Pode estar instalada ou não em um prédio de valor histórico ou de importância regional ou local. Tem estrutura administrativa familiar e, em função de seu pequeno porte, concede tratamento personalizado aos hóspedes. Castelli (1992, p.38) ainda define sendo como o estabelecimento comercial de hospedagem, instalado total ou parcialmente em edifício de valor histórico ou de significação regional, ou local reconhecido pelo poder público, e que alugue, para ocupação temporária, aposentos mobiliados com serviços de alimentação parciais, oferecendo ainda outros serviços complementares da indústria hoteleira.. Sendo assim esses empreendimentos são na maioria das vezes procurados por casais e famílias em viagens de férias, surfistas e mergulhadores. NETO (2004). Os meios de hospedagem independentes das tipologias resumem-se basicamente em ambientes capazes de oferecer estruturas relacionadas aos setores habitacional, social, administrativo e de serviço. Conforme informações da ABIH, o segmento hoteleiro possui, atualmente, mais de 18 mil meios de hospedagem, classificados como hotéis e pousadas, desde pequeno até grande porte, representando uma oferta de 1,1 milhão de apartamentos unidades habitacionais (UHs). De acordo com a ABIH Nacional, a maioria dos meios de hospedagem presentes no país são de pequeno porte: dos 18 mil hotéis e pousadas existentes no Brasil, nada menos de 41,9 % têm até 20 leitos. Estima-se que, até o final de 2010, a indústria hoteleira do Brasil receberá investimentos da ordem de R$5,3 bilhões na construção de novos meios de hospedagem, não incluindo o

21 20 montante que deverá ser aplicado na ampliação e renovação das unidades já existentes, valor que deverá ultrapassar os R$4 bilhões (Informativo FNHRBS, 2007). Com tamanha oferta de hospedagem, empreendimentos a fim de apresentarem um diferencial de competitividade prestam serviços personalizados e desenvolvem outras áreas e setores, com a finalidade de proporcionar satisfação aos hóspedes e suprir suas exigências, sejam estas no setor de lazer, negócios, alimentação e outras. Dentro das estruturas hoteleiras, o setor de Alimentos e Bebidas é de extrema importância em relação á atividade turística, pois está associado à satisfação de uma necessidade, sendo esta fisiológica ou sociológica. A alimentação completa o desenvolvimento do turismo, consistindo em ser um dos motivos do deslocamento, ou apenas um complemento necessário à atividade. A área de A & B é um ponto de referência que pode vir a se transformar em bons ou maus momentos de lazer. A procura por sabores exóticos de culinárias de diferentes locais do mundo tem impulsionado os turistas a cada vez mais experimentarem novas experiências, aumentando o contato com culturas regionais de cada destinação. De acordo com a Abrasel Nacional (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), alguns dados cedidos pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) demonstram que 81,49% das prestadoras de serviço no turismo são empresas de alimentação, que respondem por 65,37% dos empregos. Atualmente, o setor de alimentação fora do lar é responsável pela geração de 6 milhões de empregos em todo o país. Além do setor de Alimentos e Bebidas ser responsável por 31,18% do montante da receita operacional líquida do turismo. A Associação, ainda afirma que as empresas de pequeno porte dominaram as atividades relacionadas ao turismo no Brasil, representando 97,2% desse universo com destaque para o setor de alimentação (79,9% do total). Da mesma maneira, CASTELLI (1999, p.294), afirma que muitos hotéis tem a área de Alimentos e Bebidas um negócio rentável 40% ou mais da receita total do hotel.

22 21 Avaliando esses dados é possível perceber o potencial da alimentação na atividade hoteleira. Porém, a alimentação possui um relevante valor quando se trata da qualidade na prestação de serviços, podendo tornar-se fundamental na tomada de decisão de alguns turistas, pois é a partir da qualidade do serviço que se constrói a imagem do produto turístico, que será disseminado pelo consumidor. Dentro desta perspectiva, de acordo com a OMT (2003, p.1), qualidade é um conjunto de traços e características de um produto ou serviço para satisfazer as necessidades específicas ou implícitas do consumidor. Ou ainda, Qualidade é uma exigência aceita e obrigatória em nível internacional para todas as modalidades de serviços, sendo uma questão de sobrevivência para todas as empresas. ALVARENGA (1998, p. ). Segundo Gronroos (1993, p.53) a qualidade é percebida pelos clientes: Boa qualidade percebida é obtida quando a qualidade experimentada atende ás expectativas do cliente, ou seja, á qualidade esperada. Se as expectativas não são realizadas, a qualidade total percebida será baixa mesmo se a qualidade experimentada for boa. A qualidade do serviço prestado é avaliada pelo grau de satisfação e atendimento das expectativas, exigências e desejos do cliente que está sendo atendido, o não atendimento destas expectativas pode gerar em uma visão negativa do empreendimento. A grande preocupação com a prestação de serviços no setor de restauração abrange diversas áreas que englobam todo um composto relacionado á pontos que podem contribuir com a qualidade dos empreendimentos. Sendo assim, segundo Maricato (2005, p.89), o CAPAS abrange os pontos determinantes do negócio Cozinha, Atendimento, Preço, Ambientação e Serviço, que são pontos estruturais de um empreendimento do setor de restauração. Estes fatores no desenvolvimento das estruturas da empresa necessitam ser planejadas conforme os objetivos traçados pelos gestores, para apresentar-se com um conjunto de idéias para um mesmo fim.

23 22 Dentro do CAPAS, o back of the house, ou seja, a retaguarda corresponde ao ambiente onde o cliente normalmente não tem contato, e inclui os departamentos de compras, recebimento, armazenamento/distribuição, produção da comida, copa, orçamento, contabilidade e controladoria (Walker, 2002, p.244). No ambiente da cozinha, na área da produção, o trabalho em equipe é de total importância, pois é um ambiente que exige muita concentração e trabalho mútuo. O planejamento da atividade envolve desde o layout da cozinha, ao recrutamento e treinamento da equipe, onde enfoca-se as habilidades básicas dos colaboradores na cozinha, como técnicas de cocção, cortes e padronização, técnicas de preparo e padrões de higiene, contatos com fornecedores, além do uso de fichas técnicas para evitar o desperdício. Todas as atividades desenvolvidas buscam o encontro da qualidade e a segurança no serviço prestado. Maricato (2005, p.165) concorda que o planejamento para a boa prestação de serviços é uma questão que deve ser estabelecida desde o recrutamento, onde opta-se por funcionários inexperientes. Estes não carregam vícios de empregos anteriores e tem mais disposição para aprender a profissão e servir com entusiasmo. O ideal é que os funcionários reúnam todas as qualidades necessárias ao bom atendimento. A maior parte das tarefas de A e B são extremamente trabalhosas e requerem funcionários que realmente se dediquem a executá-las bem (DAVIES, 2001, p.53). Na área de atendimento, o elemento humano é a carta de apresentação da empresa, pois é através dele que os clientes podem perceber os atributos e o requinte do atendimento do estabelecimento. Esta excelência pode ser obtida através da educação e do treinamento dos colaboradores desta área. Sabendo o que é um atendimento correto, e o que supera as expectativas dos clientes e como deve proceder em cada tarefa, ou melhor, o que é esperado de si, o colaborador ou profissional de contato poderá dar o serviço, de acordo com os padrões de atendimento de cada empresa e assim contribuir para a manutenção da consistência do conceito operacional no que tange ao serviço. FREITAS, (2005).

24 23 A padronização da qualidade dos serviços prestados tem sido uma constante na realidade do mercado hoteleiro, essa qualidade deve ser garantida através da prevenção de erros, do controle de qualidade, bem como pelo treinamento em motivação de cada prestador individual de serviço. MOLLER (2002, p.155). As organizações necessitam de recursos humanos treinados, capacitados e motivados para desenvolverem suas atividades, tornando-se assim funcionários ativistas de qualidade na prestação dos serviços. O crescente desenvolvimento da área de restauração demanda a busca por profissionais competentes. No entanto, estando o sucesso dos empreendimentos nas mãos dos colaboradores, é imprescindível investir na gestão de recursos humanos para poder exigir atividades bem sucedidas. A administração de recursos humanos é uma série de decisões integradas que formam as relações de trabalho; sua qualidade influencia diretamente a capacidade da organização e de seus empregados para atingir seus objetivos MILKOVICH (2000, p.19) Gerenciar pessoas ou gestão de pessoas é a preocupação de muitas organizações para que seus objetivos sejam atingidos, de preferência com a participação de um grupo eficaz e motivado, liderado por um gestor que possa ter desafios estratégicos nesta atividade FISHER e ALBUQUERQUE (2001, p.16). O profissional que trabalha com a gestão de pessoas tende a lidar com as atitudes individuais e com as de grupo, fazendo com que todos desempenhem bem o seu papel para atingir o objetivo final, que é a satisfação das necessidades dos clientes. Além destas atividades, deve trabalhar para aperfeiçoar o desempenho dos colaboradores, criando equipes criativas, eficazes e motivadas, para isso o treinamento é um instrumento administrativo para aperfeiçoamento dos processos de produção e serviço, bem como para a maximização de resultados. O conceito de treinamento é simples: levar alguém a ser capaz de fazer algo que ele nunca fez antes e fazê-lo sem a assistência de quem ensina, usando métodos específicos (BOOG, 1999).

