Gerenciamento de Riscos em Projetos de Inovação Tecnológica Financiados por Agências de Fomento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Riscos em Projetos de Inovação Tecnológica Financiados por Agências de Fomento"

Transcrição

1 Gerenciamento de Riscos em Projetos de Inovação Tecnológica Financiados por Agências de Fomento Stanley Primo Ferreira 1, 3 1, 2, 3 e Michelle Queiroz da Silva 1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Departamento Regional do Ceará 2 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) 3 Universidade Estadual do Ceará (UECE) - Centro de Ciência e Tecnologia (CCT) Mestrado Profissional em Computação UECE/IFCE (MPCOMP) {stanleyprimo, Resumo A Inovação Tecnológica é uma realidade presente em empresas de todos os setores, inclusive em instituições de ensino. A inovação é um diferencial na subsistência e sucesso dessas empresas e instituições. Corroborando essa afirmativa, cada vez mais novos projetos de inovação tecnológica são desenvolvidos através do financiamento de agências de fomento como a FINEP 1, possibilitando o crescimento econômico e financeiro dessas empresas e instituições. Projetos de inovação tecnológica envolvem um grande grau de devido ao seu teor. Este artigo descreve algumas formas de se gerenciar os inerentes aos projetos de inovação tecnológica, facilitando o gerenciamento dos nestes tipos de projetos. A metodologia desenvolvida aborda as técnicas mais eficientes de gerenciamento de, baseadas em literaturas de referência no segmento de gerenciamento de projetos. Palavras-Chave: Projeto. Inovação. Riscos. Introdução Segundo o PMBOK (PMI, 2008), um projeto é um esforço temporário, destinado a criar um produto, serviço ou resultado único. Sendo assim, as atividades são elaboradas e controladas de modo a possibilitarem a maior eficiência e eficácia do projeto. Por outro lado, na visão das agências de fomento 2, projeto é o conjunto de informações que definem a alocação de recursos para uma atividade ou empreendimento que permitam a avaliação da conveniência da participação financeira nessas atividades (BNDES, 2011). Dentro dessa visão, os projetos são formulados por quem solicita recursos às agências de fomento, pleiteando o financiamento dos mesmos. Um bom projeto deve conter um texto plausível, sanando todos os tópicos requeridos pela agência de fomento no edital. Em aplicações práticas, um projeto de inovação trata da implantação e desenvolvimento de um produto ou 1 A FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Foi criada em 24 de julho de 1967, para institucionalizar o Fundo de Financiamento de Estudos de Projetos e Programas, criado em 1965 (FINEP, 2011). 2 As agências de fomento têm como objeto social a concessão de financiamento de capital fixo e de giro associado a projetos na Unidade da Federação onde tenham sede (BCB, 2011). processo com características de desempenho aprimoradas. Quando falamos em inovação tecnológica, temos foco nas atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I). Dentro deste contexto, espera-se que um projeto de inovação tecnológica apresente inúmeros fatores de risco, tanto quanto as incertezas envolvidas em produtos ou processos inovadores. Essas incertezas vão desde a concepção do produto ou processo até sua inserção no mercado. É importante garantir a utilização racional dos recursos financeiros dentro do planejado, bem como do tempo para desenvolvimento do projeto. Porém, o risco maior nesse tipo de projeto está na própria tecnologia desenvolvida onde, no decorrer do desenvolvimento do projeto, por se tratar de algo inovador, não apresente o desempenho planejado, dificultando ou impossibilitando a inserção do produto no mercado. A realização de uma eficiente análise de viabilidade técnica econômica e financeira reduz os de fracasso de um projeto de inovação tecnológica. Como as agências de fomento financiam investimentos em PD&I mediante a apresentação de propostas de projetos de inovação, esses projetos deverão ser elaborados com o planejamento, os investimentos e a análise de bastante detalhados, de forma a garantir a aceitação do investimento das agências nos projetos de inovação tecnológica. Grande parte do sucesso e do financiamento dos projetos de inovação tecnológica é determinada nas etapas de planejamento e formulação dos projetos. As empresas e organizações dependem cada vez mais de investimentos em inovação tecnológica. Como a tecnologia é fator determinante no que se refere à competitividade, onde nem sempre as empresas podem custear a aquisição de novas tecnologias e o custo com desenvolvimento tecnológico é cada vez maior, o financiamento com inovação tecnológica possibilita também o crescimento econômico e financeiro dessas organizações. Este trabalho se propõe a orientar a formulação de projetos de inovação, focando no ponto crítico desses projetos, a análise dos existentes no desenvolvimento de produtos e processos inovadores, baseando-se nas orientações de boas práticas disseminadas no PMBOK.

2 1. Análise De Riscos Um ponto principal e fator decisivo para sucesso de um projeto é a análise e gerenciamento de. Esse gerenciamento envolve as etapas de planejamento, identificação, análise de respostas, monitoramento e controle de em um projeto (PMI, 2008). O gerenciamento de risco existe para aumentar a probabilidade e o impacto dos eventos positivos e diminuir a probabilidade e o impacto dos eventos adversos ao projeto, daí sua importância. Na tabela 1 são indicadas as etapas de um bom gerenciamento de e a descrição detalhada das atividades envolvidas. Tabela 1: Modelo de Gerenciamento de Risco ETAPA DESCRIÇÃO FERRAMENTAS Como abordar, planejar e executar as Análises e reuniões de atividades de planejamento. gerenciamento de de um projeto. 1. Planejamento do gerenciamento de 2. Identificação de 3. Análise qualitativa de 4. Análise quantitativa de 5. Planejamento das respostas a Determinação dos que podem afetar o projeto e documentação de suas características. Priorização dos para análise ou ação adicional subsequente através de avaliação e combinação de sua probabilidade de ocorrência e impacto. Análise numérica do efeito dos identificados nos objetivos gerais do projeto. Desenvolvimento de opções e ações para aumentar as oportunidades e reduzir as ameaças aos objetivos do projeto. Revisões da documentação; técnicas de coleta de informações: Brainstorming, técnica Delphi, entrevistas, identificação da causaraiz, análise dos pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças (SWOT); análise da lista de verificação, análise das premissas; técnicas com diagramas: causa e efeito; sistema ou fluxogramas; influência. Avaliação de probabilidade e impacto de ; matriz de probabilidade e impacto; avaliação da qualidade dos dados sobre ; categorização de ; avaliação da urgência do risco. Técnicas de representação e coleta de dados: entrevistas, distribuições de probabilidade, opinião especializada; análise quantitativa de e técnicas de modelagem: análise de sensibilidade, análise do valor monetário esperado, análise da árvore de decisão, modelagem e simulação. Estratégias para ameaças: prevenir, transferir, mitigar; estratégias para oportunidades: explorar, compartilhar, melhorar; estratégias para ameaças e oportunidades: aceitação, respostas contingenciadas. 6. Monitoração Acompanhamento Reavaliação de ; de controle de Fonte: PMBOK (PMI, 2008). dos identificados, monitoramento dos residuais, identificação dos novos, execução de planos de respostas a e avaliação da sua eficácia durante todo o ciclo de vida do projeto. auditorias de ; análise das tendências e da variação; medição do desempenho técnico; análise das reservas; reuniões de andamento. Segundo o PMBOK (PMI, 2008), risco é um evento ou uma condição incerta que, se ocorrer, irá afetar pelo menos uma das áreas do projeto. Como o gerenciamento de risco é o meio pelo qual as incertezas que poderão afetar o projeto são sistematicamente gerenciadas para garantir que todos objetivos do projeto sejam alcançados, quando tratamos de projetos de inovação tecnológica, esse gerenciamento deve ser bastante eficiente, dado o grau de incerteza existente nesses tipos de projeto. 1.1 Análise de Riscos em Projetos de Inovação Tecnológica Qualquer projeto está associado a diversos e incertezas que devem ser tratados. Esses e incertezas irão diferenciar os projetos quanto a sua atratividade, ou seja, poderão definir a lucratividade dos mesmos. Em projetos de desenvolvimento e inovação tecnológica esses e incertezas são ainda maiores e devem ser trabalhados de forma intensa e eficiente. Em projetos de inovação tecnológica, além da existência dos comuns a projetos de investimento industrial (risco de inviabilidade econômica, risco de mercado, risco político, entre outros), ainda estão sujeitos a e incertezas vinculados a própria tecnologia a ser desenvolvida. Abaixo seguem alguns exemplos de e incertezas inerentes à tecnologia desenvolvida (WEISZ, 2009, p. 80 e 81): A tecnologia desenvolvida pode se tornar inviável a sua execução; O trabalho de desenvolvimento da tecnologia pode seguir rumos diferentes do planejado, sendo necessária a adoção de soluções técnicas diferentes das idealizadas no projeto. O tempo de desenvolvimento da tecnologia pode ser muito extenso, inviabilizando a inserção da mesma no mercado. A possibilidade de não se encontrar investidores que se arrisquem com investimentos em tecnologias ainda não testadas e produzidas. A tecnologia pode se mostrar viável na teoria, mas inviável na prática. Os projetos de inovação tecnológica, devido a sua natureza de pesquisa e desenvolvimento, são projetos que demandam um intervalo maior de tempo para seu desenvolvimento, teste e validação. Devido a esse fato, Página 2 de 7

3 são projetos que apresentam grandes, principalmente no que se refere a investimento e retorno financeiro. À medida que as atividades de pesquisa e desenvolvimento são realizadas, os vão diminuindo e com isso podem ser avaliados de forma mais crítica, impactando na realização da etapa seguinte. Segundo Weisz (2009, p. 82), existem diversas técnicas para ajuste de em projetos de inovação tecnológica, dentre elas destacamos: Abordagem subjetiva: nessa abordagem, são calculados os indicadores de desempenho definidos para medição da viabilidade do projeto. Dependendo da resposta dos indicadores, o projeto poderá ter continuidade ou não. Um desses indicadores pode ser o VAL (Razão do valor atual líquido), que é medido dividindo-se o investimento inicial do projeto pelo investimento ajustado no tempo. Equivalente à certeza: os parâmetros de cálculo do projeto são ajustados pelas probabilidades a eles atribuídas; Aplicação de taxas de descontos ajustadas aos : diferente do item acima, os ajustes são feitos ao final, ou seja, na taxa de desconto. Árvore de Decisões: normalmente é utilizada quando a escolha entre diferentes alternativas está em jogo. Simulação: nesse caso, os valores de entrada e saída de caixa são tratados como distribuições probabilísticas, resultando em indicadores de desempenho financeiros. As duas primeiras técnicas, por serem mais simples, normalmente são utilizadas em projetos de menor complexidade. Já as duas últimas técnicas, por serem mais complexas, são utilizadas em projetos maiores. Todas essas abordagens são mais técnicas e se aplicam a projetos de maior vulto. A partir dessas abordagens técnicas complexas, podemos conseguir abordagens mais simplificadas de análise de risco. Nesse caso, a análise de e incertezas poderá ser feita em três etapas (WEISZ, 2009, p. 84 e 85): Análise de Sensibilidade: Permite o estudo do impacto das variações específicas nos parâmetros do projeto sobre o seu potencial econômico ou sobre os resultados econômicos e financeiros, apontando as variáveis que mais afetam os resultados do projeto. Análise de Limites Críticos: Permite determinar o valor que deve ser assumido por uma dada variável independente, de tal forma a assegurar o retorno mínimo aceitável para o investimento. Análise de Risco: Avalia de modo mais completo, o efeito das incertezas do projeto sobre os indicadores de fluxo de caixa e fluxo de caixa descontado. Conforme já comentado, os projetos de inovação tecnológica, pelo seu teor, são elaborados e desenvolvidos em diversas condições de e incertezas. Nos itens acima citados, as análises de sensibilidade e de limites críticos possibilitam ao gerente do projeto determinar os impactos na possibilidade do projeto seguir um caminho diferente do planejado. A análise de risco deve ser feita de modo a identificar e tratar as incertezas em relação aos parâmetros do projeto. Weisz (2009, p. 97) afirma que a combinação dos associados aos parâmetros do projeto determinará os dos indicadores de decisão a serem calculados. 1.2 Diagrama de SWOT 3 Os projetos de inovação tecnológica normalmente surgem devido à influência do meio externo. Segundo Abraham (2010, p. 41), só é possível desenvolver uma ideia de inovação à medida que ela é gerada e só é possível conceber a ideia criativa se existe um problema, ou seja, a influência do ambiente. Segundo o Manual de Oslo (FINEP, 1997, p. 26), competição, demanda e mercado são os principais itens que determinarão o sucesso de um projeto de PD&I voltado para inovação tecnológica. Além disso, a qualidade da inovação também é um fator determinante para o sucesso dos projetos de inovação tecnológica. No que se refere aos e incertezas em um projeto de inovação tecnológica, além dos referentes aos itens financeiros e econômicos, é de extrema importância que seja realizado uma análise do cenário (ou ambiente), levando em consideração os fatores internos e externos que possam interferir no andamento, conclusão e sucesso de um processo de inovação. Essa avaliação é feita através da análise de SWOT. Nos projetos de inovação tecnológica desenvolvida por empresas ou instituições de ensino, onde os mesmos irão dar origem a produtos ou processos inovadores, é necessário que exista um mercado para absorver esses produtos ou processos. Esse mercado está composto pelo ambiente onde a empresa e produtos se localizam, pelos concorrentes, fornecedores e pelo perfil do consumidor. Segundo Clemente (2004, p. 15) a primeira avaliação a ser feita é do ambiente externo, conhecida como análise PEST 4, que pode ser dividida em: a) Ambiente político/legal: a política governamental e a legislação vigente são parte do conjunto de influencias a que a empresa está sujeita e cabe ao empreendedor ficar atento quanto às mudanças no cenário e nas regulamentações que variam de acordo com a localidade. b) Ambiente econômico: os diversos fatores macroeconômicos certamente influenciarão na atuação dos agentes econômicos ligados à 3 A Análise SWOT é uma ferramenta administrativa utilizada para fazer análise de cenário (interno e externo), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma instituição. A sigla SWOT é oriunda do idioma inglês, representando Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats). 4 A análise PEST é uma ferramenta administrativa que permite o estudo qualitativo de um determinado cenário com base em fatores políticos (P), econômicos (E), sociais (S) e tecnológicos (T) relevantes no mesmo. Página 3 de 7

4 empresa, devendo-se então atentar para os ciclos de recessão e crescimento e para as políticas monetária e fiscal. c) Ambiente sociocultural: o sucesso do produto ou serviço que será comercializado depende em grande parte do ambiente sociocultural em que o mesmo está inserido, portanto deve-se conhecer esse ambiente para compreender os interesses, necessidades e tendências desse público. d) Ambiente tecnológico: um negócio possui o crescimento ou declínio muitas vezes afetado pelo surgimento de novas soluções e/ou inovações tecnológicas por parte dele ou de seus concorrentes, logo deve-se refletir essa realidade investindo-se constantemente em pesquisas e desenvolvimento. O posicionamento da empresa junto ao mercado deve ser analisado na próxima etapa, mapeando o grau de rivalidade e barreiras de entrada do investimento. Deve-se verificar ainda as oportunidades e ameaças geradas respectivamente por produtos complementares e concorrentes e o poder de barganha da empresa junto a seus fornecedores e ao seu mercado consumidor. Na próxima análise busca-se a adequação entre as capacidades da empresa e as possibilidades do mercado antes avaliadas. Uma ferramenta bastante difundida por Porter (1986) é a análise de SWOT, que é tradicionalmente representada em forma de matriz. Depois de corretamente preenchido, este diagrama permite identificar modificações a serem implementadas, diminuindo os pontos fracos e realçando os pontos fortes da empresa. Também permite aproveitar da melhor forma possível as oportunidades que o mercado oferece e preparar para as ameaças provenientes do mesmo. Tabela 2: Diagrama SWOT Fatores Externos Fatores Internos Oportunidades Ameaças Pontos Fortes usem os pontos fortes para tomar vantagens nas oportunidades. usem os pontos fortes para evitar as ameaças. Fonte: Yonezawa (2003). Fraquezas tomam vantagens das oportunidades para vencer as fraquezas. minimizem as fraquezas e evitem as ameaças. 2. Estudo de Caso Projeto de Inovação Tecnológica Plataforma de Testes Automatizada do Equipamento TSW900ETH. O projeto de inovação tecnológica aqui analisado tem como objetivo principal o desenvolvimento de uma plataforma de testes automatizada acoplada ao equipamento TSW900ETH. A Plataforma possibilitará a interligação do instrumento de teste para redes Metro Ethernet ao PC (através de um sistema de comunicação) ou a qualquer ponto de uma rede Metro Ethernet, possibilitando a realização de testes e certificação em redes de forma remota e o armazenamento dos dados resultantes desses testes em um servidor para posterior análise e geração de relatórios. Esse projeto participou do Edital SESI SENAI 5 de Inovação Tecnológica 2010 (SENAI, 2010), onde recebeu R$ ,00 de fomento para desenvolvimento da nova tecnologia. A ideia de desenvolvimento desta nova tecnologia surgiu devido à necessidade de diminuição do tempo de reparo dos circuitos de comunicação de dados das operadoras de telecomunicações. A plataforma de testes automatizada, acoplada ao instrumento de teste de redes já utilizado pelos técnicos de campo responsáveis pelas manutenções (TSW900ETH), possibilita o acesso remoto a todos os pontos da rede, realizando testes e diagnósticos de forma remota, diminuindo recursos e tempo de deslocamento dos técnicos nas manutenções. Por se tratar de uma inovação tecnológica, que irá gerar um novo produto, este é um projeto com muitos envolvidos. Esses foram tratados desde o momento da concepção da ideia e deverão ser gerenciados de forma contínua em seu desenvolvimento e inserção do produto no mercado. Para a obtenção dos recursos de fomento foi feita uma análise prévia dos possíveis que afetariam o bom andamento do projeto. Para isso, foi utilizada como ferramenta a Análise de SWOT. Através do uso dessa ferramenta foi feita uma análise do ambiente interno, onde foram levantadas as forças e as fraquezas inerentes ao desenvolvimento do projeto, bem como uma análise do ambiente externo com o mapeamento das oportunidades e ameaças inerentes ao desenvolvimento do projeto de inovação. Para essa análise foram considerados dois ambientes, o SENAI e a empresa parceira. Com isso foi possível a formulação de estratégias, diagnósticos e redução de e incertezas. 2.1 Análise de SWOT do Projeto de Inovação Tecnológica Referente à análise de viabilidade técnica e financeira do desenvolvimento da Plataforma de Testes Automatizada, realizamos a análise de SWOT abaixo descrita, comprovando a necessidade de desenvolvimento da mesma, bem como o sucesso em sua futura comercialização. Essa análise foi desenvolvida como forma de análise de do projeto de inovação tecnológica Forças São itens referentes à agregação de valor por parte da empresa parceira e do SENAI no desenvolvimento da plataforma. Seguem abaixo as forças diagnosticadas: 5 O Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) são instituições privadas brasileiras, vinculadas a Confederação Nacional das Indústrias, sem fins lucrativos e de atuação em âmbito nacional, criadas com a finalidade de promover a formação profisional (SENAI), o bem-estar social, o desenvolvimento cultural e a melhoria da qualidade de vida do trabalhador (SESI) que atua nas indústrias, de sua família e da comunidade na qual as indústrias estão inseridas. Página 4 de 7

5 A empresa parceira é uma das maiores empresas brasileiras especialistas em tecnologias de Redes e de Telecomunicações; A empresa também é especialista no desenvolvimento, produção e venda de equipamentos e instrumentos de testes (englobando telecomunicações e TI), agregando experiência e conhecimento; A empresa é fornecedora de equipamentos e instrumentos de testes para as maiores operadoras de telecomunicações do Brasil; O produto apresentará vantagem competitiva em preço; A empresa disponibilizará uma equipe de especialistas em Telecomunicações e TI que atuará no projeto; Disponibilização por parte do SENAI de profissionais com grande experiência nas áreas de telecomunicações e TI para atuação no projeto; Existência de plano de marketing e divulgação, disponibilizando aos clientes uma equipe de suporte técnico especializado que atenderá em horário comercial; Programa de fidelização de clientes já existente na empresa; A empresa que irá produzir o instrumento de teste com o sistema de acesso remoto desenvolvido no projeto possui certificação ISO 9001:2000, o que garante a qualidade na produção; Redução de de falha do projeto, pois já existe um mercado atendido com redes Metro Ethernet e que absorverá o produto Fraquezas As fraquezas são basicamente itens referentes à empresa parceira. Segue abaixo o mapeamento desses pontos. A empresa parceira atua a princípio apenas no mercado brasileiro; A empresa parceira foi fundada em 1998, tendo pouco tempo de atuação no mercado em relação aos seus concorrentes; A matriz da empresa parceira é localizada em Porto Alegre, distante do SENAI - Departamento Regional do Ceará Oportunidades Trata-se das oportunidades de mercado e comercialização. Crescimento contínuo e comprovado de redes Metro Ethernet não só no Brasil, mas no mundo; Necessidade das operadoras de telecomunicações de automatizar o processo de testes em redes Metro Ethernet; Mercado motivado para aquisição de produtos que somem preço e qualidade, foco da empresa parceira; Necessidade do mercado de Tecnologia da Informação e Telecomunicações em automatizar o processo de testes em redes ethernet; Necessidade do mercado de Tecnologia da Informação e Telecomunicações em reduzir tempo e recursos nos processos de testes em redes ethernet Ameaças Trata-se das ameaças do ambiente externo: Falta de matéria prima local; Não aceitação do produto pelo mercado; Atuação agressiva da concorrência no mercado brasileiro e internacional. Essa análise prévia de foi item de pontuação no edital de inovação e fator determinante para aprovação do mesmo e liberação dos recursos. Os projetos avaliados teriam no máximo 1000 pontos, onde a análise de risco valeria, no máximo, 250 pontos. O projeto apresentado neste trabalho recebeu a pontuação de 250 pontos em sua análise prévia de utilizando a Matriz de SWOT. 2.2 Gerenciamento de do projeto de inovação tecnológica As análises apresentadas anteriormente foram levantadas no momento da concepção do projeto como forma de obtenção dos recursos do edital de inovação financiador do projeto. Após a aprovação no edital e durante todo o seu desenvolvimento foi necessário um intenso gerenciamento de, garantindo a conclusão do projeto dentro do planejado (escopo, financeiro, prazo de conclusão, etc.). Um dos fatores de risco que impossibilitaria o desenvolvimento da nova tecnologia foi referente ao desenvolvimento do software para comunicação do equipamento de teste com o PC. O equipamento de teste possui uma arquitetura fechada e embora seja produzido e comercializado pela empresa parceira, o mesmo foi desenvolvido por uma terceira empresa. Como não tínhamos acesso à arquitetura do equipamento, não seria possível termos acesso às informações necessárias para o desenvolvimento do software, impossibilitando o desenvolvimento do projeto. Para solução do problema, terceirizamos o desenvolvimento do software contratando a empresa WISE Teleinformática, detentora da patente do Equipamento TSW900ETH e conhecedora de sua arquitetura, para essa atividade. Outro fator de risco que não afetaria o desenvolvimento do projeto, mas a sua comercialização é a questão do custo final para desenvolvimento da tecnologia. Como forma de redução do valor final do produto foram firmados diversos convênios de parceria com empresas e instituições que colaboraram nas etapas de desenvolvimento do projeto de inovação, contribuindo com recursos humanos e equipamentos. Conforme o Manual de Oslo (FINEP, 1997, p. 57), para ser considerada inovação tecnológica referente a produto, o mesmo deverá ser inserido no mercado e comercializado. Essa comercialização pode ser considerada um fator de risco por se tratar de um novo produto, onde o mercado para absorção do mesmo Página 5 de 7

6 ainda precisa ser conquistado. Referente a este projeto, em paralelo ao desenvolvimento da plataforma de testes automatizada, foi elaborado um eficiente plano de marketing em cima da análise de viabilidade do produto, reduzindo os da comercialização do mesmo e garantindo a sua aceitação pelo mercado local e internacional. Além disso, um dos convênios de parcerias firmados, contava com a participação da Operadora de Telecomunicações, no caso a OI, que ao final do projeto irá adquirir o novo produto para utilização em seus processos de manutenções de redes, garantindo dessa forma a inserção do produto no mercado. Esses fatores de foram os mais impactantes e poderiam afetar de forma direta a conclusão do projeto. Porém alguns secundários também foram tratados para conseguir êxito na conclusão do projeto de inovação. Dentre eles podemos citar: o orçamento disponibilizado pela agência de fomento ser insuficiente para o desenvolvimento da nova tecnologia, o tempo para desenvolvimento do projeto ser extenso e a possibilidade da tecnologia desenvolvida já estar obsoleta após a conclusão do projeto. Esses secundários foram tratados no decorrer do desenvolvimento do projeto através de reuniões periódicas, sempre buscando maximizar os pontos positivos e minimizar as consequências dos eventos negativos. Para gerenciamento dos acima citados foi elaborado um Plano de Gerenciamento de Risco, incluindo ações especificas de respostas aos, conforme orientações do PMBOK (PMI, 2008). Esses foram identificados através de um processo investigativo que utilizou como ferramenta a Análise de SWOT (acima apresentada), tendo sempre como foco os objetivos do projeto, ou seja, o desenvolvimento da Plataforma de Testes Automatizada do Equipamento TSW900ETH. Segundo Dinsmore (2005, p. 205), a efetividade do gerenciamento de depende da escolha de uma estratégia adequada e do subsequente desenvolvimento das ações especificas para lidar com os fatores de maior impacto sobre o projeto. Referente aos negativos (ou ameaças) foram tomadas as seguintes estratégias de resposta a esses : Equipamento com arquitetura fechada impossibilitando o desenvolvimento do software por empresas terceirizadas: A estratégia aqui utilizada foi Prevenir, pois firmamos parceria com a empresa WISE Teleinformática, detentora da patente do equipamento, para desenvolvimento do software e de todo o hardware necessário. Segundo Dinsmore (2005, p. 205), alguns eventos de podem ser evitados mudando-se os planos para eliminar a condição que origina a sua possível ocorrência, ou protegendo do seu impacto os objetivos do projeto, por ele ameaçados. A estratégia aqui definida é prevenir e foi adotada para esse caso. Custo final do produto inviável: A Estratégia utilizada para trabalhar esse risco foi mitigar. Todas as formas que buscam reduzir a probabilidade de e/ou as consequências do risco, caso ele ocorra, são consideradas estratégia para mitigar os (DINSMORE, 2005, p. 205). Como foram firmados diversos convênios de parceria com empresas e instituições que colaboraram nas etapas de desenvolvimento do projeto de inovação, contribuindo com recursos humanos e equipamentos, na tentativa de se reduzir o custo final do produto, essa foi a estratégia utilizada para o risco acima citado. Orçamento disponibilizado insuficiente: A estratégia utilizada nesse risco foi Transferir. Disnmore (2005, p. 205) afirma que transferir um risco significa transferir a responsabilidade gerencial sobre o risco para outra parte. Neste caso, o SENAI Departamento Regional do Ceará ficou responsável pela complementação do orçamento, caso necessário. Tecnologia desenvolvida obsoleta devido ao tempo para desenvolvimento: A estratégia utilizada foi Mitigar, pois foram feitos diversos estudos e análises objetivando a comprovação da viabilidade técnica, econômica e financeira do novo produto. Não aceitação do novo produto pelo mercado: A estratégia utilizada foi Prevenir, onde foi elaborado um eficiente plano de marketing e comercialização, visando à divulgação do produto no mercado. Além disso, foram firmados contratos de parcerias com grandes operadoras de telecomunicações, onde as mesmas irão utilizar o novo equipamento em seus processos de testes de redes Metro Ethernet. Falta de matéria prima no comércio local para desenvolvimento do produto: A estratégia utilizada foi Prevenir, onde foram firmados contratos de parcerias com fornecedores locais. Atuação da concorrência no mercado brasileiro e internacional: A estratégia utilizada foi Prevenir, pois com as parcerias firmadas e participação da empresa Teracom Telemática (Datacom), será possível garantir uma política atrativa de preços. Além disso, serão utilizadas ferramentas como o e-commerce para comercialização do produto inovador. Enfim, a utilização dessas estratégias de respostas aos, garantiu o desenvolvimento e conclusão do projeto inovador dentro do planejado, alcançando todos os seus objetivos e metas. 2.3 Resultados Alcançados Como resultados alcançados ao final do desenvolvimento do projeto de inovação apresentado neste trabalho tivemos: Produção de um software mais inteligente para testes. Implementação da facilidade de testes de forma remota, bem como o acesso remoto ao teste set TSW900ETH. Página 6 de 7

7 Inserção do produto inovador no mercado. Redução de custos, implantação de melhorias e facilidades em serviços de manutenção e certificação de redes Metro Ethernet. Criação de um produto inovador, submetido ao processo de patente junto ao INPI. Esses resultados demonstram a importância de um eficiente gerenciamento de. No que se refere a projetos de inovação tecnológica, diversos são os que permeiam o seu desenvolvimento. Para garantir o sucesso desses tipos de projetos, o uso de ferramentas e técnicas para gestão de é fator impactante e essencial para sucesso de seu desenvolvimento, bem como para a viabilidade de sua comercialização. As técnicas de gerenciamento de apresentadas neste trabalho, permitiram que o projeto de inovação tecnológica fosse aprovado em um edital de fomento, conseguindo recursos para seu desenvolvimento. Além disso, possibilitaram o desenvolvimento da nova tecnologia, dentro do planejado (escopo, tempo, recursos, etc.), alcançando todos os seus objetivos e o principal, a inserção do produto no mercado gerando rentabilidade e crescimento para a Datacom e o SENAI. Conclusão Conforme abordado neste artigo, cada vez mais empresas e instituições estão investindo e trabalhando com inovação tecnológica. As agências de fomento por sua vez, reconhecem a inovação como um poderoso aliado para elevar a competividade das empresas brasileiras. As empresas e instituições buscam esses recursos de fomento a inovação tecnológica para o desenvolvimento de projetos de inovação que muitas vezes são fatores de destaque e sobrevivência dos mesmos. Os projetos de inovação tecnológica necessitam de elevado investimento em pesquisa e desenvolvimento para que se consiga alcançar os objetivos propostos. Normalmente esse tipo de projeto requer grandes recursos financeiros, um tempo maior de desenvolvimento e ao seu final deverá existir a incorporação do seu resultado (produto ou processo) no mercado, garantindo a viabilidade técnica, econômica e financeira do mesmo. O desenvolvimento de projetos baseados em práticas de trabalho reconhecidas pela comunidade acadêmica e econômica favorecem a aprovação de financiamentos e a aquisição de parcerias. As práticas abordadas pelo PMBOK (PMI, 2008) e pelo Manual de Oslo (FINEP, 1997), quando utilizadas no projeto, favoreceram sua aprovação dentro do edital de inovação e estão facilitando o desenvolvimento das atividades dentro de controlados. Bibliografia ABRAHAM, M. B. R. Explosão da inovação - aprenda e inove de forma explosiva. 1ª. ed. São Paulo: Epse, BCB, B. C. do B. Agências de fomento. Site do Banco Central, Disponivel em: <http://www.bcb.gov.br/pre/composicao/af.asp>. Acesso em: 2 agosto BNDES, B. N. de D. Site do BNDES. BNDES - Banco Nacional do Desenvolvimento, Disponivel em: <http://www.bndes.gov.br>. Acesso em: 12 Julho CLEMENTE, A. et al. Planejamento do negócio - como trasformar ideias em realizações. 2ª. ed. Brasília: Lucerna, DINSMORE, P. C. Como se tornar um profissional em gerenciamento de projetos - livro Base de preparação para a certificação PMP. Rio de Janeiro: Quallymark, FINEP. Manual de Oslo - proposta e diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Brasília: [s.n.], FINEP. A Empresa. Página da FINEP, Disponivel em: <http://www.finep.gov.br/o_que_e_a_finep/a_empresa. asp>. Acesso em: 1 Agosto PMI. Guia PMBOK - um guia do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos. 4ª. ed. Coraopolis: PMI, PORTER, M. Estratégia competitiva - técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Campus, SENAI. Technix - sistema de gerenciamento de projetos. Technix, Disponivel em: <www.senai.br/technix>. Acesso em: 7 Agosto WEISZ, J. Projetos de inovação tecnológica - planejamento, formulação, avaliação, tomada de decisões. 1ª. ed. Brasília: IEL, YONEZAWA, W. M. Comércio eletrônico: estratégias e implementação. Universidade Estadual Paulista, Disponivel em: <http://wwwp.fc.unesp.br/~yonezawa/ecestrategia.pdf>. Acesso em: 11 julho Página 7 de 7

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori Gerenciamento de Riscos Marcelo Sakamori Risco Qualquer atividade que pode ocorrer e modificar o resultado de uma atividade do projeto (GREENE, 2008). Risco Risco Risco Gerenciamento de Riscos A finalidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO ALVO

OBJETIVO PÚBLICO ALVO GESTÃO DO RISCO Boas Práticas para o Gerenciamento de Risco em Projetos da Indústria e na Prestação de Serviços. DIFERENCIAIS Avaliação prévia das necessidades de cada participante para customização do

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS Gestão de Riscos Como lidar com as incertezas do Projeto? Thomaz Ottoni da Fonseca 04/11/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 2015 FATTO Consultoria e Sistemas www.fattocs.com 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário ORIENTAÇÕES GERAIS Considerando que projeto deverá ser executado de agosto de 2012 a janeiro de 2013, avaliar a viabilidade de execução e finalização no prazo. Para preencher o formulário, observar as

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software

Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software Disciplina: Modelagem de Processos Prof. Ricardo Villarroel Dávalos ricardo.davalos@unisul.br e rvdavalos@gmail.com Porto União,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Profa. Carolina Andion, Dra Referência: PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE (PMI) Um Guia do Conjunto de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK Capítulo 6),

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Análise SWOT. Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch

Análise SWOT. Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch Análise SWOT Filipe Vana Leonardo Monteiro Marcus Voloch SWOT O significado ANÁLISE SWOT Criada por Kenneth Andrews e Roland Christensen, dois professores da Harvard Business School, e posteriormente aplicada

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais