Pobreza, Exclusão e Políticas Públicas inclusivas para a Infância

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pobreza, Exclusão e Políticas Públicas inclusivas para a Infância"

Transcrição

1 Clóqui Dinâmicas Actuais da Pbreza e da Exclusã Scial Cnceptualizações, Plíticas e Intervenções Assciaçã Prtuguesa de Scilgia 25 de Nvembr de 2010 Lisba Pbreza, Exclusã e Plíticas Públicas inclusivas para a Infância Manuel Jacint Sarment

2 Preâmbul ( ) A exclusã scial [das crianças] tma várias frmas, algumas das quais estã enraizadas nas cndições materiais das famílias e nas cndições ecnómicas da sciedade, mas utras estã relacinadas cm as relações sciais, sejam intergeracinais u intrageracinais. Uma frma de exclusã scial crrespnde as mds cm as crianças pbres sã marginalizadas pr falta de recurss materiais. Outra reprta-se as mds pels quais as crianças sã excluídas das principais decisões, dentr u fra ds cntexts familiares, de tal md que as suas preferências e desejs nã sã recnhecids pels adults. (Davis & Hill, 2006:14)

3 Exclusã scial Exclusã scial é um cnceit de utilizaçã múltipla. Nã é um cnceit científic. É um cnceit-hriznte (Paugham, 1997) Exclusã remete para nã estabeleciment u a ruptura d laç scial de um indivídu u de um grup. A exclusã scial crre quand se verifica um u váris ds seguintes factres: Insuficiência u escassez de bens necessáris a uma vida sustentada (pbreza) Discriminaçã Privaçã de direits cívics, plítics u sciais Há uma tripla dimensã na exclusã: Segregaçã aut u heter-determinada Nã usufrut de direits Cndicinament da sciabilidade A exclusã é quase sempre multifactrial e reprdutiva

4 Riscs d us indiscriminad d cnceit de exclusã Riscs: Naturalizaçã Fetichism Fatalism Descntextualizaçã Atalh para x03.lnk Aut-atribuiçã causal Rtulagem Efeit de Pigmaliã Criaçã de dependência Prevençã: Análise e diagnóstic ds factres sciais Cartn d jrnal Públic

5 Exclusã scial da Infância As crianças integram-se numa categria scial, d tip geracinal, que sfre factres específics de exclusã scial: As crianças estã privadas de direits plítics frmais As crianças estã numa situaçã de vulnerabilidade estrutural As crianças estã numa situaçã de dependência jurídica Acresce que, na infância, s factres gerais de exclusã têm uma expressã mais agravada: Há prprcinalmente mais crianças pbres (23%) que adults pbres (18%) Sã as crianças as principais vítimas das guerras, ds cataclisms naturais e das catástrfes ambientais Os efeits de exclusã na infância sã mais duradurs e reprdutivs

6 Infância e cntempraneidade Fts Manuel Sarment O paradx mair da infância cntemprânea reside na simultaneidade de: Prclamaçã ds direits e severa restriçã nas cndições sciais d seu usufrut Afirmaçã da cidadania da infância e intensificaçã d cntrl simbólic Institucinalizaçã crescente e crise institucinal

7 Infância e cntempraneidade A cntempraneidade cnjuga a glbalizaçã e individualism institucinalizad (Beck, 1999; Beck e Gernsheim-Beck, 2003) A glbalizaçã pera a diferentes níveis e em distintas escalas: difusã universal da nrmatividade inerente a melhr interesse da criança, assente na cncepçã cidental mderna da infância e expressa na Cnvençã sbre s Direits da Criança da ONU de 1989; cnsequências da ecnmia glbalizada, aument das desigualdades sciais, difusã glbal ds prduts da indústria cultural para crianças (cm clnizaçã d imaginári infantil) jgs, brinqueds, rupas, aliments, acessóris, material desprtiv, esclar, redes de serviçs, criaçã de nvs riscs decrrentes ds principais factres da sciedade de risc (desempreg parental, riscs de desenvlviment assciads à pluiçã ambiental e às catástrfes naturais ptenciadas pelas alterações climáticas, sinistralidade inerente à mtrizaçã ds transprtes, situações decrrentes das guerras e ds cnflits mundiais, etc.). A individualizaçã (increment parxístic d individualism institucinal), atribuind as indivídus a brigaçã cmpulsiva da aut-regulaçã, exprime-se, quant às crianças, na prmçã da autnmia, cm declíni da autridade (paterna, institucinal, etc.).

8 Infância e espaçs estruturais Os espaçs estruturais sã transversais e mutuamente implicads A exclusã scial pde ser analisada, cnsiderand s espaçs estruturais (Sants,2000): espaç-mund espaç cívic-plític espaç de prduçã espaç de mercad espaç cmunitári espaç dméstic As crianças estã scialmente inseridas ns espaçs estruturais, tal cm s adults, mas de frma específica. Os espaçs estruturais crrespndem a cntexts cmuns de existência das crianças, nde s indivídus encntram pssibilidades e cnstrangiments para afirmaçã ds seus prjects de vida

9 Exclusã scial da infância e espaç-mund Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç-mund (implicações lcais das relações glbais): Migrações e restriçã de direits Crianças imigrantes Crianças filhas de emigrantes Guerras, cnflitualidades e exílis Factres linguístics, religiss, culturais Ft ds jrnais

10 Exclusã scial da infância e espaç-cívic plític Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç cívic-plític: Crianças na universidade Ft Cristina Reis Exclusã plítica das crianças factr estrutural A escla cm espaç cívic inserçã na cidadania e direit-dever: exclusã pr abandn esclar exclusã pr insucess esclar - s excluíds d interir (Burdieu, 2000) A criança e a justiça crianças privadas de sciabilidade regular pr aplicaçã de medidas tutelares e restriçã da participaçã ns prcesss judiciais A vilência institucinal n espaç públic (ex: Casa Pia de Lisba)

11 Exclusã scial da infância e espaç da prduçã Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç da prduçã: A pbreza infantil indicadres multivariads (alimentaçã, habitaçã, educaçã, saúde, Basts et al. 2008) A explraçã d trabalh infantil As pires frmas de trabalh infantil Ft: Unicef 2005

12 Exclusã scial da infância e espaç de mercad Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç de mercad: Utilizaçã abusiva da imagem das crianças na publicidade A indústria de prduts para criança, cnsum infantil e as desigualdades de acess a bens, serviçs e prduts. Criaçã de risc de abus na Internet (explraçã cmercial, etc.) Imagem publicitária

13 Exclusã scial da infância e espaç cmunitári Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç cmunitári: Insegurança urbana Mbilidade e circulaçã limitada e reduzida Carências de equipaments (educacinais, de lazer, culturais, etc.) O cas específic das crianças cm dificuldades especiais Dimensões institucinais: frmas de exercíci de vilência simbólica cntra as crianças ns cntexts rganizacinais de aclhiment Ft Ana Murã

14 Exclusã scial da infância e espaç dméstic Factres e expressões de exclusã das crianças n espaç dméstic: Abandn Negligência Vilência e maus-trats intrafamiliares Abus sexual Expsiçã a vilência cnjugal Ausência de participaçã nas decisões familiares d seu interesse direct Ft Paula Ngueira

15 Perspectivas de intervençã A exclusã scial das crianças exige medidas específicas, que se inserem n âmbit mais geral d cmbate à exclusã: N quadr da prduçã e distribuiçã da riqueza e n cmbate às desigualdades Na prmçã de uma cncepçã alargada das crianças cm sujeits de direits N desenvlviment de frmas de cidadania activa das crianças e jvens

16 Intervençã para a inclusã n espaç-mund Medidas: Prmçã da inclusã de crianças imigrantes, de grups étnics minritáris e de crianças refugiadas Prmçã da educaçã intercultural Mbilizaçã cntra racism Sentid: a inclusã das crianças na sciedade glbalizada exige uma cnsciência csmplítica (Beck, 2007), que favreça respeit das diferenças e cmbate às desigualdades, n quadr de uma cidadania glbal.

17 Intervençã para a inclusã n espaç cívic-plític Medidas: Prgramas de cmbate a abandn e insucess esclar (Ex.: Esclhas; TEIP) Prgramas de educaçã de 2ª prtunidade (Ex.: PIEF, CEF; iniciativas CNO) Prmçã de uma esclaridade prlngada (generalizaçã da educaçã pré-esclar; alargament da esclaridade) Pedaggia da inclusã, da autnmia e da participaçã Ampliaçã da rede pública de creches Sistema nacinal de prtecçã das crianças em risc Sentid: A inclusã das crianças n espaç cívic-plític exige priritariamente uma intervençã educativa realizada numa perspectiva de inclusã (Rdrigues et al., 2004), mas igualmente tem pr referência fact de que as crianças nã sã seres aplítics e participam da cidadania cívil.

18 Intervençã para a inclusã n espaç de prduçã Medidas: Prgramas e medidas de cmbate à pbreza (Ex.: RSI; api familiar) Medidas específicas de cmbate à pbreza infantil ns seus indicadres multifactriais (alimentaçã; habitaçã; saúde; educaçã) Plíticas redistributivas e de prmçã da ecnmia scial cm implicações nas cndições de vida das crianças Intervençã de cmbate à explraçã d trabalh infantil e de regulaçã de frmas aceitáveis de trabalh das crianças Sentid: a intervençã n espaç da prduçã é crucial, prque nele se exprime sentid da cidadania scial. Nã bstante, a secundarizaçã da cidadania scial ns últims 30 ans (Castel, 2008) tem agravad s factres de exclusã e desperdíci de vidas (Bauman, 2006), send as crianças as mais agudamente atingidas. Mas, nã se pde cmbater a pbreza infantil das crianças, sem cmbater a pbreza ds pais das crianças

19 Intervençã para a inclusã n espaç de mercad Medidas: Intervençã reguladra da publicidade dirigida às crianças Educaçã para cnsum Regulaçã e cntrl das empresas de serviçs (educacinais, de lazer, desprtivs) para crianças Sentid: a existência de um mercad crescente de prduts e serviçs para crianças nã legitima que se cnsidere a vida das crianças n quadr de uma sciedade de mercad (Frrester, 1999); pel cntrári, implica a cnsideraçã ds seus efeits e cnsequências na vida das crianças e exige a intervençã reguladra ds pderes públics.

20 Intervençã para a inclusã n espaç cmunitári Medidas: Plíticas territrializadas de prmçã d bem-estar e da participaçã infantil Plíticas urbanas para as crianças (Ex.: Cidades Amigas das Crianças; Cidades Educadras) Edificaçã das instituições das crianças (esclas, ATL, Lares; CAT) cm espaçs de afirmaçã de cidadania institucinal na base ds direits individuais e clectivs. Criaçã de dispsitivs de participaçã das crianças nas rganizações Prmçã d cmbate às txicdependências Prgramas de educaçã sexual Prgramas de inclusã das crianças diferentes Preservaçã d equilíbri ambiental e criaçã de cndições de usufrut da natureza. Sentid: uma plítica rientada para desenvlviment lcal e institucinal exprime-se em cidades, territóris e instituições humanizads, nde as crianças pssam encntrar espaçs de cnvivialidade, de realizaçã de ideais de cnfraternizaçã intercultural, e de inserçã n diálg inter e intrageracinal.

21 Intervençã para a inclusã n espaç dméstic Medidas: Plíticas cnducentes à cncretizaçã d direit à família: frmaçã familiar; acmpanhament familiar adpçã, apadrinhament civil aplicaçã efectiva da legislaçã que príbe s castigs crprais frmaçã parental para a participaçã intrafamiliar e cuidad das crianças Sentid- A cidadania íntima : A criaçã de um espaç-temp demcrátic para as crianças implica-se n dmíni das interacções sciais, atravessa espaç familiar e articula-se cm relações intergeracinais sustentadas n recnheciment de uma diferença nã menrizante. A cidadania enraíza-se também em elements simbólics, que se exprimem em atitudes e cmprtaments, para além da regulaçã plítica u nrmativa.

22 Perspectivas de intervençã Intervir ns dmínis d estrutural (plíticas redistributivas e inclusivas) e d simbólic (efeits culturais) Cnsiderar s impacts geracinais das medidas adptadas Estabelecer uma perspectiva de mútua implicaçã d espaç lcal cm as plíticas nacinais Criar dispsitivs que mbilizem e integrem a participaçã das crianças

23 Plíticas Integradas Integraçã das plíticas para a infância plíticas integradas nã sã plíticas centradas ns prgramas, ns prjects, ns prblemas, ns actres/destinatáris, ns recurss sã plíticas centradas na infância cm grup geracinal inserid em espaçs estruturais cncretas: Articular, n plan estratégic e n plan rganizacinal, as plíticas sciais, educativas, de frmaçã, ambientais, de saúde e de rdenament d territóri Estruturar a acçã n âmbit nacinal, reginal e lcal (rede scial) Garantir funcinament em equipas multidisciplinares Desenvlver plíticas diferenciadas mas crdenadas, na base d princípi de diversificaçã cm cerência

24 Epílg O mund Desenh de crianças Barcels Prject Mat que eu sinta s pulmões cm duas velas pandas e que eu diga em nme ds mrts e ds vivs em nme d sfriment e da felicidade em nme ds animais e ds utensílis criadres em nme de tdas as vidas sacrificadas em nme ds snhs em nme das clheitas em nme das raízes em nme ds países em nme das crianças em nme da paz que a vida vale a pena que ela é a nssa medida que a vida é uma vitória que se cnstrói tds s dias que rein da bndade ds lhs ds petas vai cmeçar na terra sbre hrrr e a miséria que nss craçã se deve engrandecer pr ser tamanh de tdas as esperanças e tã clar cm s lhs das crianças e tã pequenin que uma delas pssa brincar cm ele Antóni Rams Rsa

Primeira Intervenção (Oradores)

Primeira Intervenção (Oradores) Oeiras, Ambiente e Mei Urban - Relatóri da Sessã Cm bjectiv de trnar prcess de revisã d PDM Oeiras numa prtunidade de definir um cnjunt de estratégias e linhas de acçã sólidas e eficazes na cncretizaçã,

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PROGRAMAS DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO

Leia mais

Cinco sentidos da Economia Social. Américo M. S. Carvalho Mendes

Cinco sentidos da Economia Social. Américo M. S. Carvalho Mendes Cinc sentids da Ecnmia Scial Améric M. S. Carvalh Mendes ATES Área Transversal de Ecnmia Scial Universidade Católica Prtuguesa Prt 29 de Nvembr de 2015 Améric M. S. Carvalh Mendes Cinc sentids da Ecnmia

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego 6. TEMA EM ANÁLISE Transiçã escla mercad de trabalh: duraçã da prcura d 1º empreg Susana Neves* Institut Nacinal de Estatística Francisc Lima* Institut Superir Técnic e CEG-IST 1. Intrduçã De acrd cm s

Leia mais

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas.

A Internet como possibilidade para articulações micropolíticas. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A Internet cm pssibilidade para

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Açovisa Referência em distribuição de AÇOS. Comunicação de Progresso 2015-16

Açovisa Referência em distribuição de AÇOS. Comunicação de Progresso 2015-16 Açvisa Referência em distribuiçã de AÇOS. Cmunicaçã de Prgress 2015-16 Onde tem Açvisa, Tem a realizaçã de um prjet. O aç se trnu imprescindível as mais diverss segments da indústria, transfrmand criatividade

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Programa Estágios Profissionais

Programa Estágios Profissionais Prgrama Estágis Prfissinais Cnsiste num estági cm a duraçã de 9 meses, pdend prlngar-se, cm autrizaçã d IEFP, excepcinalmente, até 12 meses, quand fr cmplementad pr um estági a realizar em territóri nacinal

Leia mais

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares 3 PONTO DE VISTA A escla inclusiva e a frmaçã de educadres: reflexões preliminares Dra. Rberta Gai 1 Há muit temp tem se falad numa refrma esclar, mas puc tem sid feit para que iss crra. As crianças, de

Leia mais

GRC - 21 Data da publicação: maio/2015

GRC - 21 Data da publicação: maio/2015 Resum Descreve a d PAULISTA. Sumári 1. Objetiv... 2 2. Públic-alv... 2 3. Definições... 2 3.1. Risc Sciambiental... 2 3.2. Escp da (PRSA)... 2 4. Gvernança da... 2 5. Avaliaçã e gestã d risc sciambiental...

Leia mais

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis.

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis. 1 Transfrmand Snhs em Metas Objetiv: Desenvlver as cndições ideais para a ba frmulaçã de bjetivs, transfrmand-s em metas realizáveis. Públic-Alv: Pessas interessadas em atingir sucess prfissinal e realizaçã

Leia mais

CRIMES. DICiITAL. n,. Editor~ NO MEIO AMBIENTE .., 1'1. Celso Antonio Pacheco Fiorillo Christiany Pegorari Conte. ~ Saraiva B22. !

CRIMES. DICiITAL. n,. Editor~ NO MEIO AMBIENTE .., 1'1. Celso Antonio Pacheco Fiorillo Christiany Pegorari Conte. ~ Saraiva B22. ! .., 1'1 I'IJ!li 111 ll I- IA ~ - CRIMES NO MEIO AMBIENTE DICiITAL Cels Antni Pachec Firill Christiany Pegrari Cnte B22 @ n,. Editr~ ~ Saraiva SUMARIO,. - ', CAP(TULO 1 - DO MEIO AMBIENTE DIGITAL... 11

Leia mais

PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE)

PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE) PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE) Prject-Pilt 2008/2009 Administraçã Reginal de Saúde d Nrte- Departament de Saúde Pública Ministéri da Saúde Departament de Saúde Pública Prgrama

Leia mais

Projeto Pedagógico de Animação. Campo de Férias Científicas 2015

Projeto Pedagógico de Animação. Campo de Férias Científicas 2015 Prjet Pedagógic de Animaçã Camp de Férias Científicas 2015 Estremz, 25 de junh de 2015 Índice 1. O Centr Ciência Viva de Estremz 3 2. Caracterizaçã Geral Clónias de Férias Científicas 6 a. Prquê? 7 b.

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

Documento Orientador: UFCD: Ideias e Oportunidades de Negócio Código 7583

Documento Orientador: UFCD: Ideias e Oportunidades de Negócio Código 7583 An Letiv 2016/2017 IDEIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO COMERCIAL PLANIFICAÇÃO ANUAL Dcument Orientadr: UFCD: Ideias e Oprtunidades de Negóci Códig 7583 ENSINO SECUNDÁRIO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

IESEC. Increasing Employability and Standards of Elderly Caregivers through Specialized Training and Innovative Empowerment O2- CURRICULUM

IESEC. Increasing Employability and Standards of Elderly Caregivers through Specialized Training and Innovative Empowerment O2- CURRICULUM IESEC Increasing Emplyability and Standards f Elderly Caregivers thrugh Specialized Training and Innvative Empwerment O2- CURRICULUM CURSO DE FORMAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS A IDOSOS Prject

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO CONDE DE OEIRAS TRIÉNIO 2011/2014 Aprvad pel Cnselh Geral abril de 2012 1ª Alteraçã - dezembr de 2012 2ª Alteraçã dezembr de 2013 ÍNDICE 1. Intrduçã... 4 2. Missã... 5

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31 FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA RESUMO NOTA TÉCNICA nº 14 Cmplementar d Regulament Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31 FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA Enunciar s tips de fntes de alimentaçã de água permitids

Leia mais

9º ANO CURRÍCULOS LÍNGUA PORTUGUESA. Domínios: Leitura / Escrita / Comunicação oral / Funcionamento da língua. Conteúdos estruturantes

9º ANO CURRÍCULOS LÍNGUA PORTUGUESA. Domínios: Leitura / Escrita / Comunicação oral / Funcionamento da língua. Conteúdos estruturantes 9º ANO CURRÍCULOS LÍNGUA PORTUGUESA Dmínis: Leitura / Escrita / Cmunicaçã ral / Funcinament da língua Cnteúds estruturantes Tiplgias textuais Funcinament da língua Text dramátic Aut da Barca d Infern de

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente - uma relaçã evidente e persistente Os Lugares e a Saúde Uma abrdagem da Gegrafia às variações em saúde na Área Metrplitana de Lisba Helena Ngueira Faculdade de Letras da Universidade de Cimbra Lisba,

Leia mais

Sinopse do PDI (Quiquênio 2013/2017)

Sinopse do PDI (Quiquênio 2013/2017) Sinpse d PDI (Quiquêni 2013/2017) Breve históric A Assciaçã de Ensin e Cultura Pi Décim existe n estad de Sergipe desde an de 1954 atuand n ensin básic. Pel Decret nº 77.232, de 25 de fevereir de 1976,

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

Como ajudar os jovens a despertar o gosto pela leitura

Como ajudar os jovens a despertar o gosto pela leitura Cm ajudar s jvens a despertar gst pela leitura Wrkshp CMC Luanda, 19 de Abril de 2016 Pergunta para discussã Os jvens estã cada vez mais distantes ds livrs? Cmissã d Mercad de Capitais 2 Sumári 1. OBJECTIVOS

Leia mais

1 - Quais competências socioemocionais são mais importantes?

1 - Quais competências socioemocionais são mais importantes? Que cmpetências sciemcinais precisam ser desenvlvidas? Cm deve ser a frmaçã ds prfessres para lidar cm esse desafi? Que cuidads sã necessáris na avaliaçã? O desenvlviment intencinal de capacidades que

Leia mais

Catálogo de Serviços. Versão 4.0

Catálogo de Serviços. Versão 4.0 Catálg de Serviçs Versã 4.0 Os direits de autr deste trabalh pertencem a Institut de Infrmática, I.P. (II, I.P.) e a infrmaçã nele cntida encntra-se classificada em cnfrmidade cm a plítica de segurança

Leia mais

Resumos Soltos Geografia 9º ano. Unidade 1: Contrastes de Desenvolvimento. 1.2 Interdependência entre espaços com diferentes níveis de desenvolvimento

Resumos Soltos Geografia 9º ano. Unidade 1: Contrastes de Desenvolvimento. 1.2 Interdependência entre espaços com diferentes níveis de desenvolvimento Unidade 1: Cntrastes de Desenvlviment 1.2 Interdependência entre espaçs cm diferentes níveis de desenvlviment Os principais países em desenvlviment surgem de antigas clónias eurpeias. Principais bstáculs

Leia mais

Governação Integrada em Territórios Vulneráveis

Governação Integrada em Territórios Vulneráveis Fórum GOVINT GOVERNAÇÃO INTEGRADA. A EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL E DESAFIOS PARA PORTUGAL 16 utubr 2015 Gvernaçã Integrada em Territóris Vulneráveis Jã Ferrã, ICS-UL (crd.) Jã Murat (ICS-UL) Jrge Malheirs

Leia mais

Seção II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS

Seção II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Seçã II AÇÕES DE ASSESSORAMENTO, DEFESA E GARANTIA DE DIREITOS 1. A seçã II deverá ser preenchida após realizaçã de visita técnica; 2. Este Instrumental de Visita Técnica cntém

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR Prgrama de Higiene, Saúde e Segurança n Trabalh Curss de Educaçã e Frmaçã MÓDULO 3 Intrduçã à Higiene, Segurança e Saúde n Trabalh II 1 Apresentaçã Tend já

Leia mais

"O ENSINO POLITÉCNICO COMO IMPORTANTE PARADIGMA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL" *

O ENSINO POLITÉCNICO COMO IMPORTANTE PARADIGMA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL * "O ENSINO POLITÉCNICO COMO IMPORTANTE PARADIGMA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL" * JOÃO PEDRO DE BARROS ** * Cmunicaçã apresentada em 9/2/1999, num Seminári rganizad pel Departament de Ciências da Educaçã da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Edital nº26/2015 PROPP/UEMS, 28 de agst de 2015. ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENSINO EM SAÚDE, MESTRADO PROFISSIONAL, DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo A Aventura da Cnsciência Satprem 1 Sri Aurbind u a Aventura da Cnsciência Satprem 1- Um Ocidental Talents Reintegrar Espírit n Hmem e na Matéria: "Os céus além sã grandes e maravilhss, mas maires e ainda

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Programa Eleitoral. Área Social, Educação e Saúde

Programa Eleitoral. Área Social, Educação e Saúde Prgrama Eleitral Área Scial, Educaçã e Saúde Generalidades: Os muitas vezes necessáris estuds e diagnóstics estã feits e sã pr agra certamente suficientes. A falta de dinheir dispnível faz ainda mais cm

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

Instituto Superior de Línguas e Administração

Instituto Superior de Línguas e Administração Institut Superir de Línguas e Administraçã Estabeleciment de Ensin Superir - Vila Nva de Gaia Avaliaçã à unidade curricular de Gestã das Organizações A - DELTA CAFÉS A Delta Cafés nasceu n iníci ds ans

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

QUADRO DE PROGRAMAS e SERVIÇOS de PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA e ESPECIAL da FASC

QUADRO DE PROGRAMAS e SERVIÇOS de PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA e ESPECIAL da FASC QUADRO DE S e SERVIÇOS de PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA e ESPECIAL da FASC Nme d Prteções 101 Bem-Me-Quer Prgrama Municipal de Execuçã de Medidas Sóci- Educativas em Mei Abert - PEMSE Acmpanhament de adlescentes

Leia mais

PROCEDIMENTO CORPORATIVO DIVISÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA TÍTULO: ANÁLISE DE DOCUMENTAÇÃO GOVERNO SEGMENTO TOP E PME

PROCEDIMENTO CORPORATIVO DIVISÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA TÍTULO: ANÁLISE DE DOCUMENTAÇÃO GOVERNO SEGMENTO TOP E PME TÍTULO: PC 2 1/9 Objetiv: Apresentar as regras gerais para análise da dcumentaçã de pedids prvenientes d segment Gvern da carteira TOP e PME. Abrangência: Nacinal Cnceit Licitar Hmlgar Adjudicar ferecer

Leia mais

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções Avaliaçã Imbiliária e Manutençã das Cnstruções 1ª Épca 15 de junh de 2016 (11h30) (V1.26 V1.25) Nme: Númer: Duraçã ttal sem interval: 1,45 hras Ntas: I. Nã é permitida a cnsulta de quaisquer ntas u dcuments,

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Mobilidade Urbana e Violência no Trânsito

Mobilidade Urbana e Violência no Trânsito APERS? Presente, prfessr! Prpstas Pedagógicas a partir de Fntes Arquivísticas Mbilidade Urbana e Vilência n Trânsit A Transversalidade nas Fntes diversas fntes arquivísticas para diferentes trabalhs pedagógics

Leia mais

Eric Arthur Bastos Routledge rotledge@agricultura.gov.br (61) 218-2866 Cláudia Ramos Zagaglia zagaglia@agricultura.gov.

Eric Arthur Bastos Routledge rotledge@agricultura.gov.br (61) 218-2866 Cláudia Ramos Zagaglia zagaglia@agricultura.gov. Relatóri da 1ª Reuniã Cmitê Temátic Permanente 7. Treinament, capacitaçã, pesquisa e transferência de tecnlgia, realizada ns dias 10 e 11 de març de 2005, n Ministéri da Fazenda, Setr de Autarquia Sul,

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho Clégi de Nssa Senhra de Fátima - Leiria Gegrafia Planificaçã a lng praz Filipe Miguel Btelh 01-01 Planificaçã a lng praz 7º an - Gegrafia 1º Períd Temps º Períd Temps º Períd Temps TEMA A A TERRA: ESTUDOS

Leia mais

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017 Admissões para Creche e Pré-esclar 2016 / 2017 1ª Fase: Pré-candidatura Decrre entre 4 a 29 de Janeir (2016): - Ficha de candidatura devidamente preenchida e assinada (dispnível na Secretaria u n site:

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A8 Análise Temp de

Leia mais

Regime Escolar Fruta Escolar /

Regime Escolar Fruta Escolar / Regime Esclar Fruta Esclar / Frmuláris 2016/2017 - Índice NOTA INTRODUTÓRIA...3 Pedid de Ajuda...4 1. Pedid de Ajuda...4 A. Página de Rst d Pedid...4 B. Pedid de Ajuda Página dis...6 C. Mapa de Medidas

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

Programa IBP de Bolsas de Mestrado

Programa IBP de Bolsas de Mestrado 1. Infrmações Gerais Prgrama IBP de Blsas de Mestrad Term de Referência 8 Cicl - 2014 O Institut Brasileir de Petróle, Gás e Bicmbustíveis, ciente da imprtância da frmaçã de prfissinais cm capacitaçã adequada

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA

PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA Módul 5 O ESTADO E A ATIVIDADE ECONÓMICA 1- Estad nçã e Apresentar a nçã de Estad Expsiçã ral Avaliaçã d prcess de 32 funções Trabalhs de grup trabalh: grelhas de Nçã Caraterizar as funções d Leitura e

Leia mais

A proteção de nomes geográficos no processo de novos gtlds. V3 29 de agosto de 2014

A proteção de nomes geográficos no processo de novos gtlds. V3 29 de agosto de 2014 A prteçã de nmes gegráfics n prcess de nvs gtlds V3 29 de agst de 2014 Preparad pel subgrup de trabalh para a prteçã de nmes gegráfics nas próximas rdadas de nvs gtlds 1. Finalidade Durante 47 Encntr da

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1 Améric M. S. Carvalh Mendes Área Transversal de Ecnmia Scial Universidade Católica Prtuguesa - Prt 1. SECTOR DA ECONOMIA

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 04/11/2014 a 23/11/2014 Carg: Agente Educacinal II: Assistente Financeir Taxa de Inscriçã: R$ 63,69 Salári/Remuneraçã: R$ 1.117,29 Nº Vagas: 269

Leia mais

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon.

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon. 14 de Nvembr de 2007. Prfessr Chamn. Vesícula e vias biliares. Cnsiderações cirúrgicas. Objetivs. Cnsiderações da anatmia. Patlgias cirúrgicas. Fisipatlgia. Diagnóstic. Alternativas de tratament. Tratament

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Substituição de descodificadores antigos

Substituição de descodificadores antigos Substituiçã de descdificadres antigs De md a assegurar a dispnibilizaçã cntínua da tecnlgia mais recente as seus subscritres a MultiChice África irá realizar um prcess de actualizaçã ds descdificadres

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

TREINADORES CURSO DE TREINADOR DE GRAU I]

TREINADORES CURSO DE TREINADOR DE GRAU I] 2015 [FORMAÇÃO DE TREINADORES CURSO DE TREINADOR DE GRAU I] FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO 1 CALENDARIZAÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO DE TREINADORES DE GRAU I 1. Lcal de realizaçã Lisba Aulas Teóricas:

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Assembléia Le islativa do Estado de Rondôni

Assembléia Le islativa do Estado de Rondôni Recebid, Autue-se e Inclua em pauta. Assembléia Le islativa d Estad de Rndôni ọ...j c, ATOR: ESTADO DE RONDÔNIA Assembléia Leail?tiva 1 2 MAl 2015 Prll: j q6'! 5-,--_ TADO AELCIO DA TV - PP Prcess: J1().

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL

RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DO GRUPO TIM NO BRASIL PREMISSA Cnectar e cuidar de cada um para que tds pssam fazer mais Esse é prpósit da TIM que, além de traduzir sua atuaçã invadra, também se

Leia mais

CARTA CONVITE Nº. 007/2011 SENAR/BA EDITAL Nº 007/11

CARTA CONVITE Nº. 007/2011 SENAR/BA EDITAL Nº 007/11 CARTA CONVITE Nº. 007/2011 SENAR/BA EDITAL Nº 007/11 DATA DA ABERTURA: 25/04/2011 HORÁRIO: 14:30h MODALIDADE: CARTA CONVITE TIPO: MENOR PREÇO GLOBAL LOCAL: RUA PEDRO RODRIGUES BANDEIRA, 143 8º ANDAR COMÉRCIO

Leia mais

A Empresa. 3 Drivers Engenharia, Inovação, Ambiente, Lda. Avenida 5 de Outubro, 124, 4º piso Lisboa, Portugal

A Empresa. 3 Drivers Engenharia, Inovação, Ambiente, Lda. Avenida 5 de Outubro, 124, 4º piso Lisboa, Portugal IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES NA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA RÉPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - instituída pela Lei N.º 12.305, de 2 de Agst de 2010 Memrand para Clabraçã da

Leia mais

A POSSILIDADE DE CRIANÇAS COM AUTISMO ESTUDAR NUMA ESCOLA REGULAR

A POSSILIDADE DE CRIANÇAS COM AUTISMO ESTUDAR NUMA ESCOLA REGULAR A POSSILIDADE DE CRIANÇAS COM AUTISMO ESTUDAR NUMA ESCOLA REGULAR Autr (1); Izabelle de Paula Braga Mendnça. C-autr (1); Lilian rdrigues da Silva (2); Thacymara Gmes Filgueira Universidade d Estad d Ri

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS. Eixo Prioritário 3

PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS. Eixo Prioritário 3 PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS Avis Nº ACORES-51-2017-14 PROGRAMA OPERACIONAL PARA OS AÇORES 2020 Eix Priritári 3 Cmpetitividade das Empresas Reginais Priridade

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

Relatório de CCU. 2010/2011 - Aula 1. iservices for the Elderly. Grupo 8. Tiago Castelo Nº 54294 Diogo Lacerda Nº 55819 João Nunes Nº 54285

Relatório de CCU. 2010/2011 - Aula 1. iservices for the Elderly. Grupo 8. Tiago Castelo Nº 54294 Diogo Lacerda Nº 55819 João Nunes Nº 54285 Relatóri de CCU 2010/2011 - Aula 1 iservices fr the Elderly Grup 8 Tiag Castel Nº 54294 Dig Lacerda Nº 55819 Jã Nunes Nº 54285 Relatóri CCU 2010/2011 Cnteúd 1. Identificaçã de Stakehlders... 3 a. Api Dmiciliari...

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira Estratégia Nacinal de Especializaçã Inteligente Lisba, 2 de fevereir de 2017 Jsé Carls Caldeira Estrutura da Apresentaçã I. ENEI: prcess em Prtugal II. Mnitrizaçã e avaliaçã III. Primeirs resultads I.

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

Classe Fé e Vida IPJG Maio 2016

Classe Fé e Vida IPJG Maio 2016 Classe Fé e Vida IPJG Mai 2016 1 Deus é fiel Vcê é fiel? 2 Deus é fiel temp td E nós??? 3 N mund ds Negócis N mund da Plítica N mund Scial N mund Eclesiástic 4 Aquele que, só Ele, é fiel, fiel em tud,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais