Marketing. Introdução O Marketing no Século XXI O Marketing na Nova Economia Tendências e implicações organizacionais Prof. José M.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing. Introdução O Marketing no Século XXI O Marketing na Nova Economia Tendências e implicações organizacionais Prof. José M."

Transcrição

1 Marketing Introdução O Marketing no Século XXI O Marketing na Nova Economia Tendências e implicações organizacionais Prof. José M. Veríssimo 1

2 Agenda Apresentação Metodologia de avaliação Planeamento das apresentações O marketing no Século XXI Adaptar o marketing à nova economia 2

3 Apresentação dos alunos Nome Função Hobbies Expectativas da disciplina de marketing 3

4 Docente Habilitações: Lic. Gestão ISEG MBA European University Doutoramento em Marketing, Manchester Business School (UK) Experiência: Profissional Fundador de Consultora Controller Académica: Director MBA ISEG Níveis: Licenciatura, Mestrado, Doutoramento, Pós-Graduação Disciplinas: Marketing, Marketing Estratégico; Marketing Operacional; Marketing de Serviços, Análise Qualitativa de Dados Área de investigação: Vantagens competitivas Desporto: GOLF Contactos: Telefone:

5 Avaliação A) Contínua Época Normal Entrega e Apresentação de 1 trabalho (grupo): 40% Apresentação de 2 casos práticos (grupo): 30% 1 prova escrita individual, sem consulta: 30% B) Época de Recurso 1 prova escrita individual, sem consulta 5

6 Programa Temas Base: Conceitos e âmbito do marketing Análise de oportunidades no mercado Criação de preferências nos clientes Desenvolvimento de marcas fortes Desenvolvimento de produtos e serviços Entrega de valor Comunicação de valor 6

7 Bibliografia Obrigatória KOTLER, Philip e Keller, Kevin Lane (2009) Marketing Management, 13ª. Edição, Prentice- Hall: New Jersey Complementar Solomon, Michael R.; Marshall, Greg W. E Stuart, Elnora W. (2008) Marketing: Real People, real Choices, 5ª Edição, Prentice Hall: New Jersey Kerin, Roger A; Hartley, Steven W; Berkowitz, Eric N e Rudelius, William (2006)Marketing, 8ª Edição, McGraw-Hill: London 7

8 Avaliação de Apresentações Caso Prático: Grupo nº: Data: / / 2008 Dimensões (1) Estruturação do conteúdo (2) Resposta às questões Não faz uma síntese no final da apresentação Apresenta dificuldades Evidencia o essencial do acessório, favorecendo a compreensão, retenção, e generalização pela sala. Responde e desenvolve com originalidade (3) Autoconfiança Falta de segurança, sinais de instabilidade Muita segurança, domínio das emoções, presença e confiança (4) Interacção com a sala (5) Gestão do tempo Raramente tem em consideração as intervenções da sala Não revela preocupação com o tempo Valoriza as intervenções e utiliza-as para introduzir novos conteúdos Distribuição equilibrada do tempo, em função da estratégia e do ritmo da sala Total Nota da Apresentação: [(Somatório das notas nas 5 dimensões / 5) + 10 valores] =, Avaliação efectuada por Grupo nº: 8

9 Médias de Marketing Últimos 4 anos Unidade: Percentagem 9

10 A discussão dos casos assenta Matéria das aulas Casos práticos Fontes de informação Bibliografia obrigatória Artigos (dados nas aulas ou de imprensa) Páginas de internet Empresas (entrevistas, relatórios,...) 10

11 Porquê utilizar casos práticos? Por ser a forma mais eficaz de promover a aprendizagem > através da descoberta Por se traduzir num desafio à aprendizagem, dado que a solução não é à partida óbvia ou explícita Implica o diagnóstico e a solução de problemas. Aqui o custo de errar é pequeno. Desenvolve o espírito construtivo e a capacidade analítica. 11

12 EXEMPLO DE CASO PRÁTICO Marketing Casos Práticos Compal Prof. José M. Veríssimo 12

13 EXEMPLO DE CASO PRÁTICO A Compal é líder de mercado de sumos sem gás, mantendo igualmente produtos líderes noutras categorias de produtos. 13

14 EXEMPLO DE CASO PRÁTICO Caracterizar o portfólio de produtos da Compal. Kotler e Keller propôem 4 estratégias para escolha do nome da marca. Quais as estratégias adoptadas pela Compal no mercado de sumos, néctares e refrigerantes, no mercado de vegetais e preparados de tomate, e no mercado das àguas? Existem 6 critérios que devem influenciar a escolha dos elementos da marca. Caracterizar os elementos da marcas Essencial e Clássico. Existem vantagens e desvantagens da criação de extensões da marca Compal. Comente e exemplifique. 14

15 Constituição de grupos Nas próximas 2 semanas os grupos devem estar constituídos 15

16 Onde encontrar os slides? Na página web do ISEG, no espaço destinado ás disciplinas on-line Pass: Pmbaiseg

17 Marketing O marketing no século XXI Prof. José M. Veríssimo 17

18 Objectivos Aprender as definições de marketing. Identificar os conceitos e ferramentas fundamentais do marketing. Compreender as orientações adoptadas pelas empresas. 18

19 Importância do marketing Comentar: O sucesso financeiro depende muitas vezes das competências do marketing. Finanças, operações, contabilidade e outras funções de negócio não têm sentido se não existir procura pelos bens e serviços para que a empresa obtenha resultados positivos. Philip Kotler e Kevin Keller 19

20 Perguntas frequentes em marketing Como escolher o segmento de mercado correcto? Como diferenciar os produtos? Como responder a clientes sensíveis a preço? Como concorrer com concorrentes que têm estruturas de custos mais baixas? Como construir marcas sólidas? Como manter a fidelidade dos nossos clientes? Como identificar os clientes mais importantes? Como medir o impacto da comunicação? Como aumentar a produtividade da equipa de vendas? Como criar múltiplos canais de distribuição? Como conseguir uma orientação global da empresa para o cliente? 20

21 Onde se aplica o marketing? Bens Iogurte Serviços Crédito Habitação Experiências Oceanário de Lisboa Eventos Rock in Rio Pessoas Cargos políticos Locais Região do Douro Propriedades Remax Organizações Liga para a Protecção da Natureza (LPN) Informação Semanário EXPRESSO Ideias Poupe Àgua 21

22 Principais tendências no mercado e no marketing Alterações tecnológicas Globalização Desregulamentação Privatização Aumento do poder dos clientes Customização Concorrência global e local Convergências sectoriais (vertical e horizontal) Alterações na distribuição Desintermediação 22

23 Definição de Marketing Definição do Kotler: Marketing is a societal process by which individuals and groups obtain what they need and want through creating, offering, and freely exchanging products and services of value with others. Definição da AMA (American Marketing Association) Marketing is the process of planning and executing the conception, pricing, promotion, and distribution of ideas, goods, and services to create exchanges that satisfy individual and organizational objectives. 23

24 Gestão de Marketing Definição de Kotler: "The art and science os choosing target markets and getting, keeping, and growing customers through creating, delivering, and communicating customer value" 24

25 Conceitos chave do marketing Mercado alvo e segmento Marketplace, marketspace, metamarkets Marketer & prospecto Necessidade, desejo, procura Oferta de produto e marca Troca e transacção Relações e redes Canais de marketing Cadeia de fornecimento Concorrência Programa de marketing Valor e satisfação 25

26 Conceitos chave do marketing Mercado alvo e Segmento As diferenças nas necessidades, comportamentos, demografia, ou psicografia são utilizadas para identificar segmentos Um segmento servido pela empresa é um mercado alvo. 26

27 Conceitos chave do marketing As compras podem ter lugar no: Marketplace (entidade física: Zara) Marketspace (entidade virtual: Chip7) Metamarkets referem-se a bens e serviços complementares e inter-relacionados nas mentes dos consumidores. Exemplo: Metamarket automóvel Construtores, distribuidores de veículos novos e usados, empresas financiadoras, empresas de seguros, oficinas de reparação, lojas de peças sobressalentes, revistas automóveis, classificados de automóveis nos jornais e revistas, páginas de internet, Marketers procuram respostas (compra, voto, donativo) dos prospectos. 27

28 Conceitos chave do marketing Necessidades (needs) correspondem às necessidades básicas, incluindo alimentação, ar, àgua, vestuário, abrigo/habitação, lazer, educação e entretenimento. As necessidades transformam-se em desejos (wants) quando as mesmas se direccionam para objectos que as podem satisfazer (quando a necessidade de comer se transforma num hamburger, bebida,...) Procura (demands) são desejos de certos produtos, sustentados pela capacidade financeira de pagar por eles (muitos desejam um Jaguar; apenas alguns desejam e têm a possibilidade de comprar um). 28

29 Conceitos chave do marketing As empresas respondem às necessidades através de uma proposição de valor (value proposition), um conjunto de benefícios oferecidos aos clientes para satisfazer as suas necessidades. Um produto (product) é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo Uma marca (brand) é algo com associações a qual satisfaz uma necessidade ou desejo (Pizza Hut). Quando a oferta de uma empresa produz valor e satisfação (value and satisfaction) no comprador é sinónimo de sucesso. 29

30 Conceitos chave do marketing Os responsávies do marketing podem aumentar o valor dos produtos através: Mais benefícios (emocionais ou funcionais). Baixando os preços. Aumentando os benefícios e reduzindo o preço. Aumentando os benefícios mais que proporcional aos preços. Baixando os benefícios menos que os preços. 30

31 Conceitos chave do marketing Troca (exchange) envolve a obtenção de um produto desejado de alguém em contrapartida de algo. Transacção (transaction) envolve pelo menos acordo nas condições financeiras, no momento, e no lugar. 31

32 Conceitos chave do marketing Marketing Relacional (relationship marketing) procura criar relações de médio prazo com parceiros importantes, as quais deverão resultar numa rede previligiada (marketing network) entre a empresa e os stakeholders (clientes, empregados, fornecedores, distribuidores, retalhistas, agências de publicidade, universidades, etc..). 32

33 Conceitos chave do marketing Canais de marketing Comunicação Distribuição Serviço Passar e receber mensagens dos compradores alvo. Inclui os media, comunicação nãoverbal, e atmosferas de loja. Jornais, TV, rádio, correio, telefone, posters, CDs, K7, a a internet 33

34 Conceitos chave do marketing Canais de marketing Comunicação Distribuição Serviço Mostrar ou entregar produtos tangíveis ou serviços aos compradores /utilizadores. Distribuidores, grossistas, retalhistas, agentes 34

35 Conceitos chave do marketing Canais de marketing Comunicação Distribuição Serviço Conduzir transacções com compradores potenciais através da facilitação das operações. Armazéns, transportadores, bancos, seguradoras 35

36 Conceitos chave do marketing Uma cadeia de fornecimento (supply chain) começa nas empresas que fornecem as matérias primas e componentes e acaba nas empresas que disponibilizam produtos acabados aos clientes. Cada empresa detém apenas uma pequena percentagem do valor gerado pela cadeia de fornecimento. 36

37 Conceitos chave do marketing Quatro níveis concorrênciais Concorrência Genérica Concorrência na Forma Concorrência na Indústria Concorrência na Marca Pelo mesmo dinheiro Contra outros fabricantes de camiões, bicicletas, motociclos. Contra todos os automóveis Contra outros carros de preço baixo 37

38 Conceitos chave do marketing Os 4 Ps do marketing mix Os 4 Cs dos consumidores Soluções (Customer solution) Custo (Customer cost) Conveniência (Convenience) Comunicação (Communication) Implicações dos Serviços? 38

39 Tipos de orientação das empresas A orientação da empresa guia o esforço de marketing Produção Produto Marketing Venda Cliente Marketing Social 39

40 Orientação à produção Os consumidores preferem produtos que existem em grande quantidade e de baixo preço. Os gestores focam: Eficiência produtiva Custos baixos Distribuição massificada 40

41 Orientação ao produto Os consumidores preferem produtos que oferecem mais qualidade, mais performance, e características mais inovadoras. Os gestores focam: Na criação de produtos superiores Melhorias contínuas Será que existe o risco de o gestor ficar enamorado pelos seus produtos? 41

42 Orientação à venda Quer os clientes quer as organizações, isoladamente, nunca irão comprar o suficiente à empresa vendedora. Os gestores focam: Vendas e promoções agressivas Melhoria contínua dos produtos "The purpose of marketing is to sell more stuff to more people more often for more money in order to make more profit" Sergio Zyman, ex-vice presidente de marketing da Coca-Cola 42

43 Orientação ao marketing Para atingir os objectivos da organização esta tem que ser mais eficaz que a concorrência na criação, entrega e comunicação de valor ao cliente. Quatro pilares da orientação ao marketing: Mercado alvo Necessidades dos clientes Marketing integrado Rentabilidade 43

44 Orientação ao cliente As empresas que adoptam o conceito de marketing actuam ao nível dos segmentos, mas um número crescente de empresas customiza os produtos e serviços ao nível dos indivíduos. Exemplos: Executive tailoring and shirting 44

45 Orientação ao marketing societal O objectivo da organização é determinar as necessidades, desejos, e interesses dos mercados alvo, satisfazendo estas necessidades mais eficazmente e eficientemente que a concorrência, numa forma que preserve ou melhore o bem estar do consumidor ou da sociedade. Exemplos: Body Shop - "Not tested on animals" The Co-operative Bank - "Profits with principles" 45

46 Alterações na gestão de marketing Do marketing faz o marketing para todos fazer marketing Da organização por produtos para a organização por segmentos de clientes De fazer tudo para outsourcing De muitos fornecedores para poucos fornecedores (parceiros) Da dependência de vantagens concorrenciais históricas para descoberta de novas Da ênfase em activos tangíveis para ênfase em activos intangíveis Da criação de marcas através da publicidade para a criação de marcas através de relações públicas e comunicação integrada Da venda através de lojas físicas e vendedores para a venda online Da cobertura total do mercado para a especialização selectivas ou foco num segmentos definido Da transacção para a relação de médio prazo Do foco no mercado para o foco no cliente Do local para o glocal (global e local) Do foco nos indicadores financeiros para o foco nos indicadores não financeiros Do foco nos accionistas para o foco nos stakeholders 46

47 Para discussão O marketing cria ou satisfaz necessidades? Discutir os aspectos éticos do marketing? 47

48 Marketing O marketing na nova economia Prof. José M. Veríssimo 48

49 Objectivos Explorar a forma como a internet mudou a a utilização de bases de dados de clientes. Compreender como os marketers exercem a gestão dos relacionamentos com os clientes. 49

50 Alterações ocorridas no mercado Globalização, avanços tecnológicos e desregulamentação trouxeram mais desafios: Os clientes esperam mais qualidade, melhor serviço e maior customização As marcas enfrentam concorrentes domésticos e externos As lojas independentes sofrem a pressão dos preços conduzida pelos grandes grupos distribuidores Quer as empresas quer os responsáveis pelo marketing são forçados a responder e a ajustar-se. 50

51 A nova economia Benefícios dos Consumidores resultantes da revolução digital: Maior poder de compra Maior variedade de produtos e serviços Mais informação Maior conveniência nas compras Mais fácil de comparar as características entre vários produtos 51

52 A nova economia A Chip7é apenas um dos muitos web sites que permitem fazer comparações de produtos 52

53 A nova economia Benefícios para as empresas da revolução digital: Novo meio promocional Acesso mais fácil a informação de mercado Melhoria na comunicação com clientes e colaboradores Possibilidade de customizar promoções 53

54 A nova economia A Amazon é conhecida por customizar as promoções ao consumidor 54

55 Motores da nova economia: Desintermediação A TAP permite evitar os agentes de viagem e reservar os bilhetes online. 55

56 Motores da nova economia: Customização O site Reflect.com da Procter & Gamble permite aos clientes desenhar os seus próprios produtos de beleza 56

57 Alterações nas práticas de negócio Economia tradicional Organização por produtos Foco na rentabilidade da transação Foco nos quadros de controlo financeiro Foco nos detentores do capital da empresa Criação de marcas através da publicidade Foco na aquisição de novos clientes Medidas limitadas sobre a satisfação dos clientes "Overpromise, underdeliver" Nova economia Organização em função da segmentação de mercado Foco no "lifetime value" dos clientes Foco no quadro de controlo de marketing Foco nos "stakeholders" Desenvolvimento da marca através da performance Foco na retenção do cliente Existência de medidas para avaliação do serviço e da capacidade de retenção "Underpromise, overdeliver" 57

58 As práticas do mercado estão a mudar: E-business As prácticas do négócio estão a mudar... E-business utilização de meios electrónicos e plataformas tecnológicas para a condução de negócios (informar e promover). E-commerce web sites facilitam a venda de produtos e serviços online (e.g. fnac.pt). E-purchasing compra online a fornecedores e gestão da cadeia de distribuição (e.g. Gestiretalho). E-marketing esforços de informação, comunicação, promoção, e venda de produtos e serviços através da internet. 58

59 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Domínios de Internet B2C B2B C2C C2B B2C = Business-to-Consumer Benefícios incluem: maior conveniência nas encomendas, custos mais baixos, informação acessível ContinenteOnline é um exemplo Ranking de compras online (%): Livros: 58 Discos: 50 Software: 44 Bilhetes de Avião: 29 Acessórios informáticos: 28 Vestuário: 26 59

60 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Domínios de Internet B2C B2B C2C C2B B2B = Business-to- Business Volume de transações 10 a 15 vezes superior a B2C. Benefícios incluem: custos mais baixos através de leilões, alianças de compradores, maior acesso a informação. A Forrester e Gartner estimam que em 2005 mais de 500,000 empresas interagiram como vendedores e compradores. 60

61 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Domínios de Internet B2C B2B C2C C2B C2C = Consumer-to- Consumer Os consumidores estão a criar informação online sobre produtos através de "newsgroups" e "chat room". As transacções acontecem online em web sites como o ebay, o qual apresenta mais de 23 milhões de utilizadores registados. A AOL tem mais de 14,000 "chat rooms". 61

62 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Domínios de Internet B2C B2B C2C C2B C2B = Consumer-to- Business Facilitam a comunicação entre os consumidores e as organizações. Os clientes são encorajados a comunicar através do envio de questões, sugestões e reclamações, por ou directamente na página web da empresa. 62

63 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Empresas "Pure-Click" Motores de pesquisa (google, sapo, ), Internet Service Providers (ISP), web sites de conteúdos etc. Empresas "Brick-and-click" Empresas que criaram páginas web para descrever os seus negócios e adicionaram, ou não, o e-commerce aos seus web sites. Algumas destas empresas sentiram conflitos nos canais de distribuição tradicionais quando passaram a oferecer produtos e serviços online Qual a reacção dos mediadores de seguros quando as seguradoras passaram a oferecer os seus serviços online? Estas empresas tendem a apresentar maiores sucessos que as "pure-click" porque: Os custos de aquisição de novos clientes são menores (as marcas já são conhecidas) Os recursos internos, conhecimento do mercado, a base de clientes, e os relacionamentos com fornecedores são 63 melhores.

64 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Anúncios e promoções online. Alianças e parcerias. 64

65 As práticas do mercado estão a mudar: E-business A busca online de "insurance" no Google.com produz diferentes links com patrocínios 65

66 As práticas do mercado estão a mudar: E-business Rendimentos das Dot.com Publicidade Patrocínios Alianças Painéis Venda de produtos e serviços Comissões nas transacções 66

67 As práticas do mercado estão a mudar: CRM Customer Relationship Marketing (CRM) permite às organizações: Prestar serviços ao cliente em tempo real Customizar a oferta de produtos e serviços, a comunicação e as promoções. Um CRM efectivo requer: Reduzir o número de abandonos por clientes Prolongar no tempo a relação com os clientes Maximizar o potencial de vendas / resultados nos clientes Transformar os clientes menos rentáveis em mais rentáveis, ou abandonálos Focar os esforços nos clientes de grande valor acrescentado 67

68 As práticas do mercado estão a mudar: CRM CRM é o primeiro passo para o marketing One-to-One Quatro passos para o One-to-One Marketing Não procurar servir todos os clientes. Agrupar os clientes através das suas necessidades e do seu valor para a empresa; Perseguir agressivamete os clientes mais valiosos. Estabelecer fortes relacionamentos com os clientes através da interacção individual. Customizar as mensagens, os serviços, e os produtos a oferecer a cada cliente. 68

69 As práticas do mercado estão a mudar: CRM As Customer Databases e o Database Marketing são a chave para um CRM eficaz: Customer databases: Informação detalhada organizada sobre os clientes, a qual é actual, acessível, e accionável para os propósitos do marketing, tais como a vendas de produtos ou serviços, e a interacção com os clientes Database marketing: processo de construção, manutenção, e utilização de customer databases e outras bases de dados (produtos, fornecedores) com o objectivo de contactar, transaccionar e estabelecer relacionamentos. 69

70 Marketing Implicações das tendências macro nas organizações Prof. José M. Veríssimo 70

71 Objectivo Identificar e compreender as principais tendências macro demográficas económicas naturais tecnólogicas político-legais socio-culturais 71

72 Definições Tendência Direcção ou sequência de eventos que mostram momentum e duração Exemplo: SOS (save our society) - Tornar a sociedade mais socialmente responsável. Megatendência Alterações profundas com impacto social, económico, político, e tecnológico, formadas lentamente, mas que quando concretizadas influenciam os individuos por períodos consideráveis (7-10 anos) Gary Wright, da Procter & Gamble, prevê que num futuro próximo as cadeias de distribuição façam a entrega dos produtos em nossas casas a custos mínimos através de alianças como operadores logísticos. Moda Imprevisível, de curta diração, e sem consequências sociais, economicas, ou politicas Pokemon? 72

73 Tendências e forças macro Exemplo de uma tendência: "Sentir-se vivo" 73

74 Forças impulsionadoras das tendências Mais velocidade (transportes, comunicação, transacções financeiras) Transferência de capacidade de produção e competências para países com mão de obra barata Ascenção económica de países asiáticos Aparecimento de blocos comercais (UE, NAFTA) Dívidas elevadas de alguns países, associado à fragilidade do sistema financeiro internacional Incremento de barreiras à importação Transição do modelo socialista para o modelo capitalista de países do leste Europeu Disseminação rápida dos estilos de vida à escala global Abertura gradual de novos mercados, incluindo a China, India, Europa de Leste, países Àrabes e América Latina Tendência para as multinacionais de transformarem em transnacionais, perdendo as características locais Aumento do número de alianças estratégicas entre empresas Aumento dos conflitos étnicos e religiosos em certas países e regiões do globo Crescimento de marcas globais na indústria aumotóvel, alimentação, vestuário e electrónica 74

75 Forças impulsionadoras das tendências Mercados étnicos Mix etário populacional Grupos educacionais Tendências no Lar Aumento dos mercados micro Movimentos da população Crescimento da população mundial 75

76 Mix da população Se o planeta fosse uma aldeia com 1000 pessoas teríamos: 520 mulheres, 480 homens 330 crianças e 60 adultos com mais de 65 anos 10 licenciados, 335 adultos analfabetos 52 Norte Americanos, 55 Russos, 84 Latino Americanos, 95 Europeus, 134 Africanos, 584 Asiáticos 165 falam Mandarim, 86 Inglês, 83 Hindi, 64 Castelhano, 58 Russo, 37 Àrabe, e 507 falam mais 200 idiomas 329 Cristãos, 178 Muçulmanos, 132 Hindus, 62 Budistas, 3 Judeus, 167 ateus, e 84 outras religiões. Fonte: 76

77 Mix etário populacional Os países variam no mix etário populacional Mexico População jovem Crescimento rápido Japão Record de população mais idosa Consequência: O Japão não é tão bom como o México para comercializar brinquedos para crianças 77

78 Composição étnica Os países diferem na composição étnica e racial Japão Praticamente toda a população é Japonesa EUA Brancos: 72% Americanos Africanos: 13% Latinos: 11% (Mexicanos: 5,4%; Porto Ricanhos: 1,1%; Cubanos: 0,4%) Americanos Asiáticos: 3,8% (por ordem decrescente Chineses, Filipinos, Japoneses, Indianos Asiáticos, e Koreanos). Cada grupo apresenta necessidades específicas. 78

79 Grupos educacionais Japão 99% da população sabe ler e escrver EUA 10-15% da população é analfabeta Numeros elevados de pessoas com educação significam necessidades acrescidas de materiais de ensino, tais como livros, revistas, e jornais. 79

80 Tendências no lar Lar tradicional Casal e filhos EUA 1 em cada 8 pessoas: Vive sozinho Partilha a habitação com outros adultos É pai/mãe solteira Faz parte de um casal sem filhos Cada vez mais pessoas se divrociam, separam, optam por não se casar, ou casam com a intenção de não ter descendentes Cada grupo tem diferentes necessidades. Será que as embalagens familiares ainda fazem sentido? 80

81 Movimentos migratórios Esta é uma época de êxodos entre países Emigrantes dos países de Leste para a Europa Ocidental Emigrantes de Àfrica para a Europa As empresas podem aproveitar estes êxodos migratórios e desenhar produtos específicos 81

82 Mudança do paradigma de "massmarket" para "micro-market" As alterações anteriores estão a causar uma fragmentação do mercado em inúmeros mercados micro, diferenciados por: Sexo, idade, etnicidade, educação, geografia, estilos de vida, etc. As empresas estão a abandonar o "canhão" e a utilizar "espingardas" de alta precisão para "atingir" os clientes. 82

83 Forças impulsionadoras das tendências Ambiente económico Distribuição da riqueza Poupança, dívida, e acesso ao crédito 83

84 Distribuição do rendimento Nos últimos 30 anos: Os ricos tornaram-se mais ricos, A classe média contraiu, Os pobres continuaram pobres As empresas estão a customizar os produtos para dois tipos de segmentos: - Pessoas com elevados rendimentos - Pessoas sensíveis ao preço 84

85 Poupança, dívida e acesso ao crédito A despesa é função do rendimento, da dívida e do acesso ao crédito. Japoneses Poupam 13,1% do rendimento EUA Poupam 4,7 % > Os bancos Japoneses podem emprestar fundos a taxas mais baixas que os bancos nos EUA. As empresas que customizam produtos para os segmentos de pessoas com rendimentos altos e de pessoas com rendimentos baixos têm necessidade de saber as alterações ao nível da distribuição da riqueza. 85

86 Forças impulsionadoras das tendências Ambiente Alteração do papel dos governos Acesso a matérias primas Pressões anti-poluição Energia mais cara 86

87 Forças impulsionadoras das tendências Aceleração da substituição tecnológica Oportunidades ilimitadas para a inovação Ambiente tecnológico Recursos para R&D variados Aumento da regulamentação 87

88 Forças impulsionadoras das tendências Ambiente político-legal Aumento da legislação reguladora Aumento do número de grupos de interesse 88

89 Forças impulsionadoras das tendências Ambiente sócio-cultural Novas visões dos consumidores Persistencia dos valores Aparecimento de sub-culturas 89

Marketing. Objectivos. O que pode ser comercializado? Marketing no Século XXI

Marketing. Objectivos. O que pode ser comercializado? Marketing no Século XXI Marketing Marketing no Século XXI Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Aprender as definições de marketing. Identificar os conceitos e ferramentas fundamentais do marketing. Compreender as orientações

Leia mais

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia Marketing O Marketing na Nova Economia Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Explorar a forma como a internet mudou a a utilização de bases de dados de clientes. Compreender como os marketers exercem a

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Comunicação Integrada de Marketing

Comunicação Integrada de Marketing Comunicação Integrada de Marketing Mestrado em Marketing Docente: Gab.101, R. Miguel Lupi ritavale@iseg.utl.pt Sessão 1 Objectivos da Sessão 1. Apresentar objectivos, programa, e regras de funcionamento

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

2007 Prentice Hall 4-1

2007 Prentice Hall 4-1 Capítulo 4 Desenho da Pesquisa Exploratória: Dados Secundários 4-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução; 2) Informação Secundária versus Primária; 3) Vantagens e Usos da Informação Secundária; 4) Desvantagens

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

Doutor José Manuel Veríssimo Prof. Marketing & Estratégia Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG)

Doutor José Manuel Veríssimo Prof. Marketing & Estratégia Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) PAINEL ENTREPRENEURIAL MARKETING Doutor José Manuel Veríssimo Prof. Marketing & Estratégia Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) Doutor José Manuel Veríssimo Professor de Marketing & Estratégia

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING SISTEMA DE MARKETING O Sistema de Marketing como foi apresentado até agora compreende o chamado micro-ambiente de marketing. Além da própria empresa e de seu mercado, também

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços Marketing de Serviços Distribuição de Serviços 1 Objectivos Discutir as formas de distribuição de serviços e os seus desafios Avaliar as implicações da distribuição de serviços através de canais físicos

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág.

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág. EMPRESAS VIRTUAIS Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes Pág. 1 (de 5) PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com EMPRESAS VIRTUAIS Actualmente, vivemos numa época de grandes mudanças

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA.

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA. O que é a Oficina da Marca? Serviço de gestão integrada e estratégica para o desenvolvimento de produtos e a sua promoção no mercado Global através da marca. Missão DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Fonte: Google imagens Caso Compal Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar Carvalho

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Caso Armazéns Global

Caso Armazéns Global Fonte: Google imagens Caso Armazéns Global Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Fundamentos de Marketing Aula 2. Fábio Marconi 2013

Fundamentos de Marketing Aula 2. Fábio Marconi 2013 Fundamentos de Marketing Aula 2 Fábio Marconi 2013 O que vamos ver Marketing O que é? Por quê precisamos saber? Composto de marketing 7 Ps do marketing Ferramentas de marketing Planejamento estratégico

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

ecommerce 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/

ecommerce 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/ ecommerce 4 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/ ecommerce Recapitulando Elementos Básicos Análise de Segmentação Análise SWOT/TOW Considerações Finais ecommerce Conceitos Básicos Principais Elementos

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MARKETING:

A EVOLUÇÃO DO MARKETING: A EVOLUÇÃO DO MARKETING: ( 4 Gerações ): Primeira Geração - Ajudar a Vender - antes da II Guerra até o início dos anos 60 Segunda Geração - Ajudar a fazer o melhor para os consumidores - início dos anos

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Marketing Estratégico

Marketing Estratégico Análise Competitiva Ambiente de Marketing Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Discutir a importância de analisar o ambiente externo à empresa Apresentar e compreender as metodologia de análise externa

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

COMPOSTO DE ADMINISTRAÇÃO AMBIENTE DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING PROF. RICARDO PAJÉ

COMPOSTO DE ADMINISTRAÇÃO AMBIENTE DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING PROF. RICARDO PAJÉ ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA PROF. RICARDO PAJÉ AMBIENTE E COMPOSTO DE MARKETING AMBIENTE DE MARKETING É O CONJUNTO DE ATORES E FORÇAS ( INTERNAS E EXTERNAS) QUE AFETAM DIRETA OU INDIRETAMENTE A TOMADA

Leia mais

AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO

AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO MARKETING ESTRATÉGICO José Manuel de Sacadura Rocha jsacadura@ultrarapida.com.br Marketing Estratégico Philip Kotler Composto de Mkt:...o conjunto de ferramentas que a empresa

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO

GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO 3ª EDIÇÃO CURSO Desenvolver e implementar GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO Optimize Custos e estabeleça Métricas de Performance LUANDA 9 e 10 de JULHO de 2014 Planifique de forma integral a

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Secção III. Supply Chain Management (SCM): A rede de negócio

Secção III. Supply Chain Management (SCM): A rede de negócio 1 Secção III Supply Chain Management (SCM): A rede de negócio 2 Funções da gestão da cadeia de abastecimento Ajudar as empresas a ter os produtos certos, no local preciso, na altura exacta, na quantidade

Leia mais

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil etailbrazil.com 2014 O mercado está se ajustando a uma realidade multi-canal não excludente,

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Programas de Fidelização O Exemplo da GALP. Grupo 2 Luís Maranhão Baltazar Arezes Jorge Landau Madalena Faria Sofia Castro

Programas de Fidelização O Exemplo da GALP. Grupo 2 Luís Maranhão Baltazar Arezes Jorge Landau Madalena Faria Sofia Castro Programas de Fidelização O Exemplo da GALP Grupo 2 Luís Maranhão Baltazar Arezes Jorge Landau Madalena Faria Sofia Castro MBA Executivo em Marketing Marketing Relacional Índice 1. Marketing Relacional

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais