TÉCNICAS DE LEITURA PARA SENSORES A FIBRA ÓPTICA BASEADOS EM REDES DE BRAGG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DE LEITURA PARA SENSORES A FIBRA ÓPTICA BASEADOS EM REDES DE BRAGG"

Transcrição

1 TÉCNICAS DE LEITURA PARA SENSORES A FIBRA ÓPTICA BASEADOS EM REDES DE BRAGG Luiz C. Guedes Valente Luiz C. N. da Silva Alexandre S. Ribeiro Adriana Triques Rogério D. Regazzi Arthur M. B. Braga PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Trabalho apresentado na 6 a Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos, Salvador, agosto de 2002 As informações e opniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores.

2 SINÓPSE A tecnologia de sensores a fibra óptica vem se desenvolvendo rapidamente nos últimos anos. Acompanhando o significativo crescimento da indústria de fotônica, que tem resultado na oferta de componentes optoeletrônicos a preços cada vez mais acessíveis, estes sensores têm encontrando mercados em sistemas de medida das mais diversas grandezas físicas, químicas e biológicas. Dentre as várias classes de sensores a fibra óptica, aqueles baseados em redes de Bragg hoje se destacam como uma excelente opção para aplicações onde sistemas de sensoriamento mais tradicionais têm se mostrado ineficientes. Nesta contribuição são discutidas as principais técnicas de leitura de sensores a rede de Bragg aplicados a medidas de temperatura e deformação, enfatizando-se parâmetros como a capacidade de multiplexação, faixa de freqüência de aplicação e custo. Em particular, são apresentadas com maior detalhe as técnicas ora em desenvolvimento no Laboratório de Transdutores da PUC-Rio, que já permitem, a um custo baixo, a realização de leituras multiplexadas (16 canais) de deformação com exatidão de 0,03% do fundo de escala, numa faixa dinâmica de 6000 µm/m, e em banda de freqüência de até 200 Hz. Discute-se também alguns aperfeiçoamentos em curso e resultados preliminares de medições com equipamentos comerciais de reflectometria óptica no domínio do tempo, que podem permitir a interrogação estática de centenas de sensores em uma mesma fibra óptica com excelente precisão, grande resolução espacial e a custos uma ordem de grandeza inferiores aos de outras técnicas disponíveis no mercado.

3 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento das telecomunicações ópticas teve seu início na década de 1970 quando fibras com atenuação suficientemente baixa para permitir a propagação da luz a distâncias superiores a 1 km começaram a ser produzidas. Desde então grandes avanços foram alcançados e as dimensões deste mercado vêm crescendo forma ininterrupta. Hoje pode-se dizer que o mundo está totalmente ligado por fibras ópticas que cruzam os oceanos conduzindo informações a taxas superiores a 10 giga bits por segundo. Junto com fibras de altíssima qualidade, fontes luminosas, fotodetetores, acopladores ópticos, ferramentas e equipamentos especiais foram desenvolvidos e estão hoje disponíveis comercialmente a preços acessíveis. Desde o início das atividades de pesquisa voltadas para o setor de telecomunicações, esforços paralelos têm sido conduzidos por diversos grupos visando o desenvolvimento de técnicas de medição utilizando fibras ópticas. Os principais motivos para tal são algumas características inerentes às fibras ópticas como, baixo peso, flexibilidade, longa distância de transmissão, baixa reatividade do material, isolamento elétrico e imunidade eletromagnética. Além destas existe, em muitos casos, a possibilidade de se multiplexar os sinais de vários sensores, inclusive de grandezas diferentes, e até mesmo a possibilidade se realizar medidas continuamente distribuídas ao longo da fibra sensora. Hoje, num mercado cujo tamanho estimado em 1994 era de US$ 920 milhões e com um crescimento projetado para cerca de US$ 5 bilhões em 2010 [1-3], é possível encontrar sensores e transdutores baseados em fibras ópticas capazes de medir as mais variadas grandezas físicas, químicas e mesmo biológicas [1-7]. A fatia ocupada por sensores a fibra óptica no mercado mundial de sensores é ainda pequena, tendo sido estimada em cerca de 2% em 1997 [2]. Entretanto, o aumento desta ainda pequena fatia tem sido impulsionado pelo fenomenal crescimento da indústria de Fotônica, e beneficiado pela queda nos preços de componentes optoeletrônicos largamente empregados no setor de Telecomunicações. Por exemplo, o metro de fibras ópticas monomodo, que custava aproximadamente US$ 20 em 1979, é hoje vendido no mercado por menos de dez centavos de dolar americano. Do mesmo modo, outros componentes optoeletrônicos que integram sistemas de medição a fibra óptica têm hoje preços muito mais acessíveis que os de vinte anos atrás. Este é o caso de diodos laser, que custavam cerca de US$ 3 mil em 1979 e que hoje têm maior durabilidade e confiabilidade, podendo ser comprados, em grandes quantidades, por poucas dezenas de dólares americanos. Se hoje sensores a fibra óptica são ainda pouco mais caros que os seus concorrentes convencionais, eles por outro lado apresentam inúmeras vantagens que torna sua utilização atrativa para algumas aplicações onde tecnologias mais tradicionais têm se mostrado ineficientes. De fato, é nos setores aeroespacial, de infraestrutura e de petróleo que a utilização de sensores a fibra óptica para o monitoramento de diferentes grandezas têm apresentado o maior potencial de crescimento. As vantagens para aplicações na indústria aeroespacial, principalmente na monitoração da integridade estrutural de componentes e partes de aeronaves, estão associadas ao baixo peso, capacidade de multiplexação, e imunidade eletromagnética dos sensores a fibra óptica [8-9]. No setor de infraestrutura, o sensoriamento a fibra óptica têm se mostrado particularmente interessante não só pela facilidade de inserção de um grande número de sensores em concreto e outros materiais estruturais, mas também

4 pela possibilidade de se realizar o monitoramento de deformações e de outras variáveis em grandes estruturas a distâncias que, tanto do ponto de vista técnico quanto econômico, seriam impraticáveis empregando-se soluções convencionais [10-12]. Já na produção de petróelo, a principal vantagem competitiva dos sensores a fibra óptica reside na sua capacidade de operação em altas temperaturas, podendo portanto ser utilizados na monitoração de diferentes parâmetros dentro do poço, tornando praticável o conceito de completação inteligente [13-17]. Ainda na indústria de petróleo, outras aplicações potenciais podem ser encontradas na detecção de vazamentos de petróleo e derivados [18-19] e no monitoramento da integridade estrutural de linhas de produção submarinas [20]. Quanto ao princípio de operação, sensores a fibra óptica são sensores ópticos que utilizam fibras como meio de conexão para a luz entre o mensurando e a região de leitura. Pode-se dividi-los entre extrínsecos e intrínsecos. Na primeira categoria estão aqueles em que a fibra serve simplesmente para guiar a luz e o efeito óptico a ser medido ocorre fora da fibra. No segundo caso, a fibra serve também como meio onde ocorre o acoplamento entre o mensurando e a luz, o que torna os sensores intrínsecos mais interessante do ponto de vista mecânico. Os sensores podem também ser divididos quanto ao tipo de efeito óptico a ser medido, podendo ser uma alteração na intensidade, na polarização, no espectro ou na fase da onda luminosa. Dentre as várias classes de sensores a fibra óptica intrínsecos, aqueles baseados em redes de Bragg hoje se destacam como uma excelente opção entre as demais tecnologias disponíveis. Neste artigo são discutidas as principais técnicas de leitura de sensores a rede de Bragg aplicados a medidas de temperatura e deformação, enfatizando parâmetros como a capacidade de multiplexação, faixa de freqüência de aplicação e custo. Em particular, são apresentadas com maior detalhe as técnicas ora em desenvolvimento no Laboratório de Transdutores da PUC-Rio, que já permitem, a um custo baixo, a realização de leituras multiplexadas (16 canais) de deformação com exatidão de 0,03% do fundo de escala, numa faixa dinâmica de 6000 µm/m, e em banda de freqüência de até 200 Hz. Discute-se também alguns aperfeiçoamentos em curso e resultados preliminares de medições com equipamentos comerciais de reflectometria óptica no domínio do tempo, que podem permitir a interrogação estática de centenas de sensores em uma mesma fibra óptica com excelente precisão, grande resolução espacial e a custos uma ordem de grandeza inferiores aos de outras técnicas disponíveis no mercado. 2. REDES DE BRAGG EM FIBRAS ÓPTICAS Desde o início da década de 1990 um novo componente óptico tem se tornando cada dia mais importante tanto para a indústria de telecomunicações quanto para aplicações na área de sensores. Este componente, chamado de rede de Bragg ou grade de Bragg [21], nada mais é que um filtro óptico reflexivo com altíssima seletividade espectral. Sua construção se baseia em gerar uma modulação periódica no índice de refração do núcleo da fibra, esta estrutura reflete de forma eficiente o comprimento de onda λ B que satisfaz a condição de Bragg em primeira ordem para incidência normal, ou seja λ B = 2nΛ (1)

5 onde Λ é período espacial da modulação do índice e n o índice de refração da fibra. A Fig. 1 apresenta uma representação esquemática de uma rede Bragg em Fibra e os espectros da luz transmitida e refletida por ela. A Fig. 2 apresenta um espectro óptico típico refletido por uma rede de Bragg fabricada no Laboratório de Transdutores da PUC-Rio. Potência Comprimento de Onda Fibra Óptica Potência λ b Λ λ B = 2 n Λ Potência Comprimento de Onda Figura 1. Rede de Bragg e os espectros de transmissão e refelxão. Figura 2. Espectro óptico típico refletido por uma rede de Bragg. A capacidade de sensoriamento de redes de Bragg está relacionada ao fato de que λ B pode ser alterado por esforços mecânicos que modificam a periodicidade da estrutura, Λ, ou através de temperatura que modifica o índice de refração n. Estas dependências podem ser resumidas, de forma linear aproximada, na expressão λ B / λ B = 9 x 10-6 T + 0,78 ε (2) onde T é a variação de temperatura em o C e ε representa a deformação em m/m. As constantes numéricas são características do material que compõe a fibra. A constante térmica pode apresentar variações entre fibras. O grande atrativo para o uso das redes de Bragg como sensores se deve ao fato da informação estar contida no espectro, o que significa uma medida absoluta e fácil de ser multiplexada. Resulta da equação (2) a verificação de que, para os comprimentos de onda comumente utilizados em telecomunicações (1300 e 1550 nm), a medida de λ B deve ser realizada com exatidão da ordem de 1 pm para que se possa medir 1 µm/m de deformação ou 0,1 o C de

6 temperatura. Embora esta possa parecer uma tarefa extremamente difícil, existem, como será apresentado a seguir, diversas formas de se alcançar este objetivo. 3. TÉCNICAS DE LEITURA PARA SENSORES A REDE DE BRAGG Diferentes procedimentos podem ser empregados para a medida de deformações ou variações de temperatura a partir das modificações induzidas no espectro óptico de reflexão de redes de Bragg. A escolha não é óbvia e depende fundamentalmente da aplicação a que se destina, devendo-se em cada caso considerar as bandas de freqüência envolvidas, o número de sensores interrogados, sua distribuição espacial, a faixa dinâmica de deformações ou temperaturas a serem medidas, limitações de espaço e peso do sistema de medição e, é claro, o custo Técnicas Baseadas em Filtros de Banda Ajustável Algumas das técnicas mais utilizadas para leitura de sensores a rede de Bragg são aquelas que utilizam filtros de banda ajustável para a varredura do espectro óptico. Neste contexto enquadra-se aquela que é, sem dúvida, a técnica mais simples, consistindo na leitura direta através de um Analisador de Espectro Óptico (OSA do inglês Optical Spectrum Analyzer). O diagrama da Fig. 3 ilustra a montagem do circuito óptico quando um OSA é empregado. Pode-se obter uma exatidão da ordem de 3 pm na leitura do espectro, correspondente a deformações próximas de 3 µm/m ou variações de temperatura de 0,3 o C. OSA Sensores Sensores LED Figura 3. Circuito óptico para leitura com um Analisador de Espectro Óptico (OSA). A faixa dinâmica na medida de deformações com OSAs comerciais é limitada de acordo com o número de sensores interrogados. Utilizando-se dois LEDs nos comprimentos de onda típicos de 1300 nm e 1550 nm, a relação entre a faixa dinâmica, ε, e o número de sensores, N, pode ser estimada através da relação: ε = 10 5 / N (em µm/m) (3) Assim, por exemplo, para a leitura de 100 sensores utilizando-se um OSA comercial, a faixa dinâmica estimada para cada ponto de medida é da ordem de µm/m. A principal vantagem no emprego de um OSA de uso geral é a simplicidade e rapidez na montagem do sistema de medidas. Deve-se pesar entretanto, o custo elevado do equipamento e a lentidão com que a varredura do espectro óptico é realizada, tipicamente uma varredura por minuto numa faixa de 100 nm, o que praticamente limita sua utilização a medidas estáticas. Portanto, esta técnica deve ser considerada em situações onde as medidas não são realizadas continuamente, de forma que o equipamento possa ser também utilizado em outras aplicações que possam repartir o

7 seu custo elevado. No caso de se desejar medir um grande número de sensores em uma mesma fibra, esta alternativa pode se tornar economicamente atraente. Deve-se ainda ressaltar que estes equipamentos podem ser utilizados como um sistema de filtro fixo, semelhante ao que será discutido mais adiante. Esta forma de aplicação permite a obtenção de medidas dinâmicas (algumas centenas de Hz) mas certamente não deverá ser empregada de forma contínua devido ao alto custo do equipamento. Finalmente, uma característica muito interessante é a facilidade de calibração que pode ser feita, de forma contínua ou periódica, através da introdução de uma referência de comprimento de onda que pode ser uma célula de gás ou uma rede de Bragg em encapsulamento térmicamente compensado. Nos últimos anos começaram a surgir no mercado equipamentos chamados de medidores de comprimento de onda, eles se distinguem dos OSA por terem menor flexibilidade de medida e maior velocidade e estabilidade nas medições. Tipicamente podem ser medidas centenas de posições de pico em poucos segundos com exatidão inferior a 1 pm (ver, e.g. No entanto, estes equipamentos são desenhados para determinação de comprimento de onda de lasers de telecomunicações e necessitam de uma densidade espectral de potência óptica relativamente alta se comparada com a dos LEDs comuns. Uma alternativa pode ser o uso de fontes de banda larga baseadas em fibras dopadas com érbio, conhecidas como fontes ASE (Amplified Spontaneous Emission). Estas fontes, de alto custo, permitirem a iluminação de um número limitado de sensores, uma vez que possui banda espectral da ordem de 30 nm. Deve-se também ressaltar seu custo ainda elevado, que hoje é da ordem de US$ ,00. Filtros Fabry-Perot, com banda espectral determinada por uma cavidade que pode ser dinamicamente alterada através, por exemplo, de atuadores piezoelétricos, são também utilizados para realizar varreduras espectrais [22]. Um circuito óptico que pode ser empregado em conjunto com um filtro Fabry-Perot de banda passante ajustável é esquematicamente representado na Fig. 4. Faz-se variar a banda passante de forma alternada através de rampas lineares, de tal maneira que cada um dos sensores interrogados é sequencialmente iluminado. Resoluções próximas de 1 µm/m podem ser obtidas através desta técnica. Estes filtros têm a varredura tipicamente limitada a cerca de 100 nm, com resposta em freqüência que dificilmente ultrapassa algumas dezenas de Hz. O custo desta técnica independe do número de sensores a serem interrogados, o que a torna mais competitiva a medida que a quantidade de pontos medidos aumenta. Alguns sistemas para medidas de deformação baseados em técnicas semelhantes já são há algum tempo comercializados, com custo em torno de US$ por canal de medição.

8 λ Filtro de Fabry-Perot com banda ajustável λ1 λ2... λn LED (Banda Larga) Detetor Sensores AD Gerador de Sinais Figura 4. Circuito óptico para leitura com filtro Fabry-Perot de banda ajustável Técnicas Baseadas em Filtros Fixos Uma alternativa de menor custo é empregar filtros espectrais fixos. Tais filtros podem ser do tipo Fabry-Perot, interferômetro de Mach-Zehnder [23], ou mesmo uma rede de Bragg [24]. Esta tem sido a solução aplicada na maioria dos projetos ora em desenvolvimento na PUC-Rio. A Fig. 5 apresenta circuitos ópticos baseados nesta técnica. CANAL Detetor (referência) Detetor (sinal) Canal Sensor LED Filtro (a) (b) Canal 1 Canal 2 Sensor 1 LED Sensor 2 LED Sensor 3 Canal 3 Canal 4 Sensor 4 (c)

9 LED Canal 1 LED Canal 2 Canal 3 Canal 4 (d) Figura 5. Circuitos ópticos utilizando redes de Bragg como filtros de banda passante fixa: (a) Canal de leitura; (b) Circuito para um sensor; (c) Circuito para quatro sensores em fibras diferentes; (d) Circuito para quatro sensores em uma mesma fibra. O sistema emprega fontes de banda larga e o sinal refletido pela rede utilizada como sensor é dirigido, através de um acoplador de 3 db, para o filtro e para um detetor de referência. O sinal óptico resultante da interação com o filtro é então guiado para o outro detetor, e sua saída elétrica é dividida pela obtida a partir do detetor de referência. A utilização de um sinal de referência tem por objetivo compensar flutuações na fonte óptica. Na implementação proposta em [25], verificou-se experimentalmente que este procedimento permite que o sinal de leitura se mantenha estável, com uma variação inferior a ±1,5% enquanto a potência entregue pelo LED é reduzida em até 50%. As topologias propostas para leitura de quatro sensores, apresentadas na Fig. 5, podem ser facilmente ampliadas para até 16 sensores sem problemas técnicos aparentes. A utilização de duas fontes torna o sistema mais robusto. O custo da implementação das soluções propostas na Fig. 5 é bastante pequeno para a leitura de apenas um sensor, cerca de US$ 500. Entretanto este custo cresce linearmente a medida que mais canais são adicionados ao sistema. A principal vantagem na utilização de filtros espectrais fixos é a possibilidade de aplicação em medidas dinâmicas de poucos sensores. A faixa de freqüência é limitada pela resposta dos fotodetetores e dos circuitos eletrônicos de amplificação utilizados, podendo sem dificuldade chegar a algumas centenas de khz. A modelagem computacional da reflexão de um sinal óptico de banda larga pelo sensor e depois pelo filtro, indica que as menores incertezas são obtidas utilizando-se duas redes (sensor e filtro) com espectros idênticos. A incerteza e resolução são ditadas pela resposta em freqüência do fotodetetor, podendo-se, a partir de simulações, estimar que para medidas numa banda de 1 khz, incertezas de ±1% do fundo de escala numa faixa dinâmica de µm/m seriam facilmente obtidas [25]. Se a técnica de demodulação baseada na utilização de um filtro fixo espectralmente casado com cada sensor permite medidas, a custos competitivos, em bandas largas de freqüência, limitadas apenas pelo circuito optoeletrônico de detecção, ela por outro lado impõe restrições sobre a faixa dinâmica de leitura [24]. Uma alternativa para ampliar esta faixa é utilizar dois filtros ópticos. Uma implementação desta nova configuração, para a leitura de apenas um sensor, é esquematicamente ilustrada na

10 Fig. 6 [26]. A expansão do circuito opoeletrônico para multiplexação de vários sensores segue os esquemas já apresentados na Fig. 5. LED SENSOR (rede de Bragg) FILTRO SENSOR CONVOLUÇÃO FILTRO 1 FILTRO 2!! A/D DET 1 DET 2 Figura 6. Implementação experimental do sistema de leitura com dois filtros fixos [26]. Na implementação da Fig. 6 os dois filtros devem ser centrados em comprimentos de onda diferentes, porém próximos o suficiente para que haja uma superposição entre seus espectros. O gráfico da Fig. 7 mostra espectros de uma rede sensora, não deformada, e de dois filtros utilizados em uma das séries de testes com o sistema de dois filtros fixos [26]. O custo adicional em relação a implementação anterior, que utiliza apenas um filtro fixo, é de mais um filtro por canal de leitura. Caso redes de Bragg sejam adotadas como filtros, a implementação do circuito baseado no esequma da Fig. 6 pode representar, considerando preços atuais de mercado, um acréscimo no custo do conversor optoeletrônico de cerca de US$ 100 por canal de medição. Espectro Óptico Normalizado Normalized Grating Spectrum exp(-1.6(λ ) 2 ) exp(-1.6(λ ) 2 ) exp(-1.9(λ ) 2 ) λ s = nm b s = 1.33 nm λ F1 = nm b F1 = 1.3 nm λ F2 = nm b F2 = 1.16 nm Comprimento Wavelength, de Onda (nm) λ, (nm) Figura 7. Espectro de transmissão dos filtros (picos em 1540,1 e 1542,2 nm) e espectro de de reflexão do sensor (pico am 1541,3 nm). Testes e simulações realizados na PUC-Rio com o sistema de leitura utilizando dois filtros fixos demostraram ser possível alcançar faixas dinâmicas de µm/m com incertezas abaixo de 2 µm/m em toda a faixa [26]. Neste caso, para sensores com

11 largura de banda de 1,5 nm, foram utilizados filtros com largura espectral de 4 nm e espaçamento entre picos de 11,2 nm [26] Técnicas Baseadas em Multiplexação no Tempo e no Espectro Outra família de procedimentos com potencial para aplicação na leitura de sistemas que requerem a interrogação de vários sensores a rede de Bragg é aquela baseada em multiplexação temporal. Uma técnica de fácil implementação consiste na utilização de um equipamento para Reflectometria no Domínio do Tempo (OTDR - Optical Time Domain Reflectometer). Um sistema de leitura para vários sensores em uma mesma fibra utilizando um OTDR comercial e um filtro óptico de banda passante ajustável é apresentado na Fig. 8 [27,28]. Resultados de ensaios realizados na PUC-Rio utilizando o sistema de leitura com OTDR são reproduzidos na Fig. 9 [27,28]. Nestes ensaios, o sistema foi testado em um conjunto de 20 redes de Bragg, composto por quatro grupos de cinco redes cada, todas com reflectividade de 0,8%. A distância espacial entre grupos consecutivos foi de 20 m, enquanto o espaçamento entre cada rede de um mesmo grupo foi de 1 m. Os comprimentos de onda centrais do espectro das cinco redes de cada grupo, quando indeformadas, estavam posicionados na faixa de 1527 a 1556 nm, separados por uma distância spectral de 7 nm, como pode ser verificado no espectro combinado do conjunto de 20 redes reproduzido na Fig. 9(a). A Fig. 9(b) apresenta o mesmo espectro quando apenas um dos sensores é deformado. Um traço típico obtido do OTDR, quando o filtro de banda passante era ajustado para permitir a iluminação pulsada da fibra utilizando apenas aquele modo do laser do OTDR casado com um dos comprimentos de onda das redes de um mesmo grupo, é mostrado na Fig. 9(c). Finalmente, o resultado experimental obtido para a potência relativa medida pelo OTDR em função da variação na deformação imposta em uma das redes do conjunto é apresentado na Fig. 10. OTDR Filtro de Banda Passante Ajustável Figura 8. Técnica de leitura utilizando OTDR [27,28].... ( FBG 1 FBG 2... FBG n ) 1 λ 1 λ 2 λ n ( FBG n... FBG 2 FBG 1 ) 2 λ n... λ 2 λ 1 ( FBG 1 FBG 2... FBG n ) N λ 1 λ 2 λ n (a) (b)

12 Reflexões dos conectores Posições das 4 redes em λ B =1548nm: 35,5m 61,5m 86,8m 111,9m Final da fibra X: 20m/div. Y: 5dB/div. (c) Figura 9. (a) Espectro de reflexão para as vinte redes; (b) Espectro de reflexão para as vinte redes com uma delas submetida a uma deformação de 2900 µm/m; (c) Traço do OTDR obtido com filtro ajustado para o comprimento de onda de uma das redes dos quatro grupos (1548 nm) [27-28]. -10 Relative Power [db] ,00 0,05 0,10 0,15 0,20 0,25 0,30 Relative Deformação Elongation (%) [%] Figura 10. Potência refletida em função da deformação [28]. Esta implementação pode ser facilmente estendida para até centenas de sensores, com resolução espacial limitada pelo comprimento da rede de Bragg (alguns poucos mm), justificando o custo da utilização dedicada de um equipamento cujo preço pode variar de treze a vinte mil dólares americanos. As redes sensoras, que podem ser escritas num mesmo comprimento de onda e numa mesma fibra óptica, devem ter uma reflectividade baixa, da ordem de 1%. Deve-se ressaltar, entretanto, que devido ao princípio de funcionamento do OTDR, a utilização desta técnica limita-se a medidas estáticas. 4. CONCLUSÕES

13 As principais técnicas de leitura de sensores a rede de Bragg aplicadas a medidas de temperatura e deformação foram revistas, enfatizando-se parâmetros como a capacidade de multiplexação, faixa de freqüência de aplicação e custo. Com maior detalhe foram apresentadas as técnicas em desenvolvimento no Laboratório de Transdutores da PUC-Rio, que já permitem, a um custo baixo, a realização de leituras multiplexadas (16 canais) de deformação com exatidão de 0,03% do fundo de escala, numa faixa dinâmica de 6000 µm/m, e freqüências até 200 Hz. Resultados preliminares de medições com um equipamento comercial de reflectometria óptica no domínio do tempo mostraram ainda que esta nova técnica pode permitir a interrogação estática de centenas de sensores em uma mesma fibra óptica a custos uma ordem de grandeza inferiores aos de outras técnicas disponíveis no mercado. 5. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio do CENPES/Petrobras, da ANP, através de seu programa de formação de recursos humanos (PRH-ANP), e do Ministério da Ciência e Tecnologia através de suas agências de amparo à pesquisa, CNPq e FINEP/CTPETRO.

14 6. REFERÊNCIAS 1. Keck, D. B., Optical Sensors and Specialty Fibers, in: JTEC Panel on Optoelectronics in Japan and the United States, Hardin, R.W., Fiber Optic Sensors Seek to Prove their Utility, OE Reports, no. 178, SPIE Web, October, Willsch, R., Application of Optical Fiber Sensors: Technical and Market Trends, in: Applications of Optical Fiber Sensors, A. J. Rogers, ed., Proceedings of SPIE Vol. 4074, pp , Grattan, K.T.V., and Meggitt, B.T., Optical Fiber Sensor Technology, Chapman & Hall, London, Grattan, K.T.V., and Sun, T., Fiber Optic Sensor Technology: An Overview, Sensors and Actuators, Vol. 82, pp , Migani, A. G., and Lefèvre, H. C., eds., Proceedings of The 14th International Conference on Optical Fiber Sensors, SPIE Vol. 4185, Udd, E., and Claus, R. O., eds., Proceedings of The 15th Optical Fiber Sensors Conference OFS 2002, IEEE Cat. Number 02EX533, Ecke W., Latka I., Willsch R., Reutlinger A., and Graue R., Fibre Optic Sensor Network for Spacecraft Health Monitoring, Measurement Science Technology, Vol. 12, pp , Betz, D., Staudigel, L., and Trutzel, M.N., Test of a Fiber Bragg Grating Sensor Network for Commercial Aircraft Structures, Proceedings of The 15th Optical Fiber Sensors Conference OFS 2002, IEEE Cat. Number 02EX533, pp , Inaudi, D., Application Of Optical Fiber Sensor in Civil Structural Monitoring, in: Smart Structures and Materials 2001: Sensory Phenomena and Measurement Instrumentation for Smart Materials, SPIE Proceedings Vol. 4328, pp. 1-10, Leung, C.K.Y., Fiber Optic Sensors in Concrete: The Future? NDT & Engineering International, Vol. 34, pp , Guemes, J.A., and Menéndez, J.M., Response of Bragg Grating Fiber Optic Sensors When Embedded in Composite Laminates, Composites Science and Technology, Vol. 62, pp , Kersey, A.D., Optical Fiber Sensors for Permanent Downwell Monitoring Applications in the Oil and Gas Industry, IEICE Trans. Electron., E83-C, No. 3, pp , Kragas, T.K., Willians, B.A., and Myers, G.A., The Optical Oil Field: Deployment and Application of Permanent In-Well Fiber Optic Sensing Systems for Production and Reservoir Monitoring, paper SPE 71529, presented at the 2001 SPE Annual Technical Conference and Exhibition, New Orleans, Louisiana, September-October, Ballinas, J., Evaluation and Control of Drilling, Completion and Workover Events with Permanent Downhole Monitoring: Applications to Maximize Production and Optimize Reservoir Management, paper SPE 74395, presented

15 at the 2002 SPE International Petroleum Conference and Exhibition of Mexico, Villahermosa, Mexico, February, Schroeder, R.J., The Present and Future of Fiber Optic Sensors for the Oilfield Service Industry: Where is There a Role? Proceedings of The 15th Optical Fiber Sensors Conference OFS 2002, IEEE Cat. Number 02EX533, pp , Gysling, D.L., Changing paradigms in Oil and Gas Reservoir Monitoring The Introduction and Commercialization of In-Well Optical Sensing Systems, Proceedings of The 15th Optical Fiber Sensors Conference OFS 2002, IEEE Cat. Number 02EX533, pp , Vogel, B., Cassens, C., Graupner, A., and Tostel, A., Leakage Detection Systems by Using Distributed Fiber Optical Temperature Measurement, Smart Structures and Materials 2001: Sensory Phenomena and Measurement Instrumentation for Smart Materials, SPIE Proceedings Vol. 4328, pp , MacLean, A., Moran, C., Johnstone, W., Culshaw, B., Marsh, D., and Andrew, G., A Distributed Fibre Optic Sensor for Liquid Hydrocarbon Detection, Smart Structures and Materials 2001: Sensory Phenomena and Measurement Instrumentation for Smart Materials, SPIE Proceedings Vol. 4328, pp , 20. Andersen, M., Berg, A., and Saevik, S., Development of Optical Monitoring System for Flexible Risers, paper OTC 13201, presented at the 2001 Offshore Technology Conference, Houston, Texas, May, Kashyap, R., Fiber Bragg Gratings, Academic Press, Kersey, A.D., Berkoff, T.A., and Morey, W.W, Fiber Fabry-Perot Demodulator for Bragg Grating Strain Sensors, Optics Letters, Vol. 18, p. 1370, Kersey, A.D., davis, M.A., and Tsai, T., Fiber Optic Bragg Grating Strain Sensor with Direct Reflectometry Interrogation, Proceedings 11 th Optical Fiber Sensor, OFS'96, Sapporo, Japan, May, p. 634, Matos, C.J.S., Ebner, E.C., Leiderman, R., Braga, A.M.B., Carvalho, I.C.S., Margulis, W., and Valente, L.C.G., Optical Fiber Bragg Grating Sensors, Revista Brasileira de Física Aplicada e Instrumentação, vol. 13, no.1, Leiderman, R., Valente, L.C.G., Braga, A.M.B., Tabares, R.H., and Gama, A.L., Low Cost Fiber Bragg Grating Strain Measurement System, Proceedings of the SEM Annual Conference, pp , Cincinatti, June, Nunes, L.C.S., Valente, L.C.G., and Braga, A.M.B., Analysis of a Demodulation System for Fiber Bragg Grating Sensors Using Two Fixed Filters, submitted to: Optics and Lasers in Engineerings, Valente, L.C.G., Braga, A.M.B., Ribeiro, A.S., Regazzi, R.D., Ecke, W., Chojetzki, Ch., and Willsch, R., Time and Wavelength Multiplexing of Fiber Bragg Grating Sensors Using a Commercial OTDR, Proceedings of The 15th Optical Fiber Sensors Conference OFS 2002, IEEE Cat. Number 02EX533, pp , Valente, L.C.G., Braga, A.M.B., Ribeiro, A.S., Regazzi, R.D., Ecke, W., Chojetzki, Ch., and Willsch, R., Combined Time and Wavelength Multiplexing Technique of Fiber Bragg Grating Sensors Array Interrogation Using a Commercial OTDR Equipment, submitted to: IEEE Sensors Journal, 2002.

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL Sérgio R. K. Morikawa Alexandre S. Ribeiro Rogério D. Regazzi Luiz C. Guedes Valente Arthur M. B. Braga PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Trabalho apresentado na

Leia mais

USO DE GRADES DE BRAGG COMO SENSORES PARA O ENSINO DE TRAÇÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

USO DE GRADES DE BRAGG COMO SENSORES PARA O ENSINO DE TRAÇÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO USO DE GRADES DE BRAGG COMO SENSORES PARA O ENSINO DE TRAÇÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Jones Monteiro Jacinto jonesmonteirojacinto@gmail.com 60000000 Fortaleza Ceará Renan Rabelo Soeiro renan.ifce@gmail.com

Leia mais

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO Rafael Serafim Zoéga Belmont Universidade Católica de Petrópolis rafael_szbelmont@hotmail.com

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

Por Maurissone Ferreira, Carlos Alexandre Nascimento, Caio Cesar dos Reis, Claudio Antonio

Por Maurissone Ferreira, Carlos Alexandre Nascimento, Caio Cesar dos Reis, Claudio Antonio 48 Capítulo XI Sistema ótico de monitoramento de linhas subterrâneas Por Maurissone Ferreira, Carlos Alexandre Nascimento, Caio Cesar dos Reis, Claudio Antonio Hortencio, Eduardo da Costa e João Batista

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Evolução e perspectivas de uso de fibras ópticas para o monitoramento amplo de sistemas elétricos subterrâneos.

Evolução e perspectivas de uso de fibras ópticas para o monitoramento amplo de sistemas elétricos subterrâneos. 10ª edicao - Redes Subterraneas de Energia Eletrica - 2014 Evolução e perspectivas de uso de fibras ópticas para o monitoramento amplo de sistemas elétricos subterrâneos. Apresentado por: Carlos A. M.

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 31 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Monitoramento de transformadores utilizando sensores à fibra óptica: técnicas e aplicação

Monitoramento de transformadores utilizando sensores à fibra óptica: técnicas e aplicação 1 Monitoramento de transformadores utilizando sensores à fibra óptica: técnicas e aplicação R. A. Dias, P. B. Vilar, E. G. Costa, T. V. Ferreira. Resumo - Este artigo busca descrever as principais técnicas

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Desenvolvimento de Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica

Desenvolvimento de Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica Desenvolvimento de Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica F. M. Pires Neto e R. Marques, Bandeirante Energia, P. J. P. Curado, A. Paradisi, J. B. Ayres, F. Borin, R. L. Leite, D. C. Dini, C. A. Hortêncio,

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Monitoramento Térmico de Transformadores por meio da Utilização de Sensores em Fibras Ópticas: Tecnologias e Aplicações

Monitoramento Térmico de Transformadores por meio da Utilização de Sensores em Fibras Ópticas: Tecnologias e Aplicações BEM-VINDOS AO WEBINAR Monitoramento Térmico de Transformadores por meio da Utilização de Sensores em Fibras Ópticas: Tecnologias e Aplicações Apresentador: Msc. Ivan Paulo de Faria UNIFEI, Brasil ivan.faria@lat-efei.org.br

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco

Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco F. Magalhães 1, J. P. Carvalho 1,2, L. A. Ferreira 1, F.

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial

Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial Mariana Brisky Costa (UTFPR) E-mail: marianabrisky@gmail.com José Jair Alves Mendes Junior (UTFPR) E-mail: mendes.junior13@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

4 Montagem experimental

4 Montagem experimental 4 Montagem experimental Neste capitulo apresentamos a montagem experimental. Mostramos também os resultados obtidos ao fazer uma simulação do ímã que gera o gradiente de campo variando sua geometria e

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso Codificador de CDMA Óptico Relatório de progresso Carlos Filipe Vieira Ramos de Freitas

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera José Roberto B. Gimenez Roteiro da Apresentação Tecnologia DWDM A rede Kyatera SC09 Bandwidth Challenge Conclusão Formas de Multiplexação em FO TDM Time Division

Leia mais

Potencial de largura de banda de fibras multimodo

Potencial de largura de banda de fibras multimodo REDES ÓPTICAS Potencial de largura de banda de fibras multimodo 124 RTI SET 2007 O minembc é um processo de medição de largura de banda de fibras ópticas otimizadas a laser, que, segundo o autor, é o modo

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

PPGECV 3171 Instrumentação de Ensaios TRANDUTORES AUTO-COMPENSADOS BASEADOS EM TRANSFORMADORES DIFERENCIAIS LINEARES VARIAVEIS (LVDTS)

PPGECV 3171 Instrumentação de Ensaios TRANDUTORES AUTO-COMPENSADOS BASEADOS EM TRANSFORMADORES DIFERENCIAIS LINEARES VARIAVEIS (LVDTS) Introdução TRANDUTORES AUTO-COMPENSADOS BASEADOS EM TRANSFORMADORES DIFERENCIAIS LINEARES VARIAVEIS (LVDTS) Os transdutores de deslocamento e posição baseados em Transformadoes diferenciais lineares variaveis

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Sensores em fibra ótica, Sensores de hidrogênio, Adulterantes de gasolina, Técnicas de interrogação

Sensores em fibra ótica, Sensores de hidrogênio, Adulterantes de gasolina, Técnicas de interrogação 4 o PDPETRO, Campinas, SP 4.4.0037 1 SENSORES EM FIBRA ÓTICA PARA ÁREA DO PETRÓLEO: USANDO UMA NOVA TÉCNICA DE INTERROGAÇÃO PARA MEDIR CONCENTRAÇÃO DE ÁLCOOL EM GASOLINA E A CARACTERIZAÇÃO DE SENSORES

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s 1 André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Demanda por Banda de Transmissão: 100 Gb/s é Suficiente? Demanda por Banda de Transmissão:

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E SIMULAÇÃO DE SENSORES ÓPTICOS BASEADOS EM GRADES DE BRAGG EM FIBRA PARA MEDIÇÃO DE TRAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO E SIMULAÇÃO DE SENSORES ÓPTICOS BASEADOS EM GRADES DE BRAGG EM FIBRA PARA MEDIÇÃO DE TRAÇÃO CARACTERIZAÇÃO E SIMULAÇÃO DE SENSORES ÓPTICOS BASEADOS EM GRADES DE BRAGG EM FIBRA PARA MEDIÇÃO DE TRAÇÃO Daniel Alfredo Chamorro Enríquez a *, Maria Thereza Miranda Rocco Giraldi a a Seção de Engenharia

Leia mais

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO 13 ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL Márcia da Mota Jardim Martini 1 Fernando Almeida Diniz 2 Leonardo Paganotto 3 RESUMO Neste trabalho são estudadas

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

4. Montagem Experimental

4. Montagem Experimental 4. Montagem Experimental Este capítulo está dividido em duas partes. A primeira consiste na descrição do montagem experimental para se obter o ganho Raman e a segunda consiste na descrição do montagem

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

ESPALHAMENTO BRILLOUIN EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO

ESPALHAMENTO BRILLOUIN EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO ESPALHAMENTO BRILLOUIN EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO Sandro Fonseca Quirino Instituto Nacional de Pequisas Espaciais (LAS) Instituto de Estudos Avançados (EFO-S) S J Campos SP, Brasil sandro@ieav.cta.br Antonio

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur

Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur *Olympio L Coutinho, *Carla de Sousa Martins, *Felipe S. Ivo **Vilson R. Almeida, *José Edimar B. Oliveira

Leia mais

Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução

Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução 25 Capítulo 2 Fibras Ópticas 2.1 Introdução Nos dias de hoje, as fibras ópticas são largamente utilizadas em diversos setores com um número grande de aplicações em sistemas de telecomunicação. Outras aplicações

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO

In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO 4 o PDPETRO, Campinas, SP 4.4.0464 1 In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO Rafael T. Takeishi 1, Edmilton Gusken, Henrique

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas 3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas O presente capítulo descreve como a tecnologia RFID é associada às tecnologias de redes de telecomunicações, de forma a ser utilizada na avaliação

Leia mais

SENSOR MONOPONTO DE TEMPERATURA BASEADO EM REDES DE BRAGG GÊMEAS. Rodrigo Pereira de Oliveira

SENSOR MONOPONTO DE TEMPERATURA BASEADO EM REDES DE BRAGG GÊMEAS. Rodrigo Pereira de Oliveira SENSOR MONOPONTO DE TEMPERATURA BASEADO EM REDES DE BRAGG GÊMEAS. Rodrigo Pereira de Oliveira Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, COPPE, da Universidade

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis

Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis Caracterizador Automatizado de Máscara de Potência de Amplificadores Ópticos para Redes WDM Reconfiguráveis Uiara C. Moura, Juliano R. F. Oliveira, Rafael L. Amgarten, Getúlio E. R. Paiva e Júlio C. R.

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz,

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO AS FIBRAS ÓPTICAS 1.1 Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, através de uma experiência que consistia em injetar luz em um jato

Leia mais

APLICAÇÃO DE SENSORES EM FIBRA ÓPTICA EMBEBIDOS PARA A MONITORIZAÇÃO DA SAÚDE DE ESTRUTURAS COMPÓSITAS

APLICAÇÃO DE SENSORES EM FIBRA ÓPTICA EMBEBIDOS PARA A MONITORIZAÇÃO DA SAÚDE DE ESTRUTURAS COMPÓSITAS Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-778 APLICAÇÃO DE SENSORES EM FIBRA ÓPTICA EMBEBIDOS PARA A MONITORIZAÇÃO DA SAÚDE DE ESTRUTURAS COMPÓSITAS R. de Oliveira 1,

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

CIRCUITO ELETRÔNICO PARA EMULAÇÃO DE SENSORES EM FIBRAS ÓPTICAS COM GRADES DE BRAGG EXCITADOS POR LASERS SEMICONDUTORES COM MÓDULOS TERMOELÉTRICOS

CIRCUITO ELETRÔNICO PARA EMULAÇÃO DE SENSORES EM FIBRAS ÓPTICAS COM GRADES DE BRAGG EXCITADOS POR LASERS SEMICONDUTORES COM MÓDULOS TERMOELÉTRICOS CIRCUITO ELETRÔNICO PARA EMULAÇÃO DE SENSORES EM FIBRAS ÓPTICAS COM GRADES DE BRAGG EXCITADOS POR LASERS SEMICONDUTORES COM MÓDULOS TERMOELÉTRICOS Pedro Carvalhaes Dias email: pedro.carvalhaes.dias@gmail.com

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações

O REFLECTÔMETRO ÓPTICO. Funcionamento e aplicações O REFLECTÔMETRO ÓPTICO Funcionamento e aplicações Introdução Freqüentemente é necessário executar procedimentos de manutenção em redes utilizando cabos de par metálico ou fibra óptica para avaliar suas

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica. Bandeirante Energia S.A.

Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica. Bandeirante Energia S.A. 21 a 25 de agosto de 2006 Belo Horizonte MG Sensor de Alta Tensão à Fibra Óptica Francisco Manuel Pires Neto Bandeirante Energia S.A. Rogério Marques Bandeirante Energia S.A. rmarques@bandeirante.com.br

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Amílcar José Gouveia Fernandes. Sensor de fibra óptica de intensidade com instrumentação virtual

Amílcar José Gouveia Fernandes. Sensor de fibra óptica de intensidade com instrumentação virtual Amílcar José Gouveia Fernandes Sensor de fibra óptica de intensidade com instrumentação virtual Centro de Competências das Ciências Exactas e de Engenharia Universidade da Madeira 2009 Página ii Amílcar

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Óptica de Medição de Temperatura em Geradores de Potência

Desenvolvimento de Tecnologia Óptica de Medição de Temperatura em Geradores de Potência Desenvolvimento de Tecnologia Óptica de Medição de Temperatura em Geradores de Potência Marcelo M. Werneck 1, Regina C. S. B. Allil 2 e Carmem L. Barbosa 3 1 Laboratório de Instrumentação e Fotônica/Programa

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007 CEEE-GT COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES MANUTENÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS PORTO ALEGRE, 2007 Extensão da Rede Óptica Total de

Leia mais

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br Rádio sobre Fibra: Tecnologia Chave para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016 Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior 1 Contexto Tecnológico 2 Sumário da apresentação I. Contexto Tecnológico II.

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Comunicações Ópticas E ns aios em Fibras Ópticas Guia de T rabalhos de L aboratório E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Profº Engº Getúlio Teruo Tateoki Araçatuba, 20 de agosto de 2004 Prefácio -Este Guia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais