Solidariedade e Justiça Social Rodas de conversa. Semana da Solidariedade De 05 a 12 de Novembro de 2013 Solidariedade e Justiça Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Solidariedade e Justiça Social Rodas de conversa. Semana da Solidariedade De 05 a 12 de Novembro de 2013 Solidariedade e Justiça Social"

Transcrição

1 Solidariedade e Justiça Social Rodas de conversa

2 Solidariedade e Justiça Social Rodas de conversa Semana da Solidariedade De 05 a 12 de Novembro de 2013 Solidariedade e Justiça Social Equipe de produção: Alessandra Miranda José Magalhães Projeto gráfico e diagramação: Marcos Tramontin Serafim 02

3 Apresentação No Brasil que vivemos ainda tem Fome e Pobreza? A Cáritas Brasileira realiza todos os anos a Semana da Solidariedade, na semana em que celebra seu aniversário. Neste ano na comemoração de seus 57 anos de concretização da sua missão de Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo a vida e participando da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural, junto com as pessoas em situação de exclusão social., estamos motivados com o tema: Solidariedade e Justiça Social, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para refletir sobre a invisibilidade das desigualdades sociais que geram fome e pobreza existente neste pais, principalmente nas periferias das grandes e medias cidades e no meio rural que são provocadas pelo atual modelo de desenvolvimento. Os dados oficiais do Governo Federal apontam que nos últimos anos ( ) o Brasil vêem conseguindo combater a pobreza e a miséria de 16 milhões de brasileiros através dos programas de transferência de renda, principalmente o bolsa família, proporcionando uma real melhoria nas condições de vida das pessoas. No entanto percebe-se ainda uma necessidade de avançar de forma a solucionar de maneira estruturante e efetiva essa mazela histórica que afeta toda sociedade a exemplo da não realização de um processo mais amplo de reforma agrária e urbana. Tendo como base esse cenário repugnante de negação de direitos, a Semana da Solidariedade deve ser assumida por todos os homens e mulheres que acreditam em Outro Mundo Possível, no Reino de Deus, na Terra Sem Males. Seja qual for o lugar social que ocupamos, dentro ou fora das estruturas religiosas, sociais ou políticas. Nossa tarefa é agir através de gestos de solidariedade para a denuncia, superação da realidade e construção de uma cultura de direitos humanos para todos e todas no alcance pleno da justiça Social. Este subsidio Solidariedade e Justiça Social: Rodas de Conversa, tem o objetivo de contribuir no processo da Semana da Solidariedade, sendo um instrumento de preparação para a vivencia da Semana. Queremos através dos assuntos das Rodas de Conversa, refletir sobre as desigualdades sociais, suas causas e conseqüências. Queremos também celebrar a vida e as capacidades de nos organizarmos em redes de solidariedades. A QUE VIEMOS? A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar. Martin King A Cáritas Brasileira tem a alegria de apresentar uma proposta de formação para as lideranças e coletivos das Cáritas, Pastorais e movimentos sociais. Trata-se das Rodas de Conversa sobre a temática Justiça Social e as desigualdades sociais. Objetivo Promover e qualificar lideranças diversas das Cáritas, Pastorais e movimentos sociais para a reflexão e debate coletivo em torno das questões sociais e 03

4 econômicas do Brasil, possibilitando assim espaços de diálogo para ações que gerem denuncia, anuncio e solidariedades para serem realizadas na Semana da Solidariedade. Realizar Rodas de Conversa para que? As Rodas de Conversa querem colaborar na construção e partilha de saberes sobre a vida e situações ou elementos que estão diretamente ligados as questões sociais e econômicas do país, na construção de alternativas na superação dessas realidades de desigualdade social, estabelecendo assim ações de solidariedade para a garantia dos direitos das pessoas que historicamente tem seus direitos violados. A intenção é garantir o diálogo a partir dos dados da realidade e fatos concretos das vidas das pessoas e como vivem. São duas Rodas de Conversa, e um roteiro celebrativo com o objetivo de animar para a esperança nas lutas para o alcance da plena justiça social para todas as pessoas. Posturas fundamentais para a realização das Rodas de conversa Ÿ Convidar outras igrejas, movimentos sociais, vizinhos e comunidade em geral para participarem das Rodas de Conversa; Ÿ São três rodas de conversa. Elas podem acontecer por etapas (a cada encontro realiza-se uma roda), ou em um único dia, de maneira que faça-se algumas adaptações a realidade para que seja realizada em forma de encontro de 1 dia.; Ÿ Escolher, com antecedência, o local para que as Rodas de Conversa aconteçam (casa, sede da associação, igrejas, salão comunitário...); Ÿ A preparação do ambiente deve estar organizada de acordo com o tema da Roda de Conversa. Importante lembrar que as cadeiras devem estar organizadas de forma circular, garantindo que todos/as se vejam na roda; Ÿ Importante ter uma previsão do número de participantes. Que o ambiente revele e tenha o rosto da temática da Semana da Solidariedade, ou seja, cartazes, folders, jornais, vídeos e símbolos; Ÿ Cada Roda de Conversa tem uma lista de material a ser providenciado com antecedência; Ÿ Realizar uma acolhida com apresentação dos participantes em todas as Rodas; 04

5 Roda de Conversa Desigualdade Social- Conhecendo a nossa realidade Objetivo da Roda Ampliar com o grupo elementos sobre a sociedade e como está organizada, percebendo as relações de poder através de dados como a distribuição de renda, a exclusão social e as desigualdades sociais. Materiais necessários: Cartaz da Semana da Solidariedade; Tecido colorido; imagens que reflitam as diversas desigualdades sociais no Brasil; papel onde deverão estar escritas palavras como: fome, miséria pobreza, violência, desigualdade, exclusão, morte, inseguranças, descriminação..., cópias dos textos Desigualdade Social e da música Cidadão (anexo) e aparelho de som. Preparando a Roda Preparar o ambiente com um círculo de cadeiras, já prevendo o número de participantes. Possibilitar que todos os símbolos estejam visíveis no centro da roda, bem como o objetivo da oficina, que pode estar escrito em um cartaz exposto em lugar visível. Acolhida Solidária Quem estiver facilitando a Roda de Conversa acolhe os/as participantes de forma atenciosa e cuidante. a) Entregar para cada pessoa um pedaço de papel onde deverão estar escritas palavras como: fome, miséria pobreza, violência, desigualdade, exclusão, morte, inseguranças, descriminação. b) Pedir para que cada pessoa diga o nome, a palavra que tem na mão e em seguida coloca o papel no centro da Roda. c) Em seguida todos/as cantam e dançam a ciranda 1. Deus chama a gente pra um momento novo de caminhar junto com o Seu povo. É hora de transformar o que não dá mais Sozinho, isolado, ninguém é capaz Por isso vem entra na roda com a gente também, você é muito importante. 2. Não é possível crer que tudo é fácil Há muita força que produz a morte gerando dor, tristeza e desolação. É necessário unir o cordão. 3. A força que hoje faz brotar a vida habita em nós pela sua graça. É ele quem nos convida pra trabalhar, o amor repartir e as forças juntar. 05

6 Nossos Saberes Nossa Vida Organizar os participantes em rodas de 5 pessoas e distribuir cópias do texto Desigualdade Social (anexo) para todos/as façam a leitura nas rodas. Caminhos de solidariedade Depois da leitura do texto, nas rodas os participantes devem destacar: Ÿ Como percebemos as desigualdades sociais presentes na sociedade? Ÿ Na nossa cidade, bairro, vizinhança quais as principais desigualdades sociais que estão presentes? Cada grupo deve apresentar de forma criativa (teatro, poesia, musica, mímica...)a discussão para todas as pessoas presentes. Na mística da solidariedade Escutar a música: Cidadão/Zé Geraldo (anexo) Depois de escutar a música provocar o grupo para refletir as seguintes questões: Ÿ Que pequenas iniciativas comunitárias podemos construir para superar a desigualdade social? Deixar o grupo se expressar, em seguida definir um gesto concreto de solidariedade como compromisso para a semana. Despedida Solidária Ao final combinar a data, local e quem coordena a próxima Roda de Conversa. Pedir para que todos/as tragam comidas e bebidas para partilhar. Todos se despedem com abraço e beijos. Anexos 1- Desigualdade Social A desigualdade social e a pobreza são problemas sociais que afetam a maioria dos países na atualidade. A pobreza existe em todos os países, pobres ou ricos, mas a desigualdade social é um fenômeno que ocorre principalmente em países não desenvolvidos. O conceito de desigualdade social é um guarda-chuva que compreende diversos tipos de desigualdades, desde desigualdade de oportunidade, resultado, etc., até desigualdade de escolaridade, de renda, de gênero, etc. De modo geral, a desigualdade econômica a mais conhecida é chamada imprecisamente de desigualdade social, dada pela distribuição desigual de renda. No Brasil, a desigualdade social tem sido um cartão de visita para o mundo, pois é um dos países mais desiguais. Segundo dados da ONU, em 2007 o Brasil era a 8º nação mais desigual do mundo. O índice Gini, que mede a desigualdade de renda, divulgou em 2010 que a do Brasil caiu de 0,58 para 0,52 (quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade), porém esta ainda é gritante. 06

7 Alguns dos pesquisadores que estudam a desigualdade social brasileira atribuem, em parte, a persistente desigualdade brasileira a fatores que remontam ao Brasil colônia, pré-1930 a máquina midiática, em especial a televisiva, produz e reproduz a ideia da desigualdade, creditando o pecado original como fator primordial desse flagelo social e, assim, por extensão, o senso comum compra essa ideia já formatada, ao afirmar que são três os pilares coloniais que apoiam a desigualdade: a influência ibérica, os padrões de títulos de posse de latifúndios e a escravidão. Junto com o próprio desenvolvimento econômico, cresceu também a miséria, as disparidades sociais educação, renda, saúde, etc. a flagrante concentração de renda, o desemprego, a fome que atinge milhões de brasileiros, a desnutrição, a mortalidade infantil, a baixa escolaridade, a violência. Essas são expressões do grau a que chegaram as desigualdades sociais no Brasil. Segundo Rousseau, a desigualdade tende a se acumular. Os que vêm de família modesta têm, em média, menos probabilidade de obter um nível alto de instrução. Os que possuem baixo nível de escolaridade têm menos probabilidade de chegar a um status social elevado, de exercer profissão de prestígio e ser bem remunerado. É verdade que as desigualdades sociais são em grande parte geradas pelo jogo do mercado e do capital, assim como é também verdade que o sistema político intervém de diversas maneiras, às vezes mais, às vezes menos, para regular, regulamentar e corrigir o funcionamento dos mercados em que se formam as remunerações materiais e simbólicas. Observa-se que o combate à desigualdade deixou de ser responsabilidade nacional e sofre a regulação de instituições multilaterais, como o Banco Mundial. Conforme argumenta a socióloga Amélia Cohn, a partir dessa ideia se inventou a teoria do capital humano, pela qual se investe nas pessoas para que elas possam competir no mercado. De acordo com a socióloga, a saúde perdeu seu status de direito, tornando-se um investimento na qualificação do indivíduo. Ou, como afirma Hélio Jaguaribe em seu artigo No limiar do século 21: Num país com 190 milhões de habitantes, um terço da população dispõe de condições de educação e vida comparáveis às de um país europeu. Outro terço, entretanto, se situa num nível extremamente modesto, comparável aos mais pobres padrões afro-asiáticos. O terço intermediário se aproxima mais do inferior que do superior. A sociedade brasileira deve perceber que sem um efetivo Estado democrático, não há como combater ou mesmo reduzir significativamente a desigualdade social no Brasil. Orson Camargo Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 07

8 2 - Cidadão/Zé Geraldo Tá vendo aquele edifício moço? Enchi o rio fiz a serra Ajudei a levantar Não deixei nada faltar Foi um tempo de aflição Hoje o homem criou asas Eram quatro condução E na maioria das casas Duas pra ir, duas pra voltar Eu também não posso entrar Hoje depois dele pronto Olho pra cima e fico tonto Mas me chega um cidadão E me diz desconfiado, tu tá aí admirado Ou tá querendo roubar? Meu domingo tá perdido Vou pra casa entristecido Dá vontade de beber E pra aumentar o meu tédio Eu nem posso olhar pro prédio Que eu ajudei a fazer Tá vendo aquele colégio moço? Eu também trabalhei lá Lá eu quase me arrebento Pus a massa fiz cimento Ajudei a rebocar Minha filha inocente Vem pra mim toda contente Pai vou me matricular Mas me diz um cidadão Criança de pé no chão Aqui não pode estudar Esta dor doeu mais forte Por que que eu deixei o norte Eu me pus a me dizer Lá a seca castigava mas o pouco que eu plantava Tinha direito a comer Tá vendo aquela igreja moço? Onde o padre diz amém Pus o sino e o badalo Enchi minha mão de calo Lá eu trabalhei também Lá sim valeu a pena Tem quermesse, tem novena E o padre me deixa entrar Foi lá que cristo me disse Rapaz deixe de tolice Não se deixe amedrontar Fui eu quem criou a terra Enchi o rio fiz a serra Não deixei nada faltar Hoje o homem criou asas E na maioria das casas Eu também não posso entrar Fui eu quem criou a terra 08

9 Roda de Conversa Desigualdade social Alimentação como direito humano Objetivo: Estimular para a reflexão conjunta sobre uma das maiores conseqüências da desigualdade social, o direito a alimentação, buscando alternativas de uma construção de uma política alimentar e nutricional. Materiais necessários Cartazes da Semana da Solidariedade, bacia vazia, tecido para forrar o chão, papeleras e pinceis atômicos, cópias do textos: Soberania Alimentar: realidade ou utopia e musica: É/Gonzaguinha Preparando a Roda Preparar o ambiente com um círculo de cadeiras, já prevendo o número de participantes. Possibilitar que todos os símbolos estejam visíveis no centro da roda, bem como o objetivo da oficina, que pode estar escrito em um cartaz exposto em lugar visível. Acolhida Solidária Quem estiver facilitando a Roda de Conversa acolhe os/as participantes de forma atenciosa e cuidante. Ÿ Quando todos/as estiverem presentes, dar as boas-vindas e dizer do objetivo da Roda de Conversa que deve estar escrito em um cartaz exposto em lugar visível. Ÿ Realizar um momento de apresentação: Pedir que cada um/a diga seu nome. Acolher a todos com cuidado e atenção. Ÿ Em seguida motivar para que todos/as possam olhar para os pés e fazer memória por onde os pés tem nos levado. Ÿ -Quais os lugares, pessoas, realidades que nossos pés tem nos levado? Ÿ Partilhar na roda. Ao final entra um/a jovem e declama a poesia: Andei pelos caminhos da vida. Ela me fez entrar: Caminhei pelas ruas do destinoprocurando meu signo. deu-me veste nova, perfumou meus cabelos... Bati na porta da Fortuna, fez-me beber de vinho. mandou dizer que não estava. Acertei o meu caminho. Bati na porta da Fama, falou que não podia atender. Cora Coralina Procurei a casa da Felicidade, a vizinha da frente me informou que ela tinha se mudado sem deixar novo endereço. Procurei a morada da Fortaleza 09

10 Nossos Saberes Nossa Vida Ÿ Distribuir para cada participante uma cópia da música É/Gonzaguinha. Orientar para que leiam a musica, em seguida todos cantam juntos, depois cada pessoa repete a frase ou palavra que mais marcou. Ÿ Organizar a Roda em dois grupos para fazer a leitura do texto: Soberania alimentar: Realidade ou Utopia? Caminhos de solidariedade Após a leitura os/as participantes devem ser motivados/as a conversar: Ÿ que mais chamou atenção no texto? Ÿ o que significa Segurança Alimentar? As pessoas fazem a partilha dos destaques do texto e da pergunta sobre soberania alimentar: Ÿ duas pessoas escrevem as principais palavras que aparecem nas partilhas em papeletas. Ÿ Depois que todas as pessoas falarem os responsáveis por escrever as palavras colocam as mesmas dentro de uma bacia vazia. Ÿ O animador/a explicar a dinâmica dizendo que as palavras são as formas concretas de garantia de soberania alimentar e nutricional para todas as pessoas. Na mística da solidariedade Todos cantam juntos a musica: Cio da Terra/Chico Buarque. Enquanto cantasse a musica as pessoas vão colocando em torno da bacia com as palavras que definem soberania alimentar e nutricional, os alimentos e bebidas que trouxeram para partilhar. Depois de escutar a música provocar o grupo para refletir as seguintes questões: - Ÿ Que pequenas iniciativas comunitárias podemos construir para garantir a soberania alimentar e nutricional? Ÿ Deixar o grupo se expressar, em seguida definir um gesto concreto de solidariedade como compromisso para a semana. Partilhar as bebidas e alimentos. Combinar com o grupo sobre o próximo encontro: dia, local e quem fica responsável por preparar. Pedir para que tragam frutas para partilha. Despedirem-se uns/umas dos/as outros/as com abraços e beijos 10

11 Anexos: 1. Soberania Alimentar: Realidade ou Utopia? Luiz Cláudio Lopes da Silva - Mandela Segurança Alimentar não é uma temática nova para a humanidade. Desde épocas remotas o ser humano sempre teve a preocupação de assegurar alimentos para os membros da sua comunidade; hoje esta preocupação continua, mobilizando diversos grupos, entre cientistas, leigos e estudiosos sociais, no debate desta questão fundamental para a sobrevivência do nosso planeta. Faremos neste artigo uma análise do termo Segurança Alimentar e discutiremos como as políticas públicas no Brasil estão sendo trabalhadas com relação a este tema. Segurança Alimentar Prover o alimento para o agrupamento social é uma inquietação que data dos primórdios da humanidade. A ciência constata que desde os hominídeos já havia uma preocupação velada pela satisfação alimentar das pessoas e de seus animais. Foram muitas as transformações sociais causadas pelo início do cultivo agrícola e o fim do nomadismo. A garantia do alimento fez com que os homens permanecessem em determinados locais, com condições favoráveis de clima, terra fértil e água em abundância, proporcionando a formação das primeiras aldeias e tribos permanentes. Em outros períodos da história a questão alimentar continuou sendo motivo de paz social ou de conflitos. Na Rússia dos czares, as profundas diferenças entre as demandas e ofertas de alimento criaram condições satisfatórias para a derrocada do exército russo e a instalação do governo revolucionário, sendo que este de imediato não conseguiu equilibrar as diferenças existentes, tendo que o campesinato do país ter de fazer grandes sacrifícios para garantir o abastecimento do proletariado urbano. Por fim, é certo afirmar que todo estado nacional tem preocupação com o abastecimento alimentar da população, principalmente após a segunda grande guerra e suas desastrosas conseqüências para a humanidade, principalmente para o Velho Mundo. Porém com a junção das duas palavras, formando o termo segurança alimentar que nasce na segunda metade do século passado, mais precisamente no início da década de 70, vai muito além; neste período o mundo passava por grave crise no mercado nacional de grãos o que veio gerar um debate intenso sobre a oferta em escala global de alimentos. Em 1974, as Nações Unidas realizaram a Conferência Mundial de Alimentos, que tinha como enfoque central à reflexão sobre a oferta de alimentos e ao mesmo tempo a importância da auto-suficiência nacional a despeito do abastecimento de alimentos, a partir deste período o termo Segurança Alimentar 11

12 começa a ser proliferado, debatido em todo o mundo. Como vimos anteriormente por detrás das palavras alimento e segurança, existe uma série de elementos e cargas teóricas que, quando analisadas juntas no termo segurança alimentar, este se engrandece e a carga de conhecimentos e a proliferação de análises conceituais se amplia. Segurança Alimentar e Nutricional é assunto em voga hoje. Porém muitos aspectos intrínsecos devem ser analisados antes de se realizar um programa neste sentido, levando em conta aspectos sociais, políticos e econômicos que norteiam a região da qual tratamos. Alguns aspectos são vitais para um projeto de Segurança Alimentar como quantidade de alimentos que deverão ser produzidos, qualidade nutricional destes alimentos, nível de autonomia com relação ao mercado, adequação cultural, participação de todas as camadas sociais e de gênero, acesso digno, consumo diversificado de alimentos, sem implicação na mudança dos hábitos alimentares já estabelecidos, acesso economicamente e ecologicamente sustentável, disponibilidade e qualidade da água, capacidade de utilização do alimento, condições de saúde e o mais importante: capacidade de organização do grupo a que se destina esta ação. Outro ponto que ressaltamos é a divulgação do que seja Segurança Alimentar, haja vista que ainda é um conceito novo e que de forma provocadora leve a uma reflexão de como estamos tratando a questão no nosso país e no mundo. Trata-se da política econômica que tem que existir em mínima coerência entre o previsto enquanto política e o decidido enquanto ação. Voltamos a afirmar a existência de uma questão econômica na fome, assim como existe uma questão econômica no desenvolvimento da sociedade brasileira. Afirmamos portanto que o desenvolvimento da economia do Brasil tem que está pautado nos 50 milhões de brasileiros que encontram-se abaixo da linha de pobreza, desta forma as políticas de superávit, de exportação, de importação e de pagamentos de juros e serviços da divida externa devem levar em conta esta realidade nacional. Um segundo elemento central para a constituição e elaboração de um plano de superação do estado de miserabilidade da população brasileira é enfrentar diferentemente três questões que ainda perduram como câncer na nossa sociedade. A primeira é as fortes heranças culturais e ideológicas, deixadas pelos 300 anos de escravidão, que acabaram com a lei Áurea, mas não deixaram a mínima condição cidadã para os ex-escravos. A segunda delas é o latifúndio: o Brasil é ainda o último país que ainda não solucionou os seus problemas fundiários, não podendo em tese entrar na globalização mundial, por não ter condições internas para enfrentar as adversidades da economia do comércio internacional excludente, sofrendo os cidadãos suas conseqüências. O 12

13 país precisa fazer uma reforma agrária, não por motivos ideológicos, como querem os movimentos sociais, mas por uma questão estratégica para a consolidação da sua própria sociedade. Por fim a terceira questão, colocada como um empecilho para o processo de superação as grandes contradições regionais existentes entre o sul e o norte, entre os pobres e os ricos. Esta questão é a reflexão sobre a qualidade da democracia no Brasil, descentralizando o poder, elevando a auto-estima das comunidades, dando cidadania digna aos os remanescentes de quilombos e as nações indígenas, qualificando os cidadãos para pensar sobre a solução dos seus problemas e provendo espaços de políticas públicas participativas e eficazes, além de uma política orçamentária adequada, e não colocando a responsabilidade das ações na sociedade civil e nos pequenos e médios empresários, já tão sobrecarregados de obrigações fiscais de diversas espécies. Concluímos, portanto, que o Brasil precisa partir para uma ação concreta e coordenada que garanta a cidadania e o direito a alimentação digna, que garanta a sobrevivência do seu povo. Acreditamos que o Programa Fome Zero ainda não corresponda a esses anseios, tendo em sua base uma boa reflexão sobre o tema, mas ainda sem estruturação para uma prática efetiva. 2. O Cio da Terra/Chico Buarque Debulhar o trigo Recolher cada bago do trigo Forjar no trigo o milagre do pão E se fartar de pão Decepar a cana Recolher a garapa da cana Roubar da cana a doçura do mel Se lambuzar de mel Afagar a terra Conhecer os desejos da terra Cio da terra, a propícia estação E fecundar o chão 13

14 Celebrando a Solidariedade Somos Cáritas, Somos Solidariedade! Preparando o espaço: Cadeiras em circulo, pano colorido, Bíblia, velas, cartaz da Semana da Solidariedade, símbolo que represente a Cáritas (regional, diocesana, paroquial), fotos de atividades e ações de solidariedade, ilustração de Dom Hélder Câmara. Aquecendo o coração Enquanto as pessoas se acomodam, cantar os mantras: Onde reina o amor, fraterno amor. Onde reina o amor, Deus ai está. Animador/a 1: Amigas e amigos, filhos e filhas do Deus da solidariedade que hoje nos reúne para celebrar a vida. Nos últimos dias vivenciamos momentos de reflexão e partilha, fazendo memória da solidariedade libertadora que nos coloca a caminho do Reino de Deus, junto com os excluídos e excluídas de nossos tempos. Na Semana da Solidariedade deste ano, toda Cáritas Brasileira se propôs a estar mais próximo das diversas realidades de desigualdades sociais, refletindo com a sociedade brasileira os desafios da justiça social e a violação dos direitos humanos. Queremos reafirmar as pessoas como sujeitos de direitos e como portadores da solidariedade que aponta e solidifica novos caminhos e novas relações com toda humanidade. Com todas essas motivações, celebremos cantando! (Durante o canto, jovens entram com cartaz da Semana da Solidariedade e símbolo que represente a Cáritas. Canto Anunciação 1. Na bruma leve das paixões que vêm de dentro, Tu vens chegando pra brincar no meu quintal. No teu cavalo, o peito nu, cabelo ao vento, E o sol quarando nossas roupas no varal. Tu vens, tu vens, / Eu já escuto teus sinais (2x). 2. A voz do anjo sussurrou no meu ouvido, / eu não duvido, eu já escuto os teus sinais. / Que tu virias numa manhã de domingo, / eu te anuncio nos sinos das catedrais. Animador/a 2: Muitos são os companheiros e companheiras que cotidianamente constroem um novo projeto de sociedade, pautado na solidariedade, no amor fraterno e na comunhão entre as pessoas. Hoje, queremos fazer memória de um irmão de lutas e de sonhos, que durante a vida sempre trilhou caminhos de libertação com aqueles que estavam à beira do caminho. Dom Hélder Câmara, 14

15 que em 12 de novembro de 1956 fundou a Cáritas Brasileira, foi um profeta que acreditou e batalhou para que todos os homens e mulheres fossem respeitados em sua condição humana. Nesta celebração, que para nós é tempo de agradecimento pelos 57 anos de atuação da Cáritas no território brasileiro, trazemos a imagem de Dom Hélder que para nós é exemplo vivo de solidariedade. Apresentamos também imagens de experiências de solidariedade que lutam pela igualdade e melhores condições de vida para todas as pessoas. (entrar com a ilustração de Dom Helder e imagens de ações de solidariedade). Canto Eu só peço a Deus Eu só peço a Deus Que a dor não me seja indiferente Que a morte não me encontre um dia Solitário sem ter feito o q'eu queria Eu só peço a Deus Que a dor não me seja indiferente Que a morte não me encontre um dia Solitário sem ter feito o que eu queria Eu só peço a Deus Que a injustiça não me seja indiferente Pois não posso dar a outra face Se já fui machucada brutalmente Eu só peço a Deus Que a guerra não me seja indiferente É um monstro grande e pisa forte Toda fome e inocência dessa gente Eu só peço a Deus Que a mentira não me seja indiferente Se um só traidor tem mais poder que um povo Que este povo não esqueça facilmente Eu só peço a Deus Que o futuro não me seja indiferente Sem ter que fugir desenganando Pra viver uma cultura diferente Temos mil razões para viver Acolhendo a Palavra Animador 2: Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo a vida e participando da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural, junto com as pessoas em situação de exclusão social. Essa é a missão da Cáritas Brasileira, que sob a luz do Evangelho vivencia a solidariedade e faz acontecer um novo tempo de graça com os excluídos/as. Refrão: Fazei Ressoar a Palavra de Deus em todo lugar (repetem-se o refrão várias vezes) Jovens entram com a bíblia e duas com as velas preferencialmente com vestes coloridas. Um dos jovens proclama o Evangelho: Lucas 10, (O Bom Samaritano) 15

16 Partilhando a Solidariedade Animador 2: Ÿ O que temos feito para transformar a realidade de exclusão social? Ÿ -Temos sido samaritanos? Preces pela Vida Todos/as são motivados para fazerem preces espontâneas. A cada prece todos/as dizem: Senhor, que a solidariedade alimente nossa vida. Mãos abertas Animador/a 1: O momento da celebração é um convite para ofertarmos à Deus e aos irmãos os frutos da terra e do trabalho, nossos bandeiras e instrumentos de luta, o que temos e o que somos. Como agentes Cáritas, queremos oferecer nossas vidas, o trabalho que desenvolvemos nos programas e projetos. Canto: Ofertório do povo Quem disse que não somos nada e que não temos nada para oferecer. Repare as nossas mãos abertas trazendo as ofertas do nosso viver. A fé do homem nordestino que busca um destino e um pedaço de chão. A luta do povo oprimido que abre caminho transforma a nação. O, o, o, o, recebe Senhor. Retalhos de nossa história bonitas vitórias que meu povo tem. Palmares, Caldeirão, Canudos são lutas de ontem e de hoje também. O, o, o, o, recebe Senhor. Aqui trazemos a semente sangue desta gente que fecunda o chão. Do gringo e tantos lavradores santo e operários em libertação. O, o, o, o, recebe Senhor. Coragem de quem dá a vida seja oferecida neste vinho e pão. É força que destrói a morte, muda nossa sorte é ressurreição. O, o, o, o, recebe Senhor. Partilha e despedida Animador/a 2: Chegamos ao final de nossa celebração. Antes, porém, de retornarmos para nossas casas queremos cantar as maravilhas que o Deus Libertador manifestou em nós durante esses dias, na certeza de que o caminho continua e que alimentados pela solidariedade seguiremos construtores de um novo mundo com justiça e igualdade entre todas as pessoas. Em Roda cada pessoa coloca a mão sobre o ombro da pessoa ao lado e dizem juntos/as a benção: Que a terra abra caminhos sempre a frente dos teus passos E que o vento sopre suave sobre os teus ombros Que o sol brilhe sempre cálido e fraterno no teu rosto Que a chuva caia suave entre teus campos E até que nos tornemos a encontrar 16

17 Deus te guarde no calor do seu abraço E, até que nos tornemos a encontrar Deus te guarde, Deus nos guarde em seu abraço Sugestão de atividades nas dioceses, paróquias, escolas, etc: Ÿ realize nos seus grupos, escolas, universidades e igrejas atividades para refletir sobre a fome e a pobreza no Brasil e o que provoca essa situação; Ÿ mobilize com o Poder Local e com o Consea de seu município audiências públicas para debater sobre a temática; Ÿ realize Seminário sobre a temática da fome e pobreza no Brasil; Todas as informações e materiais para download estão disponíveis no site 17

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Mobilidade Social. Aula 16 Mobilidade Social e Desigualdade Social

Mobilidade Social. Aula 16 Mobilidade Social e Desigualdade Social Aula 16 Mobilidade Social e Desigualdade Social Mobilidade Social Mobilidade é toda a passagem de um indivíduo ou de um grupo de uma posição social para outra, dentro de uma constelação de grupos e de

Leia mais

SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11)

SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11) Vivendo a Liturgia Julho/2011 SOLENIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS PADROEIRO DA DIOCESE DE UNIÃO DA VITÓRIA (01/07/11) É Importante lembrar que o Sagrado Coração de Jesus é o Padroeiro de nossa Diocese,

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

CÃNTICOS MISSIONÁRIOS SANTAS MISSÕES POPULARES

CÃNTICOS MISSIONÁRIOS SANTAS MISSÕES POPULARES 1 CÃNTICOS MISSIONÁRIOS SANTAS MISSÕES POPULARES DIOCESE DE GUAXUPÉ SEJA BEM VINDO G D C G Você que está chegando, bem-vindo seja bem-vindo! G D C G Você que está chegando bem-vinda seja bem-vinda! C D

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

XVIII Domingo TC -ANO A. EVANGELHO Mt 14,13-21. Jesus Novo Moisés. «Tomou os cinco pães e os dois peixes e Todos comeram e ficaram saciados...

XVIII Domingo TC -ANO A. EVANGELHO Mt 14,13-21. Jesus Novo Moisés. «Tomou os cinco pães e os dois peixes e Todos comeram e ficaram saciados... EVANGELHO Mt 14,13-21 Jesus Novo Moisés «Tomou os cinco pães e os dois peixes e Todos comeram e ficaram saciados....» Ambiente: «Tomou os cinco pães e os dois peixes e Todos comeram e ficaram saciados....»

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano FESTA DO PERDÃO Igreja de S. José de S. Lázaro 2º ano 5 de Março de 2005 FESTA DO PERDÃO As crianças com o seu respectivo catequista estão sentadas nos bancos. Na procissão de entrada, o sacerdote segurando

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

MOMENTO DE ORAÇÃO (nos cânticos o que está em caracteres tachados não deve ser pronunciado, apenas sua melodia deve ser lembrada com um leve sussurro)

MOMENTO DE ORAÇÃO (nos cânticos o que está em caracteres tachados não deve ser pronunciado, apenas sua melodia deve ser lembrada com um leve sussurro) MOMENTO DE ORAÇÃO (nos cânticos o que está em caracteres tachados não deve ser pronunciado, apenas sua melodia deve ser lembrada com um leve sussurro) Canto inicial: OFERTÓRIO DA COMUNIDADE 1. Nesta mesa

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!... SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...) A cada manhã 71 (A cada manhã as misericórdias se renovam...)

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP-

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- 1 ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- DIA 15.06.2010 MOMENTO ORANTE ECUMÊNICO PELA PASSAGEM DO 59º ANIVERSÁRIO DA ACHUAP (para propiciar momento de silêncio e

Leia mais

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO ORIENTAÇÕES GERAIS Bem-vindos à nova estação dos GFs: a estação do evangelismo! Nesta estação queremos enfatizar pontos sobre nosso testemunho de vida

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

40 anos se passaram! E muitos de vocês que hoje se reúnem para celebrar este aniversário devem se perguntar por que estamos celebrando algo que não

40 anos se passaram! E muitos de vocês que hoje se reúnem para celebrar este aniversário devem se perguntar por que estamos celebrando algo que não 40 anos se passaram! E muitos de vocês que hoje se reúnem para celebrar este aniversário devem se perguntar por que estamos celebrando algo que não estivemos no começo. A história do Povo de Deus nos remete

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Dá-me de beber! João 4,7

Dá-me de beber! João 4,7 SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS 18 a 25 Janeiro de 2015 Dá-me de beber! João 4,7 CONSELHO PORTUGUÊS DE IGREJAS CRISTÃS COMISSÃO EPISCOPAL MISSÃO E NOVA EVANGELIZAÇÃO CELEBRAÇÃO DE CULTO ECUMÉNICO

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Oração ao finalizar o Ano 2015

Oração ao finalizar o Ano 2015 Oração ao finalizar o Ano 2015 QUE SEU AMOR SE EXTENDA POR TODA A TERRA Reunimos em oração no último dia do Ano para dar graças a Deus por tantos dons recebidos pessoalmente, na família, na comunidade,

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

COMUNIDADE CRIATIVA UM OLHAR PARA FORA

COMUNIDADE CRIATIVA UM OLHAR PARA FORA 15 2 COMUNIDADE CRIATIVA UM OLHAR PARA FORA Por que você deve dar este estudo Na semana passada estudamos sobre acolhimento, uma importante característica de nossa comunidade. Hoje vamos conversar sobre

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM 26 de julho de 2015 Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes Leituras: Segundo Livro dos Reis 4, 42-44; Salmo 144 (145),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA:

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA: CANTO DE ENTRADA: CANTOS PARA O NATAL 01. PEQUENINO SE FEZ (SL 95): J.Thomaz Filho e Fr.Fabretti Pequenino se fez nosso irmão, Deus-conosco! Brilhou nova luz! Quem chorou venha ver que o Menino tem razão

Leia mais

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano.

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano. Conclusão Geral Para que a Igreja possa cumprir sua missão solidária e libertadora na AL, terá que estar em contínuo processo de conversão e sintonizada com os sinais dos tempos. Somente assim poderá se

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

10 Milhões de Estrelas

10 Milhões de Estrelas 10 Milhões de Estrelas Eles, revendo a estrela, alegraram-se imensamente. (Mt. 2, 9b-10) Mística e Espiritualidade As estrelas sempre estiveram presentes na espiritualidade dos povos e igrejas inspirados

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO 1. UM POUCO ALÉM DO PRESENTE (10º DOMINGO) 1. Um pouco além do presente, Alegre, o futuro anuncia A fuga das sombras da noite, A luz de um bem novo dia. REFRÃO: Venha teu reino,

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015]

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] 1 Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] Página 9 Na ilustração, Jesus está sob a árvore. Página 10 Rezar/orar. Página 11 Amizade, humildade, fé, solidariedade,

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas

PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP 1966 2016 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO Arquidiocese de Campinas CONCURSO: LOGOMARCA COMEMORATIVO AOS 50 ANOS DE EVANGELIZAÇÃO DA PARÓQUIA SÃO CRISTÓVÃO VALINHOS, SP INTRODUÇÃO

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

DOMINGO XXIII DO TEMPO COMUM ANO B LEITURAS

DOMINGO XXIII DO TEMPO COMUM ANO B LEITURAS Ministério dos leitores PREPARAR PARA PROCLAMAR Os fiéis, de acordo com o Livro dos Atos dos Apóstolos, quando se reúnem dominicalmente, no dia do Senhor têm como finalidade primeira escutar a Palavra

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Deus se faz nosso irmão

Deus se faz nosso irmão 1 Deus se faz nosso irmão Cantos para a Novena de Natal Coletânea 2 Sumário 01. A luz virá... 3 02. Ó Luz, que vieste ao mundo... 4 03. Eis que de longe vem o Senhor... 5 04. Senhor, vem salvar teu povo...

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Explicação da Missa MISSA

Explicação da Missa MISSA Explicação da Missa Reunidos todos os catequizandos na Igreja, num primeiro momento mostram-se os objetos da missa, ensinam-se os gestos e explicam-se os ritos. Em seguida celebra-se a missa sem interrupção.

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014 Adoração ao Santíssimo Sacramento Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa 4 de Março de 2014 Leitor: Quando nós, cristãos, confessamos a Trindade de Deus, queremos afirmar que Deus não é um ser solitário,

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

por Adelita Roseti Frulane

por Adelita Roseti Frulane A Companhia da Imaculada e São Domingos Sávio por Adelita Roseti Frulane Em 28 de dezembro de 1854, em Roma, o Papa Pio IX proclamou o Dogma de Fé da Imaculada Conceição de Maria Santíssima. E em Turim,

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER)

PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) Viva a Palavra PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) 1º Bloco Em nosso Programa, vamos conversar sobre o manual da Campanha da Fraternidade 2015. A Igreja no Brasil

Leia mais

Leitor 2 Este é o dia que o Senhor fez para nós! SL 118

Leitor 2 Este é o dia que o Senhor fez para nós! SL 118 Acolhida Jubilar Recepção de todas as famílias. Acolher com cantos de boas-vindas. Abertura Jubilar Material a ser usado: Coreografia com as cores do Centenário: vermelho, laranja e verde estas cores simbolizam

Leia mais

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7)

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7) A ALEGRIA DE OFERTAR A lição a seguir é relato de um fato ocorrido durante a Campanha de Missões de Setembro /2001. O objetivo principal é desenvolver nas crianças o amor pela contribuição na obra missionária.

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais