NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1 ARTIGO NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE 67

2 As autoras ¹Thamires Moraes Brito Macedo Acadêmica do curso de Nutrição da Unisulma ²Gracilene Schmourlo Bioquímica, professora do curso de Nutrição da Unisulma ³Kátia Danielle Araújo Lourenço Viana Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal da Paraíba

3 A alimentação tem desempenhado um papel fundamental na prevenção e possível cura de algumas doenças da pós-modernidade. Frente a essa sociedade que suporta um grande número de patologias relacionadas à alimentação, vê-se a necessidade de se trabalhar uma alimentação que previna tais transtornos. As fibras alimentares, como alimento funcional, têm tido relevância nesse aspecto, uma vez que atuam diretamente na prevenção de doenças. Elas atualmente são foco de grande atenção devido aos inúmeros distúrbios metabólicos e doenças crônicas não transmissíveis geradas pelo mau hábito alimentar enfrentados pela sociedade atual. Elas têm sido apontadas como substâncias preventivas de doenças, evitando ou minimizando os efeitos dos alimentos industrializados ou daqueles sem propriedades benéficas ao organismo, promovendo uma melhor qualidade alimentar e, consequentemente, uma melhor qualidade de vida. A fibra alimentar (FA) desempenha papel regulador e remissivo nos distúrbios do trato gastrointestinal (TGI), além de evitar prisão de ventre. Distúrbios esses gerados por modificações dietéticas, principalmente pela diminuição, na dieta, de alimentos ricos em fibras. Estudos mostram que a ocidentalização propiciou o aumento dessas moléstias, já que a alimentação ocidental é pobre em fibras e rica em alimentos refinados. FIBRA ALIMENTAR COMO MECANISMO PREVENTIVO DE DOENÇAS CRÔNICAS... Dentre muitas doenças que assolam a sociedade moderna, temse a constipação intestinal, fruto principalmente da má alimentação, que tem cada vez mais se intensificado entre homens e mulheres. Apesar de o universo feminino sofrer, visivelmente, mais de constipação, a grande maioria da sociedade, constituída por trabalhadores e estudantes que passam a maior parte do seu tempo fora de casa, atualmente apresenta distúrbios relacionados à constipação (JAIME et al., 2009). Nas doenças crônicas não transmissíveis pós-modernas mais comuns, como o diabetes mellitus, a obesidade, as doenças cardiovasculares e o câncer, o efeito benéfico causado pela fibra Revista UNI Imperatriz (MA) ano 2 n.2 p janeiro/julho

4 tem gerado aprovação em seu uso para fins preventivos e terapêuticos, uma vez que tem efeito hipocolesterolêmico frente à gordura e efeito hipoglicemiante, beneficiando os diabéticos; além de prevenir o câncer de intestino, pela diminuição do contato das fezes com a mucosa intestinal, e consequentemente o contato com carcinógenos e, de um modo geral, promover o desenvolvimento da mucosa intestinal (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). O objetivo da presente revisão é apresentar os benefícios da fibra alimentar como mecanismo preventivo de doenças crônicas não transmissíveis e de distúrbios metabólicos. THAMIRES M. BRITO MACEDO, GRACILENE SCHMOURLO, KÁTIA D. A. LOURENÇO VIANA A fibra alimentar nada mais é do que a parede celular dos vegetais, que não é digerida pelo organismo humano, por não possuir enzima específica. É geralmente um carboidrato exceto a lignina e atua com propriedades funcionais no organismo humano (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). A American Association Cereal Chemistry (2001 apud OLIVEIRA e MARCHINI, 2008) define que fibra da dieta é a parte comestível das plantas ou carboidratos análogos que são resistentes à digestão e à absorção no intestino delgado de humanos, com fermentação completa ou parcial no intestino grosso. A fibra da dieta inclui polissacarídeo, oligossacarídeos, lignina e substâncias associadas às plantas. A fibra da dieta promove efeitos fisiológicos, benéficos, incluindo laxação, atenuação do colesterol no sangue e/ou atenuação da glicose no sangue. Já Waitzberg (2006) define, de forma mais simples, fibra alimentar como todos os polissacarídeos vegetais da dieta (celulose, hemicelulose, pectinas, gomas e mucilagens), mais a lignina, que não são hidrolisados pelas enzimas do trato digestivo humano. Recentemente, o conceito de fibra foi estruturado de forma a incluir substâncias semelhantes a elas, como a inulina, frutooligossacarídeos (FOS ) e o amido-resistente, que por alguns são considerados prebióticos (CUKIER et al., 2005). 70 NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

5 Estudos recentes mostram que a fibra alimentar tem sido aliada na terapia de doenças, sendo assim considerada modernamente como alimento funcional. Intitula-se a fibra dietética como alimento funcional porque desempenha no organismo funções importantes, como intervir no metabolismo dos lipídeos e carboidratos e na fisiologia do trato gastrointestinal, além de assegurar uma absorção mais lenta dos nutrientes e promover a sensação de saciedade (CUKIER et al., 2005, p. 142). A fibra é de grande relevância para a comunidade em geral, sendo facilmente encontrada em grãos como soja, aveia e em cascas dos alimentos em geral. De acordo com diversos autores, as fibras dietéticas têm diversas formas de classificação. Salinas (2002) classifica-as em quatro grupos distintos, conforme a digestibilidade que elas desenvolvem no tubo digestivo humano. Segundo ele, o grupo I corresponde às fibras não digeríveis, pertencendo a este grupo a celulose e a lignina; grupo II engloba as semidigeríveis, grupo das hemiceluloses; o grupo III é o das fibras que retardam a digestão, composta da pectina e da goma-guar; e o grupo VI são fibras viscosas de efeito ainda não determinado. Schneeman (1986 apud Salinas, 2002) classifica as fibras segundo o papel que elas cumprem nos vegetais: I) polissacarídeos estruturais (celulose, hemicelulose, pectina e amido resistente); II) não polissacarídeos estruturais (lignina e outras substâncias); III) polissacarídeos não estruturais (gomas e mucilagens). FIBRA ALIMENTAR COMO MECANISMO PREVENTIVO DE DOENÇAS CRÔNICAS... Porém, em nossa prática cotidiana podemos visualizar duas formas diferentes de fibra dietética, devido a sua solubilidade em água: fibra solúvel e insolúvel. As fibras solúveis são encontradas mais frequentemente no interior da fruta ou do grão, ao contrário da fibra insolúvel que está presente principalmente na casca e entrecasca dos alimentos. Revista UNI Imperatriz (MA) ano 2 n.2 p janeiro/julho

6 Algumas fibras solúveis são pectinas, gomas, mucilagens e hemicelulose tipo A. Caracterizam-se por formarem um gel, em contato com a água, geleificando-se a mistura (CUKIER et al., 2005). São facilmente fermentadas no cólon pelas bactérias da flora banal. Como resultado da fermentação colônica, têm-se os Ácidos Graxos de Cadeia Curta (AGCC) e gases (CO 2, H 2 e CH 4 ), que são obtidos pela fermentação de fibras e amido, principalmente, no cólon. Uma vez formados, esses são rapidamente absorvidos no jejuno, íleo, cólon e reto (ROYALL et al., 1990 apud WATZBERG, 2006). Dentre os AGCC mais abundantes estão o acetato, seguido do propionato e do butirato (WATZBERG, 2006). THAMIRES M. BRITO MACEDO, GRACILENE SCHMOURLO, KÁTIA D. A. LOURENÇO VIANA Os AGCC são responsáveis pelo fornecimento de energia ao hospedeiro, o que é benéfico em caso de má absorção; pela modulação da motilidade gastrointestinal; pelo estímulo do desenvolvimento das células epiteliais do íleo e do cólon; pela possível proteção contra o câncer do cólon; e pelos efeitos benéficos sobre a homeostase da glicose e metabolismo dos lipídeos (CUKIER et al., 2005). A fibra solúvel também atua intensamente no retardamento do esvaziamento gástrico e no trânsito do intestino delgado, aumenta o volume e a maciez das fezes (pelo seu efeito de geleificação), reduz a diarreia, diminui o potencial hidrogeniônico (ph) do cólon, aumenta a tolerância à glicose por diminuir e retardar o contato do bolo fecal com a superfície da mucosa e diminui os níveis elevados de colesterol total e de LDL - colesterol, pelo seu efeito esponja, capturando assim os lipídeos e eliminando juntamente com as fezes (CUKIER et al., 2005). A fibra alimentar insolúvel compreende a parte mais externa e resistente dos vegetais, ou seja, constitui elemento estrutural da parede celular dos vegetais. Também é a parte da fibra que é pouco fermentável e capta pouca água, formando misturas de pouca viscosidade. É a parte da fibra responsável por aumentar o volume das fezes, o que irá provocar uma eliminação pelo organismo, diminuindo o risco de doenças intestinais. Por aumentar a massa e maciez fecal, apresenta um efeito mecânico 72 NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

7 no trato gastrointestinal, reduzindo consideravelmente a constipação (CUKIER et al., 2005). A FAI é constituída pela celulose, hemicelulose tipo B e, principalmente, lignina. Esta é a mais hidrofóbica e, à medida que a planta amadurece, vai se tornando mais rica em lignina e perdendo seu conteúdo em água (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). Existem autores que intitulam a FAI como antioxidante por sua capacidade de excreção de algumas substâncias. Ela aumenta a excreção de moléculas de colesterol através dos ácidos biliares nas fezes. Aumenta também a excreção de alguns minerais como o zinco, cálcio, ferro e magnésio por ter efeito competidor com esses minerais, daí a necessidade de controlar a ingestão de fibras a fim de prevenir essa competição na absorção de nutrientes (CUKIER et al., 2005). Segundo a American Dietetic Association (ADA) apud Cukier et al. (2005), a ingestão recomendada é de 20-35g de fibras ao dia para adultos e 5g ao dia para crianças. A constipação pode ocorrer em qualquer idade e vai desde fezes duras, esforço para defecar e ausência/diminuição de movimentos intestinais até fezes diárias com menos de 35g, defecações inferiores a três vezes por semana ou espaço de três dias ou mais sem defecar (MAHAN; ESCOTT-STUMP, 2005). Apesar de haver conceitos subjetivos e objetivos a respeito de constipação, o mais apropriado para se identificar tal patologia ainda é baseado nesses estados acima citados. FIBRA ALIMENTAR COMO MECANISMO PREVENTIVO DE DOENÇAS CRÔNICAS... Com exceção de períodos fisiológicos especiais, como na gestação e no envelhecimento, a constipação na fase adulta não é considerada como normalidade, a não ser por algum distúrbio secundário. Na gestação há um aumento do hormônio progesterona, que leva ao relaxamento da musculatura do útero provocando uma pressão sobre os intestinos, o que irá diminuir os estímulos contráteis do intestino e, consequentemente, Revista UNI Imperatriz (MA) ano 2 n.2 p janeiro/julho

8 também aumentar a absorção de água gerando constipação na gestante. No envelhecimento, a musculatura do intestino torna-se mais flácida, ocasionando diminuição dos movimentos peristálticos. THAMIRES M. BRITO MACEDO, GRACILENE SCHMOURLO, KÁTIA D. A. LOURENÇO VIANA Apesar de não ser normal a constipação em adultos, nota-se um aumento gradual e constante dessa patologia. Em suas diretrizes, a American Gastroenterological Association define constipação como frequência de eliminação de fezes menor que três vezes por semana, sensação de esvaziamento retal incompleto, fezes endurecidas, esforço para eliminar fezes e necessidade de toque para esvaziamento retal. Estes critérios, conhecidos como critérios de Roma, são pouco práticos e, por consequência, pouco aplicáveis a pacientes graves (AZEVEDO, 2009). A ausência de fibra na alimentação é apontada como uma das principais causas da constipação intestinal. A FA, por ajudar a estimular movimentos peristálticos, tem se tornado uma aliada na prevenção da constipação. Além da ausência de fibra alimentar no organismo, outras razões para a constipação podem ser: falta de exercício físico, uso progressivo de laxantes, pouca ingestão hídrica, além de doenças sistêmicas e gastrintestinais (MAHAN; ESCOTT-STUMP, 2005). Mediante todos os efeitos da FA no organismo, seu papel como alimento funcional preventivo de várias doenças tem despertado interesse científico na comprovação de sua atuação (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). No que tange ao diabetes mellitus, a fibra atua de forma positiva ao diminuir os níveis glicêmicos, além de a ingestão de fibras também prevenir o aparecimento do diabetes. A terapia nutricional no diabetes mellitus é parte fundamental do cuidado terapêutico (CUPPARI, 2005). O diabetes mellitus é uma síndrome de etiologia múltipla, decorrente da falta de insulina e/ ou da incapacidade da insulina de exercer adequadamente seus 74 NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

9 efeitos no organismo. Na composição do plano alimentar para diabetes mellitus, procura-se dar preferência aos carboidratos complexos e ricos em fibras. A fibra alimentar age beneficamente no diabetes mellitus porque os alimentos com elevado teor de fibras têm geralmente a absorção mais lenta, devido ao retardamento do esvaziamento gástrico (efeito fisiológico da fibra), evitando assim picos glicêmicos. O menor contato da glicose com a mucosa do intestino também é fator desencadeante para isso, devido à competição na hora da absorção dos nutrientes (OLIVEIRA; MARCHINi, 2008). Uma evolução positiva na prevalência da obesidade vem sendo observada em homens e mulheres (SARTORELLI; FRANCO, 2003). A obesidade também pode ser vista como um sinal de falta de fibras na dieta. Estudos têm apontado que a grande ingestão de fibra, aliada à atividade física, diminui o risco de obesidade. Isso se dá devido ao estímulo à perda de peso, aliado a uma alimentação equilibrada, além do fato de que alimentos que têm FA geralmente proporcionam baixo índice glicêmico devido à concentração de carboidratos não disponíveis, o que proporciona baixa resposta glicêmica pós-prandial. Não se pode esquecer também de que certas fibras têm a capacidade de diminuir a absorção de colesterol (LDL - colesterol) e triglicérides, diminuindo os níveis de gordura no sangue (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). As doenças cardiovasculares originam-se, principalmente, devido à grande ingestão de gorduras e estão intimamente ligadas à obesidade. Dessa forma, os mecanismos das fibras que agem nas doenças cardiovasculares também estão associados aos mecanismos que agem na obesidade. FIBRA ALIMENTAR COMO MECANISMO PREVENTIVO DE DOENÇAS CRÔNICAS... No caso do câncer, existem várias hipóteses que substanciam o aparecimento de câncer e o consumo precário de fibra, como a produção de AGCC e a acidificação do ceco, resultado da fermentação, podem diminuir o risco de câncer coloretal. A fermentação também age pela produção de ácidos voláteis que diminuem o ph, além do ácido butírico produzido poder inibir o crescimento e a proliferação de células cancerígenas (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). Revista UNI Imperatriz (MA) ano 2 n.2 p janeiro/julho

10 A alta exposição da mucosa às fezes pode também aumentar a exposição a fatores cancerígenos. A ingestão adequada de fibras pode prevenir esse problema por aumentar o volume fecal e reduzir o tempo de trânsito intestinal (OLIVEIRA; MARCHINI, 2008). Acredita-se que as fibras diminuam o risco de câncer porque as fibras insolúveis movem o alimento mais rápido pelo trato gastrointestinal e este decréscimo no tempo de trânsito do alimento diminui a quantidade de tempo em que carcinógenos estão em contato com a mucosa gastrointestinal (PECKENPAUGH; POLEMAN, 2007). THAMIRES M. BRITO MACEDO, GRACILENE SCHMOURLO, KÁTIA D. A. LOURENÇO VIANA Nos demais casos de doenças do TGI, como o megacólon e a diverticulose, a falta de fibra em geral é que ocasiona a enfermidade. A diverticulose, por exemplo, é uma doença de maior prevalência em países onde a dieta com baixo teor em fibra faz parte do padrão alimentar. Quando as fibras alimentares estão ausentes na alimentação, como acontece nas dietas à base de carboidratos refinados e proteínas, a pressão dentro do intestino aumenta e facilita a herniação. Isso também é crescente onde a ocidentalização da dieta e ingestão aumentada de alimentos refinados é frequente (SALINAS, 2002; CARUSO et al., 2005). Em geral, a doença diverticular é: primeiro, relativamente rara em países onde a dieta de alto teor de fibra é parte do padrão de vida; e segundo, crescente onde a ocidentalização da dieta e ingestão aumentada de alimentos refinados da dieta começaram (MAHAN; ESCOTT-STUMP, 2005). São inegáveis os benefícios que a FA, associada à dieta, desempenha na saúde humana. A qualidade de vida tem sofrido mudanças importantes durante muitos anos, fruto do fato de que grande parte da população tem se mobilizado na busca por alcançá-la. Percebe-se que o espectro de ação da FA não se limita somente às funções fisiológicas e estruturais, mas atua de forma conjunta no organismo como um todo, participando efetivamente na prevenção de doenças crônicas e distúrbios metabólicos. 76 NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

11 Apesar de as fibras alimentares ainda serem objeto de constantes pesquisas, a ingestão adequada e suficiente mostra resultados positivos, que já são mais que comprobatórios para uma vida alimentar saudável. Portanto, faz-se imprescindível usar dos benefícios promovidos pela FA no trato gastrointestinal e tentar inseri-la no manejo terapêutico do nutricionista. AZEVEDO, Rodrigo Palácio de et al. Constipação intestinal em terapia intensiva. Revista brasileira de terapia intensiva, São Paulo, v.21, n.3, jul./ago Disponível em: Acesso em 13 de março de CARUSO, Lúcia et al. Dietas Hospitalares: uma abordagem na prática clínica. São Paulo: Atheneu, CUPPARI, Lilian. Nutrição: Nutrição clínica no adulto. 2ª ed. São Paulo: Manole, CUKIER, Celso et al. Nutrição baseada na fisiologia dos órgãos e sistemas. São Paulo: Sarvier, JAIME, Raquel Peixoto et al. Prevalência e fatores de risco da constipação intestinal em universitários de uma instituição particular de Goiânia, GO. Revista Inst. Ciênc. Saúde, n.27, ano Disponível em: bvs.br/upload/s/ /2009/v27n4/ a1637.pdf. Acesso em: 20 de fevereiro de MAHAN, L. Kathllen; ESCOTT-STUMP, Sylvia. Krause: alimento, nutrição e dietoterapia. 11ª ed. São Paulo: Roca, OLIVEIRA, J. E. Dutra de; MARCHINI, J. Sérgio. Ciências nutricionais: aprendendo a aprender. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, PECKENPAUGH, Nancy J.; POLEMAN, Charlote M. Nutrição: essência e dietoterapia. 7ª ed. São Paulo: Roca, SALINAS, Rolando D. Alimentos e nutrição: introdução à bromatologia. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, SARTORELLI, Daniela Saes; FRANCO, Laércio Joel. Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Caderno de Saúde Pública Rio de Janeiro, v. 19, ano Disponível em: scielo.br/pdf/csp/v19s1/a04v19s1.pdf. Acesso em: 10 de janeiro de SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Consenso brasileiro sobre diabetes 2002: diagnóstico e classificação do diabetes melito e tratamento do diabetes melito do tipo 2. Rio de Janeiro: Diagraphic, WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, v.1. FIBRA ALIMENTAR COMO MECANISMO PREVENTIVO DE DOENÇAS CRÔNICAS... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 2 n.2 p janeiro/julho

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

vida das populações cosmopolitas

vida das populações cosmopolitas 1 A importância das fibras naturais na qualidade de Flávio Antonio Quilici vida das populações cosmopolitas Futuro e passado dietético O papel das fibras naturais, também chamadas de dietéticas ou terapêuticas,

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR SOLÚVEL E INSOLÚVEL EM HAMBÚRGUER DE CARNE BOVINO COM REDUZIDO TEOR DE GORDURA RENATO SILVA LEAL 1, MARIA EMÍLIA DE SOUSA GOMES PIMENTA 2, LUCAS SILVERIA TAVARES 3, CARLOS

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2011-1 USO DE PREBIÓTICOS NA ABSORÇÃO DE FERRO EM CIRURGIA BARIÁTRICA Acadêmico: MAIA,

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Julia Hoçoya Sassaki

Julia Hoçoya Sassaki Certifico e dou fé, para os devidos fins, que nesta data me foi apresentado um documento em idioma japonês, com a seguinte identificação: ARTIGO, o qual traduzo para o vernáculo, no seguinte teor: Coletânea

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA I-IDENTIFICAÇÃO 1. CURSO: NUTRIÇÃO 2. DISCIPLINA: NUTRIÇÃO E METABOLISMO 3. SEMESTRE DO CURSO: 4º 4. PROFESSOR(A):

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

- LICITANTES DESABILITADOS -

- LICITANTES DESABILITADOS - - LICITANTES DESABILITADOS - NOME DO PROMOTOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACOAL EDITAL / PROCESSO: 0039-2012 / 1571/2012 PREGOEIRO RESPONSÁVEL: SILVIA DURAES GOMES OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA POSSÍVEL

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE É ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? Qualidade e quantidades adequadas de alimentos que proporcionam os nutrientes necessários ao organismo PRINCÍPIOS PIOS E CARACTERÍSTICAS Variada Colorida

Leia mais

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial.

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial. BIOLOGIA Prof. Hélder Telles AULA 03 1. (Fgv 2015) O pâncreas é uma glândula anfícrina, ou seja, com dupla função, desempenhando um papel junto ao sistema digestório na produção de enzimas, tais como amilases

Leia mais

Farmacoterapia da Obstipação

Farmacoterapia da Obstipação Farmacoterapia da Obstipação João Rocha Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS Obstipação Problema: Hipocondria utilização não-racional do medicamento 1 Obstipação

Leia mais

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS Crisliane de P. Branco 1 Aristides R. de Oliveira 2 Mariana Pina da Silva 3 RESUMO O presente trabalho, através de uma revisão bibliográfica, fala sobre alimentos funcionais

Leia mais

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER Angelita Habr-Gama Profª. de Cirurgia - FMUSP Membro Honorário American College of Surgeons American Surgical Associates European Surgical Association Manter o aparelho

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

3ªsérie B I O L O G I A

3ªsérie B I O L O G I A 3.1 QUESTÃO 1 Três consumidores, A, B e C, compraram, cada um deles, uma bebida em embalagem longa vida, adequada às suas respectivas dietas. As tabelas abaixo trazem informações nutricionais sobre cada

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

alores nutricionais dos citros

alores nutricionais dos citros itros de mesa: da produção à omercialização alores nutricionais dos citros ianca M. Chimenti Naves utricionista Clínica / Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São aulo rofessora

Leia mais

REF: Parecer sobre recursos Gabarito Oficial Concurso Público - Edital 01/2012.

REF: Parecer sobre recursos Gabarito Oficial Concurso Público - Edital 01/2012. CARGO: TELEFONISTA CANDIDATO: Danilo Carlos Silva Ribeiro Questão 17 Língua Portuguesa. O candidato alega que a questão está mal formulada. Recurso Improcedente O candidato apresentou, anexo à sua argumentação,

Leia mais

DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES

DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES Dossiê fibras alimentares DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES As fibras alimentares têm ocupado uma posição de destaque devido aos resultados divulgados em estudos científicos, antigos e recentes, que demonstram

Leia mais

Suco de batata inglesa para curar úlcera - MITO O suco de batata contém um fator antinutricional e não é recomendado por Vanderlí Marchiori,

Suco de batata inglesa para curar úlcera - MITO O suco de batata contém um fator antinutricional e não é recomendado por Vanderlí Marchiori, Mito ou verdade... A sabedoria popular indica diversos alimentos para o tratamento de doenças, mas nem sempre o que é passado de boca a boca está correto. "Esses mitos, de que certos alimentos curam alguma

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35 Manter a saúde, deixar a barriga sarada e aumentar a energia são benefícios que podem ser conquistados com a escolha correta dos alimentos. Alguns itens colaboram para ter ossos fortes, queimar gordura,

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H30 08H50 ABERTURA 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA 09H20 09H50 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE

FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE 10 FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE Daiane Cristina Hurtado¹, Caroline Maria Calliari² RESUMO As fibras alimentares vêm despertando renovado interesse de especialistas das áreas de nutrição

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS Prof. Dr. ALEXANDRE AUGUSTO de OLIVEIRA GOBESSO Departamento de Nutrição e Produção Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia/USP Campus de Pirassununga/SP gobesso.fmvz@usp.br

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: NUTRIÇÃO APLICADA AO PROCESSO SAÚDE DOENÇA Código: ENF 306 Pré-requisito:

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

MOTILIDADE INTESTINAL

MOTILIDADE INTESTINAL MOTILIDADE INTESTINAL I. INTESTINO DELGADO A. Movimentos peristálticos (propagados) B. Movimentos localizados (segmentários) II. INTESTINO GROSSO A. Movimento segmentário B. Propulsão segmentária C. GMC:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAIBUNA COMO REDUZIR A CELULITE Podemos descrever a celulite basicamente como uma inflamação das células, associadas com alterações na circulação. A obesidade pode, ou não, estar

Leia mais

RESUMO: O amido resistente pode ser encontrado na biomassa de banana verde

RESUMO: O amido resistente pode ser encontrado na biomassa de banana verde Artigo apresentado no V Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2013-1 EFEITOS DO AMIDO RESISTENTE DA BIOMASSA DE BANANA VERDE Natália Christina Rodrigues Machado 1 Roanne Capelle Sampaio 1 Orientador:

Leia mais

Granola Soft. Benefícios

Granola Soft. Benefícios Granola Soft A granola é um mix de cereais, castanhas e frutas secas que contêm vitaminas, proteínas, nutrientes, muitas fibras e outros componentes importantes para o equilíbrio do organismo e para controle

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 14. BOLO SETE GRÃOS Janaína Moreira do Carmo, Samira

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais

Dissertação O IMPACTO DO CONSUMO DE FARELO DE AVEIA NO PERFIL LIPIDÍCO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISLIPIDEMIA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO CRUZADO

Dissertação O IMPACTO DO CONSUMO DE FARELO DE AVEIA NO PERFIL LIPIDÍCO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISLIPIDEMIA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO CRUZADO I Dissertação O IMPACTO DO CONSUMO DE FARELO DE AVEIA NO PERFIL LIPIDÍCO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DISLIPIDEMIA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO CRUZADO Carina Leiria II INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO RIO

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INGESTA DE FIBRAS ALIMENTARES EM RATOS WISTAR FÊMEAS. RESUMO

AVALIAÇÃO DA INGESTA DE FIBRAS ALIMENTARES EM RATOS WISTAR FÊMEAS. RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA INGESTA DE FIBRAS ALIMENTARES EM RATOS WISTAR FÊMEAS. THOMAZINE, A.A. S 1, PEREIRA, F. M. 2 RESUMO As fibras alimentares podem ser classificadas por suas propriedades de solubilidade em

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

24 Alimentos para Combater a CELULITE

24 Alimentos para Combater a CELULITE 24 Alimentos para Combater a CELULITE Agradecimento e Informações Muito obrigado por baixar nosso guia com orientações sobre a prevenção e combate a celulite. Nosso objetivo é colaborar com a divulgação

Leia mais

Fibra Alimentar. Alessandra Carolina Munhoz do Amaral. Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN)

Fibra Alimentar. Alessandra Carolina Munhoz do Amaral. Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN) Fibra Alimentar Alessandra Carolina Munhoz do Amaral Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN) Pós Graduada em Administração Daniel Magnoni Médico Cardiologista e Nutrólogo Diretor

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável.

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável. Proteínas Sementes: linhaça, abóbora, girassol. Grãos: ervilhas, feijões, lentilhas, amendoins, grão de bico, soja, além de nozes, amêndoas, Castanha-do-pará, castanhas de caju. Cereais: trigo (pães, massa),

Leia mais

BIOFIBER. Farinha da casca da banana verde

BIOFIBER. Farinha da casca da banana verde Informações Técnicas BIOFIBER Farinha da casca da banana verde Nome Científico: Musa spp. Parte Utilizada: Casca do fruto. INTRODUÇÃO A banana é produzida na maioria dos países tropicais e é uma das frutas

Leia mais

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato Redução de peso, colesterol e glicemia. Reduz medidas pela queima de gordura ao mesmo tempo em que controla a dislipidemia, reduzindo o colesterol LDL e triglicérides

Leia mais

Memoria Final de Curso Volume II

Memoria Final de Curso Volume II Licenciatura em Ciências da Nutrição Memoria Final de Curso Volume II Elaborado por Christina Maria Ferreira Lopes Aluna nº 200891993 Orientadora: Prof. Suzana Paz Barcarena Fevereiro 2013 ÍNDICE DE ANEXOS

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

Menos calorias com alimentação termogenica

Menos calorias com alimentação termogenica Menos calorias com alimentação termogenica Eliane Petean Arena Nutricionista CRN Rua : Conselheiro Antonio Prado N: 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 ALIMENTOS TERMOGENICOS Todo alimento

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Maria Sylvia de Souza Vitalle (Texto extraído de Manual de atenção à saúde do adolescente. Secretaria da Saúde. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso

Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso Equilibra o seu metabolismo para a perda de peso PARA FICAR EM FORMA SEU ORGANISMO PRECISA DE EQUILÍBRIO NUTRICIONAL Descrição: Bis-glicinato de magnésio, bis-glicinato de zinco, picolinato de cromo, óxido

Leia mais

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade. C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Nutrição e Dietética Código: ODO-19 Pré-requisito:

Leia mais

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir.

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir. QUESTÃO 38 A Ingestão Dietética de Referência (IDR) é composta por 4 valores de referência correspondentes às estimativas quantitativas da ingestão de nutrientes e estabelecidos para serem utilizados na

Leia mais

Arroz integral e seus benefícios

Arroz integral e seus benefícios Emagrecimento & Dietas Este blog de emagrecimento foi criado como um espaço reflexivo para a publicação de textos, dicas e comentários sobre um conjunto variado de temas contemporâneos, a pensar em todos

Leia mais