Plano de Atividades. Relatório de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Atividades. Relatório de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais"

Transcrição

1 Plano de Atividades Relatório de Atividades Mod221/V01.PG01 ( ) Página 1 de 14 Página 1 de 14 OUTUBRO 2013 A DEZEMBRO 2014 Elaborado: Carla Moreira Data: Aprovado: Direção Data:

2 Página 2 de 14 ÍNDICE Introdução 3 Monitorização dos Objetivos 4 Análise da Atividade do Serviço 8 Análise do Plano de Atividades de Inserção 8 Descrição das Atividades Anuais 9 Análise dos indicadores de execução 10 Considerações Finais 14

3 Página 3 de 14 Introdução Este relatório reporta-se ao período de Outubro de 2013 a Dezembro de 2014, traduzindo os resultados e reflexões da análise do Plano de Atividades 2013/2014 e tendo como base as linhas orientadoras da Cercima O período a que se reporta este relatório é mais longo uma vez que houve uma reorganização desta resposta que se passou a reger por ano civil em vez de ano letivo. No presente período esta Resposta Social apoiou 67 clientes, sendo que no fim do mês de Dezembro estavam integrados 63 clientes, uma vez que três saíram do CAO por motivos pessoais e um por inserção no mercado de trabalho. Importa referir que se encontram em lista de espera 26 potenciais clientes.

4 Página 4 de 14 Monitorização dos Objetivos PROMOVER A PARTICIPAÇÃO DOS CLIENTES Aumentar a participação dos clientes na elaboração dos Planos Individuais e Plano de Atividades de Inclusão Meta: 50% dos formulários preenchidos Taxa de execução: 100% Foram elaborados os questionários de avaliação dos apoios e atividades que foram aplicados trimestralmente durante o ano 2014 e onde foram avaliadas as Atividades de sala, os Apoios Terapêuticos e Desportivos e Outras Atividades Em média 38 clientes responderam, atingindo-se assim o objetivo proposto Aumentar a participação dos clientes nas sugestões e/ou melhorias Meta: 2 sugestões e/ou melhorias Taxa de execução: 0 A grande atividade para que este objetivo fosse atingido partia da constituição de um segundo grupo de auto-representantes da Cercima que só foi conseguido em Setembro de 2014, sendo que as características dos elementos do grupo ainda não permitiram que houvesse sugestões e/ou melhorias. No momento o grupo está mais focado em se dar a conhecer à equipa da Cercima e aos colegas MELHORAR A EXECUÇÃO DOS PLANOS DE INTERVENÇÃO INDIVIDUAL Cumprir o Plano de Intervenção Individual Meta: 75% de taxa de cumprimento dos objetivos de intervenção Taxa de execução: 100% Durante o período em análise foram realizadas13 reuniões de equipa e 37 reuniões de gestores de processo, havendo uma cuidada avaliação do Registo mensal de atividades e ocorrências onde se pode constatar e analisar o progresso dos objetivos de intervenção dos Planos de Intervenção Individual, assim como realizar uma monitorização dos mesmos, sendo que 86% dos objetivos de intervenção delineados foram cumpridos. Este objetivo foi assim atingido em 100%, sendo que no gráfico seguinte se pode verificar a evolução do cumprimento dos objetivos de intervenção por cada grupo.

5 Página 5 de 14 MELHORAR A ARTICULAÇÃO COM OS FAMILIARES DOS CLIENTES Aumentar a participação dos significativos dos clientes do CAO em atividades da Cercima e/ou da Resposta Social Meta: 80% de participação dos significativos Taxa de execução: 100% No período em analise participaram 61 famílias nas várias atividades da Cercima e/ou da resposta social, embora muitas destas famílias tenham repetido a sua participação nas diversas atividades organizadas, sendo este objetivo atingido em 100%. Participaram nas várias Caminhadas pela Saúde realizadas ao longo do ano, no evento Cercima Portas Abertas em 2013 e 2014, na Festa de Natal, no Encontro de Pais/Dia da Família, na X Prova de Carrinhos de Rolamentos, lançamento da Campanha do Pirilampo Mágico, Arraial de Verão da Cercima e no Churrasco de Verão. Aumentar a participação dos significativos na elaboração dos Planos Individuais e Plano de Atividades de Inclusão Meta: 50% dos formulários preenchidos Taxa de execução: 100% Embora os significativos participem na elaboração Planos Individuais e Plano de Atividades de Inclusão aquando das reuniões de pais, foi aplicado nos 2 semestres um questionário de avaliação das atividades e apoios, onde foram avaliadas: Satisfação global pelas atividades de sala Satisfação global pelos apoios terapêuticos/desportivos Satisfação global pelas atividades sócio culturais Adequação das atividades de sala e socio culturais às capacidades dos clientes

6 Página 6 de 14 Apreciação do desenvolvimento do cliente no serviço do CAO Satisfação global no serviço do CAO No ultimo semestre das 63 avaliações das atividades e apoios entregues aos significativos, apenas foram devolvidas 48, sendo que destas, 3 significativos não responderam e 1 não respondeu corretamente. Relativamente à satisfação global pelas atividades de sala, 3 significativos referem que as atividades satisfazem pouco, 15 satisfaz, 19 atribuem uma pontuação de bom e 8 de muito bom. No que diz respeito à satisfação global pelos apoios terapêuticos/desportivos, 2 significativos referem que não satisfaz, 3 satisfaz pouco, 12 satisfaz, 14 atribuem a pontuação de bom e 13 de muito bom. Na satisfação global pelas atividades socio culturais, 2 significativos referem que satisfaz pouco, 1 satisfaz, 20 atribuem a pontuação de bom e 9 de muito bom. No que diz respeito à apreciação das atividades de sala e socio culturais às capacidades do cliente, 1 significativo atribui a pontuação de não satisfaz, 5 de satisfaz pouco, 6 satisfaz, 19 bom e 9 muito bom. Relativamente à satisfação global no serviço CAO, 1 significativo refere que não satisfaz, 4 satisfaz pouco, 6 satisfaz, 24 atribuem a pontuação de bom e 7 de muito bom Alguns significativos sugerem que sejam realizadas atividades conjuntas entre famílias, clientes e colaboradores da Cercima. Este objetivo foi assim atingido, uma vez que foram preenchidos 48 questionários de avaliação das atividades e apoios. Aumentar a taxa de satisfação dos clientes/significativos Meta: Grau médio de satisfação de 85% Taxa de execução: 99.1% Foram distribuídos 62 questionários de Avaliação da Satisfação dos Clientes, e foram recolhidos 49, foram recolhidos mais 20 do que no ano anterior. (Recolhidos 79% dos questionários distribuídos) 85% dos clientes de uma forma geral encontram-se satisfeitos com o serviço prestado. 91,8% dos clientes recomendam o serviço (mais 2,2% do que no ano anterior) e 87,8% mesmo que pudessem não mudariam de instituição (mais 6,3% do que no ano anterior) 46,7% dos clientes inscreveu-se na CERCIMA porque o conjunto dos serviços oferecidos responde às suas necessidades (mais 12,4% do que no ano anterior). 19 Questionários foram respondidos pelos clientes com ajuda, 6 respondidos pelos próprios e 24 foram respondidos pelos Encarregados de Educação Relativamente à média das questões, a questão com uma média mais baixa foi a questão Conheço o Regulamento Interno e as normas de funcionamento do serviço (2,71). As questões com uma maior média (3,59) foram Ajudo a planear as atividades que faço e Os colaboradores são simpáticos e educados

7 Página 7 de 14 Relativamente aos Missing Values, 22 clientes responderam Não se Aplica na questão Os cuidados relativos à medicação são os adequados, uma vez que não usufruem desse serviço. 7 clientes em ex-áqueo responderam Não Sabe às questões Conheço o meu Plano Individual ; Nas decisões sobre o Plano Individual digo o que penso e participo e A família/significativos participam na elaboração/avaliação do Plano Individual. Podemos assim constatar que este objetivo não foi atingido por apenas 0.7%, uma vez que a taxa de satisfação dos clientes/significativos foi de 84.3% PROMOVER O ESPÍRITO DE EQUIPA DOS COLABORADORES DO CAO Realizar atividades de relaxamento/lúdicas e dinâmicas para a equipa Meta: Participação de 90% dos colaboradores nas atividades (em média 17 colaboradores por atividade) Taxa de execução: 100% No período em análise foram realizadas várias atividades de relaxamento/lúdicas e dinâmicas de equipa onde participaram em média 18 colaboradores, sendo assim este objetivo alcançado. Os colaboradores participaram nas várias dinâmicas realizadas nas reuniões de equipa, nos almoços e jantares temáticos e na atividade de Terapia do Riso MELHORAR A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Aumentar o nível de desempenho dos colaboradores Meta: Taxa média da avaliação de desempenho de 85% Taxa de execução: 100% Da análise da avaliação de desempenho dos colaboradores, podemos verificar que 8 colaboradores se inserem na escala de MUITO BOM, e 8 colaboradores na escala de BOM. Só um colaborador de CAO desceu na avaliação de desempenho, havendo um acréscimo de avaliações superiores a 80%, e de número de colaboradores a obterem a nota de Muito Bom. Salienta-se ainda que relativamente ao ano de 2013, este ano não houve nenhum colaborador a obter a nota de suficiente. Dos 19 colaboradores deste serviço, 13 atingiram em 80% ou mais os objetivos delineados, sendo 66% o valor mais baixo atingido por um colaborador, sendo a taxa média da avaliação de desempenho de 87.3% O grau de cumprimento dos 5 objetivos definidos pela equipa e desenvolvidos ao longo deste ano foi de 87.4%

8 Página 8 de 14 Análise da Atividade do Serviço Análise do Plano de Atividades de Inserção Relativamente à análise do Plano de Atividades de Inserção podemos concluir que pelo menos 4 grupos do CAO realizaram Atividades Estritamente Ocupacionais, abrangendo uma média de 43 clientes envolvidos nesta atividade. No que concerne às Actividades de Desenvolvimento Pessoal e Social, podemos concluir que todos os clientes usufruíram desta atividade, assim como nas Atividades Sócio Culturais, realizando visitas a vários espaços da comunidade e participando em diversos eventos. 39 clientes participaram tanto nas Atividades Socialmente Úteis, sendo que destes 39 clientes, 8 participaram tanto nas ASU S em Estrutura da Comunidade como nas inerentes à atividade da Cercima. No que diz respeito às Atividades Lúdico Terapêuticas podemos concluir que 24 clientes tiveram apoio de Adaptação ao Meio Aquático (AMA), 4 de Natação, 40 clientes usufruíram do apoio de psicomotricidade (Multiatividades, Psicomotricidade individual e Psicomotricidade de grupo). 10 clientes tiveram o apoio de fisioterapia, 8 de Expressão dramática, 9 de Karaté, 12 de Equitação/ Hipoterapia, 7 na atividade de Boccia e 10 na de Dança adaptada, conforme espelhado no gráfico seguinte

9 Página 9 de 14 Descrição das Atividades Anuais Atividades Festa de S. Martinho Apresentação de uma peça de dança e teatro na festa de Natal Participação no espectáculo próximo destino Desfile e concurso de máscaras de carnaval Participação na festa da Francofonia, com a peça À procura Caça ao ovo, na comemoração da Páscoa Apresentação de uma peça de dança, e caminhada para o lançamento da campanha do Pirilampo Mágico Apresentação de uma peça de dança e demonstração de Boccia na semana da saúde e desporto Dia da Família X Prova de Carrinhos de Rolamentos Gincana Final de Hipoterapia Atividades de Verão Piquenique de Verão Apresentação da peça "Retrato da Vida" na Festa Sabores do Mundo Festa de S. Martinho Descrição Realizada no mês de Novembro de 2013 com lanche de castanhas Realizada no dia 19 de dezembro de 2013, na sociedade dos Unidos do Montijo. Realizou-se no dia 25 de Janeiro de 2014, no cineteatro Joaquim d Almeida. Realizou-se no dia 28 de Fevereiro de 2014, na CERCIMA. Realizou-se no dia 20 de março de 2014, no instituto Francoportuguês de Lisboa. Realizou-se no dia 16 de Abril de 2014, na CERCIMA. Realizou-se no dia 05 de maio de 2014, na Praça da República. Realizou-se no dia 06 de maio de 2014, na escola profissional do Montijo. Realizou-se no dia 24 de maio de 2014, na CERCIMA. Realizou-se no dia 30 de Maio, na Atalaia Realizada no dia 29 de junho no picadeiro da Atalaia. Entre 07 e 18 de julho foram realizadas as atividades de verão que ocorreram na Cercima e em outros espaços da comunidade Realizado dia 30 de Julho no Parque de Merendas do Samouco Realizado em Setembro, em Alcochete Realizada no mês de Novembro de 2014 com lanche de castanhas Apresentação do espetáculo "À Na inauguração do 15ª Festa do Cinema Francês, realizado no Cinema Procura" S. Jorge, no dia 02 de Outubro de ª Prova Equitação S.O Realizado em 16 de Outubro, no Picadeiro João Cardiga Torneio Natação Adaptada Almada Realizado no dia 22 de Outubro de 2014 Festa de Halloween Festa de Natal Visitas temáticas Realizada no dia 31 de Outubro com desfile Realizada no 10 de Dezembro, nos Bombeiros do Montijo com apresentação de várias atividades realizadas pelos grupos Foram realizadas ao longo deste período vários passeios e visitas: Casa do Ambiente (sessões temáticas sobre o ambiente) Galeria Municipal do Montijo Museu Agrícola Exposições

10 Página 10 de 14 Análise dos indicadores de execução Indicador Meta Resultado Atingido Nº de Clientes Taxa de cumprimento dos objetivos dos Planos de intervenção individual 75% 100% Nº de sugestões e/ou melhorias sugeridas pelos clientes 2 0 Nº de participações dos significativos em atividades da Cercima e/ou do CAO % Nº de parcerias operacionais 2 8 Nº de clientes envolvidos nas parcerias operacionais 12 8 Grau de satisfação dos clientes 100% 99.1% Nº de clientes em lista de espera Nº de colaboradores Grau de satisfação dos colaboradores 85% 90.75% Nº de colaboradores que participam nas atividades de relaxamento/lúdicas e dinâmicas de grupo Taxa média da avaliação de desempenho dos colaboradores 85% 87.3% Taxa de realização das reuniões de equipa 90% 90% Nº de reclamações 0 0 Relativamente às Parcerias Operacionais podemos concluir que 8 empresas participaram na integração de 8 clientes em Atividades Socialmente Úteis em Estruturas de Atendimento No que diz respeito aos restantes indicadores de execução estão todos analisados ao longo deste documento. Satisfação Colaboradores Foram distribuídos 19 questionários de avaliação de satisfação dos colaboradores e recolhidos 16. O questionário é composto por 31 questões, das quais 30 são cotadas de 1 a 4 (1- Discordo Totalmente; 2- Discordo; 3- Concordo; 4 Concordo Totalmente). A Taxa de satisfação dos colaboradores do CAO é de 90,75%, mais 13,15% relativamente ao ano anterior (77,60%). Taxa de recomendação dos colaboradores foi de 85%, mais 31,20% do que no ano anterior. 68,8% dos inquiridos respondeu que só sairia se tivesse uma razão que os obrigasse.

11 Página 11 de 14 Relativamente à média das questões Gráfico 3 - A questão com maior média (4,0) é P11 Sei quem é o meu responsável direto. A questão com média mais baixa (2,93) é a P5 Sou pago(a) de acordo com as minhas responsabilidades. Níveis de absentismo dos colaboradores Relativamente ao período em análise a taxa de absentismo anual dos colaboradores do CAO é de 1.25%, havendo em média 1 colaborador que falta por mês. Dos 19 colaboradores afetos ao CAO, 15 têm horas negativas para compensar, em banco de horas, perfazendo um total de 222h, numa média de 12 horas por colaborador. Nº de horas de formação De Outubro de 2013 a Dezembro de 2014, foram realizadas 123 horas de formação interna nas áreas da Melhoria da Qualidade, Ética Profissional, Comportamentos Disruptivos, Gestão de Equipas, Combate a Incêndios, Evacuação Teórica e Pratica, Socorrismo Pratico, e Leitura Fácil, onde participaram todos os colaboradores do, numa média de 29 horas de formação cada. As áreas de formação realizaram-se de acordo com os temas sugeridos pelos colaboradores e de acordo com o Plano Anual de Formação Interna Consulta aos trabalhadores No mês de Dezembro de 2014 foram aplicados questionários aos trabalhadores para auferir a sua opinião acerca do Ambiente e Condições de Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho. Esta consulta foi realizada por serviço, auscultando todos os colaboradores respetivamente afetos. Pode-se verificar que as questões que são afirmadas como mais pertinentes são as relacionadas com a segurança no pavimento, sugerindo-se a necessidade de piso antiderrapante nas zonas circundantes à cozinha e na rampa de acesso aos transportes. Importa referir que uma das medidas tomadas foi solicitar informação acerca da utilidade das fitas antiderrapantes para estes situações e se possível colocá-las nas zonas consideradas. Avaliação Psicossocial Em Março de 2014 foi realizada a avaliação psicossocial dos colaboradores do Centro de atividades Ocupacionais tendo como objetivo avaliar os aspetos identificados pelos elementos da equipa como potenciais riscos psicossocias. Segundo o relatório desta avaliação, pode-se concluir que a equipa tem perceção que a violência laboral está relacionada a situações ocorridas de agressão física e verbal por parte dos clientes. A equipa reconhece existir flexibilidade e compreensão devido a atrasos ou mesmo faltas tendo por origem problemas familiares.

12 Página 12 de 14 A avaliação que os técnicos fazem da sua saúde em geral indica a identificação sobretudo de desgaste inteletual devido à natureza das funções exercidas. Os sintomas de stress com maior expressão a nível emocional são a ansiedade, desanimo ev tristeza. Como sintomas fisiológicos, surgem o cansaço, dores de cabeça e rigidez muscular e a nível cognitivo são a preocupação excessiva e os esquecimentos frequentes. Perante os dados observados as linhas de intervenção sugeridas abrangem os domínios INDIVIDUAL Desenvolvimento de competências a nível de gestão de stress Desenvolvimento de competências de gestão da agressão física e verbal com pessoas com deficiência grave Facilitar pratica de atividade física EQUIPA Ações de teambuilding facilitadoras do desenvolvimento do espírito de equipa ORGANIZACIONAL Desenvolver a redução deos fatores indutores de stress e o continuo investimento no aperfeiçoamento profissional e pessoal dos colaboradores Satisfação dos parceiros Foram aplicados 2 Questionários de avaliação da Satisfação dos Parceiros que colaboraram nas Atividades Socialmente Úteis, do durante o ano de 2014, os parceiros protocolados para outras atividades não foram contemplados na avaliação uma vez que dois não entregaram os questionários dentro do prazo e um deles o protocolo foi rescindido antes da avaliação. O questionário é composto por 10 questões, das quais 9 são cotadas de 1 a 4 (1- Discordo Totalmente; 2- Discordo; 3- Concordo; 4 Concordo Totalmente). A taxa de satisfação dos parceiros avaliados é de 90,2% e 100% dos inquiridos pretende continuar com a parceria. Benchmarking No dia 6 de Novembro realizou-se um encontro na CerciBeja que se traduziu num momento de reflexão entre organizações, sobre as atividades desenvolvidas no CAO, as suas dinâmicas, os públicos que atende e a experiencia de cada uma. Deste encontro decidiu-se por unanimidade que se irão realizar 2 encontros de partilha de experiencias no ano de 2015, sendo que um se irá realizar na Cercima em Abril de 2015 e outro na Cercisiago em Outubro de A Cercima estabeleceu uma parceria de benchmarking, com uma entidade congénere ao nível da comparação de resultados de avaliação de satisfação de clientes onde se pode verificar que o grau de

13 Página 13 de 14 satisfação dos clientes alcançou uma classificação positiva, não se verificando nenhum valor inferior a 3,75, destacando-se como pontos fortes, o grau de satisfação com a organização (4,39), a participação no planeamento dos serviços (4,23), as reclamações são ouvidas e respondidas (4,23) e como pontos fracos, a simpatia, educação e atenção dos colaboradores (3,87), a disponibilidade dos colaboradores para apoio (3,75) De salientar que os questionários de avaliação das duas entidades não são exatamente iguais embora os itens de avaliação sejam os mesmos. Desempenho ambiental A Cercima segue uma política ambiental definida no Manual de Politica Ambiental. Além de reutilizar vários materiais para realização de trabalhos, existem grupos responsáveis pela recolha de material reciclado. No ano 2014, recolhemos 238Kgs de metal, 26 kgs de garrafas de plástico, 58 kgs de papel, 80l de óleo e 920 kgs de tampas de plástico, sendo toda esta matéria objeto de reciclagem. Impacto na Comunidade A Cercima é parceira no CLASS Conselho Local de Acção Social e de Saúde cujas competências passam pela dinamização e articulação das Comissões Sociais e de Saúde de Freguesia (CSSF), a apreciação dos problemas e propostas que sejam apresentados pelas CSSF, o encaminhamento para a Segurança Social de problemas que precisem da respectiva intervenção e a emissão de pareceres sobre a cobertura equitativa e adequada do Concelho por serviços e equipamentos sociais. Presidido pela Presidente da Câmara Municipal de Montijo e com a presença de todos os parceiros Públicos e Privados sem fins lucrativos, reúne-se em Plenário trimestralmente. De modo a permitir aos desempregados o exercício de actividades socialmente úteis, promover a melhoria das suas competências sócio -profissionais e o contacto com o mercado de trabalho e consequentemente ser realizado um maior e melhor apoio no exercício das funções do Centro de Atividades Ocupacionais e na instituição regularmente é realizada candidatura à medida Contrato Emprego Inserção. No ano de 2014 foram integrados 10 desempregados ao abrigo desta medida. As atividades da Cercima são divulgadas nas redes sociais e na página Web, onde a comunidade envolvente poderá dar também a sua opinião acerca de todas as respostas sociais da Cercima. De referir que ao longo do ano são também realizadas atividades dentro e fora das instalações da Cercima de modo a envolver a participação da comunidade.

14 Página 14 de 14 Auditorias internas e externas Durante o período em avaliação foram realizadas 2 auditorias internas e 1 externa. Na auditoria interna realizada em 27 de Março foi detetada 1 Oportunidades de Melhoria, identificandose como pontos fortes o domínio do Sistema de Gestão da Qualidade, e a evidencia da consistência do sistema Relativamente à auditoria interna realizada a 24 de Setembro não foram verificadas Não Conformidades, verificando-se que as NC s e OM s identificadas pela Auditoria Externa de 12 e 13 de Dezembro de 2013 se encontravam implementadas e avaliadas. Da auditoria externa de acompanhamento realizada pela empresa APCER em Outubro de 2014, foram detetadas no, 10 Oportunidades de Melhoria, apresentando a equipa auditora como pontos fortes as infraestruturas da instituição e as boas práticas de higiene e salubridade, competência Técnica de todos os auditados, envolvimento e motivação dos colaboradores auditados Acompanhamento Técnico Na sequência da ação de acompanhamento técnico realizado ao realizado pelo Centro Distrital de Segurança Social de Setúbal no dia 29 de Maio e segundo o relatório enviado pelo mesmo serviço, este conclui que o trabalho desenvolvido com os clientes está planeado de acordo com as necessidades e capacidades funcionais, tendo em atenção as características e problemáticas, bem como a organização dos grupos. Tem vindo a ser desenvolvido um trabalho focado na qualidade dos serviços prestados. Considerações Finais Partindo da avaliação e análise de todo este documento deverão ser tidas em conta as seguintes reflexões aquando da elaboração do próximo plano de atividades: Continuação do enfoque no cliente e seus significativos, envolvendo-os e incentivando a sua participação como agentes ativos no processo Aumentar a participação dos clientes na planificação e organização de atividades Promover ações para aumentar o grau de satisfação dos clientes do Centro de Atividades Ocupacionais Continuar a promover o espírito de equipa dos colaboradores do CAO Promover ações de partilha de experiencias entre instituições congéneres

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Residência Autónoma

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Relatório de Atividades Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 15 Página 1 de 18 2014 Elaborado: Nuno Moura Data: 31-01-2015 Aprovado: Direção Data: 26-02- 2015 Página 2 de 18 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Página 1 de 13 Mod46/V01.PG01 Página 1 de 14 JANEIRO A DEZEMBRO DE 2015 Elaborado: Carla Moreira Data: 25.02.2015 Aprovado: Direção Data:26.02.2015 Página 2 de 13 ÍNDICE Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTIJO ANO LECTIVO 2014/2015 ESCOLA BÁSICA LIBERDADE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Sector da Escola: Pré-Escolar / 1º Ciclo Actividades (em articulação com as prioridades do Projecto

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 3 FUNCIONAMENTO DA VALÊNCIA EDUCACIONAL 3 ESPAÇO FÍSICO 4 EQUIPA 4 FUNÇÕES DA EQUIPA 5 CARATERIZAÇÃO DOS

Leia mais

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades. Relatório de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Relatório de Atividades Intervenção Precoce Mod221/V01.PG01 (02.02.2015) Página 1 de 14 Mod221/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 14 2014 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015

Leia mais

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes PLANO ANUAL ANO - 2014 Confidencialidade Tipo de Atividade: Confidencialidade Atividade: Ação de informação/sensibilização aos colaboradores

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO ANEO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO 0 1º Período A CAF (Componente de Apoio à Família 2 primeiras semanas de setembro e interrupção do Natal) será acionada de acordo com resposta dos Encarregados

Leia mais

Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão

Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Centro de Recursos para a Inclusão Plano de Atividades Página 1 de 10 Mod46/V01.PG01 Página 1 de 14 OUTUBRO DE 2015 A JULHO DE 2016 Elaborado: Mónica Coelho Data: 09.10.2015 Aprovado: Direção Data15.10.2015 Página 2 de 10 ÍNDICE Introdução...

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos Exercício

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL MUNICÍPIO DE VOUZELA PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL 2014/2015 Designação da Formação Toxicodependências Programa de Respostas Integradas As Crianças Marcam a Diferença! Natação 1º Ciclo Prolongamento de Horário

Leia mais

CRIF [RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012]

CRIF [RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012] CRIF [RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012] ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 REFERENCIAIS CRIF... 2 ANÁLISE DE RESULTADOS PE (2012)... 3 ANÁLISE DE RESULTADOS ATIVIDADES GERAIS... 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS... 7 REV_00

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão 20 - CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão Índice Enquadramento... 3 Estratégia Organizacional... 3 Visão... 3 Missão... 3 Valores...

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Ano letivo O Plano Anual de Actividades constitui-se como um documento orientador das actividades desenvolvidas 2015/2016 ao longo do ano lectivo. Desta forma, nas páginas que

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Plano Anual de Atividades 2014/2015 Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos Sensibilização para

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Ano letivo O constitui-se como um documento orientador das actividades desenvolvidas 2014/2015 ao longo do ano lectivo. Desta forma, nas páginas que

Leia mais

Trabalho desenvolvido no âmbito do Eixo 3 do Plano de Desenvolvimento Social

Trabalho desenvolvido no âmbito do Eixo 3 do Plano de Desenvolvimento Social Trabalho desenvolvido no âmbito do Eixo 3 do Plano de Desenvolvimento Social Estabelecimentos Ensino Ano letivo 2013/2014 Nome Contactos sede Unidade de Referência N.º alunos por nível ensino Agrupamento

Leia mais

Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira. Projeto da Escola da Praia. Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa

Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira. Projeto da Escola da Praia. Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira Projeto da Escola da Praia Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa Escola é... o lugar que se faz amigos. Não se trata só de prédios, salas, quadros,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Regulamento Interno. Voluntariado

Regulamento Interno. Voluntariado Regulamento Interno Voluntariado Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/novembro 2012 Aprovado por/data Direção/14.11.2012 Revisto por/data Índice Capitulo I... 4 Disposições Gerais...

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

Relatório de Autoavaliação dos Planos de Ação

Relatório de Autoavaliação dos Planos de Ação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório de Autoavaliação dos Planos de Ação Ano letivo 2014/2015 EB1 Afonsoeiro Índice INTRODUÇÃO 2 I - ENQUADRAMENTO 1. Caracterização da Escola 2 II AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS

PLANO DE ATIVIDADES CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS PLANO DE ATIVIDADES CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS 2013 Índice INTRODUÇÃO... 3 PLANIFICAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 EIXO 1: Respostas sociais e serviços... 5 EIXO 2: Melhoria contínua

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

Índice. 1. Introdução... 3 2. Caraterização... 4 3. Princípios de Ação... 6

Índice. 1. Introdução... 3 2. Caraterização... 4 3. Princípios de Ação... 6 Plano Anual do CEFPA Centro de Educação e Formação Profissional de Areosa - APPACDM Viana do Castelo Versão 2, Maio Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização... 4 3. Princípios de Ação... 6 Missão...

Leia mais

Associação Desportiva Cultural Social da Aldeia de S. Sebastião

Associação Desportiva Cultural Social da Aldeia de S. Sebastião da Aldeia de S. Sebastião DS.03.226 LISTA DE ATIVIDADES PAG (SIMPLIFICADO AGRUPADO POR ÁREA) ANO - 2015 ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CULTURAL SOCIAL DA ALDEIA DE S. SEBASTIÃO Ambiental Atividade: Rentabilização

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2013/2014. Resposta Social: Creche

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2013/2014. Resposta Social: Creche Ano Letivo 2013/2014 Mês Dia Atividade Intenções Pedagógicas Intervenientes Setembro 02 23 a 27 01 Início do Ano Letivo Semana Comemorativa da Chegada do outono Dia Nacional da Água - Festejar a chegada

Leia mais

Projeto Curricular de Sala (resumido)

Projeto Curricular de Sala (resumido) Projeto Curricular de Sala (resumido) Sala Azul Jardim-de-Infância 3/4anos Educadora de Infância: Ana Patrícia Fitas Ano letivo: O Projeto Curricular da Sala Azul para o ano letivo de 2013-2014 encontra-se

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Mãos na Massa Plano Anual de Atividades 2014/2015 Equipa pedagógica do Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Introdução O Plano Anual de Atividades é um documento orientador de uma dinâmica comum

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades Relatório de Atividades Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer! Mahatma Gandhi 2013 Cooperativa de Educação e Reabilitação do Cidadão Inadaptado de Montijo e

Leia mais

Estabelecimentos Ensino Ano letivo 2013/2014

Estabelecimentos Ensino Ano letivo 2013/2014 Estabelecimentos Ensino Ano letivo 2013/2014 Nome Contactos sede Unidade de Referência N.º alunos por nível ensino Agrupamento de Escolas de Rua Belém do Pará, 3810-066 telefone: 234 378740 geral@agrupamentodeescolasdeaveiro.pt

Leia mais

PLANO ANUAL e ORÇAMENTO

PLANO ANUAL e ORÇAMENTO Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Mira, CRL PLANO ANUAL e ORÇAMENTO 2014 Versão aprovada em Assembleia-geral de 1 de Dezembro de 2013 Nota introdutória O Plano Anual

Leia mais

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Resposta Social de Creche) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração/adaptação das Crianças Reunião de Pais 24/09/2014 Outono - Promover a integração

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES CAF/AAAF 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES CAF/AAAF 2015/2016 MULTICULTURALIDADE CULTURAS DO MUNDO NO PARQUE DAS NAÇÕES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES CAF/AAAF 2015/2016 Junta de Freguesia Parque das Nações Sede: Alameda dos Oceanos, nº 83 1990-212 Lisboa Telf.: +351

Leia mais

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Página 1 de 18 Índice Conteúdo Introdução... 3 Missão, Visão e Valores... 4 As respostas sociais... 5 Estrutura Residencial para pessoas idosas... 5 Serviço

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Objetivos Atividades Responsáveis Datas Recursos Avaliaçõe s Promover o convívio entre os elementos da comunidade educativa Proporcionar momentos de alegria e partilha Recepção

Leia mais

APCC Plano de Actividades e Orçamento

APCC Plano de Actividades e Orçamento APCC Plano de Actividades e Orçamento 2015 Conteúdo Introdução... 3 1.Gestão Estratégica... 4 1.1. Missão, Visão, Valores e Política da Qualidade... 4 2. Análise da envolvente... 5 2.1 - Externa... 5 2.2

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO O COMPLEXO O Complexo Municipal de Piscinas de Lamego é uma infra-estrutura do Concelho de Lamego, cuja mais recente obra se reflete na construção

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

PROGRAMA ECO-ESCOLAS

PROGRAMA ECO-ESCOLAS PROGRAMA ECO-ESCOLAS Programa de Educação Ambiental e/ou Educação para o Desenvolvimento Sustentável PLANO DE AÇÃO 2014/2015 O Eco-Escolas é um Programa internacional, coordenado em Portugal pela Associação

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PREVISIONAL - 2015. Processo

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PREVISIONAL - 2015. Processo PERSPETIVAS PROCESSOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS CLIENTES PROCESSOS CRESCIMENTO FINANCEIRA Siglas s PRH PCAO P PC PJ PATL PCD PCC PSAD PCAT/LIJ PSAAS PLI Gestão e Melhoria Recursos Humanos Centro Atividades

Leia mais

Flor de Cerejeira. IIªs Jornadas APCG «A Pensar nos Frutos»

Flor de Cerejeira. IIªs Jornadas APCG «A Pensar nos Frutos» Flor de Cerejeira Número 2, Edição Trimestral, Dezembro de 2011 EDITORIAL Esta segunda edição da «Flor de Cerejeira» pretende dar a conhecer o que de mais importante se desenvolveu na Instituição. Pretende

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

Agenda 2014/2015 2º Período Agrupamento de Escolas de Azeitão

Agenda 2014/2015 2º Período Agrupamento de Escolas de Azeitão Agenda 2014/2015 2º Período Agrupamento de Escolas de Azeitão Coordenação de ciclo Caso seja detetada alguma incorreção, ou atividade em falta, contactar os professores Sandra Caseiro (1º ciclo), Paulo

Leia mais

Ano letivo: 2012/2013

Ano letivo: 2012/2013 TEMA : SER É CRESCER Contextualização: Ano letivo: 2012/2013 O Plano Anual de Atividades deste ano lectivo 2012/2013, tem como tema SER É CRESCER.Este tema faz parte integrante do nosso Projeto Educativo

Leia mais

REGULAMENTO MARÇO 2013

REGULAMENTO MARÇO 2013 PROGRAMA DE VOLUNTÁRIO E ESTAGIÁRIOS MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO MARÇO 2013 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO Voluntariado 1. Qualquer cidadão maior

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2011/2012 Plano Anual de Actividades Jardins de Infância Organização do Ambiente Educativo e espaços comuns. (de 4 a 09-09-2011) Cada educadora prepara a sua sala Organizar o Ambiente Educativo educadoras. Observação

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental PROGRAMA DE AÇÃO 2016 Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II EIXOS/OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 III AÇÕES E ATIVIDADES... 4 IV AVALIAÇÃO... 4 V

Leia mais

Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes

Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes SETEMBRO Adaptação A escola e o grupo Outono Observar o meio envolvente Adaptar-se ao espaço e ao grupo Explorar o meio envolvente Criar

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Campos de Férias. Férias Escolares 2011

Campos de Férias. Férias Escolares 2011 Campos de Férias Férias Escolares 2011 1. A Praznik Somos uma empresa licenciada pelo Instituto Português da Juventude - alvará nº 319 - para organizar e dinamizar Campos de Férias, atribuições que incluem

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013 Projecto Educativo de Estabelecimento Triénio de 2010-2013 Creche Mundo Infantil Queremos que juntos, Equipa Educativa, Crianças e Familias, possamos proporcionar boas experiencias e aprendizagens. Só

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL (2012) MONITORIZAÇÃO DO PLANO ANUAL 2012 Política da Qualidade A organização define, implementa

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014 2015 GRUPO: 110 1.º Ciclo

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014 2015 GRUPO: 110 1.º Ciclo ATIVIDADE Recepção aos alunos do 1ºano CALENDARIZAÇÃO Promover uma boa integração na escola, explicando e mostrando, ao pormenor, as instalações e a dinâmica da escola. 1º ano ATIVIDADE Receção aos alunos

Leia mais

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Cadernos Técnicos PROCIV Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Edição: Autoridade NAcional de Protecção Civil abril de 2012 02 Cadernos Técnicos PROCIV #20 ÍNDICE 1. INTRODução

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2012 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Aprovado em Reunião de Assembleia A Presidente da Direção Índice 1. Apresentação Institucional... 3 1.1 Enquadramento... 3 1.2 Breve Descrição da Associação... 4 1.3 Estrutura

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

Saiba quais as Iniciativas a ser promovidas pelas Associadas da FENACERCI no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência!

Saiba quais as Iniciativas a ser promovidas pelas Associadas da FENACERCI no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência! Saiba quais as Iniciativas a ser promovidas pelas Associadas da FENACERCI no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência! Nome da atividade: Ação de Formação Qualidade de Vida Acção de Formação para Pais

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2014 / 2015 Pré-escolar e 1º Ciclo Ação Local Objetivos Atividades Materiais Recursos Humanos Receção dos Fomentar a integração da criança

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

2015 PLANO DE ATIVIDADES

2015 PLANO DE ATIVIDADES 2015 PLANO DE ATIVIDADES As pessoas primeiro! Contributos para um Mundo Melhor todos os dias 2 O CAPP tem como MISSÃO servir na comunidade a pessoa, em atitude de humanismo cristão, mediante a prestação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANUAL 2012

PLANO DE ATIVIDADES ANUAL 2012 Política de parcerias Objetivos Indicadores Metas Atividades Metas 1. Melhorar a gestão da organização 1.1 Eficácia organizacional ( resultados obtidos / resultados previstos) x 100 1.2 Eficiência organizacional

Leia mais