O bloco está na rede. Os experts sabem muito bem que. Inicialização SYSADMIN. Mais uma missão para os network block devices

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O bloco está na rede. Os experts sabem muito bem que. Inicialização SYSADMIN. Mais uma missão para os network block devices"

Transcrição

1 SYSADMIN Mais uma missão para os network block devices O bloco está na rede Você não precisa do Samba ou do NFS para usar um cliente sem disco. Um dispositivo de blocos remoto pode ajudar a melhorar muito o desempenho e a eficiência. por Dirk von Suchodoletz e Thorsten Zitterell hilary quinn Os experts sabem muito bem que o modelo tradicional de redes de computadores desperdiça muito espaço com o armazenamento de dados redundantes. Máquinas pessoais geralmente dispõem de um disco rígido, apesar de o sistema operacional e os aplicativos que rodam no computador serem os mesmos em toda a empresa. Uma alternativa para essa abordagem é o gerenciamento centralizado dos dados, com clientes sem disco. Naturalmente, isso exige uma rede rápida e confiável, além de servidores poderosos. Um cliente sem disco típico baixa todos os dados através de um sistema de arquivos de rede. Esse cenário, no entanto, causa uma sobrecarga desnecessária nos servidores e na rede. Quando um servidor distribui um sistema de arquivos que os clientes não modificam, a maioria da funcionalidade é desperdiçada. Uma alternativa interessante para melhorar o desempenho com clientes sem disco é ter um sistema de arquivos raiz localizado em um dispositivo de blocos da rede (network block device, ou NBD), em vez de um sistema de arquivos baseado na rede, como o NFS, por exemplo. Nosso ponto de partida nessa busca por um sistema de arquivos raiz de alto desempenho para redes locais consistiu de um conjunto de 60 clientes Linux sem disco (figura 1), instalados na Universidade de Freiburg há três anos. O ambiente anterior, que foi usado três vezes para processamento de matrículas, baseava-se em dois servidores NFS, com a configuração de tarefas gerenciada na inicialização dos clientes. Figura 1 As máquinas no conjunto CIP estão configuradas como clientes sem disco. Para evitar a sobrecarga da rede na inicialização, fomos fundo em nossa caixa de truques e substituímos o sistema de arquivos de rede por dispositivos de blocos remotos. Inicialização Quando o usuário terminava de negociar o login no KDE, cada cliente já tinha baixado até 350 MB do servidor, o que levava no mínimo um minuto. Como se pode imaginar, iniciar 15 máquinas simultaneamente gerava uma sobrecarga significativa nos dois servidores. Para resolver esse problema, iniciamos uma busca sistemática de otimizações potenciais, sem no entanto mexer no servidor e no hardware de rede. 66

2 NBD SYSADMIN Cliente Rede Servidor Aplicação FTP, SCP, HTTP Aplicação VFS LUFS VFS Sistema de arquivos NFS, SMB Sistema de arquivos Block device ISCSI, AoE, NBD Block device Figura 2 Servidor e cliente podem trocar arquivos e blocos em diversos níveis. A figura mostra a interpretação dos dados, mas não a implementação em software. A implementação especial LUFS (Linux Userland Filesystem), por exemplo, consegue montar um servidor FTP como se fosse um sistema de arquivos. Logo descobrimos que o comportamento dos clientes na inicialização afetava fortemente o desempenho. Decidimos manipular a configuração no disco RAM inicial e paralelizar os passos sempre que fosse interessante. Também investigamos sistemas de arquivos de rede alternativos e NBDs com um sistema de arquivos adequado. A combinação dessas duas abordagens reduziu o volume de dados que precisávamos transferir pela rede, de 350 MB para menos de 50 MB. Como conseqüência, o tempo de inicialização foi quase reduzido à metade. NFS legado O kernel Linux não se importa muito se o sistema de arquivos raiz se encontra num disco rígido local, um dispositivo RAID SCSI, um dispositivo flash ou um servidor de rede remoto. Nesse último caso, o Linux geralmente recai no uso do sistema de arquivos de rede NFS. O NFS é bastante usado e simples de configurar, e faz parte do kernel há anos. Mas está começando a aparentar sua idade: antes da versão 3, não havia a menor segurança. O servidor confia cegamente na autenticação feita nos clientes, e distingue os clientes somente pelos seus endereços IP. O NFS baseia-se em RPC (Remote Procedure Call) e usa chamadas de funções remotas para realizar todo tipo de acesso. Do ponto de vista do desenvolvedor, essa é uma abordagem elegante, mas que sofre de uma séria sobrecarga, principalmente se você tiver de lidar com arquivos pequenos. Usuários com um diretório pessoal em NFS talvez possam viver com isso, mas, se você tiver um sistema de arquivos raiz compartilhado com um número maior de clientes, os problemas começam a aparecer. O procedimento de inicialização do tipo System V, com sua infinidade de pequenos scripts de inicialização, é particularmente sujeito a sobrecargas. Enquanto procurávamos uma abordagem mais rápida, ficou claro que nossos requisitos escalabilidade, desempenho, integridade dos dados e disponibilidade eram contraditórios. Por exemplo, o caching tende a melhorar a escalabilidade e o desempenho, porém reduz a integridade dos dados. Sem outras medidas, não se pode garantir que os dados no cache do cliente sejam idênticos aos do servidor. E embora a sincronização melhore a integridade, novamente isso afeta a escalabilidade. SAN e dispositivos de bloco Isso nos deixou uma rota de fuga pelos níveis mais baixos: em vez de centralizar o sistema de arquivos, podemos controlar discos rígidos remotamente no nível de blocos (veja o quadro Blocos e arquivos). Esse princípio é popular com Storage Area Networks (Redes de área de armazenamento, ou SAN), que geralmente baseiam-se numa malha fiber channel independente da rede. Dito isso, devemos dizer que essa tecnologia é cara. O padrão industrial ISCSI é mais barato, e o kernel Linux possui suporte a ele, mas a sobrecarga do ISCSI é demais para um desktop normal. Uma forma mais barata de evitar os problemas do NFS operando no nível de bloco seria através do recurso de dispositivo de bloco de rede do Linux. Blocos e arquivos Os sistemas de arquivos controlam o acesso aos arquivos; dispositivos de blocos geralmente abstraem o hardware (discos rígidos, por exemplo) e suportam o intercâmbio de dados em blocos (veja a figura 2). Os dois se encontram quando um sistema de arquivos normal é baseado num dispositivo de blocos que suporta o armazenamento em blocos. Sistemas operacionais modernos devem aumentar o desempenho através do cache em RAM das transferências de dados. Os sistemas de arquivos de rede disponíveis diferem quanto aos tipos e tamanhos de arquivos que suportam, e também quanto ao controle de acesso. Por exemplo, o Samba não suporta arquivos especiais Unix como soquetes e named pipes na configuração padrão, o que pode impedir alguns aplicativos e ambientes gráficos do Linux. Dispositivos de blocos suportam o uso de sistemas de arquivos arbitrários baseados em blocos, independentemente de o dispositivo de bloco estar montado localmente ou acessível remotamente pela rede. Isso nos dá uma gama bem maior de escolhas do que os sistemas de arquivos de redes. Linux Magazine #23 Setembro de

3 SYSADMIN NBD Figura 3 Nossa tentativa de montar o ReiserFS num dispositivo de blocos somente leitura. O sistema de arquivos precisa acrescentar entradas ao journal, mas NBDs compartilhados não podem ser graváveis. O kernel oficial já possui o recurso NBD há quatro anos. O módulo é bem simples, e deixa a verificação da integridade dos dados transferidos para a camada TCP subjacente. Uso de NBDs Pode-se executar modprobe nbd para ver se o seu kernel possui um módulo NBD configurado. Não deve aparecer nenhuma mensagem de erro. As ferramentas respectivas do espaço do usuário, como /usr;bin;nbd-server, são fornecidas pela maioria das distribuições num pacote separado. A versão era a atual quando este artigo foi escrito, e está disponível em [1]. O Suse Linux 10.0 ainda utiliza a versão 2.7.4, que funcionará muito bem para o que queremos. Sem permissão de escrita Assim como com um sistema de arquivos remoto, um dispositivo de bloco de rede pode ser exportado para suportar acesso completo ou somente leitura. Existe uma diferença marcante quando se examina o acesso de gravação compartilhado num recurso: os sistemas de arquivos de rede oferecem mecanismos de travamento ou acesso coordenado aos arquivos para evitar danos aos arquivos. Os dispositivos de rede fazem muito menos esforço, e ficam satisfeitos desde que o acesso de leitura ou escrita fique restrito a blocos individuais. A única proteção que oferecem é a garantia de que as transferências de bloco sejam atômicas. Os dispositivos de bloco não têm interesse especial em saber se os blocos na verdade pertencem a algum sistema de arquivos eles ignoram solenemente as camadas de dados subjacentes e a forma como se organizam. Entretanto, isso pode dificultar o suporte ao uso distribuído de um dispositivo de blocos de rede com um sistema de arquivos comum baseado em blocos. Se vários clientes tentassem gravar dados num NBD compartilhado, não tomariam conhecimento de seus colegas, e destruiriam as estruturas de dados uns dos outros por causa da falta de coordenação. O caching local nos clientes torna esse caos perfeito e deixa os sistemas de arquivos com um lixo ininteligível. Isso não é uma fonte de preocupação para as operações sem disco. Contanto que ninguém tente gravar no NBD, qualquer número de clientes pode compartilhá-lo. Mas para gravar, é necessário impedir que um segundo cliente monte o dispositivo de blocos caso outro cliente queira gravar nele. Para os testes iniciais, talvez você queira eliminar a possibilidade de surgirem problemas de rede e rodar o cliente e o servidor na mesma máquina. A forma mais fácil de fazer isso é com uma partição livre. Se você não tiver uma, um arquivo contêiner com algum sistema de arquivos servirá (exemplo 1). Testamos essa configuração com ReiserFS, Ext2 e XFS, com sucesso. As ferramentas de formatação dirão que o arquivo não é um dispositivo de blocos (linha 8), mas você pode ignorar esse aviso. Em nosso exemplo, o administrador cria um arquivo de 100 MB (linhas 1 e 2), adiciona um sistema de arquivos Ext 2 (linha 6), inicia o servidor NBD na porta 5000 (linha 14), e monta o dispositivo na mesma máquina (linha 15). A escolha do número da porta é arbitrária, o que permite iniciar múltiplos servidores para vários contêineres. O cliente NBD precisa do módulo do kernel e espera o endereço IP e o número da porta do servidor, seguidos do nome do dispositivo de blocos local. Remoto Para iniciar o cliente e o servidor em máquinas separadas, simplesmente substitua o endereço na linha de comando do nbd-client pelo IP do servidor. O nbdserver consegue exportar volumes LVM ou partições, em vez de simples arquivos contêiner. Para isso, simplesmente substitua o nome do arquivo pelo do dispositivo: nbd-server 5001 /dev/sda4. O cliente fecha a conexão com o servidor da seguinte forma: nbd-client -d dispositivo; mas certifique-se de desmontar o dispositivo de blocos antes de fechar a conexão: umount /mnt nbd-client -d /dev/nbd0 Conforme explicado no quadro Blocos e arquivos, permitir que múltiplas máquinas gravem em um NBD compartilhado leva ao caos. Em vários casos, nem existe essa necessidade. O acesso de leitura é suficiente para o sistema de arquivos raiz de um cliente sem disco, para um diretório de aplicativos compartilhado, ou para um repositório de documentos. Somente leitura A opção -r inicia o servidor de dispositivos de bloco em modo somente leitura, evitando assim que os clientes modifiquem o dispositivo de bloco. Obviamente, isso também desqualifica os sistemas de arquivo com journal. Não conseguimos montar sistemas Ext 3, ReiserFS ou XFS através de dispositivos de bloco somente leitura em nosso laboratório. Dependendo do sistema de arquivos, mensagens de erro das mais variadas proporções foram mostradas; a figura 3 mostra o que o ReiserFS tem a dizer sobre isso. Especificar a opção de montagem -o ro não melhorou as coisas; sistemas de arquivo com journal sempre querem gravar em seus journals. Entretanto, o SquashFS e o Ext 2 aceitaram bem. Alternativamente, o NBD oferece a opção -c para copiar ao gravar (exemplo 2, linha 1). Para suportar essa opção, o servidor cria um arquivo para cada cliente, onde guarda as modificações realizadas pelo cliente. A linha 9 exemplifica isso. Quando o cliente desconecta, as mudanças são perdidas, apesar de o arquivo propriamente dito ser mantido. Os próprios desenvolvedores dizem que o desempenho da opção -c não é muito bom, então talvez você prefira uma solução implementada no cliente, como o UnionFS ou o módulo COW (copy on write, ou copiar ao gravar). Infelizmente, a segurança do NBD é, no máximo, rudimentar. É semelhante à do NFS, mas menos flexível. Os administradores podem especificar uma lista de máquinas que receberão direito de acesso ao dispositivo. O NBD não tem qualquer recurso avançado, como autenticação, verificação de integridade ou criptografia. Escrita direcionada Clientes sem disco precisam criar ou modificar arquivos em várias posições do sistema de arquivos durante sua execução o diretório /etc/resolv.conf ou vários outros diretórios temporários, por exemplo. Uma solução envolve o uso de sistemas de arquivos translúcidos, como o UnionFS, para suportar mudanças através de um ramdisk superposto. Entretanto, essas modificações não são persistentes, e o sistema volta ao estado original na próxima inicialização. O Cowloop (Copy On Write Loopback Device, ou dispositivo loopback com cópia na gravação) [2] é outra abordagem para dispositivos de blocos somente leitura. O Cowloop torna um dispositivo de blocos 68

4 NBD SYSADMIN gravável, gravando as mudanças separadamente num arquivo esparso (figura 4), que novamente pode residir num ramdisk. Em comparação com o UnionFS, que precisa copiar um arquivo inteiro para a camada gravável para refletir até as menores mudanças, o Cowloop é bem mais moderado no uso de espaço, e só armazena os blocos alterados. Cowloop Depois de descompactar, compilar e instalar o código-fonte a partir de [2], você deve ter um módulo do kernel e uma ferramenta. Pode-se usar o Cowloop em combinação com o NBD: modprobe cowloop cowdev -a /dev/nbd0 /tmp/nbd.cow mkdir /mnt/nbd-rw mount /dev/cow/0 /mnt/nbd-rw Esse exemplo liga o NBD nbgd0 ao arquivo gravável /tmp/nbd.cow e monta o novo dispositivo de blocos. As operações de leitura no nbd-rw não afetam o NBD. Se o Cowloop reclamar da falta de um /dev/cow/ctl ou /dev/cow/0, as seguintes linhas devem ajudar: mkdir /dev/cow mknod /dev/cow/ctl b ln -s /dev/cowloop0 /dev/cow/0 Depois de desmontar o dispositivo de blocos combinado, cowdev -d /dev/cow/0 removerá o Cowloop. Em comparação com essa solução, o UnionFS roda em um nível mais alto do sistema de arquivos. Ele guarda os arquivos modificados em outro sistema de arquivos, fácil de rastrear. De fato, pode-se utilizar as ferramentas padrão do Linux para fazer buscas no sistema de arquivos superposto. Gancho de memória Clientes sem disco não dispõem de armazenamento local, e portanto puxam da rede todas as informações de que necessitam. Normalmente, o carregador de boot ou algum parâmetro do kernel informa ao kernel onde se localiza o sistema de arquivos raiz. Mas, se o sistema de arquivos raiz estiver em algum lugar de uma rede local, será necessário fornecer uma forma de ativar as interfaces de rede e a configuração de IP logo no início, sendo que ambos precisam de um sistema de arquivos raiz. Há três soluções possíveis para o problema de ter um sistema de arquivos raiz e ativar a configuração inicial de IP: Raiz do kernel sobre NFS As primeiras versões do Linux eram capazes de usar a raiz do kernel sobre NFS, o que envolve a montagem do sistema de arquivos raiz diretamente por NFS. Entretanto, isso pressupõe que todos os componentes necessários estejam embutidos no kernel, incluindo as configurações da placa de rede e do NFS, além da auto-configuração do IP, que por sua vez precisa que haja um cliente DHCP em funcionamento. Problemas afloram quando se troca a placa de rede ou quando se necessita aplicar patches ao driver. Em ambos os casos, você precisaria recompilar todo o kernel. Exemplo 1: Testando o NBD Ramdisk inicial Um ramdisk inicial, tecnicamente, é um dispositivo de blocos na RAM. O ramdisk tem um sistema de arquivos formatado com todas as ferramentas, scripts e módulos necessários para a configuração até o momento em que o sistema de arquivos raiz é montado. Essa abordagem tem suas desvantagens, como o esforço envolvido na criação do ramdisk inicial, a sobrecarga devida ao dispositivo de blocos com seu sistema de arquivos, e as complexas transições do pequeno sistema de arquivos raiz do ramdisk inicial para o novo sistema raiz montado no outro dispositivo. A chamada pivot_root lida com a transição, e freeramdisk libera a memória do ramdisk após a transição. Early userspace Um desenvolvimento recente, chamado early userspace (ou 01 hermes:~ # mkdir /exports 02 hermes:~ # dd if=/dev/zero of=/exports/nbd-export bs=1024 count= records in records out bytes (102 MB) copied, 0, seconds, 84 MB/s 06 hermes:~ # mke2fs nbd-export 07 mke2fs 1.38 (30-Jun-2005) 08 /exports/nbd-export is not a special block device. 09 Continue anyway? (y,n) y 10 Filesystem-Label= 11 OS-Typ: Linux 12 Block size=1024 (log=0) 13 [...] 14 hermes:~ # nbd-server 5000 /exports/nbd-export 15 hermes:~ # nbd-client /dev/nbd0 16 Negotiation:..size = KB 17 bs=1024, sz= hermes:~ # mount /dev/nbd0 /mnt 19 hermes:~ # ls /mnt lost+found 21 hermes:~ # df 22 Filesystem 1K blocks Used Available Used% Mounted as 23 [...] 24 /dev/nbd % /mnt 25 hermes:/ # time dd if=/dev/zero of=/mnt/text count=8192 bs= bytes (8,4 MB) copied, 0, seconds, 220 MB/s real 0m0.046s 31 user 0m0.008s 32 sys 0m0.036s Exemplo 2: Copiar ao gravar 01 hermes:~ # nbd-server 5000 /exports/nbd-export -c 02 hermes:~ # nbd-client /dev/nbd0 03 hermes:~ # mount -t xfs /dev/nbd0 /mnt 04 hermes:~ # ls -al /exports 05 insgesamt drwxr-xr-x 2 root root : drwxr-xr-x 23 root root : rw-r--r-- 1 root root :33 nbd-export 09 -rw root root :39 nbd-export diff Linux Magazine #23 Setembro de

5 SYSADMIN NBD Dispositivo de bloco Cowloop Dispositivo de bloco Somente leitura Leitura Sistema de arquivos Figura 4 O dispositivo de blocos Cowloop (no alto) depende de dois recursos: um dispositivo somente leitura (esquerda) é a base, e todos os blocos modificados são armazenados num arquivo separado (direita). O conteúdo do dispositivo de blocos original permanece inalterado. espaço de usuário adiantado) parece uma possibilidade para substituir as duas soluções anteriores num futuro não muito distante. InitramFS é um conjunto de estruturas especiais do kernel que podem ser mapeadas para um sistema de arquivos raiz padronizado, que pode tanto ser embutido no kernel sob um TempFS (de forma semelhante ao ramdisk inicial) quanto ser mantido e carregado separadamente como um arquivo CPIO. O kernel Linux e posteriores não usam mais pivot_root para mudar para o outro sistema de arquivos raiz. Ao invés disso, você pode simplesmente redirecionar o ponto de montagem para /. Uma ferramenta chamada run-init (localizada na Klibc) apaga os dados antes guardados nesse ponto. Alternativas Além do NBD, várias outras implementações livres dos dispositivos de blocos de rede também estão disponíveis, como ENBD [4], GNBD [6] e ANBD [3] (veja a tabela Variantes do NBD). Esses drivers de dispositivos de blocos não fazem parte do kernel atualmente, e a maioria das distribuições não os inclui. Embora a instalação seja mais complexa, pois é Leitura e escrita (Arquivo esparso) Arquivo editável necessário compilar a partir do códigofonte, o ENBD suporta o tratamento de erros, reconexão automática em caso de queda, canais múltiplos, entre outros recursos. Dispensando os fios O DNBD [5] (Distributed Network Block Device) foi feito especialmente para operações sem disco em redes sem fio. Nesse cenário, os clientes se associam a um ponto de acesso e compartilham Variantes do NBD freqüências. Somente um cliente pode transmitir por vez, um fato que é piorado pela banda restrita de 54Mbps dos padrões atuais IEEE b/a/g. Como todos os clientes compartilham o meio de transmissão da rede, a taxa de transferência de dados disponível é reduzida para cada dispositivo adicional que tenta inicializar simultaneamente. O DNBD tenta minimizar o volume de dados tanto quanto possível, enquanto ao mesmo tempo aumenta as capacidades da rede sem fio. Para atingir esse objetivo, o DNBD consegue funcionar sem mecanismos de travamento e só suporta o acesso de leitura. Além disso, o tráfego de dados do DNBD é visível para todos os clientes ligados à rede (figura 6), e os clientes fazem cache de todos os blocos que o servidor transmite, independentemente de para qual cliente ele objetivar. Afinal, é provável que os outros clientes venham a precisar do bloco em algum momento. Apesar de o meio compartilhado numa rede sem fio permitir que clientes escutem as conversas de outros clientes, nenhuma placa de rede sem fio suporta os modos promíscuo ou de monitoramento. Para contornar isso, o DNBD usa IP multicasting para se comunicar com um grupo de clientes simultaneamente. Para permitir que isso aconteça, o DNBD se baseia no protocolo UDP independente de conexão. O DNBD cuida sozinho dos pacotes perdidos e outros problemas de comunicação. Ele usa IP multicast de endereços na faixa de rede /4, mas /8 é o recomendado para você experimentar. Antes de um cliente DNBD conseguir acessar um dispositivo de blocos de rede, ele primeiro tenta descobrir um servidor, enviando um pacote especial Nome Explicação O Network Block Device é o predecessor de todos os dispositivos de NBD blocos de rede do Linux. No momento, só existe um desenvolvedor ativo e uma lista de discussão com volume razoável de tráfego. [1] O Another Network Block Device é uma extensão compatível com NBD criada em Suporta multithreading e prome- ANBD te melhores mensagens de erro que seu antecessor. [3] O Enhanced Network Block Device está sendo impulsionado por somente um desenvolvedor ativo; existe uma lista de discussão com algumas mensagens por mês. O ENBD estende o NBD, adicionando reco- ENBD nexão automática, autenticação e suporte a mídias removíveis. [4] O Distributed Network Block Device usa UDP como protocolo de transporte, e portanto suporte multicasting, caching pelo lado do cliente e redun- DNBD dância de servidores. Mas só suporta exportações somente leitura. [5] GNBD O Global Network Block Device é a base do GFS (Global Filesystem). [6] 70

6 NBD SYSADMIN para um endereço multicast específico. A resposta do servidor inclui informações sobre o dispositivo de blocos de rede existente, que os clientes podem usar para configuração. Depois, os clientes podem pedir blocos. Servidores DNBD podem ser replicados em cenários de alta disponibilidade. Os clientes descobrem os servidores automaticamente; coletam dados estatísticos continuamente para conseguirem escolher o servidor com o menor tempo de resposta. Um caching significativo sempre pressupõe propriedades da localidade. Os clientes necessitam da possibilidade de acessar o mesmo bloco por um período de tempo limitado para tirarem proveito dessa solução. Essas condições se aplicam quando um grande número de clientes sem disco inicializam simultaneamente numa rede sem fio. Mas também funciona para conteúdo multimídia: múltiplos clientes podem reproduzir um DVD através de uma WLAN, e o cache ainda vai funcionar se cada cliente estiver num ponto diferente da reprodução. A página do projeto DNBD inclui um Howto de instalação que descreve o download do DNBD pelo Subversion e sua compilação. Você necessita dos fontes ou dos cabeçalhos do kernel, sendo Para o servidor NFS Sistemas de arquivos Dispositivo de bloco Para o servidor Figura 5 Uma combinação das técnicas discutidas neste artigo é possível. A maioria dos dispositivos de blocos possuem sistemas de arquivos baseados em blocos. As exceções são o Cowloop e o UnionFS, que fornecem uma nova camada gravável baseada em dispositivos de blocos ou sistemas de arquivos. que talvez seja preciso modificar o caminho até o kernel em kernel/makefile. Assim como qualquer outro dispositivo de blocos de rede, o DNBD tem alguns problemas com várias combinações de agendadores de entrada e saída com sistemas de arquivos, principalmente em operações sem disco. Union-FS Ext 2 Ext 3 Squash-FS Tmp-FS Cowloop NBD Cache do buffer DNBD Apesar de o PXE Linux (Pre-boot Execution Environment) [7] e o Etherboot [8] terem sido criados para suportar a inicialização de PCs por Ethernet, um padrão para a mesma tarefa em redes sem fio ainda não surgiu. Ao invés de utilizar a rede para enviar o kernel e o ramdisk para a máquina, chaveiros USB ISCSI Os Thin Clients da ThinNetworks Melhor relação custo benefício do mercado e funcionalidades exclusivas O TC-NET revoluciona o mercado de ThinClients ao apresentar um sistema operacional baseado em Linux e funcionalidades exclusivas, o TC-OS. Compatível com a maioria dos servidores de terminal existentes, essa solução agrega redução de custos de aquisição e atualização, facilidade de instalação e manutenção, maior estabilidade e confiabilidade, maior segurança, baixo consumo de energia e tamanho compacto O sistema Operacional TC-OS Recursos de administração centralizados; Servidor VNC para permitir o controle remoto de cada ThinClient; Disponível com Flash (64mb ou 128mb) ou na versão PXE para uso com LTSP; Clientes para CITRIX-ICA, Microsoft RDP 5.1, XDMCP e VNC e Tarantella; Diversos aplicativos para uso local (navegador, Java, Skype, protetor Linux Magazine de #23 tela Setembro e outros). de 2006 Fone: (61) Skype: ThinNetworks 71

7 SYSADMIN NBD e cartões Compact Flash conectados à porta IDE são bons carregadores do kernel. Além disso, o init no InitramFS recebe a tarefa adicional de configurar os parâmetros da rede sem fio antes da configuração do IP. Bem bloqueado O NFS causa uma sobrecarga considerável, o que é um grande problema se você lidar com muitos arquivos pequenos. Mais especificamente, os scripts típicos de runlevel, configuração do sistema e administração de um sistema Linux dificultam a vida do NFS. E a situação é agravada pelos novos truques que as distribuições modernas empregam nos monitores de sistemas de arquivo e outros componentes, gerando um fluxo constante de dados NFS. Dispositivos de blocos de rede funcionam melhor com o cache interno do kernel, e um sistema inativo então não gerará quase nenhum tráfego de rede. Ao abrir um arquivo, o Linux só lê o bloco uma vez para ter certeza das permissões, dono, ou data da última alteração, e para obter um ponteiro para o arquivo. O NFS necessita de várias chamadas RPC para o mesmo fim. As operações com NFS também podem ser otimizadas. Deixar a configuração e as rotinas típicas rodarem em um ramdisk inicial diminui a distância entre o NFS e o dispositivo de blocos. Usar o compacto SquashFS [9] também é uma opção interessante: em cenários somente leitura, a pré-compactação do sistema de arquivos pode diminuir o tráfego de rede e fazer melhor uso do cache de blocos. Usar o UnionFS ou o Cowloop tem um forte efeito. O uso do segundo é restrito a um dispositivo de blocos com sistema de arquivos gravável. O UnionFS é útil em qualquer cenário, e também ajudará a diminuir o tráfego. Além disso, o UnionFS ajuda a reduzir a carga sobre o dispendioso TempFS na RAM, principalmente em relação aos normalmente pequenos arquivos de configuração. A alta disponibilidade é difícil de atingir com NFS. O DNBD é especializado Cache do cliente Figura 6 O Distributed NBD é mais apropriado para redes sem fio. Quando um computador pede um bloco, o servidor envia o bloco para todos os clientes por multicast. Isso economiza tempo e banda se o próximo cliente precisar do mesmo bloco. nisso, mostrando-se muito mais competente em alternar transparentemente entre servidores, do ponto de vista do cliente. Os administradores podem até acrescentar e remover servidores dinamicamente sem que os usuários percebam, oferecendo assim uma forma elegante de contornar um ponto singular de falhas potencialmente desastroso em caso de falhas do servidor. Mais Informações Cache do cliente [1] NBD (Network Block Device): [2] Cowloop: Cache do cliente Especialista Os dispositivos de blocos de rede no Linux não foram feitos para aposentar o tradicional sistema de arquivos de rede, mas certamente oferecem uma opção interessante para clientes sem disco. As técnicas descritas neste artigo ajudarão na tarefa de fornecer um serviço de arquivos rápido e confiável na sua própria rede. [3] ANBD (Another Network Block Device): [4] ENBD (Enhanced Network Block Device): [5] DNBD (Distributed Network Block Device): [6] GNBD (Global Network Block Device): [7] PXE-Linux: [8] Etherboot: [9] SquashFS: Os autores Thorsten Zitterell trabalha para o departamento de sistemas operacionais da Universidade de Freiburg, onde faz suas pesquisas sobre sistemas operacionais de tempo real em microssistemas embarcados. Dirk von Suchodoletz é assistente no departamento de sistemas de comunicação e está constantemente buscando desenhos inteligentes para suportar clientes sem disco no Linux. 72

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Descrição Sistema operacional baseado na distribuição Debian-Linux. Otimizado para o ambiente de terminais gráficos remotos. Customizado para

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos Aula 23 Distribuídos SOs de Rede Em sistemas operacionais de rede você sabe quando é local e quando é remoto. Assim, o trabalho não muda, com exceção de comandos para acesso remoto: - telnet - ftp - etc.

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Configurando o Sistema Operacional TC-OS

Configurando o Sistema Operacional TC-OS Configurando o Sistema Operacional TC-OS O TC-OS é o Sistema Operacional das soluções Thin Clients da ThinNetworks. Foi desenvolvido especialmente para servir a thin clients possibilitando-os se conectar

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Gerenciamento de sistemas GNU/Linux: do computador pessoal à rede corporativa

Gerenciamento de sistemas GNU/Linux: do computador pessoal à rede corporativa Gerenciamento de sistemas GNU/Linux: do computador pessoal à rede corporativa Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor FTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática FTP: o protocolo de transferência de arquivos transferir arquivo de/para hospedeiro remoto modelo cliente/servidor cliente:

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Marcus Gama

Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Marcus Gama Brad Hards Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Desktop Sharing 7 3.1 Gerenciando convites do Desktop Sharing........................

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 ii WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 Índice Configurando Comunicações..... 1 Considerações sobre o Sistema Operacional....1 Atributos...............1 Mensagens...............1

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes

Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Tecnologia de Sistemas Distribuídos Capítulo 8: Sistemas de Ficheiros Distribuídos Paulo Guedes Paulo.Guedes@inesc.pt Alves Marques jam@inesc.pt INESC/IST 1 Sistema de Ficheiros Distribuídos Permite a

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Mandriva Pulse - Especificações e recursos

Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Brasil 2 de abril de 2015 Lista de Tabelas 1 Tabela resumo dos diferenciais do Pulse....................... 9 Lista de Figuras 1 Interface web do Mandriva

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Manual do Usuário I EasyLock Manual do Usuário Sumário 1. Introdução... 1 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalação... 3 3.1. Configurar

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Transparência de Localização. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos

Transparência de Localização. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos Sistemas de Arquivos Distribuídos nnetwork File System - NFS (Sun) nandrew File System - AFS (IBM) Serviço de Arquivos X Servidor de Arquivos nserviço de Arquivos o que o sistema de arquivos oferece para

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Versão 2.0 1. INTRODUÇÃO SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Data: 02/12/2014 Logs são muito importantes para a administração segura de sistemas,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais Comparativo dos sistemas de arquivos para Linux CAPA Qual é o melhor? Será que os novatos Btrfs e Ext4 superam os sistemas de arquivo tradicionais do Linux? por Marcel Hilzinger Há um ano, todas as principais

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

SMART Sync 2010 Guia prático

SMART Sync 2010 Guia prático SMART Sync 2010 Guia prático Simplificando o extraordinário Registro do produto Se você registrar o seu produto SMART, receberá notificações sobre novos recursos e atualizações de software. Registre-se

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos. Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2

BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos. Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2 BIG-IP Gerenciamento de Tráfego de Aplicativos Guia de Dimensionamento da Plataforma Versão 9.2.2 Guia de Dimensionamento da Plataforma Resumo de Recomendação de Plataformas Plataformas 8400, 6800 e 6400

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais