Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral"

Transcrição

1

2 Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

3 Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos de Aeronaves (RBHA 91), focado no Aumento da Segurança das suas Operações.

4 SKYBOUND: UMA EMPRESA PARA QUEM QUER TOMAR DECISÕES CERTAS, QUANDO O ASSUNTO É AVIAÇÃO. Criação de Conhecimento Gestão de Crises e SGSOs Tomar decisões corretas em operações aeronáuticas Desenvolvimento de Negócios Aeronáuticos Assuntos Regulatórios

5 EJ: VOE MAIS ALTO Fundada em 1999, é um dos principais centros de formação de pilotos do Brasil e da América do Sul, com bases nas cidades de Itápolis e Jundiaí, ambas no Estado de São Paulo. Conta com uma frota de mais de 50 aeronaves, 100 instrutores e mais de 500 alunos ativos. Oferece Cursos Teóricos e Práticos para PP, PC, Piloto Agrícola, Instrutor de Vôo, IFR, MLTE e Transição para Jatos, voando mais de horas por mês. É uma das principais formadoras de tripulantes técnicos para a Aviação brasileira, com Acordos Operacionais em vigor com as maiores Companhias Aéreas do Brasil.

6 AVIAÇÃO GERAL

7 É A AVIAÇÃO QUE MAIS VOA, SEM PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA. A TECNOLOGIA AVANÇA. AS REGRAS FICAM MAIS COMPLEXAS. MAS NA AVIAÇÃO GERAL, COM RARAS EXCEÇÕES, AINDA SE APRENDE COMO HÁ 40, 50 ANOS: NA BASE DA TENTATIVA E ERRO. ACREDITAMOS QUE NÃO HÁ AVIAÇÃO SEGURA SEM ALIAR TEORIA COM BOAS PRÁTICAS.

8 POR QUE A AVIAÇÃO GERAL AINDA É INSEGURA? THE NALL REPORT, ACIDENTES TOTAIS E FATAIS / 100 MIL HORAS DE VÔO.

9 % DE ACIDENTES POR SEGMENTO DO VÔO GENERAL ACCIDENTS 10-YEAR TREND AOPA-USA. MAIN ACCIDENTS CAUSES. 7% 5% 5% Pouso Decolagem 10% 38% Pane Seca Manobras a Baixa Altura 14% Aproximações Planejamento Meteorológico 21% Arremetidas

10 A EXPERIÊNCIA ACUMULADA DA AVIAÇÃO COMERCIAL PODE AJUDAR... BILHÕES DE DÓLARES JÁ FORAM INVESTIDOS EM CONHECIMENTO. OS ÍNDICES DE ACIDENTES E MORTES NA AVIAÇÃO COMERCIAL NUNCA FORAM TÃO BAIXOS. ISSO NÃO OCORREU POR OBRA DO ACASO. GRANDE PARTE DESSE CONHECIMENTO PODE E DEVE SER USADO PELA AVIAÇÃO GERAL, AJUSTADOS PARA A NOSSA REALIDADE.

11 A AVIAÇÃO COMERCIAL BUSCA IDENTIFICAR E GERIR OS RISCOS, MESMO QUANDO SÃO APARENTEMENTE PEQUENOS. PONTUALIDADE E REGULARIDADE SÃO PRODUTOS IMPESSOALIDADE / POWER DISTANCE MEDIÇÃO DA PRODUTIVIDADE 100, 200, 300 PATRÕES A BORDO

12 MIGUEL ANGELO RODEGUERO Aviador há 42 anos, advogado, MBA em Administração de Empresas FGV-SP, Bacharel em Aviação Civil. Experiência de vôo em mono e bimotores a pistão, turboélices e jatos Boeing , 300, 700, 800 e 800 SFP, Airbus (A300), DC-10 e MD-11. Instrutor e checador de pilotos nos últimos 20 anos. Diretor de Frota da Gol Linhas Aéreas Inteligentes até 2010, tendo sido responsável pela negociação e gestão de centenas de aeronaves. Membro da Equipe de Gestão de Crises da Gol Linhas Aéreas, com participação na gestão de crises, investigações de incidentes e acidentes aeronáuticos, incluindo o maior acidente da história da Aviação brasileira. ASV (Agente de Segurança de Voo) pelo CENIPA, ASO (Agente de Segurança Operacional) pela ANAC, Gestor de Crises pela IATA.

13 FERNANDO SPORLEDER Aviador há 33 anos, formado em Administração de Empresas com extensão em Estratégias de Marketing pela FGV/SP. Experiência de vôo em mono e bimotores a pistão, turboélices e jatos Boeing , 300, 700, 800 e 800 SFP, Airbus (A300), MD-11 e Boeing ER. Instrutor e checador de pilotos nos últimos 20 anos. Vice-Presidente Técnico da TAM Linhas Aereas S.A. até 2010, tendo sido responsável pelas áreas de Operações, Aeroportos, GSE, Manutenção de Linha, Configuração de Aeronaves e Qualidade de Atendimento ao Cliente.

14 Voar em segurança = tomar decisões corretas, na hora certa.

15 RESUMINDO A SITUAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL Os Aviadores possuem poucas fontes de Conhecimento Estruturado e Recorrente. As Máquinas estão mais velozes, mais automatizadas em ambiente mais complexo. As Demandas da Aviação Geral não estão sendo atendidas a contento pelas Políticas de Estado. A Aviação Geral cresce a taxas recordes. NECESSIDADE DE QUALIFICAÇÃO

16 MAIS RISCO = MAIOR CHANCE DE ACIDENTES VOAR É UMA MARAVILHA. TEMOS QUE VOAR CADA VEZ MAIS, CONHECENDO E GERENCIANDO OS RISCOS DAS NOSSAS OPERAÇÕES.

17 MAIS CONHECIMENTO É A SOLUÇÃO! PERSONALIZADO, DE ALTO NÍVEL, ASSOCIADO À TECNOLOGIA Planejamento para Cross- Country Flights Gerenciando Emergências CRM / SRM Refreshment de IFR Workshop de Gestão de Risco e Safety

18 FUNDAMENTOS DO PROGRAMA Teoria Objetiva e Atualizada, com a Bianch Editora Personalização On Demand Conhecimento aliado a Operação Uso intenso de Simuladores Homologados

19 WORKSHOP DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY CONHECER E MAPEAR PARA GERENCIAR RISCOS TREINAMENTO DE 6 HORAS (4,0 HORAS-AULA + 2,0 H EM SIMULADOR) TEMAS: SENSIBILIZAÇÃO PARA A GESTÃO DE RISCO E SAFETY CONCEITOS DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY (RE)CONCEITUAÇÃO DE UM VÔO NORMAL (EM TODAS AS SUAS FASES BASE SOP) SENSIBILIZAÇÃO PARA AS CARACTERÍSTICAS DO VÔO SOLO E COM AMIGOS CONCEITOS PARA O GERENCIAMENTO DE EMERGÊNCIAS CONCEITOS PARA USO EFETIVO DOS ÓRGÃOS ATC ESTUDOS DE CASO MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO NETWORKING

20 REFRESHMENT IFR ALÉM DA EXPERIÊNCIA RECENTE TREINAMENTO DE ATÉ 6 HORAS (2 HORAS-AULA + 4 H EM SIMULADOR) TEMAS: SENSIBILIZAÇÃO PARA A GESTÃO DE RISCO E SAFETY CONCEITOS DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY RECONCEITUAÇÃO DAS REGRAS IFR, CONDIÇÕES IMC/VMC PLANEJANDO VÔOS IFR SOPS, CHECKLISTS E CALLOUTS CONCEITOS PARA USO EFETIVO DOS ÓRGÃOS ATC PADRÕES DE SAFETY WINDOW 2 SESSÕES DE SIMULADOR (2 HORAS CADA), C/ FOCO NA OPERAÇÃO REAL MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

21 CRM/ SRM E LOFT VOCÊ PODE VOAR EM SEGURANÇA COM AMIGOS E SÓCIOS TREINAMENTO DE 6 HORAS (2 HORAS-AULA + 4 HORAS EM SIMULADOR) TEMAS: CONCEITOS DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY PLANEJANDO O VÔO E PREPARANDO A CABINE COORDENAÇÃO DE CABINE (PILOT FLYING E PILOT MONITORING) CONSTRUÇÃO DA TOMADA DE DECISÃO MUDANÇAS METEOROLÓGICAS E TOMADA DE DECISÃO PANES PARCIAIS E TOMADA DE DECISÃO SAFETY WINDOW NA PRÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

22 GERENCIANDO EMERGÊNCIAS QUANDO O TEMPO DEIXA DE SER O SEU ALIADO. TREINAMENTO DE 6 HORAS (3 H-AULA E 3 HORAS EM SIMULADOR) TEMAS: REFRESHMENT DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY CONCEITUANDO NORMAL PROCEDURES, NON NORMAL PROCEDURES E EMERGÊNCIAS CONSTRUÇÃO DA TOMADA DE DECISÃO SIMULANDO EMERGÊNCIAS - ABORTANDO DECOLAGENS, PANE DEPOIS DE V1 (SINGLE ENGINE E MULTI ENGINE), PANE-SECA, PANES ELÉTRICAS, PANES DE COMUNICAÇÃO, PANES EM EQUIPAMENTOS DE NAVEGAÇÃO, ARREMETIDAS MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

23 PLANEJAMENTO PARA CROSS-COUNTRY FLIGHTS PERIODICIDADE: ON DEMAND 1 OU 2 TRIPULANTES TREINAMENTO DE 5 HORAS-AULA + 2 HORAS EM SIMULADOR ESTRUTURA DO CURSO: REQUISITOS CONCEITOS DE CRM/SRM, SOP E MEL REFRESHMENT DE GESTÃO DE RISCO E SAFETY ANÁLISE METEOROLÓGICA (FONTES E INTERPRETAÇÕES) ANÁLISE DE ROTAS (IFR E/OU VFR), DESTINOS E ALTERNATIVAS DEFINIÇÃO DE ALTERNADOS FINAIS OU INTERMEDIÁRIOS ABATECIMENTO, W&B E CONCEITO DE RECLEARANCE LIDANDO COM O ATC PLANEJAMENTO PARA A APROXIMAÇÃO E POUSO PLANEJAMENTO PARA TAXI, PARKING E FBOS MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

24 GERENCIAR RISCOS E VOAR EM SEGURANÇA É O MELHOR CAMINHO PARA VOCÊ VOAR CADA VEZ MAIS E POR MAIS TEMPO.

25 MUITO OBRIGADO!

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO?

O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO? O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO? NÃO HÁ SETOR ECONÔMICO O COMPETITIVO QUE QUEREMOS NO MUNDO DA AVIAÇÃO QUE BRASILEIRA NÃO CONTE QUANDO COM ENSINO

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO.

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. Esta publicação deve ser distribuída aos alunos no ato da inscrição / matrícula e ficará em local de

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL AERONAVE EA500 (ECLIPSE AEROSPACE INC., ICAO EA50) RIO DE JANEIRO, BRASIL ORIGINAL OUTUBRO, 2012 ANAC, Rio de Janeiro, Brasil 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RESUMO DESCRITIVO

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 David Barioni Neto Mar/10 a Jun/11: Presidente Executivo (CEO) da Facility Group S.A. Nov/07 a Out/09: Presidente Executivo (CEO) da TAM Linhas Aéreas

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL CGNA AIP-BRASIL OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL 2 ROTEIRO O AIP BRASIL CONCEITOS REGRAS GERAIS REGRAS ESPECÍFICAS 3 Documento básico

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

aeronaves: mercado e regulação no Brasil Manutenção de apresenta Informações e inscrições 11 505165355 ou info@viex-americas.com

aeronaves: mercado e regulação no Brasil Manutenção de apresenta Informações e inscrições 11 505165355 ou info@viex-americas.com REVISTA CONSTRUÇÃO, INFRAESTRUTURA E SUSTENTABILIDADE apresenta Manutenção de aeronaves: mercado e regulação no Brasil Patrocínio Platina: Patrocínio Prata: Apoio: Cerri & Fávero Advogados Associados Grandes

Leia mais

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY CONTACS: Winfly Corso Sempione 32B - Milão Aeròdromo "E. Mattei "Pisticci - Basilicata Via Sant Angelo 75010 Pisticci Scalo (Matera) +39 0236683102 TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY www.winfly.eu www.basilicata-airport.eu

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço O Fretamento está em nosso DNA. Foi a partir desse serviço que nascemos como empresa. Há quase 50 anos nos dedicamos a oferecer soluções personalizadas

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

Manual de Regras Básicas

Manual de Regras Básicas Manual de Regras Básicas 1 REGRAS GERAIS BÁSICAS PARA VOAR NA UP LINHAS AÉREAS VIRTUAIS 1. Apresentação A UP Linhas Aéreas Virtuais é uma empresa virtual, com objetivo de proporcionar entretenimento e

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva.

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Decolando com a vontade de bem-servir Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Em 1961, a TAM Táxi Aéreo Marília iniciou suas operações com três pequenos aviões Cessna, que faziam rotas

Leia mais

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010.

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 032/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-OID 310R 26FEV2010 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

Glossário da Aviação Brasileira

Glossário da Aviação Brasileira Glossário da Aviação Brasileira Caro colaborador, Criamos esse glossário especialmente para você! Organizamos em um único documento diversos termos da aviação brasileira e outras siglas que você utilizará

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

CÓDIGO MODELO DE CONDUTA PARA AVIADORES [EM BRANCO] Ferramentas para avançar a segurança da AG e cidadania. Trazido para a comunidade de aviação por:

CÓDIGO MODELO DE CONDUTA PARA AVIADORES [EM BRANCO] Ferramentas para avançar a segurança da AG e cidadania. Trazido para a comunidade de aviação por: VERSÃO 1.2 [EM BRANCO] CÓDIGO MODELO DE CONDUTA PARA AVIADORES Ferramentas para avançar a segurança da AG e cidadania Trazido para a comunidade de aviação por: [Insira Organização Patrocinadora] 2003-2008

Leia mais

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 61, APROVADO PELA RESOLUÇÃO N 5, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU Nº 239,

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os novos conceitos sobre segurança

Leia mais

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 976/DGAC, DE 20 DE SETEMBRO DE. Aprova a IAC que estabelece normas para elaboração e análise de programa de

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 037/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-HZT AS 350 B2 17DEZ2005 ADVERTÊNCIA

Leia mais

As informações contidas neste material são de autoria da DCA BR, sendo vedada a sua reprodução total ou parcial.

As informações contidas neste material são de autoria da DCA BR, sendo vedada a sua reprodução total ou parcial. ASPECTOS OPERACIONAIS PARA A REDUÇÃO DE EMISSÕES Luiz Aberto Munaretto Instrutor da Aviação de Caça. Piloto de Provas. Possui quinze (15) anos de experiência em Ensaios em Vôo. Engenheiro Eletricista UNIVAP.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 097/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-LPZ C500 18MAI2013 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

* Subcomissão Permanente CMACOPOLIM. Carlos Eduardo M.S. Pellegrino Brasília, 07 de junho de 2011

* Subcomissão Permanente CMACOPOLIM. Carlos Eduardo M.S. Pellegrino Brasília, 07 de junho de 2011 Apresentação ao Senado Federal Audiência Pública Conjunta das Comissões de * Serviços de Infraestrutura * Desenvolvimento Regional e Turismo * Assuntos Econômicos * Meio Mi Ambiente, Df Defesa do Consumidor

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

A ATIVIDADE AÉREA E O USO DE SIMULADOR DE VÔO. Janaína Silveira de Melo¹, Marilsa de Sá Rodrigues Tadeucci²

A ATIVIDADE AÉREA E O USO DE SIMULADOR DE VÔO. Janaína Silveira de Melo¹, Marilsa de Sá Rodrigues Tadeucci² A ATIVIDADE AÉREA E O USO DE SIMULADOR DE VÔO Janaína Silveira de Melo¹, Marilsa de Sá Rodrigues Tadeucci² 1 Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional - Programa de Pós-graduação em Gestão e Desenvolvimento

Leia mais

SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA?

SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA? SEGUROS AERONÁUTICOS SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA? As várias modalidades de seguro aeronáutico são muito mais abrangentes e importantes do que parecem. Solange Galante Seguros Aeronauticos.indd 2-3 03/02/12

Leia mais

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico JUSTIÇA FEDERAL A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico OBJETIVO Conhecer as principais conseqüências jurídicas de um acidente aéreo, a especialmente quanto à responsabilidade criminal. ROTEIRO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ISSN 1984-9354 RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Área temática: Logística Cleibson Aparecido Almeida contato@cleibsonalmeida.blog.br Cesar Eduardo Leite cesarl@ucb.br

Leia mais

Regulamentação da Profissão de Aeronauta

Regulamentação da Profissão de Aeronauta Regulamentação da Profissão de Aeronauta Elisangela Gomes Soares de Castilho 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo Regulamentação da Profissão de Aeronauta diz respeito ao estudo dos principais meios de regulamentação

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 98 6. Considerações Finais Mesmo com a alta dos preços do petróleo, a aviação vem caminhando a passos largos. Pelo menos é o que mostram os recentes números divulgados pela ANAC. As três maiores companhias

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO.

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. RBHA 103 VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 103, APROVADO

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2803/2009/SDE/GAB, de 20 de abril de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2803/2009/SDE/GAB, de 20 de abril de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06462/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 19 de agosto de 2009. Referência: Ofício n 2803/2009/SDE/GAB, de 20 de abril de 2009.

Leia mais

21 JUN 2005 IAC 121-1008 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

21 JUN 2005 IAC 121-1008 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! " " # #$ $ PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 547/STE, DE 16 DE JUNHO DE 2005 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 119-003 Aprovação: Assunto: Portaria n o 1270/SSO, de 16 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 94, S/1, pág. 70, de 17 de maio de 2013. Procedimentos

Leia mais

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS)

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (NATIONAL CIVIL AVIATION AGENCY) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) CERTIFICADO ETA Nº 2013-09-03CB-01- Parte - A PARTE A GERAL PARTE A GERAL A-1 PARTE

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

CRONOGRAMA DE CURSOS PREVISTOS PAC-2014 Ordenados pelas Áreas de Conhecimento do MPOG CARGA HORÁRIA

CRONOGRAMA DE CURSOS PREVISTOS PAC-2014 Ordenados pelas Áreas de Conhecimento do MPOG CARGA HORÁRIA AUDITORIA SISTEMA DE GESTÃO EM QUALIDADE E FORMAÇÃO DE AUDITOR CURSO PRESENCIAL 40 10/03/2014 14/03/2014 RIO DE JANEIRO/RJ INTERNO ANAC AUDITORIA FORMAÇÃO DE AUDITORES EM SGSO CURSO PRESENCIAL 80 07/04/2014

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo NORMA GERAL DAS PRÁTICAS DE VOO DO CURSO DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DA PUCRS O Diretor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso de suas

Leia mais

A visão da IATA sobre a crise do transporte aéreo no Brasil e propostas de soluções imediatas

A visão da IATA sobre a crise do transporte aéreo no Brasil e propostas de soluções imediatas A visão da IATA sobre a crise do transporte aéreo no Brasil e propostas de soluções imediatas 15 de Agosto 2007 Índice 1.- Introdução 3 2.- IATA: quem somos 3 3.- Segurança Operacional do Transporte Aéreo

Leia mais

Aeroclube de São Paulo. Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA

Aeroclube de São Paulo. Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA São Paulo Junho de 2015 1 Sumário 1. Identificação da Escola... 3 2. Considerações Iniciais... 4 3. Finalidade deste Regulamento... 5 4. Identificação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo NORMA GERAL DAS PRÁTICAS DE VOO DO CURSO DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DA PUCRS O Diretor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso de suas

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - Histórico Histórico Início da Decolagem Falha do motor Impacto Saída do solo - - - - Anais

Leia mais

O PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO MERCADOLÓGICA DA EMPRESA

O PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO MERCADOLÓGICA DA EMPRESA SENAC/CE Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Aperfeiçoamento Aula 05 O PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO MERCADOLÓGICA DA EMPRESA Instrutor: Felipe Neri Fortaleza - CE Extra, extra, extra 10/08/2010-00h49

Leia mais

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1 2 3 4 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil*

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade. versão resumida

Relatório de Sustentabilidade. versão resumida O LATAM Airlines Group Gestão com Ecoeficiência Materialidade O LATAM Airlines Group é o maior grupo de companhias aéreas da América Latina, com 53.072 funcionários e uma frota de 327 aeronaves, e um dos

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

2. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA AERONAVE

2. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA AERONAVE COTAÇÃO - ISGH - 2014 1. OBJETO O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social qualificado como Organização Social, conforme Decreto do Governo do Estado do Ceará nº 26.811, de 30/10/2002,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Não seja pego de surpresa! Antes da fase de preparação para o voo, verifique a regularidade dos certificados e licenças da aeronave, da tripulação

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 153/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-GEB B300 01SET2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES COMPLEMENTARES E POR DEMANDA Aprovação: Resolução nº 169, de 24 de agosto de 2010, publicada

Leia mais

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow SOP VOO NOTURNO Standard Operational Procedures Tupi e Arrow Versão 1.0 FOLHA DE ATUALIZAÇÃO FOLHA DE ATUALIZAÇÃO Folhas Atualizadas Data Atualizado por: Criação 05/05/2010 GOERL 1ª Edição i ÍNDICE SOP

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 67-003 Aprovação: Portaria nº 1775/SPO, de 8 de julho de 2015. Assunto: Procedimentos para preenchimento online dos dados do Certificado Médico Aeronáutico no Sistema de

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 Aprovação: Portaria n o 2.177/SSO, 9 de novembro de 2011, republicada no Diário Oficial da União, N o 231, Seção 1, página 2, de 2 de dezembro de 2011. Assunto:

Leia mais