Parâmetro Voz Vídeo Dados. Largura de banda Estreita Larga Estreita/larga. Grande Média Pequena. Tipo de tráfego Contínuo Contínuo Rajadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parâmetro Voz Vídeo Dados. Largura de banda Estreita Larga Estreita/larga. Grande Média Pequena. Tipo de tráfego Contínuo Contínuo Rajadas"

Transcrição

1 Sinais em Telecomunicações 21 s amostras dos sinais de voz devem chegar ao destino com uma cadência certa e com intervalos constantes, de modo a permitirem que a reconstrução do sinal se possa fazer em tempo real e sem interrupções, tornando os sinais de voz muito sensíveis à variação dos atrasos. Para os dados, normalmente, este parâmetro não é crítico. Pode dizer-se que os sinais de vídeo têm uma sensibilidade média a este parâmetro. Parâmetro Voz Vídeo Dados Largura de banda Estreita Larga Estreita/larga Sensibilidade à variação dos atrasos Grande Média Pequena Tipo de tráfego Contínuo Contínuo Rajadas Sensibilidade aos erros Pequena Média Grande Exemplos Rede telefónica, rede móvel GSM CTV X.25, Internet Tabela 2.4 Classificação dos sinais Os dados geram tráfego em rajadas sequências de informação de curta duração seguidas de longos períodos de silêncio enquanto os sinais de voz ou de vídeo dão origem a um fluxo permanente de informação, embora, nalguns casos, com débito variável. Os erros da transmissão têm efeitos mais perniciosos nas comunicações de dados, obrigando a repetições de pacotes de informação, do que durante uma conversação telefónica, onde podem ser tolerados até certo limite. Estes requisitos encontraram resposta, até agora, em redes diferentes. s redes telefónicas foram concebidas para as ligações de voz. Conseguem garantir todos os requisitos da voz, nomeadamente, atrasos constantes e pequenos (abaixo das décimas de segundo) porque fazem uma reserva de recursos dum modo exclusivo para cada chamada. difusão de televisão tem sido assegurada por redes próprias que, com uma estrutura em árvore, são apropriadas para este tipo de serviços: todos os clientes recebem a mesma informação que é enviada a partir dum único ponto central. Estas redes foram construídas para eliminar as antenas individuais ou para permitir o acesso à televisão em zonas não cobertas, funcionam como uma antena comunitária, pelo que são conhecidas pela sigla CTV (Community ntenna TeleVision). presentam uma elevada largura de banda que lhes permite transportar várias dezenas de canais de vídeo simultaneamente. ctualmente as redes de distribuição de televisão também já asseguram o serviço telefónico analógico e a ligação à Internet em banda larga. Por último, os dados têm as suas redes próprias, que surgiram mais recentemente. FC Editora de Informática

2 Serviços de Telecomunicações 43 Serviços de consulta (retrieval) o utilizador pode aceder a informação armazenada em servidores para uso público. informação é recolhida numa base individual: o instante em que o fluxo de informação se inicia e a informação enviada estão sob o controlo do utilizador; Serviços de mensagens oferecem comunicação entre utilizadores através de unidades de armazenamento com funções de armazenamento (store-andforward), caixa de correio e manipulação de mensagens (edição, processamento e conversão de informação). Serviços interactivos Serviços distributivos Serviços Serviços de conversação Serviços de consulta (retrieval) Serviços de mensagens Sem controlo da apresentação Com controlo da apresentação Exemplos Serviço telefónico, videoconferência WWW Correio electrónico, Correio de voz Difusão de televisão Teletexto Tabela 4.1 Classificação dos serviços Os serviços de distribuição admitem um segundo nível de classificação: Sem controlo da apresentação é fornecido um fluxo contínuo de informação, a partir dum ponto central, para um número autorizado de utilizadores, que não têm qualquer controlo sobre a grelha tempo e ordem dos conteúdos; Com controlo de apresentação inclui serviços de difusão nos quais os utilizadores podem seleccionar informação individual e controlar o início e ordem da informação. informação é difundida como uma sequência de entidades de informação (tramas) com repetição cíclica, se necessário, e pode incluir texto, gráficos, áudio e imagens, bem como documentos que podem integrar mais do que um destes serviços. 4.3 tributos dos serviços Os serviços de telecomunicações também podem ser caracterizados segundo alguns parâmetros ou atributos que são relevantes do ponto de vista da rede: Largura de banda; FC Editora de Informática

3 90 Introdução às Telecomunicações Distorção Interferência Diafonia Figura 11.2 Formas de ruído Ruído de fundo e interferências Não existe nenhum sistema completamente imune ao ruído, ou seja, são sempre adicionados sinais estranhos ao que se pretende transportar. Esta situação é diferente da distorção porque o ruído é independente do próprio sinal de entrada. O ruído pode ter muitas origens como interferências com outros circuitos ou componentes electrónicos. Diafonia diafonia é uma das interferências mais comuns e é provocada por circuitos que são transportados no mesmo cabo. No exemplo da Figura 11.2, o sinal de entrada do par superior é reflectido à saída nos 2 pares com amplitudes diferentes. No caso dos cabos telefónicos, este efeito passou a ganhar mais importância com a introdução de sistemas de banda larga sobre cobre, por exemplo DSL. Neste caso, os vários sistemas transportados sobre o mesmo cabo vão interferir entre si, limitando o débito máximo que é possível transportar mplificadores e regeneradores atenuação, por si só, não implicaria graves problemas à transmissão, pois pode ser ultrapassada com a introdução de amplificadores, equipamentos capazes de repor o sinal com a amplitude original. No entanto, como o ruído surge sempre associado, o amplificador é incapaz de o distinguir do sinal a ser transportado, amplificando-o do mesmo modo. E à medida que este processo se repete, o sinal ficará cada vez mais corrompido pelo ruído porque o próprio amplificador introduz ruído (Figura 11.3). FC Editora de Informática

4 Rede de Pares Simétricos 151 Operador(es) de rede ao receber o tráfego do operador de acesso, encaminha- -o até ao seu destino através duma rede de comutadores. Os modelos de negócio em torno dos serviços têm vindo a complicar-se e, actualmente, surgem já outros operadores dedicados ao fornecimento de conteúdos, por exemplo. Foram identificadas várias formas de relacionamento, conforme se ilustra na Figura 16.6 [GPTEL]. Rede telefónica DSLM RP Internet Rede TM/IP cesso ao débito cesso partilhado cesso completo Figura 16.6 Formas de desagregação de lacete s formas previstas para a desagregação do lacete são: cesso completo o OOL tem acesso ao par de cobre em exclusivo, cessando qualquer ligação entre o cliente e o operador histórico que continua, contudo, a assegurar a manutenção da infra-estrutura; cesso partilhado o operador histórico mantém com o cliente o serviço telefónico, enquanto o OOL lhe presta serviços de dados utilizando a gama superior de frequências. Os operadores partilham a capacidade de transporte do par de cobre; cesso ao débito o operador histórico mantém a infra-estrutura de acesso de banda largura (cabos e DSLM) e entrega aos OOL o tráfego dos seus clientes agregados em pontos da rede TM/IP; Revenda nesta opção o OOL só tem uma componente comercial, oferecendo os mesmos serviços que o operador histórico. Normalmente, os modos de revenda ou de acesso ao débito correspondem ao primeiro passo no processo de criação da concorrência no mercado das telecomunicações, por serem os que implicam menor investimento por parte dos OOL. Todavia, são igualmente os modos que dão menor margem de manobra aos OOL, na medida em que não lhes permite diferenciar a sua oferta do operador histórico, segundo parâmetros como quali- FC Editora de Informática

5 Fibra Óptica na Rede de cesso (FITL) 161 Figura 18.2 ndares de divisão É expectável que, com a evolução tecnológica, seja possível instalar redes com taxas de divisão maiores [FTTHCE]. O aumento da taxa de divisão tem implicações no débito útil por cliente, obrigando o débito em linha a aumentar. Por outro lado, as taxas de divisão maiores implicam uma diminuição da potência por cliente, o que, por sua vez, só é possível com equipamentos mais sensíveis. rede óptica, também conhecida como ODN (Optical Distribution Network), é composta por cabos de fibras ópticas, conectores ópticos, divisores ópticos, atenuadores ópticos passivos e juntas. ODN pode garantir os sentidos de transmissão, descendente e ascendente, atribuindo comprimentos de onda diferentes (1310 nm e 1550 nm) numa mesma fibra, ou pela utilização de duas fibras. Para garantir uma maior disponibilidade da infra-estrutura, está prevista a utilização de mais do que um caminho óptico entre as unidades centrais e remotas, permitindo que haja comutação em caso de falha duma ligação. O facto de não haver elementos activos na ODN deverá garantir uma maior longevidade na sua utilização pois será possível fazer evoluir a electrónica existente nos elementos activos, terminais e de estação, sem alterar a infra-estrutura física. lcance da fibra óptica s topologias de rede de acesso em fibra óptica são classificadas, igualmente, quanto ao alcance da fibra (Figura 18.3): FTTO/FTTB (Fiber To The Office / Fiber To The Building) fibra óptica até ao edifício, podendo a distribuição interior ser em par simétrico, fibra óptica ou cabo coaxial; FTTC (Fiber To The Curb) fibra óptica até a um ponto do passeio sendo a distribuição aos clientes feita em cobre; FTTH (Fiber To The Home) fibra óptica até casa do cliente; HFC (Hybrid Fiber Copper/Coax) fibra óptica até um ponto de distribuição, FC Editora de Informática

6 200 Introdução às Telecomunicações Quando o número de assinantes numa célula é baixo, existe qualidade de serviço, mesmo para os assinantes que estão longe da estação base. Porém, quando o número de utilizadores aumenta, o ruído e a interferência aumentam igualmente e consequentemente o alcance da célula diminui, pelo que só os terminais mais junto à antena terão qualidade de serviço aceitável, devido às limitações de potência no terminal Soft e softer handover Com a funcionalidade de soft handover o terminal pode comunicar simultaneamente com duas ou mais células. facilidade de manter a ligação com mais do que uma estação base conduz a menos chamadas perdidas. existência de mecanismos como o soft e o softer handover permite manter a continuidade e qualidade da ligação enquanto o utilizador se desloca de célula para célula. diferença entre soft e softer handover reside no número de nós B a que o terminal está ligado. No caso do soft handover o terminal está ligado a vários nós B, mas no caso do softer handover o terminal está ligado a células diferentes do mesmo nó B (Figura 22.4). Numa rede rádio bem dimensionada existirão entre 30 a 40% de utilizadores em soft ou softer handover. RNC Softer handover Soft handover Figura 22.4 Soft e softer handover Handover com redes GSM Um dos aspectos considerado importante no processo de normalização foi a possibilidade de handover com redes 2G/GSM. O handover pode ser iniciado por cobertura, capaci- FC Editora de Informática

7 Sistema as de Televisão o 209 gens e áudio g o, até gerar o fluxo de daados. Deste modo, m os várrios fabricanttes podem comp petir em imp plementações de codificaadores com desempenho o e características diferen ntes q cumprem que m, contudo, a norma. Outro pro ojecto fundam mental para o desenvolv vimento da televisão t dig gital é conheccido p pela sigla DV VB e represen nta um consó órcio de maiis de 270 ageentes do secto or da televisão e c conteúdos em m geral como o operadoress de televisão, fabricantees, operadorees de rede, organ nismos de reegulação, etc.. O DVB utilliza as normaas MPEG-2 e MPEG-4 paara a codificaação d vídeo, maas normaliza igualmente o modo com de mo essa inforrmação é tran nsportada so obre v vários suporrtes: DVB-T (DVB-Terreestrial), para as emissõees terrestress, DVB-S (D DVBS Satellite), paara emissõess satélite, DV VB-C (DVB-C Cable), para as redes dee cabo e DVB-H ( (DVB-Handhe eld) para receeptores portááteis Técnicas de compressão de vídeo v Embora haja h alguma liberdade d fabricantes na concep dos pção e desen nvolvimento dos c codificadores s, estes segueem uma arqu uitectura mu uito semelhan nte [ELY] [BT.601]. dig gital lização dos sinais s de víd deo pode serr feita de váárias formas,, nomeadam mente atravéss do m modo como as componentes de brilh ho e cor são amostradas (Tabela 23.22). Para todo os os m modos, é gerrada uma am mostra da com mponente dee brilho por cada c ponto de d imagem. M Mas o modos diferenciam-see no número os o de amostraas das comp ponentes de cor. O prim meiro m modo, 4:4:4, é o mais intu uitivo por co orresponder a uma amosstragem em todos os pon ntos d componeentes de brilh das ho e de cor. 4:4:4 Para todos oss pontos da im magem são gerradas amostras parra as componeentes de brilho o e de cor 4:2:2 Por cada con njunto de 4 pon ntos da imageem são geradas apen nas 2 amostrass de cada umaa das 2 componentess de crominân ncia 4:2:0 Por cada con njunto de 4 pon ntos da imageem é gerada apenaas 1 amostra de d cada uma das d componentess de cor mostragem da a componente de d brilho sem am mostragem da cor mostragem da as componentess de brilho e de cor mostragem da as componentess de cor sem am mostragem da co omponente de brilho Taabela 23.2 m mostragem daas imagens de vídeo Mas, com mo já foi referido, a visão o humana teem menor seensibilidade à cor do quee ao brilho, poden b ndo ser retiradas menos amostras daas componen ntes de cor. ssim, na m maior dos casoss utilizam-se os outros do ria ois modos. Tipicamente T nas n aplicaçõees de difusão o de FC Editora de Informática

8 Triple Play 239 DSLM OLT DSLM OLT Servidor de conteúdos Servidor de conteúdos Router de agregação/ core Router de agregação/ core Ligações físicas Fluxos de conteúdos Set top box Sem multicast Com multicast Figura 26.2 Multicast em cenário de distribuição de conteúdos Nas implementações actuais existe o que se designa como IPTV televisão sobre redes IP em que os sinais de televisão são distribuídos sobre uma rede IP, onde ainda não existe uma integração plena com os outros serviços. Nas implementações de IPTV as set top boxes comunicam com as plataformas de serviços, quer para se identificarem como subscritores válidos dos serviços quer para mudarem de canal ou requisitarem um vídeo através do serviço VoD. No caso da difusão de canais, os clientes têm de ter os canais subscritos antes da plataforma dar acesso. Este cenário é diferente de, por exemplo, a difusão de televisão por satélite, em que a informação de autorização de acesso dos vários utilizadores está sempre a ser difundida e a é responsável por garantir que o cliente apenas acede aos canais subscritos. No caso do IPTV o controlo está na plataforma e o acesso depende do diálogo entre esta e a. Com uma solução de IPTV, e mesmo antes duma integração completa das redes e serviços através da NGN, as possibilidades de criação de novos serviços, como partilha de vídeos e fotografia ou a integração com o correio electrónico o utilizador é avisado na televisão de que tem uma mensagem nova são enormes. FC Editora de Informática

9 242 Introdução às Telecomunicações timédia em tempo real, utilizando o protocolo SIP na sinalização e controlo de sessões. arquitectura IMS, representada na Figura 27.1, está distribuída sobre três planos ou camadas: serviço, controlo e conectividade. Camadade serviços Servidor de aplicações Camadade controlo CSCF HSS Camadade conectividade Servidor de Recursos Multimédia MRF IP Rede IP MGF Figura 27.1 rquitectura IMS Rede telefónica (TDM) Camada de serviço No nível de serviço da arquitectura IMS existem servidores de aplicações (S - pplication Servers) que, como o próprio nome indica, servem a execução de todos os serviços e aplicações IMS. Considerando como exemplo um serviço de distribuição de televisão, o servidor de aplicações: Faz o controlo das contas dos clientes: quais os canais e serviços subscritos; Dá indicações ao servidor de recursos multimédia para o envio dos conteúdos para os respectivos assinantes; Negoceia, com a camada de controlo, o débito e o estabelecimento de sessões entre o servidor de recursos multimédia e o equipamento terminal do assinante. Poderá ser uma set top box, se o assinante não possuir um terminal com capacidade para receber directamente conteúdos digitais. Num cenário como este, o utilizador experimentará funcionalidades muito semelhantes às lhe são oferecidas por uma solução IPTV. diferença está no modo como o operador presta estes serviços: de forma normalizada em que as interfaces são conhecidas ou com uma solução proprietária como é feito actualmente. FC Editora de Informática

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

RCTS Lambda. Manual de utilização

RCTS Lambda. Manual de utilização RCTS Lambda Manual de utilização Dezembro de 2009 RCTS Lambda Manual de utilização EXT/2009/Área de Redes Dezembro de 2009 ÍNDICE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2 INTRODUÇÃO... 2 2.1 Enquadramento... 2 2.2 Audiência...

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Prolongar a vida útil das redes HFC

Prolongar a vida útil das redes HFC Prolongar a vida útil das redes HFC Um projecto de Investigação do 7PQ da UE http://www.ict-redesign.eu/ Sétimo Programa-Quadro (7PQ) da UE A UE estimula a I&D através de Programas-Quadro em larga escala

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

nada se perde tudo se transforma

nada se perde tudo se transforma Do Analógico Ao Digital nada se perde tudo se transforma Lavoisier XIV CONGRESSO APODEMO 27 Maio 2009 Analógico Anos 80 Introdução sistemas de medição electrónica de audiências de televisão. Substituição

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014 ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET QR-A00171 Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit A largura de banda do cabo coaxial permite combinar outros serviços no cabo sem interferir o sinal de televisão. O Coaxdata é um

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

Serviços para o cliente residencial: que desafios?

Serviços para o cliente residencial: que desafios? Serviços para o cliente residencial: que desafios? Vitor Manuel Ribeiro PT Inovação, S. A. Conferência Habitação Digital ao Serviço o das Pessoas 21 de Outubro de 2005 Escola Superior de Tecnologia de

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

1. Contexto. Página 1 de 5

1. Contexto. Página 1 de 5 REFERENCIAL REDES DE NOVA GERAÇÃO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO E DE CONHECIMENTO SI INOVAÇÃO Nº 14 / SI / 2009 SI I&DT Nº 15 / SI / 2009 1. Contexto A Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2008, de 30

Leia mais

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem Redes de Computadores Sistemas de cablagem Sumário! Sistemas de cablagem: Normalização Estrutura Tipos de cablagem e comprimentos Dimensionamento Componentes 2 Sistemas de cablagem! Devem ser instalados

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações LERCI_FT 1: Introdução Professor Victor Barroso vab@isr.ist.utl.pt 1 Introduzindo O tópico A terminologia A tecnologia O conteúdo... LERCI_FT - Lição 1 Fundamentos de Telecomunicações

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Ágora Ciência e Sociedade Lisboa, 15 de Maio de 2015 Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Carlos Salema 2014, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. Índice

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO Documento Metodológico Preliminar 19-08-09 1 1. Introdução No âmbito da participação do Instituto Nacional de Estatística (INE), no Grupo de Trabalho do Eurostat sobre

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 1 do modelo OSI (continuação) 2 1 Camada 1 do modelo OSI Continuação 3 Sinais Analógicos e Digitais Os sinais são uma voltagem elétrica, um padrão de

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010 RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 211 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 21 Características dos operadores Salvo precisión en contrario, los datos presentados en este documento

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

A Evolução das Telecomunicações no Brasil

A Evolução das Telecomunicações no Brasil A Evolução das Telecomunicações no Brasil Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Modelos de Interacção entre Processos Produtor e Consumidor Os dados transmitidos entre as aplicações são geralmente opacos para o sistema

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 1º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 1º Pacote. Formação em 1º Pacote Formação em Redes Móveis, Transmissão e Acesso Redes Móveis, Transmissão e Acesso COMUNICAÇÕES MÓVEIS GSM, GPRS e EDGE UMTS: WCDMA, HSDPA e HSUPA LTE e LTE-Advanced Planeamento de Redes Móveis

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Redes de Computadores Carlos Eduardo Pereira Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Rede de Computadores hosts IMPs IMP= Interface Message Processor 1 DTE/DCE/DSE Tarefas a serem realizadas pelas

Leia mais