PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO VIÁRIA PARA A CIDADE ADMINISTRATIVA E ENTORNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO VIÁRIA PARA A CIDADE ADMINISTRATIVA E ENTORNO"

Transcrição

1 TETRN TENIOS EM TRNSPORTE LTD PROJETO DE REESTRUTURÇÃO VIÁRI PR IDDE DMINISTRTIV E ENTORNO PROJETO VIÁRIO BÁSIO RELTÓRIO DE SONDGENS PRODUTO 1 VOLUME 10 Junho de 2011

2 1 INTRODUÇÃO eguir ão apreentado o reultado da ondagen por furo atravé do eguinte iten: Granulometria por Peneiramento; Limite de tterberg; ompactação Proctor Normal; Índice de Suporte alifórnia BR; Boletim de Sondagen (Quadro Reumo); Relatório de Sondagem a trado. ao haja intere e em ver o furo, o mem o e tão ma rcado na pran cha rev erente ao projeto de geometria. 2

3 RELTÓRIO FINL DE ENSIOS GEOTÉNIOS MIO / 2011 c

4 Belo Horizonte, 16 de maio de À Senhore (a), em anexo o relatório final do enaio geotécnico de: Granulometria por Peneiramento; Limite de tterberg; ompactação Proctor Normal; Índice de Suporte alifórnia BR. R

5 REGISTRO MOSTR TIPO DE MOSTR PROFUNDIDDE PROEDÊNI D Deformada nº nº I Indeformada (m) 4028 ST 1 D 2,00 v. Leontino lve idade 4029 ST 2 D 2,00 dminitrativa Tancredo Neve 4030 ST 3 D 2,00 BH/MG 4031 ST 4 D 4, ST 5 D 4, ST 6 D 4, ST 7 D 4, ST 8 D 14, ST 9 D 8, ST 10 D 8, ST 11 D 2, ST 12 D 11, ST 13 D 4, ST 14 D 10, ST 15 D 5, ST 17 D 3, ST 18 D 6, ST 19 D 18, ST 20 D 7, ST 21 D 9, ST 22 D 3, ST 23 D 2, ST 24 D 2, ST 25 D 2, ST 26 D 2, ST 27 D 2, ST 28 D 2, ST 29 D 3, ST 30 D 2, ST 31 D 2, ST 32 D 2, ST 33 D 4, ST 34 D 2, ST 35 D 6, ST 36 D 21, ST 37 D 10,50 v. Oceano tlântico idade dminitrativa Tancredo Neve BH/MG v. Senhor do Bonfim idade dminitrativa Tancredo Neve BH/MG Ligação Rodoanel idade dminitrativa Tancredo Neve BH/MG R. Joé Maria lkimim Pita Direita idade dminitrativa Tancredo Neve BH/MG R. Joé Maria lkimim Pita Dupla idade dminitrativa Tancredo Neve BH/MG 4042 ST 38 D 2,00 R. Joé Maria lkimim Pita 4044 ST 38 D 2,00 3,00 Equerda idade dminitrativa 4043 ST 39 D 2,00 Tancredo Neve BH/MG

6 REGISTRO MOSTR TIPO DE MOSTR PROFUNDIDDE PROEDÊNI D Deformada nº nº I Indeformada (m) 3968 ST 42 D 2, ST 43 D 9, ST 44 D 3, ST 45 D 12, ST 46 D 2, ST 47 D 12, ST 48 D 2, ST 49 D 4,00 Via 220 idade dminitrativa 4059 ST 50 D 1 Tancredo Neve BH/MG 4062 ST 51 D 15, ST 52 D 1, ST 53 D 6, ST 54 D 4, ST 55 D 2, ST 57 D 4, ST 58 D 2,00 No que concerne à realização de noo erviço, toda a norma técnica foram rigoroamente repeitada. Preparação da amotra para enaio NBR 6457/86 nálie Granulométrica NBR 7181/84 Limite de Liquidez NBR 6459/84 Limite de Platicidade NBR 7180/84 ompactação NBR 7182/86 Índice de Suporte alifórnia BR NBR 9895/87 convicta em ua aociação com a qualidade em pretação de erviço geotécnico, agradece a confiança depoitada e fica grata por poder contribuir para a trajetória de crecimento emprearial da. e e dipõe a eclarecer qualquer dúvida tencioamente, Fernando Nune da Silva RE/MG 17233/D

7 QUDRO RESUMO

8 LIENTE: TREHO: T entro dminitrativo Tancredo Neve BH/MG GRNULOMETRI PENEIRMENTO LIMITE OMPTÇÃO BR Expanão REG. MOSTR FURO PROF. rgila+silte reia Ped. LL LP IP W OT γ dmax % % nº Tipo nº m % % % % % % % g/cm³ 4028 Deformada ST 1 2, ,3 1,672 6,18 1, Deformada ST 2 2, ,9 1,551 10,03 1, Deformada ST 3 2, ,8 1,545 6,92 0, Deformada ST 4 4, ,1 1,838 5,19 2, Deformada ST 5 4, NP NP NP 12,7 1,814 17,00 1, Deformada ST 6 4, NP NP NP 13,9 1,761 9,14 0, Deformada ST 7 4, ,8 1,725 8,31 0, Deformada ST 8 14, NP NP NP 10,4 1,708 11,02 1, Deformada ST 9 8, ,0 1,626 6,15 2, Deformada ST 10 8, NP NP NP 14,8 1,574 4,08 4, Deformada ST 11 2, ,5 1,613 3,67 2, Deformada ST 12 11, ,7 1,563 5,10 4, Deformada ST 13 4, ,6 1,577 4,62 3, Deformada ST 14 10, NP NP NP 16,5 1,692 16, Deformada ST 15 5, NP NP NP 12,2 1,791 22,80 1, Deformada ST 17 3, ,4 1,626 5,55 1, Deformada ST 18 5, ,1 1,679 6, Deformada ST 19 5, NP NP NP 9,4 1, Deformada ST 20 4, ,6 1,694 7,98 0, Deformada ST 20 4,00 7, NP NP NP 11,5 1,827 17,55 1, Deformada ST 21 9, NP NP NP 16,1 1,712 9,75 0, Deformada ST 22 3, ,9 1,666 15,24 1, Deformada ST 23 2, ,3 1,643 10,40 1, Deformada ST 24 2, NP NP NP 13,9 1,790 18,68 0, Deformada ST 25 2, ,0 1,540 9,60 0, Deformada ST 26 2, ,5 1,733 5,22 2, Deformada ST 27 2, ,7 1,522 2,42 0, Deformada ST 28 2, NP NP NP 14,0 1,763 7,10 1, Deformada ST 29 3, ,5 1,534 5,56 1, Deformada ST 30 2, ,0 1,560 6,16 1, Deformada ST 31 2, ,3 1,527 5,30 0, Deformada ST 32 2, ,4 1,838 3,87 4, Deformada ST 33 4, NP NP NP 10,5 1,776 10,33 1, Deformada ST 34 2, NP NP NP 14,5 1,695 12,94 4, Deformada ST 35 6, NP NP NP 13,0 1,662 2,10 3, Deformada ST 36 21, ,3 1,698 1,19 4, Deformada ST 37 10, NP NP NP 12,1 1,840 17,50 1, Deformada ST 38 2, ,3 1,657 1,96 4, Deformada ST 38 2,00 3, ,8 1,667 3,70 3, Deformada ST 39 2, ,3 1,674 7,12 0, Deformada ST 42 2, ,6 1,450 3,50 0, Deformada ST 43 9, ,5 1,800 8,07 9, Deformada ST 44 3, NP NP NP 9,4 1,994 10, Deformada ST 45 12, ,2 1,899 14,45 0, Deformada ST 46 2, ,7 1,638 4,22 1, Deformada ST 47 12, ,8 1,583 3, Deformada ST 48 2, NP NP NP 15,6 1,697 5,31 2, Deformada ST 49 4, ,4 1,803 8,90 0, Deformada ST NP NP NP 13,8 1,832 6,20 1, Deformada ST 51 15, NP NP NP 16,2 1,688 9,27 0, Deformada ST 52 1, ,3 1,608 4,48 0, Deformada ST 53 6, ,1 1,570 9, Deformada ST 54 4, ,9 1,612 3,45 5, Deformada ST 55 2, NP NP NP 13,9 1,657 5,12 2, Deformada ST 57 4, ,4 1,652 5,36 1, Deformada ST 58 2, ,4 1,786 7,31 1,14 OBS: QUDRO RESUMO RTERIZÇÃO FISI PROVDO

9 RESULTDO DOS ENSIOS

10 T motra ENSIO Umidade Natural IDENTIFIÇÃO D MOSTR Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG ST 1 2,00 Regitro Nº 4028 leandro Supervior Edmar Data de recebimento da amotra 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO SIGL (W) NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L 31% 17% 14% argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 50% areia pedr. 47% 3% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 14,3% 1,672 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 6,18% 1,51% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

11 LIMITES DE ONSISTÊNI (NBR 6459/84; NBR 7180/84; NBR 7183/82) Projeto / Intereado T motra ST 1 2,00 Regitro Nº 4028 álculo Data Noir leandro 21/4/2011 v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG RESUMO LL= 31% LP= 17% IP= 14% L= Limite de Liquidez Determinação ápula Nº Mc++w ( g ) 15,40 12,22 11,06 11,38 13,97 Mc+ ( g ) 13,77 10,54 9,49 9,80 12,29 Mc ( g ) 8,95 5,17 4,29 4,46 6,50 M ( g ) 4,82 5,37 5,20 5,34 5,79 Mw ( g ) 1,63 1,68 1,57 1,58 1,68 w ( % ) 33,8% 31,3% 30,2% 29,6% 29,0% Número de Golpe Utilizar valor (/n) 33,8% 34,5% 12 Reultado do Enaio 31,3% 34,0% 22 h 25 31,0% Equação da Reta: w = a ln(n) + b 30,2% 30 y 15 = 0,034ln(x) + 31,0% 0,4194 a = 0, ,5% 29,6% 40 v 25 R² = 0, ,0% b = 0, ,0% 33,0% ,0% LL = 31% 32,5% 32,0% Limite de ontração 31,5% N cáp Peo olo eco 31,0% Peo merc. deloc 30,5% Volume cáp. (cm³) ρ (g/cm³) 30,0% ρ merc. (g/cm³) 13,6 29,5% Vol. merc. deloc(cm³) Umidade 29,0% 28,5% 10 Número de Golpe 100 R = L = Limite de Platicidade Determinação ápula Nº M c++w ( g ) 6,45 5,52 5,80 7,78 11,63 M c+ ( g ) 6,31 5,37 5,63 7,63 5,64 M c ( g ) 5,50 4,53 4,62 6,87 4,70 M ( g ) 0,81 0,84 1,01 0,76 0,94 M w ( g ) 0,14 0,15 0,17 0,15 5,99 w ( % ) 17,3% 17,9% 16,8% 19,7% 637,2% Utilizar valor (/n) n n LP (médio) ( % ) 17% Ob.: PROV:

12 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado T motra ST 1 2,00 Geovane álculo leandro v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro Data /4/2011 laificação do Material motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.484,2 Determinação Nº M g M t 39,89 Denimetro Nº ápula Nº ,69 M c++w 90,54 86,47 Vol. do denimetro M c+ 89,33 85,30 motra parcial cm 3 M c 24,58 24,68 M ed 120,0 Proveta nº 64,75 60,62 M,ed 117,72 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo (cm) # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) 50,0 38,0 25,0 (g/cm 2 ) 10% 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% M M w w Utilizar valor na média (/n) 1,21 1,9% w (para compor a média) 1,9% w médio 94 92,83 91,31 15,87 75,44 1,17 1,52 1,9% 2,0% 1,9% 2,0% 1,9% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 10% 0/1/1900 0:00:30 4,8 2,15 2,15 99,85% 0/1/1900 0:01:00 2,0 37,74 39,89 97,26% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 3,68 3,68 12,99 16,67 0,420 7,74 24,41 0,250 9,57 33,98 0,150 16,38 50,36 0,075 6,66 57,02 Prato 57,18 Pf 94,22% 83,49% 77,09% 69,19% 55,65% 50,15% 50,02% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

13 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado T v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Data ST 1 2, /4/2011 álculo laificação do Material Geovane leandro 0 100,0 % que paa rgila +Silte 50 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 47 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 3 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 0,2 1,0 9,5 1000% 1 70,0 reia 0,2 99,0 4,8 9985,24% 0,06 1,0 2,0 9726,16% reia 0,06 99,0 1, ,11% 60,0 #### 1,0 0, ,85% Silte #### 99,0 0, ,36% 50,0 #### 1,0 0, ,66% rgila #### 99,0 0, ,32% 0, ,05% 40,0 ### 30,0 50 % 20,0 rg 50 % re 47 % Ped 3 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

14 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra Giovani Projeto / Intereado (nº) ST 1 ompactação 2,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro 4028 Data 6/4/ , ,85 63,20 84,40 26,45 2,3% 64,25 86,02 16,09 15,88 1,32 1,05 1,62 57,40 47,11 68,52 2,3% 2,2% 2,4% 2,3% 2,2% 2,4% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 8,0% 40 10,5% ,37 11, ,26 10,0% 50 12,5% ,28 11, ,13 12,0% 60 14,6% , , ,37 11, ,21 14,0% 70 16,6% , ,00 15,31 11, ,08 16,0% 80 18,7% , ,00 14,99 11, ,33 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,677 1,553 1,518 10,5% 1,838 1,671 1,634 12,5% 1,914 1,709 1,671 14,6% 1,882 1,651 1,614 16,6% 1,845 1,590 1,555 18,7% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4887,70 Maa de Água 112,30 1,675 1,665 1,655 1,645 R² = 1 URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,672 w ótima 14,3% OBSERVÇÕES: 1,635 10,5% 1,625 12,5% 14,6% 16,6% 18,7% 1,518 1,634 1,615 1,671 1,614 1,555 0,143 1,672 1,605 ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,595 1,672 1,672 1,518 1,672 14,3% 1,585 12,8% 14,3% 14,3% 1,575 1,565 1,555 1,545 1,535 1,525 1,515 10,0% 11,0% 12,0% 13,0% 14,0% 15,0% 16,0% 17,0% 18,0% 19,0% UMIDDE PROVDO:

15 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) motra Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro ST 1 2, álculo Data Hamilton leandro 6/4/2011 DT HOR 9/4/2011 0: /4/2011 0:00 TEMPO DEORRIDO (h) 6/4/ ,00 2,00 7/4/2011 0: /4/2011 0: ,75 EXPNSÃO PONTO 2 PONTO 3 ILINDRO Nº 81 ILINDRO Nº 58 ILINDRO Nº LTUR INIIL DO P (cm) 11,42 LEITUR (mm) DIFERENÇ LTUR INIIL DO P (cm) 11,12 LTUR INIIL DO P (cm) 11,50 EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO 1,25 1,09% 0,40 1,60 1,44% 2,00 % 2,00 22 TEMPO (min.) PENETRÇÃO (mm) 0,50 0,63 15,00 1,65 1,00 1,27 22,00 2,43 1,50 1,90 27,00 2,98 3,00 3,81 38,00 4,19 4,00 5,08 43,00 4,74 6,00 7,62 8,00 10, ,70 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR ILINDRO Nº 81 LEITUR (Kg/cm 2 ) LEITUR (Kg/cm 2 ) 52,00 5,74 75,00 8,27 6 6,62 58,00 6,40 PONTO 2 ILINDRO Nº 58 18,00 1,99 5 5,52 24,00 2,65 2,00 2,54 33,00 3,64 41,00 4,52 29,00 3,20 1,10 28,00 3,09 18,00 1,99 36,00 3,97 LEITUR 1 PONTO 3 ILINDRO Nº 22 (Kg/cm 2 ) 39,00 4,30 6 6,62 44,00 4,85 91,00 10,04 67,00 7,39 12,00 1,65 1,99 2,43 3,09 1,10 1,99 1 PONTO 2 2,98 3,64 4,19 3,97 4,52 5,52 2,65 3,20 4,30 PONTO 3 4,74 6,62 4,85 (Kg/cm2) 8,00 6,00 4,00 5,74 6,40 8,27 10,04 6,62 7,39 2,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9, ,00 12,00 13,00 PENETRÇÃO (mm) PENETRÇÃO (mm) LEITUR ORRIGID BR LEITUR PONTO 2 ORRIGID BR LEITUR PONTO 3 ORRIGID BR 2,54 5,08 3,64 33,00 4,95% 4,74 43,00 4,52 41,00 6,15% 3,20 4,31% 6,62 6 6,01% 4,85 29,00 44,00 4,35% 4,41% BR DOTDO 4,95% BR DOTDO 6,15% BR DOTDO 4,41% Ob.: PROV.:

16 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Def. ST 1 2, álculo Data Hamilton leandro 6/4/2011 7,00% BR/EXPNSÃO x UMIDDE cbr expanão BR = 6,18% EXPNSÃO = 1,51% 6,00% 5,00% BR/EXPNSÃO 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% % 12,50% 13,50% 14,50% 15,50% 16,50% UMIDDE Ob.: PROVDO

17 motra Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG ST 2 2,00 Regitro Nº 4029 Supervior Data de recebimento da amotra leandro Edmar 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO ENSIO Umidade Natural SIGL (W) IDENTIFIÇÃO D MOSTR NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L 42% 27% 15% argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 58% areia pedr. 42% 0% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 20,9% 1,551 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 10,03% 1,76% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

18 LIMITES DE ONSISTÊNI (NBR 6459/84; NBR 7180/84; NBR 7183/82) Projeto / Intereado motra ST 2 2,00 Regitro Nº 4029 álculo Data Noir leandro 21/4/2011 v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG RESUMO LL= 42% LP= 27% IP= 15% L= Limite de Liquidez Determinação ápula Nº Mc++w ( g ) 12,02 12,44 15,52 13,39 12,02 Mc+ ( g ) 1 10,41 13,58 11,47 9,85 Mc ( g ) 5,50 5,65 8,88 6,68 4,37 M ( g ) 4,50 4,76 4,70 4,79 5,48 Mw ( g ) 2,02 2,03 1,94 1,92 2,17 w ( % ) 44,9% 42,6% 41,3% 40,1% 39,6% Número de Golpe Utilizar valor (/n) 44,9% 45,5% 12 Reultado do Enaio y = 0,037ln(x) + 0, ,6% 45,0% 22 h 25 R² = 0, ,0% Equação da Reta: w = a ln(n) + b 41,3% ,0% a = 0, ,5% 40,1% 42 v 25 42,0% b = 0, ,0% 39,6% ,6% 43,5% LL = 42% 43,0% Limite de ontração 42,5% N cáp. 42,0% Peo olo eco 41,5% Peo merc. deloc Volume cáp. (cm³) 41,0% ρ (g/cm³) 40,5% ρ merc. (g/cm³) 13,6 Vol. merc. deloc(cm³) Umidade 40,0% 39,5% 39,0% 10 Número de Golpe 100 R = L = Limite de Platicidade Determinação ápula Nº M c++w ( g ) 9,97 5,60 6,32 7,77 5,50 M c+ ( g ) 9,75 5,37 6,09 7,56 5,31 M c ( g ) 8,94 4,53 5,24 6,77 4,53 M ( g ) 0,81 0,84 0,85 0,79 0,78 M w ( g ) 0,22 0,23 0,23 0,21 0,19 w ( % ) 27,2% 27,4% 27,1% 26,6% 24,4% Utilizar valor (/n) n LP (médio) ( % ) 27% Ob.: PROV:

19 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) motra Projeto / Intereado T v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro Data ST 2 2, /1/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.483,6 Determinação Nº M g M t 3, ,99 motra parcial M ed 120,0 Proveta nº M,ed 116,14 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) (g/cm 2 ) 50,0 10% 38,0 25,0 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% Denimetro Nº ápula Nº Vol. do denimetro cm 3 (cm) M c++w M c+ M c M M w w w médio 81,47 79,27 91,92 89,83 79,76 77,58 10,92 26,59 14,38 68,35 63,24 63,20 2,20 2,09 2,18 3,2% 3,3% 3,4% Utilizar valor na média (/n) w (para compor a média) 3,2% 3,3% 3,4% 3,3% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 10% 0/1/1900 0:00:30 4,8 10% 0/1/1900 0:01:00 2,0 3,18 3,18 99,78% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 1,32 1,32 5,66 6,98 0,420 4,89 11,87 0,250 8,46 20,33 0,150 21,64 41,97 0,075 6,80 48,77 Prato 48,82 Pf 98,64% 93,78% 89,58% 82,31% 63,72% 57,88% 57,84% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

20 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Data ST 2 2, /1/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro 0 100,0 % que paa rgila +Silte 58 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 42 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 0 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 70,0 reia 0,2 1,0 9,5 1000% 1 0,2 99,0 4,8 1000% 0,06 1,0 2,0 9977,85% reia 0,06 99,0 1, ,45% 60,0 Silte #### 1,0 0, ,18% #### 99,0 0, ,07% 50,0 #### 1,0 0, ,25% rgila #### 99,0 0, ,09% 40,0 0,075 ### 5787,88% 30,0 58 % 20,0 rg 58 % re 42 % Ped 0 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

21 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra Hamilton Projeto / Intereado (nº) ST 2 ompactação 2,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro 4029 Data 9/4/ ,09 97,04 55,17 78,29 94,80 53,79 26,99 25,47 13,24 1,80 2,24 1,38 51,30 69,33 40,55 3,5% 3,2% 3,4% 3,5% 3,2% 3,4% 3,4% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 20,0% ,1% , , ,25 11, ,78 14,0% 70 17,9% , , ,37 11, ,73 16,0% 80 19,9% , , ,34 11, ,76 17,0% 85 21,0% ,75 11, ,54 18,0% 90 22,0% , ,00 15,45 11, ,23 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,738 1,449 1,401 24,1% 1,689 1,482 1,433 17,9% 1,826 1,574 1,522 19,9% 1,876 1,603 1,551 21,0% 1,851 1,568 1,517 22,0% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4836,48 Maa de Água 163,52 1,550 1,540 1,530 1,520 R² = 1 URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,551 w ótima 20,9% OBSERVÇÕES: 24,1% 1,510 17,9% 19,9% 21,0% 22,0% 1,401 1,500 1,433 1,522 1,551 ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,490 1,480 1,551 1,551 1,401 1,551 1,470 20,9% 18,8% 20,9% 20,9% 1,460 1,450 1,440 1,430 1,420 1,410 1,517 0,209 1,551 1,400 17,5% 18,5% 19,5% 20,5% 21,5% 22,5% 23,5% 24,5% UMIDDE PROVDO:

22 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) motra Projeto / Intereado T v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro ST 2 2, álculo Data Hamilton leandro 9/4/2011 DT HOR TEMPO DEORRIDO (h) EXPNSÃO PONTO 2 PONTO 3 ILINDRO Nº 16 ILINDRO Nº 213 ILINDRO Nº LTUR INIIL DO P (cm) LEITUR (mm) DIFERENÇ 11,41 EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ 9/4/ ,00 2,00 10/4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0:00 LTUR INIIL DO P (cm) 11,11 LTUR INIIL DO P (cm) 11,40 EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO 96 0,10 1,90 1,67% 0,10 1,90 1,71% 2,00 % 2,00 55 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR TEMPO (min.) PENETRÇÃO (mm) ILINDRO Nº 16 PONTO 2 ILINDRO Nº 213 PONTO 3 ILINDRO Nº 55 0,50 0,63 31,00 3,42 1,00 1,27 55,00 6,07 LEITUR (Kg/cm 2 ) LEITUR (Kg/cm 2 ) 1 1,10 LEITUR (Kg/cm 2 ) 15,00 1,65 37,00 4,08 3 3,31 1,50 1,90 66,00 7,28 55,00 6,07 37,00 4,08 2,00 2,54 67,00 7,39 66,00 7,28 41,00 4,52 3,00 3,81 76,00 8,38 83,00 9,16 47,00 5,19 4,00 5,08 85,00 9,38 98,00 10,81 53,00 5,85 6,00 7, ,03 121,00 13,35 64,00 7,06 8,00 10,16 115,00 12,69 135,00 14,89 75,00 8, ,70 16,00 3,42 6,07 1,10 4,08 1,65 3,31 14,00 PONTO 2 7,28 7,39 8,38 6,07 7,28 9,16 4,08 4,52 5,19 12,00 PONTO 3 9,38 11,03 10,81 13,35 5,85 7,06 (Kg/cm2) 1 8,00 6,00 12,69 14,89 8,27 4,00 2,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9, ,00 12,00 13,00 PENETRÇÃO (mm) PENETRÇÃO (mm) LEITUR ORRIGID BR LEITUR PONTO 2 ORRIGID BR LEITUR PONTO 3 ORRIGID BR 2,54 5,08 7,39 67,00 10,06% 7,28 66,00 9,91% 4,52 9,38 85,00 8,52% 10,81 98,00 9,82% 5,85 41,00 53,00 6,15% 5,31% BR DOTDO 10,06% BR DOTDO 9,91% BR DOTDO 6,15% Ob.: PROV.:

23 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Def. ST 2 2, álculo Data Hamilton leandro 9/4/ ,00% 1% BR/EXPNSÃO x UMIDDE cbr expanão BR = 10,03% EXPNSÃO = 1,76% 9,00% 8,00% BR/EXPNSÃO 7,00% 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% % 19,50% 20,50% 21,50% UMIDDE Ob.: PROVDO

24 motra ENSIO Umidade Natural IDENTIFIÇÃO D MOSTR Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG ST 3 2,00 Regitro Nº 4030 leandro Supervior Edmar Data de recebimento da amotra 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO SIGL (W) NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L 46% 24% 22% argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 62% areia pedr. 37% 1% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 18,8% 1,545 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 6,92% 0,53% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

25 LIMITES DE ONSISTÊNI (NBR 6459/84; NBR 7180/84; NBR 7183/82) Projeto / Intereado motra ST 3 2,00 Regitro Nº 4030 álculo Data Noir leandro 21/4/2011 v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG RESUMO LL= 46% LP= 24% IP= 22% L= Limite de Liquidez Determinação ápula Nº Mc++w ( g ) 12,28 11,51 14,41 15,59 10,73 Mc+ ( g ) 10,02 9,32 12,38 13,53 8,83 Mc ( g ) 5,40 4,63 7,84 8,79 4,39 M ( g ) 4,62 4,69 4,54 4,74 4,44 Mw ( g ) 2,26 2,19 2,03 2,06 1,90 w ( % ) 48,9% 46,7% 44,7% 43,5% 42,8% Número de Golpe Utilizar valor (/n) 48,9% 49,5% 12 Reultado do Enaio 46,7% 49,0% 22 h 25 46,0% Equação da Reta: w = a ln(n) + b y = 0,045ln(x) + 0, ,7% 48,5% R² = 0, ,0% a = 0, ,5% 48,0% 40 v 25 46,0% b = 0, ,8% ,8% 47,5% LL = 46% 47,0% 46,5% Limite de ontração 46,0% N cáp. 45,5% Peo olo eco 45,0% 44,5% Peo merc. deloc Volume cáp. (cm³) 44,0% ρ (g/cm³) 43,5% ρ merc. (g/cm³) 13,6 Vol. merc. deloc(cm³) Umidade 43,0% 42,5% 42,0% 10 Número de Golpe 100 R = L = Limite de Platicidade Determinação ápula Nº M c++w ( g ) 6,88 10,09 8,84 6,40 6,31 M c+ ( g ) 6,68 9,90 8,63 6,19 6,10 M c ( g ) 5,84 9,11 7,75 5,33 5,39 M ( g ) 0,84 0,79 0,88 0,86 0,71 M w ( g ) 0,20 0,19 0,21 0,21 0,21 w ( % ) 23,8% 24,1% 23,9% 24,4% 29,6% Utilizar valor (/n) n LP (médio) ( % ) 24% Ob.: PROV:

26 motra Projeto / Intereado LTD ST 3 2,00 álculo Giovani leandro NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro Data /4/2011 laificação do Material motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.487,9 Determinação Nº M g M t 19,20 Denimetro Nº ápula Nº ,73 M c++w 73,91 81,01 Vol. do denimetro M c+ 71,13 78,62 motra parcial cm 3 M c 10,59 26,52 M ed 120,0 Proveta nº 60,54 52,10 M,ed 114,76 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo (cm) # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) 50,0 38,0 25,0 (g/cm 2 ) 10% 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% M M w w Utilizar valor na média (/n) 2,78 4,6% w (para compor a média) 4,6% w médio ,63 75,93 16,16 59,77 2,39 2,70 4,6% 4,5% 4,6% 4,5% 4,6% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 10% 0/1/1900 0:00:30 4,8 2,15 2,15 99,85% 0/1/1900 0:01:00 2,0 17,05 19,20 98,65% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 1,69 1,69 5,42 7,11 0,420 4,11 11,22 0,250 6,83 18,05 0,150 18,62 36,67 0,075 6,38 43,05 Prato 43,11 Pf 97,20% 92,54% 89,01% 83,14% 67,13% 61,64% 61,59% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

27 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado LTD v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Data ST 3 2, /4/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro 0 100,0 % que paa rgila +Silte 62 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 37 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 1 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 0,2 1,0 9,5 1000% 1 70,0 reia 0,2 99,0 4,8 9984,90% 0,06 1,0 2,0 9865,14% reia 0,06 99,0 1, ,87% 60,0 #### 1,0 0, ,95% Silte #### 99,0 0, ,64% 50,0 #### 1,0 0, ,51% rgila #### 99,0 0, ,89% 0, ,44% 40,0 ### 30,0 62 % 20,0 rg 62 % re 37 % Ped 1 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

28 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra Giovani Projeto / Intereado (nº) ST 3 ompactação 2,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro 4030 Data 9/4/ , ,56 85,74 88,55 23,38 4,7% 88,50 91,59 27,08 24,68 2,85 2,76 3,04 60,18 58,66 63,87 4,7% 4,7% 4,8% 4,7% 4,7% 4,8% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 10,0% 50 15,2% , ,00 15,36 11, ,26 12,0% 60 17,3% ,42 11, ,01 14,0% 70 19,4% , ,00 15,21 11, ,11 16,0% 80 21,5% , ,00 16,29 11, ,62 18,0% 90 23,6% , ,00 15,28 11, ,14 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,644 1,494 1,427 15,2% 1,737 1,551 1,481 17,3% 1,830 1,606 1,533 19,4% 1,636 1,411 1,347 21,5% 1,735 1,470 1,404 23,6% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4774,02 Maa de Água 225,98 R² = 1 1,545 1,535 1,525 1,515 1,505 1,495 1,485 1,475 15,2% 17,3% 1,465 19,4% 21,5% 23,6% 1,427 1,455 1,481 1,533 1,347 1,404 1,445 1,435 0,188 1,545 1,425 1,545 1,415 1,545 1,347 1,545 1,405 18,8% 1,395 16,9% 18,8% 18,8% ρ dmáx (g/cm 3 ) URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## 1,385 1,375 1,365 1,355 1,345 1,335 1,325 1,315 1,305 1,295 1,285 15,0% 16,0% 17,0% 18,0% 19,0% 20,0% 21,0% 22,0% 23,0% 24,0% UMIDDE ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,545 w ótima 18,8% OBSERVÇÕES: PROVDO:

29 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) motra Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG Regitro ST 3 2, álculo Data Hamilton leandro 9/4/2011 DT HOR 12/4/2011 0: /4/2011 0:00 TEMPO DEORRIDO (h) 9/4/ ,00 2,00 10/4/2011 0: /4/2011 0: ,05 EXPNSÃO PONTO 2 PONTO 3 ILINDRO Nº 14 ILINDRO Nº 131 ILINDRO Nº LTUR INIIL DO P (cm) 11,47 LEITUR (mm) DIFERENÇ LTUR INIIL DO P (cm) 11,14 LTUR INIIL DO P (cm) 11,48 EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO 2,05 1,79% 1,60 0,40 0,36% 0,55 1,45 1,26% 2,00 51 TEMPO (min.) PENETRÇÃO (mm) 0,50 0,63 1 1,10 1,00 1,27 16,00 1,77 1,50 1,90 21,00 2,32 3,00 3,81 31,00 3,42 4,00 5,08 35,00 3,86 6,00 7,62 8,00 10, ,70 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR ILINDRO Nº 14 LEITUR (Kg/cm 2 ) LEITUR (Kg/cm 2 ) 43,00 4,74 78,00 8,60 6 6,62 52,00 5,74 PONTO 2 ILINDRO Nº ,00 2,76 59,00 6,51 31,00 3,42 2,00 2,54 25,00 2,76 49,00 5,41 36,00 3,97 1,54 36,00 3,97 22,00 2,43 44,00 4,85 LEITUR 14,00 PONTO 3 ILINDRO Nº 51 (Kg/cm 2 ) 44,00 4,85 68,00 7,50 5 5,52 9 9,93 69,00 7,61 12,00 1,10 2,76 1,77 3,97 1,54 2,43 1 PONTO 2 2,32 2,76 3,42 4,85 5,41 6,51 3,42 3,97 4,85 PONTO 3 3,86 7,50 5,52 (Kg/cm2) 8,00 6,00 4,00 4,74 5,74 8,60 9,93 6,62 7,61 2,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9, ,00 12,00 13,00 PENETRÇÃO (mm) PENETRÇÃO (mm) LEITUR ORRIGID BR LEITUR PONTO 2 ORRIGID BR LEITUR PONTO 3 ORRIGID BR 2,54 5,08 2,76 25,00 3,75% 3,86 35,00 5,41 49,00 7,35% 3,97 3,51% 7,50 68,00 6,81% 5,52 36,00 5 5,40% 5,01% BR DOTDO 3,75% BR DOTDO 7,35% BR DOTDO 5,40% Ob.: PROV.:

30 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) Projeto / Intereado v. Leontino lveentro d. TancredoBH/MG motra Regitro Def. ST 3 2, álculo Data Hamilton leandro 9/4/2011 8,00% 7,00% BR/EXPNSÃO x UMIDDE cbr expanão BR = 6,92% EXPNSÃO = 0,53% 6,00% BR/EXPNSÃO 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% % 17,00% 18,00% 19,00% 2% 21,00% 22,00% UMIDDE Ob.: PROVDO

31 motra ENSIO Umidade Natural IDENTIFIÇÃO D MOSTR Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG ST 4 4,00 Regitro Nº 4031 leandro Supervior Edmar Data de recebimento da amotra 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO SIGL (W) NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L 27% 14% 13% argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 31% areia pedr. 56% 13% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 12,1% 1,838 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 5,19% 2,61% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

32 LIMITES DE ONSISTÊNI (NBR 6459/84; NBR 7180/84; NBR 7183/82) Projeto / Intereado motra ST 4 4,00 Regitro Nº 4031 álculo Data Noir leandro 21/4/2011 v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG RESUMO LL= 27% LP= 14% IP= 13% L= Limite de Liquidez Determinação ápula Nº Mc++w ( g ) 10,88 15,78 11,58 14,04 13,80 Mc+ ( g ) 9,44 14,27 10,34 12,81 12,58 Mc ( g ) 4,55 8,77 5,46 7,86 7,34 M ( g ) 4,89 5,50 4,88 4,95 5,24 Mw ( g ) 1,44 1,51 1,24 1,23 1,22 w ( % ) 29,4% 27,5% 25,4% 24,8% 23,3% Número de Golpe Utilizar valor (/n) 29,4% 30,0% 12 Reultado do Enaio 27,5% 29,5% 22 h 25 27,0% Equação da Reta: w = a ln(n) + b y = 0,042ln(x) + 0, ,4% 29,0% R² = 0, ,0% a = 0, ,8% 40 v 25 27,0% b = 0, ,5% 23,3% ,3% 28,0% LL = 27% 27,5% 27,0% Limite de ontração 26,5% N cáp Peo olo eco 26,0% Peo merc. deloc 25,5% Volume cáp. (cm³) 25,0% ρ (g/cm³) 24,5% ρ merc. (g/cm³) 13,6 Vol. merc. deloc(cm³) Umidade 24,0% 23,5% 23,0% 10 Número de Golpe 100 R = L = Limite de Platicidade Determinação ápula Nº M c++w ( g ) 5,84 6,24 5,82 7,57 10,38 M c+ ( g ) 5,69 6,05 5,66 7,41 10,15 M c ( g ) 4,67 4,74 4,51 6,29 9,08 M ( g ) 1,02 1,31 1,15 1,12 1,07 M w ( g ) 0,15 0,19 0,16 0,16 0,23 w ( % ) 14,7% 14,5% 13,9% 14,3% 21,5% Utilizar valor (/n) n LP (médio) ( % ) 14% Ob.: PROV:

33 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado motra ST 4 4,00 Giovani álculo leandro v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro Data /4/2011 laificação do Material motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.492,5 Determinação Nº M g M t 182,93 Denimetro Nº ápula Nº ,90 M c++w 95,84 101,12 Vol. do denimetro M c+ 94,66 99,75 motra parcial cm 3 M c 25,24 24,06 M ed 120,0 Proveta nº 69,42 75,69 M,ed 117,93 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo (cm) # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) 50,0 38,0 25,0 (g/cm 2 ) 10% 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% M M w w Utilizar valor na média (/n) 1,18 1,7% w (para compor a média) 1,7% w médio ,13 75,04 13,39 61,65 1,37 1,09 1,8% 1,8% 1,8% 1,8% 1,8% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 52,76 52,76 96,41% 0/1/1900 0:00:30 4,8 59,69 112,45 92,35% 0/1/1900 0:01:00 2,0 70,48 182,93 87,55% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 4,92 4,92 17,23 22,15 0,420 10,78 32,93 0,250 13,16 46,09 0,150 21,80 67,89 0,075 8,50 76,39 Prato 76,77 Pf 83,90% 71,11% 63,11% 53,33% 37,15% 30,84% 30,56% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

34 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG motra Regitro Data ST 4 4, /4/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro 0 100,0 % que paa rgila +Silte 31 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 56 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 13 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 0,2 1,0 9,5 9641,06% 1 70,0 reia 0,2 99,0 4,8 9234,98% 0,06 1,0 2,0 8755,49% reia 0,06 99,0 1, ,20% 60,0 #### 1,0 0, ,94% Silte #### 99,0 0, ,57% 50,0 #### 1,0 0, ,49% rgila #### 99,0 0, ,93% 0, ,84% 40,0 ### 30,0 31 % 20,0 rg 31 % re 56 % Ped 13 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

35 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra T Giovani Projeto / Intereado (nº) ST 4 ompactação 4,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro 4031 Data 6/4/ , ,86 91,50 79,90 27,15 2,4% 93,08 81,33 23,60 16,16 1,50 1,58 1,43 63,71 67,90 63,74 2,4% 2,3% 2,2% 2,3% 2,3% 2,2% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 6,0% 30 8,4% , , ,30 11, ,64 8,0% 40 10,5% , ,00 15,27 11, ,10 10,0% 50 12,5% ,36 11, ,82 12,0% 60 14,6% , , ,20 11, ,77 14,0% 70 16,6% , , ,36 11, ,08 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,957 1,846 1,804 8,4% 2,011 1,862 1,820 10,5% 2,066 1,878 1,836 12,5% 2,056 1,836 1,794 14,6% 2,110 1,851 1,809 16,6% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4887,19 Maa de Água 112,81 1,840 1,830 R² = 1 URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,838 w ótima 12,1% OBSERVÇÕES: 8,4% 10,5% 12,5% 14,6% 16,6% 1,820 1,804 1,820 1,836 1,794 1,809 ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,810 1,838 1,838 1,794 1,838 12,1% 10,8% 12,1% 12,1% 1,800 0,121 1,838 1,790 1,780 8,0% 9,0% 10,0% 11,0% 12,0% 13,0% 14,0% 15,0% 16,0% 17,0% UMIDDE PROVDO:

36 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) motra Projeto / Intereado T v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro ST 4 4, álculo Data Hamilton leandro 6/4/2011 DT HOR 6/4/ ,00 2,00 7/4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0:00 TEMPO DEORRIDO (h) 96 2,00 EXPNSÃO PONTO 2 PONTO 3 ILINDRO Nº 30 ILINDRO Nº 71 ILINDRO Nº LTUR INIIL DO P (cm) 11,20 LEITUR (mm) DIFERENÇ LTUR INIIL DO P (cm) 11,44 LTUR INIIL DO P (cm) 11,50 EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO % 1,33 3,33 2,91% 0,40 1,60 1,39% 2,00 19 TEMPO (min.) PENETRÇÃO (mm) 0,50 0,63 6,00 0,66 1,00 1,27 16,00 1,77 1,50 1,90 36,00 3,97 3,00 3,81 75,00 8,27 4,00 5,08 91,00 10,04 6,00 7,62 8,00 10, ,70 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR ILINDRO Nº 30 LEITUR (Kg/cm 2 ) LEITUR (Kg/cm 2 ) 131,00 14,45 72,00 7,94 41,00 4,52 162,00 17,87 PONTO 2 ILINDRO Nº 71 3,00 0,33 29,00 3,20 9,00 0,99 2,00 2,54 52,00 5,74 19,00 2,10 12,00 1,32 0,33 6,00 0,66 5,00 0,55 12,00 1,32 LEITUR 3,00 PONTO 3 ILINDRO Nº 19 (Kg/cm 2 ) 2 2,21 43,00 4,74 28,00 3,09 101,00 11,14 57,00 6,29 2 0,66 0,33 1,77 0,66 0,33 0,55 18,00 16,00 PONTO 2 PONTO 3 3,97 5,74 8,27 10,04 1,32 2,10 3,20 4,74 0,99 1,32 2,21 3,09 14,00 14,45 7,94 4,52 (Kg/cm2) 12,00 1 8,00 6,00 17,87 11,14 6,29 4,00 2,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9, ,00 12,00 13,00 PENETRÇÃO (mm) PENETRÇÃO (mm) LEITUR ORRIGID BR LEITUR PONTO 2 ORRIGID BR LEITUR PONTO 3 ORRIGID BR 2,54 5,08 5,74 52,00 7,81% 10,04 91,00 2,10 19,00 2,85% 1,32 9,12% 4,74 43,00 4,31% 3,09 12,00 28,00 1,80% 2,81% BR DOTDO 9,12% BR DOTDO 4,31% BR DOTDO 2,81% Ob.: PROV.:

37 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) Projeto / Intereado D v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG motra Regitro Def. ST 4 4, álculo Data Hamilton leandro 6/4/2011 BR/EXPNSÃO x UMIDDE 9,00% cbr expanão BR = 5,19% EXPNSÃO = 2,61% 8,00% 7,00% BR/EXPNSÃO 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% % 1% 11,00% 12,00% 13,00% 14,00% 15,00% UMIDDE Ob.: PROVDO

38 T motra Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG ST 5 4,00 Regitro Nº 4032 Supervior Data de recebimento da amotra leandro Edmar 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO ENSIO Umidade Natural SIGL (W) IDENTIFIÇÃO D MOSTR NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L NP NP NP argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 19% areia pedr. 60% 21% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 12,7% 1,814 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 17,00% 1,60% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

39 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) motra Projeto / Intereado T v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro Data ST 5 4, /4/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.484,7 Determinação Nº M g M t 299, ,66 motra parcial M ed 120,0 Proveta nº M,ed 119,49 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) (g/cm 2 ) 50,0 10% 38,0 25,0 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% Denimetro Nº ápula Nº Vol. do denimetro cm 3 (cm) M c++w M c+ M c M M w w w médio 84,04 83,75 90,38 90,09 79,24 78,98 16,16 24,38 15,89 67,59 65,71 63,09 0,29 0,29 0,26 0,4% 0,4% 0,4% Utilizar valor na média (/n) w (para compor a média) 0,4% 0,4% 0,4% 0,4% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 16,94 16,94 98,86% 0/1/1900 0:00:30 4,8 62,18 79,12 94,65% 0/1/1900 0:01:00 2,0 219,93 299,05 79,79% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 5,66 5,66 23,72 29,38 0,420 14,52 43,90 0,250 14,26 58,16 0,150 23,85 82,01 0,075 10,01 92,02 Prato 92,99 Pf 76,01% 60,17% 50,47% 40,95% 25,03% 18,34% 17,69% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

40 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG motra Regitro Data ST 5 4, /4/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro 0 100,0 % que paa rgila +Silte 19 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 60 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 21 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 70,0 reia 0,2 1,0 9,5 9885,51% 1 0,2 99,0 4,8 9465,28% 0,06 1,0 2,0 7978,93% reia 0,06 99,0 1, ,98% 60,0 Silte #### 1,0 0, ,07% #### 99,0 0, ,49% 50,0 #### 1,0 0, ,28% rgila #### 99,0 0, ,69% 40,0 0,075 ### 1834,26% 30,0 19 % 20,0 rg 19 % re 60 % Ped 21 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

41 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra Giovani Projeto / Intereado (nº) ST 5 ompactação 4,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro 4032 Data 8/4/ ,78 113,26 103,02 68,59 112,77 102,65 15,68 15,50 16,51 0,19 0,49 0,37 52,91 97,27 86,14 0,4% 0,5% 0,4% 0,4% 0,5% 0,4% 0,4% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 8,0% 40 8,5% , , ,27 11, ,71 10,0% 50 10,5% , ,00 15,46 11, ,21 12,0% 60 12,5% ,41 11, ,12 14,0% 70 14,5% ,28 11, ,13 16,0% 80 16,5% ,25 11, ,04 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,906 1,765 1,757 8,5% 1,968 1,789 1,781 10,5% 2,040 1,821 1,813 12,5% 2,047 1,796 1,788 14,5% 2,010 1,732 1,725 16,5% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4978,55 Maa de Água 21,45 1,810 1,800 R² = 1 URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,814 w ótima 12,7% OBSERVÇÕES: 1,790 8,5% 10,5% 12,5% 14,5% 16,5% 1,757 1,780 1,781 1,813 1,788 ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,770 1,814 1,814 1,725 1,814 12,7% 1,760 11,4% 12,7% 12,7% 1,750 1,725 0,127 1,814 1,740 1,730 1,720 8,0% 9,0% 10,0% 11,0% 12,0% 13,0% 14,0% 15,0% 16,0% 17,0% UMIDDE PROVDO:

42 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) motra Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro ST 5 4, álculo Data Hamilton leandro 8/4/2011 EXPNSÃO PONTO 2 PONTO 3 TEMPO ILINDRO Nº 41 ILINDRO Nº 32 ILINDRO Nº 67 DT HOR DEORRIDO (h) LTUR INIIL DO P (cm) 11,22 LTUR INIIL DO P (cm) 11,33 LTUR INIIL DO P (cm) 11,48 LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO LEITUR (mm) DIFERENÇ EXPNSÃO 8/4/ ,00 2,00 2,00 9/4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0: /4/2011 0: ,20 1,80 1,60% 0,20 1,80 1,59% 0,50 2,50 2,18% INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR TEMPO (min.) PENETRÇÃO (mm) ILINDRO Nº 41 PONTO 2 ILINDRO Nº 32 PONTO 3 ILINDRO Nº 67 0,50 0,63 27,00 2,98 1,00 1,27 6 6,62 LEITUR (Kg/cm 2 ) LEITUR (Kg/cm 2 ) 15,00 1,65 LEITUR (Kg/cm 2 ) 7,00 0,77 3 3,31 14,00 1,54 1,50 1,90 91,00 10,04 48,00 5,30 22,00 2,43 2,00 2,54 122,00 13,46 67,00 7,39 3 3,31 3,00 3,81 174,00 19,20 122,00 13,46 52,00 5,74 4,00 5, ,37 178,00 19,64 79,00 8,72 6,00 7, ,10 271,00 29,90 141,00 15,56 8,00 10, ,82 352,00 38,83 194,00 21, ,70 (Kg/cm2) 44,00 42, ,00 36,00 34,00 32, ,00 26,00 24,00 22, ,00 16,00 14,00 12,00 1 8,00 6,00 4,00 2,00 PONTO 2 PONTO 3 2,98 6,62 10,04 13,46 19,20 25,37 33,10 40,82 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 8,00 9, ,00 12,00 13,00 PENETRÇÃO (mm) 1,65 3,31 5,30 7,39 13,46 19,64 29,90 38,83 0,77 1,54 2,43 3,31 5,74 8,72 15,56 21,40 PENETRÇÃO (mm) LEITUR ORRIGID BR LEITUR PONTO 2 ORRIGID BR LEITUR PONTO 3 ORRIGID BR 2,54 5,08 13,46 122,00 18,31% 7,39 67,00 10,06% 3,31 25, ,05% 19,64 178,00 17,84% 8, ,00 4,50% 7,92% BR DOTDO 23,05% BR DOTDO 17,84% BR DOTDO 7,92% Ob.: PROV.:

43 INDÍE DE SUPORTE LIFÓRNI BR (NBR 9895/87) Projeto / Intereado T v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG motra Regitro Def. ST 5 4, álculo Data Hamilton leandro 8/4/2011 BR/EXPNSÃO x UMIDDE 23,00% 22,00% 21,00% cbr expanão BR = 17,00% EXPNSÃO = 1,60% 2% 19,00% 18,00% 17,00% 16,00% BR/EXPNSÃO 15,00% 14,00% 13,00% 12,00% 11,00% 1% 9,00% 8,00% 7,00% 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% 1% 11,00% 12,00% 13,00% 14,00% 15,00% UMIDDE Ob.: PROVDO

44 motra Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG ST 6 4,00 Regitro Nº 4033 Supervior Data de recebimento da amotra leandro Edmar 1/3/2011 QUDRO RESUMO MOSTR DE SOLO ENSIO Umidade Natural SIGL (W) IDENTIFIÇÃO D MOSTR NORM/NO NBR 6457/86 RESULTDO Maa epecífica do grão (MES) NBR 6508/84 g/cm³ Limite de liquidez, de platicidade e de contração (LL/LP/L) NBR 6459/84 NBR 7180/84 NBR 7183/82 Granulometria conjunta (GPS) NBR 7181/84 LL LP IP L NP NP NP argila ilte areia ped. Granulometria por peneiramento (GP) NBR 7181/84 argila + ilte 32% areia pedr. 66% 2% ompactação (OMP) NBR 7182/86 W ót. ρ máx (g/cm³) 13,9% 1,761 Índice de uporte alifórnia (BR) NBR 9895/87.B.R. EXPNSÃO 9,14% 0,53% Permeabilidade Vertical/Horizontal à arga Variável (Kv / Kh) NBR 14545/00 Kv (cm/) Kh (cm/) denamento Oedomético (.O.) NBR 12007/90 v c Enaio triaxial (Triaxial) LITERTURS φ ' φ' Enaio de cialhamento direto (D) LITERTURS φ ' φ' FOTOS D MOSTR PROVDO:

45 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) motra Projeto / Intereado v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro Data ST 6 4, /4/2011 álculo laificação do Material Giovani leandro motra Total Teor de Umidade Dado p/ Sedimentação M t 1.488,2 Determinação Nº M g M t 28, ,48 motra parcial M ed 120,0 Proveta nº M,ed 117,81 Área (cm2) V/(2x) Peneiramento Groo # abertura M i,ret M i,ret.acum Pg ρ (mm) (g/cm 2 ) 50,0 10% 38,0 25,0 10% 10% Data Hora 19,0 10% (dd/mm/aa) (hh:mm:) 12,7 10% Denimetro Nº ápula Nº Vol. do denimetro cm 3 (cm) M c++w M c+ M c M M w w w médio 100,49 99,11 87,50 86,23 92,44 91,05 26,82 16,37 16,29 72,29 69,86 74,76 1,38 1,27 1,39 1,9% 1,8% 1,9% Utilizar valor na média (/n) w (para compor a média) 1,9% 1,8% 1,9% 1,9% Sedimentação t T R L c ρ w = ρ dip µ w z z c () L i (º) (g/cm 3 ) 10 6 x(g./cm 2 ) (cm) (cm) 0 4 d (mm) 5 P ed 9,5 10% 0/1/1900 0:00:30 4,8 10% 0/1/1900 0:01:00 2,0 28,24 28,24 98,07% 0/1/1900 0:02:00 Peneiramento Fino 0/1/1900 0:04:00 # abertura (mm) 1,200 0,600 M i,ret M i,ret.acum 5,59 5,59 22,02 27,61 0,420 13,95 41,56 0,250 13,70 55,26 0,150 17,91 73,17 0,075 5,92 79,09 Prato 79,41 Pf 93,41% 75,08% 63,47% 52,07% 37,16% 32,23% 31,96% 0/1/1900 0:08:00 0/1/1900 0:15:00 0/1/1900 0:30:00 0/1/1900 1:00:00 0/1/1900 2:00:00 0/1/1900 4:00:00 0/1/1900 8:00:00 1/1/ :00:00 Ob: PROVDO:

46 NÁLISE GRNULOMÉTRI ONJUNT (NBR 7181/84) Projeto / Intereado T v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG motra Regitro ST 6 4,00 álculo 4033 Giovani leandro Data 21/4/2011 laificação do Material 0 100,0 % que paa rgila +Silte 32 % 90,0Granulometria BN 50,0 1000% Pedre 2 reia 1,0 66 % 38,0 1000% 2 99,0 25,0 1000% 80,0 0,6 Pedregulho 1,0 2 % 19,0 1000% reia 0,6 99,0 12,7 1000% 30 70,0 reia 0,2 1,0 9,5 1000% 1 0,2 99,0 4,8 1000% 0,06 1,0 2,0 9806,77% reia 0,06 99,0 1, ,43% 60,0 Silte #### 1,0 0, ,38% #### 99,0 0, ,12% 50,0 #### 1,0 0, ,66% rgila #### 99,0 0, ,75% 40,0 0,075 ### 3222,94% 30,0 32 % 20,0 rg 32 % re 66 % Ped 2 % 10,0 0, ,01 0, rgila Silte reia fina reia média reia groa Pedregulho Diàmetro do grão (mm) Ob: PROVDO:

47 ENSIO DE OMPTÇÃO (NBR 7182/86) ápula M cap+olo+água motra Giovani Projeto / Intereado (nº) ST 6 ompactação 4,00 álculo leandro M cap+olo M cap M água M olo Umidade R Utilizar valor na média Umidade para compor a média Umidade média (/n) v. Oceano tlân.entro d. TancredoBH/MG Regitro 4033 Data 6/4/ ,05 93,00 108,24 77,93 91,83 106,21 16,01 26,83 15,67 1,12 1,17 2,03 61,92 65,00 90,54 1,8% 1,8% 2,2% 1,8% 1,8% 2,2% 2,0% Água adicionada Água adicionada Umidade de álculo Nº do Molde M molde+olo+água M molde M olo+água Diâmetro do Molde ltura do Molde Volume do Molde Utilizar Umidade de álculo () Umidade Real (R) nº (cm) (cm) (cm 3 ) (/R) 8,0% 40 10,1% ,47 11, ,36 10,0% 50 12,1% , ,00 15,32 11, ,04 12,0% 60 14,2% , , ,31 11, ,99 14,0% 70 16,2% , ,00 15,35 11, ,46 16,0% 80 18,3% , ,00 15,30 11, ,80 Den. Úmida Den. onvert. Den. Seca Umidade Utilizada Utilizar Valor (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (g/cm 3 ) (/n) 1,839 1,703 1,670 10,1% 1,946 1,769 1,735 12,1% 2,010 1,794 1,760 14,2% 1,989 1,745 1,711 16,2% 1,913 1,649 1,618 18,3% Energia de ompactação Normal (N)/Intermediaria (I)/Modificada (M) N Tamanho do ilindro Pequeno (P)/Grande (G) G Nº de gole por camada 12 Nº de camada 5 Maa de Solo 5000 Maa de Solo Seco 4904,35 Maa de Água 95,65 1,765 1,755 1,745 1,735 R² = 1 URV DE OMPTÇÃO ## ## ## ## ## ## ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,761 w ótima 13,9% OBSERVÇÕES: 1,725 10,1% 12,1% 14,2% 16,2% 18,3% 1,715 1,670 1,735 1,760 1,711 1,618 ρ dmáx (g/cm 3 ) 1,705 1,695 1,761 1,685 1,761 1,618 1,761 13,9% 12,5% 1,675 13,9% 13,9% 1,665 1,655 1,645 1,635 1,625 0,139 1,761 1,615 10,0% 11,0% 12,0% 13,0% 14,0% 15,0% 16,0% 17,0% 18,0% UMIDDE PROVDO:

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

Caracterização / Limites de Consistências

Caracterização / Limites de Consistências Caracterização / Limites de Consistências 28/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Caracterização Granulométrica 2 Número Nome Obs. NBR-6502 Rochas e solos Terminologia NBR-13441 Rochas

Leia mais

Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul

Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul Autores: Daniel Henrique Schwendler Mariana da Silva Carretta João Rodrigo Guerreiro Mattos Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul INTRODUÇÃO OBJETIVO

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume.

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume. 1 Plasticidade e Consistência dos solos 1 - Plasticidade 2 - Limites de consistência: - Limite de Liquidez - Limite de Plasticidade - Limite de Contração 3 - Índice de Plasticidade 4 - Índice de Consistência

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS

INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS 21/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com 2 21 28 4 11 Dia / Mês Plano de Curso 2013/1 Apresentação do Curso. Coleta e preparação de amostras.

Leia mais

Limites de Consistência. Limites de Consistência. Marcio Varela

Limites de Consistência. Limites de Consistência. Marcio Varela Limites de Consistência Limites de Consistência Marcio Varela Limites de Consistência Introdução O comportamento dos solos finos irá depender de diversos fatores, tais como: como sua composição química

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia GEOTÉCNICA Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia T.M.P. de Campos (2011) Tamanho de Grãos Matacão Calhau Pedregulho > 200mm 60 < < 200mm 2 < < 60mm Areia Silte Argila 0,06 < < 2mm 0,002

Leia mais

Ww Ws. w = e = Vs 1 SOLO CONCEITOS BÁSICOS

Ww Ws. w = e = Vs 1 SOLO CONCEITOS BÁSICOS 1 SOLO CONCEITOS BÁSICOS O olo, ob o ponto de vita da Engenharia, é um conjunto de partícula ólida com vazio ou poro entre ela. Ete vazio podem etar preenchido com água, ar ou ambo. Aim o olo é : - eco

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e teor de umidade

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e teor de umidade ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ALPHAGEOS TECNOLOGIA APLICADA S/A ALPHAGEOS TECNOLOGIA

Leia mais

III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ

III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ Elisabeth Ritter (1) Engenheira Civil pela Escola de Engenharia da UFRGS. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Mecânica dos Solos I. Limites de Consistência

Mecânica dos Solos I. Limites de Consistência Mecânica dos Solos I Limites de Consistência 5.1 Plasticidade do solo O termo plasticidade é entendido, na Mecânica dos Solos, como sendo a propriedade que um material apresenta de suportar deformações

Leia mais

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos.

Nº 1.4.23 Revisão: Nome: Compactação Próctor Normal Sem Reuso. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. Objetivo/Resumo: Determinar o teor de umidade dos solos. ENSAIO DE COMPACTAÇÃO SEM REUSO 1. Objetivo Determinação da curva de compactação, do teor de umidade de compactação (h ótima ) e da densidade seca

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO Belo Horizonte, de março de 07. RL 06 RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO (Segundo as Normas Brasileiras NBR 68 e NBR 750) Responsável Técnico: Engenheiro Rogério Avelar Marinho Fillho (CREA:08.86/D)

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG (1) Marcela Ribeiro Gomes, marcelaribeiro.mah@hotmail.com (2) Mário Vitor Pinheiro, mariovitorpinheiro@hotmail.com

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOLO. Peso Específico dos Sólidos e Granulometria

DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOLO. Peso Específico dos Sólidos e Granulometria Univeridade do Etado de Mato Groo UNEMAT - Campu de Sinop Departamento de Engenharia Civil Mecânica do Solo I DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOO eo Epecífico do Sólido e Granulometria rof.: Flavio

Leia mais

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor ÍNDICES FÍSICOS UMIDADE (w) - % w = M água M seca. 100 w = M natural M s.estufa M s.estufa.

Leia mais

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA.: RELATÓRIO DE ESTUDOS GEOTÉCNICO :. SSA Nº. 089/15 Cliente: GENPOWER PARTICIPAÇÕES S.A. Endereço: Avenida das Américas, 7935, bloco 02, sala 247, Bairro Tijuca Rio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GEOTÉCNICAS E ADEQUABILIDADE PARA CONSTRUÇÕES: ESTUDO DO CASO DE UM BAIRRO PLANEJADO EM TUCURUÍPA

CARACTERÍSTICAS GEOTÉCNICAS E ADEQUABILIDADE PARA CONSTRUÇÕES: ESTUDO DO CASO DE UM BAIRRO PLANEJADO EM TUCURUÍPA CARACTERÍSTICAS GEOTÉCNICAS E ADEQUABILIDADE PARA CONSTRUÇÕES: ESTUDO DO CASO DE UM BAIRRO PLANEJADO EM TUCURUÍPA GEOTECHNICAL CHARACTERISTICS AND FITNESS FOR BUILDINGS: CASE STUDY OF A PLANNED NEIGHBORHOOD

Leia mais

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Fernando José Pugliero Gonçalves

Leia mais

Execução de Sondagens de Simples Reconhecimento dos Solos;

Execução de Sondagens de Simples Reconhecimento dos Solos; 1 OBJETIVO Este anexo tem por objetivo fornecer informações para obtenção dos dados necessários a fim de elaborar seções geológico-geotécnicas longitudinais e transversais complementares aos fornecidos

Leia mais

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SONDAGEM TMU 2 : 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SP-01 0.00 Obs: Extremidade do revestimento ao N.A 1,50 COTA: 2.48 COTA: 2,23 N.A MAX. Lámina D'agua

Leia mais

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3.1 ESTUDO DO SUBLEITO 3.1.1 OBJETIVOS (A) Reconhecimento dos solos do subleito - Perfis dos solos Perfis (unidades) geotécnicos - Caracterização das camadas (densidade,

Leia mais

Mecânica dos Solos I

Mecânica dos Solos I Mecânica dos Solos I Índices Físicos F dos Solos 3.1 Fases do Solo O solo é formado pelas três fases físicas sólida, liquida e gasosa, distribuídas em diferentes proporções. Fase sólida constituída por

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test)

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) NORMAS - NBR 8036: Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos; - NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de solo obtidas em sondagens

Leia mais

II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO

II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO II MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO SOLOS AGREGADOS MATERIAIS BETUMINOSOS Conceituação de Solo É uma formação natural, de estrutura solta e removível e de espessura variável, resultante da transformação de

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Aluno: Gilberto dos Santos Giuzio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Aluno: Gilberto dos Santos Giuzio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Foto: Eng. Paulo J. Brugger Aluno: Gilberto dos Santos Giuzio São José dos Campos/SP, 01 de Novembro de 2011

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA Ana Patrícia Nunes Bandeira 1 José Robson de Lima Feitosa 2 1. Introdução/Desenvolvimento Entende-se por barragem qualquer

Leia mais

1.0 INTRODUÇÃO 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA

1.0 INTRODUÇÃO 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA FL 1 de 17 SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO... 2 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA... 2 2.1 SERVIÇOS EXECUTADOS... 2 2.2 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS... 3 2.3 NORMAS ADOTADAS... 4 2.4 METODOLOGIA... 5 2.5 RESUMO DOS RESULTADOS

Leia mais

Mecânica dos Solos. FSP Avaré Prof. Fabio Tonin

Mecânica dos Solos. FSP Avaré Prof. Fabio Tonin Mecânica dos Solos FSP Avaré Prof. Fabio Tonin Mecânica dos Solos REVISÃO: CONCEITOS DE SOLOS solo Palavra oriunda do latim solum Na língua portuguesa, terreno sobre que se constrói ou se anda; chão, pavimento.

Leia mais

II E X E R C Í C I O S E S T A D O D O S O L O

II E X E R C Í C I O S E S T A D O D O S O L O Exercícios de Geotecnia I - página 1 II E X E R C Í C I O E T A D O D O O L O Exercícios resolvidos: 2.1) As leituras para a determinação da massa específica dos sólidos para um solo arenoso são apresentadas

Leia mais

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Plasticidade e Consistência dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Os solos finos (silte e argila), não são caracterizados adequadamente pelo ensaio de granulometria. Necessita-se outros parâmetros:

Leia mais

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5.

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos Prof. Caio Rubens Estado das Areias - Compacidade O estado em que se encontra uma areia

Leia mais

Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade

Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade 28/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Caracterização Táctil Visual 2 Amplamente utilizado; Engenharia civil;

Leia mais

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Laboratório HEroS Hidrologia, Erosão e Sedimentos Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Aula de Campo Medição de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Estados de consistência Limites de consistência

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Enaio ágina 1 de 8 RESUMO Ete documento, que é uma norma técnica, etabelece um método para determinar a correlação entre o teor de umidade e a maa epecífica aparente do olo eco, quando a fração

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO -

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - PROF. SILVRANO ADONIAS DANTAS NETO, DOUTOR EM GEOTECNIA INTRODUÇÃO:

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Enaio Página 1 de 5 RESUMO Ete documento, que é uma norma técnica, apreenta o procedimento para determinação da maa epecífica aparente do olo, in itu, com emprego. Precreve a aparelagem, calibração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 03 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I Aula 03 Granulometria dos solos Augusto Romanini Sinop - MT 2017/1

Leia mais

Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães

Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães M E C Â N I CA DO S S O L O S Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães arielali@gmail.com A IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO A diversidade e a enorme diferença de comportamento apresentada pelos diversos

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GEOTECNIA MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 Gustavo Lima Marina Quirino Marlon Xavier Olívia Ianhez 13/03/2008

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 358 ENTECA 2003 ESTUDO TEÓRICO EXPERIMENTAL: INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO PORTLAND NA ESTABILIZAÇÃO DE SOLO LATERÍTICO DO NOROESTE DO PARANÁ Juliana Azoia Lukiantchuki, Antonio Belincanta, Maria Tereza

Leia mais

Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO. Maio de 2012

Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO. Maio de 2012 Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO Maio de 2012 Compactação no campo O grau de compactação é função de vários fatores, entre eles: 1 - Espessura das camadas 2 - Área sobre a qual é aplicada a

Leia mais

4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA

4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA Capítulo 4 Caracterização Geotécnica e neralógica 4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA 4.1 Considerações Iniciais Para o desenvolvimento do trabalho proposto foram realizados ensaios de caracterização

Leia mais

Obras de Aterro. Cap. 3 EM OBRA. Obras de Aterro

Obras de Aterro. Cap. 3 EM OBRA. Obras de Aterro Cap. 3 EM OBRA 1 Aspectos a abordar 1. Execução caracterização dos materiais escolha do equipamento aterros experimentais 2. Controlo da execução escolha das propriedades a medir e medição in situ dessas

Leia mais

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA 26/02/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 2ª Parte Dia Mês Aula Programação 12 - CARNAVAL Compactação de solos:

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Plasticidade, estados de consistência e limites de consistência Conteúdo da parte 6 1 Plasticidade 2 Estados de consistência

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS Felipe Cordeiro de Lima Ricardo Almeida de Melo ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Caracterização e Estado dos solos Prof. Caio Rubens Caracterização dos solos 2) Índices de Consistência (Limites de Atterberg) Somente a distribuição granulométrica

Leia mais

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS TIPOS DE TIJOLOS PARA ALVENARIA 1 - Tijolos maciços cerâmicos 2 - Tijolos de solo cimento 1 - TIJOLOS MACIÇOS Definições Componente industrializado

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 0 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A05 ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS Fabio de Oliveira

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Solo determinação do fatore de contração Método de Enaio Página 1 de 5 RESUMO Ete documento, que é uma norma técnica, apreenta o procedimento para a determinação de fatore de contração de olo, deignado

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 1 1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 Definições: Índice de forma do agregado: Média da relação entre o comprimento e a espessura dos grãos do agregado, ponderada

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM Objetivo Geral do Planejamento das Obras 1) Considerando que os serviços de dragagem, normalmente, exigem não só elevados custos em sua execução, mas ainda, uma técnica

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MASSA VOLÚMICA DE UM SÓLIDO

DETERMINAÇÃO DA MASSA VOLÚMICA DE UM SÓLIDO Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Ciências Físico-Químicas 2009/2010 DETERMINAÇÃO DA MASSA VOLÚMICA DE UM SÓLIDO Trabalho realizado por: Ano: Nº T: Índice Introdução 3 Objectivos.4 Material/

Leia mais

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO Márcia Ikarugi B. de Souza (1); Antonio Anderson S. Segantini (2); João Paulo Nobre da Silva

Leia mais

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS 1.Introdução A compactação é um método de estabilização de solos que se dá por aplicação de alguma forma de energia (impacto, vibração, compressão estática ou dinâmica).

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

COMPACTAÇÃO. ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação. Prof. Dr. Rita Moura Fortes

COMPACTAÇÃO. ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação. Prof. Dr. Rita Moura Fortes COMPACTAÇÃO ABNT NBR 7182:1986 Versão Corrigida:1988 Solo - Ensaio de compactação Prof. Dr. Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br r s Massa sec a Volume Ms V M w w 1 100 V r s (g/cm 3 ) r s (g/

Leia mais

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima (

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima ( INTRODUÇÃO O ensaio CBR (Califórnia Bearing Ratio), tem como objetivo fornecer o índice de resistência do solo compactado. Com a obtenção deste parâmetro, podemos verificar se o solo em estudo tem propriedades

Leia mais

REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO

REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO Bismak Oliveira de Queiroz Graduando em Engenharia civil pela Universidade Federal da

Leia mais

Composição dos Solos

Composição dos Solos Composição dos Solos Composição do Solo Fragmentos de rocha Minerais primários Minerais secundários: Argilo-minerias Silicatos não cristalinos Óid Óxidos e hidróxidos hidóid de ferro e alumínio íi Carbonatos

Leia mais

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS 2 DOS S Cap. 3 Braja (Fundamentos da Engenharia Geotécnica) Ronaldo L. S. IZZO, D.Sc. izzo@utfpr.edu.br Cap. 2 Carlos de Souza Pinto (Curso Básico de Mecânica dos Solos) http://paginapessoal.utfpr.edu.br/izzo

Leia mais

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE Melhoramento dos Solos com a Adição de Cal Análise dos Resultados Obtidos 6.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo são apresentados e analisados os resultados obtidos nos ensaios destinados a avaliar os efeitos da

Leia mais

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos 4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos O presente capítulo apresenta tanto os procedimentos experimentais empregados para a realização dos ensaios de caracterização geotécnica dos materiais

Leia mais

Dosagem para concreto

Dosagem para concreto em Edificações Dosagem para concreto INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campos do Jordão Prof. Dr. 1. Introdução DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado

4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado 4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado Este capítulo abordará as atividades de investigação que foram conduzidas no intuito de obtenção da amostra de solo contaminado que foi empregada na avaliação

Leia mais

Solo-betume UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-betume UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-betume Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN

ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN 1º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense SICT-Sul ISSN 2175-5302 ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN Ingrid

Leia mais

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury

TECNOLOGIA DO BETÃO. Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury TECNOLOGIA DO BETÃO Exemplo de cálculo duma composição pelo método de Faury Dados: Análise granulométrica dos inertes (quadro 1); Massa Volúmica das britas, 2660 Kg/m Massa Volúmica das areias, 26 Kg/m

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Solos ensaio de compactação utilizando amostras trabalhadas

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Solos ensaio de compactação utilizando amostras trabalhadas Método de Enaio ágina 1 de 7 RESUMO Ete documento, que é uma norma técnica, etabelece um método para determinar a correlação entre o teor de umidade e a maa epecífica do olo eco, quando a fração do olo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b) OBS. As notas de aulas de Mecânica dos Solos I parte 4 foram divididas em duas partes, em parte 4a e parte 4b. Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Estrutura

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída).

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída). -Amostragem -Preparação das amostras -Composição granulométrica -Limites de consistência -Classificação -Compactação 1 Amostragem -Amostras remexidas Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem

Leia mais

UHE TUCURUÍ - ETAPA DE EXPANSÃO CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE TERRA E ENROCAMENTO

UHE TUCURUÍ - ETAPA DE EXPANSÃO CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE TERRA E ENROCAMENTO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 3 A 7 DE JUNHO DE 27 T A8 UHE TUCURUÍ - ETAPA DE EXPANSÃO CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE TERRA E ENROCAMENTO Fabio

Leia mais

ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO

ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO Millena Vasconcelos Silva Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Tallyta da Silva Curado

Leia mais

Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo

Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo Aula de Laboratório de Materiais de Construção Civil Professora: Larissa Camporez Araújo De acordo com a NBR 12655, o responsável pelo recebimento do concreto é o proprietário da obra ou o responsável

Leia mais

DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA A) INTRODUÇÃO: A presente especificação tem como objetivo o direcionamento e auxílio do projetista na escolha da solução mais adequada no dimensionamento

Leia mais

LABORATÓRIO CENTRAL DER/PR MONITORAMENTO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE MATERIAIS ASFÁLTICOS CORP / COPPA - SAM 2009/2010

LABORATÓRIO CENTRAL DER/PR MONITORAMENTO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE MATERIAIS ASFÁLTICOS CORP / COPPA - SAM 2009/2010 LABORATÓRIO CENTRAL DER/PR MONITORAMENTO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE MATERIAIS ASFÁLTICOS CORP / COPPA - SAM 2009/2010 LABORATÓRIO CENTRAL DER/PR ATA DE REUNIÃO 13/02/2009 / DT... por iniciativa e determinação

Leia mais

Exercícios para resolução fora do âmbito das aulas teórico-práticas - n os 9 e 10

Exercícios para resolução fora do âmbito das aulas teórico-práticas - n os 9 e 10 Licenciatura em Engenharia Civil 4º Ano 1º Semetre MECÂNICA DOS SOLOS 1 Ano lectivo 2002/2003 FOLHA DE EXERCÍCIOS Nº 2 Caracterítica Fíica do Solo Exercício para reolução fora do âmbito da aula teórico-prática

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

Granulometria do Solo

Granulometria do Solo LSO 310- Física do Solo Definição de solo GRANULOMETRIA E TEXTURA DO SOLO Conjunto de corpos naturais composto de uma mistura variável de minerais intemperizados ou não e de matéria orgânica que cobre

Leia mais

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique características geotécnicas comuns de um determinado grupo de solos a partir de ensaios

Leia mais

AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO

AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO 1 FUNDAMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO - Reconhecimento do subsolo: projeto seguro, econômico e viável; - Solos ou rochas como materiais

Leia mais

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS 7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS Na tentativa de melhor identificar os materiais de alteração de rocha, como rocha alterada ou solo residual, realizou-se a imersão das mesmas em água,

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I Apresentação da Disciplina MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 1 O CURSO Aborda e discute temas relacionados à caracterização de propriedades e aplicação de materiais

Leia mais