UMA EXPERIÊNCIA DE CONTROLE E REGISTRO DE ACESSO AO ACERVO DIGITAL DO CAMPUS GLOBAL DA PUCRS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA EXPERIÊNCIA DE CONTROLE E REGISTRO DE ACESSO AO ACERVO DIGITAL DO CAMPUS GLOBAL DA PUCRS"

Transcrição

1 UMA EXPERIÊNCIA DE CONTROLE E REGISTRO DE ACESSO AO ACERVO DIGITAL DO CAMPUS GLOBAL DA PUCRS Marco Gonzalez, Omer Pohlmann Filho, André Raabe, Jiani Cordeiro Cardoso Campus Global - Faculdade de Informática Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Abstract: This article relates the research developed by the Digital Library Laboratory of Campus Global (PUCRS) in order to construct an interface to register and control the users access to documents of PUCRS digital library collection. The documents are available in two different contexts: a restrict context and a public context.to access the collection, users may use two paths: (a) the on-line catalog of libraries of PUCRS, witch has its own search engine and is appropriate to users with less information about the desired document or subject, or (b) using the web interface named CARA digital, with a simple search engine, adequate to users that looks for specific documents, or a set of them, with more precise indications about them. Keywords: human-computer interface, distance learning, digital library, digital collections, access control, access registration, virtual university. Resumo: Apresenta-se um relato do trabalho desenvolvido pelo Laboratório de Biblioteca Digital do Campus Global (PUCRS) na construção de uma interface para controle e registro do acesso de usuários ao acervo digital do Campus Global (PUCRS). São disponibilizados documentos em dois contextos distintos: um contexto restrito e um contexto público. Para efetivação do acesso ao acervo, os usuários podem usar dois caminhos: (a) o Catálogo On-Line das Bibliotecas da PUCRS, com mecanismo de pesquisa próprio, adequado ao usuário que possui poucas informações sobre o documento a qual esta buscando, ou (b) a interface web CARA digital, dotada de um mecanismo de pesquisa simples, adequado ao usuário que busca um documento específico ou um conjunto limitado de documentos, com indicações mais precisas sobre os mesmos. Palavras-Chave: interfaces homem-máquina, aprendizagem à distância, biblioteca digital, acervo digital, controle de acesso, registro de acesso, universidade virtual. Introdução A biblioteca tradicional (em papel) caracteriza-se, além de outros aspectos, por elevados custos decorrentes de encadernação, manutenção e necessidade de espaço para os documentos, por uma cobertura universal insatisfatória e pela ineficiência dos seus serviços de informação [Drabenstott97]. A disseminação das informações armazenadas numa biblioteca tradicional, projeta-se com diferentes perspectivas quando discute-se as possibilidades da biblioteca do futuro [Marchiori97]. O termo "biblioteca digital" identifica uma biblioteca onde a informação (que contém) existe apenas na forma digital, em diferentes meios de armazenagem, estando disponível remotamente de forma compartilhada ou não [Marchiori97]. Já o conceito de "biblioteca virtual" está relacionado com recursos de acesso através de redes de computadores, funcionando como uma nova forma de catálogo on-line de acesso remoto, conhecidos como OPACs (On-line Public Access Catalogs), exigindo interface abrangente, completa, amigável e funcional [Marchiori97]. Nesta nova realidade das bibliotecas, o conceito de "lugar" passa a ser secundário, tanto para o acervo quanto para o usuário. O importante é o "acesso" e, é claro, a "confiabilidade" da informação [Levacov97]. Se, de um lado, o processo de acesso assume características de pesquisa de documentos com recursos de navegação heterogêneos [Levacov97], por outro

2 lado, ultrapassa a pesquisa e alcança o conceito de "empréstimo" (ou de "aquisição"). Confundem-se expressões como "tomar emprestado" e "possuir" [Drabenstott97] e a biblioteca talvez passe a abranger também as funções de uma livraria, como já pode ser observado em livrarias virtuais existentes na Internet. Neste caso, o empréstimo corresponderia, quem sabe, ao direito à visualização, e a aquisição, ao direito de cópia. Nesta área surgem, deste modo, preocupações quanto ao direito autoral e quanto a mecanismos de segurança para estabelecer níveis de restrição de acesso aos documentos [Pohlmann99] [Michel97]. Assumindo o compromisso de enfrentar estes desafios, a Faculdade de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande (PUCRS), desenvolve estudos sobre Universidade Virtual, enfatizando a pesquisa sobre metodologias e recursos tecnológicos na área de Educação a Distância (EAD), através do Campus Global PUCRS. Atendendo a necessidade de disponibilização da informação remotamente para que a educação ocorra efetivamente à distância, o Laboratório de Biblioteca Digital do Campus Global desenvolve o Projeto CARA Digital que tem como meta a construção de uma interface para controle e registro de acesso do usuário ao acervo digital. Contextos dos documentos digitais As pesquisas realizadas no Laboratório de Biblioteca Digital do Campus Global da PUCRS tem, em razão do alcance da disseminação da informação das bibliotecas digitais, apontado para a existência de dois contextos de documentos: restrito e público [Pohlmann99]. Contexto Restrito. Os documentos deste contexto devem ter controle de acesso com limitação do número de usuários através da sua identificação, havendo necessidade de se manter um cadastro de usuários. Cada usuário poderá ter direito de acesso a um, alguns ou todos os documentos. Dependendo do ambiente ou dos objetivos do acervo poderiam ocorrer, entre outros, os seguintes contextos restritos específicos, como de ensino e de empresa. O contexto de ensino poderia estar relacionado a uma Universidade ou, num contexto ainda mais restrito, a uma turma de uma disciplina. Neste último caso teríamos documentos constituindo material de apoio às aulas que, em se tratando de ensino à distância, atenderiam à situação de ausência física do professor, ou, em caso contrário, simplesmente seriam uma fonte de informação complementar. Alunos e professores seriam cadastrados como usuários autorizados. No caso de uma empresa o contexto restrito ficaria caracterizado pelo conjunto de documentos (catálogos de equipamentos, apostilas de treinamento, etc) que teriam como usuários autorizados os próprios funcionários da empresa. Contexto público. Os documentos deste contexto não possuem limitação do número de usuários, sendo liberados a qualquer um que tenha acesso à interface do acervo. Como exemplo poderíamos ter bases de dados documentais de bibliotecas publicas ou o acervo público de uma entidade governamental. Também poderíamos inserir neste contexto documentos como teses e dissertações por exemplo, numa biblioteca universitária. Uma biblioteca poderia trabalhar apenas num destes contextos ou em ambos dependendo dos seus objetivos. Em termos de direito autoral, em um ou outro caso poderíamos ter documentos com cessão ou não de direitos autorais [Pohlmann99]. Por isso, o "contexto público" (onde todos têm direito de acesso ainda que, em alguns casos, seja exigido pagamento de direito autoral) não deve ser confundido com "domínio público" (onde todos têm direito de acesso sem qualquer tipo de remuneração de direito autoral). No ambiente de construção do modelo de Universidade Virtual, onde encaixa-se a biblioteca digital do Campus Global da PUCRS, verifica-se a necessidade de se trabalhar nos dois

3 contextos: restrito (apostilas de aula, artigos em construção, entre outros) e público (dissertações, artigos publicados, etc). Ambos, ainda, sem documentos que exijam remuneração de direito autoral. Autorização e Registro do Acesso ao Acervo A preservação de documentos digitais envolve integridade, quando são protegidos contra alterações autorizadas mas indevidas, e segurança, quando são protegidos contra terceiros [Gyilheany99]. Os avanços da tecnologia da informação tornam a preservação dos dados cada vez mais complexa e difícil de projetar e otimizar. Em uma biblioteca digital, questões relacionadas com a segurança em termos de controle e registro de acessos ganham importância em razão do direito autoral. Estes avanços, que modificam profundamente as práticas sociais e profissionais relativas ao uso da informação, trazem questionamentos sobre os fundamentos ou as justificativas das reivindicações dos titulares de direitos [Michel97]. De qualquer forma, o controle e o registro de acesso aos documentos são necessários e consistem a essência da interface usuário - acervo digital. Segundo Davies [Davies84], os métodos usados para a identificação do usuário podem ser classificados em 4 categorias: (a) identificação através de algo que o usuário conhece; (b) identificação através de algo que o usuário possui; (c) identificação através de uma característica do usuário e (d) identificação através do resultado de uma ação involuntária do usuário. O uso de senha e de cartão de crédito são exemplos das categorias (a) e (b). As categorias (c) e (d) não são sempre diferenciadas uma da outra, mas no caso da informática, teríamos como exemplo o uso do endereço IP da máquina do usuário. Segundo Goncalves [Goncalves97], a proteção básica dos documentos num ambiente web deve levar em conta: (a) o endereço IP ou a identificação da sub-rede ou do domínio usado, (b) o nome e a senha do usuário e (c) a utilização de criptografia de documentos. Segundo o mesmo autor, as informações sobre um usuário podem incluir: (a) o endereço IP de sua máquina, (b) o nome do servidor, (c) o momento do acesso (data e hora), (d) o nome do usuário, se conhecida sua identificação, (e) o endereço URL requisitado pelo usuário, (f) os argumentos submetidos via formulários, (g) o status da requisição do usuário e (h) o tamanho do documento transmitido. Acesso ao Acervo Digital da PUCRS O objetivo básico de uma biblioteca digital é tornar acessível ao computador do usuário a informação disponível, implicando, entre outras coisas [Yabar98], na existência de: Base de dados documentais, Aplicativo de acesso a documentos digitais com gerenciamento e controle de acesso de usuários e Acesso a outras bases documentais e/ou bibliográficas e/ou a bibliotecas virtuais temáticas. A biblioteca digital da PUCRS, através de sua página principal na Internet (http://terra.cglobal.pucrs.br/bibdigital), possibilita acesso ao acervo digital e também às bibliotecas virtuais temáticas do Campus Global: ensino a distância, biblioteca digital e trabalho cooperativo (figura 1).

4 Figura 1. Página principal da biblioteca digital do Campus Global da PUCRS O acervo digital do Campus Global da PUCRS está em fase inicial de construção [Pohlmann98][Raabe99], possuindo uma base de dados documentais com as seguintes características: Indexação interna com código do documento, identificação do arquivo digital, identificação da sua capa virtual e chave de busca e Documentos digitais de contexto restrito e público nos seguintes formatos: PDF (documentos construídos através do AdobeAcrobat) e HTML (documentos a serem acessados diretamente por um browser web). O acesso ao acervo digital da PUCRS é feito pela interface CARA (Controle de Acesso e Registro de Acesso), conforme esquema mostrado na figura 2. BROWSER DO USUÁRIO LOG DE ACESSO CADASTRO DE USUÁRIOS MECANISMO DE PESQUISA EXTERNO CARA MECANISMO DE REGISTRO MECANISMO DE RESTRIÇÃO BASE DE DADOS DOCUMENTAIS DOCUMENTO ÍNDICE EXTERNO MECANISMO DE PESQUISA INTERNO ÍNDICE INTERNO Figura 2. Esquema do controle e registro de acesso (CARA) ao acervo digital do Campus Global da PUCRS Em ambiente intranet, podem ser usados aplicativos como Lotus Notes 1 para listar documentos por categorias ou ativar mecanismos de pesquisa próprios para alcançar o controle de acesso com ou sem chave de busca. No Campus Global da PUCRS os acessos testados via intranet ainda não foram colocados à disposição do usuário final. Em ambiente internet, também pode-se optar pelo uso ou não de algum mecanismo de pesquisa externo. No Campus Global, usa-se o "Catalogo Online das Bibliotecas da PUCRS" (http://verum.pucrs.br:4505/aleph) (figura 3) que é um mecanismo de pesquisa com recursos de busca por autor, por assunto ou por título, entre outros, sem possuir entretanto possibilidade de pesquisa "full text" (realizada no texto inteiro). 1 Lotus Notes é um software de rede da IBM, com arquitetura cliente/servidor, que tem por objetivo apoiar grupos de usuários, compartilhando informações.

5 Figura 3. Catálogo Online das Bibliotecas da PUCRS O uso de um mecanismo de pesquisa externo faz com que o usuário obtenha uma chave de busca para direcionar a pesquisa interna. Esta fica simplificada e apenas necessita localizar o documento no acervo. Este caminho adapta-se melhor a busca de documentos de contexto público, que podem ser de interesse de um grande número de usuários que não tem uma idéia muito precisa de seu conteúdo, nem de sua existência e muito menos da sua identificação bibliográfica. Por outro lado, existe o caminho que leva o usuário ao mecanismo de pesquisa interno, ou seja diretamente à interface CARA (http://terra.cglobal.pucrs.br/bibdigital/d.htm), conforme mostra a figura 4. Figura 4. Interface de controle e registro de acesso (CARA) ao acervo digital A listagem dos documentos por seção, conforme o exemplo mostrado na figura 4, apresenta as seguintes informações: Contexto do documento: restrito ( ) ou público ( ). Número de identificação do documento no acervo digital. Exemplo: art12. Chave de busca do documento. É um termo definido pelo(s) autor(es) do documento, revelando algo sobre seu título, local de publicação e/ou nome de autor(es), de forma que seja razoavelmente significativo para quem procura o documento. Exemplo: planocenarioscleipanel98. Tipo do documento. Exemplo: [.pdf]. Cada um dos registros listados permite ao usuário visualizar a capa virtual do documento (passando o ponteiro do mouse sobre o registro) ou selecionar o documento ("clicando" sobre

6 o registro). A listagem dos documentos é obtida através de programa CGI 2 que consulta o índice de documentos e gera a página HTML da listagem com as informações e os "links" apropriados. Esse tipo de pesquisa, bem mais simples que a anterior, adapta-se melhor ao contexto restrito, onde pelo menos uma referência bibliográfica ou qualquer outro tipo de indicação ao documento é conhecida do usuário. Assim, o mecanismo de pesquisa interno foi implementado, nesta fase inicial, para listar os documentos, subdividindo-os nas seguintes sessões: Artigos. Documentos em construção, em aprovação ou aprovados em eventos (congressos, seminários e outros) ou para publicação em revistas ou outros veículos. Apresentações. Documentos gerados em MicroSoft PowerPoint para apresentações da equipe do Campus Global. Disciplinas. Programas contendo ementa, objetivos e conteúdo de disciplinas e "links" para planos de aulas de turmas. Dissertações. Dissertações de mestrado. Livros. Publicações constituídas por artigos ou outros trabalhos configurando uma edição. Material de apoio às aulas. Apostilas, textos de exercícios ou outros materiais usados pelos professores, como apoio às suas aulas, para serem consultados pelos alunos. Relatórios. Documentos internos da equipe do Campus Global. Produtos. Informações sobre produtos gerados pela equipe do Campus Global. Trabalhos de Conclusão. Trabalhos de conclusão de cursos de graduação. Tutoriais. Tutoriais diversos sobre equipamentos, aplicativos ou outros. As figuras 3 e 4 mostram o mesmo documento sendo localizado de dois modos: Através de mecanismo de pesquisa interno da biblioteca digital, na sessão "Artigos", com a visualização da capa virtual do documento apresentando o título e os nomes dos autores, e Através de mecanismo de pesquisa externo com a visualização de alguns dados sobre o documento e o "link" que o remete ao mecanismo de pesquisa interno, agora já com a chave de busca. Neste caso, o usuário não passará por uma lista de documentos a selecionar, mas já será remetido à capa virtual do documento escolhido. Em ambos os casos, a visualização do que chamamos de capa virtual do documento busca oferecer ao usuário a certeza de estar selecionando o documento desejado, ao serem apresentados título e autores do artigo ou trabalho. Estuda-se inclusive disponibilizar outras informações a respeito do documento escolhido como sumários e resumos, antes do acesso final. Uma das preocupações sempre presente foi tentar viabilizar diversos caminhos aos documentos a fim de verificar o comportamento do controle de acesso implementado, estudando perspectivas diferentes em contextos diferentes. O objetivo, assim, foi trabalhar com uma interface com funcionamento tão independente de contexto quanto possível. De qualquer forma um ou outro modo de acesso pode contemplar a seleção de documentos de contexto restrito ou público. Fica clara, entretanto, a necessidade de mecanismos de pesquisa 2 CGI (Common Gateway Interface) é uma interface que executa programas externos suportados por servidores de informação.

7 mais poderosos no contexto público, como por exemplo os disponíveis no software IBM Digital Library. Este software está em fase final de instalação no Campus Global da PUCRS. No contexto restrito, em alguns casos, os mecanismos de pesquisa podem ser mais simples ou mesmo dispensados uma vez que o usuário (um aluno, por exemplo) pode receber (do professor) a indicação da chave de busca do documento para obter seu acesso diretamente. As interfaces de interação com o usuário, apresentadas neste trabalho, estão em processo de reestruturação. Estudos relacionados à área de interface homem-máquina estão sendo realizados, pela equipe do Laboratório de Biblioteca Digital do Campus Global, com o objetivo de oferecer ao usuário uma interface que apresente facilidade de uso, através da localização das informações adequadas ao que ele procura, rapidez de acesso aos documentos, assimilação de procedimentos para realização de uma determinada tarefa, buscando com isso, a satisfação do usuário ao utilizar-se da Biblioteca Digital da PUCRS, como fonte de pesquisa, informação e conhecimento. Controle e Registro de Acesso O esquema geral do controle de acesso pode ser visto na figura 5. Em ambiente Internet ou Intranet, o usuário tem dois modos de acesso: (a) sem chave de busca (nesse caso é apresentada a listagem de documentos por seção para que o usuário possa fazer a seleção) ou (b) com chave de busca (nesse caso algum mecanismo de pesquisa externo possibilita a busca direta do documento). mecanismo de pesquisa interno sem chave de busca VIA INTERNET LISTAR DOCUMENTOS POR SEÇÃO SELECIONAR DOCUMENTO ÍNDICE MOSTRAR CAPA com restrição documento não encontrado CAPA VIRTUAL VIA INTRANET com chave de busca BUSCAR DOCUMENTO documento documento mecanismo de restrição sem restrição acesso negado VERIFICAR USUÁRIO E SENHA CADASTRO DE USUÁRIOS sem restrição mecanismo de registro MOSTRAR DOCUMENTO REGISTRAR ACESSO DOCUMENTO L0G DE ACESSO Figura 5. Esquema geral do controle de acesso ao acervo digital da PUCRS A chave de busca de um documento é construída de forma a oferecer ao usuário informações iniciais suficientes para apoiar uma possível escolha. Isso é complementado pela apresentação da capa virtual do documento, se o usuário assim desejar, antes do processo de seleção. A próxima etapa, após a localização do documento, consiste na verificação de usuário e senha (em contexto restrito) ou em mostrar o documento (em contexto público). A figura 6 mostra o caso em que é solicitado ao usuário seu nome e sua senha para liberação de um documento restrito. Neste caso, um programa CGI recebe nome e senha do usuário, além do número de indicação do documento desejado. Estando nome e senha corretos, verifica se existe direito de acesso. Se tudo estiver correto, o documento estará liberado para o usuário.

8 Figura 6. Solicitação de usuário e senha, para o documento referido nas figuras 3 e 4 A apresentação do documento selecionado, obedecendo o formato do arquivo, é feita então através do browser do usuário. O registro de acesso, antes disso, é feito por programa CGI que guarda no "log de acesso" as seguintes informações: Data e hora do servidor, Código do documento no acervo, Nome do arquivo que contém o documento, Nome do usuário, caso seja um documento de contexto restrito, Endereço IP do servidor remoto de onde o usuário faz a solicitação de acesso, Nome do servidor remoto (se houver esta informação) e Identificação e o nome do usuário (se o servidor suportar processo de identificação e autenticação através de processos próprios de seu sistema operacional). Considerações sobre a Implementação Duas formas de consulta são necessárias para efetivar o acesso aos documentos: através do índice de documentos e através do cadastro de usuário. Ambos, nessa fase inicial, são implementados usando-se simples arquivos-texto No futuro podem ser substituídos por bases de dados mais sofisticadas, como por exemplo, pelas usadas pelo software Digital Library. Este possui uma arquitetura cliente/servidor composta de três módulos: (a) "Library Server" (LS), com referência bibliográfica e controle de acesso, (b) "Object Server" (OS), que guarda os documentos digitais, e (c) as aplicações do cliente. Em analogia com esse software, a interface CARA engloba, de forma mais simples, o controle de acesso, através do cadastro de usuários, e a referência bibliográfica, através do índice de documentos. Essas tarefas podem futuramente ser assumidas pelo componente LS do Digital Library. Atualmente, no índice de documentos são armazenadas as seguintes informações sobre cada documento do acervo digital: Número de identificação do documento no acervo, Nome do arquivo (pdf ou html) que contém o documento (incluindo sua localização dentro do acervo), Nome do arquivo (jpg) com a "capa virtual" do documento e Chave de busca do documento Há uma série de outras informações (por exemplo, palavras-chave, nome dos autores, etc.) a serem acrescentadas aqui para viabilizar qualquer mecanismo de pesquisa que vier a ser implementado.

9 No cadastro de usuários são armazenadas as seguintes informações sobre aqueles com direito de acesso aos documentos: (a) nome do usuário, (b) senha do usuário e (c) lista de documentos onde o usuário tem direito de acesso. O nome e a senha dos usuários, em geral, são definidos pelo autor do documento, assim como a chave de busca do mesmo. Um documento, então, para estar disponível no acervo digital necessita de: Arquivo físico (.pdf,.htm ou.ppt) que o contém, Capa virtual em arquivo físico (.jpg), Indexação na biblioteca central da PUCRS, no caso de se desejar que seu acesso seja possível pelo mecanismo de pesquisa da mesma e Um ou mais usuários (com senha) cadastrados com direito de acesso sobre ele, no caso de ser restrito. A interface do controle e registro de acesso ao acervo digital constitui-se de Conclusões Páginas web, estruturadas em "frames" (permite que áreas da tela sejam ocupadas por páginas web diferentes), usando linguagens HTML e JavaScript, Programas CGI, em linguagem C, com entrada de dados através de variável de ambiente QUERY_STRING, que contém a informação que segue o ponto de interrogação em um endereço web requisitado, através de formulário HTML e método GET, e leitura de informações para registrar acessos efetivados, através de variáveis de ambiente REMOTE_ADDR, que contém o endereço IP do servidor remoto que faz uma requisição, além de REMOTE_HOST, que tenta obter o nome do servidor que faz uma requisição, e REMOTE_IDENT e REMOTE_USER, que tentam obter o nome do usuário remoto, se estas informação sobre o servidor e o usuário existirem. Através da construção da interface usuário-acervo para a Biblioteca Digital da PUCRS, busca-se atingir os seguintes objetivos gerais: Construção de interface amigável, tornando disponível ao usuário o acesso ao acervo digital de forma intuitiva, eficiente e eficaz, com mecanismos de pesquisa adequados a documentos de contextos restrito e público; Controle de acesso ao acervo digital, permitindo que documentos de contexto restrito estejam disponíveis somente a usuários/equipamentos autorizados; Registro de acesso ao acervo digital, guardando informações sobre acessos efetivados por usuários a documentos de contextos restrito e público Muito há que se fazer tanto à interface com o usuário quanto aos mecanismos de controle e registro de acesso implementados. Os próximos passos enfatizarão o controle dos usuários através da identificação dos equipamentos em uso, a implementação de requisitos de segurança que garantam, tanto quanto possível, a preservação dos documentos, e a análise estatística dos acessos efetivados. Numa etapa posterior, será estudado o momento pósacesso, que exigirá, controle maior, onde é definido o que o usuário poderá fazer com o documento: visualização ou visualização e cópia e, em decorrência, com limitação ou não destas ações. De qualquer forma, todas essas preocupações baseiam-se na necessidade da disponibilização controlada do acervo digital de forma a garantir aos autores a disseminação segura de seus documentos, principalmente quando houver necessidade de remuneração de direito autoral.

10 Agradecimentos Este trabalho faz parte do projeto IBM Global Campus, que visa pesquisar e desenvolver recursos tecnológicos para suporte à Universidade Virtual. Os autores agradecem a Ana C. Jungton, Karen S. Borges e Edicarsia Barbiero, pesquisadoras do Laboratório de Biblioteca Digital, pela contribuição dada a este trabalho. Referências Bibliográficas [Davies84] DAVIES, D.W.; PRICE, W.L. - Security for Computer Networks - An Introduction to Data Security in Teleprocessing and Eletronics Funds Transfer. J. Wiley & Sons Ltd. Inglaterra [Drabenstott97] DRABENSTTOT, K,M.; BURMANN, C.M. - Revisão Analítica da Biblioteca do Futuro. Ciência da Informação, núm. temático sobre biblioteca virtual, IBICT, 1997 [Gilheany99] GILHEANY, S. - The Next Three Years on the Internet for Publishing and Libraries ( ) [Goncalves97] GONCALVES, M. - Protecting Your Web Site with Firewalls. Prentice Hall PTR, [Levacov97] LEVACOV, M. - Bibliotecas Virtuais: (R)evolução? Ciência da Informação, núm. temático sobre biblioteca virtual, IBICT, 1997 [Marchiori97] MARCHIORI, P.Z. - "Ciberteca" ou Biblioteca Virtual: Uma Perspectiva de Gerenciamento de Recursos de Informação. Ciência da Informação, núm. temático sobre biblioteca virtual, IBICT, 1997 [Michel97] MICHEL, J. - Direito de Autor, Direito de Cópia e Direito à Informação. Ciência da Informação, núm. temático sobre biblioteca virtual, IBICT, [Pohlmann98] POHLMANN Fº, O.; CAMPOS, M.B.; RAABE, A.; TONDING, F.J.; VIEIRA, S.H. - Em Direção a Criação de uma Biblioteca Digital na PUCRS - Uma Experiência Prática. II Seminário Internacional de Bibliotecas associadas a UNESCO Cienfuegos, Cuba, [Pohlmann99] POHLMANN Fº, O.; RAABE, A. - Direito Autoral no Contexto de Bibliotecas Digitais. III Congresso Internacional de (Tele)Informática Educativa. Santa Fé - Argentina, [Raabe99] RAABE, A.; POHLMANN Fº, O. - Estudo Comparativo entre Sistemáticas de Digitalização de Documentos: Formatos HTML e PDF. Revista Ciência da Informação Vol.3/98 -MCT, CNPq, IBICT [Yabar98] YABAR, J.M. Nuevas Tecnologias y Formación Presencial Endereço dos autores Marco Gonzalez Omer Pohlmann Filho André Raabe Jiani Cordeiro Cardoso Campus Global - Faculdade de Informática Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Av. Ipiranga CEP Porto Alegre Rio Grande do Sul Brasil;

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais 1 Prof. Omer Pohlmann Filho Prof.. Marco Gonzalez Edicarsia Barbiero José Mauricio Maciel Karen Borges Profª ª Elisa Corrêa dos Santos Jiani Cardoso Convênio

Leia mais

Informação digital no ensino presencial e no ensino a distância

Informação digital no ensino presencial e no ensino a distância Informação digital no ensino presencial e no ensino a distância Marco Gonzalez Mestre em Ciência da Computação pela PUCRS (Porto Alegre, RS, Brasil). Especialista em Informática Empresarial e Análise de

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL 1. Visão Geral do Projeto Visando dinamizar ainda mais o julgamento dos processos de competência do Tribunal de

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais

Ambiente Moodle 2º Semestre de 2010 Modelo A4

Ambiente Moodle 2º Semestre de 2010 Modelo A4 Ambiente Moodle 2º Semestre de 2010 Modelo A4 Apresentação dos Professores Carla Kozan- Administração (4º Sem), Direito Matutino (4º Sem), Direito Noturno (4º Sem) Ciências Contábeis (4º Sem), Computação

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

Tutorial: Gestão da Central de Serviços

Tutorial: Gestão da Central de Serviços Tutorial: Gestão da Central de Serviços Orientação para acesso e edição de conteúdos de ofertas de serviços da Central de Serviços da UFABC Novembro de 2014 Autor: Nilson José Zoccaratto Versão 2 Conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Guia do Usuário commanager

Guia do Usuário commanager Guia do Usuário commanager 1 Sumário 1 Introdução 3 2 commanager: 4 2.1. Pré-requisitos: 4 2.2. Arquitetura da aplicação: 4 2.3. Configuração do Monitor e Acesso ao commanager: 5 2.4. Interação do Usuário

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

Sistema de Logística Reversa

Sistema de Logística Reversa Sistema de Logística Reversa Manual de Utilização do Sistema Índice 1 Acessando o Sistema...3 1.1 Alterando a Senha...3 2 Tela Principal...4 3 Inserindo uma nova solicitação de coleta...4 4 Pesquisar solicitações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

O que é. Instruções para utilização. Acesso Remoto ao Portal da Capes via Web

O que é. Instruções para utilização. Acesso Remoto ao Portal da Capes via Web O que é Acesso Remoto ao Portal da Capes via Web A PUCRS é a primeira instituição privada de ensino superior a integrar a Comunidade Acadêmica Federada (CAFe), serviço provido pela Rede Nacional de Ensino

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO NO V SEREX

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO NO V SEREX NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO NO V SEREX A Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade Estadual de Goiás (UEG) realizam de 4 a 6 de junho de 2012 o V Seminário de Extensão Universitária

Leia mais

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos UNIÃO DA VITÓRIA PR SUMÁRIO CAPÍTOLO I - Departamento de Informática e Laboratórios de Computação Dos Laboratórios de Computação e Seus Fins... 2 Da Estrutura

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br

INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES AOS ALUNOS PARA UTILIZAÇÃO DOS CAMPUS

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO APRESENTAÇÃO Este aplicativo possibilita o compartilhamento de planos de aulas e projetos desenvolvidos e/ou aplicados nas unidades educacionais, entre os

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Projeto Arquitetural do IEmbedded

Projeto Arquitetural do IEmbedded Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto I Professora: Francilene Garcia Equipe: Carolina Nogueira de

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Atualizado em 9 de outubro de 2007

Atualizado em 9 de outubro de 2007 2 Nettion R Copyright 2007 by Nettion Information Security. Este material pode ser livremente reproduzido, desde que mantidas as notas de copyright e o seu conteúdo original. Envie críticas e sugestões

Leia mais

www. inf.br Outubro/2008 5www.habisp.inf.br TREINAMENTO HABISP VERBA DE ATENDIMENTO

www. inf.br Outubro/2008 5www.habisp.inf.br TREINAMENTO HABISP VERBA DE ATENDIMENTO 5 www. HABISP. inf.br Outubro/2008 TREINAMENTO HABISP MÓDULO VERBA DE ATENDIMENTO 1 INTRODUÇÃO Este documento, tem por finalidade, permitir aos usuários a utilização das ferramentas do HABISP que possibilitam

Leia mais

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário Setor de Tecnologia da Informação 2012 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015.

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. O Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (SIMEC) é um portal operacional e de gestão do

Leia mais

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet Versão 1.0 09/10 Xerox 2010 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Direitos reservados de não publicação sob as leis de direitos autorais dos Estados Unidos. O conteúdo desta publicação não pode

Leia mais

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos Módulo de Extensão SIGAA Cadastro de Cursos ÍNDICE Instruções gerais Pg. 04 Recomendações Pg. 04 Acessibilidade ao sistema Pg. 04 Acesso ao SIGAA Pg. 04 Acesso ao módulo Pg. 05 Acesso ao tipo de extensão

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Manual de Utilização do GLPI

Manual de Utilização do GLPI Manual de Utilização do GLPI Perfil Usuário Versão 1.0 NTI Campus Muzambinho 1 Introdução Prezado servidor, o GLPI é um sistema de Service Desk composto por um conjunto de serviços para a administração

Leia mais

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa Sistemas Operacionais II Prof. Gleison Batista de Sousa Objetivos de aprendizagem Conhecer o funcionamento dos sistemas operacionais para redes de computadores. Aprender como é feito o gerenciamento do

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI JULHO DE 2015 SUMÁRIO 1 Introdução...3 2 Principais telas do sistema...4 2.1 Acesso inicial...4 2.2 Login no sistema...4 2.3 Modificando os dados

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Manoel Cardoso da Silveira Neto 1, Luciana Vescia Lourega 1 1 Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS - Brasil Caixa Postal 38 98.130-000

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

O artigo a seguir deve ser referenciado como:

O artigo a seguir deve ser referenciado como: O artigo a seguir deve ser referenciado como: Carvalho, José Oscar F. de (2000). A Utilização de Técnicas de Educação a Distância Mediada por Computador como Apoio às Aulas Presenciais: Um Estudo de Caso.

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

Treinamento Portal de Periódicos CAPES 2007. Editores: ACM, Emerald, Oxford, Blackwell e Sage

Treinamento Portal de Periódicos CAPES 2007. Editores: ACM, Emerald, Oxford, Blackwell e Sage Treinamento Portal de Periódicos CAPES 2007 Editores: ACM, Emerald, Oxford, Blackwell e Sage ACM Association of Computing Machinery Página de Acesso http://portal.acm.org/portal ACM Digital Library Coleção

Leia mais

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor Sistema de Gestão e Controle de Consignações On-Line - CONSIGFÁCIL MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor V.4.2 (Agosto/2014) 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSANDO O CONSIGFÁCIL... 4 1.1. NAVEGADOR... 4

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

Fontes de Informação. Direito

Fontes de Informação. Direito Fontes de Informação Direito Ana Maria Neves Maranhão anamaria@dbd.puc-rio.br Edson Sousa Silva edson@dbd.puc-rio.br Divisão de Bibliotecas e Documentação Novembro/2009 BASES DE DADOS Conjunto de dados,

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

SaUni Sistema de Acompanhamento Acadêmico. do Curso UniRede de Formação em EAD. Área Temática: A capacitação dos docentes

SaUni Sistema de Acompanhamento Acadêmico. do Curso UniRede de Formação em EAD. Área Temática: A capacitação dos docentes SaUni Sistema de Acompanhamento Acadêmico do Curso UniRede de Formação em EAD Área Temática: A capacitação dos docentes no uso das novas tecnologias da informação e da comunicação Polak, Ymiracy Nascimento

Leia mais

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos

Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Kaspersky Anti-Virus 2013 Kaspersky Internet Security 2013 Lista de novos recursos Sumário Visão geral de novos recursos 2 Instalação, ativação, licenciamento 2 Internet Security 3 Proteção Avançada 4

Leia mais