Adolfo Cartaxo Instituto Superior Técnico. Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adolfo Cartaxo Instituto Superior Técnico. Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 1"

Transcrição

1 COMUNICAÇÕES ÓPTICAS Adolfo Cartaxo Instituto Superior Técnico Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 1

2 Comunicações Ópticas Constituem o suporte da transmissão da rede fixa. Comunicações em frequência muito elevada ( 193 THz), recorrendo a conversores electro-ópticos (lasers) e opto-eléctricos (PIN). A fibra óptica apresenta atenuações bastante reduzidas (~ 0.2 db/km) o que permite ligações com várias dezenas de quilómetros. Para ligações longas, é necessário usar repetidores (amplificadores ou regeneradores). Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 2

3 Suporte de transmissão da rede de cabos submarinos Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 3

4 Exemplo: SEA-ME-WE-3 É uma das maiores ligações mundiais (liga mais de 30 países, numa extensão de km). Tem dois pares de fibras, com uma capacidade por fibra de oito canais (multiplexagem por divisão no comprimento de onda - WDM) e em que cada canal transporta um sinal STM-16 ). Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 4

5 Espectro electromagnético e frequências ópticas Espectro óptico: 50 nm a 100 mm Primeira janela Segunda janela Terceira janela Ultravioleta Luz visível Infra-vermelho violeta vermelho n (THz) l (mm) Relação entre frequência óptica, n, e comprimento de onda, l: (c - velocidade da luz no vazio) n c l Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 5

6 Elementos de uma ligação por fibra óptica Sinal eléctrico de entrada Sinal eléctrico Sinal óptico Amplificador Óptico Circuito de Excitação Rabicho de fibra Emissor Fonte Óptica Regenerador Rabicho de fibra Regeneração eléctrica Conv. E/O Conv. O/E Receptor Pré-amplificador Conector Junta óptica Acoplador óptico ou divisor de feixe Para outros equipamentos Fotodetector Regeneração Fibra óptica Sinal eléctrico de saída A transmissão de informação realiza-se modulando a intensidade do campo (potência óptica) que se propaga na fibra óptica!!! Modulação de intensidade (IM - Intensity Modulation) + Detecção Directa (de potência) (DD - Direct detection) eléctrico Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 6

7 Atenuação específica da fibra, db/km Janelas de transmissão 1ª janela de transmissão Princípios da década de 70 l nominal: 850 nm ( nm) primeiros sistemas de comunicação óptica utilizaram estes baixos comprimentos de onda: usados nos sistemas a baixos Década de 80 2ª janela de transmissão 3ª janela de transmissão débitos e curta distância. l nominal: 1550 nm ( nm) l nominal: 1300 nm ( nm) Anos 90 São mais atractivos devido às melhores características de atenuação e dispersão: usados Comprimento de onda, nm nos sistemas a elevados débitos e longa distância. Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 7

8 Atenuação específica da fibra, db/km Banda disponível na fibra de sílica Fibra All Wave TM Comprimento de onda, mm Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 8

9 Conversão de largura de banda óptica em nm em largura de banda óptica em Hz Relação entre frequência óptica e comprimento de onda n c l Para dl<<l d n d d n l d l l d Largura de banda óptica, em l : Dl Largura de banda óptica, em n : Dn c 2 l D n c 2 l D l l1550 nm: Dl=1 nm Dn125 GHz Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 9 l1300 nm: Dl=1 nm Dn177 GHz

10 Estrutura da fibra óptica A fibra óptica é um guia dieléctrico cilíndrico constituído por dois materiais transparentes (vidro de elevada qualidade e/ou plástico) cada um com um índice de refracção diferente. Os dois materiais são dispostos de forma concêntrica de modo a formar um núcleo interior e uma bainha exterior. n 1 > n 2 Bainha (índice de refracção mais baixo, n 2 ) Luz Núcleo (índice de refracção mais elevado, n 1 ) Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 10 Revestimento de protecção Material constituinte: sílica (SiO 2 ) + dopantes (GeO 2, P 2 O 5, etc) As dimensões da fibra são identificadas por dois parâmetros: os diâmetros do núcleo e da bainha.

11 Atenuação específica da fibra, a, db/km Atenuação da fibra óptica Dispersão de Rayleigh Atenuação total Linhas de absorção do ião hidróxido, OH - A db al Absorção dos IV Atenuação na fibra dispersão de Rayleigh (devido a irregularidades a nível microscópico) proporcional 1/l 4 limite fundamental para baixas perdas na fibra. absorção dos infra-vermelhos impurezas, deformações e microcurvas. Adolfo Cartaxo Comprimento de onda, mm Sistemas de Comunicações 11

12 Outras origens de perdas - juntas e conectores - A fibra óptica está disponível em troços de comprimento da ordem de 1 km. Dois métodos de ligação destes troços de fibra cujo objectivo é transferir a maior potência de luz possível através da ligação juntas: ligações permanentes que consistem na fusão das duas extremidades da fibra: perdas médias entre 0.05 db e 0.1 db conectores: ligações sem carácter permanente; são utilizados nas ligações da fibra com o emissor e receptor ópticos para facilitar a sua substituição perdas de conectores de elevada qualidade para fibras monomodo 0.25 db Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 12

13 Conectores E2000 FC SC F3000 LC Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 13

14 Orçamento de potência de uma ligação óptica ponto-a-ponto (sem amplificação óptica) 2 conectores N j juntas Emissor Óptico P S A c Aj Troços de fibra A j Ac PR Receptor Óptico Potência óptica média acoplada à fibra L [km] L N t L i1 i Potência óptica média à entrada do receptor Atenuação da ligação (N t troços de fibra, N c conectores, N j juntas) N t A a L N A N A Orçamento de potência T i i j j c c i1 Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 14 P R P S A T

15 Distorção de sinal na transmissão por fibra óptica A propagação de luz através da fibra óptica "sofre" o efeito da dispersão distorção e alargamento dos impulsos transmitidos cria interferência inter-simbólica (IIS) determina a taxa de transmissão máxima que a fibra suporta Energia do símbolo dispersa para os símbolos adjacentes Potência óptica no receptor: formas de impulso irregulares, com IIS Bit 1 tempo Bit 0 Bit 1 Bit 0 Bit 1 Bit 0 Bit 1 Potência óptica no emissor: formas de impulso aproximadamente rectangulares, sem IIS Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 15

16 Dispersão intramodal (ou cromática) Diferentes comprimentos de onda têm diferentes velocidades de propagação D T Atraso relativo de propagação D l Dl S L D l ~ 1 ps/nm/km p/ fibra monomodo padrão l nm D l ~ 17 ps/nm/km p/ fibra monomodo padrão l nm D l : parâmetro de dispersão intramodal (dependente de l), ps/nm/km Dl S : largura espectral, a meia potência (em nm), do sinal injectado na fibra L: comprimento de fibra Estimativa da capacidade imposta pela dispersão DT 1 D b D b L 1 Dl DlS Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 16

17 Significado físico da dispersão e analogia (I) Dispersão nula (D l = 0) Componentes espectrais em diferentes comprimentos de onda têm a mesma velocidade de propagação Atraso de propagação Fibra óptica 0 t 0 t Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 17

18 Significado físico da dispersão e analogia (II) Dispersão positiva (D l > 0) Fibra óptica Componentes espectrais nos violetas propagam-se mais rapidamente que as nos vermelhos Atraso de propagação 0 t 0 t Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 18

19 Significado físico da dispersão e analogia (III) Dispersão negativa (D l < 0) Componentes espectrais nos vermelhos propagam-se mais rapidamente que as nos violetas Atraso de propagação Fibra óptica 0 t 0 t Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 19

20 Tipos de fibra Fibra de índice em degrau (multimodo) Índice de refracção Corte transversal Revestimento absorvente Baínha Núcleo Baínha Distância radial Índice de refracção Corte transversal Revestimento absorvente Fibra de índice em degrau (monomodo) Distância radial Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 20

21 Parâmetro de dispersão, D l, ps/nm/km Fibra padrão, SMF, G.652 Fibras monomodo Fibra de dispersão aplanada Fibra de dispersão deslocada, DSF, G.653 Características a 1550 nm SMF (G.652) dispersão elevada ~ 17 ps/nm/km limitações devidas à dispersão, a elevados débitos (Gbit/s) DSF (G.653) dispersão muito reduzida ~ 0 limitações devidas à dispersão reduzida e a efeitos não-lineares (mistura de quatro ondas) na fibra em sistemas WDM Fibra de dispersão deslocada e não-nula, NZDSF, G.655 Comprimento de onda l, mm NZDSF (G.655) Compromisso na dispersão ~ 4 ps/nm/km Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 21

22 Fontes ópticas Díodo emissor de luz - LED (Light Emitting Diode) - emissão espontânea de luz Dispositivos de semicondutor Díodo laser - LD (Laser Diode) - emissão estimulada de luz LASER = Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Propriedades das fontes ópticas (importantes para os sistemas de Comunicações) velocidade (largura de banda de modulação) comprimento de onda de emissão perdas de acoplamento custo e fiabilidade Potência óptica acoplada à fibra Largura espectral do sinal injectado na fibra Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 22

23 Intensidade óptica relativa Fontes ópticas - largura espectral sem modulação - As fontes de luz não são monocromáticas (não emitem um único comprimento de onda): emitem uma banda estreita de comprimentos de onda Dl F,LED Dl F,LD Largura espectral Largura, em comprimento de onda, Dl F, à qual a potência desce a metade do seu valor máximo (ponto a -3 db), FWHM (Full Width at Half Maximum) LED: Dl F ~ até 0.1l 0 LD: Dl F ~ nm Comprimento de onda, nm Potência óptica média acoplada à fibra, ps LED: mw LD: 1-10 mw Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 23

24 Foto de emissor óptico (DFB) Laser DFB Correntes dos circuitos de controlo de temperatura e de polarização do laser Pigtail Conector Corrente do sinal de dados (informação) Fibra óptica Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 24

25 Fontes ópticas - modulação directa - Aplica-se uma corrente variável (dependente da informação a transmitir) ao laser potência emitida pelo laser deverá ser imagem da corrente Nível não nulo de potência conduz a degradação de desempenho do sistema (margem de ruído é a diferença entre níveis!) Potência óptica à saída do laser, p o Característica estática i th i 0 i 1 tempo Corrente eléctrica, i p o,1 p o,0 Razão de extinção: r=p o,0 /p o,1 Razão de extinção (ITU-T): r ext =p o,1 /p o,0 =1/r Corrente de limiar Valor mínimo indicado pela rec. G.957 da ITU-T: R ext =8.2 db Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 25

26 Variação da intensidade de corrente eléctrica que excita o laser Fontes ópticas - modulação directa - Modulação da potência Variação da densidade de electrões (no interior do laser) Variação do comprimento de onda de emissão do laser (algumas décimas de nm) Chirp, por si só, não é problema para sistemas IM/DD (porquê?) Aliado à dispersão na fibra é factor limitativo de transmissão a elevados débitos (vários Gbit/s) Desvio de frequência (chirp) à saída do laser O sinal à saída do laser modulado directamente está modulado simultaneamente em intensidade e frequência Parâmetro do laser que controla a amplitude do chirp factor de enriquecimento da largura espectral, a c valor típico: a c =6 Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 26

27 Tensão normalizada à entrada do decisor Desvio de frequência (GHz) Tensão normalizada à entrada do decisor Ilustração da influência do chirp no desempenho do sistema D b =2.5Gbit/s Padrão de olho sem transmissão na fibra (ligação directa emissor-receptor) O fecho de olho com transmissão deve-se quase exclusivamente ao chirp Padrão de olho do chirp à saída do laser Padrão de olho com transmissão na fibra (D l L=4800ps/nm) Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 27

28 Emissor Óptico - modulação externa - Para evitar as limitações de transmissão impostas pelo chirp a elevados débitos (acima de vários Gbit/s) utiliza-se modulação externa do sinal óptico Corta sinal óptico por comando do sinal eléctrico Laser Modulador Óptico Para a fibra óptica Potência óptica contínua (sem modulação): Sinal Potência óptica modulada e com muito pouco chirp! Parâmetro equivalente de chirp do sinal à saída do modulador a c =0 ausência de chirp! eléctrico Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 28

29 Foto de um modulador externo - com uma entrada eléctrica (single-ended) - Entrada óptica Saída óptica Entrada eléctrica Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 29

30 Foto de um modulador externo - com duas entradas eléctricas (double-ended) - Entrada eléctrica Saída óptica Entrada óptica Entrada eléctrica Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 30

31 Estrutura do receptor óptico Fotodetector Pré-amplificador Igualador Amplificador principal e controlo automático de ganho (CAG) Amostragem, Decisão, Codificação Sinal óptico à entrada do receptor Fotodetectores Sinal eléctrico Específico dos receptores ópticos Front-end PIN (Positive-Intrinsic-Negative) APD (Avalanche Photo-Diode) CAG Díodos em Polarização inversa Circuito de extracção de relógio Semelhante ao utilizado em sistemas metálicos de transmissão digital O projecto do pré-amplificador eléctrico baseia-se num compromisso entre ruído e largura de banda: potência de ruído baixa largura de banda limitada igualação Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 31

32 Fotos de PINs PIN para 40 Gb/s PIN+Amplificador de transimpedância para 10 Gb/s Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 32

33 Caracterização do PIN PIN real 1 1 fotão Potência óptica incidente, p i Eficiência quântica (eficiência da conversão óptico-eléctrica) ritmo de geração de pares electrão - lacuna ritmo de fotões incidentes Respostividade (eficiência da conversão potência óptica - corrente eléctrica) i R A/W l p i ideal PIN 1 par electrão-lacuna Foto-corrente, i q l h n 1.24 l Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 33 R l q = carga do electrão = C h = constante de Planck = J s p i / q i hn mm

34 Ruído de fotodetecção Número de foto-electrões gerados no fotodetector num intervalo de tempo é uma grandeza aleatória Corrente gerada aos terminais do fotodetector apresenta componente aleatória - ruído quântico, i q (t) - sobreposta à componente média, R l p i i ( t) R p i ( t) l i q Potência de ruído dependente do nível de sinal (potência óptica incidente no fotodetector)!!! Ruído quântico é modelado p ( ) 1 por estatística gaussiana i hn Db Variância do ruído quântico (para uma potência incidente constante) e, n qr l pi Be, n Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 34 p B i 2 q potência largura 2 incidente constante de banda do receptor óptico de ruído

35 Ruído do circuito eléctrico do receptor (Ruído de origem térmica) Fotodetector Tensão de polarização Resistência de polarização, R b Esquema simplificado do Front-end Préamplificador i ( t) R p ( t) i ( t) Saída i n l ( t) i ( t) i ( t) q i c n Variância da corrente de ruído gerado pelos elementos resistivos e activos (transistores) do front-end: 2 4kT B c f n, e B e, n Rb f n,e = factor de ruído do pré-amplificador T = temperatura em K k B = constante de Boltzmann ( J/K) Potência equivalente de ruído (NEP) ( f ) Sc NEP W Hz R l ~ 1pW Hz Raiz da DEP do ruído de corrente de circuito ( ) A Hz Sc f ~ 1pA Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 35 Hz Densidade espectral de potência do ruído de circuito 4kT S f f c ( ) B 2 n, e A Hz R b

36 Estatística do sinal detectado (PIN) Transmissão binária Para receptores a PIN, sem pré-amplificação óptica, normalmente o ruído de circuito é dominante, 2 2 n c bit 0 bit 1 Estatística do sinal detectado, i(t) distribuição gaussiana, tanto para o bit 1 como para o bit 0 Média Variância I I R p 0 l i,0 1 l i,1 ( ( )) n c Sc f Be, n bit 0 ( ) 2 R p ( ) p p Nota: tanto a potência de ruído é proporcional à B e,n do receptor redução de B e,n distorção de sinal i,1 i,0 S f B 1 n c c e, n bit 1 potência incidente no PIN para potência incidente no PIN para o bit '1' o bit '0' solução Adolfo Cartaxo de compromisso: largura de banda eléctrica entre 0.5 e 0.7 do valor Sistemas do débito de Comunicações de transmissão 36

37 Avaliação da probabilidade de erro P e ( 0 1) p Pr( 1 0) p1 Pr 0 Símbolos equiprováveis (p 1 =p 0 =1/2) P e 1 2 Pr ( 0 1) Pr( 1 0) p 1 = probabilidade a priori de enviar o símbolo 1 p 0 = probabilidade a priori de enviar o símbolo 0 Pr(0 1) = prob. decidir pelo 0 tendo enviado o I 1 I D ) PrI i ( t ) I erfc 1 n D D Pr Pr(1 0) = prob. decidir pelo 1 tendo enviado o 0 ( 1 0) PrI i ( t ) 0 n D I D 1 2 I D I erfc erfc 2 ( x) 1 4 I 1 D D 0 Pe erfc erfc Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 37 x e t 2 dt I 1 4 I I

38 Parâmetro Q Aproximação Limiar de decisão Aproximação habitual I 1 I 1 Pr(0 1) = Pr(1 0) D I D I 0 0 Q Definição do parâmetro Q I1 1 I0 0 Q I D 0I1 1I Q 6, P e Q 7, P e Q 8, P e Para receptores a PIN (sem pré-amplificação óptica), o ruído independente de sinal é dominante, 1 0, I D =(I 1 + I 0 )/2 exp Q 1 erfc Q 2 2 Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 38 P e P e ( 2 ) Q 2 para Q 3 2

39 Sensibilidade de receptores a PIN r p Sensibilidade do receptor Potência óptica média mínima à entrada do receptor para a qual P e =10-9 Q=6 ou P e =10-12 Q=7 i p p i,0 i,1 pi, 1 pi,0 pi,1 1 r 2 2 Um receptor é mais sensível quando necessita de menor potência à sua entrada para garantir o mesmo desempenho!!! Receptores a PIN (sem pré-amplificação óptica) o ruído independente de sinal é dominante, 1 0, Rl pi,1 pi,0 Q 2 2 Sensibilidade do receptor a PIN Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 39 ( ) 2 1 r Q c 1 r Q Sc f Be, n 1 r pi Q Be, n NEP 1 r R 1 r R 1 r l p i l c i Be, n Be, n p A sensibilidade do receptor a PIN DIMINUI com a raiz quadrada do débito de transmissão D b D b

40 Valores de sensibilidade de receptores a PIN p i 1 r Q c 1 r R l 2 P e =10-12 Q=7, R l =1A/W, r=0, 4.5pA/Hz 1/2 D b =2.5Gbit/s B e,n =2.5 GHz sensibilidade = -28dBm (1.58mW) D b =10Gbit/s B e,n =10 GHz sensibilidade = -25dBm (3.15mW) 2 c A 2 2 q A 2 2 c A 2 2 q A Adolfo Cartaxo c q Sistemas c de Comunicações q 40

41 Penalidade de potência Sensibilidade em condições ideais de funcionamento p i ideal... por exemplo, sem distorção Sensibilidade em condições reais de funcionamento p i real p i ideal... por exemplo, com distorção Acréscimo de potência por não se estar nas condições ideais de funcionamento: penalidade de potência indica quanto mais potência se tem de ter à entrada do receptor para garantir a mesma probabilidade de erro Penalidade de potência, em db i real DPi 10log db 10 p Adolfo Cartaxo i ideal Sistemas de Comunicações 41 p

42 Projecto de uma ligação óptica ponto-a-ponto (sem amplificação óptica de linha) Realizado em duas etapas 1. Atribui-se um valor à penalidade devida à transmissão (resultante da distorção) de 1 a 2 db (habitualmente 2 db) e projecta-se a ligação de modo que apresente uma penalidade que não exceda aquele valor: Projecto facilitado porque se separam dois efeitos ( ) db 2 db DP D L O devido à distorção resultante da transmissão (primeira etapa) O devido às perdas e níveis de potência no emissor e requerido no receptor para uma dada qualidade. NOTA: Com a primeira etapa assegura-se que as distorções do sinal que chega ao receptor não são elevadas, possibilitando que o circuito de recuperação de relógio consiga extrair um relógio com boa qualidade i l 2. Assegura-se que o nível de potência à entrada do receptor é suficiente para garantir a qualidade mínima requerida: P P A P R S T i Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 42?

43 Margem de funcionamento de uma ligação óptica ponto-a-ponto (sem amplificação óptica de linha) 2 Conectores n Juntas Emissor Óptico Receptor Óptico P S A c Aj Troços de fibra A j Ac Pi L [km] Margem de funcionamento da ligação f db S T i i P R ( ) M P A P DP D L 2 db l A T Potência requerida para uma dada qualidade: obtida em costas-com-costas (não contabiliza a penalidade devida à dispersão) Deve suportar margem de segurança do sistema (devido a perdas inesperadas), M s 3dB e margens para outros fins (envelhecimento e variações com a temperatura) Margem mínima de funcionamento: 6 db Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 43

44 Escala de potência (em unidades logarítmicas) Ilustração da margem de funcionamento em ligações sem amplificação óptica de linha Potência acoplada Perdas devidas à transmissão, à fibra, P S A margem de funcionamento foi definida sobre o nível de potência da ligação A T Potência à entrada do receptor, P R Margem de funcionamento, M f db Penalidade devida à transmissão (dispersão), Sensibilidade do receptor, P i ( ) DP D L Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 44 i l

45 Projecto de ligações multi-secção com regeneradores No caso das secções de regeneração apresentarem desempenho diferente Nsec Nsec Pe, tot P e, k Pe, k 1 k1 k1 N P sec ek, número de secções de regeneração probabilidade de erro de símbolo binário na k-ésima secção Para garantir que a probabilidade de erro de símbolo binário seja inferior a um valor previamente especificado P P ( esp) e, tot e, tot há inúmeras possibilidades de escolha das probabilidades de erro para cada secção Estratégia adoptada Repartir a prob. erro total especificada de modo proporcional ao comprimento de cada secção P L P ( esp) k ( esp) e, k N sec e, tot k1 Lk Lk k comprimento da -ésima secção Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 45

46 Instantes de amostragem Regeneradores Nível de decisão Amplificador repete o sinal (+ ruído) de entrada na saída, amplificando-o Regenerador regenera o sinal de entrada realizando 3 funções (3R) Reshaping (Re-formatação) iguala e amplifica Decisão e formatação dos impulsos Retiming (Re-temporização) cria o sinal de relógio a partir do sinal recebido e usa-o para amostrar o sinal Gerador de impulsos Regeneration (Regeneração) decide e codifica Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 46

47 Amplitude de sinal (unidades arbitrárias) Amplitude de sinal (unidades arbitrárias) Re-formatação Amplitude de sinal (unidades arbitrárias) Amplitude de sinal (unidades arbitrárias) Funções dos regeneradores 3R Amplificação Tempo / período de bit Tempo / período de bit Igualação Tempo / período de bit Retemporização e Regeneração Tempo / período de bit Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 47

48 Estrutura de regenerador de rede SDH Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 48

49 Utilização de amplificação-óptica Para obviar a limitação de Dispersão Atenuação Redução da dispersão da fibra (fibra de menor dispersão) Utilização de técnicas de compensação de dispersão Utilização de amplificação óptica (EDFA - amplificador de fibra dopada com érbio) Pós- -amplificador Amplificadores de linha Pré- -amplificador Emissor Óptico Receptor Óptico Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 49

50 Amplificador de fibra dopada com érbio - EDFA Permite amplificar directamente o sinal no domínio óptico, sem necessidade de recorrer a conversões electro-ópticas + - Transparente ao débito binário e ao formato de modulação Ganho elevado Só funciona na terceira janela Ganho dependente do comprimento de onda Larguras de banda elevadas (permite a amplificação de vários canais em simultâneo) Perdas de acoplamento baixas Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 50

51 Multiplexador de comprimento de onda Desmultiplexador de comprimento de onda Princípio básico de funcionamento da WDM 1 fibra óptica l 1, l 2,...,l N l 1, l 2,...,l N Pós-amplificador Amplificador de linha Pré-amplificador Combinador de comprimentos de onda Secção Separador de comprimentos de onda Fontes ópticas de reduzida largura espectral Desafio: baixas perdas de inserção Desafio: elevada selectividade no domínio óptico para evitar diafonia Receptores ópticos individuais um por canal (comprimento de onda) = PIN + receptor eléctrico Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 51

52 ... para os receptores ópticos individuais Canais modulados Princípio básico de funcionamento do desmultiplexador de WDM Resposta na frequência do filtro óptico Desmultiplexador de comprimento de onda Filtro óptico l 3 l 1 l 1 Exemplo de diafonia no canal 3 Largura de banda a -3 db da banda de passagem do Mux e Demux: B -3 db =2D b,c +2Δν c /5 D b,c = débito binário de transmissão por canal Δν c = espaçamento entre canais... do pré-amplificador óptico Divisor de potência óptica Filtro óptico l 2 Filtro óptico l 3 Filtro óptico l 4 Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 52 l 2 largura de banda deve-se à largura de banda do sinal de informação + deriva da frequência de emissão l 4 Interferência dos canais 1, 2 e 4 no canal 3 (crosstalk)

53 Foto de Mux / Demux óptico Entrada / Saída comum Entrada / Saída individual Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 53

54 Atenuação específica da fibra, a, db/km Grelha de frequências da ITU-T Rec. G.692 da ITU-T: 100 GHz (0.8 nm) de espaçamento (na frequência) entre canais; grelha ancorada em THz ( nm) Segunda janela ~ nm Terceira janela ~ nm De nm a nm Espaçamentos alternativos 25 GHz (0.2 nm) 50 GHz (0.4 nm) 200 GHz (1.6 nm) Banda disponível: ~ 30 nm ~ 38 canais (espaçados de 0.8 nm) Adolfo Cartaxo Comprimento de onda, nm Sistemas de Comunicações 54

55 Ganho do amplificador, db Bandas da 3ª janela Banda C (Convencional) Banda L (l Longos) ~ nm Largura de banda: ~35nm ~ nm Largura de banda: ~60nm Banda total disponível: ~ 95 nm ~ 118 canais (espaçados de 0.8 nm) Comprimento de onda, nm Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 55

56 Rede de Comunicações Óptica Adolfo Cartaxo Sistemas de Comunicações 56

Evolução dos sistemas de comunicação óptica

Evolução dos sistemas de comunicação óptica Evolução dos sistemas comunicação óptica 960 - Realização do primeiro laser; 966 - Proposta para usar as fibras ópticas em telecomunicações (Kao); 970 - Fabrico da primeira fibra óptica sílica dopada (0

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

Fontes Ópticas - Tipos e principais características -

Fontes Ópticas - Tipos e principais características - Fontes Ópticas Tipos e principais características As principais fontes ópticas utilizadas em comunicações ópticas são o LED (light emitting diode) e o LD (Laser diode que funciona segundo o princípio LASER

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera José Roberto B. Gimenez Roteiro da Apresentação Tecnologia DWDM A rede Kyatera SC09 Bandwidth Challenge Conclusão Formas de Multiplexação em FO TDM Time Division

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Meios de transmissão Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Princípios básicos de transmissão 1 Sumário Princípios básicos de transmissão Pares de fios Cabo coaxial

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

Introdução a Fibras Ópticas 2/24

Introdução a Fibras Ópticas 2/24 Introdução a Fibras Ópticas Waleska Barbosa Paes de Barros waleska@cbpf.br Marcelo Portes de Albuquerque marcelo@cbpf.br Márcio Portes de Albuquerque mpa@cbpf.br RESUMO Esta nota técnica tem como objetivo

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

APOSTILA de COMUNICAÇÕES ÓPTICAS

APOSTILA de COMUNICAÇÕES ÓPTICAS Volume 1 Série Telecomunicações Vol 1 APOSTILA de COMUNICAÇÕES ÓPTICAS Prof. Dr. Jorge Guedes Silveira/Depto de Eng. Eletrica (Delet) / Escola de Engenharia / UFRGS Prof. MSc. Ricardo Balbinot/ Eng. Eletrica

Leia mais

Características de transmissão: dispersão

Características de transmissão: dispersão Comunicações Ópticas em fibras ópticas 007-008 MIEEC EEC038 Henrique Salgado hsalgado@fe.up.pt Características de transmissão: dispersão induz interferência intersimbólica em fibras ópticas Alargamento

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

2 Medição da taxa de bits errados (BER)

2 Medição da taxa de bits errados (BER) Medição da taxa de bits errados (BER) Este capítulo tem como objetivo destacar a importância da medição da BER, descrever as principais fontes causadoras de erro e caracterizar as técnicas de medição para

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

6 Meios de Transmissão

6 Meios de Transmissão Telecomunicações e Redes de Computadores 6 Meios de Transmissão Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Secção de Telecomunicações Objectivos Meios de transmissão Guiados Não guiados Limitações dos meios

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

6 Meios de Transmissão

6 Meios de Transmissão Telecomunicações e Redes de Computadores 6 Meios de Transmissão Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Secção de Telecomunicações Objectivos Meios de transmissão Guiados Não guiados Limitações dos meios

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 004 / 05 Eercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA Ondas (EE) Eercícios TP Índice ÍNDICE I DERIVADAS E INTEGRAIS

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR ANDRADE RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s 1 André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Demanda por Banda de Transmissão: 100 Gb/s é Suficiente? Demanda por Banda de Transmissão:

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Um sistema de transmissão por fibras ópticas é constituído por: um transmissor óptico, um receptor óptico e um cabo de fibra óptico.

Um sistema de transmissão por fibras ópticas é constituído por: um transmissor óptico, um receptor óptico e um cabo de fibra óptico. SISTEMA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO ÓPTICO Um sistema de transmissão por fibras ópticas é constituído por: um transmissor óptico, um receptor óptico e um cabo de fibra óptico. 1. Transmissor Óptico: É utilizado

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte:

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: RUÍDOS São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: Ruído externo: quando a fonte é externa ao sistema de telecomunicações

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz,

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO AS FIBRAS ÓPTICAS 1.1 Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, através de uma experiência que consistia em injetar luz em um jato

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

Características do sinal de voz

Características do sinal de voz Características do sinal de voz Análise na freuência: a voz apresenta um conteúdo espectral ue vai de 0 Hz a 0 khz; os sons vozeados ou nasais (e.g. vogais e algumas consoantes j, l, m) apresentam um espectro

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica. Comunicações Ópticas. Antonio José Martins Soares

Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica. Comunicações Ópticas. Antonio José Martins Soares Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Comunicações Ópticas Antonio José Martins Soares Setembro/2005 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. Redes de comunicação...2

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto 3.33 Perdas de transmissão e Decibéis Além de distorção de sinal, um sistema de transmissão também reduz o nível de potência ou vigor do sinal de saída. Esta redução no vigor do sinal é expresso em termos

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Electrónica (LEE) Licenciatura em Eng. a de Redes de Comunicações (LERC) Sistemas de Comunicações

Licenciatura em Eng.ª Electrónica (LEE) Licenciatura em Eng. a de Redes de Comunicações (LERC) Sistemas de Comunicações Licenciatura em Eng.ª Electrónica (LEE) Licenciatura em Eng. a de Redes de Comunicações (LERC) Sistemas de Comunicações Informações gerais A disciplina Sistemas de Comunicações faz parte dos curriculae

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Imersos na mecânica quântica

Imersos na mecânica quântica Imersos na mecânica quântica João Carvalho LIP e Departamento de Física da Universidade de Coimbra S.Tomé, 04 de Setembro de 2009 Motivação A mecânica quântica (e a física do séc.xx em geral) está por

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

Características de Transmissão: Atenuação e Dispersão

Características de Transmissão: Atenuação e Dispersão Características de Transmissão: Atenuação e Dispersão Os principais factores que determinam o desempenho da fibra óptica como meio de transmissão são: Atenuação Dispersão A atenuação do sinal (também designada

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO E MEIOS ÓPTICOS

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO E MEIOS ÓPTICOS SISTEMAS DE TRANSMISSÃO E MEIOS ÓPTICOS Prefácio...3 Introdução...4 1.1 - Ponto-a-ponto...6 1.2 - Redes de Acesso...6 1.3 - Categorias de caminhos ópticos...6 Capítulo 2 - WDM...9 2.1 - Amplificadores

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Exame de Amador de Radiocomunicações

Exame de Amador de Radiocomunicações Exame de Amador de Radiocomunicações Categoria 1 1. O que acontece normalmente às ondas de rádio com frequências inferiores à frequência máxima utilizável (MUF) que são enviadas para a ionosfera? 1. São

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Faculdade de Engenharia. Fibras Ópticas. OpE - MIB 2007/2008

Faculdade de Engenharia. Fibras Ópticas. OpE - MIB 2007/2008 Fibras Ópticas OpE - MIB 2007/2008 1 Perspectiva histórica A luz tem sido usada em sistemas de comunicação em linha de vista desde a Antiguidade Avanços importantes para este tipo de sistemas ocorreram

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas

Sistemas de Comunicações Ópticas Sistemas de Comunicações Ópticas Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz. 1880 : Alexander Graham Bell, patenteou o fotofone, que possibilitou a primeira

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Geração e Amplificação em Sistemas de Fibra Óptica

Geração e Amplificação em Sistemas de Fibra Óptica Geração e Amplificação em Sistemas de Fibra Óptica Miguel Antunes da Silva Alves Luís Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Júri Presidente: Prof. Doutor

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Capítulo 2 Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Leia mais

2. Fibras Ópticas. 2.1 Introdução

2. Fibras Ópticas. 2.1 Introdução Fibras Ópticas 3. Fibras Ópticas.1 Introdução A fibra óptica é um dos componentes fundamentais de qualquer sistema ou rede óptica, pois é através dela que a informação é transmitida à distância. Com o

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais