Projecto InovGrid - A evolução da rede de distribuição como resposta aos novos desafios do sector eléctrico. Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto InovGrid - A evolução da rede de distribuição como resposta aos novos desafios do sector eléctrico. Portugal"

Transcrição

1 Projecto InovGrid - A evolução da rede de distribuição como resposta aos novos desafios do sector eléctrico F. M. Gomes EFACEC A. M. Carrapatoso EFACEC Portugal

2 RESUMO Este trabalho descreve a arquitetura desenvolvida para a implementação de uma rede ativa até ao consumidor / produtor (prosumer), alinhada com a implementação de uma rede inteligente (SmartGrid). O projeto InovGrid foi lançado como uma resposta ao desafio colocado à EDP Distribuição (EDPD) relativamente à liberalização do mercado elétrico Ibérico e Europeu [1] e à necessidade de introduzir mais inteligência na rede por forma a gerir e controlar de forma mais abrangente a rede de distribuição incluindo a integração em larga escala de micro-produção e responsive loads. Este projeto que será aplicável aos 6 milhões de clientes da EDPD, trará benefícios a todos os envolvidos, contribuindo para a mudança de hábitos de consumo por forma a endereçar os requisitos de Eficiência Energética, de acordo com a Diretiva Européia [2] e as legislações nacionais dos diferentes países envolvidos [3]. O projeto InovGrid para além de ser um grande desafio tecnológico, é uma excelente oportunidade de implementação do paradigma das redes inteligentes, permitindo a integração dos processos de smart metering e comerciais definidos pelos reguladores ibéricos [4,5] e permitindo simultaneamente o aumento da eficiência e da flexibilidade da operação da rede, a melhoria da qualidade de serviço, entre outros. Por forma a desenvolver o projeto, foi formado um consórcio liderado pela EDPD e incorporando empresas com competências nas áreas da medição e comunicações (Janz), automação de sistemas de energia, comunicações, SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition) e automação de subestações (EFACEC), sistemas de informação (Edinfor / LOGICA CMG) e institutos de investigação (INESC Porto), com o suporte da nolimits Consulting. Este trabalho descreve os principais objetivos, o trabalho desenvolvido e planeado, e os resultados esperados do projeto InovGrid, que incluem um projeto piloto em 2009 actualmente em implementação. A arquitetura técnica da solução baseia-se numa arquitetura hierárquica multinível, capaz de integrar as componentes comerciais e técnicas. As soluções escolhidas privilegiaram a escolha de soluções abertas e a modularidade, já que se trata de uma área onde a evolução tecnológica poderá permitir ter num futuro próximo, tecnologias que potencializem uma maior capacidade de comunicação. As próximas fases de desenvolvimento do projeto estarão focadas numa rede elétrica ativa, incluindo soluções de self-healing (auto-recuperação), estratégias de controle de microgeração por forma a permitir o funcionamento em ilha e recuperação de serviço após blackouts, gestão de ativos, demand response, entre outras. PALAVRAS CHAVE AMR, AMI, Smart Metering, Redes Inteligentes, Telecontagem, Distribuição de Energia, Automação da Distribuição. 2

3 1. Introdução Os sistemas inteligentes de contagem são o instrumento chave para a implementação da infraestrutura que dará suporte à gestão técnica e comercial dos sistemas eléctricos de energia do futuro. Os benefícios destes sistemas são ainda potenciados pela possibilidade de colaborarem na integração em larga escala de geração de energia renovável. As abordagens de telecontagem tem vindo a evoluir do ponto de vista de sofisticação tecnológica, desde o AMR até AMI, introduzindo o conceito de smart metering. Desde os anos 90 até ao inicio do Século XXI foram introduzidas soluções de telecontagem como resposta à liberalização do mercado eléctrico que colocou novas necessidades, nomeadamente de dados operacionais da rede e de consumo mais detalhados. Foram instalados contadores electrónicos nos clientes principais e foram utilizados sistemas de comunicação baseados nas redes GSM ou PSTN. Como consequência da penetração da tecnologia associada aos contadores digitais no segmento de baixa tensão e da necessidade de ter novos mecanismos que potenciem a eficiência energética dos consumidores desenvolveram-se novas soluções que estão actualmente a ser implementadas por várias utilities, permitindo um novo tipo de relações contratuais, introdução de demand response, e fundamentalmente, uma abordagem centrada no consumidor. Ambition levels introducing network intelligence + InovGrid Project Smart Metering and Energy Management: Customer-centric approach; promoting energy efficiency; provide a new set of services Stakeholders benefits AMM Automated Meter Management Micro and dispersed generation: Provided integration and growing capacity into distribution network - - AMR Automated Meter Reading Solution complexity and innovation + Smart Grids: Increase intelligence, efficiency and quality of service Ilustração 1 - Âmbito do projecto InovGrid Aproveitando o facto de se vir a dispor de uma nova infra-estrutura de telecomunicações e um número alargado de dispositivos electrónicos inteligentes na rede de média tensão (MV) e de baixa tensão (LV) é possível tornar real esta mudança de paradigma [6]. A nova infra-estrutura permite realizar a gestão técnica e comercial, introduzir serviços avançados, integrar a crescente microgeração e geração dispersa com a inerente necessidade de controlo adicional, e simultaneamente aumentar a disponibilidade de informação e inteligência em todos os níveis da rede [7, 8]. 3

4 Este artigo descreve a arquitectura técnica, os componentes principais e serviços que estão a ser desenvolvidos e instalados por forma a implementar uma rede de distribuição verdadeiramente activa. 2. Arquitectura Por forma a desenvolver este projecto foi criado um consórcio, liderado pela EDP Distribuição (EDPD) e que integra empresas da área da automação e comunicações (EFACEC), da contagem (Janz / Contar), dos sistemas de informação (LOGICA) e institutos de investigação (INESC Porto), com o suporte de consultoria na gestão do projecto da NoLimits Consulting. A arquitectura técnica baseia-se numa arquitectura hierárquica multinível, capaz de gerir simultaneamente de forma separada ou integrada a informação técnica e comercial. Os componentes definidos para a fase 1 (actualmente em instalação no terreno) estão representados na figura seguinte. Ilustração 2 - Arquitectura técnica de referência InovGrid A arquitectura encontra-se dividida em 3 níveis: 1. Nível do produtor / consumidor Neste nível encontram-se as Energy Boxes (EB), que implementam as funções de contagem de energia e também a gestão de energia doméstica, incluindo o controlo de equipamentos consumidores de energia e o controlo da microgeração. 2. Nível da subestação MV/LV (posto de transformação - PT) Neste nível encontra-se o Distribution Transformer Controller (DTC), com funções de concentração de informação, gestão das Energy Boxes e ainda a monitorização, controlo e automação do PT (transformador e restantes activos da subestação MV/LV) 3. Nível de controlo e gestão central Neste nível é realizada a agregação da informação comercial e de gestão de energia, sendo ainda implementado o controlo operacional da rede. 4

5 Foram estudadas as diferentes possibilidades existentes do ponto de vista das tecnologias e protocolos de comunicações e foram avaliadas as infraestruturas existentes por forma a fazer uma escolha adequada ao tipo e quantidade de tráfego previsto entre os diferentes níveis da arquitectura e aos níveis de robustez de comunicação necessários. A solução encontrada baseia-se em protocolos standard, abertos e interoperáveis, por forma a garantir a compatibilidade, a evolução e o controlo do risco inerente a uma instalação em larga escala. Até ao arranque do roll-out massivo do projecto serão introduzidos desenvolvimentos significativos na rede de distribuição, incluindo sensorização de rede de média tensão, detecção de defeito, restabelecimento de serviço automático e self-healing, controlo da microgeração incluindo estratégias para gestão do funcionamento em ilha e para restabelecimento de energia após problemas de exploração e situações de blackout, monitorização de activos, automação e controlo, demand response, etc. Para além dos níveis anteriormente referidos, a implementação do projecto envolverá a revisão e o desenho de novos processos organizacionais que permitirão um impacto positivo nos serviços prestados e na relação com os diferentes stakeholders Energy Box A Energy Box é o gateway inteligente doméstico para smart metering, demand response, demand side management, controlo da microgeração, serviços de valor acrescentado e domótica. Ilustração 3 - A Energy Box como o gateway inteligente de energia As Energy Boxes (EB) são os dispositivos que ficam mais próximos dos produtores / consumidores, implementando os serviços de contagem e contratuais e permitindo, através 5

6 da sua capacidade comunicativa local, a troca de mensagens entre cliente e fornecedor incluindo a informação detalhada dos consumos. Onde aplicável, as EB darão suporte à gestão e controlo da microgeração (tanto ao nível local como ao nível da rede de baixa tensão, respondendo a pedidos recebidos do DTC), bem como à gestão e controlo de cargas locais, incluindo cargas que contratualmente possam ser deslastradas Distribution Transformer Controller O Distribution Transformer Controller (DTC) fica localizado na subestação MV/LV (Posto de Transformação - PT) e além de comunicar e gerir as Energy Boxes existentes na rede LV da subestação, opera ainda como um dispositivo inteligente de controlo e automação do PT, detecção de defeito e controlo da Iluminação Pública. O DTC é o componente principal neste nível da arquitectura, permitindo a introdução faseada de novas funcionalidades conforme elas se tornem necessárias, face ao seu conceito modular e expansível. Num cenário de um sistema DMS distribuído, o DTC terá um papel fundamental no controlo e gestão avançada da geração distribuída, possibilitando a implementação local de algoritmos avançados. O DTC implementa ainda outras funções, tais como balanço energético, monitorização do desequilíbrio de carga, monitorização de sobrecarga do transformador, analise da qualidade de energia, detecção e notificação de falhas de energia. As funcionalidades implementadas em cada um dos PT durante a fase de roll-out do projecto dependerão do tipo de PT, condições de instalação, e principalmente de uma análise de custo beneficio tendo em conta a operação da rede e a qualidade de serviço. O DTC terá ainda a responsabilidade de gerir a operação da rede em ilha, explorando a capacidade de geração local existente na rede de baixa tensão desde que disponível [9]. Numa fase mais avançada do projecto serão ainda implementadas funções de reposição automática de serviço, self-healing e gestão da microgeração [10] Comunicações As comunicações tem um papel fundamental no projecto, já que disponibilizam todo o suporte de infraestrutura às diversas funcionalidades e serviços. A infraestrutura divide-se nas seguintes redes: 1. WAN (Wide Area Network) - Interliga os Sistemas de Informação / SCADA/DMS com os DTC 2. TAN (Transformer Area Network) Interliga o DTC e os restantes dispositivos electrónicos inteligentes (IED) existentes no PT 3. LAN (Local Area Network) Interliga o DTC e as EB 4. HAN (Home Area Network) Interliga a EB com dispositivos instalados na casa do consumidor / produtor (para interacção com o consumidor / produtor, controlo individual de cargas, etc.) Na implementação actualmente em fase de instalação foi escolhida a tecnologia PLC de banda estreita, GSM/GPRS e radiofrequência em frequência não licenciada. Foi contemplada a possibilidade de existirem evoluções das tecnologias de comunicações ao longo das diferentes fases do projecto já que esta é uma área com um nível de evolução muito elevado e estão a surgir tecnologias com bastante potencial como o PLC recorrendo à modulação OFDM, ou a estandardização do ZigBee para este tipo de aplicações. Para isso os produtos desenvolvidos no âmbito deste projecto foram concebidos de forma modular por 6

7 forma a permitirem a alteração da tecnologia de comunicações sem que seja necessário substituir todo o equipamento. A migração para uma rede full IP e os problemas ligados à cibersegurança são também importantes desafios para a evolução deste projecto para as fases seguintes Sistemas de Informação A nova plataforma de IT e os sistemas técnicos e comerciais existentes contribuem fortemente para a implementação da visão do projecto InovGrid. Esta infraestrutura que inclui os Sistemas de Informação Centrais, processa a informação recebida de todos os componentes envolvidos, suportando as operações e o controlo da rede de distribuição de energia. A integração de todos os sistemas técnicos e comerciais (billing, outage management, GIS, SCADA / DMS, Portal do Cliente) permitirá atingir um novo patamar na qualidade e nível de serviço da EDP Distribuição. Estes sistemas agregam a funcionalidade de gestão comercial e de gestão técnica, implementando de forma precisa os processos de facturação através da utilização de dados de consumo / produção obtidos em tempo real. Os sistemas centrais disponibilizam uma visão global de todos os dispositivos existentes, permitindo a operação de uma rede verdadeiramente activa. A ponte entre os componentes SCADA, aplicações EDM e outros sistemas empresariais é realizada a todos os níveis, desde os sistemas centrais até aos níveis inferiores, possibilitando uma gestão optimizada da rede eléctrica, melhoria na qualidade do fornecimento de energia e permitindo a introdução de novas funcionalidades. A gestão dos activos da rede será também melhorada, através da monitorização em tempo real dos activos e análise diferida dos dados adicionais adquiridos que passarão a cobrir integralmente toda a rede de distribuição de energia. 3. Benefícios principais A integração da rede eléctrica actual com uma plataforma tecnológica e de comunicações avançada trará benefícios às utilities, stakeholders e à sociedade Improve access to micro-generation Reduce energy costs VAS, tariffs and price plans Real-time billing Consumer/ Producer Provide new services New price plans and real-time tariffs Improve CRM Reduce entry barriers Supplier Regulator Market efficiency Continuous reliability and quality improvement More accurate information about activities New tariffs models Reduce OPEX Reduce network losses Optimize management and control Optimize CAPEX Improve QoS Distributor National Economy Improve energy efficiency Increase penetration of DG Converge to European goals Boost R&D and economy Facilitate market liberalization Ilustração 4 - Principais benefícios esperados 7

8 3.1. Utilities A existência de informação detalhada proveniente de todos os níveis da rede eléctrica contribuirá para planear melhor as necessidades de investimento, evitando ou adiando alguns dos investimentos, reduzindo desta forma o CAPEX A supervisão e controlo remoto abrangendo toda a rede eléctrica, suportado através de dados de tempo real potenciará mecanismos que melhoram as operações, optimizando a gestão da rede nomeadamente ao nível do controlo de tensão e de minimização de perdas O acesso generalizado à informação em tempo real e monitorização de activos permitirá reduzir o custo nas operações através da redução de acções correctivas e reparações / substituições, reduzindo desta forma o OPEX. Através da optimização do controlo e operação da rede e também da integração de geração dispersa e microgeração espera-se obter uma melhoria na qualidade de serviço, nomeadamente na fiabilidade do fornecimento de energia aos clientes finais. Pelo facto de se obter de forma global os trânsitos de energia e de se poder optimizar a integração da geração dispersa e microgeração poderão ser optimizadas as condições operacionais da rede e minimizadas as perdas técnicas. A detecção de fraude será potenciada pela obtenção de dados detalhados de consumo de energia e de balanços energéticos na rede de baixa tensão realizados ao nível do Posto de Transformação, o que em conjunto permitirá minimizar as perdas técnicas e comerciais Stakeholders Os comercializadores poderão introduzir novos serviços (incluindo serviços de valor acrescentado), podendo implementar tarifários inovadores que reflictam as condições reais de mercado. As operações em tempo real permitirão melhorar também a gestão da relação com os clientes. Os reguladores verão uma melhoria de eficiência no mercado através de uma melhoria continua da qualidade de serviço, maior facilidade na mudança de comercializador, disponibilidade de informação detalhada da actividade das utilities e das operações de mercado, etc. Os consumidores / produtores poderão reduzir o valor da sua factura, não apenas pela melhoria da operação da rede ou por mudança do plano tarifário, mas fundamentalmente porque passam estar sensibilizados acerca do potencial de melhoria de eficiência energética. A facturação passa também a ser suportada por valores reais, incluindo informação detalhada de consumo, incluindo por exemplo curvas de carga. Como a utility passa a poder gerir de forma optimizada a geração dispersa, poderão ser implementados novos modelos de integração de microgeração, beneficiando os produtores. Do ponto de vista económico e politico, permitirá potenciar a convergência com os objectivos ambientais da União Europeia [11], através do aumento da eficiência energética. Esta transformação tecnológica contribuirá para a dinamização da actividade de Investigação e Desenvolvimento, criação de novos centros de competências, desenvolvendo novos clusters industriais e de serviços Sociedade As redes de energia do futuro permitirão promover uma abordagem centrada no consumidor / produtor e melhorar a qualidade de serviço, promovendo activamente um mercado europeu de energia e a sustentabilidade ambiental. 8

9 4. Conclusões A fusão da rede actual de distribuição de energia com uma nova plataforma tecnológica e de comunicações criará uma nova super-infraestrutura que será o inicio da implementação de redes inteligentes. A plataforma InovGrid combina hardware (suportado por uma rede de comunicações bidireccional) e sistemas desenhada para endereçar a integração de Smart Metering, gestão de energia, microgeração e ainda a gestão avançada da rede eléctrica. Quando efectivamente integrada com os sistemas comerciais e técnicos, a solução InovGrid é um dos pontos chave para atingir os objectivos definidos para a área da energia uma abordagem centrada no cliente consumidor / produtor, qualidade de serviço, sustentabilidade ambiental e mercado europeu de energia aportando benefícios às utilities, stakeholders e à sociedade. BIBLIOGRAFIA [1] - Directiva 2003/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de Junho de 2003, que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE (OJ L 76/ ) [2] - Directiva 2006/32/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 5 de Abril de 2006 relativa à eficiência na utilização final de energia e aos serviços energéticos e que revoga a Directiva 93/76/CEE do Conselho, Jornal Oficial da União Europeia, Estrasburgo, 2006 [Online]. Available: [3] Ministério da Economia e da Inovação. Portugal Eficiência 2015 Plano nacional de acção para a eficiência energética, 2008, Lisboa, Portugal [Online]. Available: [4] ERSE. Funcionalidades mínimas e plano de substituição dos contadores de energia eléctrica - proposta a apresentar ao governo português no âmbito do plano de compatibilização regulatória (MIBEL), 2007, Portugal [Online]. Avilable: [5] - Ministerio de Industria, Turismo y Comercio. ORDEN ITC/3860/2007, (BOE de 29/12/ Sección I), 2007 [Online]. [6] - European smartgrids technology platform: vision and strategy for Europe's electricity networks of the future / European Commission, Directorate-General for Research, Sustainable Energy Systems, Luxembourg, 2006 [Online]. Available: [7] - R. Lasseter et al., White paper on integration of distributed energy resources The CERTS MicroGrid concept [Online]. Available: [8] - J. A. Peças Lopes, J. Tomé Saraiva, N. Hatziargyriou, "Management of Microgrids", Proceedings of JIEEC' International Electrical Equipment Conference' 2003, Bilbao, Espanha, Outubro de [9] - J. A. Peças Lopes, C. L. Moreira, A. G. Madureira, Defining control strategies for MicroGrids islanded operation, IEEE Transactions on Power Systems, vol.21, no.2, pp , Maio, [10] -C. L. Moreira, F. O. Resende, J. A. Peças Lopes, Using low voltage MicroGrids for service restoration, IEEE Transactions on Power Systems, vol.21, no.1, pp , Fevereiro,

10 [11] - Brussels European Council, 8-9 March 2007: Presidency Conclusions, Brussels, Belgium, [Online]. Available: 10

Redes Inteligentes de Energia Smart Grids

Redes Inteligentes de Energia Smart Grids Redes Inteligentes de Energia Smart Grids 9.º Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Electrotécnica António Aires Messias Lisboa, 19 de Junho de 2009 ENQUADRAMENTO O contexto macroeconómico está a

Leia mais

Workshop Smart Metering

Workshop Smart Metering Workshop Smart Metering Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro Março de 2015

Leia mais

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 Info-Day Nacional de Energia Oportunidades de financiamento no âmbito do tema ENERGIA do Horizonte 2020, Concursos 2014&2015 António Messias, Inovgrid, EDP DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real

Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real Julho de 2014 João Torres CEO EDP Distribuição Chairman EDSO for smart grids A distribuição de eletricidade no século XXI exige soluções

Leia mais

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016 A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica 31 de Maio de 2016 Agenda A EDP, EDP Distribuição e EDP Inovação O contexto atual para o sector elétrico As Telecomunicações

Leia mais

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje Redes Inteligentes A Rede do Futuro Construída Hoje Grupo Efacec, Breve descrição Ao longo da sua história, a Efacec tem vindo a antecipar as mudanças num mundo extremamente competitivo, tornando-se numa

Leia mais

Capítulo XI. Smart grids e veículos elétricos experiências em Portugal. Smart grids Redes Inteligentes. Contextualização. O paradigma das smart grids

Capítulo XI. Smart grids e veículos elétricos experiências em Portugal. Smart grids Redes Inteligentes. Contextualização. O paradigma das smart grids 26 Capítulo XI Smart grids e veículos elétricos experiências em Portugal Por Nuno Silva* O aumento do nível de introdução de Geração Distribuída (GD) de fontes renováveis e de unidades de microgeração

Leia mais

Resposta da EDP Distribuição. - Outubro 2007 -

Resposta da EDP Distribuição. - Outubro 2007 - segmento doméstico e nas pequenas empresas no âmbito do MIBEL Resposta da EDP Distribuição - Outubro 2007 - segmento doméstico e nas pequenas empresas no âmbito do MIBEL Introdução É com particular apreço

Leia mais

Resumo Executivo Sobre Silver Spring e a sua experiência Uma plataforma de redes inteligentes Comprovado em escala Suporte para várias aplicações

Resumo Executivo Sobre Silver Spring e a sua experiência Uma plataforma de redes inteligentes Comprovado em escala Suporte para várias aplicações 1 Resumo Executivo Após estudar cuidadosamente os documentos apresentados na consulta pública sobre Contadores Inteligentes de electricidade e de Gás Natural publicada pela Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Tendências do Setor Energético Mundial Aumento da demanda global Elevação no preço da energia Pressão para o uso de fontes renováveis Aumento da complexidade

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos As Energias do Presente e do Futuro Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos J. A. Peças Lopes (jpl@fe.up.pt) Introdução Caracterização da Situação 1. Aumento do consumo de electricidade 2.

Leia mais

O novo sector elétrico

O novo sector elétrico O novo sector elétrico FISTA 2015 Lisboa, 11 de Março de 2015 A inovação no setor elétrico está a avançar a um ritmo acelerado Eólica offshore Solar PV escala utilities Veículos elétricos Baterias de rede

Leia mais

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos Catálogo de Serviços de Assistência Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos ABB em Portugal A nossa organização Power Products Power Systems Discrete Automation & Motion Low Voltage Products

Leia mais

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA A nova era de Smart Grids inteligentes exige subestações que possuam sistemas de automação mais sofisticados, permitindo aos operadores de

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

As Smart Grids e as Redes de Comunicações do Futuro

As Smart Grids e as Redes de Comunicações do Futuro As Smart Grids e as Redes de Comunicações do Futuro Congresso das Comunicações 2010 Restart Networks: As Redes do Futuro Lisboa, 17 e 18 Novembro 2010 1 Smart Grids: Introdução ao Conceito Conceito Tradicional

Leia mais

Portefólio de Soluções. Sistemas de Automação de Subestações. Descrição

Portefólio de Soluções. Sistemas de Automação de Subestações. Descrição Portefólio de Soluções Sistemas de Automação de Subestações Descrição Actualmente, os requisitos dos sistemas de energia ao nível de desempenho, fiabilidade, segurança e resultados económicos, exigem não

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

Desenvolvimento de equipamento para ajuda ao consumo da energia elétrica em ambiente residencial

Desenvolvimento de equipamento para ajuda ao consumo da energia elétrica em ambiente residencial Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Desenvolvimento de equipamento para ajuda ao consumo da energia elétrica em ambiente residencial Miguel Ângelo da Silva Fernandes VERSÃO PROVISÓRIA Dissertação

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Sumário No sentido de aprofundar o MIBEL - Mercado Ibérico de Electricidade, e em linha com o Acordo de Santiago de Compostela e

Leia mais

Forum of ISCTE- IUL Smart Ci)es Smart Grids Lisboa, Março de 2015. Al?no Álvares al?no.alvares@contar.pt

Forum of ISCTE- IUL Smart Ci)es Smart Grids Lisboa, Março de 2015. Al?no Álvares al?no.alvares@contar.pt Forum of ISCTE- IUL Smart Ci)es Smart Grids Lisboa, Março de 2015 Al?no Álvares al?no.alvares@contar.pt Agenda Organizações SmartGrids - Contar / Janz CE Empreendedorismo - TiE Portugal Smart Ci)es Smart

Leia mais

A evolução para as smart grids Uma abordagem prospetiva de tendências tecnológicas e efeitos no negócio da distribuição

A evolução para as smart grids Uma abordagem prospetiva de tendências tecnológicas e efeitos no negócio da distribuição A evolução para as smart grids Uma abordagem prospetiva de tendências tecnológicas e efeitos no negócio da distribuição Carlos Henggeler Antunes Deptº de Engª Electrotécnica e de Computadores - Universidade

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço

O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço V Conferencia Anual RELOP Eng. João Torres Presidente do Conselho de Administração Lisboa, 31 de Maio de 2012 Agenda I A EDP Distribuição

Leia mais

Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha

Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha Gestão Sustentável de Energia Porto, Setembro de 2013 Luís Vale da Cunha O compromissoda EDP com o temada sustentabilidadeestápatenteemtodasas suas acções, nas diferentes geografias, com relevante reconhecimento

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Gestão e Controle de Energia Building Technologies

Gestão e Controle de Energia Building Technologies Gestão e Controle de Energia Copyright Siemens Switzerland Ltd. All rights reserved. Índice Empresa e Organização 3 Performance e Sustentabilidade em Edifícios 6 Produtos, Soluções e Serviços 10 Gestão

Leia mais

Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos

Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos Filipe Marinho 1, Paulo Viegas 1, João Correia Lopes 23 1 EFACEC Sistemas de Electrónica, Rua Eng. Frederico Ulrich, Apartado 3078, 4471-907 Moreira Maia.

Leia mais

Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future

Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future João Brito Martins Apresentação na conferência: Smart Grid: Construindo Juntos um Novo Mercado São Paulo, 26 de Novembro de 2014 O Grupo

Leia mais

Dispositivo autónomo de detecção de defeitos ou pequena RTU para redes de distribuição.

Dispositivo autónomo de detecção de defeitos ou pequena RTU para redes de distribuição. Portefólio de Produto Controlador Inteligente / Concentrador de Contadores Introdução Parte integrante da família de produtos SmartGate, o G Smart é um dispositivo inovador para redes de distribuição que

Leia mais

Documento Resposta CONSULTA PÚBLICA SOBRE O PLANO DE SUBSTITUIÇÃO E FUNCIONALIDADES MÍNIMAS DOS

Documento Resposta CONSULTA PÚBLICA SOBRE O PLANO DE SUBSTITUIÇÃO E FUNCIONALIDADES MÍNIMAS DOS Documento Resposta CONSULTA PÚBLICA SOBRE O PLANO DE SUBSTITUIÇÃO E FUNCIONALIDADES MÍNIMAS DOS CONTADORES PARA O SEGMENTO DOS CLIENTES DOMÉSTICOS E PEQUENAS EMPRESAS Data criação > 21 de Outubro de 2007

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Estudo sobre contadores inteligentes de electricidade e de gás natural

Estudo sobre contadores inteligentes de electricidade e de gás natural Relatório 1E/G: Situação actual e experiência com projectos-piloto em Portugal Lisboa, 25 de Fevereiro de 2012 Índice Índice de figuras... 4 Índice de tabelas... 5 Glossário e Siglas... 6 CAPÍTULO I. Enquadramento

Leia mais

InovGrid, Next Generation Grid

InovGrid, Next Generation Grid InovGrid, Next Generation Grid EDP DISTRIBUIÇÃO - ENERGIA, S.A. Seminário sobre Inovação para a Competitividade em Serviços de água Porto, Hotel Porto Palácio, Sala 3 Rios 9 de Fevereiro de 2012, Porto

Leia mais

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura.

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura. Dado que o planeta onde vivemos tem como principal característica a abundância de água, fomos ao longo dos anos explorando esse recurso essencial à nossa vida. Por outro lado, este elemento de qualidade

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

PV Net Metering project and Self Consumption Framework

PV Net Metering project and Self Consumption Framework PV Net Metering project and Self Consumption Framework 24 março UALg 2014 RELATÓRIO e CONTAS QUEM SOMOS»»» A AREAL é uma associação sem fins lucrativos composta por diversas entidades locais e nacionais;

Leia mais

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP SOLUÇÕES DATA CENTER SOLUÇÕES EFICIENTES - PROJECTOS COMPETITIVOS Na SENSYS todos os esforços estão concentrados num elevado grau de qualidade e especialização. Aliada a vários parceiros tecnológicos,

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil São Paulo, 27 de Novembro de 2013 Agenda Grupo EDP Apresentação do projeto Status de

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 AGENDA: Introdução Background Solução Corinex Propriedades do Sistema AMI Compromisso, Teste de Campo e Set Up Sumário de Resultados Próximos de Passos Background

Leia mais

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli LAGF Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli Setembro/2013 Agenda Smart Utilities & Smart Network Gestão integrada da Rede Conclusão Smart Utilities - Vetores da Governança Visão, Direção

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NAS EEC-CLUSTERS RECONHECIDAS ÁREAS TECNOLÓGICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS, PROCESSOS OU SISTEMAS ELEGÍVEIS 1. No âmbito do

Leia mais

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador no Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento e objectivos 2. Descrição dos trabalhos do auditor 3. Conclusões do trabalho do auditor 4. Recomendações

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Luiz Carlos Neves *, Alexandre Bagarolli O conceito de smart grids (redes elétricas inteligentes) vem sendo amplamente discutido

Leia mais

Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS

Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS Microsoft Solutions Day: Software as a Service 18 de Junho 2008 Gabriel Coimbra Research & Consulting Director IDC Portugal Copyright 2008 IDC. Reproduction

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro 24 Março 2015. Small Smart Metering. Expanding the Limits

Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro 24 Março 2015. Small Smart Metering. Expanding the Limits Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro 24 Março 2015 Small Smart Metering Expanding the Limits 1 Smart Metering 2 SIGFOX 3 NarrowNet 4 Aplicações 5 Futuro 1 Smart Metering Small Smart Metering (SSM)

Leia mais

Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015

Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015 Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015 Os desenvolvimentos internacionais apontam para a generalização do uso de contadores inteligentes e phase out gradual da tecnologia convencional Rollout

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities...

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Pedro Nobre Schneider Electric Lisboa, Porto Maio 2014 A complexidade começa aqui... 2 E vai além

Leia mais

Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações

Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações Utilização de Tecnologia PLC para Suporte à Aplicações SmartGrid Workshop Internacional - Power Line Communication ANEE L, 3 e 4 de Maio de 2007 [1] SmartGrid - Visão ¾ Visibilidade em tempo real das condições

Leia mais

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO SEMINÁRIO ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO 5 de novembro de 2015 DISCURSO DE ABERTURA Prof. Vítor Santos Gostaria de começar por agradecer a presença de todos e o interesse por esta iniciativa da

Leia mais

5ª Conferência RELOP Regulação da Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa: Novos Desafios

5ª Conferência RELOP Regulação da Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa: Novos Desafios Document number 5ª Conferência RELOP Regulação da Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa: Novos Desafios Implementação de Contadores Inteligentes Nuno Souza e Silva, General Manager, DNV KEMA

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015 Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema Julho/ 2015 1 Indice Organização da REN Organização da Gestão do Sistema Sistema Elétrico Nacional Função Segurança e Operação da RNT Função Equilíbrio Produção

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers Dynamic Data Center A infra-estrutura de suporte às SOA Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers As necessidades do negócio pressionam continuamente as infra-estruturas

Leia mais

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis.

A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. A Angola de amanhã precisa de respostas sustentáveis. É por essa razão que estamos a construí-las hoje, com clientes em todo o continente. www.siemens.co.ao As actividades da Siemens em África remontam

Leia mais

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO 1 AGENDA DIGITAL 2015 O QUE É A Agenda Digital 2015 é um programa de acção inserido no âmbito do Plano Tecnológico que traduz uma aposta determinada na melhoria dos serviços prestados às pessoas e aos

Leia mais

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal > outsourcing > > consulting > > training > > business solutions > > engineering & systems integration > > payment solutions > Portugal Há sempre um melhor caminho para cada empresa. Competências Outsourcing

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Dossier de imprensa - Cloogy

Dossier de imprensa - Cloogy Dossier de imprensa - Cloogy Revista de Imprensa 05-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 05122012, ISA e EDP negoceiam solução de poupança energética para famílias 1 2. (PT) - Jornal de Negócios, 05122012,

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

Estratégias locais de gestão de carregamento inteligente de frotas de veículos eléctricos

Estratégias locais de gestão de carregamento inteligente de frotas de veículos eléctricos Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Estratégias locais de gestão de carregamento inteligente de frotas de veículos eléctricos Victor Augusto Rodrigues Veloso VERSÃO FINAL Dissertação realizada

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica.

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. GESTÃO DE ACTIVOS Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. A EPAL caracteriza-se por ser uma empresa

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Medição Eletrônica de Eletricidade: Iniciativas e Tendências

Medição Eletrônica de Eletricidade: Iniciativas e Tendências 1 Medição Eletrônica de Eletricidade: Iniciativas e Tendências Murilo Larroza Fonseca, Lucas Torri, Marcelo Götz e Carlos Eduardo Pereira Resumo As Redes Elétricas Inteligentes podem ser entendidas como

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Definição de Limites de Integração de Micro- Geração nas Redes de Baixa Tensão

Definição de Limites de Integração de Micro- Geração nas Redes de Baixa Tensão Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Definição de Limites de Integração de Micro- Geração nas Redes de Baixa Tensão Sérgio Lima Barroso Pereira VERSÃO FINAL Dissertação realizada no âmbito

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Grupo Casais dinamiza processos e optimiza recursos com SharePoint Server 2007

Grupo Casais dinamiza processos e optimiza recursos com SharePoint Server 2007 Caso de Sucesso Microsoft Grupo Casais dinamiza processos e optimiza recursos com SharePoint Server 2007 Sumário País: Portugal (Sede); Europa, África, Ásia Sector: Construção Civil Perfil do Cliente A

Leia mais

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados DC2 Regras e esquemas de ligações de equipamentos de medição e contagem em pontos de ligação à RNT Data de Publicação: Abril

Leia mais

CEF Telecom. Redes Transeuropeias na era Digital. Joao Rodrigues Frade. CEF Project and Architecture Office. DIGIT Directorate-General for Informatics

CEF Telecom. Redes Transeuropeias na era Digital. Joao Rodrigues Frade. CEF Project and Architecture Office. DIGIT Directorate-General for Informatics CEF Telecom Redes Transeuropeias na era Digital Joao Rodrigues Frade CEF Project and Architecture Office joao.rodrigues-frade@ec.europa.eu DIGIT Directorate-General for Informatics CNECT Directorate-General

Leia mais