GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO. www.mediadordocredito.pt"

Transcrição

1 GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO

2 TÍTULO Guia Prátic Mediadr d Crédit PROPRIEDADE Mediadr d Crédit AUTOR Mediadr d Crédit MORADA Rua d Crucifix n.º 7, 2.º LISBOA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO Junh,

3 ÍNDICE MEDIADOR DO CRÉDITO... 3 MISSÃO... 3 COMPETÊNCIAS... 4 PEDIDO DE MEDIAÇÃO... 6 QUEM PODE SOLICITAR A MEDIAÇÃO?... 6 EM QUE MOMENTO SE PODE SOLICITAR A MEDIAÇÃO?... 6 SOBRE QUE ASSUNTOS PODE RECAIR A MEDIAÇÃO?... 6 COMO SE PODE SOLICITAR A MEDIAÇÃO?... 7 EXISTEM CUSTOS ASSOCIADOS AO PEDIDO DE MEDIAÇÃO?... 7 COMO SE PROCESSA A MEDIAÇÃO?... 7 PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS E INFORMAÇÕES... 9 RESPOSTAS A PERGUNTAS FREQUENTES ANEXOS (A) PROPOSTA DE MINUTA DE CARTA PARA REQUERER A MEDIAÇÃO/INTERVENÇÃO DO MEDIADOR DO CRÉDITO (B) PROPOSTA DE MINUTA DE CARTA A DIRIGIR ÀS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO/SOCIEDADES FINANCEIRAS CONTACTOS

4 MEDIADOR DO CRÉDITO Missã Em finais de 2008, Cnselh da Uniã Eurpeia, cm base numa prpsta da Cmissã, acrdu num Plan de Relançament da Ecnmia Eurpeia (PREE), qual fi dtad de mecanisms para prprcinar, nã só a estabilizaçã ds mercads financeirs, mas também restabeleciment das cndições nrmais de acess a crédit, visand assegurar que as ajudas frnecidas a sistema financeir facilitariam a cncessã de crédit. Em Prtugal, Decret-Lei n.º 144/2009, de 17 de Junh, intrduziu n rdenament jurídic a figura d Mediadr d Crédit, cuja actividade visa a defesa e a prmçã ds direits, garantias e interesses legítims de quaisquer pessas u entidades em relações de crédit, designadamente n dmíni d crédit à habitaçã, cm vista a cntribuir para melhrar acess a crédit junt d sistema financeir. Cm a mediaçã pretende-se fmentar a cmunicaçã entre as partes, n sentid de se cnseguir uma alternativa viável na resluçã de litígis nas relações de crédit, quand se tenham esgtad tdas as hipóteses de entendiment entre s clientes bancáris e as instituições de crédit. Para que acess as serviçs financeirs seja uma realidade acessível a tds s cidadãs é fundamental que haja um esfrç crdenad, quer das instituições financeiras, quer d própri Estad, n sentid de tda a infrmaçã prestada as clientes bancáris ser, pr um lad, esclarecedra e, pr utr lad, mais cmpatível pssível cm nível de cnheciments desses clientes. Para tal desiderat, assume particular relevância a funçã d Mediadr d Crédit cm garante na prmçã da literacia financeira. 3

5 Cmpetências A Mediadr d Crédit cmpete: Cntribuir para a prmçã ds direits, garantias e interesses legítims legalmente prtegids de quaisquer pessas u entidades que sejam parte em relações de crédit; Difundir e fmentar cnheciment das nrmas legais e regulamentares aplicáveis as cntrats de crédit, cntribuind para desenvlviment da literacia financeira nesta área; Clabrar cm Banc de Prtugal n sentid de cntribuir para cumpriment das nrmas legais e cntratuais em matéria de cncessã de crédit; Crdenar a actividade de mediaçã entre clientes bancáris e instituições de crédit para melhrar acess a crédit: O Mediadr d Crédit analisa s pedids de mediaçã apresentads pels clientes bancáris quer sejam pessas singulares u clectivas, em relaçã a tds s tips de crédit, cm crédit à habitaçã u crédits assciads a este, crédit hiptecári cm utras finalidades, crédit a cnsum, crédit pessal u crédit às empresas, sb a frma de cnta crrente u qualquer utra; O Mediadr d Crédit pderá intervir junt das instituições de crédit apenas e smente quand estas já emitiram uma decisã que nã satisfaça as pretensões d cliente bancári, relativamente a determinad prdut u situaçã creditícia (btençã de um nv crédit u reestruturaçã, cnslidaçã u renvaçã de crédits já existentes); As reclamações u s pedids de mediaçã que tiverem pr bject eventual incumpriment de nrmas legais u regulamentares cuja sançã seja da cmpetência d Banc de Prtugal, da Cmissã d Mercad de 4

6 Valres Mbiliáris u d Institut de Segurs de Prtugal estã fra da esfera de actuaçã d Mediadr d Crédit. Ainda assim, se essas reclamações frem enviadas a Mediadr d Crédit, este reencaminhá-lasá para as entidades reguladras cmpetentes. Emitir pareceres u dirigir recmendações sbre quaisquer matérias relacinadas cm a sua actividade; Assinalar deficiências de legislaçã, emitind recmendações para sua alteraçã u revgaçã, u sugestões para elabraçã de nva legislaçã; Acmpanhar glbalmente a actividade de crédit. 5

7 PEDIDO DE MEDIAÇÃO Quem pde slicitar a mediaçã? Pde slicitar mediaçã qualquer cliente bancári (pessa singular u clectiva). Em que mment se pde slicitar a mediaçã? O cliente bancári apenas pde slicitar a mediaçã quand a(s) sua(s) pretensã(ões) relativamente a determinad prdut u situaçã creditícia nã fr(em) atendida(s) pela(s) instituiçã(ões) de crédit. Deste md, cabe a cliente bancári primeir cntact e/u negciaçã cm a instituiçã de crédit. Sbre que assunts pde recair a mediaçã? Obtençã de crédit; Renvaçã de crédit já existente; Reestruturaçã de crédit previamente cncedid; Cnslidaçã de crédits cntraíds. Salienta-se que acnselhament financeir u jurídic ds clientes bancáris n que respeita as assunts acima mencinads nã cnsta das cmpetências d Mediadr d Crédit, pel que esta entidade nã se pderá prnunciar sbre questões dessa natureza. Cnsulte n Anex (A) a Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cnsulte n Anex (B) a Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras. 6

8 Cm se pde slicitar a mediaçã? O cliente bancári deverá enviar seu pedid de mediaçã pr escrit, identificand-se, descrevend a sua pretensã, fundamentand-a e indicand a entidade u entidades visadas. O cliente bancári deverá ainda enviar cópias simples ds dcuments que, de alguma frma, pssam cntribuir para esclareciment da sua pretensã e dcumentaçã pr exempl, carta(s), fax(es) u mensagem(ns) electrónica(s) que cmprve a prévia tentativa de cntact e/u negciaçã cm a instituiçã de crédit visada, bem cm, se fr cas diss, a eventual respsta negativa pr parte desta. O pedid deve ser dirigid a Mediadr d Crédit e enviad pr crrei (Rua d Crucifix, n.º 7, 2.º, Lisba), pr crrei electrónic u pr fax ( ). Existem custs assciads a pedid de mediaçã? Nã. Os pedids de mediaçã sã ttalmente gratuits. Cm se prcessa a mediaçã? O prcess de mediaçã inicia-se cm a apresentaçã d pedid de mediaçã junt d Mediadr d Crédit. Após a recepçã d pedid de mediaçã n qual cliente bancári (que passará a ser designad pr requerente) se identifica, descreve a sua pretensã, s respectivs fundaments e a entidade u entidades visadas sã prmvidas as seguintes diligências: Cnsulte n Anex (A) a Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cnsulte n Anex (B) a Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras. 7

9 N praz máxim de cinc dias úteis, Mediadr d Crédit, após análise preliminar, tendente a avaliar da admissibilidade d pedid, cmunica a requerente a decisã de aceitaçã u de indeferiment liminar d pedid; Em cas de aceitaçã d pedid de mediaçã, prcess é enviad, de imediat, às instituições de crédit visadas pel requerente; As instituições de crédit em causa prcedem à reanálise d pedid frmulad pel requerente e, n praz máxim de cinc dias úteis cntads da data de recepçã d prcess, transmitem a Mediadr d Crédit a sua decisã de cnfirmaçã u revisã da decisã anterir; O Mediadr d Crédit cntacta, de imediat, requerente para infrmar da evluçã d prcess, cas em que: a. O prcess de mediaçã termina, se a instituiçã de crédit aceitar rever a sua decisã e requerente manifestar a sua cncrdância; b. O prcess de mediaçã prssegue em cas cntrári, cncluind-se quand Mediadr d Crédit verifique fundadamente a impssibilidade da prduçã de um acrd entre a instituiçã de crédit e requerente. 8

10 PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS E INFORMAÇÕES O Mediadr d Crédit assume uma imprtante respnsabilidade n dmíni da prmçã da literacia financeira em matéria de crédit, devend para efeit fmentar cnheciment ds direits e deveres ds cidadãs neste dmíni e prestar s esclareciments e infrmações que lhe frem slicitads. Assim, qualquer pessa singular u clectiva pderá entrar em cntact cm Mediadr de Crédit cas pretenda receber algum esclareciment u infrmaçã em matéria de crédit. A sua dúvida deverá ser dirigida a Mediadr d Crédit e enviad pr crrei (Rua d Crucifix, n.º 7, 2.º, Lisba), pr crrei electrónic u pr fax ( ). Pderá ainda aceder a nss site e, n separadr LITERACIA, efectuar dwnlad d dcument intitulad INFORMAÇÃO SOBRE PRODUTOS, INSTITUTOS JURÍDICOS E CONCEITOS RELACIONADOS COM O CRÉDITO que visa elucidar seu leitr sbre alguns terms que, directa u indirectamente, se relacinam cm crédit. 9

11 RESPOSTAS A PERGUNTAS FREQUENTES O Mediadr d Crédit cncede crédit? Nã. A atribuiçã de crédit u utrs apis financeirs nã cnsta das cmpetências atribuídas a Mediadr d Crédit. É pssível slicitar a Mediadr d Crédit a listagem/relaçã das respnsabilidades de crédit pr mim assumidas? Este tip de infrmaçã cnsta de uma base de dads gerida pel Banc de Prtugal: a Central de Respnsabilidades de Crédit (CRC). O Mediadr d Crédit nã tem acess à infrmaçã cnstante da CRC. Prém, tds s beneficiáris de crédit pdem tmar cnheciment da infrmaçã existente a seu respeit na CRC. Para mais infrmações cnsulte Prtal d Cliente Bancári (http://clientebancari.bprtugal.pt). Precis de um crédit para cnslidar utrs crédits. Que dcuments dev enviar a Mediadr d Crédit? O Mediadr d Crédit nã cncede crédit nem utrs apis financeirs. Cntud, cas tente bter crédit para esse efeit numa instituiçã de crédit e veja grada a sua pretensã, deverá remeter a Mediadr d Crédit (pr crrei, fax u crrei electrónic) a sua expsiçã, identificand-se, indicand a instituiçã de crédit em causa e juntand tds s dcuments relevantes. Deverá ainda enviar dcumentaçã que cmprve a prévia tentativa de negciaçã cm a instituiçã de crédit, bem cm, se fr cas diss, a eventual respsta negativa pr parte desta. Tais dads vã permitir a Mediadr d Crédit entrar em cntact cm a instituiçã de crédit cas a mediaçã seja aceite. Cnsulte n Anex (A) a Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cnsulte n Anex (B) a Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras. 10

12 A instituiçã de crédit nã me cncedeu crédit. O que fazer para slicitar a intervençã d Mediadr d Crédit? Deverá remeter (pr crrei, fax u crrei electrónic) a sua expsiçã, identificand-se, indicand a instituiçã de crédit em causa e juntand dcumentaçã que cmprve pedid de financiament que apresentu junt da referida instituiçã de crédit, bem cm a eventual respsta desta. Tais dads vã permitir a Mediadr d Crédit entrar em cntact cm a instituiçã de crédit cas a mediaçã seja aceite. A instituiçã de crédit decidiu reduzir mntante máxim d meu crédit em cnta crrente. Cm requerer a intervençã d Mediadr d Crédit? Deverá remeter (pr crrei, fax u crrei electrónic) a sua expsiçã, identificand-se, indicand a instituiçã de crédit em causa e juntand dcumentaçã que cmprve pedid de manutençã d mntante máxim inicialmente aprvad n cntrat de abertura de crédit em cnta crrente que apresentu junt da referida instituiçã de crédit **, bem cm a eventual respsta desta. Tais dads vã permitir a Mediadr d Crédit entrar em cntact cm a instituiçã de crédit cas a mediaçã seja aceite. Slicitei um empréstim a uma instituiçã de crédit, esta aprvu- mas, entretant, já passu demasiad temp e aquele ainda nã fi cntratad. O que fazer para suscitar a intervençã d Mediadr d Crédit? Deverá remeter (pr crrei, fax u crrei electrónic) a sua expsiçã, identificand-se, indicand a instituiçã de crédit em causa e juntand dcumentaçã que cmprve pedid de financiament que apresentu junt da referida instituiçã de crédit **, bem cm a eventual respsta desta. Tais dads vã permitir a Mediadr d Crédit a entrar em cntact cm a instituiçã de crédit cas a mediaçã seja aceite. Cnsulte n Anex (A) a Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cnsulte n Anex (B) a Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras. 11

13 Tentei renegciar um crédit para reduzir a minha prestaçã mensal mas nã cnsegui. Cm requerer a intervençã d Mediadr d Crédit? Deverá remeter a Mediadr d Crédit (pr crrei, fax u crrei electrónic) a sua expsiçã, identificand-se, indicand a instituiçã de crédit visada e juntand tds s dcuments relevantes. Deverá ainda enviar dcumentaçã que cmprve a prévia tentativa de negciaçã cm a instituiçã de crédit, bem cm, se fr cas diss, a eventual respsta negativa pr parte desta. Tais dads vã permitir a Mediadr d Crédit entrar em cntact cm a instituiçã de crédit cas a mediaçã seja aceite. Estu desempregad. O Mediadr d Crédit pde ajudar-me a slicitar a banc acess à mratória n crédit à habitaçã para desempregads? Nã. 31 de Dezembr de 2010 fi a data limite estipulada para s mutuáris efectuarem s pedids de acess à linha de crédit extrardinária através da qual Estad financiava 50% da prestaçã d crédit à habitaçã própria permanente, desde que mutuári estivesse em situaçã de desempreg há, pel mens, três meses. Sugerims assim, que, em alternativa, tente, junt d seu banc, renegciar/reestruturar as cndições d seu empréstim, de md a diminuir valr da prestaçã. Para tal, pderá, pr exempl, prpr alargament d praz d seu empréstim. Para mais esclareciments n que cncerne à mratória sugerims a cnsulta das FAQ da Direcçã-Geral d Tesur e Finanças sbre a aplicaçã d Decret-Lei n.º 103/2009, de 12 de Mai: t_mratria_mutuaris.pdf). Cnsulte n Anex (A) a Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cnsulte n Anex (B) a Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras. 12

14 Cntraí um crédit cm penhr de activs e existe uma cláusula cntratual que briga à manutençã de uma relaçã garantia/financiament superir a x%, sb pena de spread aumentar. Os activs desvalrizaram e, para manter spread, a instituiçã de crédit exige que seja refrçad valr das aplicações e aumentad em y% a relaçã garantia/financiament. Este cmprtament é legal? A situaçã retratada nã se enquadra nas cmpetências d Mediadr d Crédit. Nã cmpete a esta entidade a resluçã de questões de natureza estritamente cntratual entre as instituições de crédit e s seus clientes, nem a averiguaçã u a sançã da cnduta das instituições de crédit u sciedades financeiras n que respeita a cumpriment da legislaçã. Estu a renegciar meu crédit cm a instituiçã de crédit e esta apresentu-me a seguinte prpsta: ( ). Dev aceitá-la? O acnselhament financeir u jurídic ds clientes bancáris n que respeita à btençã, reestruturaçã u cnslidaçã de crédit nã cnsta das cmpetências d Mediadr d Crédit, pel que esta entidade nã se pderá prnunciar sbre questões desta natureza. Subscrevi uma aplicaçã financeira a 2 ans e, na sua data de venciment, apenas me fi creditad capital e nã s jurs. Cm pde Mediadr d Crédit ajudar? A situaçã retratada nã se enquadra nas cmpetências d Mediadr d Crédit. Acnselhams que cntacte a entidade reguladra cmpetente (Banc de Prtugal, Cmissã d Mercad de Valres Mbiliáris u Institut de Segurs de Prtugal) cnsante a aplicaçã financeira que subscreveu. Sã cbrads hnráris? Nã, nunca sã cbrads hnráris pela intervençã d Mediadr d Crédit. 13

15 ANEXOS (A) Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit (B) Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras 14

16 Ver Nta (2) ) (A) PROPOSTA DE MINUTA DE CARTA PARA REQUERER A MEDIAÇÃO/INTERVENÇÃO DO MEDIADOR DO CRÉDITO (a) (b) A Mediadr d Crédit Data: / / Assunt: Exm. Senhr, Eu, (c), prtadr(a) d _(d) nº, cntribuinte nº, [ (e) ], venh pr este mei dar a cnhecer a seguinte situaçã:. Face a expst, slicitei (f), junt d(a) (g), cnfrme cópia da crrespndência enviada à instituiçã de crédit/sciedade financeira visada que remet em anex (h). Mais infrm que (i). Slicit, assim, a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit. Cm s meus melhres cumpriments, (j) 15

17 (a) Nme d cliente bancári (pessa singular u clectiva); (b) Mrada d cliente bancári (pessa singular u clectiva); (c) Seu nme (cliente bancári singular u representante legal da pessa clectiva); (d) Esclha um ds seguintes: Bilhete de Identidade u Cartã d cidadã. (e) N cas de ser representante legal da pessa clectiva, deverá incluir seguinte: Representante legal da, cm NIPC ; (f) Esclha entre as seguintes pretensões: a cncessã de um crédit n mntante de, destinad a ; aument d crédit nº de para ; a renvaçã d crédit/limite de crédit/cartã de crédit nº ; a reestruturaçã/renegciaçã d crédit nº.. de md que valr da prestaçã mensal crrespnda a aprximadamente.. ; a reestruturaçã/renegciaçã da dívida assciada a cartã de crédit nº.. de md que valr da prestaçã mensal crrespnda a aprximadamente.. ; a cnslidaçã ds crédits nºs..; (Em alternativa, pderá sempre indicar a sua pretensã); (g) Nme da instituiçã de crédit u sciedade financeira; (h) A pedid de mediaçã/intervençã a dirigir a Mediadr d Crédit deve juntar cópia(s) da(s) carta(s), mensagem(ns) electrónica(s) u fax(es) que cmprve(m) a sua prévia tentativa de cntact e/u negciaçã cm a instituiçã de crédit/sciedade financeira visada. Cas ainda nã tenha prcedid a esta prévia tentativa, pderá guiar-se pela Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras cnstante d Anex (B) d Guia Prátic Mediadr d Crédit, na pág. 17. (i) Esclha uma das seguintes hipóteses: Nã btive qualquer respsta pr parte da instituiçã de crédit/sciedade financeira; A minha pretensã nã fi aceite*; * Cas a instituiçã de crédit/sciedade financeira tenha emitid uma respsta pr escrit, deve anexar cópia da mesma a pedid de mediaçã/intervençã a dirigir a Mediadr d Crédit. (j) Assinatura. Ntas: (1) A presente Prpsta de minuta de carta para requerer a mediaçã/intervençã d Mediadr d Crédit é um mer exempl de um pedid de mediaçã/intervençã a dirigir a esta entidade. (2) Cas pretenda reestruturar/renegciar crédits cntraíds junt de várias instituições de crédit/sciedades financeiras, deve repetir segund parágraf tantas vezes quantas as instituições de crédit/sciedades financeiras visadas, de md a que cada um desses parágrafs faça mençã a uma entidade credra distinta. 16

18 (B) PROPOSTA DE MINUTA DE CARTA A DIRIGIR ÀS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO/SOCIEDADES FINANCEIRAS (a) (b) A (c) (d) Data: / / Assunt: Exms. Senhres, Eu, (e), prtadr(a) d _(f) nº, cntribuinte nº, [ (g) ], venh pr este mei dar a cnhecer a minha situaçã:. Face a expst, venh slicitar a V. Exas. _(h). Cm s meus melhres cumpriments, (i) 17

19 (a) Nme d cliente bancári (pessa singular u clectiva); (b) Mrada d cliente bancári (pessa singular u clectiva); (c) Nme da instituiçã de crédit u sciedade financeira a quem pretende dirigir pedid; (d) Mrada da referida instituiçã de crédit u sciedade financeira; (e) Seu nme (cliente bancári singular u representante legal da pessa clectiva); (f) Esclha um ds seguintes: - Bilhete de Identidade; - Cartã d cidadã; (g) N cas de ser representante legal da pessa clectiva, deverá incluir seguinte: - Representante legal da, cm NIPC ; (h) Esclha entre as seguintes pretensões: a cncessã de um crédit n mntante de destinad a.; aument d crédit/limite de crédit nº de para ; a renvaçã d crédit/limite de crédit/cartã de crédit nº ; a reestruturaçã/renegciaçã d crédit nº.. de md a que valr da prestaçã mensal crrespnda a aprximadamente.. ; a reestruturaçã/renegciaçã da dívida assciada a cartã de crédit nº.. de md a que valr da prestaçã mensal crrespnda a aprximadamente.. ; a cnslidaçã ds crédits nºs..; (Em alternativa, pderá sempre indicar a prpsta que pretende apresentar especificamente à instituiçã de credit u sciedade financeira em causa); (i) Assinatura. A presente Prpsta de minuta de carta a dirigir às instituições de crédit/sciedades financeiras é um mer exempl de prévia tentativa de cntact e/u negciaçã d cliente bancári cm as suas entidades credras. Esta prévia tentativa integra cnjunt de elements slicitads pel Mediadr d Crédit para trnar pssível a sua intervençã. Cas cliente bancári ainda nã tenha prcedid a esta tentativa, pderá guiar-se pela presente prpsta de minuta para fazer. 18

20 CONTACTOS Mrada: Rua d Crucifix, n.º 7, 2.º, Lisba Site: Endereç de crrei electrónic: Telefne: Fax:

21

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

NOTA DE INFORMAÇÃO PRÉVIA VICTORIA CARTÃO DE SAÚDE

NOTA DE INFORMAÇÃO PRÉVIA VICTORIA CARTÃO DE SAÚDE QUAL A IMPORTÂNCIA DE TER UM CARTÃO DE Vivems temps de incerteza e austeridade financeira, que tem frçad Serviç Nacinal de Saúde a reduzir substancialmente as cmparticipações cm despesas de saúde e a aumentar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução Âmbit d Dcument Mdel de Cmunicaçã Platafrma de Dads de Saúde - Prtal d Prfissinal Revisã 1 O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Platafrma de Dads da Saúde

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

Instruções auxiliares de preenchimento

Instruções auxiliares de preenchimento Instruções auxiliares de preenchiment Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm; Seleccine a pçã Preenchiment e envi n-line ; Recmenda-se

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA Prgrama de Blsas de Estuds d GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA O Prgrama de Blsas de Estuds faz parte da Plítica Scial d Ganep e se faz essencial para realizaçã da sua missã, a qual é Prmver cm excelência ações

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais Gvernaçã Crprativa e Mercad de Capitais A Realidade Anglana Luanda, 4 de Dezembr de 2014 Cnferência da ABANC Assciaçã Anglana de Bancs Gvernaçã Crprativa A Realidade Anglana A Gvernaçã Crprativa diz respeit

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Núcle de Intercâmbi e Cperaçã Institucinal EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Seleçã de acadêmics para Intercâmbi n primeir semestre de 2015 d Prgrama de Blsas Iber-Americanas Santander Universidades 2014 A Universidade

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA Prgrama de Blsas de Estuds d GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA O Prgrama de Blsas de Estuds faz parte da Plítica Scial d Ganep e se faz essencial para realizaçã da sua missã, a qual é Prmver cm excelência ações

Leia mais

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC Oferta de Infra-estruturas aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Versã 1.1 08 de Julh de 2015 Índice 1. Intrduçã 3 2. Objet e Âmbit 3 3. Obrigações e respnsabilidades ds Clientes 3

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt.

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt. SIIFSE Manual d Utilizadr QREN Versã 1.0 21 de Dezembr de 2007 SIIFSE - Manual d Utilizadr QREN 1 Acess a SIIFSE 1.1 Hmepage d SIIFSE O acess a Sistema é efectuad através d endereç siifse.igfse.pt. Na

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR?

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Criad em 27.01.2014 Revisad em 19.02.2015 1. COMO SE CADASTRAR JUNTO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Para se cadastrar junt a Cadastr Unificad de Frnecedres d Estad CADFOR/SEGPLAN-GO, a entidade

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra.

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra. GUIA COMPRAR CASA Esclha da Casa 1. Esclha da Zna Esclha a zna gegráfica nde pretende cmprar casa, tend em atençã aspects relacinads cm equipaments sciais existentes, cm cnsultóris médics, hspitais, esclas,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais