1. Objetivos da auditoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Objetivos da auditoria"

Transcrição

1 Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Estágio 2 Organização: Endereço: Representante: Site(s) Auditado(s): Norma(s) de Referência: Aril - Associação de Reabilitação Infantil Limeirense Rua Dr. Roberto Mange, 523,Jd. Mercedes,Limeira,SP,CEP: Rua Pedro Chinelatto,254,Centro Iracemápolis, SP,CEP: Sr. Adalberto Gaib Rua Dr. Roberto Mange, 523,Jd. Mercedes,Limeira,SP,CEP: Rua Pedro Chinelatto,254,Centro Iracemápolis, SP,CEP: ISO9001:2008 Acreditação: UKAS HD(s): 2,0 HD s Data(s): 27 e 28/04/2015 EAC Code: 38 NACE Code: Technical Area Code: Nº Efetivo de Empregados: 150 Nº de Turnos: 01 Auditor Líder: COS Solange Costa Auditora Líder Participantes Adicionais Funções envolvidas: COS Solange Costa Especialista Auditores Membros da Equipe: Este relatório é confidencial e sua distribuição é limitada a equipe auditora e participantes, representante do cliente e SGS. 1. Objetivos da auditoria Os objetivos desta auditoria foram: Confirmar a conformidade do sistema de gestão aos requisitos da(s) norma(s) de referência. Confirmar a efetiva implementação do sistema de gestão como planejado. Confirmar a capacidade do sistema de gestão em atender a política e objetivos estabelecidos. 2. Escopo da certificação Prestação de serviços em (Re) habilitação de crianças, adolescentes e adultos. Rendering services of children, teenagers and adults rehabilitation. O escopo foi alterado em função do resultado desta auditoria? SIM NÃO Esta é uma auditoria multi-site, sendo que todos os sites relevantes e/ou localidades remotas listadas cobertas pelo sistema de gestão, estão estabelecidas e acordadas com o cliente. SIM NÃO 3. Conclusões desta auditoria A equipe auditora conduziu a auditoria enfocando processos, aspectos, impactos, perigos, riscos e objetivos significativos como requerido pela(s) norma(s) de referência. Entrevistas, testes, observação de atividades, análise da documentação e dos registros envolvidos foram os métodos de auditoria aplicados. A auditoria foi estruturada de acordo com a Matriz de Planejamento e com o Plano de Auditoria anexo a este relatório. A equipe auditora concluiu que a organização auditada POSSUI NÃO POSSUI um sistema de gestão que observa os requisitos estabelecidos pela(s) norma(s) de referência e demonstra a capacidade sistêmica em atender aos requisitos aplicáveis aos produtos e serviços cobertos pelo escopo, bem como a política e objetivos estabelecidos. Número de -Conformidades identificadas: 0 Maior(es) 0 Menor(es) CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 1 de 7 N/A 38.3

2 Baseado no nível de desenvolvimento e maturidade demonstrado pelo sistema de gestão e nos resultados desta auditoria a equipe auditora recomenda que a certificação seja: Concedida Continuada Retida Suspensa até que ações satisfatórias sejam evidenciadas. O resultado desta auditoria será efetivado após sua validação em um processo independente de revisão técnica. 4. Avaliação de eventuais pendências anteriores (N/A) Avaliamos o resultado da última auditoria realizada neste sistema de gestão em particular para assegurar a correção apropriada e a efetiva implantação das ações corretivas sobre as -Conformidades identificadas. A avaliação conduzida por esta equipe auditora concluiu que: As -Conformidades identificadas anteriormente foram corrigidas e as ações corretivas implementadas continuam sendo efetivas O sistema de gestão não tratou adequadamente as -Conformidades identificadas anteriormente e desta forma redefinimos este assunto no item 7 deste relatório. 5. Constatações desta auditoria Segue uma visão geral das constatações feitas pela equipe auditora, fundamentando as conclusões identificadas no item 3 deste relatório: A documentação envolvida com sistema de gestão demonstra conformidade com os requisitos da(s) norma(s) de referência e apresenta uma estrutura adequada à implantação e manutenção do sistema de gestão? A organização auditada demonstra efetiva implantação, manutenção e melhoria do sistema de gestão e é capaz de atender os objetivos da política do sistema de gestão? A organização auditada estabeleceu e acompanha os objetivos e as metas de desempenho e monitora a evolução dos mesmos? O programa de auditoria interna foi implantado completamente e demonstra ser uma ferramenta efetiva para a manutenção e melhoria do sistema de gestão? O processo de análise crítica pela direção demonstra capacidade de assegurar a contínua adequação e eficácia do sistema de gestão? Nesta auditoria, o sistema de gestão demonstrou conformidade com os requisitos da(s) norma(s) de referência, uso das marcas de certificação e requisitos regulamentares aplicáveis? Reclamações externas sobre o processo de certificação foram verificadas e são tratadas de acordo com os procedimentos da SGS? N/A (casos existentes devem ser referenciados no item 6 deste relatório) A organização está controlando efetivamente o uso de logomarcas de certificação e/ou de acreditação conforme os procedimentos e diretrizes da SGS e acreditadores? N/A 6. Detalhes significativos da condução desta auditoria Durante a condução desta auditoria várias trilhas foram seguidas permitindo a avaliação do sistema de gestão, seus processos, atividades e funções que estão detalhados na Matriz de Planejamento e no Plano de Auditoria. Abaixo segue uma visão geral da condução desta auditoria: Ajustes no Plano de Auditoria: houve Validação das Exclusões Justificadas: N/A CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 2 de 7

3 Resultado de auditorias anteriores: Veja Capítulo 4 deste relatório para informações. Informações relativas a esta auditoria, incluindo quaisquer mudanças significativas (por exemplo: pessoal chave, atividades do cliente, sistema de gestão, o nível de integração, etc): Gestão do Sistema: Responsável Sr. Adalberto RD e Joice. Indicador com tendência positiva no atendimento aos objetivos estabelecidos. Análise Crítica da Alta Direção: Sistemática e frequência anual definida no PR 5.04 R.07. Analisadas as Atas de Análise Crítica de 22/05/2013 e 20/05/2014. Entradas e saídas conforme norma. Sistemática de análise de dados definida no PR8.03 rev.05auditoria Interna: Sistemática definida no procedimento PR8.01 rev.09.frequência anual todos os processos são auditados,podendo ser divido em auditorias semestrais. Analisado o planejamento (F039-Programação Anual de Auditoria 2014; F09-Plano de Auditoria Interna) e registro (F017-Relatório de Auditoria Interna;L18-Lista de Presença de Auditoria Interna) da auditoria realizada 20/10/2014 a 13/11/2014 cobrindo todos os processos do SGQ onde foram evidenciadas não-conformidades e oportunidades de melhoria,que foram tratadas sem demora indevida,através de ações,tais como(rac): 39/14 e 40/14. Analisada a independência e competência do auditor interno Alessandra Luchetti(L07-Lista de Auditores Internos Qualificados/F169-Avaliação de Auditores Internos). Ação Corretiva/Preventiva/Melhoria/Reclamação de Clientes: Sistemática definida no procedimento PR8.04 rev.07. Analisadas as ações corretivas(rac): 14/14;28/14;43/14;01/15;11/15;09/15;0;08/15-Limeira e 04/15; 10/15-Iracemápolis. Analisadas as ações preventivas(rap):32/15; 35/14.Verificados registro de melhoria(sm): 01/14 e 02/14; 01/15 e 02/15 Verificado o F143-Controle de Relatório de Ação Corretiva e Preventiva. Sistemática de avaliação de satisfação de cliente definida no P 8.05 R.08. Verificados os registros da pesquisa de satisfação do Cliente Pais e Responsáveis- Limeira e Iracemápolis realizadas em Dezembro de Logomarca SGS: Verificado o uso da marca de certificação nos veículos da entidade, brindes e banners. Limeira: CHTP (inclui marcenaria) acima de 16 anos:responsável Sr.a Claudia Coordenadora das Oficinas. Indicador com tendência positiva no atendimento aos objetivos estabelecidos. Documentos: PR 7.11 R10 CHTP Emissão. Registros: Sistema Prontuário Eletrônico;. F-41 - Avaliação Inicial; F-042-Informação do Responsável;F-50 Ficha de Evolução e Desempenho CHTP; F07-Atas de reunião do setor CHTP.Verificados os registros dos usuários: 5608 / Subcontrato Brum (F-41 - avaliação inicial de 15/08/13; F-50 Ficha de Evolução e Desempenho CHTP de 19/08/13,25/11/2014;20/01/2015-atualmente em Prontuário Eletrônico), 3574 / Subcontrato Serena/fitilho ((F-41 - avaliação inicial de 12/04/13; F-50 Ficha de Evolução e Desempenho CHTP de 01/12/2014-frequência alterada de anual para semestral), 2755 / Marcenaria (F-50 Ficha de Evolução e Desempenho CHTP de 05/08/2013,15/07/2014) e Subcontrato Serena/ (encaminhada 26/01/15-avaliação com família 04/02/2015- avaliação inicial CHTP 05/02/2015- evolução 05/02/2015). Atas de reunião do setor CHTP de 20/01/15, 24/02/15 e 24/03/15. Oficina Pedagógica (14 á 16 anos) e Oficina Terapêutica (acima de 16 anos): Responsável Claudia Coordenadora das Oficinas. Indicador com tendência negativa no atendimento aos objetivos estabelecidos,sendo verificadas ações para o redirecionamento dos resultados. Documentos: PR 7.12 R.21 Oficina Pedagógica;. Registros: Prontuário Eletrônico;F07-Ata de Reunião;F154-Planejamento de Atividades-Cozinha;F155-Planejamento de Atividades. Responsável: Claudia Coordenadora das Oficinas. Indicadores: % de Faltas, com tendência negativa e ações definidas. Documentos e registros: Oficina Pedagógica: PR 7.12 R.21 Oficina Pedagógica, registros de avaliação inicial e evolução usuário 5162 / oficina pedagógica Grupo IV (inicial em 02/05/2013 e evolução de 03/06/201311/12/2013;24/06/2014;16/12/2014), planejamentos mensais de atividades e de atividades de cozinha de Janeiro, Fevereiro, Março e Abril 2015 Grupo IV,, verificados os registros de avaliação inicial e evolução semestral dos usuários. Oficina terapêutica: PR 7.06 R.15 Oficina Terapêutica, verificados os usuários da Oficina Terapêutica Grupo I (11 usuários, ex. 3224), verificados os registros de avaliação inicial e evolução semestral dos usuários da Oficina Terapêutica Grupo I: 3224-avaliação inicial 03/09/2014- evolução em 01/12/2014, atas de reunião Oficina Terapêutica e Pedagógica de 26/03/15 e 26/02/15 e 19/01/15. planejamentos mensais de atividades e de atividades de cozinha de Janeiro, Fevereiro, Março e Abril 2015 Grupo I Apoios de atividades ligadas a saúde: Educação Física Serviço Social (+ triagem) Psicologia (+ triagem): Responsável Sr. Sarah Educação Física, Luciana e Natalina Coordenadora de Assistência Social, Ana Carolina - Psicóloga. Indicador não definido. Documentos: PR 7.10 R.16 Educação Física; PR 7.02 R.19 Serviço Social; PR 7.01 R.17-Triagem;. PR7.04 revisão 13-Psicologia. Registros: Planejamento Anual Educação Física: Plano de Aula Educação Física;Diário de Classe Educação Física Fichas de CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 3 de 7

4 Avaliação e Evolução Educação Física; Lista de Espera Educação Física; F147-Anamnese Psicológico;Registros de Atendimento da Assistência Social;Ata de Reunião Oficina Pedagógica; Registros Anamnese Psicológica;Registro de Devolutiva-Psicologia; F101-Registro de Curso-Sala das Mães;F176- Plano de Treinamento de Educação Física; F175-Plano de Aula Bimestral; F60-Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física.Educação Física:, Verificado Planejamento Anual Educação Física Educação Física, planos de aula 2º. Bimestre Abril / Maio 2015, fichas de avaliação e evolução educação física dos usuários: 3619 / grupo TAB10 / 06/04/15-atualização de prontuário de 18/03/2014 e 07/04/2014. Verificada F07 -Ata de Reunião de Setor de 22/04/2015.Serviço Social:, Verificados registros de atendimento da Assistência Social aos usuários: 6408 (triagem),5217 (atendimento individualizado /visita domiciliar); 2895 (atendimento individualizado) Verificados registros de curso sala das mães: 09/03/2015. Verificada F07 -Ata de Reunião de Setor de 22/04/2015 e 15/04/2015.Psicologia:, verificados o registros Anamnese Psicológica 0 a 4 anos usuário 6783 realizada em 30/04/2013; aluno a 16 anos avaliação cognitiva. Verificadas F07-Atas de Reunião da Psicologia na Oficina Pedagógica e Oficina Terapêutica e do Setor Escolar 22/04/2015. Estimulação Básica:Estimulação Essencial (0 a 4 anos) / Bem me Quer (4 á 6 anos) e TAB: Responsável Sr.a Camila- Coordenadora da Estimulação. Indicador com tendência negativa no atendimento aos objetivos estabelecidos,sendo verificadas ações para o redirecionamento dos resultados. Documentos: PR 7.07 R20 Estimulação básica; PR7.01 rev.17-triagem. Registros:F166-Planejamento de Atividades- Estimulação Básica;LXX- Conteúdos de Trabalhos; F74-Registros de Treinamento.Verificados os registros de avaliação de estimulação essencial da criança 6783 início na EE em 06/08/2013 (2 x semana)- Reunião interdisciplinar de 14/08/2013-1ª. Evolução em 12/12/2013 e evolução 25/07/2014;17/12/2014; relatório de evolução da criança 6408 participante do grupo de Estimulação Básica (BMQ) nível 1-avaliação inicial em 05/03/2015-reunião interdisciplinar em 12/03/2015, 15/03/2015 (23/03/2015). O grupo TAB está descontinuado.verificada Ata de Reunião de Setor 27/03/15; 20/03/2015; 13/03/2015;06/03/2015. Almoxarifado + Aquisição (Nutrição): Responsável Edilene Almoxarife, Caroline - Nutricionista. Indicadores com tendência positiva no atendimento aos objetivos estabelecidos. Documentos: PR 7.22 R10, MPB7.01rev.04, Lista de Fornecedor Aceitável. Registros:Pedido de Compra; Registro de Verificação de Material no sistema Informatizado Mega; F96-Relatório de Visita a Fornecedores; F153-Agenda de Avaliação de Fornecedores;Avaliação de fornecedores IQF no SI. Analisada a sistemática e os registros de aquisição, qualificação e avaliação de fornecedores, controle de estoque, armazenamento, preservação e inspeção de recebimento para: Geléia de morango-validade 10/05/2016 (produto de doação devidamente armazenado); Hamburguer validade maio/2015-recebido em 19/03/2015-NF 181-fornecedor Mercado Coletta-pedido de compra ;. Verificados registros de monitoramento de temperatura do refrigerador 01 e freezer 01 de armazenamento de carnes, hortifruti e alimentos refrigerados do período de 01 a 27/04/15. Recursos Humanos(RH): Responsável Sr.a Josiane Assistente Adm. Indicadores com tendência negativa no atendimento aos objetivos estabelecidos,sendo verificadas ações para o redirecionamento dos resultados. Documentos: PR 6.01 R11; F013-Mapa de Habilidades e Competências; F13-Mapa de Habilidades e Competências. Registros:F122-Solicitação de Contratação/Alteração de Função; F113- Avaliação de Competência; F151-Avaliação Anual do Colaborador;F69-Solicitação de Treinamento;F74- Registro de Treinamento;F73-Avaliação de Eficácia de Treinamento.Analisada a definição das competências e os registros que comprovam o atendimento das mesmas para os funcionários: CNC Coordenador de Estimulação Básica; CCLT- Nutricionista; CC- Terapeuta Ocupacional/ Coordenador de Oficinas e CHTP; AG-RD/Administrador. Analisada a sistemática e os registros de planejamento, realização e avaliação de eficácia dos treinamentos:integração Sensorial; Reabilitação Neuropsicológica na Prática Clínica;Escala Wasi Abreviada de Inteligência;Crises Epiléticas e Convulsão. Controle de Documentos e Registros: Responsável Sr.a Joice. Indicador não definido. Documentos: PR 4.01 R.13; PR 4.02 R.07. Registros: L01-Lista Mestra de Documentos Internos, L03-Lista Mestra de Controle de Instruções de Trabalho;L02- Lista Mestra de Documentos Externos; L52-Lista Mestra de Controle de Registros Virtuais. Analisada a sistemática e os registros de controle dos documentos e registros internos vistos durante esta auditoria.analisada a sistemática e os registros de controle dos seguintes documentos externos:resolução SE 98 e Decreto Analisada a sistemática e os registros de realização do backup. Controle de equipamentos de medição: Responsável Sr.a Joice. Indicador não definido. Documentos: PR 7.27 R.06. Registros: F92-Planilha de Controle de Calibração de Dispositivos de Medição;F170-Tabela de Aprovação dos Dispositivos de Medição.;Certificados de Calibração dos Instrumentos e seus CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 4 de 7

5 Padrões.Analisada a sistemática e os registros de calibração(incluindo rastreabilidade dos padrões) para os instrumentos: Termômetro TER11-certificado de calibração nº 001/486 ; Termômetro TER12-certificado de calibração nº 003/486. Iracemápolis: Rua Pedro Chinelatto, Centro - Iracemápolis - SP Reabilitação (Fisioterapia/Fonoaudiologia/Terapia Ocupacional): Responsável Sra Sara Campos Terapeuta Ocupacional, Caroline Fonoaudióloga, Audria Fisioterapeuta. Indicador com tendência negativa no atendimento aos objetivos estabelecidos,sendo verificadas ações para o redirecionamento dos resultados. Documentos: PR7.05 revisão 14-Fisioterapia; PR 7.08 R15 Terapia Ocupacional; PR 7.03 R.17 Fonoaudiologia;. Registros:Registro de Triagem Terapia Ocupacional;Registro de Evolução Terapia Ocupacional; Protocolo de Atendimento Terapia Ocupacional;Registro de Triagem Fonoterapia;Registro de Evolução Fonoterapia; Registro de Triagem Fisioterapia;Registro de Evolução Fisioterapia.;Prontuário Eletrônico.Fonoaudiologia: Verificados registros de triagem e evolução Fono do usuário: 6608 (triagem 07/08/2012, evoluções semestrais: Fase 2(08/10/2012; 26/04/2013;29/10/2013;08/10/2014 e alta por evolução em 17/04/2015: e Fase 3: 08/10/2012; 26/04/2013;29/10/2013;08/10/2014 e 17/04/2015). Verificados registros de reunião Interdisciplinar realizada em frequência semanal-23/4/2015.fisioterapia: verificados registros de triagem e evolução Fisio do usuário: 7057 (triagem 02/10/14, início em 24/10/14; atualização de prontuário em 27/11/14 e evolução em 02/02/15). Verificados registros de reunião Interdisciplinar realizada em frequência semanal-23/4/2015.terapia Ocupacional:, Verificados os controles referentes ao usuário 6987 triagem e avaliação inicial em 18/07/2014 conforme protocolo Fase 2 e Fase 3- início em 12/08/2014- registros desses atendimentos realizados em 02/09/2014 e 23/04/2015- evoluções em 03/11/2014. Verificados registros de reunião Interdisciplinar realizada em frequência semanal- 23/4/2015. CHTP acima de 16 anos: Responsável Responsável Sra Sara Campos Terapeuta Ocupacional. Indicador com tendência positiva no atendimento aos objetivos estabelecidos Documentos: PR 7.11 R10 CHTP. Registros: Sistema Prontuário Eletrônico;. F-41 - Avaliação Inicial; F-50 Ficha de Evolução e Desempenho CHTP; Atas de reunião do setor CHTP. Verificados os registros dos usuários: 5840 / Separação de Jornal (F-41 - avaliação inicial de 01/12/2014- acompanhamento em 26/02/2015-alteração de frequência de atendimento em 02/03/2015, Atas de reunião do setor CHTP de 26/03/2015 e 10/04/2015. Ações corretivas propostas pelo cliente para não conformidades menores deixadas nesta auditoria: Veja Capítulo 7 deste relatório para informações. 7. -Conformidades -Conformidade Maior Menor Processo/área: Item e Norma de Referência: Documento Ref.: Versão do Doc. Ref.: Constatação, evidência(s), requisito: Cliente Propôs Ação(ões) para Encaminhar -Conformidade(s) Menor(es) Declaradas nesta Auditoria: As -Conformidades detalhadas neste relatório devem ser tratadas pela organização auditada, de acordo com seu próprio procedimento de ação corretiva, observando os requisitos relevantes de ação corretiva da(s) norma(s) de referência, incluindo ações para analisar a causa da não-conformidade e prevenir a reocorrência e a manutenção dos registros aplicáveis. CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 5 de 7

6 Ações Corretivas para tratar -Conformidade(s) Maior (es) identificada(s) neste relatório devem ser implantadas imediatamente incluindo uma análise de causa, informando a SGS em até 30 dias da data desta auditoria. Um auditor da SGS fará uma Visita Extra de Follow-up em até 90 dias para confirmar a implantação e eficácia das ações corretivas e determinar a continuidade do processo de certificação. Ações Corretivas para tratar -Conformidade(s) Maior (es) identificada(s) neste relatório devem ser implantadas imediatamente incluindo uma análise de causa e os respectivos registros que evidenciam a implantação devem ser enviados ao Auditor da SGS para fechamento em até 90 dias. No caso de auditorias de manutenção, ações corretivas para tratar -Conformidade(s) Menor(es) identificada(s) neste relatório incluindo uma análise de causa, podem ser documentadas em um plano de ação e enviadas pelo cliente para o auditor da SGS para análise crítica; o prazo recomendado para tal é de 90 dias. Em sendo consideradas satisfatórias, na próxima visita de acompanhamento a eficácia das ações corretivas implementadas deverá ser verificada. Ações Corretivas para tratar -Conformidade(s) Menor(es) identificada(s) incluindo uma análise de causa neste relatório foram detalhadas em um plano de ação, submetido para análise crítica do auditor da SGS. Em sendo consideradas satisfatórias as ações propostas, na próxima visita de acompanhamento a eficácia das ações corretivas implementadas deverá ser verificada. Apropriadas análises das causas e imediatas ações corretivas e preventivas que foram tomadas em resposta para cada não-conformidade, conforme requerido. Nota 1: Para auditorias iniciais, de extensão de escopo e de recertificação: a recomendação para a certificação não pode ser feita a menos que a opção 4 (acima) esteja completa, ou seja, que as informações dos planos de ação aceitos estejam registrados. Em casos de recertificação, o tempo indicado para fechamento de SAC s maiores poderá ser reduzido, com o propósito de que a decisão de certificação seja tomada antes de expirar a validade do certificado atual. Nota 2: Na próxima visita de acompanhamento, os auditores da SGS confirmarão a eficácia das ações corretivas implementadas para todas as não conformidades menores identificadas neste relatório. 8. Comentários gerais e oportunidades de melhoria OBS01-COS: <8.2.2>:Poderia estar mais claro qual é o nível de educação requerido para o auditor interno. OBS02-COS: <8.5>:Poderiam estar mais claras as análises de causa das ações preventivas bem como as ações corretivas. OBS03-COS:<6.2.2>:Poderia estar mais clara a necessidade do F069 para treinamentos internos OBS04-COS:<6.2.2>:Poderia estar mais clara a sistemática de registro de treinamentos externos de curta duração,mas que geram impacto no SGQ. OBS05-COS:<6.2.2>:Poderia estar mais clara a sistemática de gestão dos treinamentos (solicitação x realização x avaliação de eficácia) OBS06-COS:<7.6>:poderia estar mais clara a rastreabilidade dos padrões a fim de garantir a compatibilidade entre a faixa de calibração dos mesmos e do instrumento a ser calibrado. OBS07-COS:<8.4>:Poderiam estar mais bem definida a sistemática de análise de dados a fim de garantir que todos os indicadores fora da meta foram analisados e devidamente tratados. 9. Registro de Freqüência de Reuniões de Abertura e Fechamento Nome Função Abertura Fechamento 27/04/ /04/2015 Adalberto Gaib Administrador e RD X X Ana Carolina Rossini Psicóloga X X CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 6 de 7

7 Bruna Barel Terapeuta Ocupacional Cacilda Silveira dos Santos Diretora de Escola X X Caroline Terossi Nutricionista X Clélia Alfredo Assistente Social Cláudia Cantowitz Coordenadora CHTP X X Cláudia Conforti de Oliveira Assistente Administrativo Creusa Bonetti Fisioterapeuta X X Daniela Proença Psicóloga Daniela Esteves Juliano Educação física X Edilene Stahl Almoxarifado X Elizandra Vaz Jane Elisabeth Jessika de Souza Assist,Social Coordenadora Terapêutica Assistente Administrativo CQ Joice Santana Qualidade X X Josiane Bianchi Gonçalves da Silva Assistente de RH X Luciana Mercadante Soares Supervisora de Telemarketing X X Márcia Bertoncimi Terapia Ocupacional X Maria Emília Rigatto Fonoaudióloga X Maria Rosilene Terapeuta Ocupacional X Marisa Donatti Terapeuta Ocupacional Natalina Gardinalli Assistente Social X Paula Regina Psicóloga Rodrigo de Campos Rodrigues Coordenador de Educação Física X Rosmary Aparecida Zerbato Silva Assistente Social X Taís Massaro de Lima Rosângela Geallina Enfermeira Fonoaudióloga Gostaríamos de receber seus comentários sobre nosso trabalho, assim solicitamos o preenchimento da pesquisa de satisfação via WEB através do endereço que segue: CONFIDENCIAL Documento: GS0304_BR_EST2 Revisão n : 15C Pg n : 7 de 7

Relatório de Auditoria

Relatório de Auditoria 1. Período de Auditoria: de 20/10/2014 a 31/10/2014 A auditoria interna ocorreu conforme planejado, de forma que todos os setores se mostraram dispostos a colaborar no processo de realização da mesma,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA Página 1 de 15 Participantes: Mario Pereira - Diretor Fabril Magna Moraes - Gerente RH Wando Rosa - Gerente Produção Karen - CIPA Daniel Miranda - Representante Trabalhadores SA8000 Rodrigo Barbosa - Representante

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda Dinatec Industria e Comercio Ltda Autor do relatório Francois Andre Martinot Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Introdução Relatório de Auditoria Este relatório foi compilado por Francois Andre Martinot

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: MUNICÍPIO DE CANTANHEDE Praça Marquês de Marialva 3060-133 Cantanhede Representante: Drª Helena Teodósio Sede, Armazém e Estaleiro,

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa:

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa: 4. (b) Foi definido claramente o(s) subsetore(s) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Não foi definido o subsetor e o tipo de obra abrangido pelo Sistema de Gestão pela Qualidade.

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica GOIÁS (SEAC-GO) Rua dos Bombeiros, Qd. 248, Lt. 12, 14 e 15 Parque Amazônia-Goiânia-GO CEP: 74835-210 CNPJ: 02.552.768/0001-01 Telefone: (62) 3218-5946 / 3218-5330 Pessoa de Contato: Rousilene Correa de

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2006/2010 (Janeiro 2009)

AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2006/2010 (Janeiro 2009) AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2006/2010 (Janeiro 2009) CONSIDERAÇÕES: Este documento objetiva avaliar a execução das ações propostas no planejamento estratégico, providências e resultados alcançados

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula Plano de Aula - Sistema de Gestão da - cód. 5325 Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos e Fundamentos da Aula 2 1 - Aula 3 1 - Aula 4 1 - Aula 5 Capítulo 2 - Ferramentas da Aula 6 2 - Ferramentas da Aula 7 2 -

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... MANUAL DA QUALIDADE Pág.: 1 de 21 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESCOPO E EXCLUSÕES DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1. Requisitos

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

Principais Normas da Série 9000

Principais Normas da Série 9000 NBR ISO 9001 e as Auditorias da Qualidade Profa Dra. Rejane Tubino SATC 2013 1 Principais Normas da Série 9000 ISO 9000 Conceitos e Definições CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Gestão da Qualidade (Requisitos) PAR

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica TRANSPORTE DE VALORES E DE CURSOS DE FORMAÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS (SINDESP-GO) Rua dos Bombeiros, Qd. 248 - Lts. 12, 14 e 15 Parque Amazônia-Goiânia-GO CEP: 74835-210 CNPJ: 33.376.906/0001-64 Telefone:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF SISTEMA ISO 9000 Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF Por que trabalhar com qualidade? Porque para começar a pensar em ser competitivo, é necessário fazer corretamente: na primeira vez, todas as vezes

Leia mais

ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema

ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema Anexos ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema 309 Diagnóstico da Empresa para a Qualidade Identificação PLAN. 01/01 Data do Diagnóstico: Folha Nº: O presente diagnóstico deve ser aplicado aos escopos

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais