Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS"

Transcrição

1

2 A cadeia de suprimentos tem início com o planejamento da demanda. Neste primeiro passo são determinadas as quantidades de produtos que devem estar disponíveis para atender a demanda gerada pelos consumidores.

3 1 Customer Service A equipe de vendas da empresa através do relacionamento com os seus clientes principais e os demais canais de distribuição: representantes de vendas, distribuidores e atacadistas, promovem o levantamento de informações sobre o mercado: CONCORRÊNCIA SAZONALIDADE (VARIAÇÕES DA DEMANDA) NECESSIDADES DE REPOSIÇÃO DE ESTOQUES

4 2 Marketing e vendas São estabelecidas estimativas de vendas para determinado período de tempo (n meses), bem como os eventos promocionais conforme planejamento das áreas de marketing e vendas. Estas áreas definem formas alternativas de combater a concorrência, que podem influenciar na variabilidade da demanda prevista.

5 3 - Commodities Verificação das condições de ressuprimento em relação as commodities utilizadas na fabricação de produtos. Avalia-se nesta etapa possíveis impactos no custo de produção no período (tempo de cobertura estimado na previsão) Qual a contribuição que os fornecedores de insumos, matéria-prima, componentes, acessórios, etc, podem dar nesta etapa da cadeia produtiva?

6 4 Comércio Exterior De posse das informações sobre a demanda, que pode atingir proporções continentais, faz-se uma avaliação se os estoques previstos estão de acordo com os objetivos de resultados da empresa. De que tipo de orçamento estamos falando? Além de produção e logística que outra importante área da empresa deverá estar integrando esta etapa de planejamento da demanda?

7 5 Planejamento de Demanda e Oferta (Demand & Supply Planning) Um vez recebidas as informações de todas as áreas envolvidas, faz-se o planejamento de produtos para o tempo determinado (meses). Nesta etapa de desenvolvimento, estima-se: produção por fábrica, por produto - SKU (Stock Keeping Unit) e por Centro de Distribuição (CD). Verifica-se o recurso (capacidade) de cada unidade de fábrica. Segue-se a partir daí um planejamento detalhado por intervalos de tempo mais curtos (semanas) e enviado ao setor de programação de produção da fábrica.

8 6 Apoio à Gestão A gestão de suprimentos deve fornecer as informações sobre estoques de materiais de embalagem, matérias-primas, produto acabado, prazo de validade, cobertura de estoques. E criar indicadores de desempenho, para a eficiência dos processos de planejamento da demanda. Sugira indicadores de desempenho para esta etapa da cadeia e defenda seu ponto de vista quanto a importância de sua adoção pela empresa.

9 SCI 1 : Slide complementar de informações GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de Materiais. Rio de Janeiro. Elsevier, A empresa diante do desafio de reduzir estoques, reduzir custos porém sem comprometer o nível de serviços, muito pelo contrário tê-lo como um desafio constante na empresa. A sobrevivência passou então a depender de: - melhorias de processos otimização dos estoques de agilidade e flexibilidade na produção sem queda na qualidade dos produtos - Recursos que a empresa utilizou para atender este desafio? - Sistema MRP (Material Requeriment Planning), iniciado por volta de 1960, com o objetivo de atender as necessidades de cálculo da quantidade e dos prazos em que os materiais devem estar disponíveis para a fabricação de um produto - Técnica de origem japonesa que tem por objetivo colocar o material certo, na quantidade certa e no momento certo Just in Time (JIT)

10 SCI 2 : Sistema MRP clássico (configuração do sistema Carteira de pedidos PLANO MESTRE DE PRODUÇÃO Previsão de vendas Lista de materiais MRP Situação do estoques Ordens de compra Plano de materiais Ordens de serviço

11 SCI 3 : - Conforme mostrado na SCI 2 o Sistema MRP trabalha com um conjunto de informações básicas de entrada no sistema, que são: - Plano mestre de produção dos produtos finais envolvendo pedidos em carteira (contratos já firmados com os clientes) e as previsões de vendas elaboradas pelos setores de marketing e vendas. - Estrutura do produto com base na lista de materiais, que é a relação de todos os materiais, componentes e submontagens necessários para montar uma unidade do produto final. - A situação geral dos estoques dos itens, envolvendo os estoques em mãos, pedidos em aberto (material encomendado e ainda não entregue), quantidade de itens por pedido (chamado tamanho de lote de encomenda), tempo de reposição (tempo decorrido entre a liberação de um pedido de compra ou fabricação) e a disponibilidade do material para uso imediato na fabricação do produto final (programação de entrega de cada item).

12 SCI 4 : - O processo evoluiu para um segundo estágio, pois além da lista de materiais e prazos era necessário considerar as capacidades de máquinas e os recursos destinados à produção. - O foco do sistema traduz-se na otimização de duas variáveis: - Volume e tempo - A partir do surgimento de computadores com a capacidade de realizar um grande volume de operações em um curto espaço de tempo, surgiu a possibilidade de execução de cálculos exigidos pelos sistemas MRP. - Mais tarde, o sistema MRP clássico evoluiu por introduzir os conceitos de recursos financeiros e de produção, transformando-se no MRPII (Planejamento de Recursos da Manufatura). - O MRPII, prolongamento do MRP, passou a incluir dados sobre as capacidades dos equipamentos, recursos de engenharia, finanças, marketing e recursos de mão de obra, funcionando como um sistema integrado e permitindo obter diversos relatórios financeiros sobre o custo dos produtos.

13 SCI 5 : - O sistema MRPII integrado, mais tarde deu origem ao projeto de sistema de gestão integrada, conhecidos como sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), que funcionam dentro de uma plataforma de Tecnologia da Informação (TI) e contém poderosas ferramentas de análise, programação e controle. - Apesar de todos os recursos depende das pessoas, pois não há como substituir a inteligência, a intuição e o conhecimento das pessoas envolvidas com a empresa para a tomada de decisões. - O sistema ERP tem uma grande vantagem em relação aos antigos sistemas: tem a concepção de um sistema que integra todas as funções de uma empresa, o que permite auxiliar na tomada de decisões relacionadas a recursos humanos, finanças, logística, e, mais especialmente, no que se refere ao GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS.

14 SCI 6 : - Sistemas ERP (como o SAP-R/3; Oracle, PeopleSoft, Baan; J.D. Edwards e outros) ao serem implantados, permitem que as empresa façam um reengenharia de seu processos, reduzindo atividades que não agregam valor. - Em face da instabilidade organizacional formada, o clima organizacional pode ficar instável devido às pessoas ficarem receosas de perderem os seus empregos. - Um sistema ERP típico possui vários módulos, cada um deles cobrindo diferentes funções da empresa. Esses módulos são integrados entre si de tal modo que um usuário da empresa poderá saber o que está acontecendo em outras áreas da empresa. - Os vários módulos podem ser instalados separadamente ou combinados com outros módulos. Esses módulos são basicamente: Finanças, Logística, Manufatura, Acompanhamento das ordens, Recursos Humanos como programação da mão de obra e Gerenciamento do suprimento.

15 Planejamento de Insumos Com base nas informações recebidas das unidades de vendas e das fábricas, este é o momento de garantir que as fábricas tenham os insumos necessários (matériasprimas, embalagens e equipamentos) para fabricar os produtos na quantidade e no tempo definidos na etapa anterior da cadeia.

16 1 Planejamento de Fábrica Nesta etapa é gerada as quantidades necessárias de insumos (matérias-primas e embalagens) para fabricar os produtos solicitados, considerando a ocupação das linhas de produção, a eficiência produtiva e os lotes mínimos. O planejamento da fábrica, planeja o abastecimento e, em conjunto com Compras e Commodities, estima aos insumos que a fábrica deve receber, nas quantidades e periodicidades necessárias para manter a produção já definida.

17 2 Compras & Commodities A partir das informações recebidas das unidades de negócios, de Demand and Supply Planning e das fábricas, a área de compras e commodities desenvolve a estratégia de abastecimento por categoria define fornecedores, monitora a performance dos mesmos e negocia contratos. Ainda que as fábricas sejam responsáveis pelo abastecimento (colocação de pedidos, acompanhamento de entregas etc.), Compras e Commodities intervêm nos problemas de abastecimento recorrentes e/ou críticos, visando garantir o cumprimento dos planos de produção.

18 3 Apoio à Gestão Nesta etapa são calculados os dias de cobertura do estoque das fábricas, para que possam ser mantidos nos padrões desejados (corte de produtos menor). Há nesta fase uma atuação nos contratos com as transportadoras, de modo a garantir os custos de produção e distribuição. Há também nesta etapa o acompanhamento dos processos de compras e transporte, para que atinjam os indicadores de performance estabelecidos em planejamento pela empresa.

19 Logística dos Insumos (matérias-primas e materiais de embalagens) Nesta fase é o momento de garantir que os pedidos enviados aos fornecedores sejam transportados, recebidos no prazo estabelecido e armazenados de acordo com as exigências de qualidade e segurança. Esses insumos serão movimentados para o ponto de uso, a partir das necessidades de cada linha de produção.

20 1 Segurança Corporativa Nesta etapa é estabelecido procedimentos para transportadores no intuito de garantir a segurança da carga e evitar acidentes de trânsito. Também é fornecido dados para os indicadores de Transporte.

21 2 Desenvolvimento Logístico Nesta etapa é padronizado e formalizado os procedimentos para que as fábricas possam cumprir os requerimentos de controle de estoque e as políticas de qualidades estabelecidas. Além disso, dá suporte para o desenvolvimento e implementação de novas soluções logísticas.

22 O sistema de auditoria logística abrange a verificação de 10 processo operacionais, diretos e indiretos, para a eficiência e eficácia da operação: - Pessoas Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS SCI 1 : Auditoria logística - Equipamentos - Controle de processos - Segurança e saúde ocupacional - Engenharia logística - Relacionamento com o cliente - Contrato com fornecedores - Análise crítica de resultados - Meio ambiente - Organização e limpeza

23 SCI 2 : Visa a melhoria contínua das operações através dos seguintes passos complementares: - Elaboração de planos de ação para a correção dos problemas (- identificados nas auditorias) - Incentivo ao uso das tradicionais ferramentas de qualidade - Repetição periódica das auditorias - Aplicação dos indicadores chaves de desempenho (KPI) Se o conceito de qualidade total era um diferencial de competitividade das empresas, tanto de manufatura quanto de prestação de serviços, nos anos finais do século XX, agora nos anos iniciais do século XXI, deverá ser uma premissa para as empresas que queiram competir num mercado com concorrência mais acirrada e clientes cada vez mais exigentes.

24 Tomamos como exemplo um empresa que se utiliza das cinco famílias de indicadores (ou itens de controle) propostos por Falconi Campos (2004), que são: Qualidade Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS SCI 3 : Custo (monetário ou técnico) Atendimento (ou Entrega) Moral (ou de Motivação) Segurança (do Trabalho)

25 SCI 4 : Normas ISO 9000 Constitui um conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade. Desde sua publicação em 1987 ela tem obtido reputação mundial como base para o estabelecimento de sistemas de gestão da qualidade. A vasta maioria de normas ISO é altamente específica para um produto, material ou processo particular. A norma ISO 9000 é conhecida como norma genérica de sistema de gestão, podendo ser aplicada a qualquer tipo de organização, de qualquer tamanho, fabricante de qualquer produto, ou se for prestadora de serviços, em qualquer setor de atividade ou meio de negócio, independentemente de ser uma empresa pública ou privada.

26 SCI 5 : Normas ISO 9000 Constitui um conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade. No ano 2000 a família de normas ISO passou por uma modificação com a finalidade de simplificação, e de atender às modernas abordagens de gestão, ficando com a seguinte configuração: -ISO 9000 Sistemas de gestão da qualidade (fundamentos e vocabulário) descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e estabelece a terminologia para estes sistemas. -ISO 9001 Requisitos: especifica requisitos para um sistema da qualidade, onde uma organização precisa demonstrar sua capacidade para fornecer produtos que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos regulamentares aplicáveis, e objetiva aumentar a satisfação do cliente. -ISO 9004 Diretrizes para Melhoria de Desempenho: fornece diretrizes que consideram tanto a eficácia e eficiência do sistema de gestão, tendo como objetivos: desemp. organiz., satisfação do cliente e outras partes.

27 SCI 5 : Continuação ISO 9011 Diretrizes para a Auditoria de Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou Ambiental: fornece orientação sobre os princípios de auditoria, a gestão de programas de auditoria, a realização de auditorias de sistemas de gestão, assim como sobre a competência e avaliação de auditores. Juntas as normas ISO formam um conjunto coerente de normas sobre sistema de gestão da qualidade, facilitando a compreensão mútua no comércio nacional e internacional. No Brasil, as normas da família ISO são editadas sob a responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sendo equivalentes às normas internacionais originais, recebendo o prefixo NBR (de Norma Brasileira)

28 3- Transportes Nesta etapa é desenvolvido desenhos logísticos nacionais e internacionais, com a utilização dos modais de transportes existentes em nosso país, para permitir a entrega dos materiais nas plantas. No caso de matérias-primas e embalagens nacionais, a área de transporte participa da definição da modalidade de frete que será utilizada desde o fornecedor até a entrega dos materiais a empresa. Ajuda a decidir considerando custo e eficiência se é melhor o fornecedor entregar ou a empresa retirar os itens comprados.

29 4 - Centro de Distribuição (CD) O CD é responsável por receber os materiais solicitados e por sua correta armazenagem, considerando as exigências de qualidade e especificações de cada material. Trabalha de acordo com os requerimentos de controle de estoque e guarda os materiais até a necessidade de uso. Além disso, garante a correta gestão do tempo de vida dos materiais, evitando utilização fora da validade definida pelo fornecedor.

30 Produção Produção planejada, materiais recebidos. Nesta fase a fábrica está pronta para transformar os insumos em produtos e agregar o valor que será percebido pelos clientes.

31 1 Planejamento de Demanda e Oferta A área de planejamento de demanda e oferta planeja a produção. Os números resultantes das previsões são acompanhados semanalmente ou conforme determinação das empresas, analisando as variações e seus impactos sobre os níveis de estoques que foram planejados para suprir a demanda dos consumidores.

32 2 Desenvolvimento logístico Nesta etapa são padronizados e formalizados os procedimentos para que as unidades de fábrica possam cumprir os requerimentos de controle de estoque e as políticas de controle de qualidade estabelecidos pelas empresas. Além disso, dá suporte para o desenvolvimento e implementação de novos projetos dentro das fábricas.

33 3- Apoio à gestão Para garantir o desenvolvimento de boas práticas dos processos para um bom resultado, a área de apoio à gestão acompanha os indicadores relacionados à produção: capacidade de produção da fábrica, eficiência no cumprimento dos planos de produção, ocupação das linhas de produção e sua produção efetiva, dias de cobertura do estoque, custos de distribuição.

34 4 Comércio exterior Nas negociações que envolvem outros mercados, a demanda é make to order: a produção é planejada e iniciada com base em um pedido (sua confirmação), sendo de extrema importância acompanhar a efetividade da fabricação do produto que será enviado para fora do país, de modo a garantir o cumprimento da política de estoques e os prazos estabelecidos em contratos com os mercados.

35 5 - Centro de Distribuição (CD) Os insumos para abastecimento da produção depois de armazenados são enviados de acordo com o plano de produção de cada unidade de fábrica. A equipe do CD é responsável pelo transporte interno dos insumos e deve garantir que as linhas de produção sejam adequadamente abastecidas. Obs: make to order - fabricação conforme pedido make to stock fabricação contra previsão de demanda

36 Armazenagem de produto acabado Os produtos acabados são armazenados nos CDs das fábricas antes de serem transportados para os CDs das Regionais de vendas, para transbordos em pontos fixos ou cross-docking e até mesmo para os CDs dos clientes, normalmente de contas especiais (contaschave).

37 1 Customer Service Captação e acompanhamento do pedido do cliente. Avaliação das possibilidades de expedição dos produtos constantes do pedido a partir da fábrica, de modo a garantir baixos níveis de corte e consequentemente do ponto de venda.

38 2 Desenvolvimento logístico Nesta etapa ocorre a análise operacional de custo/performance dos pontos de distribuição R$/Ton, R$/Caixa, apoio aos pontos de distribuição. São definidas também as estratégias de entrega direta, brokers, distribuidor, etc. Novos pontos de transbordo, etc.

39 3 Apoio à Gestão Em conjunto com a área de transportes exerce atuação para manter os custos dentro das metas estabelecidas para os KPI s.

40 4 Comércio Exterior O acompanhamento do despacho e o rastreamento do transporte dos produtos exportados diretamente das fábricas deve ser uma política de serviço da empresa visando garantir o cumprimento da política de estoques e os prazos acordados com os mercados.

41 5 Segurança Corporativa Se faz necessário o estabelecer procedimentos para os transportadores no intuito de garantir a segurança da carga e evitar acidentes de trânsito. Fornecimento de dados para os indicadores de desempenho em transportes.

42 5 Transportes Garantir a entrega dos produtos nos locais necessários. A logística de exportação dos produtos acabados providencia a reserva de contêineres e navios e providencia a documentação para envio das cargas para o exterior. Roteiriza as entregas nacionais, de modo a estabelecer os melhores pontos logísticos para atender os pedidos. Define regras e instruções sobre aproveitamento das capacidades e recursos técnicos da frota de veículos disponíveis para atender os diversos produtos. (carga refrigerada, congelada e normal)

43 5 Demand & Supply Planning Um vez produzidos os produtos precisam ser transferidos das fábricas para os CD s. Devem ser distribuídos de acordo com o planejamento de abastecimento para cada CD/Região. Este atendimento do abastecimento programado visa posicionar os estoques em pontos estratégicos e que apresente condições de distribuição capilar.

44 Centro de Distribuição Os produtos acabados são estocados em armazéns das fábricas ou transportados para os Centros de Distribuição (CD), para os pontos de transbordo ou cross-docking ou mesmo para os CD s dos clientes-chave, conforme contratos firmados com grandes redes.

45 1 Customer Service Monitoramento dos pedidos dos clientes, expedição dos produtos solicitados, de modo a garantir baixos níveis de corte. Otimização da distribuição por meio de acordos logísticos com os clientes que representam contas-chave. ** Contratos comerciais com clientes-chave.

46 2 Desenvolvimento logístico Fazem parte das atribuições desta área: ações de normatização e padronização de processos para produtos acabados. Análise de custo/performance da operação (pontos de distribuição) Apoio às equipes nas operações estratégicas de entrega nos clientes (direta), brokers, pontos de transbordo (inclusive novos).

47 2 Apoio à gestão Monitoramento dos custos num trabalho conjunto com a área de transportes para manutenção de acordo com os indicadores de desempenho. 3 Comércio exterior Acompanhamento do despacho e transporte dos produtos exportados, de modo a garantir o cumprimento da política de estoques e os contratos de comercialização fechados com os mercados/clientes. 4 Centro de distribuição Responsável pela estratégia de distribuição da Regional de atuação. Controle das operações dos pontos de transbordo, brokers, depósitos das fábricas, operações sazonais. Efetivação das vendas através da gestão dos estoques e transportes, garantindo a entrega no prazo acordado e dentro dos requisitos de qualidade.

48 Consumidor final/cliente -Visão estratégica de Marketing (KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing) Faça do cliente o centro de sua cultura. (John Chambers CEO da Cisco Systems) Empresas centradas nos clientes são capazes de construir clientes, não apenas produtos e gerar serviços, são hábeis em engenharia de mercados, não apenas em engenharia de produtos.

49 Consumidor final/cliente ORIENTAÇÃO TRADICIONAL ORIENTAÇÃO MODERNA VOLTADA PARA O CLIENTE ALTA ADMINISTRAÇÃO CLIENTES GERÊNCIA DE NÍVEL MÉDIO PESSOAL DA LINHA DE FRENTE CLIENTES C L I E N T E S PESSOAL DA LINHA DE FRENTE GERÊNCIA DE NÍVEL MÉDIO ALTA ADMINISTRAÇÃO C L I E N T E S Adaptado de Kotler e keller (2006, p. 139)

50 Consumidor final/cliente CRM Customer relantionship management Trata-se do gerenciamento cuidadoso de informações sobre cada cliente e de todos os pontos de contato com ele a fim de maximizar sua fidelidade. Pontos de contato entende-se qualquer ocasião em que o cliente tem contato com a marca ou o produto. Exemplo: Ponto de contato de um hotel: reservas, check- in e ckeck-out, programas de fidelidade, serviços de quarto, restaurantes, bares, etc. O CRM permite que empresas ofereçam um excelente atendimento ao cliente em tempo real. Com base no que sabem sobre cada um deles as empresas podem customizar seus produtos, serviços, programas, mensagens e mídia. O CRM é um grande impulsionador da lucratividade de uma empresa, é o valor agregado de sua base de clientes.

51 MARKETING DE MASSA MARKETING UM PARA UM Consumidor médio Consumidor individual Anonimato do consumidor Produto-padrão Produção em massa Distribuição em massa Propaganda em massa Promoção em massa Mensagem unilateral Economias de escala Participação de mercado Todos os clientes Atração de cliente Perfil do consumidor Oferta de mercado customizada Produção customizada Distribuição individualizada Mensagem individualizada Incentivos individualizados Mensagem bilaterais Economias de escopo Participação do consumidor Clientes lucrativos Retenção de cliente

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2006/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão ERP O que é S.I. com módulos integrados que dão suporte a diversas áreas operacionais Ex. vendas, gestão de materiais, produção, contabilidade,

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas

MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Gestão do Varejo e Vendas possibilita ao participante conhecer a respeito dos processos envolvidos na gestão de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

,OGÓSTICA. Os tempos mudaram muito, estão bem mais dinâmicos. A competitividade e a concorrência entre produtos e mercadorias,

,OGÓSTICA. Os tempos mudaram muito, estão bem mais dinâmicos. A competitividade e a concorrência entre produtos e mercadorias, ,OGÓSTICA a c i t s í g o L e n i a h C ply Sup Por Marco Aurélio Dias A logística sempre foi de grande importância no mundo, a qual, na verdade, é praticada desde 200 a.c. Lógico, os comerciantes daquela

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO Jéssica Weber * Letícia Muskopf ** Viviane Cristine Fries *** RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar como

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada

Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada Definições da cadeia de suprimentos Características da cadeia de suprimentos Elementos da cadeia de suprimentos integrada suprimentos sustentável Segundo semestre 2009 1 Definições da cadeia de suprimentos

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais