EDEL-EP SEJAM BEM VINDOS À SESSÃO DE ESCLARECIMENTO SOBRE O SISTEMA DE GESTÃO E FACTURAÇÃO DA EDEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDEL-EP SEJAM BEM VINDOS À SESSÃO DE ESCLARECIMENTO SOBRE O SISTEMA DE GESTÃO E FACTURAÇÃO DA EDEL"

Transcrição

1 EDEL-EP SEJAM BEM VINDOS À SESSÃO DE ESCLARECIMENTO SOBRE O SISTEMA DE GESTÃO E FACTURAÇÃO DA EDEL

2 EDEL-EP Sumário 1- Tipos de contratos e moldes de facturação; 2- Razões da variação do valor da factura; 3- Tipos de Clientes; 4- Tarifas; 5- Sistema de Pré-pagamento; 6- Número de dias para ligação de uma tomada em Baixa Tensão.

3 EDEL -EP Tipos de Contratos e Moldes de Facturação O Contrato é o acordo Comercial com validade legal, celebrado entre a Empresa e o Cliente, que estabelece as condições de fornecimento de um produto e respectivos encargos, os direitos e deveres de cada uma da partes.

4 EDEL -EP A EDEL EP, Empresa de Distribuição de Electricidade, tem dois tipos de contrato com os seus Clientes, que são: a) Contrato do tipo Normal b) Contrato do tipo Avença

5 EDEL -EP Contrato do tipo Normal: Este tipo de contrato é celebrado com Clientes de zonas urbanizadas, semiurbanizadas e de fácil acesso, bem como os Clientes não Domésticos. Contrato do tipo Avença: É celebrado com Clientes de zonas de difícil acesso, difícil localização ou sempre que não existam condições para colocação de contadores.

6 EDEL -EP Diferença entre o Contrato Normal e o Contrato Avença: A diferença entre o Contrato Normal e o Contrato Avença, reside no facto de que no de Avença não ser necessária. a colocação de contador como aparelho de medida, enquanto que no Normal é obrigatório. A unidade de medida de energia eléctrica é o Kilowatt-hora (KWh).

7 EDEL-EP Moldes de Facturação no Contrato do Tipo Normal: No contrato normal, a leitura e a facturação são feitas mensalmente. No caso de não for possível obter a leitura, A factura é emitida na base de um consumo médio, de acordo com a potência contratada na fase inicial da contratação ou com base na média mensal do histórico de leituras.

8 No mês seguinte, Após a inserção da leitura, o sistema factura o consumo real do Cliente e deduz o consumo total facturado na base do consumo médio. Se o valor do consumo real for inferior ao valor do consumo médio facturado, resultará uma nota de crédito.

9 Se o valor do consumo real for igual ao valor do consumo médio facturado, o resultado da factura será nulo. Se o valor do consumo real for superior ao valor do consumo médio facturado, resultará uma factura de débito. O Regulamento de Fornecimento de Energia Eléctrica refere que esta periodicidade pode ir até 6 meses.

10 Sempre que o Cliente desejar comunicar à sua leitura de forma a evitar o pagamento de facturas com base no consumo médio, deverá fazê-lo, no período indicado na factura no campo mensagens, utilizando para o efeito os nossos Balcões ou os números de telefones constantes na mesma.

11 Moldes de Facturação no Contrato do Tipo Avença A facturação é feita mensalmente, com base no consumo fixo acordado para um período de facturação de 30 dias. O consumo fixo acordado é obtido a partir da potência contratada, após acordo com o Cliente.

12 Razões da Variação do Valor da Factura Variação do Período de Facturação; Alterações no Consumo; Alteração da Tarifa.

13 Tipos de Cliente A EDEL EP, possui dois tipos de Cliente que são: a) Cliente Doméstico, com consumo para uso Doméstico. A sua tarifa é fixada em Kz 3,35/KWh. Pode ainda beneficiar da tarifa social fixada em Kz 1,156/KWh ao longo do mês em análise, para os primeiros 50 KWh, se tiver um consumo não superior a 200 KWh.

14 b) Cliente Não Doméstico, com consumo em actividades de Comércio, Serviços, Indústria e Iluminação Pública. A tarifa Comércio/Serviços e Indústria é fixada em Kz 4,40/KWh. A tarifa Iluminação Pública é fixada em Kz 2,46/KWh.

15 c) Cliente Média Tensão em actividades de Comércio, Serviços e Indústria, cujo valor da Factura é calculado através - da fórmula de facturação sendo: F = Kz: 240,42 x P+Kz: 2,02 x W Onde: F- É a importância da Factura mensal em Kz. P- É a ponta máxima de 15 minutos consecutivos em KW e a superior dos últimos 12 meses. W- É o consumo mensal de energia eléctrica, em kwh.

16 EDEL-EP Prestação de Serviço Constrangimentos durante a instalação de contadores: Sistema de Pré-pagamento Distribuição demográfica desordenada; Falta de cadastro da área.

17 EDEL-EP Documentação necessária para a celebração de contrato de fornecimento de energia eléctrica em Baixa Tensão. 1- Cópia do Bilhete de Identidade; 2- Documentação da titularidade do Imóvel; 3- Modelo 32 ( A ser adquirido no Departamento de licenciamento e Fiscalização do MINEA).

18 O Cliente é o alvo Prestação de Serviço Relação Comercial Cliente Qualidade Fornecimento

19 EDEL-EP Documentação necessária para a celebração de contrato de fornecimento de energia eléctrica em Baixa Tensão. 1- Cópia do Bilhete de Identidade; 2- Documentação da titularidade do Imóvel; 3- Modelo 32 ( A ser adquirido no Departamento de licenciamento e Fiscalização do MINEA).

20 EDEL-EP Prestação de Serviço Número de dias para ligação de uma tomada 10

21 GRATOS PELA ATENÇÃO POR VÓS DISPENSADA. EDEL NOVA ERA, COM OLHOS NO FUTURO... MÃOS NA DISTRIBUIÇÃO!!!

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1. Nos termos do Regulamento Municipal de Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana do Município de Arouca,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 Quem Somos Empresa surgiu em 2007 de 1 projecto desenvolvido no ISEG Concurso ISEG / IAPMEI PME Investimentos Missão:

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março)

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março) PROCEDIMENTOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE MICROPRODUÇÃO COM AUTOCONSUMO DO GRUPO II Aprovados por Despacho do Director-Geral de Energia, de 29 de Outubro de 2003. (Regulamentação do D.L.

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética AUTOCONSUMO Produção de energia para consumo próprio. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É O AUTOCONSUMO? O autoconsumo é a utilização de painéis solares fotovoltaicos para produção de energia para consumo

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Eficiência Energética Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Desafios para a Competitividade das Empresas Baixa Eficiência Energética; Necessidade de Novas Tecnologias e de Recursos

Leia mais

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA 31 de Julho de 2008 O Ministério da Justiça esclarece o seguinte: 1. Na generalidade das situações, os preços do registo predial diminuíram em comparação

Leia mais

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução Guia para a certificação de uma unidade de microprodução V 009-10/09 Página 1 Índice Página 0 Alterações efectuadas ao Guia relativamente à versão anterior 3 1 Siglas e definições 3 2 Regime remuneratório

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

do Orçamento Familiar

do Orçamento Familiar Iniciativa Sessões de esclarecimento para consumidores Parceria Gestão MUDAR DE COMERCIALIZADOR DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL do Orçamento Familiar Susana Correia Olhão 4, Fevereiro de 2013 Liberalização

Leia mais

Zero Parte 4. Licenciamento

Zero Parte 4. Licenciamento Licenciamento Zero Parte 4 Departamento de Portais do Cidadão e da Empresa Sónia Lascasas Maio de 2011 O conteúdo desta apresentação é alvo de Direitos de Autor, não podendo ser utilizado fora das condições

Leia mais

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013 Tarifário para 2013 Novembro de 2012 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 6 Processos de

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO BTN DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA V 01/2012 TODOS OS CONTRATOS DEVEM SER PREENCHIDOS COM LETRA MAIÚSCULA E DE FORMA LEGÍVEL, RESPEITANDO

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado.

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. de Cooperação Barclays at Work Índice 4. Crédito Habitação 5. Leasing 6. Seguros IV. Check List V. Contactos I. O Barclays no Mundo Grupo Financeiro

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

Proposta de Minigeração para as instalações da EDP Distribuição em Setúbal. Lisboa, 22 de Março de 2013

Proposta de Minigeração para as instalações da EDP Distribuição em Setúbal. Lisboa, 22 de Março de 2013 Proposta de Minigeração para as instalações da EDP Distribuição em Setúbal Lisboa, 22 de Março de 2013 A EDP Distribuição apresenta potencial para a aposta na Minigeração solar fotovoltaica Oportunidade

Leia mais

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica.

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 2. ABRANGÊNCIA Esta norma se aplica ao Departamento de Atendimento ao Consumidor da Diretoria

Leia mais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 A presente lei consagra

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Global Energy Meter - G.E.M.

Global Energy Meter - G.E.M. Global Energy Meter - G.E.M. Solução de Monitorização de Consumos de Energia Elétrica Reduzir o consumo de energia é visto hoje em dia como algo positivo e necessário não só para o ambiente mas também

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste UNITED NATIONS NATIONS UNIES UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste NOTIFICAÇÃO UNTAET/NOT/2000/22 30 de Novembro de 2000 SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS DE ELECTRICIDADE

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Audiência Publica 035/05 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

Factura Mod #1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21

Factura Mod #1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21 2 Factura Mod #1 1 4 5 3 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 19 18 20 21 Factura Mod #1 Factura Mod #2 21 Factura Mod #2 LEGENDA 1 Contactos. Telefone e horário de atendimento da Vimágua. 2 Dados do titular

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013

MANUAL DE FORMAÇÃO. PME s- Força de Vendas D2D. Liberal Energia SETEMBRO/2013 MANUAL DE FORMAÇÃO PME s- Força de Vendas D2D Liberal Energia SETEMBRO/2013 Plano Tema da sessão: Força de Vendas D2D Duração: 4 horas Destinatários: Equipa de Vendas D2D Segmento PME s Objectivos No final

Leia mais

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente?

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? PPEC 2008 100% Iluminação Eficiente na Região Autónoma dos AçoresA EDA Electricidade dos Açores Maio de 2008 O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? É uma iniciativa da EDA apoiada pelo Plano de

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PERSPECTIVA DOS CONSUMIDORES DA INDÚSTRIA CERÂMICA Artur Serrano Fernando Cunha ERSE 1 5 de Fevereiro

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

Tarifas bi-horária e tri-horária

Tarifas bi-horária e tri-horária Tarifas bi-horária e tri-horária O ritmo de vida dos consumidores, sejam eles domésticos, indústrias ou serviços, e a sua dependência face aos serviços de energia elétrica faz com que as necessidades variem.

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural Guia Prático: perguntas com respostas Nota introdutória A liberalização dos mercados de eletricidade e do gás natural e a sequente extinção das tarifas

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais

Tarifa Social na Eletricidade. Aspetos principais Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às redes de

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

Água. Água - Tarifa Variável. Escalão Intervalo (m3) Preço. 1 0 a 5 0,30 2 > 5 a 15 0,40 3 > 15 a 25 0,80 4 > 25 a 50 1,00 5 > 50 2,00

Água. Água - Tarifa Variável. Escalão Intervalo (m3) Preço. 1 0 a 5 0,30 2 > 5 a 15 0,40 3 > 15 a 25 0,80 4 > 25 a 50 1,00 5 > 50 2,00 Fixação de preços cobrados pelo município nos serviços de água, saneamento e resíduos, nos termos das recomendações da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) Água Utilizadores domésticos:

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias Politica Cambial AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias 1 AGENDA 1. AVISO N.º 19/12 PAGAMENTOS DE IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS. 2. REGISTO

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema Análise de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação Reativa 7/06/2008 Compensação reativa O fluxo da potência reativa nos sistemas elétricos, está fortemente relacionado com a magnitude da tensão as perdas

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À REDE DE CONSULTORES da empresa da pessoa de contacto Data: Detalhes de contacto País: Data de preenchimento: Telefone: Fax: e-mail: Caixa Postal: 1. CONSULTORES Os consultores

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA

CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA TABELA DE PREÇOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA Dezembro de 2009 Índice I PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS... 4 II ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO E RESÍDUOS SÓLIDOS... 4 1. Preço

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015 REGULAMENTO Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define as condições de candidatura ao destacamento de docentes para entidades que operam no Sistema Desportivo Regional e regula os procedimentos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD. São Paulo - SP 1º de junho de 2015

Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD. São Paulo - SP 1º de junho de 2015 Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD São Paulo - SP 1º de junho de 2015 Definição; Classificação; Prestação do Serviço; Contrato de Fornecimento;

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A VENDA DOS APARTAMENTOS DA VILA DE JOGOS AOS JOVENS NACIONAIS

PROCEDIMENTOS PARA A VENDA DOS APARTAMENTOS DA VILA DE JOGOS AOS JOVENS NACIONAIS PROCEDIMENTOS PARA A VENDA DOS APARTAMENTOS DA VILA DE JOGOS AOS JOVENS NACIONAIS A) OBJECTO 1. 104 APARTAMENTOS A CRÉDITO DE LONGO PRAZO B) GRUPO ALVO: 2. Jovens nacionais, residentes na Cidade e Província

Leia mais

EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS. Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas

EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS. Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas ,J.. MUNiCípIO PoNTE E) UMA TERR... RICA DA HUMANIOADE EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas Todas as tarifas abrangidas pelo presente regulamento serão

Leia mais

1) O que é o E-goi? 2) O que é o programa de parceria E-goi? 3) Quais são os tarifários do E-goi?

1) O que é o E-goi? 2) O que é o programa de parceria E-goi? 3) Quais são os tarifários do E-goi? 1) O que é o E-goi? O E-goi é uma solução completa de comunicação e marketing digital, que permite enviar correio electrónico, SMS, MMS, fax e mensagens de voz através de uma só plataforma sempre disponível

Leia mais

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA Sobre o custo da energia eléctrica inside, consideravelmente, a penalização por baixo factor de potência (Cos ϕ) de acordo com o contrato com

Leia mais

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A.

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO PARA 2013 O presente tarifário está de acordo com o adicional ao protocolo aprovado relativo à aplicação do tarifário dos serviços de água e saneamento do Cartaxo

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Projecto EDSF / APF Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Introdução O custo de produção de um kwh de energia eléctrica depende da hora a que é produzido, tal variação deve-se ao facto de a

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY Os presentes termos e condições gerais de uso (os Termos de Uso ) definem os direitos e obrigações aplicáveis aos usuários do

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos. Essa energia pode então ser

Leia mais

2.1 O Diretor Presidente é responsável pela aprovação dos processos de reembolso liberados para pagamento.

2.1 O Diretor Presidente é responsável pela aprovação dos processos de reembolso liberados para pagamento. PÁGINA: 1 de 6 1 1.0 OBJETIVO: Analisar e controlar as solicitações de reembolso dos bilhetes aéreos não utilizados quando de sua contratação e providenciar o reembolso devido ao cliente, desde que, observadas

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO CAMPUS ALCÂNTARA NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais