Horário dos Docentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Horário dos Docentes"

Transcrição

1 Horário dos Docentes Para os docentes que exerçam cargos ou usufruam de alguma espécie de redução de componente lectiva, é ainda necessário preencher o campo relativo ao Cargos e Outras Situações. Este campo contempla a lista de todos os cargos previstos na legislação assim como as situações que podem implicar uma redução/dispensa da componente lectiva (esta lista é apresentada em tabela anexa). Associado ao Cargo existe o campo N.º de horas do Cargo para que seja indicado o número de horas atribuído a esse cargo. No caso de seleccionar uma das situações previstas na lista, que não seja um cargo, não lhe é solicitado o preenchimento deste campo. (Ex.: Amamentação, Actividade Sindical, etc.) Existe também um campo onde deve indicar o N.º de horas de redução/dispensa da componente lectiva (CL) em cada um dos cargos ou situações que seleccionar da lista. De seguida encontra alguns exemplos de preenchimento destes campos. Nos exemplos são indicados cargos ou situações que implicam redução ou dispensa da CL. Em cada um dos casos são indicados a idade e tempo de serviço do professor, assim como os cargos que lhe são atribuídos, ou a situação que origina dispensa da CL. Quando se trata de um cargo, é indicado o número de horas definidas para o mesmo. Sempre que se verifique uma redução/dispensa da CL esta é também indicada. Em destaque encontra o número Total de horas da Redução/Dispensa da CL a ser indicado no campo Redução da Componente Lectiva. Exemplo 1 Professor do 2.º Ciclo com 30 anos de idade e 8 anos de serviço, com direcção de turma. Direcção de Turma o n.º de horas de redução da CL corresponde na totalidade às horas atribuídas ao cargo. Redução da Componente Lectiva 2 horas. Exemplo 2 Professor do 2.º Ciclo com 50 anos de idade e 15 anos de serviço, com o cargo de Acompanhamento de docentes em profissionalização. Cargos e Outras Situações Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD Acompanhamento de docentes em profissionalização N.º de horas do Cargo

2 Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD redução da CL de 2 horas; Acompanhamento de docentes em profissionalização redução da CL de 2 horas. Redução da Componente Lectiva 4 horas (2h + 2h). Exemplo 3 Professor do 2.º Ciclo com 30 anos de idade e 8 anos de serviço, com o cargo de Presidente da Assembleia de Escola. Presidente da Assembleia de Escola 2 2 Director de Turma o n.º de horas de redução da CL corresponde na totalidade às horas atribuídas ao cargo; Presidente da Assembleia de Escola o n.º de horas atribuídas corresponde na totalidade a redução da CL. Redução da Componente Lectiva 4 horas (2h + 2h). Exemplo 4 Professor do 2.º Ciclo com 55 anos de idade e 20 anos de serviço e com o cargo de Presidente da Assembleia de Escola. Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD - 4 Presidente da Assembleia de Escola 2 2 Director de Turma o n.º de horas de redução da CL corresponde na totalidade às horas atribuídas ao cargo; Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD redução da CL de 4 horas; Presidente da Assembleia de Escola o n.º de horas atribuídas corresponde na totalidade a redução da CL. Redução da Componente Lectiva 8 horas (2h + 4h + 2h).

3 Exemplo 5 Professor do 3.º Ciclo com 60 anos de idade e 25 anos de serviço, com o cargo de Director. Cargos e Outras Situações Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD N.º de horas do Cargo - 6 Director Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD redução da CL de 6 horas; Presidente do Conselho Executivo tem redução total de CL, mas como o professor tem 6 horas de redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD, no campo da Redução/Dispensa da CL constam 16h (22h - 6h = 16h). Redução da Componente Lectiva 22 horas (6h + 16h). Exemplo 6 Professor do Secundário com 55 anos de idade e 20 anos de serviço, com os cargos de Director de Turma e Membro da equipa PTE. Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD - 4 Membro da equipa PTE 3 0 Director de Turma o n.º de horas de redução da CL corresponde na totalidade às horas atribuídas ao cargo; Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD redução da CL de 4 horas; Membro da equipa PTE são-lhe atribuídas 3 horas, que são retiradas à redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD. Assim, a coluna de Redução/Dispensa da CL fica com zero horas; Redução da Componente Lectiva 6 horas (2h + 4h). Exemplo 7 Professor do Secundário com 40 anos de idade e 13 anos de serviço, Actividade Sindical a tempo inteiro. Redução/Dispensa da CL (em Redução da CL ao abrigo do art. 79.º do ECD - 2 Actividade Sindical - 20 Redução da Componente Lectiva 22horas (2h + 20h).

4 Exemplo 8 Professora do 1.º Ciclo do Ensino Básico com 30 anos de idade e 5 anos de serviço em Amamentação. Redução/Dispensa da CL (em Amamentação - 2 Redução da Componente Lectiva 2horas. Notas: A insuficiência lectiva total habitualmente designada por horário zero ou parcial deve ser indicada no campo das horas da componente não lectiva de estabelecimento e não deve ser considerada no campo de Cargos e Outras Situações, Caso detecte a falta de algum cargo ou situação de redução/dispensa da componente lectiva, na lista fornecida no seu programa, contacte o MISI. Em caso de dúvida no preenchimento destes campos, contacte o MISI, que lhe dará todo o apoio necessário.

5 TABELA DE CARGOS E OUTRAS SITUAÇÕES Cod Designação do Cargo 101 Director 102 Subdirector 103 Adjunto do director 104 Assessor técnico-pedagógico da direcção 105 Presidente do Conselho Pedagógico 106 Presidente da Assembleia de Escola 107 Coordenador de departamento 108 Director de instalações 109 Coordenador de estabelecimento de ensino integrado em agrupamento 110 Director de Centro de formação 111 Assessor da direcção do centro de formação 201 Coordenador de Directores de turma 202 Director de turma 203 Coordenador dos Cursos do ensino recorrente 204 Representante (ou Delegado) de Grupo/disciplina 205 Coordenador do Conselho de docentes 206 Orientador da prática pedagógica 207 Acompanhante de docentes em profissionalização 208 Acompanhante de estágio do Ensino Profissional/Profissionalizante 209 Coordenador de ano, ciclo ou curso 210 Director de Curso artístico especializado 211 Director de Curso tecnológico 212 Coordenador de clubes e ou projectos 213 Coordenador Pedagógico de turma do ensino recorrente 214 Docente em exercício no estabelecimento prisional ao abrigo do Despacho conjunto n.º 451/ Coordenador das estruturas de coordenação educativas e supervisão pedagógica (Despacho n.º 19117/2008, art.º 7.º b)) 216 Actividades de apoio educativo ao abrigo do art.º 11.º do Despacho n.º 17860/ Apoio individual a alunos (Despacho n.º 19117/2008, art.º 7.º d)) 301 Equipa de Coordenação das actividades do ensino-aprendizagem dos CEF 302 Coordenador do Centro Novas Oportunidades 303 Mediador de curso EFA

6 304 Director de Cursos Profissionais 305 Director dos CEF 306 Profissional de RVC 401 Responsável por grupo/equipa do desporto escolar 402 Coordenador do desporto escolar 501 Professor bibliotecário 502 Coordenador da equipa da biblioteca escolar 503 Elemento da equipa da biblioteca escolar 504 Coordenador interconcelhio da rede de bibliotecas escolares 601 Membro da Equipa PTE 602 Professor avaliador do desempenho do pessoal docente 603 Coordenador da Educação para a saúde 604 Membro da Equipa de educação para a saúde 701 Membro do Júri Nacional de Exames 702 Dispensa Parcial da CL - Prestação de serviço nos Serviços Centrais ou Regionais do ME 703 Dispensa Parcial da CL - Colaboração nos Programas Nacionais de Formação de Professores 704 Colaboração em Planos Nacionais (Matemática, Leitura,...) 801 Actividade Sindical 802 Amamentação 803 Dispensa (total ou parcial) de CL, por decisão de Junta Médica 804 Docente em profissionalização 805 Mãe ou pai de menores portadores de deficiência ou doença crónica 806 Dispensa Parcial da CL - Associações Nacionais de Professores 807 Dispensa Parcial da CL - Representação do ME na CPCJ 808 Tempo parcial ao abrigo do art.º 85.º do ECD 809 Dispensa Parcial da CL - Exercer funções em entidades exteriores ao ME 810 Dispensa Parcial da CL - Licença sabática a 50% 811 Serviço docente nocturno ao abrigo do art.º 84.º do ECD 812 Dispensa Parcial da CL - Equiparação a bolseiro a 50% 901 Redução da CL ao abrigo do art.º 79.º do ECD

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES Este guia, sob a forma de perguntas e respostas, tem como objectivo esclarecer as questões que frequentemente nos são colocadas, relacionadas

Leia mais

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS DE, FALTAS E LICENÇAS TIPO DE AUSÊNCIA BASE LEGAL PERÍODO Secção I - Pessoal Nomeado Funcionário até aos 39 anos de idade alínea a) do nº 1 do artº 2º e artº 4º do D.L nº 100/99 - na redacção dada pelo

Leia mais

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento Questões emergentes da análise da legislação relativa ao novo modelo de avaliação do desempenho docente decorrente da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, e demais legislação

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS 8h45 9h00-11h00 11h00-12h30 12h30 14h30-16h30 17h00-18h00 18h00 1.º dia Chegada à escola-sede do Agrupamento Sessão de apresentação do Agrupamento pela Direcção e primeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 2.ª série N.º 61 28 de Março de 2011 14519. Hospital de Nossa Senhora da Conceição de Valongo

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 2.ª série N.º 61 28 de Março de 2011 14519. Hospital de Nossa Senhora da Conceição de Valongo Diário da República, 2.ª série N.º 61 28 de Março de 2011 14519 do Secretário de Estado da Administração Pública n.º 1335/2009/SEAP, de 12 de Outubro. 6 Métodos de selecção avaliação curricular, complementada

Leia mais

1º Concurso para Professor Titular. 2007-03-28 (5ª versão)

1º Concurso para Professor Titular. 2007-03-28 (5ª versão) 1º Concurso para Professor Titular 2007-03-28 (5ª versão) Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 15/2007, de 19 de Janeiro, diploma que introduziu alterações ao Estatuto da Carreira dos Educadores de

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

Ilegalidades e abusos nos horários dos Professores e Educadores

Ilegalidades e abusos nos horários dos Professores e Educadores FENPROF FEDERAÇÃO NACIONAL DOS PROFESSORES Ilegalidades e abusos nos horários dos Professores e Educadores A desadequação dos horários de trabalho dos docentes às elevadas exigências que lhes são colocadas

Leia mais

*B08023049E* Data: 07-03-2008

*B08023049E* Data: 07-03-2008 *B08023049E* C I R C U L A R Nº B08023049E Data: 07-03-2008 Serviço de Origem: DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSUNTOS JURÍDICOS E CONTENCIOSO ENVIADA PARA: Inspecção Geral da Educação Direcções Gerais Direcções

Leia mais

Docente e não Docente das Escolas nos Cenários BDAP

Docente e não Docente das Escolas nos Cenários BDAP Esquema de Inserção do Pessoal Docente e não Docente das Escolas nos Cenários BDAP www.bdap.min-financas.pt Versão 1 Janeiro 2005 INDICE 1. DOCENTES VINCULADOS A QUADROS PRIVATIVOS DE ESCOLA 5 1.1. A EXERCER

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 INDÍCE ARTIGO 1º - DEFINIÇÃO DA EQUIPA DO PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO... 3 ARTIGO 2º - COMPETÊNCIAS...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE REGULAMENTO INTERNO. 2012 / 2013 (4ª Revisão)

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE REGULAMENTO INTERNO. 2012 / 2013 (4ª Revisão) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE REGULAMENTO INTERNO 2012 / 2013 (4ª Revisão) Agrupamento de Clara de Resende - RIA 2 ÍNDICE CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO Artigo 1º - Base Legal 04 Artigo 2º - Âmbito de Aplicação

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE REGULAMENTOPARAESTUDANTESCOM ESTATUTI

UNIVERSIDADE DO ALGARVE REGULAMENTOPARAESTUDANTESCOM ESTATUTI 11 UNIVERSIDADE DO ALGARVE REGULAMENTOPARAESTUDANTESCOM ESTATUTI 1. ESTUDANTESBOLSEIROSNACIONAIS DOS PAíSESAFRICANOS DE LíNGUA OFICIAL PORTUGUESAE DETIMOR Estudantes bolseiros com nacionalidade dos PALOP

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Regulamento Interno ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR

Regulamento Interno ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Regulamento Interno ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR 1 ÍNDICE ÍNDICE... 1 NOTAS PRÉVIAS... 2 INTRODUÇÃO... 3 1. Objecto e âmbito do Regulamento Interno... 4 2. Princípios Orientadores... 4 3. Identificação

Leia mais

DESPACHO DESPACHO NORMATIVO

DESPACHO DESPACHO NORMATIVO DESPACHO NORMATIVO O presente despacho visa atualizar e desenvolver os mecanismos de exercício da autonomia pedagógica e organizativa de cada escola e harmonizá-los com os princípios consagrados no regime

Leia mais

Escola Secundária de Arganil

Escola Secundária de Arganil Novembro de 2009 Índice Introdução... 5 Capítulo I... 6 Disposições Gerais... 6 Capítulo II... 7 Comunidade Educativa... 7 S e c ç ã o 1....................................................................................

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE)

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Preâmbulo A universalidade do acesso ao ensino superior, para além de um direito constitucional, constitui igualmente

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 18354 Diário da República, 2.ª série N.º 69 9 de Abril de 2010 os candidatos ao procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego publico por tempo indeterminado, para preenchimento

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

MANUAL do UTILIZADOR

MANUAL do UTILIZADOR Software GPV Gestão de Pessoal e Vencimentos Versão 5 para Windows MANUAL do UTILIZADOR Janeiro de 2008 Para uso exclusivo de utilizadores licenciados do software GPV. J.P.M. & ABREU, Lda. Apartado 2927

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Membro da FENPROF Revisão da Legislação de Quadros e Concursos Decreto-Lei n.º 51/2009 de 27 de Fevereiro de 2009 E. Especial; Pré-escolar; 1º Ciclo; 2º

Leia mais

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11 «CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO 9ª Edição 2010/11 REGULAMENTO PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO "CIÊNCIA NA ESCOLA CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1. A e o Ministério da Educação celebraram

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO INTERNO BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO INTERNO BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO INTERNO BARREIRO NOVEMBRO DE 2009 Índice Glossário de siglas 5 Breve Caracterização Contextual 6 CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO 8 Art.º 1.º Definição 8 Art.º

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

AVISO N.º 1/2015-16. Atividade Nº de ofertas Nº de horas semanais Atividade Física e Desportiva

AVISO N.º 1/2015-16. Atividade Nº de ofertas Nº de horas semanais Atividade Física e Desportiva AVISO N.º 1/2015-16 Recrutamento e contratação de profissionais/técnicos para a dinamização das Atividades de Enriquecimento Curricular, nas escolas do 1.º ciclo do Agrupamento de Escolas André Soares,

Leia mais

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Faculdade de Direito da Universidade do Porto

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Faculdade de Direito da Universidade do Porto Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Faculdade de Direito da Universidade do Porto Nos termos do Regulamento de avaliação de desempenho dos docentes da Universidade do Porto, aprovado

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

IADE-U. Instituto de Arte, Design e Empresa - Universitário REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO

IADE-U. Instituto de Arte, Design e Empresa - Universitário REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO IADE-U Instituto de Arte, Design e Empresa - Universitário REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO REGULAMENTO INTERNO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO De acordo com o art.º 10º, nº

Leia mais

Manual das Condições de Trabalho e da Carreira do Pessoal Docente ÍNDICE

Manual das Condições de Trabalho e da Carreira do Pessoal Docente ÍNDICE Lisboa, 15 de Dezembro de 2005 ÍNDICE CONTACTOS ÚTEIS LISTA DE SIGLAS SUGESTÕES DE CONSULTA INTRODUÇÃO MANUAL (CORPO DE TEXTO) I. CONDIÇÕES DE TRABALHO 1. Duração de Trabalho 1.1. Organização do horário

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

despachos do diretor ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº)

despachos do diretor ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº) despachos do diretor 2012 ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº) 01 / 2012 Calendário de Exames do 3.ª Ano (2.º Semestre) do CMIM Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Melgaço

Agrupamento de Escolas de Melgaço Cod. 345921 ESCOLA E.B. 2, 3/S DE MELGAÇO SEDE DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Direcção Regional de Educação do Norte Agrupamento de Escolas de Melgaço Educação Especial Decreto Lei 3/2008 Decreto

Leia mais

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Maio/Junho 2015 CONCURSO DOCENTES 2015/2016 (Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27/06, na redação conferida pelo Decreto-Lei n.º 83- A/2014, de 23/05, retificado

Leia mais

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA)

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) 1. A Bolsa de Contratação de Escola (BCE) é constituída pelos Agrupamentos de Escolas/Escola Não Agrupada (AE/ENA) TEIP e/ou com Contrato de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE GAMA BARROS. Escola Secundária com 3.º Ciclo de Gama Barros Regulamento Interno

REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE GAMA BARROS. Escola Secundária com 3.º Ciclo de Gama Barros Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE GAMA BARROS Escola Secundária com 3.º Ciclo de Gama Barros Regulamento Interno Alterado e aprovado pelo Conselho Geral em Dezembro de 2010 ÍNDICE

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

para melhorar a escola pública

para melhorar a escola pública Educação 2006 50 Medidas de Política para melhorar a escola pública 9 medidas para qualificar e integrar o 1.º ciclo do ensino básico O documento apresenta o conjunto das medidas e acções lançadas, em

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da

Leia mais

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA Proposta de regulamento da BIBLIOTECA escolar I - CONCEITO A Biblioteca Escolar é um núcleo de organização pedagógica da Escola e deve ser entendida como um centro

Leia mais

Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007

Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007 Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Texto entregue na Provedoria de Justiça a 29 de Maio de 2007 Relativamente ao Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, que regulamenta o primeiro concurso

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

(Parecer do Conselho Pedagógico de 25 de Setembro de 2008 e Aprovação do Conselho Geral Transitório de 4 de Dezembro de 2008)

(Parecer do Conselho Pedagógico de 25 de Setembro de 2008 e Aprovação do Conselho Geral Transitório de 4 de Dezembro de 2008) (Parecer do Conselho Pedagógico de 25 de Setembro de 2008 e Aprovação do Conselho Geral Transitório de 4 de Dezembro de 2008) PREÂMBULO A Escola Secundária Conde de Monsaraz funciona num edifício inaugurado

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813. Regulamento Interno

Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813. Regulamento Interno Escola Secundária de Santa Maria da Feira - 402813 Regulamento Interno ÍNDICE GERAL 1. Introdução 3 2. Denominação e Simbologia 5 3. Princípios Gerais 6 4. Organização Funcional e Administrativa 8 5. Organização

Leia mais

Identificação. Nome: Leonel Pereira de Oliveira. Data de Nascimento: 4 de Julho de 1981. Estado Civil: Casado. Nacionalidade: Portuguesa

Identificação. Nome: Leonel Pereira de Oliveira. Data de Nascimento: 4 de Julho de 1981. Estado Civil: Casado. Nacionalidade: Portuguesa Identificação Nome: Data de Nascimento: 4 de Julho de 1981 Estado Civil: Casado Nacionalidade: Portuguesa Morada: Rua dos Dragoeiros Edifício Villa Brava Nº 46 Bloco A 4º N 9350 215 Ribeira Brava Telemóvel:

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira REGULAMENTO INTERNO

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira REGULAMENTO INTERNO Entrada em vigor e revisão do Regulamento Interno O Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas de Esgueira, aprovado em Reunião do Conselho Geral Transitório realizada a 05 de Abri de 2013, entra em

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da FCT (Formação Prática em Contexto de Trabalho) Cursos de Educação

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

2010/11 EQUIPA PTE, 2010/11

2010/11 EQUIPA PTE, 2010/11 Agrupamento de Escola de Canas de Senhorim PLANO TIC 2010/11 EQUIPA PTE, 2010/11 Capítulo: Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 AGRUPAMENTO... 4 2.1 Escolas do Agrupamento... 4 3 Equipa PTE... 5 3.1 Elementos da

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Direcção de Serviços de Apoio Pedagógico e Organização Escolar Ficha Técnica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL Acta número nove Aos oito dias do mês de Setembro, do ano de dois mil e onze, realizou-se a nona reunião ordinária do Conselho

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

Lei da maternidade e da paternidade

Lei da maternidade e da paternidade Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Lei da maternidade e da paternidade "Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado. Março 2011

Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado. Março 2011 Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado Março 2011 ENQUADRAMENTO 1 FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 2 ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS 3 1 ENQUADRAMENTO Enquadramento 1 Enquadramento Legal Revisão do texto do

Leia mais

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória Legislação da Maternidade e da Paternidade Leis da maternidade e da paternidade (Código do Trabalho e Regulamentação do Código do Trabalho) Consagração do direito que assiste à familia, de protecção da

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores?

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? PERGUNTAS FREQUENTES Sobre Horários Pessoal docente, escolas públicas 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? Sim! A elaboração dos horários dos professores e educadores obedece

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar. no Agrupamento de Escolas de Arganil. Ano letivo 2014/2015.

Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar. no Agrupamento de Escolas de Arganil. Ano letivo 2014/2015. Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar no Agrupamento de Escolas de Arganil Ano letivo 2014/2015 Aviso de abertura Nos termos do n.º 4 do artigo 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27

Leia mais

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º A g r u p a m e n t o Ve r t i c a l d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s 1 Preâmbulo 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos têm vindo a afirmar-se como um instrumento central das políticas

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

PARECER. Importa, por isso, emiti-lo. Nota prévia

PARECER. Importa, por isso, emiti-lo. Nota prévia PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 6/IX - ALTERAÇÃO AO REGIME DE CRIAÇÃO, AUTONOMIA E GESTÃO DAS UNIDADES ORGÂNICAS DO SISTEMA EDUCATIVO REGIONAL, APROVADO PELO DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º

Leia mais

Concurso Externo Extraordinário

Concurso Externo Extraordinário MANUAL DE INSTRUÇÕES Validação da Candidatura Eletrónica Concurso Externo Extraordinário Fevereiro de 2013 V01 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 7 1.1 Aspetos gerais... 7 1.2 Normas importantes para o processo

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais