THAIS CABRAL DE MELLO AMBIENTE PARA CRIAÇÃO DE CLUSTERS VIRTUAIS EM GRIDS COMPUTACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THAIS CABRAL DE MELLO AMBIENTE PARA CRIAÇÃO DE CLUSTERS VIRTUAIS EM GRIDS COMPUTACIONAIS"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE MESTRADO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO THAIS CABRAL DE MELLO AMBIENTE PARA CRIAÇÃO DE CLUSTERS VIRTUAIS EM GRIDS COMPUTACIONAIS Rio de Janeiro 2010

2 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA THAIS CABRAL DE MELLO AMBIENTE PARA CRIAÇÃO DE CLUSTERS VIRTUAIS EM GRIDS COMPUTACIONAIS Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas e Computação do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Sistemas e Computação. Orientadores: Prof. Bruno Richard Schulze - D.Sc. Prof a Raquel Coelho Gomes Pinto - D.Sc. Rio de Janeiro 2010

3 c2010 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Praça General Tibúrcio, 80-Praia Vermelha Rio de Janeiro-RJ CEP Este exemplar é de propriedade do Instituto Militar de Engenharia, que poderá incluílo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para pesquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e do orientador. M527 Mello, Thais Cabral Ambiente para Criação de Clusters Virtuais em Grids Computacionais/ Thais Cabral de Mello. Rio de Janeiro: Instituto Militar de Engenharia, p.: il., tab. Dissertação (mestrado) Instituto Militar de Engenharia Rio de Janeiro, Transmissão da Informação - Tecnologias. 2. Sistemas de Computação. 3. Tratamento da Informação I. Título. II. Instituto Militar de Engenharia. CDD 005 2

4 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA THAIS CABRAL DE MELLO AMBIENTE PARA CRIAÇÃO DE CLUSTERS VIRTUAIS EM GRIDS COMPUTACIONAIS Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Sistemas e Computação do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Sistemas e Computação. Orientadores: Prof. Bruno Richard Schulze - D.Sc. Prof a Raquel Coelho Gomes Pinto - D.Sc. Aprovada em 05 de agosto de 2010 pela seguinte Banca Examinadora: Prof a Raquel Coelho Gomes Pinto - D.Sc. do IME - Presidente Prof. Bruno Richard Schulze - D.Sc. do LNCC Cap. Anderson Fernandes Pereira dos Santos - D.Sc. do IME Prof. Antonio Roberto Mury - D.Sc. do LNCC Prof. Fábio André Machado Porto - D.Sc. do LNCC Rio de Janeiro

5 Dedico essa dissertação ao meu marido por todo o seu amor, apoio e paciência. 4

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus pela minha vida e por guiar todos os passos da minha caminhada. A minha família, em especial ao meu marido, por todo o seu amor, compreensão, apoio e constante incentivo. Agradeço aos Srs. professores do Instituto Militar de Engenharia pelos ensinamentos a mim passados, em especial a professora Raquel Coelho que, juntamente com o professor Bruno R. Schulze, orientaram-me para que este projeto pudesse ser realizado e concluído. Ao Professor Ronaldo Salles também sou imensamente grata, não somente pelos ensinamentos, mas também pelos incentivos recebidos ao longo do curso. Gostaria de agradecer a todos os envolvidos no laboratório de Computação Científica Distribuída - ComCiDis - LNCC, especialmente aos amigos Fabio Licht, Matheus Bandini e Victor Oliveira. Gostaria de reforçar a importância que os amigos Douglas Ericson e Henrique Kloh tiveram nesta caminhada. Agradeço em especial ao professor Antonio R. Mury por sua amizade, seus conselhos, seus ensinamentos e por sua dedicação na elaboração deste trabalho. Aos amigos Laion, Felipe e Guilherme agradeço o empenho e trabalho fundamentais para a realização desta dissertação. Thais Cabral de Mello 5

7 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE ABREVIATURAS INTRODUÇÃO Objetivos Organização da Dissertação SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA Características de Sistemas de Computação Distribuída Clusters Computacionais Grades Computacionais Cloud Computing VIRTUALIZAÇÃO Técnicas de Virtualização Softwares de Virtualização VMware Xen KVM OpenVZ Microsoft Hyper-V VirtualBox Virtualização dos Sistemas Distribuídos REVISÃO DA LITERATURA A contribuição da Virtualização para Grades e Clouds O Uso de Recursos Virtualizados em Apoio a Computação de Alto Desempenho Possibilidade e Uso de Clusters Virtualizados DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO PROPOSTA Ferramentas Utilizadas PelicanHPC

8 5.1.2 Grails MySQL VirtualBox Criação do Cluster Virtual Interface Web RESULTADOS OBTIDOS Objetivos Descrição dos Experimentos Experimentos Realizados Análise dos Resultados CONSIDERAÇÕES FINAIS Contribuições Trabalhos Futuros APÊNDICE A Requisitos do Sistema Interface Web REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIG.2.1 Hierarquia de um cluster FIG.3.1 Exemplo de Virtualização de Plataformas FIG.3.2 Exemplo de Para-Virtualização FIG.3.3 Exemplo de Virtualização Total FIG.3.4 Quadro Comparativo dos Softwares de Virtualização FIG.4.1 Comparação dos Trabalhos FIG.5.1 Camadas do Ambiente de Cluster Virtual FIG.6.1 Desempenho da capacidade de processamento entre o cluster real e o cluster virtual FIG.6.2 Desempenho carga de comunicação do cluster real com o cluster virtual FIG.6.3 Desempenho de distribuições Linux - capacidade de processamento FIG.6.4 Desempenho de diferentes distribuições Linux - processamento FIG.6.5 Desempenho de diferentes distribuições Linux - carga de comunicação FIG.6.6 Desempenho com concorrência de clusters FIG.6.7 Desempenho entre 1MV com 4 núcleos e 4MV com 1 núcleo cada FIG.6.8 Desempenho entre 4MV na mesma servidora e 4MV em servidoras diferentes FIG.6.9 Gerência da VMM FIG.6.10 Gerência da VMM FIG.6.11 Gerência da VMM FIG.8.1 Tela de Login - Registro FIG.8.2 Formulário de Cadastro FIG.8.3 Opções de Menu FIG.8.4 Menu Configurações de Clusters - modelos de clusters FIG.8.5 Menu Configurações de Clusters - clusters FIG.8.6 Novo Template de Cluster FIG.8.7 Criação do Template de Cluster

10 FIG.8.8 Menu Gerador de Cluster FIG.8.9 Lista de Clusters do Usuário FIG.8.10 Geração do Cluster FIG.8.11 Cluster sendo Gerado FIG.8.12 Usuário inicializando o Cluster FIG.8.13 Opções de Controle do Cluster - watch, pause e desligar FIG.8.14 Visualização das Máquinas Virtuais Criadas FIG.8.15 Informações de IP e Porta FIG.8.16 Usuário Acessando Via RDesktop o Nó Mestre FIG.8.17 Listando os Nós do Cluster FIG.8.18 Comando Ping FIG.8.19 Usuário Desligando o Cluster FIG.8.20 Cluster com Diferentes Quantidades de Nós

11 LISTA DE ABREVIATURAS ABREVIATURAS CPU - Central Processing Unit DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol DMA - Direct memory access EC2 - Amazon Elastic Compute Cloud GPL - General Public License GRAM - Globus Resource Allocation Manager GT - Globus Toolkit HPC - High Performance Computing HTC - High Troughtput Computing HW - Hardware IP - Internet Protocol JVM - Java Virtual Machine MPI - Message Passing Interface MAC - Media Access Control MH - Máquina Hospedeira MV - Máquina Virtual NAT - Network Address Translation NFS - Network File System OGSA - Open Grid Services Architecture OV - Organização Virtual OVF - Open Virtualization Format PAD - Processamento de Alto Desempenho PUEL - Personal Use and Evoluation License PXE - Preboot Execution Environment QOS - Quality of Service RDP - Remote Desktop Protocol SLA - Service Level Agreement SO - Sistema Operacional SW - Software 10

12 USB - Universal Serial Bus VCG - Virtual Community Grid VDI - Virtual Disk Image VLAN - Virtual Local Area Network VMM - Virtual Machine Monitor VW - Virtual Workspace VO - Virtual Organization XML - Extensible Markup Language 11

13 RESUMO O desenvolvimento científico e tecnológico observa uma crescente necessidade e dependência de recursos computacionais de alto desempenho e capacidade de armazenamento. Buscando suprir essa demanda, surgiram novas tecnologias tanto em termos de capacidade de processamento, quanto em capacidade de redes de comunicação, o que possibilitou um avanço no uso mais efetivo e compartilhado dos recursos computacionais, principalmente pelo desenvolvimento de processadores dedicados à virtualização. Por conseguinte, esse avanço da tecnologia de virtualização possibilitou que seus usuários criassem ambientes personalizados, beneficiando, sobremaneira, os usuários da computação de alto desempenho ao permitir a criação de clusters compostos por máquinas virtuais configuradas para atender suas necessidade específicas de software e de hardware. Com base nesse conceito, a presente dissertação disponibiliza uma infra-estrutura que facilita a criação de ambientes de cluster virtual, permitindo, assim, que seus usuários sejam capazes de criar e utilizar um ambiente personalizado, recuperável, escalável e de fácil uso e configuração, seja para fins educativos, de treinamento, seja para testes ou desenvolvimento. Além disso, é realizada uma avaliação de desempenho de clusters virtuais criados através desta infraestrutura com o objetivo de avaliar a viabilidade de seu uso por aplicações HPC (High Performance Computing), ressaltando-se os fatores considerados determinantes para adoção desse tipo de solução. 12

14 ABSTRACT The scientific and technological development sees a growing need and dependence on high-performance computing resources and storage capacity. Seeking to meet this demand, new technologies both in terms of processing capacity and the capacity of communication networks appeared and enabled a breakthrough in more effective use and sharing of computational resources, especially the development of dedicated processors for virtualization. Consequently, this advancement of virtualization technology has enabled its users to create custom environments, benefiting greatly users of high performance computing by enabling the creation of clusters consisting of virtual machines configured to meet their specific needs in terms of software and hardware. Based on this concept, this paper provides an infrastructure that facilitates the creation of virtual cluster environments, thus allowing the users to be able to create and use an environment which is personalized, recoverable, scalable and easy use and configure, whether it is directed to education, training, testing or development. Furthermore, a performance assessment of virtual clusters created through this infrastructure is made in order to assess the feasibility of its use by HPC (High Performance Computing) applications, emphasizing the factors which are considered crucial to adoption of this kind of solution. 13

15 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento tecnológico das últimas décadas desencadeou um aumento considerável na capacidade dos computadores. Esse processo permitiu aos desenvolvedores e pesquisadores criarem novas formas de explorar ao máximo toda a capacidade computacional disponível (BANDINI, 2009). Entretanto, torna-se um grande desafio prover um ambiente de hardware e software que ofereça a seus usuários uma abstração sobre os recursos computacionais necessários para execução de simulações. Da mesma forma, prover uma infraestrutura de gerência dos elementos computacionais utilizados e produzidos durante essas simulações também se mostra um processo complexo. Além disso, o avanço científico exige um investimento crescente em equipamentos e infraestrutura para estar em sintonia com as necessidades computacionais. Uma alternativa tecnológica adotada pelos centros de e-science foi o uso de Computação em Grade, que permite a utilização de diversos recursos computacionais heterogêneos e dispersos por várias instituições. Essa característica possibilita que seus usuários compartilhem recursos de forma confiável, consistente e transparente. Contudo, a experiência obtida em diversos projetos concebidos a partir da infraestrutura de Grade mostrou alguns problemas, tais como instalação, configuração e usabilidade complexas, além da necessidade de controles administrativos intensivos, o que dificultou sobremaneira o aumento dessa infraestrutura em termos de uso e espaço. Outra questão desafiadora que as comunidades de Grade enfrentam é o fato de que enquanto uma Grade pode fornecer acesso a vários recursos heterogêneos, os recursos aos quais o acesso é provido muitas vezes não correspondem às necessidades de uma aplicação específica ou serviço, o que pode levar tanto à subutilização dos recursos quanto a frustração dos usuários. Esses problemas podem ser superados ao permitir que usuários de Grade possam criar clusters compostos por máquinas virtuais configuradas para atender as suas necessidades específicas de software e de hardware (FOSTER et al., 2006). A possibilidade da virtualização de plataformas em sistemas distribuídos apresenta-se como um recurso útil, sobretudo por permitir o encapsulamento tanto do sistema operacional (SO), quanto dos middlewares e serviços. Propicia, ainda, o aproveitamento 14

16 da capacidade de processamento atualmente ociosa em diversos equipamentos, inclusive naqueles que normalmente não poderiam vir a ser utilizados em função de incompatibilidade do sistema operacional da máquina hospedeira. A virtualização abre também a possibilidade do seu uso para treinamento, tanto de administradores, quanto de usuários de Grade. Isso se concretiza pela facilidade de instalação que se obtém, permitindo que o treinamento possa ser realizado através da simulação de um ambiente distribuído mesmo antes deste ser realmente implementado. A tecnologia de virtualização propiciou o aparecimento do conceito de Virtual Workspace, que tem como uma de suas principais características a possibilidade de oferecer ao usuário um ambiente personalizado que atenda às suas necessidades específicas. O Virtual Workspace, então, pode ser compreendido como um ambiente de execução configurável e gerenciável de forma a atender aos requisitos dos clientes, definindo os requisitos de hardware, configuração de software e isolamento de propriedades, dentre outras características (KEAHEY et al., 2005b). Além do conceito de Virtual Workspace, a evolução da tecnologia de virtualização também propiciou o surgimento de um novo paradigma da computação, chamado de Cloud Computing. Tal tecnologia se propõe a ser um sistema de computação distribuída em larga escala, oferecendo um conjunto de recursos virtualizados, dinamicamente escaláveis, gerenciáveis em termos de capacidade de processamento, armazenamento, número de plataformas e serviços (FOSTER et al., 2008). Tem como princípio a oferta de serviços adequados às necessidades do usuário, de maneira a reforçar o conceito de elasticidade sob o ponto de vista da demanda de recursos, cuja alocação e desalocação ocorre em função da necessidade, tornando desnecessária a imobilização de um grande capital para sua aquisição. Utilizando esses dois conceitos, a presente proposta visa desenvolver uma infra-estrutura que facilite a criação de ambientes de cluster virtual. Pretende-se, assim, possibilitar que os usuários sejam capazes de criar e utilizar um ambiente personalizado, recuperável, escalável e de fácil uso e configuração, seja para fins educativos, de treinamento, seja para teste ou desenvolvimento. Para tanto, o usuário apenas precisará configurar as características de máquina, como número de nós, quantidade de memória física, quantidade de núcleo e espaço em disco. Além disso, é realizada uma avaliação de desempenho de clusters virtuais criados através desta infraestrutura com o objetivo de avaliar a viabilidade do seu uso por aplicações HPC (High Performance Computing). 15

17 1.1 OBJETIVOS O objetivo deste trabalho é criar a infra-estrutura necessária para a implementação de um novo tipo de serviço voltado para área de desenvolvimento e pesquisa, possibilitando, assim, que o usuário crie um ambiente de cluster virtual, seja para fins de treinamento, ensino ou simulação, de forma que ele possa configurar o tipo de plataforma, as características de hardware da máquina e o grupo de clusters virtualizados. Para tanto, propõe-se a criação de uma infra-estrutura em que o usuário seja capaz de criar e configurar de forma simples e eficiente seu ambiente de desenvolvimento, sem que haja a necessidade de interferência por parte do administrador dos recursos disponibilizados para o serviço ou de conhecimentos específicos por parte de quem os utiliza. Abordando-se o conceito de Virtual Workspace, procura-se ampliar a capacidade de uma Grade computacional elevando-se a disponibilidade de seus recursos ao nível de plataforma, ampliando assim a possibilidade de uso por parte de seus usuários. No aspecto do desenvolvimento, pretende-se atender às necessidades específicas de cada usuário, disponibilizando um ambiente customizado no qual ele poderá desenvolver suas aplicações e testar sua viabilidade, analisando e corrigindo possíveis problemas. Além disso, o usuário poderá testar sua aplicação em diversos ambientes sem a preocupação de instalação e configuração de hardware e software, reduzindo, sobremaneira, o tempo gasto nos referidos procedimentos de instalação e configuração (setting up). Em um ambiente de teste, a ferramenta poderá ser aplicada sem a necessidade de se ter equipamentos dedicados ao processamento de alto desempenho e sem a necessidade da aquisição de novos equipamentos para tal finalidade, otimizando a utilização de recursos e reduzindo o custo da aquisição de hardware e software. Além de contribuir para as áreas acima citadas, esse ambiente apresenta também características como: a flexibilidade, ao possibilitar que o usuário configure e seja capaz de utilizar várias estruturas de clusters em um mesmo conjunto de recursos homogêneos ou não; a escalabilidade, na medida em que é possível aumentar ou reduzir o número de nós em função de suas necessidades ou restrições do ambiente; e a portabilidade, ao permitir que o ambiente criado seja armazenado tanto para uso futuro quanto para ser utilizado em outra estrutura disponível, dissociado do espaço físico em que se encontra. Paralelamente, esse trabalho também procurou avaliar o efeito do uso de recursos virtualizados para a criação de clusters, ou seja, qual o impacto do uso da virtualização em 16

18 um ambiente de computação de alto desempenho - HPC. Com isso, foi realizada ao longo do desenvolvimento deste trabalho uma série de experimentos a fim de determinar quais fatores podem contribuir tanto positivamente como negativamente para o desempenho de um cluster virtual. 1.2 ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO A organização do presente trabalho encontra-se da seguinte forma: o capítulo 2 apresenta as principais características dos Sistemas Distribuídos, bem como os paradigmas baseados em arquiteturas distribuídas; o capítulo 3 apresenta os conceitos da Máquinas Virtuais, além de citar os principais tipos de tecnologia de virtualização existentes e as características dos diversos softwares de virtualização; o capítulo 4 apresenta trabalhos encontrados na literatura que propõem métodos e arquiteturas para criação de Cluster Virtual; o capítulo 5 descreve a implementação do sistema proposto; o capítulo 6 apresenta, ainda, os experimentos realizados e os resultados obtidos, bem como os comentários sobre os mesmos; por fim, o capítulo 7 apresenta as considerações finais acerca deste trabalho. 17

19 2 SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA A partir da metade da década de 1980, com o desenvolvimento do microcomputador, essa nova tecnologia passou a ser uma ferramenta com poder de processamento cada vez maior. Ainda nessa mesma década, tivemos um outro avanço da tecnologia - a popularização das redes - que culminaria no surgimento da Internet. Do resultado da união desses dois avanços surgiram os sistemas distribuídos. 2.1 CARACTERÍSTICAS DE SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA Um sistema distribuído, segundo a definição de George Coulouris (COULOURIS et al., 2007), é uma: Coleção de computadores autônomos interligados através de uma rede de computadores e equipados com software que permita o compartilhamento dos recursos do sistema: hardware, software e dados Assim, a união desses computadores através da rede permite que o poder de processamento seja combinado de forma a colaborar com a execução de uma aplicação. Essa é sub-dividida e processada em diversos núcleos de processamento em diferentes localidades. Porém, apesar de a aplicação ser processada em diferentes plataformas e SO, todo o processamento ocorre de forma transparente para o usuário, que tem a impressão de que um único sistema gerencia toda a aplicação, ou seja, tem-se a ilusão de que a aplicação está sendo executada em uma única máquina. A capacidade de interconectar processadores permite que um sistema distribuído tenha um melhor desempenho e um crescimento incremental, bastando, para isso, incluir novos equipamentos na rede. Com isso, tem-se um aumento no poder computacional, na otimização e na economia de recursos, visto que é menos custosa a utilização de vários processadores interligados do que a aquisição de um supercomputador. Outra vantagem dos sistemas distribuídos é a tolerância a falhas, já que um problema em um computador não interfere no processamento da aplicação, embora haja uma diminuição no desempenho. Com a evolução da arquitetura de sistemas distribuídos e o aumento significativo da capacidade de rede surgiram os conceitos de Cluster Computacional e Grade Computa- 18

20 cional e, recentemente, Cloud Computing. 2.2 CLUSTERS COMPUTACIONAIS Ao longo dos últimos anos temos presenciado que as comunidades científicas e acadêmicas, bem como as empresas de tecnologia, vêm desenvolvendo aplicações cada vez mais complexas e que exigem maior poder computacional. Devido à complexidade dessas aplicações e a necessidade de precisão e rapidez dos resultados, torna-se inviável o seu processamento em um único computador. Como saída, é possível o processamento dessas aplicações usando supercomputadores dedicados. Porém, nem sempre as instituições são capazes de adquiri-los devido ao seu alto custo, e com isso, o acesso aos supercomputadores fica limitado a um pequeno grupo que tenha poder aquisitivo suficiente. A alternativa encontrada pela comunidade foi a união de um conjunto de computadores comerciais ligados a uma rede de alta velocidade, no qual a sua ação conjunta permite o aumento no desempenho das aplicações. Já que essas são divididas em partes e executadas de forma distribuída/paralela entre os computadores, atinge-se, desta forma, um desempenho equivalente ao de um supercomputador. Surgiu, assim, o conceito de Cluster, que pode ser descrito da seguinte maneira: Um cluster, ou aglomerado, é uma coleção de computadores que trabalham juntos para criar um sistema mais poderoso, ou um conjunto de máquinas independentes, que cooperam umas com as outras para atingir um determinado objetivo comum. (FILHO, 2004) De um forma mais ampla, um cluster é formado por computadores que são interconectados através da rede para que possam, então, processar eficientemente um grande número de aplicações de uma maneira distribuída. A união dessas características torna o cluster o mais adequado para processamento de aplicações paralelas e de alto desempenho, uma vez que o paralelismo é considerado a melhor forma de se superar o problema relacionado à velocidade de processamento (ZEM e BRITO, 2006), aumentando assim, o desempenho das aplicações. Em relação à estrutura do cluster, ela consiste basicamente em um computador - chamado de nó mestre, - e de vários outros computadores - chamados de nós escravos. O nó mestre é responsável por controlar e distribuir o processamento da aplicação entre os 19

21 nós escravos, além de reunir e disponibilizar os resultados. Além disso, os nós possuem o mesmo sistema operacional, facilitando a troca de mensagens. Devido a esta característica, os cluster são considerados sistemas homogêneos. Ainda em relação à estrutura do cluster, durante o seu processo de construção, faz-se necessário o uso de ferramentas que automatizem sua instalação, configuração e monitoramento das aplicações, pois tal processo, se feito de forma manual, torna o trabalho um pouco mais árduo. Entretanto, atualmente é possível conseguir boas ferramentas que facilitam o trabalho do administrador, como, por exemplo, a ferramenta para instalação como Kickstart (O KANE, 2000) e o OSCAR (OSCAR), ferramentas de monitoramento como Ganglia (MASSIE et al., 2004), ferramenta de escalonamento como Maui e ainda ferramentas que incluem essas diversas funcionalidades em um único componente como é o caso do ROCKS (ROCKS) e PelicanHPC (CREEL, 2010) A utilização dos clusters permite que alguns objetivos sejam alcançados, tais como (BECHER, 2007): alto desempenho, escalabilidade, tolerância a falhas, baixo custo e independência de fornecedor. Dessa forma, o custo de montagem do ambiente torna-se baixo, pois é usado hardware comum, que pode ser de qualquer fabricante e, utilizando software livre, não existe a necessidade de pagamento de licença de uso de aplicativo. A figura 2.1 representa o modelo hierárquico mestre-escravo para a execução e coordenação do processamento. FIG. 2.1: Hierarquia de um cluster. 2.3 GRADES COMPUTACIONAIS Buscando alcançar um nível maior de conhecimento, surgiu a idéia de interconectar supercomputadores geograficamente dispersos, localizados em diferentes instituições, usando a tecnologia de comunicação com alta largura de banda. Estes sistemas de computação 20

22 de alto desempenho, distribuídos em redes de escala mundial, tornaram-se uma maneira inovadora de compartilhar recursos computacionais entre várias instituições de forma a maximizar o uso dos recursos e permitir a construção de uma coleção de máquinas ainda mais poderosa. Assim, a comunidade científica de Computação de Alto Desempenho uniu esforços com a comunidade de Sistemas Distribuídos, criando uma linha de pesquisa que passou a ser chamada de Computação em Grade (Grid Computing) (GOLDMAN e KON, 2008). As grades computacionais podem ser definidas, de uma forma mais detalhada, como sendo: um conjunto de hardware e de software que possibilita a integração de recursos disponíveis nos ambientes de diferentes instituições de forma dinâmica. Essa integração pode ser utilizada para prover o compartilhamento de ciclos de processadores, memória RAM, espaço em disco, acesso a banco de dados, softwares, além de garantir a segurança e a qualidade do serviço oferecido, tudo de forma transparente ao usuário. Os sistemas de Grade possuem algumas características que os diferenciam de outras tecnologias de processamento distribuído, no qual podemos destacar (DASILVA, 2004): Heterogeneidade: uma grade deve ser capaz de congregar equipamentos diferentes entre si, de forma a fazê-los trabalhar em conjunto na execução de uma aplicação; Alta Dispersão Geográfica: esta característica se refere ao potencial de utilizar equipamentos que não estão fisicamente próximos. Com isso, uma grade pode ser composta por equipamentos de várias partes do mundo, aumentando a colaboração entre as instituições e a distribuição global dos dados; Compartilhamento: uma Grade deve ser capaz de compartilhar recursos e dados; Múltiplos domínios administrativos: podem ser compostas por equipamentos de várias instituições, com administração totalmente independente; Controle Distribuído: não existe uma entidade única que tenha o controle sobre toda a Grade; Disponibilização de serviços não triviais: As Grades devem ser capazes de coordenar a utilização de recursos de forma estruturada, para assim, atender às necessidades de execução das aplicações; 21

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Eduardo Ferreira dos Santos SparkGroup Treinamento e Capacitação em Tecnologia eduardo.edusantos@gmail.com eduardosan.com 13 de Junho de 2013

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS INTEGRANTES Aniel Cruz Claudio Sant Anna José Eurique Ribeiro Roberto Nou HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Clusters Conceito; Desempenho, Disponibilidade, Balanceamento

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho Informe técnico: Virtualização de endpoints Otimização dinâmica do espaço de trabalho Visão geral O é uma solução poderosa e flexível com foco na produtividade do usuário, independentemente dos equipamentos,

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Cloud Computing Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Facebook 750 milhões de usuários 42% de todos os usuários do Facebook estão localizado na América, 27% na Ásia e 25% na Europa 4% na África

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNAMP 1 Motivação Infraestrutura de computação - 2000 1 PC 1 SO Vários Aplicativos Utilização Baixa < 25% App App App App App App App App X86 Windows XP X86 Windows 2003

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX CURITIBA 2013 Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais CAPA As boas tecnologias já existem. Conheça agora as ferramentas mais adequadas para gerenciar cada solução de virtualização.

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópico 33 e 34 Virtualização São Paulo 2009 Virtualização Ao falar em virtualização,

Leia mais

Sistemas Virtualizados

Sistemas Virtualizados Sistemas Virtualizados Julio Cesar S. Anjos 1, Mariano Nicolao 2 1 Laboratório de Inteligência Artificial e Computação em Grid Legere Sistemas Dinâmicos Pesquisa e Desenvolvimento - Campus ULBRA/Guaíba

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Fernando Seabra Chirigati Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Introdução Grid x Nuvem Componentes Arquitetura Vantagens

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade 061247 Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa

Leia mais

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Autonômica Emanuel F. Coutinho 1, Gabriel A. L. Paillard 1 Leonardo O. Moreira 1, Ernesto Trajano de Lima

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais