SEGMENTO DE FIOS E CABOS TELEFÔNICOS: O QUE MUDA A PARTIR DA FIBRA ÓPTICA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGMENTO DE FIOS E CABOS TELEFÔNICOS: O QUE MUDA A PARTIR DA FIBRA ÓPTICA?"

Transcrição

1 AO1/GESET3 SEGMENTO DE FIOS E CABOS TELEFÔNICOS: O QUE MUDA A PARTIR DA FIBRA ÓPTICA? Paulo Roberto de Sousa Melo Ana Paula Fontenelle Gorini Sérgio Eduardo Silveira da Rosa

2 2 índice Página 1. INTRODUÇÃO 3 2. CARACTERIZAÇÃO GERAL DOS PRODUTOS Fibras e Cabos Ópticos Cabos Metálicos 3. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO INTEGRAL 7 DA REDE DE TRANSMISSÃO INSTALADA POR FIBRA ÓPTICA 4. SETOR DE FIBRAS E CABOS ÓPTICOS Mercado Mundial e Principais Fabricantes Mercado Nacional 2

3 3 5. APOIO DO SISTEMA BNDES PERSPECTIVAS Introdução O enorme avanço das telecomunicações verificado nos últimos anos teria sido impossível na ausência de meios de transmissão adequados. A introdução das fibras ópticas, em particular, contribuiu de forma decisiva para a extraordinária redução do custo das comunicações. A grande difusão das fibras ópticas, no entanto, não significa o desaparecimento dos fios metálicos atualmente empregados nas telecomunicações. De fato, o alto custo dos equipamentos terminais para conversão óptica-elétrica ainda impedirão, por muitos anos, a viabilização das redes ópticas aonde o tráfego de informações é reduzido, como na ligação entre o assinante de telefonia e a central de comutação. Além disso, a própria extensão das redes telefônicas convencionais irá assegurar, por muitos anos, a existência de considerável demanda de reposição de cabos metálicos. O presente trabalho, portanto, embora dedicado primordialmente às telecomunicações por meios ópticos, inclui uma apreciação sumária de segmentos de fios e cabos metálicos para telecomunicações. 2 - Caracterização Geral dos Produtos Fibras e Cabos Ópticos 3

4 4 As fibras ópticas constituem-se, basicamente, em fios de vidro de altíssima pureza e transparência, no interior dos quais trafegam ondas luminosas que permitem, através de codificação apropriada, a transmissão de informação. Como, de maneira geral, a capacidade de transmissão por meio de ondas eletromagnéticas é proporcional à freqüência da onda, a fibra óptica possibilita taxas de transmissão teóricas da ordem de 10 mil vezes superiores às das microondas. Além disso, por transportarem luz, e não eletricidade, as fibras são isentas de interferência eletromagnética com o ambiente. A transmissão de informação no interior das fibras ocorre sob a forma de pulsos de luz emitidos de forma intermitente, de tal modo que seja possível associar cada emissão - ou ausência de emissão - a uma unidade de informação (bit). A luz é transmitida através do núcleo da fibra, sendo impedida de escapar para o exterior pela reflexão na interface entre o núcleo e a camada externa ou casca da fibra, conforme a figura a seguir. Fibra Multimodo Fibra Monomodo É importante observar que as fibras ópticas proporcionam apenas um meio para o transporte de informação, fazendo parte de sistemas de comunicação que são preponderantemente eletrônicos, e não ópticos. Os equipamentos de emissão e de recepção, portanto, devem transformar a informação eletrônica em óptica, e viceversa. Esta característica das fibras ópticas tem conseqüências importantes no que se refere aos custos de implantação. Apesar das grandes vantagens mencionadas - às quais se acrescentam seu peso e volume menores - em relação aos meios de transmissão metálicos e ao espectro de rádio, as fibras ópticas só começaram a ser utilizadas na década de O principal motivo para a demora no desenvolvimento desta tecnologia foi a impossibilidade, até a introdução do laser em 1960, de se codificar a luz de forma apropriada, visando o transporte de informação. Assim, as primeiras fibras para 4

5 5 uso em telecomunicações foram produzidas em 1969 por pesquisadores da Nippon Sheet Glass e da Nippon Electric, baseando-se em trabalhos de laboratórios britânicos. O desenvolvimento posterior das fibras ópticas concentrou-se na modificação de determinadas propriedades ópticas das fibras, de modo a melhorar as condições de transmissão. As propriedades mais importantes, assim como suas modificações devidas ao desenvolvimento tecnológico, são relacionadas a seguir. Atenuação: constitui-se na propriedade mais importante dos meios de transmissão em geral, sendo particularmente relevante quando se trata de meios materiais, como no caso das fibras ópticas. A atenuação pode ser definida como a perda de potência do sinal com a distância, ou seja, se a atenuação for muito grande, o sinal chegará muito fraco ao receptor (ou repetidor), que não conseguirá captar a informação transmitida. As primeiras fibras produzidas industrialmente em pela Corning Glass Works (EUA) - apresentaram atenuação da ordem de 20 db/km, que é o valor máximo para viabilizar a transmissão. Para se ter uma idéia de como foram notáveis os avanços tecnológicos na transmissão óptica, basta dizer que hoje são comuns fibras com atenuação de 0,3 db/km, o que significa uma perda de potência cerca de vezes menor que 20 db/km 1. Dispersão modal: perda das características originais do sinal, sendo associada ao modo de propagação da luz nas fibras; é inexistente nas fibras monomodo. Dispersão cromática: deve-se ao fato de a luz ser composta por radiações de diversos comprimentos de onda de forma que, ao longo da transmissão, ocorrem diferenças na velocidade de propagação dos vários feixes de luz. Ao contrário da atenuação, a dispersão não altera a potência do sinal, mas prejudica a recepção do conteúdo de informação que se deseja transmitir. No que diz respeito às propriedades ópticas e suas aplicações, as fibras podem ser classificadas em dois grupos principais: multimodo e monomodo. Fibras multimodo: são utilizadas em aplicações nas quais a densidade de informações é baixa, e a distância a ser percorrida é pequena. De fato, tais fibras, embora apresentem desempenho inferior ao das monomodo, permitem, por sua própria natureza, o emprego de equipamentos terminais mais simples, o que reduz o custo global da instalação. 1 É importante observar que o limite teórico da atenuação, que é uma característica intrínseca de vidro, é da ordem de 0,18 db/km, o que significa que sob este aspecto, a tecnologia de transmissão óptica já alcançou a maturidade 5

6 6 Fibras monomodo: transmitem grandes taxas de informação a distâncias elevadas, mas exigem equipamentos mais complexos e mais caros. São adequadas, portanto, para redes telefônicas públicas, comunicação de dados, TV a cabo, etc., onde o custo dos equipamentos terminais é pouco expressivo em face do total do investimento necessário. O processo de fabricação das fibras ópticas compreende duas etapas principais, quais sejam: confecção de uma barra maciça de sílica 2, denominada pré-forma; e estiramento gradual da pré-forma, que vai constituir a fibra propriamente dita. No que se refere à confecção da pré-forma, esta pode ser produzida através de vários processos, que apresentam em comum a deposição de gases na superfície, interna ou externa, de barras de vidro. Estes gases são, de maneira geral, cloretos de silício e de elementos dopantes, tais como germânio, fósforo e boro, que ao se depositarem irão resultar numa barra com a concentração desejada de impurezas (dopantes). As propriedades ópticas da fibra serão determinadas nesta etapa, sendo função basicamente da natureza e concentração dos dopantes. O processo mais utilizado no mundo, para menores escalas de produção, é o denominado MCVD (Modified Chemical Vapor Deposition). Neste processo, uma mistura de oxigênio, tetracloreto de silício e cloretos de dopantes passa pelo interior de um tubo de quartzo. Através do aquecimento, por meio de um maçarico que se desloca longitudinalmente, verifica-se a oxidação dos cloretos, depositandose óxidos na parede interna do tubo. Uma vez terminada a deposição, o vazio central do tubo se fecha por tensão superficial, completando a pré-forma. O processo mais avançado é o VAD (Vapor Axial Deposition), que se baseia na deposição externa a partir de dois aplicadores ortogonais entre si, sendo o que mais se aproxima de um processo contínuo. Os gases provenientes de um dos aplicadores vão formar a casca, e os provenientes do outro, o núcleo. A etapa de estiramento é praticamente idêntica em todos os processos. Consiste no tracionamento da pré-forma, por meio de rolos, após aquecimento a alta temperatura para aumento da fluidez. Ao sair do forno de aquecimento, além disso, a fibra é recoberta por uma resina (acrilato), para protegê-la da abrasão e da umidade. As fibras são então enroladas em bobinas, podendo atingir comprimento da ordem de 60 a 80 km. 2 Pouquíssimas empresas detêm a tecnologia de confecção da barra maciça de sílica pura, entre as quais destacam-se a americana GE e a alemã Heraeus. 6

7 7 As fibras ópticas apresentam vulnerabilidade relativamente alta a solicitações mecânicas, o que exige que sejam protegidas através de revestimentos apropriados. Com este objetivo, as fibras são acondicinadas em tubos de plástico, cujo volume interno é preenchido por um gel, para maior proteção. Os cabos ópticos são formados pela reunião de vários destes tubos, contendo até 72 fibras, sendo as mais comuns de até 36 fibras. Os cabos ópticos eram utilizados, habitualmente, enterrados. Com o objetivo de redução de custos das obras civis, no entanto, foi desenvolvida a tecnologia OPGW (Optical Ground Wire), que consiste em utilizar um cabo óptico, revestido por cabos de alumínio trançados, que funciona como pára-raios de linhas de alta tensão. A única desvantagem deste sistema é a necessidade de se utilizar um ativo (o cabo pára-raios nas torres) das concessionárias de transmissão de energia elétrica Cabos Metálicos Até o advento das fibras ópticas, as comunicações à distância eram transmitidas de duas maneiras bastante distintas: a radiodifusão e através de condutores metálicos. O material utilizado, no último caso, é geralmente o cobre, por ser o metal que apresenta propriedades elétricas mais favoráveis. Os cabos metálicos podem ser classificados em duas categorias, que serão sumariamente descritas em seguida: cabos de pares trançados e cabos coaxiais. Cabo de pares trançados. O par trançado liga fisicamente o assinante individual de telefonia à central de comutação, sendo constituído por um par de fios metálicos. Cada fio encontra-se envolvido por material isolante, que pode ser papel ou plástico, assumindo cores universalmente padronizadas. Os pares procedentes de diversos assinantes de uma mesma área são, por sua vez, trançados em conjunto, até formar cabos de até 100 pares (grupos), os quais, depois de isolados, são acondicionados em tubulações de chumbo. Os cabos de maior capacidade podem conter mais de pares, e são normalmente formados por grupos de até 100 pares, que são igualmente isolados e acondicionados em chumbo. Cabos coaxiais. A transmissão de grande número de canais de telefonia a longas distâncias através de cabos de pares apresenta grande dificuldade de ordem prática. Assim, foram introduzidos, nas comunicações entre centrais, os cabos coaxiais. Tais cabos consistem em condutores de cobre, no interior dos quais trafega a informação contida nos canais de voz, codificada por técnicas apropriadas (multiplexação). 7

8 8 No que se refere aos sistemas de telefonia, o uso dos cabos coaxiais vem se tornando cada vez mais reduzido, em função das vantagens das fibras ópticas. No Brasil, por exemplo, desde 1988, não há entroncamentos entre grandes centrais de telecomunicações que não sejam ópticos. Não obstante, a principal aplicação do cabo coaxial, no momento, encontra-se em sistemas de televisão por assinatura, nos quais ainda não é economicamente viável efetuar ligações por fibra óptica até a residência do assinante, onde somente o custo da interface óptico-elétrica ficaria em torno de US$ 300 a 400 por assinante. 3 - Análise da viabilidade da substituição integral da rede de transmissão instalada por fibra óptica Antes de se avaliar o mercado para fibras e cabos ópticos, é conveniente examinar os condicionamentos técnicos e econômicos da eventual substituição da rede existente de cabos metálicos. Para evitar complicações desnecessárias, não será considerada a substituição de outros meios - tais como microondas - por fibras ópticas. Um par de cobre destina-se, nas redes telefônicas, à transmissão de um canal de voz, o que equivale, digitalmente, à taxa de transmissão de 64 kb/s. Assim, um cabo de pares (o de maior dimensão fabricado no Brasil) teria capacidade para transmitir 217,6 Mb/s. O custo do par para a concessionária de telefonia é de US$ 25/km, ou seja, aproximadamente US$ 85/m no caso do cabo de maior porte (3.400 pares). Para se efetuar a comparação com a fibra óptica, o procedimento correto é considerar não a capacidade intrínseca do meio óptico - a qual, como foi dito na Introdução, é praticamente ilimitada - e sim a do emissor do pulso luminoso. Este último, nos equipamentos mais modernos, tem capacidade de 2,5 Gb/s, o equivalente a 39 mil canais de voz. No que refere ao investimento, o custo da fibra contida num cabo óptico é da ordem de US$ 25/m. Um cabo que contenha uma única fibra, portanto, custa 10 vezes mais que um par de cobre, mas transporta 39 mil vezes mais informação, ou seja, apresenta relação custo benefício vezes superior. A transmissão óptica oferece ainda outras vantagens, relativamente aos meios eletrônicos convencionais, quando se trata de longas distâncias: as ondas luminosas não sofrem interferências de ondas do espectro radioelétrico, o que resulta em maior confiabilidade de transmissão; 8

9 9 o peso dos cabos ópticos é muito inferior ao dos metálicos, reduzindo assim o custo das instalações e montagens de suporte; a menor atenuação da transmissão óptica permite maior espaçamento entre amplificadores ao longo da linha 3 ; e há a possibilidade de grande ampliação da capacidade de transmissão com baixos custos incrementais. Pode-se concluir, portanto, que as comunicações ópticas são muito superiores às eletrônicas, em termos de custo benefício, quando estão envolvidas quantidades consideráveis de informação e distâncias expressivas. Na chamada rede de acesso (ligação entre os assinantes de telefonia e a central de comutação), porém, os pares de cobre ainda serão utilizados durante muito tempo, por dois motivos principais: o custo da interface entre o sistema óptico e o terminal telefônico - que continua eletrônico - ainda é muito elevado; e o custo de um canal de voz é 10 vezes maior na ligação óptica que através do par de cobre (ver acima). Na telefonia convencional, desta forma, a tendência predominante é, e deverá permanecer, a de utilizar-se meios ópticos para a rede de transporte (ligação entre centrais, interurbanas, etc.), e cabos e pares de cobre para a rede de acesso. Mesmo na televisão a cabo, na qual a quantidade de informação transmitida é muito maior que na telefonia, o usual é a existência de uma estrutura híbrida, ou seja, a fibra nos troncos e o cobre - cabos coaxiais, no caso - para ligação com o assinante. 4 - Setor de Fibras e Cabos Ópticos Mercado Mundial e Principais Fabricantes O mercado mundial de fibras ópticas é da ordem de 20 milhões de km/ano, tendo alcançado cerca de US$ 6 bilhões em Somente o mercado norte-americano representa quase a metade desse total, conforme nos mostra a Tabela 1 abaixo, que projeta crescimento médio do setor ao redor de 20% ao ano até No Brasil, os cabos ópticos terrestres da Embratel apresentam uma distância de 80 Km entre as repetidoras. 9

10 10 Tabela 1 MERCADO MUNDIAL DE FIBRAS ÓPTICAS Em US$ bilhões Regiões (*) Mercado Norte-americano 2,2 39% 4,8 33% Mercado Europeu (ocidental) 1,4 25% 3,8 26% Outros 2,1 36% 5,8 40% Mercado Global 5,7 100% 14,4 100% Fontes: ElectroniCast, KMI (Newport, RI) (*) Projeção O setor se estrutura de forma muito concentrada. De fato, apenas duas empresas detêm cerca de 80% do mercado norte-americano de fibras ópticas: a Corning Glass (líder mundial do setor) e a AT&T, com produção de 4 milhões km/ano e 2,5 milhões km/ano naquele país, respectivamente. Da mesma forma, a indústria japonesa, cuja produção atingiu 4 milhões km de fibras ópticas em , é dominada por três grandes produtores, que detêm 80% do mercado japonês, quais sejam, a Sumitomo Electric Industries Ltd. (líder com 32% de participação) seguida da Fujikura Ltd. e Furukawa Electric Co. Na Europa, com mercado da ordem de 3,5 milhões de km/ano de fibra, as empresas líderes são Pirelli e Alcatel. Em geral as empresas que produzem a fibra óptica também atuam no seu cabeamento final, muitas vezes através de associações, como é o caso da Siecor - joint-venture entre a americana Corning Glass e a alemã Siemens. A Siecor, conforme acordo dos dois principais acionistas, produz cabos ópticos nos EUA - onde a Corning é líder na produção de fibras ópticas - e produz fibra óptica na Europa - onde a Siemens atua na produção de cabos ópticos, de modo a não competir diretamente nos principais mercados dos seus acionistas. As parcerias tecnológicas são também usuais na indústria, uma vez que certos processos de produção são mais sensíveis a ganhos de escala. Além disso, algumas patentes ainda estão em vigor, como é o caso do processo japonês VAD (Vapor-phase Axial Deposition), de propriedade da Sumitomo, e do OVD (Outside Vapor Deposition), de propriedade da Corning. Ambos os processos se justificam a partir de produção superior a km/ano. O método MCVD (Modified Chemical Vapor Deposition), cuja patente - já vencida - pertencia ao Bell Labs da AT&T, representou em torno de 35% do volume produzido em 1994, enquanto os métodos VAD/ OVD representaram mais de 60% do volume total de fibra óptica produzido naquele ano 5. A Corning, cuja produção mundial de fibra óptica atinge cerca de 8 milhões de km/ano - 50% nos EUA e o restante produzido majoritariamente na Europa - tem, 4 Fonte: Nikkei weekly 5 Fonte: Pinhão, Caio (1996), p

11 11 por exemplo, associações com a italiana Pirelli na Fos (Itália), com a Siemens alemã via a já citada joint-venture, entre outras. A Pirelli - líder mundial na produção de cabos ópticos e terceira maior produtora de fibras ópticas, atrás das americanas Corning e da AT&T - concentra sua produção mundial de fibra óptica na Itália (em parceria tecnológica com a Corning, a produção da Fos é pelo método OVD); na Inglaterra (produção pelo método VAD, em associação tecnológica com a Sumitomo do Japão); nos EUA e no Brasil, onde está previsto expressivo incremento na produção local de fibra óptica, até então adquirida principalmente da Xtal e da Fos. A produção mundial da Pirelli está em torno de 4 milhões km/ ano de fibras ópticas. Em relação à distribuição do mercado de cabos ópticos por setores demandantes, o gráfico abaixo apresenta os dados referentes ao mercado americano, onde o principal demandante é o setor de comunicações (voz e dados) tendo representado 76% do total do mercado em 1993, parcela equivalente a US$ 988 milhões naquele ano. Gráfico 1: Distribuição do Mercado Americano de Cabos Ópticos (Valor de Mercado: US$ 1,3 bilhões) Militar e Aeroespacial 5% TV a cabo 9% Outros 10% Rede de Dados 19% Telecomunicações 57% Fonte: Fiber Optics and Communications (1994) em Pinhão C.(1996): Energia e Novas Matérias: O caso das Fibras Ópticas Mercado Nacional O mercado brasileiro de cabos em geral - incluindo cabos padronizados, cabos de energia, fios esmaltados, cabos em cobre e cabos ópticos para telecomunicações - representou US$ 1,1 bilhão em Deste total, os cabos para telecomunicações - em cobre e ópticos - representaram cerca de 30%. 11

12 12 O mercado de cabos ópticos no Brasil, que se constitui praticamente em monopsônio do Sistema Telebrás, totalizou US$ 120 milhões em 1995 e cerca de US$ 150 milhões em 1996, situando-se as projeções para 1997 em torno de US$ 200 milhões 6. Em termos físicos, a demanda doméstica representou 180 mil km de fibras ópticas contidas 7 em 1995 (sendo 13% em OPGW), gerando importações da ordem de 30 mil km de fibras e cabos com 20 mil km de fibras contidas (vide Tabela II). Para 1996, estimativas do Sistema Telebrás prevêem um crescimento físico do mercado de 122%, ou seja, estima-se uma demanda da ordem de 400 mil km de fibras ópticas encapsuladas. A demanda projetada para 1997 é de cerca de 800 mil Km de filbras contidas, a qual deverá ser atendida da seguinte forma: - Ocupação de capacidade ociosa. ( A ABC Xtal deverá produzir a plena capacidade, o que representa triplicar sua produção de 1995). - Expansão de capacidade produtiva ( a capacidade da Pirelli Cabos estará na faixa de 300 a 600 mil Km/ano ). - Surgimento de novos fabricantes, como a Tectelcom 8 e a japonesa Furukawa, devendo a capacidade desta última atingir de 300 a 500 mil Km de fibra. Apesar da expansão descrita acima, estima-se em 1997 um déficit de oferta da ordem de 100 mil Km de fibra, atendido por importações, e que deverá ser revertido em 1998 com a plena entrada em operação dos novos investimentos. As Tabelas II e III registram a situação atual e futura do mercado de fibras ópticas no Brasil. TABELA II DIVISÃO DO MERCADO DE FIBRAS ÓPTICAS NO BRASIL /1997 (milhares de km) Empresa (est.) 1997 (est.) Produção % Produção % Produção % ABC-XTAL PIRELLI CABOS A aquisição dos cabos ópticos representa cerca de 1/3 do total dos investimentos na rede de fibras ópticas. 7 A expressão fibras ópticas contidas refere-se à quantidade total de fibras já encapsuladas no cabo óptico, o qual contém usualmente de 2 a 36 fibras. No Brasil, a Embratel vem implantando nas suas principais rotas dois cabos ópticos com 24 fibras cada um. 12

13 13 FURUKAWA BRACEL SUBTOTAL IMPORTAÇÃO TOTAL Fonte: Empresas do Setor, Ministério das Comunicações, Telebrás. (est.) estimativa TABELA III DIVISÃO DO MERCADO DE CABOS ÓPTICOS NO BRASIL 1996/1997 (milhares de km) Empresa (est.) 1997 (est.) Produção % Produção % Produção % PIRELLI CABOS FURUKAWA FICAP OUTROS SUBTOTAL IMPORTAÇÃO TOTAL Fonte: Empresas do Setor, Ministério das Comunicações, Telebrás. (*) Em km de fibras ópticas. Os cabos mais utilizados têm desde 2 até 36 fibras. (est.) estimativa Devido à política de exclusividade de compras do Sistema Telebrás, vigente entre anos de 1984 e 1989, somente a ABC Xtal produzia fibra óptica no Brasil nesse período e os demais fabricantes atuavam na produção do cabo óptico. A partir do término da reserva de mercado, alguns fabricantes licenciaram a tecnologia do CPqD e começaram a produzir parte da fibra que anteriormente adquiriam da ABC Xtal, como é o caso da Pirelli Cabos e da Bracel. A Furukawa também detém a tecnologia do CPqD, todavia, ainda não iniciou sua produção de fibra óptica no país, prevista para iniciar em Todos os fabricantes mencionados com exceção da ABC Xtal ainda pagam royalties ao CPqD. Atualmente, os principais fabricantes de fibra óptica no Brasil - através do método MCVD - são a ABC Xtal, a Pirelli Cabos e a Bracel (Alcatel), respectivamente, com 65%, 27% e 8% da produção doméstica, que totalizou 130 mil km em A ABC Xtal somente produz a fibra óptica, enquanto as demais empresas também atuam no cabeamento óptico. Todos os três fabricantes detêm a tecnologia de 13

14 14 produção da pré-forma 8, tendo adquirido a tecnologia desenvolvida pelo CPqD da Telebrás 9. No que se refere aos fabricantes de cabos ópticos no Brasil, destacam-se a Pirelli Cabos, a Furukawa e a Ficap, que juntas responderam por 76% do mercado nacional de cabos ópticos em 1995, conforme os dados da Tabela II acima. Os preços médios 10 - que hoje a nível internacional são da ordem de US$ 0,10 por metro de fibra e aproximadamente US$ 6,00 por metro de um cabo óptico padrão com 24 fibras - deverão manter-se estáveis no curto prazo, em virtude do grande aquecimento da demanda. Posteriormente, entretanto, o aumento global da oferta, aliado ao progresso técnico, provávelmente ocasionará consideráveis reduções dos preços. O comportamento do mercado de cabos ópticos no Brasil pode ser verificado pela observação das Tabelas IV e V abaixo. TABELA IV DIVISÃO DO MERCADO DE CABOS ÓPTICOS NO BRASIL 1995/1997 (milhares de km) Empresa (est.) 1997 (est.) Produção % Produção % Produção % PIRELLI CABOS FURUKAWA FICAP OUTROS SUBTOTAL IMPORTAÇÃO Hoje a pré-forma tem alíquota zero de importação, o que vem estimulando alguns produtores a importarem a pré-forma e passarem direto para a etapa de estiramento do processo de fabricação. 9 Entre os principais programas desenvolvidos pelo CPqD, além das comunicações óticas incluindo fibras de vidro, equipamentos de transmissão e interfaces, destacam-se ainda (i) uma família de centrais telefônicas digitais Trópico; (ii) rádio e multiplexadores digitais; (iii) comutação de pacotes de dados e telex; (iv) estações terrestres de baixo custo para comunicação por satélite; (v) circuitos híbridos e circuitos integrados, em associação com o Laboratório de Microeletrônica da Escola Politécnica da USP; (vi) materiais para redes telefônicas externas, como cabos, resinas e periféricos. 10 Inclui fibras monomodo e multimodo. 14

15 15 TOTAL Fonte: Empresas do Setor, Ministério das Comunicações, Telebrás. (*) Em km de fibras ópticas. Os cabos mais utilizados têm desde 2 até 36 fibras. (est.) estimativa TABELA V PROJEÇÃO DO MERCADO BRASILEIRO DE CABOS ÓPTICOS /2000 (em milhares de km de fibras contida) ANO DIMENSÃO DO MERCADO Apoio do Sistema BNDES Os segmentos de fibras e cabos ópticos e de cabos metálicos não contaram, até o momento, com praticamente nenhum apoio do Sistema BNDES. De fato, a fabricação de fibras pela ABC-Xtal foi iniciada após a venda da participação da BNDESPAR na empresa. Assim, o único envolvimento do Sistema com o setor optoeletrônico consiste do apoio da BNDESPAR, no âmbito da CONTEC, à ASGA Microeletrônica, cujo montante é de aproximadamente 1 milhão de reais. 6 - Perspectivas Conforme observado no item 2, a tecnologia de produção de fibras ópticas já se aproxima da maturidade, no que diz respeito ao material propriamente dito. A situação dos sistemas de comunicação óptica, no entanto, é bastante diferente, como será visto nos comentários que se seguem sobre a evolução tecnológica futura destes sistemas. - Amplificação Óptica 15

16 16 A amplificação dos sinais ópticos, necessária devido à atenuação (ver item 2) é em geral efetuada eletronicamente, ou seja, o sinal óptico é convertido em eletrônico, amplificado e novamente convertido em óptico. Recentemente, entretanto, foi desenvolvida a amplificação inteiramente óptica, que proporciona considerável aumento na eficiência do sistema, e que já está sendo utilizado no campo. - Multiplexação A principal limitação à capacidade de transmissão de informação por meios ópticos deve-se não ao meio em si (fibra), mas ao emissor, que nos sistemas em operação não ultrapassa 2 GB/s, equivalentes a 30 mil canais de voz. Através de técnicas muito avançadas de multiplexação, ainda não inteiramente operacionais, seria possível transmitir a informação de até 100 emissores de 2 GB/s numa única fibra. - Comutação Óptica A culminância de um sistema de comunicação óptica seria a possibilidade de comutar informação de diversas origens de forma inteiramente óptica. Um sistema desta natureza plenamente desenvolvido teria capacidade muitíssimo superior à do sistemas atuais, tornando realidade, por exemplo, a anunciada auto-estrada da informação. É importante observar, porém, que embora já existam protótipos de comutadores ópticos, a viabilidade de uma rede totalmente óptica é controversa, sendo questionada por diversos especialistas. 16

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

SISTEMAS ÓPTICOS. Fabricação de Fibras Ópticas

SISTEMAS ÓPTICOS. Fabricação de Fibras Ópticas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Superior Tecnológico

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz,

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO AS FIBRAS ÓPTICAS 1.1 Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, através de uma experiência que consistia em injetar luz em um jato

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Física das redes de computadores

Física das redes de computadores Física das redes de computadores Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Professor: Benhur Borges Rodrigues Física aplicada a computação www.caractere13.com.br/fredes Site

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR ANDRADE RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE

Leia mais

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes:

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes: CABE DE REDE Existem basicamente 3 tipos diferentes de cabos de rede: os cabos de par trançado (que são, de longe, os mais comuns), os cabos de fibra óptica (usados principalmente em links de longa distância)

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Transmissão de Dados Digitais Comunicação em rede 1 Transmissão de dados Objetivo: transportar informação mesmo que fosse usado um meio de transporte clássico seria

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Por que fibras multimodo otimizadas para laser?

Por que fibras multimodo otimizadas para laser? CABEAMENTO ÓPTICO 36 RTI ABR 2007 Por que fibras multimodo otimizadas para laser? Merrion Edwards e Jean-Marie Fromenteau O desenvolvimento de redes industriais modernas e redes locais (LANs) gerou a exigência

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profº Alexsandro M. Carneiro alexsandro@ucdb.br Bacharelado em Sistemas de Informação AULA 06 Bacharelado em Sistemas de Informação UCBD SG - 2005 Tópicos Abordados Camada Física:

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7 Índice 1. Fibras ópticas...3 1.1 Vantagens das fibras ópticas... 3 1.2 Desvantagens das fibras ópticas... 3 1.3 Instalação... 4 1.4 Aplicações... 4 2.

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007 CEEE-GT COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES MANUTENÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS PORTO ALEGRE, 2007 Extensão da Rede Óptica Total de

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO DE VIDEO-PASSIVO 24.28 1 POSSIBILIDADES DE INSTALAR CÂMERAS A UMA DISTÂNCIA DE ATÉ 300 METROS (CVT-300M) OU DE ATÉ 500 METROS (CVT-500M) DO LOCAL DE MONITORAMENTO E SEM PROBLEMAS DE INTERFERÊNCIAS EXTERNAS

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Eletrônica IV Redes de Computadores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que é uma rede

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 1 do modelo OSI (continuação) 2 1 Camada 1 do modelo OSI Continuação 3 Sinais Analógicos e Digitais Os sinais são uma voltagem elétrica, um padrão de

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta Capítulo. FUNDAMENTOS E CONCEITOS BÁSICOS DAS FIBRAS ÓPTICAS. Propagação de Radiações Ópticas.. Definições Raio incidente: conforme observa-se na Fig.., a radiação que se aproxima da superfície S é o raio

Leia mais

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 201 2/2013 Física e Química A Bloco II (11ºano) Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 1. Suponha que um balão de observação está em

Leia mais

FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS DE TRASMISSÃO. CABEAMENTO DE FIBRA ÓTICA Monomodo

FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS DE TRASMISSÃO. CABEAMENTO DE FIBRA ÓTICA Monomodo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS

Leia mais

1. Meios de Transmissão

1. Meios de Transmissão 1. Meios de Transmissão Para transmitir um fluxo bruto de bits de uma máquina para outra vários meios físicos podem ser usados, cada um com suas características em termos de largura de banda, retardo,

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE TELECOMUNICAÇÔES Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Introdução às Sumário Evolução das telecomunicações Estrutura das redes Tipos

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais