Guia de Produção. Better Cotton

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Produção. Better Cotton"

Transcrição

1 Guia de Produção Better Cotton 1

2 Fotos ABRAPA Texto Fatima C. Cardoso Arte Adesign Coordenação Lucy Frota

3 conteúdo 1 INTRODUÇÃO - Os desafios da sustentabilidade no algodão 3 O ALGODÃO BETTER COTTON APÓS A PORTEIRA 1.1 O que é o Sistema bci Componentes do Sistema bci 6 4 Benefícios do sistema BCI 1.3 Princípios de produção 7 2 COMO ADERIR AO SISTEMA BETTER COTTON 5 QUEM CONTATAR 5.1 Contatos nas entidades Mais informações Critérios mínimos e requisitos de progresso Como participar O que faz um produtor Better Cotton Etapas a cumprir e ferramentas disponíveis 10

4 1 Introdução 4

5 Os desafios da sustentabilidade no algodão cadeia produtiva do algodão é responsável pela sobrevivência de mais de 100 milhões de produtores no mundo todo e por milhares no Brasil. Outras centenas de milhares de trabalhadores dependem do algodão nos diversos elos da cadeia têxtil. Além da fibra, o algodão gera importantes sub-produtos, como óleo, biodiesel, farelo para alimentação animal e outros. Tudo isso faz do algodão um produto nobre, fundamental para a qualidade de vida no planeta. Produzir algodão é motivo de orgulho e produzir de forma cada vez mais sustentável um desafio. Trabalhar com satisfação, fazer bons negócios, garantir o sucesso da propriedade, ter um bom relacionamento com a comunidade e preservar a natureza. Agir no presente sem perder de vista o futuro. Esses são os desafios de um produtor sustentável, que: 1) gera bons resultados econômicos; 2) contribui para o crescimento da sociedade; 3) contribui para a conservação do meio ambiente. No dia-a-dia é possível ver a importância de uma produção sustentável. Por exemplo, quando cuidamos da qualidade da água consumida na propriedade; quando fazemos a seleção e o uso responsável de defensivos agrícolas; quando oferecemos boas condições trabalho ou quando cuidamos das áreas de vegetação na nossa propriedade. O desafio é grande, mas compradores e os financiadores de algodão estão começando a exigir que os produtores trabalhem cada vez mais de forma equilibrada, atentos ao tripé da sustentabilidade, econômico, social e ambiental. Conscientes desses desafios, um grupo de empresas, associações de produtores e organizações da sociedade civil desenvolveu o sistema Better Cotton Initiative BCI (Iniciativa Por um Algodão Melhor). Esse guia tem como objetivo ajudar o produtor a entender melhor o Sistema BCI. Foi desenvolvido em conjunto pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão, pelo BCI e pela Fundação Solidaridad, e busca fornecer informações para apoiar aqueles cotonicultores que estão dispostos a aderir ao sistema e dar um passo a mais na sua caminhada por uma produção cada vez mais sustentável. 5

6 1.1 O QUE É O SISTEMA BCI A BCI é uma organização sem fins lucrativos que reúne produtores, beneficiadores, tecelagens, comerciantes, fabricantes, varejistas e organizações da sociedade civil em uma parceria global cujo objetivo é transformar a produção de algodão e garantir o futuro próspero para o setor. Para o BCI, a sustentabilidade não é um fim, mas um caminho. E para ajudar nessa caminhada, foram desenvolvidos princípios e critérios para garantir a produção de um algodão BC e disponibilizado um sistema de apoio para a melhoria contínua das propriedades rurais. A meta da BCI é que haja uma transformação, a longo prazo, no modo como o algodão é produzido globalmente. Para isso, os princípios e critérios foram desenvolvidos de forma participativa e consultiva e atualmente estão sendo implantados em vários países produtores. implementação em cada país produtor, além de estímulo ao financiamento de parcerias público- -privadas para a disponibilização dos mecanismos. Avaliação da propriedade rural Métodos com indicadores de resultados e ciclos de aprendizagem para incentivar os agricultores a progredirem continuamente. Cadeia de fornecimento Sistemas para a conexão da oferta do algodão Better Cotton à demanda por meio da identificação do fardo. Mecanismos de monitoramento, avaliação e aprendizagem avaliação dos impactos da implantação do sistema ao longo do tempo para garantir que os benefícios previstos sejam alcançados. O BCI no mundo O objetivo é produzir o Better Cotton, uma nova categoria de algodão: melhor para quem o produz, melhor para o meio ambiente em que é cultivado e melhor para o futuro do setor. estados unidos 1.2 COMPONENTES DO SISTEMA BCI São seis os componentes básicos do sistema: Princípios e Critérios de produção São os padrões que definem como o Better Cotton deve ser produzido brasil Assistência aos agricultores Mecanismos de capacitação desenvolvidos global e localmente e colocados em prática por parceiros de 6

7 Fóruns de aprendizagem, orientações e ferramentas Troca das melhores práticas e informações sobre produção sustentável. 1.3 PRINCÍPIOS DE PRODUÇÃO Os agricultores que adotam o sistema Better Cotton precisam: 1 Minimizar os impactos prejudiciais das práticas de proteção à cultura. 2 Utilizar a água eficientemente e zelar pela disponibilidade de mesma. 3 Cuidar da saúde do solo. 4 Conservar os habitats naturais. 5 Zelar e preservar a qualidade da fibra. 6 Promover as relações justas de trabalho. Cada um dos princípios acima tem associado critérios de produção que garantem que esses objetivos mais gerais sejam alcançados. Dentre esses critérios, existem os considerados mínimos, que todos os produtores que querem cultivar e fornecer o Better Cotton precisam cumprir no primeiro ano. Existem também os requisitos de progresso, que são escolhidos pelos próprios produtores em conjunto com a equipe técnica da Abrapa e do BCI, e que são cumpridos ao longo do tempo. tadjiquistão china Países em vista de Implementação paquistão Países Implementados turquia Índia benin, burquina faso, camarões, mali, senegal, togo moçambique 7

8 2 COMO ADERIR AO SISTEMA BETTER COTTON PRINCÍPIOS CRITÉRIOS MÍNIMOS Minimizar os impactos prejudiciais das práticas de proteção 1à cultura. 2 Utilizar a água de maneira eficiente e zelar por sua disponibilidade Adoção de um programa de manejo de pragas que incluem os seguintes elementos: Cultivo de uma lavoura saudável; Prevenção do desenvolvimento de populações de pragas; Preservação e aprimoramento de populações de insetos benéficos; Observações do aspecto da lavoura, principais pragas e insetos benéficos através de vistorias regulares a campo; Manejo da resistência. Uso de defensivos que são: Registrados no país para uso na cultura em tratamento; 2.1 Adoção de boas práticas de manejo que otimizem o uso da água Rotulados corretamente no idioma nacional. Defensivos listados na Convenção de Estocolmo 1 não são utilizados. Defensivos são preparados e aplicados por pessoas: Saudáveis; Capacitadas e treinadas para a aplicação de defensivos; Maiores de 18 anos; Que não estejam grávidas, nem amamentando. 3 saúde Cuidar da do solo. Conservar os habitats 4naturais. 4.2 A utilização e conversão de terras para a cotonicultura devem estar em conformidade com a legislação nacional relacionada ao uso de terras agrícolas. Zelar e preservar a qualidade 5da fibra 5.2 O algodão em caroço é colhido, manuseado e armazenado de modo a minimizar impurezas, anos e contaminações. 8 Promover Relações Justas 6de Trabalho Liberdade de Associação - Pequenos agricultores (incluindo arrendatários, meeiros e outras categorias) têm o direito, em caráter voluntário, de estabelecer e desenvolver organizações representando seus interesses Trabalho Infantil - Não há trabalho infantil, de acordo com a Convenção 138 da OIT. 6.4 Para trabalhos perigosos, a idade mínima é de 18 anos. 6.5 Trabalho Forçado - O emprego é escolhido livremente: nenhuma mão- -de-obra compulsória ou forçada, incluindo mão-de-obra traficada ou escrava para pagamento de dívidas.

9 Os agricultores que querem participar do sistema BCI devem, em primeiro lugar, participar da palestra de conscientização e se comprometer com a adesão ao sistema por meio da assinatura de um Termo de Adesão. Em seguida, devem realizar uma auto-avaliação de sua propriedade para entender a sua situação inicial. No primeiro ano o produtor deve cumprir todos os critérios mínimos e nos anos que seguem escolher os requisitos de progresso. A cada três anos, o produtor precisa definir novos desafios até cumprir todos os requisitos de progresso. REQUISITOS DE PROGRESSO Os defensivos em qualquer uma das seguintes categorias abaixo terão de ser descontinuados: Classe 1 da OMS (Organização Mundial da Saúde); Aqueles listados na Convenção de Roterdã 2 ; Endosulfan. O cronograma de descontinuação será baseado na disponibilidade de melhores alternativas e na capacidade de manejar adequadamente o risco da produção. Defensivos são sempre preparados e aplicados por pessoas utilizando corretamente equipamento de segurança e proteção. O equipamento para aplicação e as embalagens de defensivos são armazenados, manuseados e limpos a fim de evitar danos ambientais ou exposição humana. Os defensivos são aplicados em condições climáticas adequadas, de acordo com as instruções do rótulo e/ou do fabricante, com equipamento apropriado e em bom estado. As embalagens de defensivos usadas são coletadas por um programa de reciclagem ou descartadas de modo seguro. 2.2 Adoção de práticas de manejo da água para garantir que sua extração não cause efeitos adversos no lençol freático ou cursos d água Adoção de boas práticas de manejo a fim de manter ou incrementar a estrutura e fertilidade do solo. Os nutrientes são aplicados conforme a necessidade do solo e da cultura. Época, modo de 3.3 aplicação e dosagem aplicada são otimizadas. Adoção de práticas de manejo que minimizem a erosão, contendo a movimentação do solo a fim de proteger fontes de água potável e outros cursos d água contra o escoamento de superfície Adoção de práticas que aumentem a biodiversidade na propriedade ou em seu entorno. Adoção de práticas de manejo que maximizem a qualidade da fibra. 1 Convenção de Estocolmo - Trata-se da Convenção de Estocolmo sobre POP (Poluentes Orgânicos Persistentes) e determina a descontinuação da produção e utilização de POP. A Convenção entrou em vigor em maio de 2004 e pretende eliminar o emprego e produção de produtos químicos que compartilham uma série e características: altamente tóxicos, persistentes,podem viajar longas distâncias e bioacumular na cadeia alimentar. Existem 12 defensivos incluídos na lista: aldrin, chlordane, chloredecone, dieldrin, diclorodifeniltricloroetano (DDT), endrin, heptaclor, hexaclorobenzeno, hexaclorociclohexano, lindane, mirex e toxafeno. 6.6 Não-discriminação - Não há prática de discriminação (distinção, exclusão ou preferência) que negue ou impeça a igualdade de oportunidade, condições ou tratamento baseada em características individuais e associação ou participação de grupos. 6.2 Saúde e Segurança - Proporcionar o acesso à água potável e para limpeza em geral. 2 Convenção de Roterdã - Também chamada de Convenção PIC, a Convenção de Roterdã é um tratado internacional sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado Para o Comércio Internacional de Certas Substâncias Químicas. Juntamente com a Convenção de Estocolmo, ela constitui a base para produção, transporte e comércio de certas substâncias químicas consideradas tóxicas ou nocivas ao meio ambiente. A Convenção controla principalmente o transporte e o uso de pesticidas extremamente perigosos, entre eles, o endossulfam, o aldicarbe e o alacloro. 9

10 10 Critérios Adicionais aplicáveis aos pequenos agricultores-empregadores e grandes agricultores:

11 2.2 COMO PARTICIPAR Para cumprir os critérios mínimos e promover a melhoria contínua da sua produção, o produtor que aderir ao sistema BCI receberá ajuda de técnicos especializados e de ferramentas desenvolvidas especialmente para apoiar os cotonicultores. O sistema de apoio é diferenciado de acordo com o tamanho da propriedade e com o sistema produtivo: existem ferramentas para o pequeno agricultor familiar, o pequeno agricultor empregador e para grandes propriedades. Há uma série de atividades que são promovidas ao longo do ano como preparação para a produção do algodão BCI, independentemente do tamanho do produtor. No caso dos pequenos produtores todo processo será feito coletivamente, no grupos de aprendizagem, que reúnem agricultores localizados na mesma região com as mesmas características e problemas em comum. O grande produtor faz todas as etapas individualmente. 2.3 O QUE FAZ UM PRODUTOR BETTER COTTON Tem um sistema de registro das suas atividades Faz uma auto-avaliação anual Monitora suas atividades e participa dos treinamentos BCI Demonstra progresso de acordo com seu plano de melhoria contínua Está pronto para ser verificado 2.4 ETAPAS A CUMPRIR E FERRAMENTAS DISPONÍVEIS A seguir, todas as etapas para a implementação do Better Cotton na sua propriedade. 1º Participa da palestra de conscientização e assina o Termo de Adesão 2º Rrealiza a Auto-Avaliação O produtor participa da palestra de conscientização e, após aderir ao sistema, recebe treinamento para preencher o formulário de auto-avaliação. Essa atividade, que pode ser feita individualmente ou em grupo para os pequenos, e permite compor um diagnóstico inicial da sua propriedade. O produtor, individualmente ou em grupo de aprendizagem, recebe apoio técnico para coletar os dados sobre seu sistema de produção. Para isso, pode utilizar um livro de campo ou um sistema automatizado onde anotará as informações necessárias. 11

12 3º Participa de um Programa de Cursos para implementar o sistema BCI Caso ainda não consiga cumprir todos os critérios mínimos, o produtor terá disponível um plano de apoio e desenvolvimento para que, num prazo curto, possa se ajustar aos critérios mínimos. Baseado nas necessidades e valores de referência escolhidos durante a auto-avaliação, o produtor participa de um programa de apoio para ajudar no cumprimento dos critérios mínimos e nos requisitos de progresso (para aqueles que já estão no segundo ano). 4º Verifica o cumprimento dos critérios mínimos Verificação de 2ª Parte Em conjunto com as equipes da Abrapa, BCI e Solidaridad (pequenos), verificam o cumprimento dos critérios mínimos e os de progresso (para os que estão no segundo ano de implantação). Os produtores são orientados a coletar e acompanhar indicadores que mostrarão ao longo do tempo o avanço do tripé da sustentabilidade na propriedade. 5º Rrecebe uma Verificação Independente Os produtores recebem uma Verificação Independente para conferir o cumprimento dos critérios mínimos e, a partir do segundo ano de implantação, dos requisitos de progresso. A auditoria encaminha um relatório sobre a propriedade para o BCI. 6º recebe o Licenciamento para vender o algodão BC As propriedades são aprovadas pelo Cordenador Regional da BCI com base na análise das 3 etapas, Auto-Avaliação, na Verificação de 2ª Parte e na Verificação Independente; o produtor então recebe o licenciamento para vender o algodão BC. SAI (Sistema Abrapa de Identificação), que está harmonizado com o código Better Cotton. 12

13 3 O ALGODÃO BETTER COTTON APÓS A PORTEIRA sistema BCI tem como objetivo criar um mercado para o algodão Better Cotton, que ao mesmo tempo seja mais rentável para o agricultor e que valorize um produto ambientalmente e socialmente responsável. Numa primeira etapa, o BCI promove a implementação da Cadeia de Fornecimento para Better Cotton, focando na circulação do algodão em caroço da propriedade até o beneficiador. Cria-se assim um fardo de fibra 100% de Better Cotton. A Cadeia de Fornecimento prevê o seguinte caminho: Segregação do Better Cotton do campo até o fardo. Estabelecimento de uma cadeia de custódia documentada. Pesagem de algodão em caroço e algodão em fibra. Criação de fardos 100% Better Cotton. Adoção um identificador Better Cotton que permita a identificação dos fardos 100% Better Cotton. A criação de um fardo de algodão 100% Better Cotton, segregado do produto convencional, disponibiliza uma matéria-prima rastreada para os varejistas e marcas interessados. A participação de todos os setores da cadeia de abastecimento na BCI é essencial para garantir que o Better Cotton produzido pelos agricultores estará ligado ao mercado e que a crescente demanda por Better Cotton pode ser cumprida. Entre os associados da BCI, estão grandes marcas globais da indústria têxtil, como Adidas, Levi Strauss & Co. H & M, Nike, Inditex, além de importantes redes de varejo e tradings, como Marks & Spencer, Migros, IKEA, Tesco e Ecom. Esses varejistas de produtos de algodão querem comprar mais algodão produzido de forma sustentável, e através de sua participação na BCI, ambos estão contribuindo tanto para a criação de uma demanda pelo Better Cotton. Todos os associados comprometem-se a, sempre que possível, priorizar a compra de Better Cotton e desenvolver relacionamentos de longo prazo com fornecedores de Better Cotton. 13

14 4 BENEFÍCIOS DO SISTEMA BCI ilhares de produtores já aderiram ao sistema BCI em todo mundo. Eles fazem parte desse grupo que busca aprimorar anualmente a sua produção de algodão e colhem os benefícios do sistema. Entre eles: Os agricultores têm condições mais favoráveis (principalmente, em termos financeiros) Abastecimento de água fresca não sofre desgaste excessivo Seres humanos saudáveis, meio ambiente saudável A biodiversidade prospera nas propriedades cotonicultoras e nas redondezas Solos saudáveis que proporcionam culturas saudáveis Relações mais justas de trabalho para todos os trabalhadores em cotonicultura A adoção de melhores práticas de manejo reverte em uma melhor rentabilidade e produtividade para o agricultor. Ao mesmo tempo, o sistema Better Cotton tende a aprimorar a qualidade do algodão e da fibra, pois reduz a contaminação e estimula o produtor em investir em métodos mais avançados. À medida que toda a cadeia do algodão demonstre seu compromisso com práticas mais sustentáveis de produção, a ampla adoção de práticas de melhoria da gestão e uma maior segurança na cadeia de fornecimento vão garantir uma melhor reputação para produtores, indústrias, varejo e organizações ligadas ao setor têxtil. 14

15 5 QUEM CONTATAR sistema Better Cotton é implementado no Brasil pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), com o apoio da suas associações estaduais e da Fundação Solidaridad. Os técnicos das entidades são responsáveis por ajudar os produtores que querem aderir ao sistema e apoiá-los em todo o cronograma de implementação. 5.1 CONTATOS NAS ENTIDADES Associação Brasileira de Algodão (Abrapa) Lucy França Frota Coordenadora dos Projetos de Sustentabilidade Tel e Celular MAIS INFORMAÇÕES Better Cotton Initiative - BCI Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) Better Cotton Initiative (BCI) Coordenador Regional do Brasil Andrea Aragón Brazil Regional Coordinator Better Cotton Initiative (BCI) M Solidaridad Brasil Fatima Cristina Cardoso Gerente de projetos Rua Tanabi 287 casa 2 Perdizes - São Paulo SP Code: Brasil Tel

16 2

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON MODELO DE MELHORIA CONTÍNUA PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 ORIENTAÇÃO A Escala de Desempenho Better Cotton para Pequenos agricultores

Leia mais

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton 1 Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton www.bettercotton.org Orientação O documento a seguir proporciona uma visão geral do Sistema Better Cotton. Este sistema é formado por componentes interdependentes.

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON O TRABALHO COM INDICADORES DE RESULTADOS APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 ORIENTAÇÃO Este documento contém orientações sobre as metodologias a serem utilizadas

Leia mais

ALGODÃO. Guia de autoavaliação. para pequenos produtores de

ALGODÃO. Guia de autoavaliação. para pequenos produtores de Guia de autoavaliação para pequenos produtores de ALGODÃO Programa Horizonte Rural O programa Better Cotton Initiative para pequenos produtores é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

Proibição da utilização de mão de obra infantil e da prática de trabalho degradante, indigno, forçado ou análogo a escravo

Proibição da utilização de mão de obra infantil e da prática de trabalho degradante, indigno, forçado ou análogo a escravo Projeto de Sustentabilidade para o Relatório de Atividades Set-2012 Lançamento do ABR no Brasil 11-09 / Luís Eduardo Magalhães BAHIA 13-09 / Patos de Minas MINAS GERAIS 17-09 / Cuiabá - MATO GROSSO 19-09

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

Banco Rabobank International Brasil S.A.

Banco Rabobank International Brasil S.A. Banco Rabobank International Brasil S.A. Rabobank Brasil - Política Socioambiental Política Cód: POL-SA Política Socioambiental Pgs: 5 Versão 5.0 Válida desde Julho, 2006 Última Versão: Outubro, 2014 O

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira Resumo do Estudo de Viabilidade sobre Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja e sua Interpretação Brasileira Estudo de Viabilidade realizado por Genetic ID (Europa) AG Augsburg, Alemanha

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis

Sustentabilidade dos Biocombustíveis Sustentabilidade dos Biocombustíveis VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Porto Alegre Maio de 2010 Paulo Cunha (1) Fernando Pierre (1) Diogo Zaverucha (1) Felipe Cunha (2) (1) Petrobras Biocombustível;

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI Artigo Técnico Por Silvio Neto Pereira do Vale, Técnico de Ensino do CPC - Centro SENAI de Produção mais Limpa Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI As organizações mundiais e brasileiras

Leia mais

Um planeta. Seis compromissos.

Um planeta. Seis compromissos. Um planeta. Seis compromissos. Nós não podemos continuar assim A humanidade enfrenta o seu maior desafio Todos os dias, nosso planeta acorda com 200.000 pessoas a mais para alimentar. 1 Todas as noites,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Principais Mudanças nos Critérios

Principais Mudanças nos Critérios Principais Mudanças nos Critérios Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos Produtores (versão de 01.05.2011) Os Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações de Pequenos

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA MANEJO DE PRAGAS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA MANEJO DE PRAGAS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA MANEJO DE PRAGAS PO-07/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas Ambientais

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA "Nossos valores e normas" para Parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [Edição 1] A MSD compromete-se com a sustentabilidade

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS IV REUNIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DOS ORGAOS GESTORES DE SAÚDE AMBIENTAL DOS MINISTÉRIOS DA SAÚDE E I FÓRUM DE SAÚDE E AMBIENTE DA REGIÃO DAS AMÉRICAS Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE um case de sucesso para a batata A LONGA E COMPLEXA VIAGEM DA BATATA VISÃO GERAL PEPSICO 19 MARCAS + $1B 64 FATURAMENTO LÍQUIDO OUTRAS GLOBAL MARCAS [EXEMPLOS] PEPSICO

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 20 MANEJO AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL DOS RESÍDUOS PERIGOSOS, INCLUINDO A PREVENÇÃO DO TRÁFICO INTERNACIONAL ILÍCITO DE RESÍDUOS

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL Introdução O aumento da obesidade e inadequados hábitos alimentares durante a infância e a juventude

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Gestão Ambiental A área de Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem iniciativas voltadas para preservar e desenvolver a natureza do entorno onde a empresa está inserida. A Usinas Itamarati assume

Leia mais

Exemplo de análise coletiva

Exemplo de análise coletiva Exemplo de análise coletiva 1 2 INTRODUÇÃO Este relatório apresenta uma análise consolidada dos dados informados pelos produtores que responderam ao guia de autoavaliação sobre as práticas econômicas,

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Plano de Bom Crescimento

O Plano de Bom Crescimento O Plano de Bom Crescimento Outubro, 2013 O desafio: alimentar sustentavelmente uma população crescente 870 milhões 2 mil milhões de pessoas que se deitam com fome mais de pessoas em 2050 70% delas dependendo

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Anónimo Fazenda São João

Anónimo Fazenda São João Anónimo Fazenda São João Data do preenchimento do guia: 13/08/2013 RELATÓRIO INDIVIDUAL E CONFIDENCIAL Prezado produtor, Gostaríamos de agradecer a sua participação neste projeto piloto realizado pela

Leia mais

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL NESTA AULA SERÁ ABORDADO Procedimentos para a certificação orgânica Os passos para a certificação Plano de Manejo

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

SISTEMA DE RASTREAMENTO ON-LINE DE FARDOS BETTER COTTON

SISTEMA DE RASTREAMENTO ON-LINE DE FARDOS BETTER COTTON SISTEMA DE RASTREAMENTO ON-LINE DE FARDOS BETTER COTTON MANUAL DE CAPACITAÇÃO PARA BENEFICIADORAS BRASILEIRAS QUE USAM SAI Maio de 2013 Índice Introdução ao Sistema Better Cotton 2 Introdução ao Sistema

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E AS FIBRAS NATURAIS NO BRASIL

SUSTENTABILIDADE E AS FIBRAS NATURAIS NO BRASIL SUSTENTABILIDADE E AS FIBRAS NATURAIS NO BRASIL LETÍCIA BIROLLI FERREIRA 1 Resumo: A questão da sustentabilidade está muito presente nas discussões atuais, inclusive no âmbito da moda. Muitos especialistas

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184 Segurança e Saúde na Agricultura Genebra, 2001 Convenção 184 CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE NA AGRICULTURA A Conferência Geral da Organização Internacional

Leia mais

Agricultura Certificada

Agricultura Certificada Agricultura Certificada Agosto 2014 VISÃO GERAL DA SLC AGRICOLA 68 ANOS DE EXPERIÊNCIA 318,5 (1) MIL HA ÁREA PRÓPRIA 344 MIL HA ÁREA PLANTADA ENTRE AS MAIORES DO PAÍS ALTA PRODUTIVIDADE PARTE DO GRUPO

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

802 A AÇÃO CIVIL PÚBLICA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE 822 A CONTRIBUIÇÃO DA ENERGIA SOLAR AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

802 A AÇÃO CIVIL PÚBLICA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE 822 A CONTRIBUIÇÃO DA ENERGIA SOLAR AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 802 A AÇÃO CIVIL PÚBLICA EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE 822 A CONTRIBUIÇÃO DA ENERGIA SOLAR AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 972 A FUNÇÃO SOCIAL E AMBIENTAL COMO FUNDAMENTOS DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 894 A IMPORTÃNCIA

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Paulo Vanca Diretor do AUDIBRA / IIA Brasil Consultor da Junho de 2009 PwC Agenda Sustentabilidade Verdades e mitos Os 3 Pilares

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Algodão em Caroço DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 01.07.08 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2006

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Riscos de contaminação e impacto ambiental

Riscos de contaminação e impacto ambiental Um informativo do Centro Estadual de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, da EMATER, do Centro de Informações Toxicológicas da Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde, da Secretaria

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES A RELEVÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES Cristina Barbosa, Auditora da APCER XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros 20-out-2012 Centro Cultural de Belém Resumo da Apresentação

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR DESCRITIVO E RESPONSABILIDADES OBJETO DO REGULAMENTO Art. 1º - O Certificado de Conformidade Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o respectivo

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA PREÂMBULO

TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA PREÂMBULO TRATADO SOBRE CONSUMO E ESTILO DE VIDA Este tratado pretende promover a reflexão e o debate entre os Movimentos Sociais e as ONGs, conduzindo a compromissos de ação entre os diversos contextos regionais

Leia mais

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Palestra - CETIQT 27/07/00 Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Prof. Dr. Joachim Hilden; Mönchengladbach / Alemanha O comportamento do

Leia mais

Dia Nacional da Prevenção

Dia Nacional da Prevenção Relatório da Organização Internacional do Trabalho A proteção dos trabalhadores e do meio ambiente Este relatório da celebração do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho 2014 analisa a situação atual

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Marina Silva Ministra do Meio Ambiente

APRESENTAÇÃO. Marina Silva Ministra do Meio Ambiente APRESENTAÇÃO A Convenção de Estocolmo sobre os Poluentes Orgânicos Persistentes - Convenção POPs é, indubitavelmente, um dos mais importantes instrumentos de promoção da segurança química global. Esta

Leia mais