Numa época como a atual, em que a O EXEMPLO DE PAVAN, DESCOBRIDOR INCANSÁVEL. Pesquisador do Centro de História da Ciência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Numa época como a atual, em que a O EXEMPLO DE PAVAN, DESCOBRIDOR INCANSÁVEL. Pesquisador do Centro de História da Ciência"

Transcrição

1 Março 2000 Revista Adus O EXEMPLO DE PAVAN, DESCOBRIDOR INCANSÁVEL Paulo Marques Pesquisador do Centro de História da Ciência Oswaldo José dos Santos/Agência USP N Numa éoca como a atual, em que a universidade ública está sendo colocada literalmente no elourinho tanto elos veículos da mass media como elo lobby montado ara defender o interesse das instituições rivadas de ensino suerior, nada mais oortuno que romover um simósio ara debater a questão tendo como ersonagem central o rofessor Crodowaldo Pavan, ferrenho defensor do ensino suerior gratuito e do sistema de esquisas atrocinado elo oder úblico. Esta foi a rincial motivação encontrada elo diretor do Centro Interunidade de História da Ciência (CHC), Shozo Motoyama, ara liderar o rol das entidades romotoras do simósio Universidade, Pesquisa e Globalização o caso do Brasil em uma ersectiva histórica, montado em homenagem aos 80 anos do rofessor Pavan e realizado em dezembro de

2 Revista Adus As demais organizações co-romotoras do evento acadêmico foram a Associação dos Docentes (Adus), a Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Acies), o Deartamento de Jornalismo da ECA-USP, o Instituto de Biociências da USP, a Sociedade Brasileira de Genética (SBG) e a Sociedade Brasileira ara o Progresso da Ciência (SBPC). Contou, ainda, com o aoio das ró-reitorias de Pesquisa e de Cultura e Extensão, ambas da USP, e, também, da Fundação de Pesquisa Científica de Ribeirão Preto (Funec). Além de o simósio ter contribuído com o aorte de imortantes deoimentos acerca dos temas tratados, o CHC ôde, igualmente, restar uma homenagem ao rofessor Pavan, geneticista brilhante e homem úblico de vida regressa exemlar, com atuação exressiva nas áreas de olítica científica e tecnológica do País, sobretudo através de suas atuações como dirigente de alto escalão junto à Faes, à SBPC e ao CNPq. O que, aliás, converge com a filosofia de atuação do CHC que tem rocurado homenagear cientistas não aenas or suas brilhantes carreiras acadêmicas, mas or seus relevantes trabalhos em rol da divulgação e da difusão do ael social da Ciência, como já fizemos num assado recente com os rofessores José Leite Loes, Milton Vargas e Milton Santos, argumenta Motoyama. A homenagem exressa a Pavan ocorreu na quarta e última conferência do simósio, Crodowaldo Pavan, o homem e o cientista, residida elo residente da SBG, João Stenghel Morgante e tendo como conferencista o rofessor emérito da USP, Oswaldo Frota-Pessoa. Ao final dos trabalhos, o rório homenageado relatou sua vida, de modo aaixonado e bem-humorado. CRODOWALDO PAVAN SEGUNDO FROTA-PESSOA Março 2000 VIDA GRANDIOSA Publicamos, a seguir, excertos da rimorosa conferência do rofessor Oswaldo Frota-Pessoa sobre Crodowaldo Pavan, ronunciada no simósio do CHC. Nasce um bebê: quem se atreve a rever seu destino? Os augúrios são semre favoráveis, mas, com freqüência, exagerados. Só na terceira ou quarta idade odemos rever nossa trajetória e assinar em baixo, com orgulho, arreendimento, ou filosófica indiferença. Valeu a ena? Agora sabemos que a vida do Pavan tem sido grandiosa. Ele a dedicou toda ao desenvolvimento da ciência, no Brasil e no estrangeiro, fazendo excelente esquisa, ensinando discíulos a fazê-la e roiciando meios ara que ainda outros seguissem seu exemlo. Mas tudo isso não surgiu do nada. O sucesso na vida científica é multifatorial: deende dos genes e do ambiente. Quanto aos genes do Pavan, não recisamos recorrer ao estudo do DNA ara ronunciá-los como excelentes, ois eles assaram elo teste da vida e saíram vitoriosos. Pavan foi semre leal, sincero, seguro, direto, enfático, olêmico, solidário, otimista. Nunca temeu cometição, em arte orque semre arendeu a vencer, sem vaidade, mas também orque cultivou esontaneamente o gosto em ajudar colegas e discíulos. Pavan: como comanheiro de caminhada, vim dar-lhe a mão ara conduzí-lo ao lado de cá dos oitenta anos. O nicho ecológico dos velhos tem recantos arazíveis, ara aqueles, como você, que vieram, viram e venceram. Pavan nasceu ara a ciência em uma éoca em que a juventude culta se emolgava com a mística da esquisa. Isso orque, no começo do século, tinham florescido os estudos brasileiros sobre as endemias infecciosas e arasitárias e as camanhas bem-sucedidas ara combatê-las. 35

3 Março 2000 Revista Adus Os grandes heróis dessa batalha eram Adolfo Lutz e Emílio Ribas, em São Paulo, e, no Rio, Oswaldo Cruz e Carlos Chagas. Eles deixaram grandes discíulos, que beneficiaram o ensino biológico e médico. A oinião corrente no Rio, de que a Faculdade de Medicina não é feita ara esquisas, foi revertida quando Carlos Chagas Filho, emossado or concurso na década de 30, fundou, em sua cátedra, o Instituto de Biofísica. Em 1907, o Instituto de Manguinhos (hoje Fundação Oswaldo Cruz) ganhou o rimeiro rêmio, entre 123 cometidores, no Congresso Internacional de Higiene. Em 1912, Carlos Chagas recebeu o rêmio Schaudinn or ter descoberto o rotozoário Tryanosoma cruzi, e elucidado seu ciclo evolutivo. Miguel Ozório de Almeida recebeu, na França, o Prêmio Sicard, em Ele e seu irmão Álvaro tinham inaugurado as esquisas de Fisiologia exerimental no Brasil, à força de entusiasmo, no orão da casa de seus ais. Esse laboratório esteve ativo até 1932 e foi freqüentado or estudantes e cientistas, inclusive André Dreyfus, o fundador do Deartamento de Biologia da USP. Visitaram-no fisiologistas franceses e celebridades de outras ciências, como Mme. Curie e Einstein. A USP foi fundada em 1934 e a do Distrito Federal (UDF) no ano seguinte. Ambas acolhiam jovens fascinados ela aventura de descobrir. Podemos falar a reseito, Pavan e eu, orque tivemos iniciações aralelas. De minha arte, lembro-me de como Anísio Teixeira, fundador da UDF, fez questão de contratar, ara cada cadeira, o melhor esquisador brasileiro na área, mesmo que nunca tivesse dado uma aula. Nos casos em que o melhor não Dearei com Pavan e Theodosius Dobzhansky, o jovem entusiasta e o esquisador eminente, que tinha ublicado Genetics and the origin of secies, o livro que Darwin gostaria de assinar, se tivesse vivido mais cem anos. Os dois, nos seus microscóios binoculares, trocavam idéias sobre as drosófilas, como crianças comentando seu brinquedo favorito era suficientemente bom, ele mandava buscar o catedrático na Euroa. O resultado foi que a maioria dos rofessores tinha uma noção incomum sobre ensino. Como esquisa era o que sabiam fazer melhor, eles nos useram na esquisa a artir do rimeiro dia de aula. Nossa atividade rincial era fazer excursões, coletar e estudar material e consultar bibliografia, ara desenvolver nossos rojetos. Em 1943, enetrei em uma equena sala da USP, na Alameda Glete, a convite de Dreyfus, ara assar quinze dias usando chaves de classificação das mosquinhas drosófilas. É que seus autores queriam que elas fossem testadas or entomologistas bisonhos, ara ver se estavam claras e rigorosas, antes da ublicação. Na sala, dearei com os autores, Pavan e Theodosius Dobzhansky, o jovem entusiasta e o esquisador eminente, que tinha ublicado Genetics and the origin of secies, o livro que Darwin gostaria de assinar, se tivesse vivido mais cem anos. Os dois, nos seus microscóios binoculares, trocavam idéias sobre as drosófilas, como crianças comentando seu brinquedo favorito. A acolhida foi simles e amiga. O que eu não oderia rever é que aquele encontro selaria a trajetória da minha vida: eu tinha sido absorvido elo redemoinho científico inaugurado or Dreyfus e conduzido até hoje or Pavan. A liderança que assumiu desde cedo o coloca como o amliador da obra de André Dreyfus na construção do Deartamento de Biologia. Ele se situa no ináculo de um cone, que se amlia com as gerações, como ai, avô ou bisavô cultural de dezenas de docentes aosentados ou ativos do nosso Dearta- 36

4 Revista Adus Março 2000 mento, além de muitos discíulos vindos de outras lagas. São também seus afilhados centenas de cientistas que uderam formar-se com bolsas do CNPq que ele, como seu residente, multilicou e estendeu também a jovens dedicados às ciências humanas. A consolidação econômica da Faes muito deveu a ele, como diretor-residente do seu Conselho Técnico-Administrativo. Pavan adora a natureza, ois ela é o reositório de fatos novos, em busca dos quais ele assa a vida. Sua rimeira realização científica foi elucidar o caso dos eixes cegos das cavernas de Ioranga. Eles areciam ilustrar um caso de lamarckismo, mas o caso foi interretado or Pavan, deois de ersistente trabalho exerimental, de maneira mais meticulosa. Essa inauguração sintetiza bem a vida de um esquisador que semre buscou métodos originais ara elucidar roblemas evolutivos, com técnicas de camo e de laboratório, através da genética. Sua interação com Dobzhansky decorreu do interesse de Dreyfus de tornar o Deartamento de Biologia um grande centro de esquisas. Ele e Harry M. Miller Jr., da Fundação Rockefeller, aroveitaram o interesse de Dobzhansky em comarar as drosófilas troicais com as dos Estados Unidos, que ele já conhecia bem. Nasceu, assim, um grande rojeto internacional, com sede em São Paulo, que foi dirigido rincialmente or Pavan, e visava a esclarecer temas evolutivos or meio de estudos exerimentais com drosófilas. O que não se revia é que os arofundamentos que Pavan teria de fazer lhe deram oortunidade ara descobertas fundamentais em diversas áreas. Antes que tudo, era reciso catalogar as numerosas esécies brasileiras do gênero Drosohila, a Cecília Bastos/Agência USP maioria ainda desconhecida ara a ciência. Pavan tornou-se, então, um exímio taxonomista e descreveu várias esécies novas. Muitas esécies de drosófilas se reroduzem no laboratório. Isso ermitiu que as detalhadas descrições de Pavan e seu gruo fossem baseadas em muitos indivíduos garantidamente da mesma esécie, or serem oriundos de uma única fêmea colhida na natureza. Por outro lado, coletas abundantes ermitiam comarar variantes dentro da mesma esécie ou de esécies róximas que, contudo, não se cruzam. Com a colaboração de Martha Ers Breuer, Pavan comletava a caracterização das esécies com o desenho da genitália masculina, um excelente traço ara distinguir esécies róximas, e o estudo dos cromossomos tanto dilóides como olitênicos (cromossomos gigantes das larvas). O segundo objetivo era o estudo da distribuição geográfica das rinciais esécies, imbricadamente Pavan adora a natureza, ois ela é o reositório de fatos novos, em busca dos quais ele assa a vida. Freqüentemente, descobriu maneiras de atacar temas novos e tirar deles resultados memoráveis. 37

5 Março 2000 Revista Adus com sua ecologia. Para isso, Pavan fez coletas em todos os ecossistemas brasileiros e registrou dados de comortamento, como tio de alimento referido, hora de maior concentração nas iscas e taxa de disersão, na natureza, de moscas marcadas. Outro notável asecto do estudo das drosófilas em que Pavan se envolveu foi a genética de oulações. Seu gruo demonstrou uma enorme variação genética dentro de certas esécies de drosófilas e a relacionou com o tamanho das oulações. Suas conclusões são extraoláveis ara qualquer esécie de rerodução cruzada. O rofessor emérito Antonio Brito da Cunha, colaborador de Pavan e seu melhor biógrafo, resume magistralmente esta fase do trabalho, no seguinte arágrafo (Rev. Bras. Genética 12 (4) 685, 1989): A artir de 1957, o Prof. C. Pavan dirigiu e articiou na execução de um longo e imortante lano de esquisa sobre o comortamento de genes letais, naturais e induzidos or radiações, em oulações naturais e de laboratório [ ]. Foi mostrado ela rimeira vez nessas exeriências que: (a) genes letais naturais e genes letais induzidos or radiação têm comortamentos semelhantes nas oulações naturais; (b) os genes letais não são comletamente recessivos; (c) a intensidade da seleção contra os genes De sua interação com Dobzhansky nasceu um grande rojeto internacional que visava a esclarecer temas evolutivos or meio de estudos exerimentais com drosófilas Oswaldo José dos Santos/Agência USP letais não é constante, variando com as condições ambientais; (d) a taxa de eliminação de genes letais deende da resença de genes suressores; (e) a taxa de aarecimento de novos letais é muito suerior à taxa de mutação; (f) o fato observado em (e) é devido à taxa muito grande de ocorrência de letais sintéticos, isto é, cromossomos letais roduzidos ela recombinação entre cromossomos normais. Muitos desses fatos foram observados ela rimeira vez na literatura e são imortantíssimos ara a comreensão, não só da evolução das oulações naturais, mas também dos efeitos das radiações nas oulações. Freqüentemente, em sua carreira, Pavan descobriu maneiras de atacar temas novos e tirar deles resultados memoráveis. Um dia, andando atrás das drosófilas, ele notou um montinho de fios móveis enovelados: eram larvas do inseto Rhynchosciara, que nascem gêmeas e evoluem em conjunto. Pavan 38

6 Revista Adus Março 2000 Francisco Emolo/Agência USP ercebeu que, dissecando uma larva a cada oucos dias, era como seguir o mesmo indivíduo até ficar adulto. Aquilo arecia um rêmio. Ele já trabalhava com os cromossomos olitênicos das larvas de drosófilas brasileiras, como Dobzhansky tinha feito no caso das norte-americanas, mas nada era tão fantástico como os cromossomos olitênicos de Rhynchosciara. Com a colaboração de discíulos e colegas, como o rofessor Francisco J. S. Lara, Pavan estudou bactérias fixadoras de nitrogênio, no ICB-USP, como rofessor visitante voluntário fenômenos bioquímicos correlatos ao funcionamento cromossômico. Com a técnica da autorradiografia, em que, or exemlo, o DNA ou o RNA são marcados com elementos radioativos, exlorou a ação das radiações ionizantes no funcionamento dos cromossomos. Pavan e seus colaboradores, rincialmente Antonio Brito da Cunha, investigaram o efeito assombroso de certos microorganismos no tamanho e constituição das células que arasitam. Os cromossomos olitênicos se tornam gigantíssimos (se chamarmos de gigantes os das células não infectadas), chegando alguns a serem visíveis a olho nu. As novidades reveladas or Pavan e seu gruo sobre o funcionamento Quem quiser dos cromossomos foram tão fundamentais que falar de ciência Brito da Cunha concluiu: com o rofessor O conjunto das esquisas realizadas com Pavan oderá Rhynchosciara constitui a mais imortante contribuição já feita à ciência encontrá-lo trabalhando em biológica or um cientista brasileiro. seu mais recente tema de Terminada esta festa, quem quiser falar de estimação, as ciência com o rofessor Pavan oderá encontrá-lo trabalhando em seu mais recente tema de estimação, as bactérias fixadoras de nitrogênio, no Instituto de Ciências Biomédicas da USP, como rofessor visitante voluntário e esquisador sênior; ou no Núcleo José Reis, da Escola de Comunicações e Artes da USP, onde romove incentivos à divulgação científica, inclusive colaborando nos boletins e livros ublicados elo Núcleo. Quanto a mim, estarei às ordens ara relatar suas futuras descobertas na festa de seus 90 anos. RA 39

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 1

Física B Semiextensivo V. 1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x 3. 0 8. 3.. 0 7 x 9,6. 0 5 m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa.

Leia mais

Sistemas de Ar Comprimido

Sistemas de Ar Comprimido Meta Aresentar a utilização adequada dos sistemas de ar comrimido como fator contribuinte à eficiência energética. Objetivos Entender a história do uso do ar comrimido; Identificar algumas instalações

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp Teoria de Jogos ntrodução... Exemlo de jogos... 5. Pilha de alitos... 5. Jogo de sinuca (bilhar inglês ou snooker)... 5.3 Duelo... 6.4 Lançamento de novos rodutos no mercado... 6.5 Dilema do risioneiro...

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS 38 ROTINA COMPUTACIONA PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS Comutational routine to rovision of the caacity of load in iles. Tobias Ribeiro Ferreira 1, Rodrigo Gustavo Delalibera 2, Wellington

Leia mais

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007 P I R ATA R I A N O B R A S I L R A D I O G R A F I A D O C O N S U M O A esécie humana é essencialmente egoísta e, com frequência, recisa receber estímulos individuais ara agir em rol de uma causa que

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR A OTIVAÇÃO PARA APREER O ESIO SUPERIOR ébora enegazzo de Sousa Almeida - UEL Sueli Édi Rufini - UEL RESUO este estudo foi investigada a motivação de alunos do ensino suerior e os fatores a ela relacionados.

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL*

GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL* Artigos Primavera 2008 GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL* Fátima Cardoso** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As flutuações dos termos de troca constituem

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) V OLMPÍD PULST D MTMÁTC Prova da Fase Final (6 de novembro de Nível α (6 o e 7 o anos do nsino Fundamental wwwommatbr Folha de Perguntas nstruções: duração da rova é de hmin O temo mínimo de ermanência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

Comunicação Interna e Fusões de Empresas: um caso do passado, uma oportunidade para o futuro

Comunicação Interna e Fusões de Empresas: um caso do passado, uma oportunidade para o futuro ACTAS ICONO 14, 2010, Nº A6,. 15-24. ISBN 1697-8293. Madrid (Esaña) Anabela Mateus: A Comunicação na Fusão Recibido: 22/09/2010 Acetado: 30/12/2010 ACTAS Nº A6: SIC Título Actas ISSN: 1697-8293 Comunicação

Leia mais

Comparações entre DPL NILSSON e SPT

Comparações entre DPL NILSSON e SPT Comarações entre DPL NILSSON e SPT Thomas Ulf Nilsson Thomas Nilsson Geoconsultores Ltda, Curitiba, PR RESUMO: O ensaio de enetração adronizado, SPT, é utilizado no transcorrer da sondagem à ercussão e

Leia mais

2º e 3º trimestres de 2014 - São Paulo/SP. dededededededededededed

2º e 3º trimestres de 2014 - São Paulo/SP. dededededededededededed Umbanda Uma Religião Brasileira Sinceridade - Justiça - Fé 2º e 3º trimestres de 2014 - São Paulo/SP dededededededededededed Meio dia e o sol a ino. É reimlantado mais um terreiro de umbanda nas terras

Leia mais

M.J.Mion 7 DICAS PARA CRIAR VALOR EM VOCÊ E FICAR INDISPENSÁVEL NO MERCADO DE TRABALHO E NA VIDA. UPERBEM www.vendasuperbem.com.

M.J.Mion 7 DICAS PARA CRIAR VALOR EM VOCÊ E FICAR INDISPENSÁVEL NO MERCADO DE TRABALHO E NA VIDA. UPERBEM www.vendasuperbem.com. r e M.J.Mion PARA CRIAR VALOR EM VOCÊ E FICAR INDISPENSÁVEL NO MERCADO DE TRABALHO E NA VIDA. www.vendabem.com.br r e Aresentação Olá, que ótimo t um ouco de a atenção ara que eu ossa ajudá-lo a conquistar

Leia mais

Detecção Remota. Miguel Baio, João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura

Detecção Remota. Miguel Baio, João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Detecção Remota Miguel Baio, João Matos Deartamento de Engenharia Civil e Arquitectura (Versão 2.0) 11 de Abril de 2007 Motivação Detecção remota como forma de aquisição sistemática de informação geográfica,

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

Aplicação de Técnicas de Mineração de Dados em Problemas de Classificação de Padrões

Aplicação de Técnicas de Mineração de Dados em Problemas de Classificação de Padrões Laboratório de Comutação Evolucionária Deartamento de Engenharia Elétrica UFMG Av. Pres. Antônio Carlos, 6627 CEP 31.270 010 Fone: 5531 3409 34 26 5531 3409 4826 Alicação de Técnicas de Mineração de Dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES CRIPTOGRAFIA EM BLOCOS: UM ENFOQUE EM SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE MATRIZES DISSERTAÇÃO

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA José de Freitas Uchoa ( ) A - INTRODUÇAO O esfôrço que, há alguns anos, tem sido continuamente desenvolvido no Brasil através

Leia mais

IFT Instituto de F ısica Te orica Universidade Estadual Paulista M etodo de Integrac ao em Dimens ao Negativa em Teoria Qu ˆ antica de Campos

IFT Instituto de F ısica Te orica Universidade Estadual Paulista M etodo de Integrac ao em Dimens ao Negativa em Teoria Qu ˆ antica de Campos IFT Instituto de Física Teórica Universidade Estadual Paulista DISSERTAÇÃO DE MESTRADO IFT D.006/09 Método de Integração em Dimensão Negativa em Teoria Quântica de Camos Oscar Leonardo Acevedo Pabón Orientador

Leia mais

Palavras-chave: Escolas, adolescente, consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo, drogas ilícitas.

Palavras-chave: Escolas, adolescente, consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo, drogas ilícitas. Artigo Original Uso de substâncias sicoativas em adolescentes de escola ública e rivada da cidade de Santos Use of sychoactive substances among adolescents attending ublic and rivate schools in Santos

Leia mais

Apoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas

Apoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Aoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas Maria João Teixeira Gomes Alves Dissertação

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica

A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica 1293 A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica The configuration of the social network of women living in domestic violence situations ARTIGO ARTICLE Maria de Lourdes

Leia mais

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA Marcio Botelho da Fonseca Lima (UFPB) tismalu@uol.com.br ROBERTA DE

Leia mais

SIMULADOS & TUTORIAIS

SIMULADOS & TUTORIAIS SIMULADOS & TUTORIAIS TUTORIAIS CSS O que é CSS e sua sintaxe Coyright 2013 Todos os Direitos Reservados Jorge Eider F. da Silva Proibida a rerodução deste documento no todo ou em arte or quaisquer meios,

Leia mais

Probabilidade parte 2. Robério Satyro

Probabilidade parte 2. Robério Satyro Probabilidade arte Robério Satyro Definição de robabilidade Vamos analisar o fenômeno aleatório lançamento de uma moeda erfeita. Nesse caso, temos: = {C, C} () = Os subconjuntos de são, {C}, { C} e {C,

Leia mais

Tudo começou em África

Tudo começou em África Tudo começou em África (Expresso: 25-04-1998) Análises do D A confirmam a origem africana da espécie humana, uma ideia já defendida no século passado por Charles Darwin e Thomas Henry. A nossa árvore genealógica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA DEM - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA Allan Nogueira de Albuquerque 1, Marco Antonio Meggiolaro 2. 1 Aluno de Graduação

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL UNIVERSIDDE DE ÉVOR DEPRTMENTO DE ENGENHRI RURL HIDRÁULIC GERL PONTMENTOS DS ULS TEÓRICS ENGENHRI GRÍCOL ENGENHRI BIOFÍSIC ENGENHRI GEOLÓGIC Maria Madalena V. Moreira Vasconcelos Évora, 004 Caítulo 1 FORÇS

Leia mais

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos Estudo de correlação entre ensaios enetrométricos estáticos e dinâmicos Jeselay Hemetério Cordeiro dos Reis Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Brasil, E-mail: jeselay@hotmail.com Pedro Paulo Michelan

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO E VAZÃO MÁXIMA DE BACIAS URBANAS

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO E VAZÃO MÁXIMA DE BACIAS URBANAS COEFICIENTE DE ESCOMENTO E VZÃO MÁXIM DE BCIS URBNS Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS v. Bento Gonçalves, 9500 PORTO LEGRE-RS TUCCI@IF1.IF.UFRGS.BR Resumo: O coeficiente de escoamento

Leia mais

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32 Exercı cios Objetivos 1. (009/1) Paulo e Marta esta o brincando de jogar dardos. O alvo e um disco circular de centro O. Paulo joga um dardo, que atinge o alvo num onto, que vamos denotar or P; em seguida,

Leia mais

COMPORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS

COMPORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS COMORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS JOÃO VITOR GONÇALVES MARTINS rojecto submetido ara satisfação arcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA Orientador:

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

GERADOR EÓLICO RESUMO (ABSTRACT): 1.1 MÁQUINAS COM EXCITAÇÃO ÚNICA

GERADOR EÓLICO RESUMO (ABSTRACT): 1.1 MÁQUINAS COM EXCITAÇÃO ÚNICA GERADOR EÓLICO Fredemar Rüncos, Engenheiro Eletricista e Físico, formado ela UFPR, Pós-Graduação em Máquinas Elétricas Girantes ela UFSC. Exerce a função de Gerente da Engenharia de Produto da WEG Máquinas,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, a de Outubro de 7 DESENOLIMENTO DO CONCEITO DE MOTOR SORE-EXPANDIDO análise teórica, numérica e exerimental Martins, J J.G *, Ribeiro, S *, * Deartamento

Leia mais

ACESSO A RECURSOS ESSENCIAIS E PODER DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DA CONCESSÃO DE SLOTS EM AEROPORTOS NO BRASIL

ACESSO A RECURSOS ESSENCIAIS E PODER DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DA CONCESSÃO DE SLOTS EM AEROPORTOS NO BRASIL 2º LUGAR - REGULAÇÃO ECONÔMICA AUTOR: ALESSANDRO VINICIUS MARQUES DE OLIVEIRA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS -SP ACESSO A RECURSOS ESSENCIAIS E PODER DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DA CONCESSÃO DE SLOTS EM AEROPORTOS

Leia mais

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado ES-013 Eemlo de um Projeto Comleto de um Edifício de Concreto Armado São Paulo agosto - 001 Lajes de Concreto Armado.1 Lajes Maciças de Concreto Armado.1.1 Introdução Lajes são elementos estruturais bidimensionais

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. x, n. x,. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN

Leia mais

microeconomia compêndio licenciatura em contabilidade e administração

microeconomia compêndio licenciatura em contabilidade e administração microeconomia comêndio licenciatura em contabilidade e administração 2010 Índice das figuras... 3 1. Formalização do roblema económico... 5 1.1. Necessidades e afectação eficiente de recursos escassos...

Leia mais

3 Custos Incorridos pelos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Operativas e de Regulação de Freqüência

3 Custos Incorridos pelos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Operativas e de Regulação de Freqüência 3 Custos Incorridos elos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Oerativas e de Regulação de Freqüência 3.1 Custo da Produção da Energia Elétrica A avaliação dos custos incorridos na geração da energia

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Eacta ISSN: 1678-548 eacta@uninove.r Universidade Nove de Julho Brasil Magela Barosa, Geraldo Processo de doramento de chaas metálicas Eacta, vol. 7, núm. 1, enero-marzo, 009,. 109-10 Universidade Nove

Leia mais

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA Acir Mércio Loredo-Souza, Mario Gustavo Klaus Oliveira, Gustavo Javier Zani Núñez, Daniel de Souza Machado, Elvis Antônio Careggiani,

Leia mais

Anotações de Fluidização 8/9/2009

Anotações de Fluidização 8/9/2009 Anotações de Fluidização 8/9/009 Fluidização N. Bojorge 1 Definição A fluidização ocorre quando um fluxo de fluido (gás ou liquido) ascendente através de um leito de artículas adquire velocidade suficiente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS NATALIA

Leia mais

dededededededededededed

dededededededededededed Umbanda Uma Religião Brasileira Sinceridade - Justiça - Fé Novembro e Dezembro de 2012 - São Paulo/SP dededededededededededed N o mês de outubro, o TUOM realizou o tão eserado Ritual da Senhora do Eterno

Leia mais

LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS

LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Linkage e os Mapas Genéticos Humanos LINKAGE E OS MAPAS GENÉTICOS Os trabalhos de Gregor Mendel não foram

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. 8, n. 1,. 125-158, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN 2238-1031 Sistema de aoio

Leia mais

"Um álbum que eu queria ter feito" - 6/11/2001 - Digestivo Cultural - Rafael Lima -...

Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001 - Digestivo Cultural - Rafael Lima -... htt://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.as?codigo=269 Página 1 de 5 b 5 DIGESTIVOS Segunda-feira Artes Internet Terça-feira Teatro Televisão Quarta-feira Cinema Música Quinta-feira Além do Mais

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPEIO NÁUTICA INFANTE D. HENIQUE DEPATAMENTO DE ENGENHAIA MAÍTIMA INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO APONTAMENTOS SOBE CONTOLADOES ANALÓGICOS Elementos coligidos or: Prof. Luís Filie Batista E.N.I.D.H. /3

Leia mais

Professor(a): Marco Rossellini Disciplina: Biologia Aluno(a): Ano: 3 EM Nº: Data: / / Bimestre: 3º NOTA: Exercícios - Geekie

Professor(a): Marco Rossellini Disciplina: Biologia Aluno(a): Ano: 3 EM Nº: Data: / / Bimestre: 3º NOTA: Exercícios - Geekie 1) Leia os trechos seguintes, extraídos de um texto sobre a cor de pele humana. A pele de povos que habitaram certas áreas durante milênios adaptou-se para permitir a produção de vitamina D. À medida que

Leia mais

Uma proposta de estudo do transporte de nanomateriais no solo por uma análise computacional

Uma proposta de estudo do transporte de nanomateriais no solo por uma análise computacional UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ANDRÉ LUIS DOS SANTOS HORTELAN Uma roosta de estudo do transorte de nanomateriais no solo or uma análise comutacional

Leia mais

Microeconomia. Guião das aulas. António Saraiva

Microeconomia. Guião das aulas. António Saraiva Microeconomia Guião das aulas António Saraiva Instituto Suerior de Contabilidade e Administração do Porto MICROECONOMIA António Fernando Martins Garcia Saraiva 1998 3 Índice 1. Persectiva histórica sumária

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE versão imressa ISSN -7438 / versão online ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE ESTADUAL AULISTA UNES - Camus de Bauru/S FACULDADE DE ENGENHARIA Deartamento de Engenharia Civil Discilina: 2139 - CONCRETO ROTENDIDO NOTAS DE AULA CONCRETO ROTENDIDO rof. Dr. AULO SÉRGIO

Leia mais

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianóolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 A influência da resonsabilidade social cororativa sobre o retorno das ações de emresas de caital aberto no Brasil

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

PROJETO MECATRÔNICO DE MANIPULADORES PARA TRANSFERÊNCIA DE CARGA EM OPERAÇÕES OFFSHORE

PROJETO MECATRÔNICO DE MANIPULADORES PARA TRANSFERÊNCIA DE CARGA EM OPERAÇÕES OFFSHORE VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Camina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Camina Grande Paraíba Brazil PROJETO

Leia mais

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011 MICROECONOMIA II E08 00- -04-0 João Correia da Silva joao@fe.u.t . Estruturas de Mercado.. Concorrência Perfeita... Monoólio. MONOPÓLIO O Monoólio é uma estrutura de mercado na ual:. Existe aenas emresa

Leia mais

A probabilidade de nascer uma menina afetada do cruzamento de 3 com 11 é: a) 0,00 b) 0,25 c) 0,50 d) 0,75 e) 1,00

A probabilidade de nascer uma menina afetada do cruzamento de 3 com 11 é: a) 0,00 b) 0,25 c) 0,50 d) 0,75 e) 1,00 Genética e Evolução 1. A mosca drosófila, de olho branco, apresenta a constituição genética X W Y e não possui gene para olho vermelho, que impede a manifestação do outro gene, para olho branco. Na frase,

Leia mais

3. HIDROSTÁTICA. 3.1. Lei Hidrostática de Pressões. df p = (3.1) da. pda

3. HIDROSTÁTICA. 3.1. Lei Hidrostática de Pressões. df p = (3.1) da. pda 3. HIDROSTÁTIC 3.1. Lei Hidrostática de Pressões There are no shear stresses in fluids at rest; hence only normal ressure forces are resent. Therefore the ressure at any oint in a fluid at rest is the

Leia mais

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 20 - Backpropagation

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 20 - Backpropagation Inteligência Artificial Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 20 - Backroagation Introdução Redes de uma camada resolvem aenas roblemas linearmente searáveis Solução: utilizar mais de uma camada Camada 1: uma

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 5-6 COMPRESSORES. Características de operação e performance: mapa de desempenho

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 5-6 COMPRESSORES. Características de operação e performance: mapa de desempenho MÁQUINAS ÉRMICAS Comressores: tios, características Relações termodinâmicas básicas Diagrama de velocidades Aulas 5-6 COMPRESSORES Características de oeração e erformance: maa de desemenho Prof. Silvia

Leia mais

Competências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife

Competências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife Cometências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metroolitana do Recife Tania Nobre Gonçalves Ferreira Amorim FRPE tanobre@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Camus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da Relação entre o Faturamento do Consumo de Energia Elétrica e Demanda de Potência Ativa e Reativa Utilizando Hierbolóides

Leia mais

Os Gastos Públicos no Brasil São Produtivos?

Os Gastos Públicos no Brasil São Produtivos? ISSN 1415-4765 TEXTO ARA DISCUSSÃO N O 781 Os astos úblicos no Brasil São rodutivos? José Oswaldo Cândido Júnior Brasília, fevereiro de 2001 ISSN 1415-4765 TEXTO ARA DISCUSSÃO N o 781 Os astos úblicos

Leia mais

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas R.. Natal Jorge nálise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas eartamento de Engenharia ecânica e Gestão Industrial Faculdade de Engenharia Universidade do Porto (/) nálise Elasto-Plástica de Estruturas

Leia mais

TRAINING PROGRAM RBCS. Palavras-chave: hipertrofia muscular, treinamento de força, composição corporal, força máxima.

TRAINING PROGRAM RBCS. Palavras-chave: hipertrofia muscular, treinamento de força, composição corporal, força máxima. MUDANÇAS DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DA FORÇA APÓS UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE HIPERTROFIA CHANGES ON BODY COMPOSITION AND STRENGTH AFTER A HYPETROPHY TRAINING PROGRAM Renata Gomes 1, Jefferson Eduardo

Leia mais

MANUAL do UTILIZAdOR de TeRMOPROdUTOs IsIde IdRO PORTUGUÊs/PORTOGHese

MANUAL do UTILIZAdOR de TeRMOPROdUTOs IsIde IdRO PORTUGUÊs/PORTOGHese MANUAL DO UTILIZADOR DE TERMOPRODUTOS Iside IDRO /PORTOGHESE 2 ... 4 Advertências... 4 Segurança... 4 Manutenção ordinária... 4 INSTALAÇÃO HIDRÁULICA... 5 Instalação e disositivos de segurança... 5 DISPOSITIVO

Leia mais

Unimed Leste Fluminense: Alinhando os Canais Para Crescer.

Unimed Leste Fluminense: Alinhando os Canais Para Crescer. Unimed Leste Fluminense: Alinhando os Canais Para Crescer. Autoria: Juliana Maffazioli Pires, Alice Souto de Vasconcelos Torres, Victor Manoel Cunha de Almeida RESUMO O caso de ensino Unimed Leste Fluminense

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CÁLCULO DE SISTEMAS DE ESCAPE DE MOTORES DE EXPLOSÃO Jorge Manuel Fernandes Trindade (Licenciado) Dissertação ara obtenção do grau de Mestre em

Leia mais

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.t Escola Suerior de Enfermagem de Coimbra Portugal Duarte Farias Nogueira, João Rui; Ferreira, Manuela O envolvimento do ai na gravidez/arto

Leia mais

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n CAPITULO VI LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n. Generalidades O conceito geral de função e outros associados foram já estudados quando se tratou da teoria dos conjuntos. Foi igualmente estudado com

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

A saúde bucal masculina dos servidores públicos de Marília, São Paulo, Brasil

A saúde bucal masculina dos servidores públicos de Marília, São Paulo, Brasil ARTIGOS ORIGINAIS A saúde bucal masculina dos servidores úblicos de Marília, São Paulo, Brasil The oral health of male civil servants from Marília, São Paulo, Brazil La salud oral de los funcionarios úblicos

Leia mais