NP EN ISO 9001:2008. Rua 25 de Abril, nº1, R/C Esq., Tavira. Tel.:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NP EN ISO 9001:2008. Rua 25 de Abril, nº1, R/C Esq., 8800-427 Tavira. Tel.: + 351 281 380 620 E-mail: geral@taviraverde.pt"

Transcrição

1 MANUA ANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO Norma de referência: Âmbito de aplicação: NP EN ISO 9001:2008 Gestão, exploração, manutenção e conservação dos sistemas públicos de distribuição de água para consumo público; recolha e rejeição de águas residuais domésticas; recolha e transporte de resíduos sólidos urbanos; higiene e limpeza pública; manutenção, construção e gestão de espaços verdes, bem como outras prestações de serviços referentes à promoção da qualidade ambiental na área do município de Tavira. Exclusão do Âmbito: Considerou-se a exclusão da sub-cláusula validação dos processos de produção e de fornecimento do serviço, por não existirem processos de produção e de fornecimento do serviço em que a saída resultante não possa ser verificada. Contactos: Rua 25 de Abril, nº1, R/C Esq., Tavira Tel.: Fax: url: Exemplar controlado n.º 1 Edição n.º 9 Exemplar não controlado

2 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 2/33 Esta página autêntica a presente edição do Manual do Sistema de Gestão, através das assinaturas dos responsáveis pela sua elaboração e aprovação (Quadro I). Apresenta, também, o estado de actualização do mesmo (Quadro II) e a lista de detentores de exemplares controlados (Quadro III), a quem são obrigatoriamente distribuídos exemplares actualizados, decorrentes de edições. QUADRO I Elaboração e aprovação. Nome Função Assinatura Elaborado por Jani Santos Gestor do Sistema Verificado por António Chaves Ramos Administrador Executivo Aprovado por Jaime Costa Presidente do Conselho de Administração QUADRO II Estado de actualização do 1º Capitulo do Manual do Sistema de Gestão. Versão Descrição Data 1 Edição original Adequação do Organigrama à nova estrutura funcional (DME) e clara definição das áreas sujeitas a subcontratação Adequação à versão da ISO 9001:2008 e pequenos ajustes no texto Alteração do Organigrama à nova estrutura funcional (DME). Adequação da apresentação da empresa à actualidade e realização de pequenos ajustes no texto. Adequação da apresentação da empresa, face aos resultados das auditorias de acompanhamento e realização de pequenos ajustes no texto. Introdução de novas Instruções de Trabalho (Concepção Interna de Projectos e Reposição de Pavimentos). Introdução de novas Instruções de Trabalho (Processo Individual do Colaborador e Instalação e Desmontagem de Contadores). Inclusão, na apresentação da empresa, da referência à renovação da certificação. Introdução de novo Procedimento de Sistema (Trabalho Suplementar) e de nova Instrução de Trabalho (Serviço de Piquete). Referência à auditoria de acompanhamento de Correcção, no organigrama funcional, da designação da secção ETA/EEAA do DME, para ETA. Correcção das designações das funções da Administração, no seguimento da alteração do organigrama funcional (OM01-PS/14) QUADRO III Lista de distribuição de exemplares controlados. Exemplar n.º Descrição 1 Original Departamento da Qualidade, Ambiente e Segurança

3 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 3/33 O Manual do Sistema de Gestão é do conhecimento de todos os colaboradores e encontra-se disponível para consulta.

4 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 4/33 DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS AE: Administrador Executivo ADE: Administração Executiva DAF: Direcção Administrativa e Financeira DME: Departamento de Manutenção de Equipamentos DOR: Direcção de Operação de Redes DPO: Direcção de Planeamento e Obras DQAS: Departamento de Qualidade, Ambiente e Segurança DRLJ: Direcção de Recolha, Limpeza e Jardins EMM: Equipamentos de Monitorização e Medição ERSAR: Entidade Reguladora de Águas e Resíduos GS: Gestor do Sistema IT: Instrução de Trabalho MSG: Manual do Sistema de Gestão P: Processo PC: Ponto de Controlo PCA: Presidente do Conselho de Administração PS: Procedimento SG: Sistema de Gestão TE: Template/Impresso

5 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 5/33 ÍNDICE 1. Promulgação Apresentação da Taviraverde Organização Sistema de Gestão Requisitos Gerais Requisitos da Documentação Responsabilidade da Gestão Comprometimento da Gestão Focalização no Cliente Política da Qualidade Planeamento Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Revisão pela Gestão Gestão de Recursos Provisão de Recursos Recursos Humanos Infraestrutura Ambiente de Trabalho Realização do Produto Planeamento da Realização do Produto Processos Relacionados com o Cliente Concepção e Desenvolvimento Compras Produção e Fornecimento do Serviço Controlo dos Dispositivos de Monitorização e Medição Medição, Análise e Melhoria Generalidades Monitorização e Medição Controlo do Produto Não Conforme Análise de Dados Melhoria Matriz de correspondência entre os requisitos da norma e a documentação do SG 32

6 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 6/33 1. Promulgação O presente Manual apresenta e descreve o Sistema de Gestão implementado na Taviraverde e está orientado para a satisfação dos clientes e para a melhoria contínua do seu desempenho. A Administração da Taviraverde compromete-se a cumprir os requisitos do cliente, da norma NP EN ISO 9001:2008, bem como outros requisitos estatutários e regulamentares aplicáveis à sua actividade. Assegura, também, a disponibilização de todos os recursos humanos e materiais necessários ao bom funcionamento da organização, de forma a concretizar a Política e os Objectivos da Qualidade estabelecidos. A Administração da Taviraverde designa, em reunião da revisão pela gestão, o Gestor do Sistema como responsável pelo acompanhamento e melhoria do SG. Este Manual fornece orientações para a execução das tarefas e actividades da Taviraverde, devendo ser seguido por todos os colaboradores. A Administração

7 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 7/33 2. Apresentação da Taviraverde Denominação Jurídica Morada e Sede Telefone Fax Taviraverde Empresa Municipal de Ambiente, E.M. Rua 25 de Abril, nº 1, R/C Esq., Tavira Numero de Identificação Fiscal Actividade Principal (CAE) Distribuição de Água A Taviraverde Empresa Municipal de Ambiente, E.M. foi criada ao abrigo da Lei nº 58/98 de 18 de Agosto e deu início à sua actividade no dia 01 de Março de A missão institucional da empresa é contribuir e promover a adequada gestão de águas de abastecimento público, águas residuais e resíduos urbanos no Concelho de Tavira. A Taviraverde, E.M. é uma empresa municipal de capitais maioritariamente públicos, que goza de personalidade jurídica e é dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial. Rege-se pela lei das empresas municipais, intermunicipais e regionais, pelos seus estatutos e, subsidiariamente pelo regime das empresas públicas e, no que não estiver especialmente regulado, pelas normas aplicáveis às sociedades comerciais. Neste âmbito, a Câmara Municipal de Tavira constituiu a parceria público-privada com os parceiros AGS, Hidurbe e Agetav com capital social de , detido maioritariamente pela autarquia. No final de 2006 esta estrutura accionista sofre uma alteração pela venda da participação da Agetav à AGS, sendo actualmente composta por: 51% - Câmara Municipal de Tavira. Já com alguns departamentos Certificados em Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); 36,75% - AGS Administração e Gestão de Sistemas de Salubridade, S.A. Certificada em Qualidade, Ambiente e Segurança (NP EN ISO 9001:2000; NP EN ISO 14001:2004; NP 4397:2001); 12,25% - Hidurbe Gestão de Resíduos, S.A. Certificada em Qualidade, Ambiente (NP EN ISO 9001:2000; NP EN ISO 14001:2004). Em 2006, a Taviraverde, E.M., por protocolo celebrado com a Autarquia, passa a incluir nas suas actividades a gestão de espaços verdes do Concelho. No âmbito das sua atribuições, a Taviraverde é responsável pelas actividades de ampliação, renovação, manutenção e exploração de: Sistema municipal de águas de abastecimento público, fornecido em alta pela empresa Águas do Algarve, S.A. a partir da ETA de Tavira, para os reservatórios de Perogil, Cruz do Areal, Cumeada, Santo Estêvão, Malhão e Fonte do Bispo; captação e tratamento de água próprios, para os reservatórios de Cachopo, Feiteira, Mealha, Carrapateira, Faz Fato, Estorninhos, Bengado e Morenos; Sistema municipal de recolha e tratamento de águas residuais, entregues às Águas do Algarve S.A. na ETAR da Almargem; tratamento de águas residuais efectuado também em ETAR próprias, como Santa Catarina, Mealha, Feiteira, Carrapateira, Casas Baixas, Bengado, Porto Carvalhoso e Morenos. Sistema municipal de recolha, transporte e encaminhamento a aterro de resíduos sólidos urbanos (RSU) produzidos no Concelho, entregues na estação de transferência de Tavira da ALGAR S.A.; Limpeza urbana, que abrange os serviços de varredura manual, mecânica e controle de ervas infestantes em todas as freguesias concelhias;

8 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 8/33 Espaços verdes urbanos, que abrange a criação e manutenção de espaços verdes do concelho. Com objectivos estratégicos definidos e orientados para uma gestão financeira rigorosa, qualidade dos serviços prestados e satisfação do cliente, a Taviraverde, E.M. mune-se ainda de planos anuais de actividades, detalhados em várias acções mensuráveis e monitorizadas mensalmente, para controlo e seguimento da gestão de actividades, de onde se destacam: Controlo de perdas de água Diminuição de infiltrações nas redes de saneamento Aumento da reciclagem de resíduos Controlo do Plano de Investimentos Melhoria da Qualidade de serviços A TaviraVerde, E.M., desde a sua constituição, procura acompanhar o desenvolvimento e crescimento do Concelho de Tavira, tentando responder da forma mais adequada aos desafios ambientais que se impõem, procurando investir nas melhores soluções tecnológicas, visando a optimização de meios e a melhoria continua da qualidade dos serviços prestados. A opção da empresa em certificar o Sistema de Gestão de Qualidade pela norma ISO 9001, reforça a garantia de um elevado nível de qualidade no fornecimento de produtos e serviços aos seus clientes e partes interessadas. Este objectivo foi alcançado em 2008, com a atribuição, por parte da APCER do certificado CEP nº 2345/2008. O SGQ foi novamente auditado pela APCER em 2009 e 2010, no âmbito do seguimento ao processo de certificação, tendo sido considerado que continua em conformidade com os requisitos normativos e em crescente melhoria, pelo que conseguiu a transposição da certificação de acordo com o novo referencial normativo, a NP EN ISO 9001:2008. Em 2011, sofreu uma Auditora de Renovação, tendo sido concedida a renovação da certificação. Em 2012 e 2013, foi auditado novamente, mantendo-se a conformidade com a norma de referência.

9 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 9/33 3. Organização A Taviraverde estabeleceu o seguinte organigrama (Figura 1), de forma a clarificar no seio da organização a estrutura orgânica da empresa. Foram definidas as responsabilidades e autoridades para cada uma das funções da Taviraverde, bem como as competências necessárias, que estão descritas nas Fichas de Função e são do conhecimento de todos os colaboradores.

10 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 10/33 Administração Executiva (ADE) Assessoria Jurídica (AJ) Departamento de Qualidade, Ambiente e Segurança (DQAS) Direcção Administrativa e Financeira (DAF) Direcção de Operações de Redes (DOR) Direcção de Recolha, Limpeza e Jardins (DRLJ) Direcção de Planeamento e Obras (DPO) Departamento de Manutenção de Equipamentos (DME) Departamento Comercial Secção de Redes Secção de Recolha Secção Contadores Secção de ETA Secção de Limpeza Secção de Projectos e Obras Secção de ETAR e EEAR Secção de Jardins Armazém Oficina Figura 1 Organigrama da Taviraverde

11 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 11/33 4. Sistema de Gestão 4.1. Requisitos Gerais O Sistema de Gestão implementado na Taviraverde baseia-se numa abordagem por processos, tendo sido identificados os seguintes: Processo de Gestão da Organização (P 01); Processo Comercial (P 02); Processo de Planeamento e Obras (P 03); Processo de Redes de Abastecimento e Saneamento (P 04); Processo de Recolha, Limpeza e Jardins (P 05); Processo de Recursos Humanos (P 06); Processo de Gestão da Documentação (P 07); Processo de Melhoria Contínua (P 08); Processo de Controlo de Equipamento e EMM (P 09); Processo de Contadores (P 10); Como forma de garantir o bom desempenho e o controlo dos processos, de modo a alcançar os resultados pretendidos, a Taviraverde estabeleceu: a sequência e interacção dos seus processos principais (Figura 2); os critérios, pontos de controlo e métodos para a operação e controlo dos processos; os recursos necessários à operação e monitorização dos processos; as acções necessárias para identificar oportunidades de melhoria e a melhoria contínua do SQ. Foram ainda estabelecidas as acções de controlo a efectuar sobre os subcontratados (projectistas, empreiteiros e entidades de fiscalização), que realizam actividades que integram processos da responsabilidade da Taviraverde; desta forma foi dada especial atenção aos seguintes processos: Processo de Planeamento e Obras (P 03); Processo de Redes de Abastecimento e Saneamento (P 04);

12 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 12/33 Figura 2 Processos principais e suas interrelações. 4. Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos do mercado cliente P 07 Gestão da Documentação Documentação de Suporte 5. Responsabilidade da Gestão 6. Gestão de Recursos Humanos Planeamento, Objectivos P 01-Processo de Gestão da Organização P 06-Processo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos M E R C A D O C L I E N T E 7. Processos de Realização do Produto Requisitos do Produto / Serviço P 02 Processo Comercial P 03 Planeamento e Obras P 04 Processo de Redes de Abastecimento P 05 Recolha, Limpeza e Jardins Fornecimento do Produto / serviço C L I E N T E P 09 Processo de Controlo de Equipamentos e EMM s P 10 Processo de contadores Monitorização dos processos Retorno de informação do cliente Informação ao mercado cliente 8. Processos de Medição, Análise e Melhoria P 08 - Processo de Melhoria Análise de dados Oportunidades de Melhoria

13 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 13/ Requisitos da Documentação Generalidades A documentação do Sistema de Gestão da Taviraverde apresenta a seguinte estrutura: Figura 3 Documentação do SG. NÍVEL I MSG FICHAS DE PROCESSO NÍVEL II PROCEDIMENTOS FICHAS DE FUNÇÃO NÍVEL III INSTRUÇÕES DE TRABALHO NÍVEL IV REGISTOS Nível I Manual do Sistema de Gestão: descreve o Sistema de Gestão, enuncia a Política da Qualidade e os Objectivos, apresenta a estrutura organizacional, identifica os processos principais da Taviraverde e faz referência aos Procedimentos aplicáveis, de acordo com as exigências da norma de referência. As Fichas de Processo descrevem os processos-chave da organização, incluindo o objectivo, o gestor do processo, as entradas e saídas, os indicadores de processo e referência à documentação de suporte. Nível II Procedimentos: detalham a forma como a Taviraverde responde aos requisitos da Norma de referência. As Fichas de Função descrevem as funções desempenhadas pelos colaboradores da Taviraverde, as competências necessárias e a sua posição na organização. Nível III Instruções de Trabalho: descrevem o modo operativo de determinadas tarefas que, pela sua complexidade, exigem um documento específico. Nível IV Registos: Evidenciam as actividades efectuadas e os resultados obtidos.

14 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 14/ Manual do Sistema de Gestão O Manual do Sistema de Gestão tem como objectivo enunciar a Política da Qualidade da Taviraverde, bem como as disposições tomadas em consideração para satisfazer as exigências dos nossos clientes, de outras partes interessadas e da norma NP EN ISO 9001:2008. Descreve o Sistema de Gestão implementado, os Processos estabelecidos e os Procedimentos aplicáveis. O presente Manual abrange todos os produtos e serviços da Taviraverde, devendo ser conhecido e adoptado por todos os colaboradores Paginação do Manual do Sistema de Gestão As páginas do Manual da Qualidade são numeradas sequencialmente no cabeçalho de cada página, indicando também o número total de páginas, apresentando a seguinte estrutura: XX/YY, em que: XX é a numeração sequencial das páginas, e YY representa o número total de páginas Elaboração, aprovação e revisão do Manual do Sistema de Gestão O Manual do Sistema de Gestão é elaborado pelo Gestor do Sistema, verificado pelo Administrador Executivo e aprovado pelo Presidente do Conselho de Administração. É revisto sempre que necessário, de forma a manter a sua adequabilidade no cumprimento das disposições da Norma de referência, sendo a revisão coordenada pelo Gestor do Sistema. O estado de actualização e de autenticação do Manual do Sistema de Gestão é efectuado pelas assinaturas de quem o elabora, verifica e aprova, com o n.º de edição, síntese da alteração e data de edição, na página Distribuição do Manual do Sistema de Gestão A distribuição do Manual do Sistema de Gestão é de responsabilidade do Gestor do Sistema. Cada Manual apresenta, na capa, a indicação do seu tipo (exemplar controlado ou não controlado) e, no caso dos exemplares controlados, o respectivo número. Na página 2 é apresentada a Lista de Distribuição dos Exemplares Controlados (Quadro III). Sempre que exista uma nova edição do Manual do Sistema de Gestão, os exemplares controlados são substituídos pela nova versão. As versões desactualizadas são controladas de acordo com o definido no Mapa de Registos (TE-SG-07) Controlo dos documentos A forma como a Taviraverde procede ao controlo dos documentos, encontra-se descrita no procedimento PS Controlo de Documentos e Registos, que define as regras para a

15 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 15/33 elaboração, controlo e aprovação dos documentos internos, e também para a distribuição, acessibilidade e arquivo de documentos de origem interna ou externa Controlo dos registos O controlo dos registos é descrito no procedimento PS Controlo de Documentos e Registos, o qual define a metodologia de identificação, arquivo, protecção, recuperação e destino final (eliminação/destruição) dos registos relativos ao SG. O Mapa de Registos (TE-SG-07) resume, para cada registo, o local, o tempo e as responsabilidades pelo arquivo morto, bem com a forma de eliminação e o responsável pela mesma. O arquivo vivo está definido em cada um dos procedimentos e instruções de trabalho.

16 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 16/33 5. Responsabilidade da Gestão 5.1. Comprometimento da Gestão O envolvimento da Administração na implementação, manutenção e melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão, é demonstrado na promulgação deste Manual. Toda a informação relativa aos requisitos do cliente e aos requisitos legais e regulamentares aplicáveis às actividades da Taviraverde, foi tida em conta na concepção e desenvolvimento do Sistema, bem como na definição da Política e dos Objectivos da Qualidade. Anualmente, na Revisão pela Gestão, é avaliado o desempenho do SG, sendo estabelecidas novas metas. São igualmente planeados e disponibilizados os recursos necessários ao adequado funcionamento das actividades que afectam a qualidade e a satisfação dos clientes Focalização no Cliente A Taviraverde investe numa correcta identificação das necessidades e expectativas dos seus clientes, de forma a obter a sua total satisfação. Este facto revela-se de extrema importância no processo comercial (PS Comercial e restante documentação relacionada), sendo dada especial importância à solicitação do cliente e à capacidade de a empresa cumprir essas solicitações, nomeadamente quanto à rapidez de processamento dos pedidos e respectiva entrega. A Taviraverde realiza inquéritos aos seus clientes, como forma de avaliar o grau de satisfação e detectar oportunidades de melhoria; é ainda disponibilizado no departamento comercial um formulário para apresentação de sugestões Política da Qualidade Objecto A TAVIRAVERDE - EMPRESA MUNICIPAL DE AMBIENTE, E.M. iniciou a sua actividade em Março de 2005, tendo como principal objecto: i) gestão, exploração, manutenção e conservação dos sistemas públicos de distribuição de água para consumo publico; ii) recolha e rejeição de águas residuais domésticas; iii) recolha e transporte de resíduos sólidos urbanos; iv) higiene e limpeza pública; v) manutenção, construção e gestão de espaços verdes, bem como outras prestações de serviços referentes à promoção da qualidade ambiental na área do município de Tavira.

17 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 17/33 Missão Satisfazer as necessidades de abastecimento de água, de recolha de águas residuais e de RSU da população do município de Tavira, 365 dias por ano, num quadro de sustentabilidade económica, financeira, técnica, social e ambiental, bem como proporcionar espaços verdes de qualidade. Visão Tendo consciência de que os nossos serviços são prestados em regime de monopólio e que são fundamentais para a qualidade de vida da população e visitantes do concelho de Tavira, temos como desígnio, através da adopção das melhores práticas, mais seguras e ambientalmente adequadas e com o envolvimento de todos os colaboradores e clientes, ser uma empresa com responsabilidades e objectivos claros, de referência na sua área de actuação pelo nível de qualidade dos serviços prestados e do atendimento. Política da Qualidade A Taviraverde adoptou uma estratégia organizacional assente no desenvolvimento sustentável da actividade e dos recursos que lhe são inerentes, permitindo o alcançar dos objectivos empresariais orientados para a satisfação dos clientes, accionistas e outras partes interessadas e na valorização e realização profissional dos colaboradores. Assim, foram estabelecidos como factores de sucesso: Cumprimento dos requisitos dos clientes, legais e estatutários, normativos aplicáveis, plano de negócios e outros que a empresa subscreva; Dotar a empresa de infra-estruturas e meios tecnológicos adequados ao desenvolvimento da actividade, que possibilitem minimizar alterações ao quotidiano dos munícipes e empresas da área de intervenção da Organização; Desenvolvimento da actividade tendo por base uma atitude proactiva na procura e adopção das melhores práticas e consequentemente a melhoria contínua do sistema de gestão da empresa; Focalização no desenvolvimento das competências individuais e no trabalho em equipa para permitir, ao conjunto, atingir níveis elevados de desempenho; Alcançar os resultados de exploração previstos no plano de negócios, de modo a garantir a taxa de rentabilidade do projecto; Sensibilizar e trabalhar preferencialmente com fornecedores que atribuam importância às boas práticas de um sistema de gestão; Divulgar e promover a compreensão da Política da Qualidade a todas as partes interessadas.

18 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 18/ Planeamento Objectivos da Qualidade No seguimento da Política da Qualidade e para que a sua aplicação seja eficaz no seio da Taviraverde, são estabelecidos anualmente pela Administração da empresa, os Objectivos Gerais, que se decompõem em Objectivos Sectoriais. Estes últimos são sustentados pela definição dos respectivos indicadores mensuráveis (Indicador e Meta) e atribuição de responsabilidades de controlo. A definição destes objectivos é suportada pelo Plano de Actividades para o respectivo ano. Os objectivos (Gerais e Sectoriais) são acompanhados periodicamente na Reunião de Coordenação. Estas acções são suportadas pelo P01 Processo de Gestão da Organização Planeamento do Sistema de Gestão Como forma de atingir os resultados pretendidos e manter a integridade do SG, a Taviraverde procede ao planeamento do SG sempre que surjam as seguintes situações: Objectivos gerais para o respectivo ano; Orçamento para o respectivo ano; Plano de Actividades (Objectivos Sectoriais); Possíveis alterações ao SG e/ou processos; Novos serviços ou actividades; Outra informação relevante para a melhoria do SG. Esta informação é considerada como entrada para o planeamento e pode resultar da Revisão pela Gestão e/ou das Reuniões de Coordenação. O planeamento do SG é suportado pela elaboração de Planos de Acção, de acordo com o PS Gestão e Planeamento Estratégico. O planeamento de actividades de carácter periódico, como é o caso da formação, auditorias internas, manutenção e verificação de equipamentos, entre outras, encontram-se descritas nos documentos: PS Gestão e Planeamento Estratégico PS Exploração de Redes de Abastecimento de Água PS Recolha Limpeza Jardins PS Formação PS Auditorias Internas PS Controlo de Qualidade de Águas PS Controlo de Equipamentos e Viaturas PS Controlo de EMM PS Contadores

19 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 19/ Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Responsabilidades e Autoridades Foram estabelecidos o organigrama (Figura 1) e as Fichas de Função (TE-DAF-01) para os colaboradores da Taviraverde, nos quais foram definidas as responsabilidades e autoridades para cada função, bem como as competências mínimas para o seu desempenho. Cada colaborador tem conhecimento da sua função aquando da assinatura do contrato, quando lhe é entregue a Ficha de Função respectiva. As revisões posteriores são também do conhecimento de todos os colaboradores, tal como disposto no PS Controlo de Documentos e Registos Representante da gestão A Administração designou como representante da gestão face ao Sistema de Gestão o Gestor do Sistema Comunicação interna A comunicação interna entre as diferentes direcções, departamentos, secções e funções, sobre assuntos relacionados com os processos, qualidade e melhoria contínua do SG é assegurada pela divulgação da informação aos colaboradores através de: Reuniões periódicas com todos os colaboradores, Sistema informático, com base nas aplicações Workflow, Achiever e , Protocolo de comunicação interna (TE-DAF-07), Afixação em placards, Outras acções informais Revisão pela Gestão A Administração, os Directores e Responsáveis de Departamento, reúnem-se pelo menos uma vez por ano com o objectivo de rever o Sistema de Gestão, assegurando assim que o mesmo se mantém apropriado, adequado e eficaz. Poderá ser solicitada a presença de outros colaboradores na Revisão pela Gestão. Os resultados destas revisões são registados no TE-DAF-03 Acta de Reunião e traduzem as conclusões relativas aos pontos analisados. O PS Gestão e Planeamento Estratégico descreve a forma como se processa a Revisão pela Gestão, bem como as reuniões de seguimento à concretização das acções preconizadas.

20 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 20/33 6. Gestão de Recursos 6.1. Provisão de Recursos A identificação e planeamento da disponibilização de recursos são realizados aquando da Revisão pela Gestão ou sempre que seja necessário efectuar um Planeamento da Qualidade. Assim, a Taviraverde garante atempadamente os recursos humanos e materiais necessários à implementação, manutenção e melhoria do SG, bem como a permanente auscultação e satisfação dos requisitos dos clientes Recursos Humanos A Taviraverde estabeleceu para cada função do SG uma Ficha de Função (TE-DAF-01), onde se encontram descritas as actividades a desempenhar e as competências necessárias. Como forma de assegurar que os colaboradores são conhecedores das competências exigidas à função que desempenham, da relevância e importância das suas actividades e de como estas contribuem para o alcançar dos objectivos da organização, é-lhes apresentada a Ficha de Função (TE- DAF-01). Após tomar conhecimento do seu teor, cada colaborador assina a respectiva Ficha de Competências (TE-DAF-02). Toda a documentação referente a cada colaborador encontra-se em pastas individuais, conforme definido na IT Processo Individual do Colaborador. Aquando da admissão de novos colaboradores, para além da comunicação das funções, através da entrega da respectiva Ficha de Função, é-lhes comunicada a Política da Qualidade e apresentados os Processos, os Procedimentos e Instruções de Trabalho aplicáveis, consoante a posição hierárquica na organização, de acordo com o PS Recrutamento. De forma a garantir a satisfação dos clientes, o cumprimento dos requisitos do Sistema de Gestão e o contínuo aperfeiçoamento dos seus colaboradores, a Taviraverde realiza anualmente um levantamento das necessidades de formação, procurando no mercado as acções de formação mais adequadas para as necessidades detectadas. Após a realização das acções descritas no Plano de Formação (TE-DAF-04), é efectuado o registo, por colaborador, no TE-DAF-20 Registo de Formação e posteriormente, conforme definido, efectuase uma avaliação da eficácia de cada acção realizada. Este processo encontra-se descrito no PS Formação, sendo os registos arquivados nas pastas de Recursos Humanos, conforme definido no Plano de Arquivo da empresa. È ainda efectuado um planeamento anual do trabalho suplementar expectável nos serviços de Recolha e Limpeza e também no serviço de Piquete, conforme definido no PS Trabalho Suplementar e IT Serviço de Piquete, de forma a disciplinar a afectação de recursos humanos nesses sectores. Para os restantes sectores, o PS tipifica as situações em que é admitido o trabalho suplementar e define as regras para a sua realização, de forma controlada e limitada.

21 Edição n.º: 9 Data: Pág. n.º 21/ Infraestrutura A Taviraverde, na sua procura contínua de melhoramento dos serviços prestados, do alcançar da satisfação dos clientes e das necessidades dos seus colaboradores para realizarem as actividades estabelecidas, tem desenvolvido acções de adequação de todos os seus equipamentos relacionados com os processos críticos. Estas acções envolvem uma constante melhoria das instalações, equipamentos administrativos, equipamentos de trabalho e equipamentos de transporte, sendo a gestão e o planeamento suportado pelos seguintes documentos: PS Exploração de Redes de Abastecimento de Água IT Manutenção de Válvulas PS Recolha, Limpeza e Jardins IT Recolha PS Controlo de Equipamentos e Viaturas IT Manutenção de EEAR IT Manutenção de EEAA IT Boas Práticas de Condução IT Gestão e Manutenção de ETAR IT Gestão e Manutenção de ETA PS Contadores 6.4. Ambiente de Trabalho As condições de trabalho da Taviraverde estão adaptadas de forma a obter a conformidade do produto e do serviço prestado. A Taviraverde aplica a regulamentação em vigor no que respeita às condições de higiene, segurança e medicina no trabalho. Neste sentido, estabeleceu uma parceria com uma empresa especialista na área, para a realização da prestação do serviço relacionada com a medicina no trabalho e fiscalização anual às condições de higiene e segurança. Além desta parceria, foi destacado um colaborador interno com a devida especialização, para acumular a função de Técnico Superior de Higiene e Segurança, que acompanha e desenvolve acções de fiscalização e formação junto dos colaboradores.

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Referente ao período de janeiro a dezembro de 2014 Município de Terras de Bouro Elaborado em 29 de janeiro de 2015 janeiro de 2013 MUNICÍPIO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Helena Ferreira (helena.ferreira@apcer.pt) Gestora de Desenvolvimento da APCER I. APRESENTAÇÃO DA APCER www.apcer.pt 1. Quem Somos Início de actividade

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NP EN ISO 9001:2008 CAPITULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES ÍNDICE 1. ESTRUTURA

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. Código: Edição: Data: Página: MQ.DQ.01 04 22.03.2010 1 de 15 MANUAL DA QUALIDADE.

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. Código: Edição: Data: Página: MQ.DQ.01 04 22.03.2010 1 de 15 MANUAL DA QUALIDADE. 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: 2 de 15 ÍNDICE Promulgação pela Gerência... 3 Politica da Qualidade... 3 Missão... 4 Objectivos da Qualidade... 4 Apresentação da Empresa... 4 Elementos

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data:

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: ÍNDICE Pág. Cap. I ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE 1. Promulgação 2 2. Gestão do

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS I. Compromisso ético A Autarquia da Batalha vincula-se a um Compromisso Ético de assegurar a gestão operacional e

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO SGQ IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_2600204_ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: Locais Auditados: Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria MUNICÍPIO DE MIRANDELA Sede : Praça do Municipio 5370-288 MIRANDELA Sr. Presidente da Câmara: Eng.º António

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000:

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: ISO 9001:2008 Esta nova edição decorre do compromisso da ISO em rever e actualizar as Normas,

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO. Acção de Formação do Grupo de Trabalho. Sensibilização Sensibilização Geral para a Qualidade. Qualidade.

IMPLEMENTAÇÃO. Acção de Formação do Grupo de Trabalho. Sensibilização Sensibilização Geral para a Qualidade. Qualidade. 1. ENQUADRAMENTO As organizações têm vindo a aderir de uma forma crescente ao Processo de Certificação como uma Ferramenta imprescindível à Melhoria da Gestão. Esta evolução foi acelerada pela própria

Leia mais

AOK TRABALHO TEMPORÁRIO

AOK TRABALHO TEMPORÁRIO AOK TRABALHO TEMPORÁRIO 09-04-2015 Manual da Qualidade C3 Avô9I Índice CAPÍTULO 1. REVISÃO 3 ELABORAÇÃO, VERIFICAÇÃO E APROVAÇÃO OESTE DOCUMENTO E RESPECTIVAS ALTERAÇÕES 3 VERSÕES DO MANUAL 3 DISTRIBU:ÇÃO

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Capítulo 0 Índice Ref.: MGA.C00 Rev.: 00 1. Índice 1. Índice... 1 2. Registo de Alterações... 1 3. Capítulo 0 Índice... 1 4. Capítulo 1 Apresentação da Empresa... 1 5. Capítulo 2 Requisitos do Sistema

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA ENTIDADE AUDITADA: ESE, ESS, ESTG, ESCE e ESA NORMA DE REFERÊNCIA: NP EN ISO 9001.2008 DATA (S) DA AUDITORIA: 15.04..2011 ÂMBITO: Sub-processo Biblioteca DURAÇÃO: 1dia REQUISITO VERIFICADO NÃO CONFORMIDADE

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO MANUAL DE GESTÃO FERNANDES & PÁGINA 2 / 18 ÍNDICE PÁG. 1. PROMULGAÇÃO 3 2. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 4 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 11 4. POLÍTICA DA FERNANDES & 12 5. SISTEMA DE GESTÃO 13 FERNANDES & PÁGINA

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação NATURA-ITP, L.da Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação Elaborado por Revisto por Aprovado por GT - MSGQF - 01 Coordenador pedagógico Director Formação 17 de Julho de 2014 Código do Documento:

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA

PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA PQAS 12 - E AUDITORIAS INTERNAS Cópia: Aprovação: Data: 11-04-2011 Página 2 de 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVOS...2 2. ÂMBITO...2 3. SIGLAS, DEFINIÇÕES

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais