A PERSPECTIVA DE CRESCIMENTO E PROFISSONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA TURÍSTICA BRASILEIRA FACE AO EFEITO DA PROMOÇÃO DE MEGA EVENTOS ESPORTIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PERSPECTIVA DE CRESCIMENTO E PROFISSONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA TURÍSTICA BRASILEIRA FACE AO EFEITO DA PROMOÇÃO DE MEGA EVENTOS ESPORTIVOS"

Transcrição

1 1 A PERSPECTIVA DE CRESCIMENTO E PROFISSONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA TURÍSTICA BRASILEIRA FACE AO EFEITO DA PROMOÇÃO DE MEGA EVENTOS ESPORTIVOS Por: Tânia Regina Ayres Mendes Khair Orientador Prof. Jorge Vieira Rio de Janeiro 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM A PERSPECTIVA DE CRESCIMENTO E PROFISSONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA TURÍSTICA BRASILEIRA FACE AO EFEITO DA PROMOÇÃO DE MEGA EVENTOS ESPORTIVOS Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em.marketing Por: Tânia Regina Ayres Mendes Khair

3 3 AGRADECIMENTOS A Deus e aos meus pais por me apoiar e acompanhar de perto minhas provas mais difíceis...

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais, José Mendes (in memorium) e Helena Ayres Mendes- técnicos dedicados e presentes aos meus filhos Lívia e Victor - medalhas de ouro no pódio da minha vida, ao meu marido Carlos por me inspirar a não desistir dos meus objetivos

5 5 RESUMO Analisando a história do desenvolvimento da Atividade Turística na história da humanidade, percebemos que esta atividade já é muito antiga e que o conceito de hospedagem e locomoção faz parte da cultura do ser humano desde a Antiguidade. Da mesma forma, o Esporte vem, desde a Grécia Antiga, se aperfeiçoando como atividade primordial na vida da população. Os Eventos esportivos seguem pela história, deixando legados e, ora receitas, ora déficits na balança comercial dos países-sede. O Marketing Olímpico se instalou como uma excelente ferramenta de divulgação de destinos e promoção de eventos esportivos. O desafio do Brasil como país-sede de dois mega eventos esportivos coloca o país em exposição para todo o mundo. Espera-se que o país cumpra sua parte do acordo com o fornecimento de perfeita infraestrutura para as competições,hospedagem de qualidade para os visitantes nacionais e internacionais esperados, excelência no atendimento aos visitantes, segurança, rede de transporte eficiente. Por outro lado, o povo espera que a imagem do país seja consolidada como destino e economia líder da América Latina e que o legado deixado pelos eventos traga mais qualidade de vida e menos desigualdade para a população.,

6 6 METODOLOGIA O método utilizado para a elaboração deste trabalho de pesquisa científica foi a leitura de livros escritos por profissionais dos ramos de Turismo, Esportes e Marketing como Princípios de Marketing de Philip Kotler e Gary Armstrong e O Ouro Olímpico de Marcus Vinícius Freire e Deborah Ribeiro. A fim de complementar os fundamentos analisados, foi realizada também uma coleta de dados pertinentes em jornais, revistas e sites de Órgãos Oficiais como EMBRATUR, Organização Mundial de Turismo, Comitê Olímpico Internacional, FIFA, Comitê Olímpico Brasileiro, ICCA, Rio Convention Bureau, Fundação do Comércio, IBGE.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO DO TURISMO 10 CAPÍTULO II OS EVENTOS E O MARKETING ESPORTIVO 17 CAPÍTULO III PERSPECTIVAS DE INCREMENTO DA 30 INDUSTRIA BRASILEIRA CONCLUSÃO 38 BIBLIOGRAFIA 39 ANEXOS 40 INDICE 44

8 8 INTRODUÇÃO Atividade Turística e os Eventos, de um modo geral, caminham paralelamente gerando cifras cada dia mais significativas na Economia dos países sede. A história do Marketing Olímpico não é recente e ainda que não se possa determinar o seu exato princípio, desde o início na história dos Jogos Olímpicos as pessoas já se locomoviam entre cidades e até mesmo guerras eram temporariamente suspensas a fim de que os Jogos Olímpicos fossem realizados com plenitude. A mercantilização do esporte acompanha diretamente o desenvolvimento do sistema capitalista e das formas de organização política na história da humanidade. Os eventos esportivos já receberam patrocínios de reis, príncipes e magnatas. Sendo uma das mais importantes formas de projeção de poder e ideologia, como ficou claro em 1936 em Berlim, com a disseminação do marketing político de Adolph Hitler os Jogos Olímpicos têm um papel inquestionável no sistema internacional. Assim como na Indústria Turística, a observação, o interesse, contextos sócio-econômicos e políticos influenciaram e continuam influenciando a sua História. A Indústria Turística no Brasil vem expandindo sua atuação dentro da Economia Brasileira e a expectativa é de incremento significativo. Citando o exemplo de Sidney 2000, graças aos Jogos, cerca de 1,6 milhões de turistas visitaram a Austrália entre 1997 e Torna-se importante analisar a perspectiva de incremento da Indústria Turística Brasileira com a repercussão mundial do destino Brasil como palco de dois mega Eventos Esportivos.

9 9 Acompanhando-se a evolução do Turismo no Brasil e no Mundo, analisando casos de sucesso como Barcelona e Sidney, poder-se-á compreender como a Indústria Turística se beneficiará da divulgação do país como potencial destino para eventos.

10 10 CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO DO TURISMO NO MUNDO A palavra turismo tem sua origem no substantivo latino tornus ( volta ) ou no verbo tornare ( voltar ). A raiz vem do francês tour que gerou o conceito turismo. Por significar movimento circular passou a designar também viagem de recreio, excursão. Portanto, na própria etimologia da palavra Turismo está refletida a evolução da atividade. Na Língua Portuguesa, seu primeiro registro data o século XX, designando bem mais do que uma viagem de ida e volta, de acordo com Antonio Geraldo da Cunha. Acredita-se que três milênios antes da era cristã, já havia uma olhar turístico nas longas viagens marítimas dos fenícios considerados inventores do comércio ou mesmo nas caravanas dos povos mesopotâmios que atravessavam as regiões árias do Oriente Médio. Sempre havia uma tenda pronta para receber estranhos, mesmo com o perfil caracteristicamente nômade destes povos. Entretanto, foi na Grécia antiga que o Turismo se lança como atividade econômica. Na cidade-estado de Olímpia, por volta do século VII a.c,, sediou os eventos desportivos realizados a cada quatro anos atraindo não apenas atletas como também espectadores. Os Jogos Olímpicos, portanto, motivaram as primeiras viagens de lazer que se tornaram importantes a ponto de se fazer trégua nas guerras para não prejudicar o fluxo de viajantes. Além disto, todas as cidades envolvidas no trajeto até a chegada a Olímpia, precisaram adaptar-se às necessidades dos viajantes, criando estruturas de alojamento, alimentação e transporte para esses primeiros turistas. As viagens foram intensificadas com a expansão do Império Romano já que as conquistas territoriais promoveram intenso intercâmbio comercial que deram origem às viagens de lazer. Como afirma Rui Aurélio

11 11 de Lacerda Badaró, no artigo O direito do Turismo através da história e usa evolução : Os romanos podem ser considerados os primeiros a viajar por prazer. Diversas pesquisas científicas (análise de azulejos,placas, vasos e mapas) revelaram que o povo romano ia à praia e a centros de rejuvenescimento e tratamento do corpo, buscando sempre divertimento e relaxamento Também o termo hospitalidade teve origem no Império Romano e designava o local em que era possível conseguir, durante viagens, instalações em caráter temporário para alimentação e repouso. O fim do período inicial do Turismo data por volta do ano de 400 a.c com a queda do Império Romano. O comércio tornou-se quase impossível com as sucessivas guerras e com as estradas intransitáveis. As viagens de lazer foram suspensas dando lugar ao Turismo de manifestação da fé, geradas pela expansão do Cristianismo no mundo.. Multiplicam-se assim, as peregrinações religiosas que a partir do século VI. Os viajantes passam a ser chamados de romeiros e as viagens de caráter religioso se intensificaram entre os séculos VII e IX. Com as Cruzadas, as pousadas que funcionavam apenas para viajantes religiosos, assumiram característica de negócio lucrativo por causa do intenso movimento de soldados, peregrinos e mercadores europeus. Um grande número de novos estabelecimentos foi aberto nesse período. Por volta de 1140, com a descoberta da tumba do apóstolo São Tiago, no norte da Espanha, foi editado o primeiro guia turístico da Europa e até hoje o Caminho de Santiago de Compostela é um dos roteiros mais visitados no mundo. A peregrinação a Santiago de Compostela traria também as primeiras excursões pagas registradas na História. As pousadas passam a assumir características de negócio lucrativo com o intenso fluxo de soldados, peregrinos e mercadores e vários estabelecimentos são abertos nesse período. A hotelaria passa então a ser

12 12 considerada uma atividade profissional e em 1282 é criado o primeiro grêmio dos proprietários de pousadas, na Itália, na cidade de Florença. As relações entre Comércio e Turismo se solidificaram a partir do século XIII, quando surge a Liga Hanseática que controlava o comércio e as feiras em mais de 90 cidades com o objetivo de comercializar mercadorias com preço tabelado. Esta liga organizava também grupos de viagens para percorrer diversas cidades apresentando as atividades mercantis de cada destino. O grupos eram alojados em pousadas pré-selecionadas pela Liga e os viajantes eram tratados de forma diferenciada com a exploração dos atrativos da região: massagens, vinhos, etc. Este foi o marco inicial do Turismo de Negócios. Já nos séculos XIV a XVI, registram-se as raízes do Turismo Cultural com o florescimento do Renascentismo onde havia intensa produção artística e científica na Europa. As viagens de cunho cultural eram realizadas principalmente pela nobreza masculina e pelo clero que além de acumular conhecimentos, aprendiam línguas e desfrutavam de aventuras. Florença e Roma lideraram este período como destino. No século XVIII os jogos de azar ganharam espaço na sociedade e nasceram na Europa os primeiros cassinos. Em 1804, o Código de Napoleão, trouxe forma jurídica às principais conquistas da Revolução Francesa e e foi inspiração a mais de 70 países para regulamentar a responsabilidade civil do hoteleiro. O inglês Thomas Cook foi responsável pela organização da primeira viagem coletiva da história do Turismo Internacional, em 1841 por ocasião da realização de um congresso na Inglaterra. Com a prospecção dos negócios, Thomas Cook lança, quatorze anos depois, viagens envolvendo transporte, alimentação e serviços de guia.

13 NO BRASIL Podemos considerar a famosa carta do escrivão Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal, Dom Manuel, como o primeiro registro de uma situação de hospedagem no Brasil: O Capitão mandou por por baixo da cabeça de cada um seu coxim (...)E deitaram um manto por cima deles; e consentindo, aconchegaram-se e adormeceram - Caminha, Pero Vaz Carta a El Rei D. Manuel. O trecho acima citado apresenta o primeiro contato entre duas tradições de hospitalidade distintas : a portuguesa e a indígena. De certa forma, esse curioso encontro de tradições de hospitalidade retrata as origens do estilo brasileiro de receber. Os índios acolheram os europeus como mensageiros de tupã, mesmo tendo recebido inúmeras vezes em troca a escravidão e a guerra. A hospitalidade portuguesa era caracteristicamente mesclada de influências étnicas distintas, contando com a conhecida hospitalidade árabe aos principais referenciais do Cristianismo. A necessidade de colonizar o novo território conquistado e também a defendê-lo das invasões francesas fez surgir as expedições bandeirantes. Os caminhos abertos pelos bandeirantes foram mais tarde utilizados no trânsito de pessoas e produtos entre litoral e regiões mineradoras e logo a seguir focos de hospedagem. Tratavam-se de ranchos à beira de estradas que se assemelhavam às antigas estalagens européias que deram origem à atividade hoteleira e comercial nessas regiões. A hotelaria demorou a se desenvolver como atividade comercial no Brasil-Colônia por causa da hospitalidade típica dos portugueses. Todas as boas residências do país contavam com quartos de hóspedes e a gentileza e hospitalidade do anfitrião eram fatores de prestígio na sociedade. Quando a Família Real Portuguesa desembarcou entre janeiro e março de 1808 acompanhados de cerca de 10 mil pessoas entre nobres, oficiais superiores, altos funcionários e suas famílias (em 14 navios abarrotados de bagagem) a cidade do Rio de Janeiro não contava com

14 14 hospedagem que pudesse acomodar tantos acompanhantes. A sigla P.R. acoplada nas portas das melhores residências, resolveram o problema. Esta sigla significava que a residência havia sido escolhida e requisitada pelo príncipe e os proprietários deveriam desocupá-la imediatamente para acomodar os membros da comitiva. Foi a primeira situação de choque de demanda e a atividade hoteleira precisou surgir e desenvolver. A chegada da Família Real e a fixação da corte portuguesa no Rio de Janeiro trouxe rápido incremento nas relações comerciais locais. A Colônia transformou-se em nação soberana e a chegada dos estrangeiros em missões diplomáticas, expedições científicas ou viagens de negócios concorreu para o incremento da Indústria Hoteleira. Rio de Janeiro e posteriormente São Paulo e outras cidades viram o aumento do fluxo de estrangeiros. Nos séculos XIX e XX a busca pela cultura e recreação concorreu para o contínuo processo de massificação do turismo. Com a evolução dos transportes as viagens tornaram-se mais accessíveis para outros segmentos da população além da nobreza. No Rio de Janeiro os hotéis foram responsáveis pelo desenvolvimento de bairros como Copacabana e Ipanema. O atendimento ao turista passou a ser considerada como uma novidade competitiva e os hotéis precisaram dar passos largos visando qualidade. Banhos privativos, duchas, banheiras em mármore foram diferenciais. Posteriormente seguiramse a telefonia nos quartos e a eletricidade, inovação que foi muito alardeada. Os costumes da antiga sociedade colonial transformaram-se e os hotéis passaram a fazer parte dos divertimentos da cidade com saraus artísticos e companhias portuguesas se apresentando nos palcos cariocas. Começaram, mesmo que discretamente, os primeiros bailes carnavalescos. No Rio, a folia começou no hotel Itália em 1835 e repetiu-se várias vezes no mesmo ano em vários outros hotéis, consagrando-se para sempre,.

15 15 Outras regiões do país tiveram a estrutura hoteleira majorada, mas nada foi mais impactante para o turismo no Brasil do que a imigração que agregava experiências de serviços hoteleiros europeus. A população de São Paulo, por exemplo, saltou de 130 mil habitantes para 240 mil em 5 anos apenas. Os sírios e libaneses chegaram em 1905 e mais de 50 mil chegariam nas décadas seguintes. Em 1908 chegaram as primeiras 165 famílias japonesas. Anos depois, logo após a Segunda Guerra, chegariam mais 500 mil. Toda a infra-estrutura da cidade foi ampliada para atender ao novo perfil urbano e econômico da cidade, o que provocou o surgimento de hotéis luxuosos para abrigar os grandes barões do café e os emergentes industriais. Em 1904 é aprovada a primeira lei de incentivos fiscais para a construção de hotéis no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. O Turismo começou então a se firmar no país como atividade de grande importância sócio-econômica. Com o fim da Segunda Guerra o avião passou a ser, em todo o mundo, por excelência, um veículo essencial para o desenvolvimento do Turismo e intercâmbio entre os povos. São criadas então a Confederação Nacional do Comércio, Senac, visando formar profissionais em Turismo e Hotelaria. Em 1936 criou-se a ABIH Associação Brasileira da Indústria de Hotéis e em 1953, quinze representantes de agências de viagens criam a ABAV Associação Brasileira das Agências de Viagens. Em 1966 é aberta a EMBRATUR com a missão de formular, coordenar e fazer executar a Política Nacional do Turismo. A diversificação de serviços com perfil de luxo e o aumento da profissionalização no setor foram fatores determinantes, a partir desse período, não apenas para a promoção da hotelaria nacional, mas

16 16 especialmente para o incremento da imagem do Brasil como destino importante do Turismo Internacional. Cinco séculos passados, desde o desembarque dos primeiros estrangeiros, o Brasil já é a 13ª. maior economia turística do mundo e,entre os emergentes, com o maior volume de empregos do setor.

17 17 CAPITULO II OS EVENTOS E O MARKETING ESPORTIVO Superar a si mesmo e aos limites do próprio corpo... esta característica psicológica do ser humano torna as competições olímpicas e esportivas um evento fundamentalmente diferente dos demais quando o assunto é Marketing, Venda e Consumo. E é esta característica que impulsiona o consumo da imagem e da marca olímpica. Nas próximas páginas, procuramos efetuar uma síntese do Esporte através dos tempos além de analisar o Marketing Olímpico presente desde a Antiguidade e cuja geração de lucros considera-se recente. 2.1 O ESPORTE E O MARKETING OLÍMPICO ATRAVÉS DOS TEMPOS Na Antiguidade Marcos Vinícius Freire e Deborah Ribeiro relatam que os primórdios do marketing olímpico datam os festivais da Antiguidade quando já existia atividade comercial e o pensamento grego e seus mitos foram de determinante influência.. Na Grécia antiga a relação atleta, esporte e dinheiro não caminhavam de forma harmoniosa apesar de estar sempre interligados. A educação grega incluía o treinamento atlético para alguns cidadãos livres e os Jogos Olímpicos eram e continuam sendo a maior oportunidade de projeção de habilidade atlética e do espírito competitivo no mundo. Havia atletas e treinadores, mas não havia divulgação jornalística sendo a propaganda de boca a boca a melhor opção de cobertura do evento. Enquanto escultores retratavam em seus trabalhos a perfeição mitológica dos atletas

18 18 representantes dos deuses do Olimpo na Terra, poetas e artistas faziam a divulgação em forma de verso e odes nas praças públicas. A Grécia ainda não era considerada uma nação e era formada de cidades-estado com suas próprias regras e governantes distintos. A fim de realizar as competições olímpicas em clima de paz, era divulgado um acordo de paz temporário (3 meses anteriores ao evento) que assegurava a segurança na rota daquelas pessoas que pretendiam se dirigir para Olímpia. O tratado entre Lycurgos (representante de Esparta), Iphitus (rei da Ilía) e Cleóstenes (rei de Pisa) considerava o território de Olímpia e os atletas que participassem das competições como invioláveis. O tratado foi registrado em um disco de pedra com as assinaturas dos governantes e está hoje no Museu Arqueológico de Creta. Os jogos foram oficializados e os resultados finais registrados somente em 776 a.c. e eram dedicados aos deuses do Olimpo. Os preparativos para os festivais olímpicos começavam dez meses de antecedência da data de abertura. Uma comissão organizadora era nomeada e seus membros eram responsáveis também por julgar os eventos. Portanto, já na Antiguidade os gregos traçavam metas, datas e objetivos. Até os 13º. Jogos da Era Antiga (728 a.c) a corrida era o esporte mais nobre dos Jogos da Antiguidade grega e posteriormente foram agregadas outras modalidades como luta, corrida de bigas,hipismo. Os Jogos entraram em decadência por conta da rivalidade entre as cidades-estado da Grécia. Com o enfraquecimento causado pelas guerras internas, acabou sendo invadida e os vizinhos do norte tornaram-se os primeiros estrangeiros a terem o direito de participar dos Jogos Olímpicos. No século II a.c. quando os romanos invadiram a Grécia, os festivais ficaram sob a responsabilidade do governo romano que procurou manter viva a tradição dos Jogos e estimulava seus jovens a desafiar os gregos. Visando superá-los, os romanos passaram a profissionalizar seus atletas e subornar os adversário

19 19 e os jogos começaram a perder sua identidade. Atletas se tornavam lendas pelos seus feitos e eram mantidos por cidadãos milionários e assim iniciaramse as premiações em dinheiro. Os patrocínios tinham origem pública ou privada. Os atletas vencedores tornavam-se olimpiônicos e tinham seus nomes inseridos no catálogo oficial conservado no ginásio em Olímpia. Atenas recompensava-os patrocinando-lhes a alimentação pelo resto de suas vidas. Governadores e reis cunhavam moedas a fim de homenagear os atletas vitoriosos e este costume sobreviveu ao tempo. Surgia desta forma a idéia das medalhas e da numismática comemorativa, forte ferramenta no Jogos da Era Moderna que sempre movimentou milhões de dólares e colecionadores espalhados pelo planeta. Em 146 a.c., os festivais se transformam em verdadeiras demonstrações de carnificina com a participação de escravos que competiam por suas vidas contra animais selvagens. Assim, os Jogos Olímpicos tornaram-se um festival voltado para o público e desprovido do caráter religioso ou ideológico. Com a conversão do imperador Teodósio, o Grande ao cristianismo foi decretado o fim das manifestações pagãs como Jogos Olímpicos. Este foi o fim dos anos de história dos Jogos Olímpicos da Antiguidade. Entretanto, podemos dizer que mesmo com os incêndios, inundações e terremotos que atingiram a Grécia durante 1503 verões, o espírito olímpico permaneceu Na Era Moderna De acordo com Marcus Vinícius Freire e Deborah Ribeiro - devemos ao famoso barão francês Pierre de Coubertin o renascimento dos Jogos Olímpicos, inspirado nos festivais da Antigüidade cujos sentimentos olímpicos baseavam-se na honra, orgulho e cultura. O barão se dedicava à pedagogia e estudo da sociedade e suas transformações sociais e concentrou-se na reforma do sistema educacional francês. Observando na Inglaterra exemplos de não-violência entre jovens que praticavam atividades físicas, Coubertin

20 20 considerou que esta seria uma solução aos problemas então existentes na França. Em 1892 apresentou na Universidade de Sorbonne, em Paris um estudo sobre os exercícios físicos no mundo moderno. O objetivo do estudo era também a reativação dos Jogos Olímpicos para a Era Moderna. Através de uma conferência internacional de esportistas do mundo inteiro, Coubertin contou com a presença de 13 países e mensagens de apoio de 21. Ficou decido na conferência que as competições se realizariam de 4 em 4 anos baseados nos molde dos festivais olímpicos gregos e o convite foi estendido a todas as nações do mundo. A fim de reviver a antiga tradição, o local-sede eleito para a realização da primeira edição dos Jogos foi a cidade de Atenas, considerada como berço olímpico. Em junho de 1894 foi então criado o Comitê Olímpico Internacional (COI) que ficou responsável pelo Jogos Olímpicos. Dois anos depois, em abril de 1896, Atenas sediou então atletas de vários países para os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna. O COI estabelece então, como missão da organização, o Olimpismo que de acordo com a Carta Olímpica, é uma filosofia de vida que combina as qualidades do corpo e da mente baseado em valores de paz, igualdade, respeito pelos princípios éticos universais. Portanto, o Movimento Olímpico visa também contribuir para a formação de um planeta pacífico colocando o esporte ao serviço da harmonização da humanidade. Não podemos deixar de mencionar outros papéis relevantes do COI, através do Movimento Olímpico nas organizações públicas e privadas colocando o esporte a serviço da humanidade, gerando suporte financeiro e educacional onde exista a Campanha Celebrar a Humanidade e ajudando na sociedade a conscientização de preservação do meio ambiente. O Ouro, Olimpico a História do Marketing dos Aros pág 33)

21 Ferramentas de Marketing nos Jogos Olímpicos De acordo com Phillip Kotler e Gary Armstrong: As marcas são ativos poderosos que devem ser cuidadosamente desenvolvidos e gerenciados...as marcas são mais que meros nomes e símbolos. Elas representam percepções e os sentimentos dos consumidores em relação a um produto e seu desempenho tudo o que o produto ou serviço significa para os consumidores... As marcas existem na mente dos consumidores. (KOTTLER, Philip e ARMSTRONG, Gary Princípios de Marketing Editora Pearson 12ª. Edição, Pág, 210) Seguindo o caminho de marcas comerciais, o COI decidiu estabelecer uma marca que transmitisse os conceitos sublimes de celebração da humanidade, cultura, arte e educação além do conhecido fair play que designa um jogo limpo e espírito esportivo. portanto, refletir o pensamento positivo da humanidade. A Imagem Olímpica deveria De acordo com Marcos Vinícius Freire e Déborah Ribeiro, os Jogos Olímpicos sempre se basearam no simbolismo, imagens fortes, templos, rituais religiosos, estátuas e deuses da mitologia, podemos dizer que o branding sempre fez parte da história dos Jogos. O símbolo olímpico dos cinco aros interligados foi apresentado pelo Barão de Coubertin em 1914 durante o Congresso Mundial, mas vale citar outros símbolos olímpicos que hoje representam propriedades intelectuais valiosas para os ideais de marketing nos dias de hoje: O lema visionário Citius,altius,fortius (mais rápido, mais alto, mais forte) adotado pelo Barão de Coubertin O juramento dos atletas na cerimônia de abertura O Revezamento da Tocha O Desfile das Bandeiras das delegações (O Ouro Olimpico a História do Marketing dos Aros pág 35)

22 22 Como especificado na página 14 da Carta Olímpica, a meta atual do Movimento Olímpico é, entre outros, auxiliar na formação de um planeta pacífico, sem discriminação, com espírito de amizade, educação, solidariedade e ética. Paralelamente, visa também a promoção do esporte e de competições com o apoio de instituições nacionais e internacionais pelo mundo todo. Marcos Vinícius Freire complementa que, a fim de compreender melhor a reação dos consumidores à Imagem Olímpica bem como ouvir a opinião pública em relação à ela, o COI implementou, em 1999, a maior pesquisa já realizada por um órgão ligado ao esporte. Através do Olympic Image Research & Communications Project, foram identificados os atributos inspirados pela Imagem Olímpica. A pesquisa foi qualitativa em dez países e quantitativa em onze países. Foi constatado que a promoção da Imagem Olímpica precisa de uma ação conjunta e que é formada por quatro mensagens complementares : 1 Esperança de um mundo melhor com a utilização do esporte sem discriminação. É indiscutível que as pessoas creditam força positiva à Imagem Olímpica e a consideram como possibilidade de paz mundial. Podemos citar a participação das duas Coréias participando e desfilando juntas sob uma bandeira única nos jogos de Sidney em 2000, durante a cerimônia de abertura. Da mesma forma, em Atenas 2004 o Iraque participou dos Jogos mesmo após ter sido invadido pelas tropas americanas. A Coca-Cola, patrocinadora olímpica TOP,considera que os Jogos são um espelho de desejos e esperanças coletivas.

23 23 2 Sonhos e Inspirações através de lições de dedicação e empenho na superação pessoal. Este é considerado o segundo maior valor dos Jogos Olímpicos e está ligado aos atletas. Enfatiza o que o ser humano tem de melhor e em que pode se tornar. Com base nos sentimentos de ideais a VISA tem como uma de suas ações o desenvolvimento de programas de promoção do ideal olímpico de sonho e inspiração. O Visa s Olympics of the Imagination é uma competição de arte onde as crianças criam a partir de sua interpretação dos temas olímpicos. Outro exemplo é a empresa de seguros John Hancock que patrocina viagens como estratégia de aproximação com os jovens. 3 Amizade e Lisura ou fair play - através de valores contidos no esporte os Jogos provam como a humanidade consegue superar as diferenças políticas, econômicas, religiosas assim como preconceitos raciais. A Samsung, que tem como meta manter as pessoas conectadas patrocinou, através do Samsung Athlete Family Homestay em Sidney 2000, a estadia de familiares de atletas de 123 países que tiveram a oportunidade de estar no local do Jogos. 4 Prazer no esforço - o simbolismo mais latente é a medalha de ouro que sugere o princípio da superioridade, a idéia de ser o melhor. Mas, somente a medalha não é o suficiente... há também o ideal da participação independente do sentimento da vitória. Portanto, o valor olímpico da participação passou a ser explorado através do prazer no esforço. O exemplo da união de 15 empresas responsáveis pelo complexo processo de tecnologia da informação, patrocinando, em esforço conjunto reflete este ideal. O McDonald s é um bom exemplo, com base em sua metodologia de trabalho, deste esforço. Como restaurante oficial para seis Jogos consecutivos, a empresa já alimentou mais de 15 mil atletas, treinadores, oficiais e profissionais da mídia.

24 24 Através do resultado destas pesquisas, pode-se constatar que as pessoas têm imagem muito positiva da imagem que é forte e durável o que demonstra que a credibilidade do Evento Esportivo Jogos Olímpicos está assegurada para as próximas décadas, no que tange à Imagem. (O Ouro, Olimpico a História do Marketing dos Aros pág 36-39) Legado dos Jogos Olímpicos no Mundo Visando oferecer um panorama geral de ferramentas de marketing e diferenciais que concorreram para o desenvolvimento dos jogos nos últimos anos, selecionamos alguns casos que nos servirão para futuras análises Montreal 1976 Os patrocinadores e fornecedores oficiais dos Jogos de Montreal foram de perfil corporativo. Os bens e serviços fornecidos eram isentos de taxas para o Comitê Organizador e os programas de licenciamento oficial bem como programas de marketing foram direcionados para consumidores licenciados ou concessionários e portanto, sujeitos a condições de mercado totalmente imprevisíveis. A intenção era reduzir despesas através da obtenção de bens e serviços sem custos e a adesão de empresas e cidadãos que pudessem participar da organização do evento. O produtos e serviços responderam por 12,9 milhões de dólares dos 15,5 milhões atribuídos ao total do programa de fornecedores oficiais. A contrapartida foi a utilização do logo oficial e outras marcas bem como frases e slogans sob a proteção legal e oficial. Considerando que diversos produtos não poderiam ser utilizados durante os jogos, o Comitê Organizador estendeu a participação secundária de alguns segmentos corporativos através da divisão entre patrocinador oficial, parceiro oficial e promotor oficial com base no valor

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL MEGAEVENTOS CHEGANDO. COPA DO MUNDO FIFA EM 2014... OLIMPÍADAS EM 2016... Qual o legado real desses megaeventos para nosso país? Qual o custo (financeiro

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 55 Discurso na cerimónia de abertura

Leia mais

COPA DO MUNDO BRASIL 2014

COPA DO MUNDO BRASIL 2014 SERGS DEBATES 2008 Wesley Cardia COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Porque Investir Nessa Idéia? INTRODUÇÃO Sport has a huge influentce in our lives. After work, it is the largest form of mass civil participation,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA, OLIMPÍSMO E NOVAS PRÁTICAS RENOVADAS

EDUCAÇÃO FÍSICA, OLIMPÍSMO E NOVAS PRÁTICAS RENOVADAS GOVERNO DO ESTADO DO RN SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENADORIA DE DESPORTOS SETOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA, OLIMPÍSMO E NOVAS PRÁTICAS RENOVADAS EDUCAÇÃO ESCOLAR/FÍSICA FORMAÇÃO/TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Copa 2014 Desafios e Oportunidades

Copa 2014 Desafios e Oportunidades Copa 2014 Desafios e Oportunidades A Copa 2014 tem dono... A Copa é da FIFA Exigências atribuladas no caderno de encargos Com a Copa de 2010, o único continente que ainda não sediou o evento foi a Oceania

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do regime internacional sobre mudanças climáticas Brasília,

Leia mais

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013 IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA Industria hoteleira brasileira JUNHO 2013 ENTIDADE ABIH NACIONAL Fundada em 09/11/1936 3.500 associados 35 escritórios 26 capitais + DF 08 regionais ENTIDADE 25.500 meios de

Leia mais

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012 Plano Aquarela 2020 Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012 Porto Alegre, 28 de maio de 2012 EMBRATUR - Estrutura Organizacional Presidência Diretoria de Mercados Internacionais

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 1 Olimpismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Definir o Olimpismo, compreendendo sua filosofia. 2 Identificar os Valores Olímpicos. 3 Reconhecer a estrutura da Família Olímpica.

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 2 Os Símbolos Olímpicos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Identificar os principais símbolos olímpicos. 2 Compreender a importância e a função de cada símbolo olímpico. Introdução

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Professores: Marcelo Vale / Marcelo Bentes / Rosylane Gomes Disciplina: Matemática Aluno(a): Série: 6º ano EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA O II SIMULADO

Professores: Marcelo Vale / Marcelo Bentes / Rosylane Gomes Disciplina: Matemática Aluno(a): Série: 6º ano EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA O II SIMULADO Professores: Marcelo Vale / Marcelo Bentes / Rosylane Gomes Disciplina: Matemática Aluno(a): Série: 6º ano EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA O II SIMULADO 1) Os primeiros cinco múltiplos de 6 são: a) 1, 7, 13,

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

As lições de Vancouver

As lições de Vancouver As lições de Vancouver O sucesso das Olimpíadas de Inverno realizadas na cidade canadense ensina diversas lições sobre como organizar eventos desse porte Com a proximidade das duas grandes competições

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da ONU, em Nova York, em 26 de outubro de 2015, por ocasião da adoção

Leia mais

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço?

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Nota dos editores Stanley Engerman 1 Esta semana temos o privilégio de publicar um artigo do Historiador e Economista Stanley Engerman, da Universidade

Leia mais

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011 Belo Horizonte - Brasil Os brasileiros e a Copa de 2014: Movimentos de opinião pública e de mercado 2 Introdução Metodologia Além do levantamento

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos,

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos, O esporte é um poderoso filão a ser explorado na criação publicitária - e também caminho certo para custosas dores de cabeça se for utilizado sem autorização de quem detém os direitos de uso de marcas

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016 PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016 QUEM SOMOS A Associação Atlética Pé de Vento é uma organização não governamental. Considerada hoje uma das maiores equipes de corrida de longa distância da América

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR

HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR HOTELARIA CLÁSSICA X HOTELARIA HOSPITALAR Palestrante: Marilia Mills CONCEITOS Hotelaria Clássica é a reunião de serviços com características próprias e que tem por finalidade oferecer hospedagem, alimentação,

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Guia de Proteção às Marcas

Guia de Proteção às Marcas Guia de Proteção às Marcas Setor de Turismo, Hotelaria e Lazer VERSÃO 2 Guia de Proteção às Marcas Setor de Turismo, Hotelaria e Lazer Guia de Proteção às Marcas Rio 2016 para o Setor de Turismo, Hotelaria

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica CFO Panorama Global dos Negócios Queda acentuada do otimismo no Brasil, preocupação com câmbio e alta da taxa de juros estão entre os principais resultados da pesquisa. -------------------------------------------

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO Ministério do Turismo MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES 2012 MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES maio - 2013 Lagoa Azul, Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA Mais Turismo

Leia mais

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 2 A tocha dos Jogos Rio 2016 Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 As principais características da tocha dos Jogos Rio 2016 2 O revezamento

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

DESTINO IGUASSU PLANO DE PATROCÍNIO 2014

DESTINO IGUASSU PLANO DE PATROCÍNIO 2014 DESTINO IGUASSU Com atrativos turísticos conhecidos internacionalmente, uma diversidade de mais de 70 etnias e roteiros de ecoturismo e aventura, o Destino Iguaçu promove o encontro geográfico e cultural

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

O SUCESSO DOS JOGOS RIO 2007 E AS OPORTUNIDADES GERADAS POR MEGA- EVENTOS ESPORTIVOS 25 DE ABRIL DE 2008

O SUCESSO DOS JOGOS RIO 2007 E AS OPORTUNIDADES GERADAS POR MEGA- EVENTOS ESPORTIVOS 25 DE ABRIL DE 2008 O SUCESSO DOS JOGOS RIO 2007 E AS OPORTUNIDADES GERADAS POR MEGA- EVENTOS ESPORTIVOS 25 DE ABRIL DE 2008 Planejamento Jogos Rio 2007 O SUCESSO DOS JOGOS RIO 2007 DECLARAÇÕE S O Rio celebrou os melhores

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

PARCEIROS BONS. Mercado

PARCEIROS BONS. Mercado Mercado BONS PARCEIROS por Fabio Steinberg Saiba quem são e como funcionam os Conventions & Visitors Bureaus, que divulgam o destino, sendo fundamentais para a captação de visitantes e eventos. Há milhares

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 Promoção Turística - Comitê executivo - Proposta inicial - Estrutura Turística Fecomércio 01/10/2009 Infraestrutura Comunicação Dados Comitê Integração GT

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SUMÁRIO 01. INTRODUÇÃO 01. a. APRESENTAÇÃO DA FEDERAÇÃO 03 01. b. DIFERENCIAIS COMPETITIVOS 04 02. PRINCIPIOS NORTEADORES 02. a. MISSÃO 05 02. b. VISÃO 05 02. c. VALORES 05 02.

Leia mais

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Damaris I. SILVA 2 Anelice BELMONTE 3 Marcia Gabrielle Guimarães LOPES 4 Marcela Guimarães

Leia mais

Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos.

Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos. V I V E R C O M E S T I L O Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos. Juan Sander, diretor de Operações Upscale e Luxo da Hotelaria Brasil. PAG. 2 ALTO LUXO: GRANDES NOMES ASSINAM NOVOS

Leia mais

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL V I V E R C O M E S T I L O FEVEREIRO 2015 ano V I EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL NOVAS PARCERIAS BENEFICIAM INVESTIDORES. PAG. 4 VEM AÍ: BEST WESTERN VIB. PAG. 4 ARTIGO: O BRASIL NA ROTA

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

Pós - Graduação Internacional em Administração

Pós - Graduação Internacional em Administração PÓS - GRADUAÇÃO INTERNACIONAL Pós - Graduação Internacional em Administração 22 a 31 de agosto de 2014 Coordenação Acadêmica: Prof. Pedro Carvalho de Mello Convênio.................... 3 Apresentação...................

Leia mais

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases

Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA. www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA www.espm.br/centraldecases Central de Cases DOIS SANTOS ILHABELA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM-SP. Recomendado para as áreas de Marketing, Propaganda,

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Um Mundo para Todos Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Tendo- nos reunido em Montreal, Canadá na Cimeira Mundial dos Destinos para Todos, de 19-22 Outubro de 2014, nós,

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica

Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica Utilização dos Símbolos, Terminologia e Imagem Olímpica Conteúdo 1. Propriedades Olímpicas 2. Parceiros Olímpicos 3. Protecção Legal 4. O poder da Opinião Pública 5. Utilização de bilhetes para os Jogos

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Fecomércio AM e PMM debatem obras e mobilidade urbana para os jogos olímpicos de 2016 Meio: Site G1 Amazonas Editoria:-- Hora: 20h18 Data:4/8/2015

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Módulo Internacional (Graduação)

Módulo Internacional (Graduação) Módulo Internacional (Graduação) 1 2 CONVÊNIO FGV e a SAINT LEO UNIVERSITY Foi celebrado no ano de 2014, o convênio de interesse comum entre as instituições FGV (Fundação Getulio Vargas) e a Donald R Tapia

Leia mais

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro NEWS RELEASE Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro Langley, Reino Unido, 12 de junho de 2014: A Travelport, empresa líder no segmento de comércio de viagens, que oferece

Leia mais

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem 1 2 ..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem Quanto mais viajamos e entendemos a dinâmica da estrada, mais fácil se torna encontrar formas de economizar e juntar dinheiro

Leia mais

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Fábio Aguiar Lisboa Era o ano de 1873 e o escritor francês Júlio Verne lançou um livro que mexeu com a imaginação e o sonhos de inúmeras gerações de leitores de

Leia mais

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA São Paulo anuário 2012 o perfil dos visitantes Os turistas que visitam a capital paulista, a cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho Turistas conheça o perfil

Leia mais