25 24 Os treinamentos são de particular importância, pois, através destes, os recursos humanos da empresa passam a acompanhar evoluções tecnológicas e desenvolver habilidades. Com isso, os funcionários passam a ter um maior potencial de geração de resultados, contribuindo para o sucesso dos empreendimentos da organização. Como se pode observar, os RH devem ser considerados como um valioso patrimônio de uma organização. (CHIVENATO 1992). O mesmo autor ainda defende que treinamento é o ato intencional de fornecer os meios para propiciar a aprendizagem. Aprendizagem é uma mudança no comportamento humano decorrente de novos conhecimentos, novas habilidades, novas atitudes e novos conceitos e filosofias. CHIVENATO (2000, p.53). Em uma visão mais filosófica sobre a importância do treinamento para o sentimento de valorização do funcionário no seu meio de trabalho, DELUIZ (1995) questiona que: Este conjunto de competências amplia-se para além da dimensão cognitiva, das competências intelectuais e técnicas (capacidade de reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente, introduzir modificações no processo de trabalho, atuar preventivamente, transferir e generalizar conhecimentos), para as competências organizacionais ou metódicas (capacidade de autoplanejar-se, auto-organizar-se, estabelecer métodos próprios, gerenciar seu tempo e espaço de trabalho), as competências comunicativas (capacidade de expressão e comunicação com seu grupo, superiores hierárquicos ou subordinados, de cooperação, trabalho em equipe, diálogo, exercício da negociação e de comunicação interpessoal), as competências sociais (capacidade de utilizar todos os seus conhecimentos obtidos através de fontes, meios e recursos diferenciados nas diversas situações encontradas no mundo do trabalho, isto é, da capacidade de transferir conhecimentos da vida cotidiana para o ambiente de trabalho e vice-versa) e as competências comportamentais (iniciativa, criatividade, vontade de aprender, abertura às mudanças, consciência da qualidade e das implicações éticas do seu trabalho, implicando no envolvimento da subjetividade do indivíduo na organização do trabalho). CHIVENATO (1992, p.414), ainda diz: O treinamento é um processo educacional em curto prazo aplicado de maneira sistemática e organizada, através do qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades, em função dos objetivos definidos. No sentido usado em administração, treinamento envolve a transmissão de conhecimentos específicos relativos ao trabalho, atitudes, frente aos aspectos da organização, da tarefa e do ambiente e desenvolvimento de habilidades.

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Resolução nº 12/2009 fls. 1 RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Altera a Resolução 06/2007 que trata do Regimento do Restaurante Escola da UFPel. O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 Se surgirem dúvidas sobre a prática dos princípios éticos ou desvios de condutas, não hesite em contatar o seu superior ou o Comitê de Ética. SUMÁRIO O CÓDIGO DE

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE www.redeadm.com.br Fortaleza-CE 03 Conhecendo a RAH. Seu hotel, flat ou condomínio em ótimas mãos. Com a RAH Rede Administradora Hoteleira, você tem à sua disposição uma empresa que garante a melhor administração

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal E HCMS Hospitality Concepts & Management Solutions Índex Sobre a HCMS Empresa Missão Valores Serviços Áreas de Intervenção Directrizes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: UM ALICERCE NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE ORGANIZACIONAL.

UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: UM ALICERCE NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE ORGANIZACIONAL. UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: UM ALICERCE NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE ORGANIZACIONAL. O mundo está passando por grandes transformações, em decorrência da era do conhecimento, com profundos reflexos sobre

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas:

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas: Capítulo 16 - Os Stakeholders O termo foi originado na língua inglesa e hoje, foi completamente absorvido pela área da administração. Traduzido para o português como sendo parte interessada esse termo

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II Orientações aos Alunos Julho de 2010 NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Supervisionado I e II são disciplinas integrantes

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos locais que oferecem a&b; Zelar pela perfeita condição

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA REV. 01-28/08/2009 Sumário Sumário... Erro! Indicador não definido. 1 Introdução e Princípios Gerais... 3 2 Relações da Empresa... 3 2.1 Com os colaboradores... 3 2.2 Com os clientes...

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais