ESTUDO TECNOLÓGICO DE REQUEIJÃO CREMOSO LIGHT COM TEOR DE SÓDIO REDUZIDO E ADIÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO TECNOLÓGICO DE REQUEIJÃO CREMOSO LIGHT COM TEOR DE SÓDIO REDUZIDO E ADIÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIANGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS FLÁVIA CORREIA PEREIRA ESTUDO TECNOLÓGICO DE REQUEIJÃO CREMOSO LIGHT COM TEOR DE SÓDIO REDUZIDO E ADIÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR UBERABA - MG 2013

2 FLÁVIA CORREIA PEREIRA ESTUDO TECNOLÓGICO DE REQUEIJÃO CREMOSO LIGHT COM TEOR DE SÓDIO REDUZIDO E ADIÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR Dissertação apresentada ao Curso de Pós - graduação Stricto sensu de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, como requisito para conclusão e obtenção do Título de Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos Orientadora: Dra. Sueli Ciabotti UBERABA MG 2013 i

3 Catalogação da Publicação Serviço de Documentação do Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos Instituto Federal do Triângulo Mineiro Pereira, Flávia Correia. Estudo tecnológico de requeijão cremoso light com teor de sódio reduzido e adição de fibra alimentar / Flávia Correia Pereira; Orientadora: Sueli Ciabotti. Uberaba, Dissertação (Mestrado) Instituto Federal do Triângulo Mineiro- campus Uberaba, Composição Química 2. Perfil de Textura 3. Análise Sensorial 4. Análises Microbiológicas ii

4 FLÁVIA CORREIA PEREIRA ESTUDO TECNOLOGICO DE REQUEIJÃO CREMOSO LIGHT COM TEOR DE SÓDIO REDUZIDO E ADIÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR Dissertação apresentada ao Curso de Pós - graduação Stricto sensu de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, como requisito para conclusão e obtenção do Título de Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Aprovada em 31 de julho de 2013 iii

5 DEDICATÓRIA A Deus, pela presença, luz e força superior em todos os momentos de minha vida. A meus avós, pelo exemplo de vida, respeito e amor à família. Aos meus pais, Luiz e Marta, pela vida, amor, dedicação, confiança e exemplo de família. A meu irmão, Fábio pelo amor e carinho. A meu esposo, Sócrates, pelo amor, compreensão e apoio incondicional. (Te amo!) A meus sogros, Jairon e Elizabeth, pelo carinho, admiração e me que me acolheram como sua filha. A minha cunhada Rayssa, pelo amor e carinho de uma irmã. Aos meus cunhados, Samir e Samuel, pelo carinho e amizade. A minha afilhada Lorena, que trouxe um anjo em minha vida o pequeno Pedro. Você pode sonhar, projetar, criar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo... Mas precisará de pessoas para transformar o sonho em realidade. (Walt Disney) iv

6 AGRADECIMENTO ESPECIAL À minha querida orientadora Dra. Sueli Ciabotti, pelo apoio, dedicação e oportunidade de aprendizado e crescimento através de seu conhecimento e sabedoria. Obrigado pela confiança em todos os momentos e amizade de longa data. Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida. (Sócrates) v

7 AGRADECIMENTOS À Cooperativa Agropecuária do Vale do Rio Grande Ltda. em especial ao Luiz Gualberto, pelas facilidades concedidas para a realização deste trabalho dentro da empresa. Aos colegas da Copervale em especial (Romes, Ronaldo, Fabiano, Marcelo, e a equipe do laboratório), por contribuírem para a realização dos testes de fabricação e análise laboratoriais, a aos colegas que não foram citados, mas que de forma direta ou indireta contribuíram para o desenvolvimento desse requeijão. Aos amigos Sr. Wilson e Margarete pela linda amizade, pelo carinho e ajuda, em todos os momentos que precisei. Ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberaba, pela oportunidade. Às colegas Cíntia e Luciene, técnicas do laboratório do IFTM - campus Uberaba, obrigada pela cooperação, carinho e atenção a mim dispensados. Muito obrigado pela ajuda com as análise laboratoriais e também por arrumar outros colega para ajudar na análise sensorial. Ao Adriano G. Cruz, pela colaboração na realização das análises na Unicamp. Aos professores Carlos Alvarenga, Paulo Campanhol, Elisa e Mariana por sempre me ajudarem nos momentos que precisei. À Banca Examinadora pelas contribuições. Aos Colegas de Mestrado, pelas horas agradáveis que passamos juntos, em especial a Ana Paula, Jailda, Thaís, Luciene e Giovane. Ana Paula aquela maça esta divina, foi um incentivo para terminar a dissertação. A todos os demais que não foram citados, mas que de forma direta ou indireta contribuíram para a realização deste trabalho, meu muito obrigado!! vi

8 ÍNDICE LISTA DE TABELA... viii LISTA DE FIGURAS... ix RESUMO...x ABSTRACT... xi 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEORICO Requeijão Requeijão Light Sódio Redução de Sódio em Queijos Perfil de Textura do Requeijão Cremoso Análise sensorial de alimentos Cor Avaliação Microbiológica do Requeijão MATERIAL E MÉTODOS Determinação da composição química do requeijão Determinação Extrato seco Determinação de Minerais Determinação da cor Determinação da propriedade de textura dos requeijões Análise sensorial Análises da vida útil Análise Estatística RESULTADO E DISCUSSÃO Composição química Minerais (Potássio e Sódio) Cor instrumental dos requeijões Análise do Perfil de Textura (TPA) Análise sensorial Análise de correspondência dos dados sensoriais Teste de Aceitabilidade Estudo da vida útil do requeijão Determinação de ph Análise Microbiológica CONCLUSÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS vii

9 LISTA DE TABELA Tabela 1. Metas (mg/100g) preliminares para a redução de sódio ao ano na categoria de Requeijão...10 Tabela 2. Valores médios da composição química (g%) requeijões cremosos light controle e requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e fibra alimentar...29 Tabela 3. Valores médios de Potássio e Sódio (mg/100g) de requeijões cremosos light controle e requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e fibra alimentar...32 Tabela 4. Valores médios de luminosidade (L) e amarelo (b), medidos pelo sistema CIELAB, dos produtos requeijões cremosos light controle e requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e fibra alimentar...35 Tabela 5. Valores médios de firmeza, adesividade, elasticidade, coesividade e gomosidade do requeijão cremosos light controle e requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e fibra alimentar obtidos da curva de TPA...36 Tabela 6. Proporção e contribuição das classes em relação aos componentes...37 Tabela 7. Proporção e contribuição das notas dadas as características em relação aos componentes...38 Tabela 8. Resultados obtidos no teste para avaliação da aceitabilidade cor, sabor, textura, e impressão global das amostras de requeijão...40 Tabela 9. Resultados microbiológicos dos requeijões cremosos light (RLC, RLSC e RLSL) nos tempos 0, 30 e 60 dias de estocagem a 5ºC...44 viii

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Sistema de Cor CIELab...13 FIGURA 2 Obtenção da massa para a produção do requeijão cremoso...19 FIGURA 3 Obtenção dos tratamentos de requeijão cremosos light...20 FIGURA 4 Fluxograma geral das análises realizadas...21 FIGURA 5 Fluxograma da análise de Coliformes 35 C e 45 C (E. coli.)...26 FIGURA 6 Fluxograma da análise de Estafilococos coagulase positiva...27 FIGURA 7 Mapa Perceptual das frequências das características versus classes...38 FIGURA 8 Perfil por sexo dos provadores participantes no teste sensorial...39 FIGURA 9 Perfil por faixa etária dos provadores participantes no teste sensorial...39 FIGURA 10 Histograma de distribuição da frequência das intenção de compra das amostras de requeijão light...41 FIGURA 11 Valores médios para Intenção de compra...42 FIGURA 12 Valores médio para ph em relação ao tempo de estocagem(0 a 60dias) a temperatura 4 C...43 FIGURA 13 Box plot para os valores de Log (UFC/mL) de aeróbias mesófilas dos requeijões cremosos light (produto 1 - RLC, produto 2 - RLSC e produto 3 - RLSL), durante 1, 30 e 60 dias de armazenamento, de acordo com a combinação produto e tempo (dias). A média é representada pelo símbolo...45 ix

11 RESUMO PEREIRA, Flávia Correia. Estudo tecnológico de requeijão cremoso light com teor de sódio reduzido e adição de fibra alimentar. Julho, p. Dissertação Mestrado. Instituto Federal do Triângulo Mineiro, Campus Uberaba- MG, Orientador: Dra. Sueli Ciabotti. Coorientadores: Dra. Marlene Jeronimo, Dr. Adriano G. Cruz. Este trabalho foi realizado com a finalidade de atender ao mercado produtivo e consumidor crescente de requeijão cremoso e tem como objetivo avaliar sob os aspectos tecnológicos, nutricionais e sensoriais requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e com adição de fibra alimentar. O projeto constou de três tratamentos, sendo o primeiro a produção convencional da empresa Copervale, denominado Requeijão Cremoso Light Controle (RLC) e os demais tratamentos RLSC e o RLSL foram utilizadas as mesmas proporções de emulsificante baixo sódio que é composto por polifosfato de potássio e sódio e a mesma quantidade de fibra, variando a quantidade utilizada do sal comum (RLSC) e o sal light (RLSL). Os resultados demostraram que a composição química foi influenciada pela adição de fibra e que os requeijões com baixo teor de sódio e com fibra apresentaram o teor de umidade, lipídio, fibra e cinzas aumentados, enquanto que o teor de proteína e carboidratos ficaram menores em relação à formulação controle. Os valores médios de sódio apresentaramse reduzidos, alcançando assim um dos propósitos deste estudo. Quando as amostras dos requeijões cremosos light (RLC, RLSC e RLSL) foram submetidas à determinação de cor, apresentaram seus valores de luminosidade (L) diminuídos com a adição de sal light e fibra e para os valores de b o requeijão controle obteve menor intensidade de amarelo, ocorrendo exatamente de forma inversa aos valores da luminosidade (L). Foi realizada a análise do perfil de textura dos requeijões cremosos descrito pelos parâmetros firmeza, adesividade, elasticidade, coesividade e gomosidade. Os resultados indicaram que as amostras testadas diferiram significativamente em todos os parâmetros. Na vida de útil os valores de ph de todos os tratamento foram significativos tanto entre os produtos como no tempo de armazenamento, entretanto na interação entre os tratamentos e tempo não ocorreram diferença. Os valores de ph apresentaram-se entre 5,74 e 5,82. Na contagem de coliformes 35 C e 45 C e estafilococos coagulase positivo não foi detectada a presença desses microrganismos indicadores de contaminação. O produto RLSC, apresentou aos 30 dias, valores médios próximos de 3,4 Log10 (UFC/ml -1 ) aeróbios mesófilos, porém estes valores não se encontram acima do valor indicativo de contaminação. Considerando os menores pontos médios nos tempos 30 e 60 dias, o produto RLSL apresentou-se com maior tempo de vida útil, quando comparado com o RLSC. A aceitabilidade foi fortemente influenciada pela redução do sódio e pela fibra, sendo que o controle obteve maiores escores em todas as características avaliadas, porém no atributo cor não diferiu do requeijão com sal comum. O sabor diferiu em todos os tratamentos sendo que o que mais aproximou do controle foi o requeijão com sal comum. A textura não foi alterada com a redução do sódio e a adição de fibra. Palavras-chave: Composição Química. Perfil de Textura. Análise Sensorial. Análises Microbiológicas. x

12 ABSTRACT PEREIRA, Flávia Correia. Technological study of light cream cheese with reduced sodium and added dietary fiber p. Dissertation Master. Federal Institute of Triangulo Mineiro, Uberaba-MG. - Adviser: Dra. Sueli Ciabotti. Guidance Committee: Dra. Marlene Jeronimo, Dr. Adriano G. Cruz. This work was realized in order to supply the market productive and growing consumer cream cheese and aims to evaluate the technological, nutritional and sensory curd creamy light with low sodium and addition of dietary fiber. The project consisted of three treatments, the first conventional production company Copervale called Cottage Cheese Creamy Light Control (RLC) and the other treatments were used the same proportions of emulsifier low sodium, which is composed of potassium and sodium polyphosphate and the same amount of fiber, varying the use of common salt (RLSC) and salt links (RLSL). The results demonstrate that the chemical composition was influenced by the addition of fiber and the curds with a low sodium content and fiber exhibited moisture content, lipid, fiber, ash and increased, while the protein and carbohydrate were lower compared the control formulation. The average values of sodium presentes are reduced, thereby achieving one of the purposes of this study. When samples of curd creamy light (RLC, RLSC and RLSL) were subjected to determination of color, had their lightness values (L) decreased with the addition of salt and light fiber and the values of "b" curd had lower control yellow intensity, occurring exactly in the opposite way to the values of lightness (L). We performed the analysis of the texture profile of creamy curd firmness described by parameters, adhesiveness, springiness, cohesiveness and gumminess. The results indicated that the samples tested differed significantly in all parameters. In the shelf life of the ph values of all the treatment were significant both among the products such as storage time, however the interaction between treatment and time difference did not occur. The ph values were between 5.74 and On the count of total and fecal coliforms and coagulase positive was not detected the presence of these microorganisms contamination indicators. The product RLSC presented at 30 days, mean values close to 3,4 log10 (UFC/ml- 1) aerobic mesophilic, but these values are not above the value indicative of contamination. Considering the lower mid-points at times 30 and 60 days, the product RLSL presented with longer service life, when compared with the RLSC. Acceptability was strongly influenced by reduction of the sodium and fiber, while the control had higher scores in all traits, but did not differ in the color attribute of the curd with salt. The taste was different in all treatments being what came over control was the curd with salt. The texture was not altered by the sodium reduction and addition of fiber. Keywords: Chemical Composition. Textury Profile. Sensory Analysis. Microbiological Analysis. xi

13 1. INTRODUÇÃO O requeijão é um produto tipicamente brasileiro, sua origem se deu de fabricações caseiras, como aproveitamento do leite coagulado pela ação dos microrganismos naturais. Segundo as características da colonização brasileira, esse produto assumiu diversas tecnologias, dando origem a uma grande variedade de requeijões denominados pelas regiões produtoras, como os requeijões do Norte ou Nordeste ou queijo de manteiga, ou requeijão mineiro ou crioulo do Sul e Sudeste. Tem ocupando importante lugar no consumo de lácteos, motivo pelo qual tem se tornado um dos focos das pesquisas de desenvolvimento de produtos, pois nos últimos anos a produção nacional de requeijão cremoso aumentou aproximadamente 134,83%, chegando a serem produzidas cerca de toneladas de requeijão em 2010 (ABIQ, 2011). A demanda do mercado por alimentos light tem aumentado de forma expressiva, em que consumidores buscam novos e alternativos hábitos alimentares e veem nesses produtos grandes aliados. Considerando o problema referente a hábitos saudáveis, estudos avaliaram a concentração do teor de sódio em alimentos light, associando a fatores de risco que influenciam no desenvolvimento da hipertensão e observaram por meio da análise do rótulo que o sódio apresenta-se mais elevado nos alimentos light do que nos alimentos convencionais (MOURA et al., 2008), tornando-se uma preocupação dos órgãos governamentais. O requeijão cremoso classificado como requeijão light, deve atender aos atributos de redução em no mínimo 25% no conteúdo de gorduras totais quando comparado ao alimento de referência (BRASIL, 2012). Em outro estudo, discutiu-se a necessidade dos laticínios em se adaptarem à produção de queijos em especial requeijão, com menores teores de sódio devido à demanda de mercado e por questões de saúde pública (ZACARCHENCO et. al., 2009), em consequência de um acordo assinado no ano de 2011 entre o Governo do Brasil e as Indústrias de Alimentos para reduzir o teor de sódio em dezesseis categorias de alimentos, e o requeijão encontra-se nessa relação. Esse acordo visa a reduzir o consumo excessivo de sal (cerca de 40% do sal é composto de sódio), que está associado a uma série de doenças crônicas, como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, problemas renais e cânceres (FORMENTI, 2011). Aliando-se aos produtos mais saudáveis como os light e baixo teor de sódio, pensou-se na adição de fibras alimentares, o que vem despertando um crescente interesse por parte da 1

14 ciência e, consequentemente, da indústria alimentícia por proporcionar benefício ao organismo humano. Na legislação brasileira preconiza-se a adição de fibras em produtos alimentícios, classificando-os de acordo com o percentual adicionado, os quais podem ter a nomenclatura fonte de fibra ou alto teor de fibra (ANVISA, 2012). Na fabricação de um requeijão cremoso light adicionado de fibra e baixo teor de sódio, torna-se necessário substituir alguns ingredientes na formulação para atender as exigências. Vários estudos têm sido realizados com relação aos procedimentos de substituição de gordura, diminuição de sódio e adição de fibra alimentar (SOBRAL et al., 2010; SPADOTI et al., 2010; GERMINAL, 2012). Visando a atender às necessidades atuais do mercado consumidor e também o tecnológico, vale salientar a importância social de novos produtos, principalmente o requeijão cremoso light com baixo teor de sódio e com adição de fibra, também de interesse industrial. Neste contexto, este trabalho foi realizado com a finalidade de atendimento ao mercado produtivo e consumidor crescente de requeijão cremoso e tem os seguintes objetivos: 1.1 Objetivo geral Avaliar sob os aspectos tecnológicos, nutricionais, sensoriais e de segurança alimentar, dos requeijões cremosos light com baixo teor de sódio e adicionados de fibra alimentar Objetivos específicos 1. Determinar a influência do baixo teor de sódio e adição de fibra na composição química, extrato seco total, gordura no extrato seco, minerais (potássio e sódio) dos tratamento em relação ao requeijão controle. 2. Avaliar o efeito dos ingredientes nas características instrumentais de cor e perfil de textura dos produtos. 3. Analisar os dados sensoriais dos requeijões, por meio da análise de correspondência associando a um dos atributos avaliados. 4. Avaliar a aceitação dos requeijões quanto à cor, sabor, textura, impressão global e intenção de compra. 5. Determinar a vida útil dos produtos, quanto aos aspectos físico-químicos e microbiológicos tendo como referência o requeijão controle. 6. Selecionar a melhor formulação que atende aos requisitos tecnológicos, nutricionais e sensoriais, mais próximos do controle. 2

15 2. REFERENCIAL TEORICO 2.1 Requeijão A legislação brasileira, por meio da Portaria nº 359, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, define requeijão como o produto obtido pela fusão da massa coalhada, cozida ou não, dessorada e lavada, obtida por coagulação ácida e/ou enzimática do leite opcionalmente adicionada de creme de leite e/ou manteiga e/ou gordura anidra de leite ou butter oil (BRASIL, 1997). Podem, ainda, ser adicionados condimentos, especiarias e/ou outras substâncias alimentícias. Desse modo, classifica-se o requeijão de acordo com as matérias-primas empregadas no processo de elaboração, com base no teor de gordura no extrato seco e teor de umidade em: requeijão, requeijão cremoso e requeijão de manteiga (BRASIL, 1997). É relevante salientar que o requeijão é um produto tipicamente brasileiro, fabricado quase em todo o território nacional, com variações de tecnologia e características de região para região (BOSI, 2008). Segundo a classificação genérica de queijos, o requeijão cremoso pertence ao grupo denominado fundidos, processados e pasteurizados. Trata-se de um produto que melhor representa essa categoria no Brasil. É consumido normalmente logo após a fabricação e deve apresentar sabor ligeiramente ácido, opcionalmente salgado, agradável ao paladar, aroma característico, consistência untável (BRASIL, 1997). O princípio da fabricação consiste em fundir a proteína e a gordura. A fusão só ocorre de maneira adequada quando submetida ao calor e à agitação mecânica em tachos especiais, além do emprego de produtos emulsificantes conhecida como sais fundentes para evitar a separação de gordura e de água da mistura. O objetivo do uso de sais fundentes consiste, portanto, em promover a emulsificação da mistura (gordura, proteína e água), obtendo-se, deste modo, um produto final homogêneo e estável (VAN DENDER, 2006). Ainda segundo Van Dender (2006), os sais fundentes têm a capacidade de sequestrar o cálcio da massa, pois ocorre a solubilização e dispersão da proteína, para formar nova estrutura protéica durante o resfriamento, ou seja, quando os sais fundentes sequestram os íons cálcio do caseinato, facilita-se a entrada de íons de sódio que se liga ao caseinato tornando-se mais solúvel. Quando a massa é aquecida, alcançando o ponto de fusão, juntamente com gordura e água, resulta em um produto homogêneo, estável, com brilho e 3

16 elasticidade. O primeiro sal utilizado na fabricação de queijos fundidos foi o citrato, mas nos últimos anos foram introduzidos sais de ácido monofosfórico e polifósforico. Atualmente, os sais comumente utilizados pelas industrias são a base de citrato de sódio, fosfato monossódico, difosfato tetrassódico (pirofosfato tetrassódico), trifosfato pentassódico (tripolifosfato de sódio) e hexametafosfato de sódio. De acordo com Van Dender e Spadoti (2009), existem, no mercado nacional de requeijão cremoso, diferentes possibilidades de variação do sabor, seja por meio da combinação de diferentes queijos para compor a mistura, ou ainda e, principalmente, mediante a utilização de condimentos ou outros ingredientes alimentares de sabor característico. O mercado de requeijão cremoso está em crescimento, dados da Associação Brasileira das Indústrias de Queijos indicam que houve um aumento da produção nacional nos últimos 10 anos de aproximadamente 134,83% chegando a serem comercializados cerca de toneladas somente no ano de 2010 (ABIQ, 2011). 2.2 Requeijão Light O termo light tem sido usado para chamar a atenção para a redução de componente alimentar, incluindo sódio, gordura, caloria. Entretanto, o uso da denominação light vem sendo muito bem aceita para os alimentos que têm o teor de gordura reduzido, com a consequente diminuição da quantidade de calorias e de colesterol (BRANDÃO; SILVA; REIS, 1995). Nos últimos anos, os produtos alimentícios com redução de gordura têm se tornado mais do que uma tendência. O consumidor tem adquirido maior conhecimento das relações entre dieta e saúde e, portanto, observa-se uma mudança significativa em seu comportamento em relação aos alimentos com reduzidos teores de gordura (ROMEIH et al., 2002). O requeijão light ou com baixo teor de gordura deve obedecer à nova classificação estabelecida pelo Ministério da Saúde através da Resolução RDC n 54 de 12 de novembro de 2012, sendo revogada a Portaria n 27 de 13 de janeiro de O atributo light ou reduzido em gorduras totais deverá sofrer redução mínima de 25% no conteúdo de gorduras totais quando comparado ao alimento de referência (conteúdo comparativo), ou máximo de 3 g de gorduras totais por 100g (conteúdo absoluto) (BRASIL, 2012). 4

17 Essa nova resolução aprova o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar, em que os conteúdos comparativos servem como padrão de referência para realizar e destacar uma modificação nutricional relacionada, especificamente, ao atributo reduzido ou aumentado (BRASIL, 2012). A gordura é um fator determinante do sabor, textura e aparência dos alimentos, portanto desenvolver um produto com reduzido teor de gordura, mas com a mesma qualidade da versão tradicional se torna um grande desafio às indústrias de alimentos (ROMEIH et al., 2002). Com o avanço de tecnologia na área de ingredientes, como alguns tipos de colóides e de concentrados protéicos, tornou-se possível a fabricação do requeijão cremoso light, com teor de gordura entre 9 e 12% e umidade em torno de 70% (BOSI, 2008). Muitos ingredientes são usados como substitutos totais ou parciais da gordura dos alimentos, sendo divididos em três categorias: os substitutos à base de proteínas, à base de carboidratos e os sintéticos (SOARES et al., 2002). Os substitutos sintéticos e a base de carboidratos, com exceção das fibras, são constituintes que resultam em boa melhoria da textura do produto com redução de gordura, porém não agregam valor nutricional aos produtos, somente melhoram suas características sensoriais. Por outro lado, a adição de concentrado protéico de soro, como substituto de gordura em requeijão, confere uma série de benefícios nutricionais ao produto, uma vez que possui proteínas de alto valor biológico (SILVA, 2010). O concentrado de proteína de soro (WPS) atua como substituto de gordura e modificador de textura. Por ser derivado do soro de leite, possui características de cor e sabor totalmente compatíveis com produtos lácteos; não interfere na rotulagem; tem a capacidade de formação de gel, a correta viscosidade, o poder emulsificante, a capacidade de retenção de água e a capacidade espumante, estão entre as propriedades dos concentrados de soro de leite que os torna úteis na elaboração de produtos com baixo teor de gordura (GALLINA, 2005). A adição de WPS no requeijão light promove o aumento da elasticidade do requeijão, devido à interação das proteínas do soro parcialmente desnaturadas com a caseína, por meio de ligações sulfídrilas (SILVA, 2003). Porém o WPS não promove a recuperação da maciez do produto, atributo alterado pela redução da gordura, sendo necessário o aumento do conteúdo de água, com consequente diminuição do extrato seco desengordurado (ESD), a fim de diminuir a firmeza do requeijão e recuperar sua maciez (BOSI, 2008). Dessa forma, a adição de WPS como substituto parcial de 5

18 gordura no requeijão deve ser aliada ao aumento da umidade do produto final, promovendo um equilíbrio na textura do requeijão (VAN DENDER, 2006). Em relação a estudos com o requeijão cremoso, Ferreira et al. (2000) caracterizaram os parâmetros de requeijão cremoso com adição de concentrado proteico de leite, por meio de sua composição e análises sensorial e reológica. A proporção adicionada nas formulações foi de 0, 15, 30 e 45% sobre a quantidade de proteína total da massa. Os autores concluíram que o requeijão com 45% de concentrado proteico foi o que obteve maior porcentagem de aprovação em todos os atributos (aparência global, espalhabilidade, cremosidade e firmeza) e resultou em um comportamento reológico diferenciado, apresentando uma viscosidade aparente maior que nas demais formulações. Em outro estudo, Silva (2003) desenvolveu uma tecnologia para produção de requeijão cremoso light com e sem adição de concentrado de proteína de soro (WPC 34%) para substituição parcial da gordura e utilizando dois tipos de sais fundentes (Joah S9 e PZ). A autora concluiu que os produtos que apresentaram melhores resultados foram os obtidos por massa acidificada direta a quente e utilizando 1,3% de sal Joha S9 na fusão da massa e 2% de WPC, e 34% na substituição parcial da gordura, ambos calculados em relação à massa. 2.3 Fibra Alimentar No que se refere às fibras alimentares, Bosi (2008) acrescenta que são partes de plantas ou carboidratos análogos que são resistentes à digestão e absorção no intestino delgado humano e que são completamente ou parcialmente fermentadas no intestino grosso, fornecendo energia principalmente para o crescimento bacteriano. Alguns exemplos de fibras solúveis são pectinas, β-glucana, gomas, inulina e polidextrose. As fibras alimentares têm ocupado uma posição de destaque devido aos resultados divulgados em estudos científicos, que demonstram a ação benéfica desses nutrientes no organismo, demonstrando a relação entre o consumo em quantidades adequadas e a redução de risco de doenças (DOSSIÊ, 2008). A presença de fibras em quantidades insuficientes na alimentação, por um período longo, pode contribuir para o aparecimento de doenças crônicas, como constipação ou obstipação intestinal, doenças cardiovasculares e câncer de intestino. O aumento na ocorrência das doenças citadas justifica a importância de se atingir a recomendação diária de fibras (25 a 30 gramas para um adulto saudável) com o objetivo de reduzir os riscos de desenvolver tais patologias. 6

19 Ainda segundo Dossiê (2008), as fibras podem ser classificas em Solúveis e insolúveis. Como exemplos de fibras solúveis, podem ser destacadas: pectinas, β-glucana, gomas, inulina e polidextrose. Essas fibras têm a ação de retardar a absorção de glicose, reduzir o esvaziamento gástrico (maior saciedade), diminuir os níveis de colesterol sanguíneo e reduzir risco de câncer de intestino. Quanto às fibras insolúveis, os exemplos mais comuns são: lignina, celulose, hemiceluloses (maioria) cujas propriedades estimulam o bom funcionamento intestinal (aceleração do trânsito), a prevenção de constipação intestinal entre outras. Com relação às fibras solúveis e alimentos funcionais, o termo alimentos funcionais foi inicialmente definido no Japão, em meados da década de 1980, como alimentos similares em aparência aos alimentos convencionais, usados como integrante da dieta normal, e que demonstraram benefícios fisiológicos e/ou reduziram o risco de doenças crônicas, além de suas funções básicas nutricionais. O consumo regular de alimentos funcionais pode, potencialmente, reduzir as chances de certos tipos de câncer, doenças do coração, osteoporose, problemas intestinais e muitos outros riscos para a saúde (BRANDÃO, 2002). A Portaria n 398, de 30 de abril de 1999, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, esclarece que funcional é todo aquele alimento ou ingrediente que, além das funções nutritivas básicas, quando consumido como parte da dieta usual, produza efeitos metabólicos, fisiológicos e/ou efeitos à saúde, devendo ser seguro para consumo sem supervisão médica (BRASIL, 1999). A Fibralac FOS é utilizado como fonte de fibra dietética em produtos alimentícios, sendo um sistema funcional de alta performance composto por fruto-oligossacarídeos e polissacarídeos (Inulina), obtido por processamento tecnológico adequado e próprio para uso em preparações alimentícias, não contém glúten em sua composição e além da funcionalidade de ser fonte de fibras também é prebiótica. Sua dosagem é ajustável conforme a necessidade de rotulagem e processo específico (GERMINAL, 2012). Os prebióticos são substâncias não hidrolisadas e não absorvidas pelo intestino delgado que servem seletivamente como substrato para micro-organismos no intestino grosso (GIBSON E ROBERFROID, 1995). Segundo Gallina (2010), a inulina e fruto-oligossacarídeos (FOS), já vem sendo utilizado em produtos lácteos, com alegação de que contribuem para o equilíbrio intestinal e visto que são fibras solúveis que não alteram o valor calórico do leite, nem elevam o nível de açúcar no sangue, e podem aumentar a absorção de cálcio. 7

20 O conteúdo de fibras em alimentos e bebidas agrega valor tanto para consumidores quanto para os fabricantes de alimentos (DANISCO, 2011). Como as fibras contribuem para o equilíbrio do trato gastrintestinal, uma dieta rica em fibras é importante para melhoria da saúde digestiva, pois uma vez no estômago e no intestino delgado, essas aumentam a viscosidade do bolo alimentar, diminuindo a atividade de certas enzimas digestivas, influenciando diretamente na taxa de digestão e absorção de nutrientes (MIRA; GRAF; CÂNDIDO, 2009). Os produtos elaborados com adição de prebióticos são denominados de simbióticos. Gomes e Penna (2010) efetuaram a caracterização química de requeijões cremosos formulados com diferentes teores de creme de leite, gordura vegetal, isolado de proteína de soja e inulina. Concluíram que os requeijões cremosos com isolado de proteico de soja e inulina desenvolvidos, apesar de apresentarem algumas características físico-químicas diferentes dos produtos comerciais, constituem alternativas viáveis de alimentos saudáveis e potencialmente prebióticos. Drunkler (2009) pesquisou a produção de requeijão simbiótico, inicialmente avaliou a melhor forma de adição do micro-organismo Bifidobacterim animalis subsp. lactis Bb-12 no final da fusão da massa. Em seguida elaborou sete formulações de requeijão simbiótico, as quais diferiram entre si quanto a concentração de inulina e oligofrutose, cuja faixa de variação foi de 0 a 7g/100 g de requeijão. Paralelamente, foi elaborado um formulação controle. Foram avaliados os efeitos das variáveis (inulina e oligofrutose) sobre as resposta de textura (firmeza, adesividade, coesividade, elasticidade e gomosidade); enumeração das Bifidobacterim animalis subsp. lactis Bb-12, e parâmetros sensórias (sabor, odor, manuseio, aparência e avaliação global), concluindo que as formulações não diferiram entre si quanto aos atributos avaliados ficando os valores próximos aos da formulação controle. Sendo possível elaborar requeijão cremoso simbiótico, atendendo aos parâmetros de identidade e qualidade preconizados pela legislação vigente, bem como a qualidade sensorial. 2.4 Sódio O sódio é um mineral presente em diversos alimentos, sendo o constituinte principal do sal de cozinha (cloreto de sódio NaCl) que é um ingrediente essencial. Quase todos os alimentos contêm sal, o qual desempenha importante papel em termos de propriedades funcionais e sensoriais. Na indústria alimentícia, o sal é utilizado para uma grande variedade 8

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira 1 Instituição Gestora Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Gestora Adriana Hintz Eick Apoio Administrativo Danúbia Maria de Oliveira Ketlyn de Oliveira Souza 2 APRESENTAÇÃO Este manual didático objetiva

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET ELABORADA COM SUCO DE MARACUJÁ* Ana Cândida Barbieri Lamante** Marcela Aparecida Dada** Mariana Furquim** Camila Gravena** Flávia Berwerth Bellarde*** Flávia Della Lucia**** Introdução

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Art. l Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Petit Suisse, conforme consta dos Anexos desta Instrução Normativa.

Art. l Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Petit Suisse, conforme consta dos Anexos desta Instrução Normativa. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 53, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA 9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA Autor(es) DÉBORA DA SILVA SOUZA Co-Autor(es) KENIA NARA DA SILVA Orientador(es)

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO 1. ALCANCE 1.1. OBJETIVO: estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deve atender o produto Composto

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos FONTE: ANVISA Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos IX - Lista de alegações de propriedade funcional aprovadas

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C)

ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C) ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C) C. C. de S. BERY 1*, A. C. A. VIEIRA 1, N. C. GUALBERTO 1, A. A.

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 26 DE JUNHO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO LEITE O leite é o produto da secreção das glândulas mamárias dos mamíferos. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS O leite é

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes!

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Alimentos Diet: Alimento dietético

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 29900/2010;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 29900/2010; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 004/2010 Reestrutura a organização curricular do Programa de Pós- Graduação em Ciência de Alimentos, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS 1. INTRODUÇÃO GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PÃO FRANCÊS O pão francês é um alimento tradicionalmente consumido pela população brasileira, principalmente em refeições como o café da manhã e o lanche

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

NATA PASTEURIZADA HISTÓRICO DO PRODUTO

NATA PASTEURIZADA HISTÓRICO DO PRODUTO HISTÓRICO DO PRODUTO Acredita-se que a origem do produto NATA remonta o século XVIII, quando imigrantes europeus, oriundos principalmente da Alemanha e Itália, começaram a utilizar o creme de leite que

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Leites Fermentados e bebidas lácteas

Leites Fermentados e bebidas lácteas Leites Fermentados e bebidas lácteas Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL Lipoa.uel@gmail.com neli@sercomtel.com.br www.uel.br/laboratorios/inspecao Leites Fermentados História Período Neolítico (pedra

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Matéria de capa O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Introdução Roberta Sasso Farmacêutica Bioquímica Divisão AminoScience Ajinomoto do Brasil Fone: 11-5908-8788 A indústria de laticínios

Leia mais

Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas de arroz integral e cenoura

Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas de arroz integral e cenoura VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite.

Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite. Manual de Utilização da Planilha Eletrônica de Balanceamento de fórmulas para Sorvetes a Base de Leite. 7 de junho 2010 Este Manual mostra as explicações básicas para a utilização e operação da planilha

Leia mais

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução MÉTODOS E CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE FONTES LÁCTEAS EM GELADOS COMESTÍVEIS Introdução O leite pode ser considerado a principal matéria-prima para a indústria de gelados comestíveis em função de ter

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA 1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA Tamires dos Santos PEREIRA 1, Daniela Dantas de Farias LEITE 1, Neidimarques Casimiro VIEIRA 1, Francegildo Sergio da SILVA

Leia mais

ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA

ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA Cássia Vieito de Toledo 1, Carlos Antônio Alvarenga Gonçalves 2, Karla Duarte Lopes 1, Lívia Maria de Almeida Oliveira 1, Marigrê Fabiana

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação DECLARACIONES FUNCIONALES O DE SALUD As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas com base em evidências científicas.

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Tendências na fabricação de lácteos light e diet

Tendências na fabricação de lácteos light e diet Capítulo 5 Tendências na fabricação de lácteos light e diet Sebastião César Cardoso Brandão Ana Cláudia Lopes Fontes Introdução Os lácteos continuam a aumentar a sua contribuição na alimentação humana.

Leia mais

Prof. Drª. Caroline Moraes

Prof. Drª. Caroline Moraes Prof. Drª. Caroline Moraes Carnobacterium Enterococcus Lactococcus Lactobacilus Lactosphaera Leuconostoc Oenococcus Pediococcus Streptococcus Tetragenococcus Vagococcus Weissella Característica do grupo:

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS PÃO DE QUEIJO MAXI Ingredientes: Amido de mandioca, queijo (leite pasteurizado, fermento lácteo, cloreto de sódio, cloreto de cálcio, coalho, corante

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

O que tem no meu Lanche Escolar?

O que tem no meu Lanche Escolar? O que tem no meu Lanche Escolar? Bolo de CENOURA Caseiro -> farinha de trigo, cenoura, ovos, óleo, açúcar e fermento químico. Ingredientes FARINHA DE TRIGO ENRIQUECIDA COM FERRO E ÁCIDO FÓLICO, RECHEIO

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários;

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº- 270, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Nº uso

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: NUTRICIONISTA (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES (N o DE INSCRIÇÃO) 1. Verifique

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A Tecnologia de Alimentos (T.A.) é das mais novas especialidades da necessidade da obtenção de mais fartas e constantes fontes alimentares. FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Julia Hoçoya Sassaki

Julia Hoçoya Sassaki Certifico e dou fé, para os devidos fins, que nesta data me foi apresentado um documento em idioma japonês, com a seguinte identificação: ARTIGO, o qual traduzo para o vernáculo, no seguinte teor: Coletânea

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E Ensino Médio Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1. Misturas e processos de separação H4, H5 2. Misturas e processos de separação H4, H5 e H6

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente Karoline Mikaelle de Paiva Soares 1* ; Vilson Alves de Góis

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

Becel Lança bebida láctea

Becel Lança bebida láctea empresas & negócios Becel Lança bebida láctea Becel anuncia seu principal lançamento para o primeiro semestre de 2012 bebida láctea com polpa de frutas, que chega nos sabores Ameixa, Pêssego e Morango.

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Maria Alice NASCIMENTO¹; Sabrina VARGAS MONTEIRO¹; Sônia OLIVEIRA DUQUE PACIULLI². 1Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Alimentos. Instituto

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE e produtos lácteos com baixo teor de lactose A lactose (galactose β-1,4 glucose) é um tipo de glicídio que possui ligação glisídica. É o açúcar presente no leite e seus derivados.

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais