GEOMETRIA SIMBÓLICA : UM EXEMPLO DE ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOMETRIA SIMBÓLICA : UM EXEMPLO DE ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA"

Transcrição

1 Título: GEOMETRIA SIMBÓLICA : UM EXEMPLO DE ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Área Temática: Educação em Ciências Naturais e Matemática Autor: JANE BITTENCOURT (1) Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina - Professora de Didática do Centro de Educação Introdução Focalizando o ensino de Matemática no seu desenvolvimento histórico, temos presenciado como diferentes teorias a respeito de aprendizagem, de conhecimento, ou mesmo de Educação, têm se relacionado e influenciado o ensino de Matemática, configurando as diferentes tendências pedagógicas em Educação Matemática. Neste contexto, este trabalho se situa como uma contribuição para a reflexão a respeito do conhecimento em geral e particularmente da natureza do conhecimento matemático tendo como objetivo desenvolver uma perspectiva transdisciplinar. Para isso, teremos como referência uma concepção de conhecimento, a complexidade, por diferentes razões. Primeiro, porque a complexidade, como tem sido desenvolvida recentemente por Morin (1977, 1986, 1996) tem se configurado como um esforço de integrar diferentes áreas de conhecimento para responder a questões contemporâneas como a fragmentação dos saberes; o universo tecnológico; a relação ser humano/natureza, questões bastante relevantes hoje em Educação. Em segundo lugar, porque a complexidade permite uma reflexão multi, inter e transdisciplinar a respeito do conhecimento tanto no seu aspecto de concepção, produção e distribuição, e que, pela sua riqueza, poderia alimentar inúmeras reflexões a respeito do fazer pedagógico. E ainda porque ancora a reflexão epistemológica numa ética, questão hoje bastante urgente e presente nas diferentes propostas curriculares. E finalmente porque a concepção de conhecimento do ponto de vista da complexidade poderia abrir caminhos para uma visão de Matemática mais

2 1 cultural e antropológica bastante enriquecedora tendo em vista uma visão crítica e criativa de ensino. Este texto se desenvolverá portanto da seguinte maneira: inicialmente vamos procurar caracterizar esta abordagem epistemológica. Em seguida, vamos desenvolver o estudo de um exemplo, a geometria simbólica, procurando caracterizar, através do exemplo, o que seria uma abordagem transdisciplinar. Finalmente, analisaremos possíveis implicações das questões discutidas ao longo do texto para o ensino de Matemática. O ponto de vista da complexidade Bachelard, em uma reflexão sobre a natureza do espírito científico, já afirmava em que na realidade, não há fenômenos simples, o fenômeno é um tecido de relações (Bachelard, 1985, p.130). Procurou ressaltar a tendência à simplificação característica do pensamento científico, que busca as leis gerais e ignora as distorções ou os erros, assim como a complexidade que se impõe no desenvolvimento das ciências quando a lei simples, a matemática simples, precisam ser corrigidas por um processo de retificação do conhecimento anterior. Denunciou o esforço do fazer científico em determinar uma lei geral e a lassidão intelectual para investigar o que perturba esta lei, o que considera um comportamento característico da psicologia do espírito científico, derivado da sua herança analítica e cartesiana. Afirmou que, para o espíríto científico, situado na dicotomia entre o claro e o incompreensível, complexo significa perturbação do que deveria ser simples. Por sua vez, o simples tornado complexo volta a ser simples diante de um resultado ainda mais complexo. Esse movimento entre o simples e o complexo mostra que o progresso do conhecimento científico não se dá de maneira linear, por acumulação de conhecimentos, mas num movimento dialético, incluindo obstáculos e rupturas, negando constantemente a si mesmo. Anuncia que o espírito científico da ciência contemporânea teria que alargar-se para conciliar as novidades e principalmente as ambigüidades que têm se manifestado no centro de diversas teorias como a micro-física, a mecânica não newtoniana ou as geometrias não euclidianas.

3 2 Morin, inspirado nesta dinâmica entre o simples e o complexo sugerida por Bachelard, comenta que o princípio de simplificação, baseado na redução, na generalização e na disjunção, característico da inteligibilidade do conhecimento científico clássico (Morin, 1986), reinou no universo dos saberes até o final do século XIX. No entanto, a irrupção da desordem, do aleatório e a inserção do sujeito observador passaram a se mostrar, principalmente a partir do início do século XX, cada vez mais presentes no universo conceitual da ciência, questionando o denominou de razão fechada. E sugere que a complexidade se torne uma maneira de pensar, um outro princípio de inteligibilidade. Para elaborar esta inteligibilidade complexa, Morin observa que a complexidade permeia todos os domínios: a natureza, a vida, a mente, o homem e a cultura, revelando um jogo constante entre ordem e desordem no domínio da natureza; auto-organização e destruição no domínio da vida, ou ainda objetividade e subjetividade no domínio cognitivo. E sugere ainda que, contrariamente ao senso comum que considera o ser humano o ápice da complexidade, devido à sua natureza obviamente múltipla, situado em diversos universos fenomenais, mesmo na unidade mais simples, uma partícula, surge uma incrível complexidade, um reino de incertezas e de indeterminação. O ponto de vista da complexidade exige portanto que sejam considerados os diferentes fenômenos, naturais, biológicos, cognitivos ou culturais, no que há de comum entre eles, sua natureza complexa, isto é, ao mesmo tempo múltipla e interdependente. Na tentativa de estabelecer estas interrelações, sugere diversas reintegrações como a cultura no conhecimento da vida, a vida no conhecimento, o sujeito no processo de conhecer. Entre os diferentes fenômenos não há linearidade nem causalidade simples mas relações de interdependência entre princípios considerados antagônicos para o pensamento simples, mas vistos como complementares se adotarmos uma lógica complexa. Quanto ao conhecimento nesta perspectiva, Morin (1986) analisa suas múltiplas faces: o conhecer seria um processo biológico, mental, psíquico e antropológico, ancorado no vivido, na existencialidade do ser. Embora tenha destacado a variedade e a complexidade das atividades cognitivas, Morin considerou que o conhecimento, no contexto da complexidade, pelo fato de

4 3 estar enraizado nas atividades do ser humano, que é biológico e cultural ao mesmo tempo, possui uma dualidade cognitiva básica. E analisa como, em toda sociedade humana, sempre conviveram dois modos de conhecimento e ação que se desenvolveram em duas formas de pensamento antagônicas e complementares: o pensamento empírico/lógico/racional, particularmente relacionado com o desenvolvimento científico e tecnológico, e o pensamento simbólico/mitológico/mágico, relacionado com a arte, o imaginário, os ritos, as crenças e o pensamento religioso. Do ponto de vista da complexidade, o pensamento simbólico/mítico/mágico constitui a complementaridade do pensamento racional, correspondendo a duas faces características do ser humano, que por sua vez correspondem aos princípios de caos e cosmos no universo físico. Enquanto o princípio do logos se refere ao discurso racional, lógico e objetivo, o princípio do mhytos constitui um discurso da consciência subjetiva, que tece símbolos na forma de representações pictóricas, de uma narrativa ou em um modo de ação. Morin (1986, 1991) sugere então uma origem conjunta, em um círculo generativo entre os dois modos de pensamento, que, embora nas sociedades modernas pareçam dissociados, permanecem intrinsicamente interligados nas mais diversas formas de manifestação cultural, inclusive na ciência. Sua complementaridade é uma relação complexa, um necessita do outro: nós temos uma necessidade imperativa da correção empírico/lógica/racional sobre todas nossas atividades mentais, mas nós também temos uma necessidade vital do estofo imaginário/simbólico que co-tece nossa realidade (Morin, 1986, p.176). Desta unidualidade do pensamento, Morin sugere não a necessidade de um pensamento unificador, que resolva definitivamente esta dualidade, mas de um pensamento complexo que possa dialogar com ambos, que exiba sua complementaridade e autonomia relativas, de modo que um ajude a compreender o outro e não a destruí-lo. Um exemplo

5 4 Diversos autores têm se dedicado a restituir o papel do símbolo (Eliade, 1965; Durand, 1988; Barbier, 1994), sua função no imaginário, ou sua importância enquanto manifestação cultural e psicológica característica do ser humano. Tanto no mito, nos rituais ou nas representações pictóricas, que manifestam o que denomina de pensamento simbólico, está presente o potencial analógico e sintético do símbolo, que se diferencia do signo pela sua natureza múltipla, dual e subjetiva. Se no caso do signo predomina a função indicativa e instrumental, com distinção clara entre o significante, o significado e o referente, no caso do símbolo predomina o evocativo e concreto. O símbolo ao mesmo tempo evoca e carrega a presença do que é evocado, isto é, no símbolo, o signo, o sentido e a coisa são completamente indistinguíveis. Durand (1988) comenta que a característica do símbolo, diferentemente do signo ou da alegoria, é que, no caso do símbolo, ambos, significado e significante, são infinitamente abertos. O símbolo é sempre a concretização de um significado geral, é o próprio receptáculo do sentido. É abstrato e aberto, por isso pode ter vários significados, relacionados através de uma analogia. Pelo fato de ser polissêmico o símbolo nunca pode ser definido e exige sempre uma interpretação, uma hermenêutica, o que constitui sua riqueza, em contraposição à objetividade do conceito. A linguagem simbólica, em oposição à conceitual, é ao mesmo tempo subjetiva e objetiva, baseada em valores. Um exemplo de representações simbólicas encontradas nas mais diferentes culturas em todos os tempos são figuras como:

6 5 Estas imagens, denominadas mandalas, têm sempre estruturas geométricas muito semelhantes e motivos comuns, apesar das diferenças culturais onde são construídas. Com origem na palavra sânscrita que significa círculo, Jung (1973) considera mandalas uma categoria especial de símbolos, que, embora apresentem uma grande diversidade de formas e temas, têm sempre alguns elementos de base comuns: são geralmente formações circulares, esféricas ou ovais, apresentando um movimento de rotação. O círculo é elaborado com imagens, a flor ou roda, decorado com o sol, uma estrela ou ainda a cruz, geralmente associados a raios ou então a serpentes fechadas sobre si mesmas ou em movimento espiral. Em geral representam a quadratura do círculo, geralmente expressa através de um círculo contido em um quadrado ou vice-versa. E muitas delas contém somente uma composição de figuras geométricas. Os motivos, apesar de serem relativamente numerosos, se repetem com pequenas variações. Em geral temos figuras e motivos triádicos, quadrangulares ou pentagonais. O três vem sempre relacionado a um momento de equilíbrio, de solução de uma dualidade, e pode ser combinado em seus múltiplos. O quatro simboliza a totalidade da consciência, o homem espiritual, completo, enquanto que o cinco vem associado ao homem natural, corpóreo. As quatro direções do espaço são geralmente marcadas nos mandalas através de figuras como animais, simbolizando a integração dos instintos, símbolos celestes como sol ou lua, ou mesmo figuras humanas. Os pássaros, pavões, serpentes ou peixes são os animais mais comuns em mandalas não tradicionais assim como em mandalas pertencentes às tradições ocidentais (Jung, 1982). Nos mandalas ocidentais encontramos frequentemente a flor, um dos símbolos mais comuns a diferentes tradições, presentes também nas rosáceas que compõem vitrais e decoram muitas das igrejas cristãs. Como estrutura comum a todos os mandalas, Jung salienta a expressão de polaridades, o lado direito e esquerdo, acima e abaixo, marcados através de imagens simbolicamente antagônicas como o sol e a lua. A dinâmica geral é de um princípio ordenador, que coloca as diferentes figuras em algum tipo de relação, o que geralmente produz movimento ou dele resulta. Da conciliação de opostos resulta a simetria, da expressão de circularidade temos círculos em

7 6 rotação ou concêntricos, e da expressão de evolução ou de processos de desenvolvimento, temos os movimentos em espiral, movimentos estes que caracterizam a geometria dinâmica de todo mandala. No centro temos geralmente um ponto, uma figura geométrica, uma figura antropomórfica ou um símbolo específico, no contexto de uma tradição. Muitas vezes raios partem do centro, ou temos figuras concêntricas marcando um movimento de expansão. Também é comum o duplo movimento de expansão e contração, geralmente em forma de espirais combinadas com círculos. O centro é o foco unificador a partir do qual tudo se desenvolve e também a matriz organizadora de todos os outros elementos. Jung interpreta psicologicamente o simbolismo e a funcionalidade dos mandalas. Considera que o centro, reunido com todos os elementos à sua volta, simboliza o centro da psique, o Self, que é uno e múltiplo, com um potencial irradiador e organizador. A totalidade da psique é conquistada por um longo processo de individuação que envolve sempre uma dinâmica de conciliação entre opostos, cuja solução resulta sempre em novidade, em um estado que é fruto de um processo integrador. Portanto o mandala, tomado como um todo, representa uma nova unidade que nasce de uma certa ordenação de elementos diversos. Por isso sempre expressam ou buscam expressar a conquista do equilíbrio, de uma nova ordem resultante da resolução de conflitos. Com base na regularidade de estruturas e motivos presentes em mandalas de origens culturais tão diversas, assim como na relativa autonomia dos símbolos em geral e particularmente dos mandalas, sugere que deve haver uma disposição transconsciente em todo indivíduo que é capaz de produzir os mesmos símbolos ou muito similares, em todos os tempos e todos os lugares (Jung, 1973, p.100). Afirma que, embora os mandalas muitas vezes expressem desordem ou conflito, sempre expressam também um princípio de ordem a partir da desordem, do caos que é o inconsciente. Representam sempre intenção de reordenação interior e busca da totalidade da psique. Por isso considera que mandalas de pacientes também são instrumentos de expressão de intenções, veículos para a realização de uma experiência interior, assim como são os mandalas de diversas tradições, como é o caso dos yantras hindus (Khanna, 1979).

8 7 Yantras são símbolos sagrados na forma de diagramas geométricos considerados instrumentos auxiliares de práticas meditativas ou utilizados em rituais religiosos. Embora seu uso seja muito antigo na Índia, onde há painéis com desenhos geométricos datados de 3000 a.c., foi com o tantrismo ( d.c.), quando símbolos foram intensamente introduzidos em práticas rituais, que se deu o uso e a criação de uma grande variedade de yantras. Os yantras consistem sempre em uma figura geométrica que se desenvolve a partir de um centro, em estágios, até completar sua expansão. A partir do centro se desenvolvem as diferentes figuras geométricas com base nas formas primordiais: o ponto, o triângulo, o círculo, e o quadrado. O triângulo é símbolo do espaço fundamental manifestado, já que é a primeira figura fechada com linhas possível de ser construída. Com a ponta para baixo, simboliza o princípio de manifestação feminino, associado à matéria ou à natureza, enquanto que o triângulo para cima representa o princípio masculino, associado ao espírito. Os círculos concêntricos representam os movimentos de expansão e contração, assim como o pulsar cósmico e o tempo cíclico. Os triângulos, símbolos básicos, podem ser combinados em uma estrela de seis pontas, simbolizando a união entre opostos. O quadrado, figura de ordem e perfeição, é receptáculo e base de todo universo manifestado, representando a totalidade do espaço com suas direções opostas, as quatro maneiras de acessar o centro, de entrar no espaço/tempo sagrados. Os quadrados são associados para formar o oito, símbolo do infinito, do incomensurável, enquanto que o pentágono simboliza a organização do espaço mundano, o poder criativo do homem. No contexto do hinduísmo, o yantra tem como fundamento a unidade entre o micro e o macrocosmos, por isso são considerados tanto uma representação espacial de uma cosmogonia, quanto uma representação de um processo psíquico de integração da consciência. Por isso estes símbolos geométricos são ao mesmo tempo cósmicos e psíquicos. O centro, por exemplo, é tanto símbolo da unidade primordial do Universo manifestado quanto o centro psíquico do praticante, e o yantra como um todo simboliza um exercício de união entre estes dois princípios.

9 8 Analisando o conjunto das representações simbólicas geométricas de um ponto de vista antropológico, Eliade (1965) ressalta não os elementos destas representações, mas a concepção de espaço que está presente. Considera que há uma diferença básica na concepção e representação do espaço para o homem das sociedades arcaicas ou tradicionais e para o homem das sociedades pós-industriais. Para o homem arcaico, o espaço não é homogêneo, mas possui pontos de descontinuidade, de ruptura. Esta ruptura constitui um ponto fixo, um eixo central a partir do qual nasce a diferenciação, as diferentes direções do espaço básico. Toda criação se faz devido a uma descontinuidade no espaço, que cria um ponto fixo geralmente simbolizado através de um marco ou um pilar presente em todos os rituais de consagração da terra onde será edificada uma moradia, uma cidade ou um templo. Comenta que a visão de mundo nas sociedades tradicionais, independentemente das diferenças culturais ou de contextos históricos precisos, se baseia na diferenciação entre cosmos e caos. O cosmos se refere ao espaço vivido, enquanto que o caos é o resto do mundo, repleto de estranhos e demônios, que ameaçam constantemente a ordem interna. Mas para que o espaço vivido seja cosmos, ou seja, esteja de acordo com a ordem do todo, é necessário sacralizá-lo, transformar simbolicamente o espaço caótico. Já o universo profano, desenvolvimento recente na história da humanidade, é um mundo desacralizado. O homem profano nega a existência do sagrado, não aceita nenhum outro modelo além do humano. Para ele, o sagrado constitui um obstáculo no seu esforço de compreender o mundo e dominar a natureza. Para a experiência profana, o espaço é homogêneo e neutro, embora o homem moderno continue procurando situações que lhe propiciem a experiência de saída do tempo e espaço ordinários, muitas vezes destituídas hoje de seu núcleo de significação. Mas o homem continua fazendo um uso não intencional de símbolos, mesmo no discurso menos simbólico, o discurso da ciência, que, mesmo evitando toda manifestação simbólica, sempre recorreu ao uso de analogias e metáforas que resistem com muita dificuldade a uma interpretação simbólica, como é o caso do caos ou do big-bang. E os símbolos continuam possuindo um potencial transformador, que carrega a herança cultural e existencial da

10 9 humanidade. Isto é, continuam dizendo algo, que talvez o homem moderno tenha desaprendido a ouvir. Uma geometria simbólica: análise do exemplo Alguns fatores parecem relevantes no estudo deste tipo de representação, os mandalas: a associação entre o simbólico e o geométrico nos diferentes contextos de elaboração destas representações e a diversidade e ao mesmo tempo a grande uniformidade nestas representações, independentemente da diversidade cultural onde estas se inserem. Ou ainda a articulação entre o objeto e sua interpretação: no caso do hinduísmo, os yantras são interpretados como a representação de uma cosmogonia fundamentada na interrelação entre universo externo e interno, entre mente e mundo. No contexto da psicologia junguiana, mandala representa um momento no processo de individuação, de integração com o Self. Já para Eliade (1965), mandalas simbolizam o espaço sagrado, são a manifestação simbólica de um motivo antropológico fundamental, a organização do espaço sagrado em contraposição ao profano. Mas apesar das diferentes interpretações, talvez mesmo devido ao seu caráter geométrico, mandala é sempre uma representação do espaço básico ou arquetípico, que tem diferentes concepções segundo o contexto onde é interpretado. Em todos esses casos, temos como núcleo comum o princípio de ordenação - e a geometria dinâmica que daí resulta - a partir de um centro, assim como a mediação entre um paradoxo, a unidade e a multiplicidade: o espaço que é ao mesmo tempo único, dual e múltiplo. Além disso, assim como todo símbolo, vimos como os mandalas são instrumentos mediadores, uma ponte entre o macro e o micro cosmos, sujeito e mundo. Por isso mandala é sempre, em todos os sistemas interpretativos, um símbolo de totalidade e transcendência. E o espaço é sempre o espaço simbólico, portanto espaço vivido, em contraposição ao espaço observado da geometria ou o espaço conceitual da ciência. Do ponto de vista do qual partimos, a complexidade, mandala pode ser interpretado como expressão de uma dinâmica comum a diferentes fenômenos, o universo físico, biológico ou psíquico, entre a desordem e princípios de

11 10 ordenação. Mas também como expressão da natureza humana, ao mesmo tempo individual e coletiva, cultural e transcultural. Além disso, é um exemplo da riqueza e do potencial de expressão do universo simbólico, em complementaridade ao pensamento racional e às suas correspondentes produções e criações. Durand (1988) analisa, na história da cultura ocidental, como o simbólico e o imaginário, considerados fontes de erro, foram sendo descartados principalmente a partir de Descartes e da sistematização, no século XVIII, da racionalidade da ciência. Nesta direção, evitando o universo sensível e eliminando a essência do simbólico, a imagem foi sendo relegada ao artista que, por sua vez, foi perdendo, nas sociedades capitalistas, seu valor social. Criou-se, no pensamento ocidental, a cisão entre conceitual e simbólico; conhecimento indireto, vivido e conhecimento direto, absoluto, universalmente válido. Nesse sentido, Durand (1988) comenta ainda como, exatamente com Descartes, em um processo análogo ao desenvolvimento da racionalidade da ciência, a geometria dá um avanço em relação à conceituação com a geometria analítica, quando o desenho passa a ser traduzido por equações algébricas. A geometria euclidiana, uma geometria tipicamente conceitual, à semelhança da ciência clássica, procura definir as regularidades, abstraindo as imperfeições das formas, tendo em vista um saber atemporal e universal. A elaboração grega consistiu na sistematização de diversos saberes de povos anteriores como os egípicios e babilônicos, conhecimentos práticos baseados em necessidades sociais, em um corpo teórico dedutivo, baseado em axiomas, postulados e demonstrações. O espaço euclidiano reflete um saber descontextualizado, desenraizado da práxis cotidiana, um saber abstrato, lógico e que busca ser universalmente verdadeiro. A geometria grega congela as relações em propriedades, simplificando o espaço. Prefere o caráter estático ao dinamismo das formas, o conceito à imagem e ao símbolo. Destituindo as qualidades das formas, racionaliza a estética. Assim, o espaço euclidiano não é nem o espaço artístico de geometrias decorativas nem o espaço vivido das geometrias simbólicas, mas um espaço percebido e concebido. De maneira semelhante ao conhecimento que chamamos matemática que na visão eurocêntrica predominante no pensamento ocidental, se refere ao

12 11 conhecimento desenvolvido na Europa e sistematizado no século XIX (D Ambrosio, 1993), também nos referimos à geometria como sendo a geometria de herança grega, eventualmente alargada pelas geometrias não euclidianas. Mas sempre houve, em diferentes culturas, geometrias, isto é, formas de compreensão e representação do espaço tanto associadas à mesuração, resultando em diferentes sistemas de medidas, como relacionadas com sua representação gráfica, através de composições entre figuras ou de construções que obedecem a padrões geométricos, ou ainda, como procuramos exemplificar, na forma de representações simbólicas. Em comum, esses saberes têm o fato de estarem enraizados em uma práxis social, constituirem saberes/fazeres que têm sentido no seio de uma cultura, ou seja, etnomatemáticas (D Ambrosio, 1990). Encontramos uma grande diversidade de geometrias, com características e funções sociais diversas, como é, além da geometria grega, a própria geometria prática dos egípcios, as geometrias que encontramos nos padrões para confecção de cestos ou decoração de tecidos, a geometria simbólica pretende em diferentes tradições, do cristianismo ao hinduísmo, além da geometria presente em mandalas individuais. Entre estas diversas geometrias ou etnomatemáticas do espaço, encontramos três características básicas, associadas a três diferentes linguagens: a conceitual, a artística e a símbólica. Uma geometria artística, principalmente de função utilitária e decorativa sempre esteve presente em diferentes culturas, em padrões geométricos criados na confecção de cestos ou em pinturas corporais. Certamente relacionada com necessidades sócio-econômicas locais, como mostra Gerdes (1992), embora talvez nunca se reduza a estas, essa geometria, interpretada no seu universo próprio de criação, revela a fusão entre diversas funções, o utilitário, o estético e o simbólico. Nesses contextos, a arte expressa a própria integração de todas as atividades humanas, sem precisar optar entre o concreto e abstrato. Na história da arte ocidental, o século XX marca o surgimento de uma arte não figurativa, movimento iniciado, na pintura, pelos impressionistas no final do século anterior e desenvolvido e transformado com o fauvismo francês, o expressionismo alemão ou ainda o cubismo (Read, 1974). A arte moderna,

13 12 se tornando abstrata, passa a tratar das formas, exemplo do símbolo que se tornou imagem. E na tentativa de conciliar opostos temos o surrealismo, como um marco, uma tentativa explícita, na história da arte, de conciliar ainda imagem com símbolo. Analisando a cultura ocidental, paralelamente ao processo que Eliade considerou de desacralização do espaço, podemos acompanhar como a geometria deixou gradativamente de ser simbólica, eliminado todo conteúdo interpretativo. No mundo grego encontramos, tanto com os pitagóricos, quanto com o pensamento de Platão, uma elaboração simbólica a respeito das formas e dos números. Diversas tradições ocidentais posteriores, como a numerologia, a cabala, ou a astrologia, carregaram esses conteúdos simbólicos, criando sistemas interpretativos baseados na relação micro/macro cosmos, no princípio de sincronicidade e no potencial revelador e transformador do símbolo. Na Idade Média, a geometria simbólica ou o simbolismo geométrico está especialmente presente na alquimia onde encontramos inúmeros mandalas representando uma questão filosófica e simbólica fundamental, a quadratura do círculo, um problema que também ocupou gradativamente destituído do seu significado simbólico - os matemáticos por muitos anos. A partir da Idade Média, muitos destes conteúdos simbólicos foram mantidos vivos no ocidente também através da tradição cristã, através do simbolismo da unidade, a trindade e a quaternidade (Jung, 1982), significados que persistem, embora enfraquecidos do seu potencial anímico, nos rituais da Igreja. No entanto, muito embora a geometria foi tornando-se cada vez menos simbólica enquanto uma área específica da Matemática, o conhecimento simbólico, como bem mostrou Jung, continua insistindo em ser geométrico. Como procuramos exemplificar, a geometria simbólica se diferencia da conceitual por seu conteúdo, função e forma. A geometria simbólica é um saber sobre o espaço vivido, um espaço que é complexo, contraditório, uno e mútiplo, micro e macro, sagrado e profano. Se, a geometria conceitual perdeu a cor e o dinamismo, isto é, perdeu a alma, a geometria simbólica é uma geometria viva, dinâmica, colorida, uma arte-geometria. Além disso, o espaço simbólico é enraizado na práxis e no imaginário social, e exerce funções reguladoras de caráter biológico, psicológico e antropo-social.

14 13 Morin aposta na possibilidade de reanimar o conceito de natureza através de um esforço transdisciplinar, resignificando conceitos que podem transitar entre diferentes disciplinas e além delas. Procuramos indicar como seria possível também reanimar a geometria, aprendendo com outras culturas, mergulhando no significado das tradições, considerando seu valor antropológico. Resta uma questão: por que o caráter geométrico de tantas representações simbólicas? O platonismo é uma resposta antiga a esta pergunta, afirmando a existência das formas independentemente do observador. Essa concepção, ainda muito viva hoje entre os matemáticos, foi, como comenta Penrose (1991), que tende para o platonismo, foi reforçada recentemente pelo estudo da geometria dos fractais. Neste caso, através de processos matemáticos recursivos, aplicados em domínios que apresentam irregularidades, emerge uma nova ordem que insiste em ser geométrica, e curiosamente, muito próxima do que nos parece ser a geometria da natureza. Penrose comenta que esta geometria não foi inventada por Mandelbrot, ela é instrínseca a um certo tipo de fenômeno, e pode portanto sempre ser descoberta. Nesse caso, a realidade poderia ser inventada, a menos de uma geometria (2). A esse respeito, Doczi (1981), dá uma resposta. Em um estudo sobre harmonias na natureza, na arte e na arquitetura, identifica padrões que revelam uma mesma proporção, a seção áurea, já bastante conhecida desde a antigüidade. Considera que a presença desta proporção nas formas da natureza se relaciona com um tipo de padrão gerado por movimentos espirais em direções contrárias, uma espécie de solução encontrada pela natureza, uma expressão do desenvolvimento das formas a partir da união de opostos. Mostra esta dinâmica presente em inúmeras formas da natureza, flores, conchas ou nas proporções do corpo de diversos animais assim como no corpo humano, mas também nas formas criadas pelo homem, na tecelagem de padrões para cestos, nas formas dos vasos, e em diversos tipos de construção. Conclui que tanto os saberes do oriente - um conhecimento intuitivo relacionado com a vivência da harmonia na natureza e no homem- quanto a ciência ocidental - graças ao uso de instrumentos que permitem ao homem ver cada vez melhor o que permanecia oculto na natureza-, ambos os caminhos

15 14 têm revelado, por métodos diversos, a existência de uma unidade na diversidade. Esta unidade está presente na dinâmica de criação das formas, que se manifestam em padrões de totalidade a partir de relações proporcionais simples capazes de gerar o complexo. Em outras palavras, sua resposta seria: há uma geometria instrínseca na natureza. Portanto também no ser humano. Conclusões Resta-nos então analisar que contribuições estas questões uma concepção de conhecimento, a complexidade, e o estudo da geometria simbólica poderiam trazer para a Educação e particularmente para o ensino de Matemática. Sintetizarei estas contribuições em duas análises: a relevância do ponto de vista da complexidade enquanto concepção de conhecimento, e a relevância do estudo da geometria simbólica. A integração sugerida pela complexidade entre princípios físicos, como é o caso da dinâmica ordem/desordem/organização, com princípios antropológicos, como vimos exemplificado no caso das representações geométricas, nos indica a possibilidade de relacionar o estudo da natureza com o estudo do homem, o que certamente implica, como sugeria Prigogine (1986), uma outra perspectiva epistemológica em ciências naturais e humanas. Esta relação possibilita uma ampliação da concepção de História e de sujeito histórico, considerando o sujeito inserido na complexidade da existência, na unidualidade e multiplicidade que caracterizam a experiência humana - e portanto os diferentes saberes - no espaço e no tempo. Portanto a inscrição antropológica do conhecimento nos revela não só a importância do multiculturalismo, no respeito às diferentes maneiras de produzir e expressar saberes, mas também sua contra-face: a unidade dos seres humanos na tentativa de compreender e justificar sua existência, manifestada tanto na ciência, como nos outros saberes, na arte, na reflexão filosóofica ou na reflexão corporificada das diferentes tradições. Ambas as faces da inscrição no domínio antropológico, a unidade e a diferença, são componentes fundamentais no ensino e na prática pedagógica e sua interrelação abre diversas perspectivas de caráter transdisciplinar.

16 15 E ainda, se é de fato urgente e necessário inovar o pensamento educacional e reencantar a educação (Assmann, 1996), também seria necessário e urgente animá-la, numa educação em que o imaginário- a arte e a poesia - e o simbólico, isto é, a vivência do sagrado, tenham tanto espaço quanto tem hoje, em nossa educação, o conhecimento conceitual, lógico e empírico. Nesse sentido parece-me relevante o exemplo da geometria simbólica, principalmente porque nos coloca no cerne de questões clássicas em filosofia da Matemática e fundamentais no ensino como: a universalidade do saber matemático, a independência do empírico ou o caráter geométrico intrínseco aos fenômenos naturais e cognitivos. São questões muito antigas na História da Matemática, que compõem seu núcleo epistemológico e permeiam sempre, direta ou indiretamente, as diferentes propostas de ensino de Matemática. Em relação às diferentes tendências em Educação Matemática, o estudo da geometria simbólica poderia constituir um exemplo de ampliação da abordagem Etnomatemática. A dimensão simbólica do ser e dos saberes humanos nos indica que todo saber, além totalmente cultural, como ressaltam os estudos em Etnomatemática, é fundamentalmente transcultural, é saber humano, que tem, como sugere D Ambrosio (1994), um impulso não só à sobrevivência, mas tambem à transcendência. Neste sentido a geometria simbólica é um ótimo exemplo, pois torna evidente uma elaboração cognitiva além das diferenças temporais e culturais, por isso mesmo talvez na raiz do que tornou-se posteriormente o que denominamos Matemática. Notas (1) Professora de Didática - Centro de Ciências da Educação MEN UFSC. (2) Piaget faz uma análise interessante da relação entre invenção e descoberta no conhecimento lógico-matemático nos artigos Dados Genéticos e Os Principais Problemas da Epistemologia das Matemáticas, em: Piaget, J. (org.) Lógica e conhecimento científico. Porto: Livraria civilização Editora, Referências Bibliográficas ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação: epistemologia e didática. Piracicaba: Unimep, 1996.

17 16 BACHELARD, Gaston. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, BARBIER, René. Sobre o imaginário. In: Em Aberto, Brasília, ano 14, n.61, jan./mar p D AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, D AMBROSIO, Ubiratan. A transdisciplinaridade como acesso a uma história holística. In: WEIL, Pierre; CREMA, Roberto. Rumo à nova transdisciplinaridade: sistemas abertos de conhecimento. São Paulo: Summus, D AMBROSIO, Ubiratan. From survival to sublimation: an unbounded humanity. Texto referente à participação no Primeiro Congresso Mundial da Transdisciplinaridade, Arrabida, Portugal, DOCZI, György. The power of limits. Massachusetts: Shambala Publications, DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, ELIADE, Mircea. Le sacré et le profane. Paris: Gallimard, GERDES, Paulus. Sobre o despertar do pensamento geométrico. Curitiba: Editora da UFPR, JUNG, Carl G. Mandala Symbolism. Princeton: Bollingen Paperback Edition, JUNG, Carl G. Aion: estudos sobre o simbolismo do si-mesmo. Petrópolis: Vozes, KHANNA, Madhu. Yantra: The tantric symbol of cosmic unty. Londres: Thames and Hudson, MORIN, Edgar. La Méthode I. La nature de la nature. Paris: Éditions du Seuil, MORIN, Edgar. La Méthode III. La connaissance de la connaissance. Paris: Éditions du Seuil, MORIN, Edgar. O paradigma perdido: a condição humana. Lisboa: Europa- América, MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. Lisboa: Europa-América, PENROSE, Roger. A mente nova do rei. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

18 17 PRIGOGINE, Ilya e STENGERS, Isabelle. La nouvelle alliance. Paris: Gallimard, READ, Herbert. História da pintura moderna. São Paulo: Círculo do livro, 1974.

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio Universidade de Brasília IX Semana de Extensão 30 de setembro de 2009. REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio ubi@usp.br

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Cirlena Procópio (Universidade Salgado Oliveira/cprocopio@brturbo.com.br)

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS PERTINENTES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS PERTINENTES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS PERTINENTES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Celso José Martinazzo Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Resumo: Neste estudo investigamos a importância

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA

IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA Celso José Martinazzo Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Resumo: Este estudo

Leia mais

USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA

USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA Leandra Gonçalves dos Santos Prefeitura Municipal de Vitória e Prefeitura Municipal de Cariacica

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS EDUCATIVAS HUMANESCENTES DE EDUCADORES EM SAÚDE. Palavras-chave: Condição Humana, Corporeidade, Ludopoiese, Humanescência

SABERES E PRÁTICAS EDUCATIVAS HUMANESCENTES DE EDUCADORES EM SAÚDE. Palavras-chave: Condição Humana, Corporeidade, Ludopoiese, Humanescência SABERES E PRÁTICAS EDUCATIVAS HUMANESCENTES DE EDUCADORES EM SAÚDE Áurea Emília da Silva Pinto BACOR/PPGEd/UFRN Resumo Este estudo está inserido numa pesquisa que tem por objetivo descrever e analisar

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O Surgimento da filosofia

O Surgimento da filosofia O Surgimento da filosofia Prof. Victor Creti Bruzadelli Prof. Deivid O surgimento da filosofia Conceitos de Mito: O mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Comunicação e Expressão: Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua,

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA SALA DE AULA. Jaíra de Souza Gomes Bispo UNEB Campus II jairasou@yahoo.com.br

MODELAGEM MATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA SALA DE AULA. Jaíra de Souza Gomes Bispo UNEB Campus II jairasou@yahoo.com.br MODELAGEM MATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA SALA DE AULA. Jaíra de Souza Gomes Bispo UNEB Campus II jairasou@yahoo.com.br MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO Ambiente de aprendizagem em que os alunos são

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Origem e definição de Filosofia

Origem e definição de Filosofia Filosofia Origem e definição de Filosofia Prof. João Epifânio Regis Lima Objetivo Explicitar a origem da filosofia e delimitar seu conceito a partir da distinção entre filosofia e sabedoria. Então vejamos...

Leia mais

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA 1 FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA Artemisa Andrade e Santos BACOR/PPGEd/UFRN Este estudo trata da formação humanescente de cantores-educadores articulado

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch

Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch Regis Alessandro Fuzzo Universidade Estadual do Paraná Campo Mourão Brasil regisfuzzo@gmail.com Talita Secorun dos Santos Universidade Estadual do Paraná

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE

FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE 601 FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE Sócrates Eduardo Chieregato (UNI-FACEF) Sílvia R. Viel Rodrigues (Uni-FACEF) Ensino de Geometria no Brasil Em meados da década de 70, o Brasil sofreu um forte declínio

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO Aurélia Lopes Gomes [1] Paula Rosane Vieira Guimarães 1 RESUMO: Este trabalho visa oferecer

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A

E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A E S T U D O S D E C O S M O L O G I A E F I L O S O F I A Astrologia da Complexidade A questão da Astrologia frente aos desafios da complexidade do conhecimento. À luz da Cosmologia, os conhecimentos se

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas)

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas) Componente curricular Créditos e Carga horária Disciplinas eletivas 4 créditos (72h) NADE(s) 6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 6 créditos (108h) TOTAL

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUALDE PONTA GROSSA CURSO DE MEDICINA RE-SIGNIFICANDO E TRANSFORMANDO A PRÁTICA DOCENTE

UNIVERSIDADE ESTADUALDE PONTA GROSSA CURSO DE MEDICINA RE-SIGNIFICANDO E TRANSFORMANDO A PRÁTICA DOCENTE UNIVERSIDADE ESTADUALDE PONTA GROSSA CURSO DE MEDICINA RE-SIGNIFICANDO E TRANSFORMANDO A PRÁTICA DOCENTE Proposta de trabalho pedagógico envolvendo professores, professores médicos na construção do Conhecimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Breve Histórico do Raciocínio Lógico

Breve Histórico do Raciocínio Lógico Breve Histórico do Raciocínio Lógico Enquanto muitas culturas tenham usado complicados sistemas de raciocínio, somente na China, Índia e Grécia os métodos de raciocínio tiveram um desenvolvimento sustentável.

Leia mais

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3 OFICINA 1 - DIFICULDADES DE/NA APRENDIZAGEM. VAGAS: 30 Professor Responsável: Maria Aparecida Dias / Hora / Local: sábados 23 de novembro e 07 de dezembro das 09:00 às 13:00h CAMPUS SÂO CRISTÓVÃO I (Pedrinho).

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A FRAGMENTAÇÃO DO PENSAMENTO LINEAR NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CARTOGRÁFICO NO ENSINO FUNDAMENTAL. Paulo Roberto Abreu

A FRAGMENTAÇÃO DO PENSAMENTO LINEAR NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CARTOGRÁFICO NO ENSINO FUNDAMENTAL. Paulo Roberto Abreu A FRAGMENTAÇÃO DO PENSAMENTO LINEAR NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CARTOGRÁFICO NO ENSINO FUNDAMENTAL Paulo Roberto Abreu Antonio Carlos Castrogiovanni RESUMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização

RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização 1 RESUMO: O presente trabalho narra a vivência de estudantes de pos graduação na disciplina Interdisciplinaridade e Educação no curso de especialização em Docência do Ensino Superior. Tal trajetória consistiu

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular ECCE HOMO A Morte Resumo Documentário que concebe o conceito da morte em diferentes momentos históricos e sociais. Apresenta comentários de estudiosos e especialistas, proporciona visualização de ritos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE

REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA HOLISTICO E HOLISMO E SAÚDE Elizabeth Teixeira* TEIXEIRA, E. Reflexões sobre o paradigma holístico e holismo e saúde.rev.esc.enf.usp, v.30, n.2, p. 286-90, ago. 1996. Trata-se

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO Reinaldo Pereira de Aguiar Auxiliar de Biblioteca UFAL Campus Sertão, U. A. de Santana do Ipanema/AL Graduando em Direito e Letras brasileironaodesiste@yahoo.com.br

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS. Sonia Sampaio IHAC/UFBA

GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS. Sonia Sampaio IHAC/UFBA GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Sonia Sampaio IHAC/UFBA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES NA UFBA CAMPUS SALVADOR Percurso e contexto da espacialização do IHAC no período 2008-2013

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Escola Secundária de D. Luísa de Gusmão Trabalho elaborado por: -Andreia Domingos nº 4 -Cátia Santos nº 7 10ºB 1 O que é o Número de Ouro...pág 3, 4 e

Leia mais