SENSOR EM FIBRA ÓPTICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ATUADORES PIEZOELÉTRICOS FLEXTENSIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENSOR EM FIBRA ÓPTICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ATUADORES PIEZOELÉTRICOS FLEXTENSIONAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SENSOR EM FIBRA ÓPTICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ATUADORES PIEZOELÉTRICOS FLEXTENSIONAIS João Maros Salvi Sakaoto Dissertação de estrado subetida à Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira da Universidade Estadual Paulista - UNESP. Coo parte dos requisitos neessários para obtenção do título de Mestre e Engenharia Elétria. Coissão Exainadora: Prof. Dr. Cláudio Kitano - Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira - Orientador Prof. Dr. Mauro Henrique de Paula - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Prof. Dr. Apareido Augusto de Carvalho - Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira ILHA SOLTEIRA SP, ABRIL DE 006.

2 Dissertação de Mestrado FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Seção Ténia de Aquisição e Trataento da Inforação/Serviço Ténio de Bibliotea e Douentação da UNESP-Ilha Solteira Sakaoto, João Maros Salvi S158s Sensor e fibra óptia apliado à araterização de atuadores piezoelétrios flextensionais / João Maros Salvi Sakaoto. -- Ilha Solteira : [s.n.], 006 xvii, 154 p. : il. Dissertação (estrado) - Universidade Estadual Paulista. Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira, 006 Orientador: Cláudio Kitano Bibliografia: p Sensor e fibra óptia.. Sensor - Modelos ateátios. 3. Dispositivos piezoelétrios.

3 Dissertação de Mestrado

4 Dissertação de Mestrado ii ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL II ÍNDICE DE FIGURAS IV LISTA DE SÍMBOLOS VI LISTA DE ABREVIATURAS XII SUMÁRIO XIII ABSTRACT XIV AGRADECIMENTOS XV DEDICATÓRIA XVII CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O ESTADO DA ARTE DO SENSOR REFLEXIVO EM FIBRA ÓPTICA MOTIVAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TEXTO 8 CAPÍTULO FIBRAS ÓPTICAS FIBRAS ÓPTICAS 9. - ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO ELETROMAGNÉTICA NA FIBRA ÓPTICA DE ÍNDICE DEGRAU MODOS MAGNETICAMENTE TRANSVERSAIS (TM) E ELETRICAMENTE TRANSVERSAIS (TE) MODOS HÍBRIDOS (HE E EH) CONDIÇÃO DE CORTE CURVAS DE DISPERSÃO DA FIBRA ÓPTICA DE ÍNDICE DEGRAU MODOS LINEARMENTE POLARIZADOS (LP) 5 CAPÍTULO 3 SENSOR REFLEXIVO EM FIBRA ÓPTICA SENSORES DE INTENSIDADE EM FIBRA ÓPTICA PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DO SENSOR REFLEXIVO EM FIBRA ÓPTICA MODELO MATEMÁTICO DE FEIXES UNIANGULARES DO SENSOR REFLEXIVO FUNÇÃO INTENSIDADE INTEGRADA NO PLANO IMAGEM MODELO MATEMÁTICO DE RAIOS GAUSSIANOS DO SENSOR REFLEXIVO SIMULAÇÃO DO SENSOR REFLEXIVO EM FIBRA ÓPTICA 60

5 Dissertação de Mestrado iii CAPÍTULO 4 PIEZOELETRICIDADE E ATUADORES PIEZOELÉTRICOS EFEITO PIEZOELÉTRICO DEFORMAÇÃO MECÂNICA OU STRAIN TENSÃO MECÂNICA OU STRESS LEI DE HOOKE GENERALIZADA EQUAÇÕES CONSTITUTIVAS PARA MEIOS PIEZOELÉTRICOS ATUADORES PIEZOELÉTRICOS ATUADOR PIEZOELÉTRICO FLEXTENSIONAL ETAPAS DE PROJETO DO ATUADOR PIEZOELÉTRICO FLEXTENSIONAL DEFINIÇÃO DO DOMÍNIO ESTENDIDO FIXO DO PROJETO DISCRETIZAÇÃO DO DOMÍNIO DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAL NO DOMÍNIO INTERPRETAÇÃO DAS ESCALAS DE CINZA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ETAPA DE FABRICAÇÃO DESCRIÇÃO DO PIEZOATUADOR FLEXTENSIONAL UTILIZADO GRANDEZAS RELEVANTES PARA CARACTERIZAÇÃO DO PIEZOATUADOR FLEXTENSIONAL 86 CAPÍTULO 5 MONTAGEM E TESTE DO SENSOR REFLEXIVO EM FIBRA ÓPTICA CLIVAGEM DA FIBRA ÓPTICA ACOPLAMENTO DE LUZ À FIBRA ÓPTICA SELEÇÃO DAS FIBRAS ÓPTICAS MONTAGEM DO SENSOR DE DESLOCAMENTO EM FIBRA ÓPTICA CARACTERIZAÇÃO ESTÁTICA DO SENSOR REFLEXIVO FATOR DE CALIBRAÇÃO DO SENSOR REFLEXIVO VALIDAÇÃO EXPERIMENTAL DO SENSOR REFLEXIVO USO DO SENSOR REFLEXIVO COMO PERFILÔMETRO 108 CAPÍTULO 6 RESULTADOS EXPERIMENTAIS OBTIDOS COM PIEZOATUADORES FLEXTENSIONAIS SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESLOCAMENTO RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA DO PIEZOATUADOR FLEXTENSIONAL PFX RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA DO PIEZOATUADOR FLEXTENSIONAL PFX INFLUÊNCIA DO FENÔMENO DE ERRO TRAJETÓRIA NO PFX UMA DISCUSSÃO SOBRE A LINEARIDADE DO PIEZOATUADOR FLEXTENSIONAL SIMULAÇÃO DO PFX-1 COM MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS ESTIMATIVA DA DEFLEXÃO ANGULAR DO ESPELHO 136 CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES 140 REFERÊNCIAS 145

6 Dissertação de Mestrado iv ÍNDICE DE FIGURAS Figura.1 Estrutura básia de ua fibra óptia [39] Figura. Estrutura da fibra óptia...11 Figura.3 Carta de odos da fibra óptia o índie degrau...3 Figura.4 Linhas de apo dos odos próprios da fibra óptia....5 Figura.5 Carta de odos LP....7 Figura.6 Modo LP Figura.7 Modo LP Figura.8 Modo LP Figura.9 Modo LP Figura.10 - Perfis de intensidade: odo LP 01 e gaussiano Figura 3.1 Classifiação de sensores e fibra óptia Figura 3. Diagraa de bloos de u sensor o odulação de intensidade óptia Figura 3.3 Configuração fundaental do sensor reflexivo...35 Figura 3.4 Curva araterístia do sensor reflexivo...36 Figura 3.5 Fibras óptias transissora e reeptora Figura 3.6 Anel para K entre 1 e Figura 3.7 Anel para K aior que...4 Figura 3.8 Eleento de área iluinado por feixes uniangulares Figura Regiões para a esolha do extreo de integração K...44 Figura 3.10 Geoetria de feixes uniangulares separados por dθ...44 Figura Regiões do one de abertura Figura 3.1 Fluxo de potênia nas fibras transissora e reeptora...49 Figura 3.13 Geoetria para o álulo da potênia P o Figura 3.14 Detalhe ostrando-se o ângulo ξ Figura 3.15 Geoetria para obtenção do ângulo ξ...51 Figura Geoetria para obtenção dos extreos de integração...5 Figura Perfil de distribuição de intensidade da fibra óptia transissora Figura Diagraa esqueátio do sensor reflexivo o perfil de intensidade gaussiano Figura Geoetria para obtenção do ângulo ξ(r) e do eleento diferenial de área ds R...56 Figura Geoetria para obtenção dos extreos de integração...57 Figura 3.1 Curva araterístia: Modelo de Raios Uniangulares Figura 3. - Curva araterístia: Modelo Gaussiano Siples....6 Figura Curva araterístia: Modelo Gaussiano o Fator de Aoplaento...6 Figura Coparação entre os odelos ateátios...63 Figura 4.1 Estrutura atôia do quartzo...65 Figura 4. - Estrutura atôia do PZT [50] Figura Polarização do PZT Figura 4.4 Piezoerâia polarizada...71 Figura 4.5 Exeplos de apliações de atuadores piezoelétrios Figura 4.6 Piezoatuadores flextensionais típios...75 Figura 4.7 Atuadores piezoelétrios oeriais [54] Figura Atuadores piezoelétrios flextensionais projetados pelo Grupo da EPUSP [64]...77 Figura 4.9 Esquea do piezoatuador flextensional...77 Figura 4.10 Proediento de otiização topológia [6]...79 Figura Doínio estendido fixo ( Ω )....80

7 Dissertação de Mestrado v Figura Método de hoogeneização....8 Figura Resultados da otiização topológia e a interpretação orrespondente [6] Figura 4.14 Piezoatuador flextensional o erâia de 3 de espessura (PFX-1)...85 Figura Piezoatuador flextensional o erâia de 1 de espessura (PFX-) Figura 5.1 Proediento para reoção do revestiento Figura 5. - Extreidade da fibra óptia Figura 5.3 Clivador de fibra óptia...90 Figura 5.4 Proediento de livage...91 Figura 5.5 Posiionador para ajustes e três diensões o lente objetiva...9 Figura 5.6 Filtro de odos...94 Figura 5.7 Distribuições de intensidades óptias dos odos de propagação da luz na fibra óptia onoodo Figura 5.8 Padrão de intensidade óptia projetado pela saída de ua fibra óptia ultiodos...96 Figura 5.9 Sensor reflexivo o duas fibras óptias visto o irosópio...97 Figura 5.10 Desenho esqueátio do sistea sensor...98 Figura 5.11 Sistea ontado e laboratório...99 Figura 5.1 Curva araterístia: resultado experiental e odelos teórios Figura 5.13 Sensibilidade da urva araterístia Figura Diso rotativo Figura Diso rotativo, peça etália e sensor reflexivo Figura Fora de onda obtida para a peça etália Figura Diso rotativo, oeda e sensor Figura Perfil da oeda de 1 entavo de Euro Figura 6.1 Configuração utilizada para análise dinâia Figura 6. Aplifiador lok-in Figura Fotografias do suporte de fixação do piezoatuador Figura 6.4 Resposta e freqüênia do atuador piezoelétrio flextensional, obtida o o sensor reflexivo Figura Resposta e freqüênia do atuador piezoelétrio flextensional obtida por interferoetria [36] Figura Analisador de ipedânias, HP 419A Figura 6.7 Aditânia elétria do piezoatuador flextensional PFX Figura 6.8 Miro-ressonânias Figura Piezoatuador Flextensional PFX- e suporte de fixação Figura Resposta e freqüênia do PFX Figura Aditânia elétria do piezoatuador flextensional PFX Figura Gráfio de fase apliado entre 0 e 10 khz....1 Figura 6.13 Sinais de entrada e saída para fora de onda triangular Figura Sinal de entrada e saída para fora de onda retangular Figura Gráfio de linearidade do atuador PFX-1, edido o o sensor reflexivo e fibra óptia...16 Figura Gráfio de linearidade do atuador PFX-1, edido o interferoetria óptia Figura Foras de onda aostradas no osilosópio...18 Figura Diagraa de traçado de raios...19 Figura Espelho do PFX Figura U quarto do piezoatuador PFX-1 e detalhe da região de estudo Figura Siulação e ANSYS da resposta e freqüênia do piezoatuador PFX Figura 6. - Resultado da siulação na freqüênia de 10 khz Figura Resultado obtido na freqüênia de 19,8 khz Figura Moviento do piezoatuador na freqüênia de 19,8 khz Figura Resultado obtido na freqüênia de 30 k Figura Resultado da siulação na freqüênia de 40,8 khz Figura Construção geoétria para deterinação do ângulo α...137

8 Dissertação de Mestrado vi LISTA DE SÍMBOLOS n 1 n a b ω H r σ Índie de refração do núleo da fibra óptia transissora Índie de refração da asa da fibra óptia transissora Raio do núleo da fibra óptia transissora Raio da asa da fibra óptia transissora Freqüênia angular da fonte de luz Intensidade de apo agnétio Condutividade do aterial j 1 ε E r Perissividade absoluta do eio Intensidade de apo elétrio µ Pereabilidade absoluta do eio D r Densidade de fluxo elétrio ρ B r ε r ε o Densidade de arga Densidade de fluxo agnétio Perissividade relativa do eio Perissividade absoluta do váuo µ r Pereabilidade relativa do eio µ o Pereabilidade absoluta do váuo k o Constante de fase no espaço livre x, y, z Coordenadas artesianas r, φ, z Coordenadas ilíndrias β E r, E φ, E z Constante de fase do odo guiado no interior da fibra óptia Coponentes de apo elétrio nas direções r, φ, z

9 Dissertação de Mestrado vii H r, H φ, H z k k Coponentes de apo elétrio nas direções r, φ, z Constante de fase Constante de fase no espaço livre G, V Constantes arbitrárias F(r) Φ(φ) J Função na variável r Função na variável φ Índie inteiro Função de Bessel de 1ª espéie e orde J ' Derivada da função de Bessel de 1ª espéie e orde k 1 ε r1 Constante de fase do eio 1 (núleo da fibra óptia) Perissividade relativa do eio 1 (núleo da fibra óptia) C, Q Constantes arbitrárias () 1 H Função de Hankel odifiada de 1ª espéie e orde () 1 H Derivada da função de Hankel odifiada de 1ª espéie e orde ' γ k ε r ε 1 ε K Constante de fase Constante de fase do eio (asa da fibra óptia) Perissividade relativa do eio (asa da fibra óptia) Perissividade absoluta do eio 1 (núleo da fibra óptia) Perissividade absoluta do eio (asa da fibra óptia) Função de Bessel odifiada de orde K ' Derivada da função de Bessel odifiada de orde U U = a k W v W = a γ Índie inteiro TE v Modo eletriaente transversal, = 0, 1,,...; v = 1,, 3,... TM v Modo agnetiaente transversal, = 0, 1,,...; v = 1,, 3,... HE v Modo híbrido, = 0, 1,,...; v = 1,, 3,... EH v Modo híbrido, = 0, 1,,...; v = 1,, 3,... β orte k, orte Valor de β na ondição de orte Valor de k na ondição de orte

10 Dissertação de Mestrado viii veloidade da luz no váuo V-nuber Valor que india o ponto de operação da fibra óptia ω orte λ o n eff k o Freqüênia angular na ondição de orte Copriento de onda da fonte óptia = β Índie de refração efetivo = ( n1 n ) n1 LP v Modo linearente polarizado, = 0, 1,,...; v = 1,, 3,... P Estíulo físio Io I(P) θ θ T NA n q K q Intensidade óptia de entrada onstante Intensidade óptia odulada pelo estíulo físio P Ângulo rítio Ângulo entre 0 e θ Distânia entre o eleento sensor e a superfíie reflexiva Abertura nuéria Índie de refração do eio irunvizinho Raio do one no plano iage para u ângulo θ Coordenada adiensional no espaço K Raio do one de abertura nuéria no plano iage K L I SN P f P T P i α I o I U I K K ' l Coordenada adiensional no espaço K, relaionada a q Intensidade por unidade de ângulo Intensidade óptia na área do núleo Potênia óptia de u feixe uniangular Potênia óptia total entregue à superfíie transversal da fibra Potênia óptia total ao eergir da extreidade da fibra transissora Fator de perdas de potênia óptia Intensidade total da luz ao eergir da extreidade da fibra transissora Intensidade óptia sobre o plano iage, assoiada ao ângulo de abertura de L Intensidade integrada Extreo de integração Segento de reta

11 Dissertação de Mestrado ix A P o η a r r p h M ds ξ s t ds K I(r) I i Λ ρ f(z) r b r r δ P R ds R r 1, r Γ E I A = a T Potênia óptia aptada pela fibra reeptora Coefiiente de transferênia de potênia Espessura da asa da fibra transissora Raio do núleo da fibra reeptora Espessura da asa da fibra reeptora Constante que relaiona os raios dos núleos da fibra transissora e reeptora Constante que relaiona as espessuras das asas da fibra transissora e reeptora Distânia entre os entros dos núleos das fibras transissora e reeptora Eleento diferenial de área Ângulo Extreo de integração inferior Extreo de integração superior ds K = ds a Distribuição de intensidades que inide no plano de seção transversal à distânia z e raio r Intensidade óptia no entro do plano de seção transversal à distânia z Constante relaionada o a distribuição de potênia odal na fibra óptia Distânia de a até r f(z) = ρ + a Raio deliitado pelo ângulo rítio Raio da asa da fibra óptia reeptora Espessura da asa da fibra reeptora Espaço entre as asas das fibras transissora e reeptora Potênia óptia que inide na fae da fibra óptia reeptora Eleento diferenial de área Extreos de integração Fator de aoplaento Distribuição de apo elétrio na seção transversal da fibra transissora

12 Dissertação de Mestrado x E oi E F E of Aplitude do apo elétrio na seção transversal da fibra transissora Distribuição de apo elétrio no interior da fibra reeptora Aplitude do apo elétrio no interior da fibra reeptora X, Y, Z Eixos do ristal S T ijkl Deforação eânia ou strain Tensão eânia ou stress Tensor de quarta orde que orresponde às onstantes elástias de rigidez do eio sijkl Tensor de quarta orde que orresponde às onstantes elástias de flexibilidade do eio E ijkl Tensor orrespondente às onstantes elástias de rigidez o apo elétrio onstante ou nulo S ε ij Tensor orrespondente à perissividade dielétria o deforação onstante ou nula e ijk Tensor piezoelétrio s ijkl Tensor orrespondente às onstantes elástias de flexibilidade h ijk Tensor orrespondente relaiona apo o deforação d ijk Tensor que relaiona deforação o apo elétrio S ψ ik Ipereabilidade dielétria Ω Doínio estendido fixo X ( x) Função disreta C (x) C o a, b τ V áx T BIAS D Q f nor Tensor Tensor onstitutivo do aterial base Variáveis de projeto Ângulo Valor áxio de tensão detetada Ponto de operação no eixo T D = dη/dt Ponto sobre a urva araterístia f nor = η T

13 Dissertação de Mestrado xi f Fator de alibração f T d ζ ED FH FG GH D o Fator de alibração Espessura Plano ζ Segento de reta Segento de reta Segento de reta Segento de reta Distânia iniial entre a fibra transissora e o espelho d, q, p, Segentos de retas X Variável auxiliar α Deflexão angular do espelho

14 Dissertação de Mestrado xii LISTA DE ABREVIATURAS EPUSP Esola Politénia da Universidade de São Paulo FEIS Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira UNESP Universidade Estadual Paulista PZT Titanato zironato de hubo PbTiO Titanato de hubo PbZrO 3 Zironato de hubo BaTiO 3 Titanato de bário PFX-1 Piezoatuador Flextensional 1 PFX- Piezoatuador Flextensional He-Ne Hélio-Neônio ANSYS Software oputaional FEM Método de Eleentos Finitos PVDF Polyvinylidene Fluoride EMI Interferênia eletroagnétia

15 Dissertação de Mestrado xiii SUMÁRIO A interferoetria a laser é ua ténia onsolidada para a araterização de atuadores piezoelétrios. No entanto, este étodo requer u alinhaento óptio preiso e ua operação etiulosa. Há u grande interesse no desenvolviento de sisteas de edição de desloaento e vibração usando sensores reflexivos e fibra óptia devido a sua inerente sipliidade, taanho reduzido, largura de banda apla, liite de deteção extreaente baixo e apaidade de realizar edições se ontato ou afetar o sistea a ser ensaiado. Neste trabalho apresenta-se u arranjo siples do sensor reflexivo para se atingir resolução sub-iroétria, utilizando-se fibras e oponentes óptios de baixo usto e iruitos eletrônios siples. O sistea é onstituído por duas fibras óptias adjaentes (ua transissora e outra reeptora) e o extreidades eparelhadas, posiionadas na frente de ua superfíie reflexiva vibratória. A luz proveniente de ua fonte óptia (no aso u laser) é aoplada à fibra transissora e parte dos raios refletidos pela superfíie óvel é apturada pela fibra reeptora, que onduz a luz para u fotodetetor. A tensão de saída do fotodetetor é função da distânia entre as extreidades das fibras e a superfíie reflexiva. Apresenta-se ua forulação teória da função de intensidade óptia refletida no plano a ua distânia qualquer, juntaente o oparações entre araterístias experientais e teórias do sensor reflexivo. Finalente, atuadores piezoelétrios flextensionais, projetados o o étodo de otiização topológia, são araterizados experientalente através da edição de seus desloaentos sub-iroétrios, utilizando o sensor reflexivo. As respostas e freqüênia dos piezoatuadores flextensionais são levantadas e o fenôeno de erro de trajetória e linearidade são disutidos. Palavras have - Atuador piezoelétrio flextensional, sensor reflexivo e fibra óptia, étodo de otiização topológia.

16 Dissertação de Mestrado xiv ABSTRACT The laser interferoeter ethod is a well-established tehnique for the haraterization of piezoeletri atuators. However, this ethod requires preise optial alignent and etiulous operation. There is great interest in developing displaeent and vibration easureent systes using refletive fiber opti displaeent sensors (RFODS) beause of their inherent sipliity, sall size, wide frequeny range, extreely low displaeent detetion liit, and ability to perfor easureents without ontat or affeting the vibrating syste. This work presents a siple arrangeent of RFODS to ahieve sub-iroeter resolution, using low-ost fibers and optial oponents, and siple eletroni iruits. The syste is oposed of two adjaent transitting and reeiving fibers at one end, loated in front of a refleting vibrating surfae. The transitting fiber is onneted to a laser soure, and part of the refleted rays by the oving surfae is aptured by the reeiving fiber, whih is onneted to a light detetor. The output voltage is a funtion of the distane between probe and vibrating surfae. A theoretial forulation of the refleted light intensity funtion at distal end plane is presented, together with oparisons of experiental and ideal RFODS harateristis. Finally, piezoeletri flextensional atuators (PFAs), designed with the topology optiization ethod, are experientally haraterized by the easureent of their sub iroetri displaeents using a RFODS. The frequeny responses of the PFAs are evaluated, and the traking error phenoenon and linearity are disussed. Keywords - Piezoeletri flextensional atuator, refletive fiber opti sensor, topology optiization ethod.

17 Dissertação de Mestrado xv AGRADECIMENTOS A parte ais difíil do trabalho é deonstrar quão agradeido e sinto e relação às pessoas que e aopanhara não só neste trabalho, as tabé durante os bons ou difíeis oentos da inha vida... Agradeço ao eu orientador, Prof. Dr. Cláudio Kitano, por e orientar, ensinar e desafiar durante os dois últios anos, ontribuindo uito para a inha foração. Agradeço tabé pela paiênia e dediação despendidas durante a ondução do trabalho. No apo pessoal, agradeço a aizade e os diálogos desontraídos que antiveos no tepo e que trabalhaos juntos. Ao eu orientador de graduação e o-orientador de pós-graduação, Prof. Dr. Alexandre César Rodrigues da Silva, pela aizade, paiênia, pelo inentivo e por sepre areditar na inha apaidade. À Coordenação de Aperfeiçoaento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que ontribuiu por eio de ua bolsa de estudos. Aos eus pais Arnaldo e Luiza e à inha irã Doitila que sepre e apoiara e estivera ao eu lado. Ao Everaldo pelo suporte ténio e iruitos eletrônios e sugestões para arranjos experientais. Ao Valdeir Chaves que ontribuiu o a riação e usinage de peças esseniais para as ontagens experientais. Ao Adilson, Hideassa e Aderson por todos esses anos de onvivênia e serviços prestados. Ao Dr. Gilder Nader (IPT) que nos auxiliou e disussões sobre os piezoatuadores flextensionais e despendeu seu tepo para realizar siulações oputaionais. Ao Prof. Dr. Eílio Neli (EPUSP) Silva que gentilente edeu piezoatuadores flextensionais e se ostrou interessado e ontinuar trabalhando e pareria. Ao Prof. Dr. Riardo Tokio Higuti que aopanhou a realização deste trabalho desde o iníio, ontribuindo o sugestões interessantes e tabé por sepre

18 Dissertação de Mestrado xvi disponibilizar equipaentos e inforações esseniais para a realização deste trabalho. Ao Prof. Dr. Apareido Augusto de Carvalho por sepre disponibilizar equipaentos e por sugestões dadas à realização deste trabalho. Ao Prof. Dr. Cláudio Luiz Carvalho por esses anos de onversas agradáveis e pela ontribuição a este trabalho o a disponibilização do equipaento de deposição de prata. Ao Prof. Dr. José Antônio Malonge que disponibilizou a utilização do analisador de ipedânias e ajudou na sua operação. Aos ténios de laboratório da Físia Erlon, Levi e Mário que peritira a utilização de equipaentos sepre que neessário. Ao Prof. Dr. Celso Riyoitsi Sokei que ajudou o equipaentos de irosopia. Ao Prof. Dr. Antonio de Pádua Lia Filho por se interessar e disutir possíveis apliações para o nosso trabalho. Ao Prof. Dr. Edvaldo Assunção pela aizade e ensinaentos desde os tepos de graduação. Aos funionários da bibliotea, e espeial ao João que ontribuiu o inforações para a onfeção das referênias. Ao grande aigo Wander Wagner Mendes Martins o que onvivi desde o iníio do estrado, estudando juntos e opartilhando o eso laboratório. Sepre disposto a e auxiliar no laboratório ou na vida pessoal, qualquer que fosse o problea. Agradeço pela reente, poré grande aizade. Ao grande aigo Carlos César Eguti o que tive o prazer de onviver desde o iníio da inha vida aadêia e que sepre e auxiliou se hesitar. Agradeço pelo bo onvívio e pelos anos e que opartilhaos os estudos, as festas e até o eso teto. Aos aigos José Vital, Antonio Perezi, Wesley Pontes, Sérgio Nazário, Marelo Sanhes, Carlos Antunes, Renato Mendes, Élio, Tério, Thiago, Edson, Silvano, Guilhere. Aos grandes aigos que e aopanha desde o prieiro ano de fauldade Alex Lia Pedro, Renato Sartório Raos, Franiso Molina, Daniel Luis Cortielha e Viníius R. Santos. Aos aigos de infânia, pratiaente irãos, Gustavo Kiyoshi, Alexandre Massunari e Laura Akei.

19 Dissertação de Mestrado xvii DEDICATÓRIA (in Meorian) Ao eu padrinho tio Beto, ao tio Hiroshi e à tia Hideko.

20 Capítulo 1 Introdução 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO E engenharia de preisão, a pesquisa e o desenvolviento estão sendo epreendidos para o desenvolviento dos atuadores piezoelétrios (ou piezoatuadores). Existe ateriais, oo as erâias piezoelétrias, que possue a propriedade de onverter energia elétria e deforação eânia, sendo este u efeito reversível, isto é, tabé pode onverter deforação eânia e energia elétria. Estas erâias piezoelétrias, entretanto, eso sob a apliação de tensões elevadas (da orde de entenas de volts) sofre u desloaento uito pequeno (da orde de nanoetros) sendo, uitas vezes, neessário aplifiar tais desloaentos. Isto pode ser alançado através da utilização de estruturas flexíveis aopladas à piezoerâia para aplifiar desloaentos. Este tipo de estrutura tabé pode ser utilizada para onverter desloaentos e ua direção para outra direção. Dentre os vários entros de pesquisa envolvidos nesse assunto, deseja-se destaar o Grupo de Sensores e Atuadores da Esola Politénia da USP (EPUSP), que ve obtendo êxito no projeto e onstrução de atuadores piezoelétrios flextensionais. Dentre os atuadores piezoelétrios flextensionais desenvolvidos por este grupo, pode-se itar aqueles que são onstituídos por ua erâia piezoelétria aoplada a ua estrutura flexível de aluínio projetada através da utilização de otiização topológia o étodo de hoogeneização. Trata-se de u étodo de projeto oputaional que obina algoritos de otiização e étodos de eleentos finitos (FEM) para enontrar a topologia ótia de partes eânias. Noralente, alguas araterístias das erâias piezoelétrias (resposta e freqüênia, linearidade) pode ser deterinadas através de odelos ateátios que

21 Capítulo 1 Introdução possue solução analítia. Entretanto, piezoatuadores onstituídos por estruturas oplexas oo o piezoatuador flextensional, não possue solução analítia. Assi, para a araterização deste tipo de dispositivo é neessário utilizar étodos de eleentos finitos para as siulações, ou então, étodos experientais. Neste ontexto, trabalhos de pareria vê sendo onduzidos entre o Grupo da EPUSP e o Grupo de Instruentação da Fauldade de Engenharia de Ilha Solteira (FEIS) da UNESP para araterização óptia de piezoatuadores. A óptia te sido apontada na engenharia oo solução para resolver grande núero de probleas. Coo exeplos, ita-se as apliações e sisteas de proessaento de inforação, eória óptia, haveaento, et. E ouniações inlui a transissão de dados a longa distânia e sob elevadas taxas de transissão. Na área de instruentação eletrônia, destaa-se os sensores óptios que, no aso do presente trabalho, pode onstituir ua solução para resolver o problea de araterização de atuadores piezoelétrios flextensionais desenvolvidos pelo Grupo da EPUSP. Dentre os sensores óptios existe ua lasse que se deseja destaar que são os sensores e fibra óptia. Estes sensores, dependendo da onfiguração utilizada, pode ser epregados para edir desloaentos, deforação eânia, posição, pressão, aeleração, ângulo, rotação, nível de líquido, radiação ionizante, apo elétrio, apo agnétio, apo aústio, orrente elétria, tensão elétria, teperatura, et. [1]-[4]. Pode-se apontar alguas vantagens dos sensores e fibra óptia relativaente aos sensores onvenionais. Os sensores óptios se benefiia de baixa suseptibilidade a interferênia eletroagnétia, inérias téria e eânia baixas, não produze entelhaento, possue altas sensibilidade e faixa dinâia, suporta altas teperaturas, não sofre oxidação ou orrosão, et.[1], []. A baixa suseptibilidade a interferênia eletroagnétia torna este tipo de sensor adequado para apliações industriais e e linhas de transissão de energia elétria. O fato de não produzir entelhaento faz o que sensores óptios seja dispositivos seguros para trabalhar e abientes explosivos (o gases inflaáveis, por exeplo) [3]. Neste trabalho, ênfase espeial será dediada ao estudo de u sensor e fibra óptia para a edição de desloaentos sub-iroétrios e sólidos. O sistea sensor é onstituído por duas fibras óptias adjaentes (ua transissora e outra

22 Capítulo 1 Introdução 3 reeptora) e o extreidades eparelhadas, posiionadas na frente de ua superfíie reflexiva vibratória. A luz proveniente de ua fonte óptia (no aso u laser) é aoplada à fibra transissora e parte dos raios refletidos pela superfíie óvel é apturada pela fibra reeptora, que onduz a luz para u fotodetetor. A tensão de saída é função da distânia entre as extreidades das fibras e a superfíie reflexiva. Ua iportante etapa do trabalho onsiste e u estudo aprofundado da propagação eletroagnétia e fibras óptias de índie degrau e de odelaentos ateátios para o sensor reflexivo. De aordo o as fontes de referênia, este tipo de sensor pode ser designado por diferentes noes oo, por exeplo: sensor fotônio (Fotoni Sensor), sensor de desloaento o feixe bifurado de fibras óptias (bifurated optial fiber bundle displaeent sensor), sensor o guia e Y (Y-guide probe), transdutor de desloaento de haste de fibra óptia (fiber opti lever displaeent transduer), sensor reflexivo de desloaento e fibra óptia (refletive fiber opti displaeent sensor). Neste trabalho, adotou-se a últia denoinação ou, siplesente, sensor reflexivo O Estado da Arte do Sensor Reflexivo e Fibra Óptia O sensor reflexivo e fibra óptia foi proposto e prieiraente relatado e 1967, por Menadier et al [5], e foi denoinado Sensor Fotônio (Fotoni Sensor). O prinípio de funionaento no qual se baseia este dispositivo onsiste na utilização de u par de fibras óptias adjaentes, sendo que ua fibra transporta a luz proveniente de ua fonte loalizada reotaente para u objeto alvo (espelho ou ebrana refletora), enquanto a outra fibra apta e transite para u fotodetetor a luz refletida pelo objeto. Neste sensor pode-se usar onfigurações o apenas u par de fibras ou u feixe (bundle) de fibras. Alé das vantagens inerentes aos sensores óptios, este sensor apresenta vantagens adiionais oo sipliidade, versatilidade, taanho físio

23 Capítulo 1 Introdução 4 reduzido, leveza, resposta rápida, ausênia de ontato físio, não produz efeito de arregaento eânio (assa), baixo usto, et. [4], [6]. Há ua apla gaa de apliações para o sensor e questão enontradas na literatura. E 197, Crispi et al [7] desrevera a utilização de ua ténia óptia e ua aústia para a edição de iro-desloaentos de alta freqüênia. Na ténia óptia utilizou-se u sensor reflexivo oerial (Miro Tehnology, In.) o dois feixes de fibras óptias (u transissor de luz e outro reeptor). E 1975, Bailly-Salins [8] desreveu a utilização deste tipo de sensor para o estudo da resposta dinâia de u diso etálio exposto a u feixe pulsado de elétrons de 1 MeV. Neste aso, fora utilizados dois feixes de 64 fibras óptias de plástio, pois se onstatou que as fibras de vidro apresentava uita intilação. U resultado teório interessante ostra que a sensibilidade deste tipo de aparato pode auentar se o diâetro das fibras for enor. E 1980, Grojean e Sousa [9] utilizara u sensor bifurado para a edição de luinesênia de eios densos ou turvos. Segundo os autores, a elhor distribuição das fibras no feixe, para este aso, é a aleatória. E 1983, Cuoo [10] propôs u hidrofone para edir pressão e gradiente de pressão que pode forneer ua sensibilidade aústia ao enos equivalente à de piezoerâias e o a esa faixa de freqüênias. Neste dispositivo, foi utilizado u feixe de 500 fibras óptias de vidro distribuídas aleatoriaente. No ano de 1989, Zukerwar e Cuoo [11] propusera u sensor o 7 fibras óptias para edir flutuações de pressão e fluidos hipersônios. A vantage prinipal da utilização deste sensor é que ele pode suportar as altas teperaturas (aia de 1000 o C) que este tipo de apliação exige. E junho do eso ano, Risti et al [1] desenvolvera u sensor de tato utilizando sensores reflexivos. Os autores realizara testes experientais que envolvia a influênia de parâetros oo distânia e ângulo entre a fibra transissora e a reeptora. Conluiu-se que ângulos enores que 90 o (é o noralente utilizado neste tipo de sensor) produze sinais de saída de aior aplitude. Ainda e 1989, Harer e Sheggi [13], desrevera apliações para edição de onentrações de oxigênio, onentrações de íons hidrogênio (ph) e outras grandezas de interesse e biologia e ediina. Kyuaa, na referênia [14], denoinou este tipo de sensor oo sonda o guia e Y (Y-guide probe) e onfirou é adequado para apliações e robótia (edição de posição). O autor tabé itou a utilização do Y-guide probe para a onstrução de sensores de pressão e de vazão. Udd [4] e 1991,

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA

PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA PROTEÇÃO PARA CABOS SUBTERRÂNEOS/SUBMARINOS USANDO ESQUEMA DE COMPARAÇÃO DIRECIONAL DE SEQÜÊNCIA-NEGATIVA Jesús Vargas INELAP-PQE. Guadalajara, Jal. Méxio Arando Guzán Shweitzer Engineering Laboratories

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841

Bomba submersível para águas residuais Gama ABS AS 0530-0841 Boba subersível para águas residuais Gaa ABS AS 0530-0841 15975045PT (02/2015) 1006-00 PT Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.o 2 Instalação e Manual de Instruções (Tradução das instruções originais)

Leia mais

Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF 154-804 Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09

Bomba ligeira para águas residuais Gama ABS MF 154-804 Bomba submersível trituradora Gama ABS Piranha 08 & 09 Boba ligeira para águas residuais Gaa ABS MF 154-804 Boba subersível trituradora Gaa ABS Piranha 08 & 09 1010-00 15975131PT (08/2015) PT Instalação e Manual de Instruções www.sulzer.o 2 Instalação e Manual

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

COEFICIENTES DE ATRITO

COEFICIENTES DE ATRITO Físia Geral I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protoolos das Aulas Prátias 003 / 004 COEFICIENTES DE ATRITO 1. Resumo Corpos de diferentes materiais são deixados, sem veloidade iniial, sobre um plano

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor.

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor. Colégio Ténio Antônio Teieira Fernandes Disiplina ICG Computação Gráfia - 3º Anos (Informátia) (Lista de Eeríios I - Bimestre) Data: 10/03/2015 Eeríios 1) Elabore um proedimento em C++ que passe os pares

Leia mais

Sistema de Coleta de Dados para Microbalanças de Quartzo. Data Acquisition System for Quartz Crystal Microbalances

Sistema de Coleta de Dados para Microbalanças de Quartzo. Data Acquisition System for Quartz Crystal Microbalances Sistea de Coleta de Dados para Mirobalanças de Quartzo Sistea de Coleta de Dados para Mirobalanças de Quartzo Data Aquisition Syste for Quartz Crystal Mirobalanes Kleber Roero Felizardo 1 Resuo Este trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE RODRIGO S. MARTINS, VICTOR J. L. DUARTE, ANDRÉ L. MAITELLI, ANDRÉS O. SALAZAR, ADRIÃO D. D. NETO Laboratório

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

3. ANÁLISE TEÓRICA 3.1. PARÂMETROS GEOMÉTRICOS DO MOTOR

3. ANÁLISE TEÓRICA 3.1. PARÂMETROS GEOMÉTRICOS DO MOTOR 31 3. ANÁLISE TEÓRICA O resente trabalho se roõe a o o oortaento de u otor flexível instalado e bano de rovas funionando o etanol anidro e etanol hidratado e diferentes ondições de oeração. a que esse

Leia mais

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI N., Março Ano Cláudio Sérgio SARTORI n. USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS p. 59-68 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Químico para Aplicação em Compósitos Poliméricos

Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Químico para Aplicação em Compósitos Poliméricos Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Quíico para Aplicação e Copósitos Poliéricos Liliana Burakowski Departaento de Física, ITA Mirabel C. Rezende Divisão de Materiais, Instituto de

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

A ÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE GARGALOS E FIOS DE GARRAFA PET COMO E CHIME TO DE TORRES DE RESFRIAME TO

A ÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE GARGALOS E FIOS DE GARRAFA PET COMO E CHIME TO DE TORRES DE RESFRIAME TO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de osto de 2010 Capina Grande Paíba - Brasil August 18 21, 2010 Capina Grande Paíba Brazil A ÁLISE DA

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

Tecnologia Global, Soluções Locais

Tecnologia Global, Soluções Locais Medição de Teperatura Se Contato, Iageaento Térico e Visão de Processos Industriais Tecnologia Global, Soluções Locais Terôetros Infraverelhos Fixos Pontuais e Portáteis Raytek Faília Marathon MR Terôetro

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS Autor: Karla Susane Borges dos Santos Orientador: Dr. Sérgio Luiz Garavelli Co-orientador:

Leia mais

Torção Deformação por torção de um eixo circular

Torção Deformação por torção de um eixo circular Torção Deformação por torção de um eixo irular Torque é um momento que tende a torer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o omprimento e o raio do eixo permaneerão

Leia mais

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584 Profa. Dra. Silia M de Paula Refração da luz A refração da luz é um fenômeno que ertamente já foi preseniado por todos. Quando obseramos um talher oloado dentro de opo om água, a impressão que temos é

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

DETERMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PARÂMETROS FOTOELÁSTICOS

DETERMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PARÂMETROS FOTOELÁSTICOS 15º POSMEC - Sipósio do Prograa de Pós-Graduação e Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica DETEMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PAÂMETOS FOTOELÁSTICOS Fernando Lourenço

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 14 e 85 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando ais. Pouco iporta o destino: a verdade é que

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD XX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES-SBT 3, -8 DE OUTUBRO DE 23, RIO DE JANEIRO, RJ Caraterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD Kleber L. Borges e Fernando J.

Leia mais

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Noras para o Projeto das Estradas de Rodage Aprovadas pelo Senhor Ministro da Viação e Obras Públicas consoante Portarias núeros

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo.

Existemcorposdeordemq se, e somente se, q éumapotência de primo. Corpos Finitos U corpo é, grosso odo, u conjunto no qual podeos soar, subtrair, ultiplicar e dividir por não nulo, no qual vale todas as propriedades usuais de tais operações, incluindo a coutativa da

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

Aula 7 Fótons e ondas de matéria I. Física Geral F-428

Aula 7 Fótons e ondas de matéria I. Física Geral F-428 Aula 7 Fótons e ondas de matéria I Físia Geral F-8 No iníio do séulo XX, a maioria dos físios areditava que a Físia estava omleta, desrita através da Meânia Clássia, do letromagnetismo de Maxwell e da

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica Segentação por Agrupaentos Fuzzy C- eans e Iagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transissão de Energia Elétrica Anderson J. Azabuja Guiera 1, 2 Tania Mezzadri Centeno 1 Myria Regattieri

Leia mais

1. Definições Iniciais

1. Definições Iniciais O Básico da Criptografia usada na Internet Alessandro Martins Mestrando e Redes de Coputadores - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro {artins@ufrj.br} RESUMO O objetido deste texto é apresentar

Leia mais

a) b) c) Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica

a) b) c) Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica Resultados de GradioetriaMagnética Coparados àsderivadas do Capo Magnético Anôalo e Sítio Controlado da Polícia Federal - SITCRIM Paulo Henrique Praça de França, Instituto de Geociências - UnB Welito Rodrigues

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Quíica Experiental I Bacharelado e Quíica Engenharia Quíica Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 5 Tensão Superficial de Líquidos Deterinação da tensão superficial de líquidos. utilizando a técnica

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL Canoas, Dezebro de 2009 Departaento

Leia mais

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 4.1. Introdução A coleta e o transporte das águas residuárias desde a orige até o lançaento final constitue o fundaento básico do saneaento de ua população.

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame.

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame. 1. Na esola da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos alunos pela leitura. Um inquérito realizado inluía a questão seguinte. COTAÇÕES «Quantos livros leste desde o iníio do ano letivo?» As respostas

Leia mais

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br PROPAGAÇÃO DE TRINCAS POR FADIGA NO AÇO API-5L-X60 José Luiz Fernandes Departaento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@ec.puc-rio.br Jaie Tupiassú Pinho de Castro Departaento de Engenharia Mecânica -

Leia mais

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar Transmissor e eeptor Sintonizáveis om Proessamento Óptio para edes CDMA Óptias om Assinatura Bipolar Eduardo isenbaum *, Celso de Almeida e Vitor oha de Carvalho esumo Uma nova arquitetura para o transmissor

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais

Macromedidores Série ZF

Macromedidores Série ZF ZENNER do Brasil Instr. de Medição Ltda. Rua Bartoloeu de Gusão, 2.444 - Canudos - Novo Haburgo - RS Tel.: +55 (51) 30 35 55 30 Fax: +55 (51) 30 35 33 30 E-ail: zenner@zenner.co.br http: //www.zenner.co.br

Leia mais

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES Felipe Martins Müller UFSM / CT / DELC 97105-900 Santa Maria - RS Fone:(055)220-8523 FAX:(055)220-8030

Leia mais