Por que este estudo foi selecionado como um exemplo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Por que este estudo foi selecionado como um exemplo?"

Transcrição

1 Por que este estudo foi selecionado como um exemplo? A concepção de uma avaliação do ciclo de vida (LCA) é um procedimento complexo e demanda bastante tempo. Portanto, uma exposição detalhada de sua estrutura e planejamento não é possível dentro do sistema NOP. Entretanto, um exemplo prático será discutido posteriormente para ilustrar a colocação dos procedimentos nas exigências da série padrão DIN/ISO na prática. Para tanto, o projeto Comparação da LCA para enchimentos de embalagens derivados de amido ou poliestireno promovido pela Federação Alemã de Meio Ambiente (German Environmental Federation), DBU (Würdinger et al., 2002), foi escolhido. Juntamente com a própria abordagem utilizada os resultados do estudo selecionado são particularmente interessantes pois mostram que o uso de matérias-primas renováveis não é per se ecologicamente vantajoso. Sobre o estudo Materiais biodegradáveis baseados em fontes de matérias-primas renováveis têm sido discutidos, desenvolvidos e propostos há algum tempo como a solução dos problemas ambientais. No entanto, a introdução em larga escala no mercado ainda não é uma realidade. Isto é freqüentemente atribuído à falta de clareza relacionada com a avaliação ecológica. Estas incertezas, no entanto, têm efeito sobre o comportamento do cliente, o desenvolvimento do produto ou sobre a disposição dos efluentes. Até hoje, os resultados de pesquisa que permitem uma avaliação segura dos benefícios ambientais de tais materiais são dificilmente publicados (Würdinger et al., 2002). A razão para este estudo foi a dúvida se os polímeros baseados em matérias-primas renováveis deveriam ser estimulados em larga escala de agora em diante. Dois sistemas de enchimento de embalagens foram selecionados como objetos relevantes de pesquisa: um destes está baseado em matérias-primas renováveis derivadas do amido e o outro no poliestireno expandido (EPS) que é produzido a partir de matérias-primas fósseis. Figura 1: Enchimentos de embalagem 1

2 Objetivo e Definições Escopo e Objetivos A análise de um exemplo prático relevante mostrará se o uso de plástico versus matériasprimas renováveis é ou não ecologicamente razoável. A seguir, os seguintes sistemas de enchimento de embalagens foram selecionados como exemplos: 1- sistemas de embalagem com base em poliestireno expandido (EPS) 2- sistemas de embalagem com base em amido expandido (renovável) 3- sistemas de embalagem com base em materiais recicláveis (poliestireno reciclável). O exemplo 3 não será considerado a seguir para assegurar a clareza do exemplo prático e para restringir o alcance da exposição. A Função Selecionada ou a Unidade Funcional A utilização dos sistemas de produtos examinados como materiais de enchimento para o transporte de embalagens foi considerado de acordo com a sua função. Durante a avaliação assume-se que diferentes sistemas de produtos não diferem em suas qualidades técnicas. O volume do enchimento foi escolhido como uma unidade funcional do balanço. Todos os dados e resultados referem-se ao volume de embalagem de 100 m³. Os Limites do Sistema Os limites do sistema demarcam o objeto de investigação do ambiente. Os limites do sistema foram escolhidos do berço ao túmulo. Isto significa que todos os materiais relevantes e fluxos de energia são considerados, partindo da investigação das matérias-primas, exploração, transporte, procedimentos preliminares ao processo produtivo, uso de sistemas de produção e, finalmente, a disposição dos efluentes. As políticas externas da República Federativa Alemã formam a área de referência deste estudo. Se os materiais (por exemplo, petróleo) são fornecidos por outros países, o país de origem é a área de referência. O material é avaliado em relação ao respectivo mercado compartilhado do material na Alemanha. O ano de 1997 foi escolhido como ano de referência. Critérios de corte (Detalhes dos Limites) No levantamento, todos os materiais e fluxos de energia de um determinado processo em quantidades menores que 1% em relação à massa de saída desejada foram cortados. A soma dos processos cortados não excedeu 5% da saída desejada. Porém, fluxos de materiais com 2

3 participação menor que 1% em relação à massa desejada de saída foram considerados se estes forem interessantes para a LCA como um todo em relação aos aspectos toxicológicos e energéticos. Como a análise de inventário foi preparada? Perspectivas calculadas Uma série de diferentes perspectivas foi organizada e calculada a fim de cumprir os objetivos do estudo, p. ex. a resposta da questão para a tolerância do uso de plásticos baseados no reutilização de matérias-primas. Tais perspectivas são importantes para considerar a influência dos diferentes fatores sobre o sistema em questão. Em relação ao enchimento de embalagem de amido expandido, 20 perspectivas foram analisadas. A Tabela 1 mostra a seleção das perspectivas examinadas. Produção Amido de Amido de batata Amido de trigo Amido de milho Trigo, extensivo milho II (trigo produzido de maneira convencional) Utilização Utilização Utilização Utilização Reciclagem Reciclagem simples simples simples interna (quatro interna (duas vezes reutilizada) vezes reutilizada) Disposição inserida com inserida com os inserida com os inserida com os inserida com o os esgoto biológico remanescentes remanescentes e remanescentes remanescentes e e compostagem e misturada misturada com a e misturada misturada com a com a coleta coleta de com a coleta de coleta de de Tabela 1: Seleção dos cenários examinados enchimentos de embalagem de amido expandido Processos Parciais de um Processo Geral Similarmente à área de enchimentos de embalagem de amido expandido, o cenário para poliestireno expandido foi examinado nas áreas parciais. Como um exemplo destes cenários, a fabricação de embalagens de poliestireno primário (EPS) é mostrada a seguir (figura 2). Uma 3

4 utilização simples dos enchimentos de embalagem, com subseqüente disposição dos via reciclagem orientada pelos materiais foram assumidas para o presente cenário. Para deixar claro os limites do sistema, a produção primária de poliestireno é mostrada em detalhes na figura 3. Raw material aquisition Production of styrenebutadiene rubber (SBR) Production of primary polystyrene (GPPS) Production of pentane/ butane Production of polystyreneloose-fill Distribution/sales Usuage (single) Packer Recipient Disposal Recording according to type Recycling yard, regranulation Deduction output Production GPPS (matrix) GPPS Figura 2: Processos parciais de um cenário EPS Como Proceder com os Dados Coletados? Os fluxos relevantes de material e energia dos processos parciais requeridos para o produto final foram coletados para estabelecer o coração da LCA - a análise de inventário. As entradas e saídas dos dados de um processo específico foram derivadas e trabalhadas e, a seguir, os resultados foram registrados e calculados. As indicações, cortes e limitações definidas na etapa do escopo e objetivos foram também satisfeitas ou ajustadas de acordo com as condições do banco de dados disponível. Portanto, a avaliação de impacto foi efetuada com base nos resultados da análise de inventário. 4

5 Exploitation of natural gas Hydrocarbon source Exploitation of crude oil Processing of natural gas Naphta Distillation to naphta Ethylene production Ethylene Benzene Reformation to benzene Benzene production Benzene Production of ethylbenzene Production of styrene Polymerization of styrene Primary polystyrene Figura 3: Diagrama - produção de poliestireno primário A avaliação De acordo com as diretrizes da norma ISO 14042, a avaliação de impacto da LCA consiste em três partes: - Seleção das categorias de impacto a serem consideradas - Atribuição dos resultados da análise de inventário nas categorias de impacto (classificação) - Cálculo dos resultados de indicadores de impacto (caracterização) Neste estudo, as seguintes categorias de impacto foram consideradas: 5

6 Categorias de impacto selecionadas Aquecimento global Redução de ozônio estratosférico Geração fotoquímica de ozônio troposférico Eutrofização Acidificação Toxicidade humana Ecotoxicidade Redução de recursos não-bióticos Uso da terra Tabela 2: Categorias de impacto consideradas Seguindo a seleção das categorias de impacto, os parâmetros determinados na análise de inventário como emissões de dióxido de carbono e metano têm de ser relacionadas aos seus diferentes efeitos ambientais. Classificação Os parâmetros da análise de inventário relacionados a uma categoria de impacto têm de ser transferidos para uma unidade comum de medida no decorrer da classificação. Um parâmetro da análise de inventário pode ser relacionado a diferentes categorias de impacto. Aquecimento global CO 2, CH 4, N 2 O Redução de ozônio Geração fotoquímica de ozônio Eutrofização N 2 O Benzeno, CH 4, NO x, Formaldeído, NMVOC, VOC, pentano, butano NO X, NH 3, P-ges., CSB, N-ges., NH 4, Nitrato Acidificação H 2 S,HCl, HF, NH 3, NO X, SO 2 Toxicidade humana As, BaP, benzeno, Cd, Cr, PCDD/F, Ni, Pb, SO 2, diesel partículas, biocidas Ecotoxicidade AOX, cloreto, NH 4 +, H 2 S, HF, NH 3, NO x, SO 2 Redução de recursos nãobióticos Petróleo, gás natural, carvão 6

7 Uso da terra Área Tabela 3: Classificação Caracterização Uma das tarefas da caracterização é a transferência daqueles parâmetros de balanço de massa ou energia que foram relacionados a uma categoria de impacto em unidades comuns de medida. Isto é necessário porque a contribuição de diferentes materiais para um efeito ambiental difere consideravelmente. Por exemplo, o metano tem potencial de aquecimento global aproximadamente 25 vezes maior que o dióxido de carbono e o potencial de aquecimento global do gás do riso N 2 O é aproximadamente 320 vezes maior que o CO 2. Na próxima etapa, os indicadores de resultado têm de ser formados a partir das modificações dos resultados da análise de inventário. Por último, os resultados precisam ser avaliados. Resultados do estudo Nenhuma vantagem ecológica pode ser determinada para um produto com base apenas nos cenários abordados na LCA. Conseqüentemente, alguns resultados do estudo são introduzidos como exemplos. A Disposição do Resíduo é Importante A comparação entre o amido e os cenários EPS mostra claramente que a aplicação do termo CO 2 -neutro, o qual é utilizado de forma análoga à neutralidade no que diz respeito ao aquecimento global, não se aplica principalmente ao enchimento de embalagem de amido, de matérias-primas renováveis, embora o termo possa ser utilizado. Entretanto, isto só é possível se pré-requisitos específicos são satisfeitos. Acima de tudo, a utilização energética ou como matéria-prima do enchimento de embalagem de amido usado, inevitavelmente tem de ser considerada. A utilização não é viável. Por outro lado, a disposição convencional poderia levar à emissão de metano, gás de efeito estufa. Ademais, a restrição do uso de aditivos derivados de matérias-primas fósseis tem um efeito positivo. Estes aspectos juntos a utilização do produto já usado e a restrição do uso de aditivos, poderia levar a reduções discretas em relação ao potencial de aquecimento global. A maior utilização de fontes de energia renováveis poderia melhorar este resultado. A Reciclagem de Embalagens Reduz o Impacto Ambiental 7

8 Independentemente do material, a reciclagem de enchimentos de embalagem é uma medida efetiva para a redução de impactos adversos no meio ambiente que estão relacionados ao uso deste tipo de embalagem. Por outro lado, as vendas e a grande utilização resultam em pequenas contribuições à avaliação do impacto ambiental. Portanto, a economia no consumo de materiais e a redução dos gastos devido à reciclagem na produção de enchimentos de embalagem contribuem diretamente para os resultados. O mesmo se aplica para a redução das quantidades de efluentes que é significativa em quase todos os casos. Por outro lado, a influência benéfica da reciclagem de enchimentos de embalagem deve também ser atribuída ao fato de que este tipo de embalagem pode ser reciclada sem limpeza e com custos de transporte relativamente baixos - com exceção das embalagens de bebidas, por exemplo. Assim, para quase todos os indicadores, uma dupla reciclagem leva à metade dos resultados de impacto ambiental, e uma quádrupla reciclagem a um quarto. Comparação dos Cenários de EPS e Amido Existem diferenças bastante claras entre os diferentes tipos de cenários para o uso de enchimento de embalagens em relação aos seus efeitos ambientais. Entretanto, vantagens fundamentais não surgem nem da utilização de amido nem de poliestireno. As formas de preparação do material, bem como a disposição dos efluentes, são extremamente importantes para o impacto ambiental. Com relação à etapa de disposição, um fator decisivo é o benefício energético adicional a partir da utilização térmica, por exemplo. Conseqüentemente, não é a origem das matérias-primas que é crucial para a relevância ambiental dos cenários, mas o tipo dos processos combinados na respectiva expectativa de vida. Obviamente, existem cenários de EPS bem como de amido muito bons, apesar de que ambos são cenários concebíveis que parecem claramente mais desfavoráveis. A variação de amplitude entre cenários de materiais idênticos é similar àquela dentro da totalidade de cenários. Independentemente do tipo de material, existem potenciais otimizações para serem consideradas. Os cenários do amido podem ser realizados de forma similar aos bons cenários EPS apenas se o enchimento de embalagem é energeticamente reciclado. A degradação biológica como uma vantagem? A biodegradabilidade do material de embalagem não é uma propriedade do material a qual é necessária para produção. Sua vantagem parece estar na área de disposição de efluentes. Entretanto, ela tem um efeito positivo apenas se o enchimento de embalagem de amido é microbiologicamente fermentado à biogás e posteriormente utilizado energicamente com alta 8

9 eficiência. Compostagem é mais um caminho de descarte que depende da degradação biológica. Este caminho parece ser desfavorável em comparação com a utilização energética. Os resultados mostram claramente que a degradação biológica sozinha não basta como um critério para a compatibilidade e sustentabilidade ambiental de um material ou produto. A disposição do produto após o uso e o efeito que a degradabilidade biológica têm sobre a sustentabilidade ecológica do produto é crucial. Entretanto, este resultado pode ser alterado se a degradabilidade biológica é uma propriedade essencial do material. Em função desses resultados, os autores, no entanto, levantam a questão se este deveria ser um objetivo que valha à pena desenvolver plásticos a partir da reutilização de matérias-primas que não são biodegradáveis, mas são duráveis. Tais plásticos poderiam ser usados muitas vezes e poderiam, finalmente, serem reciclados. Würdinger, E., Roth, U., Wegener, A., Kunststoffe aus nachwachsenden Rohstoffen: Vergleichende Ökobilanz für Loose-fill-Packmittel aus Stärke bzw. Polystyrol. DBU-Az

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar Análise do Ciclo de Vida - ACV Vera Lúcia P. Salazar ACV Todo produto, não importa de que material seja feito (madeira, vidro, plástico, metal, etc.), provoca um impacto no meio ambiente, seja em função

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

O Método da Avaliação do Ciclo de Vida (LCA)

O Método da Avaliação do Ciclo de Vida (LCA) O Método da Avaliação do Ciclo de Vida (LCA) Resumo A LCA é um método padronizado que permite o registro, a quantificação e avaliação integrada dos danos ambientais relacionados com um produto, um procedimento

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa Título 10 / 11 A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa A análise do IFEU compara os impactos ambientais das embalagens cartonadas, as garrafas PEAD e PET: as embalagens

Leia mais

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013 Pegada de Carbono Carbon Footprint Abril 2013 O que é pegada de carbono Carbon Footprint É o total de emissões de CO2 e de quaisquer outros gases (GEE), expressas em termos de carbono equivalentes de dióxido

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Copos de uso único são os vencedores!

Copos de uso único são os vencedores! Copos de uso único são os vencedores! de uma perspectiva ambiental Um estudo recente liderado pelo principal instituto de investigação holandês TNO (A Organização Holandesa para Pesquisa científica aplicada)

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes Avaliação do Ciclo de Vida Ministrante: Claudio Marcondes Agenda Mudanças Climáticas Desenvolvimento Sustentável Série ISO 14040 - ACV Avaliando os Impactos Mudanças Climáticas CO 2 um dos grandes vilões

Leia mais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Vanessa Montoro Taborianski, Racine T. A. Prado Laboratório de Sistemas Prediais da Escola Politécnica da

Leia mais

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV ROMEU, C. C. a, SILVA, G. A. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo, claromeu@hotmail.com a. Universidade

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008)

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008) AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Fernanda Margarido (2008) ACV - Avaliação do Ciclo de Vida dos Produtos ou Serviços Uma técnica de quantificação do impacte ambiental de um produto ou Serviço. Responsabilização

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Políticas Públicas, Consumo Sustentável & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos O CETEA/ITAL (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens do Instituto de Tecnologia de Alimentos), há mais

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS São Paulo/2013 Assunta Camilo Sustentabilidade Preocupação real com o final Conceito dos R s (reduzir, reutilizar, reciclar, reaproveitar, recusar, retornar, refilar, recuperar,

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos

Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Embora seja legítima a preocupação legislativa em relação à gestão do resíduo sólido no Brasil, é muito preocupante o aparecimento de propostas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico PwC ECOBILAN Agenda Introdução Descrição geral do estudo ACV Resultados Conclusões Agenda Introdução Descrição geral

Leia mais

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável Agir Verificar Definir prioridades ambientais Planear Executar Integração de preocupações ambientais na concepção e desenvolvimento Comunicação do desempenho ambiental Monitorização do desempenho ambiental

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012.

Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 317, de 19 de junho de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

auxiliamos nossos clientes a identificar as vantagens competitivas e as oportunidades em um ambiente complexo e em constante evolução.

auxiliamos nossos clientes a identificar as vantagens competitivas e as oportunidades em um ambiente complexo e em constante evolução. Meio ambiente A gestão ambiental da KPMG no Brasil tem como base a nossa Global Green Initiative (GGI), que define a atuação e os compromissos da rede de firmasmembro conforme três aspectos principais:

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE COBERTURAS, COM MEMBRANAS BETUMINOSAS TOTALMENTE ADERIDAS 1. Descrição da empresa e do produto 1.1 A empresa A IMPERALUM Sociedade Comercial

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Um estudo realizado pela Quantis para: Nome e data da palestra + apresentador 1 Objetivos do estudo Metodologia da

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Tuesday, April 3, 12

Tuesday, April 3, 12 No começo, era apenas a eco-eficiência Zerar emissões Reduzir, reutilizar, reciclar Minimizar o impacto ecológico Reduzir o consumo Eco produtos Sustentável Neutralizar carbono Eficiência energética No

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

O lixo como fonte de energia

O lixo como fonte de energia Transformando um Passivo Ambiental em um Recurso Energético: O lixo como fonte de energia Workshop Internacional Aproveitamento Energético do Biogás de Aterros Sanitários e do Tratamento de Efluentes Belo

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis INOVA Sustentável: compras sustentáveis pela inovação e por uma economia verde e inclusiva A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis 2o Seminário Internacional sobre Contratações

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC)

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) TIPO III - OUTRAS ATIVIDADES DE PROJETO Os participantes do projeto devem levar em conta a orientação geral relativa às metodologias, as informações sobre adicionalidade, as abreviaturas e a orientação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Page 1-6 Nome do Produto: Código Interno: GS-60, GS-500, E-700GS, T-800GSA, GS-1000, GS-1900, T-5000GSA Fornecedor: Trilha Indústria e Comércio Ltda. Av. Jornalista

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013

GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013 GUIA DE EMBALAGENS Abril 2013 SUMÁRIO Introdução O que é embalagem? Tipos de embalagens Critérios e requerimentos Outras boas práticas Anexo 1 Rotulagem Ambiental Anexo 2: Principais leis, convenções e

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1 A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL MICHEL EPELBAUM 1 RESUMO Dentre os vários instrumentos técnicos e gerenciais de proteção ambiental usados pelas empresas e pela sociedade, a certificação

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos

8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos 8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos LIFE CYCLE ASSESSMENT OF PACKAGING WASTE MANAGEMENT IN PORTUGAL Ferreira, S.F., Cabral, M., Simões, P., Cruz, N., Marques, R.C. (IST ULisboa) Portugal IST,

Leia mais

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos 1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos Transpetro Jorge Lopes Coordenador Corporativo de Processos Ambientais 1 A TRANSPETRO Subsidiária

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A crescente preocupação da comunidade internacional com a proteção do meio ambiente tem trazido à baila a poluição do ar causada pelas embarcações. Em conseqüência, o Anexo

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP

e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP Tecnologias Ambientais para Curtumes e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP Sérgio Almeida Pacca EACH USP Panorama geral do

Leia mais

SolidWorks Sustainability

SolidWorks Sustainability SolidWorks Sustainability A solução para um projeto sustentável no desenvolvimento de produtos 1. Torne a sustentabilidade parte integrante do seu processo de projeto O SolidWorks Sustainability fornece

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org Taller do Sociedade Civil sobre MDL & Florestas e o mercado de carbono Incineração e mercados de carbono: Falsas soluções para um grande e REAL problema Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

Como tornar o isopor um aliado (e não um inimigo) do meio ambiente. O caminho é um só: reciclar, reciclar, reciclar. Veja como isso é possível.

Como tornar o isopor um aliado (e não um inimigo) do meio ambiente. O caminho é um só: reciclar, reciclar, reciclar. Veja como isso é possível. Como tornar o isopor um aliado (e não um inimigo) do meio ambiente. O caminho é um só: reciclar, reciclar, reciclar. Veja como isso é possível. Reciclar em grande escala para preservar o ambiente Enquanto

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PQ R 03 PARQUE DE RECICLAGEMIII III PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PORTARIA Portaria 24 h para a recepção, registro de entradas e saídas e orientações de direcionamento para pesagem e descarga

Leia mais