Guia de Produção. Better Cotton

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Produção. Better Cotton"

Transcrição

1 Guia de Produção Better Cotton 1

2 Fotos ABRAPA Texto Fatima C. Cardoso Arte Adesign Coordenação Lucy Frota

3 conteúdo 1 INTRODUÇÃO - Os desafios da sustentabilidade no algodão 3 O ALGODÃO BETTER COTTON APÓS A PORTEIRA 1.1 O que é o Sistema bci Componentes do Sistema bci 6 4 Benefícios do sistema BCI 1.3 Princípios de produção 7 2 COMO ADERIR AO SISTEMA BETTER COTTON 5 QUEM CONTATAR 5.1 Contatos nas entidades Mais informações Critérios mínimos e requisitos de progresso Como participar O que faz um produtor Better Cotton Etapas a cumprir e ferramentas disponíveis 10

4 1 Introdução 4

5 Os desafios da sustentabilidade no algodão cadeia produtiva do algodão é responsável pela sobrevivência de mais de 100 milhões de produtores no mundo todo e por milhares no Brasil. Outras centenas de milhares de trabalhadores dependem do algodão nos diversos elos da cadeia têxtil. Além da fibra, o algodão gera importantes sub-produtos, como óleo, biodiesel, farelo para alimentação animal e outros. Tudo isso faz do algodão um produto nobre, fundamental para a qualidade de vida no planeta. Produzir algodão é motivo de orgulho e produzir de forma cada vez mais sustentável um desafio. Trabalhar com satisfação, fazer bons negócios, garantir o sucesso da propriedade, ter um bom relacionamento com a comunidade e preservar a natureza. Agir no presente sem perder de vista o futuro. Esses são os desafios de um produtor sustentável, que: 1) gera bons resultados econômicos; 2) contribui para o crescimento da sociedade; 3) contribui para a conservação do meio ambiente. No dia-a-dia é possível ver a importância de uma produção sustentável. Por exemplo, quando cuidamos da qualidade da água consumida na propriedade; quando fazemos a seleção e o uso responsável de defensivos agrícolas; quando oferecemos boas condições trabalho ou quando cuidamos das áreas de vegetação na nossa propriedade. O desafio é grande, mas compradores e os financiadores de algodão estão começando a exigir que os produtores trabalhem cada vez mais de forma equilibrada, atentos ao tripé da sustentabilidade, econômico, social e ambiental. Conscientes desses desafios, um grupo de empresas, associações de produtores e organizações da sociedade civil desenvolveu o sistema Better Cotton Initiative BCI (Iniciativa Por um Algodão Melhor). Esse guia tem como objetivo ajudar o produtor a entender melhor o Sistema BCI. Foi desenvolvido em conjunto pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão, pelo BCI e pela Fundação Solidaridad, e busca fornecer informações para apoiar aqueles cotonicultores que estão dispostos a aderir ao sistema e dar um passo a mais na sua caminhada por uma produção cada vez mais sustentável. 5

6 1.1 O QUE É O SISTEMA BCI A BCI é uma organização sem fins lucrativos que reúne produtores, beneficiadores, tecelagens, comerciantes, fabricantes, varejistas e organizações da sociedade civil em uma parceria global cujo objetivo é transformar a produção de algodão e garantir o futuro próspero para o setor. Para o BCI, a sustentabilidade não é um fim, mas um caminho. E para ajudar nessa caminhada, foram desenvolvidos princípios e critérios para garantir a produção de um algodão BC e disponibilizado um sistema de apoio para a melhoria contínua das propriedades rurais. A meta da BCI é que haja uma transformação, a longo prazo, no modo como o algodão é produzido globalmente. Para isso, os princípios e critérios foram desenvolvidos de forma participativa e consultiva e atualmente estão sendo implantados em vários países produtores. implementação em cada país produtor, além de estímulo ao financiamento de parcerias público- -privadas para a disponibilização dos mecanismos. Avaliação da propriedade rural Métodos com indicadores de resultados e ciclos de aprendizagem para incentivar os agricultores a progredirem continuamente. Cadeia de fornecimento Sistemas para a conexão da oferta do algodão Better Cotton à demanda por meio da identificação do fardo. Mecanismos de monitoramento, avaliação e aprendizagem avaliação dos impactos da implantação do sistema ao longo do tempo para garantir que os benefícios previstos sejam alcançados. O BCI no mundo O objetivo é produzir o Better Cotton, uma nova categoria de algodão: melhor para quem o produz, melhor para o meio ambiente em que é cultivado e melhor para o futuro do setor. estados unidos 1.2 COMPONENTES DO SISTEMA BCI São seis os componentes básicos do sistema: Princípios e Critérios de produção São os padrões que definem como o Better Cotton deve ser produzido brasil Assistência aos agricultores Mecanismos de capacitação desenvolvidos global e localmente e colocados em prática por parceiros de 6

7 Fóruns de aprendizagem, orientações e ferramentas Troca das melhores práticas e informações sobre produção sustentável. 1.3 PRINCÍPIOS DE PRODUÇÃO Os agricultores que adotam o sistema Better Cotton precisam: 1 Minimizar os impactos prejudiciais das práticas de proteção à cultura. 2 Utilizar a água eficientemente e zelar pela disponibilidade de mesma. 3 Cuidar da saúde do solo. 4 Conservar os habitats naturais. 5 Zelar e preservar a qualidade da fibra. 6 Promover as relações justas de trabalho. Cada um dos princípios acima tem associado critérios de produção que garantem que esses objetivos mais gerais sejam alcançados. Dentre esses critérios, existem os considerados mínimos, que todos os produtores que querem cultivar e fornecer o Better Cotton precisam cumprir no primeiro ano. Existem também os requisitos de progresso, que são escolhidos pelos próprios produtores em conjunto com a equipe técnica da Abrapa e do BCI, e que são cumpridos ao longo do tempo. tadjiquistão china Países em vista de Implementação paquistão Países Implementados turquia Índia benin, burquina faso, camarões, mali, senegal, togo moçambique 7

8 2 COMO ADERIR AO SISTEMA BETTER COTTON PRINCÍPIOS CRITÉRIOS MÍNIMOS Minimizar os impactos prejudiciais das práticas de proteção 1à cultura. 2 Utilizar a água de maneira eficiente e zelar por sua disponibilidade Adoção de um programa de manejo de pragas que incluem os seguintes elementos: Cultivo de uma lavoura saudável; Prevenção do desenvolvimento de populações de pragas; Preservação e aprimoramento de populações de insetos benéficos; Observações do aspecto da lavoura, principais pragas e insetos benéficos através de vistorias regulares a campo; Manejo da resistência. Uso de defensivos que são: Registrados no país para uso na cultura em tratamento; 2.1 Adoção de boas práticas de manejo que otimizem o uso da água Rotulados corretamente no idioma nacional. Defensivos listados na Convenção de Estocolmo 1 não são utilizados. Defensivos são preparados e aplicados por pessoas: Saudáveis; Capacitadas e treinadas para a aplicação de defensivos; Maiores de 18 anos; Que não estejam grávidas, nem amamentando. 3 saúde Cuidar da do solo. Conservar os habitats 4naturais. 4.2 A utilização e conversão de terras para a cotonicultura devem estar em conformidade com a legislação nacional relacionada ao uso de terras agrícolas. Zelar e preservar a qualidade 5da fibra 5.2 O algodão em caroço é colhido, manuseado e armazenado de modo a minimizar impurezas, anos e contaminações. 8 Promover Relações Justas 6de Trabalho Liberdade de Associação - Pequenos agricultores (incluindo arrendatários, meeiros e outras categorias) têm o direito, em caráter voluntário, de estabelecer e desenvolver organizações representando seus interesses Trabalho Infantil - Não há trabalho infantil, de acordo com a Convenção 138 da OIT. 6.4 Para trabalhos perigosos, a idade mínima é de 18 anos. 6.5 Trabalho Forçado - O emprego é escolhido livremente: nenhuma mão- -de-obra compulsória ou forçada, incluindo mão-de-obra traficada ou escrava para pagamento de dívidas.

9 Os agricultores que querem participar do sistema BCI devem, em primeiro lugar, participar da palestra de conscientização e se comprometer com a adesão ao sistema por meio da assinatura de um Termo de Adesão. Em seguida, devem realizar uma auto-avaliação de sua propriedade para entender a sua situação inicial. No primeiro ano o produtor deve cumprir todos os critérios mínimos e nos anos que seguem escolher os requisitos de progresso. A cada três anos, o produtor precisa definir novos desafios até cumprir todos os requisitos de progresso. REQUISITOS DE PROGRESSO Os defensivos em qualquer uma das seguintes categorias abaixo terão de ser descontinuados: Classe 1 da OMS (Organização Mundial da Saúde); Aqueles listados na Convenção de Roterdã 2 ; Endosulfan. O cronograma de descontinuação será baseado na disponibilidade de melhores alternativas e na capacidade de manejar adequadamente o risco da produção. Defensivos são sempre preparados e aplicados por pessoas utilizando corretamente equipamento de segurança e proteção. O equipamento para aplicação e as embalagens de defensivos são armazenados, manuseados e limpos a fim de evitar danos ambientais ou exposição humana. Os defensivos são aplicados em condições climáticas adequadas, de acordo com as instruções do rótulo e/ou do fabricante, com equipamento apropriado e em bom estado. As embalagens de defensivos usadas são coletadas por um programa de reciclagem ou descartadas de modo seguro. 2.2 Adoção de práticas de manejo da água para garantir que sua extração não cause efeitos adversos no lençol freático ou cursos d água Adoção de boas práticas de manejo a fim de manter ou incrementar a estrutura e fertilidade do solo. Os nutrientes são aplicados conforme a necessidade do solo e da cultura. Época, modo de 3.3 aplicação e dosagem aplicada são otimizadas. Adoção de práticas de manejo que minimizem a erosão, contendo a movimentação do solo a fim de proteger fontes de água potável e outros cursos d água contra o escoamento de superfície Adoção de práticas que aumentem a biodiversidade na propriedade ou em seu entorno. Adoção de práticas de manejo que maximizem a qualidade da fibra. 1 Convenção de Estocolmo - Trata-se da Convenção de Estocolmo sobre POP (Poluentes Orgânicos Persistentes) e determina a descontinuação da produção e utilização de POP. A Convenção entrou em vigor em maio de 2004 e pretende eliminar o emprego e produção de produtos químicos que compartilham uma série e características: altamente tóxicos, persistentes,podem viajar longas distâncias e bioacumular na cadeia alimentar. Existem 12 defensivos incluídos na lista: aldrin, chlordane, chloredecone, dieldrin, diclorodifeniltricloroetano (DDT), endrin, heptaclor, hexaclorobenzeno, hexaclorociclohexano, lindane, mirex e toxafeno. 6.6 Não-discriminação - Não há prática de discriminação (distinção, exclusão ou preferência) que negue ou impeça a igualdade de oportunidade, condições ou tratamento baseada em características individuais e associação ou participação de grupos. 6.2 Saúde e Segurança - Proporcionar o acesso à água potável e para limpeza em geral. 2 Convenção de Roterdã - Também chamada de Convenção PIC, a Convenção de Roterdã é um tratado internacional sobre o Procedimento de Consentimento Prévio Informado Para o Comércio Internacional de Certas Substâncias Químicas. Juntamente com a Convenção de Estocolmo, ela constitui a base para produção, transporte e comércio de certas substâncias químicas consideradas tóxicas ou nocivas ao meio ambiente. A Convenção controla principalmente o transporte e o uso de pesticidas extremamente perigosos, entre eles, o endossulfam, o aldicarbe e o alacloro. 9

10 10 Critérios Adicionais aplicáveis aos pequenos agricultores-empregadores e grandes agricultores:

11 2.2 COMO PARTICIPAR Para cumprir os critérios mínimos e promover a melhoria contínua da sua produção, o produtor que aderir ao sistema BCI receberá ajuda de técnicos especializados e de ferramentas desenvolvidas especialmente para apoiar os cotonicultores. O sistema de apoio é diferenciado de acordo com o tamanho da propriedade e com o sistema produtivo: existem ferramentas para o pequeno agricultor familiar, o pequeno agricultor empregador e para grandes propriedades. Há uma série de atividades que são promovidas ao longo do ano como preparação para a produção do algodão BCI, independentemente do tamanho do produtor. No caso dos pequenos produtores todo processo será feito coletivamente, no grupos de aprendizagem, que reúnem agricultores localizados na mesma região com as mesmas características e problemas em comum. O grande produtor faz todas as etapas individualmente. 2.3 O QUE FAZ UM PRODUTOR BETTER COTTON Tem um sistema de registro das suas atividades Faz uma auto-avaliação anual Monitora suas atividades e participa dos treinamentos BCI Demonstra progresso de acordo com seu plano de melhoria contínua Está pronto para ser verificado 2.4 ETAPAS A CUMPRIR E FERRAMENTAS DISPONÍVEIS A seguir, todas as etapas para a implementação do Better Cotton na sua propriedade. 1º Participa da palestra de conscientização e assina o Termo de Adesão 2º Rrealiza a Auto-Avaliação O produtor participa da palestra de conscientização e, após aderir ao sistema, recebe treinamento para preencher o formulário de auto-avaliação. Essa atividade, que pode ser feita individualmente ou em grupo para os pequenos, e permite compor um diagnóstico inicial da sua propriedade. O produtor, individualmente ou em grupo de aprendizagem, recebe apoio técnico para coletar os dados sobre seu sistema de produção. Para isso, pode utilizar um livro de campo ou um sistema automatizado onde anotará as informações necessárias. 11

12 3º Participa de um Programa de Cursos para implementar o sistema BCI Caso ainda não consiga cumprir todos os critérios mínimos, o produtor terá disponível um plano de apoio e desenvolvimento para que, num prazo curto, possa se ajustar aos critérios mínimos. Baseado nas necessidades e valores de referência escolhidos durante a auto-avaliação, o produtor participa de um programa de apoio para ajudar no cumprimento dos critérios mínimos e nos requisitos de progresso (para aqueles que já estão no segundo ano). 4º Verifica o cumprimento dos critérios mínimos Verificação de 2ª Parte Em conjunto com as equipes da Abrapa, BCI e Solidaridad (pequenos), verificam o cumprimento dos critérios mínimos e os de progresso (para os que estão no segundo ano de implantação). Os produtores são orientados a coletar e acompanhar indicadores que mostrarão ao longo do tempo o avanço do tripé da sustentabilidade na propriedade. 5º Rrecebe uma Verificação Independente Os produtores recebem uma Verificação Independente para conferir o cumprimento dos critérios mínimos e, a partir do segundo ano de implantação, dos requisitos de progresso. A auditoria encaminha um relatório sobre a propriedade para o BCI. 6º recebe o Licenciamento para vender o algodão BC As propriedades são aprovadas pelo Cordenador Regional da BCI com base na análise das 3 etapas, Auto-Avaliação, na Verificação de 2ª Parte e na Verificação Independente; o produtor então recebe o licenciamento para vender o algodão BC. SAI (Sistema Abrapa de Identificação), que está harmonizado com o código Better Cotton. 12

13 3 O ALGODÃO BETTER COTTON APÓS A PORTEIRA sistema BCI tem como objetivo criar um mercado para o algodão Better Cotton, que ao mesmo tempo seja mais rentável para o agricultor e que valorize um produto ambientalmente e socialmente responsável. Numa primeira etapa, o BCI promove a implementação da Cadeia de Fornecimento para Better Cotton, focando na circulação do algodão em caroço da propriedade até o beneficiador. Cria-se assim um fardo de fibra 100% de Better Cotton. A Cadeia de Fornecimento prevê o seguinte caminho: Segregação do Better Cotton do campo até o fardo. Estabelecimento de uma cadeia de custódia documentada. Pesagem de algodão em caroço e algodão em fibra. Criação de fardos 100% Better Cotton. Adoção um identificador Better Cotton que permita a identificação dos fardos 100% Better Cotton. A criação de um fardo de algodão 100% Better Cotton, segregado do produto convencional, disponibiliza uma matéria-prima rastreada para os varejistas e marcas interessados. A participação de todos os setores da cadeia de abastecimento na BCI é essencial para garantir que o Better Cotton produzido pelos agricultores estará ligado ao mercado e que a crescente demanda por Better Cotton pode ser cumprida. Entre os associados da BCI, estão grandes marcas globais da indústria têxtil, como Adidas, Levi Strauss & Co. H & M, Nike, Inditex, além de importantes redes de varejo e tradings, como Marks & Spencer, Migros, IKEA, Tesco e Ecom. Esses varejistas de produtos de algodão querem comprar mais algodão produzido de forma sustentável, e através de sua participação na BCI, ambos estão contribuindo tanto para a criação de uma demanda pelo Better Cotton. Todos os associados comprometem-se a, sempre que possível, priorizar a compra de Better Cotton e desenvolver relacionamentos de longo prazo com fornecedores de Better Cotton. 13

14 4 BENEFÍCIOS DO SISTEMA BCI ilhares de produtores já aderiram ao sistema BCI em todo mundo. Eles fazem parte desse grupo que busca aprimorar anualmente a sua produção de algodão e colhem os benefícios do sistema. Entre eles: Os agricultores têm condições mais favoráveis (principalmente, em termos financeiros) Abastecimento de água fresca não sofre desgaste excessivo Seres humanos saudáveis, meio ambiente saudável A biodiversidade prospera nas propriedades cotonicultoras e nas redondezas Solos saudáveis que proporcionam culturas saudáveis Relações mais justas de trabalho para todos os trabalhadores em cotonicultura A adoção de melhores práticas de manejo reverte em uma melhor rentabilidade e produtividade para o agricultor. Ao mesmo tempo, o sistema Better Cotton tende a aprimorar a qualidade do algodão e da fibra, pois reduz a contaminação e estimula o produtor em investir em métodos mais avançados. À medida que toda a cadeia do algodão demonstre seu compromisso com práticas mais sustentáveis de produção, a ampla adoção de práticas de melhoria da gestão e uma maior segurança na cadeia de fornecimento vão garantir uma melhor reputação para produtores, indústrias, varejo e organizações ligadas ao setor têxtil. 14

15 5 QUEM CONTATAR sistema Better Cotton é implementado no Brasil pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), com o apoio da suas associações estaduais e da Fundação Solidaridad. Os técnicos das entidades são responsáveis por ajudar os produtores que querem aderir ao sistema e apoiá-los em todo o cronograma de implementação. 5.1 CONTATOS NAS ENTIDADES Associação Brasileira de Algodão (Abrapa) Lucy França Frota Coordenadora dos Projetos de Sustentabilidade Tel e Celular MAIS INFORMAÇÕES Better Cotton Initiative - BCI Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) Better Cotton Initiative (BCI) Coordenador Regional do Brasil Andrea Aragón Brazil Regional Coordinator Better Cotton Initiative (BCI) M Solidaridad Brasil Fatima Cristina Cardoso Gerente de projetos Rua Tanabi 287 casa 2 Perdizes - São Paulo SP Code: Brasil Tel

16 2

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON MODELO DE MELHORIA CONTÍNUA PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 ORIENTAÇÃO A Escala de Desempenho Better Cotton para Pequenos agricultores

Leia mais

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton 1 Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton www.bettercotton.org Orientação O documento a seguir proporciona uma visão geral do Sistema Better Cotton. Este sistema é formado por componentes interdependentes.

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR DESCRITIVO E RESPONSABILIDADES OBJETO DO REGULAMENTO Art. 1º - O Certificado de Conformidade Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o respectivo

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

IX PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA: PROPOSTA INOVADORA NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PROPOSTA

IX PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA: PROPOSTA INOVADORA NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PROPOSTA IX PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA: PROPOSTA INOVADORA NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PROPOSTA Grande/MS 1. Nome da Proposta Inovadora: Sistema de Coleta e Reciclagem do Lixo Produzido

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis. Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora

Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis. Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora Princípios e Critérios para Biocombustíveis Sustentáveis Eduardo Trevisan Gonçalves Imaflora IMAFLORA O IMAFLORA - Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola, é uma entidade não governamental,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO Por que é importante dar preferência aos produtos orgânicos? Os sistemas de produção orgânica se baseiam em princípios da agroecologia e, portanto, buscam

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

ALGODÃO. Guia de autoavaliação. para pequenos produtores de

ALGODÃO. Guia de autoavaliação. para pequenos produtores de Guia de autoavaliação para pequenos produtores de ALGODÃO Programa Horizonte Rural O programa Better Cotton Initiative para pequenos produtores é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON O TRABALHO COM INDICADORES DE RESULTADOS APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 ORIENTAÇÃO Este documento contém orientações sobre as metodologias a serem utilizadas

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis

Sustentabilidade dos Biocombustíveis Sustentabilidade dos Biocombustíveis VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Porto Alegre Maio de 2010 Paulo Cunha (1) Fernando Pierre (1) Diogo Zaverucha (1) Felipe Cunha (2) (1) Petrobras Biocombustível;

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA

PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA A natureza trabalha o tempo todo para promover a Vida. Podemos notar isso facilmente observando o que se passa à nossa volta, com plantas nascendo

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Banco Rabobank International Brasil S.A.

Banco Rabobank International Brasil S.A. Banco Rabobank International Brasil S.A. Rabobank Brasil - Política Socioambiental Política Cód: POL-SA Política Socioambiental Pgs: 5 Versão 5.0 Válida desde Julho, 2006 Última Versão: Outubro, 2014 O

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

Guia de Boas Práticas

Guia de Boas Práticas específico para a Gestão de Mercados Atacadistas Sob a presidência de Mário Maurici de Lima Morais, Presidente da ABRACEN, foi criada uma equipe de trabalho dos membros da ABRACEN para a redação do presente.

Leia mais

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000 Food Safety System Certification 22000 fssc 22000 CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA DOS ALIMENTOS 22000 O esquema de certificação de sistema de gestão da segurança dos alimentos - FSSC 22000

Leia mais

www.acquasolution.com 1 Apresentação

www.acquasolution.com 1 Apresentação www.acquasolution.com 1 Apresentação A COR DO PLANETA DEPENDE DE VOCÊ www.acquasolution.com 2 Direitos de Utilização Copyright Todos os textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos nesta apresentação

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

Agricultura Certificada

Agricultura Certificada Agricultura Certificada Agosto 2014 VISÃO GERAL DA SLC AGRICOLA 68 ANOS DE EXPERIÊNCIA 318,5 (1) MIL HA ÁREA PRÓPRIA 344 MIL HA ÁREA PLANTADA ENTRE AS MAIORES DO PAÍS ALTA PRODUTIVIDADE PARTE DO GRUPO

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Antecedentes que geraram a origem do conceito da Qualidade 1957 Alemanha - Deformação em bebês cujas mães tomaram o medicamento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE 1. CONTEXTO Na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para Implementação

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS IV REUNIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DOS ORGAOS GESTORES DE SAÚDE AMBIENTAL DOS MINISTÉRIOS DA SAÚDE E I FÓRUM DE SAÚDE E AMBIENTE DA REGIÃO DAS AMÉRICAS Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta.

Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta. ANDEF Sustentabilidade Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta. Na visão da ANDEF e suas indústrias associadas, a capacidade humana de inovar e desenvolver tecnologias é condição essencial

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA AGO/2014 Criando soluções que promovem a evolução do mundo. INOVAÇÃO para transformar a vida das pessoas. Com atuação no

Leia mais