A PROTECÇÃO SOCIAL NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROTECÇÃO SOCIAL NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE."

Transcrição

1 A PROTECÇÃO SOCIAL NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE. 1. AS POLÍTICAS DE SEGURANÇA SOCIAL SÃO OBJECTO DE CONSTANTES DEBATES, NÃO APENAS DE ESPECIALISTAS DE GRANDES ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS DE CARIZ ECONÓMICO-SOCIAL MAS TAMBÉM DE GOVERNANTES E PESSOAS QUE SE INTERESSAM PELO DESENVOLVIMENTO HUMANO EQUILIBRADO E SUSTENTADO. 2. A PROTECÇÃO SOCIAL EM S.TOMÉ E PRÍNCIPE, QUE SE ENCONTRA CONSUBSTANCIADA NA LEI DE SEGURANÇA SOCIAL, LEI N.º 1/90, DE 8 DE MAIO, AINDA EM VIGOR, SEGUE O ESPÍRITO E A LETRA DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DE 1948, DA QUAL A CONSTITUIÇÃO POLÍTICA DO PAÍS TIROU ILAÇÕES, PLASMANDO QUE O DIREITO A PROTECÇÃO SOCIAL É UM DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS. 3. IMPORTA LEMBRAR QUE O SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL DE STP,FOI CRIADO EM 1979, ATRAVÉS DA LEI 2/79, DE 5 DE JULHO. ESTA LEI ENTROU EM VIGOR EM 1 DE SETEMBRO DO MESMO ANO, CONSTITUINDO O PRIMEIRO PASSO PARA O ESTABELECIMENTO NO PAÍS DE UMA SEGURANÇA SOCIAL, CAPAZ DE COBRIR RISCOS SOCIAIS E PROFISSIONAIS DOS TRABALHADORES ASSALARIADOS E DE PROPORCIONAR A PROTECÇÃO SOCIAL INDESPENSÁVEL A POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE MAIS DESFAVORECIDA. NÃO OBSTANTE O SEU CARÁCTER LIMITADO DAS PRESTAÇÕES E A SUA COBERTURA, VISTO QUE SÓ ABRANGIA NAQUELA ALTURA O REGIME DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, A MESMA LEI FOI REVISTA PELA LEI 1/90, DE 8 DE MAIO, QUE VEIO ALARGAR O ÂMBITO PESSOAL DO SISTEMA REESTRUTURADO, CRIANDO TRÊS REGIMES, A SABER: a) A ACÇÃO SOCIAL: COMPLETAMENTE FINANCIADO PELO ESTADO E TEM POR OBJECTIVO ABRANGER TODAS AS PESSOAS FORA DO REGIME DE PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIO EM SITUAÇÃO DE RISCO. b) O REGIME DE TRABALHADORES POR CONTA OUTREM, DE VÍNCULO OBRIGATÓRIO. 1

2 c) O REGIME VOLUNTÁRIO, DE ADESÃO FACULTATIVA QUE TEM POR OBJECTIVO REFORÇAR A COBERTURA DOS BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS PELO REGIME DE PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA. 4. O REGIME OBRIGATÓRIO, O DE TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, O QUAL PRESSUPÕE A SOLIDARIEDADE DE GRUPO, TEM CARÁCTER COMUTATIVO E ASSENTA NUMA LÓGICA DE SEGURO, SENDO FINANCIADO ATRAVÉS DE CONTRIBUIÇÕES DOS TRABALHADORES E DAS ENTIDADES EMPREGADORAS. ESTE DESTINA-SE AOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM E SUAS FAMÍLIAS E TENDE A PROTEGÊ-LOS, DE ACORDO COM O DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL, NAS SITUAÇÕES DE DOENÇAS, MATERNIDADE, ACIDENTE DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS, INVALIDEZ, VELHICE E MORTE. 5. SÃO ABRANGIDOS POR ESTE REGIME OS TRABALHADORES NACIONAIS QUE EXERÇAM ACTIVIDADES EM MISSÕES DIPLOMÁTICAS, OS ADMINISTRADORES, GERENTES DE SOCIEDADES, SÓCIOS DE EMPRESAS, OS APRENDIZES E ESTAGIÁRIOS, DESDE QUE RECEBAM CONTRAPARTIDA DOS SEUS SERVIÇOS. 6. É DE REALÇAR QUE A LEI 1/90, DE 8 DE MAIO, NÃO PROTEGE UM GRUPO DE PESSOAS, QUE PELAS SITUAÇÕES EM QUE SE ENCONTRAM NÃO TÊM VINCULO OBRIGATÓRIO COM A SEGURANÇA SOCIAL, RELEGANDO A SUA CONDIÇÃO FUTURA A EVENTUAL ACÇÃO SOCIAL. 7. TRATAM-SE DE TRABALHADORES INDEPENDENTES E DOS NÃO ABRANGIDOS POR OUTROS REGIMES DE PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA. 8. DAÍ SURGIU A NECESSIDADE DA ELABORAÇÃO E ADOPÇÃO DA LEI 7/2004, LEI DE ENQUADRAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL, QUE ALÉM DE ALARGAR O ÂMBITO PESSOAL DA 2

3 PROTECÇÃO, ELEVA TAMBÉM O SEU ÂMBITO MATERIAL, EM RELAÇÃO A LEI 1/ OBJECTIVOS A PROTECÇÃO SOCIAL VISA: A) ATENUAR OS EFEITOS DA REDUÇÃO DOS RENDIMENTOS DOS TRABALHADORES NAS SITUAÇÕES DE FALTA OU DIMINUIÇÃO DA CAPACIDADE DE TRABALHO, NA MATERNIDADE, NA VELHICE E GARANTE A SOBREVIVÊNCIA DOS SEUS FAMILIARES, EM CASO DE MORTE; B) PRETENDE AINDA COMPENSAR, PELO MENOS PARCIALMENTE, O AUMENTO DOS ENCARGOS INERENTES A SITUAÇÕES FAMILIARES DE ESPECIAL FRAGILIDADE OU DEPENDÊNCIA; C) A PROTECÇÃO SOCIAL PROCURA TAMBÉM ASSEGURAR MEIOS DE SUBSISTÊNCIA À POPULAÇÃO RESIDENTE CARENCIADA E SUA INSERÇÃO NA COMUNIDADE, NA MEDIDA DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DO PAÍS. 10. O DISPOSITIVO PERMANENTE DA PROTECÇÃO SOCIAL É CONSTITUÍDO POR: A) PROTECÇÃO SOCIAL DA CIDADANIA; B) PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA (REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES E REGIME DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM): C) PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR; 11. DESTACA-SE A PROTECÇÃO SOCIAL DA CIDADANIA, CUJOS OBJECTIVOS E FUNDAMENTOS SÃO OS SEGUINTES: A) SOLIDARIEDADE NACIONAL, REFLECTE CARACTERÍSTICAS DISTRIBUTIVAS E É ESSENCIALMENTE FINANCIADA ATRAVÉS DO IMPOSTO. B) O BEM-ESTAR DAS PESSOAS, DAS FAMÍLIAS E DA COMUNIDADE, ATRAVÉS DA PROMOÇÃO SOCIAL E DO 3

4 DESENVOLVIMENTO REGIONAL, REDUZINDO PROGRESSIVAMENTE AS DESIGUALDADES SOCIAIS E ASSIMETRIAS REGIONAIS. C) PREVENIR SITUAÇÕES DE CARÊNCIA, DE DISFUNÇÃO E DE MARGINALIZAÇÃO, ORGANIZANDO, COM OS PRÓPRIOS DESTINATÁRIOS, ACÇÕES DE PROTECÇÃO ESPECIAL A GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS. D) DESENVOLVIMENTO DE ACÇÕES DE ASSISTÊNCIA A PESSOAS E FAMÍLIAS EM SITUAÇÕES ESPECIALMENTE GRAVES, QUER PELA SUA IMPREVISIBILIDADE OU DIMENSÃO, QUER PELA IMPOSSIBILIDADE TOTAL DE RECUPERAÇÃO OU DE PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DOS DESTINATÁRIOS. 12. DO ÂMBITO PESSOAL, A PROTECÇÃO SOCIAL VISA: A) AS PESSOAS OU FAMILIARES EM SITUAÇÃO GRAVE DE POBREZA; B) AS MULHERES EM SITUAÇÃO DESFAVORECIDA; C) AS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS OU EM SITUAÇÃO DE RISCO; D) OS IDOSOS EM SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA FÍSICA OU ECONÓMICA E DE ISOLAMENTO; E) AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, EM SITUAÇÃO DE RISCO OU DE EXCLUSÃO SOCIAL; F) OS DESEMPREGADOS EM SITUAÇÃO DE MARGINALIZAÇÃO. 13. CONSTRANGIMENTOS A) SEM DÚVIDA, AS PERGUNTAS ACTUAIS SOBRE OS OBJECTIVOS E CONQUISTAS DA PROTECÇÃO SOCIAL MERECEM RESPOSTA PARCIAIS, POIS, B) NAS REFORMULAÇÕES DOS PROGRAMAS E DA REAVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS OCORRIDAS NO NOSSO PAÍS, A SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA CRESCE NA MEDIDA EM QUE DIMINUI A CONFIANÇA NA EFICÁCIA DAS ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA A POBREZA E INJUSTIÇA SOCIAL; C) O EXCESSO DE INFORMALISMO NA ECONOMIA, ALIADO AOS PROGRAMAS DE REFORMA FUNDIÁRIA QUE PROVOCARAM O 4

5 DESMANTELAMENTO DAS ANTIGAS EMPRESAS AGRÍCOLAS DO ESTADO E O ÊXODO RURAL, LEVARAM A UMA TAL SITUAÇÃO QUE O NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS INSCRITOS REDUZIU EM 2/3, TENDO PASSADO DE EM 1981 PARA CERCA DE 7000 EM ACTUALMENTE RONDA 8814 INSCRITOS; D) O RÁCIO BENEFICIÁRIOS ACTIVOS/ PENSIONISTAS É DE 1,75 O QUE É DEVERAS PREOCUPANTE, PELO QUE MEDIDAS DEVERÃO SER TOMADAS PARA INVERTER ESTA SITUAÇÃO QUE PÕE EM SÉRIAS DIFICULDADES AO SISTEMA, NO QUE TANGE A SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA; E) POR OUTRO LADO, TEM-SE VERIFICADO UM ACENTUADO AUMENTO DA INCIDÊNCIA DA POBREZA, ATINGINDO NESTE MOMENTO MAIS DE 50% DA POPULAÇÃO, SOBRETUDO A FEMININA. ISTO PÕE UM SÉRIO DESAFIO AO SISTEMA, SOBRETUDO NO SEU PRIMEIRO NÍVEL, QUE DEVERÁ ASSUMIR UM PAPEL PREVENTIVO AO INVÉS DO QUE SE TEM VERIFICADO ATÉ ESTE MOMENTO. 14. OS MEIOS EXISTENTES, SÃO DESDE LOGO INSUFICIENTES, DESTINANDO-SE: A) A PROMOVER A AUTO-SUFICIÊNCIA DE CIDADÃOS E FAMÍLIAS E DIRIGEM-SE, NOMEADAMENTE, PARA COMPARTICIPAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS E MEDICAMENTOSOS QUE DEVE SER TOTAL QUANDO SE DESTINA A GRUPOS ESPECIAIS DE RISCO; B) AO DESENVOLVIMENTO DE CENTROS DE RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL DIRIGIDOS AO ATENDIMENTO DE PESSOAS ESPECIALMENTE CARENCIADAS; C) AO ACOMPANHAMENTO DAS CRIANÇAS ÓRFÃS OU DESAMPARADAS, ATRAVÉS DA RECRIAÇÃO DE AMBIENTE FAMILIAR POR RECURSO À ADOPÇÃO, OU EM NÚCLEOS COMUNITÁRIOS OU MESMO EM INSTITUIÇÕES SOCIAIS APROPRIADAS; D) APOIO ÀS FAMÍLIAS (Programa Mãe Carenciada) COM OBJECTIVO DE COMBATER O TRABALHO INFANTIL E 5

6 PROMOVER A FREQUÊNCIA ESCOLAR, NOMEADAMENTE, FACILITANDO A DESLOCAÇÃO À ESCOLA E PARTICIPANDO NOS CUSTOS DE ESCOLARIDADE; E) CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE DIGNIDADE PARA IDOSOS CARENCIADOS, ATRAVÉS DE MECANISMOS QUE PROPORCIONEM CONDIÇÕES MÍNIMAS E RECONHECIMENTO SOCIAL EFECTIVO; F) APOIO À AUTOCONSTRUÇÃO E À CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS OU MELHORIA DAS CONDIÇÕES HABITACIONAIS; G) AJUDA FINANCEIRA A INSTITUIÇÕES PÚBLICAS OU PRIVADAS, NOMEADAMENTE AS ONGS, DE CARIZ SOCIAL, SEM FINS LUCRATIVOS, AGINDO NOS DOMÍNIOS SANITÁRIO E SOCIAL E CUJA ACTIVIDADE SE REVISTA DE INTERESSE PARA A POPULAÇÃO. NO UNIVERSO DE UMA POPULAÇÃO DE CERCA 140 MIL HABITANTES (RECENSEAMENTO DE 2004), ESTÃO INSCRITOS NA PROTECÇÃO SOCIAL 1 144, NO PROGRAMA APOIO A INTEGRAÇÃO SOCIAL, BENEFICIANDO ASSIM DE UMA PROTECÇÃO DE PRIMEIRO NÍVEL, OU SEJA PROTECÇÃO SOCIAL DE CIDADANIA; IGUALMENTE, PESSOAS QUE RECEBEM SUBSÍDIO DITO DESCONHECIDO E RECEBEM SUBSÍDIO NÃO CONTÍNUO. A NÍVEL DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA, ESTÃO INSCRITOS BENEFICIÁRIOS INACTIVOS E BENEFICIÁRIOS ACTIVOS PAGAMOS PRESTAÇÕES IMEDIATAS OU TEMPORÁRIAS E AS PRESTAÇÕES DIFERIDAS OU PERMANENTES, COMO A SEGUIR SE INDICA: PRESTAÇÕES TEMPORÁRIA -DOENÇA: -MAERNIDADE: -ACIDENTE DE TRABALHO: 6

7 PRESTAÇÕES PERMANENTE -PENSÃO DE VELHICE: PENSÃO DE INVALIDEZ: 142 -PENSÃO DE SOBREVIVÊNCIA: O ESTADO RECONHECE, VALORIZA E APOIA A ACÇÃO DESENVOLVIDA POR ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS NA PROSSECUÇÃO DOS OBJECTIVOS DA PROTECÇÃO SOCIAL DE CIDADANIA. NESTA VERTENTE, DESTACAM A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE S.TOMÉ, A CRUZ VERMELHA NACIONAL, A CARITAS E OUTRAS INSTITUIÇÕES E PESSOAS QUE TÊM ENVIDADOS ESFORÇOS ENORMES NA PROTECÇÃO DOS MAIS CARENCIADOS. 7

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 Medidas de Acolhimento para a População Idosa Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 I Feira Social Novos Trilhos para a Participação Social Rede Social de Peso da Régua

Leia mais

Segurança Social e Economia. Palestrante: João de Almeida Neto

Segurança Social e Economia. Palestrante: João de Almeida Neto Segurança Social e Economia Palestrante: João de Almeida Neto Definições Genéricas Segurança Social Segurança Social é um sistema de protecção social propiciada pelo Estado aos cidadãos, mediante medidas

Leia mais

DURAÇÃO: DESTINATÁRIOS: Estágios de 9 meses

DURAÇÃO: DESTINATÁRIOS: Estágios de 9 meses ESTÁGIOS EMPREGO Portaria 204-B/2013, de 18 de junho, alterada pelas: Portaria 375/2013, de 27 de dezembro; Portaria 20-A/2014, de 30 de janeiro; Portaria 149-B/2014, de 24 de julho DURAÇÃO: Estágios de

Leia mais

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À CONTRATAÇÃO A TERMO DE TRABALHADORES MAIS VELHOS E PÚBLICOS ESPECÍFICOS INSTITUTO DA

Leia mais

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita.

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita. Atendendo ao elevado número de questões relacionadas com o código contributivo da segurança social, elencamos alguns esclarecimentos sobre as matérias que mais dúvidas têm suscitado. Porém, a presente

Leia mais

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego Portaria nº 130/2009, de 30 de Janeiro, alterada pela Declaração de Rectificação n.º 13/2009, de 10 de Fevereiro Medidas: 1 Apoio ao emprego em micro e pequenas empresas 2 Apoio à contratação de jovens,

Leia mais

Programa Viseu Solidário. Conteúdo do Plano de Apoio a Pessoas e Famílias 2013

Programa Viseu Solidário. Conteúdo do Plano de Apoio a Pessoas e Famílias 2013 Programa Viseu Solidário Conteúdo do Plano de Apoio a Pessoas e Famílias 2013 Tendo em conta os cortes orçamentais decorrentes das medidas de austeridade existentes no nosso País prevê-se um aumento significativo

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

LICENÇA PARENTAL INICIAL

LICENÇA PARENTAL INICIAL Direitos e Deveres da Parentalidade Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas (art.º 33º do Código do Trabalho (vs. Da Lei n.º 7/2009, de 12/02) e art. 40º do

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 27 de Maio 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não residente Dupla tributação

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Mulher e da Acção Social

República de Moçambique Ministério da Mulher e da Acção Social República de Moçambique Ministério da Mulher e da Acção Social Intervenção de S.Excia a Ministra da Mulher e da Acção Social na Reunião Consultiva Nacional sobre a Protecção social Maputo, 10 de Março

Leia mais

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Iª FEIRA ANUAL DO LIVRO 23 DE FEVEREIRO 2010 1 Estrutura da Apresentação 1. Introdução 2. Quadro Analítico 3. Problemática

Leia mais

Princípios fundamentais. Artigo 1º (República Portuguesa) Artigo 2º (Estado de direito democrático) PARTE I - Direitos e deveres fundamentais TÍTULO I

Princípios fundamentais. Artigo 1º (República Portuguesa) Artigo 2º (Estado de direito democrático) PARTE I - Direitos e deveres fundamentais TÍTULO I CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (de 2 de Abril de 1976) Revista pelas leis Constitucionais n.ºs 1/82, de 30 de Setembro; 1/89, de 8 de Julho; 1/92, de 25 de Novembro; 1/97, de 20 de Setembro, 1/2001,

Leia mais

Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas

Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas Considerando a importância crescente que o sector social deve assumir no âmbito das várias politicas autárquicas, nomeadamente no combate à desertificação

Leia mais

Código Contributivo da Segurança Social

Código Contributivo da Segurança Social da Segurança Social Lei n.º 110/2009 de 16 de Setembro alterada pela Lei n.º 119/2009 de 30 de Dezembro e pela Proposta do Orçamento de Estado para 2011 Objectivos do código 1. Proceder à codificação e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 A promoção da acessibilidade constitui um direito consagrado constitucionalmente, uma vez que é condição

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E TRABALHADOR Noção de TRABALHADOR Pessoa singular que, mediante retribuição, se obriga a prestar serviço a um empregador, incluindo

Leia mais

GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pagamento de Contribuições Entidade Empregadora (2015 v4.05) PROPRIEDADE

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DE 05 DE OUTUBRO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DE 05 DE OUTUBRO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DE 05 DE OUTUBRO DE 1988 TÍTULO I Dos Princípios Fundamentais Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios

Leia mais

3. O Estado apoia as organizações de cidadãos com deficiência.

3. O Estado apoia as organizações de cidadãos com deficiência. A APADIMP tem como missão a promoção/melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual. Contudo o êxito desta intervenção parte e depende da qualidade da cultura organizacional, do

Leia mais

Regulamento da Loja Solidária da Cáritas

Regulamento da Loja Solidária da Cáritas Regulamento da Loja Solidária da Cáritas Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º (Âmbito) O presente Regulamentos estabelece as normas de funcionamento da Loja Solidária da Cáritas Diocesana de Portalegre

Leia mais

Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016

Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016 Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos Beneficiários do sistema previdencial abrangidos pelo regime de: trabalhadores por conta de outrem

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012 Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal Agenda da Reunião Informações Programa de Emergência Social - PES Ano Europeu

Leia mais

ENTIDADE EMPREGADORA. Sem proteção na doença 27% Com proteção na doença 30% Praticantes desportivos profissionais com contrato de trabalho desportivo.

ENTIDADE EMPREGADORA. Sem proteção na doença 27% Com proteção na doença 30% Praticantes desportivos profissionais com contrato de trabalho desportivo. TRABALHADORES POR CONTA DE OUTRÉM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL LEGISLAÇÃO ANTERIOR Regime Regra Trabalhadores em Geral 23,75% 11% 34,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas coletivas

Leia mais

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1.1. Objectivo Geral 1.1.1. Medida Promover a melhoria

Leia mais

7 Acção Social PAÇOS DE VALE DO SOUSA NORTE FERREIRA. a) Número total de pensionistas (censos 2001)

7 Acção Social PAÇOS DE VALE DO SOUSA NORTE FERREIRA. a) Número total de pensionistas (censos 2001) 7 Acção Social PAÇOS DE FERREIRA VALE DO SOUSA NORTE a) Número total de pensionistas (censos 2001) 5 535 35 157 660 107 b) Número de beneficiários segundo o tipo de pensão Anexo (18) c) Número de beneficiários

Leia mais

Código Contributivo Esclarecimentos

Código Contributivo Esclarecimentos Código Contributivo Esclarecimentos Atendendo ao elevado número de questões relacionadas com o Código Contributivo da Segurança Social, elencamos alguns esclarecimentos sobre as matérias que mais dúvidas

Leia mais

REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO 02-02-2009 REDE SOCIAL DA PÓVOA DE LANHOSO - CLAS PVL 1

REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO 02-02-2009 REDE SOCIAL DA PÓVOA DE LANHOSO - CLAS PVL 1 REDE SOCIAL PÓVOA DE LANHOSO PVL 1 Eixos de Intervenção Prioritários Social PDS (07/08) 1. 3.ªIDADE 2. EMPREGO/DESEMPREGO E FORMAÇÃO 3. DEPENDÊNCIAS 4. INFÂNCIA PVL 2 Avaliação do Plano de Acção do PDS

Leia mais

1. INSCRIÇÃO 1. NA SEGURANÇA SOCIAL

1. INSCRIÇÃO 1. NA SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL INTRODUÇÃO De acordo com a Constituição da República Portuguesa a protecção social dos cidadãos é assegurada pelo Sistema de Segurança Social, cuja Lei de Bases (Lei n.º 32/2002 de 20

Leia mais

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA APOSTILA 01 BENEFÍCIOS Prof. Italo Romano Aspectos Constitucionais da Seguridade Social Anotações Iniciais: 1. CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL 1.1. A Seguridade social é um conjunto de princípios, normas

Leia mais

Outras Alterações ao Código do Trabalho

Outras Alterações ao Código do Trabalho Outras Alterações ao Código do Trabalho CLÁUDIA DO CARMO SANTOS de de 2012 ÍNDICE CONTRATO DE TRABALHO DE MUITO CURTA DURAÇÃO COMISSÃO DE SERVIÇO TRABALHO SUPLEMENTAR OBRIGAÇÕES DE COMUNICAÇÃO À ACT RENOVAÇÃO

Leia mais

Observatório Pedagógico. O refluxo das políticas sociais em Portugal: o exemplo do RSI. Carlos Farinha Rodrigues

Observatório Pedagógico. O refluxo das políticas sociais em Portugal: o exemplo do RSI. Carlos Farinha Rodrigues Observatório Pedagógico em Portugal: o exemplo do RSI Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa carlosfr@iseg.utl.pt Principais tópicos: Existe um refluxo das políticas sociais? O

Leia mais

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Redesenho/Reestruturação Orgânica da Política de Assistência Social estão Estabelecidos em 4 Instrumentos Básicos: Política Nacional de

Leia mais

Lei n.º 4/2007 de 16 de Janeiro. Aprova as bases gerais do sistema de segurança social

Lei n.º 4/2007 de 16 de Janeiro. Aprova as bases gerais do sistema de segurança social Lei n.º 4/2007 de 16 de Janeiro Aprova as bases gerais do sistema de segurança social A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE.

Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE. Olhe os autistas nos olhos DIREITOS DE CIDADANIA, DEVER DA FAMÍLIA, DO ESTADO E DA SOCIEDADE. A LEI BRASILEIRA DE PROTEÇÃO AOS AUTISTAS Fruto da luta das famílias pelos direitos dos seus filhos com autismo,

Leia mais

Controle Social no Programa Bolsa Família 1

Controle Social no Programa Bolsa Família 1 Controle Social no Programa Bolsa Família 1 Definição É o acompanhamento efetivo da sociedade civil na gestão do Programa Bolsa Família como contribuição para uma maior transparência das ações do Estado

Leia mais

Fornecimento de Refeições Escolares às crianças do Pré Escolar. Normas de Utilização do Serviço

Fornecimento de Refeições Escolares às crianças do Pré Escolar. Normas de Utilização do Serviço Fornecimento de Refeições Escolares às crianças do Pré Escolar Normas de Utilização do Serviço Considerando a necessidade de adaptar os tempos de permanência das crianças nos estabelecimentos de ensino

Leia mais

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE Manual de GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE PERMANENTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Serviço de Verificação

Leia mais

QUANDO A VIDA. DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

QUANDO A VIDA. DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME QUANDO A VIDA DOS BRASILEIROS MUDA, O BRASIL MUDA TAMBÉM. Saiba como participar dessa mudança. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Esta é Dona Alenita Ferreira da Silva, beneficiária

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS?

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE MENTAL QUE RESPOSTAS? Anabela Costa UMCCI Lisboa, 23 de Abril de 2008 1 Conceitos Básicos Continuidade de Cuidados: A sequencialidade das intervenções

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Taxas Contributivas TAXAS CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL - Trabalhadores

Leia mais

Sustentabilidade de Projectos de. e obstáculos. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Vila Real

Sustentabilidade de Projectos de. e obstáculos. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Vila Real Sustentabilidade de Projectos de Intervenção Social: Oportunidades e obstáculos Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Vila Real Sustentabilidade O conceito surge pela primeira vez em

Leia mais

PROVA DE CONDIÇÃO DE RECURSOS GUIÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P.

PROVA DE CONDIÇÃO DE RECURSOS GUIÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. PROVA DE CONDIÇÃO DE RECURSOS GUIÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. FICHA TÉCNICA TÍTULO Prova de Condições de Recursos Guião PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto da Segurança

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 DECLARAÇÃO SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO COMO CONTRIBUTO PARA A BOA GOVERNAÇÃO

Leia mais

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único e Vigilância Socioassistencial A Vigilância socioassistencial

Leia mais

O direito humano à água

O direito humano à água Seminário: Democratização da política de serviços de saneamento básico por meio de inovações sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios O direito humano à água Francisco Lopes Secretário Executivo

Leia mais

Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado Loures. 7 de Dezembro de 2012

Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado Loures. 7 de Dezembro de 2012 Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado Loures 7 de Dezembro de 2012 O Modelo de Funcionamento do Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado (SAASI) foi aprovado em Fevereiro

Leia mais

Novas aplicações on-line da Segurança Social Direta

Novas aplicações on-line da Segurança Social Direta Novas aplicações on-line da Segurança Social Direta O programa do XXI Governo Constitucional assumiu, entre os seus objetivos essenciais para o relançamento da economia portuguesa e para a criação de emprego,

Leia mais

- CIRCULAR - NOVAS MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: IGUALDADE DE GÉNERO, MOBILIDADE GEOGRÁFICA e REATIVAR

- CIRCULAR - NOVAS MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: IGUALDADE DE GÉNERO, MOBILIDADE GEOGRÁFICA e REATIVAR - CIRCULAR - N.Refª: 28/2015 Data: 23/03/15 ASSUNTO: NOVAS MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: IGUALDADE DE GÉNERO, MOBILIDADE GEOGRÁFICA e REATIVAR Exmos. Senhores, Foram publicadas as Portarias que regulamentam

Leia mais

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O conceito de Trabalho Decente 2.

Leia mais

Educação Infantil: como fazer valer esse direito?

Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Sabemos o que é qualidade em cuidados e educação. Sabemos o que uma bela infância representa. A hora de se justificar já passou, há muito tempo. Agora

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS.

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. Dia Internacional do Idoso 1 de Outubro de 2007 27 de Setembro de 2007 NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. O número de idosos tem aumentado,

Leia mais

Contrastes no Desenvolvimento

Contrastes no Desenvolvimento Contrastes no Desenvolvimento Professor António Ervideira 9º Ano Sumário Crescimento e Desenvolvimento Indicadores de desenvolvimento IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Regiões de desenvolvimento homogéneo

Leia mais

Evolução histórica da Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho

Evolução histórica da Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho Evolução histórica da Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho Docente: Mestre Jorge Pires Discentes: Adriana Martins nº10378 Ana Carapinha nº 10379 Ana Lopes nº 10334 Raquel Pina nº10404 O que é saúde,

Leia mais

Programa de Formação. Código - Designação

Programa de Formação. Código - Designação Programa de Formação Código - Designação (PVDIACD) Prevenção da Violência Doméstica sobre Idosos e Adultos com Capacidade Diminuída Enquadramento Legal Local Centro Social Paroquial do Campo Grande, Campo

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado Acompanhamento Familiar Construção do Meu ponto de Vista acerca do Protocolo e da Tipificação Quais as mudanças percebidas na gestão dos CRAS a partir da

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

Alterações na Segurança Social em 2011

Alterações na Segurança Social em 2011 Alterações na Segurança Social em 2011 Com a entrada em vigor do novo Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, as regras que regulam as obrigações declarativas e contributivas

Leia mais

Aspetos principais Julho 2016

Aspetos principais Julho 2016 Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais Julho 2016 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S Regulamento que estabelece os procedimentos a observar em caso de Acidentes de Trabalho O presente regulamento visa dar cumprimento ao disposto no artigo 5.º do REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA, HIGIENE

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 9/79 19 de Março de 1979 SUMÁRIO: Relativa às bases do ensino particular e cooperativo NÚMERO: 65/79 SÉRIE I PÁGINAS DO DR: 423 a 425 Assembleia da República LEI N.º 9/79

Leia mais

Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro

Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro Disposições gerais... 3 Objectivos... 3 Organizações promotoras...3 Emissão do cartão de identificação do voluntário... 3 Cartão de identificação de voluntário...

Leia mais

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE COMPROMISSO PARA A QUALIDADE O presente documento corresponde à linha de orientação e ao compromisso do Conselho Nacional da Qualidade da (CNQ-OF) para com a Direcção Nacional da, na pessoa do Bastonário.

Leia mais

a) Âmbito objetivo b) Pressupostos de aplicabilidade do regime

a) Âmbito objetivo b) Pressupostos de aplicabilidade do regime Lei n.º 58/2012 de 9 de novembro, que cria um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil A presente lei procede à criação de um regime extraordinário

Leia mais

I Trabalhadores Independentes

I Trabalhadores Independentes I Trabalhadores Independentes II Entidades Contratantes I Trabalhadores Independentes 1. Quem é abrangido pelo regime de segurança social dos trabalhadores independentes Estão abrangidos por este regime:

Leia mais

Quem tem direito a receber o abono pré-natal?

Quem tem direito a receber o abono pré-natal? O que é o abono de família pré-natal? É um apoio em dinheiro, pago mensalmente, às mulheres grávidas que tenham atingido a 13ª semana de gravidez. Quem tem direito a receber o abono pré-natal? As grávidas

Leia mais

Comissões de Segurança nas Indústrias Metalúrgicas e Metalomecânicas

Comissões de Segurança nas Indústrias Metalúrgicas e Metalomecânicas TÍTULO: Comissões de Segurança nas Empresas alguns aspectos práticos AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 126 (Janeiro/Fevereiro de 2000) Fundamentos: É frequente que a gestão e execução da

Leia mais

Apresentação de Resultados 2012. Reunião do GTAE dia 18 de janeiro de 2013

Apresentação de Resultados 2012. Reunião do GTAE dia 18 de janeiro de 2013 Apresentação de Resultados 2012 Criação do Grupo de Trabalho na área do Envelhecimento (GTAE) No dia 13 de abril de 2012, na sessão extraordinária do Conselho Local de Ação Social de Faro, foi proposta

Leia mais

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO APOIO À CONTRATAÇÃO DE JOVENS, DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE DETERMINADOS PÚBLICOS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

Assunto: Pedido de consentimento para realização de um estudo. Exma. Sr.ª Presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo,

Assunto: Pedido de consentimento para realização de um estudo. Exma. Sr.ª Presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, ANEXO I Cristiana Sofia Fernandes Correia A/C: Exma. Sr.ª Presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo Dr.ª Fátima Ramos Assunto: Pedido de consentimento para realização de um estudo Exma. Sr.ª Presidente

Leia mais

A Fiscalização do Estacionamento

A Fiscalização do Estacionamento 2010 A Fiscalização do Estacionamento Miguel Marques dos Santos Índice Enquadramento Legal Âmbito Regras Gerais Resumo Conclusões 2 Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 203/2006, de 27 de Outubro, que aprova

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Faro empreendedor MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO IEFP, I.P. - Centro de Emprego e Formação Profissional de Faro Serviço de Emprego de Faro ESTÍMULO 2013 (Portaria 106/2013) ESTÍMULO 2013 Objetivo Estimular

Leia mais

[Digite aqui] GUIA PARA OS CMDCAS A RESPEITO DA RESOLUÇÃO 164/2014

[Digite aqui] GUIA PARA OS CMDCAS A RESPEITO DA RESOLUÇÃO 164/2014 GUIA PARA OS CMDCAS A RESPEITO DA RESOLUÇÃO 164/2014 O que os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA precisam saber a respeito do Registro da Entidade e a Inscrição dos Programas

Leia mais

Foto: Harald Schistek

Foto: Harald Schistek Foto: Harald Schistek 43 A adolescência é uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos. Caracteriza-se por uma etapa do desenvolvimento

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

CAPITULO 11. A intervenção do Estado na Economia. Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia

CAPITULO 11. A intervenção do Estado na Economia. Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia CAPITULO 11 A intervenção do Estado na Economia Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia Funções e organização do Estado O Estado é a forma que a organização do poder politico

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS PREÂMBULO

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS PREÂMBULO REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS PREÂMBULO Considerando que cada vez mais é imprescindível a participação do município no âmbito da ação social, com vista à progressiva

Leia mais

Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015

Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores Independentes O que é Pessoa singular que exerça

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 (Nº 3.575/2012, NA CASA DE ORIGEM) Altera os arts. 3º, 15 e 71 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

Maximizar os ganhos em saúde da população: os Enfermeiros Especialistas em. Enfermagem de Reabilitação como agentes na obtenção de ganhos em saúde.

Maximizar os ganhos em saúde da população: os Enfermeiros Especialistas em. Enfermagem de Reabilitação como agentes na obtenção de ganhos em saúde. CONTRIBUTOS PARA O PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 Maximizar os ganhos em saúde da população: os Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação como agentes na obtenção de ganhos em saúde. Os

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

PLANO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PLANO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Pág: 1/5 1. Enquadramento A segurança e a saúde são vectores que assumem cada vez maior importância na vivência diária dos trabalhadores das empresas. Indubitavelmente, as condições de segurança mas também

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR SETEMBRO/2013 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS 2ª chamada de aprovados no SISU 2013/01 DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: Dias 01, 04 e 05 de fevereiro de 2013. Horário: 10 horas às 11 horas e das 14horas às 20 horas. Local: Coordenação

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE MATERNIDADE, PATERNIDADE, ADOPÇÃO

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE MATERNIDADE, PATERNIDADE, ADOPÇÃO MATERNIDADE, PATERNIDADE, ADOPÇÃO Guia da Parentalidade Maio de 2009 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL ÍNDICE Pág. PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE O

Leia mais

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014 Regulamento das comparticipações familiares devidas pela utilização dos serviços e equipamentos sociais, com acordo de cooperação Data de divulgação no site - 31 março 2015 Orientações gerais Comparticipações

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social S UMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social... 1 1.1. Seguridade Social... 1 1.1.1. A Saúde... 2 1.1.2. A Assistência Social... 5 1.1.3. A Previdência Social... 10 1.1.3.1. Natureza jurídica

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF)

Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) A educação pré-escolar destina-se a todas as crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso no ensino básico e constitui

Leia mais