ESTRESSE OCUPACIONAL E QUALIDADE DE VIDA EM TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES DE UMA INSTITUIÇÃO MILITAR BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRESSE OCUPACIONAL E QUALIDADE DE VIDA EM TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES DE UMA INSTITUIÇÃO MILITAR BRASILEIRA"

Transcrição

1 DANIELA DE ALMEIDA MARTINS ESTRESSE OCUPACIONAL E QUALIDADE DE VIDA EM TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES DE UMA INSTITUIÇÃO MILITAR BRASILEIRA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO CAMPO GRANDE/MS 2005

2 DANIELA DE ALMEIDA MARTINS ESTRESSE OCUPACIONAL E QUALIDADE DE VIDA EM TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES DE UMA INSTITUIÇÃO MILITAR BRASILEIRA Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco, como exigência parcial para obtenção do Título de Mestre em Psicologia Área de Concentração: Comportamento Social e Psicologia da Saúde, sob a orientação da Profa. Dra. Liliana Andolpho Magalhães Guimarães. UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO CAMPO GRANDE/MS 2005 ii

3 BANCA EXAMINADORA Profa. Dra. Liliana Andolpho Magalhães Guimarães (UCDB) Orientadora Prof. Dr. Dorgival Caetano (UNICAMP) Profa. Dra. Sonia Grubits (UCDB) iii

4 Dedico esse trabalho à minha família: Laerte, Selma, Mi, Lannes, e a nossa alegria de todos os dias, Frederico. iv

5 AGRADECIMENTOS Agradeço profundamente Aos meus pais, pelo amor, pelo exemplo, pela compreensão e pelo apoio constantes, sempre ao meu lado, incansáveis; À Mi, minha irmã querida, amiga de todas as horas, parceira para tudo, meu porto seguro, que nos deu o presente mais iluminado da vida: Frederico; Ao querido Lannes, irmão que ganhei, pela amizade e carinho constantes; A minha orientadora e amiga, Profa. Dra. Liliana Guimarães, pelo exemplo de mulher e de profissional que é, que me apoiou desde sempre, com palavras amigas, sábias e carinhosas, por ter acreditado e por me fazer acreditar que sempre é possível ir além; A querida amiga Inalda, pela companhia impagável, pelo incentivo e pela alegria com que compartilhou comigo as famosas 15 horas de viagem, sua força e amizade foram fundamentais; A UCDB, ao mestrado de Psicologia, aos professores, funcionários e colegas de turma, por todo o apoio e acolhimento que recebi; Ao CTA e a toda a equipe de manutenção de aeronaves que aceitou participar e cooperar com essa pesquisa obrigado pelo apoio e pela oportunidade; Aos amigos do Laboratório de Saúde Mental e Trabalho, pessoas especiais e companheiras que dividem comigo esse espaço privilegiado para partilhar experiências, conquistas e alegrias; Ao amigo querido Léo da Vinci, médico do trabalho e piloto, por todo o incentivo e carinho, iluminando meus primeiros passos nesse mundo apaixonante da aviação; Ao comandante e piloto Ruy Lange, querido amigo, que com toda a paciência e generosidade dividiu comigo seu conhecimento profundo e, acima de tudo, sua paixão por voar; Ao meu irmãozinho Dri, companheiro de todas as horas, pela amizade e estímulo constante; Aos amigos e familiares do meu coração, perdoem a ausência durante o período de gestação dessa dissertação. Obrigado pela torcida, pela amizade e pelas palavras carinhosas nos momentos difíceis. v

6 RESUMO vi

7 MARTINS, Daniela de Almeida. Estresse Ocupacional e Qualidade de Vida de trabalhadores de manutenção de aeronaves de uma instituição militar brasileira. Campo Grande/MS, 2005, 232p. Dissertação de Mestrado Mestrado em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Inexistem estudos similares na literatura nacional e internacional avaliando Estresse Ocupacional e Qualidade de Vida de trabalhadores de manutenção de aeronaves. Essa atividade exige um alto nível de competência, não admite erros e demanda uma importante carga física e mental de trabalho (DAC, 1996; FAA, 2002). Dentre os riscos ocupacionais inerentes à profissão destacam-se: trabalho em espaços restritos, riscos atmosféricos; riscos físicos e carga mental. Através do estudo exploratório-descritivo, desenvolvido em uma única etapa, no setor de manutenção de aeronaves de uma instituição militar brasileira, objetivou-se a caracterização dos aspectos sócio-demográficos, a avaliação do estresse ocupacional e da qualidade de vida, comparando e correlacionando os resultados. Dos 93 funcionários, 82 (n = 82; 88,1%) participaram da aplicação dos questionários ERI Desequilíbrio entre Esforço e Recompensa no Trabalho (SIEGRIST, 1999) e do Questionário de Qualidade de Vida WHOQOL - Bref. (FLECK et al., 1999). Foram utilizados: análise de variância (ANOVA), teste de proporções, teste t de Student, e regressão linear múltipla. A ANOVA dos domínios do WHOQOL-Bref evidenciou que a média do domínio Meio Ambiente (12,4) foi significativamente inferior a dos demais domínios de QV (p < 0,05). Quanto ao ERI, 55 sujeitos (67%) apresentaram equilíbrio entre esforço e recompensa no trabalho (ERI-) e 27 (33%) apresentaram desequilíbrio nessa relação (ERI+) (p = 0,00), indicando presença de estresse ocupacional; 8 (10%) apresentaram Supercomprometimento, enquanto 74 (90%) não o apresentaram (p = 0,00). Não foram obtidas associações significativas entre as variáveis sócio-demográficas, de um lado, e os domínios de QV e o fator desequilíbrio no ERI, de outro (p>0,05). O fator Supercomprometimento (SC) apresentou associação significativa com a variável renda (p = 0,05). As sub-escalas de SC apresentaram associações significativas com as variáveis sóciodemográficas: competitividade e horas semanais de trabalho (p=0,01); irritabilidade desproporcional e renda (p = 0,02); dificuldade de se desligar do trabalho (DDT) e renda (p = 0,01); DDT e idade (p = 0,00); DDT e tipo de cargo (p = 0,01); DDT e trabalho em turnos (p = 0,02). A regressão linear múltipla entre QV e ERI revelou que os domínios de QV foram responsáveis por 33,9% da variância do ERI e que apenas os domínios Meio Ambiente (DMA) (ß =-0,044) e Físico (DF) (ß =-0,054) contribuíram significativamente para a variância explicada (p < 0,05). Tomando-se o ERI como variável preditora de cada domínio de QV, observa-se que o mesmo foi responsável por 28,3% da variância do DF e por 24,7% da variância do DMA. Os achados sugerem que a percepção inferior de QV está mais relacionada às características do ambiente de trabalho do que às características do trabalhador, o que permite concluir que condições organizacionais desfavoráveis exercem pressão sobre o trabalhador de manutenção de aeronaves militares e, quando sua energia adaptativa se exaure, podem ocorrer os erros que colocam em risco a segurança de vôo. Palavras-chave: estresse ocupacional; qualidade de vida; manutenção de aeronaves; fator humano; psicologia da saúde ocupacional. vii

8 ABSTRACT viii

9 MARTINS, Daniela de Almeida. Work Stress and Quality of Life of the aircraft maintenance personnel from a Brazilian military institution. Campo Grande/MS, 2005, 232p. Dissertation submitted for Master s Degree in Psychology at Dom Bosco Catholic University (UCDB). There is no evidence of national or international studies assessing work stress (WS) and quality of life (QOL) of the aircraft maintenance personnel. The aircraft maintenance system is a complex one, requires a high level of competency, is intolerant to errors, and is characterized by high levels of mental workloads (DAC, 1996; FAA, 2002). Its hazards are associated with working in confined spaces, being exposed to air contaminants, physical demands and mental pressure. In a crosssectional study designed to describe the sociodemographic characteristics and to assess the prevalence of work stress and quality of life from 93 aircraft maintenance workers from a Brazilian military institution, two questionnaires (ERI - Effort-Reward Imbalance and the WHOQOL-Bref) were administered to 82 (88,1%) of them. The responses were subjected to analysis of variance (ANOVA), proportion tests, Student's t-test and multiple linear regressions. The WHOQOL-Bref showed that the Environment Domain (mean=12,4) was found to be significantly lower than the others domains (p < 0,05) of QOL. The prevalence of ERI was 33% (n = 55) (p = 0,00), suggesting the occurrence of work stress. The prevalence of Overcommitment (OC) was 10% (n = 8) (p = 0,00). On the one hand, sociodemographic characteristics were not significantly associated with WHOQOL-Bref and ERI (p>0,05). On the other hand, OC was significantly associated with income (p=0,05). The OC s scales were significantly associated with sociodemographic characteristics as follows: competitiveness and working hours per week (p=0,01); latent hostility and income (p=0,02); inability to withdrawal from work (IWW) and income (p=0,01); IWW and age (p=0,00); IWW and level of occupation (p=0,01); IWW and work shift (p=0,02). Through the Multiple linear regressions between QOL and ERI, QOL domains accounted for 33,9% of the variance of ERI, which is explained significantly (p<0,05) by the QOL Physical Health domain (PHD) (ß=-0,05) and by the Environment domain (ED) (ß=-0,044). On the other hand, ERI accounted for 28,3% of the variance of the PHD and 24,7% of the variance of the ED. These findings suggest that the perception of QOL is mostly related to the organizational variables than the worker s individual characteristics. In closing, unfavorable organizational conditions place pressure on the military aircraft maintenance worker and when his adaptive energy begins to succumb to these pressures, errors may occur, becoming an important risk factor for the flight safety. Key-words: work stress; quality of life; aircraft maintenance; human factors; occupational health psychology. ix

10 LISTA DE FIGURAS pág. FIGURA 1 Modelo ERI Desequilíbrio entre Esforço e Recompensa no Trabalho FIGURA 2 Distribuição da frota de aeronaves e das empresas aéreas comerciais na América Latina FIGURA 3 Distribuição da frota mundial de aeronaves ativas em FIGURA 4 Idade média da frota militar mundial FIGURA 5 Causas dos acidentes e incidentes aéreos FIGURA 6 Representação gráfica do modelo SHELL FIGURA 7 O modelo do queijo suíço de Reason x

11 LISTA DE TABELAS pág. TABELA 1 - Artigos encontrados na área da Saúde Ocupacional relacionados aos trabalhadores de manutenção aeronáutica TABELA 2 Artigos encontrados na área de Fatores Humanos relacionados aos trabalhadores de manutenção aeronáutica TABELA 3 Distribuição de freqüências e porcentagens para as variáveis sócio-demográficas dos trabalhadores do setor de manutenção de aeronaves (N = 82) TABELA 4 ANOVA dos domínios do WHOQOL-Bref (N=82) em trabalhadores do setor de manutenção de aeronaves TABELA 5 Correlação linear de Pearson entre os domínios do WHOQOL- Bref (N=82) TABELA 6 ANOVA comparando a amostra com 3 diferentes grupos ocupacionais utilizando o WHOQOL-Bref TABELA 7 Distribuição da freqüência de ERI- e ERI+ e presença de supercomprometimento nos trabalhadores de manutenção de aeronaves TABELA 8 Correlação linear de Pearson entre os Fatores do ERI TABELA 9 Classificação das questões mais referidas sobre Esforço para os grupo ERI- e ERI+, quanto ao grau de incomodo ( muito e muitíssimo ) (N=82) TABELA 10 Classificação das questões mais referidas sobre Recompensa (falta de) para os grupo ERI- e ERI+, quanto ao grau de incomodo ( muito e muitíssimo ) (N=82) TABELA 11 Distribuição das médias e desvio padrão para o fator Supercomprometimento e suas sub-escalas, comparando os resultados entre os grupos com ERI- e ERI+ (N = 82) TABELA 12 Comparação das proporções obtidas no estudo com dados normativos de 2 diferentes categorias ocupacionais da validação brasileira do ERI (teste de uma proporção) xi

12 TABELA 13 Comparação das médias e Alpha de Cronbach para Esforço (E), Recompensa (R) no trabalho e Supercomprometimento entre a amostra de estudo com 2 outras categorias ocupacionais TABELA 14 Resumo das comparações realizadas através da ANOVA e do Teste t de Student para as variáveis sócio-demográficas, de QV e do ERI TABELA 15 Regressão linear múltipla dos domínios do WHOQOL-Bref sobre o ERI TABELA 16 Regressão linear múltipla dos múltipla dos domínios do WHOQOL-Bref sobre a variável SUPERCOMPROMETIMENTO TABELA 17 Regressão linear múltipla da variável preditora ERI e a variável regressora QV Domínio Físico TABELA 18 Regressão linear múltipla da variável preditora ERI e a variável regressora QV Domínio Psicológico TABELA 19 Regressão linear múltipla da variável preditora ERI e a variável regressora QV Domínio Relações Sociais TABELA 20 Regressão linear múltipla da variável preditora ERI e a variável regressora QV Domínio Meio Ambiente TABELA 21 Regressão linear múltipla da variável preditora SUPERCOMPROMETIMENTO e a variável regressora de QV Domínio Físico TABELA 22 Regressão linear múltipla da variável preditora SUPERCOMPROMETIMENTO e a variável regressora de QV Domínio Psicológico TABELA 23 Regressão linear múltipla da variável preditora SUPERCOMPROMETIMENTO e a variável regressora de QV Domínio Relações Sociais TABELA 25 Regressão linear múltipla da variável preditora SUPERCOMPROMETIMENTO e a variável regressora de QV Domínio Ambiente xii

13 Lista de Quadros Pág. QUADRO 1 Descrição geral da função e do procedimento de inspeção xiii

14 I INTRODUÇÃO

15 O presente estudo aborda os fatores de risco psicossocial do trabalho de manutenção de aeronaves de uma instituição militar brasileira e o impacto na saúde mental e na qualidade de vida de seus trabalhadores. Seu início ocorreu a partir do contato estabelecido pela instituição estudada com o Laboratório de Saúde Mental e Trabalho (LSMT), vinculado à Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, do qual faço parte desde sua fundação, em Através do contato com o livro Série Saúde Mental e Trabalho vol. 1, editado pela Casa do Psicólogo em parceria com a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), organizado pelas Profas. Liliana A. M. Guimarães, orientadora dessa dissertação, e Sonia Grubits, coordenadora do Mestrado em Psicologia da UCDB, as psicólogas da Divisão de Saúde desta instituição militar buscaram auxílio de pesquisadores do LSMT, dado que, num período de cerca de seis meses, trinta funcionários do setor de manutenção de aeronaves da empresa (que tem um total de 93 funcionários) foram atendidos pelo serviço de psicologia. Alguns desses funcionários buscaram o serviço espontaneamente, mas muitos foram encaminhados para atendimento psicológico por diferentes especialidades médicas, sobretudo a clínica médica, a cardiologia e a pneumologia. De acordo com os relatos, os funcionários atendidos apresentavam queixas físicas (palpitação, insônia, falta de ar, gastrite), queixas psíquicas (ansiedade, depressão, fobias, irritabilidade, ideações suicidas, agressividade), e queixas relacionadas ao trabalho (atitudes inadequadas das chefias, pressão de tempo, aumento de trabalho). Com esses dados, as psicólogas da instituição militar perceberam a necessidade de realizar um diagnóstico da situação de trabalho para poderem compreender os possíveis motivos para esse aparente adoecimento em massa. Por fazerem parte do staff da empresa, não se sentiam tendo a capacitação, a objetividade e a neutralidade necessárias para uma visibilidade adequada da situação. Por consenso entre o grupo, procuraram auxílio externo à empresa, para o adequado diagnóstico da situação. Por já haver participado anteriormente de várias pesquisas na área da Saúde Mental e Trabalho, como assistente da Profa. Liliana, acreditei ser essa uma oportunidade valiosa para desenvolver uma investigação que pudesse trazer à luz 2

16 aspectos que vinham sendo estudados, em nosso grupo de pesquisa, acerca da Saúde Mental, do Estresse Ocupacional e da Qualidade de Vida no Trabalho, ao mesmo tempo em que poderia proporcionar uma contribuição prática para um contexto laboral até então desconhecido para mim, ainda pouco estudado, e que necessitava de uma ação emergencial, tendo em vista as queixas apresentadas e a gravidade dos riscos envolvidos para a saúde dos trabalhadores e para a segurança de vôo. A partir desse contexto, o presente estudo foi gerado, tendo percorrido uma longa trajetória até sua finalização. Como o LSMT já vinha estudando de maneira frutífera o campo da Saúde Mental e Trabalho, tendo publicado três livros sobre o assunto e vários artigos, o conhecimento até então dos temas abordados sugeria que a investigação do Estresse Ocupacional e da Qualidade de Vida na equipe de manutenção aeronáutica poderia contribuir para uma compreensão dos fatores psicossociais do trabalho capazes de interferir na saúde mental dessa categoria ocupacional. De forma convergente, ao se estabelecer o design deste estudo, optou-se por verificar a adequação, para os objetivos pretendidos, do Questionário ERI (Effort- Reward Imbalance), baseado no modelo de mesmo nome, que viria a ser validado para uso no Brasil pela Profa. Liliana e colaboradores, simultaneamente à realização desta investigação. Concluiu-se que o mesmo mostrava-se adequado, sobretudo, por suas premissas teóricas e por suas características psicométricas. O modelo ERI tem o seguinte paradigma central: as experiências cronicamente estressantes são o resultado de um desequilíbrio entre alto esforço intrínseco e baixa recompensa extrínseca, somados a um alto nível pessoal de supercomprometimento, caracterizado por um estado prolongado de investimento ativo de energia adaptativa (SIEGRIST, 1996). Acrescente-se que várias pesquisas apontam que o desequilíbrio prolongado entre esforços e recompensas que o trabalhador vivencia na sua situação de trabalho pode ser um fator de risco substancial para doença cardiovascular, problemas gastrintestinais e ósteomusculares, transtornos mentais e percepção subjetiva da saúde (SIEGRIST, 1996; 2001; STEENLAND et al., 2000; SIEGRIST et al., 2004), sendo um preditor significativo de saúde precária tanto para homens quanto para mulheres (NIEDHAMMER et al., 2004). 3

17 As propriedades psicométricas do modelo foram investigadas por Siegrist et al. (2004) utilizando dados comparativos de estudos epidemiológicos desenvolvidos em cinco países (Bélgica, França, Suécia, Reino Unido e Alemanha). A consistência interna das escalas foi satisfatória em todas as amostras e a estrutura fatorial foi consistentemente confirmada, encontrando-se um odds ratio significativamente elevado relacionado à saúde precária em trabalhadores que apresentaram altos escores na escala de desequilíbrio, indicando ser o modelo ERI uma medida psicométrica adequada para avaliar estresse ocupacional. A validação brasileira, também apresentou altos níveis de confiabilidade, apresentando os seguintes Alfas de Cronbach: 0,71, para Esforço, 0,84, para Recompensa e 0,68, para a escala de Supercomprometimento. Para avaliar a Qualidade de Vida (QV), escolheu-se o questionário WHOQOL- Bref, desenvolvido pela Organização Mundial de Saúde (WHOQOL GROUP, 1998), que aborda a QV em quatro domínios: Físico, Psicológico, Relações Sociais e Meio Ambiente. Optou-se por esse instrumento em função das propriedades psicométricas obtidas na validação brasileira (FLECK, 2000), da facilidade de compreensão e da rapidez de aplicação. Buscou-se, assim, descrever as repercussões do ERI na QV dos trabalhadores da amostra desse estudo. A opção por utilizar dois instrumentos se justifica, dado que a literatura refere que a combinação de medidas que avaliem o sentimento de bem-estar acerca do equilíbrio entre as demandas do trabalho e os recursos psicológicos, organizacionais e relacionais de que o trabalhador dispõe para enfrentar essas demandas permite viabilizar uma maior capacidade estratégica, gerencial e operacional para questões de qualidade de vida no trabalho (CORTÉS RUBIO, 2003; LIMONGI FRANÇA, 2004). Com o referencial teórico/conceitual escolhido, bem como os instrumentos de pesquisa, realizou-se as primeiras buscas na literatura científica sobre o trabalho com equipes de manutenção de aeronaves na área da saúde do trabalhador, constatando-se uma carência importante de estudos com este grupo ocupacional. Um levantamento bibliográfico nas bases de dados nacionais e internacionais, mostrou diversos estudos investigando a saúde mental ocupacional dos aeronautas (pilotos e comissários) e de controladores de tráfego aéreo. Entretanto, a literatura relacionada especificamente com o trabalho de manutenção de aeronaves 4

18 apresentou-se num número visivelmente menor, sendo encontrados ao todo noventa e nove (99) artigos na literatura internacional abrangendo assuntos diversos, tais como prevenção de acidentes, o gerenciamento do erro de manutenção, riscos ocupacionais, entre outros. Na literatura nacional, no entanto, não foram encontrados estudos que abordem esta categoria ocupacional nas áreas da Saúde Mental e da Qualidade de Vida. Apenas seis (6) estudos foram encontrados relacionados especificamente à saúde mental dos trabalhadores de manutenção de aeronaves, reforçando a importância de se desenvolver mais pesquisas voltadas a esse tipo de atividade laboral. Essa busca foi ampliada por referências complementares em outros campos do conhecimento para que fosse possível conhecer de maneira mais aprofundada os demais fatores envolvidos no trabalho do grupo ocupacional estudado. Inicialmente se procurou contextualizar como a aviação civil e, em especial, a militar, se comportam frente aos desafios dos tempos atuais. É notório que na aviação, tanto civil quanto militar, observa-se de maneira privilegiada a busca por maior produtividade e qualidade nos serviços, principalmente num contexto marcado pelo congestionado movimento aéreo nas grandes metrópoles, por uma intensa competitividade, pelos constantes avanços tecnológicos, pelo impacto econômico e psicológico dos atentados terroristas iniciados em 2001 e pela busca constante da supremacia militar, principalmente em tempos de conflitos e de guerras. Entretanto, no transporte aéreo o risco de acidentes é parte integrante do conteúdo do trabalho. Essa vulnerabilidade permeia as relações na aviação, passando a ser um eixo fundamental de investigação e de análise das causas dos acidentes aéreos. No caso da aviação militar, deve-se acrescentar que a presença do risco é uma condição inerente ao trabalho e à formação militar. Segundo Bray et al. (2001; 2003), os militares de ambos os sexos estão expostos a uma ampla variedade de eventos estressores que são parte do próprio treinamento e das atividades de trabalho e podem afetar não só o militar na ativa, como também sua família e amigos. 5

19 Além disso, deve-se considerar também os aspectos da cultura e dos valores militares que permeiam as relações interpessoais e de trabalho, baseados em conceitos como a hierarquia, a higidez, a lealdade e a autoridade, que apresentam importante associação com os ambientes e as relações de trabalho, que são locus de estresse que podem afetar a qualidade de vida e a capacidade dos militares desempenharem adequadamente suas tarefas (BRAY et al., 2001). Isso mostra a grande relevância para a segurança de vôo e a investigação de acidentes aéreos do campo de estudos denominado Fator Humano. Na aviação, o Fator Humano é identificado como a principal causa das catástrofes aéreas (FERREYRA; DEL VALLE, 2000; PALMA, 2002; DAC, 2004). Em concordância com tal afirmação, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA, 2003) acrescenta que: [...] a ponta de lança em qualquer atividade aeronáutica ainda é o elemento humano, independentemente dos avanços tecnológicos obtidos. (...) Dentre todos os aspectos que envolvem o sistema complexo do mundo aeronáutico, o homem ainda é o grande "vilão", responsável pelo sucesso ou insucesso desta atividade. Seja no desenvolvimento, operação ou manutenção da máquina, nos serviços oferecidos a bordo, ou no controle do tráfego, a relação entre os profissionais que permeiam estas atividades tem participado ativamente como um dos fatores contribuintes para a ocorrência de inúmeros acidentes aeronáuticos (CENIPA, 2003). De acordo com a International Civil Aviation Organization (ICAO, 2003), o conceito de Fatores Humanos refere-se ao estudo da interação humana em suas situações de trabalho e de vida: a interação das pessoas com as máquinas e os equipamentos utilizados, com os procedimentos escritos e verbais, com as regras que devem ser seguidas, com as condições atmosféricas ao seu redor e com as interações com as outras pessoas que influenciam no comportamento no trabalho de maneira a poder afetar a saúde e a segurança, transformando-se numa ciência multidisciplinar por natureza. É a partir das contribuições e do desenvolvimento do conceito de Fatores Humanos que passou a se expandir em toda a aviação uma atenção especial aos 6

20 aspectos organizacionais, relacionais e individuais que permeiam as atividades dos aeronautas. O foco inicial das pesquisas era voltado ao trabalho dos pilotos, passando posteriormente para o dos comissários, o dos controladores de tráfego aéreo e só nos últimos 5 anos se encontram estudos voltados aos trabalhadores de manutenção de aeronaves. Na indústria aeronáutica, sempre que as causas prováveis de um acidente aéreo são listadas, as deficiências associadas ao sistema de manutenção ocupam, invariavelmente, um lugar proeminente (FOGARTY; SAUNDERS; COLLYER, 1999). Entretanto, para a Federal Aviation Association (FAA, 2002), a atenção dada para os problemas relacionados à manutenção de aeronaves tem sido insuficiente. Graeber e Marx (1994) referem que 12% dos acidentes ocorrem em função de falhas de manutenção e inspeção e cerca de um terço dos funcionamentos defeituosos podem ser atribuídos a deficiências de manutenção. Além do impacto na segurança de vôo, a falta de eficiência nessas atividades também pode ser relacionada a atrasos nos vôos, danos em solo e outros fatores que influenciam diretamente nos custos e na viabilidade do negócio. No caso específico da manutenção de aeronaves militares, deve-se considerar a idade da frota como sendo um importante fator de risco, já que tende a ser mais antiga e a ter menor chance de reposição do que a da aviação comercial (JACKMAN, 2005). Além disso, os gastos com as aeronaves militares são maiores do que os da aviação comercial, assim como é maior a sua a frota mundial, constituída por aviões de guerra, de transporte de carga, de serviços, de treinamento, aviões-tanque, de missões especiais e helicópteros. Nessa dissertação foram formuladas as seguintes questões: quais serão os fatores ligados ao trabalho de manutenção de aeronaves militares que protegem ou colocam em risco a saúde física e mental do trabalhador? Quais serão os fatores intrínsecos do trabalhador que podem ser determinantes no seu (não) adoecimento sob condições de trabalho específicas? E como isso interfere no seu trabalho e na sua qualidade de vida? E a cultura militar, como interfere no adoecimento do trabalhador? E os fatores sócio-demográficos, como e em que medida, interferem nessa relação? 7

21 Assim, embora a presente investigação se dê com a categoria profissional dos trabalhadores militares de manutenção de aeronaves militares, pretende-se que os achados desse estudo possam contribuir para uma maior visibilidade dos fatores psicossociais de risco presentes na atividade de manutenção aeronáutica militar, para o campo da Segurança e Prevenção de acidentes aéreos e para o campo da Psicologia da Saúde Ocupacional (PSO). Essa dissertação está dividida em 7 seções: a primeira delas contém uma introdução que descreve o contexto em que se iniciou esse estudo, ressaltando sua importância. A segunda versa sobre o referencial teórico que fundamentou o presente estudo e está dividida em quatro capítulos. O capítulo 1 aborda as mudanças no universo laboral e seu impacto na saúde do trabalhador. São apresentados os principais conceitos, definições e abrangências relacionados à saúde ocupacional, à saúde mental no trabalho e os modelos de estresse ocupacional. É apresentado, então, o modelo ERI, utilizado nesse estudo, seguido de considerações acerca da Qualidade de Vida e da Qualidade de Vida no Trabalho. O capítulo 2 aborda a Atividade Aeronáutica e o Trabalho de Manutenção de Aeronaves e são apresentados os principais aspectos da atividade aeronáutica, o atual contexto mundial e brasileiro, a aviação militar no Brasil, seus valores e normas, finalizando com o trabalho de manutenção de aeronaves e a segurança de vôo. O capítulo 3 apresenta de maneira abrangente o conceito de Fatores Humanos e são apresentados um breve histórico, principais conceitos e modelos, finalizando com os treinamentos CRM (Crew Resource Management). O capítulo 4 busca tecer/construir a interface entre os conceitos de Saúde Mental, Fator Humano e Trabalho enfocando a literatura científica nacional e internacional em relação aos esses aspectos voltados especificamente para esta categoria ocupacional. A terceira seção traz a pesquisa de campo e o contexto onde ela foi realizada, as hipóteses do trabalho e os objetivos estabelecidos. A quarta descreve a 8

22 casuística e o método de investigação, apresentando a população estudada, os recursos humanos e materiais utilizados, os instrumentos de pesquisa, os procedimentos realizados, os aspectos éticos e a análise e processamento dos dados coletados. A quinta seção descreve os resultados obtidos, evidenciando-se os achados estatisticamente significativos. A sexta apresenta a discussão dos resultados, comparando-os aos encontrados na literatura nacional e internacional. Finalmente, na seção sete são apresentadas as conclusões obtidas e as considerações finais, que incluem sugestões para a atividade de manutenção de aeronaves e para os futuros estudos na área. 9

23 Capítulo 1 AS MUDANÇAS NO UNIVERSO LABORAL E SUAS REPERCUSSÕES NA SAÚDE MENTAL E NA QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

24 "A não ser que se consiga fazer com que as sociedades se tornem mais igualitárias e que a economia global seja mais inclusiva, poucos conseguirão alcançar segurança econômica ou o trabalho decente Juan Somavia (ILO, 2004) 12

25 1.1. As mudanças no universo laboral União Européia, Estados Unidos e Japão Na atualidade, o universo do trabalho apresenta uma complexidade singular: como uma marca simbólica da globalização, a natureza mutante do trabalho se apresenta numa velocidade cada vez mais acelerada, tornando-se imprescindível adequar máquinas, papéis, contratos, produtos, leis, sociedade, educação, economia, cultura e o homem moderno, inserido nessa especificidade dos tempos atuais (BAKER; SCHNALL, 2004). Cabe acrescentar que hoje a força de trabalho mundial tem cerca de 3 bilhões de trabalhadores, sendo que destes, dois bilhões se encontram em regiões de menor desenvolvimento e recebem salários que não chegam à metade dos rendimentos dos países ricos (OLIVEIRA, 2005). Conseqüentemente, essas diferenças entre realidades sócio-econômico-culturais tão distintas repercutem de maneira importante em um universo laboral globalizado. O National Institute of Occupational Safety and Health (NIOSH, 2002) refere que os países industrializados vêm testemunhando profundas mudanças na organização do trabalho, fortemente influenciado por fatores macroeconômicos, tecnológicos, legais e políticos, entre outros. Conseqüentemente, as práticas organizacionais vêem se transformando drasticamente nessa nova economia que busca o melhor resultado ao menor custo possível. Para competir de maneira mais eficaz, grandes empresas se reestruturaram através de processos de downsizing 1 e da terceirização de seus funcionários. Ao mesmo tempo, vêm aumentando práticas menos tradicionais de contrato de emprego, como o trabalho temporário ou por empreitada. Para o NIOSH (2002), a rubrica sistemas de trabalho de alta performance tem sido utilizada para descrever e justificar muitas dessas novas práticas organizacionais, como as estruturas de gerenciamento novas e mais achatadas, que resultam na transferência descendente da responsabilidade de gerenciamento e no 1 É o enxugamento de pessoal, delegando maior responsabilidade a gerentes e funcionários de níveis mais baixos com a finalidade de redução de custos ou racionalização de atividades. 13

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Sourcing de TI Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? 2010 Bridge Consulting Apresentação Apesar de ser um movimento de grandes dimensões,

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA APRESENTAÇÃO E-mail para contato: ctifor@tjce.jus.br Nome do trabalho: Projeto Qualidade de Vida: celebrando o equilíbrio mente/corpo no ambiente

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT. Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal. Responsável: Marcelo Folchetti

Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT. Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal. Responsável: Marcelo Folchetti Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal Responsável: Marcelo Folchetti Equipe em ordem alfabética: Antonia Alencar de Carvalho; Helena Tavares;

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15 Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade Samuel Antunes 25.11.15 Local de Trabalho Saudável As Organizações que são lugares de trabalho saudáveis: Desenvolvem acções de promoção da saúde física

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2 WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES v1 2 3 v2 CONTEÚDO MoVE international 3 Aprendizagem para a Vida 4 5 O Caminho para a identidade profissional 6 7 Líderes na preparação 8 9 Fortalecendo

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Abordagens de Avaliação de Riscos Psicossociais em Estabelecimentos de Saúde

Abordagens de Avaliação de Riscos Psicossociais em Estabelecimentos de Saúde Abordagens de Avaliação de Riscos Psicossociais em Estabelecimentos de Saúde António Jorge Ferreira Instituto de Higiene e Medicina Social - Faculdade de Medicina de Coimbra Características geradoras

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Saúde é um direito fundamental.

Saúde é um direito fundamental. Saúde é um direito fundamental. A Constituição de 1988 elevou a saúde à categoria de direito fundamental, um dos conhecidos direitos sociais, como se vê nos artigos 6º e 7º. A partir dessa Constituição,

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro PROF.ª DRª SELMA RIBEIRO Diretora Técnica V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA AVIAÇÃO BRASILEIRA Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro 1 OBJETIVO Discutir, do ponto de vista

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA CONCEITO DE SAÚDE DA OMS "um estado de completo

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais