Critérios de Avaliação na Educação Pré Escolar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios de Avaliação na Educação Pré Escolar"

Transcrição

1 Critérios de Avaliação na Educação Pré Escolar O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e de ensino implica princípios e procedimentos de avaliação adequados à especificidade de cada nível. A Educação Pré-Escolar tem especificidades às quais não se adequam todas as práticas e formas avaliativas utilizadas tradicionalmente noutros níveis de ensino. Na Educação Pré-Escolar a avaliação assume uma dimensão marcadamente formativa, pois trata-se essencialmente, de um processo contínuo e interpretativo que se interessa mais pelos processos do que pelos resultados e procura tornar a criança protagonista da sua aprendizagem, de modo a que vá tomando consciência do que já conseguiu e das dificuldades que vai tendo e como as vai ultrapassando. A Educação Pré-Escolar é perspetivada no sentido da educação ao longo da vida, assegurando à criança condições para abordar com sucesso a etapa seguinte. Avaliar é um ato pedagógico que requer uma atitude e um saber específico que permitam desenvolver estratégias adequadas, tendo em conta os contextos de cada criança e do grupo no respeito pelos valores de uma pedagogia diferenciada. Texto retirado do documento Procedimentos e Práticas Organizativas e Pedagógicas na Avaliação da Educação Pré-Escolar DGIDC. ASSIM: Tendo como principal função a melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o Jardim de Infância, a família e a escola, uma construção partilhada, tendo em vista a criação de contextos facilitadores do percurso educativo e formativo de sucesso. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO Fornecer ao educador elementos concretos para a reflexão e adequação da sua intervenção educativa. Avaliar o desenvolvimento das aprendizagens e competências de cada criança e do grupo. Permitir regular em cada momento, o processo de ensino/aprendizagem. Ser um instrumento e oportunidade de educação.

2 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA A avaliação diagnóstica, vertente da avaliação formativa, tem como objetivo a elaboração, adequação e reformulação do Projeto Curricular de Turma e a adoção de estratégias de diferenciação pedagógica. A Avaliação diagnóstica será realizada: - No início do ano letivo, através de Ficha de Avaliação Diagnóstica; - Em forma de caraterização do grupo, a incluir no PCT. A avaliação incide sobre: CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A adequação do comportamento da criança às regras sociais do grupo. A eficácia na aquisição de competências no que respeita às diferentes Áreas de Conteúdo e os seus Área de Formação Pessoal e Social; Área de Expressão e Comunicação; Área do Conhecimento do Mundo; Área de Tecnologias de Informação e Comunicação. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Observação sistemática e naturalista; Ficha de Avaliação Diagnóstica (Outubro); (em anexo) Registos das crianças; Auto avaliação oral; Ficha de auto avaliação de final de ano para as crianças de 5 anos; (em anexo) Diálogos com as crianças; (Psicólogos, Terapeutas, etc ); Ficha Registo de Avaliação Individual para os 5 anos; (em anexo) Relatório de Avaliação do PCT (final do ano letivo).

3 As planificações mensais contemplam as seguintes áreas de desenvolvimento curricular e os respetivos conteúdos que se apresentam: Áreas de Conteúdo Principais Objetivos/Estratégias Curriculares Domínios Área da formação pessoal e social Identidade/Auto estima, Independência/autonomia Cooperação Convivência democrática/cidadania Solidariedade e respeito pela diferença Área do conhecimento do mundo Localização no espaço e no tempo; Conhecimento do ambiente natural e social; Dinamismo das inter-relações Promover e estimular o conhecimento de si própria e dos outros Adquirir regras de comportamento e respeito pelos outros Educar para os valores: respeito, responsabilidade, compromisso e dedicação Promover a autoestima a autoconfiança e a autonomia Promover a aquisição de hábitos sociais e de higiene Despertar o interesse e a curiosidade pelo mundo que a rodeia Incrementar a capacidade de resistência à frustração, manifestando uma atitude de superação das dificuldades. Valorizar e incentivar a relação escola/família Privilegiar o trabalho de grupo Vivenciar valores democráticos Educar para o sentido estético Sensibilizar para o respeito pela natureza Promover o sucesso na integração das crianças do pré-escolar no 1ºciclo Despertar a curiosidade pelo saber Levar a criança a conhecer o meio envolvente Proporcionar saberes sociais sobre o mundo/partilha de saberes e experiências, abordagens: biologia, zoologia, física, química, geografia, história. Educar para a saúde, higiene e segurança Sensibilizar para a educação ambiental Saber ser/ saber viver Educar para a cidadania Global Saber fazer/saber conhecer Ciência divertida

4 natural - social. Desenvolver competências específicas de planear, pesquisar, observar, experimentar e registar. Linguagem oral e Abordagem à Escrita Consciência fonológica Reconhecimento e escrita de palavras Conhecimento das convenções gráficas Compreensão de discursos oral e interação verbal Aquisição de um maior domínio da linguagem oral, articulação, construção frásica e aumento do vocabulário Descodificar diferentes códigos simbólicos Compreender as mensagens e as intenções comunicadas por outras crianças e adultos; Exprimir sentimentos, desejos e ideias, mediante a linguagem oral, ajustando-se progressivamente aos diferentes contextos e situações habituais de comunicação e a diferentes interlocutores; Proporcionar o prazer em lidar com as palavras, inventar sons, descobrir as rimas, desenvolver jogos de manipulação silábica, segmentação; Utilizar adequadamente frases do tipo: afirmativa, negativa, interrogativa e exclamativa; Promover a literacia em leitura; Promover e valorizar o desenho como forma de escrita Valorizar a linguagem escrita como meio de informação e comunicação de desejos e emoções; Favorecer o contato com diferentes funções e formas do código escrito Divulgar a escrita como código com regras próprias Promover o gosto pela escrita e pela leitura Desenvolver a capacidade de memorização, compreensão, análise e síntese Promover o sucesso da integração das crianças do pré-escolar no 1ºciclo Saber fazer/saber conhecer Histórias à solta leitura em vai e vem

5 Números e operações Geometria e medida Organização e tratamento de dados Exp. e Criação/Fruição e Análise Experimentação e Criação/Fruição e Análise Abordagem à Matemática Promover o conhecimento das cores primárias e secundárias Identificar, comparar e nomear tamanhos e formas geométricas Promover a aquisição de diferentes conceitos (mais/menos, igual/diferente alto/baixo, comprido/curto) Fazer sequências e seriações Classificar/agrupar objetos segundo 2/3 atributos Desenvolver o raciocínio lógico- matemático Recolher dados acerca de si próprio e do meio Interpretar tabelas de duas entradas e pictogramas simples Desenvolver a capacidade de análise Promove o desenvolvimento de problemas lógicos, quantitativos e espaciais Encontrar e estabelecer padrões Construir a noção de tempo; Adquirir noções de peso, medida e capacidade Construir a noção de número e quantidade Desenvolver a noção de conjunto Construir relações entre números Realizar equivalências e pequenos cálculos mentais Resolver problemas Expressão Dramática Desenvolver o jogo dramático, a criatividade e a expressividade Saber conhecer/saber fazer À descoberta dos números Saber ser/saber viver

6 Proporcionar momentos de fantasia Estimular a aquisição de novos vocábulos e proporcionar vivências do maravilhoso, do fantástico e do imaginário Desenvolver a linguagem gestual e capacidade de memorização Enriquecer o jogo simbólico Estimular a descoberta de si próprio e do outro Exprimir sentimentos/desejos/emoções Domínio: Capacidade de expressão e compreensão Produção e Criação Domínio: Compreensão das artes em contexto Fruição e Contemplação Domínio: Apropriação da Linguagem Elementar das Artes Fruição e Contemplação/produção e Criação Domínio: Desenvolvimento da criatividade. Reflexão e interpretação Expressão Plástica Desenvolver a motricidade fina e a coordenação óculo-manual Estimular a criatividade e a imaginação Estimular os vários sentidos e permitir o acesso à arte e à cultura Consciencializar para o aproveitamento de materiais de desperdício Experimentar diferentes técnicas e materiais Aprender a apreciar as produções dos outros Promover o sentido estético Saber ser, estar e fazer

7 Deslocamentos e Equilíbrios Perícias e Manipulações Jogos Expressão Motora Desenvolver a motricidade global e fina Conhecer o próprio corpo-esquema corporal Desenvolver a coordenação motora Utilizar o corpo como forma de expressão Desenvolver a orientação espacial e temporal Desenvolver a lateralidade Desenvolver o equilíbrio Desenvolver a manipulação de arcos, bolas cordas, andas Desenvolver jogos colaborativos Expressão Musical/Dança Saber ser e estar Expressão física-motora semanal Interpretação e Comunicação Criação e Experimentação Perceção Sonora e Musical Culturas musicais nos Contextos Dança Desenv. da Capacidade da exp. e Comunicação Comunicação e Interpretação Produção e Criação Conhecimento e Vivência da dança Fruição e Contemplação Despertar o gosto pela música Proporcionar à criança contacto com instrumentos musicais Potenciar a discriminação percetiva e a memória auditiva Produzir sons com o corpo e com instrumentos Proporcionar a exploração, comparação e identificação de sons Desenvolver a capacidade rítmica Estimular a memória e a sensibilidade auditiva Desenvolver a criatividade e a imaginação em danças Saber ser, estar e fazer Apresentação de danças, coreografias e dramatizações aos pais e enc. de educação.

LISTA DE COMPETÊNCIAS 3 ANOS

LISTA DE COMPETÊNCIAS 3 ANOS LISTA DE COMPETÊNCIAS 3 ANOS 3 Anos Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / Momentos de Avaliação A Educadora de Infância O Encarregado de Educação 1º Período / / 2º Período / / 3º Período / / Código de

Leia mais

Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016

Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016 Critérios de Avaliação Pré-Escolar 2015.2016 Procedimentos e Práticas Organizativas e Pedagógicas da Avaliação na Educação Pré-escolar Nota introdutória Por muito que a avaliação seja um processo complexo,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR J.I. MAJOR DAVID NETO EJ.I. FOJO ANO LETIVO 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 1- INTRODUÇÃO A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR 1º PERÍODO Lamego, 14 de janeiro de 2013 INTRODUÇÃO Para uma eficaz monitorização das competências esperadas para cada criança, no final

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Azeitão

Agrupamento de Escolas de Azeitão Agrupamento de Escolas de Azeitão Avaliação Educação Pré-Escolar 2015-2016 1º Período Departamento Pré-Escolar INTRODUÇÃO Após a avaliação das 118 crianças, que integram os dois jardins de infância da

Leia mais

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

Planificação Longo Prazo

Planificação Longo Prazo DEPARTAMENTO 1.º ciclo LETIVO 2016/2017 APOIO AO ESTUDO -Conhecer-se a si mesmo; -A importância do ambiente de estudo; -Conhecer as regras da escola setembro/ outubro -Sentido estético dos trabalhos -Identificar

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ORGANOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ARTICULAÇÃO PARA O TRIÉNIO 2010-13 MARÇO 2013 ORGANOGRAMA DE DESENV. DA ARTICULAÇÃO 2010-2013 ARTICULAÇÃO 2010/11 2011/12 2012/13

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré Projeto: Ano letivo 2014-2015 Docente: Ana Neves Índice INTRODUÇÃO... 3 CARATERIZAÇÃO DA TURMA... 4 OBJETIVOS DO CLUBE... 5 METAS / ATIVIDADES / CALENDARIZAÇÃO...

Leia mais

EA EM APRENDIZAGEM S SIM N - NÃO NO NÃO OBSERVADO

EA EM APRENDIZAGEM S SIM N - NÃO NO NÃO OBSERVADO 5 Anos Nome do Aluno: Data de Nascimento: / / Momentos de Avaliação A Educadora de Infância O Encarregado de Educação 1º Período / / 2º Período / / 3º Período / / Código de Avaliação S SIM N - NÃO EA EM

Leia mais

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Direitos de Aprendizagem O artigo 32 da LDB estabelece que é necessário garantir o desenvolvimento da capacidade

Leia mais

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país.

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Projeto Pedagógico A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Destaca-se no âmbito da tecnologia,

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical 6º ANO C Ano Letivo: 05/06. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Pré-Escolar) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Pré-Escolar) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Pré-Escolar) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração / adaptação das Crianças - Promover a integração / (re) adaptação das crianças na instituição;

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. FICHA DE OBSERVAÇÃO/REGISTO Ano letivo / Jardim de Infância Sala.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. FICHA DE OBSERVAÇÃO/REGISTO Ano letivo / Jardim de Infância Sala. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR FICHA DE OBSERVAÇÃO/REGISTO Ano letivo / Jardim de Infância Sala Nome da Criança: Data de Nascimento: / / 1 ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL

Leia mais

Perturbações do Desenvolvimento

Perturbações do Desenvolvimento Curso Intensivo de verão Duração da Formação Destinatários 27,5 horas presenciais Estudantes e profissionais da área da saúde e da educação Local Auditório do CADIn Datas 4, 5, 6, 7 e 8 de julho 2016 (9h30m

Leia mais

ARTES - 1º AO 5º ANO

ARTES - 1º AO 5º ANO 1 Ano Artes Visuais 1 Bimestre O fazer artístico do aluno desenho, pintura, dobradura, colagem e modelagem. Competências/Habilidades Reconhecimento e utilização dos elementos da linguagem visual; Música

Leia mais

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto O regime de qualificação para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário encontra o seu enquadramento jurídico estabelecido no artigo

Leia mais

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo Atividades Boas situações de Aprendizagens Livro Didático Currículo oficial de São Paulo LÓGICA NUMA CONCEPÇÃO QUE SE APOIA EXCLUSIVAMENTE EM CONTEÚDOS E ATIVIDADES Enfoque fragmentado, centrado na transmissão

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA RELEITURA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL CARLA JAMILLE C. DE ARAÚJO Mestranda em Educação, UFBA, jamillecarla@hotmail.com REFERENCIAL CURRICULAR

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Tema: Geometria Tópico: Orientação Espacial Posição e localização Mapas, plantas e maquetas Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR Setembro Outubro 11 Início do Ano Letivo 15 a 19 Reunião de Pais 22 a 26 01 16 Chegada do Outono música Alimentação Atividades de escolha livre; Atividades de exploração do espaço exterior. Apresentação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 Critérios de : Disciplina de Instrumento Departamento de Sopros, Canto e Percussão Critérios Gerais Critérios Específicos Instrumentos Indicadores de reflexo no domínio dos

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR DE VALÊNCIA JARDIM DE INFÂNCIA

PROJECTO CURRICULAR DE VALÊNCIA JARDIM DE INFÂNCIA PROJECTO CURRICULAR DE VALÊNCIA JARDIM DE INFÂNCIA Ano lectivo de 2011/2012 INDÍCE INTRODUÇÃO... 1 PRINCÍPIOS GERAIS E OBEJCTIVOS PEDAGÓGICOS DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR... 2 ÁREAS DE CONTEÚDO... 5 COMPETÊNCIAS

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS EDUCAÇÃO FÍSICA

EIXOS TEMÁTICOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS TEMÁTICOS EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO Jogo Ginástica experimentação em dança Corpo humano e saúde Jogos e brincadeiras da cultura popular Dança, cultura popular e criação possibilidades e limitações do

Leia mais

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas.

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas. 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 9º ANO DURAÇÃO DA PROVA ESCRITA: 90 minutos TOLERÂNCIA: 00 minutos DURAÇÃO DA PROVA ORAL: ± 15 MINUTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º CICLO - 1.ª e 2.ª

Leia mais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais NAPE Núcleo de Apoio PsicoEducativo Divisão de Assuntos Sociais Missão A missão do NAPE centra-se no combate ao insucesso e abandono escolar com intervenção dirigida preferencialmente aos alunos do pré-escolar

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA TALENTOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA TALENTOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA TALENTOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJECTO PEDAGÓGICO SALA DOS TALENTOSOS 2012-2013 Índice 1-Caracterização do Grupo... 3 2-Organização do Espaço... 3 3-Organização do Tempo... 4

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE

PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LIVRO VIAJANTE "Viajar pela leitura sem rumo sem direção só para viver aventura que é ter um livro nas mãos" 1. 1. APRESENTAÇÃO O Projeto de Incentivo

Leia mais

Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e. saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto

Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e. saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto I Descrição do Projecto Introdução Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto como meio que as rodeia. Cabe à escola valorizar,

Leia mais

PERTURBAÇÕES ESPECÍFICAS DE APRENDIZAGEM

PERTURBAÇÕES ESPECÍFICAS DE APRENDIZAGEM Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÕES ESPECÍFICAS DE APRENDIZAGEM APRESENTAÇÃO DE: Carine Fernandes, Cláudia Camponez,Daniel Dias, Fátima Trindade, Mafalda Magalhães, Sara

Leia mais

Plano de melhoria (2013/14)

Plano de melhoria (2013/14) Plano de melhoria (2013/14) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel A ação, os resultados e o impacto da biblioteca escolar na prestação de serviços, no desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Lecionação da Expressão e Educação Físico Motora no 1º Ciclo do Ensino Básico

Projeto de Lecionação da Expressão e Educação Físico Motora no 1º Ciclo do Ensino Básico Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Núcleo de Estágio de Educação Física Agrupamento de Escolas de Alfornelos

Leia mais

Planificação Anual de Atividades Ano letivo 2013/2014 Educar é amar

Planificação Anual de Atividades Ano letivo 2013/2014 Educar é amar Página 1 Planificação Anual de Atividades Ano letivo 2013/2014 Educar é amar 1º Período Calendarização Atividades Competências Gerais Conteúdos Recursos Humanos e materiais 02 de setembro 12 de setembro

Leia mais

PLANO NACIONAL DE LEITURA

PLANO NACIONAL DE LEITURA PLANO NACIONAL DE LEITURA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PROJETO LEITURA EM VAI E VEM PNL ANO LETIVO 2012/2013 1 INTRODUÇÃO A leitura constitui uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento de capacidades cognitivas

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Desenho 2 Área Científica: Desenho Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo de Trabalho: Horas de Contacto:

Leia mais

Programa de Matemática 2º ano

Programa de Matemática 2º ano Programa de Matemática 2º ano Introdução: A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

TEMA DA UNIDADE: Módulo 2

TEMA DA UNIDADE: Módulo 2 Planificação de unidade didáctica Ano letivo 2012-2013 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Disciplina: Área de Integração Ano: 10ºD/E Docente: Ana Cristina Santos TEMA DA UNIDADE: Módulo 2 Conteúdos

Leia mais

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos)

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos) Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 20/202 Formação Cívica 3º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos) Início das aulas...5-09-20 Fim do Primeiro Período...6-2-20 Número de aulas do º

Leia mais

Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016 Educação Física

Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016 Educação Física Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONHECIMENTO CORPORAL ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A educação escolar tem como objetivo transmitir o conhecimento acumulado pela humanidade que o leve a compreender e a

Leia mais

Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar

Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar As Orientações Curriculares da Educação Pré-Escolar assentam nos seguintes fundamentos articulados: - O desenvolvimento e a aprendizagem indissociáveis;

Leia mais

INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO INSTRUMENTO DE REGISTO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Educação Especial Nome do(a) avaliado(a): Categoria Profissional: Departamento Curricular: Anos Escolares: 27/28 e 28/29 Escalão: 27/28 28/29 Grupos/alunos:

Leia mais

CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Diário Gráfico. Ficha de Atividade 5. O que é o Diário Gráfico

Diário Gráfico. Ficha de Atividade 5. O que é o Diário Gráfico Diário Gráfico A presente proposta de trabalho integra-se no Projeto Mochila Verde, implementado pela Agência Municipal de Energia e Ambiente - Lisboa E-Nova e a Câmara Municipal de Lisboa, que pretende

Leia mais

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE LAGOA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PR 281 KM 20 - LAGOA FONE: 41-3674-1053 e-mail : colegioestadualdelagoa@gmail.com Prêmio Viva Leitura Categoria Escola Pública Projeto: Leitura

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena. Malveira. Carta de Missão

Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena. Malveira. Carta de Missão Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena Malveira Carta de Missão A Carta de Missão do Diretor do Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena, fundamenta-se nos princípios da Missão do

Leia mais

Encontros Regionais de Educação

Encontros Regionais de Educação Encontros Regionais de Educação Princípios e regulamentação da avaliação Ensino básico Abril de 2016 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril (terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

Plano Anual Educação Musical - 1º Ciclo -

Plano Anual Educação Musical - 1º Ciclo - Plano Anual Educação Musical - 1º Ciclo - GERAIS PERCEPÇÃO SONORA E MUSICAL Explorar e identificar os elementos básicos da música; Identificar auditivamente características rítmicas, melódicas, harmónicas

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Ano Letivo 2008/2009 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL De acordo com: - Decreto-Lei nº3/2008 de 7 de Janeiro. - Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (OMS, 2001). IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Xadrez - Grau I. Total 40,0 UNIDADES DE FORMAÇÃO 1. HISTÓRIA DO XADREZ 1,5 2. REGRAS DO JOGO DE COMPETIÇÃO 1,5

Unidades de Formação e Cargas Horárias Xadrez - Grau I. Total 40,0 UNIDADES DE FORMAÇÃO 1. HISTÓRIA DO XADREZ 1,5 2. REGRAS DO JOGO DE COMPETIÇÃO 1,5 Unidades de Formação e Cargas Horárias Xadrez - Grau I UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. HISTÓRIA DO XADREZ 1,5 2. REGRAS DO JOGO DE COMPETIÇÃO 1,5 3. TÉCNICAS DE XEQUE-MATE 4,5 4. FINAIS ESSENCIAIS 7,5 5.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas pelo aluno ao longo

Leia mais

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a):

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): 1º Ciclo Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): Áreas não disciplinares (b): Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas Físico-motoras Área de projeto

Leia mais

JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO

JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO MATERIAL DE INTERVENÇÃO JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO Fotografias de Sequências Um conjunto de cartões fotográficos que representam atividades de forma sequencial ajudando a desenvolver a perceção

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Educação Musical 2º Ciclo- Prova 12 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2014 pelos alunos que se encontram

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL E PERIÓDICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL E PERIÓDICA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA ANO : 4.º ANO LECTIVO: 2007/ 2008 PLANIFICAÇÃO ANUAL E PERIÓDICA COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura

EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura EDUCAÇÃO INFANTIL QUAL REALIDADE? QUAIS POSSIBILIDADES? QUAIS DESAFIOS? Material elaborado por Instituto Abaporu de Educação e Cultura Mudança da concepção da função da EI ao longo dos tempos. Há influência

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOMÍNIOS CRITÉRIOS INDICADORES INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Eficácia na aquisição e aplicação

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO MUSICAL - 2º CICLO 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram

Leia mais

AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Pré-Escola.

AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Pré-Escola. Departamento Pedagógico Seção de Educação Infantil AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Pré-Escola. A avaliação só nos propiciará condições para obtenção de uma melhor qualidade de vida se tiver assentada sobre

Leia mais

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A)

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) Responsável: Setor de Coordenação Pedagógica São Luís 2010 PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) 1. APRESENTAÇÃO: A escola é espaço de construção, sistematização, apropriação

Leia mais

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA INFORMAÇÃO-PROVA EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 Prova 23 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado em: Animação Artística Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em Artes 2007 / 2008 Carlos Morais Pré - requisitos Antes da

Leia mais

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDOS Teste diagnóstico Atividades recuperação Unidade starter: revisão de identificação pessoal, alfabeto, países

Leia mais

Checklist. Funções do Corpo

Checklist. Funções do Corpo Checklist Funções do Corpo Nota: Assinale com uma cruz (X), à frente de cada categoria, o valor que considera mais adequado à situação de acordo com os seguintes qualificadores: 0- Nenhuma deficiência;

Leia mais

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira 1. NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade 2. DADOS DE IDENTIFICAÇAO Área ou Disciplina de Origem: Matemática Professor coordenador: Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO. CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO do GRUPO de ARTES VISUAIS ANO LETIVO de 2011-12

ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO. CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO do GRUPO de ARTES VISUAIS ANO LETIVO de 2011-12 ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO do GRUPO de ARTES VISUAIS ANO LETIVO de 2011-12 ENSINO SECUNDÁRIO DOMÍNIOS INSTRUMENTOS OA HCA / DES APRENDER A CONHECER APRENDER A FAZER APRENDER A

Leia mais

SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário DISCIPLINA: Português ANO: 10º PROFISSIONAL ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS - PROVA ESCRITA e ORAL 2016 Prova 16 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E FORMAÇÃO DE MEDIADORES DE LEITURA PMDD/ML Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância.

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E FORMAÇÃO DE MEDIADORES DE LEITURA PMDD/ML Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância. PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E FORMAÇÃO DE MEDIADORES DE LEITURA PMDD/ML Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e Adultos Código

Leia mais

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED Abaixo, a relação dos trabalhos aptos ou inaptos para apresentação e/ou publicação. Caso alguém queira o parecer do seu trabalho não aprovado, favor entrar em contato

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

ANEXOS Anexo I Organização do tempo pedagógico Jardim de Infância Creche

ANEXOS Anexo I Organização do tempo pedagógico Jardim de Infância Creche ANEXOS Anexo I Organização do tempo pedagógico Jardim de Infância Creche Hora Momento Hora Momento 07h45 09h00 Receção das crianças 07h45 09h00 Receção das crianças 09h00 09h10 Escolher o Responsável e

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais

Currículo Referência em Artes Visuais Currículo Referência em Artes Visuais Bimestre Objetivos 6º ANO- ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos Conceitos Modalidades Expectativas Sugestão de Atividades em diferentes Modalidades 1º Bimestre Ressignificar

Leia mais

Educação Pré-Escolar PROJECTO CURRICULAR DO DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR ANO LECTIVO DE 2009/2010

Educação Pré-Escolar PROJECTO CURRICULAR DO DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR ANO LECTIVO DE 2009/2010 PROJECTO CURRICULAR DO DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR ANO LECTIVO DE 2009 1 Constituição do Departamento Curricular do Pré-escolar do Agrupamento e sua caracterização 1. Corpo discente Jardins de Infância

Leia mais

Planificação anual da Educação Préescolar

Planificação anual da Educação Préescolar Planificação anual da Educação Préescolar Ano letivo 2015/2016 Introdução A planificação de atividades nasce da intencionalidade educativa do trabalho do educador. Planear atividades não pode ser confundido

Leia mais

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização

Novembro. Áreas Curriculares. Propostas de Operacionalização Áreas Curriculares Conteúdos Novembro Propostas de Operacionalização Língua Portuguesa Compreensão Oral Expressão Oral Leitura Escrita Conhecimento Explícito da língua Ler textos de diferentes tipos; Responder

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes:

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes: CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1. Avaliação A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas

Leia mais

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino e da aprendizagem, que orienta o percurso escolar dos alunos e certifica as aprendizagens

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA 3º Ciclo 7º, 8º e 9º Anos ANO LETIVO 2014/15 1- Domínios Domínios Saber e Saber Fazer Saber ser/ estar Parâmetros a avaliar - Revelar conhecimentos. - Compreensão/interpretação

Leia mais

Ano letivo 2015/2016

Ano letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Educação Especial, Educação Pré-escolar, 1.º, 2.º e 3.º Ciclos Ano letivo 2015/2016 Critérios de avaliação: Pré-escolar, 1.º, 2.º e 3.º

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho EE Esterina Placo (Extensão) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO De acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de julho e do Despacho Normativo nº14/2011, estabelecem-se os seguintes Critérios Gerais de Avaliação, que passarão

Leia mais

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA BONFIM, Isabela Prado 1 NETTO, Geisson Fernandes 2 SILVA, Élida Alves da 3 CUNHA, Juliana Bernardes Borges da 4 PALAVRAS-CHAVE: Educação, Matemática, Oficinas, Laboratório.

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2015 / 2016 Pré-escolar e 1º Ciclo Ação Local Objetivos Atividades Materiais Recursos Humanos Receção dos Fomentar a integração da criança

Leia mais

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo)

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) A INTERDISCIPLINARIDADE DOS SIG NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) SUMÁRIO 1-Os SIG no ensino 1.1-Vantagens dos SIG no ensino e a formação dos professores

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2015 MATRÍCULAS: DE 25 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Prof.ª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio Pedro Fabro, Sala 303 Unidade

Leia mais

Informática na Educação

Informática na Educação Informática na Educação Apresentação de tópicos do livro Informática na Educação, da autora Sanmya F. Tajra. Todas as referências dos conteúdos apresentados nestes slides são disponíveis no livro citado.

Leia mais