AC-AP-ES-MA-MT-MS-MG-DF-PA-RO-RR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AC-AP-ES-MA-MT-MS-MG-DF-PA-RO-RR"

Transcrição

1 AC-AP-ES-MA-MT-MS-MG-DF-PA-RO-RR

2 PREVIDÊNCIA EM FOCO SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 TEMAS JURÍDICOS RELEVANTES DOS REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DO BRASIL 2.1 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS 2.2 REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS 2.3 REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 3 NOVIDADES LEGISLATIVAS EM MATÉRIA PREVIDENCIÁRIA 4 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 5 NOTAS E CAMPANHAS INSTITUCIONAIS DA OABPREV-MG 6 EQUIPE

3 1 APRESENTAÇÃO A educação previdenciária e financeira é considerada a ação estratégica mais relevante da OABPrev-MG juntamente com seus instituidores, quando se tem em foco a proteção do advogado e seus dependentes (na forma do estatuto da Caixa de Assistência) em face dos infortúnios da vida. Por esta razão, a adoção de ações educativas eficazes e contínuas é vital para que os advogados comecem a refletir o quanto antes sobre a importância da cobertura previdenciária, seja por intermédio do primeiro pilar obrigatório garantido pelo INSS - Instituto Nacional do Seguro Social, seja por meio da contribuição facultativa a um plano de previdência complementar (oferecido em caráter exclusivo aos advogados, estagiários inscritos na Ordem e seus dependentes pela OABPrev-MG, uma entidade sem fins lucrativos). A OABPrev-MG e seus instituidores (Seccionais da OAB e Caixas de Assistência dos Advogados mencionados na última página deste informativo) possuem o compromisso institucional de disponibilizar aos advogados informações que lhes permitam planejar uma proteção previdenciária apta a manter o seu padrão de vida na fase não-laborativa ou mesmo para viabilizar projetos de vida independentemente da continuidade (ou não) do exercício

4 da atividade remunerada. A criação deste informativo tem, portanto, o escopo de fortalecer a consciência previdenciária dos advogados e, ao mesmo tempo, mantê-los informados sobre as principais temáticas do Direito Previdenciário, não somente sobre a previdência complementar, mas acerca de todos os regimes previdenciários em vigor no Brasil. O desafio principal é desconstruir mitos que prejudicam nossa decisão de planejar o futuro, bem como nos conscientizar de que a cobertura previdenciária não visa somente a garantir um padrão de vida digno em uma idade mais avançada, mas compreende também a concessão de prestações pecuniárias para quem contribui e para seus beneficiários em face de diversas contingências a que estamos sujeitos em qualquer fase de nossa vida (morte, invalidez, incapacidade temporária, maternidade e outros eventos). Acreditamos que esta iniciativa conjunta entre a OABPrev-MG e seus instituidores possa, de alguma forma, contribuir para a construção de um novo paradigma sobre a compreensão da rede de proteção previdenciária em seus diversos patamares, sobretudo diante do fato inconteste de que os advogados - em face de sua condição de profissionais liberais e na sua maioria autônomos - necessitam de um planejamento financeiro e previdenciário mais efetivo em relação a outras categorias profissionais cuja proteção social lhes é garantida de forma automática pela existência do vínculo empregatício. Queremos também, nas próximas edições, contar com a colaboração dos advogados na formulação de questionamentos ou mesmo sugestões de temas e artigos jurídicos, a fim de que este espaço alcance os objetivos estabelecidos da forma mais democrática possível. Por esta razão, acesse o nosso site e nos encaminhe suas críticas e sugestões:

5 Por fim, gostaríamos de frisar novamente aos membros de nossa classe que a previdência complementar ofertada pela OABPrev-MG não é exclusiva aos advogados e estagiários inscritos na Ordem, mas se estende também, na forma do estatuto da Caixa de Assistência, a todos os seus dependentes, que podem aderir ao plano de benefícios - independente se advogado de quem eles dependem for contribuinte do plano de benefícios -, facultando-se, ainda, ao participante eleger qualquer beneficiário para usufruir a pensão por morte ou mesmo o saldo de conta existente em caso de falecimento do participante. Esta flexibilidade é uma das principais características do regime de previdência complementar, além de outras vantagens que serão explicitadas ao longo de nossas edições posteriores. ROBERTO DIAS PERECINI Diretor-Presidente da OABPrev-MG ROBERTO DE CARVALHO SANTOS

6 2.1 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS TEMA: DESAPOSENTAÇÃO TESE JURÍDICA Segurados que já se aposentaram e continuam recolhendo para os gestores dos regimes previdenciários podem requerer, em Juízo, a concessão de uma nova aposentadoria, aproveitandose o tempo de contribuição e os salários-de-contribuição antes e posteriores à primeira aposentação. A desaposentação pode ser requerida seja para gerar um benefício mais vantajoso perante um mesmo regime previdenciário ou para obtenção de um benefício mais favorável em outro regime de previdência. A QUEM SE APLICA? A todos os segurados que se aposentaram e continuaram vertendo contribuições previdenciárias em razão da condição de permanência no mercado de trabalho, mesmo após a jubilação, considerando o caráter compulsório da contribuição previdenciária. 2 TEMAS JURÍDICOS RELEVANTES DOS REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DO BRASIL

7 Recomenda-se, porém, que se formule um cálculo antes de requerer a reaposentação para se aferir a existência de real ganho econômico ao segurado. Isso porque alguns segurados podem ter perdas no valor de suas aposentadorias na hipótese de concessão de um novo benefício em razão de várias hipóteses; uma delas seria a possibilidade de o segurado ter se aposentado e passado a recolher suas contribuições previdenciárias sobre um salário- -de-contribuição inferior àquele anterior à data de sua aposentadoria (neste caso, a média do salário-de-benefício poderá ser inferior à primeira média); ou mesmo é possível vislumbrar a hipótese de o segurado ter se aposentado pela regra antiga (antes da Lei n /99), de acordo com a média dos últimos trinta e seis salários-de-contribuição, e se sujeitar ao novo regramento consubstanciado na criação do fator previdenciário. ATUAL POSICIONAMENTO DO PODER JUDICIÁRIO O Superior Tribunal de Justiça, em reiterados julgados, já pronunciou no sentido de que o segurado pode requerer a renúncia do benefício e a obtenção de uma nova aposentadoria, não incidindo qualquer prazo decadencial para a postulação da troca de aposentadoria (REsp SC). O STJ fundamentou-se em três argumentos principais no julgamento do REsp e em outros julgados: não existe previsão legal que proíba a renúncia de um benefício previdenciário, mas sim mera previsão regulamentar; o benefício previdenciário tem caráter patrimonial; a contribuição previdenciária vertida após a aposentadoria deve ser revertida ao segurado em forma de benefício, tendo em vista o caráter retributivo do sistema previdenciário. O STJ também, em diversas oportunidades, já entendeu que o segurado não é obrigado a devolver o valor que recebeu em caso de renúncia da aposentadoria para auferir um benefício mais vantajoso, eis que o benefício foi recebido de boa-fé, houve preenchimento dos requisitos legais e a verba previdenciária tem caráter alimentar. O STF ainda não se pronunciou sobre a celeuma, tendo reconhecida a repercussão geral da matéria constitucional debatida no bojo o RE n O STF também aprecia a mesma temática no RE INSTRUMENTOS PROCESSUAIS CABÍVEIS Ação pelo rito sumário diante do Juizado Especial Federal (Lei n /2001) ou mandado de segurança (Lei n /99)

8 perante a Justiça Federal comum (neste último caso, recomendase que o segurado obtenha, no INSS, a negativa formal do pedido de desaposentação para a comprovação da coação a os juízes entendem como essencial); relação dos salários-decontribuição CNIS detalhado (este documento deve ser solicitado junto ao INSS). ação mandamental deverá ser impetrada em face de ato do Gerente Executivo do INSS). PRINCIPAIS NORMAS JURÍDICAS EM FOCO Art. 201, 11o da CF; DICAS RELEVANTES Recomenda-se que o segurado solicite junto ao INSS o seu extrato previdenciário (CNIS detalhado - relação dos saláriosde-contribuição). Com base neste documento, é possível fazer um cálculo no site da Previdência Social para confirmar se a desaposentação será mais favorável (http://www.previdencia. Art. 18, 2o da Lei n /91, conforme redação dada pela Lei n /97; Art. 181-B do Decreto 3.048/ REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS gov.br/calcule-sua-aposentadoria-simulao/). Neste caso, o segurado vai comparar o valor da nova Renda Mensal Inicial (RMI) com o valor do benefício atualmente auferido; se o valor da nova RMI for superior ao valor do benefício bruto recebido, a desaposentação lhe gerará obviamente ganhos econômicos. DOCUMENTOS PARA A PROPOSITURA DA AÇÃO JUDICIAL Cópia da carteira de trabalho do segurado (contratos de trabalho); RG; CPF; comprovante de endereço; carta de concessão da aposentadoria; negativa formulada pelo INSS TEMA: APOSENTADORIA ESPECIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS TESE JURÍDICA Atualmente o ordenamento jurídico brasileiro padece de grave anomalia: ausência de regulamentação do dispositivo constitucional que confere aos servidores públicos efetivos o direito à aposentadoria especial, seja em razão de sua condição de deficiente ou mesmo para quem exerce seu labor em condições insalubres. ao pedido de desaposentação (aconselhável, mas nem todos

9 O Poder Judiciário, contudo, tem o entendimento segundo o qual, enquanto não houver a regulamentação da norma constitucional, aplicar-se-ão as previsões constantes do Regime Geral de Previdência Social (arts. 57 e 58 da Lei n /91) para os servidores públicos efetivos. Neste sentido, é o disposto na recente Súmula Vinculante n. 33 editada pelo Supremo Tribunal Federal STF (verbete aprovado em 8 de abril de 2014), decorrente de diversos Mandados de Injunção julgados pela Corte (MI 721/DF; MI 795/DF; MI 788/DF; MI 925/DF; MI 1.527/ DF; MI 1.785/DF; MI AgR/DF; MI 3.215). Com o advento desta súmula vinculante a administração pública é obrigada a analisar os requerimentos de aposentadoria especial que tenham por fundamento atividades exercidas sob condições especiais (exposição a agentes nocivos), independente da existência de mandado de injunção. A mesma hermenêutica tem sido aplicada para os servidores públicos efetivos deficientes com base no disposto na Lei Complementar n. 142, de 8 de maio de 2013, tendo em vista a ausência de norma regulamentadora no âmbito dos regimes próprios de previdência social, ou seja, enquanto inexistir o regramento específico, os servidores deficientes podem invocar a mencionada LC n. 142/2013 aplicável, a princípio, ao RGPS. Neste sentido, é o entendimento do STF no julgamento do MI n MS. Infelizmente a Súmula Vinculante n. 33 do STF não se aplica aos deficientes, que precisarão ainda recorrer ao STF por intermédio de mandados de injunção. A QUEM SE APLICA? Todos os servidores públicos federais, estaduais, municipais e distritais que exercem suas atividades submetidos a condições insalubres em seu ambiente de trabalho ou são deficientes. Para saber se a atividade é considerada insalubre, basta consultar os decretos expedidos pela Previdência Social que estabelecem um rol exemplificativo (e não exaustivo, conforme entendimento jurisprudencial) de agentes nocivos. Até 28 de abril de 1995, várias categorias profissionais eram consideradas especiais de forma presumida. Após esta data, a legislação previdenciária passou a atribuir o caráter especial somente aos trabalhadores que estivessem submetidos a um determinado agente nocivo, independentemente da atividade profissional desempenhada.

10 DICAS RELEVANTES Os servidores devem primeiramente requerer junto ao órgão público a expedição de um documento chamado PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário -, especificando todos os agentes nocivos presentes no ambiente de trabalho durante os períodos laborados. Após a expedição do PPP, o servidor deverá requerer a aposentadoria especial junto à unidade gestora do regime próprio de previdência social. Em caso de negativa, é possível ingressar em Juízo para obrigar o gestor a conceder o benefício postulado (inclusive mediante reclamação diretamente ao STF, ante a edição da aludida Súmula Vinculante nos termos da Lei n /2006). Se não houver a prova do exercício da atividade insalubre, recomenda-se requerer uma perícia judicial no bojo de uma ação ordinária e/ou apresentar outros elementos probatórios. Anexo do Decreto n /64 e Anexos I e II do Decreto n /79 - aplicação simultânea até 5 de março de 1997; Anexo IV do Decreto 2.172/97 - aplicação a partir de março de 1997 até ; Anexo IV do Decreto 3.048/99 - incidência normativa a partir de ; Instrução Normativa MPS/SPPS n. 1, de 22 de julho de 2010, alterada pela Instrução Normativa MPS/SPPS n. 3, de 23/5/2014. Instrução Normativa SPS n. 2, de 13/2/ REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR TEMA: IMPENHORABILIDADE DO SALDO DE CONTAS PARA CUSTEIO DE FUTUROS BENEFÍCIOS DE APOSENTADORIA COMPLEMENTAR PRINCIPAIS NORMAS JURÍDICAS EM FOCO Art. 40, 4o, inciso III e 12o da Constituição Federal; Súmula Vinculante n. 33 do STF; Lei Complementar n. 142, 8 de maio de 2013; Lei n /95; Arts. 57 e 58 da Lei n /91; TESE JURÍDICA Não somente os benefícios previdenciários (inclusive aqueles pagos por entidades privadas de previdência complementar) têm natureza alimentar (sendo, portanto, impenhoráveis), mas também gozam do mesmo status a reserva matemática visando ao custeio da futura aposentadoria complementar.

11 Como se sabe, no caso da previdência privada, o participante contribui durante anos (denominada fase de acumulação) para a construção de uma poupança previdenciária que vai financiar a concessão do benefício previdenciário. Segundo o entendimento mais recente do STJ (Embargos de Divergência em RESP SP), não somente o benefício em si é considerado impenhorável, mas também esta reserva que está sendo constituída visando ao pagamento da futura aposentadoria complementar. A QUEM SE APLICA? Todos os participantes de planos de previdência privada, sobretudo aqueles que contribuem para entidades fechadas de previdência complementar (tal como a OABPrev-MG), e os titulares dos chamados PGBL, ainda que não estejam aposentados, ficando salvaguardada a reserva matemática inclusive na fase de acumulação. doutrina e na jurisprudência. Há de se analisar se o plano de benefícios escolhido pelo participante tem, de fato, características previdenciárias. Neste caso, os chamados VGBL oferecidos pelas entidades abertas de previdência complementar podem oferecer um grau de proteção menor sob o viés de sua impenhorabilidade (na fase de acumulação). Por outro lado, deve se ter em foco eventual abuso de direito: se ficar evidenciado que o participante verteu todos os seus recursos financeiros para um plano de previdência privada para fraudar credores, este desvio de finalidade poderá ser objeto de questionamento judicial. Há de se ponderar que a impenhorabilidade não é absoluta, podendo a reserva matemática ou mesmo o benefício de suplementação ser penhorado para pagamento de outras verbas de natureza alimentar. CONTROVÉRSIA EXISTENTE Este posicionamento, contudo, ainda suscita divergências na Principais normas jurídicas em foco Art. 100, 1o, da CF; Art. 649, IV, do CPC.

12 3 NOVIDADES LEGISLATIVAS EM MATÉRIA PREVIDENCIÁRIA

13 LEI COMPLEMENTAR N. 142, DE 8 DE MAIO DE 2013 (entrou em vigor seis meses após a publicação no DOU em ): estabelece, no âmbito do Regime Geral de Previdência Social gerido pelo INSS, a aposentadoria especial para o deficiente físico, mental, intelectual ou sensorial. O fator previdenciário somente vai incidir nestas aposentadorias se for para aumentar o valor da média apurada. As aposentadorias serão concedidas de acordo com o grau de deficiência: para o homem 25 anos (deficiência grave); 29 anos (deficiência moderada); 33 anos (deficiência leve); para a mulher 20 anos (deficiência grave); 24 anos (deficiência moderada); 28 anos (deficiência leve). Também se garante para o deficiente - de qualquer grau - aposentadoria por idade aos 55 anos e 15 anos de contribuição para a mulher de 60 anos de idade, 15 anos de contribuição para o homem. Vide: Portaria Interministerial AGU/MPS/MF/SEDH/MP n. 1 de 27/1/2014 e Decreto n , de 3 de dezembro de LEI COMPLEMENTAR N. 144, DE 15 DE MAIO DE Garante ao servidor público policial o direito à aposentadoria especial, com proventos integrais, após 30 anos de contribuição, independentemente da idade, desde que conte, pelo menos, 20 anos de exercício em cargo de natureza estritamente policial, se homem; após 25 anos de contribuição, desde que conte, pelo menos, 15 anos de exercício em cargo de natureza estritamente policial, se mulher. Estabelece, ainda, a aposentadoria compulsória aos 65 anos de idade para os policiais, com proventos proporcionais, qualquer que seja a natureza dos serviços prestados. Esta norma não se aplica aos servidores da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros e das Forças Armadas, que se submetem a regramento específico.

14 4 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

15 COMO SE APLICA O INSTITUTO DA PORTABILIDADE NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? O participante de um plano de previdência privada poderá, sem qualquer custo ou taxação fiscal, migrar sua reserva matemática de uma entidade de previdência (aberta ou fechada) para outra. É importante, contudo, deixar claro que, para o advogado portar seu saldo de conta de uma entidade aberta de previdência complementar para a OABPrev-MG, é fundamental que o plano contratado na instituição financeira seja da modalidade PGBL. Consulte as taxas de administração e de carregamento cobradas pela entidade aberta e compare com as nossas taxas, bem como a rentabilidade obtida ao longo dos anos, para avaliar a conveniência de requerer a portabilidade para nossa entidade. A OABPrev-MG, na qualidade de entidade sem fins lucrativos, pratica taxas de administração, em geral, bem inferiores aos valores estipulados pelas instituições financeiras, não cobrando, ainda, conforme atual Plano de Custeio aprovado pelo Conselho Deliberativo, qualquer valor a título de taxa de carregamento. A SIMULAÇÃO QUE O PARTICIPANTE REALIZA NO MOMENTO DA ADESÃO AO PLANO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA GARANTE O PAGAMENTO DO BENEFÍCIO A SER PAGO PELA ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? Não existe esta garantia em razão da incidência do princípio do equilíbrio financeiro e atuarial que rege o regime de previdência complementar. O benefício será futuramente calculado de acordo com o saldo de conta acumulado ao longo dos anos, sendo determinante para tal as contribuições básicas e eventuais (extras) pagas pelos participantes e também a rentabilidade obtida no mercado financeiro e de capitais. Esta lógica é fundamental para que o plano de benefício não esteja sujeito a resultados deficitários - o saldo de conta (que também poderá ser facultativamente resgatado pelo participante antes da opção pelo benefício de prestação continuada) é que vai determinar o valor da aposentadoria programada a ser auferida. Por esta razão, sugerimos que anualmente o participante reavalie seu plano de previdência privada e solicite novas simulações à OABPrev-MG, objetivando adequar o valor de suas contribuições ao seu planejamento financeiro e previdenciário.

16 OS VALORES PAGOS PARA O CUSTEIO DE BENEFÍCIOS DE RISCO (INVALIDEZ E/OU MORTE) SÃO REVERTIDOS PARA A CONSTITUIÇÃO DO SALDO DE CONTA DO PARTICIPANTE? É importante deixar claro que a OABPrev-MG oferece uma vantagem inequívoca (quando se tem em vista as entidades abertas de previdência complementar vinculadas aos bancos): caso o assistido esteja auferindo uma aposentadoria programada, em caso de óbito, haverá o pagamento de pensão por morte em favor dos beneficiários eleitos pelo participante ou, em caso de ausência de beneficiários indicados, o saldo remanescente será revertido para os herdeiros legais. Isto não ocorre quando uma pessoa física está auferindo uma aposentadoria em um plano de previdência privada pago por uma entidade aberta a maior parte dos regulamentos destas instituições financeiras não preveem a reversão do saldo de conta remanescente para dependentes caso o assistido venha a falecer. Há de se ressaltar, contudo, que, se o participante optar pela contratação de uma cobertura adicional para o custeio da pensão e/ou para a aposentadoria por invalidez (denominados benefícios não programados), neste caso o valor pago a título de prêmio não será aportado para o saldo de conta para o financiamento da aposentadoria programada. Isso porque o valor é repassado para a seguradora terceirizada (atualmente a MONGERAL AEGON), que suportará o pagamento do pecúlio (pagamento em valor único que será adicionado ao saldo de conta) somente nas hipóteses de ocorrência dos riscos de invalidez ou de morte. Esta regra também é salutar para a manutenção do equilíbrio financeiro do plano de benefícios, pois os riscos em questão são eventos imprevisíveis, razão pela qual a OABPrev-MG não utilizará recursos de outros participantes para financiar as coberturas adicionais e sim os valores repassados pela seguradora contratada, nas hipóteses de ocorrência dos sinistros. Eis uma vantagem inquestionável nestas contratações: não há qualquer previsão de carência, ou seja, o participante já terá a cobertura de risco logo após o pagamento da contribuição respectiva, devendo obviamente manter-se adimplente para a manutenção da cobertura previdenciária.

17 5 NOTAS E CAMPANHAS INSTITUCIONAIS DA OABPREV-MG

18 MUDANÇA DA SEDE ADMINISTRATIVA NO ANO DE 2014, para conferir maior conforto aos participantes, bem como autonomia e eficiência para entidade. A OABPrev-MG agora está situada na avenida Getúlio Vargas, n. 1300, conjunto 1701, bairro Funcionários, Belo Horizonte, Minas Gerais. IMPLEMENTAÇÃO DE CAMPANHA INSTITUCIONAL, PARA QUE NENHUM PARTICIPANTE CONTRIBUA COM UM VALOR INFERIOR A R$ 150,00 a título de contribuição básica, conforme previsto no Regulamento da entidade, a fim de se garantir uma aposentadoria programada com valores compatíveis com a natureza previdenciária do plano de benefícios. LANÇAMENTO DA CAMPANHA INSTITUCIONAL COM FOCO NA COPA 2014, para motivar os participantes a efetuarem uma Contribuição Extra e aumentarem sua poupança previdenciária. ADOÇÃO DE REAJUSTE DA CONTRIBUIÇÃO BÁSICA NO PERCENTUAL DE 15%, para que os participantes possam verter sua contribuição previdenciária de acordo com um valor acima da inflação para o seu saldo de conta, facultando-se, porém, aos participantes o direito de optar pelo mero repasse da inflação medido pelo INPC. A FIM DE QUE O PARTICIPANTE TENHA CONHECIMENTO SOBRE A DIVERSIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS PARA GERAR A RENTABILIDADE GLOBAL DA OABPREV-MG, FOI CRIADO O KIT INVESTIMENTO. Lá também estão a descrição dos veículos de investimentos e a Política de Investimento da OABPREV-MG, além dos Manuais de Melhores Práticas de Governança e de Investimento da PREVIC.

19 6 EDITOR EQUIPE ROBERTO DE CARVALHO SANTOS Advogado especialista em Direito Previdenciário, Professor de Pós-Graduação, Presidente do IEPREV - Instituto de Estudos Previdenciários e do Instituto Educar Virtual. CONTATO OABPREV-MG - DIRETORIA EXECUTIVA ROBERTO DIAS PERECINI Diretor-Presidente CONTATO ALBERTO MAGNO DE ANDRADE P. GONTIJO MENDES Vice-Presidente CONTATO ROBERTO DE CARVALHO SANTOS Diretor de Seguridade CONTATO ENÉAS VIRGÍLIO SALDANHA BAYÃO Diretor de Investimentos e Relações com o Mercado CONTATO RAQUEL DE OLIVEIRA SOUZA E SANTIAGO Diretora Administrativa e Financeira CONTATO ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO MINAS GERAIS LUIS CLAUDIO DA SILVA CHAVES Presidente CAIXA DE ASSISTÊNCIA CAA-MG DR. SÉRGIO MURILO DINIZ BRAGA Presidente da Nova CAA-MG APOIO INSTITUCIONAL IEPREV INSTITUTO DE ESTUDOS PREVIDENCIÁRIOS

20 AC-AP-ES-MA-MT-MS-MG-DF-PA-RO-RR NOSSOS INSTITUIDORES

PARCERIA ESTRATÉGICA. Cartilha do Participante

PARCERIA ESTRATÉGICA. Cartilha do Participante PARCERIA ESTRATÉGICA Cartilha do Participante QUAL O OBJETIVO DESTA CARTILHA? Nosso objetivo é destacar os pontos essenciais do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado PBPA gerido pela OABPrev-MG,

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Cuida o presente trabalho de parecer cujo objeto consiste na análise da situação jurídico-previdenciária do consulente com o objetivo de lhe

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K

Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K Meu interesse está no futuro, pois é lá que vou passar o resto de minha vida C K A principal função do OABPrev-SC é auxiliar o advogado a criar uma poupança previdenciária para dar suporte aos riscos

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante FACEAL Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência Cartilha do Participante Manual de Perguntas e Respostas Plano Faceal CD Prezado leitor, A FACEAL apresenta esta cartilha de perguntas e respostas

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

FAQ. Participante Ativo Alternativo

FAQ. Participante Ativo Alternativo FAQ Participante Ativo Alternativo O que mudou na Previdência do Servidor Público Federal? A previdência do servidor público passou por mudanças nos últimos anos a partir da emenda 41, da Constituição

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ APOSENTADORIA ESPECIAL APOSENTADORIA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. São Bernardo do Campo, setembro de 2013

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ APOSENTADORIA ESPECIAL APOSENTADORIA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. São Bernardo do Campo, setembro de 2013 APOSENTADORIA POR INVALIDEZ APOSENTADORIA ESPECIAL APOSENTADORIA DOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA São Bernardo do Campo, setembro de 2013 As regras constitucionais sobre aposentadoria por invalidez EC 41/2003:

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DO SERVIDOR PÚBLICO

APOSENTADORIA ESPECIAL DO SERVIDOR PÚBLICO Direito Previdenciário APOSENTADORIA ESPECIAL DO SERVIDOR PÚBLICO Rafael Gabarra www.gabarra.adv.br ROTEIRO I. RGPS x RPPS II. Aposentadoria Especial III. Servidor Público - RPPS IV. Omissão MI s Súmula

Leia mais

SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO

SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO Uma entidade voltada para a promoção e divulgação do Direito Previdenciário SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO O IEPREV é composto por uma equipe de qualificados profissionais que, além de disponibilizarem

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo cujas atividades

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP REGULAMENTO ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA Mensagem ao Associado Caro Associado, A maior preocupação do profissional que compõe o Sistema Confea / Crea / Mútua talvez

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Universidade Federal de Mato Grosso Pró-Reitoria Administrativa Secretaria de Gestão de Pessoas PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Cuiabá-MT Abril/2014 O QUE

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPREV COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA O QUE É? É o acerto de contas entre o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, representado MPS/INSS e os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores RPPS, dos Municípios,

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF Aposentadoria Especial Art. 40 4º Constituição Federal

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 Modifica a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para possibilitar o trabalhador aposentado ou seu pensionista o direito à desaposenadoria. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência?

12. Como é o caso de pensão por morte de quem ainda está contribuindo para a previdência? Tel: 0800 941 7738 1 Educação Financeira Esta Cartilha tem como abjetivo mostrar a importância da educação financeira e previdenciária aos advogados participantes da OABPrev-RJ para que possam organizar

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as REGULAMENTO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP/CE ÍNDICE Capítulo I - DO OBJETIVO

Leia mais

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento.

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento. Apresentação A Lei Nº 11.053, de 29.12.2004, faculta aos participantes de Planos de Previdência Complementar, estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do novo Plano CD Eletrobrás,

Leia mais

ã ã Maria do Rosário B. Leite Recife, PE

ã ã Maria do Rosário B. Leite Recife, PE ã ã Maria do Rosário B. Leite Recife, PE Declaração de Conflito de Interesse Nenhum conflito de interesse a declarar relacionado a esta apresentação Por que falar em aposentadoria para os que na maioria

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES

Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Cartilha dos Planos Administrados pela FAECES Conheça os planos de benefícios e assistência médica da Fundação 2 3 SUMÁRIO 06 Apresentação 08 Glossário 10 Introdução Geral Entidades Fechadas de Previdência

Leia mais

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social PÁGINA 1 SUMÁRIO PÁGINA TÍTULO I Dos Planos de Previdência Complementar...04

Leia mais

Conceitos básicos de. Previdência Complementar

Conceitos básicos de. Previdência Complementar CALVO E FRAGOAS ADVOGADOS Conceitos básicos de Previdência Complementar Advogado: José Carlos Fragoas ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Embasamento Legal 3. Princípios da Previdência Privada contidos

Leia mais

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e,

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e, Introdução O Plano Prodemge Saldado está sendo criado a partir da cisão do Plano Prodemge RP5-II e faz parte da Estratégia Previdencial. Ele é uma das opções de migração para participantes e assistidos.

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014.

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. (Publicada no D.O.U. de 17/02/2014) Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios

Leia mais

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com. Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.br SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social A Regulamentação das Aposentadorias Especiais Brasília - DF, 14 de setembro de 2010 Quantidade de Servidores da União,

Leia mais

Fundação Forluminas de Seguridade Social - Forluz. Gerência de Previdência, Atuária e Atendimento

Fundação Forluminas de Seguridade Social - Forluz. Gerência de Previdência, Atuária e Atendimento Fundação Forluminas de Seguridade Social - Forluz Gerência de Previdência, Atuária e Atendimento Cenário A Seguradora Aegon realizou, no período entre janeiro e fevereiro de 2015, uma pesquisa entre quinze

Leia mais

Art. 32... Art. 39... IV -...

Art. 32... Art. 39... IV -... DECRETO Nº 8.145, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013 Art. 1 o O Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto n o 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 19.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Onde obtenho informações sobre aposentadoria? Resposta: No site da Secretaria Municipal de Administração (www.rio.rj.gov.br/sma), na parte destina a Serviços, há uma seção chamada Aposentadoria: Quanto

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico CNPB 2004.0020-18 Prev Pepsico Sociedade Previdenciária CNPJ 00.098.693/0001-05 Atendimento à NOTA Nº 036/2013/CGAT/DITEC/PREVIC Comando 357744092 Juntada

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

Material Explicativo Centrus

Material Explicativo Centrus Material Explicativo Centrus De olho no futuro! É natural do ser humano sempre pensar em situações que ainda não aconteceram. Viagem dos sonhos, o emprego ideal, casar, ter filhos, trocar de carro, comprar

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV.

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. CARTILHA 2010 CARTILHA EXPLICATIVA Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. Com o Adv-PREV você verá que é possível viver

Leia mais

Simaco. A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos

Simaco. A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos FPA Fundação Fecomércio de Previdência Associativa - FPA A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos do País, já respondendo sozinha por mais de 60% dos planos dessa modalidade.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo.

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. Introdução Através deste Material Explicativo você toma conhecimento

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução 4 Sobre o Plano Previplan 5 Adesão 5 Benefícios do Plano 6 Entenda o Plano 7 Rentabilidade 8 Veja como funciona a Tributação 9 O que acontece

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais

manual do participante

manual do participante manual do participante Esta cartilha foi criada para, de forma simples, clara e prática, oferecer informações a respeito do Plano de Previdência Complementar dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Material Explicativo Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Sumário Plano CD - Tranqüilidade no futuro 3 Conheça a previdência 4 A entidade Previ-Siemens 6 Como funciona o Plano CD da Previ-Siemens?

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

1ª REGRA APOSENTADORIA POR IDADE E TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

1ª REGRA APOSENTADORIA POR IDADE E TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 5.1.1.Aposentadoria As informações aqui explicitam de forma objetiva os benefícios previdenciários dos RPPS Regimes Próprios de Previdência Social, em especial os do IPMB Instituto de Previdência do Município

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL- RGPS ELABORAÇÃO: LIZEU

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da ACIPREV FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Instituidora : ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE AMERICANA ACIA 1 ÍNDICE Pág CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DO PARTICIPANTE

MANUAL DO PARTICIPANTE MANUAL DO PARTICIPANTE LegisPrev O plano de previdência complementar para o servidor público do Poder Legislativo Federal FUNPRESP-EXE FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO

Leia mais

MODELO PARA SERVIDORES EM ATIVIDADE (Pedido de reconhecimento e averbação de atividade especial e pagamento de abono de permanência)

MODELO PARA SERVIDORES EM ATIVIDADE (Pedido de reconhecimento e averbação de atividade especial e pagamento de abono de permanência) MODELO PARA SERVIDORES EM ATIVIDADE (Pedido de reconhecimento e averbação de atividade especial e pagamento de abono de permanência) Ilmo(a) Sr(a) Claudio Paz de Lima Pró-Reitor de Desenvolvimento de Pessoas

Leia mais

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA SUMÁRIO Qual é o significado de aposentado e pensionista?...3 Quando é realizado

Leia mais

APOSENTADORIAS. Aposentadoria por invalidez permanente;

APOSENTADORIAS. Aposentadoria por invalidez permanente; APOSENTADORIAS Aposentadoria é o direito que o servidor tem à inatividade remunerada, em decorrência de invalidez, da idade, ou oriunda da conjugação de vários requisitos, quais sejam: tempo de exercício

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho.

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. Att. Consulta Formulada. Quesitos: 1) Quais são os direitos que os cooperados e seus dependentes, como segurados da Previdência Social, possuem?

Leia mais

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR QUADRO COMPARATIVO DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PCV

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR QUADRO COMPARATIVO DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PCV QUADRO COMPARATIVO DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PCV REDAÇÃO ANTERIOR NOVA REDAÇÃO JUSTIFICATIVA CAPÍTULO II DA PATROCINADORA Seção II Do Fundo-Patronal CAPÍTULO II DA PATROCINADORA Seção

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais