Fibra Alimentar. Alessandra Carolina Munhoz do Amaral. Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fibra Alimentar. Alessandra Carolina Munhoz do Amaral. Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN)"

Transcrição

1 Fibra Alimentar Alessandra Carolina Munhoz do Amaral Nutricionista Clínica do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN) Pós Graduada em Administração Daniel Magnoni Médico Cardiologista e Nutrólogo Diretor do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN) Celso Cukier Médico Cirurgião do Aparelho Digestório e Nutrólogo Diretor do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN) 1

2 ÍNDICE Resumo 3 Introdução 4 Definição e características 5 Tipos de fibras e classificação 5 Fontes de fibras 12 Efeitos preventivos das fibras 15 Efeitos fisiológicos 15 Aplicações clínicas 17 Recomendações de ingestão de fibras 22 Referências bibliográficas 23 2

3 RESUMO Fibras são substâncias de origem vegetal, carboidratos (ou derivados dos mesmos) com exceção da lignina e que resistem à ação das enzimas digestivas humanas, chegando intactas ao cólon e aí são parcialmente hidrolisadas e fermentadas pela flora bacteriana colônica. Existem vários tipos de fibras: lignina, celulose, pectinas, gomas, mucilagens, frutooligossacarídeos (FOS), inulina e amido resistente, que são classificadas de acordo com sua solubilidade em água (solúveis e insolúveis), sua estrutura e o grau de fermentação. Vários trabalhos sobre as fibras têm sido realizados nos últimos tempos e vêm constatando seus inúmeros benefícios para a saúde, tanto no tratamento como na prevenção de doenças como diabetes, hiperlipidemias, obesidade, constipação e câncer de cólon. As fibras são encontradas em muitos alimentos que fazem parte da alimentação diária da população, ou seja, nas frutas, verduras, legumes, grãos como o feijão e a soja, cereais como aveia, farelo e germe de trigo, oleaginosas como avelã e amêndoa. O consumo diário de fibras beneficia o trato gastrintestinal, como, por exemplo, estimulam a mastigação prolongada e a produção de saliva, retardam o esvaziamento gástrico, aumentam a saciedade, aumentam a velocidade do trânsito intestinal, aumentam o peso e a maciez das fezes, aumentando a freqüência de evacuações. Na terapia de nutrição enteral as fibras também apresentam muitos benefícios, dentre os quais se destacam: a melhora da diarréia e constipação, integridade intestinal e tolerância à glicose e lipídios do sangue. A indústria alimentícia promove de forma objetiva a possibilidade de ofertar suplementos de fibras como substitutos alimentares e/ou coadjuvantes ao tratamento clínico. A ingestão de fibras deve ser de acordo com as recomendações, devendo respeitar sexo, idade e o estado fisiológico (gestação, presença ou não de patologia). 3

4 INTRODUÇÃO Fibra alimentar ou fibra dietética é a parte dos alimentos (vegetais) ingeridos que não é digerida e absorvida pelo organismo para produzir energia. São classificadas em fibra solúvel e insolúvel. 35 As fibras são importantes na alimentação porque aceleram a passagem dos produtos residuais do organismo, absorvem substâncias perigosas (toxinas) e mantém o tubo digestivo saudável. 7, 35 Outro benefício importante da fibra em relação ao trato gastrintestinal, é que ela serve de substrato para formação de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), que fornecem energia para as células intestinais desempenharem bem suas funções. 3 Verifica-se que vêm ocorrendo mudanças nos hábitos alimentares e na qualidade da alimentação, principalmente nos grandes centros urbanos, comprometendo a ingestão adequada de fibras. Alguns trabalhos demonstram aumento no consumo de alimentos processados e refinados (pobres em fibras) e diminuição na ingesta de alimentos vegetais e integrais, que apresentam altos teores de fibras. 1, 4 Os pesquisadores Burkitt e Trowell, na década de 70, relacionaram à falta na ingestão de fibras a algumas doenças, dentre as quais destacam-se afecções do cólon, constipação e doenças sistêmicas (hiperlipidemia, doença cardiovascular, diabete e obesidade). 2 Desde então, muitos trabalhos vêm comprovando os benefícios das fibras para manutenção da saúde e prevenção de doenças. 2 As pesquisas avançaram também em relação à aplicação clinica das fibras na nutrição enteral, e têm comprovado os benefícios de sua utilização em pacientes que necessitam desse tipo de alimentação. Dentre eles destacam-se a melhora da diarréia, constipação, tolerância à glicose e à lipídios do sangue. 5 4

5 DEFINIÇÃO E CARACTERÍSTICAS É difícil uma definição ideal do que são fibras, pois elas são constituídas por uma grande variedade de substâncias com propriedades físicas, químicas e fisiológicas diferentes. 5 Segundo a Association of Official Analytical Chemists (AOAC), órgão americano, fibra alimentar é a parte comestível das plantas ou análogos aos carboidratos que são resistentes à digestão e absorção pelo intestino delgado humano, com fermentação parcial ou total no intestino grosso. 36 Essa definição permite incluir substâncias, que fisiologicamente são semelhantes às fibras, façam parte dessa categoria de nutrientes. São elas: a inulina, os frutooligossacarídeos (FOS) e os amidos resistentes. 5, 6 As fibras apresentam as seguintes características: 2, 5, 7 São de origem vegetal; São carboidratos ou derivados dos mesmos, com exceção da lignina; Resistem à hidrólise pelas enzimas digestivas humanas; Chegam intactas no cólon, e então, podem ser hidrolisadas e fermentadas pela flora bacteriana do cólon. É importante ressaltar que a fibra dietética ou fibra alimentar é diferente de resíduo e fibra crua. Fibra crua é o conteúdo das fibras vegetais obtida após tratamento de ácido e álcali, é um conceito químico e não biológico. Os valores de fibra crua não expressam a quantidade total de fibras do alimento, e sim uma fração das fibras totais. O resíduo corresponde à quantidade de fezes sólidas formadas por produtos alimentares não digeridos ou não absorvidos. 6 TIPOS DE FIBRAS E CLASSIFICAÇÃO Os principais tipos de fibra dietética são os polissacarídeos: celulose, hemicelulose, pectinas, gomas, mucilagens, frutooligossacarídeos, inulina, amido resistente e a lignina (que não é polissacarídeo e sim um polímero de fenilpropil álcool e ácidos). 2, 3, 8, 36 5

6 Tipos de fibras: Frutooligossacarídeos (FOS), Inulina e Amido Resistente: FOS e inulina são carboidratos com propriedades fisiológicas semelhantes às fibras. Normalmente estão presentes na alimentação (aspargos, cebola, alho poro, trigo e chicória), não sofrem ação das enzimas digestivas, mas são fermentadas no cólon. São hidrossolúveis e fermentáveis, mas não são viscosas. Recebem atenção maior dos pesquisadores devido sua capacidade de modificar a flora intestinal e promover proliferação de bactérias benéficas (bifidobactérias), redução das bactérias patogênicas, redução de metabólitos tóxicos e de enzimas patogênicas, prevenção de diarréia e constipação. 5, 6, 10, 36 Os FOS são carboidratos de cadeia curta (oligossacarídeos), e têm duas qualidades, resistência à ação das enzimas hidrolíticas e uma preferência por bifidobactéria, ou seja, são bifidogênicos, daí seu efeito prebiótico. Alimentando as bactérias benéficas que habitam o intestino e provocando uma redução do PH, proporcionam uma melhor absorção de certos minerais como cálcio e magnésio. São obtidos pela hidrólise de inulina através da enzima inulase e sintetizados a partir da sacarose pela enzima frutosiltransferase, enzima fúngica obtida do Aspergilusninger. 5, 6 A inulina é um polímero de glicose (contém de 2 a 60 unidades de frutose ligadas a uma unidade de glicose). É fermentável e bifidogênica (função de prebiótico). É encontrada na raiz de chicória, alho, cebola, banana, e pode ser sintetizada a partir da sacarose. O Amido resistente (AR) foi classificado como a soma do amido e dos produtos de degradação que não são absorvidas no intestino delgado de uma pessoa saudável. Existem 3 (três) categorias de AR: AR1, amido fisicamente envolvido (grãos e sementes parcialmente moídos); AR2, grânulos cristalinos não gelatinizados (encontrados em bananas e batata); AR3, amilose invertida (formada durante o cozimento do amido gelatinizado pelo calor úmido). Os fatores intrínsecos e extrínsecos interferem na digestão e/ou degradação dos ARs. Fator intrínseco é a própria estrutura física do amido que pode interferir na sua digestão. Fatores extrínsecos são: mastigação, tempo de trânsito digestivo, concentração de 5, 6, 7 6

7 enzimas digestivas (amilase e outras), ph, quantidade de amido e outros componentes da alimentação que interferem na digestão do amido. O AR age como fibra solúvel, não é digerido no intestino delgado, mas é fermentado pelas bactérias colônicas (porção distal do cólon). 6, 12 Goma arábica, celulose, pectinas: As gomas são polissacarídeos com um número variável de monossacarídeos em sua cadeia, ou seja, são polissacarídeos complexos 37. São consideradas parte não estrutural das plantas e têm alta capacidade de formação de gel, por isso é amplamente utilizada na indústria alimentícia como emulsificante ou estabilizante de alimentos 36. A goma arábica é considerada uma fibra solúvel. Alguns trabalhos têm mostrado efeito sinérgico entre FOS e goma arábica, que quando presentes em uma mesma solução potencializam o efeito bifidogênico. Devido ao seu alto peso molecular, a goma arábica não possui efeito laxativo, não contribuindo para um possível quadro de diarréia. Os humanos toleram bem doses de até 50 g/dia 36, 37. Em virtude de sua estrutura química altamente ramificada, que dificilmente é degradada pelas enzimas bacterianas, a fermentação da goma arábica é lenta, assim, a produção de gás é retardada e distribuída pelo cólon sem provocar a sensação de inchaço e distenção abdominal. A produção de AGCC também fica mais lenta, atingindo todo o cólon favorecendo seus efeitos fisiológicos benéficos para toda a mucosa do intestino grosso 36. Na alimentação são encontradas em farelo de aveia, farinha de aveia e farelo de cevada. A celulose é substância orgânica mais abundante na natureza e o componente mais comum das paredes celulares das plantas (filamentos finíssimos chamados microfibrilas), é uma fibra do tipo insoluvel. 36, 38. É um polissacarídeo linear, de alto peso molecular, constituído por unidades de glicose unidas por ligação do tipo beta, que é mais resistente, o que permite menor ação das enzimas digestivas. As principais propriedades da celulose são: retém água nas fezes, aumenta o volume e peso das fezes, favorece o peristaltismo do cólon, diminui o tempo de trânsito colônico, aumenta o número de evacuações, reduz a pressão intraluminal 36, 37, 38, 39. 7

8 A pectina é um termo genérico para um grupo de polissacarídeos ramificados, presentes nas paredes celulares de plantas que produzem sementes, formados por unidades de ácido galacturônico, mas que podem incluir outras moléculas de monossacarídeos (frutose, xilose e ramnose) 37, 38. A quantidade de ácidos galacturônicos é que proporcionam o poder a viscosidade e o poder geleificante. Grande parte da pectina comercializada é extraída como subproduto da indústria de frutos cítricos enlatados. A casca desses frutos é grande fonte de pectina, e sua quantidade varia segundo a estação e a variedade do fruto. É classificada como agente protetor e suspensor, por isso está presente em várias fórmulas antidiarréicas. No trato intestinal superior, a pectina possui uma superfície composta por partículas ultramicroscópicas (micelas) que têm a capacidade de absorver as toxinas. A eficácia da pectina no tubo digestivo deve-se em grande parte à sua ação coloidal 38. Nas frutas, a pectina é encontrada na forma insolúvel (protopectina), e é convertida na forma solúvel por aquecimento da fruta com ácido diluído. Embora sejam encontradas em todos os vegetais, as frutas cítricas e as maçãs são as mais ricas em pectina 37. Classificação: As fibras podem ser classificadas de acordo com a sua estrutura, sua solubilidade em água e em relação ao grau de fermentação. 6, 36 Estrutura: Grande parte das fibras pertence ao grupo de polissacarídeos, os quais são muito variáveis física e quimicamente, sendo definidas de acordo com a estrutura dos alimentos. Normalmente, o que difere as fibras é: 36 Quantidade de monossacarídeos; Tipo de monossacarídeos na cadeia polimérica; Seqüência dos monossacarídeos na cadeia; Cadeias secundárias; Tipo de ligação, alfa ou beta, entre os monossacarídeos. 8

9 Assim, a classificação de acordo com a estrutura é: polissacarídeo amídico ou amiláceo e polissacarídeo não amídico ou não amiláceo. Solubilidade em água: Tomando-se por base suas propriedades de solubilidade em água, as fibras classificam-se em solúveis e insolúveis. Fibras solúveis: pectinas, mucilagens, gomas (goma arábica e goma guar), inulina, FOS (frutooligossacarídeos), beta-glucan, psyllium, e hemiceluloses tipo A. Estas fibras têm a capacidade de se ligar à água e formar géis. No trato gastrintestinal, retardam o esvaziamento gástrico, o tempo de transito intestinal, diminuem o ritmo de absorção de glicose e colesterol, são substratos para fermentação bacteriana que resultam em gases (hidrogênio, metano e dióxido de carbono) e ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), importantes para o metabolismo intestinal. 3, 6, 8, 36 São encontradas principalmente em frutas e verduras, mas também em cereais (aveia e cevada) e leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha e ervilha). 8 Os principais efeitos metabólicos das fibras solúveis são descritos a seguir: Retardam esvaziamento gástrico e o transito intestinal; Alteram o metabolismo colônico através da produção dos AGCC; Modulam a mobilidade gastrintestinal Reduzem a diarréia (aumento na absorção de água); Promovem o desenvolvimento da mucosa intestinal (íleo e cólon); Proporcionam energia (devido à fermentação) para mucosa intestinal; Diminuem o ph do cólon; Melhoram a proteção contra infecção (função de barreira, imunidade); Aumentam tolerância a glicose; Diminuem os níveis de colesterol total e de LDL. 3, 6, 7, 8 9

10 Fibras insolúveis: celulose, hemicelulose tipo B, amido resistente e lignina. Fazem parte da estrutura das células vegetais. Apresentam efeito mecânico no trato gastrintestinal, são pouco fermentáveis, aceleram o tempo de transito intestinal devido à absorção de água. 3 São encontradas principalmente em verduras, farelo de trigo e grãos integrais. Os principais efeitos metabólicos são: 3, 6, 7, 8 Aumentam o peso e a maciez das fezes; Aumentam a freqüência da evacuação e diminuem o tempo de trânsito no cólon; Reduzem a constipação; Retém água; São pouco fermentáveis; Não são viscosas; Intensificam a proteção contra infecção bacteriana. Fermentação bacteriana: A fermentação das fibras ocorre no cólon pela ação das bactérias anaeróbicas. O grau de fermentação colônica sofre interferência da composição da flora intestinal e das características químicas e físicas, ou seja, o tipo de fibra, a solubilidade, a fonte, a forma e o tamanho das partículas. 3, 5 Além das fibras, FOS, inulina, amidos resistentes, outros substratos (açúcares arabinose, xilose, manose e ramnose) e muco intestinal também são fermentados no intestino. 6 Os produtos da fermentação bacteriana das fibras são: 3 Ácidos graxos de cadeia curta (AGCC): os mais importantes da fermentação das hemiceluloses e pectinas são o ácido acético, butírico e propiônico. São removidos do lúmen intestinal por difusão iônica e facilitam a absorção do sódio e potássio. Gases: hidrogênio, metano e dióxido de carbono, que são excretados via retal. Energia: utilizada para crescimento e manutenção das bactérias. 10

11 A fermentação das fibras varia de 0% a 90%, e, só é considerada fermentável, se for no mínimo 60% fermentada. 6 Quanto mais solúveis a fibra, maior o seu grau de fermentação 7, a saber: lignina, 0%; celulose, 15% a 60%; hemicelulose, 56% a 85% e pectinas, 90% a 95%. 3 O trato gastrintestinal possui, mais de 500 espécies diferentes de bactérias. No cólon, a flora bacteriana consiste quase que totalmente de bactérias anaeróbias estritas, como Bacteróides, Bifidobacterium, Clostridium e Lactobacillus. 2, 5, 6 2, 3, 7, 10, 14, 15 Efeitos da fermentação bacteriana: A formação de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) é o resultado do metabolismo bacteriano. Os AGCCs são formados a partir da degradação bacteriana de carboidratos e proteínas da dieta e os mais abundantes são o acetato, propianato e butirato. Os principais substratos para fermentação são as fibras da dieta, frutooligossacarídeos e o amido. Uma vez formados são rapidamente absorvidos na luz intestinal. O AGCC tem importante papel na fisiologia do intestino: é reconhecido como principal fonte de energia para o enterócito; estimula a proliferação celular do epitélio; melhora o fluxo sanguíneo; aumentam a absorção de água e sódio, importantes nos casos de diarréia; diminui o ph intraluminal (diminui a absorção da amônia), importantes para pacientes com encefalopatia hepática e insuficiência renal. Uma dieta com quantidade adequada de fibras fermentáveis, diminui a necessidade de insulina em diabéticos, devido aos mecanismos relacionados à metabólitos do AGCC. Os AGCC favorecem a absorção de vitamina K e magnésio devido à acidificação do lúmen intestinal. O acetato e o propianato favorecem a absorção de cálcio no cólon. O propianato tem efeitos diretos no metabolismo de carboidratos, ou seja, é substrato para a gliconeogênese. O acetato influencia indiretamente o uso de glicose ao reduzir as concentrações de ácidos graxos livres séricos. O efeito dos AGCC no metabolismo lipídico é de grande interesse, em especial sobre o mecanismo redutor de lipídios da fibra solúvel. In vitro, o propianato inibe a síntese de colesterol em tecido hepático, entretanto, a 11

12 quantidade de propianato necessária para isso é muito grande e não é alcançada na veia porta. Em estudos com alimentação humana o propianato não tem efeito sobre o colesterol sérico. O acetato é substrato preferencial para a lipogênese, sendo o único ácido graxo que atinge os tecidos periféricos. O efeito do acetato no aumento do colesterol sérico foi mais sugerido após estudo em que se administrou lactulose em indivíduos sadios por duas semanas e o resultado mostrou aumento nas concentrações séricas de colesterol total, LDL, apoliproteína B e triacilgliceróis. Há grande interesse nos substratos que produzem AGCC, pois se acredita que o butirato pode melhorar a saúde do cólon. Há evidências que a fermentação colônica de amidos resistentes (AR) aumenta a concentração de butirato e propianato no cólon, dependendo da fonte de amido. Esses achados levantam a possibilidade do uso de AR no tratamento da colite ulcerativa e prevenção do pólipo e câncer de cólon. FONTES DE FIBRAS Os principais tipos de fibras (celulose, hemicelulose, pectina e lignina), são encontrados nos diversos vegetais e alimentos que fazem parte da dieta, em concentrações variadas (tabela 1). Fontes especiais de fibras: Aveia A aveia é um cereal de muito boa qualidade nutricional, pois apresenta altas quantidades de proteínas, vitaminas, ácido oléico e linoléico, e, o carboidrato presente, é rico em fibras solúveis denominadas β-glucanas. 7 As β-glucanas são polissacarídeos lineares, não ramificados, compostos por unidades de glicose unidos por ligações beta (β-1,4 e β-1,3). 12

13 São solúveis em água e resistentes aos processos digestivos e aos tratamentos aplicados durante o processamento da aveia. 7, 11 As beta-glicanas são componentes da fibra alimentar solúvel presente na aveia e sua importância é devido às propriedades funcionais e aos efeitos hipocolesterolêmicos e hipoglicêmicos apresentados 40. O teor de beta-glicanas na aveia é variável, dependendo do cultivo e é influenciado por fatores genéticos e ambientais. Soja As fibras da soja, também denominadas de polissacarídeos da soja (PS), extraídas após maceração do feijão, são preferencialmente do tipo insolúvel, com ampla utilização na dietoterapia e indústria alimentícia, porque possui ótima estabilidade em meio aquoso, sem comprometimento da viscosidade 13, 36. Devido à sua composição, aproximadamente 90 a 95% de fibras insolúveis, mantém os efeitos fisiológicos observados nesse tipo de fibra. 36 Os PS auxiliam na redução dos níveis plasmáticos de colesterol e glicose em pessoas com diabetes tipo II. O PS consiste de uma cadeia não linear contendo galactose, xilose, frutose, ramnose e manose. Grão de trigo O grão de trigo é formado por endosperma, farelo de trigo e germe de trigo, sendo que cada um tem suas características especificas. O endosperma representa 83% do grão do trigo; o farelo representa 14% do grão e a sua celulose acelera o trânsito intestinal; o germe do trigo representa apenas 2% do grão. O grão de trigo é rico em nutrientes e energia, por isso é bastante utilizado na produção de farinhas, pães (integrais ou enriquecidos) e cereais. 7 13

14 Tabela 1: Fontes Alimentares ricas (em ordem crescente) de acordo com os tipos de fibras Pectina Celulose Hemicelulose Lignina Pinhão cozido Feijão adzuki cozido Arroz integral cozido Cenoura crua Farinha trigo especial crua Feijão branco cozido Pão dietético Jiló cozido Flocos de trigo Goiaba branca Farinha mandioca crua Mostarda cozida Pão dietético Amêndoa Farinha aveia crua Feijão preto cozido Pão milho Farinha mandioca crua Feijão roxinho cru Feijão mulatinho cozido Farinha mandioca crua Feijão roxinho cozido Pinhão cozido Caqui mole sem casca Aveia flocos crua Lentilha cozida Pão francês Caqui mole com casca Lentilha crua Feijão branco cru Trigo quibe cru Farinha centeio crua Trigo quibe cru Feijão carioca cozido Feijão adzuki cozido Farinha aveia crua Feijão preto cru Grão de bico cru Pão integral Goiaba branca Germe de trigo cru Tremoço conserva com casca Cogumelo cozido Goiaba vermelha Feijão branco cru Lentilha crua Cogumelo conserva Tremoço conserva com casca Mandioca cozida e frita Feijão carioca cru Flocos de trigo Avelã Fécula batata crua Feijão vermelho cru Pão centeio Flocos de arroz Feijão carioca cru Feijão mulatinho cru Pipoca Farelo aveia cru Banana terra frita Feijão roxinho cru Germe de trigo cru Trigo quibe cru Farinha aveia crua Feijão preto cru Feijão roxinho cozido Pipoca Pipoca Trigo quibe cru Farinha centeio crua Amêndoa Flocos de milho Farinha trigo crua Farinha trigo crua Farelo trigo cru Feijão vermelho cru Farelo trigo cru Farelo trigo cru Farinha trigo crua Adaptado por IMeN: Tabela de Composição dos alimentos/mendez M. et al,

15 EFEITO PREVENTIVO DAS FIBRAS Muitos trabalhos têm sido realizados com intuito de comprovar os benefícios das fibras. Conforme o que já foi descrito, pode-se verificar que o consumo de fibras beneficia o trato gastrintestinal como um todo, e que, a falta ou ingestão inadequada deste nutriente pode prejudicar a motilidade e o metabolismo do intestino. Algumas doenças do intestino têm sua causa relacionada ao consumo de fibra (ingestão nula ou baixo consumo). Os AGCC têm influência direta, no tratamento ou prevenção, em doenças como colite por desuso e regeneração da mucosa colônica. Alguns trabalhos foram realizados para verificar a ação de AGCC no desenvolvimento ou tratamento de retocolite ulcerativa, mas os resultados foram contraditórios, necessitando tal comprovação. 3 Portanto, é necessário que trabalhos sejam realizados para comprovar se a falta de consumo de fibras ou ingestão insuficiente é motivo para desenvolvimento de doenças. EFEITOS FISIOLÓGICOS A estrutura e as características das fibras é que vão determinar os efeitos que esses polímeros desempenharão no trato gastrintestinal. 3 Fatores como a viscosidade, a área e o tamanho das partículas, solubilidade e insolubilidade das fibras, cristalinidade, densidade e 2, 3, 7 a relevância da troca iônica são importantes para determinar os efeitos das mesmas. Efeitos fisiológicos das fibras no estômago e duodeno: A refeição rica em fibras tem mais volume, portanto exige mastigação prolongada. Além disso, as fibras estimulam a salivação e melhoram a viscosidade do suco duodenal, pois diminuem o ph do mesmo (pectina), importante para indivíduos com úlcera duodenal. 15

16 Também retardam o esvaziamento gástrico (pectina e gomas) e aumentam a saciedade 3, 7, 15 (redução na ingesta alimentar), relevante para dietas de emagrecimento. Efeitos fisiológicos das fibras no intestino delgado: No intestino delgado é que ocorre a maior parte dos processos da digestão e absorção dos nutrientes. Ao contrário do que acontece no estômago, no intestino as fibras aumentam a velocidade do trânsito no delgado proximal e reduzem nas porções distais. 7 Também no delgado as fibras retardam a captação de açúcares, aminoácidos e drogas como a digoxina e acetaminofeno. Estudos mostram que a pectina tem capacidade de aumentar a espessura da camada de água não agitada, que atua como barreira à difusão de nutrientes. 2 As fibras formadoras de géis, como a pectina, auxiliam na redução dos níveis séricos de colesterol e triglicerídeos em ratos e em humanos. 16 A goma guar tem efeito hipoglicemiante em indivíduos saudáveis e portadores de diabetes. 15 Efeitos fisiológicos das fibras no cólon: No cólon é que predomina um maior aproveitamento dos alimentos mediante um contato mais intenso com a mucosa intestinal. 19 As fibras insolúveis aumentam o peso e a maciez das fezes, aumentando a freqüência de evacuações. A captação de água e fermentação de fibras, FOS, inulina e amido resistente têm relação com o aumento de peso das fezes. As fibras alimentares diminuem a pressão do cólon, aumentam o peso e melhoram a consistência das fezes (controla a diarréia), aumentam a velocidade do trânsito intestinal, mantêm a flora intestinal e as funções do 7, 18 cólon. 16

17 APLICAÇÕES CLÍNICAS Constipação: A passagem ordenada de conteúdo intestinal gera uma equilibrada absorção de água e sal. Quando o trânsito intestinal apresenta-se lento, ocorre excessiva absorção de água, o conteúdo intestinal torna-se menos úmido e as fezes ficam duras, resultando na obstipação. 20 A obstipação pode ser definida objetivamente como um distúrbio ou diminuição da freqüência de evacuações em intervalos maiores que 48 a 72 horas, o que permite maior absorção de água pela mucosa intestinal, resultando e fezes duras e de difícil passagem pelo reto. A obstipação é uma queixa gastrointestinal freqüente e está relacionada a hábitos alimentares inadequados, (baixa ingestão de fibras e líquidos), doença vascular do intestino, anormalidade metabólica, uso freqüente de laxantes, falta de exercícios, fatores emocionais, entre outros. 8 Indivíduos com constipação crônica, onde não foi encontrada causa orgânica, apresentavam baixa ingestão de fibras na maioria dos casos. A indicação de fibras solúveis e insolúveis em quantidade adequada aumenta o bolo fecal. O farelo de trigo tem sido usado para aliviar os sintomas, pois, pela retenção de água, forma fezes macias e pesadas. 3 A forma mais freqüente de obstipação crônica está associada ao trânsito intestinal lento, em que a alimentação inadequada, o baixo consumo de fibras, a diminuição ou perda do reflexo evacuatório e a vida sedentária exercem papel fundamental. Marlett et al, 2000, estudou a função intestinal de indivíduos que receberam fibras provenientes de um isolado de psyllium e demonstrou que eles apresentaram fezes mais macias, além de facilidade na evacuação, sensação de alívio e aumento do volume fecal. Além de macias, a maioria das fezes coletadas era visivelmente mais gelatinosa. 21 Embora poucos estudos tenham avaliado o emprego da fibra alimentar no tratamento da constipação crônica na infância, trabalhos com adultos e animais demonstram que, em geral, suplementos contendo muita fibra insolúvel geram maior volume fecal que os 17

18 contendo muita fibra solúvel e/ou diminuem o tempo de transito colônico. 22 No entanto, Chen et al. não encontraram diferenças no peso fecal úmido de voluntários humanos recebendo farelo de trigo ou de aveia (cozidos) contendo 95 ou 50% de fibra insolúvel. 23 No caso de crianças, o farelo de trigo parece ser a fibra ideal, pelo seu alto teor de fibra insolúvel (lignina, celulose e polissacarídeos não celulósicos) e grande quantidade de pentose, o que já foi comprovado em estudos com adultos constipados. 22 Obesidade: A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a obesidade o problema número um de saúde publica mundial, causando grande preocupação entre os profissionais de saúde. Mudanças no hábito alimentar, o aumento na inatividade física e do sedentarismo são considerados fatores cruciais para explicar a dimensão do problema. Há varias definições para obesidade, a mais sintética e atual é de Edwards, que define o obeso como portador de uma doença endócrino-metabólica, crônica, heterogênea e multifatorial, caracterizada pelo excesso de peso e de gordura no corpo. 24 A obesidade representa grave risco para saúde, pois está associada a um grande número de estados patológicos, dentre eles, a hipertensão, diabetes, coronariopatias, desordens lipidicas. Também é considerada como fator de risco para alguns tipos de câncer, está relacionada com problemas articulares, cálculos biliares e problemas respiratórios. 25 Vários estudos mostram que dietas ricas em fibras podem prevenir ou auxiliar no tratamento da obesidade. Segundo Howarth et al a maioria dos estudos publicados indicam que o consumo de fibras solúveis e insolúveis proporciona saciedade e diminui conseqüentemente a fome. De acordo com o pesquisador, 14 g de fibra/dia por mais de 2 dias está associado a uma diminuição de 10% no consumo de energia e a uma perda de peso de 1,9 kg após 3,8 meses. 26 De acordo com vários estudos, e dentre os mecanismos de ação das fibras para auxiliar na redução de peso corpóreo vale ressaltar: 27 Contribuição na redução da densidade calórica da dieta em razão da alta capacidade das fibras solúveis em reter água (pectinas, gomas, mucilagens, psyllium). 18

19 Estimulo da secreção salivar e do suco gástrico, favorecendo a sensação de saciedade em razão da maior necessidade de mastigação das fibras. Redução da velocidade do esvaziamento gástrico, diminuindo a fome e prolongando a sensação de saciedade. Diminuição da absorção de ácidos graxos e de sais biliares no intestino delgado. Hipercolesterolemia: As fibras da dieta também influenciam nas concentrações de colesterol (Co). Normalmente, as fibras insolúveis, como a celulose, hemicelulose e lignina, presentes nos grãos vegetais, possuem efeitos limitados nos níveis de Co, embora as fibras solúveis, como as gomas e as pectinas encontradas em legumes e frutas, possuam propriedades mais intensas de redução do Co. Além da substituição e/ou redução de alimentos hipercolesterolêmicos da dieta, as fibras auxiliam na redução dos níveis de Co por três (3) outros mecanismos. Primeiro, as fibras podem atuar como agente seqüestrador de ácidos biliares. Segundo, as fibras provavelmente reduzem as taxas de aumento da insulina pela redução da velocidade de absorção de carboidratos e retardando, assim, a síntese de Co. Terceiro, as fibras produzem AGCC, que são absorvidos pela circulação portal e inibem a síntese de Co. 28 Diabetes: O Diabetes mellitus é um distúrbio crônico caracterizado por comprometimento do metabolismo da glicose e de outras substâncias produtoras de energia, bem como pelo desenvolvimento tardio de complicações vasculares e neuropáticas 29, gerando disfunção, danos ou falência de múltiplos órgãos, especialmente coração, rins, olhos, nervos e vasos sanguíneos. 30, 31 A principal característica do Diabetes é o aumento da glicemia, decorrente da falta ou diminuição de insulina circulante, ou mesmo da resistência dos tecidos periféricos em utilizar a insulina disponível. 19

20 A fibra insolúvel geralmente não baixa os níveis sanguíneos de glicose ou colesterol. Já a fibra solúvel torna-se viscosa ou gomosa quando misturada com água, aumenta o tempo de trânsito intestinal retardando o esvaziamento gástrico e a absorção de glicose. 32 De acordo com Lima e Sabaa, 16 alimentos adicionados com goma guar, melhoram a curva glicêmica e a glicemia pós-prandial em indivíduos sadios e diabéticos. As fibras também aumentam a sensibilidade periférica à insulina. 32 Dentre os inúmeros benefícios que a fibra traz para portadores de diabetes, destacam-se: 32 Digestão e absorção lentas dos nutrientes. Diminuição da glicose plasmática pós-prandial. Aumento da sensibilidade dos tecidos à insulina. Aumento do número de receptores à insulina. Estimulação do uso da glicose. Controle da produção hepática de glicose. Diminuição da liberação de hormônios contra-reguladores (glucagon). Diminuição do colesterol sérico. Diminuição dos triacilgliceróis séricos em jejum e pós-prandiais. Possível atenuação da síntese de colesterol pelo fígado. Pode aumentar a saciedade entre as refeições. No final dos anos 90 foram realizadas pesquisas relacionadas aos fatores hormonais e sua relação no controle glicêmico, sendo então descoberta a importância do hormônio GLP-1 (Glucagon Like Peptide-1). O GLP-1 é um peptídeo derivado do Proglucagon, encontrado em grandes concentrações na mucosa do íleo distal e intestino grosso. Também é considerado um potente agente antidiabetogênico, porque estimula a secreção de insulina, inibe a secreção de glucagon e retarda o esvaziamento gástrico. Essas reações levam à redução da glicemia, permitindo melhor controle glicêmico nos pacientes diabéticos. Alguns pesquisadores têm avaliado a relação entre a produção de GLP-1 através do consumo alimentar, sendo, portanto, descoberto que dependendo da dieta ofertada, pode-se encontrar maior ou menor produção de GLP-1. As fibras solúveis altamente fermentáveis produzem grandes quantidades de AGCC, e estes são potentes estimuladores da secreção de GLP

REF: Parecer sobre recursos Gabarito Oficial Concurso Público - Edital 01/2012.

REF: Parecer sobre recursos Gabarito Oficial Concurso Público - Edital 01/2012. CARGO: TELEFONISTA CANDIDATO: Danilo Carlos Silva Ribeiro Questão 17 Língua Portuguesa. O candidato alega que a questão está mal formulada. Recurso Improcedente O candidato apresentou, anexo à sua argumentação,

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE

NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE ARTIGO NATUREZA, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE 67 As autoras ¹Thamires Moraes Brito Macedo Acadêmica do curso de Nutrição da Unisulma (macedo.thamires@hotmail.com). ²Gracilene Schmourlo Bioquímica, professora

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

vida das populações cosmopolitas

vida das populações cosmopolitas 1 A importância das fibras naturais na qualidade de Flávio Antonio Quilici vida das populações cosmopolitas Futuro e passado dietético O papel das fibras naturais, também chamadas de dietéticas ou terapêuticas,

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DE FIBRA ALIMENTAR SOLÚVEL E INSOLÚVEL EM HAMBÚRGUER DE CARNE BOVINO COM REDUZIDO TEOR DE GORDURA RENATO SILVA LEAL 1, MARIA EMÍLIA DE SOUSA GOMES PIMENTA 2, LUCAS SILVERIA TAVARES 3, CARLOS

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER

CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER CONSTIPAÇÃO INTESTINAL Na MULHER Angelita Habr-Gama Profª. de Cirurgia - FMUSP Membro Honorário American College of Surgeons American Surgical Associates European Surgical Association Manter o aparelho

Leia mais

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial.

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial. BIOLOGIA Prof. Hélder Telles AULA 03 1. (Fgv 2015) O pâncreas é uma glândula anfícrina, ou seja, com dupla função, desempenhando um papel junto ao sistema digestório na produção de enzimas, tais como amilases

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 14. BOLO SETE GRÃOS Janaína Moreira do Carmo, Samira

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral.

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral. HÁBITOS ALIMENTARES O hábito alimentar saudável deve ser formado e ensinado na infância, assim fica mais fácil de ser mantido. Consuma frutas, verduras e legumes desde cedo e estimule o consumo de alimentos

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

E DOENÇAS TABELA 1 TEOR DE FIBRAS DE ALIMENTOS SELECIONADOS

E DOENÇAS TABELA 1 TEOR DE FIBRAS DE ALIMENTOS SELECIONADOS FIBRAS DIETÉTICAS E DENÇAS CRNARIANAS ADITIVS & INGREDIENTES As fibras, encontradas principalmente em frutas, legumes e cereais integrais, são mais conhecidas por sua capacidade de prevenir ou aliviar

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

CARBOIDRATOS. Prof. Esp. Manoel Costa Neto

CARBOIDRATOS. Prof. Esp. Manoel Costa Neto CARBOIDRATOS Prof. Esp. Manoel Costa Neto OBJETIVOS Definição e classificação; Funções dos carboidratos no organismo; Digestão, absorção e transporte de seus derivados no plasma; Descrição de vias metabólicas

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

24 Alimentos para Combater a CELULITE

24 Alimentos para Combater a CELULITE 24 Alimentos para Combater a CELULITE Agradecimento e Informações Muito obrigado por baixar nosso guia com orientações sobre a prevenção e combate a celulite. Nosso objetivo é colaborar com a divulgação

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal Cereais & Farinhas Prof. Alex Augusto

Leia mais

DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES

DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES Dossiê fibras alimentares DOSSIÊ: FIBRAS ALIMENTARES As fibras alimentares têm ocupado uma posição de destaque devido aos resultados divulgados em estudos científicos, antigos e recentes, que demonstram

Leia mais

FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE

FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE 10 FIBRAS ALIMENTARES NO CONTROLE DA OBESIDADE Daiane Cristina Hurtado¹, Caroline Maria Calliari² RESUMO As fibras alimentares vêm despertando renovado interesse de especialistas das áreas de nutrição

Leia mais

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Prebióticos e Probióticos: Os Adubos da Saúde Intestinal Seus intestinos podem atrapalhar os seus planos de manter a saúde e o corpo em dia, sabia?

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2011-1 USO DE PREBIÓTICOS NA ABSORÇÃO DE FERRO EM CIRURGIA BARIÁTRICA Acadêmico: MAIA,

Leia mais

CONSTIPÇÃO INTESTINAL

CONSTIPÇÃO INTESTINAL AEROFAGIA A maior parte do gás intestinal é constituída de cinco gases: N², O², CO², H² e CH4 {metano}. O indivíduo normal usualmente elimina menos de 100ml de gás por hora. Se esta quantidade for excedida,

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

Estudo dietético dos Cereais e Amido.

Estudo dietético dos Cereais e Amido. FACULDADE DE NUTRIÇÃO TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA Estudo dietético dos Cereais e Amido. Estudo Dietético dos Cereais Constituem grupo de alimentos usados desde as mais antigas civilizações em função

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável.

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável. Proteínas Sementes: linhaça, abóbora, girassol. Grãos: ervilhas, feijões, lentilhas, amendoins, grão de bico, soja, além de nozes, amêndoas, Castanha-do-pará, castanhas de caju. Cereais: trigo (pães, massa),

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20 Sistema Digestório DIGESTÃO Processos mecânicos e químicos sofridos pelos alimentos para serem convertidos em moléculas muito pequenas possíveis de serem absorvidas e transportadas

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 3 - Setembro 2014 Comer bem para envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE É ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? Qualidade e quantidades adequadas de alimentos que proporcionam os nutrientes necessários ao organismo PRINCÍPIOS PIOS E CARACTERÍSTICAS Variada Colorida

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Julia Hoçoya Sassaki

Julia Hoçoya Sassaki Certifico e dou fé, para os devidos fins, que nesta data me foi apresentado um documento em idioma japonês, com a seguinte identificação: ARTIGO, o qual traduzo para o vernáculo, no seguinte teor: Coletânea

Leia mais

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir.

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir. QUESTÃO 38 A Ingestão Dietética de Referência (IDR) é composta por 4 valores de referência correspondentes às estimativas quantitativas da ingestão de nutrientes e estabelecidos para serem utilizados na

Leia mais