ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DA FIBRA DO TUCUMÃ-I (ASTROCARYUM ACAULE) PARA PRODUÇÃO TÊXTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DA FIBRA DO TUCUMÃ-I (ASTROCARYUM ACAULE) PARA PRODUÇÃO TÊXTIL"

Transcrição

1 ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DA FIBRA DO TUCUMÃ-I (ASTROCARYUM ACAULE) PARA PRODUÇÃO TÊXTIL KARLA MAZARELO FERREIRA MACIEL (UFAM) CLAUDETE CATANHEDE NASCIMENTO (INPA) ALMIR DE SOUZA PACHECO (IESA) Este artigo apresenta um estudo da viabilidade técnica da fibra de tucumã-i (Astrocaryum acaule) para a produção têxtil. Busca-se reunir design, tecnologia e conhecimento científico na avaliação das características dessa matéria-prima, posssibilitando a concepção de um novo produto florestal para o ingresso no mercado industrial têxtil. Palavras-chaves: Fibra de Palmeira, Design, Tecnologia, Produto Florestal Têxtil

2 1 - Introdução A indústria têxtil é a maior consumidora de fibras naturais para confecção de produtos, sobretudo os tecidos, sendo exigente e obedecendo a normas fiscalizadas por órgãos como: INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), IPEM (Instituto de Pesos e Medidas) e CONMETRO (Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), que acompanham todas as etapas da concepção do produto e verificam a existência, ou não, de parecer científico sobre as propriedades das fibras naturais introduzidas na cadeia têxtil onde, nesse caso, destacam-se: o algodão, a lã, a seda, o linho, a juta e o rami como as mais consumidas na produção de tecidos naturais e com experimentações respaldadas, tecnologicamente. Na linha de fibras naturais provenientes das palmeiras, encontra-se a fibra do tucumã-i, originada pelo gênero Astrocaryum acaule, que segundo Souza et al (2004) é bastante utilizada na confecção de produtos artesanais como: bolsas, calçados, esteiras, tapetes, redes, colares, pulseiras, chapéus, entre outros. A sua distribuição geográfica está concentrada, em grande parte, no estado do Amazonas, principalmente na área pertencente ao alto Rio Negro, tendo a população indígena como sua maior fornecedora e consumidora. A fibra do tucumã-i está sendo apontada, naquela região, como opção para geração de produtos têxteis. Contudo, tal recurso necessita de um estudo tecnológico apropriado que leve em consideração: gênero, espécie, origem, utilidade e formação vegetal, uma vez que os experimentos realizados com o mesmo demonstram métodos empíricos que comprometem as características físicas, químicas e organolépticas da sua estrutura. O estudo da viabilidade técnica da fibra do tucumã-i para produção têxtil, busca fazer uma ponte entre os conhecimentos: artesanal, científico na área da engenharia florestal e técnico do design para que juntos possam contribuir com uma forma de valorizar as palmeiras da região amazônica, ricas fontes geradoras de recursos naturais, na concepção de um novo produto florestal para o ingresso no mercado industrial têxtil, razão pela qual a pesquisa encontra-se centralizada nos seguintes objetivos: Avaliar as características tecnológicas da fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule); Comparar as propriedades analisadas com as de produtos similares; Desenvolver um protótipo confeccionado a partir da fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule), respaldado nas avaliações técnicas realizadas; e Avaliar a viabilidade de produção e comercialização do produto final. 2 - Materiais e Métodos Essa pesquisa baseou-se nos métodos e ferramentas abordadas por Tripodi et al. (1975), que se dividem em três etapas: Quantitativo-descritivo, Exploratório e Experimental, realizados junto a profissionais do artesanato indígena; das Engenharias: Florestal, de Produção e Química e com usuários em potencial dos produtos do projeto. O estudo foi estruturado com base nos aspectos teóricos e práticos da tecnologia dos produtos florestais e da gestão do design, habilitado na área têxtil, seus métodos, formas de aplicação e posicionamentos que orientam o processo projetual e a compreensão das mudanças de paradigmas. 2

3 As avaliações tecnológicas das amostras, fibras do tucumã-i (Astrocaryum acaule) foram centradas nas normalizações ditadas pela ASTM (Annual Standart Trade Materials), COPANT (Comissão Panamericana de Normas Técnica) e ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Como instrumentos de coleta de dados, foram utilizados questionários e interlocução com empresas de negociação e vendas de produtos amazônicos, rede de hotéis para empresários e executivos da área têxtil, e cursos de design existentes na cidade de Manaus /Amazonas / Brasil. 3 - Desenvolvimento Com base nos estudos feitos na engenharia florestal, algumas amostras de fibras do tucumã-i (Astrocaryum acaule), foram selecionadas e destinadas à caracterização tecnológica. O objeto da pesquisa foi doado pela Associação das Mulheres Indígenas do Alto Rio Negro - AMARN, localizada a Rua 06, n.156, Conjunto Villar Câmara, Aleixo - Manaus/Amazonas/Brasil. Em seguida iniciaram-se os estudos para a avaliação da viabilidade técnica da fibra do tucumã-i para a produção têxtil Propriedades Tecnológicas Propriedades Organolépticas Nesta fase as fibras foram caracterizadas para verificar cheiro, gosto e textura conforme a norma NBR 13774:1997 COPANT Módulo de Elasticidade Foi determinado o módulo de elasticidade da fibra de acordo com a norma ABNT: 43-1/1999 para verificar a resistência dessa matéria-prima à flexão estática Toxidade e teor de umidade A avaliação da toxidade foi realizada conforme prescrição da norma ASTM , que para o seu procedimento foi necessário adaptar as amostras ao aspecto de serragem (figura 01). Figura 01 Adaptação das amostras para serragem Obtendo as serragens das amostras, as mesmas foram lavadas num recipiente de vidro com éter etílico para eliminar as impurezas e gorduras adquiridas no manusear das fibras durante o processo (figura 02). Em seguida misturou-se 1g da fibra picotada com 5ml de água destilada e uma gota de solvente de H 2 S0 4 (ácido sulfúrico) em um erlenmeyer de 125ml com tampa esmerilhada. Prendeu-se na tampa uma fita de papel embebido anteriormente e seco à 3

4 temperatura ambiente com solução de ácido pícrico a 10% + carbono de sódio a 10%, tendo o cuidado para que a fita não tocasse na solução. Figura 02 Teste de toxidade A mistura foi aquecida em estufa durante 30 minutos (figura 03). Figura 03 Aquecimento em estufa Nas avaliações feitas para obtenção dos heterosídeos cianogênicos, verificou-se que não há presença de componentes químicos na fibra em razão do teste ter apresentado cor marrom escura que indica um índice nulo de reação neste primeiro momento, ou seja, os íons cianeto reagiram com o picrato, caracterizando a cor marrom-avermelhada no papel, indicando assim a presença de heterosídeos cianogênicos (MATOS, 1980), onde na primeira avaliação, a fita de papel ficou marrom escuro, logo não há a presença de componentes tóxicos, assim como na segunda que obteve o mesmo resultado. A umidade foi determinada através da relação peso verde /peso seco, conforme a norma ASTM , para o qual foi pesada uma 1g de amostra da fibra em balança analítica. Em seguida, foram submetidas à secagem em estufa a 103 ± 2 C por 1 hora e então pesados até atingir peso constante para a determinação do teor de umidade ou (fórmula 1): U% = PU-PS x 100 (1), onde: PU = Peso Úmido PS Análise comparativa PS = Peso Seco Após as avaliações tecnológicas feitas nas amostras da fibra do tucumã-i ( Astrocaryum acaule), realizou-se uma análise comparativa entre as propriedades existentes nas demais fibras naturais utilizadas na cadeia têxtil. 4

5 3.3 - Adaptação da fibra Astrocaryum acaule para a produção têxtil Fiação da fibra Astrocaryum acaule Nessa etapa foi realizado o processo para obtenção dos fios que teceriam a manta natural (tecido) a partir das talas, como mostra a figura 04. Figura 04 Adaptação das palhas de tucumã-i para fios (fiação) A manta de fibra do tucumã-i foi confeccionada pelas artesãs indígenas pertencentes à AMARN (Associação das Mulheres Indígenas do Alto Rio Negro) Criação, planejamento e confecção do protótipo Após a confecção da manta, buscou-se desenvolver um protótipo que combinasse criatividade e conhecimento técnico referente aos componentes do objeto de estudo. Para tal foram produzidos croquis (desenhos) para a representação de um produto têxtil (vestuário feminino) condizente à região amazônica, enfatizando alguns conceitos do design (figura 05). Figura 05 Propostas para confecção do protótipo Na proposta A, têm-se um corselet em cortes abertos, valorizando a forma feminina com 5

6 detalhes em amarras frontais e fecho em zig-zag, forrada com tecido de cetim. Na B, uma blusa imitando a estrutura da renda, com amarras transpassadas e enlaçadas às costas. O forro foi feito com tecido de crepe acetinado. A fase final do processo de confecção do produto foi realizada por uma costureira (figura 06). 4 - Resultados Obtidos Propriedades tecnológicas Figura 06 produção e acabamento do tecido de tucumã-i Nas avaliações realizadas com a fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule), não foram detectados cheiro e gosto indistintos. Em relação a sua textura apresentou-se a formação de tramas bem definidas e macias com a capacidade de proporcionar sensação agradável à pele. O objeto de estudo apresentou características qualitativas relacionadas à sua elasticidade quando testada nos quesitos: ondulações, espessuras, resistência e coloração. Foi comprovada uma boa flexibilidade nos testes de manuseio e desdobramento da fibra, sem causar rompimentos bruscos na sua estrutura. Quanto ao aspecto físico, a fibra apresentou-se de forma lisa, macia e alinhada em direção às pontas e uma aparência com brilho natural. Em relação à lavabilidade e resistência a fervura, alvejamento e tingimento, foi constatado que as fibras não demonstraram alteração em sua estrutura, assim como, logo após a lavagem, não mostraram a necessidade de ser passadas. Quando testadas à lavagem a seco, não apresentaram descoloração e ao serem postas na mufla a 200 C, observou-se resistência a esta temperatura. Nos testes para obtenção dos heterosídeos cianogênicos, verificou-se que não há presença de componentes químicos na fibra, uma vez que, todas as avaliações foram realizadas em duplicata, o que veio a reforçar o resultado obtido confirmando a não existência da toxidade na matéria-prima Análise comparativa da avaliação técnica com produtos similares Conforme os parâmetros referentes às legislações cabíveis à produção têxtil estabelecidos pelo IPEM/SP - Instituto de Pesos e Medidas de São Paulo foram comparados os componentes e características tecnológicas existentes nas fibras do algodão, seda, rami, lã e linho com as propriedades avaliadas nas fibras do tucumã-i. Constatou-se um alto grau de compatibilidade e capacidade de atuação na produção de tecidos naturais ou demais similares nessa segmentação, em função da apresentação de variáveis como: resistência, maciez, elasticidade, cheiro, textura, manuseio, lavagem favoráveis a sua utilização na cadeia têxtil. 6

7 4.3 - O produto Com base na teoria proposta por Anthero (2000) e nos princípios do design têxtil para projeção de vestuários, desenvolveu-se um processo criativo/produtivo e autêntico destacando variáveis indispensáveis à projeção das peças que segundo Rigueiral (2002) devem ser destacadas: silhuetas, linhas, texturas e demais formas de composição visual que realçaram uma harmonia sofisticada entre a naturalidade da matéria-prima utilizada, nesse caso a fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule), o estilo, o clima, o uso e o charme atribuídos às roupas. As medidas antropométricas foram obtidas em função do desvio padrão calculado com base nas características do público-alvo. Na confecção do produto aperfeiçoou-se a tecelagem da manta (tecido natural do tucumã-i) à costura, conforme a norma NBR 13374/1995, adaptando as peças à produção têxtil. O resultado passou a existir como input, gerando mais informações, pois todo design tangível traz consigo valores intangíveis que formam os conceitos desse produto. Assim o usuário adquire não só o design, mas todos os valores a ele atribuídos (figura 07). INSUMOS Cultura Usuário Mercado/ Tecnologia Processo de Design PRODUTO FINAL Estilo Ergonomia Preço Figura 07 sistema processador de informações Após a finalização do protótipo, o mesmo foi imediatamente testado em algumas usuárias para verificar o seu comportamento, conforto, usabilidade e resistência (figura08). O públicoalvo mulheres com faixa etária entre 20 e 40 anos (conforme dado estatístico qualitativodescritivo obtido em função da aplicação de questionários) adeptas de condutas moderna e inovadora, porém conservadoras às questões ambientais e ecológicas, que primam pela qualidade e aspectos social-culturais, e conseqüentemente, consumidoras assíduas de produtos estéticos e funcionais conceitualmente projetados demonstraram plena satisfação no experimento dos protótipos. 7

8 Figura 08 Peças confeccionadas com a fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule) Viabilidade de produção e comercialização A confecção do tecido natural de tucumã-i para produção dos protótipos necessitou da mãode-obra de 02 artesãs indígenas em um período de 20h de trabalho e utilizou 02 novelos da fibra do tucumã-i (adaptados das palhas para fios) com 20m (cada), e um tear manual adaptado ao tamanho 120 cm x 60 cm; 01 costureira para a confecção das peças durante 12h. As ferramentas utilizadas na produção dos protótipos foram: 01 máquina de costura manual, 01 máquina de costura industrial, 1.5 m de tecido (cetim e crepe acetinado) para forro e materiais básicos para costura; 01 designer para as atividades projetuais centradas na criação, desenvolvimento e acompanhamento técnico da confecção dos produtos; 01 engenheira florestal para tratar e verificar todo o contexto ambiental que envolve o estudo da matériaprima regional utilizada para a produção têxtil. Todo o custo de produção do projeto está relacionado às horas técnicas trabalhadas de cada profissional envolvido no processo, assim como os tipos e quantidades de materiais necessários a sua execução, podendo ser praticável e acessível a pessoas de caráter físico ou jurídico. Quanto à comercialização do produto conforme o levantamento feito, por meio de questionários e interlocução junto a algumas lojas de produtos florestais amazônicos, empresas executivas, instituições de ensino superior e grupos de pessoas adeptas ao meio ambiente, ecologia e moda na cidade de Manaus/ Amazonas, o perfil do público detectado foi de mulheres com um comportamento moderno, sofisticado e um alto poder aquisitivo, dentre elas: executivas e proprietárias das lojas consultadas que apreciam, usufruem e aprovam o uso de fibras naturais para confecção de tecidos, encontram-se dispostas a experimentar um novo recurso natural, como a fibra de tucumã-i (Astrocaryum acaule) na composição de produtos da segmentação têxtil, principalmente se amparados por estudos técnico-científicos certificados. 5 - Conclusão O objeto de estudo apresentou características qualitativas relacionadas à elasticidade quando 8

9 testada nos quesitos: ondulações, espessuras, resistência e coloração. Foi comprovada uma boa flexibilidade nos testes de manuseio e desdobramento da fibra, sem causar rompimentos bruscos na sua estrutura. Seu aspecto físico apresentou-se de forma lisa, macia e alinhada em direção às pontas e uma aparência com brilho natural. Em relação à lavabilidade e resistência a fervura, alvejamento e tingimento foram constatados que a matéria-prima analisada não demonstrou alterações em sua estrutura, assim como, logo após a lavagem não necessitou ser passada. Nas avaliações de toxicidade não foi encontrada a presença de toxinas nos componentes de formação da fibra. O estudo ergonômico proporcionou uma melhor adaptação dos produtos aos usuários no que concerne a usabilidade e manuseio. Quanto a sua produção, é exeqüível desde que haja o acompanhamento técnico profissional. A viabilidade econômica pode ocorrer em função de parcerias com ONGs (Organizações Não- Governamentais) ou Cooperativas de costureiras e artesãos. A aprovação da utilização da fibra de tucumã-i na confecção e comercialização de tecidos naturais constatou um alto grau de aceitação por parte dos usuários em potencial. A matériaprima, segundo o público consultado, mostrou-se um diferencial inovador em relação aos objetivos da pesquisa, principalmente quando respaldada cientificamente, para a garantia de resultados satisfatórios ao produto final. A fibra do tucumã-i (Astrocaryum acaule) respondeu positivamente aos estudos e avaliações feitas em suas propriedades físicas, químicas e organolépticas considerando o seu gênero, espécie, origem, utilidade e formação vegetal. O recurso apresentou condições favoráveis na sua utilização para confecção de tecido natural, o que comprova a sua viabilidade técnica para a produção têxtil. 6 - Referências ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Material têxtil: Determinação da resistência da costura em materiais têxteis confeccionados ou não - NBR 13374/1995. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Ensaios de Proficiência por Comparações Interlaboratoriais - ABNT: 43-1/1999. ANNUAL BOOK OF ASTM STANDART Vol Wood, ASTM , Pennsylvania. COPANT Comissão Panamericana de Normas Técnicas. Cabo e fio de compensação e/ou extensão Tolerâncias e identificação - NBR 13774:1997. FEGHALI, Mara Kasznar. As engrenagens da Moda. Rio de Janeiro: Editora Senac, IIDA, Itiro. Ergonomia, projetos e produção. São Paulo: Edgar Blücher Ltda, MATTOS, J. R.; MATTOS, N. F. A bracatinga. Publicação IPRNR, Porto Alegre, n. 5, p. 1-40, RIGUEIRAL, Cartola. Design & Moda: Como agregar valor e diferenciar sua confecção. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, SANTOS, F. Anthero dos. O Design como diferencial competitivo. Santa Catarina: Editora da Univale, SOUZA, Hermes Moreira de... (et al.). Palmeiras brasileiras e exóticas cultivadas. São Paulo: Instituto Platarum, TRIPODI, Tony et al. Análise da Pesquisa Social. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora,

Qualidade na Confecção dos Uniformes Andréia Garcia MISSÃO Criar moda para o mercado corporativo através de uniformes adequados e modernos para identificar, padronizar e promover a marca da empresa cliente.

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST DESIGN DE MODA MÓDULO I INTRODUÇÃO AO DESIGN EMENTA: Conceituação e dimensionamento do design, aspectos éticos, legais e postura profissional do designer. História do

Leia mais

Marcela Moraes Shirley Queiroz e Rogério Câmara. eu sou artesanato! tecelagem, mobiliário e marca

Marcela Moraes Shirley Queiroz e Rogério Câmara. eu sou artesanato! tecelagem, mobiliário e marca Marcela Moraes Shirley Queiroz e Rogério Câmara eu sou artesanato! tecelagem, mobiliário e marca produtos com tecelagem vínculo emocional valor simbólico extrapolar estigmas promoção social identificar

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO REJUVASOFT

INFORMATIVO TÉCNICO REJUVASOFT FOLHA 1 de 8 PRODUTO: REJUVASOFT DESCRIÇÃO: INCI: Quaternium 91, Cetearyl Alcohol, Behentrimonium Chloride, Myristyl Myristate Nº. CAS: 97281-29-3, 67762-27-0, 17301-53-0, 3234-85-3. Os consumidores estão

Leia mais

Design como ferramenta de gestão: estudo de caso Amazon Acqua Service

Design como ferramenta de gestão: estudo de caso Amazon Acqua Service Design como ferramenta de gestão: estudo de caso Amazon Acqua Service Design as a management tool: a study s case Amazon Acqua Service ARAÚJO, Sharlene Melanie Martins de; Acadêmica; Universidade Federal

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS A protecção do aplicador na utilização de produtos fitofarmacêuticos está agora assegurada por um

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

Entretelas Coats Corrente

Entretelas Coats Corrente Entretelas Coats Corrente Introdução às Entretelas - O que é uma entretela? Entretela é um material aplicado em certas partes das roupas confeccionadas, com a função de encorpar e estruturar a peça, oferecendo-lhe

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS

PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS Quem somos A Onyx Refletivos pertence a um grupo de mais de 30 anos com 7 empresas localizadas nos EUA, China e Brasil. A Onyx chega ao mercado nacional para se diferenciar

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

Boletim Fecomércio - TO

Boletim Fecomércio - TO SENAC traz ao Tocantins Projeto Talentos do Brasil Um projeto nacional, que foi criado para estimular a troca de conhecimentos entre cooperativas e grupos de artesãs de todo o Brasil, gerando emprego e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

O que, por que e como etiquetar.

O que, por que e como etiquetar. O que, por que e como etiquetar. (de acordo com o Regulamento Técnico Mercosul sobre Etiquetagem de Produtos Têxteis, aprovado pela Resolução Conmetro nº 2, de 06 de maio de 2008) Adelgicio Leite Engenheiro

Leia mais

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Fundamentos da Criatividade, do Desenho e da Cor

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Fundamentos da Criatividade, do Desenho e da Cor CURSO DE BACHARELADO EM MODA AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 108/2007 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 2523/2001 renovado pelo Decreto Estadual nº 1106/2012 PERÍODO DE CONCLUSÃO: Mínimo: 4 anos /

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 172, de 03 de novembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

É importante ressaltar que o uso, desgaste, lavagem e as condições ambientais afetarão o desempenho deste tecido refletivo.

É importante ressaltar que o uso, desgaste, lavagem e as condições ambientais afetarão o desempenho deste tecido refletivo. Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8912 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8912 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

DICAS DE UTILIZAÇÃO PARA SEU UNIFORME.

DICAS DE UTILIZAÇÃO PARA SEU UNIFORME. DICAS DE UTILIZAÇÃO PARA SEU UNIFORME. A PROPOSTA Usar uniforme pro ssional às vezes não é uma prática vista com bons olhos pelos funcionários de uma empresa. As pessoas nem sempre gostam de se sentir

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia.html Cursos de extensão a distância O SENAI CETIQT oferece

Leia mais

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo. III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo. I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo. III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo. I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo Mercados Contestados As novas fronteiras da moral, da ética,

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Pâmila Thais Heitkoeter de Melo (FATEB Faculdade de Telêmaco Borba)

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc.

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi Acadêmica: Ana Lucia Spessatto Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. Tema Design Urbano a partir de um projeto de Ponto de Táxi. Problema Como desenvolver

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Camiseta Gola Redonda para os alunos da Rede Pública Estadual

Camiseta Gola Redonda para os alunos da Rede Pública Estadual Camiseta Gola Redonda para os alunos da Rede Pública Estadual Especificação Técnica SEEDUC01E/2013 1 OBJETIVO Esta norma fixa as condições exigíveis para a confecção e recebimento da camiseta escolar que

Leia mais

Pavimento de Segurança in Situ

Pavimento de Segurança in Situ Pavimento de Segurança in Situ Construimos sorrisos... um mundo colorido e seguro......ao seu dispor! O que é? É um pavimento produzido a partir da mistura de granulado de borracha e resina especial de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto Antonio D. de Figueiredo Tubos de Concreto 1 Principais

Leia mais

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan

Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa. Por: Sinésio Baccan Tecidos Especiais Reforçando o seu Negócio na Direção Certa Por: Sinésio Baccan Localização Rio Claro SP - Brasil RC SP Características Principais Início de atividades em 03 Nov de 2008 Área construída

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 catalogofinal25.05.indd 2 25/5/2010 12:56:01 ÍNDICE Apresentação 5 Tecido de fibra de vidro 6 Fio

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1 1 1 CRIATIVIDADE Fase: 1ª Carga Horária: 60h Créditos: 04 Conceitos de criatividade. Criação e moda. Linguagem, identidade e estilo. Processo criativo. Desenvolvimento da capacidade da análise e percepção

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 ENXOVAL HOSPITALAR É o conjunto de roupas utilizadas pelos hospitais com a finalidade de atender os diversos serviços e procedimentos

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

ANÁLISE TÊXTIL. Textile Analysis. Rezende, Isabela Yankous Vale Santos; Graduanda; Universidade Estadual de Londrina, isabelayankous@gmail.

ANÁLISE TÊXTIL. Textile Analysis. Rezende, Isabela Yankous Vale Santos; Graduanda; Universidade Estadual de Londrina, isabelayankous@gmail. ANÁLISE TÊXTIL Textile Analysis Rezende, Isabela Yankous Vale Santos; Graduanda; Universidade Estadual de Londrina, isabelayankous@gmail.com¹ Fornasier, Cleuza Bittencourt Ribas; PhD; Universidade Estadual

Leia mais

I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos)

I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL

A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL The Issue of Security in Children's Clothing Silva, Francislaine Pereira da; Pós Graduanda; SENAI; Bacharel; Universidade Estadual de Londrina frannn_pereira@hotmail.com

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Palestra - CETIQT 27/07/00 Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Prof. Dr. Joachim Hilden; Mönchengladbach / Alemanha O comportamento do

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO. Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 5 (CINCO) ANOS LETIVOS

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO. Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 5 (CINCO) ANOS LETIVOS MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MODA E ESTILO TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 3 (TRÊS)

Leia mais

Etiquetagem de Têxteis

Etiquetagem de Têxteis Etiquetagem de Têxteis Ênfase na norma ABNT NBR ISO 3758:2006-Códigos de cuidado usando símbolos Controle de Qualidade Paula Dias Gerente de Planejamento Logístico Luciana Noronha Supervisora do Controle

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica Prêmio Nacional de Inovação P 0 Caderno de Avaliação Categoria Projeto: Inovação Tecnológica Inovação MPE Solução: Esta dimensão avalia as características qualitativas do solução proposta o entendimento

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

Termo de Referência para uma missão de consultoria na área do projeto: Formação no setor de lavanderia

Termo de Referência para uma missão de consultoria na área do projeto: Formação no setor de lavanderia Termo de Referência para uma missão de consultoria na área do projeto: Formação no setor de lavanderia Consultora: Sra. Maria Aparecida 1 - Exposição da missão em geral Realizar medidas de consultoria

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

Manual de Reservatório de PRFV Vetro

Manual de Reservatório de PRFV Vetro Índice: 1. Introdução...2 2. Características dos reservatórios Vetro...2 a) Liner...2 b) Estrutura...2 c) Flanges...2 d) Etiqueta...2 3. Modelos de reservatórios...3 4. Testes de Qualidade...4 5. Recomendações

Leia mais

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil 01 Fabricante de correias transportadoras e de a- cionamento. O programa de produtos abrange mais de 400 tipos diferentes de correias de acionamento e de transporte. Estes produtos são utilizados em muitas

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS PANOX Fibras PAN oxidadas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos Q Cadeia

Leia mais

Normas Técnicas para Etiquetas

Normas Técnicas para Etiquetas Normas Técnicas para Etiquetas Informativo Técnico: Nova Lei das Etiquetas Informações que devem constar nas etiquetas de artigos confeccionados: 1 - Composição têxtil do produto. 2 - Nome ou razão social

Leia mais

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951 Tecidos e Fitas Técnicas tecidos Aramtex AR 443ACE Aramtex AR 580T, AR 580S e AR 580RT Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 ThermoCarbon TC 600S e TC 600RT Termoceram 1200 e 1600 Os

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

Exposição módulo PISO CENO

Exposição módulo PISO CENO Exposição módulo PISO CENO DESCRITIVO DO CADERNO DE DESENHO 01 Página1 PISO CENO DESCRITIVO DE PROJETO para Exposição Inaugural sobre Miçangas e Adornos Indígenas OUTUBRO. 2013 MUSEU DO ÍNDIO - Fundação

Leia mais

Dados importantes: As 10 maiores empresas do setor de agrotóxicos do mundo concentram 80% das vendas no Brasil;

Dados importantes: As 10 maiores empresas do setor de agrotóxicos do mundo concentram 80% das vendas no Brasil; Dados importantes: Brasil tem o maior mercado de agrotóxicos (maior consumidor de agrotóxicos) jornal diplomatic. As 10 maiores empresas do setor de agrotóxicos do mundo concentram 80% das vendas no Brasil;

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br

VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO. www.guardiandx.com.br VESTIMENTAS ANTICHAMA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE LAVAGEM E CONSERVAÇÃO www.guardiandx.com.br ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 MEDIDAS DE SEGURANÇA...03 INSPEÇÃO...03 RASTREABILIDADE E ETIQUETA...04 INSTRUÇÕES DE LAVAGEM

Leia mais

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá

Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Isadora Ribeiro Graduanda do curso Moda na Universidade Estadual de Maringá Pricila Fernanda Cancelier Soranso Graduanda do curso de Design e Marketing de Moda na Universidade do Minho Ronaldo Salvador

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INFORME O CÓDIGO PAER IMPRESSO NA ETIQUETA _ _ _ _ _ _ _ ANO BASE-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Programa de Expansão da Educação

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Ementário do curso de Tecnologia Têxtil

Ementário do curso de Tecnologia Têxtil 01 ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL Fase: VI Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Visão Geral da administração. Evolução e conceitos de administração. Estrutura organizacionais. Visão geral das funções de administração:

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40922/cursos-de-extensao-a-distancia.html Cursos de extensão a distância O SENAI CETIQT oferece

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA CAIXAS - CONTACT CENTER - BIBLIOTECA FEMININO - INVERNO 01 RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA

Leia mais

MIMO KIT LATERAIS DO BERÇO 1,30 x 0,70cm

MIMO KIT LATERAIS DO BERÇO 1,30 x 0,70cm 10180070004-24/01/14-REV.01 Parabéns, você acaba de adquirir um produto de excelente qualidade! Saiba mais sobre seu móvel de madeira: Além de atender a todos os requisitos de qualidade e bom gosto, este

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Fernanda Lima Pereira 1, Suelem Correia Garcia 1, Tiago Rodrigues da Costa 1, Rodrigo Herman da Silva 2 ¹Estudante do curso de Engenharia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

Projeto Retraço Novo

Projeto Retraço Novo Projeto Retraço Novo Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Ateliê Bianca Baggio. Cidade: londrina Contato:

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais