MANUAL DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE E AMBIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE E AMBIENTE"

Transcrição

1 MANUAL DE GESTÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE.

2 ATUALIZAÇÕES Página 1 de 44 CONTROLO DAS ATUALIZAÇÕES Edição Data 21 Setembro Junho 2013 LISTA DE ALTERAÇÕES (Edição 20 para a Edição 21) Título ou capítulo Pág. Alterações Organização e Estrutura da TRATAVE Organização e Estrutura da TRATAVE Anexo II 9, 10, Atualização de qualificações e habilitações 15 Atualização do número de clientes Atualização dos fluxogramas e descrição dos processos de tratamento das ETAR. Elaborado Comissão da Qualidade Ata nº 101 Aprovado DG Cláudio C. 13 de Setembro de 2013 Manual de Gestão do Sistema Integrado de Qualidade e Ambiente datratave S.A

3 Página 2 de 44 ÍNDICE ÍNDICE ABREVIATURAS E TERMINOLOGIA INTRODUÇÃO A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE ATIVIDADE E ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO IDENTIFICAÇÃO E PERSONALIDADE JURÍDICA RECURSOS HUMANOS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES INFRAESTRUTURAS COMUNICAÇÃO CLIENTES REVISÃO PELA GESTÃO POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAÇÃO ÂMBITO DO SGI ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO ISO 9001 E DA ACREDITAÇÃO ISO SEQUÊNCIA E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS SISTEMA DE GESTÃO DO LABORATÓRIO MÉTODOS DE ENSAIO E VALIDAÇÃO DE MÉTODOS EQUIPAMENTO SERVIÇO AO CLIENTE SUBCONTRATAÇÃO MELHORIA REVISÃO PELA GESTÃO COMPROMISSOS E OBRIGAÇÕES ANEXOS ANEXO 1 INTERAÇÃO DOS PROCESSOS E DOCUMENTOS DO SGI COM OS REQUISITOS DAS NORMAS ANEXO 2 DESCRIÇÃO E FLUXOGRAMA DE TRATAMENTO DE ÁGUAS NAS ETAR ANEXO 3 BIBLIOGRAFIA ANEXO 4 DESCRIÇÃO DE FUNÇÃO DE RQL E RTL

4 ABREVIATURAS E TERMINOLOGIA Página 3 de 44 ABREVIATURAS E TERMINOLOGIA AdNw Águas do Noroeste CQ Comissão da Qualidade DAF Direção Administrativa e Financeira Daq Identificação utilizada nos Documentos Auxiliares da Qualidade Dec Identificação utilizada nas Declarações DE Direção Exploração DG Direção Geral DGCI Direção de Gestão de Clientes e Intercetores DL Direção do Laboratório QAS Núcleo de Qualidade, Ambiente e Segurança ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais Lab Identificação utilizada nas Folha de Registo do Laboratório MG Manual de Gestão PAQ Procedimento Auxiliar de Físico-Química PI Procedimento Interno de Qualidade PIQ Procedimento Interno de Físico-Química SAP Software de Gestão Empresarial SGA Sistema de Gestão Ambiental SGI Sistema de Gestão Integrado SGL Sistema de Gestão do Laboratório SIDVA Sistema Integrado de Despoluição do Vale do Ave UT Unidade de Tratamento Na terminologia utilizada existem alguns termos equivalentes, nomeadamente: Intercetores, Coletores e Emissários Ensaio e Análise Boletim e Relatório Na nomenclatura utilizada, entenda-se por: Cliente entidade individual ou coletiva com contrato válido de ligação ao SIDVA; Utilizador entidade individual ou coletiva produtora de águas residuais drenadas para o SIDVA e representado por um cliente. ETAR de Serzedelo = ETAR de Serzedelo I + ETAR de Serzedelo II ETAR de Agra = ETAR de Agra I + ETAR

5 I. INTRODUÇÃO Página 4 de INTRODUÇÃO O presente manual elaborado, aprovado e editado tem como objetivo apresentar a TRATAVE e o respetivo Sistema de Gestão Integrado (Qualidade e Ambiente), descrevendo os processos, a organização e as políticas. O Conselho de Administração, de acordo com a Politica de Gestão, apoia o sistema e a organização definidos nos respetivos processos. O representante da gestão, para o Sistema de Gestão Integrado, é o Diretor Geral. Conjuntamente com este, os restantes elementos da Comissão da Qualidade, assumem a responsabilidade necessária para assegurar a efetiva implementação dos requisitos do Sistema de Gestão Integrado que inclui o sistema de gestão de acordo com a norma NP EN ISO 9001, o sistema de gestão do Laboratório pela norma NP EN ISO/IEC e o sistema de gestão ambiental de acordo com a norma NP EN ISO Cabe às Direções e Responsáveis da Qualidade o acompanhamento do cumprimento das determinações que constam neste manual e a cada um dos colaboradores da TRATAVE, no desempenho das suas funções, a responsabilidade pelo cumprimento dos requisitos e procedimentos aplicáveis. A Direção Geral promove a todos os níveis da empresa a divulgação, o envolvimento dos colaboradores e sua identificação com a política enunciada neste manual. Pretende-se, desta forma, cultivar uma imagem e coerência de atuação dos seus colaboradores, quer internamente, quer no relacionamento com as entidades com as quais interage. A Comissão da Qualidade, coordenada pelo Responsável da Qualidade, Ambiente, Segurança e Pessoal, procede à elaboração e a Direção Geral aprova este manual de gestão do SGI, ficando este documento a servir de referência à estrutura da empresa.

6 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 5 de A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Neste capítulo descreve-se a atividade, a localização e a estrutura física, humana e organizacional da TRATAVE. 2.1 ATIVIDADE E ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO A TRATAVE tem por objeto a exploração e gestão do Serviço Público de Drenagem, Depuração e Destino Final das Águas Residuais do Sistema Integrado de Despoluição do Vale do Ave, em regime de concessão municipal ao abrigo do Decreto-Lei nº 379/93 de 5 de novembro. O Contrato de Concessão foi assinado em 29 de outubro de 1998, em regime de concessão exclusiva por 25 anos, de um Sistema Intermunicipal, que abrange uma área geográfica bem definida, englobando os municípios de Guimarães, Vizela, Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso e Trofa. Fig.1 - Mapa SIDVA A degradação das águas da bacia hidrográfica do rio Ave, fenómeno que se acentuou a partir da década de 80, teve origem num aumento das descargas de efluentes industriais e domésticos. Com o objetivo de corrigir esta situação foi criado e desenvolvido o SIDVA, atualmente constituído por um conjunto de intercetores, estações elevatórias e quatro ETAR. Explorados pela TRATAVE

7 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 6 de 44 estão incluídos 126 Km de rede de Intercetores e as ETAR de Serzedelo, Lordelo, Rabada e Agra, que têm linhas de tratamento combinando processos biológicos, físicos e químicos descritos e apresentados em fluxograma no Anexo II deste manual. ETAR de Serzedelo - Localizada em Serzedelo Guimarães. Linha I (Serzedelo I) capacidade de tratamento instalada de acordo com o projeto: m 3 /dia, habitantes equivalentes (150 l/hab/d). Linha II (Serzedelo II) capacidade de tratamento instalada de 25,577 m 3 /dia, habitantes equivalentes (150 l/hab/d) explorada em conformidade com o Acordo de receção das novas ETAR de Serzedelo II, Lordelo, Agra II e remodelação da ETAR de Rabada, assinado com a concedente AdNw na entrega das novas infraestruturas. ETAR de Lordelo - Localizada em Lordelo Guimarães. A capacidade de tratamento instalada, de acordo com 50% do projeto inicial, corresponde a m3/dia e habitantes equivalentes (150l/hab/d) - explorada em conformidade com o o Acordo de receção das novas ETAR de Serzedelo II, Lordelo, Agra II e remodelação da ETAR de Rabada, assinado com a concedente AdNw na entrega das novas infraestruturas.

8 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE ETAR de Rabada - Localizada em Burgães Santo Tirso. Página 7 de 44 Capacidade de tratamento instalada de acordo com o projeto: m3/dia e habitantes equivalentes (150 l/hab/d) explorada em conformidade com o o Acordo de receção das novas ETAR de Serzedelo II, Lordelo, Agra II e remodelação da ETAR de Rabada, assinado com a concedente AdNw na entrega das novas infraestruturas. ETAR de Agra - Localizada em Fradelos Vila Nova de Famalicão Linha I (Agra I)- Capacidade de tratamento instalada de acordo com o projeto: m3/dia e habitantes equivalentes em caudal (150 l/hab/d). Linha II (Agra II) capacidade de tratamento instalada de m3/dia, habitantes equivalentes (150 l/hab/d) explorada em conformidade com o o Acordo de receção das novas ETAR de Serzedelo II, Lordelo, Agra II e remodelação da ETAR de Rabada, assinado com a concedente AdNw na entrega das novas infraestruturas.

9 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 8 de 44 O Laboratório de Ensaios Analíticos, integrado na TRATAVE e localizado na ETAR de Rabada, realiza análises físico-químicas de controlo de qualidade das águas residuais, dando cumprimento à legislação em vigor. 2.2 IDENTIFICAÇÃO E PERSONALIDADE JURÍDICA TRATAVE Tratamento de Águas Residuais do Ave, SA possui personalidade jurídica própria conforme descrito no Diário da Republica III Série nº 58 de SEDE TRATAVE Tratamento de Águas Residuais do Ave, SA Rua ETAR de Serzedelo, Serzedelo GMR Tel Fax NIF LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ENSAIOS ANALÍTICOS DA TRATAVE, S.A. ETAR de Rabada Lugar de Rabada Burgães, Burgães S. Tirso Tel Fax A Empresa, com um capital de Euros integralmente realizado, é detida em 60 % pela AQUAPOR Serviços S.A. e em 40% pela AGS Administração e Gestão de Sistemas de Salubridade, S.A.

10 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 9 de RECURSOS HUMANOS Os recursos humanos da TRATAVE incluem 57 colaboradores, que se encontram distribuídos pelas áreas de atuação, nível de qualificação e habilitações abaixo descritas: Distribuição dos colaboradores DG DAF DE DGCI DL QAS Fig.2 Distribuição de colaboradores por área ou Direção Nível de Qualificação 0% 5% 14% Dirigentes Quadros Superiores Profissionais Qualificados Estagiários 81% Fig.3 Distribuição percentual de colaboradores por nível de qualificação

11 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 10 de 44 Nível de Habilitações 19% 7% 19% 28% 27% 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário Ensino Superior Fig.4 Distribuição percentual de colaboradores por nível de habilitação ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CQ Conselho de Administração Direção Geral Qualidade, Ambiente e Segurança Comunicação e Imagem Direção Administrativa e Financeira Direção de Exploração Direção de Laboratório Direção de Gestão de Clientes e Intercetores Produção Manutenção Manutenção de intercetores e Caudalímetros Gestão de Clientes ETAR de Serzedelo I e II ETAR de Lordelo ETAR de Rabada ETAR de Agra I e II Fig.5 Organigrama da TRATAVE Quadro de Pessoal

12 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 11 de 44 Área ou direção Administração Direção Geral Qualidade, Ambiente e Segurança - QAS Comunicação e Imagem Elementos afetos e função 1 Presidente e 2 Vogais - Administradores 1 Diretor Geral* 1 Responsável da Qualidade, Ambiente, Segurança e Pessoal 1 Responsável de Qualidade do Laboratório RQL *** 1 Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho 1 Técnico de Comunicação e Imagem** Direção Administrativa e Financeira - DAF Direção de Exploração DE Produção 1 Diretor Administrativo e Financeiro 2 Técnicos Administrativos e Financeiros 1 Diretor de Exploração* 4 Responsável de Exploração - RE **** 8 Operadores de ETAR Serzedelo 1 Auxiliar de Operador de ETAR - Serzedelo 6 Operadores de ETAR Rabada 8 Operadores de ETAR Agra 1 Encarregado de ETAR - Lordelo 6 Operadores de ETAR Lordelo Manutenção 1 Responsável de Manutenção **** Direção de Gestão de Clientes e Intercetores - DGCI 1 Encarregado Geral de Manutenção 2 Eletricista 4 Mecânicos 1 Diretor de Gestão de Clientes e Intercetores Gestão de Clientes Manutenção de Intercetores e Caudalímetros Direção de Laboratório DL 1 Técnico de Fiscalização 1 Técnico de Acompanhamento de Clientes** 1 Técnico de Faturação e Cobrança 1 Encarregado de Manutenção de Intercetores e Caudalímetros 2 Técnicos de Manutenção de Intercetores e Caudalímetros 1 Diretor de Laboratório* 1 Responsável Técnico e de Qualidade do Laboratório*** 2 Técnicos de Laboratório - Analistas * O Diretor Geral acumula a função de Diretor de Laboratório e de Diretor de Exploração; ** Técnico afeto à Comunicação e Imagem é também Técnico de Acompanhamento de Clientes; *** A RQL enquadra-se na DL e no núcleo QAS, e assume também a Responsabilidade Técnica do Laboratório. **** As RE encontram-se divididas por ETAR sendo duas das RE coordenadoras de área (coordenação Lordelo- Serzedelo e Rabada-Agra). A RE coordenadora de Lordelo-Serzedelo assume também a responsabilidade da manutenção.

13 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES Página 12 de 44 As funções e responsabilidades de cada área funcional da TRATAVE seguem a estrutura organizacional apresentada no organigrama da Fig. 5. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O Conselho de Administração é composto por três elementos, dos quais um Presidente do Conselho de administração e um Administrador da AQUAPOR, e um Administrador da AGS. As principais funções, responsabilidades e autoridade do Conselho de Administração consistem na aprovação das linhas de atuação da empresa bem como dos planos de Atividade, Orçamento e Relatório de Contas. Para além da administração representar a Concessionária junto da Entidade Concedente, é também responsável pela Política da TRATAVE, traçando os objetivos, supervisionando e estabelecendo as linhas de atuação da empresa, gerindo os recursos materiais e humanos, e assegurando a revisão ao SGI. DIREÇÃO GERAL A direção geral, na figura do seu diretor, tem como principal função a gestão corrente da TRATAVE. Está também a cargo desta direção a representação para a gestão e a aprovação deste manual (MG). DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA A Direção Administrativa e Financeira, tem como principais responsabilidades a contabilidade e execução fiscal, financeira e administrativa da TRATAVE. DIREÇÃO DE EXPLORAÇÃO DE ETAR A direção de exploração coordena dois setores, a Produção, que tem como objetivo a gestão do Processo de Tratamento de Águas Residuais e a exploração das ETAR, e a Manutenção que tem como objetivos desencadear todas as ações necessárias ao correto funcionamento dos equipamentos e bom estado das infraestruturas existentes nas ETAR.

14 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE DIREÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES E INTERCETORES Página 13 de 44 A DGCI engloba dois campos de atuação, a gestão de clientes onde se enquadra o núcleo de Gestão de Clientes, e a gestão da manutenção dos intercetores garantindo o adequado encaminhamento e receção de efluentes, e onde se enquadra o núcleo de Manutenção de Intercetores e Caudalímetros. DIREÇÃO DE LABORATÓRIO É responsável pela realização das análises, dos procedimentos técnicos e da qualidade (específicos da direção) e pela revisão anual do Sistema de Gestão do Laboratório. COMUNICAÇÃO, IMAGEM E EVENTOS Este núcleo está envolvido na Comunicação e Assessoria de Imprensa através da divulgação da Tratave, a nível interno e externo, bem como nas Relações Públicas através da gestão das respostas às solicitações, e propostas de comunicação ou publicidade. QUALIDADE, AMBIENTE, E SEGURANÇA Este núcleo é responsável pela dinamização do SGI e pela gestão da higiene segurança no trabalho, e coordenação com a medicina no trabalho. COMISSÃO DA QUALIDADE A Comissão da Qualidade (CQ) é composta pelas direções, e responsáveis da qualidade, tendo como função o desenvolvimento do SGI, a aprovação de atuações e documentos, implementação e respetivo acompanhamento da melhoria contínua. A CQ reúne periodicamente podendo solicitar a participação ativa de outros elementos da estrutura organizacional, nomeadamente o Responsável Técnico do Laboratório, Responsável de Exploração, Encarregados, etc. Relativamente às funções relacionadas com a gestão de pessoal estas encontram-se distribuídas pelas direções e núcleo da qualidade.

15 2.4 INFRAESTRUTURAS MANUAL DE GESTÃO Edição n.º 21 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 14 de 44 De acordo com o contrato de concessão para a exploração e gestão do SIDVA, a TRATAVE é concessionária em regime de exclusividade do serviço público de drenagem, depuração e destino final das águas residuais e efetua a gestão, a exploração e manutenção das infraestruturas pertencentes à Concedente, estações de tratamento e demais infraestruturas associadas. 2.5 COMUNICAÇÃO A TRATAVE apresenta, na prática, diversos meios de comunicação interna e externa, os quais estão perfeitamente implementados. A Comunicação Interna é efetuada através de: Reuniões Jornal mural NAVIA programa informático com sistema de mensagens, comunicações, avisos e placard Relatórios Correio eletrónico, partilha de rede, fax e telefone Inquéritos e caixa de sugestões A Comunicação Externa proactiva inclui: Boletim cliente - TrataveNotícias Inquéritos de satisfação Relatórios Reuniões e visitas aos clientes Folhetos Site, correio eletrónico, fax e telefone A comunicação externa do tipo reclamação, pedido de informação ou outra, da iniciativa de terceiros, tem estabelecida uma metodologia própria definida pelo Procedimento de Reclamações e Sugestões. Em termos ambientais, é decisão da TRATAVE não comunicar para o exterior, de forma proactiva, os seus aspetos ambientais significativos.

16 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 15 de CLIENTES TRATAVE tem, à data da emissão deste manual, 390 clientes industriais e a concedente AdNw que, nos termos do Contrato de Concessão e Protocolo de 2004, tem contrato com municípios utilizadores de Guimarães, Vizela, V.N. Famalicão, Santo Tirso e Trofa, mas aos quais a TRATAVE presta o serviço. Com a finalidade de monitorizar a informação relativa à perceção dos clientes quanto ao serviço prestado pela TRATAVE, realiza-se, bienalmente, um inquérito de satisfação que permite a obtenção de dados de suporte à tomada de ações de melhoria. 2.7 REVISÃO PELA GESTÃO Anualmente, é revisto o SGI da TRATAVE, para assegurar que este se mantém apropriado, adequado e eficaz. A revisão inclui a avaliação de oportunidades de melhoria e as necessidades de alterações ao SGI, incluindo a Política de Gestão e os objetivos da qualidade e do ambiente. Como entradas para a revisão pela gestão tem-se em consideração: - Resultados das auditorias e das avaliações periódicas da conformidade com requisitos legais e outros; - Comunicação de partes interessadas externas, incluindo o retorno de informação do cliente; - Desempenho dos processos e conformidade do serviço; - Desempenho ambiental da organização; - Grau de cumprimento dos objetivos e metas - Estado das ações corretivas, preventivas e de melhoria; - Seguimento de ações resultantes de anteriores revisões pela gestão; - Alterações que possam afetar o SGI (nomeadamente ao nível da legislação, da organização, das infraestruturas, do conhecimento científico, etc) - Recomendações para melhoria.

17 II. A ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA TRATAVE Página 16 de 44 Resultam desta revisão, sempre com o objetivo da promoção da melhoria contínua, decisões relativas a possíveis alterações: - da Política de Gestão - dos Objetivos e Metas - do planeamento da melhoria da eficácia do: - do SGI - dos processos - da afetação dos recursos.

18 III. POLÍTICA DE GESTÃO Página 17 de POLÍTICA DE GESTÃO A Política de Gestão da TRATAVE, apresentada neste capítulo e aprovada pela Administração, é um dos aspetos fulcrais do SGI. Pela sua importância, procurou-se, para além de envolver todos os colaboradores internamente, através de vários mecanismos de comunicação, estender a sua divulgação ao exterior. De seguida transcreve-se, integralmente, a Política de Gestão tal como se encontra divulgada: Política de Gestão A TRATAVE - Tratamento de Águas Residuais do Ave, S.A. tem como principal objetivo prestar um serviço de qualidade, tendo como finalidade a satisfação dos clientes, colaboradores e utilizadores dos recursos ambientais da área de intervenção do SIDVA (Sistema Integrado de Despoluição do Vale do Ave). Para tal, tem implementado um sistema de gestão integrada da qualidade e do ambiente (SGI) que visa obter um elevado nível de desempenho. Assim, a Administração da TRATAVE compromete-se a gerir a organização, cumprindo as seguintes diretrizes: Assegurar o cumprimento dos referenciais normativos para a gestão da Qualidade e Ambiente, respetivamente NP EN ISO 9001, NP EN ISO / IEC 17025, e NP EN ISO 14001; Comunicar e divulgar, interna e externamente, a Política de Gestão; Assegurar a eficácia e melhoria contínua da gestão, através da definição de objetivos e da sua monitorização com base em indicadores preestabelecidos; Explorar e gerir, em regime de concessão, o sistema de drenagem e depuração, materializado pelo SIDVA, assegurando, no âmbito das suas obrigações contratuais, a receção e tratamento das águas residuais, de acordo com todos os requisitos legais ou outros requisitos aplicáveis subscritos pela organização;

19 III. POLÍTICA DE GESTÃO Página 18 de 44 Controlar os equipamentos associados aos processos; Identificar e satisfazer as necessidades dos clientes, facultando um tratamento adequado aos seus efluentes e de forma a contribuir para aumentar a sua competitividade e as boas práticas ambientais; Prevenir qualquer forma de poluição que possa resultar das nossas atividades, procurando continuamente oportunidades para melhorar comportamentos ambientais, aplicar as melhores soluções ambientais economicamente viáveis e cooperar com as entidades competentes na matéria; Assegurar um elevado nível de controlo dos recursos naturais e energéticos utilizados, dos resíduos produzidos e respetivo destino final, e das descargas para o meio hídrico; Assegurar elevados níveis de prevenção de acidentes que possam originar impactes ambientais significativos no meio hídrico e nos solos; Garantir que os seus colaboradores estão familiarizados e envolvidos com o SGI e que cumprem com as boas práticas profissionais; Implementar níveis de higiene e segurança compatíveis com o perigo das atividades desempenhadas; Garantir a existência de recursos humanos, técnicos e físicos adequados ao desenvolvimento dos processos requeridos pelo SGI; Promover a imparcialidade, independência e integridade em todas as áreas de atuação; Assegurar a observância de sigilo profissional sempre que exigível no âmbito do cumprimento legal, normativo ou outro; Obter resultados analíticos fiáveis, através do cumprimento dos procedimentos aplicáveis e da participação em programas interlaboratoriais do controlo da qualidade do laboratório.

20 IV. DOCUMENTAÇÃO Página 19 de DOCUMENTAÇÃO A documentação do SGI, que tem como raiz o presente manual de gestão, está definida e é controlada em conformidade com o procedimento Controlo de Documentos e Registos 1º Nível Manual de Gestão Legislação Normas e Regulamentos 2º Nível Descrição dos Processos Descrição de Funções Procedimentos 3º Nível Procedimentos internos Procedimentos auxiliares Procedimentos de verificação ou manutenção Procedimentos de Segurança e Higiene Documentos Auxiliares dos Procedimentos Manuais de Equipamento Instruções Rótulos / cartazes Fichas de dados de seguranças 4º Nível Registos Impressos/ Originais de Folhas de Registo Dados Originais e Boletins Controlo da Qualidade Validação de Métodos Documentos Auxiliares da Qualidade Minutas Declarações

21 V. ÂMBITO DO SGI Página 20 de ÂMBITO DO SGI O âmbito do SGI inclui as atividades de drenagem, depuração e destino final das águas residuais lançadas ou entregues pelos clientes e utilizadores, no sistema intermunicipal concessionado à TRATAVE abrangendo a rede de intercetores, as ETAR e o Laboratório, tal como explicitado no Capítulo 2.1 ATIVIDADE E ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO. 5.1 ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO ISO 9001 E DA ACREDITAÇÃO ISO A certificação, de acordo com a NP EN ISO 9001, aplica-se à atividade de drenagem, depuração e destino final das águas residuais lançadas ou entregues pelos clientes e utilizadores, no sistema intermunicipal concessionado à TRATAVE. Como exclusão foi identificado o requisito normativo 7.3, uma vez que na atividade da TRATAVE não se realiza Conceção e Desenvolvimento. O âmbito da Acreditação do Laboratório da TRATAVE, de acordo com a NP EN ISO/IEC 17025, compreende o Núcleo de Análises Físico-Químicas, aplicado à matriz Águas Residuais, encontrando-se os parâmetros para os quais está acreditado no último capítulo deste manual. Refere-se ainda que a amostragem não se encontra incluída no âmbito da Acreditação.

22 VI. SEQUÊNCIA E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS Página 21 de SEQUÊNCIA E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS Neste capítulo apresenta-se um esquema inicial com a designação dos processos e procedimentos, seguido dos esquemas representativos da sequência dos processos e das suas interações. PROCESSOS E PROCEDIMENTOS DO SGI PGC Processo de Gestão de Clientes PCF Processo de Controlo Financeiro ÁGUAS RESIDUAIS BRUTAS Legislação / Contrato PTA Processo de Tratamento de Águas ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Conformes com Legislação / Contrato PMIC Processo de Manutenção de Intercetores e Caudalímetros PM Processo de Manutenção PC Processo de Compras PGRH Processo de Gestão Recursos Humanos PL Processo de Laboratório PGHS Processo de Gestão de Higiene e Segurança* PPCA Processo de Planeamento e Controlo Ambiental PRS Procedimento de Reclamações e Sugestões PNC Procedimento Novos Clientes PMI Procedimento de Manutenção de Intercetores PMCE Procedimento de Monitorização e Controlo de ETAR PA Procedimento de Auditorias PC-NC-AC-AP Procedimento de Controlo de Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas PCDR Procedimento de Controlo de Documentos e Registos PAFQ Procedimento de Admissão, Formação e Qualificação PFC Procedimento de Fiscalização de Clientes PACD Procedimento de Acompanhamento das Condições de Descarga PF Procedimento de Faturação PAA Procedimento de Aspetos Ambientais PMC Procedimento de Manutenção de Caudalímetros PPS Procedimento de Processamento Salarial PABS Procedimento Aquisição de Bens e Serviços PMG Procedimento de Manutenção Geral PCEMM Procedimento de Controlo de Equipamentos de Monitorização e Medição - Procedimentos - Processos - Processo de GHS * em desenvolvimento

23 VI. SEQUÊNCIA E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS Página 22 de 44 SEQUÊNCIA DOS PROCESSOS PMIC Cliente (Água Residual Bruta) PGC PTA Meio recetor (Água Residual Tratada) Processos de apoio transversais a toda a atividade Cliente (Serviço prestado) PL PC PCF PM PGRH PPCA PGHS* INTERAÇÃO DOS PROCESSOS PROCESSOS PGC PMIC PTA PL PC PCF PM PGRH PPCA PGC PMIC PTA PL PC PCF PM PGRH PPCA Relativamente aos processos, existem ainda três quadros informativos (Anexo I INTERAÇÃO DOS PROCESSOS E DOCUMENTOS DO SGI COM OS REQUISITOS DAS NORMAS ) que facilitam a análise das relações entre os Processos, os principais documentos da TRATAVE e os requisitos das normas de referência do SGI.

24 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE VII SISTEMA DE GESTÃO DO LABORATÓRIO Edição n.º 21 Página 23 de SISTEMA DE GESTÃO DO LABORATÓRIO O Laboratório, integrado na TRATAVE e localizado geograficamente na ETAR de Rabada, tem como campo de atividade a realização de análises de controlo de qualidade das águas residuais, e compreende alguns dos ensaios físicoquímicos contemplados na legislação em vigor. As instalações do Laboratório são do tipo permanente. É da responsabilidade do Laboratório realizar as suas atividades de ensaio com o objetivo de: cumprir os requisitos da Norma Internacional NP EN ISO/IEC satisfazer as necessidades do cliente e das entidades regulamentadoras, e/ou organizações que efetuam o reconhecimento. Para atingir os objetivos propostos pela política, foi criada uma estrutura organizacional munida de pessoal com qualificações adequadas, de onde se destacam as seguintes responsabilidades: A responsabilidade pela gestão do sistema da qualidade e pela gestão técnica, do Laboratório, a cargo do DL. O RQL com a responsabilidade pela implementação e manutenção do sistema de gestão e controlo da qualidade do Laboratório, segundo a norma de referência. A responsabilidade técnica atribuída ao RTL, que inclui a supervisão técnica dos resultados, e do pessoal que realiza os ensaios, bem como a responsabilidade pela implementação e manutenção do sistema de gestão e controlo de qualidade do Laboratório, segundo a norma de referência. Este capítulo pretende abordar os fatores que determinam a exatidão e fiabilidade dos ensaios realizados pelo laboratório da TRATAVE, pelo que se encontra disponível em anexo IV a descrição mais pormenorizada das responsabilidades afetas à função RQL e RTL.

25 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE VII SISTEMA DE GESTÃO DO LABORATÓRIO Edição n.º 21 Página 24 de MÉTODOS DE ENSAIO E VALIDAÇÃO DE MÉTODOS O tipo de matriz contemplado na Acreditação é o de Águas Residuais. Os parâmetros e respetivo método objeto da Acreditação, são os que a seguir se enumeram: ph Eletrometria (SMEWW 4500-H + B) PIQ 1 ed.8 ( ) Condutividade Eletrometria (25ºC) (SMEWW 2510B) CQO Método Colorimétrico, Refluxo Fechado (SMEWW 5220D) CBO5 Eletrometria -Teste 5 dias (SMEWW 5210B, SMEWW4500-OG) SST Gravimetria (SMEWW 2540D) PIQ 6 ed.3 ( ) Azoto Kjeldahl Titrimetria - Método Macro-Kjeldahl (SMEWW 4500-NorgB) Nitritos espectrofotometria Absorção Molecular (SMEWW 4500-NO2 - B) Azoto Amoniacal Titrimetria com destilação preliminar (SMEWW NH3B, C) Ortofosfatos espectrofotometria Absorção Molecular (SMEWW 4500-P, D) Fósforo Total espectrofotometria Absorção Molecular (SMEWW 4500-PB, D) Detergentes - espectrofotometria absorção molecular (SMEWW 5540C) SMEWW Standard Methods For The Examination of Water and Wastewater. Todos os métodos analíticos referidos são considerados internos ou adaptados da referência bibliográfica citada antes da designação do Procedimento Interno Técnico de Físico-Química - Exemplo: (SMEWW) PIQ 1. São seguidas sempre as últimas versões das referências bibliográficas, salvo algumas exceções como por exemplo: - a obrigatoriedade do uso de uma versão desatualizada, por parte de algum documento de caráter legal; - a demora na entrega da versão mais recente, após pedido de aquisição, por parte da cadeia comercial

MANUAL DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE E AMBIENTE

MANUAL DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE E AMBIENTE MANUAL DE GESTÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE. ATUALIZAÇÕES Página 1 de 44 CONTROLO DAS ATUALIZAÇÕES Edição Data 24 Janeiro 2015 23 Setembro 2014 LISTA DE ALTERAÇÕES (Edição 23 para a Edição

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014)

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) Aprova o formulário de notificação, a efetuar ao INFARMED, I. P., e orientações sobre a prática de reprocessamento de dispositivos médicos de uso único pelo

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA Ivo BRAGA 1 RESUMO Desde 1987, a AQUAPOR / LUSÁGUA é um dos principais players do mercado na Gestão de Concessões

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Regulamento de Admissão de Resíduos na. Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas. da ENC Bioenergy, Lda

Regulamento de Admissão de Resíduos na. Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas. da ENC Bioenergy, Lda Regulamento de Admissão de Resíduos na Unidade de Valorização de Correntes de Resíduos de Gorduras Ácidas da ENC Bioenergy, Lda UVCRGA Rua Carva-Penedo, 4520-503, Sanfins, S.ªM.ª da Feira Portugal T (+351)

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL ÉVORA 2012 Who we are CASO PRÁTICO 1 (piloto) REUTILIZAÇÃO

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO A aplicação de princípios de avaliação e de gestão de riscos, complementa o controlo realizado através da monitorização

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data:

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: ÍNDICE Pág. Cap. I ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE 1. Promulgação 2 2. Gestão do

Leia mais

Oxidação + remoção por precipitação química

Oxidação + remoção por precipitação química ETA - ESQUEMA DE TRATAMENTO PARÂMETROS A ACTUAR OPERAÇÕES OU PROCESSOS UNITÁRIOS Ferro/manganésio Turvação Parâmetros microbiológicos Sólidos suspensos totais Equilíbrio calco-carbónico Oxidação da matéria

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade]

Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar. [Sistema de Gestão da Qualidade] Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar [Sistema de Gestão da Qualidade] Relatório da Auditoria 12 de junho de 2015 1 1. INTRODUÇÃO, ÂMBITO E OBJETIVO DA AUDITORIA A Auditoria realizada ao Sistema de

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Página 1 Complexo de Lever é responsável pelo abastecimento de água a mais de 1,4 O milhões de habitantes de 13 municípios Accionistas da

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos -

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - Raquel N. FIGUEIREDO Eng.ª Ambiente, Águas do Cávado, SA, Lugar

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO O Sistema de Gestão da Qualidade da empresa Águas do Vouga foi implementado com o objectivo de melhoria da eficácia

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TURISMO E TRANSPORTES LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL MANUAL DA QUALIDADE Ponta Delgada, Dezembro de 2013 Modelo LREC PG 05 01 Promulgação Elaborado

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Referente ao período de janeiro a dezembro de 2014 Município de Terras de Bouro Elaborado em 29 de janeiro de 2015 janeiro de 2013 MUNICÍPIO DE

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE PROMULGAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE. 2ª edição O PRESENTE MANUAL DA QUALIDADE DESCREVE O SISTEMA

MANUAL DA QUALIDADE PROMULGAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE. 2ª edição O PRESENTE MANUAL DA QUALIDADE DESCREVE O SISTEMA Pág. 1/18 PROMULGAÇÃO DO 2ª edição O PRESENTE DESCREVE O SISTEMA DE GESTÃO IMPLEMENTADO NO LABORATÓRIO VETERINÁRIO DE MONTEMOR-O-NOVO, INCLUINDO AS POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS DESTE SISTEMA, EM CUMPRIMENTO

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

RELATÓRIO DA AUDITORIA INTERNA AO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Pág. 1 5 Designação legal da Organização: Municipio do Sátão. Instalações auditadas: Paços do Concelho, na Praça Paulo VI, Oficina e Armazém na Zona Industrial e Obra (Bem ou serviço nº 525) "valetas em

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03 Ensaio de Aptidão Calibração de uma Micropipeta Variável 2014 Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento... 3 4.1 Regras de

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Manual Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Manual Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Manual Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança S A A G Q A Q G S A Janeiro de 2014 REVI SÃO D ESCRIÇÃO D ATA 01 Alteração do Âmbito do Sistema (página 11). Inclusão dos procedimentos requeridos pelas

Leia mais

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ Objetivo e Âmbito da Atividade O Manual da Qualidade define os princípios e os meios adotados para assegurar a qualidade adequada aos serviços fornecidos pelo Programa de Telemedicina da ARSA. O âmbito

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais