Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps?"

Transcrição

1

2 Organização em Datacenters Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? O que diz a norma IEEE 802.3ba? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps?

3 Principais problemas em DATA CENTERS GRUPO SERVERS 1 GRUPO SERVERS 2 GRUPO SERVERS 3 GRUPO SERVERS 40 GRUPO SERVERS 41 GRUPO SERVERS 42 Servidores Patch Panel Switch Cooling

4 Cabeamento Estruturado TIA 942

5 Topologias Data Center MDA EDA MDA EDA Racks High D. High D. Patch Panel High D. Servidores High D. Switches Core e Acesso High D. Patch Panel Cooling

6 Topologias Data Center MDA HDA EDA Racks High D. MDA HDA EDA High D. Servidores High D. Switches Core High D. Patch Panels Switches Acesso Horizontal High D. Patch Panel Cooling

7

8 Contínuo Aumento da Demanda por Servidores e Taxas de Transmissão

9 O que diz a norma IEEE 802.3ba?

10 IEEE802.3ba Objetivos de Alcance do 40 Gb/s Ethernet Servidores, Acesso 10 km em fibra monomodo (1310 nm) 40GBASE-LR4 150 m em fibra multimodo OM4 (850 nm)* 40GBASE-SR4 100 m em fibra multimodo OM3 (850 nm) 40GBASE-SR4 7 m sobre cobre 40GBASE-CR4 1 m para backplane 40GBASE-KR4 * Estimando perda de 1dB em conectores

11 IEEE802.3ba Objetivos de Alcance do 100 Gb/s Ethernet Switching, Routing, Aggregation 40 km em fibra monomodo (1550 nm) 100GBASE-ER4 10 Km em fibra monomodo (1310 nm) 100GBASE-LR4 150 m em fibra multimodo OM4 (850 nm)* 100GBASE-SR m em fibra multimodo OM3 (850 nm) 100GBASE-SR10 7 m sobre cobre 100GBASE-CR10 * Estimando perda de 1dB em conectores

12 40G & 100G Ethernet recomendações para MDI 40GBASE-SR4 Referência interface MPO conforme IEC Left 4 pins are Tx Right 4 pins are Rx (inner 4 pins unused) 100GBASE-SR10 Inner 10 pins, Top Row are Rx Inner 10 pins, Bot Row are Tx (outermost pins both rows unused) Option A (recommended) Inner 10 pins, Left Side are Tx Inner 10 pins, Right Side are Rx (outermost pins each side unused) Option B Inner 10 pins, Top are Rx Inner 10 pins, Bot are Tx (outermost pins Top & Bot unused) Option C

13 Do que é composta a solução de cabling para 40/100 Gbps? -Fibras ópticas otimizadas para laser -Cabos e cordões com terminação MPO

14 Fibras ópticas otimizadas para laser OM3 LaserWave 300 OM4 Laser Wave 550 Bend insensitive LaserWave Flex

15 Revisão de Fibra Multimodo em 2 slides Fibras MM têm núcleos largos para guiar múltiplos modos ao mesmo tempo. A dispersão modal causa o espalhamento do pulos e limita a banda. Controle da velocidade dos modos: mais lentos no centro e mais rápido nas bordas do núcleo. Velocidade Índice de Refração Quantidade de dopante Um perfil de índice de refração que é otimizado pela forma, curvatura e suavidade maximiza a banda. Fonte: OFS, Tony Irujo para BICSI

16 Revisão de Fibra Multimodo em 2 slides (cont) Fibra MM uso tradicional com LED (mais barato que os lasers) Laser VCSELs quase tão barato quanto os LEDs, porém com maior alcance LEDs injetam luz com distribuição uniforme de energia em todos os modos. Largura de Banda para LED : Medida pelo OFL VCSELs injetam uma distribuição maior em alguns modos que em outros Largura de Banda para VCSEL: Medida pelo EMB Diferentes VCSELs injetam diferentes modos de propagação na fibra, o que pode afetar o espalhamento do pulso (largura de banda) Fonte: OFS, Tony Irujo para BICSI

17 LED até 622 Mbps Preenche todo o núcleo Excita todos os modos BW depende de todos os modos Perfil uniforme e consistente VCSEL 1Gbps e 10 Gbps Preenche pontos do núcleo Excita poucos modos BW depende dos modos que carregam potência Flutuante, não-uniforme

18 Designação das Fibras Multimodo Laser Bandwidth Overfilled Bandwidth Overfilled Bandwidth Designação 850nm 850nm 1300nm (MHz-km) (MHz-km) (MHz-km) OM1 (62.5/125) OM2 (50/125) OM3 (Laser Optimized) OM4 (Laser Optimized) NA NA Perfil de Índice de Refração extremamente preciso Desde a fabricação da preforma: colocação de dopante com precisão (abaixo de mícron) camada por camada do núcleo da fibra

19 10, 40, & 100 Gb/s Transceiver Designation 10GBase-SR (10 Gb/s) 10GBase-LX4 (10 Gb/s) 10GBase-LRM (10 Gb/s) 40GBase-SR4 (40 Gb/s) 100GBase-SR10 (100Gb/s) Matriz de Aplicação da Fibras Wavelength 850 nm Serial VCSEL 1300 nm CWDM Laser 1300 nm serial Laser/EDC 850 nm Parallel VCSEL Array 850 nm Parallel VCSEL Array 62.5 um (OM1) Std 50 um (OM2) LO 50 um (OM3) LO 50 um (OM4) SM (OS1) NA , NA NA NA NA NA NA NA 1 Necessita de cordão de condicionamento de modo 2 Inclui a perda estimada de 1.0dB em perdas nos conectores

20 A Padronização da Fibra Multimodo OM4 TIA TIA-492AAAD IEC IEC , Fiber Type A1a.3 Harmonizada com a TIA-492AAAD

21 LaserWave Flex

22 LaserWave FLEX Fiber Mode Power Distribution with 850nm LED Launch Standard OM3 Fiber LaserWave FLEX Fiber No Bend 5.5 turns 15mm diameter 5.5 turns 10mm diameter Preserva a potência do sinal óptico em curvaturas agressivas!

23 Benefícios da fibra LaserWave FLEX Maior benefício hoje: cordões ópticos, principalmente em instalações grandes e densas, onde o gerenciamento de fibras pode se tornar complicado. Lembre-se Fibras bend-optimized NÃO substituem práticas apropriadas de instalação.

24 Cabos e cordões com terminação MPO

25 CONECTOR MPO MULTI-FIBER PUSH ON (MPO) é um conector óptico para várias fibras (4, 8, 12, 24, 36, 72) Possui aproximadamente o mesmo dimensional do conector SC Simplex, porém com capacidade de atender 6 canais ópticos tornando-o adequado para ambientes de alta densidade Permite conexões rápidas e sem emenda por fusão

26 CONECTOR MPO - HISTÓRIA Em 1982, a Furukawa Electric Co, Fujikura, Sumitomo e a operadora de telecomunicações NTT iniciaram conjuntamente, no Japão, o desenvolvimento de ferrolhos multi-fibras, conhecidos comercialmente como MT, sendo o MPO lançado comercialmente quase 10 anos depois, em 1991 Embora seja um produto desenvolvido há muito tempo o mercado de cabeamento estruturado só sentiu a necessidade de utilizar esta tecnologia nos dias de hoje com a crescente demanda de densidade e altas taxas de transmissão.

27 Sistemas Pré-Conectorizados Cabos Pré-conectorizados Cassetes e Fan-outs Distribuidores Ópticos

28 STORAGE MDA EDA HDA

29 Canal MPO - Topologia Distribuidos Interno Óptico Cordão Óptico MPO Cassete MPO Cabo Óptico Pré-Conectorizado MPO Cordão Fanout MPO Cordão Óptico

30 Sistema TeraLan HDMPO Cabo Pré-Conectorizado HDMPO Benefícios Construção tipo Tight : 12F, 36F Construção tipo Ribbon fiber : 48F, 72F Fibras Ópticas: Monomodo (G.652D): 9/125 m Multimodo (OM3/OM4): 50/125 m Classe de Flamabilidade: LSZH Excede os requisitos de performance previstos na norma EIA/TIA-568-C.3; Suporta normas IEEE 802.3ae (10 Gigabit Ethernet) e ANSI T11.2 (Fibre Channel); Alta performance em perda de inserção e perda de retorno; Conformidade com TIA e IEC

31 Sistema TeraLan HDMPO Cassete HDMPO Benefícios Módulo para 12 fibras (LC Duplex / SC) Módulo para 24 fibras (LC Duplex) Fibras Ópticas: Monomodo (G.652D): 9/125 m Multimodo (OM3 e OM4): 50/125 m Polimento: SPC(MM)/APC(SM) Outras configurações sob consulta Excede os requisitos de performance previstos na norma EIA/TIA-568-C.3; Suporta aplicações segundo normas IEEE 802.3ae (10 Gigabit Ethernet) e ANSI T11.2 (Fibre Channel); Alta performance em perda de inserção e perda de retorno; Montado e testado 100% em fábrica; Conformidade com TIA e IEC

32 Sistema TeraLan HDMPO Cordão Óptico Fanout HDMPO Construção híbrida tipo ribbon fiber para tight Configurações: 12F Fibras Ópticas: Monomodo (G.652D): 9/125 m Multimodo (OM3 e OM4): 50/125 m Conectores ópticos: MPO(m) - LC ou SC Benefícios Excede os requisitos de performance previstos na norma EIA/TIA-568-C.3; Suporta normas IEEE 802.3ae (10 Gigabit Ethernet) e ANSI T11.2 (Fibre Channel); Alta performance em perda de inserção e perda de retorno; Conformidade com TIA e IEC

33 Cordão Óptico HDMPO Sistema TeraLan HDMPO Construção tipo ribbon fiber Configurações: 12F Fibras Ópticas: Monomodo (G.652D): 9/125 m Multimodo (OM3/OM4): 50/125 m Conectores ópticos: MPO(f) MPO(f) Benefícios Excede os requisitos de performance previstos na norma EIA/TIA-568-C.3; Suporta normas IEEE 802.3ae (10 Gigabit Ethernet) e ANSI T11.2 (Fibre Channel); Alta performance em perda de inserção e perda de retorno; Conformidade com TIA e IEC

34 Vantagens de Utilizar o Sistema HDMPO Alta densidade maior quantidade de fibras em um menor espaço físico, reduzindo a necessidade de infra-estrutura Produtos Terminados e testados em fábrica, o que proporciona uma maior confiabilidade do canal Agilidade e economia na instalação Desempenho elevado do sistema Mantém a vanguarda Tecnologia da instalação. future proof Facilidade de manobra e manutenção; Disponível para Fibras SM (G.652D) / Fibras MM OM3 e OM4

35 Considerações Adicionais

36 Consumo de Energia 10Gb/s Ethernet Cobre 10GBaseT 4-10 Watts Fibra MM 10GBaseSR 1 Watt Adicionando a carga do resfriamento Para cada Watt de potência usado por um transmisso, um Watt adicional é consumido para refrigeração! Considerações Ecológicas! Power Consumption Kilowatts with Cooling Power Consumption 22 Kilowatts Fiber 12 Copper Fiber (4 watts) 12 Copper (10 (4 watts) 10 Copper (10 watts) # units

37 Implicações de Custo (100 G) Cobre OM3 OM4 SM Distância 7 m 100m 150m 10 km Transceiver CAPEX Cabeamento CAPEX Consumo de energia 50 w 5 w 5 w 2 w OPEX

38 Conclusões Data centers estão migrando do cobre para fibra Cobre tende a ficar mais caro e mais restrito em desempenho Fibra consome menos energia As fibras Multimodo OM3 e OM4 Multimode serão essenciais para transmissão em Gb/s nos data centers Haverá uma migração para a transmissão em paralelo sobre fibras multimodo, com conectores MPO OM4 está sendo bem aceita e agora está normatizada Temos a fibra multimodo LaserWave FLEX disponível!

39 DÚVIDAS?

40 Eng. Sergio R. Scarpin OBRIGADO!

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Conteúdo Cabos Ópticos Aplicação LAN Cabos Ópticos Aplicação Lan - Linha FCS Acessórios Ópticos - Aplicação Lan - Linha FCS Recomendação De Instalação

Leia mais

O Data Center Óptico. Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro. Flávio R. Marques. Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com.

O Data Center Óptico. Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro. Flávio R. Marques. Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com. O Data Center Óptico Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro Flávio R. Marques Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com.br Sobre o que conversamos em 2013 O Data Center é uma matriz

Leia mais

Data Center Novas Tendências. Florianópolis 10 de outubro de 2013

Data Center Novas Tendências. Florianópolis 10 de outubro de 2013 Data Center Novas Tendências Florianópolis 10 de outubro de 2013 Está tudo crescendo tão rápido que tenho dúvidas se a infraestrutura de cabeamento do meu DC é capaz de suportar as novas velocidades de

Leia mais

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com conectores

Leia mais

Potencial de largura de banda de fibras multimodo

Potencial de largura de banda de fibras multimodo REDES ÓPTICAS Potencial de largura de banda de fibras multimodo 124 RTI SET 2007 O minembc é um processo de medição de largura de banda de fibras ópticas otimizadas a laser, que, segundo o autor, é o modo

Leia mais

Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências

Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências Dr. Paulo Sérgio Marin, EE/BSc, MSc. Engenheiro Eletricista Infraestrutura de TI, Telecom & Missão Crítica São Paulo, 20 de agosto

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS Conectividade 6A Linha de Bandejas Ópticas HDX Linha de Racks ITMAX Linha de Racks Fechados Acessórios de Organização Produtos de alta densidade FTP UTP Descarregado Azul/Branco/Bege

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos Agenda Redes atuais para 40 Gbit/s Ethernet Next Generation Cabling: 40GBASE-T Category 8 - Cabos e Conectores

Leia mais

1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5. 1.1 Protocolos...6. 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8. 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9

1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5. 1.1 Protocolos...6. 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8. 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9 Sumário 1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5 1.1 Protocolos...6 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9 1.4 Performance do Cobre...10 1.5 Vantagens da Aplicação em Fibra

Leia mais

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia Soluções Furukawa para Data Center Seja qual for a aplicação utilizada em seu Data Center, a Furukawa oferece soluções metálicas e ópticas e de infraestrutura para que você se preocupe somente com o seu

Leia mais

RapidNet. Categoria 6 CM/UTP RapidNet 6 Vias 46

RapidNet. Categoria 6 CM/UTP RapidNet 6 Vias 46 RapidNet Página Soluções de Cabos de Cobre e Fibra RapidNet a melhor solução para Data Centers 44 Aplicação 44 Benefícios 44 Disponibilidade do Produto em Cobre 45 Disponibilidade do Produto em FO 45 Categoria

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

www.commscope.com CommScope Soluções de fibra

www.commscope.com CommScope Soluções de fibra CommScope Soluções de fibra A confiabilidade da rede: fundamental para o sucesso do negócio O Gigabit Ethernet já encontrou o seu lugar nos desktops dos funcionários. Os departamentos de TI inteligentes

Leia mais

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER DATA CENTER A Furukawa apresenta a solução ITMAX para Data Center, com produtos especialmente desenvolvidos para atender este mercado que requer componentes de alta performance.

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

Normalização Conceitos & Atualização

Normalização Conceitos & Atualização Normalização Conceitos & Atualização Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista marin@paulomarin.com São Paulo 17/10/2013 Minhas Credenciais Prof. Dr. Paulo Marin, Engº. Estudos de pós-doutorado

Leia mais

Por que fibras multimodo otimizadas para laser?

Por que fibras multimodo otimizadas para laser? CABEAMENTO ÓPTICO 36 RTI ABR 2007 Por que fibras multimodo otimizadas para laser? Merrion Edwards e Jean-Marie Fromenteau O desenvolvimento de redes industriais modernas e redes locais (LANs) gerou a exigência

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5. 1.1 Protocolos...6. 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8. 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9

1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5. 1.1 Protocolos...6. 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8. 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9 Sumário 1. Conceitos e Tipos de Data Center... 5 1.1 Protocolos...6 1.2 Fibra Óptica x Cobre...8 1.3 Performance das Fibras Ópticas...9 1.4 Performance do Cobre...10 1.5 Vantagens da Aplicação em Fibra

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco

Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco White Paper Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco Resumo Como resultado da consolidação do data center, da virtualização do servidor e de novos aplicativos que exigem

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho s Ópticas (TIA/EIA-) Características, Emendas e Testes de Desempenho Edson dos Santos Moreira Professor do Dep. de Sistemas de Computação Dagoberto Carvalio Junior Seção Técnica de Informática ICMC CCNA-CCAI-CCNP-FCP

Leia mais

Fibras ópticas na era Gigabit

Fibras ópticas na era Gigabit Fibras ópticas na era Gigabit Engº º Eduardo Miqueleti - Gte de Vendas e Marketing Engº º Nilson Ramos - Coordenador Geral de Vendas Nexans Brasil S.A. eduardo.miqueleti@nexans.com.br nilson.ramos@nexans.com.br

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO STI RV 08-2013 Início Empresa Mercado Logística Desenvolvimento Qualidade Clientes Soluções responsabilidade socioambiental treinamento pioneirismo presença mundial Há mais

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

Como ofertar e projetar uma solução compacta Laserway PABLO DE CNOP GRANADO LOPES

Como ofertar e projetar uma solução compacta Laserway PABLO DE CNOP GRANADO LOPES Como ofertar e projetar uma solução compacta Laserway PABLO DE CNOP GRANADO LOPES CONCEITOS BÁSICOS A solução Laserway é baseada em uma rede multiserviços que utiliza o método de transmissão GPON, amplamente

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Fibras Óticas Enquanto

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações:

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS

TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS WE RE WELL CONNECTED TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS DIAMOND SA / 11-06 / 1 Eduardo Meirelles eduardo.meirelles@diamond-brasil.com.br DIAMOND WORLDWIDE Atividades de desenvolvimento, fabricação e comercialização

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas:

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas: P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS Redes Ópticas Passivas Rodovias Sistemas de ITS Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones e Redes de Acesso Arquitetura Rede de Acesso PON para Operadoras & ISP TECNOLOGIA PON Padronização ITU & IEEE ITU-T

Leia mais

Cabo de Fibra Óptica. IFPR Instituto Federal do Paraná. REDES DE COMPUTADORES TI - Técnico em Informática

Cabo de Fibra Óptica. IFPR Instituto Federal do Paraná. REDES DE COMPUTADORES TI - Técnico em Informática IFPR Instituto Federal do Paraná REDES DE COMPUTADORES TI - Cabo de Fibra Óptica Prof. Luis Claudio luis.lima.ifpr.2012@gmail.com 14 de Maio de 2012 Redes de Computadores 2 Cabo de Fibra Ótica - Surgimento

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera José Roberto B. Gimenez Roteiro da Apresentação Tecnologia DWDM A rede Kyatera SC09 Bandwidth Challenge Conclusão Formas de Multiplexação em FO TDM Time Division

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CABEAMENTO EM DATA CENTERS

DIMENSIONAMENTO DE CABEAMENTO EM DATA CENTERS REDES CORPORATIVAS MEMÓRIAS DE AULA AULA DIMENSIONAMENTO DE CABEAMENTO EM DATA CENTERS Prof. José Wagner Bungart DIMENSIONAMENTO DE CABEAMENTO O dimensionamento de infraestrutura de cabeamento em Data

Leia mais

Acessorios de Fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:32 Page 67

Acessorios de Fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:32 Page 67 Acessorios de Fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:32 Page 67 Acessórios de Fibra Óptica Acessorios de Fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:32 Page 68 Adaptadores de Fibra Óptica Adaptador de Fibra Óptica

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Roberto Wendhausem Magalhães descreve os passos corretos para o sucesso na realização de vendas técnicas (pág.41)

Roberto Wendhausem Magalhães descreve os passos corretos para o sucesso na realização de vendas técnicas (pág.41) Ano 1 Número 11 2013 FIBRAS E CABOS ÓPTICOS PARA REDES INDUSTRIAIS Requisitos e parâmetros para aplicação industrial, petrolífera e sensoriamento FIRE Estruturas de aço de edifícios industriais em situação

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

Caixa Dio Completa (carregada com Kit Dio, adaptadores e pigtail )

Caixa Dio Completa (carregada com Kit Dio, adaptadores e pigtail ) Caixa Dio Completa (carregada com Kit Dio, adaptadores e pigtail ) 24 Fibras, 48 Fibras ou 72 Fibras(SM ou MM) Esta caixa DIO completa permite ao usuário configurar o DIO de 1U de acordo com a sua necessidade.

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional

Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional O conector MPO Plus oferece até 24 vezes mais densidade que os conectores padrão proporcionando uma poupança significativa de custo

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado. Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista

Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado. Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista O que você vai aprender? Retrospectiva histórica dos desenvolvimentos em cabeamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Modelo OSI - A Camada Física

Modelo OSI - A Camada Física Modelo OSI - A Camada Física Prof. Gil Pinheiro 1 Detalhes da Camada Física Meio físico Sinalização Analógica x Digital Comunicação Paralela x Serial Modos de Transmissão (Simplex, Half- Duplex, Full Duplex)

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é uma Rede de Computadores? Conjunto de módulos de processamento interconectados

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS

ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS ATA ESTADUAL Tribunal de Justiça de MG SWITCH CHASSI, MÓDULOS e TRANSCEIVERS Validade: 23 / 05 /2013 Pregão: 026/2012 SWITCHES CHASSI - 7 itens - Validade: 23 / 05 /

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007 CEEE-GT COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES MANUTENÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS PORTO ALEGRE, 2007 Extensão da Rede Óptica Total de

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta por dois itens principais: Extensão Óptica: cabo óptico monofibra

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Saul Silva Caetano São José - SC, versão 2011 1) Índice de Figuras Figura 1: Sinal formado por duas senoides...5 Figura 2: BW de um sinal...5 Figura 3: BW do sinal de TV analógico...6

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI: 01 02 03 04 SEGURANÇA LAN SWITCHING GERÊNCIA DE REDE SERVIÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Soluções desta ATA de Registro de Preços: SEGURANÇA LAN

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Família do Produto Construção TeraLan Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras

Leia mais

FIBRAS ÓPTICAS ESPECIAIS PARA APLICAÇÃO EM REDES FTTH. Slide: 1

FIBRAS ÓPTICAS ESPECIAIS PARA APLICAÇÃO EM REDES FTTH. Slide: 1 FIBRAS ÓPTICAS ESPECIAIS PARA APLICAÇÃO EM REDES FTTH Slide: 1 Agenda 1. Evolução na demanda por Banda Larga 2. Conceitos de Rede Óptica Passiva (PON) 3. Infra-estrutura da Rede Óptica Passiva 4. Fibras

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 Apresentação A PONTO DA REDE iniciou suas atividades em setembro de 1997, com sede em Salvador-Bahia, onde dispomos de um grande estoque para pronta entrega. Atuamos nos mercados

Leia mais