UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VIVIANE ALVES LISBOA TRATAMENTOS DE ESGOTOS EM PEQUENOS APROVEITAMENTOS URBANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VIVIANE ALVES LISBOA TRATAMENTOS DE ESGOTOS EM PEQUENOS APROVEITAMENTOS URBANOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VIVIANE ALVES LISBOA TRATAMENTOS DE ESGOTOS EM PEQUENOS APROVEITAMENTOS URBANOS SÃO PAULO 2006

2 VIVIANE ALVES LISBOA TRATAMENTOS DE ESGOTOS EM PEQUENOS APROVEITAMENTOS URBANOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. Dr. José Rodolfo Martins SÃO PAULO 2006

3 VIVIANE ALVES LISBOA TRATAMENTOS DE ESGOTOS EM PEQUENOS APROVEITAMENTOS URBANOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho: em: de de Prof. Dr. José Rodolfo Martins Nome do Orientador Prof. Dr. Antonio Eduardo Giansante Nome do professor da banca Comentários:

4 Dedico este trabalho aos meus pais e minhas irmãs.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os professores do curso, testemunhas e responsáveis pela minha formação profissional e crescimento pessoal. No entanto, uma homenagem, em especial, ao Prof. Dr. José Rodolfo Martins, meu orientador, pela paciência, dedicação e as geniais aulas ministradas por ele.

6 RESUMO Este estudo apresenta algumas alternativas para o tratamento de esgotos domiciliares, especificamente os quais são gerados por comunidades localizadas em regiões com pequenos aproveitamentos urbanos. Neste estudo é abordado um exemplo de aplicação de tratamento de esgotos, a Estação de Tratamento de Esgotos do Condomínio Riviera de São Lourenço. Na estação de tratamento em questão, o sistema é facilmente operado, recuperando a qualidade da água servida, na própria comunidade geradora. O processo de tratamento, adotado no exemplo, garante a devolução do efluente ao rio receptor Itapanhaú, isento de poluição, evitando a degradação dos recursos hídricos locais. Palavras Chave: Tratamento de Esgoto Domiciliares

7 ABSTRACT This study presents some alternatives for the treatment of domestic sewage, specifically for communities are far downtown. In this study is boarded the condominium Riviera de Sao Lorenzo s Station Sewage Treatment. This treatment station is easily operated, it is improve water quality. The treatment process is efficient, because the water is returned to the river Itapanhaú as effluent quality, it isn t degradation environment. Key Words: Treatment of domestic sewage

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 5.1 Fluxograma de Tratamento de Esgotos (GIANSANTE, 2004)...21 Ilustração 5.2 Unidades preliminares: grade, caixa de areia e calha Parshall. (CETESB, 1989)...22 Ilustração 5.3 Esquema de uma fossa séptica. (CETESB 1989)...24 Ilustração 5.4 Funcionamento geral de um tanque séptico (NBR 7229/1993)...24 Ilustração 5.5 Sistema de tanque séptico esquema geral (NBR 7229/1993)...27 Ilustração 5.6 Sumidouro sem inclinação. (CETESB 1989)...27 Ilustração 5.7 Vala de Infiltração. (CETESB 1989)...28 Ilustração 5.8 Visão esquemática de valas de filtração. (CETESB 1989)...29 Ilustração 5.9 Esquema transversal de valas de filtração. (CETESB 1989)...29 Ilustração 5.10 Corte longitudinal de valas de filtração. (CETESB 1989)...30 Ilustração 5.11 Corte transversal da vala de filtração. (CETESB 1989)...30 Ilustração 5.12 Corte de filtro anaeróbio. (CETESB 1989)...31 Ilustração 5.13 Filtro anaeróbio. (CETESB 1988 apud NBR 7229)...31 Ilustração 5.14 Estação de tratamento de esgotos sanitários por lagoas de estabilização. (Adaptação sem escala, GIANSANTE, 2004)...36 Ilustração 5.15 ETE por lodos ativados convencional. (GIANSANTE, 2004)...37 Ilustração 6.1 Vista área da Estação de Tratamento de Esgotos...42 Ilustração 6.2 Tubulação de recalque em diferentes diâmetros chegando a ETE..43 Ilustração 6.3 Calha parshall na entrada da ETE...44 Ilustração 6.4 Grade antecedente ao TPA...45 Ilustração 6.5 Caixas de areia...46 Ilustração 6.6 Comportas das caixas de areia...46 Ilustração 6.7 Canaleta de ligação entre as caixas de areia e os floculadores (extravasor)...47 Ilustração 6.8 Preparador automático de polímero...48 Ilustração 6.9 Entrada de acesso aos floculadores...49 Ilustração 6.10 Floculadores de ação rápida e lenta (ao fundo)...49 Ilustração 6.11 Saída dos floculadores...50 Ilustração 6.12 Tanques de sedimentação do TPA...50

9 Ilustração 6.13 Comporta para a saída direta de material floculado para o pulmão biológico...51 Ilustração 6.14 Descarga do material floculado no pulmão biológico...51 Ilustração 6.15 Pulmão Biológico...52 Ilustração 6.16 Lagoa aerada Misturador...54 Ilustração 6.17 Lagoa aerada Placas de captação de energia solar...54 Ilustração 6.18 Lagoa de Maturação (saída do efluente para a remoção de algas)...55 Ilustração 6.19 Remoção de algas...56 Ilustração 6.20 Remoção de algas...57 Ilustração 6.21 Entrada da caixa de contato...57 Ilustração 6.22 Adição de cloro para o processo de desinfecção...58 Ilustração 6.23 Caixa de contato...58 Ilustração 6.24 Caixa de contato...59 Ilustração 6.25 Grade na saída da caixa de contato...59 Ilustração 6.26 Calha parshall e sensor...60 Ilustração 6.27 Aquário do Projeto Aquarius...62

10 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Faixas prováveis de remoção dos poluentes, conforme o tipo de tratamento, consideradas em conjunto com o tanque séptico (em %) 1}, 2}, 3}...40 Tabela 5.2 Algumas características dos processos de tratamento (exclui tanque séptico)...40 Tabela 6.1 Quantidade de funcionários participantes da operação da ETE...62

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT CDHU CETESB CONAMA DAIA DBO DQO EEE ETE GRAPROHAB PROSAB RAP SS SST TPA UASB Associação Brasileira de Normas Técnicas Companhia do Desenvolvimento Habitacional e Urbano Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Conselho Nacional do Meio Ambiente Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental Demanda Bioquímica de Oxigênio Demanda química de oxigênio Estação Elevatória de Esgotos Estação de Tratamento de Esgotos Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo Programa Nacional de Pesquisas em Saneamento Básico Relatório Ambiental Preliminar Sólidos Sedimentáveis Sólidos Suspensos Totais Tratamento Primário Avançado Upflow Anaerobic Sludge Blanket

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE PESQUISA JUSTIFICATIVA TRATAMENTO DE ESGOTO Tipos de Tratamento de Esgotos Fossas Sépticas Lagoas de Estabilização Lodos Ativados Aspectos Legais ETE RIVIERA DE SÃO LOURENÇO Fases do Tratamento dos Esgotos da Riviera de São Lourenço Gradeamento Caixas de Areia Tratamento Primário Avançado TPA Pulmão Biológico Lagoas Aeradas Lagoa de Maturação Remoção de Algas Caixa de Contato Mostradores da eficiência da ETE Laboratório de Controle Ambiental...61

13 6.2.2 Projeto Aquárius Equipe de Operação da ETE CONCLUSÕES...63 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...66 ANEXOS...69 ANEXO A ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO AMBIENTAL PRELIMINAR RAP

14 14 1 INTRODUÇÃO Atualmente, há uma grande concentração de condomínios residenciais localizados em pequenos aproveitamentos urbanos. Esta tendência é resultado da fuga da sociedade do imbróglio metropolitano preferindo residir cada vez mais distante da região central. Nessa concepção, ocupar áreas não urbanas, consiste no ajuntamento de resíduos que ameaçam o ambiente natural, onde a administração pública local, geralmente, não dispõe de infraestrutura adequada para minimizar as agressões geradas pela implantação do empreendimento. Apesar da amplitude de caracterização de um loteamento, em atendimento aos hábitos da população, certamente, qualquer que seja a comunidade residente, resultará em acúmulo de resíduos sólidos e resíduos sanitários. Os resíduos sanitários são conseqüência do consumo de água, ou seja, a quantidade de esgotos gerados será diretamente proporcional ao abastecimento de água tratada. Os esgotos domésticos são provenientes das águas servidas as atividades residenciais, por exemplo, banho, urina, fezes, restos de comida, águas com sabão, águas com detergente etc. A composição física dos esgotos domésticos é de aproximadamente 99,9% de líquido e o restante 0,1% de material sólido. Os usos das águas, o clima, os hábitos e as condições sócio-econômicas locais entre outros fatores interferem diretamente na composição física dos esgotos. Nos esgotos não é difícil encontrar materiais que não resultaram das atividades desenvolvidas por águas servidas, tais como, papéis não biodegradáveis, papelão, pontas de cigarros, preservativos, absorventes femininos entre outros.

15 15 Contudo, fases preliminares ao tratamento dos esgotos devem ser executadas para aproximar ao máximo a proporção 99,9% de líquido para 0,1% de sólido. Apenas os sólidos como proteínas, carboidratos, gorduras, areias, sais e metais são previstos no processo de tratamento de esgotos. Independente de qual seja o tipo de tratamento que os esgotos serão submetidos, é viável instalar uma grade antecedente ao processo, a fim de impedir a passagem dos materiais indesejados. O sistema de esgoto sanitário relaciona a coleta, o transporte e o tratamento. Todo esse processo visa atender os requisitos físicos, químicos e biológicos, de forma que, o retorno do efluente tratado ao Meio Ambiente não cause ônus algum a saúde pública e a vida animal. Apesar dos recursos naturais serem capazes de transformar a água em água potável, as atividades de autodepuração dos rios, lagos e mares não acompanham o crescimento da demanda de água consumida, por apresentarem atuação lenta e sensível. O lançamento dos esgotos domésticos in natura aos rios, lagos e mares é um dos principais fatores de degradação da qualidade da água. Por este motivo, o tratamento dos esgotos sanitários é obrigatório, pois combate os danos causados à saúde e ao meio ambiente. Além disso, a água é um dos recursos naturais mais utilizados pelo homem, por ser de caráter essencial à vida. A disponibilidade de água tratada para uma população influencia diversos aspectos como a prevenção e o controle de doenças, a garantia da qualidade de vida, além de representar um fator importante para o desenvolvimento sócio-econômico da região. Dentre as vantagens em tratar os esgotos ressalta-se a redução do custo ao tratamento de água, evita a degradação ambiental, protegendo a vida vegetal e animal, impede prejuízos ao lazer e ao turismo, pelo mau aspecto, cheiro, presença de lixo e animais transmissores de doenças, e ainda evita a depreciação patrimonial,

16 16 pois os proprietários de áreas a jusante têm direitos legais ao uso da água em seu estado natural. Inúmeros processos para o tratamento de esgotos são capazes de decompor a matéria orgânica existente no resíduo sanitário num menor intervalo de tempo comparado a atuação natural das águas. Os agentes depuradores da matéria orgânica são as bactérias. Na determinação do tipo de tratamento a ser adotado para os esgotos gerados por comunidades de pequeno porte, deve-se considerar várias características locais tais como topografia, área disponível, a classificação das águas do rio que receberá o efluente tratado, a capacidade de autodepuração do rio receptor, junto aos hábitos da população residente. Independente de qual metodologia for adotada para tratar os esgotos, haverá a geração de material residual como, material retido na grade, areia, lodo etc. Todos devem ser dispostos de forma adequada. Por exemplo, o lodo pode ser disposto em aterro sanitário ou utilizado como fertilizante agrícola. A necessidade do emprego de método apropriado é primordial para evitar que durante o transporte dos esgotos o solo e o lençol freático sejam poluídos por vazamentos causados pela tubulação construída por tecnologias inadequadas. No Brasil, basicamente utiliza-se o sistema separador absoluto, ou seja, as instalações para a rede coletora de esgotos são independentes das instalações para a condução das águas pluviais. A separação das águas residuárias das águas de chuva é um fator muito importante para o desenvolvimento adequado da rede coletora de esgotos. O esgoto é encaminhado por gravidade pela variação das profundidades da rede. A rede de esgotos funciona pelo regime de escoamento livre. Quando as águas de chuva são despejadas na rede coletora de esgotos aumentam o fluxo, passando do regime de escoamento livre para o regime forçado, conseqüentemente gerando extravasamentos, refluxos e rompimento da rede.

17 17 Outro grande inimigo das redes de esgotos é o lixo. Responsável pelo entupimento da canalização, impede a passagem do esgoto, fazendo com que os tubos se rompam. A coleta e o tratamento dos esgotos sanitários representam custos bem maiores comparados ao tratamento e o abastecimento de água. A proporção do custo de um sistema de esgoto para um sistema de abastecimento de água é de três a cinco vezes mais. Por esta razão, o serviço de esgotamento sanitário é o que apresenta a menor taxa de atendimento em nível nacional, enquanto os serviços de abastecimento de água, drenagem urbana e coleta de lixo apresentam índices de atendimento bem melhores. Esse é um dos problemas atuais da gestão dos recursos hídricos. Portanto, necessita-se que as técnicas disponíveis para o tratamento de esgotos sanitários gerados por condomínios locados em pequenos aproveitamentos urbanos sejam abordadas explicitamente, a fim de possibilitar subsídios para a escolha da opção viável e oportuna às características locais. A responsabilidade deste tratamento deve ser atribuída à administração condominial, visto que, a incumbência ao proprietário não funciona, e fatalmente os recursos hídricos da bacia serão degradados.

18 18 2 OBJETIVOS O objetivo deste estudo é incentivar a administração condominial de residências a tratar o seu próprio esgoto sanitário. 2.1 Objetivo Geral Fornecer subsídios com a finalidade de orientar a melhor escolha para o tratamento de esgotos gerados por um condomínio, onde a região de localização não disponha de rede coletora de esgotos. Apresentar as vantagens e desvantagens de cada opção e respectivos processos de operação e manutenção. 2.2 Objetivo Específico Estudar detalhadamente todo o processo da Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) do condomínio Riviera de São Lourenço, desde a coleta até a devolução do efluente tratado ao curso do rio Itapanhaú.

19 19 3 MÉTODO DE PESQUISA O método de pesquisa será baseado a consultas em livros, revistas, manuais, artigos, publicações, sites e entrevistas. A princípio, o condomínio eleito para um estudo aprofundado é o condomínio Riviera de São Lourenço. Uma visita será realizada ao condomínio, a fim de ampliar o entendimento da concepção do método tecnológico implantado na estação de tratamento de esgotos.

20 20 4 JUSTIFICATIVA A escassez de água potável é um problema mundial. Um dos principais motivos de degradação da qualidade da água é o lançamento de esgotos domésticos in natura nos corpos d água. A importância do tratamento dos esgotos é indiscutível, porém a maioria dos municípios brasileiros não dispõe desse serviço. A concentração de condomínios residenciais em áreas não urbanas é cada vez mais comum. Nessas regiões a infraestrutura é precária, os recursos públicos são insuficientes para tratar os resíduos gerados pelo crescimento da população regional. Com o intuito de incentivar os condomínios a tratar o próprio esgoto, diretrizes básicas referentes aos diversos tipos de tratamento de efluentes domésticos, serão abordadas englobando implantação, operação e manutenção de cada alternativa, dispondo assim soluções cabíveis de caráter tecnológico adequado para qualquer empreendimento.

21 21 5 TRATAMENTO DE ESGOTO Os processos para o tratamento de esgoto consistem em separar a parte líquida da parte sólida e tratá-las separadamente, reduzindo ao máximo a carga poluidora (matéria orgânica), de forma que a disposição de ambas não cause prejuízos ao meio ambiente. Esta separação é obtida pelo cumprimento de etapas que fraciona o tratamento (Ilustração 5.1), tais como, preliminar (remoção de materiais grosseiros e sedimentação da areia ver Ilustração 5.2), primário (sedimentação da matéria orgânica), secundário (remoção da matéria orgânica) e terciário (elevação do grau de depuração). Ilustração 5.1 Fluxograma de Tratamento de Esgotos (GIANSANTE, 2004)

22 22 Ilustração 5.2 Unidades preliminares: grade, caixa de areia e calha Parshall. (CETESB, 1989) Os principais agentes de tratamentos de esgotos são as bactérias. Elas podem ser aeróbias, anaeróbias ou facultativas, que se reproduzem em grande quantidade. A ação dessas bactérias em condições favoráveis provoca a degradação da matéria orgânica presente nos esgotos. Segundo ÁVILA (2005), a forma mais utilizada para medir a quantidade de matéria orgânica presente no esgoto é através da determinação da Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO). Esta padronização mede a quantidade de oxigênio necessária para estabilizar biologicamente a matéria orgânica presente numa amostra, após um dado tempo (padronizado em 5 dias) e a uma temperatura padrão (20ºC). A determinação da DBO possibilita a caracterização do esgoto quanto ao grau de poluição, conseqüentemente, fornece subsídios para dimensionar as estações de tratamento e avaliar a sua eficiência. De acordo com a CETESB, normalmente a DBO dos esgotos domésticos varia entre 100 e 300 mg/l, de acordo com a condição, e nos tratamentos completos, deseja-se atingir uma redução de DBO até uma faixa de 20 a 30 mg/l.

23 Tipos de Tratamento de Esgotos Há diversas formas e níveis de se tratar os esgotos que dependem da quantidade de matéria orgânica, disponibilidade de área e energia elétrica e classificação das águas do rio receptor juntamente com a sua capacidade de autodepuração. Dentre esta variedade serão apresentadas o processo de tratamento de esgotos sanitários por fossas sépticas, lagoas de estabilização e lodos ativados. Estes processos podem ser associados para alcançar um melhor desempenho do tratamento, viabilizar a implantação e resultar num efluente de melhor qualidade Fossas Sépticas A disposição do esgoto doméstico na fossa séptica é um sistema individual, muito utilizado em locais onde não se dispõe de rede pública de esgotos, primordialmente aplicado ao tratamento de esgoto doméstico. O processo consiste na separação da parte sólida do líquido, onde os sólidos são acumulados passam pela digestão anaeróbia da matéria orgânica. O principal objetivo é clarificar o efluente, conseqüentemente, ser disposto adequadamente. Os sólidos sedimentáveis acumulam-se no fundo da fossa e são digeridos parcialmente pelas bactérias anaeróbias transformando-os em substâncias sólidas que se liquefazem e formam gases, principalmente gás metano e gás carbônico. Periodicamente esses sólidos digeridos devem ser removidos para que não haja perda de eficiência. Os materiais mais leves ocupam a superfície do líquido, formando uma escuma composta por sólidos, gases, óleos e graxas. O líquido parcialmente clarificado flui para a saída inferior da câmara flotante de escuma. A instalação de um anteparo na

24 24 frente da saída da fossa evita que a escuma acompanhe o líquido clarificado, que devido o alto índice de contaminação deve ser tratado de forma adequada antes da disposição ao corpo d água receptor. (Ilustração 5.3 e Ilustração 5.4) Ilustração 5.3 Esquema de uma fossa séptica. (CETESB 1989) Ilustração 5.4 Funcionamento geral de um tanque séptico (NBR 7229/1993)

25 25 A instalação de caixas de gordura evita que a fossa séptica receba material graxo e gorduras. Segundo Azevedo Neto e Lothar Hess apud CETESB (1989), as fossas sépticas bem projetadas e mantidas com adequada operação e manutenção os resultados quanto à remoção e/ ou redução de matéria orgânica são: Demanda bioquímica de oxigênio (DBO) 40% a 60%. Demanda química de oxigênio (DQO) 30% a 60% Sólidos sedimentáveis (SS) 85% a 95% Sólidos em suspensão 50% a 70% Graxas e gorduras 70% a 90% De acordo com Pedro Além Sobrinho e Sonia M. M. Vieira apud CETESB (1989) inferem-se os seguintes dados relacionados à eficiência da fossa séptica de câmara dupla, na remoção e/ ou redução de: Demanda bioquímica de oxigênio DBO 62% Demanda química de oxigênio DQO 57% Sólidos sedimentáveis SS 56% Coliformes totais 55%. Além das águas de chuva, conforme citado anteriormente, as águas provenientes da lavagem de reservatórios de água e da piscina não serão encaminhadas para a fossa séptica, devido a sua incorporação elevar da vazão do esgoto afluente comprometendo o sistema de tratamento. O sistema de tratamento de tanques sépticos, deve considerar o pós-tratamento do efluente e a disposição final do lodo, ou seja, o tratamento tem que ser completo. Em relação a localização adequada da fossa séptica, quanto a Norma NBR 7229/93, determina a distância horizontal mínima de: 1,50 m de construções, limite de terreno, sumidouros, valas de infiltração e ramal predial de água; 3,0 m de árvores e de qualquer ponto de rede pública de abastecimento de água;

26 26 15,0 m de poços freáticos e de corpos de água de qualquer natureza; O manual Fossa Séptica (CETESB, 1989), recomenda algumas condições para escolher o local adequado para a instalação da fossa, através de uma inspeção considerando a preservação da qualidade da água para consumo humano, as ligações de água potável e esgoto não podem ser cruzadas, as praias e locais de recreio e esporte não pode ser prejudicadas, o local deve dispor de fácil acesso para permitir as operações de limpeza e manutenção e não oferecer riscos a saúde das pessoas e dos animais. Além desses cuidados quanto ao local de implantação da fossa séptica, outros cuidados devem ser considerados como a instalação de dispositivo na entrada e saída do interior da fossa para prevenir a evasão do lodo e escuma para o efluente, instalação de um sistema de ventilação para liberar os gases metano e sulfídrico armazenados e a instalação de um sistema para remover periodicamente do lodo digerido. A Norma NBR 7229/1993 Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, fornece subsídios para o dimensionamento adequado da fossa séptica em função da quantidade de pessoas beneficiadas. A fossa séptica como unidade preliminar do sistema de tratamento de esgotos, apenas remove os sólidos suspensos e o efluente apesar de clarificado necessita de tratamento complementar antes de ser despejado no corpo d água. A Norma NBR 13969/1997 Tanques sépticos Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos Projeto, construção e operação, da ABNT, apresenta algumas das alternativas para o tratamento complementar e disposição final do efluente das fossas sépticas. O tratamento complementar do efluente das fossas sépticas é recomendado pela norma NBR 7229/93, conforme mostrado na Ilustração 5.5.

27 27 Ilustração 5.5 Sistema de tanque séptico esquema geral (NBR 7229/1993) A disposição do efluente depende de vários parâmetros, tais como, área disponível, grau de permeabilidade do solo, nível do lençol freático, topografia, corpo d água receptor entre outros. Algumas das alternativas para dispor o efluente serão descritas a seguir: Sumidouro: quando a taxa de absorção do solo for superior ou igual a 40l/m².dia. O material para construção deve ser alvenaria, pedra ou anel de concreto. O fundo deve ser preenchido de brita ou cascalho de pelo menos 0,50 m de espessura. A tampa deve ser de concreto armado com abertura mínima de 0,60 m para inspeção. O fundo deve estar localizado no mínimo a 3 m do lençol freático. (Ilustração 5.6) Ilustração 5.6 Sumidouro sem inclinação. (CETESB 1989)

28 28 Valas de infiltração: quando a taxa de absorção do solo for entre 20l/m².dia e 40 l/m².dia. O efluente será distribuído no terreno através de tubulações assentadas em valas de 0,50 m a 1 m de profundidade e largura mínima de 0,50 m, espaçadas de 0,01 m. Os tubos (preferencialmente com paredes perfuradas) deverão ter no mínimo diâmetro interno de 0,10 m. A tubulação será envolvida por uma camada de brita, no caso de tubos perfurados, deve ser colocado papel alcatroado antes de finalizar o enchimento com terra. No mínimo devem ser executadas duas valas de infiltração, onde sua extensão pode ser estimada em 6 m/ pessoa até no máximo 30 m. Para garantir a distribuição uniforme entre as valas, devem ser construídas caixas de distribuição. (Ilustração 5.7) Ilustração 5.7 Vala de Infiltração. (CETESB 1989) Valas de filtração: são empregadas quando o efluente for despejado diretamente nas águas superficiais. A taxa de absorção do solo deve ser inferior a 20l/m².dia. A vala medirá de 1,20 m a 1,50m de profundidade e 0,50 m de largura da soleira, onde os tubos com diâmetro interno mínimo de 0,10 m, preferencialmente perfurados serão assentados com juntas livres de 0,01 m, recoberta com papel alcatroado. Estas valas consistem num sistema de canalização superior com a função de distribuição, meio filtrante de areia grossa (0,50 m de espessura) e canalização inferior que encaminha o efluente ao receptor. Os tubos serão envolvidos por uma camada de 0,20 m de brita recobertas com papel alcatroado. Nos terminais das valas serão instaladas caixas de inspeção. A extensão mínima é de 1,00 m por 25 l/dia, onde

29 29 pelo menos duas valas deverão ser instaladas. A extensão pode ser estimada em 6m/pessoa. As valas de filtração é uma solução cara para o tratamento do efluente da fossa séptica, portanto, esta solução só deve ser adotada se não houver outra alternativa. (Ilustração 5.8 a Ilustração 5.11) Ilustração 5.8 Visão esquemática de valas de filtração. (CETESB 1989) Ilustração 5.9 Esquema transversal de valas de filtração. (CETESB 1989)

30 30 Ilustração 5.10 Corte longitudinal de valas de filtração. (CETESB 1989) Ilustração 5.11 Corte transversal da vala de filtração. (CETESB 1989) a) Filtro anaeróbio: quando não for viável a disposição do efluente no solo. O filtro anaeróbio consiste de um tanque que contém material de enchimento, onde ocorre a acomodação e o agrupamento, em forma de flocos, dos microorganismos nos interstícios deste material para seu desenvolvimento. O fluxo do esgoto através do

31 31 meio filtrante e do lodo ativo garante a eficiência dos filtros anaeróbios. A altura do leito filtrante deve ser de 1,20 m, com brita nº 4. (Ilustração 5.12 e Ilustração 5.13) Ilustração 5.12 Corte de filtro anaeróbio. (CETESB 1989) Ilustração 5.13 Filtro anaeróbio. (CETESB 1988 apud NBR 7229) O meio filtrante nos filtros anaeróbios, na realidade, é o próprio lodo acumulado aderido nos interstícios, porém é de suma importância que novas opções de

32 32 preenchimento sejam estudadas para aumentar as vantagens em relação ao custo/benefício na aplicação dos filtros anaeróbios. O material de enchimento tem como finalidade facilitar a agregação de microrganismos, dificultar a perda de sólidos biológicos, propiciar o acúmulo de grande quantidade de lodo ativo e ajudar a distribuir uniformemente o fluxo no reator. Com isso, vários materiais podem ser utilizados como preenchimento dos filtros anaeróbios, porém a preferência aos materiais inertes, resistentes, leves, que facilitem a distribuição do fluxo e dificultem a obstrução, tenham preço baixo e sejam de fácil aquisição. No Brasil o material de enchimento mais utilizado é a pedra britada N 4, que é pesada e relativamente cara, além disso, o índice de vazios é muito baixo, em torno de 50%, ocupando um volume maior diminuindo a capacidade de acumular lodo. Após a passagem do esgoto pelo filtro anaeróbio, o efluente será enviado ao corpo receptor. Quando este apresenta boa capacidade de diluição, alguns órgãos de controle ambiental aceitam que a DBO no efluente seja de até 60 mg/l, permitindo a implantação de um sistema de tratamento mais simples e econômico. Porém, há alguns órgãos ambientais que exigem uma remoção de DBO e SST igual ou maior que 80%. Mas um sistema de tratamento totalmente anaeróbio produz um efluente com DBO menor que 60 mg/l se o último reator for um filtro biológico. Os decantodigestores e os reatores de manta de lodo não ultrapassam, respectivamente, 70% e 75% de eficiência na remoção de DBO e SST, mas ambos seguido de um filtro anaeróbio, pode propiciar eficiência maior que 80% na remoção de DBO e SST. As vantagens dos filtros anaeróbios são retenção dos sólidos, maior estabilidade ao efluente, sistema operacional seguro, baixa produção de lodo, não consome energia, operação simples e baixo custo. Segundo NETO (2005) apud um livro publicado pelo PROSAB (2001) o custo de implantação por habitante atendido de uma ETE convencional com lodos ativados situa-se entre R$ 100,00 e R$ 180,00 e o de uma ETE com reator UASB ( Upflow Anaerobic Sludge Blanket ) seguido de sistema de lodos ativados situa-se entre R$

33 33 70,00 e R$ 110,00, uma ETE com reator UASB seguido de filtro anaeróbio situa-se entre R$ 40,00 e R$ 60,00. Acrescente-se que sistemas com decanto-digestor seguido de filtro anaeróbio situam-se entre R$ 20,00 e R$ 50,00 por habitante. Além disso, os sistemas totalmente anaeróbios têm custo de operação baixíssimo. Segundo NETO (2005) o mesmo livro cita que os filtros anaeróbios produzem efluentes que atendam os padrões de lançamento exigidos pelos órgãos ambientais quanto a concentração de DBO. Em outro capítulo afirma que uma ETE com reator UASB seguido de filtro anaeróbio garante efluente com DBO < 60 mg/l, mesmo que a população seja superior a habitantes, que o tempo de detenção no filtro seja a metade do recomendado pela NBR /1997, ainda assim a DBO é menor do que 60 mg/l. Portanto, o uso do filtro anaeróbio, além de permitir um sistema de tratamento totalmente anaeróbio, com custos baixos tanto para implantação quanto a operação, atende as exigências estabelecidas pelos órgãos ambientais quanto aos efluentes. O efluente de um filtro anaeróbio tem baixa concentração de matéria orgânica e aspecto clarificado, mas é rico em sais minerais, possibilitando o seu uso (reuso) em hidroponia ou irrigação. Além disso, as concentrações de sólidos suspensos são baixas, isto facilita a desinfecção por processos físicos ou químicos. Segundo NETO (2005), pesquisas recentes indicaram que aplicando uma dose de cloro da ordem de 10 mg/l em efluentes de filtros anaeróbios, com tempo de contato superior a 25 minutos, pode propiciar alta eficiência na remoção de coliformes fecais e ovos de vermes. Obviamente, é incomparável, a qualidade do efluente final, de um filtro anaeróbio do efluente final de um reator aeróbio, porém sistemas totalmente anaeróbios removem mais de 80% da matéria orgânica, e em muitos casos resolvem os problemas causados pelos esgotos. No Brasil, o filtro anaeróbio vem sendo utilizado para tratamento de esgotos desde a década de 1950, mas a popularidade somente ocorreu em 1982, com a revisão da

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil Objetivos

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/97 N 16 TRATAMENTO DE ESGOTO: TECNOLOGIAS ACESSÍVEIS 1. Introdução No Brasil, 49% do esgoto produzido é coletado através de rede e somente

Leia mais

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo;

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte REATORES ANAERÓBIOS Divididos em dois grupos: Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Sistemas de Alta Taxa:

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Workshops Meio Ambiente Convênio CETESB-CIESP TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Escolha do Sistema de Tratamento de Efluentes Caracterização

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

Apresentação ECTEL S T A R T

Apresentação ECTEL S T A R T Apresentação ECTEL START Quem Somos A Luftech atua no mercado desde 1992 desenvolvendo soluções para problemas ambientais causados por Resíduos Perigosos. Trabalhamos visando racionalidade econômica, segurança

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal!

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal! Olá pessoal! Foi com grande alegria que recebi um novo convite para elaborar um curso online do Ponto. O objetivo agora é contribuir para a aprovação dos alunos no concurso para o TCU/2011 por meio de

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA Portaria nº 001 2011 SMMA Estabelece Termo de Referencia para elaboração de Projetos de Estações de Tratamento de Esgotos com Prévia anuência do Município para que o mesmo assuma a responsabilidade de

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE II-236 - REMOÇÃO DE EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE Rachel Chiabai Engenheira Civil, graduada pela Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES Cartilha 1 - Série Educação Ambiental Uma prática para o bem de todos EXPEDIENTE Projeto Educação Ambiental Cartilha 1 - Série Educação Ambiental

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais