UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO EM SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL ANDRÉ LUIZ CARVALHO MARINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO EM SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL ANDRÉ LUIZ CARVALHO MARINI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO EM SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL ANDRÉ LUIZ CARVALHO MARINI ASPECTOS RELACIONADOS A MELHORIA DA GESTÃO DA SATISFAÇÃO DOS CONSUMIDORES: ESTUDO DE CASO NA INFOGLOBO Niterói 2005

2 ANDRÉ LUIZ CARVALHO MARINI ASPECTOS RELACIONADOS A MELHORIA DA GESTÃO DA SATISFAÇÃO DOS CONSUMIDORES: ESTUDO DE CASO NA INFOGLOBO Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Sistema de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de Concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Orientador: Prof. Martius Vicente Rodrigues Y Rodrigues, D.Sc. Niterói 2005

3 ANDRÉ LUIZ CARVALHO MARINI A MUDANÇA DE CULTURA DOS CLIENTES FRENTE AO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA INFOGLOBO Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Sistema de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de Concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Aprovada em: BANCA EXAMINADORA Prof. Martius Vicente Rodrigues Y Rodrigues, D.Sc. Universidade Federal Fluminense Prof. Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, D.Sc. Universidade Federal Fluminense Prof. Nelson Francisco Favilla Ebecken, D.Sc - Universidade Federal do Rio de Janeiro

4 AGRADECIMENTOS À Marilane Magon, pelos incontáveis auxílios ao longo de todo o processo de pesquisa. Ao João Pedro, Gabriel e Mariah, por serem os grandes motivadores deste e de muitos outros projetos. E à Jackeline, por ser a inspiração de toda uma vida.

5 RESUMO A realidade do mercado exige a cada dia maior empenho das organizações para o alcance da condição de excelente como prestador de serviços em qualquer setor. A fim de que os objetivos comerciais sejam atingidos, é necessário conhecer mais profundamente os clientes, suas demandas e necessidades. Assim chegamos ao objetivo principal do presente estudo: avaliar o desempenho de empresas através de fatores quantificáveis, identificados principalmente a partir dos clientes e dos responsáveis pelo nível de desempenho nos serviços prestados. Dessa maneira, e após uma análise criteriosa dos fatores que determinam os sucessos e os infortúnios das relações comerciais entre empresas produtoras de serviços e consumidores, a realização deste trabalho se justifica pelo esforço em elucidar questões relativas à busca da constante satisfação dos clientes, através da quebra de paradigmas e da melhoria da Qualidade das organizações. O presente trabalho se propõe, assim, a formular, avaliar e acompanhar a implantação de um programa estruturado para a melhoria da qualidade dos serviços comerciais em uma empresa do setor de Comunicação Social, no caso a INFOGLOBO COMUNICAÇÕES. Palavras-chave: prestação de serviços, satisfação dos clientes, qualidade do atendimento.

6 ABSTRACT Nowadays, the reality of the market demands, day by day, more and more engagement from the organizations in order to reach the condition of excellent enterprise in providing services, whether what is its field. For reaching the commercial objectives, it is necessary to be well-informed about the clients, their demanding and necessities. That is the main purpose of this research: examining the performance of service businesses in Brazil, through identified items from the own clients and also from the workers of service jobs. So, after analyzing the aspects that determine the success and the problems of commercial relations between service businesses and the customers, doing this work means explaining with details the issues related with the continuous search of clients satisfaction, through destroying paradigms and improving the organizations quality of services. Thus, this work intends to formulate, examine and follow the institution of a well-structured program for the improving of the quality of services in one of the most important brazillian enterprise of communication, which is INFOGLOBO COMUNICAÇÕES. Key-words: providing services, clients satisfaction, serving with quality.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Seção Em Defesa do Consumidor Publicada no Jornal O Globo, Entre 1983 e Figura 2 A Metodologia da Pesquisa 80 Figura 3 A Cronologia dos Momentos da Verdade 81 Figura 4 Plano Amostral da Etapa Quantitativa 81 Figura 5 Cronograma de Análise dos Resultados 83 Quadro 1 Análise dos Resultados I 84 Quadro 2 Análise dos Resultados II 86 Figura 6 Identificação dos atributos - Matriz Impacto X Satisfação: Contato Corretor (Extra) 88 Quadro 3 Análise dos Resultados III 89 Quadro 4 Análise dos Resultados IV 90

8 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A RESISTENTE PRECARIEDADE DA EXCELÊNCIA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS RELEVÂNCIA DO TEMA JUSTIFICATIVA...15 CAPÍTULO 2 REVISÃO DA LITERATURA GESTÃO DA SATISFAÇÃO A EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO CONDIÇÃO FUNDAMENTAL PARA A CONQUISTA E MANUTENÇÃO DO CLIENTE RELACIONAMENTO E SATISFAÇÃO PESQUISAS E INFERÊNCIAS CONHECENDO O CLIENTE O VERDADEIRO DETENTOR DO PODER O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR OS ASPECTOS INFLUENCIADORES DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR RELACIONAMENTO O SEGREDO DO NEGÓCIO O QUE COMPRAR POR QUE COMPRAR ONDE COMPRAR OS PASSOS DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA A HIERARQUIA DAS NECESSIDADES O PROCESSO DE FORMAÇÃO DA SATISFAÇÃO EXPECTATIVA X SATISFAÇÃO UM FEEDBACK DECISIVO SATISFAÇÃO DO CLIENTE E RENTABILIDADE DA EMPRESA UM BINÔMIO INCONTESTÁVEL A IMPORTÂNCIA DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE EXCELÊNCIA MARKETING ESTRATÉGIA OU SOFISMA? EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS UMA DEMANDA CADA VEZ MAIOR O SETOR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A SATISFAÇÃO EM SERVIÇOS A PARTICIPAÇÃO DOS SERVIÇOS NA ECONOMIA O CARÁTER ESPECÍFICO DOS SERVIÇOS CONCEITOS E OPERAÇÕES DE SERVIÇOS CLASSIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS AS DIMENSÕES DOS SERVIÇOS A QUESTÃO DA PERCEPÇÃO IMAGEM, COMUNICAÇÃO E PERCEPÇÃO DA SATISFAÇÃO NO CASO DOS SERVIÇOS AS CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS FORMAS E RESULTADOS A MENSURAÇÃO DA SATISFAÇÃO NOS SERVIÇOS OS PECADOS CAPITAIS NO ATENDIMENTO AO CLIENTE INVESTIR EM ATENDIMENTO PROVIDÊNCIA CHAVE PARA O SUCESSO 75 CAPÍTULO 3 ESTUDO DE CASO: INFOGLOBO COMUNICAÇÕES UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA ISA B2B (ÍNDICE DE SATISFAÇÃO DO ANUNCIANTE) A METODOLOGIA APLICADA...79

9 3.1.2 COLETA DE DADOS E ANÁLISE DOS RESULTADOS RESULTADOS CONCLUSÕES DA PESQUISA PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO COMERCIAL NOVOS PROFISSIONAIS ACADEMIA DE VENDAS TREINAMENTOS PONTUAIS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS RESULTADOS ALCANÇADOS...95 CAPÍTULO 4 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÃO PARA TRABALHOS FUTUROS...96 CAPÍTULO 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...98

10 10 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Em todo o mundo as organizações, independentemente de seu porte ou finalidade, parecem estar vivendo momentos de grandes transformações. Em que pese o fato de serem as transformações inerentes aos processos naturais da vida em sociedade, a novidade deste início de milênio é o caráter radical que elas ora sugerem. O fenômeno da globalização - que na concepção de Lobato (1997), não é uma mudança para o caos, mas sim uma evolução para uma nova sociedade civil mundial, em que os cidadãos viverão em uma perspectiva que se divide em três partes - serão cidadãos simultaneamente de uma região, de uma nação e do mundo - associado aos avanços na área tecnológica, à escassez de recursos e à concorrência radical e sem fronteiras, em muito contribui para que sejam instituídos novos patamares de exigências pelos consumidores e novas formas de relacionamento entre empresas produtoras e o mercado consumidor, de uma forma geral. A abertura do mercado consumidor interno, aliada às mudanças no contexto sóciopolítico e econômico, especificamente no caso brasileiro, traz em seu bojo o aumento dos questionamentos sobre inúmeros paradigmas até então adotados. A realidade do mercado exige a cada dia maior empenho das organizações na condição de excelência em qualquer setor. O acirramento dos ambientes competitivos leva as empresas, cada vez mais, a investirem em programas de gestão da satisfação como condição sine qua non para a sobrevivência. A condição dos produtos nacionais melhorou muito, embora o consumidor, cada vez mais exigente, continue insatisfeito, só que agora com os serviços. Um mapeamento inédito das cartas publicadas pelo jornal O Globo ao longo dos 20 anos de existência da seção Em Defesa do Consumidor, nos mostra uma clara mudança na opinião dos consumidores no que diz respeito à satisfação com as empresas, evidenciando o aumento das reclamações relacionadas com a prestação de serviços no período de 1983 a 2003.

11 11 13% 15% 20% 24% 33% 37% 38% 42% 42% 46% 47% 46% 55% 59% 64% 69% 72% 72% 78% 82% 86% 87% 85% 80% 76% 67% 63% 62% 58% 58% 54% 53% 54% 45% 41% 36% 31% 28% 28% 22% 18% 14% RECLAMAÇÃO SOBRE PRODUTO RECLAMAÇÃO SOBRE SERVIÇO Fig. 1 Seção Em Defesa do Consumidor Publicada no Jornal O Globo, Entre 1983 e 2003 Fonte: O GLOBO 1.1 A RESISTENTE PRECARIEDADE DA EXCELÊNCIA Quando se analisa as matérias de cunho empresarial em qualquer revista, periódico ou jornal de negócios, um ponto comum chama a atenção: o discurso dos executivos e Chief Executive Officers (CEO) de diversas organizações, dos mais variados portes e características. Em sua maioria, eles mostram empresas adotando uma orientação voltada especialmente para o cliente, em que este aparece como o centro das atenções. Todas as companhias querem seus clientes satisfeitos pois, em princípio, cliente satisfeito significa cliente fiel, que por sua vez significa margens de lucro crescentes pois afirmam os teóricos que o lucro aumenta com o tempo, à medida que os clientes se tornam mais fiéis. Dados citados por Reichfield e Sasser (1990) mostram que as empresas podem aumentar em 100% seus lucros se retiverem apenas 5% a mais de seus clientes em um ano. Além disso, um consumidor leal consome cada vez mais ao longo do tempo, sem necessidade de investimentos agressivos em comunicação mercadológica. Dessa maneira, sob o ponto de vista da lucratividade, a manutenção dos clientes é um item que não pode ser relegado ao segundo plano. Outro ponto a ser considerado é que, na média das organizações, registra-se a perda de 15 a 20% dos consumidores a cada ano, em grande parte devido à insatisfação quanto ao atendimento e aos serviços prestados. Estudo citado por Whiteley (1992) corrobora esta afirmativa: visando avaliar as possíveis razões determinantes da mudança de um fornecedor para outro, o baixo desempenho do atendimento foi apontado como o motivo preponderante. Enquanto apenas 15% dos clientes mudaram por terem encontrado um produto melhor e

12 outros 15% por terem encontrado um produto mais barato, verificou-se que 20% mudaram pela falta de contato e atenção pessoal, e 49% por terem recebido um atendimento insatisfatório. Esse discurso de orientação para o cliente apregoado pelos empresários dá margem, porém, a diversas interpretações, todas não muito positivas aos olhos de quem está do lado de fora. Soa demagógico, principalmente quando muitas evidências práticas parecem se contrapor ao discurso. Onde está, então, a orientação para o cliente, que os dirigentes tanto gostam de citar em seus papers e speechs, quando nos deparamos, todos os dias, com tantos exemplos, como planos de saúde, empresas de telecomunicações, supermercados, e grandes magazines que estão aí, a rechear os noticiários com reclamações de clientes que compraram gato por lebre? Por que então prometem além do possível? O que falta para que efetivamente cumpram o que prometem, as tão sonhadas eficiência, competência e transparência na prestação dos serviços? Seria essa uma estratégia ética? Não estariam tais estratégias a deturpar o conceito de marketing, a causar uma falsa imagem do marketing na cabeça das pessoas? E como é que fica o conceito de Gestão da Satisfação do Cliente, também tão alardeado por executivos de diversas empresas, quando os seus desempenhos não correspondem às expectativas dos clientes? Afinal, Marketing e Gestão da Satisfação têm um princípio comum, que é o pleno atendimento às necessidades, anseios e expectativas dos clientes. Ao tentar responder essas perguntas, imagina-se que qualquer profissional sério fique preocupado. Ao prometerem coisas e não as cumprir integralmente, os dirigentes e executivos de uma empresa podem levá-la ao fundo do poço. Isto porque, num momento em que se fala tanto em fidelização, o principal componente relativo a este particular fica extremamente abalado: a credibilidade. A credibilidade, por sua vez, está ligada diretamente ao compromisso público assumido pela empresa desde sua missão corporativa. Não bastam as frases bem escritas nos quadros pendurados nas paredes das instalações da empresa, nem as estampadas nas camisetas dos empregados. Uma empresa precisa fazer acontecer as coisas que prometeu para ter um público efetivamente fiel. Caso contrário, amargará uma indesejável (e inevitável) perda de clientes. Como afirmam Frances e Roland Bee (2000, p.13): Ao perder um cliente, geralmente não se perde somente uma venda, mas potencialmente uma vida inteira de vendas. Considerando que pode ser muito dispendioso conquistar um cliente por meio de propaganda e outros custos de marketing, possivelmente represente uma surpresa o fato de algumas empresas o tratarem com tanta negligência. 12

13 OBJETIVOS Objetivo Geral O presente trabalho se propõe a responder a questão Quais os aspectos relacionados à satisfação dos consumidores para melhoria do atendimento na prestação de serviços das empresas?, a partir de um estudo de caso do projeto implantado em uma empresa do setor de comunicação social, desenvolvendo um método de aprimoramento da Gestão do Relacionamento entre clientes e fornecedores através de um programa de capacitação da área comercial. Esta experiência pode ser utilizada como uma proposta a ser expandida, com as adequações devidas, para empresas atuantes em setores distintos do mercado Objetivos Específicos Para viabilizar o alcance do objetivo geral, são definidos os seguintes objetivos específicos: 1. Definir e organizar conceitos através de suporte teórico, que envolvam questões como: - Identificar fatores geradores da satisfação dos clientes; - Indicar as concepções sobre a Excelência no atendimento; - Reconhecer os atributos na prestação de serviços; - Observar os determinantes do comportamento do consumidor diante da compra. 2. Propor indicadores como fatores de avaliação e ferramentas da Gestão do Relacionamento com o cliente; 3. Estruturar o modelo proposto pelos referenciais e pelo suporte teórico prático, na empresa objeto do estudo; Com a realização dos objetivos propostos, permite-se visualizar contribuições encontradas na estrutura trabalho. Convém destacar os seguintes pontos apresentados: A estrutura das pesquisas de Avaliação da Percepção dos Clientes apresentada Abordagem da metodologia da pesquisa, detalhando suas diversas fases, e apresentação dos resultados obtidos, abrangendo a análise; A aplicação do Programa de Capacitação Comercial na empresa; A visualização das melhorias alcançadas com a aplicação da metodologia. 4. Por último, aparecem as conclusões do trabalho e algumas sugestões para futuros desdobramentos.

14 14 Esperamos poder contribuir, com o presente projeto, para a ratificação dos modelos que destaquem a importância da expectativa do cliente no atendimento comercial, percebida como fator que influencia a satisfação do consumidor, e que, por sua vez, leva à retenção de clientes, influindo positivamente na lucratividade da empresa, além de fornecer informações que viabilizem a construção de mecanismos úteis para a detecção das causas das falhas no processo de negociação, e que subsidie a tomada de decisão quanto à resolução total ou parcial do problema detectado futuramente. Para Mañas, (ABREU, 1999, p. 112), a proficiência e a produtividade são dois fatores que caminham na mesma direção e em conjunto representam a satisfação do cliente e o sucesso do negócio. Cassarro (ABREU, 1999, p. 112) apresenta como forma de medir-se a performance e a mensuração da satisfação alcançada, com base na descrição de como o serviço/produto foi apresentado e se esta abordagem veio ao encontro da expectativa original do cliente. Refletir e acrescentar elementos a partir do conceito de que as contribuições acadêmicas devem apresentar como foco principal a interação do mercado e suas necessidades com a disponibilidade de acesso às técnicas e tendências de ensino. É para esta direção que converge o presente trabalho. 1.3 RELEVÂNCIA DO TEMA O consumidor mudou, e é preciso conhecê-lo muito bem. É para atendê-lo que são criados os programas de Gestão do Relacionamento com o cliente. Porém, faz-se necessário entender os mecanismos que formam a sua avaliação sobre o que é ser bem atendido. Um dos fatores mais importantes está na administração das suas expectativas que são altamente influenciadas pelo processo de negociação. Isto quer dizer que, na hora da venda, a condução do processo é fundamental para a obtenção da satisfação do consumidor, ao atender e buscar a superação de suas expectativas mas apesar disto, poucos são os esforços de capacitação de vendedores com este foco. Assim chegamos ao tema: como desenvolver um programa de capacitação de vendedores com o foco na Gestão do Relacionamento entre clientes e fornecedores? Para que as metas de conquista do mercado sejam alcançadas, é necessário conhecer os clientes e, principalmente, avaliar os motivos ou fatos que levam as empresas a desconhecer os critérios de desempenho necessários para atingir seus objetivos. Boa parte do

15 15 problema está no baixo investimento em qualificação no processo comercial, que é o principal ponto de contato das empresas com os seus clientes. Neste contexto definiu-se a questão fundamental do trabalho: avaliar o desempenho das relações comerciais de empresas através de fatores quantificáveis, identificados principalmente a partir dos clientes e dos responsáveis pelo nível de desempenho nos serviços prestados. Os números relativos à evolução do setor de serviços mostram a importância da referida abordagem na composição do tema do presente trabalho. Nesse sentido, ao longo do tempo, diversos pesquisadores têm dedicado esforços nesta área, buscando aprimorar sua conceituação e desenvolver técnicas de medição. Dentro do universo em questão, o projeto se torna relevante pela importância mercadológica e acadêmica do tema proposto, principalmente pela relação com a Engenharia de Produção aplicada ao processo de serviços ao cliente, e tudo isso, certamente, resultará em uma fonte útil para consultas e novos estudos. 1.4 JUSTIFICATIVA A decisão de escolha do tema para a execução deste trabalho deve-se à dinâmica que o estudo da Qualidade/Gestão da Satisfação do Consumidor, apresenta quando relacionado ao desenvolvimento de elementos que proporcionam a busca da excelência nas organizações. O estudo sobre o relacionamento específico no processo de negociação apresenta uma certa carência de pesquisas e modelos, quando tratado de maneira não restrita, e logo, a Engenharia de Produção pode contribuir em muito na racionalização e compreensão destes processos, por ter um caráter multidisciplinar, segundo Borges (2001, p. 7). Conforme afirma Silva, Miranda (2001, p. 4), por apresentar características de uma engenharia de métodos e procedimentos, a Engenharia de Produção é o estudo, o projeto e a gerência de sistemas integrados de pessoas, materiais, equipamentos e ambientes, com a finalidade de melhorar a produtividade e a eficiência no que se refere às atividades de trabalho. Porém, segundo Miranda (2001), não basta desenvolver métodos e procedimentos operacionais apenas eficientes; faz-se necessário também que esses sejam planejados e desenvolvidos como prioridades das empresas, ou seja, aqueles que lhes tragam competitividade. Mas mudar a filosofia de gestão das empresas esbarra em resistências. Este processo é uma questão de paradigma. Os paradigmas são um conjunto de regras, regulamentos, padrões ou rotinas, nem sempre reconhecíveis, que mostram como resolver problemas dentro de certos

16 16 limites. Influenciam fortemente a maneira de ver e analisar problemas, afetando sensivelmente as decisões. Impedem a previsão do futuro, bloqueiam a criatividade. Lida-se com paradigmas o tempo todo. Na vida das organizações não é diferente. Entretanto, pode-se observar na cultura das empresas uma série de paradigmas que, quando presentes, dificultam a implantação de Programas da Gestão da Satisfação. É necessário que todos os membros da organização estejam conscientes das implicações destes modelos para que possam mudá-los. A capacidade de sobrevivência de uma empresa é diretamente proporcional à sua capacidade de se transformar. Com raras exceções, a palavra-chave dos tempos de hoje é mudança. Mesmo diante das dificuldades econômicas em que se encontram a grande maioria das empresas, os investimentos em aprendizagem e capacitação dos recursos humanos continuam sendo feitos, e o retorno destes investimentos são alguns dos motivos que levam ao debate sobre o desafio da Gestão de Relacionamento na área comercial das empresas. Há alguns pressupostos, baseados em pesquisa realizada por Dantas em O primeiro deles é que a grande maioria das empresas, na verdade, ainda não saiu da visão arcaica e incompatível com os dias atuais, da administração da porta para dentro, evidência relativamente fácil de ser comprovada, quando se vê tantos executivos que mal conhecem as dependências da companhia em que trabalham e que ditam as regras para o atendimento ao público sem qualquer conhecimento da realidade. Fala-se muito em quebrar paradigmas, em se ter uma empresa sem fronteiras, sem divisões, mas o que acontece na prática ainda é a formação de feudos. O cliente, cuja expectativa inicial ao procurar a instituição é ser recebido por alguém que possa resolver o seu problema, é como que jogado de um lado para outro, passando por diversas áreas, ligando para vários telefones, tendo que explicar para diferentes setores os motivos de sua ida ali, enfim, continua sendo uma espécie de joguete na mão dos empregados de muitas empresas brasileiras. Essas mesmas organizações recebem prêmios de marketing, conseguem certificações de programas de Gestão da Satisfação em muitos de seus processos e têm seus executivos sempre em destaque em revistas e periódicos especializados em gestão de negócios. O segundo pressuposto é o de que muitas empresas não se preocupam de fato com o correto recrutamento, seleção e treinamento de seu pessoal de vendas. Essa falta de preocupação com a excelência no atendimento, problema tipicamente gerencial, gera alguns vícios muito evidentes no atendimento que oferecem e que refletem, obviamente, na satisfação dos clientes. Vícios que vão, conforme também constatado na pesquisa realizada por Dantas (1993), desde o uso de siglas e gírias, filas e formas inadequadas de postura e

17 17 tratamento, até a supervalorização das expectativas do cliente. O terceiro e último pressuposto é o de que muitas companhias e firmas vêem seus clientes como pessoas com pouco (ou quase nenhum) poder de discernimento para saberem o que é bom ou o que é ruim para si. Tal pressuposto tem como base as afirmações feitas por certos dirigentes de empresas e comentadas em outras partes deste trabalho, de que os clientes muitas vezes não sabem o que querem. Informações como essa acabam sendo uma saída interessante para tais empresários, já que lhes aufere uma espécie de liberdade para tomar suas decisões, sem levar em conta, é óbvio, o que seus clientes desejam. Trata-se de uma situação cômoda para quem administra qualquer organização. Está caracterizada, portanto, uma certa (aparente) incoerência entre a teoria, o discurso e a prática, que leva a uma pergunta inevitável: é possível aplicar na prática a orientação para o cliente? Tudo leva a crer que sim. O que parece distorcer a realidade é o fato de, ao que tudo indica, serem os próprios empresários e dirigentes de empresas os agentes dessa possível dissonância. Mesmo que muitos deles não o façam propositada e maliciosamente, podem existir alguns que assim procedem, ainda que cônscios de que isto pode vir a prejudicá-los em algum momento. Carneiro (2001) explica que, ao satisfazer o cliente por meio do suprimento de uma necessidade que lhe agregue valor, abre-se portas para que o mesmo divulgue naturalmente sua empresa e a fixe como referência sobre o produto e/ou serviço que constitui o negócio da organização. Matos (2000) enfatiza a importância do acesso às percepções dos clientes e funcionários, porque por meio delas pode-se mensurar o desempenho dos processos envolvidos, identificando falhas e limitações em sua qualidade. Para tanto, faz-se necessária a utilização de um ferramental para avaliar esse desempenho e seus resultados. Segundo Muccillo Neto (2001), esse ferramental se traduz em um instrumento de gestão, aplicável não só à instituição como um todo, mas principalmente às suas partes individuais ( unidades de negócios e unidades de serviços ), às operações realizadas ( produtos ) e aos clientes com os quais se estabelecem relações. Dessa maneira, os motivos que levam à apresentação deste trabalho são justificados pelo esforço na busca da constante satisfação dos consumidores, através da quebra de paradigmas e da melhoria da Gestão da Satisfação nas organizações, trazendo uma contribuição para a área de Engenharia de Produção, ampliando o seu conhecimento consideravelmente na área de serviços e sua relação com o desempenho e a produtividade, levando ao conhecimento dos caracteres definidores de excelência esperados pelos clientes e

18 18 dando subsídios para a tomada de medidas de melhoria no processo de comercialização de bens e serviços. Por todos os argumentos apresentados, esta pesquisa justifica-se fundamentalmente pela necessidade de satisfazer os clientes, cada dia mais exigentes, pelo conhecimento de sua percepção e satisfação quanto ao atendimento comercial nas empresas e como isto influi no processo de escolha por um estabelecimento ou outro.

19 19 CAPÍTULO 2 REVISÃO DA LITERATURA GESTÃO DA SATISFAÇÃO No mundo globalizado a preocupação com a satisfação expande-se pelos mais variados segmentos das atividades de produção, as quais vêm alterando estruturas e promovendo reformulações e aprimoramentos visando o alcance de uma imagem satisfatória frente ao seu objetivo final, qual seja, o consumidor. Atuando num âmbito cada vez mais mutável e imprevisível, onde a concorrência assume escalas globais, as empresas são levadas a buscar, dia após dia, novas idéias, ferramentas e métodos para atrair o público. Para responder a este contexto e atender à demanda atual, muitas organizações estão, há algum tempo, incorporando programas de Gestão da Satisfação e da produtividade. Shigunov Neto (2000, p. 72) conceitua o termo Qualidade como sendo: um padrão de desempenho subjetivo, pois os indivíduos adquirem produtos e/ou serviços para tentar satisfazer necessidades conscientes e/ou inconscientes com a percepção que têm do objeto de cobiça. E Shiba (apud SHIGUNOV NETO, 2000, p. 72) afirma que a Satisfação pode ser considerada sob diversos prismas, difíceis de serem definidos, como: Adequação ao padrão avalia se o produto produzido está adequado aos padrões estabelecidos; Adequação ao uso é o meio de garantir a satisfação das necessidades de mercado; Adequação ao custo significa alta performance e custo baixo; Adequação à necessidade latente significa a satisfação das necessidades do cliente antes que ele esteja consciente delas. Excelência é para quem quer competir. Mas nem todos têm acesso, especialmente as pequenas empresas, à informação necessária ao conhecimento dos métodos e das ferramentas para o desenvolvimento da Gestão de Satisfação em suas ações. No caminho para o aperfeiçoamento do processo de Gestão da Satisfação, o cenário moderno exige a revisão de vários conceitos, e acena com a adoção de sistemas de avaliação de desempenho, os quais se traduzem em elementos básicos de mensuração do cumprimento e da performance de uma empresa e de seu produto final junto ao cliente.

20 20 A literatura disponível reforça a visão de que tais programas podem ter um impacto positivo e significativo em termos de redução de custos, maior satisfação dos clientes, aumento positivo e significativo em termos de redução de custos, maior satisfação dos clientes, aumento de parcelas de mercado e, por conseguinte, maiores lucros (KORDUPLESKI et al., p. 35). No que tange ao desempenho técnico, pesquisa do Inmetro aponta que os gastos despendidos pela indústria brasileira com assistência técnica durante o período de garantia de um produto representam 2,7% do valor bruto das vendas, enquanto que a média mundial é de 0,15% e a indústria japonesa gasta menos de 0,05% do valor bruto das vendas neste item. No entanto, os empresários brasileiros mostram interesse em melhorar este panorama desfavorável. Pesquisa realizada pelo Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas revela que 79% dos empresários de menor porte têm interesse em conhecer processos que aumentem a qualidade de produtos e serviços. A mesma pesquisa aponta que a grande maioria dessas empresas desconhece ou não aplica determinados princípios e métodos modernos de Gestão da Satisfação. Para a maior parte das micro e pequenas empresas consultadas, o melhor método para introduzir a gestão é a instrução autoaplicada (com 34% das respostas), treinamento (31%) e treinamento e consultoria (26%). Um estudo da Fórum Corporation mostra que o custo de manutenção de um cliente fiel é somente um quinto daquele de atrair um novo cliente. (Harb, 2001). Com a globalização, as pessoas obrigam-se a aprender e especializar-se mais e mais. As informações e tecnologias de ponta estão disponíveis muito abertamente (Coelho, 2002) porque, nesse ambiente globalizado da economia, em concordância, Abreu (1999) diz que as pessoas tornaram-se mais exigentes, impondo novas regras de mercado. Lepsch e Silveira (1994) já enfatizavam que uma considerável parte dessas modificações que surgem na estrutura do setor produtivo têm origem em mudanças de comportamento do consumidor, de novos hábitos de compra, e do fato de o consumidor ter aumentado seu nível de conscientização, passando a memorizar mais facilmente o preço. E, acentuado por Hammer e Champy (1994), a realidade foi, entre outros aspectos, construída em razão de os clientes assumirem o controle das negociações devido ao aumento da concorrência, maior possibilidade de escolha, maior acesso às informações e maior conhecimento do mercado, tornando-se mais exigentes. Segundo Coelho (2002), faz-se necessária, dessa forma, a busca pela qualificação contínua de pessoas e processos para aplicação de novos conhecimentos no mundo dos negócios, buscando garantir lugar no mercado competitivo.

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária Danielle Andrade Sousa Índice 1 O marketing de serviços e a exigência de mercado 1 2 Mas afinal, como ficam publicidade e propaganda? 4

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO)

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) SANTOS, Glaucia Angela Luz 1 CAMPOS, Jéssica de 1 SILVA, Juliana Gabriela Fogaça Cleto da 1 PONTES, Renata Amaral 1 OLIVEIRA, Ricardo Castilho de 1 CUNHA,Glaucia

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais