Avaliação de Propriedades Mecânicas de Materiais Alternativos para Aplicação em Camadas de Cobertura de Aterro Sanitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Propriedades Mecânicas de Materiais Alternativos para Aplicação em Camadas de Cobertura de Aterro Sanitário"

Transcrição

1 Avaliação de Propriedades Mecânicas de Materiais Alternativos para Aplicação em Camadas de Cobertura de Aterro Sanitário Nome do Autor 1 (Os nomes dos autores devem constar apenas na versão final) Instituição, Cidade, País, Nome do Autor 2 (Os nomes dos autores devem constar apenas na versão final) Instituição, Cidade, País, RESUMO: Com o aumento dos resíduos sólidos urbanos devido ao crescimento da população e da industrialização, a disposição final desses resíduos deve ser gerenciada de uma forma ambientalmente adequada para previnir doenças e manter a saúde e bem estar da população. O aterro sanitário é uma solução viável para a disposição desses resíduos, pois permite o confinamento seguro em termos de controle de poluição ambiental e proteção à saúde pública, minimizando os impactos ambientais. No presente estudo, é analisada a viabilidade de reforço de um solo tropical adicionando fibras de Politereftalato de Etileno PET, avaliando as propriedades mecânicas deste composto. O solo utilizado foi coletado na Região Administrativa de Samambaia, entre a DF-180, km 52 e o córrego Belchior, local próximo à Estação de Tratamento de Esgoto da CAESB. As fibras PET são provenientes de garrafas cortadas em filetes de diferentes comprimentos. Uma parte das amostras foi submetida a um processo de frisamento para avaliar a influência do perfil longitudinal da fibra no comportamento do composto. Baseado em estudos anteriores, a quantidade de fibras adicionada nas misturas foi de 0,4%, em relação à massa de solo seco, e os comprimentos da fibra foram de 1 cm e 3 cm. O objetivo deste trabalho é avaliar a influência do comprimento e da forma da fibra, lisa ou sanfonada, no comportamento do compósito solo+pet e comparar o comportamento mecânico entre as misturas solo+pet e solo puro. Foram realizados ensaios de resistência à compressão simples e tração por compressão diametral. Concluiu-se que a adição de fibras modificou no comportamento mecânico do solo, apresentando assim, melhor desempenho geral em termos de deformação e de resistência secundária. PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos Urbanos, Aterro Sanitário, Materiais Alternativos, Fibras PET, Comportamento Mecânico. 1 INTRODUÇÃO A geração de resíduos faz parte do ciclo diário das pessoas, porque todo produto que se adquire ou consome será um resíduo no futuro, além dos resíduos produzidos para gerar o próprio produto. Portanto, os resíduos estão sempre presentes nas comunidades e com o crescimento populacional e a industrialização essa quantidade aumentou substancialmente e tende a continuar crescendo. Um grande motivo de preocupação para a população é o local para disposição adequada e segura desses resíduos. A disposição final dos resíduos sólidos no Brasil ainda é uma questão problemática, de acordo com a Pesquisa Nacional do Saneamento Básico realizada em 2008 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os lixões ainda são muito utlilizados como disposição final de residuos, principalmente no Norte e Nordeste. Os lixões são uma forma inadequada de disposição final de resíduos sólidos, que se caracteriza pela simples descarga do lixo sobre o solo. Os resíduos ficam expostos sem nenhum tratamento que evite as conseqüências ambientais e sociais negativas. O aterro controlado é uma solução intermediária entre o lixão e o aterro sanitário. Geralmente é uma célula adjacente ao lixão que foi remediado, ou seja, que recebeu cobertura de solo argiloso, e grama (idealmente selado com manta impermeável para proteger a pilha da água de chuva) e captação de chorume e gás.

2 Já um aterro sanitário é uma solução de engenharia para receber e tratar o lixo produzido pelos habitantes de uma cidade, para reduzir ao máximo os impactos causados ao meio ambiente. Atualmente é uma das técnicas mais seguras e de mais baixo custo. 2 ATERRO SANITÁRIO Segundo NBR 8419 (ABNT, 1992-a), aterros sanitários constituem uma forma de disposição de resíduos no solo que, fundamentada em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, permite o confinamento seguro em termos de controle de poluição ambiental e proteção à saúde pública, minimizando os impactos ambientais. Na Figura 1 são indicados os principais elementos de um aterro sanitário. Figura 1. Figura Esquemática de um Aterro Sanitário. As vantagens de um aterro sanitário são: grande recepção de resíduos; permite a disposição correta desses resíduos; redução de riscos de poluição ambiental; evitam a transmissão de doenças, não contaminando as águas e protegendo também o solo e o ar; diminuição dos riscos de incêndios; fomenta o emprego e protege a qualidade de vida das gerações futuras. As desvantagens são: construção que exige grandes extensões de terras; uma constante necessidade de acompanhamento dos processos construtivos e uma verificação dos parâmetros ambientais e geotécnicos durante toda a vida do aterro. 2.1 Camada de Cobertura A camada de cobertura final é feita quando a capacidade do aterro está esgotada, com uma espessura média de 60 cm ela recobre todo o aterro. Após o recobrimento deve-se plantar gramas dos taludes definitivos visando proteger contra a erosão. Essa camada tem como função controlar a entrada de ar e água para dentro do aterro, minimizar a saída de gás para fora do aterro, redução de odor, vetores de doenças, além de facilitar a recomposição da paisagem. Os fatores que influenciam na confecção da camada de cobertura são: o tipo e a classe dos resíduos, o balanço hídrico e o clima do local, a estabilidade de taludes do sistema de cobertura e a recuperação da área do aterro. 3 COMPORTAMENTO MECÂNICO DOS MATERIAIS 3.1 Resistência à Compressão Simples (RCS) Este ensaio é preconizado pela NBR (ABNT, 1992-b) no qual determina a resistência à compressão simples sem confinamento lateral, que é o valor da pressão correspondente à carga que rompe um cilindro de solo submetido à um carregamento axial. A resistência a compressão é o valor da carga máxima de ruptura do material ou o valor da pressão correspondente à carga na qual ocorre deformação específica do corpo de prova de 20%, naqueles casos em que a curva tensão x deformação axial não apresenta pico. 3.2 Resistência à Tração por Compressão Diametral (TCD) A resistência à tração é um importante parâmetro para a caracterização de materiais, porém se tem uma dificuldade em se obter a resistência à tração diretamente. Neste sentido, foram desenvolvidos vários métodos indiretos para a sua determinação, um método interessante foi o ensaio brasileiro de compressão diametral para determinação indireta da resistência à tração desenvolvido pelo Professor Lobo Carneiro para concretocimento (Carneiro, 1943). A aplicação de duas forças concentradas e diametralmente opostas de compressão em um cilindro gera, ao longo do seu diâmetro, tensões de tração uniformes

3 perpendiculares a este diâmetro. A NBR 7222 (ABNT, 2011) apresenta o procedimento descrevendo o ensaio de resistência à tração por compressão diametral. O corpo de prova cilíndrico é deixado em repouso ao longo de uma geratriz sobre o prato da máquina de compressão. Logo após, deve-se centralizar e alinhar o corpo de prova no dispositivo de compressão diametral. A carga é aplicada continuamente, sem choque, até a ruptura do corpo-de-prova. 3.3 Interação Solo-Fibra O solo como material construtivo é usado a tempos imemoriais pela humanidade. No entanto, o mesmo apresenta um espectro e amplitude de resistências a esforços externos bastante pobre. Para superar a limitações do solo e melhorar suas propriedades começou-se a reforçar o mesmo com uma gama de diferentes tipos de fibras. A categoria de fibra utilizada neste estudo foi de natureza polimérica, que é composta de cadeias carbônicas longas, ocasionalmente tratadas com outros elementos químicos. Uma fibra é definida pelo seu monômero, ou a menor unidade de sua cadeia, que é então disposta espacialmente em longas fibras e pode ser moldado de diversas formas. Dentre as fibras poliméricas de uso corrente na geotecnia podese citar: polipropileno, aramida, poliéster e polietileno O polietileno tereftalato (PET) é o poliéster com o maior volume produzido atualmente e foi usado como material para reforçar solos no projeto. Há diferentes formas com as quais as fibras de PET interagem com o solo, e alguns dos principais parâmetros usados para verificar a influência do mesmo é a resistência e deformabilidade. De acordo com Curcio (2008), o solo representa uma matriz que dispõe espacialmente o material no compósito e dessa forma distribui os esforços entre as fibras em si e a matriz de solo. E dentro dessa composição as fibras aumentam a rigidez e a resistência do material unido, dessa forma reduzindo a abertura e o aumento na distância entre as fissuras. Ao contrário de Curcio (2008), Taylor (1994) considerava que a presença das fibras na matriz de solo não impedia a geração de fissuras, mas sim atuava de forma a impedir a propagação das mesmas. Dessa forma, as fibras atuariam como controladores ou moderadores de fissura, distribuindo as tensões de forma mais homogênea dentro da matriz. Associado a essa hipótese de fibras distribuindo tensões, o autor propôs que as fibras em um estado pósfissuração, ou após alguns ciclos atmosféricos, trabalhariam de forma efetiva. O comprimento da fibra tem uma influência principalmente na propriedade que se deseja melhorar, para uma mesma taxa de material, comprimentos menores melhoravam a resistência e comprimentos maiores aumentava a ductilidade. Em relação à orientação, existem duas principais distribuições entre as fibras: paralelo ao eixo longitudinal, no qual as fibras estão paralelas entre si, alinhadas em um único sentido, ao longo do comprimento da matriz e um alinhamento randômico ou aleatório, em que não há uma única distribuição de alinhamento, mas sim variados ao longo de toda a matriz. Uma disposição aleatória apresenta dessa forma duas vantagens sobre uma disposição alinhada a um eixo pré-determinado: Inexistem planos de ruptura preferenciais devido à dificuldade de deslizamento entre as fibras ou envoltórias de menor resistência e minimiza o surgimento de anisotropia. 4 METODOLOGIA 4.1 Caracterização dos Materiais O solo utilizado na pesquisa foi coletado na região que será implantado o novo aterro sanitário de Brasília, localizado em Samambaia (entre o córrego Melchior e a Rodovia DF -180 km 52), ao lado da CAESB. Foi realizada caracterização do solo local por meio dos seguintes ensaios, seguindo as normas da ABNT: Análise granulométrica (NBR 7181/ ABNT, 1984-a); Massa específica dos grãos (NBR 6508 / ABNT, 1984-b ); Determinação do Limite de Liquidez de Solos ( NBR 6459/ ABNT, 1984-c);

4 Ensaio de Compactação (NBR 7181/ ABNT, 1986-b). 4.2 Caracterização das fibras PET Na pesquisa foram utilizadas fibras PET, provenientes de garrafas de refrigernate usadas, com comprimento de 1 e 3 cm. A largura das fibras foi de 2mm e a espessura com ordem de grandeza de décimos de milímetros e dependente da fonte do PET. Para avaliar a influência da geometria lateral da fibra, foram utilizadas fibras lisas e sanfonadas. Os filetes de PET foram produzidos por um equipamento manual desenvolvido para a pesquisa e posteriormente cortados em uma guilhotina para papel, nos comprimentos prédeterminados de 1 e 3 cm. Metade das amostras foi então perfilada, produzindo as fibras sanfonadas, importantes em etapas futuras para comparar e avaliar o efeito da geometria espacial da fibra sobre a eficiência do reforço. A Figura 2 apresenta as combinações de fibras utilizadas nas misturas. Baseado em pesquisas anteriores o percentual de adição de fibras foi mantido em 0,4% de adição em relação à massa de solo seco. Figura 2. Tipos de fibra utilizadas, variando comprimento e geometria lateral. 4.3 Preparação das amostras As amostras foram preparadas previamente, com os percentuais correspondentes de solo, água e fibra PET. O solo, mantido em um estado natural de umidade foi corrigido para atingir a umidade ótima por meio da adição da quantidade de água necessária. As fibras PET foram pesadas e adicionadas à mistura, no percentual de 0,4% em relação à massa de solo seco. A mistura foi realizada manualmente, garantindo uma distribuição espacial das fibras dentro do material. Essas misturas foram guardadas em embalagens individuais em câmara úmida, por um período de 24 horas. Para os ensaios de RCS e TCD os corpos de prova cilíndricos foram compactados em uma prensa hidráulica, nas dimensões de 5 cm de diâmetro e 10 cm de altura para os ensaios de RCS e de 5 cm de diâmetro por 2 cm de altura para os ensaios de TCD. Durante a moldagem foi realizado o controle das dimensões e da massa de cada um dos corpos de prova produzidos. Os corpos de prova que foram ensaios de à compressão simples (ABNT, 1992) seguiram as seguintes proporções: Solo + 0,4% de fibras lisas de 1cm de PET (FL1) 3 amostras; Solo + 0,4% de fibras de sanfonadas 1cm de PET (FS1) 3 amostras; Solo Puro (SP), usado como controle 3 amostras. Foram moldados 3 corpos de prova para cada combinação de solo e fibra. O rompimento desses corpos de prova ocorreu no mesmo dia que foram moldados. Para o ensaio de tração por compressão diametral o solo foi misturado com fibras de comprimento igual a 1 cm e 3 cm, com suas respectivas geometrias, lisa e sanfonada. O mesmo ensaio também foi realizado para o solo puro, sem a presença de fibras, principalmente como valor de controle. O procedimento descrevendo o ensaio de compressão diametral pode ser encontrado na NBR 7222 (ABNT, 2011), e por meio de correlações pode-se então conseguir a resistência à tração do material compósito. Foram produzidos 4 corpos de prova por mistura, sendoutilizadas as seguintes composições: Solo Puro (SP); Solo + 0,4% de fibras lisas de 1cm de PET (FL1); Solo + 0,4% de fibras de sanfonadas 1cm de PET (FS1); Solo + 0,4% de fibras lisas de 3cm de PET (FL3);

5 Solo + 0,4% de fibras de sanfonadas 3cm de PET (FS3); 5 ANÁLISES 5.1 Ensaio de Resistência à Compressão Simples (RSC) Os primeiros resultados, referentes aos ensaios de compressão estão apresentados na Figura 3. Figura 4. Determinação dos módulos de elasticidade para o intervalo elástico. Figura 3. Diagrama de tensãoxdeformação para a média das 3 misturas avaliadas no ensaio de RCS. A máxima resistência do solo puro foi de 164kPa, e a mesma é atingida quando a deformação é de 0,91%. O máximo de resistência do solo compósito, dosado com as fibras lisas é atingido quando há uma deformação de 1,3%, com um valor equivalente a 175,42 kpa. O solo dosado com as fibras sanfonadas atingiu uma máxima de 175,71 KPa, em uma deformação de 1,11%. O pico de resistência entre os dois solos compósitos é bastante próximo, variando menos de 0,17% entre um e outro, com uma margem de 0,2% de deformação entre os mesmos. Em relação ao solo puro, ambas as misturas apresentaram um acréscimo de 7,3% a 7,5% de resistência máxima. Uma segunda propriedade que pode ser determinada pelo diagrama de tensãodeformação é o modulo de elasticidade do material. O mesmo é calculado pela declividade da curva no intervalo inicial, ou majoritariamente elástico do diagrama, representado na Figura 4. O primeiro módulo de elasticidade definido é o do solo puro, com um valor de 247 kpa. As misturas apresentaram resultados diferentes com as fibras lisas reduzindo o módulo de elasticidade par 180 kpa, e 272 kpa para o solo com as fibras sanfonadas. De forma interessante, os resultados indicaram que a adição da fibra lisa reduziu o módulo de elasticidade da mistura, em torno de 27,34%. E que a adição da fibra sanfonada aumentou o módulo de elasticidade em média 10,7%. Pode-se então afirmar que a adição de fibras lisas reduz a rigidez enquanto as fibras sanfonadas aumentam a rigidez, pois a mesma é diretamente proporcional ao módulo de elasticidade, mantida a geometria. Portanto, conclui-se que a adição das fibras aumenta a resistência à compressão da mistura de forma recorrente, mas não impactante. Os valores não aumentam sensivelmente, em torno de 7%. Assumia-se anteriormente aos ensaios que a adição de fibras não influenciaria muito no acréscimo de resistência pela própria natureza das fibras e como a mesma atua resistindo primariamente a esforços de tração. Esperava-se algumas mudanças nas propriedades dos materiais e a mais notável mudança aconteceu no módulo de elasticidade dos compósitos. Uma possibilidade para o decréscimo da rigidez da mistura com a fibra lisa seria a maior facilidade de deslizamento entre as regiões circundantes à fibra, representado na Figura 5. De forma análoga, a fibra sanfonada criaria uma superfície com melhor contato, aumentando a rigidez.

6 Figura 5. Representação do travamento da fibra sanfonada e a região de deslizamento da fibra lisa. 5.2 Ensaio de Tração por Compressão Diametral (TCD) Os resultados, referentes aos ensaios de tração por compressão diametral estão representados na Figura 6. Figura 6. Diagrama tensãoxdeformação para a média das misturas avaliadas durante no ensaio de TCD. Como representado no diagrama de tensãodeformação da Figura 6, o solo puro apresentou um comportamento frágil, sem um intervalo de plastificação sensível, rompendo assim que a resistência última foi atingida. Todos os corpos de prova moldados com o solo com adição de fibra apresentaram um comportamento diferente, gerando uma região secundária de deformação pela influência da fibra e suas interações com o solo. A região do diagrama que cobre a parcela do comportamento frágil foi denominada região primária. A região secundária foi assim denominada por ser aquela na qual as fibras estão trabalhando, gerando por assim dizer, uma resistência secundária. Todos os corpos de prova moldados com solo puro apresentaram apenas a região primária, de comportamento frágil. E todos os corpos de prova feitos com o solo compósito apresentaram ambas as regiões, tanto de comportamento frágil do solo, quanto os patamares secundários de plastificação dados pela presença da fibra PET, em variados graus de eficiência. Todos os materiais dosados com as fibras PET apresentaram na sua região secundária um comportamento quase oscilatório onde se notam picos de resistência seguidos, alternados por vales representando quedas na tensão. O solo compósito com fibras de menor comprimento (1cm) tiveram menores resistências na região secundária, mas a oscilação era mais recorrente, com menor deformação para que um ciclo se completasse. As fibras mais longas apresentaram resistências maiores e os picos e vales se estendiam por intervalos maiores de deformação. Uma explicação proposta para esse comportamento pode estar relacionado ao fato de que o conjunto de todas as fibras dispostas espacialmente não trabalham de forma homogênea. Dessa forma, uma tensão inicial seria distribuída primariamente a uma fibra ou a um grupo menor de fibras em uma região mais crítica. Assim que atingido um certo valor, as mesmas iriam escoar e a tensão seria redistribuída a outras fibras. Essa suposição é baseada no comportamento de polímeros e o alongamento. O surgimento de uma crista na região de plastificação é um evento comum a materiais poliméricos como o polietileno e está associado com o efeito do alongamento, que modifica a seção (DIAS, 2011). Esse fenômeno está representado na Figura 7. Figura 7. Diagrama de tensãoxdeformação de um polímero.

7 Essa hipótese de fibras em estados de tensão diferentes também explicaria a maior frequência de vales e cristas na mistura de fibras de 1cm. Como as fibras de 1 cm são mais curtas a deformação absoluta de cada uma é menor e a redistribuição é mais frequente. Como a ancoragem das fibras é menor, e seu arrancamento é mais fácil, também explicando dessa forma a menor amplitude das cristas em comparação com as fibras de 3cm. O desempenho de uma mistura foi diretamente dependente da geometria lateral e do comprimento da fibra usada na dosagem. Os resultados das diferentes fibras foram comparados considerando um único fator, comprimento ou geometria lateral, reduzindo a análise a uma única variável em cada cenário. Para avaliar a influência do comprimento da fibra foi mantida a geometria lateral para que essa característica não fosse determinante nessa etapa da análise, como mostra na Figura 8. Na maioria dos casos, o solo com fibras mais longas, de 3cm, apresentou uma resistência secundária à tração igual ou superior à do solo puro, enquanto as fibras de 1cm em poucas situações atingiu metade do valor da resistência do solo em si. As fibras mais longas também geraram patamares de plastificação mais longos, indicando que as amostras dosadas com as fibras mais longas deformaram mais antes da sua ruptura acontecer. Figura 8. Diagrama de tensão-deformação, mantida a geometria lateral Analisando de forma análoga à anterior, e comparando fibras de mesmo comprimento, como representado na Figura 9, observa-se que as fibras sanfonadas, por terem uma melhor ancoragem, começaram a redistribuir tensões em um estado anterior ao das fibras lisas. E em comparação com as fibras lisas, o solo dosado com fibras sanfonadas apresentou maior resistência na região secundária e patamares ou regiões de plastificação mais largas que as geradas pelas fibras lisas. Figura 9. Diagrama de tensão-deformação, mantido o comprimento. Após o solo fissurar, sua resistência cai até um certo ponto onde a fibra começa a atuar. Para as fibras sanfonadas, o solo fissurado teve que perder menos resistência até que a fibra começasse a trabalhar. Isso, supõe-se que seja devido à melhor ancoragem e superfície mais aderente desse tipo de fibra. No primeiro pico de resistência secundária, o solo dosado com a fibra de 3cm sanfonada teve um resultado 86,88% superior ao da fibra lisa, e a fibra sanfonada de 1cm foi 13,14% melhor que o da fibra lisa. Em termos de resistência secundária, a fibra sanfonada demonstrou resultados superiores em termos de resistência em ambos os casos. Assumindo que a resistência última de um material, nesse caso, o compósito, seja o máximo valor antes do mesmo romper-se por completo, pode-se reparar que nas fibras de 1cm de comprimento não houve uma melhora sensível na resistência última. Isso deve-se primariamente porque em quase todas as misturas com fibras de 1cm, as cristas na região de pós-ruptura não atingiram valores maiores ou iguais ao valor de pico de ruptura do solo. E nessa situação, a adição de fibras gerou uma região plástica após a ruptura do solo, permitindo maiores deformações, mas não aumentando necessariamente a resistência última.

8 Já nos corpos de prova onde havia a fibra de 3cm, houve uma melhora razoável da resistência última, pois a fibra mais longa e melhor ancorada pode resistir de forma mais eficiente às tensões impostas. O solo compósito dosado com a fibra sanfonada de 3cm de comprimento apresentou o melhor desempenho geral, simultaneamente em termos de deformação e de resistência secundária. 6 CONCLUSÃO Após a realização dos ensaios pode-se concluir que não houve ganho significativo de resistência à compressão nas mistura de solo com fibras PET. Porém, o gráfico mostra que na mistura do solo com fibras após o pico de resistência, o composto se comporta de maneira diferente do solo puro. Enquanto que neste há uma queda brusca de resistência, na misturas com PET a queda se dá suavemente. Com relação ao módulo de elasticidade das misturas com fibras de PET, pode-se dizer que as fibras lisas reduziram a rigidez enquanto as fibras sanfonadas aumentaram a rigidez, pois a mesma é diretamente proporcional ao módulo de elasticidade, mantida a geometria. Já no ensaio de tração, notou-se que a adição de fibras permitiu uma nova região de plastificação do material compósito, prolongando sensivelmente a faixa de deformação do mesmo. As fibras de maior comprimento tiveram um maior impacto sobre a resistência última do material, e criaram cristas mais largas, ou patamares de plastificação mais longos. As fibras sanfonadas obtiveram uma melhor ancoragem, patamares mais largos, quando comparados com as fibras lisas de comprimento equivalente e melhores resultados em termos do controle da perda de resistência do material. 6459: Solo Determinação do limite de liquidez. Rio de Janeiro, 1984-c, 6p. 7180: Solo Determinação do limite de plasticidade. Rio de Janeiro, 1986-a, 6p. 7182: Solos Ensaio de Compactação. Rio de Janeiro, 1986-b, 6 p. 8419: Apresentação de Projetos de Aterros Sanitários de Resíduos Sólidos Urbanos. Rio de Janeiro, 1992-a, 15 p : Solos Coesivos Determinação da Resistência à Compressão não Confinada. Rio de Janeiro, 1992-b, 6 p. 7222: Determinação da resistência à Tração por Compressão Diametral de Corpos de Provas Cilíndricos. Rio de Janeiro, 2011, 6 p. Curcio, D.S. (2008). Comportamento Hidromecânico de Compósito Solo-Fibra, Tese (Doutorado em Engenharia), Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 149p. Dias, F.W.R. (2011). Comportamento Mecânico do Polímero PTFE Sujeito a Diferentes Taxas de Deformação, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica, Universidade Federal Fluminense. IBGE, (2010). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico Rio de Janeiro. Taylor, G.D. (1994). Materials in Construction, 2 ed, Longman Scientific & Technical, London, UK, 284p. REFERÊNCIAS 7181: Solo Análise Granulométrica. Rio de Janeiro, 1984-a, 12p. 6508: Solo Determinação da Massa Específica dos Grãos, Rio de Janeiro, 1984-b, 8p.

Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas

Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas Estudo Experimental de Solo Reforçado com Fibra de Coco Verde Para Carregamentos Estáticos em Obras Geotécnicas Rafael Eduardo Zaccour Bolaños Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio,

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto Antonio D. de Figueiredo Tubos de Concreto 1 Principais

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Marcus Vinicius Weber de Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, São Carlos, Brasil,

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR

TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS PRISCILA FIOCHI BENTO Mestre Universidade de Brasília - UNB Brasília - Brasil JOSÉ CAMAPUM DE CARVALHO PhD Universidade

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

BETÃO COM FIBRAS. O emprego de fibras de vidro no betão foi feito pela primeira vez, em 1950, na U.R.S.S..

BETÃO COM FIBRAS. O emprego de fibras de vidro no betão foi feito pela primeira vez, em 1950, na U.R.S.S.. BETÃO COM FIBRAS 1. INTRODUÇÃO Resumo histórico Desde sempre as fibras foram usadas para reforçar outros materiais. A palha foi usada para reforçar tijolos cozidos ao sol, a crina de cavalo para reforçar

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ENSAIOS DE APLICAÇÃO RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 1. OBJETIVO Determinar as propriedades de tração de plásticos reforçados e não reforçados, em forma de corpos de prova normalizados e ensaiados, sob condições

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert.

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. ( O que é Dramix? As fibras de aço Dramix da Belgo Bekaert Arames estabeleceram um novo padrão para as armaduras de

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES Análise do comportamento estrutural das lajes de concreto armado dos Aparelhos de Mudança de Via (AMV), com sistema de amortecimento de vibrações, oriundas dos tráfegos dos trens, da Linha 2 - Verde, do

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1. Introdução Nesse capitulo são apresentados alguns estudos sobre o comportamento do reforço com CFC em elementos estruturais, de modo a salientar a importância da aderência

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

ESTACAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO (CONTROLES ELEMENTO DE FUNDAÇÃO) Eng o Celso Nogueira Correa CONTROLE DE CRAVAÇÃO DE ESTACAS PRÉ-MOLDADAS Análise do projeto Contratação (estaca e equipamento) Locação

Leia mais

CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade

CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade Prof. Eduardo C. S. Thomaz pág. 1/13 CRF - Concreto Reforçado com Fibras - Mito e Realidade Resumo dos artigos do Prof. Sidney Mindess Fibre Reinforced Concrete Myth and Reality Advances in Cement and

Leia mais

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão

Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão BE Encontro Nacional Betão Estrutural Guimarães 5,, 7 de Novembro de Análise não-linear com elementos de interface de alvenaria de blocos de concreto à compressão Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais